Você está na página 1de 254

~1~

Jessica Gadziala
#2 The Ghost
Série Professionals

Tradução Mecânica: Criz


Revisão Inicial: Criz
Revisão Final: Lili Wings
Leitura: Raziel Wings
Verificação: Aurora Wings

Data: 06/2019

The Ghost Copyright © 2018 Jessica Gadziala

~2~
SINOPSE

Sloane tem tudo o que achava que sempre quis, uma grande
carreira, um ótimo apartamento, ótimas roupas, uma vida pela qual
trabalhou muito.
Até uma noite, um encontro casual, uma decisão que mudou tudo.
Sem opções, ela pede a ajuda de Quinton Baird & Associates, que
prontamente a informa que ela tem que deixar tudo, a carreira, o
apartamento, a vida que trabalhou tão duro para construir para si
mesma, para trás.
Se tudo isso não bastasse, todo o seu futuro, e a vida em geral,
estava nas mãos de um homem cujos colegas de trabalho chamavam de
"O Fantasma". Porque era o que ele fazia, ele tornava as pessoas
fantasmas, as escondia, dava-lhes novas vidas, tornava-as impossíveis
de serem encontradas.
Sem outra escolha, ela concorda com seus termos, sobe em um
carro com ele e viaja quase todo o país em direção à sua nova vida. Mas
as longas horas na estrada, e ainda mais horas em cabanas e quartos de
hotel, as coisas começam a se tornar claras. Como o quão infeliz ela tinha
sido, quão oca era sua vida, o quanto ela se negara em nome do sucesso
superficial.
E talvez, apenas talvez, o quanto ela estava começando a perceber
o quão erradas as primeiras impressões podem ser, e o quanto uma
pessoa pode começar a significar para você quando decidir deixá-las
entrar…

~3~
A SÉRIE

Série Professionals
Jessica Gadziala

~4~
Gunner

— O que você está fazendo? — eu perguntei, olhando para onde


Lincoln de repente se jogou debaixo da mesa.
— Aquelas garotas que entraram, — ele explicou, acenando com a
mão para as duas que tinham entrado e sentando no bar.
— O que tem elas?
— Eu dormi com as duas, — ele explicou, depois balançou a
cabeça. — Como diabos eu deveria saber que elas eram irmãs?
Eu bufei com isso, dando uma longa olhada nas duas loiras altas
e de pernas longas com seios pequenos e bundas redondas, olhos azuis
e estrutura óssea muito similar. — O fato de que elas poderiam ser
gêmeas pode ter sido uma benção.
— Foi divertido. Eu não estava analisando os marcadores de DNA,
— disparou de volta. — Quando elas descobriram, quebraram meu para-
brisa.
— Você disse que um galho de árvore caiu sobre ele.
— Sim, depois que elas bateram com ele uma dúzia de vezes.
Cristo.
Lincoln gostava de mulheres.
Lincoln realmente gostava de mulheres.
Em geral, ele não era aquele tipo de cara. Ele era mais propenso a
ter uma garota estável do que uma série de opções aleatórias. Mas
quando ele se recupera de um rompimento, era conhecido por fazer um
tour em algumas camas antes de se estabelecer com alguém novamente.
Aparentemente, isso ocasionalmente o colocou em situações
complicadas.
— Pare de ser um galinha, — eu disse enquanto sua mão se
estendia sobre a mesa em busca de sua cerveja.

~5~
— Eu acabei de pegar o carro, cara. Eu não quero colocar esse
pobre bebê nisso outra vez.
No topo estavam as mulheres, mas Lincoln tinha uma queda por
carros. O fodido tinha que fazer seguro pela frota porque ele tinha tantos.
Ele veio ao escritório há três dias exigindo que todos saíssemos e
olhassem para o novo Camaro que ele tinha acabado de comprar depois
que seu último trabalho rendeu o dobro do que seu ganho habitual lhe
dava.
— Você realmente vai ficar aí embaixo a noite toda? Elas parecem
estar se acomodando, — acrescentei quando as duas garotas pegaram os
lugares vazios no bar, mexendo as cerejas em suas bebidas. — Além
disso, elas provavelmente já esqueceram isso, — acrescentei, enquanto
uma delas sorria para um cara de terno no final do bar. — Claro que você
não é tão memorável, — eu terminei, só porque o bastardo tinha um ego
grande o suficiente.
— Você está certo, — ele concordou, sentando, se acomodando. —
Tenho certeza de que elas acabaram... oh merda, — ele disse quando uma
das garotas olhou para ele, então deu uma cutucada na irmã. Houve um
momento do que parecia uma conversa furiosa antes de começarem
novamente.
Meu celular vibrou na mesa, fazendo-me soltar um grunhido, um
pouco demais para ver como essa interação iria. — Sim?
— Sim? É assim que você responde a uma ligação de trabalho? —
Jules perguntou, com malícia em sua voz, como sempre havia quando
ela falava comigo. E, para ser justo, o mesmo quando eu falava com ela
também.
Algumas pessoas você conhecia e se identificava imediatamente.
Outras levavam tempo.
Algumas simplesmente nunca seriam pessoas que você queria
estar por perto.
E então havia poucas que entravam em sua vida como óleo em sua
água.
Assim era Jules e eu.

~6~
Isso não significava que eu não a respeitasse, mas também não
precisava gostar dela.
— Tem um problema com isso, você poderia ligar para outra
pessoa, — sugeri, girando meu copo enquanto as meninas finalmente
atravessavam a multidão da noite de sábado, aproximando-se de nossa
mesa.
— Infelizmente, eu tenho que falar com você. É o seu tipo de
trabalho.
Meu tipo de trabalho.
Isso significava que eu estava prestes a ficar fora da cidade por um
tempo.
E, honestamente, estava ansioso por isso. Eu estive no mesmo
lugar por muito tempo, trabalhando nos serviços dos outros caras
quando eles precisavam de ajuda, não fazendo nenhum dos meus.
A última vez que me afastei foi depois do trabalho na Rússia no ano
passado, quando fiz a esposa desaparecer.
Eu precisava ficar longe por um tempo.
— Estou a caminho, — eu disse a Jules, desligando.
— Não me deixe, — exigiu Lincoln quando as meninas finalmente
pararam próximo a mesa.
— Desculpe, cara. Consegui um trabalho. Você está sozinho, — eu
disse, batendo a mão em seu ombro enquanto saía do meu lugar e
caminhei pelo bar.
O ar tinha um toque de primavera quando sai lá fora. O inverno
nos dominara por um tempo que parecia uma eternidade, era bom saber
que o fim estava próximo.
Lincoln me trouxe, e desde que ele provavelmente estava recebendo
uma castração a faca de manteiga agora mesmo, eu me virei e comecei a
andar pela cidade em direção ao escritório que tinha sido minha casa por
alguns anos.
Era uma espécie de estabilidade para alguém que nunca conhecera
muito, sempre tive asas e sem raízes, um lugar para chamar de lar,
mesmo que eu às vezes me irritasse com a ideia.

~7~
Quin me ofereceu o emprego depois que ele me entregou uma
garota que era apenas uma criança que realmente precisava escapar de
seu ex abusivo. Ele tentou escondê-la, mas ela continuou sendo
rastreada.
Depois de alguns meses e descobrindo que o ex finalmente desistiu,
ele veio até mim e me contou sobre a empresa que estava abrindo, que
precisava de um homem como eu na equipe.
E, bem, na minha linha de trabalho, nunca houve tal coisa como
um salário fixo. Eu trabalhava quando um trabalho aparecia na minha
direção, mas por outro lado, tive que fazer outros bicos para conseguir
pagar as contas. Ele ofereceu um fim a essa incerteza.
Ao fazer isso, ele me trouxe para sua pequena família.
Ele me deu raízes que eu nunca quis, mas talvez fosse necessário.
Pelo menos entre trabalhos de qualquer maneira.
Eu tinha um lugar na cidade.
Com certeza, não era exatamente o que você poderia chamar de
“decorado”, mas minha merda ficava lá entre um trabalho e outro. Não
era nada impressionante, mas era meu. Eu tinha um pequeno quintal
para cuidar, uma garagem onde eu poderia trabalhar na minha picape se
eu precisasse. Uma sala de estar de bom tamanho para caber minha TV.
Uma cozinha onde fazia café e guardava a comida congelada.
E, mais importante, era minha.
Totalmente.
Eu possuía isso diretamente.
Eu não era um homem que precisava de muita merda material,
mas a merda que eu tinha, ninguém poderia tirar de mim.
Subi os degraus da frente até o prédio, abri a porta e entrei.
— Que porra é tudo isso? — eu perguntei, acenando com a mão ao
redor da área de recepção que costumava ser aberta e espaçosa, mas
atualmente estava cheia de malas. Bagagens combinando. Toda rosa
clara com detalhes em dourado. Sacos de vestuário. Uma pasta. Até um
maldito baú. Tudo isso, cada peça... combinando.
— Os pertences de sua cliente, — Jules informou por trás de sua
mesa, sua cabeça se abaixou, fazendo seu rabo de cavalo alto cheio de

~8~
cabelos ruivos cair para frente para emoldurar os lados de seu rosto. —
Quin está esperando por você, — ela acrescentou incisivamente quando
eu fiquei lá olhando para a bagagem. Tinha que haver umas doze
bagagens. Pelo menos.
— Tem um arquivo?
— Ainda não.
Com isso, sabendo que eu não conseguiria mais nada dela, eu me
movi, tomando um minuto para pegar um café, querendo encobrir a
cerveja na minha respiração. Mesmo se eu tomei apenas uma. Nunca era
uma boa coisa encontrar um novo cliente cheirando a álcool. Mesmo que
fosse depois das dez em uma noite de sábado. E eu tive que ser chamado
para lidar com ele.
Indo pela porta de Quin sem bater, ouvi vozes lá dentro, a baixa e
firme de Quin, distinta mesmo que fosse abafada. E a mulher? Mais alta,
é claro, falando rápido, parecendo um pouco agitada.
Suspirando, eu abri a porta, imaginando que com quem quer que
eu fosse ficar preso, eu ficaria preso. Mesmo que ela estivesse de mal
humor. Podia muito bem começar as apresentações.
— Aí está ele agora, — disse Quin para a mulher que estava do
outro lado de sua mesa.
Levou uns bons quinze minutos para atravessar a cidade. Ela
provavelmente estava aqui uns bons vinte antes mesmo de eu receber a
ligação. E ela ainda estava de pé?
De costas para mim, tudo o que eu realmente consegui ver foi um
belo rabo de cavalo loiro, um corpo alto e magro, calça cinza, e um top
rosa claro que era um pouco transparente nas mangas. Ah, e malditos
saltos nos pés. Uma bolsa estava na cadeira atrás dela, rosa como toda
a bagagem, mas com um leve padrão branco. Flores ou alguma merda.
A primeira palavra que me veio à mente foi dinheiro.
Ela parecia como dinheiro.
Ela se vestia como dinheiro.
Ela era feita como dinheiro.

~9~
Inferno, ela ainda cheirava a dinheiro. Uma sugestão de algo que
estava no ar, mas suave, intrigante, fazendo você querer se aproximar e
respirar fundo.
Nas palavras de Quin, a cabeça da minha cliente virou.
E foda-se.
Soco.
Intestino.
Essa era a única maneira de descrever o impacto que senti
fisicamente quando ela olhou para mim.
Linda.
Não era uma palavra que eu soltasse facilmente, geralmente
encontrando outras que melhor se adequassem às mulheres. Mas, neste
caso, era apropriado.
Seu rosto era todo delicado. Linhas suaves. Maçãs do rosto altas.
Um queixo delicadamente pontudo. Nariz pequeno. E estes olhos
marrom-mel únicos como merda.
Minha primeira observação sobre ela, porém, só foi solidificada
quando obtive a imagem completa. A maquiagem discreta, pérolas em
suas orelhas, o colar simples e delicado no V aberto de sua blusa, o anel
em seu dedo com uma pedra que impressionaria qualquer um. Que eu
não tinha dúvidas era real.
Dinheiro.
— E aí? — eu perguntei, fechando a porta, encostando-me contra
ela, levantando minha caneca para tomar um gole. — Você está fugindo
do seu papai? Ele quer muitos boquetes em troca do seu dinheiro
mensal?
Meus lábios se curvaram ligeiramente na maneira como os olhos
dela se estreitaram, a mandíbula apertada, o queixo erguido.
Sim.
Essa era a cadela rica trepadeira.
— Desculpe?
Ah, e os braços cruzados também.
Era como se houvesse algum manual, como deixar claro que você
veio do dinheiro. E ela memorizou cada palavra.

~ 10 ~
— Gunner, — disse Quin em sua voz de chefe, algo que ele não usa
muitas vezes comigo, então tive que arriscar um palpite de que ele não
queria que eu ficasse com essa porra porque ela precisava muito de nossa
ajuda, e ele era um otário para uma donzela em perigo, parecia, ou
porque ela estava disposta a pagar uma bolada pela nossa ajuda.
Ou ambos.
— Certo, — eu disse, fingindo ser castigado. — Seu acordo de
boquete por dinheiro não é da minha conta.
Quin resmungou baixinho, me dando sua tentativa patenteada de
manter sua boca fechada, que parecia que ele só reservava para mim. —
Gunner, esta é Sloane Blythe-Meuller, — ele explicou ele.
Sim.
Ela tinha o nome rico também.
Isso era outra coisa.
— Senhorita Blythe-Meuller, este é Gunner.
— Como você pôde ouvir, — Sloane começou, erguendo o queixo
como uma rainha olhando para seus camponeses, — essa é a Srta.
Blythe-Meuller. Eu não preciso de um papaizinho, eu me financio.
E eu juro que as palavras saíram como - você está abaixo de mim.
Foi o que o tom dela disse.
Bem, merda, ela provavelmente estava certa em alguns aspectos.
Eu nem sabia como uma colher de prata parecia na minha mão.
— Se vocês dois puderem reprimir um pouco os egos, — cortou
Quin, ignorando o olhar da mulher enquanto virava para ele, — e se
sentarem, — acrescentou em um tom que implicava que ele a convidou
para se sentar com seu belo traseiro várias vezes já. — Temos que discutir
o caso.
— Desculpe, não temos pétalas de rosa para espalhar sobre a
almofada, — eu disse enquanto me deixava cair na cadeira enquanto ela
levantava a bolsa e inspecionava a sua cadeira por um segundo.
No meu comentário, os olhos dela ficaram pequenos novamente,
mas ela finalmente se sentou, sua bolsa descansando em seu colo, a
cabeça ainda toda erguida, e seu olhar me evitando completamente.

~ 11 ~
— Tudo bem, — disse Quin com um suspiro, passando a mão pela
penugem escura no rosto. — Então a Srta. Blythe-Meuller estava saindo
do trabalho há quatro meses, — ele começou a falar. — E ela viu um
homem levar uma bala na cabeça.
Bem, merda.
Isso sujou seu belo mundo rosa e dourado, não é?
— Ela, é claro, saiu de lá. E foi direto para a polícia sobre o que
tinha visto. Acontece que o homem com a arma era Rodrigo Cortez.
— O? — eu perguntei, esclarecendo. Não era exatamente um nome
incomum. Mas enquanto havia mil Rodrigo Cortez, havia apenas um
conhecido por lidar com metanfetamina na cidade.
— O, — concordou Quin. — O promotor estava tentando construir
um caso sobre ele por anos.
— E você e seu Louboutin, — eu comecei, sendo o único designer
que eu poderia pensar, — caíram de bunda bem em seu colo.
— Louboutin faz sapatos, não calças, — ela atirou de volta, rolando
aqueles olhos claros, provavelmente pensando que eu não podia ver sem
ela me encarar.
— De qualquer forma, — cortou Quin, a voz ficando tensa. — Eles
o trouxeram, fizeram o reconhecimento, pressionaram as acusações.
Colocando a senhorita Blythe-Meuller para testemunhar.
Não me escapou exatamente que ela nunca disse a ele para apenas
chamá-la de Sloane. Quem fazia isso? Especialmente se eles tinham um
daqueles nomes irritantes e hifenizados assim?
— Ficou nervosa? — eu perguntei, drenando o resto do meu café.
— Eu recebo ameaças de morte, — ela corrigiu, seu olhar
finalmente indo para mim. — Em casa. No trabalho.
Eu assenti com a cabeça, imaginando que parecia certo. Esse era
o modus operandi quando você tinha um caso construído apenas em
depoimentos de testemunhas.
— Você foi para a polícia com isso?
— Eles se ofereceram para me colocar na... — ela parou, tentando
se lembrar do termo.

~ 12 ~
— Lista de vigilância, — eu forneci, que significa estar na lista de
vigia. Que era uma maneira chique de dizer que um policial passaria pela
sua casa ou empresa de vez em quando. Sendo completamente inútil.
— Sim, isso. Eu os vi passarem... uma vez a cada três ou quatro
horas. É realmente chocante que esse homem tenha conseguido escapar
de uma rede de segurança tão rigorosa.
— Você poderia ter conseguido segurança particular, — sugeri,
colocando minha caneca na borda da mesa de Quin. Ela certamente
parecia que poderia pagar por uma equipe decente para ficar de olho nela.
— Eu obtive. Três firmas separadas.
— Landers, Eccelson e Heiro, — disse Quin.
Aqueles eram bons nomes, grandes nomes.
Eles eram para quem você ia quando precisava garantir sua própria
segurança. Celebridades e políticos os usavam. Se eles não pudessem
fazer o trabalho, o trabalho não poderia ser feito.
— O que aconteceu? — eu perguntei, olhando para Sloane, embora
seu olhar estivesse no relógio em seu pulso, rolando ao redor, um
pequeno sinal de nervosismo em seu corpo de outra maneira muito
composta.
Quin, no entanto, respondeu.
— Landers levou uma bala. Eccelson foi demitido quando um dos
homens de Cortez entrou em seu apartamento enquanto ele estava
vigiando. Ela voltou a promotoria para sair do caso. Mas...
— Cortez é um verdadeiro filho da puta, e continuou vindo por
princípio.
— Exatamente.
— E Heiro?
— Cortez entrou pela escada de incêndio do lado de fora da janela
do meu banheiro enquanto eu estava no chuveiro, — Sloane forneceu.
— Mostre a ele, — Quin exigiu, com voz que não deixava
argumento.
Para isso, embora parecesse completamente impossível, seu corpo
ficou ainda mais rígido quando ela lentamente se levantou, colocando a

~ 13 ~
bolsa de volta na cadeira, virando-se para mim, estendendo a mão,
agarrando a bainha de sua blusa de aparência macia e levantando.
No começo, tudo que vi foi a pele lisa e sedosa. Até que sua blusa
estava sobre o umbigo.
Então lá estava.
Um ferimento costurado de sete centímetros de comprimento.
— Errou seu fígado por um centímetro, — observei. — Quando foi
isso? — eu perguntei quando ela deixou cair a blusa de volta, virou-se,
pegou sua bolsa, e cuidadosamente se sentou de volta, de costas eretas.
— Ontem à noite, — ela forneceu. — O próprio Heiro foi ao hospital
comigo, onde me disse que esse caso estava além do alcance deles. Que
com uma acusação de assassinato em primeiro grau na mesa, Cortez
continuaria vindo até mim com tudo o que tinha. Até mesmo se eu
deixasse meu testemunho, eles ainda estariam olhando para ele.
— Ele apontou você em nossa direção, — concluí.
— Sim.
— Você sabe o que eu faço, duquesa?
— Você torna as pessoas fantasmas, — ela forneceu. — O Sr. Baird
disse que é como “proteção de testemunhas blindado”.
— Algo assim, — eu concordei. — Significa todos os seus laços,
tudo que você tem em sua vida, todos que você ama ou até mesmo apenas
tolera... eles estão mortos para você agora, — eu disse a ela, não para
adoçar. O que eu fazia era difícil e permanente. Sua vida nunca mais
seria a mesma.
— Eu entendo o processo, — ela disse, mas estava dizendo a Quin,
não a mim.
— Você vai trabalhar comigo, senhorita Blythe-Meuller, — eu disse,
talvez um pouco sarcástico. — Isso pode ser melhor se você puder pelo
menos olhar para mim. —Claramente orgulhosa, não querendo ser
convencida, sua cabeça girou para mim, aqueles olhos únicos foram para
os meus. — Quin lhe explicou como seria esse processo?
— Eu pensei em deixar isso para você, — disse Quin, acenando
com a mão.

~ 14 ~
— Tudo bem, — eu disse, dando-lhe o mesmo contato visual que
ela estava me dando, sabendo que o meu era enervante, por isso disse
algo que ela poderia segurar. — Hoje à noite, você vai ficar aqui. No andar
de cima. Temos quartos para os clientes. Enquanto você faz isso, vou
elaborar um plano. Você não tem voz em onde acaba. Chute, grite, morda,
arranhe, mas não mudará nada. Sua vida está em minhas mãos até que
você esteja resolvida. Então você está por sua conta própria. Mas se você
assinar os papéis que Jules está, sem dúvida, preparando agora, prepare-
se para nunca ter a sua vida atual de novo
— Se algo acontecer, — ela disse, num tom ainda tão composta.
Especialmente considerando que ela tinha acabado de ser esfaqueada há
doze horas atrás. — Abaixo da linha. No futuro. Se ele me encontrar...
— Ele não vai. — Eles nunca acham. Eu sou bom. Caso encerrado.
— Se ele achar, — ela tentou novamente. — Ainda posso pedir
ajuda?
— Claro, — respondeu Quin, chamando sua atenção de volta para
ele. — Se, por alguma chance insana, ele te encontrar. Você pode nos
ligar. Vamos mandar alguém, quem estiver mais próximo de você da
nossa equipe a qualquer momento, para buscá-la. Então o processo
começa novamente.
— Quantas vezes isso teve que acontecer?
— Nenhuma, — eu respondi, tom final.
— De quantos casos? — ela pressionou, claramente tendo
problemas de confiança sobre isso. E, bem, se três das melhores
empresas de segurança privada da cidade falharam com você, eu
entendo, eu posso ver isso.
— Sessenta e três. Desde que trabalho aqui. Mais por conta
própria.
— E ninguém nunca foi encontrado.
— Ninguém jamais foi encontrado, — confirmei.
— Tudo bem, — ela concordou, dando um aceno a Quin.
Ele apertou o botão na mesa de Jules e, nem um minuto depois,
ela entrou com os papéis, esperando que eles fossem assinados.

~ 15 ~
— Jules, você pode mostrar a Srta. Blythe-Meuller um dos quartos
no andar de cima? Gunner e eu precisamos discutir algumas coisas, —
ele acrescentou quando Sloane pulou da cadeira, claramente ansiosa
para fugir. E, parecia, principalmente de mim.
O que era uma pena para ela.
Ela estava prestes a ter muito de mim em sua vida.
— Tente jogar bem, — Quin me disse quando estávamos sozinhos.
— Com a senhorita Blythe-Meuller? — eu atirei de volta, sorrindo.
E enquanto ele era o chefe, e usava bem essa pessoa profissional,
uma vez que estávamos sozinhos, ele soltou uma risada disso também.
— Sim, com a Srta. Blythe-Meuller. Dê um tempo a ela. Ela teve
uma vida difícil. Você poderia tentar ser menos idiota.
— Ser um idiota é o porquê de você me pagar tão bem, — eu disse,
pegando minha papelada para olhar em meu próprio escritório.
Eu tinha esse sentimento distinto de que a senhorita Blythe-
Meuller não era o tipo de mulher que ia se comportar bem.
Então eu não tinha intenções de fazer isso também.

~ 16 ~
Sloane

— Você não vai me dizer que tudo vai ficar bem? — eu perguntei
depois que a ruiva com uma ótima saia e saltos assassinos me levou ao
redor do prédio, depois subiu uma escada nos fundos para o segundo
andar.
— Eu acho que este é provavelmente o pior dia da sua vida, — ela
disse, encolhendo um ombro levemente enquanto digitava um código no
sistema de alarme, em seguida, abriu a porta. — Eu não acredito em
chavões falsos que farão você se sentir melhor.
Eu gostei daquilo.
A honestidade estava lá.
Ajudou.
A ficar focada. Seguir em frente. Ter certeza de que eu não estava
ferrada.
Tudo o que eu estava perdendo.
Tudo o que eu tinha trabalhado tão duro para conquistar.
— Esta é a área comum, — explicou Jules, acenando em direção
ao sofá, poltronas, mesa de café, televisão e um carpete cinza exuberante.
— Há uma pequena cozinha, — ela continuou, claramente uma pessoa
que tinha usado essa fala muitas vezes antes. Eu me perguntei um pouco
fugaz quantas mulheres tinham estado em uma situação similar a
minha. Ter uma situação fora de seu controle, que ficou tão perigosa que
elas precisaram deixar tudo o que conhecem e amam para trás. — Sirva-
se de qualquer coisa na geladeira ou nos armários. Café. O que você
precisar. E aqui embaixo estão os quartos, — ela continuou, seus saltos
estalando no chão escuro enquanto ela descia um corredor com portas
ao lado.
— Alguém mais está aqui agora? — perguntei, tendo o desejo
egoísta de ficar sozinha.

~ 17 ~
— Você teve sorte. Ou, dependendo de como você se sinta, puxou
a palha curta. Não há ninguém ficando aqui agora.
— Bom, — eu concordei com um aceno de cabeça.
— Mais perto da sala comum, ou mais distante? — ela perguntou,
acenando para as portas, dez ao todo.
— Mais distante, — eu decidi, imaginando que era o mais distante
das pessoas, se acontecessem, o mais privado.
— Tudo bem. Bem, aqui vamos nós, — ela disse, levando-me para
a esquerda. — Há uma cama, armário e um pequeno banheiro privado.
Vou pedir a alguém que traga suas malas. Acomode-se. Tente dormir um
pouco. Gunner provavelmente virá para você no início da manhã.
Com isso, ela abriu a porta para mim, depois se virou e foi embora.
Profissional. Eficiente. Um pouco distante. Eu a teria contratado em um
piscar de olhos também.
— Obrigada, — lembrei-me de dizer antes que ela estivesse longe
demais para me ouvir.
Com isso, entrei no quarto, encontrando-o vazio, mas não
completamente desconfortável. A cama era grande, com uma robusta
moldura de madeira preta, roupa de cama branca e meia dúzia de
travesseiros. Havia uma mesa de cabeceira com uma lâmpada, uma pilha
de revistas e os controles remotos para a TV que ficavam acima da
penteadeira em frente à cama.
Eu me movi pelo chão, abrindo a porta do banheiro, fazendo isso
com uma sensação de redemoinho no meu estômago que nunca tinha
sentido antes, provavelmente sendo o produto do meu recente incidente
com o chuveiro.
Incidente.
Essa foi uma boa maneira de pensar nisso.
Um ‘incidente’ foi fácil de compartimentar, esconder, convencer-se
de que não era grande coisa.
Isso era o que eu precisava fazer. Então eu poderia me manter
sobre controle. Então minha mente não voltaria a estar no chuveiro,
estando nua, vulnerável, e em seguida ter um homem arrombando a
porta, e mergulhar algo afiado em seu abdômen, uma dor imediata e

~ 18 ~
lancinante, bifurcando sua visão, fazendo suas entranhas se revoltarem,
a bílis subindo até mesmo quando você tentava gritar.
Eu balancei a cabeça, tentando fazer com que os pensamentos
voltassem ao seu esconderijo. Para tratar isso quando as coisas
estivessem mais estabelecidas.
Eu desviei meu olhar do chuveiro compacto, subitamente
entendendo por que Janet Leigh da Psicose nunca mais poderia tomar
banho depois que ela filmou o filme.
Movendo-me para a pia, respirei fundo e me olhei nos olhos.
Você não podia ver, mas estava lá.
O desespero.
O horror.
A desesperança.
A raiva.
Eu treinei e eduquei o meu rosto de pôquer depois de terem gritado
comigo no meu primeiro emprego aos dezesseis anos, quando me
humilhei chorando na frente de todos ao meu redor. Eu prometi a mim
mesma que nunca deixaria isso acontecer de novo, nunca deixaria
alguém ver o que estava acontecendo lá dentro.
Eu fiquei boa nisso ao longo dos anos.
Nem mesmo agora, quando todo o meu universo estava
desmoronando aos meus pés, você poderia dizer que eu era algo diferente
de controle. Composta. Confiante.
Era tudo um show, claro.
Eu estava toda cinzas e em ruínas por dentro.
Em pouco menos de quarenta e oito horas, uma dúzia de homens
e mulheres caminhavam até uma loja bem vestidos porque era isso que
eu sempre exigia, parando ali verificando seus celulares, sobrancelhas
franzidas. Porque eu nunca os fiz esperar por mim. Eu sempre aparecia
antes de todo mundo, destrancava a porta, começava a trabalhar.
Se eu conhecesse minha equipe, e eu sabia, Mateo seria aquele que
finalmente iria romper e me ligar. Uma vez. Duas vezes. Dez vezes. Então
ele enviaria todos para casa. Ele não tinha o poder, mas se eu não
estivesse lá, ele era o mais velho de casa. Ele iria assumir o comando.

~ 19 ~
Então ele iria para a minha casa. Ele encontraria uma maneira de entrar,
apesar do porteiro e de não ter a chave para o apartamento. Então ele
perceberia que eu tinha ido embora. Talvez ele percebesse que muitas
das minhas coisas estavam faltando. Ou talvez não. Muitas roupas e
acessórios de banho ainda restavam. Ele relataria minha ausência.
Então todos perceberiam depois de alguns dias que suas vidas
também haviam mudado.
De repente.
Surpreendentemente.
Sem aviso.
Sem indenização.
Eu tinha estragado tudo.
Não importava que eu não pretendesse.
Não importava que a escolha tivesse sido tirada de mim.
Estes eram o meu povo.
Eu lhes prometi coisas. Eu lhes assegurei que havia estabilidade
na minha empresa, que eles poderiam confiar seu futuro a mim.
Eu não levei essa responsabilidade de ânimo leve.
Estava me matando fazer isso com eles, jogar suas vidas em
tumulto comigo.
Eles poderiam até ficar desempregados?
Com a diretora executiva ausente?
Eu duvidava que um único deles fosse desistir. Eles eram os tipos
famintos, ansiosos por provar a si mesmos, recusando-se a ter uma
lacuna em seus currículos. Eles provavelmente estariam trabalhando em
outro lugar até o final da semana.
Eu perderia todos eles.
Quer dizer, eu perderia todos eles, não importa o quê.
Isso era o que estava acontecendo.
Essa vida acabou.
Eu estava acabada.
— Não, — eu disse a mim mesma, respirando fundo quando me
sentei no final da cama, sabendo que quando me ouvisse dizer as coisas,
elas pareceriam mais convincentes. — Eu estou acabada, — emendei.

~ 20 ~
Isso era o que a maioria das pessoas tinha sobre sonhos privados,
nunca falados. Fugindo de suas vidas antigas. Seus cônjuges, filhos,
hipoteca, pagamentos de carro, patrões, empregos, famílias. E
começando de novo. Faça certo. Seja a pessoa que você sempre soube
que era no fundo, mas a vida não permitiria que você se tornasse.
O único problema com isso era que esse não era o meu sonho. Meu
sonho, meu último sonho, era a vida que eu construí para mim na cidade.
Com meu trabalho, meu pessoal, o apartamento que eu tinha preenchido
com coisas que me fizeram sentir feliz e orgulhosa de mim mesma.
Eu amava minha vida.
Eu coloquei tudo de mim nisso.
Isso significava tudo para mim.
Mas agora foi embora.
Foi embora.
E eu tinha que me tornar alguém nova.
Alguém que o barbudo no andar de baixo me dissesse para ser.
Que era provavelmente a parte mais assustadora disso tudo. Não os
homens atrás de mim com armas e facas. Não sendo capaz de fazer o que
eu amava novamente.
Colocando-me totalmente nas mãos largas, com cicatrizes e
tatuadas daquele homem.
De todas as pessoas.
Para ser perfeitamente honesta, quando conheci Quinton Baird, dei
um suspiro de alívio. Ele estava calmo, centrado, profissional,
responsável. Eu respeitava isso. Claro, ele tendia a enfatizar as coisas
com uma linguagem mais colorida do que eu gostava, mas eu podia ver
um pouco de mim nele. Eu sabia que ele iria pelo menos me encontrar
uma nova vida onde talvez ainda trabalhasse em uma indústria similar.
Viver em um lugar que eu não tenha que me preocupar.
Então ele me disse que não estava no comando do meu tipo
particular de caso.
Ah não.
Isso pertencia a alguém que eles chamavam de O Fantasma.
Porque ele, eu não sei, era um ou algo assim.

~ 21 ~
E que esse fantasma se chamava Gunner.
Na minha experiência, eu não conheci muitos homens em posições
profissionais com nomes como os lutadores de rua.
Eu talvez tivesse construído uma ideia dele na minha cabeça
enquanto esperávamos por ele aparecer.
Na maior parte, ele também tinha feito a imagem.
Exceto, bem, mais bonito.
Muito melhor na aparência.
Eu nunca me envolveria com alguém do seu tipo. O tipo áspero ao
redor das bordas. O tipo de homem que parecia poder trocar o óleo do
carro e cortar o próprio gramado. O tipo que tinha cervejas com amigos
no fim de semana. Que talvez tenha caminhado ou pulado de aviões por
diversão.
Polido sempre foi meu tipo.
Ternos, barbeado e limpo, colônia, bom gosto no vinho, ambição e
talvez gastar seu tempo livre lendo livros sobre finanças ou negócios.
Mas mesmo que ele não fosse meu tipo, eu poderia apreciar o apelo
lá. Ele tinha um metro e noventa e quatro de altura, mais alto que eu nos
meus saltos. Ele tinha a largura para ir com isso também, ombros de um
zagueiro, sólido e firme no centro. Seus braços, embora cobertos de
tatuagens, pareciam, bem musculosos. Como um fisiculturista. Como
um homem que passou muito tempo cultivando-os. Aposto que o resto
do corpo combinava.
Seu cabelo estava entre loiro e marrom sujo, acho que a tonalidade
seria chamada loiro sujo. E a barba dele combinava. Ele se mostrou
completo, mas preparado, e de alguma forma combinava perfeitamente
com suas feições rústicas.
Os olhos verdes eram surpreendentes.
Era uma coisa boba de se pensar, mas sempre achei que os durões
tinham olhos negros. Talvez tenha sido assim que eu sempre vi nos
filmes.
Mas ele não tinha olhos escuros.
Ele tinha olhos verdes claros.
Lindos, realmente.

~ 22 ~
Mesmo se as sobrancelhas sobre eles estivessem propensas a
levantar sarcasticamente.
Sua voz quando ele falou era áspera, um pouco grosseira. Tudo
bem, muito ranzinza.
Por qualquer motivo, ele parecia não gostar de mim também. Por
quê? Eu não fazia ideia. Eu não podia alegar ser a Miss Simpatia de
ninguém, mas nunca tive alguém que me detestasse inteiramente antes
mesmo de falar comigo.
Então, novamente, talvez ele fosse apenas uma dessas pessoas.
Aqueles que não gostam de ninguém. Aqueles que realmente não o viam
como pessoa, apenas pensavam em você como um trabalho, uma
responsabilidade, partes do corpo que ele tinha que ter certeza de que
não seria cortadas ou mortas.
Talvez não tenha sido pessoal.
Aquela observação de duquesa, porém, parecia um pouco
direcionada.
Então, novamente, os homens eram propensos a esses pequenos
termos, não eram?
Baby, boneca, anjo.
Talvez fosse apenas o escolhido dele.
Duquesa.
Inferno, foi um elogio do tipo, não foi? Quem não gostaria de ser
uma duquesa?
Festa de chá, eventos de caridade, compromissos extravagantes.
Um enorme passo acima do inferno que eu fui criada.
Sim, isso era outra coisa que precisava ficar bem enfiada em sua
caixinha em seu compartimento específico. Para nunca ser tratado.
De alguma forma, não entendendo que agora não era o momento
para coisas como necessidades humanas básicas, meu estômago que
estava dolorosamente vazio desde, bem, antes do meu banho ontem à
noite, eu acho, estava fazendo uma objeção alta. Minha mão desceu
instintivamente, pressionando.
Fazendo-me assobiar sob minha respiração enquanto meus dedos
pressionavam os pontos que eu não estava acostumada a ter ainda.

~ 23 ~
Pontos.
Eu estava preocupada que soaria muito vaidosa perguntar ao
médico se eles iriam cicatrizar. Mas um olhar para aquele feio fio preto e
o jeito que ele fazia minha pele enrugar me dava toda a resposta que eu
precisava.
Recebi analgésicos que guardei antes de saber que eu tinha que
sumir do mapa. Eu tomei um antes de entrar em Quinton Baird e
Associates. Eu imaginei que, se entorpecesse a dor, seria capaz de pensar
com mais clareza.
Doeu.
Eu queria ser forte o suficiente para dizer que não, mas doía, uma
dor latejante, maçante, mesmo em repouso, e depois uma afiada,
queimando quando tentei me contorcer ou me mover muito rápido.
Tempo.
Foi o que o médico disse.
Eu precisava de tempo.
Eu acho que não tinha nada além disso agora.
Esperando que a dor voltasse a ser uma palpitação, eu lentamente
me levantei, indo para o corredor, depois de volta para a cozinha,
colocando o café na Keurig antes de ir à geladeira em busca de algo para
comer.
Surpreendentemente, uma vez que ninguém estava hospedado
aqui, estava bem abastecido com várias frutas e lanches, ovos, leite e
uma salada pré-cortada.
Peguei a salada e levei o café para o sofá. Mesmo me irritando por
comer na frente de uma TV, me lembrando de uma vida que eu tinha
deixado para trás.
Mas, só desta vez, eu permitiria isso.
Minha mente poderia usar a distração.
E esse espaço estava tão quieto.
No momento em que escolhi um show e terminei a salada, ouvi um
bip distinto do lado de fora da porta, alguém digitando o código de
segurança.

~ 24 ~
Eu me endireitei um pouco, sentindo-me estranhamente culpada
por tomar café no sofá, embora fosse claramente o único espaço
destinado a sentar na área principal.
— Entrando, — uma voz chamou, profunda e suave. Com nenhuma
das cadências que a voz de Gunner tinha.
Estranhamente, isso me deixou mais tensa.
Eu teria pensado que não vê-lo novamente seria um alívio.
— Eu sou Smith, — o homem disse assim que abriu a porta,
fazendo isso com o pé porque estava atolado com uma tonelada de
minhas malas, nos ombros, nas mãos, pendurado nos braços.
— Sloane Blythe-Meuller, — acrescentei, pensando de repente
como seria difícil desistir disso. O meu nome. Minha marca. Minha
identidade.
— Trouxe algumas de suas coisas para você, Sloane, — ele disse,
deixando cair a formalidade que seu chefe e colega de trabalho
continuaram a usar por algum motivo. — Imaginei que você poderia ter
algo aqui para ajudar a mantê-la ocupada. Eu sei que a TV não é para
todos.
— Obrigado eu realmente aprecio isso. — Eu também apreciava o
fato de que ele não parecia estar segurando os sorrisos ou desdém como
os outros pareciam fazer.
— De nada. Você está bem? Instalando-se? — ele perguntou,
movendo-se para empilhar todas as minhas coisas contra a parede da
frente, onde estavam situadas as janelas para a rua abaixo.
— Sim. Tudo está bem planejado aqui, — eu disse, levando meu
prato de salada de volta para a área da cozinha para descartá-lo.
— Nós o usamos para os clientes, mas às vezes precisamos parar
aqui se estamos cansados demais para ir para casa, — Smith me disse,
dando-me um aceno de cabeça. — Eu trarei o resto de suas coisas. Você
quer que eu pegue mais alguma coisa? Comida? Cardápio para o jantar?
— Eu acho que ficarei bem, obrigada.
— Você é o caso do Gunner, certo? — ele perguntou.
— Sim, O Fantasma, ou como ele é chamado, — eu concordei,
virando-me para encará-lo um pouco.

~ 25 ~
— Ele ganhou o título, — Smith me disse, reconfortante.
— Posso perguntar seu título?
— O General, — ele ofereceu imediatamente, sem hesitar.
O General.
Eu acho que isso fazia sentido.
Ele tinha um certo ar ex-militar sobre ele. Estava em sua postura,
sua confiança, a maneira como ele parecia levar tudo de uma vez.
— Eu sei que você não me conhece, mas confie em mim, querida,
você não quer que ninguém mais lide com isso para você. Ele pode ter o
temperamento de um cachorro que não foi alimentado em uma semana
às vezes, mas ele sabe o que está fazendo. Ele te protegerá.
— Obrigada. É bom ouvir isso de alguém que não seja o homem
que o emprega, — eu admiti, dando-lhe um pequeno sorriso.
— Gunner ganha seu pagamento. Ele ganhará também para você,
— ele me disse com um aceno de cabeça antes de voltar para a porta.
Ele voltou para outras duas viagens, me fazendo sentir
incrivelmente culpada por não ter ajudado, mas sabendo que eu não
poderia pegar nada pesado com os pontos.
A razão pela qual eu estava pagando a quantia astronômica de
dinheiro que estava pagando era para que eles pudessem cuidar de mim,
certo? Eu poderia me deixar ser cuidada. Só uma vez. Uma vez na minha
vida. Então eu poderia voltar a cuidar de mim mesma.
O tempo arrastava por horas sem nada para fazer, nenhuma
maneira de manter minha mente ou meu corpo ocupado.
Eu não era alguém que ficava em casa.
Não no meu reconhecidamente pouco tempo livre.
Eu passava recados. Reorganizava meu armário. Atualizava meus
perfis de mídia social para o trabalho. Saía para peças de teatro ou
museus.
Mas mesmo esses eram raros.
Eu trabalhava.
Eu trabalhava de quase quando o sol surgia até bem depois que ele
descia novamente. Foi assim que eu cheguei à frente. Foi assim que fiz
meus sonhos realidade.

~ 26 ~
Mas com tudo isso desaparecido, com todo esse tempo em minhas
mãos, senti-me estranha. Como se eu estivesse rastejando para fora da
minha própria pele. Como se eu não fosse normal como todos os outros.
Por que eu não poderia simplesmente sentar e assistir uma série?
Ou folhear as revistas no meu quarto, mesmo que fossem sobre
melhorias na casa. Talvez eu aprendesse alguma coisa.
No final, vasculhei minha bagagem, encontrei um dos meus
pequenos blocos de desenho e levei-o para o sofá, sentando-me e me
perdendo no trabalho, sabia que nunca seria capaz de prosseguir,
sentindo a perda como algo agudo e latejando ao mesmo tempo.
Meu trabalho poderia ter sido tirado de mim, mas a paixão, o
sonho, a criação de esboços? Ninguém poderia tirar isso de mim. Eu me
seguraria disso. Não importa onde acabasse, o que acabasse fazendo.
Recusava-me a perder tudo de mim. Eu poderia me apegar a isso, deixar
ser uma parte secreta de mim.
Segredos.
Eu não estava exatamente familiarizada com eles.
Mas isso seria um nível totalmente novo.
Tudo o que eu já havia experimentado em toda a minha vida seria
algo que eu tinha que guardar para mim mesma. Toda alegria ou
frustração. Minha educação, não há perda lá. Minha educação, algo em
que eu me orgulhava. Meu negócio, meu tudo.
Quão longe teria que ir?
Eu teria que ficar muda sobre os lugares que eu tinha visto? Os
concertos que eu tinha ido? As exposições de arte que me mudaram?
Eu acho que se você fosse começar de novo, você tinha que fazer
isso do zero.
Teria que tentar coisas novas, aprender novos hobbies, encontrar
um novo emprego.
Desanimador, mas necessário.
Mas haveria momentos tranquilos. Muito parecido com este.
Momentos em que meu novo mundo estaria atrás de portas fechadas e
trancadas. Onde ninguém poderia me ver.
Naqueles momentos, eu poderia ser eu de novo.

~ 27 ~
Por um tempinho.
E enquanto me escondia em uma cama desconhecida em um lugar
desconhecido, meus pontos doíam, minha cabeça latejava, minha alma
doía, esse era o único pedaço de conforto que me restava.

~ 28 ~
Sloane

As batidas me acordaram.
Seguido quase imediatamente pelo grito.
— Vamos, duquesa; você está queimando a luz do dia!
Meu coração acelerou, fazendo minha pele instantaneamente ficar
pegajosa, minha garganta apertada, meu peito apertou.
O sono ficou pesado em torno do meu cérebro, me fazendo levantar
da cama, só lembrando dos meus pontos quando a dor disparou através
do meu núcleo. Com o quarto escuro, levei um longo momento para me
lembrar.
Onde eu estava.
Porque eu estava aqui.
Quem estava falando comigo?
Ou, mais precisamente, gritando comigo.
Gunner.
Porque eu estava fugindo da minha vida.
Porque algum traficante cruel queria me matar.
Minha mão foi para meu peito um pouco trêmula, pressionando
meu coração, desejando me acalmar quando me levantei da cama,
estendendo os lençóis de volta ao lugar e peguei meu roupão, rosa e
sedoso, e o coloquei sobre meus shorts e regata.
Meus pés se moveram para os chinelos quando andei até a porta,
querendo pelo menos cumprimentá-lo e informá-lo que eu precisava de
vinte minutos para me recompor.
Estava amarrando minha faixa enquanto eu caminhava pela porta
da área comum, encontrando Gunner esperando lá, com uma caneca de
café na mão, o cheiro parecendo romper os últimos pedaços de sono
agarrados ao meu cérebro.

~ 29 ~
O olhar do Gunner foi para mim, me verificando lentamente.
Penetrante, isso era o que seus olhos eram. Como se ele estivesse vendo
debaixo da minha roupa e dentro da minha pele. Não sexualmente, no
entanto. Sexualmente teria sido esperado. Inadequado, mas não
totalmente desanimador. Mas não havia nada além de um leve interesse.
— Bom dia, — eu disse, estendendo a mão para achatar meu
cabelo, um movimento de nervosismo pelo qual eu normalmente não era
conhecida, remexendo, mexendo. Mas eu também não costumava
cumprimentar alguém pela manhã sem ao menos dar uma olhada no
espelho. — Eu não sabia quando você viria, ou teria acionado um alarme.
Que horas são?
— Quatro quinze.
Queimando a luz do dia?
Quatro e quinze significava que o sol nem sequer estava pensando
em chutar a lua fora do seu caminho ainda.
Eu era madrugadora pela maioria dos padrões.
Mas isso significava que eu estava por volta das cinco e depois no
trabalho antes das seis.
Quatro e quinze, isso era apenas insanidade.
Mas ele foi claro. Quando assinei os papéis, assinei minha vida
para ele.
Tudo estava em sua agenda agora.
E, aparentemente, sua programação começava às quatro e quinze
da manhã.
Eu poderia me ajustar. Eu tenho que ajustar.
— Ok. Anotado. Eu só preciso me vestir, — eu expliquei, acenando
para o meu pijama óbvio antes de ir em direção às minhas malas para
vasculhar.
— Precisamos conversar sobre sua bagagem. — Sua voz parecia vir
de trás de mim, como se ele tivesse me seguido para ficar atrás, onde eu
estava de cócoras ao lado da minha coleção de bolsas.
— Isso? — eu perguntei, tentando enfiar minha calcinha debaixo
da minha calça antes que ele pudesse vê-la.

~ 30 ~
— Você pode levar talvez um terço disso, — ele me informou, me
pegando de surpresa, meu corpo sacolejando, perdendo o equilíbrio,
caindo para o lado.
Uma mão forte se fechou ao redor do meu pulso, me impedindo de
bater de costas no chão de madeira duro. Mas o estiramento puxou
minha ferida no meu estômago, fazendo-me fazer o impensável.
Chorar de dor.
— Porra, — ele sussurrou assim que meu traseiro estava em
segurança no chão, soltando meu pulso e caindo de joelhos ao meu lado.
Sua mão golpeava a minha longe de onde eu estava segurando meu
estômago, arrancando minha faixa cuidadosamente amarrada, abrindo,
e puxando o material sedoso da minha regata para inspecionar a ferida.
— Está tudo bem, — ele disse, com um pouco de remorso, apesar que o
que ele tentou fazer foi me impedir de bater a cabeça no chão. — Não
abriu. Terá que ter cuidado por um tempo, — ele continuou, e de repente
a mão no meu estômago não pareceu tão clínica como tinha um segundo
antes.
Eu podia sentir cicatrizes e calosidades nelas, as mãos de um
homem que realmente as usava, contra a pele que eu cobria duas vezes
ao dia com cremes para mantê-la macia. O contraste enviou uma
sensação estranha e quente sobre a minha pele, viajando pelo meu
estômago... afundando.
Afundando?
Não, isso não poderia estar certo.
Exceto que havia uma sensação de vibração entre minhas pernas.
— Eu estou bem, — eu disse, soando um pouco sem fôlego, fazendo
seu olhar disparar para o meu rosto, os olhos fazendo aquela coisa de ver
em mim de novo, como se ele soubesse exatamente o que estava
acontecendo no meu corpo confuso. Sua mão levantou, puxou minha
regata de volta para baixo, então se afastou.
— Bom. Então você pode trazer três malas. Todo o resto será
enviado para você. Eventualmente. Quando estiver segura.
— Eu preciso...

~ 31 ~
— Ninguém precisa de doze malas, duquesa, — ele disse, virando-
se para a minha bagagem, abrindo uma sacola com uma etiqueta que
claramente rotulava a roupa, tirou um punhado de itens e enfiou a mão
na minha mala de roupa íntima, enfiando calcinha na mala de roupas.
— Eu posso fazer isso sozinha, — eu insisti, tentando me ajoelhar
lentamente, fingindo ignorar a dor que era constante e perturbadora.
— Sim. E você levaria três vezes mais tempo, — ele disse, abrindo
a mala para pijamas, jogando algumas peças incompatíveis da minha
roupa de dormir de seda na mala principal. — Imagino que uma delas é
o seu xampu e merdas de higiene. Eu deixarei você classificar isso. A
terceira mala pode ser itens pessoais, se você os tiver. Você pode fazer
isso também. Vá se vestir, então você pode fazer isso.
Não foi uma sugestão.
Foi uma ordem.
Peguei minhas roupas, andando pelo corredor, tentando abafar o
desconforto rodopiante por ter que receber ordens. Era uma coisa
estranha, não tendo nenhum controle.
Eu poderia me acostumar com isso.
Como o meu pijama incompatível.
Como não saber que roupas eu teria que usar.
Como literalmente tudo mais.
Fui ao banheiro, evitando o chuveiro. Eu tentei me convencer de
que era por causa de restrições de tempo. Embora estivesse claro que eu
não estava pronta para voltar lá ainda. Me perguntei um pouco
fugazmente enquanto eu deslizava para a calça marrom se poderia haver
uma banheira na nossa próxima parada, se talvez isso ajudasse.
Não foi até que eu estava fora do meu pijama que percebi que tinha
esquecido um sutiã. Com um suspiro, agradeci a qualquer poder superior
que estivesse lá fora por eu ter escolhido uma blusa preta com um leve
padrão de nervuras que perdoasse a minha bravura.
Puxei meu cabelo para cima, escovei meus dentes com uma das
escovas de dentes seladas e pastas de viagem guardadas na gaveta
debaixo do gabinete, então peguei minhas roupas, coloquei meus sapatos
e andei de volta para organizar minhas coisas.

~ 32 ~
Maquiagem e outros produtos de beleza não eram um grande
negócio. Eu sabia que tinha feito muita coisa para começar. Mas eles
eram caros, e eu odiava a ideia de deixá-los para trás para provavelmente
ser jogado fora.
Mas, enquanto eu arrumava meus pertences pessoais, uma
pequena parte de mim ficava murcha toda vez que eu me convencia a
deixar algo para trás, querendo trazer o máximo possível da minha antiga
vida comigo. Como deixar seu cobertor de segurança no carro no primeiro
dia do jardim de infância.
Deixei as lembranças, as coisas que eu tinha pego em férias
especiais. Os álbuns de fotos que eu provavelmente não deveria ter de
qualquer maneira.
Embalei minha coleção de cadernos, lápis, lápis de cor e tintas
aquarela. Eu até consegui encaixar meu pequeno cavalete de mesa
dobrável, dois livros que eu vinha lendo há anos, mas nunca tinha tempo
livre, e um diário que eu tinha comprado por um capricho quando achei
que seria importante começar a tentar encontrar um equilíbrio entre
trabalho e a vida, sentimentos, lembranças ou sonhos.
Mas foi isso.
Isso foi tudo que eu poderia trazer comigo.
Não para sempre, eu me lembrei.
Eventualmente, eles poderiam encontrar uma maneira de me
enviar o resto das minhas coisas.
— Bom, — disse Gunner quando terminei. — Eu já tenho seu
dinheiro no carro, ele acrescentou, significando o que sobrou da quantia
um tanto desagradável que eu havia retirado depois de pagar a taxa. Era
o suficiente. O suficiente para começar de novo. Não me manteria por
qualquer período de tempo. Mas para conseguir um lugar para morar,
mobília básica, um carro usado, pagar minhas contas até encontrar
trabalho.
— Tudo bem, — eu concordei, tentando respirar fundo.
— Temos comida embalada também. Apenas o suficiente para nos
segurar até o jantar. Nós pegaremos alguma coisa até então. Se você

~ 33 ~
quiser café, há copos de viagem acima da máquina, — ele acrescentou,
pegando minhas malas, e levando-as através da área comum à porta.
Com isso, ele se foi. Eu corri para fazer o café, pegando uma barra
de granola apenas no caso também.
A essa altura, ele estava de volta, esperando impacientemente por
mim na porta.
Assim, fui arrastada para dentro de um SUV preto gigante e estava
oficialmente a caminho da minha nova vida.
— Pegue algo.
Esse foi Gunner, cerca de duas horas em nosso caminho. Foram
as primeiras palavras que alguém falou desde que entramos juntos no
carro. Ele imediatamente ligou algum tipo de estação de rádio. E prestou
atenção à estrada.
Eu só assisti o mundo passar por mim.
— Não há necessidade de tentar ser um herói, — ele acrescentou
quando eu não disse nada.
Eu pensei que eu tivesse mantido um pouco para mim mesma, a
maneira como as estradas irregulares estavam empurrando meu corpo,
fazendo que meu estômago ou enviasse dores através de mim, ou
latejasse. Não queria reclamar, ser um aborrecimento. Nós tivemos que
fazer tudo isso dirigindo. Eu não pude entrar em um avião, não pude
usar minha identidade. Isso foi necessário. Mesmo que doesse.
— Eu estou bem, — eu insisti, balançando a cabeça.
— Eles te deram comprimidos se você está com dor. Você está com
dor. Então, tome-os.
Eu não gostava de tomar comprimidos. Nem mesmo Advil para dor
de cabeça. Eu tinha outros truques que funcionavam, certos aromas,
compressas de gelo, almofadas de aquecimento, sempre havia alguma
maneira de evitar tomar remédios.
— É recente, — ele continuou quando eu não alcancei minha bolsa
para pegar o frasco de comprimidos. — E sentar é a pior posição para
você estar agora. Hoje vai doer. Pegue as pílulas do caralho.
Imaginando que ele era tão teimoso, ou mais, do que eu estava
determinada, peguei minha bolsa, tomando um comprimido.

~ 34 ~
— Feliz? — eu perguntei, tentando manter a arrogância fora do
meu tom, sabendo que nada disso era culpa dele.
— Que você não vai se mexer em seu assento e estremecer a cada
quinze segundos? Sim. É uma distração.
Então... não se preocupe.
Apenas aborrecimento.
— O que você está... — Eu gritei de repente, ele saiu da pista, jogou
o carro no acostamento, tirou o cinto, em seguida, girou, estendendo a
mão em direção a minha porta, seu peito e rosto apenas um centímetro
do meu.
— Se você não se sentasse como se fosse uma maldita realeza, —
ele começou, pegando a alavanca para inclinar meu banco para trás, —
talvez não estivesse doendo tanto.
— Eu... — Eu comecei quando meu assento recuou alguns
centímetros, o som fazendo o olhar dele olhar para o meu.
E, de alguma forma, perdi o que estava prestes a dizer quando os
olhos dele prenderam os meus, as palavras se sentindo estranguladas em
minha garganta, apertadas e sufocantes como alimentos ingeridos
rapidamente.
— Melhor, certo? — ele perguntou quando clicou a alavanca para
trás mais uma vez até que eu não estava mais realmente sentada, mais
como se inclinada para trás.
— Ah, sim, — eu concordei, voz arejada, estranha.
— Bom, — ele disse, me observando por mais um longo segundo
antes de me afastar de repente, reapertando o cinto de segurança,
colocando o carro de volta na estrada e se afastando.
A próxima coisa que eu sabia era que eu estava acordando.
Acordando.
Eu.
Nunca fui o tipo de pessoa que fosse capaz de adormecer em
qualquer lugar. Na verdade, eu achava completamente impossível fazer
isso na frente de outras pessoas, quanto mais em um carro onde alguém
por onde passávamos podia me ver.
Ao nosso redor, as janelas estavam escuras.

~ 35 ~
Quase estranhamente escuras.
País escuro.
Não há uma luz de rua ou luz da varanda ou farol à vista.
— Você ronca.
— Eu não ronco! — Isso quase soou como um grito.
Minha reação fez um pequeno sorriso puxar seus lábios antes dele
se virar para mim. — Como uma dorminhoca com excesso de peso.
Oh Deus.
De jeito nenhum.
Isso foi, bem, incrivelmente embaraçoso.
— Relaxe. Estou zoando com você, — ele admitiu. — Mas não é
divertido zoar com você quando parece que eu chutei seu cachorro.
Eu nem me importei que ele estivesse me provocando, o alívio era
tão forte.
Querendo cobrir essa reação, limpei minha garganta quando
estendi a mão para achatar meu cabelo. — Posso saber onde estamos?
Ou não devo saber?
— Vendo que levamos todos os seus eletrônicos, não há nenhum
risco em você saber. Estamos no estado de Nova York. Estamos quase no
nosso lugar para a noite. Nós teríamos parado para um descanso até
agora, mas você estava dormindo. Imaginei que apenas deixaria você
dormir. A casa estará abastecida com comida.
— Ok. Obrigada, — eu concordei, sentindo minha barriga
resmungar, a única coisa que eu tinha comido sendo a barra de granola
naquela manhã e algum pacote de mistura de trilha que Gunner havia
jogado em mim antes de eu adormecer.
Eu precisava de comida.
E esticar minhas pernas.
— Dez minutos, — acrescentou, tom quase... mais suave. Mas isso
não poderia estar certo. Ele não parecia o tipo de homem que poderia ser
suave.
Com certeza, dez minutos depois, estávamos saindo dessa estrada
sem fim e entrando em uma estrada secundária ainda mais remota.

~ 36 ~
— Eu sei, — ele disse quando minhas mãos bateram na porta e no
console central, tentando me preparar enquanto o carro se empurrava
violentamente na estrada de terra irregular. — Não muito mais, — ele
acrescentou, estremecendo como se ele estivesse machucado.
Foi talvez a primeira manifestação genuína de humanidade que eu
tinha visto nele.
Alguns minutos depois, quando senti uma queimadura distinta em
meus olhos, os faróis finalmente pegaram uma pequena cabana escura,
situada em um semicírculo de pinheiros colossais.
— Tudo bem, — disse Gunner, colocando o carro no
estacionamento. — Vamos nos acomodar. Vou pegar as malas depois.
— Eu posso...
— Eu disse que as pegaria mais tarde. Vamos entrar. Certificar de
que você não está sangrando depois de tudo isso.
Como eu estava talvez preocupada com a mesma coisa, saí
cuidadosamente do carro, seguindo-o pelo caminho áspero até a porta da
frente.
— Vá em frente, — ele disse uma vez que a porta estava aberta,
quando ele chegou lá dentro para acender uma luz.
Às vezes as casas podem ser enganosas. Cabanas, por exemplo.
Elas pareciam minúsculas do lado de fora, mas eram maiores por dentro.
Não foi o caso desta cabana rústica. Era exatamente tão pequena
no interior quanto você pensaria do lado de fora. No interior e para a
direita havia uma pequena cozinha em forma de L com eletrodomésticos
pretos que não pareciam muito velhos, bancadas de granito falso preto e
marrom, e armários quase brancos acima e abaixo.
Havia um pequeno, bem, era quase errado até mesmo chamá-lo de
‘corredor’, era tão pequeno, mas o corredor tinha duas portas de cada
lado. Alguém poderia imaginar, uma cama e um banheiro.
Único.
Um quarto.
Estaríamos compartilhando?
Ele estaria tomando o sofá ou o chão?
Ele me faria compartilhar?

~ 37 ~
Com um pequeno suspiro, não inteiramente acreditando que ele
não fosse capaz de tal coisa, minha cabeça virou para inspecionar a
esquerda da sala onde um espaço de estar foi colocado de frente para a
parede externa, onde uma enorme lareira de tijolos estava situada. Havia
um sofá xadrez marrom e preto, de aparência confortável, e uma mesa de
centro meio surrada na frente.
Mais uma vez, estranhamente, não há espaço para refeições.
O que havia com esses homens e se recusar a comer em uma mesa
apropriada como um ser humano?
— Bastante autoexplicativo, — ele disse, acenando com a mão. —
Vá em frente e confira seus pontos. Se houver um problema, me avise.
— Você tem formação médica? — eu perguntei, inspecionando-o
um pouco.
— Não, duquesa, — ele disse, contraindo os lábios. — Mas eu tive
que costurar-me com nada além de linha de pesca e uma agulha de
costura. E vivi que é mais do que você pode reivindicar.
— Justo o suficiente, — eu concordei, indo em direção ao corredor,
espreitando para a sala à esquerda, aproveitando para encontrar o
banheiro.
Meu estômago caiu levemente, vendo o proeminente chuveiro com
uma cortina de chuveiro branca grossa e simples. Eu teria que me lavar
eventualmente. Este era o único caminho. Era impraticável ter medo.
Aqui no meio do nada.
Impraticável, mas algumas coisas não eram racionais.
Medo especialmente.
Respirando, eu fechei a porta, indo em direção ao armário da pia,
onde um grande espelho estava pendurado, e levantando a minha blusa.
Sem sangue, felizmente.
Apenas vermelho e irritado.
Eu tinha pequenos recipientes individuais de soro fisiológico para
usá-lo uma vez por dia. Uma vez que eu pegasse minhas malas, talvez
depois que eu me convencesse a entrar no chuveiro, eu iria limpá-lo.
Talvez isso ajudasse com a dor.

~ 38 ~
— Qual é o veredicto? — eu ouvi do lado de fora da porta, alguns
minutos depois, enquanto tentava me recompor.
— Tudo bem, — eu disse a ele, movendo-se para abrir a porta. E lá
estava ele, com meus artigos de higiene pessoal e malas de roupas. Uma
parte de mim se perguntou se ele havia corrido para agarrá-las, então eu
não insistiria em ajudar. Que foi, bem, doce.
— Eu quero tomar um banho, mas vou deixar você ir primeiro.
Devo ter mostrado no meu rosto.
O medo, o pânico.
— O quê?
— Nada, — insisti, balançando a cabeça.
— Você está com medo de tomar banho? — ele perguntou, vendo
através de mim.
— É só que... eu... — eu estava gaguejando. Eu nunca gaguejei.
Algo sobre seus olhos verdes claros estava me desfazendo.
— Foda-se isso, — ele disse, balançando a cabeça.
— Desculpe?
— Vá ligar a água. Vou pegar algumas toalhas para você.
— Não, na verdade. Estou bem. Tudo bem, — insisti.
— Não está bem, — ele disparou de volta, balançando a cabeça. —
E você não está bem. Algum fodido veio até você no chuveiro e a atacou.
Eu entendo. Com certeza. Isso é uma invasão. É traumático. Mas ele
ganha quando você se recusa a voltar para lá.
— Você não...
— Eu sei. Eu entendo, — ele disse, desaparecendo. Não foi até que
ele voltou com as toalhas que eu percebi que ele não ia me deixar escapar
disso. — Não me dê esse olhar, — ele disse, a voz ficando um pouco mais
suave quando colocou toalhas na penteadeira da pia, depois se moveu
para ligar a água.
Então, ele fez a coisa mais estranha.
Ele fechou a porta.
De dentro.

~ 39 ~
— O que você está fazendo? — eu perguntei quando o vapor da
água quente começou a flutuar no ar, imediatamente fazendo minha
blusa começar a grudar nas minhas costas.
— Se você não superar isso agora, você nunca irá. Então você vai
superar isso agora. De que outra forma você começará uma nova vida?
Explicar para novos amigos ou novos namorados por que você está com
medo do banho? — ele perguntou, usando a razão. E a razão, bem,
sempre foi o melhor argumento para se aproximar de mim. — Então você
vai se virar e entrar no chuveiro, — ele explicou, esticando as costas,
retirando algo de sua cintura.
Longo.
Preto.
Letal.
— Eu vou virar as costas para você e vigiar a porta. E você pode
entrar no chuveiro sabendo que, se por uma chance incrivelmente
pequena alguém nos encontrar aqui, eu os derrubaria antes que eles
chegassem perto de você.
Com isso, ele virou as costas.
E esperei.
E esperei.
Até que me senti tão desconfortável, finalmente fiz o que ele disse.
Eu me despi, observando-o para ter certeza de que ele estava virado para
frente, depois me forçando a entrar no chuveiro.
Ele ouviu a cortina do chuveiro puxando. — Veja. Você pode fazer
isso, — ele me disse. — Você quer que eu te entregue algumas de suas
merdas? — ele acrescentou, me fazendo perceber que eu tinha entrado
sem nem mesmo como uma barra de sabão.
— Se você não se importa, — eu disse, empurrando minha mão
para fora da cortina do chuveiro. Foi apenas alguns segundos antes de
sentir minha garrafa de xampu pousar lá. Uma vez eu coloquei isso,
condicionador. Então sabão.
— Que merda é essa de condicionador de pele? Você precisa disso
também?
Eu precisava.

~ 40 ~
E, por alguma razão desconhecida, me senti estranha em precisar.
Mas eu enfiei a mão de qualquer maneira.
— Garotas precisam de muita merda, — ele acrescentou,
entregando-me minha navalha e creme de barbear. — Como vocês têm
tempo para mais alguma coisa com todo esse cuidado com a aparência?
— Nós levantamos mais cedo, — sugeri, ficando nervosa sobre o
processo, então correndo mais do que o normal. — Você prefere que
paremos de raspar nossas pernas? — eu perguntei, sorrindo quando não
ouvi resposta dele. Se havia uma coisa que um homem, na minha
experiência, amava, era a sensação de pernas sedosas enroladas em volta
deles. E vendo como nós mesmas amamos a sensação dos lençóis em
nossa pele recém-raspada, eu entendi totalmente isso.
Desliguei a água, passando rapidamente o condicionador de pele
antes de pegar as toalhas. Plural. Ele me deu duas. Uma para o meu
corpo, uma para o meu cabelo. O homem claramente tinha experiência
com mulheres.
— Viu? — ele perguntou quando eu empurrei a cortina de lado e
saí. — Você fez isso.
Eu fiz.
Porém, se eu estivesse sendo completamente honesta comigo
mesma, acho que a única razão pela qual eu pude foi por causa daquela
arma na mão dele.
— Obrigada, — eu disse, o que significava, sentindo-me estranha
por estar ali em uma toalha que mal caía no meio da coxa. E uma toalha
enrolada no meu cabelo. Não era o meu melhor visual e eu sabia disso.
— Não há de que —, ele disse, afastando a arma. — Eu pegarei sua
mala, — ele acrescentou, saindo em uma corrida estranha.
Quando ele voltou, me entregou a mala, recusando-se olhar para
mim por algum motivo.
— Quando você terminar, podemos falar sobre o próximo passo.
Com isso, ainda não olhando na minha direção, ele se foi.

~ 41 ~
Gunner

Que porra era essa?


Não a forçar a tomar banho. Eu pretendia fazer isso. Isso foi
completamente necessário. Era fácil para o trauma se tornar TSPT1 após
um evento como esse. Ela acabaria como aquela garota do filme Psicose
que nunca mais pôde tomar banho novamente. Eu não queria deixar isso
acontecer no meu turno se pudesse evitar. Eu tinha visto muitos homens
no exterior passarem por várias coisas, voltarem para casa, e levarem
essa merda com eles para sempre, fazendo seus entes queridos deixá-los,
ou os homens escolhendo abandoná-los, ou, mais frequentemente do que
eu gostaria de pensar, levando-os a comerem uma bala.
Eu não queria isso para ela.
Ela não fez nada para ter que viver com isso pelo resto de sua vida.
Algum fodido forçou isso nela.
Não foi justo.
Eu normalmente não era alguém que dava a mínima para o justo.
A vida raramente era. Todos que nasceram neste mundo tiveram algo que
lhes escaparam ao controle, que sugaram, que forçaram sua vida em
outra direção.
Inferno, meu trabalho era lidar com muitas dessas pessoas.
Claro, algumas dessas pessoas eram criminosas que irritavam
outras criminosas e precisavam desaparecer. Mas com a mesma
frequência, eram pessoas inocentes presas em uma situação feia.
Sloane fez o que a sociedade acreditava ser a coisa certa, tentou
tirar um assassino da rua. E em troca, ela teve que deixar sua vida inteira
para trás.
Isso é uma merda.

1 TSPT - transtorno de estresse pós-traumático

~ 42 ~
Mas porque eu me importava estava além de mim.
Eu terminei de pensar nisso quando ela saiu daquele banho em
nada além de uma toalha.
Foi uma mudança chocante para ela.
Estando nua.
Não porque ela usasse muita maquiagem ou se vestia como uma
Amish2 ou qualquer outra coisa, mas porque tudo o que ela vestia desde
a maquiagem, a joia simples até o tipo de vestido, ela usava como um
escudo. Fazia parte de uma imagem que ela queria projetar.
Nua?
Tudo desapareceu.
Tudo o que restou foi a mulher.
Estranhamente, meu primeiro pensamento não foi sobre suas
longas pernas, a maneira como a toalha mostrava a frente de uma de
suas coxas, a maneira como o nó fazia seus seios pressionarem juntos, o
jeito que seu rosto parecia quase inocente sem maquiagem.
Não.
Meu primeiro pensamento foi sobre querer aprender mais sobre
essa mulher. Não a senhorita Blythe-Meuller. Sloane, eu queria saber
mais sobre Sloane.
E com esse pensamento fodido, eu arrastei minha bunda para fora
do banheiro, deixando-a pegar sua armadura de volta enquanto eu fui
para os armários da cozinha para me servir algo forte. Se eu estava
pensando em uma merda como essa, meu sistema claramente precisava
disso.
No momento em que ela saiu vinte minutos depois, todas as
proteções estavam de volta ao lugar, exceto pela maquiagem e pelos
saltos. Seu cabelo estava penteado em algum tipo de trança que envolvia
a parte inferior de sua cabeça, mais escura agora que estava molhada,
mas ainda distintamente loira. Em vez de suas calças e camisas usuais
que só poderiam ser chamadas de “blusas”, ela usava o robe de seda

2 Amish é um grupo religioso cristão anabatista baseado nos Estados Unidos e Canadá.
São conhecidos por seus costumes ultraconservadores.

~ 43 ~
desta manhã, o material não fazia nada para esconder as sutis curvas
por baixo. Eu sabia de mexer em sua bagagem que, literalmente, cada
par de pijamas que ela possuía eram feitos de tecido semelhante a seda.
O tipo que não escondia nada. E foi por isso que, embora ela tivesse um
manto e algo embaixo, eu ainda podia ver os picos endurecidos de seus
mamilos.
Era talvez um pouco frio aqui para alguém que não estava
acostumado ao tratamento rude.
Com esse pensamento, atravessei a sala, ligando o termostato.
Mesmo que uma grande parte de mim estivesse totalmente de acordo com
a visão.
— Você disse que podíamos discutir o plano, — ela me lembrou
quando eu não disse nada, muito distraído com meus próprios
pensamentos.
— Sim, — eu concordei, indo para a geladeira, verificando com que
Ranger tinha abastecido.
Como ele geralmente era o membro da equipe que recebia a menor
quantidade de trabalho, nós o empregávamos aqui e ali para me ajudar
em meu trabalho. Como armazenar casas seguras no meu caminho. Ele
reclamava e rosnava sobre isso, mas ele fazia. Eu esperava que a
geladeira não fosse carregada com a maldita carne de veado, gansos e
peixes que ele pegava nos lagos novamente.
— Só vou ver o que temos para comer. Com sorte, podemos fazer
alguns sanduíches ou algo assim.
Eu vivia das malditas coisas.
Eu nunca realmente aprendi a cozinhar, então a única vez que eu
conseguia algo diferente era quando saía para comer, ou a mulher de
Quin, Aven, cozinhava para mim.
— Nós provavelmente poderíamos fazer melhor do que um
sanduíche, — ela disse, aproximando-se, e eu podia sentir o cheiro de
um de seus cremes, loções ou condicionadores ou o que quer que
estivesse agarrado a sua pele.
— Você cozinha? — eu perguntei quando ela alcançou a porta da
geladeira, puxando-a mais aberta.

~ 44 ~
— Já faz um tempo, mas eu costumava ser capaz, — ela admitiu,
chegando lá dentro para mover algumas coisas.
Ranger foi melhor que o esperado, com bastante fruta, legumes,
carne, ovos e queijo para durar mais de uma semana, não apenas os dois
dias que eu tinha planejado.
— Merda de luxo? — eu perguntei, não exatamente empolgado com
a perspectiva de um daqueles pratos que você comprava naqueles lugares
de luxo com três raminhos de aspargos, uma única fatia de carne e meia
batata que ousavam chamar o jantar especial.
— Ah, infelizmente, não, — ela admitiu, soando abertamente
chateada sobre o fato de que não podia preparar patê de pato como um
chef gourmet.
Francamente, nunca pude comer um pato. Uma vez eu salvei
alguns deles de um ralo em minha casa, e os filhos da puta me seguiram
como a mãe deles por uma semana até que a mãe verdadeira veio e os
encontrou.
Comendo uma daquelas coisas que costumavam grasnar atrás de
mim sempre que eu saía? Não, obrigado.
— Merda simples? — eu esclareci.
— Eu fui criada em... merda simples, — ela disse, as palavras
soando estranhas em sua língua polida enquanto ela puxava as
costeletas de porco, feijão verde e verduras, empilhando-as no balcão. —
Por acaso você teria batatas? — ela perguntou, olhando ao redor do
espaço, olhando para a pequena tigela de frutas.
— A melhor aposta seria a gaveta de baixo. Isso seria onde ele
guardaria batatas e cebolas.
— Ele? — ela perguntou, agachando-se para olhar e voltando com
duas batatas, uma grande o suficiente para alimentar uma família de
quatro pessoas, uma delas apenas o suficiente para ser considerada um
prato.
— Colega de trabalho, Ranger, ele estocou o lugar para nós.
Ela fez algum tipo de reconhecimento enquanto vasculhava o local,
encontrando panelas e frigideiras, colocando-as ao alcance.

~ 45 ~
E eu, bem, eu a observei. Por mais estranho que isso tenha sido.
Observei enquanto ela esquentava as panelas, colocava água na panela,
encontrava temperos para temperar a carne de porco, refogou as batatas
com cebola e alho, depois foi em busca de pratos para nós enquanto o
pequeno espaço se enchia com o aroma de lar, cozinha, algo que eu não
podia afirmar conhecer muito bem, mas gostava mesmo assim.
Era estranho perceber que aquela mulher, que nunca imaginaria
que fosse ao fogão, poderia cozinhar algo que cheirasse tão bem quanto
sua refeição.
Em algum momento, ela murmurou sobre mesas e seres humanos
decentes, deixando-me ir buscar uma mesa dobrável e cadeiras que eram
mantidas no armário do quarto para que ela pudesse ter sua experiência
de jantar adequada.
— Deixe, — eu disse quando ela começou a lavar a panela da batata
enquanto a carne de porco terminava. — Você cozinhou, eu vou limpar.
O quê? — eu perguntei quando ela me enviou um olhar estranho.
— Eu não estou acostumada a ter pessoas fazendo coisas, — ela
admitiu, me surpreendendo.
Se você tivesse me perguntado, eu teria pensado que ela tinha uma
equipe trabalhando para ela, nunca tendo que levantar um dedo, apenas
apertar um botão para convocá-los.
— O quê? Nenhum chef privado?
Ela me deu aquele olhar de novo, aquele olhar confuso e
ligeiramente ofendido que me dera algumas vezes no escritório de Quin
no dia anterior. — Eu costumo comer no escritório, delivery. — Ela
esclareceu, mas não elaborou. — Você quer mais uísque? — ela
perguntou, apontando para a garrafa enquanto colocava batatas nos
pratos.
— Deixe comigo, — eu disse, sentindo um pouco estranho por ser
esperado de mim mesmo. — Você quer alguma coisa? Tem um armário
de bebidas lá em cima. Ou, conhecendo Ranger, há provavelmente um
balde cheio com bebidas. — Isso também, com a temperatura mal ficando
acima de 2 graus a maioria dos dias. Mesmo que já estivéssemos na porra
de março.

~ 46 ~
— Eu só vou tomar água, — ela me disse enquanto trazia os pratos
e saladas para a mesa, colocando o meu na minha frente com o que
realmente parecia um sorriso tímido.
— Duquesa, pegue esse arquivo para mim, — eu exigi depois que
ela pegou sua água. — Tem nossos planos nisso, — eu adicionei quando
ela me deu aquele olhar estranho novamente. — Então, só porque
Rodrigo Cortez é um filho da puta tão implacável, — comecei abrindo o
arquivo para a foto dele. Eu conheci muitos idiotas na minha vida, e eles
sempre tinham esse vazio comum em seus olhos. Cortez poderia tê-los
todos superados. — Precisamos fazer algumas paradas.
— Parar? — ela perguntou de onde ela estava pegando sua salada.
— Hotéis. Só para ter certeza. Quin e a equipe, nós trancamos essa
merda bem forte, mas não queremos arriscar. Então, vamos ficar em
alguns lugares antes de nos estabelecermos definitivamente.
— Eu ficarei no país? — ela perguntou cuidadosamente, fazendo-
me perceber que eu não estava dando informações suficientes.
Normalmente, os clientes estavam me interrogando incessantemente
sobre cada pequeno detalhe. Era exaustivo, irritante. Havia tanta coisa
que era importante que eles não soubessem às vezes. Mas ela estava
certa, eu não estava dando muita coisa a ela.
— Acho que podemos mantê-la aqui, — eu disse, dando minha
primeira mordida nas batatas. Um som baixo e gemido que eu não
pretendia fazer me escapou. — Talvez eu vá colocá-la como cozinheira em
algum lugar, — eu a elogiei, observando como ela fazia aquele sorriso
tímido de novo, aquele que parecia tão em desacordo com sua calma
habitual, confiante, colecionada.
— Se eu tiver alguma opinião sobre o assunto, eu gostaria de não
tão cedo.
— Eu já tenho tudo configurado. Nome e currículos, e tudo mais.
Espero que goste do tempo quente, — acrescentei. E, pela primeira vez,
eu realmente quis dizer isso. Não foi uma brincadeira besta que eu estava
jogando.

~ 47 ~
Eu queria que ela gostasse da nova vida que criei para ela. Inferno,
talvez ela pudesse até relaxar um pouco. Deixar o cabelo solto.
Literalmente e figurativamente.
Ela pagou uma fortuna para começar de novo.
Eu só podia esperar que fosse para melhor.
Mesmo que ela não pudesse ver agora.
— Ficaremos aqui mais outro dia. Então estamos indo para o oeste,
— eu disse a ela. — Esperançosamente, dar um dia de folga no seu corte
ajudará a selá-lo melhor para a próxima etapa da jornada. Serão longos
dias no carro.
— Eu ficarei bem. — Ela me assegurou, ainda só cutucando a
comida mesmo que eu tenha ouvido seu estômago roncar antes.
Eu acho que ter um assassino atrás de você, e perder tudo o que
importava, tinha um jeito de foder com seu apetite, não importa o que
seu estômago queira.
— Quantas daquelas pílulas seu médico lhe deu?
— Sessenta.
Droga. Ninguém nunca dava tantas. Não com uma única prescrição
de qualquer maneira. Acho que o dinheiro falava de várias maneiras.
— Isso vai te ajudar. Apenas a primeira semana que será ruim.
Especialmente com a viagem. Mas você deve estar com dor então.
— E sobre eles? — ela perguntou, fazendo minha cabeça disparar.
— Os pontos, — ela explicou. — Eu estaria em evidência se eu fosse em
algum lugar tirá-los, certo?
Certo.
Infelizmente.
Que a deixou com uma escolha.
— Eu vou tirá-los. Não se preocupe, eu tenho tudo que preciso.
Sem dor. Apenas olhando. Não é grande coisa.
— Ok, — ela concordou, exalando lentamente. — Eu não me dou
bem com coisas médicas. Eu acho que meio que desmaiei depois de ser,
ah...
— Esfaqueada, — eu forneci sem rodeios.

~ 48 ~
— Sim. Eu nunca vi o homem de Heiro assustá-lo. A única coisa
que eu lembro depois da dor foi ele colocando uma toalha em volta de
mim, então me levando para o carro. E então, — ela continuou parecendo
precisar compartilhar as informações. Dado que ela parecia ter ido direto
do hospital para o apartamento dela fazer as malas, e de lá para o nosso
escritório, ela provavelmente nunca teve a chance de conversar com
alguém de maneira mais do que clínica. — No hospital, eu estava
apenas...
— Pirando, — eu forneci.
— Por dentro, — ela concordou, uma distinção que ela
estranhamente precisava que eu ouvisse. Ela não queria que ninguém
pensasse que ela era do tipo que perdia a calma... do lado de fora.
— Então, você não olha quando eu os tirar. Não é grande coisa.
Não vou pensar menos de você. Essa comida é boa pra caralho, — eu
disse a ela depois que eu provei, talvez devorei, tudo no meu prato. —
Você tem alguma outra pergunta hoje à noite?
— Um ... arranjos para dormir? — ela perguntou, parecendo quase
preocupada.
Como se eu insistisse em compartilhar uma cama ou alguma
merda assim. — Você pode ficar com o quarto. Eu fico com o sofá. A
menos que você não queira ficar sozinha então eu posso me arrastar lá
para dentro, — eu acrescentei, e estranhamente, algo dentro de mim fez
esperar que fosse o último.
— Hum, acho que vou ficar bem, — ela alegou. Alegou, porque não
havia muita confiança em suas palavras.
— Você vai comer isso ou apenas empurrá-lo ao redor? — eu
perguntei, observando enquanto ela cutucava a carne, mas só parecia
comer a salada.
— Você quer? — ela perguntou, já estendendo seu prato para mim.
E, bem, eu não desperdiçaria agora, ia?
Uma hora depois, ela estava na cama, embora a cama rangesse e
eu a ouvisse virando e girando enquanto eu lavava a louça depois do
jantar e arrumava o sofá.

~ 49 ~
Não foi até que ela pareceu finalmente desmaiar que eu ouvi meu
telefone zumbir de onde eu o deixei no balcão.

Ranger: Prepare-se para mudar os seus planos.


Você poderia ser mais enigmático? Não há porra de TV aqui. O que
está acontecendo?
Ranger: Nor’easter3. Você está prestes a ser abandonado. 12+4
Merda.
Ranger: Além disso, você veria alguém vindo há quilômetros de
distância.
Não está ajudando.
Ranger: Não sou conhecido por isso.

Merda.
Doze polegadas de neve em Navesink Bank explodiriam, mas não
tornariam a vida muito mais difícil. Dentro de um dia, todas as estradas
principais seriam limpas. Dentro de dois, todos os lados. A vida
continuaria como de costume.
Aqui fora na mata?
Eles podem nem se incomodar em arar.
Mesmo se o fizessem, eu tinha meio quilômetro de uma rodovia
particular que eles não tocariam. E eu posso estar em boa forma, mas
tenho certeza que até mesmo eu cairia morto de ataque cardíaco tentando
cavar essa merda com a mão.
Isso levaria vários dias.
Depois que a neve parasse.
Quando quer que isso seria.
Eu não tive que esperar muito para que isso começasse também.
Meia hora depois de ir até o pequeno galpão que ficava quase na mata
para pegar uma pá e uma lona para a lenha, tudo começou.
Com uma fúria.

3 É um ciclone extratropical em escala macro, geralmente acompanhado por chuva forte ou neve
4 Significa nevasca com mais 12 polegadas de neve (mais 30 cm).

~ 50 ~
Flocos grossos caíam com força e rapidez, o vento batendo tão alto
que não tinha visibilidade nem mesmo tentando olhar pela janela.
E cerca de uma hora depois de começar a casa ficou de repente
escura, algo na casa anunciando a queda de energia com um sinal sonoro
alto.
— Merda, — eu rosnei.
Só a falta de energia irritava.
A falta de energia na floresta com uma mulher que você mal
conhecia, e não sabia como você toleraria em tal situação?
Sim, isso ia ficar interessante.
— Gunner? — sua voz chamou timidamente do quarto.
E aqui vamos nós.

~ 51 ~
Sloane

Algo me acordou.
Você sabe, quando você acorda com um sobressalto, o coração
batendo forte, sabendo que não tinha sido um pesadelo, mas
completamente sem saber o que em seu entorno poderia assustá-la
assim.
Meu primeiro pensamento foi meu estômago. A dor muitas vezes
me acordava. Se eu fosse para a cama depois de duas taças de vinho sem
ter certeza de ter lavado meu sistema com um pouco de água, uma dor
de cabeça ofuscante me acordava em algum momento no meio da noite.
Mas eu não bebi vinho. E minha cabeça e meu estômago, e todo o resto,
pareciam bem.
As coisas vieram para mim em pedaços enquanto eu estava lá.
Estava escuro.
Breu.
O tipo de escuridão que quase nunca existia na cidade com todas
as luzes da rua, faróis, sinais de lojas.
A cama parecia estranha.
Dura, onde eu dormia em algo que provavelmente poderia ser
confundido com um colchão cheio de penas.
Os lençóis estavam fora também.
Um pouco ásperos e estranhos.
Então me lembrei.
As ameaças. O medo. A faca no meu estômago.
Fazer as malas.
Correr.
Pedindo ajuda novamente.
Sendo arrastada para a floresta.
Com Gunner.

~ 52 ~
— Gunner? — minha voz chamou, principalmente sem pensar. Eu
deveria ter ficado quieta. E se a energia não estivesse apenas acabado,
foi cortada?
E se ele me encontrar de novo?
E se apenas o deixei saber onde eu estava?
Quero dizer, não que demoraria muito tempo para entrar nessa
caixa de sapatos chamada cabana para me localizar.
Mesmo quando estava tentando sair dos lençóis, eu não tinha
certeza do que fazer, me esconder debaixo da cama, talvez, uma luz
apareceu na porta.
Uma lanterna apontou para cima para iluminar o rosto
repentinamente muito bem-vindo de Gunner.
— Estamos sendo atingidos por uma nevasca, — explicou, indo
direto ao ponto quando parei de lutar contra os limites dos lençóis. — O
vento está chicoteando. Deve ter derrubado uma árvore nas linhas em
algum lugar. É a porra de março. Quem pensa em checar a previsão de
uma tempestade como essa em março? — ele acrescentou, balançando a
cabeça. — Está prestes a ficar muito mais forte a partir deste ponto.
— Você acha que ficaremos aqui por muito tempo?
— Aqui? Fora daqui? Eu não esperaria pela energia por pelo menos
três dias.
Três dias.
— Isso é apenas um dia a mais do que planejamos ficar, —
argumentei, tentando não pensar em todas as maneiras que a falta de
energia por um longo período de tempo poderia nos afetar.
Sem aquecimento.
Nenhuma água desde que eu tinha certeza que esta cabana tinha
um poço porque parecia não haver nada público por perto.
Sem geladeira.
— Três dias sem energia, duquesa. Nós provavelmente não seremos
capazes de partir em cinco. Se eles ararem a estrada principal, isto é.
Uma vez que isso parar, eu vou começar a trabalhar na estrada privada.
Só isso vai me levar alguns dias.

~ 53 ~
— Eu posso ajudar, — eu ofereci, me sentindo um pouco fora das
minhas profundezas.
— Não se preocupe com isso, — ele me dispensou. — Mantenha-
me alimentado, terei a estrada limpa.
Isso pareceu bem justo.
Talvez um pouco sexista.
Mas, se eu fosse honesta, preferia ficar e fazer as refeições do que
sair e levantar pás pesadas de neve.
— Eu posso fazer isso, — concordei, acenando, embora ele não
pudesse me ver.
Parecendo sentir o dilema, ele se moveu para dentro, colocando a
lanterna na cômoda de frente para o teto, deixando o quarto iluminado o
suficiente para que pudéssemos nos ver.
— Nós ficaremos bem, aqui. Depois de doze horas mais ou menos,
nós vamos mover a comida para fora para mantê-la fria. Vamos manter
a lareira. Este quarto terá que ser fechado, então nós dois precisaremos
ficar na área comum para nos aquecermos. Fogão é a gás, então podemos
acender a chama com fósforos. Que nós temos em abundância. E alguns
lampiões e óleo para a noite. Ficaremos bem.
— Eu posso... ficar rústica por um tempo, — eu disse, certificando-
me de que havia alguma autoridade em minha voz, mesmo que soubesse
que talvez eu fosse um pouco mimada por coisas como interruptores de
luz que realmente acendiam as luzes e dutos de ar que nunca pararam
de soprar. Eu poderia aprender a ficar sem. Era tudo parte de começar
uma nova vida, não era? Pisando fora das minhas antigas zonas de
conforto.
— Você está vestindo pijamas de seda, e tem certeza de que você
pode ser rústica? — Ele perguntou, os olhos descendo por cima da minha
regata de seda e shorts.
— Só porque gosto de usar coisas que são boas na minha pele não
significa que eu não possa aprender a viver sem alguma luz.
— Você não combina, — ele disse, estranhamente, ignorando meu
último comentário.
Ele estava certo.

~ 54 ~
Meu short tinha pequenas rosas cor-de-rosa com folhas verdes
sobre um fundo cor de champanhe. Minha regata era um roxo profundo,
real.
— Sim, bem, alguém não me deixou arrumar minhas próprias
malas, então eu teria roupas combinando.
Mais uma vez, ele pareceu ignorar o que eu disse. — Você dorme
com seu cabelo assim? — ele perguntou, os olhos enrugados na minha
trança que envolvia minha cabeça.
— Por que você pergunta?
— Porque parece desconfortável pra caralho. Não consigo descobrir
por que você faria isso com você mesma.
Eu não usava o cabelo solto com frequência. Era apenas mais fácil
mantê-lo em algum coque elegante, então eu não tive que me preocupar
com isso ficando confuso ou no caminho.
— Minha mãe costumava trançar meu cabelo antes de dormir
quando criança para evitar que ele se emaranhasse. Estou acostumada
com isso, eu acho. — Eu deixei de fora a parte sobre como ela costumava
quebrar os fios com uma escova enquanto eu gritava, então me batia com
o lado largo porque ela não conseguia parar minhas reclamações.
— Você tem família? — ele perguntou, a cabeça se abaixou para o
lado. — Não vi nada sobre isso no seu arquivo.
— Nós nunca... fomos próximas, — eu disse com cuidado, sabendo
que a família disfuncional era como uma contusão que nunca sarava,
sempre que você cutucava, sempre ardia.
— Então, não sendo próximos eles não vão perceber que de repente
você sumiu da face da Terra?
— Então, não sendo próximos provavelmente eles já pensam que
eu sumi. — Suas sobrancelhas se uniram com isso, um olhar que eu não
conseguia entender. — O quê?
— Você tem segredos, duquesa, não tem? — havia algo estranho
em seu tom, algo que era uma mistura de curiosidade e seriedade, e talvez
até uma pitada de preocupação.
— Todo mundo tem segredos.

~ 55 ~
— Pessoas em fuga, eles não podem ter segredos. Não da pessoa
que está encarregada de protegê-los. A papelada que Quin preencheu não
era para merda e risos. Precisamos saber tudo.
— Algumas perguntas são invasivas, — eu disse, não querendo ir
para lá.
— Perguntar o tamanho do seu sutiã e o ciclo menstrual é invasivo,
— ele disparou de volta. — Exigir que você nos fale sobre todas as pessoas
com as quais você está conectada é necessário. Essas pessoas que você
pode acabar sentindo falta, e vai ligar, e isso irá rastrear de volta para o
seu novo local que estou estourando minha bunda para ter certeza de
que ninguém saiba.
— Eu preferiria chamar Rodrigo Cortez para vir e terminar o
trabalho do que chamar minha família, — eu disse cuidadosamente,
escolhendo as palavras para que elas tivessem o impacto que eu
precisava, sem ter que dar os detalhes que não queria.
— Ruim, huh? — ele perguntou, a sua voz fazendo aquela coisa
macia novamente, e desta vez, estava fazendo o meu interior fazer algo
curioso, estranho. Isso estava fazendo com que eles se sentissem quase...
derretido? Isso era absurdo, claro, mas era assim que se sentia.
— Ruim, — eu concordei, mal reconhecendo minha própria voz.
Havia algo grosso nela.
— Tudo bem, — ele concordou, assentindo, deixando de lado. —
Você quer pegar os lençóis e travesseiros e ir para o sofá, para não ficar
com frio?
— Mas, e sobre... — Eu comecei a objetar, então parei quando ele
invadiu, eu diria que andava, mas esse homem meio que sempre invadia
por toda parte, do outro lado do quarto, e começou a tirar a cama sozinho.
— Pegue os travesseiros e a lanterna, — ele exigiu, saindo para a
escuridão.
Com isso, eu fiz.
Para descobrir, ele já havia acendido uma fogueira, a luz lançando
todo o espaço em um calor reconfortante e caloroso.
— Você não precisa fazer isso, — eu disse, observando Gunner
enfiar o lençol e o cobertor sob a almofada no final do sofá.

~ 56 ~
— Bem, seu mordomo não está aqui, imagine que eu deveria
substituir.
— Eu nunca tive um mordomo, — eu insisti enquanto ele tirava os
travesseiros das minhas mãos. — Se eu tivesse, ele não estaria em sua
papelada que você gosta tanto?
— Seus exs não estavam, — ele atirou de volta.
— Porque a papelada pediu os nomes de todos os exs dos últimos
três anos.
— Sim, — ele concordou, levantando-se, de frente para mim,
fazendo sua coisa de cruzar o braço que não deveria ser sexy, mas eu
achei assim mesmo. — Você espera que eu acredite que você está solteira
há três anos?
— Acreditar implica que há algo para descrer. Já que é um fato,
não há.
— Três anos.
— Sim, três anos, — eu concordei, não percebendo que eu imitava
sua voz cética e os braços cruzados até que ele riu de mim, soltando suas
mãos.
— Tudo bem. Mas Quin quis dizer qualquer tipo de relacionamento
com homens. Não necessariamente sério apenas. Relacionamentos que
nunca iam a lugar algum. Uma noite. Companheiros de foda.
— A resposta é a mesma, — eu disse, encolhendo os ombros.
— Você está me zoando. Você não foi fodida em três anos?
Ele fez soar absurdo.
Na minha experiência, a maioria das mulheres que conhecia, que
como eu possuíam um negócio de sucesso, que eram casadas com ele
porque significava o mundo para elas, mal tinham tempo para ver seus
amigos, muito menos ter tempo para os homens. Inferno, eu jantava e
bebia com uma mesa inteira de mulheres como eu, e nós, depois de
muitas sangrias sem fundo, de todas as marcas e tipos de vibradores
comparados desde que nenhuma de nós tinha muito tempo para isso.
— Eu tenho construído um negócio, — eu disse a ele, tentando me
convencer a não ficar envergonhada. Era ridículo se sentir insegura de
que eu não estava tendo muito sexo.

~ 57 ~
— Última vez que chequei, as empresas fecham em um certo ponto.
— As empresas nunca fecham quando você as está administrando.
Eu acordo às duas da manhã para anotar coisas para adicionar à minha
lista de tarefas.
— Cristo, duquesa. Você está fodendo como um maldito relógio.
— Eu vou assumir que você acha que a cura para isso é eu fazer
sexo.
Seus lábios se curvaram para isso. — Não poderia doer, com
certeza. Mas, na verdade, eu diria que a cura é dar um passo para trás.
O que, bem, é o que a vida está forçando você a fazer agora.
— Eu vou assumir que começar de novo significa que eu terei que
trabalhar tão duro para ficar de pé. Considerando que, antes, eu só tinha
que ficar sobre eles.
— Ficar sobre eles não deve ser tão difícil quanto era em
Manhattan.
— Tenho certeza de que o único lugar mais caro do que Manhattan
é São Francisco, — eu concordei. Era um fato que sabia por que eu tinha
feito muita pesquisa no ensino médio sobre onde finalmente fugiria uma
vez que eu estivesse livre dos meus pais.
San Francisco era agradável, brilhante, ensolarado. Mas não
exatamente o ajuste certo para alguém como eu.
D.C. Era muito político.
Boston era um pouco áspera para o meu gosto.
E, bem, qualquer um que quisesse ter sucesso e esculpir um nome
para si no mundo... eles iam para Nova York. Isso era simplesmente o
que você fazia.
Então, com apenas algumas centenas de dólares em dinheiro de
aniversário dos meus avós na minha mochila, foi para lá que eu fui.
E nunca olhei para trás.
Porque, bem, a cidade foi feita para pessoas como eu. Os que
estavam focados em suas carreiras, em seu crescimento, em suas
conexões e suas aspirações. E, para ser completamente honesta,
dinheiro.
O dinheiro foi um fator para mim.

~ 58 ~
Porque pobreza era algo que eu conhecia o sabor e a textura de um
longo, longo tempo antes de saber como era a riqueza na língua e nas
pontas dos dedos.
Talvez fosse superficial, querer estar bem.
Mas quando você foi para a cama com mais fome do que com a
barriga cheia, então você poderia me ensinar como os meus sonhos eram
vazios para a vida.
Minha vida foi sobre perseguir o conforto de uma conta bancária
completa, algo que me asseguraria que eu nunca mais conheceria a
sensação de um estômago roendo sem esperança à vista para a plenitude.
— Bem, você pode visitar San Francisco em uma longa viagem de
trem se você perder a vida luxuosa.
— Estou indo para a Califórnia, — imaginei.
— Carson City, — Gunner corrigiu, quase parecendo culpado.
— Nevada.
— Sim.
— Eu não entendo, — eu disse, balançando a cabeça. — Carson
City não é uma cidade tão grande. Uma cidade grande não seria mais
fácil para eu passar despercebida?
— Às vezes. Mas as grandes cidades também têm algo em comum.
Grandes crimes organizados. Se Cortez colocasse as antenas, e os
homens na rua aparecessem, seus vizinhos em uma cidade não
pensariam duas vezes em falar sobre você. Uma menor, cidade
ocidental... eles perguntariam por que estavam perguntando sobre você.
A reação deles seria tentar protegê-la de atenção indesejada.
— Eles não vão me considerar uma... estranha? — eu perguntei, o
estômago apertando com a ideia de não me encaixar.
— Eu não me preocuparia com isso. Você seria uma mulher solteira
em uma cidade nova sem família ou um grande trabalho para levá-la lá.
Eles provavelmente imaginariam que você está lá porque está fugindo de
algum namorado, eles te abraçariam. Você pode ter que se esforçar um
pouco no começo, mas você vai chegar lá.
— Todo mundo?
— Quem?

~ 59 ~
— Todas essas pessoas que você, o que Quin chama?
— Fantasma.
— Sim, todas essas pessoas como você, fantasma. Todos elas
constroem boas vidas em seus novos locais?
— Honestamente, duquesa, eu não tenho a mínima ideia.
— Você não mantém contato?
— Eu não, — ele concordou, mas quase soou como se não quisesse
admitir isso.
Eu estaria completamente sozinha.
Quero dizer, para ser justa, eu estava muito sozinha.
Mas eu tinha meu povo.
Eu tinha meu nome.
Tudo isso desapareceria.
Eu não seria ninguém.
Eu tentei agitar o pensamento, sabendo que tinha feito isso antes.
Eu poderia fazer isso de novo. Eu tinha que fazer isso de novo.
— Ok, — eu disse quando o silêncio durou por muito tempo.
— Você vai ficar bem.
— Eu sei, — eu concordei.
— Vamos, — ele disse, afastando-se do lado do sofá. — Eu tenho
uma cama para montar.
Com isso, eu pulei, puxando os lençóis por cima do meu corpo
enquanto Gunner voltou para o quarto, depois voltando com uma cama
de metal dobrada, abrindo-a e depois a forrou.
A cabeceira da sua cama foi até a beirada do sofá onde meus pés
estavam debaixo dos cobertores. Não importava como eu tentasse, não
consegui forçar meus olhos a desviar o olhar enquanto ele esvaziava seus
bolsos, jogando o conteúdo sobre a mesa. Uma carteira, um celular, as
chaves, algum tipo de ferramenta multifuncional pequena. Alcançando
atrás dele, ele puxou a arma, de repente olhando para mim, os lábios
inclinados para cima. — Posso confiar em você para não atirar em seu,
ou no meu pé se eu deixar aqui? — ele perguntou, apontando para a
mesa de café.

~ 60 ~
— Eu nem saberia como, — eu admiti, encolhendo os ombros. —
Eu não vou tocá-la, — acrescentei quando ele a colocou na mesa, em
seguida, abaixou-se sobre o catre. O rangido das molas foi agudo e
prometia uma noite de sono desconfortável.
— Vamos nos revezar no sofá, — eu ofereci. — Vou ficar com a
cama dobrável amanhã.
Com isso, sua cabeça inclinou para o lado. — Por quê?
— Porque se parecer tão desconfortável quanto parece, você não se
sentirá bem amanhã. E depois de trabalhar com a pá, você vai precisar
de uma boa noite de sono. É a solução mais justa.
— Justa, — ele disse, zombando um pouco enquanto abaixava o
olhar para o chão por um longo momento. — Você está passando pela
coisa mais injusta que você poderia estar, e está preocupada com o que
é justo para mim.
— Bem, não é sua culpa que eu estou passando pelo que estou
passando. Você está tentando ajudar.
— Você está me gozando.
Certo.
Isso estava certo.
Eu era um trabalho.
Era fácil, talvez, confundir isso na minha cabeça, pensar que ele
estava fazendo isso porque era simplesmente um ser humano que doava,
porque ele gostava de ajudar os necessitados.
Mas isso não era verdade.
Eu era um pagamento.
Eu era algo que ele tinha que lidar para poder voltar à sua vida
real.
Nada menos.
Mas certamente nada mais.
— Ok. Se você não quiser o sofá, eu ficarei com ele.
Ele não tinha nada a dizer sobre isso, simplesmente se moveu para
descansar de costas, puxando o cobertor por cima do corpo e fechando
os olhos.

~ 61 ~
Às vezes, não foram as grandes coisas que você esqueceu em estar
perto dos homens. O sexo. O peito para dormir. Eram coisas assim que
sempre pareciam me fascinar, observar um homem, grande, forte,
destinado a estar em movimento, em repouso, seu corpo poderoso ainda,
suas feições duras suavizavam-se um pouco.
— Pare de olhar e vá dormir.
Seus olhos estavam fechados!
Seus olhos estavam fechados, mas ele de alguma forma sabia que
eu estava olhando para ele.
Ele era um homem muito interessante.
Fechei os olhos, acalmei-me para dormir com o crepitar suave dos
troncos no fogo.
A próxima coisa que eu sabia, senti as mãos me tocando.
Acordando em pânico, eu empurrei contra ele, um grito subindo na
minha garganta.
— Shh, duquesa, — disse a voz de Gunner, suave, quase sonolenta.
— O que você está fazendo? — eu sussurrei gritando para ele
enquanto seus braços continuavam tentando deslizar para baixo de mim.
— O fogo morreu. Seus dentes batendo me acordaram.
Quando o pânico se afastou, o mesmo aconteceu com a adrenalina,
deixando-me sentir toda a força da frieza na sala, que deve ter ficado sem
uma fonte de aquecimento por horas.
— Relaxe, — ele disse novamente com aquela voz doce e sonolenta
quando ele me enrolou de lado, depois abaixou-se. — Eu vou apenas
aquecê-la, — ele explicou, puxando o cobertor, o ar frio formigando sobre
a minha pele por um momento antes que seu corpo se movesse para
baixo, e os cobertores caíram novamente, prendendo o calor dos nossos
corpos juntos.
Um pequeno sofá.
Duas pessoas não exatamente pequenas.
Não havia nem um pedaço de espaço entre nós enquanto nos
enfrentávamos nas almofadas.
Não me ocorreu que meus mamilos estavam endurecidos até que
senti seu peito sólido tocar eles.

~ 62 ~
E a julgar pela maneira como seu corpo enrijeceu, eu sabia que ele
sentia o mesmo que eu.
— Como ficou tão frio tão rápido? — eu perguntei, tentando me
segurar ainda que cada centímetro de mim estivesse implorando para me
aproximar do homem que parecia estar irradiando calor de alguma forma.
— O vento, — ele disse, balançando a cabeça. — Este lugar não é
isolado tão bem. O vento ainda está louco lá fora. Eu ficarei acordado, —
acrescentou. — Para garantir que o fogo não apague novamente.
— Não, isso não é necessário.
— Diz a mulher cuja a porra de todo o corpo se sente como um
cubo de gelo, — ele disse, me dando uma sobrancelha como se ele
estivesse me desafiando a contradizê-lo quando sua mão se moveu para
tocar a pele nua do meu braço, fazendo uma onda de arrepio através de
mim no calor do contato na pele reconhecidamente fria.
— Estou mais quente agora, — tentei. — Nenhum dente batendo.
— Sim, porque eu estou aqui. — Quando eu não tinha argumento
para rebater isso, seus olhos pareciam talvez fazer aquela coisa suave
que eles faziam ocasionalmente. — Você quer que eu fique aqui?
Estranhamente, eu queria.
Eu, senhorita Espaço Pessoal, queria isso.
Ele bem onde estava.
Pelo maior tempo possível.
Mas eu não podia deixá-lo saber o quanto queria.
— Se isso significa que você pode dormir um pouco também, então
sim, — eu ofereci, encolhendo os ombros sob os cobertores.
— Tudo bem, — ele concordou, a voz soando não arrogante ou
frustrada ou mesmo aquele tom doce que ele usava de vez em quando.
Foi outra coisa. Algo que eu não o conhecia bem o suficiente para
interpretar, mas me encontrei querendo.
— Tudo bem, — eu disse também, dando-lhe um pequeno aceno
de cabeça que ele bufou.
— Vá dormir, duquesa, — ele ordenou, e desta vez, só dessa vez,
seu apelido para mim não me incomodou.
E com o calor dele me envolvendo como um abraço caloroso, eu fiz.

~ 63 ~
Eu dormi.
E acordei bem em cima dele.
Minha cabeça estava pressionada no centro do peito dele, minha
mão segurando seu ombro forte, meu quadril engatilhado sobre a pélvis,
o joelho encravado entre as duas coxas.
Íntimo.
Demorou alguns segundos para eu perceber que um de seus braços
estava em volta das minhas costas, me segurando firme, seus dedos
segurando meu quadril. O outro estava descansando pesadamente na
minha coxa.
E tudo, desde a sensação de seu peito sólido contra mim, seu cheiro
pessoal, o jeito que seus braços estavam me segurando... tudo parecia
bom. Muito bom.
— Uma vez que você está fora, você está realmente fora, hein? —
ele perguntou, parecendo saber que eu estava de pé.
— Você tentou me acordar? — eu perguntei, imediatamente
constrangida, embora eu soubesse que tinha que colocar meu
despertador em todo o quarto a um nível alto para que me acordasse pela
manhã. Eu sempre imaginei que tivesse um sono profundo porque
dormia pouco, meu corpo queria ordenhar tudo o que valesse a pena. Eu
dormi mais nas quarenta e oito horas em que estive longe da minha vida
do que provavelmente em meio período de uma semana.
— Chamei seu nome algumas vezes, — ele me informou.
— Desculpe. Você poderia ter apenas... me empurrado, — eu
ofereci, embora ainda não tivesse me movido, para colocar uma distância
saudável entre nós novamente.
— O fogo acabou de apagar. Mas você estava quente o suficiente.
Claro que eu estava.
Eu era como uma videira grudada em cima dele.
— Obrigada por me deixar dormir, — ofereci, sentindo algo que não
sentia há mais anos do que me lembrava, descansada. Eu acordava
cansada todas as manhãs. Eu contrabalançava isso com muito café, e
uma agenda lotada que não me deixava diminuir o suficiente para sentir
os efeitos disso, mas sempre estava lá, uma coisa constante.

~ 64 ~
— Sim. Agora, que tal você fazer o meu café da manhã, para que
eu possa sair e fazer a coisa máscula da pá.
— A coisa máscula da pá? — eu perguntei, empurrando para cima
para sorrir para ele, encontrando seus lábios curvados, mas seus olhos
pensativos.
— É uma boa aparência, — ele disse, estranhamente.
— Meu cabelo está uma bagunça? — eu perguntei, querendo
levantar para achatar, mas estava usando ambas as minhas mãos para
separar meu corpo do dele.
— Bem, sim, — ele me disse com um sorriso. — Mas eu quis dizer
o sorriso. Por um segundo, você não parecia tão tensa.
Tensa.
Eu odiava essa palavra.
Principalmente porque eu dizia muito essa palavra.
Junto com as frases que você precisa para relaxar e você precisa
encontrar um equilíbrio entre trabalho e vida.
Como se eu fosse uma pessoa robótica, entediante e chata.
Mas novamente, quem sabe. Talvez tenha sido assim que os outros
me viram. Você nunca sabe realmente, não é? Como você era para os
outros? Se eles te viam do jeito que você se via? Melhor? Pior? Não era
algo que eu geralmente tinha muito tempo para me dedicar a me
preocupar. Mas por algum motivo, estava em minha mente agora.
— E aí está, — disse Gunner, de repente, começando a dobrar-se,
fazendo-me pressionar de volta nos meus calcanhares para que ele
pudesse deslizar debaixo de mim.
— Aí está o quê?
— Aquela coisa da senhorita Blythe-Meuller.
— Eu não sei o que isso significa. — Mas percebi o tom que sugeria
que era um insulto.
— Claro que não, — ele concordou, em pé, foi em direção ao
banheiro. Eu ainda estava arrumando o sofá, empilhando todos os
cobertores e travesseiros na cama quando ele voltou. — O banheiro deve
estar bem esta manhã, — ele disse, fazendo-me endireitar. — Vai parar

~ 65 ~
de funcionar eventualmente. Vou arrastar um balde cheio de neve para
derreter. Você pode despejá-lo para limpá-lo.
— Isso é... conhecimento prático, — eu disse cuidadosamente,
percebendo como eu estaria ferrada em uma situação como esta. O que
eu teria feito se o banheiro parasse de funcionar e estivesse sozinha? Eu
acho que teria que, bem, começar a usar o ar livre, tão desagradável
quanto isso soasse.
— Quer ficar realmente impressionada, posso construir um
banheiro de compostagem a partir do zero. — No que deveria ter sido um
olhar curioso no meu rosto, seus lábios se curvaram de um lado. — Uma
de nossas colegas de trabalho, Miller, ela tem essa regra. Ela tem que ter
um banheiro funcionando. Às vezes, um banheiro real não é uma opção.
Nós aprendemos a ser astutos.
— Isso é muito interessante, — eu disse, o que significava, quando
fui para a cozinha para pegar os ovos, o queijo, as cebolas e os pimentões,
com a intenção de fazer uma omelete. Ele estava certo, se estivesse
fazendo algo tão trabalhoso quanto cavar a unidade gigante, ele precisava
de combustível real.
— Quanto à coisa de banho... nós vamos ter que nos acostumar
com os banhos de prostituta por um tempo.
— Desculpa, o quê? — eu perguntei, virando a cabeça para olhar
para ele espiando pela janela de trás, o branco ofuscante do sol na neve
machucando meus olhos.
— Banho de prostituta, — ele disse, olhando para mim com um
sorriso. — Significa sabão, água e um pano. Limpe os lugares
necessários. Não excessivamente ideal, mas o que temos que fazer.
Isso soava tão desagradável quanto uma situação de banheiro ao
ar livre. Eu gostava de um bom banho todos os dias. Às vezes, até dois.
Um na parte da manhã para que eu pudesse parecer melhor, e um à noite
para que eu pudesse relaxar depois do trabalho, lavar todo o dia.
Mas, bem, o que havia para lavar aqui? Tudo o que eu estaria
fazendo era cozinhar e arrumar. Eu não iria suar.
— Cheira bem, — disse Gunner, saindo do banheiro de novo, desta
vez em camadas de roupas mais pesadas do que o habitual jeans e botas

~ 66 ~
grandes e isolantes nos pés. Ele parecia um pouco como um lenhador. E
embora eu já soubesse que ele tinha uma jaqueta Carhartt, eu não pude
deixar de imaginá-lo em uma jaqueta de flanela vermelha, branca e preta.
— O quê? — ele perguntou, fazendo-me perceber que eu estava olhando,
e provavelmente fazendo isso de forma um tanto desleixada.
— Eu acho que tudo o que a roupa precisa é de uma jaqueta de
flanela, — eu admiti.
— Tendo pensamentos sobre mim lá fora, cortando madeira, hein?
— ele perguntou, pegando um pedaço de pimentão cru e colocando em
sua boca. — Você está toda quente e incomodada? — ele continuou, os
lábios se contorcendo, os olhos verdes dançando.
A coisa louca foi, quando ele colocou essa ideia na minha cabeça,
a reação exata que ele mencionou começou no meu corpo, me deixando
corada, meu coração batendo forte, minha pele supersensível, e, como se
tudo isso não fosse suficiente, fez meu sexo apertar com força.
Uma reação de corpo inteiro.
Para uma ideia simples de uma ação simples com um homem que
era mais decididamente não meu tipo.
O que estava acontecendo comigo?
— Não tem ingrediente o bastante aqui, — ele disse, literalmente
por cima do meu ombro, olhando para a frigideira enquanto eu
adicionava os ingredientes aos ovos, — mas isso não parece suficiente
para dois.
— Não é para dois, — eu concordei.
— O que você está tendo então?
— Há um pouco de iogurte ali, — eu disse, encolhendo os ombros.
— É por isso que não há gordura para beliscar em você? — ele
perguntou estranhamente, indo para a geladeira, retirando o iogurte... e
duas peras. — Você não come?
— Eu como, — eu me opus, não querendo que ninguém pensasse
que eu estava morrendo de fome. Eu não fazia isso. Claro, quando estava
estressada, eu tinha uma tendência a não comer muito, mas sempre
comia alguma coisa.

~ 67 ~
— Você comeu sua salada e cutucou o resto da sua comida. Esta
manhã, você está me fazendo ovos, mas tomando iogurte, — ele lembrou
enquanto cortava as peras, colocando-as claramente em dois pratos
diferentes.
— Eu não gosto de grandes cafés da manhã. Isso me faz sentir lenta
o dia todo. Além disso, você também não tem nenhuma gordura para
beliscar.
— Sim, porque eu sou todo músculo, — ele forneceu, desafiando-
me a refutá-lo. E simplesmente não havia maneira de fazer isso. Ele era
solidamente muito construído.
— Sim, e você precisa manter esse músculo com toda essa proteína,
— eu concordei, dobrando a omelete, em seguida, deslizando-a para o
prato que ele estava segurando. — Eu não sei. O quê? — eu perguntei
quando ele pegou o prato e suspirou.
— Discutindo sobre dietas fodidas, — ele disse, olhando para o
prato, sua voz soando como se fosse a conversa mais absurda que duas
pessoas poderiam ter.
Sentindo-me desconfortável, eu silenciosamente tomei meu iogurte
e comi a pera que ele me forçou. Eu bebi minha água, desejando que
fosse café, me perguntando se havia uma maneira que eu poderia fazer
isso sem eletricidade.
— Tudo bem, — ele declarou, o arranhar de sua cadeira no chão
me fazendo erguer. — Estou indo. Se você está procurando algo para
fazer, você pode começar a mover a comida para a neve.
— Não tem problema, — eu concordei, sentindo que era o mínimo
que eu podia fazer. — Você virá para o almoço?
— Se você for fazer alguma coisa.
— Então você vai almoçar, — eu concordei, pegando o prato dele e
indo até a pia, amontoando-o. — Oh, água, — eu me lembrei, olhando
para ele.
— Eu trarei alguns baldes. Tem uma dúzia deles por aí.
— Ok, obrigada, — eu concordei, dando-lhe um pequeno sorriso.

~ 68 ~
— E se o fogo começar a parecer baixo, — ele acrescentou,
movendo-se para onde ele parecia estar estalando ainda, — apenas jogue
um tronco sobre ele. Mas coloque. Não sufoque a chama.
— Entendi, — eu concordei, mas não estava tão confiante quanto
soava. Eu descobriria.
— Volto em algumas horas, — ele me disse, então pegou sua
jaqueta marrom e saiu pela porta. Ele voltou dez minutos depois com três
baldes gigantescos de neve que ele arrastou perto do fogo para derreter.
Lavei os pratos com a água da neve, com mais cuidado do que
jamais havia lavado alguma coisa antes, conservando o máximo possível,
antes de localizar um jarro em um armário, enchê-lo e levá-lo ao banheiro
comigo com a intenção de tentar um banho de prostituta e escovar os
dentes.
Era estranho como facilmente coisas assim poderiam chegar até
você, essa capacidade de se adaptar, de poder viver sem conforto. Quando
saí do banheiro, estava limpa em todos os lugares, menos no meu cabelo,
porque isso parecia exigir alguma habilidade de ginasta para usá-lo, e
vestida com um par de calças de linho finas e um suéter de malha cinza
pesado
Depois de revirar minhas malas por cerca de dez minutos, percebi
algo que fez minha barriga afundar um pouco.
Minhas lentes de contatos devem estar em uma das minhas outras
malas.
E eu não podia mais deixar essas em meus olhos.
Ninguém, a não ser meu oftalmologista, já me viu de óculos. Meus
óculos gigantes de armação preta que engoliam uma grande parte do meu
rosto.
Com um suspiro, eu fiz o que precisava ser feito, levantando o meu
cabelo no topo da minha cabeça, pensando que isso iria distrair o fato de
que eu poderia jurar que as raízes estavam um pouco gordurosas.
Com isso, e nada mais a ver com o meu tempo, peguei meu bloco
de desenho e lápis de cor, voltando para a sala de estar para me perder
em algum desenho em frente ao fogo.

~ 69 ~
— O que aconteceu com você? — a voz do Gunner explodiu no
espaço que tinha sido silencioso, exceto pelo estalo dos troncos que eu
tinha conseguido manter, apesar de minhas dúvidas, fazendo-me
sacudir, minha cabeça virando para onde ele estava parado na porta,
olhando para mim como se eu tivesse brotado outra cabeça.
— O quê? — eu perguntei, as sobrancelhas franzidas.
— Algumas horas atrás, deixei a senhorita Blythe-Meuller. Quem é
essa? — ele perguntou, acenando com a mão enluvada para mim.
— Oh, — eu disse, tendo estado tão perdida em meu próprio mundo
que me esqueci. Minha mão subiu, tocando o lado dos meus óculos. —
Sim. Meu suprimento de lentes contatos deve ter ficado em uma das
minhas outras malas, — eu disse a ele, tentando me sentir tão
despreocupada sobre isso como o encolher de ombros que dei a ele.
Com o estranho olhar ainda em seus olhos, ele tirou suas roupas,
levando-as para o fogo para secá-las mais rapidamente.
— Você manteve bem o fogo, — ele me disse, cutucando um pouco
para fazer as chamas subirem, aquecendo as mãos na frente dele por um
longo minuto. — Não se parece com as bolsas, — ele disse estranhamente
quando ele se virou para mim.
— Desculpe?
— Seu arquivo, — ele me disse, acenando para onde ele o deixou
no balcão. Eu não tinha olhado para isso. Eu sabia o que diria. Até a
minha pontuação de crédito e peso. — Dizia que você era um grande
designer de bolsas. Eu não sabia que tal coisa existia.
— Tal coisa?
— Um grande designer de bolsas.
— Você nunca ouviu falar de bolsas Birkin? Coach? Gucci?
— Não imaginei que havia um jeito de ter um nome ao lado delas.
— Você tem que trabalhar para isso, como qualquer outra coisa, —
eu disse, encolhendo os ombros, embora não houvesse nada para dar de
ombros. Eu coloquei minha força vital em fazer meu nome. Eu passei
noites sem dormir para fazer isso. Eu sacrifiquei relacionamentos e
amigos para isso. Eu sobrevivi com sanduíches de pão e queijo para isso.
Não era nada para dar de ombros.

~ 70 ~
— Você se importa tanto com bolsas? — ele perguntou, parecendo
duvidoso.
— Eu sou muito boa nisso.
— Então, isso é um não, — ele adivinhou. Sua mão estendeu tão
de repente que eu não pude reagir rápido o suficiente para puxar de volta
quando ele pegou meu bloco de notas e o puxou para longe de mim. —
Duquesa, que porra é essa? — ele perguntou depois de um longo e
nervoso momento de olhar para o meu bloco de desenho, indo e voltando
entre as duas páginas mais recentes.
O que eu estava trabalhando era um desenho da cabana na qual
estávamos hospedados atualmente. Olhando diretamente em frente
estava a sala comum do andar de cima em seu escritório, completa com
minha pilha de bagagem rosa e dourada no chão.
— É apenas um... rabisco, — eu defendi, odiando a palavra, mas
não gostando da espessura estranha no ar ao nosso redor, feito dessa
forma com sua reação indefinível e minha própria insegurança.
— É algo que você poderia enquadrar e colocar na parede, — ele
rebateu enquanto se sentava ao meu lado no sofá, virando outro par de
páginas, encontrando um esboço antigo do meu prédio de apartamentos
em Manhattan. Vendo isso agora, parecia que era anos luz em vez de
apenas alguns dias, algumas centenas de quilômetros. — Esse é seu
antigo lugar? — ele perguntou, olhando para mim, procurando por algo.
— Acho que eu entendi.
— Entendeu o quê? — eu perguntei, balançando a cabeça.
— Porque você tem estado tão tensa, — ele explicou. — Você está
desistindo de muita coisa.
As palavras fizeram minha barriga cair um pouco, uma sensação
para a qual eu não tinha nome, não sabia como lidar.
Foi então que senti a mão dele, larga, firme, forte, perto do joelho,
dando o que só poderia ser chamado de aperto tranquilizador.
— Porra, é uma merda, duquesa, — ele disse, balançando a cabeça.
— Mas ninguém pode aceitar isso, — acrescentou, gesticulando com a
mão livre para o meu bloco de notas. — Você não pode mais fazer bolsas,
mas pode desenhar, pintar, fazer outra coisa com isso. Seria um

~ 71 ~
desperdício não. Você claramente ama isso. — Eu devo ter enrijecido ou
puxado para trás ou algo assim porque ele acrescentou: — É o mais
pacífico que eu já vi você olhar. Você nem sequer me ouviu quando eu
cheguei e abri a porta.
— É um hobby, — insisti, sentindo-me estranha ao admitir que era
mais.
— É uma paixão, — ele corrigiu, sacudindo a cabeça. — Não faça
essa merda.
— O quê?
— Diminuir algo que você goste. Qual é o sentido disso?
— Autopreservação, — eu admiti, sem saber o que me possuía,
para me abrir com essa pessoa. De todas aquelas no mundo.
— Porque alguém menosprezou isso, — ele assumiu, apontando
para minha foto.
Eu estava achando difícil de engolir enquanto assentia. — Sim.
— Seus pais.
— Sim.
— Você poderia desenhar assim quando criança?
— Provavelmente melhor, — eu disse a ele. — Eu praticava mais.
Agora, é principalmente sobre projetos de trabalho.
— Melhor do que isso, e alguém falou merda sobre isso, — ele
continuou, soando como se pudesse mal acreditar. — Isso é uma merda,
duquesa. Seus pais foram idiotas.
— Sim, eles foram, — eu concordei. — Quando eu tinha treze anos,
— eu comecei, quase me sentindo como se fosse explodir se eu não
conseguisse pronunciar as palavras, o desejo de compartilhar algo era
muito estranho para mim, mas nesta situação, aparentemente imparável,
— eu não tinha dinheiro para comprar um presente de aniversário para
minha mãe. Nunca houve dinheiro para nada, — acrescentei, dando de
ombros para algo que era minha força motriz na vida, o desejo de sair
daquela pobreza esmagadora. — Mas eu queria lhe dar algo porque meu
pai geralmente esquecia. E então ela chorava, bebia e ficava mal com isso.
— E você era o único alvo à vista, — ele adivinhou.

~ 72 ~
— Sim, — eu admiti, olhando para o fogo. — Então eu passei duas
semanas fazendo um retrato de família muito intrincado. Era bom, —
acrescentei. — Parecia exatamente como todos nós. Eu até fiz uma
pequena moldura improvisada de varas tecidas da mata atrás da casa.
Eu embrulhei e dei a ela.
— O que ela disse, duquesa? — ele perguntou, parecendo sentir
minha necessidade de dizer isso, e também a necessidade de ter incentivo
para tirá-lo.
— Ela disse que eu a fiz parecer um monstro. Então o acendeu com
a ponta do cigarro. Queimou bem ali na pia da cozinha. Todo aquele
trabalho, — eu acrescentei, a dor ainda é uma coisa crua, ali mesmo no
meu coração. Mesmo depois de todos aqueles anos. Mesmo com uma
mente adulta que conhecia minha mãe pelo que ela era, uma mulher
abusiva, alcoólatra e egoísta que não tinha mais amor por mim do que
um cachorro por suas pulgas.
— Sua mãe era uma cadela, — ele disse, a grosseria me fazendo
sorrir.
— Sim, ela era. É, eu imagino, — acrescentei.
— Há quanto tempo você cortou as cordas?
— O dia em que me formei no ensino médio. Nunca olhei para trás.
Mas ela está viva em algum lugar ainda.
— Como você pode ter certeza?
— Ela envia cartas, — eu admiti, me encolhendo como fazia a cada
momento que Mateo me trazia a correspondência, e eu via a letra dela ali.
— Para o meu escritório na cidade.
— O que ela escreve?
— Coisas desagradáveis. Sobre como eu nunca estaria onde estou
sem ela. Ou como eu devo a ela.
— Diga-me que você nunca lhe enviou uma moeda de dez centavos.
— Enviei-lhe exatamente quarenta dólares, — eu disse a ele. Em
seu curioso elevar de sobrancelhas, dei de ombros. — Esse foi o custo
para a minha primeira e única aula de artes antes de ela declarar que eu

~ 73 ~
não era Michelangelo, e que ela não estava desperdiçando seu suado
dinheiro tentando ensinar uma vaca a falar espanhol5.
— Muito bom, — ele disse, dando-me aqueles olhos quentes
emparelhados com um sorriso caloroso que fez aquela maldita coisa
quente no meu interior mais uma vez.
— Você realmente acha que eu poderia fazer isso? — eu perguntei,
levando meu bloco para longe dele, folheando as páginas e fechando-o.
— Absolutamente. Não vou prometer que você vá fazer uma
fortuna, mas você poderia vender essas coisas. As pessoas iriam comprar.
— De quem é o nome que eu assinarei? — eu perguntei, sentindo
meu estômago revirar um pouco a ideia de ter que ser alguém novo.
— Você consegue manter seu primeiro nome. Uma e outra vez, eu
acho que mudar um primeiro nome é uma receita para o desastre. E já
que não há uma maneira inteligente de reduzir seu primeiro nome, você
o manterá como está. Seus sobrenomes terão que ir embora.
— Eu posso viver com isso. Eles são os nomes da minha mãe e pai
de qualquer maneira.
— Ambos? — ele perguntou.
— Sim. O sobrenome de minha mãe era Blythe. E desde que meu
pai, um Meuller, era um caloteiro que entrava e saía de sua vida, ela disse
que seria amaldiçoada se ela me desse apenas o sobrenome dele. Então
ela hifenou para ajudar a tornar a papelada da escola e tudo mais fácil.
— Por que você não mudou antes de começar sua carreira?
— Não foi uma escolha consciente. Eu estava fazendo movimentos
no negócio de design, usando o meu nome porque era o meu nome. Eu
não tive tempo para tentar mudar todos os meus documentos. Então, de
repente, alguém importante pegou uma das minhas bolsas. E era tarde
demais. Meu nome era a minha identidade no negócio.
— Bem, o que você acha de ser um Livingston?
— Eu posso viver com isso, — eu concordei, feliz por não ser algo
ridículo.
— Bom. Agora, o que é o almoço?

5 Expressão para falar que não ia desperdiçar dinheiro com quem não tem talento.

~ 74 ~
— Lembra-se daqueles sanduíches que você tanto falou? — eu
perguntei quando me levantei para ir para a geladeira onde eu coloquei
algumas tigelas de gelo em torno de seu almoço para mantê-lo fresco. —
Eu te fiz dois com peito de peru, alface, tomate e maionese em centeio, —
eu disse a ele, segurando o prato.
— Você seriamente não vai comer de novo? — ele perguntou,
parecendo realmente zangado com a própria ideia.
— Eu também tenho um sanduíche, — informei a ele com o queixo
erguido. — Bem, eu não acho que você pode chamar isso de sanduíche
sem pão.
— Como não pode ter pão? — ele perguntou, levando sua comida
para a mesa para comer, e eu senti uma sensação crescente dentro da
ideia de ele estar tão ansioso para comer algo que eu fiz, não importa o
quão simples fosse algo.
— Eu tenho peito de peru e tomate envolto em alface, — eu disse a
ele, caminhando até a mesa para sentar com ele.
— E isso vai te encher? — ele perguntou, olhando meu prato
reconhecidamente muito menos cheio do que o dele sem dúvida.
— Sim.
— Não machucaria toda essa coisa inicial se você ganhasse algum
peso.
— Eu não posso, — eu disse a ele, encolhendo os ombros.
— Não pode?
— Eu acho que é genético. Meu pai sempre foi alto e magro. Minha
mãe foi quase toda magra a vida toda. Eu costumava ser insegura sobre
isso, tentei empinar carboidratos, gordura e açúcar. Mas nunca fez nada
além de fazer me sentir lenta.
Eu aprendi a abraçar a magreza. Não estava na moda nos dias de
hoje. Corpos mais cheios, curvas, eram o ideal. Por pouco, perdi os dias
em que as mulheres, na maioria das vezes eretas e baixas, estavam na
moda. Mas tudo bem. Eu tinha aceitado minhas longas pernas, minha
falta de quadris, meus seios quase inexistentes. Eu aprendi a me vestir
de uma forma que aproveitasse ao máximo a minha figura, especialmente

~ 75 ~
o meu traseiro. Isso funcionou para mim. Mesmo que não fosse o ideal
de hoje.
— Então a coisa sem pão não é sobre evitar carboidratos como
essas dietas malucas?
Sorri um pouco com isso. — Seu cérebro precisa de carboidratos
para funcionar direito. Eu só prefiro comê-los vergonhosamente.
Macarrão e queijo, esclareci. — Eu prefiro ter isso do que pão com o meu
almoço.
— Justo o suficiente, — ele concordou, comendo com firmeza.
— Você tem alguma ideia de como eu poderia fazer café sem
eletricidade? — eu perguntei, soando tão desesperada quanto eu achava
que era sobre o assunto.
— Tem uma máquina de café ali, — ele disse, parecendo confuso.
Minha falta de compreensão deve ter estado em meu rosto, porque ele
balançou a cabeça para mim da mesma forma que um professor faria
para um aluno que fez uma pergunta realmente ridícula, de bom senso.
— Prepare o pote como você faria normalmente, mas em vez de adicionar
água fria, despeje água fervida sobre ele. Porém, isso é um bom lembrete,
preciso conseguir um French Press neste lugar para o futuro.
— E talvez alguns painéis solares, — sugeri. — Quero dizer, isso
não é tão ruim, — eu admiti. — Você meio que se acostuma, ah, qual é o
termo...
— Domar, — ele forneceu facilmente.
— Sim.
— Se você, Menina da cidade grande, puder se adaptar, quase
qualquer um pode, eu imagino.
— Você me faz soar tão materialista, — eu disse, não me
importando que eu estivesse mostrando que a opinião dele sobre mim
estava me afetando. Eu não gostava de mostrar esse tipo de
vulnerabilidade. Mas aqui no bosque sob trinta centímetros de neve sem
nenhum conforto moderno para nos distrair, eu de alguma forma me
senti confortável fazendo algo que, na minha antiga vida, nunca poderia
ter feito.

~ 76 ~
— Você teve muitos confortos em sua vida, duquesa. Não estava
sendo insultante.
— Mas você foi, — eu me opus. Confronto, fora do trabalho, nunca
foi meu forte, mas de alguma forma eu senti que isso era importante. Por
quê? Eu não poderia te dizer. Mas esse foi o sentimento,
independentemente da motivação por trás dele. — Você faz muitos
comentários que implicam que eu sou mimada.
— Porque é assim que você se projeta, senhorita Blythe-Meuller.
— Eu nunca disse a ninguém para me chamar assim.
— Você nunca nos corrigiu também.
— Foi uma interação de negócios. A maioria das pessoas fala assim.
Com formalidades.
— Bem, largue-os, — ele sugeriu, como se fosse assim tão fácil. Eu
tinha trabalhado duro nisso, me cultivando, me aprimorando, sendo
alguém digno de fazer negócios, investindo, sendo obedecida pelos
funcionários. Você tinha que projetar uma certa imagem para conseguir
isso.
E, depois de um tempo, você se torna essa pessoa.
Eu me tornei essa pessoa.
Felizmente, devo acrescentar.
Porque então ninguém podia ver a garota que eu costumava ser. A
garota de vinte e dois anos de idade, com uma mãe alcoólatra que
descontava sua raiva em mim e um pai que aparecia apenas para me
insultar, transar com minha mãe, roubar de nós e sair de novo.
— Não é tão fácil.
— Você vai ter que tentar, duquesa, — ele me disse, em pé,
movendo-se para colocar o prato na pia meio cheia de água e sabão. —
Vou trazer mais madeira e água, mas quero voltar lá enquanto o sol ainda
está alto.
Com isso, ele foi.
Limpei, desenhei, tentei não ficar obcecada, depois comecei a
trabalhar no jantar.
Um ensopado de frango e arroz.

~ 77 ~
Isso roubou todo o arroz, mas eu percebi que iríamos passar sem
isso por mais alguns dias, se tivéssemos que fazê-lo.
A estranha proximidade que havíamos compartilhado na maior
parte do dia se foi quando Gunner voltou, cansado, mal-humorado e
faminto. Ele comeu, sem fazer nenhum comentário sobre o fato de que
eu comi minha comida desta vez também. Então ele foi ao banheiro, onde
eu podia ouvi-lo xingando enquanto se esfregava com água muito fria.
Voltando, ele havia se trocado em calça de moletom grossa preta e
uma camiseta cinza de manga comprida.
— Quer ir para a cama cedo? — ele perguntou enquanto a cabana
ficava mais escura.
Vendo como não havia nada para fazer à noite de qualquer maneira
sem tecnologia, concordei, preparei-me para a cama, e então o encontrei
de volta na sala de estar onde ele havia arrumado o sofá, e não a cama
dobrável. A percepção de que ele ainda queria que dormíssemos juntos,
na versão politicamente correta da palavra, enviou uma emoção estranha
através de mim.
— O fogo deve durar um pouco mais, — ele me disse, afastando-se
de onde cuidadosamente empilhou um monte de troncos antes de ir para
o sofá. — Você vem?
Mesmo com sua atitude um tanto rude, sim, sim eu estava indo.
E quando ele me puxou de volta em seu peito, murmurando algo
sobre como eu iria acabar lá de qualquer maneira, em seguida, puxou os
cobertores sobre nós, eu tive o mais estranho pensamento.
Isso parece tão certo.

~ 78 ~
Gunner

— Isso é acolhedor.
A voz baixa e retumbante me acordou em um maldito piscar de
olhos, minha mão já alcançando a arma que eu tinha colocado no chão
ao meu lado.
— Se eu fosse Cortez, você já estaria morto, — acrescentou a voz,
com meu cérebro limpando o nevoeiro do sono o suficiente para
reconhecê-lo.
Não Cortez.
Mas uma pessoa ainda mais improvável.
Ranger.
— Que porra você está fazendo aqui? — eu perguntei, com voz
baixa. Ora, eu não tinha certeza, já que provavelmente poderia ter uma
discussão nesse momento sem acordar Sloane que estava enrolada em
mim assim como ela esteve na noite anterior, cabeça no meu peito, mão
no meu ombro, joelho entre minhas pernas.
O que, para ser honesto, estava criando um pouco de problema
quando eu estava acordado para notar.
Porque não havia como negar que essa mulher era gostosa. Linda
mesmo. E porque eu tinha conseguido ver o lado mais humano, menos
ciborgue dela o dia todo, foi mais fácil para mim aceitar a reação do meu
corpo a ela.
Estava tudo a frente.
Não porque ela queria impressionar alguém, embora eu tivesse
certeza que era um bônus que ela gostava, mas porque ela veio de um
mundo de merda, e estava fazendo tudo em seu poder para não ser vista
como aquela garota com os pais de merda que provavelmente vieram de
uma área de merda.

~ 79 ~
Era impressionante que ela tivesse feito a sua vida considerando
que veio daqueles lugares. Eu a julguei prematuramente, apenas
assumindo que ela fosse um bebê de fundo fiduciário ou uma garota nos
braços de um cara rico.
Mas ela trabalhava por cada ganho que recebia.
Uma mulher que empurrou, que sabia seu valor, que exigia
respeito por causa disso, bem, ela era sexy.
Sloane era sexy.
E tê-la no meu peito, cheirando aqueles cremes que ela espalhava
por toda sua pele, seu longo corpo enrolado no meu, seu corpo quente e
flexível, sim, estava dando ideias ao meu pau.
Ideias que ele não precisava obter.
Desde que este era um trabalho.
E você não fodia em um trabalho.
Essa era a regra.
A regra que eu disse a Quin sobre romper com Aven.
Eu só não ia repetir isso.
Mesmo que tenha funcionado para ele.
Essa era a exceção, não a regra.
A regra era que você não fodia no trabalho.
Caso encerrado.
— Indefeso como um maldito bebê aqui fora, — Ranger rugiu para
mim, virando sua forma gigante de costas para mim para ir em direção
ao fogo, cuidadosamente colocando mais alguns troncos para acender de
novo.
— Estou bem, — eu respondi, encolhendo os ombros.
— Bem? Oh, você quer dizer a metade da viagem? Você sabia que
eles ainda não dirigiram um arado pela rua principal? Provavelmente não
será neste momento.
— Como você chegou aqui então? — eu perguntei, observando
enquanto ele deixava cair sua bunda na mesa de café, sentando-se perto,
para que pudéssemos manter nossas vozes baixas. Que, bem, não era
exatamente como ele. Delicado e atencioso não eram palavras que alguém
usaria para descrever esse gigante de homem.

~ 80 ~
Ele era gigante, primeiro de tudo.
Eu era alto.
Ele me ofuscava.
Eu estava em forma.
Ele me fez parecer pequeno em comparação.
Seu cabelo era preto, olhos negros, barba preta, roupas... você
adivinhou, pretas. E se você perguntasse a qualquer uma das pessoas
que nós pedimos a ele para tomar conta, vendo como ele era A Babá, elas
provavelmente afirmariam que seu coração e alma também eram negros.
Para ser justo, ele era um homem decente o suficiente.
Apenas selvagem.
Apenas acostumado a fazer merda do seu jeito.
Ele não suportava choramingos ou preguiça ou porcaria emocional.
Noventa e nove por cento do tempo, ele ficava sozinho no meio da
porra de Pine Barrens, cercado por nada além da natureza.
Aquele um por cento quando Quin teve que jogar alguém aos seus
cuidados temporariamente, eles rapidamente desejaram que tivessem
escutado e feito o que Quin havia exigido deles em primeiro lugar.
— Com um arado no caminhão, — ele disse, como se eu fosse um
idiota por não ter pensado nisso. — Esta é uma nova maneira de proteger
um cliente, — ele acrescentou, sacudindo o queixo na direção de Sloane.
— Seus dentes estavam batendo, — eu defendi, sem saber por que
sentia que precisava me explicar. Ele não era meu chefe. Ele não tinha
voz em como eu lidava com meus casos. E ele não era propenso a fofocar
desde que a porra nem sequer tinha um celular pessoal.
— Estão uns bons 21 graus aqui.
— Aposto que se eu não estivesse aqui, ela estaria tremendo.
— Garotas da cidade, — ele disse, balançando a cabeça, sua voz
insinuando que aquelas palavras eram talvez o maior insulto que ele
conhecia. Que, a julgar pela maneira como ele vivia da terra,
provavelmente estava certo.
— Quin mandou você? — eu perguntei, sabendo que tinha enviado
um texto explicando a situação.

~ 81 ~
— Ouvi a notícia. Achei que esta seria a sua situação. Peguei uma
merda para te manter.
— Que tipo de merda?
— Gerador, alguma comida extra, o conector que você precisava
para o poço e gás. Eu vou tirar a neve para você, mas eu imaginei que a
vida seria mais fácil com uma garota da cidade se ela pudesse tomar
banho e ter calor. — O que significava que estaríamos a caminho. Não
mais dela desenhando, parecendo uma versão nerd de seu eu habitual.
Não mais dela se abrindo para mim sobre sua vida, seu passado. Não
mais dela se agarrando a mim em seu sono, conseguindo seu maldito
cheiro viciante em cima de mim. Era ridículo, mas eu não queria sair por
algum motivo. — A menos que você queira que eu faça as malas, e deixe
vocês dois em seus próprios meios.
— O que você está implicando?
— Apenas observando.
— A que distância a estrada não está arada?
— Aproximadamente seis quilômetros ao norte você atinge a
estrada principal novamente. Eu posso fazer isso quando eu tiver luz
novamente.
— Que horas são?
— Cerca de quatro e meia.
Quatro e meia.
E eu ainda estava dormindo?
Eu nunca realmente perdi meu tempo militar, sempre me
levantando antes do sol. Era algo que Ranger, Quin, Smith, Lincoln e eu
tínhamos em comum. Muito para o desgosto de Kai e Miller quando
estávamos trabalhando juntos.
— Deve ser toda a... pá, — Ranger forneceu naquele rugido
estrondoso, seus lábios se contraindo quando seu olhar foi para o rosto
de Sloane. — Realmente faz um homem querer ficar na cama, —
acrescentou para dar ênfase.
— Eu entendi, — eu disse, tentando convencer meu pau a se
acalmar quando Sloane fez um leve gemido chorando enquanto dormia,

~ 82 ~
seu corpo se deslocando sobre o meu, o topo de sua coxa quase
pressionando contra a minha virilha.
Suave.
Ela era tão foda.
Ela tentou ser difícil para cobrir isso.
Mas uma vez que você passasse algum tempo ao seu redor, você
poderia ver que tudo era uma fachada, ela estava apenas tentando se
proteger. Inferno, parecia que ela tinha razões válidas para fazer isso
também.
— Você vai jogar ela sobre a bunda dela em uma nova vida em
poucos dias, — ele continuou, claramente pensando que eu, na verdade,
não entendi. — Acredito que ela teve suficiente merda nas mãos
recentemente. Não precisa se tornar um entalhe em seu cinto e nunca
mais te ver.
— Eu porra entendi, Ranger, — eu disse, a voz ficando um pouco
mais alta. — Eu dei este discurso para Quin no ano passado.
— Sim, e veja como isso funcionou, — ele disse, curvando os lábios
um pouco. Era raro encontrar humor nele, a menos que talvez fosse às
suas custas, como quando ele uma vez jogou a cabeça para trás e riu de
Kai tentando descobrir como trocar o óleo de um gerador na casa de
Ranger.
— Ele está feliz.
Para isso, Ranger fez algum barulho que não foi nem acordo nem
negação. — Bem, vamos nos mexer, — ele declarou, batendo palmas
antes que pudesse pensar melhor, o rosto se contorcendo imediatamente
quando Sloane disparou um grito engolido.
Porque quando Ranger batia os pratos de jantar que ele chamava
de mãos, era como uma arma disparando no pequeno espaço.
— Calma, — eu tentei, estendendo a mão para ela quando ela voou
para cima, sentando em seus calcanhares, olhos enormes e confusos.
Minha mão foi para o pulso dela, fechando em torno dele, dando-lhe um
aperto. — Este é Ranger, — acrescentei quando os olhos dela foram para
a parede de um homem sentado na mesa de café a menos de um metro
de distância dela. — Eu trabalho com ele, — eu adicionei quando ela

~ 83 ~
ainda não parecia estar entendendo, sua respiração um pouco mais
rápida do que deveria ter sido do choque.
— Soou como um disparo de arma, — ela admitiu, olhando para
mim.
— Ele bateu palmas, — expliquei, inclinando a cabeça para as
mãos enquanto me movia para me sentar também.
Quando seu olhar foi para Ranger, o mesmo aconteceu com o meu.
Era justo dizer que o homem era bonito. Em um tipo de arranha-
céu robusto e selvagem. Não me surpreendeu quando Sloane deu um
olhar de cima-a-baixo em seu estado semiacordada.
O que me surpreendeu, no entanto, foi o modo como Ranger
também fez. Eu conhecia o homem há muito tempo. Eu estive em
trabalhos com ele. Estive na casa dele. Saí comemorando com ele. Eu
nunca o vi com uma mulher. Não como eu, Quin e Smith, casual. Ou
como Lincoln, sempre namorando. Nunca.
Seus olhos viajaram de baixo para cima, porém, olhando para a
parte de baixo da seda rosa que ela usava, expondo a maioria de suas
longas e finas coxas, depois sobre a pele pálida acima do cós e abaixo da
bainha de sua regata de seda pêssego, com algum desenho de passarinho
branco se você olhasse bem de perto. Seu olhar parou por um momento
em seus seios, pequenos, mas lá, os mamilos apontaram, antes que
subisse de novo, observando seu rosto, o jeito que seu cabelo caía com o
que estava fazendo.
— Entendi, — ele disse para mim, assentindo. Ele moveu-se para
ficar de pé, desbloqueando o fogo, permitindo que a luz nos lançasse.
O que o fez parar de repente, o braço voando para fora, agarrando
a bainha da regata de Sloane e puxando para cima. — O que... — Eu
comecei a protestar, mas notei o jeito que suas sobrancelhas estavam
baixas. Sua respiração sibilou para fora dele. — Ferida? — ele perguntou,
chamando minha atenção de volta para uma Sloane chocada, seu corpo
duro, olhos em Ranger, em vez de seu estômago, onde seu olhar estava.
— O quê?

~ 84 ~
— Você está sangrando, duquesa, — eu informei, finalmente
percebendo o que chamou sua atenção. Deve ter havido uma pequena
mancha na regata dela.
— O quê? Não, eu estou... oh, — ela disse, exalando o ar.
E eu juro porra, ela ficou branca como um fantasma
imediatamente.
— Ei, não, — Ranger disse, estalando alto em seu rosto, fazendo
seu corpo sacudir, sua cabeça subindo novamente. — Você não vai
desmaiar com algumas gotas de sangue, — ele informou a ela como se
estivesse no controle de como o corpo dela reagia. — Você acabou de
puxar um ponto, — ele acrescentou, encolhendo os ombros. — Não é
grande coisa. Vamos limpá-lo. Vai ficar bem sem isso.
— Eu posso... — ela começou a assegurar, embora ainda estivesse
pálida demais, e não havia nem mesmo um traço de sua confiança
habitual em sua voz.
— Gunner vai lidar com isso, — Ranger a cortou. — Vou ligar o
gerador. Parece que você precisa de um pouco de café.
E para isso, Sloane fez um barulho que soou como se ele tivesse
brincado com seu clitóris, e não lhe prometido cafeína. Eu senti isso no
meu pau. A julgar pela maneira como as sobrancelhas de Ranger
baixaram sobre seus olhos escuros, ele sentiu também.
— Sim, — ele disse, soando incomum, desdobrando-se a toda a
altura novamente, depois desaparecendo pela porta em apenas três
passos.
— Ele é... interessante, — disse Sloane, movendo-se para ficar de
pé, segurando a regata enquanto tentava salvá-la. Eu não sabia nada
sobre tecido, mas tinha certeza que ela não tiraria a mancha de sangue
daquela merda de seda.
— Essa é uma maneira gentil de descrevê-lo, — eu disse, pegando
a lanterna e levando-a para o banheiro. — Enfie isso, duquesa, — eu
disse suavemente enquanto eu molhava a gaze cor de avelã do kit de
emergência para limpar o sangue. — Respirações profundas, — eu a
lembrei quando a respiração dela pareceu superficial, seus olhos
parecendo preocupados. — Eu não vou te machucar, — eu prometi,

~ 85 ~
esperando que eu pudesse manter a promessa enquanto eu a limpava. —
Respiração extra profunda, — eu disse enquanto agarrei a borda do ponto
que mal ainda estava preso em sua pele. — Isso pode beliscar, —
acrescentei, puxando assim que ela começou a sugar o fôlego, fazendo-o
correr de volta para fora dela. — Desculpe, desculpe, duquesa, — eu disse
enquanto me levantava, observando seus olhos parecerem um pouco
desfocados. — Ei, não, — eu disse, agarrando seu queixo, arrastando-o
para fazer seus olhos segurarem os meus. — Fique aqui, — eu exigi,
observando enquanto ela piscava devagar algumas vezes.
Mas foi apenas um segundo totalmente focada.
E então seus olhos ficaram vagos novamente.
Mas desta vez por uma razão completamente diferente.
E, foda-se, não havia como eu ser capaz de seguir minhas próprias
malditas regras.
Não havia um único argumento que pudesse vir à minha mente
que pudesse me fazer recusar o convite em seus olhos.
— Isso é uma má ideia, baby, — eu disse baixinho.
— Eu sei, — ela sussurrou de volta, a mão afundando na camisa
cobrindo meu ombro. — Eu não me importo, — ela acrescentou.
Minha mão deslizou ao redor de seu pescoço, minhas pontas dos
dedos apenas entrincheirando em seu cabelo macio, puxando-a para
frente ligeiramente, seu corpo se fundindo com o meu, seus olhos se
fechando apenas um segundo antes dos meus lábios selarem sobre os
dela.
Eu esperava suave e flexível.
Mas seus lábios estavam com fome sob os meus, pegando o que foi
oferecido, mas exigindo mais.
Ela fez o barulho que tinha feito durante o sono, mas desta vez com
mais necessidade, um som que deixou meu pau duro em um piscar de
olhos.
Eu me perguntei enquanto minha língua se movia para brincar
com a dela se ela esteve sonhando com isso, se esteve pensando nos meus
lábios, mãos, língua, tudo nela.

~ 86 ~
A ideia fez um grunhido baixo escapar de dentro de mim enquanto
minhas mãos viajavam pelas costas dela para afundar em sua bunda,
puxando para cima até que ela estava na superfície da pia, as coxas se
espalhando, me deixando mover no meio.
Meu pau tinha acabado de pressionar contra sua vagina, fazendo-
a soltar um gemido gutural, quando as luzes de repente acenderam,
fazendo-nos recuar tão repentinamente quanto tínhamos nos inclinado.
Só assim, o momento acabou.
Mesmo quando tentei encontrar algo para dizer, pude ouvir os
passos barulhentos de Ranger na sala de estar. — Fazendo café, — ele
rosnou.
— Podemos querer pará-lo, — eu disse, respirando fundo. — Caso
contrário, vamos beber lodo.
— Certo, — ela concordou, tentando sorrir enquanto estendia a
mão para tocar seu cabelo de forma nervosa. — Posso tomar um banho
primeiro? — ela perguntou, olhando para ele com um pouco de luxúria
que tinha estado lá antes.
— Você quer que eu fique? — eu perguntei, observando enquanto
ela me lançava um olhar um tanto chocado. — Para ficar de guarda, —
esclareci.
— Com vocês dois na cabana, não acho que alguém poderia chegar
até mim, — ela disse enquanto cuidadosamente pulou de volta para
baixo.
— Tudo bem. Vou te guardar uma xícara.
Com isso, eu a deixei, tentando convencer meu pau a se acalmar
enquanto voltava para a área comum.
— Eu interrompi algo? — Ranger perguntou, elevando-se sobre a
máquina de café, constantemente colocando muito pó dentro
— Eu estava consertando os pontos dela, — esclareci, sendo
parcialmente verdade.
— É assim que eles estão chamando, hein? — ele perguntou. Ele
era uma pessoa estranhamente preceptiva para alguém que quase não
passava tempo com outros seres humanos.

~ 87 ~
— Deixe isso, — eu exigi, indo abrir a janela traseira, estendendo a
mão para pegar os ovos de onde Sloane os enterrara sob uma pilha de
neve.
— Sua vida, — ele concordou, alcançando acima da máquina para
arrastar três canecas. — Como ela toma seu café? Não tem nenhuma
merda extravagante, — ele me disse como se eu já não soubesse que ele
não era o tipo de lembrar de pegar xarope de caramelo ou qualquer coisa
assim.
— Ela toma preto, — eu forneci, quebrando ovos em uma tigela.
Nós não dissemos mais nada, nós costumamos nos calar. Dez
minutos depois, enquanto eu empurrava os ovos mexidos em uma
panela, a porta do banheiro se abriu, trazendo ar fumegante e o cheiro
inebriante de todos os aromas de Sloane, um momento antes de a própria
mulher reaparecer.
E seu uniforme estava completamente de volta.
Calça azul marinho.
Blusa bege com botões na frente.
Saltos de arranha-céu que combinavam com a blusa.
Seu cabelo ainda estava molhado, enrolado em outra trança nas
costas.
Ela até colocou sua quantidade mínima de maquiagem.
E joias.
— Eu teria cozinhado, — ela disse imediatamente, quase soando
ofendida.
— Isso é tudo o que ele sabe cozinhar, — disse Ranger, entregando-
lhe uma caneca. — E ele está queimando-os, — acrescentou.
— Obrigada, — ela disse, levantando a caneca, dando uma longa
fungada antes de beber, fechando os olhos em um gemido que tanto
Ranger quanto eu tencionamos. — Eu senti falta disso mais do que as
luzes, — ela admitiu, soando um pouco envergonhada por sua própria
reação. — Então, hum, qual é o plano agora? — ela perguntou,
claramente não tão confortável com o silêncio na sala, provavelmente
porque não queria que Ranger capturasse a tensão entre nós dois.
— Que plano? — eu perguntei, chapeando os ovos.

~ 88 ~
— Bem, agora que você não precisa cavar, — ela esclareceu,
pegando garfos para nós. — Ainda vamos ficar aqui o tempo extra, ou
estamos nos mudando?
Eu podia sentir o olhar de Ranger em mim, mas ignorei.
— Nós vamos sair amanhã de manhã.
— E de manhã, você quer dizer quatro, eu imagino, — ela disse,
empurrando os ovos.
— Sim, quatro. Nós temos muito chão para cobrir.
— Certo, — ela concordou.
E assim, a senhorita Blythe-Meuller estava de volta.

~ 89 ~
Sloane

Ranger foi inesperado.


Primeiro, claro, porque sua presença me acordou de um sono
profundo, fazendo com que a adrenalina subisse em mim, tornando difícil
para minha cabeça envolver o que estava acontecendo.
Uma vez que o sono desapareceu, fiquei de olho nele.
Ele era bonito.
De um jeito que era mais áspero que o próprio Gunner. E eu não
achei que isso fosse possível.
Ele era um homem gigante, de cabelos escuros, olhos e barbas. E
sua voz era a coisa que heróis de programas de TV e filmes soavam.
Ele ficou no café da manhã, encheu o cantil gigante com café,
depois nos disse que estava fora para limpar as estradas.
Ele não voltou.
E eu, bem, tentei me distrair.
Eu arrastei a cama de volta para o armário. Trouxe todas as coisas
da cama de volta para o quarto, refazendo a cama, organizando minha
roupa limpa e suja, limpando o banheiro e a cozinha.
Em resumo, tentei não pensar nisso.
O beijo.
Tentei.
Falhei.
Epicamente.
Às dez horas da manhã, quando eu havia esgotado todas as tarefas
em que conseguia pensar em um espaço tão pequeno, chutei os saltos e
me sentei na cama.
E pensei sobre isso.
Até mesmo a lembrança disso estava aquecendo meu corpo,
fazendo minha pele se sentir excessivamente sensível, meu coração

~ 90 ~
disparado, minha respiração ficando superficial, meus seios inchando e
meu sexo se apertando.
Eu não sabia como seria.
Beijar um homem como ele.
Apenas beijá-lo, esse homem que foi capaz de ver debaixo de mim,
ver o que realmente estava lá, com quem eu me sentia segura o suficiente
para compartilhar um pouco do meu passado.
Em apenas alguns dias.
Parecia consumir.
Isso me deixou no limite.
É verdade, talvez fosse apenas a minha falta de sexo, meu período
de seca que durou bem, três anos.
Eu não tinha sido tocada há tanto tempo que meu corpo estava
exagerando.
Mas meu instinto estava me dizendo que era mais do que isso, que
tinha mais a ver com ele.
E o jeito que eu derretia nele, o jeito que eu gemi enquanto sua
língua se movia sobre a minha, do jeito que estava prestes a moer contra
sua dureza antes que Ranger interrompesse.
Honestamente, se ele não tivesse, eu tinha um pressentimento de
que teríamos feito isso bem na bancada da pia.
— Ugh, — eu rosnei, rolando de lado, enterrando meu rosto no
travesseiro.
Era inútil até pensar nisso.
Tinha acabado.
Mesmo se quiséssemos continuar as coisas, não poderíamos.
Porque em mais alguns dias, ele iria me deixar na minha nova vida.
E nunca mais falar comigo.
Era ridículo, mas a ideia disso me deu uma pontada.
Não era sobre ele, tentei me convencer. Era só que eu me abri para
ele quando nunca me abri para ninguém. Estava apenas tendo uma falsa
conexão com ele baseada em compartilhar meu passado com ele.
Vulnerabilidade, era um afrodisíaco, eu acho.
Eu nunca tinha experimentado isso antes.

~ 91 ~
Eu acho que porque nunca abaixo minha guarda para ninguém.
Caramba, nem a mim mesma na metade do tempo.
— Seu estômago doeu? — a voz do Gunner perguntou, me
alertando, não ouvi o barulho de suas botas no corredor.
— Um pouco, — eu admiti porque era verdade.
— Você quer falar sobre o plano? — ele perguntou, movendo-se em
um pé quando sentei contra os travesseiros.
— Certo.
— Temos cerca de quarenta horas no caminho, — ele começou
imediatamente, usando o que eu só poderia chamar de tom de negócios
quando entrou e sentou-se na extremidade da cama, o mais longe que
poderia ficar de mim, mas ao mesmo tempo não fazia parecer que estava
tentando manter distância.
— Ok.
— Eu planejei em quatro dias e oito horas. Isso é tudo o que meus
olhos vão querer fazer, já que é quase todo o caminho. É fácil cansar na
estrada. E isso é apenas dirigir em tráfego normal e duas paradas. Se
formos pegos atrás de um acidente, ou precisarmos parar mais, os dias
serão mais longos. Na primeira noite, vamos parar em Ohio. A próxima,
Iowa. Então, mal ultrapassando a fronteira de Wyoming. Depois desses
quatro dias, será um dia mais curto para Carson City.
— E o que faremos em Carson City? — eu perguntei, tudo que
levava a isso soava quase um pouco excitante para uma mulher que
nunca tinha realmente feito uma viagem. Na verdade, a única viagem que
já fiz foi uma vez à Fashion Week. Fora isso, toda a minha vida estava na
cidade. Mas a parte sobre minha nova cidade, minha nova vida, meu novo
tudo, tudo sozinha... sim, essa parte me assustava.
— Nós preparamos você, — ele disse simplesmente.
— O que isso significa?
— Isso significa que eu mostro a você seu novo lugar. Eu vou ajudá-
la a pegar alguns móveis básicos para ele. Nós vamos pegar um carro
usado. Eu vou preparar sua nova identidade sobre a qual falaremos nos
próximos quatro dias.
— Então você sai, — acrescentei.

~ 92 ~
— Então eu vou embora. Você terá tudo o que precisa. Um lugar,
algumas opções de trabalho alinhadas, uma maneira de ir do ponto A ao
ponto B. Vou te dar um celular descartável. Você pode eventualmente
substituir isso por um plano de telefone se você quiser.
— Como? — eu perguntei, balançando a cabeça um pouco. — Eu
preciso de provas de quem eu sou para isso.
— Você vai tê-lo, — ele me assegurou. — Duquesa, é por isso que
custamos tanto. Não necessariamente a escolta através do país, mas os
documentos que vão resistir a qualquer tipo de escrutínio de uma
verificação de crédito básica até os policiais olhando para você. Você não
está apenas fingindo ser Sloane Livingston. Você será ela. Você terá a
certidão de nascimento, cartão do Seguro Social, histórico de crédito,
alguns bilhetes de estacionamento e licença do Maine. A coisa toda. Você
nunca vai ter que se preocupar em explodir seu disfarce ou alguém te
encontrar, a menos que você diga a eles.
— Tudo bem, — eu concordei, orgulhosa por ter soado mais
confiante do que me sentia. Na verdade, minha cabeça estava girando
com todas as realidades que eu teria que enfrentar em poucos dias.
— É muito, — ele me disse, parecendo ler a situação com facilidade.
Mas, eu me lembrei, porque isso era o que ele fazia, esse era o seu
trabalho. Ele tinha visto pessoas na minha situação mais e mais. Isso
não tinha nada a ver com ele ser capaz de me ler, ver o que eu estava
passando. Era simplesmente parte do trabalho. Era de seu interesse
manter-me calma e concentrada, não enlouquecendo. — Eu sei que não
parece ser agora, mas você vai ter a cabeça enrolada nisso. As pessoas,
como um todo, são bem adaptáveis. E a morte certa, se você não for bem-
sucedida, é um bom motivador.
Eu precisava disso.
Essa verificação de realidade.
Eu me perguntei se ele sentia isso, ou se estava apenas sendo o
seu próprio eu contundente.
Mas eu precisava disso.
O lembrete de porque isso estava acontecendo.

~ 93 ~
O que poderia e aconteceria comigo se eu não me comprometesse
com toda essa situação.
Eu tentei não pensar naquela noite.
Na noite em que vi o interior de um homem explodir do lado de fora,
respingando contra uma parede imunda de tijolos enquanto o homem
com a arma riu.
Riu.
Eu nunca acreditei no mal antes disso.
Pessoas de merda, egoístas e de coração cruel? Como minha mãe?
Certo. Mas não mal. O mal era uma ideia quase bíblica. E eu, bem, nunca
tive muita fé em minha vida. Era difícil acreditar em um poder superior
enquanto você tinha vergões em seu traseiro de uma mãe que punia você
porque você interrompeu seu banho ao cair e esfolar seus joelhos no
caminho da escola para casa. Eu nunca consegui reconciliar a ideia de
um Deus todo amoroso quando havia milhares de crianças no mundo
como eu, inocentes, mas vivendo em algum mundo infernal, sem culpa
alguma. E se eu não acreditasse em um bem que tudo vê, eu nunca
poderia acreditar em um mal totalmente punitivo.
Se você não acreditasse no diabo, não poderia acreditar no
verdadeiro mal.
Mas eu vi nos olhos daquele homem naquela noite.
Mal.
Apenas um vazio negro.
Nada remotamente humano lá.
Um corpo desmoronou no chão, uma vida inteira se foi em um ato
brutal e sem coração, e um homem de pé sobre ele como se fosse a coisa
mais divertida que tinha visto a semana toda.
Não consegui dormir uma semana depois.
Nem mesmo depois que fui a polícia.
Nem mesmo depois que eu o identifiquei de uma formação.
Nem mesmo depois que soube que ele estava na cadeia.
Eu mal me afastava, e o tiro soaria na minha cabeça, sangue e
matéria cerebral me fazia acordar vomitando.

~ 94 ~
Então, foi óbvio que quando ele saiu sob fiança, as coisas só
pioraram. Foi definida em meio milhão. Eu nunca pensei que ele estaria
fora antes que as coisas fossem a julgamento. Mas então ele foi. E eu
sabia. Eu sabia bem na minha medula.
Ele estava vindo por mim.
E ele não foi rápido e principalmente indolor como ele tinha feito
com o homem no beco. Ah não. Porque primeiro pensei em poder
derrubá-lo. E segundo, bem, porque eu era mulher.
Os detetives não tinham sido exatamente tímidos em me contar
todos os males que ele tinha cometido quando fui denunciá-lo. Eu acho
que o objetivo deles era me deixar tão indignada para estar comprometida
em colocá-lo atrás das grades.
Quando você ouvia os detalhes brutais e feios sobre os violentos e
sádicos estupros que eles suspeitavam, mas que nunca conseguiram
provar, sempre atacando as esposas e filhas dos homens que o
enganaram, ou até mesmo os que ele achava que poderiam enganá-lo,
solidificava seu dever cívico de tirá-lo das ruas.
Mas quando você sabia que ele estava livre de novo... e vindo para
você? Para fazer aquelas coisas horríveis, doentias e brutais para você?
Sim, isso fazia você pular nas sombras, nas batidas na porta do seu
escritório.
Na manhã seguinte, quando eu estava sentada no meu escritório,
estranhamente agradecida pelas paredes de vidro, sabendo que podia vê-
lo vindo de onde eu estava, na parte de trás do prédio, abri uma nova
conta. E eu fiz uma pesquisa. Para os guarda-costas e empresas de
segurança privada mais respeitados da cidade.
Esses homens, quando eu os entrevistei, esses homens
endurecidos, rudes e bem treinados, pareciam quase pálidos quando eu
lhes disse quem estava atrás de mim. Tinha sido real antes disso, mas de
alguma forma parecia vital, então, com esses homens muito capazes
olhando para mim como se eu fosse talvez um caso perdido, mesmo com
a ajuda deles.
Eu não tinha entendido o alcance que Rodrigo Cortez tinha sobre
o tráfico de drogas até então. Os detetives me disseram que ele queria

~ 95 ~
vender metanfetamina. Mas eu não sabia nada sobre isso. Eu sabia sobre
cocaína e os homens de terno que discretamente entregavam para as
modelos, designers e investidores em festas privadas luxuosas. Eu sabia
sobre o cara que vendeu maconha de seu trailer no parque em que cresci,
boba e sem cérebro.
Isso foi tudo o que eu tinha sido exposta no mundo das drogas.
Eu não entendi o alcance que um traficante poderia ter.
Eu não sabia até que ele entrou no meu apartamento e me
apunhalou que ele tinha amigos no departamento de polícia. Que
entregou meu arquivo com meu nome e endereço.
E se eu não estivesse segura em casa, com certeza não estava
segura no trabalho. Ou em qualquer lugar.
Foi por isso que eu estava aqui, nesta cabana, com esse homem,
falando sobre quem eu seria, que papel eu teria, onde iria morar, o que
faria assim que me mudasse para lá.
Porque eu, Sloane Blythe-Meuller, nunca estaria segura. Nunca.
Pelo o resto da minha vida.
Então eu não podia mais ser eu.
Eu tinha que ser outra pessoa.
Sloane Livingston.
Quem não estava na lista brutal de estupro e assassinato de um
traficante cruel.
— Você parece doente, — Gunner comentou, chocando-me e me
trazendo de volta ao momento. — Eu sei que é tudo...
— Não é isso, — eu disse, balançando a cabeça.
— Então o que é?
— Eu estava pensando em Rodrigo Cortez, — eu admiti, engolindo
de volta o que parecia bile subindo pela minha garganta.
— E ele? — ele perguntou, calmo, expectante.
— Tudo, — eu disse a ele. — Na noite em que o vi matar um homem.
O que os detetives me disseram que ele fez com as mulheres... para punir
os homens a quem eles estavam ligados. — Ugh, mesmo dizendo isso fez
meu estômago torcer e revirou ameaçadoramente.

~ 96 ~
— Pare, — ele disse, estendendo a mão para o outro lado da cama,
colocando uma mão no meu tornozelo, dando-lhe um aperto. — Não faça
isso. Não imagine essa merda. Não faz bem. Apenas faz da sua mente um
lugar feio para se estar.
— Você parece conhecer a experiência.
— Eu conheço, — ele admitiu, mas não explicou.
— Eu vejo, — eu disse, assentindo, puxando minhas pernas para
sentar com as pernas cruzadas, perdendo seu toque, tentando me
lembrar por que isso era uma coisa boa quando tudo que eu realmente
queria fazer era rastejar pela cama até ele, enrolar ao redor dele, beijá-lo,
exigir mais, exigir tudo.
Mas tentei me convencer de que era apenas meu desejo sexual
falando, minha solidão e meu medo. Eu estava apenas procurando por
conforto.
Eu não acreditava nisso por um segundo, mas eu estava tentando.
— Eu estava no exército, — ele continuou, me surpreendendo.
Quando minha cabeça ergueu para cima, porém, seu olhar estava na
parede, não em mim. Acho que eu não fui a única que tinha problemas
para se abrir.
— Eu posso dizer, — eu concordei quando ele não disse mais nada.
Quando seu olhar foi para mim, a sobrancelha erguida, dei de ombros.
— Sua postura. As pessoas que estiveram no exército têm uma certa
postura.
— Justo.
— Você ficou por muito tempo?
— Juntei-me aos dezoito anos. Estive lá pela maior parte dos meus
vinte anos.
— E você viu coisas, — adivinhei.
— Eu fiz coisas, — ele corrigiu. — Não como Cortez. Não para as
mulheres, — ele especificou, com voz enfática, embora não houvesse
razão. Eu nunca teria pensado tal coisa dele. — Mas eu machuquei
homens. Matei homens. Alguns que provavelmente não mereciam isso,
que me imploravam para não fazer isso, que me contaram sobre suas
esposas e filhos, e como eles passariam fome sem eles quando sentiram

~ 97 ~
o cano da minha arma. Eu tinha ordens, mas isso não faz a coisa certa.
Não tira as lembranças disso.
— É por isso que você saiu?
— Você realmente não deixa os militares, duquesa. Pelo menos não
as forças de operações especiais.
— Você se machucou?
Seus lábios se curvaram ligeiramente, mas não era um sorriso. Se
alguma coisa, parecia que era autodepreciativo. — Eu falhei no meu teste
psicológico.
— Genuinamente? — eu perguntei. — Ou você falhou de propósito?
— Acho que eu fui um pouco honesto sobre como eu me sentia
sobre o que me disseram para fazer. Eles não gostam de muita
honestidade. Preferem que você enterre essa merda, sirva seu tempo, vá
para casa quando suas habilidades não são mais as melhores, e depois
implodir onde eles não têm que dar a mínima para você.
— Isso é... escuro.
— É honesto. Metade dos homens com quem trabalhei acabou
comendo uma bala ou balançando no teto. Dos outros, talvez apenas um
punhado pudesse voltar para suas vidas, de volta para seu pessoal.
— Você fez.
— Eu não tenho pessoas — ele declarou. — Para voltar. Eu tinha
meu avô. Ele era veterinário. Mas ele morreu enquanto eu estava no
exterior. Não tinha mais ninguém próximo a mim. Torna mais fácil. E
mais difícil, eu acho.
— Como assim? — eu perguntei, gostando demais disso, querendo
mantê-lo falando, precisando saber mais sobre ele, esse enigma de
homem.
— Mais difícil porque você não tem ninguém para ficar de olho em
você, para dar a mínima se você for para o fundo do poço. Mas mais fácil
porque você não tem ninguém para decepcionar, fingir. Você se sente
como um filho da puta um dia, você pode ser um filho da puta sem se
preocupar em machucar alguém que te ama.
— Você não é um filho da puta. O quê? — eu perguntei quando um
sorriso apareceu em seu rosto, maior do que eu já tinha visto antes.

~ 98 ~
— Você acabou de dizer ‘filho da puta’? — ele perguntou, os olhos
dançando. — Senhorita Prim e Proper usando tal linguagem imunda.
Ok, então eu não xingava muito.
Eu não xingava muito porque era básico, grosseiro, me fazia pensar
em meus pais, seus amigos, no buraco em que cresci onde as pessoas
não conheciam a gramática básica, que diziam propósitos intensivos em
vez de propósitos e intenções. Eu não queria soar como eles, deixar
mostrar minha educação. Não no mundo em que acabei. Quero dizer, não
quer dizer que pessoas ricas e cultas nunca xingam. De fato, pela minha
experiência, muitos xingavam. Mas eu simplesmente nunca quis. Não era
a imagem que eu queria projetar.
Eu não conseguia lembrar se já havia realmente pronunciado a
palavra filho da puta na minha vida.
Embora eu certamente tivesse pensado algumas centenas de vezes
sobre algumas pessoas que encontrei.
— Eu xingo as vezes, — eu insisti, sabendo que era apenas
parcialmente verdade.
— Só para você saber, estúpido não conta como um xingamento.
— Eu não sou uma mulher sulista de oitenta anos de idade, — eu
disse com um sorriso. — Eu não digo estúpido.
— Tudo bem. Diga foda então.
— O quê? Por quê?
— Para provar um ponto.
— Isso é bobo.
— Sim. Faça isso. Você não pode, pode? — ele perguntou, os lábios
se contorcendo às minhas custas.
— Foda-se, — eu disse, levantando o queixo um pouco, não
querendo ser provada errado.
— Que tal merda, puta, pau, boceta? — ele fez uma pausa, depois
jogou a cabeça para trás para rir. — Você está vermelha pra caralho, —
ele declarou, amando muito o meu desconforto.
— Merda, puta, pau, boceta, — eu cuspi de volta para ele,
estreitando meus olhos. — Feliz?

~ 99 ~
— Talvez essas não tenham sido as melhores escolhas de palavras,
— ele me disse, e foi então que percebi que o sorriso havia deixado seu
rosto, e a dança em torno de seus olhos se foi, substituída por outra
coisa. Algo mais quente, deixando suas pálpebras pesadas.
Desejo.
Já fazia um tempo, mas tinha certeza de que conhecia isso quando
o visse.
Talvez essas não fossem as melhores escolhas de palavras.
Ele certamente não queria dizer merda e puta.
Ele quis dizer pau e boceta.
O que significava que eu não era a única tendo dificuldade em não
pensar no que aconteceu no banheiro, o que poderia ter acontecido no
banheiro.
— Gunner... — eu comecei, sabendo que minha voz era um pouco
mais grossa do que normalmente era. O que era provável, porque
sabendo que ele estava pensando sobre o que aconteceu também, não
apenas dando de ombros como se eu quisesse saber, ele estava fazendo
as coisas ao meu sistema novamente.
— Eu vou tomar um banho, — ele me disse, de pé de repente. —
Se você deixou qualquer água quente, — ele acrescentou, claramente
tentando aliviar o peso entre nós.
Ele fechou a porta do quarto em silêncio e entrou no banheiro.
E eu, a idiota que aparentemente era, imaginei-o lá, tirando suas
roupas, expondo aqueles músculos fortes que sabia que ele era feito,
conseguindo ver as tatuagens nas quais ele se cobria completamente.
Talvez até tenha pensado no que ele provavelmente estava fazendo
lá. Uma vez ele ficasse sob a água quente. Uma vez ele soubesse que
estava sozinho.
Estendendo a mão para agarrar seu pênis.
Pensando em mim.
Meu corpo chiou para a vida com isso, o pensamento de sua mão
acariciando seu pau por minha causa, porque ele não conseguia me tirar
de sua mente.

~ 100 ~
Minha própria mão deslizou pelo meu corpo, alcançando entre as
minhas pernas, tentando me livrar da tensão que foi como uma bobina
que ficou muito apertada no meu núcleo a maior parte do dia.
Eu só estava ciente de que o chuveiro tinha desligado depois que o
orgasmo rasgou através de mim, me fazendo ter que morder meu lábio
para não gritar. Mas mesmo assim, sabia que não estava totalmente em
silêncio.
E eu não conseguia afastar a ideia de que havia uma chance de ele
ter me ouvido.
O que me fez ficar no quarto como uma criança medrosa o dia todo.
— Café está fresco.
Provavelmente era hora do jantar quando a voz dele chamou pelo
corredor dizendo aquelas lindas e belas palavras.
Talvez as únicas palavras que poderiam me tirar da cama, e me
fazer encará-lo, o tempo todo rezando para que estivesse errada, e que
meu constrangimento não estivesse bem ali no meu rosto.
— Você vai cozinhar? — ele perguntou no silêncio entre nós
enquanto eu fazia meu café, tomando um longo gole do líquido muito
quente, sentindo-o queimar todo o caminho. — Só quero saber se eu
deveria fazer um sanduíche, — ele acrescentou.
— Eu vou cozinhar, — eu ofereci, sabendo que era uma boa
distração. E uma maneira de fazer parecer que eu não estava me
escondendo o dia todo. — Provavelmente será minha última chance pelo
resto da viagem.
— Foda-se isso. Você irá cozinhar algo para mim em sua nova casa
antes de eu sair. Como pagamento, — ele acrescentou quando lhe lancei
um olhar de sobrancelhas elevada por cima do ombro.
— Eu já te paguei muito, — eu disse a ele quando entrei na
geladeira, descobrindo que ele havia estocado tudo de novo.
— Então, chame de gorjeta. Por ser tão paciente, boa companhia,
— ele acrescentou, me fazendo rir quando me virei para ele, imaginando
se estava falando sério. Ele não estava. Seus lábios estavam curvados
também. — Aqui está, — ele disse, dando-me um aceno de cabeça. — Eu

~ 101 ~
te disse que nem tudo é tão terrível, — acrescentou. — Eu vou encher o
gerador. Vai escurecer logo. Mas então devemos passar a noite.
— Tudo bem, — eu concordei, retirando metade do conteúdo da
geladeira para o balcão, decidindo fazer algo grande, mesmo que eu
estivesse realmente apenas voando.
— Tudo bem, — ele disse cerca de uma hora e meia depois, quando
finalmente consegui o jantar na frente dele. —O que estou comendo? —
ele perguntou, movendo um pouco da comida ao redor de seu prato. —
Está coberto de queijo, então eu já sei que será bom.
— É berinjela parmegiana. Espero, — acrescentei, fazendo uma
cara insegura. — É a minha primeira tentativa. E eu não tinha uma
receita, então eu voei na maior parte do tempo. E depois, apenas algumas
couves de Bruxelas assadas e uma salada.
— Tudo isso, — ele observou, e eu me perguntei se ele sabia que
eu tinha feito isso porque precisava de algo para me distrair da ideia de
que ele talvez, possivelmente, tivesse me ouvido mais cedo.
Mas ele não disse nada.
Ele não sugeriu nada.
Nós só jantamos, conversamos sobre Ranger e seu trabalho como
babá, sobre a cabana, sobre a pequena fazenda que Gunner cresceu com
seu pai veterano e até mesmo com seu avô veterano, cortando lenha,
tirando feno, arrumando coisas, explorando madeiras, pescaria, todo o
material ao ar livre que parecia ajudar a moldá-lo no homem que ele era
hoje.
Ele não me perguntou sobre minha infância, não cutucou e
perguntou a maneira como a maioria das pessoas faria para tirar o peso
da conversa de seus ombros. Ele simplesmente... compartilhou. Se você
conhecesse esse homem, esse homem rude e desequilibrado, seu
primeiro pensamento não seria que ele era o tipo que compartilhava, o
tipo que conversa. Mas lá em uma pequena cabana no meio do nada,
apenas nós dois, ele me deu todos os pequenos pedaços de sua infância,
mesmo repassando a perda de seu avô, mas depois cortando
repentinamente sua entrada nas forças armadas.

~ 102 ~
Houve dano lá; isso estava claro. Ele até me contou sobre isso
antes. Mas acho que foi ainda mais profundo do que ele sugeriu. Talvez
ele não tenha falado sobre isso porque, como no meu passado, era muito
feio para perder tempo. Ou, possivelmente, tinha a ver com o fato de que
ele esteve nas Forças Especiais e que muito de seu trabalho
provavelmente era sigiloso.
Quão sufocante deve ter sido, ter que sofrer em silêncio porque você
não tinha permissão para falar sobre isso. Era muito diferente do meu
próprio passado, onde simplesmente não queria conversar, não queria
que as pessoas ouvissem sobre todas as coisas desagradáveis que eu tive
quando criança e me julgar sobre isso.
Minha prisão foi de minha própria autoria.
A dele, talvez nem tanto.
— Isso foi muito bom para uma primeira tentativa, — ele me disse
depois de limpar seu prato, em seguida, pegar as partes da minha
refeição que eu não tinha terminado. — Eu não posso imaginar o quão
bom seria depois de algum treino.
Eu queria dizer que iria mostrá-lo eventualmente. Eu queria dizer
que o faria quando aperfeiçoasse a receita. Eu queria que ele soubesse
que gostava disso, cozinhar para ele, que gostaria de continuar fazendo
isso.
Mas eu não pude fazer isso.
Eu não podia contar a ele porque não podia convidá-lo.
Eu não podia convidá-lo porque, em poucos dias, nunca seria
capaz de vê-lo novamente.
Esse pensamento enviou um pouco de dor através do meu corpo,
fazendo minha mão pressionar a parte mais afiada na minha barriga.
— Os pontos ainda estão doendo? — ele perguntou, interpretando
mal o momento.
— Um pouco, — eu menti, subitamente grata pela conveniente
desculpa para cobrir o que realmente estava acontecendo dentro de mim
naquele momento.
— Deixe-me fazer isso. Você vai para a cama, dormir um pouco.
Seria bom para você, então o passeio de amanhã não te incomoda tanto.

~ 103 ~
Precisando talvez de algum tempo sozinha para me acalmar, fui
para a cama, mudando para o último conjunto de pijamas que tinha,
imaginando o quanto arruinaria o material dos outros pares se os lavasse
quando sempre foram limpos apenas a seco.
Então eu fui para a cama.
E não dormi.
Então não dormi.
Era provável que por volta das duas da manhã, quando meus olhos
não aguentaram mais a pressão, se fecharam.
Eu não acordei com Gunner latindo para mim que estávamos
queimando a luz do dia inexistente.
Acordei com as mãos nos meus ombros, me sacudindo, exigindo
que eu acordasse já.
— Calma, — ele disse quando eu ofeguei por ar, o pesadelo ainda
se agarrando à maior parte da minha consciência, fazendo meu coração
bater, a cabeça girar, a pele parecer espinhosa e estranha. — É apenas
um sonho, — ele acrescentou, a mão passando do meu ombro para a
parte de trás do meu pescoço, puxando meu corpo para frente em direção
a ele, envolvendo o outro braço em minhas costas.
Eu não vou mentir.
Nem mesmo para salvar o orgulho, que nunca gostei tanto.
Eu me agarrei totalmente a ele naquele momento, com aquelas
imagens frescas na minha cabeça.
Os olhos maus em um rosto risonho quando ele arrancou minhas
roupas, me dizendo que ele ia me foder... então me foder com a faca na
mão. Como ele fez com as outras.
Minha barriga torceu, fazendo a bile subir enquanto enterrava meu
rosto no pescoço de Gunner, respirando fundo enquanto minhas mãos
agarravam seus ombros, como se eu precisasse ficar de castigo, como se
precisasse me ancorar a ele, ou então poderia ser puxada de volta ao
pesadelo.
— Está tudo bem, — ele disse, uma mão acariciando minhas
costas. Não exatamente gentil, sua mão pressionando, dando os
músculos tensos uma pequena pausa. Meu ar sugou um pequeno soluço

~ 104 ~
enquanto eu lutava para evitar que as imagens passassem por trás dos
meus olhos, achando mais difícil do que o habitual lembrar que essas
coisas não aconteceriam comigo. — Eu tenho você, Sloane, — ele
acrescentou.
Desta vez, quando minha barriga torceu, não era dor ou medo. Não.
Era outra coisa. Algo mais suave, mais doce, quase esperançoso.
Ele nunca disse meu nome antes.
Meu primeiro nome.
Sempre foi a Srta. Blythe-Meuller quando ele estava sendo um
pouco idiota, mexendo comigo porque achava que eu estava sendo
mimada ou fria ou o que quer que fosse que ele pensasse de mim naquele
momento.
Todas as outras vezes, foram duquesa.
Às vezes como um insulto, às vezes como um carinho.
Mas nada mais.
Meu nome soou muito bem em seus lábios, muito íntimo,
também... tudo.
E algo em mim, algo enterrado, algo que eu nem sabia que existia,
reagiu a essas palavras. Eu tenho você, Sloane.
Eu nunca realmente quis isso, precisava disso.
Eu cuidei de mim mesma, de todas as maneiras que isso implicava.
Eu trabalhei até o osso. Eu investi com cuidado. Eu tomei decisões
financeiras inteligentes. Eu também era minha própria caixa de
ressonância, minha própria conselheira, minha própria, bem, tudo.
Eu não precisei de pessoas.
Eu certamente nunca precisei de um homem.
Mas ouvi-lo dizer que ele me tinha, implicando que eu poderia
apenas fazer isso, me entregar a ele, deixá-lo cuidar de mim, estava
fazendo algo comigo.
Ele estava fazendo algo comigo.
Me descongelando.
Inferno, me derretendo.
Eu me senti pegajosa por dentro.
Pela primeira vez na minha vida.

~ 105 ~
— Eu estava na minha casa, — eu disse em seu pescoço, incapaz
de lutar contra o desejo de tirar isso para fora. — E ele invadiu. Com uma
faca. E ele estava arrancando minhas roupas. E me dizendo que ele ia
usar a faca para... para...
Eu não pude nem dizer isso.
Eu não precisei.
— Porra, — Gunner sussurrou baixinho. — Apenas deixe ir,
duquesa. Não segure essa merda. Não foi real. Nunca vai ser real. Eu não
vou deixar, — acrescentou com ênfase. E, além disso, acreditei nele. Eu
confiei nele. Ele me faria segura.
Mas aqui está o problema.
Ele me faria segura.
E então ele me deixaria.
Para sempre.
— Eu sei, — eu disse, deixando-o puxar meus joelhos até que eles
estavam sobre seu colo, seu corpo literalmente embalando o meu. — Eu
confio em você, — acrescentei, aquelas palavras bastante monumentais
para mim.
Eu dificilmente confiava em alguém.
Eu mal confiava em mim mesma.
Mas eu confiava nele.
Implicitamente.
Sem hesitação.
Isso, bem, era aterrorizante.
Porque eu poderia me acostumar com isso.
E eu só ia perder isso.
Mais cedo do que tarde.
— Que horas são? — eu perguntei, nem mesmo fingindo lutar
quando minhas mãos desceram, enrolando em torno de seu centro,
segurando firme.
— Três, — ele forneceu, e eu poderia jurar que senti seus lábios no
meu cabelo.
Mas isso foi uma loucura.
Impossível mesmo.

~ 106 ~
Pensamento do desejo talvez.
— Devemos ir? — eu perguntei, sabendo que ele já estava pronto e
tinha nossas coisas arrumadas.
— Fique um pouco, — ele disse, o braço me dando um aperto.
Ele não disse isso.
Aparentemente, ele não precisava.
Porque nós dois entendemos.
Nós íamos sentar aqui exatamente assim.
Enquanto pudéssemos encontrar uma desculpa para ficar.
Então, como um relógio, da mesma maneira que você podia ver as
fendas de luz do sol ao redor do quarto escurecendo as sombras, ele me
deu outro aperto, e sem dizer nada, nós apenas nos desdobramos e
seguimos nossos caminhos separados.
Eu saí do chuveiro para descobrir que ele havia feito sanduíches
de ovo e já tinha limpado.
Nós comemos.
Nós pegamos café para ir.
Nós empacotamos o resto de minha bagagem no SUV.
E nós partimos.
Observar aquela cabana desaparecer no retrovisor de alguma
forma pareceu mais definitivo do que deixar meu apartamento de volta à
cidade.
Talvez porque a cidade, aquela vida, toda aquela coisa que eu
trabalhei tanto para acumular era apenas isso... vazio.
Mas o que eu tive por tão pouco tempo naquela cabana parecia
mais. Sentindo ponderado. Importante. Parecia que poderia ter sido
infinitamente mais.
— Não falou uma palavra em três horas, — disse Gunner por volta
das oito da manhã, enquanto eu olhava pela janela, observando o mundo
passar por mim.
— Não tenho nada a dizer.
Era uma mentira, claro.
Mas tudo que eu tinha a dizer me faria parecer maluca.
Tipo... acho que gosto de você.

~ 107 ~
Gostaria que pudéssemos dar uma chance.
Como... eu mal te conheço, mas sei que vou sentir sua falta.
Eu simplesmente não podia dizer nada disso.
Então eu fiquei em silêncio.

~ 108 ~
Gunner

Algo estava acontecendo com ela.


Ela não iria admitir isso.
Quando perguntei, o tom dela indicava que eu estava sendo
irritante, irracional ou um pé no saco.
Mas algo estava acontecendo.
A verdadeira questão, porém, não era porque algo estava
acontecendo, era porque eu me importava.
Eu me importava.
Isso ficou claro.
Importava, e é isso.
Eu nunca havia abraçado uma mulher na minha vida antes.
Não depois do sexo.
Não quando uma cliente estava chorando.
Nunca.
Eu nunca tive o desejo de fazer isso.
Mas esta manhã, Sloane acordando de um pesadelo torcido,
agarrando-se a mim como se sua vida dependesse disso, o desejo estava
lá.
E eu agi sobre isso.
Além do mais, eu não queria deixar ir.
Isso era uma merda maluca.
E querer saber, por que ela ficou em silêncio por sete horas e meia
também foi.
Não era que eu não estivesse acostumado a longos e silenciosos
passeios de carro. Eu estava. Sozinho ou com outras pessoas. Eu
geralmente insistia nisso. Nada era mais inútil do que conversa fiada. E
nada era mais irritante do que choramingar ou reclamar ou exigir saber
quanto tempo até chegarmos ao próximo destino.

~ 109 ~
O silêncio era geralmente o único jeito de lidar com um cliente.
Mas com Sloane, isso estava me incomodando.
Eu queria saber o que a colocou nesse estado de espírito. Foi o
pesadelo? Foi a ideia da próxima etapa da jornada? Seu estômago estava
doendo? Apenas porra ... o quê?
Ela não tinha nada a dizer, minha bunda.
Ela tinha muito a dizer.
Ela simplesmente não iria compartilhar.
Comigo.
Inferno, nós nem paramos para o almoço, e ela não disse nada
sobre isso.
Claro, ela não era de comer muito em tudo, mas eu ouvi seu
estômago roncando alguns minutos antes. No entanto, ela não disse
nada. Apenas ficou olhando fixamente pela janela lateral.
— Quer comer em algum lugar, ou conseguir comida para levar
para o hotel? — eu perguntei, finalmente não consegui ficar quieto por
mais um minuto.
— Levar para o hotel, — ela disse, a voz soando distante. Como sua
mente aparentemente estava.
— Alguma preferência?
— O que quer que esteja perto do hotel está bom.
Era como puxar os dentes para obter algum tipo de discussão com
ela.
— Aqui, — eu disse, jogando meu telefone no colo dela, sorrindo
quando ela olhou para a maldita coisa como se eu tivesse deixado cair
um sapo lá. — Procure por lugares em Fredrickson que tenham
avaliações decentes o suficiente, — eu disse, por alguma razão,
precisando vê-la fazendo algo diferente de apenas olhar para o nada.
Com isso, com certa relutância, ela começou a procurar. — O lugar
chinês é o único que não parece que pegaríamos uma nova variedade de
salmonela, — ela concluiu.
— Gosta de algo em particular?

~ 110 ~
— Vegetable lo mein6, — ela respondeu. — O quê? — ela perguntou
quando devo ter olhado para ela com um olhar surpreso.
— Esperava algo que eu não pudesse nem pronunciar.
— O chinês erudito de um lugar para levar para viagem não existe
realmente. Pelo menos do que eu poderia lembrar. Eu não tive um desde
que eu me mudei para a cidade. Mas o lo mein, era meu favorito. Eu
posso pedir se você quiser, — ela se ofereceu. — Assim, podemos pegá-lo
no caminho. Ninguém teria que sair de novo.
Eu ia fazer isso, mas estava gostando do som dela falando demais
para dizer a ela para não fazer.
— Claro. Vá em frente. Peça-me alguma merda. Eu não sou
exigente.
Isso a manteve falando por alguns minutos, jogando fora as opções,
depois exigindo saber minhas opiniões sobre camarão, frango, porco e
vários vegetais.
Não era o que eu queria, mas era conversa.
Eu pegaria o que conseguisse.
— Vamos, — eu disse, estacionando no shopping onde ficava o local
chinês.
— Temos mais cinco minutos, — ela insistiu.
— Bebidas e lanches, — eu disse, empurrando o queixo na direção
da loja de conveniência. — E não diga apenas para pegar alguma coisa.
Venha escolher sua própria merda, — eu disse, dando a volta no carro
para abrir a porta, esperando que ela se movesse para fora.
Com isso, nós estocamos bebidas. Eu descobri que ela gostava
muito de doces desde a infância que significava que ela gostava de Devil
Dogs7 e Swiss Rolls8.

6 Lamén de vegetais.

~ 111 ~
E eu juro por Deus, essa mulher gritou quando encontrou uma
pequena caixa de Star Crunch9.
— Eu pensei que eles pararam de fazer isso! — ela me disse
enquanto me olhava, com aquele olhar sem brincadeira e abraçou a caixa
em seu peito. — Eu realmente procurei no supermercado. Eles não
tinham.
— Acho que os lanches são regionais. Eles não vendem Banana
Pudding Rolls 10no Navesink Bank.
— Bem, porque soam revoltantes, — ela disse, caminhando para se
servir um grande café no bar.
— Eu tirei sarro do seu Star Crunch? — eu perguntei, observando
enquanto ela pegava uma segunda xícara... e começava a fazer um café
para mim.
— Bem, não. Porque Star Crunch é chocolate, crisps e caramelo.
Não há nada para se divertir.
— Não posso argumentar com isso, — eu concordei, grato por ela
parecer abalar o clima que a atormentou durante todo o percurso.
Pegamos a comida e seguimos para o hotel.
— Isso é muito legal, — ela disse enquanto entramos no elevador,
deixando as malas para depois.
— Você achou que eu faria você ficar em um dormir e foder?
— A... o quê? — ela perguntou, virando para mim com as
sobrancelhas baixas.
— Dormir e foder, — eu disse. — Um motel à direita da rodovia
onde os caminhoneiros saem para dormir numa cama de verdade. Ou...
— Onde as pessoas pagam para foder, — ela terminou por mim.
Minha cabeça nunca virou tão rápido na minha vida, lábios já se
contraindo. — O que você acabou de dizer?
Para isso, seus lábios se contraíram também. — Você me ouviu.

10

~ 112 ~
— Eu acredito que tenha entendido mal, — eu disse a ela, nós dois
sabendo que eu estava falando besteira.
— Suponho que você esteja se referindo ao tipo de estabelecimento
que é barato o suficiente para que as pessoas, provavelmente pessoas
fazendo negócios, ou homens pagando por uma prostituta, possam pagar
por apenas uma hora, — ela forneceu. — Para foder, — ela terminou, me
dando um sorriso provocante que parecia muito bom em seu rosto.
— Olhe para você, — eu disse, acotovelando o braço dela, — com a
maldita boca suja do caralho.
— Suas pobres e virgens orelhas, — ela disparou de volta quando
saímos do elevador e descemos o corredor até a nossa porta.
— Aparentemente, eu preciso deixar você esbanjar como uma
criança de cinco anos no corredor do lanche mais, — eu disse a ela
quando deslizei o cartão na porta, deixando-a entrar primeiro.
Para ser honesto, eu geralmente não pago hotéis. Eu era o tipo de
motéis que eram um único lugar de dormir e foder. Geralmente pagando
por dois quartos que se conectavam através do banheiro. Porque eu não
tinha interesse em estar perto de meus clientes por mais tempo do que
eu precisava.
Este hotel, este hotel luxuoso de merda, que deu muito trabalho
para achar, sim, isto era todo para Sloane. Eu sabia que em breve, ela
não teria mais as coisas boas. Ela seria instalada em um pequeno
apartamento em uma área decente com móveis que poderíamos obter
imediatamente de uma loja local de usados. Ela acabaria recebendo suas
coisas de merda quando era seguro enviá-lo para ela. Mas não haveria
mais dinheiro para quartos de hotel de luxo, roupas de grife, todos os
acessórios de sua vida legal que estava acostumada.
Queria que ela tivesse um lugar de luxo para descansar a cabeça
enquanto podia.
Isso era uma merda sentimental e romântica. Especialmente para
mim. Mas eu fiz mesmo assim.
— Uau, — ela disse, fazendo uma curva lenta na sala enorme com
duas camas queen size.

~ 113 ~
As cores eram suaves, um papel de parede quase branco, lençóis e
edredons de seda cor de champanhe, mesas de cabeceira marrom-
escuras, uma cômoda e uma escrivaninha ao lado da gigantesca janela
do chão ao teto. Não havia muita visão, não nesta cidade, mas deixava a
luz entrar de manhã.
À esquerda do lado de dentro da porta havia o banheiro que era do
mesmo tamanho de toda a sala comum da cabana, todo o ladrilho cor de
areia no chão e a ducha com portas de vidro. Havia uma banheira que
parecia grande o suficiente para quatro.
Eu não desviei o olhar rápido o suficiente para não imaginá-la ali.
Pensar em me juntar a ela. E o que aconteceria então.
— Você só vai ter que se acostumar a comer na cama, — eu informei
a ela quando ela olhou em volta um pouco impotente depois de colocar
as sacolas na mesa.
— Eu certamente posso tentar, — ela concordou, chutando para
fora de seus saltos. Ver isso, estranhamente, senti-me quase tão íntimo
quanto tê-la se enrolando em mim para me manter aquecido à noite. Eu
acho que porque, para ela, eles não eram apenas saltos, era parte de sua
persona, a imagem dela, em vez da mulher que ela estava por baixo de
tudo.
Então levamos nossa comida para as camas, comendo enquanto
brigávamos pela TV. Já que não tínhamos tido uma antes, eu nunca
percebi que ela seria tão chata com isso.
— Qual é o objetivo disso? — ela perguntou quando eu tentei
insistir em assistir o sétimo dos filmes de Fast & Furious. — Eles não
deveriam ter começado seu ponto de vista no primeiro filme?
— O ponto não é sobre eles fazer um ponto. — Em seu olhar vazio,
balancei a cabeça. — É ação. É sobre a... ação. Você nunca viu nada
disso?
— Quero dizer ... eu já vi esse ator antes. O careca.
— Vin Diesel, — eu forneci.
— Sim. Ele atuou de advogado em Find Me Guilty11.

11 Mafioso Quanto Baste...

~ 114 ~
— Jesus Cristo, — eu disse, escolhendo o primeiro da série, e
colocando-o antes que ela pudesse protestar. — Só você encontraria o
único papel sério que o homem atuou. E traz isso em conversa, como se
todo mundo soubesse dessa merda.
— Ele parecia um pouco bobo com a peruca, — ela admitiu, me
dando um pequeno sorriso antes do filme começar.
Então, sim, eu tenho a mulher viciada na série menos provável que
você poderia imaginar que uma garota como ela gostaria.
— Eu acho que três é bom para a noite.
— Mas eles estão ficando todos juntos de novo! — ela se opôs, tendo
distraidamente vasculhado sua comida chinesa... então um punhado de
seus lanches. Eu tinha certeza que nessas seis horas ela comeu mais
comida do que nos últimos três dias.
— Está ficando tarde, — sugeri, nunca tendo visto muitos dos
filmes ao mesmo tempo. E, bem, foi o suficiente.
— São apenas oito!
— Você não quer experimentar essa banheira? — eu tentei.
E o jeito que seus olhos ficaram sonhadores me disseram que eu
tinha dito a coisa certa.
— Você vai ficar, certo? — ela perguntou, fazendo-me virar para
olhá-la.
— O quê? — eu perguntei, observando enquanto ela tirava os
óculos, esfregando a ponte do nariz. Ela realmente encontrou um
pequeno estoque de suas lentes de contatos em uma de suas malas, mas
optou pelos óculos para o dia. Não pude deixar de me perguntar se isso
era talvez porque ela estava começando a se sentir confortável ao meu
redor.
— Eu sei que você precisa pegar a bagagem, — ela forneceu. — Mas
você pode ficar enquanto eu tomo banho? — ela perguntou de novo,
incapaz de fazer contato visual. — Eu sei. É estúpido, — ela concordou,
embora eu não tivesse dito nada. — Eu vou superar isso, — ela
acrescentou.
— Duquesa, faz apenas alguns dias. Ainda é bom sentir-se
estranho.

~ 115 ~
— Mas você disse...
— Que você precisa tomar banho, — eu concordei. — E você fez.
Evitar é o problema, não a necessidade de saber que você está segura
quando você faz isso. Vá tomar banho, — eu disse, sentando de volta na
minha cama.
Então ela correu para seu banho.
Eu tentei o máximo que pude não pensar nela ali.
E como falhei, peguei meu telefone e liguei para o escritório.
— Você ligou para os escritórios da Quinton Baird & Associates.
Jules está longe de sua mesa agora. Sem graça em comparação, mas
posso tentar ajudá-lo.
— Porra, Kai, — eu zombei. — Você está seriamente atendendo o
telefone assim?
— Identificador de chamadas, cara. Sabia que era você. Como está
indo o trabalho? Ouvi dizer que você ficou nevando na cabana. Parece
romântico.
— É um trabalho, — insisti, talvez com muita força.
— Eu vi a foto em seu arquivo.
— Sim e?
— E o Ranger pode ter deixado escapar sua maneira inovadora de
usar a proteção de corpo inteiro.
— Ela estava com frio.
— Mhmm, — ele concordou, soando como se estivesse
reorganizando a divisória de materiais de escritório, canetas, tachinha,
clipes de papel, na mesa de Jules, porque quando ela ficava ocupada, a
merda voava por toda parte. E Kai, o pobre rapaz, gostava de facilitar sua
vida. Eu nunca entenderia sua merda não correspondida. Ou a falta de
noção de Jules sobre isso. Ela era ignorante sobre isso também. Certa
vez, ouvi Miller dizer alguma coisa sobre quanta atenção Kai prestou a
ela, e Jules insistiu que ele era assim com todos, que ele era gentil,
prestativo, que não era nada mais do que isso. — Então, você está no
Grand Ole 'Iowa?
— Ohio, — eu corrigi. — Amanhã é Iowa. Como tudo está indo para
esse fim? — Eu perguntei, sabendo que alguém ali, provavelmente Quinn

~ 116 ~
ou Jules, estava lidando com a papelada, já que eu não podia fazer isso
na estrada.
— De acordo com Jules, — ele começou, e eu podia imaginá-lo
pegando o arquivo, recostando-se na cadeira e chutando os pés na mesa
dela, algo que todos nós sabíamos que ela odiava, — as opções de
apartamento e caixa postal você só precisa assinar as linhas e mostrar
sua identidade nos correios quando chegar lá. Jules fez um novo e-mail
com o novo nome e mandou todas as listas de empregos locais que
soavam como se ela não fosse os odiar. Ela também enviou uma lista de
todas as lojas, restaurantes e entretenimento locais. Ela precisa de um
aumento, — ele disse distraidamente. — Jules, não a cliente, — ele
esclareceu.
— Ela já ganha três vezes o que uma recepcionista ganha, —
lembrei a ele, sabendo o que Quin pagava a todos.
— Sim, mas ela faz o trabalho de oito secretárias, — ele
argumentou. E, por mais que Jules e eu não fôssemos os melhores
amigos, poderíamos ambos reconhecer o valor de cada um. Ela lidava
com um monte de trabalho naquele escritório. Metade do tempo, sem ter
que ser solicitada a fazer coisas. Quin tinha feito uma jogada inteligente
quando a contratou quando ela era pouco mais do que uma criança sem
experiência de trabalho, comparável, usando o que tinha que ser a roupa
de trabalho de sua mãe. Mas ela provou seu valor. Até eu podia admitir
que ela lidava com meus casos sem um único deslize. Embora talvez uma
parte de mim se perguntasse se ela se saía tão bem porque não queria
ter que interagir comigo. Eu nunca a tinha chamado por um caso. Tudo
foi feito por e-mail ou texto. Informal. Então nós não continuamos nos
esfregando do jeito errado.
— Você nunca vai seguir em frente? — eu perguntei.
— Não vejo como isso afeta você, — ele disparou de volta, não se
incomodando em jogar de maneira tímida. Ele sabia que todos nós
sabíamos.
— O que vai acontecer quando aquele homem dela fizer o pedido?
— eu perguntei, todos nós sabíamos que provavelmente viria mais cedo
ou mais tarde.

~ 117 ~
— Nada, — ele disse, mas havia uma cautela em seu tom que você
nunca ouviu. — Nada acontece. Eu desejo a ela o melhor.
— Você é tão fodido, — eu disse, sorrindo um pouco, embora ele
não pudesse me ver.
— Vindo de você, isso é quase um elogio.
— Faça-me um favor, saia esta noite e pegue um pouco de
bocetinha.
— Certo, essa é a cura, — ele disse, parecendo tenso.
— Na minha experiência, não importa o mal, boceta é sempre a
cura. Se sua bunda pode aprender a manter seu coração fora disso, é
isso.
— Qual é o ponto então? — ele atirou de volta. Como ele sempre
fazia se você discutisse algo que ele se referia como “sexo esportivo”. E,
pela primeira vez, as palavras realmente afundaram.
Qual era o ponto?
Uma coceira arranhada?
Quão vazio era isso?
Que porra estava acontecendo comigo?
Por que eu estava pensando nessa merda?
Eu nem mesmo precisei ouvir a água no banho enquanto Sloane se
movia, e sabia o que estava acontecendo comigo.
Aquela mulher nua no outro quarto.
Por quê?
Essa era a questão.
Tudo o que eu pude dizer era... algo estava diferente.
E isso era tudo que eu diria.
Porque em poucos dias, isso iria embora. Eu nunca mais a veria.
— O que se passa contigo? — Kai perguntou, tirando-me dos meus
pensamentos.
— O que você quer dizer?
— Você está distraído e quer... conversar.
— Eu converso, — eu me opus.
— Você late, rosna e reclama de clientes, — ele esclareceu.

~ 118 ~
— Sim, conversando, — eu concordei, os lábios se contorcendo um
pouco.
— Acho que o Ranger estava certo, hein?
— Sobre?
— Ele disse algo sobre como essa mulher tem ganchos em você.
Disse que você nem os sentiu ainda, mas estão lá. E que eles vão te rasgar
quando você deixá-la em Nevada.
— Você esteve fumando, Kai? — eu perguntei, sobrancelhas
erguidas juntas. — Porque eu tenho certeza que Ranger nunca disse algo
sentimental em sua vida.
— Ele fala às vezes também. Talvez só não para você, — disse Kai,
soando como se estivesse encolhendo os ombros.
E, bem, acho que todo mundo falava com o Kai.
Isso fez sentido.
Ele era esse tipo de cara. Fácil de falar, bom para ouvir, feliz por
ser uma caixa de ressonância, nunca para dar um sermão ou mesmo
oferecer conselhos indesejados.
Merda.
Talvez Ranger fosse mais do que apenas um cara da floresta com
um passado bagunçado e uma personalidade antissocial.
— Difícil falar com alguém que é alérgico ao seu telefone.
— Você poderia visitá-lo.
— Ninguém o visita. A menos que haja um trabalho.
— Não sei do que você está falando, janto com ele uma vez a cada
mês ou dois.
— Você está me zoando.
— Ele é um bom cozinheiro, cara. E ele faz chocolate quente. Do
zero. Com leite de uma de suas vacas.
— Espere, o quê? Desde quando ele tem vacas?
— Tem uma fazenda autossustentável, Gunner. Vacas, galinhas,
cabras. Quando foi a última vez que você esteve lá?
— Dois anos eu acho. — E admitir isso me fez soar, e me sentir,
como um amigo de merda. — Ele mal tinha a casa e o galpão construído,
— acrescentei.

~ 119 ~
— Tem que ir visitá-lo. Ele tem uma merda boa acontecendo.
Clientes odeiam. Ele faz eles fazerem o trabalho, — acrescentou, soando
como se estivesse sorrindo.
E porque eu podia imaginar isso, senti meus lábios se curvando
também. — Você pode imaginar Fenway agachado naquelas calças de
estilista, ordenhando uma vaca?
— Essa imagem talvez seja a única coisa que faz a interação com
ele por mais de uma hora tolerável. Mas pelo que ouvi, ele está ficando
mais baixo do que o habitual.
— Acredito nisso quando passar mais de um ano sem algum grande
escândalo internacional, enviando-o à nossa porta.
— Então, quando podemos esperar você de volta? As coisas estão
ficando francamente cordiais aqui sem você.
Eu ri disso, balançando a cabeça. — Uma semana até eu pegar a
estrada novamente. Talvez um pouco mais. Depende de como todos os
passos vão quando chegarmos ao seu destino. Depois, mais cinco dias de
viagem de volta para Jersey.
— Tudo bem. Mantenha-nos atualizados, — ele exigiu quando ouvi
o clique distinto dos saltos de Jules. Ele estava me afastando do telefone.
— Manterei.
— Cuide da sua garota.
Ele desligou antes que eu pudesse dizer que ela não era minha
garota.
Que ela nunca poderia ser minha garota.
— Quin? — a voz de Sloane perguntou, fazendo-me erguer-se para
encontrá-la ali de pé naquele maldito robe de seda. E, pelo que eu poderia
dizer, nada mais por baixo, o cabelo molhado mais escuro que o normal,
mas pendurado, emoldurando seu rosto delicado.
— Kai, — eu corrigi.
— Eu não o conheci.
— Ele é nosso mensageiro, — eu disse. — Apaixonado por Jules.
— Isso é doce.
— Exceto pelo fato de que Jules é alheia.

~ 120 ~
— Então é meio triste, — ela me disse, caminhando em direção à
cama, o cheiro da roupa de banho ainda se agarrando a ela, enchendo o
ar ao redor dela. A vontade de pressioná-la e provar cada centímetro de
sua pele estava dificultando a concentração.
— Sim, é, — eu concordei, mas talvez apenas uma parte de mim
estivesse falando sobre Kai e Jules. E a maior parte estava falando sobre
Sloane e eu.
— Ei, Gunner? — ela perguntou um momento depois, fazendo-me
virar para encontrá-la olhando para mim com aqueles olhos claros.
— Sim, duquesa? — eu perguntei, ouvindo a tensão na minha
própria voz, um cansaço que não poderia atribuir ao esforço de dirigir.
— Eu não tenho pijama, — ela me informou, sendo a última coisa
possível que eu poderia ter previsto.
— O quê? — eu perguntei, com certeza a ouvi mal.
— Todos os meus pijamas são apenas lavados a seco. E eu os usei
todos agora.
Minha reação automática foi dizer que ela teria que dormir nua
então. Mas, por algum motivo, freei esse comentário. — Eu posso te
emprestar algo se você quiser. Nós vamos encontrar algum lugar para
lavar a seco na próxima parada.
— Obrigada, — ela disse, me dando um sorriso aliviado, como se
essa merda estivesse pesando sobre ela.
— Aqui, — comecei, pulando, indo pegar minha mochila,
encontrando uma das minhas camisetas enroladas. — Isso deve ser o
suficiente, — eu ofereci, entregando a camiseta cinza para ela.
— Obrigada, — ela disse, saindo para trocar de roupa.
E quando ela saiu na minha camiseta, eu tive a reação mais
estranha do caralho.
Isso parece certo.
O resto desse trabalho exigiria uma quantidade incomensurável de
autocontrole.

~ 121 ~
Sloane

Eu quase desejei um pesadelo.


Isso foi bobo e talvez até um pouco imaturo.
Para precisar de uma desculpa para me aproximar dele, para que
ele colocasse as mãos em mim novamente, para reconhecer o que estava
acontecendo entre nós.
Mas eu não tive um pesadelo.
Meus dentes não batiam de frio.
Eu apenas fiquei lá olhando para o teto por horas, sem dizer nada,
sem fazer nada, tentando pensar em nada.
Eventualmente, eu caí no sono.
E acordei com a mão em mim.
Bem, apenas no meu braço.
Mas isso contou.
— Já estamos queimando a luz do dia? — eu perguntei, voz grogue
enquanto minha mão esfregava meus olhos cansados e secos.
— Quase, — ele disse, me dando um daqueles sorrisos suaves.
Sorrisos suaves quando era cedo demais para ter minhas guardas
prontas para afastar os sentimentos que floresciam em mim ao vê-los.
— É melhor que haja café, se você está me acordando antes do sol
nascer. — Eu o avisei, notando que sua mão não tinha saído do meu
braço, que ele estava distraidamente, ou possivelmente deliberadamente,
era impossível dizer, acariciando a pele lá.
— Tem café, — ele me assegurou.
— Ugh, — eu resmunguei, finalmente me concentrando totalmente
nele. — Você já tomou banho?
— Corri no ginásio no andar de baixo, peguei café e café da manhã,
e tomei banho, sim, — ele concordou.
— Você é um robô, — concluí. — Essa é a única explicação.

~ 122 ~
— Você vai se acostumar com isso.
— Eu preferia que não em breve, — eu disse, fazendo uma pequena
risada passar por ele.
— Não me faça ir todo sargento sobre você, — ele avisou.
— Eu posso aguentar, — eu insisti.
Então ele estava de pé, arrancando os lençóis, fazendo o ar frio do
quarto arrepiar minha pele exposta.
E eu quero dizer exposta.
Porque eu devo ter girado durante o sono. Sua camiseta estava todo
tipo de rolos ao redor da minha cintura, mostrando alguns centímetros
da minha barriga... e todas as minhas pernas. E a calcinha de seda e
renda cor-de-rosa, incrivelmente feminina, que eu vestia.
— Foda-se, — o Gunner assobiou baixinho, seu corpo inteiro
ficando tenso, como se estivesse ativamente tentando mantê-lo sob
controle, como se estivesse fazendo o melhor para se conter.
Instintivamente, minhas pernas moveram, arrastando sua atenção
até o comprimento nu delas, os olhos ficando mais encapuzados, a mão
se curvando em um punho.
E eu, sim, não sabia o que dizer, como reagir à reação dele.
Quero dizer, em um nível lógico de qualquer maneira.
Meu corpo sabia o que queria, como reagir.
Minha pele corou, rosa assumindo a palidez normal pelos meus
braços e pernas, e enquanto eu não conseguia ver, aposto que meu rosto
e pescoço também.
Meus seios pareciam mais pesados, os mamilos ficando duros
instantaneamente.
Uma pulsação profunda e latejante começou entre as minhas
pernas quando minha respiração ficou rasa e rápida demais, combinando
com o batimento cardíaco.
— Só me dê uma razão, — ele exigiu, soando quase, eu não sei,
desesperado? Um homem como ele, desesperado? Isso parecia quase
impossível.
— Uma razão? — essa era minha voz? Não soou como minha voz.
Soava gutural, carente, estranha aos meus ouvidos.

~ 123 ~
— Só me dê uma razão para me virar e ir embora agora, — ele
implorou, sua respiração parecia estar tão superficial quanto a minha.
Eu pretendia ficar em silêncio.
Eu não queria lhe dar uma razão.
Eu não queria que ele se virasse e fosse embora.
Eu queria que ele cumprisse a promessa em seus olhos.
Mas minha boca estúpida e idiota encontrou palavras.
Palavras ridículas e sem sentido.
— Eu não escovei meus dentes ainda.
Sim.
Foi o que eu disse.
Eu juro que me surpreendeu tanto quanto a ele.
Ele pareceu em branco por um segundo, então um pequeno sorriso
puxou seus lábios.
— Acho que vai funcionar, — ele disse, então se virou e fez o que
disse. Ele foi embora.
Afastou-se.
Ele saiu do quarto.
Deixando-me lá na cama, corpo no caos, mente me repreendendo
por ser tão idiota.
O que estava errado comigo?
Por que eu arruinaria o que realmente queria?
Mesmo que ficar sem escovar os dentes era bem nojento.
— Ugh, — eu rosnei para mim mesma, realmente chutando meus
pés contra o colchão em frustração.
O que estava errado comigo?
Eu queria isso.
Ele queria isso.
O momento estava certo.
E eu estraguei tudo.
Não é de admirar que eu não tivesse transado em anos.
Eu me tornei totalmente indiferente em como lidar com interações
com o sexo oposto que não eram relacionadas ao trabalho.

~ 124 ~
E as chances agora que eu estraguei tudo, eram que nunca haveria
outra oportunidade.
Por um lado, entendi que até querer ir lá era uma loucura para
mim. Eu não era um grande fã de encontros sexuais casuais. E, bem, ele
certamente não era meu tipo.
Mas talvez esse fosse o apelo aqui.
Ele não era meu tipo, mas eu o queria. Essa situação em que me
encontrei significava que tudo o que poderia ser era uma aventura, então
não havia preocupação com as repercussões de minhas ações.
Inferno, mesmo quando estava tentando justificá-lo para mim
mesma, eu não acreditei.
Foi mais que isso.
Houve mais do que isso aqui.
Se houvesse tempo para fazer isso, eu sabia que isso tinha
potencial para profundidade. Profundidade real. O tipo em que eu poderia
dizer a ele, a única pessoa no mundo que ouviria essa história, que
quando menstruei pela primeira vez aos onze anos, minha mãe jogou
uma caixa de tampões e preservativos em mim, dizendo que os meninos
iriam estar farejando em volta de mim como uma cadela no cio, e que ela
não estava criando nenhum pirralho meu porque eu não os fiz
embrulhar.
Ou sobre como, quando eu tinha dezesseis anos e voltava para casa
de uma festa na piscina na casa de um amigo em meu modesto traje de
banho, ela me deu um tapa tão forte que eu voei até a mesa na sala,
cortando o lado do meu rosto porque tinha entrado com meus seios na
frente do namorado dela, dando a ele todo tipo de ideias.
Ou talvez até sobre o momento que ela me contou quando eu tinha
dezoito anos como eu arruinei completamente sua vida e espantei seu
homem, meu pai, para longe, que ela desejou nunca ter me tido, ou me
deixado no posto de bombeiros, ou me afogado na banheira.
Talvez eu pudesse dizer isso a ele.
Talvez eu pudesse tirar isso dos meus ombros.
Talvez eu pudesse saber como era não guardar tudo isso para mim
mesma.

~ 125 ~
Abrir-se.
Deixá-lo entrar.
Quando me levantei e escovei os dentes, coloquei minha
maquiagem, minhas roupas, fiquei em segurança atrás de minhas
máscaras novamente, havia uma tristeza profunda e inegável na ideia
daquela oportunidade perdida.
Por quê?
Eu não pude dizer.
Pode haver outros homens.
Algum dia.
Isso entrou na minha vida.
Mas o que foi dito, a história me mostrou que ninguém parecia
entender, entender a persona, que havia uma razão para isso, que se eles
apenas me mostrassem que era seguro fazê-lo, eu poderia me abrir,
poderia deixar tudo cair.
Até agora, Gunner foi o único homem que via através de mim, que
sabia que havia algo doloroso por baixo que eu tentava manter escondido,
que queria ver como eram as outras partes de mim.
— O café está esfriando, duquesa, — disse Gunner, como se
soubesse que eu já tinha terminado há muito tempo, estava parada ali
olhando para mim até que meu próprio reflexo se tornasse estranho e feio
para mim mesma.
— Já vou, — eu disse, empurrando toda a minha maquiagem e
produtos de volta na bolsa, escorregando nos calcanhares e depois
voltando para a área principal, descobrindo que ele já havia empacotado
tudo e deixado uma gorjeta para arrumadeira na cômoda. — Eu posso
comer rápido e sair, — eu assegurei a ele, apontando para o prato que
ele tinha colocado sobre a mesa.
— E privá-la do uso de sua amada mesa? Eu acho que não, — ele
brincou, sorriso curvado para cima, mas de alguma forma não encontrou
seus olhos.
— Eu não usei a mesa na noite passada, — eu me opus.
— Você usou o criado-mudo, — ele disparou de volta.
— Onde mais eu deveria colocar o recipiente?

~ 126 ~
— Na sua mão. No seu colo. Garotas avantajadas equilibram essas
coisas em seus seios, — ele me informou, fazendo-me fungar enquanto
eu bebia meu suco de laranja, um pouco preocupada que poderia sair
pelo meu nariz muito elegantemente em resposta a essa imagem.
— Eu não tenho muita prateleira aqui, — eu o informei, acenando
para o meu corpo. Eu duvidava que eu pudesse equilibrar uma barra de
chocolate nos meus seios, muito menos um recipiente para viagem.
— Tem o suficiente, — ele me informou daquela maneira
improvisada que falou sobre fatos básicos.
Certamente não foi um grande elogio, mas eu devo ter ficado
faminta por elogios, porque isso me fez sentir estranhamente quente por
dentro ao ouvir isso.
Eu escolhi a fruta, o iogurte e o parfait de granola que ele comprara
para mim, gostando demais que ele tivesse escolhido exatamente o que
eu teria escolhido para mim, dentre as muitas opções que sabia que o
hotel teria montado, de omeletes a torrada francesa.
— Pronta? — ele perguntou enquanto eu comia o que restava,
peguei meu café e me levantei.
— Sim. Podemos pegar meu bloco de desenho antes de sairmos? —
eu perguntei, sabendo que o que quer que eu trabalhasse seria um pouco
instável, dependendo das estradas, mas precisando de algo para manter
meu foco em outro lugar que não ele e eu, e as chances que nunca
poderíamos explorar.
— Claro, — ele disse, sem olhar para mim enquanto levantava as
malas e seguia para a porta.
Era algo que eu notaria durante o dia inteiro enquanto dirigíamos.
Ele olhava pela janela.
O retrovisor.
Ele olhava para o celular em seu painel para verificar seu curso.
Mas ele não olhava para mim.
Nem mesmo quando comecei a me mexer, meu estômago me
incomodando mais do que pensei que deveria, o suficiente para me
perguntar se algo estava errado.

~ 127 ~
Ele nem sequer olhou quando remexi na minha bolsa para
encontrar o meu remédio para dor, eu sabia que ele sabia que eu odiava
tomar, e peguei dois.
Nem mesmo um olhar periférico.
Ou então eu pensei assim.
Acordei com ele rosnando para mim, sem saber como ou quando
eu tinha adormecido, mas culpando em princípio o medicamento para a
dor.
— Que merda é essa? — ele perguntou, fazendo-me saltar, olhando
para encontrar meu bloco de notas em suas mãos.
— Eu não disse que você poderia olhar isso, — eu meio que gritei,
estendendo a mão para ele, mas ele apenas puxou de volta.
As primeiras páginas eram bolsas que eu havia recuado em minha
antiga vida. Então meu apartamento. A cabana. Um pouco do quarto de
hotel que eu não terminei. Um dele me dando um olhar de sobrancelhas
grossas que ele usava com tanta frequência.
Mas então, como minha mente estava procurando coisas para se
concentrar naquilo que não o envolvia, comecei a esboçar outras coisas
inacabadas. Cenas da minha infância, adolescência, coisas que talvez eu
devesse ter purgado no papel há muito tempo, como aquele cara que uma
amiga minha namorou e que se especializou em psicologia sugeriu.
Imagens de bebida e comprimidos na mesa da minha cozinha.
Armários vazios.
Meu pai batendo em minha mãe.
Minha mãe batendo em volta de mim.
E aquele em que seus olhos pareciam estar tão fixados.
Uma de mim pegando algo da lixeira do vizinho na rua.
Uma velha caixa do McDonald's.
Havia apenas algumas batatas fritas.
Mas foi mais do que eu tive o dia todo.
— Gunner, por favor, — eu disse, a voz grossa com uma emoção
que eu quase não reconheci no começo porque era tão nova para mim.
Vulnerabilidade. Exposição completa e absoluta, e o medo e insegurança
que acompanha isso.

~ 128 ~
— Sloane... que porra é essa? — ele perguntou, olhando para mim
finalmente. Sua voz era grossa também, baixa, quase silenciosa.
— Estávamos sem cupons de alimentação naquela semana, — eu
forneci, humilhação, embora certamente não fosse minha culpa,
brotando por dentro, fazendo meu rosto ficar quente. — Não havia nada
na casa.
— Jesus Cristo, — ele disse, soando genuinamente triste pela
pequena criança de nove anos. — Por que ela não levou você para uma
distribuição de comida ou sopa ou alguma merda?
— Imagino porque ela estava muito bêbada para perceber que eu
estava morrendo de fome, — eu disse, ouvindo um recado no meu tom,
sem saber por que estava lá. Eu certamente nunca quis defender a
mulher, desculpar suas ações.
— De onde vinha o dinheiro para o álcool?
— Honestamente? Eu não sei. Não quero saber.
— Eu entendo, querida, — ele disse, o carinho fazendo minha
barriga tremer um pouco. Não duquesa. Querida. De alguma forma,
parecia mais pessoal. Especialmente quando sua mão foi para a minha
perna logo acima do meu joelho, e deu um aperto.
— Entende o quê?
— Isso, — ele disse, soltando minha perna para acenar para mim.
— Você. Eu entendo. Mas essa merda, isso não define você. Você não
precisa ficar envergonhada com isso. Você era uma criança. Sua mãe era
uma vadia. Seu pai era inútil. Nada disso reflete sobre você.
— As pessoas no meu mundo... elas se importavam com coisas
como pedigree.
— Foda-se eles. Como se a merda deles não fede. Pessoas ricas de
boas famílias cotadas têm tanta sujeira quanto o resto. Eles só pagam a
outras pessoas para varrê-la por baixo dos tapetes. — Ele fechou o bloco,
colocando-o de volta no meu colo, mas manteve a mão na capa preta
fechada. — Não deixe que isso defina quem você quer ser agora, Sloane.
Você tem uma chance agora. Para se reinventar. Se você não é
completamente feliz como a Srta. Blythe-Meuller, seja outra pessoa.
Poucas pessoas têm essa chance. Claro, é uma droga que você não tenha

~ 129 ~
escolhido por si mesma. Mas se você fosse honesta, você já teria
aproveitado a oportunidade se não fosse forçada em você?
— Não.
— E você estava feliz, genuinamente feliz, sendo quem você estava
fingindo ser naquela vida?
Tanto quanto doía admiti-lo, tanto quanto minha barriga se
enrolava ao mesmo tempo em que expressava aquela voz minúscula e
irritante que eu tentava manter amordaçada e amarrada por dentro, eu
disse a ele. — Não.
— A vida é curta. Não a desperdice sendo infeliz. Aproveite a chance
que você tem agora de ser feliz. Você criou um grande nome e muito
dinheiro. Isso não fez você. Descubra o que faz. Faça isso.
Eu balancei a cabeça um pouco com isso, sentindo um pouco
emocional demais para dizer qualquer coisa, ou até mesmo fazer contato
visual logo em seguida.
— Você quer comer primeiro ou deixar sua merda aqui? — ele
perguntou, fazendo minha cabeça se agarrar ao shopping onde
estávamos estacionados, onde havia uma pizzaria e uma lavanderia a
seco.
— Parece mais sensato deixar, depois comer enquanto esperamos.
— Sim. Devemos sempre ser sensatos, — ele disse em um tom
claramente destinado a zombar de mim. Mas onde eu talvez, apenas
alguns dias atrás, tenha me irritado com alguém fazendo isso, eu sorri
para ele, reconhecendo o fato de que aquelas palavras eram uma coisa
muito Senhorita Blythe-Meuller a dizer. E talvez Sloane Livingston não
fosse tão sensata e esnobe assim.
— Isso significa que você teria de voltar para pegar as roupas na
limpeza a seco, — argumentei. — Depois que chegarmos ao hotel.
— Sim, foda-se isso. Seria prudente.
Então deixamos a limpeza a seco.
Nós pedimos pizza.
Ele tirou sarro de mim por gostar de cogumelos e cebolas na minha
pizza. Eu disse a ele que minhas artérias apreciavam que eu não pedi
três tipos de carne na minha, como ele fez.

~ 130 ~
Fomos para o hotel um pouco menos chique do que a que havíamos
ficado na noite anterior, mas isso provavelmente se devia ao fato de a
cidade ser menor e de trabalhadores. Não havia necessidade de algum
hotel cinco estrelas aqui. Mas ainda era bom com decoração escura,
lençóis limpos e banheiros, e seu próprio pequeno restaurante e bar.
— Estou bem, — eu me opus quando ele empurrou o cardápio de
coquetéis para mim.
— Peça uma bebida, — ele insistiu.
— Eu tenho água.
— Uma bebida alcoólica, duquesa.
— Por quê?
— Por que não?
— Isso não é uma resposta.
— Não era realmente uma pergunta. Peça uma bebida alcoólica
porque você tem mais de vinte e um anos, eles sabem bem, e eles...
— Vai me soltar? — eu o cortei, sentindo meu queixo levantar,
sabendo que era arrogante, e parecendo incapaz de pará-lo. Porque se
eriçou contra o meu interior que ele achasse que eu estava tensa.
Especialmente porque eu tinha estado... mais solta em torno dele do que
qualquer outra pessoa que eu conhecia.
— Não disse isso. Não coloque palavras na minha boca.
Especialmente as erradas que te dão esse olhar de desdém.
— Eu não tenho um olhar desdém.
— Claro que sim. Estou olhando agora.
— Você é meio idiota.
— Apenas meio? — ele perguntou, sorrindo maliciosamente. —
Peça alguma coisa, ou eu estou pedindo isso.
— E o quê? Forçando isso na minha garganta?
— Dúvida de mim? — ele perguntou.
E, bem, eu não duvidava.
— Oh meu Deus, — eu gemi quando ele veio com um discurso sobre
“bebidas femininas” depois que eu finalmente pedi uma. — Você quer que
eu peça alguma coisa, então me vem com essa sobre o que eu peço.

~ 131 ~
— Merda. Eu dou uma merda sobre o que você pede. Beicinho é o
que um menino de cinco anos dá ao seu velho quando ele não quer fazer
as tarefas. E, ei, você pede algo como Sin On Wheels, você tem que
esperar ouvir isso.
O que eu realmente queria era algo que eles batizassem
poeticamente de Lick Her Right ou, em segundo lugar, de Dirty Whore’s
Bathwater. Porque esse lugar tinha todo o seu cardápio de coquetéis
nomeado com coisas escandalosas, eu nem sequer mencionei o Thai Me
Up, o Leg-Spreader, ou o clássico Sex on the Beach, estava além de mim.
Este não parecia o local certo para tal coisa. Embora a respeito de que
tipo de local serviria essas bebidas, eu ainda não tinha certeza. Eu acho
que talvez um clube swinge ou clube de solteiros.
Jesus.
Clube de solteiros.
O que eu tinha, cinquenta?
— O que é esse olhar?
— Você viu os nomes das bebidas? — eu perguntei, empurrando o
menu de volta para ele.
— Mountain Dew Me, — ele disse, olhando para cima com um
sorriso que encontrou seus olhos, apagando a tensão que estivera ali
durante boa parte do dia. — Sin On Wheels é o nome mais baixo aqui, —
ele observou, claramente conhecendo o meu jogo. — Você vai beber essa
bebida e depois pedir algo que deixa o seu rosto vermelho vivo. — E então
ele leu os nomes, evocando todos os tipos de ideias, olhando para mim a
cada vez. — Essa é Screaming Orgasm, — ele concluiu, parecendo que
ele estava gostando muito disso. — Apesar de que esteja mais perto de
Blowjob Shot, — acrescentou.
— Se você acabou de me provocar, — eu disse, querendo ter as
ideias de gritando com orgasmos e boquetes... com ele fora da minha
cabeça. — Eu realmente não bebo bebidas destiladas. Acho que apenas
uma bebida é suficiente.
— Não, — ele disse, balançando a cabeça.
— Qual é o jogo final aqui? — eu perguntei, sendo uma frase que
eu usava com meus funcionários, meus ex-funcionários, o tempo todo,

~ 132 ~
querendo saber o que os fazia decidir fazer o que eles faziam, onde eles
viam suas ideias, forçando-os a pensar além do momento. — Para me
soltar?
— Para que você pare de dar uma porra do que as outras pessoas
pensam. Você acha que a garçonete não ouviu alguém pedir um boquete
ou gritando com orgasmo antes? Sua reação é determinada pelo seu
pedido. Nada mais. Se você está hesitante ou envergonhada, ela vai rir e
deixar você mais desconfortável, se você pedir como se fosse a coisa mais
normal do mundo, ela vai tratá-la dessa maneira também. Você está se
sentindo desconfortável sem nenhuma razão, peça seu gritando com
orgasmo como uma chefa, — ele me disse quando a garçonete voltou.
E, de alguma forma, clicou. Isso fazia sentido.
Eu engoli meu medo, e uma grande quantidade de saliva nervosa,
e eu pedi um Screaming Orgasm de uma garçonete que me lembrou da
minha professora da quarta série com uma voz confiante que era
convincente mesmo que eu não sentisse isso de verdade.
E Gunner estava certo, não foi um grande negócio.
Nem meu terceiro drinque.
Um zumbido lento e confortável.
Depois de três drinques, eu estava muito confusa e sem jeito para
sentir qualquer coisa parecida com embaraço.
— Eu pensei que você estava fodendo comigo, — disse Gunner,
braço em volta dos meus quadris, me guiando de volta para o nosso
quarto.
— Fodendo com você como? — eu perguntei, estendendo a mão
para passa-la sobre uma planta de plástico enquanto andávamos,
imaginando porque alguém pensaria em decorar com plantas de plástico
quando as verdadeiras funcionassem também.
— Quando você alegou que era um peso leve, — ele esclareceu,
apertando o botão do elevador, me arrastando para trás da porta com ele.
— Três bebidas e você está bêbada, — acrescentou como se fosse ridículo.
— Eu não tenho muito tempo para beber. Minha tolerância é baixa.
E eu só... não quero muito, sabe. — Eu disse a ele, virando para ele,

~ 133 ~
descansando minha cabeça em seu peito, porque eu queria, e sabia que
seria bom. E isso aconteceu. Foi tão bom.
— Você não quer ser como sua mãe, — ele adivinhou corretamente,
me dando um aperto.
— Sim. Não posso ter isso, — eu concordei, minha mão deslizando
em seu peito até o braço dele, onde uma tatuagem particularmente
complexa estava meio escondida em sua manga.
— Você nunca será sua mãe, Sloane. Você pode tomar algumas
bebidas, soltar o cabelo.
— Ugh, — eu concordei, minha mente imediatamente deixando a
ideia de explorar sua tatuagem, indo para cima para puxar meu cabelo.
— Está me dando dor de cabeça, — eu expliquei quando o vi sorrindo
para mim.
— Tenho certeza que é todo o açúcar nas bebidas sexuais que você
tomou, — ele me informou. — Mas eu gosto do seu cabelo solto, então
não lutarei contra isso.
Eu estava apenas meio distraída ao desembaraçar o cabelo da liga,
consciente o suficiente para sentir aquela sensação familiar e afetuosa
do lado de dentro do elogio.
— Você gosta do meu cabelo? — eu perguntei, finalmente sentindo
a queda livre ao redor dos meus ombros.
— Sim, duquesa, — ele disse, estendendo a mão para passar os
dedos por ele, colocando alguns fios atrás da minha orelha. — Eu gosto
do seu cabelo solto, — ele terminou assim que as portas se chocaram e
abriram para o nosso andar.
— Vamos ficar aqui, — sugeri, descansando a cabeça no peito dele
de novo, de alguma forma sabendo que no segundo em que deixássemos
esse elevador, o feitiço seria quebrado, as possibilidades sonhadoras que
meu cérebro e corpo estavam entretendo desapareceriam.
As coisas voltariam ao normal.
Que pensamento deprimente.
— Tem água e aspirina no quarto para essa sua dor de cabeça, —
ele argumentou, puxando-me com ele.

~ 134 ~
E foi exatamente o segundo em que senti meu pé sair da porta e
seu braço caiu dos meus quadris para cavar o cartão-chave.
A perda foi uma coisa estranhamente comovente, algo que eu senti
muito profundamente, algo que sóbria, eu provavelmente culparia o
álcool, mas eu sabia melhor.
Foi a tristeza de perder algo que sabia no fundo que quis toda a
minha vida.
Uma conexão real e genuína.
E tudo em mim parecia saber que a única chance que eu tinha para
isso era me encontrar dentro de Gunner.
— Tudo bem, você primeiro, — ele disse, acenando para o banheiro.
— Tenho a sensação de que você estará morta em seus pés em dez
minutos. Tire o gosto de hoje da boca antes de bater nos lençóis.
Com isso, eu fiz.
Escovei meus dentes.
Lavei meu rosto.
Mudei para o meu pijama agora limpo, o tempo todo desejando que
fosse sua camiseta novamente.
Eu subi na cama e vi quando ele desapareceu no banheiro depois
de mim, o chuveiro ligando apenas alguns segundos depois.
Ele ficou lá por um longo tempo também.
Uma parte de mim estava convencida de que ele estava apenas
tentando se afastar de mim, remover a tentação, me deixar desmaiar
antes que ele voltasse.
Ou talvez fosse apenas meu próprio desejo, projetando meus
sentimentos nele.
A porta se abriu um pouco mais tarde, assim que o sono estava
começando a puxar meus olhos.
Como tal, eu tinha certeza de que estava sonhando quando ele se
moveu para a porta.
Porque ele havia esquecido de pegar roupas.
E estava ali em uma toalha.
Apenas uma toalha.
Enrolada abaixo do quadril.

~ 135 ~
Meu coração começou a martelar quando percebi que não estava
dormindo, que ele estava genuinamente a um metro e meio de mim, tudo
menos nu, a toalha situada diretamente abaixo dos projéteis afiados dos
músculos do cinto de Adônis, exibindo a largura de seu peito. Tatuagens
passavam por seus braços e pelo peito, esgueirando-se pelas costas.
Havia um ponto estranho quase no centro do peito, onde a tatuagem
parecia estranha, distorcida, quase enrugada ou algo assim. Mas ele
estava longe demais para ver. E meus olhos, e outras partes do corpo,
eram muito gananciosos para se concentrar nisso quando havia muito
mais para explorar. Assim como seus músculos abdominais profundos
afilavam para baixo para revelar uma pequena trilha feliz que desaparecia
na toalha, me fazendo querer arrancá-la e explorar mais.
Eu não percebi que o som baixo e doloroso que eu ouvia vinha de
mim até que Gunner levantou a cabeça, parecendo surpreso ao me
encontrar lá, olhando-o como uma cadela no cio.
— Não me olhe assim, — ele exigiu suavemente, quase parecendo
aflito quando ficou parado ali. E eu apenas sentei lá. Nós dois sabendo o
que estava na mente um do outro.
— Por quê? — eu perguntei, engolindo em seco.
— Você sabe por quê.
— Eu não posso evitar, — eu admiti, sentindo o jeito que a
necessidade estava passando pelo meu sistema, sabendo que era
provavelmente claro como o dia no meu rosto também.
—Experimente.
— Por quê?
— Você está bêbada, duquesa.
— Eu não estou tão bêbada, — eu disse a ele, sabendo que era
apenas uma meia verdade, mas mesmo fria e sóbria, eu o queria. Ele
sabia disso. Eu sabia. E meio que eu bêbada, bem, estava me recusando
a aceitar que isso era uma má ideia.
— Sloane, por favor, — ele pediu, fazendo aquele tom baixo e sexy
que fez meu sexo apertar com força, mesmo quando eu registrei a
frustração de sua pele.

~ 136 ~
— Por que você está lutando contra isso? — eu pressionei,
aparentemente descobrindo que era tenaz depois de algumas bebidas
também. — Eu não estava bêbada da última vez.
— Este é um trabalho para mim, — ele disse, e se meu estômago
não estivesse caindo, poderia ter ouvido algo em seu tom, algo que dizia
que ele se arrependia de ter sido trabalho. — É isso aí. — Ele se virou,
me dando uma visão de suas costas, e mais tatuagens que eu queria
saber, quando ele pegou as roupas. — E você não está pensando
claramente. Daqui uma semana, eu vou embora. Você nunca mais vai
me ver. Você não quer isso. Na verdade, não.
Eu queria.
Eu queria isso.
Mas ele, esse homem que era mais baseado em ações do que
prático, expressava todos os argumentos lógicos que eu passava pela
minha cabeça durante dias.
E mesmo bêbada, eu não podia discutir com isso.
Então eu rolei para longe.
Eu fingi dormir.
Eu escutei quando Gunner fingiu também.
Eventualmente, nós dois dormimos de verdade.
Em seguida, voltou para o habitual no dia seguinte.
Dirigindo.
Sem conversa.
Eu desenhando.
Nós dois tentando nos ignorar em um espaço incrivelmente
pequeno. Como duas crianças em vez dos adultos racionais que
realmente éramos.
— Oh meu Deus. Eu não aguento mais, — eu rosnei por volta de
uma tarde, lutando contra uma ressaca que estava martelando nas
minhas têmporas e atrás dos meus olhos de alguma forma ao mesmo
tempo, estendendo a mão para espetar meu dedo em um dos os outros
botões das estações de rádios salvas.
— Você está brilhante e alegre hoje, — disse Gunner, e imaginei
que ele estivesse sorrindo como costumava fazer.

~ 137 ~
— Como você ouve isso dia a dia? — eu perguntei, ignorando o
comentário sobre a minha óbvia miséria. — Existe alguma coisa pior do
que conversa de rádio? Um monte de pessoas se concentrando nas coisas
mais negativas acontecendo no mundo.
— Se você não gostou, por que você não mudou isso há três dias?
Ou é apenas sua ressaca épica falando?
— Épica? Você está empurrando, — eu meio que menti. Eu bebi
apenas a ponto de beber um punhado de vezes na minha vida. Apenas
uma vez eu tive uma ressaca pior do que essa. Mas atribuí a intensidade
disso ao fato de não ter mais vinte e um anos... e tive um sono horrível
graças à minha frustração sexual na noite anterior. — Eu apenas ignorei
os primeiros dias. Mas minha cabeça doía, e ouvir todas essas discussões
estava me irritando.
— Beba a água, sua idiota teimosa, — ele me disse, tom leve. — Eu
tenho sugerido isso por horas.
— Eu não quero ter que fazer uma dúzia de paradas.
— Então tome uma de suas pílulas de dor. Seu estômago deve ficar
na maior parte melhor. Você não precisará delas para isto.
— Estou bem, — insisti. — Eu só preciso me movimentar, pegar
comida, talvez uma soneca. Acho que estar no carro também está me
irritando.
— Só mais um dia e meio depois disso, — ele me assegurou, mas
seu tom era estranhamente distante.
Naquela noite, estávamos hospedados em Wyoming.
Na noite seguinte, seria Utah.
E então estaríamos em Carson City.
Na minha nova vida.
Não mais viagens longas presos um ao lado do outro.
Não mais dormir no mesmo quarto de hotel, a poucos metros um
do outro.
Eu tentei dizer a mim mesma que isso era uma coisa boa.
Uma pequena distância nos faria bem.
Mas nada sobre a ideia disso parecia bom.
Era exatamente o oposto, na verdade.

~ 138 ~
— Não é o Ritz, — disse Gunner quase se desculpando depois que
entramos em um hotel que obviamente não se encaixava em seus
padrões. Honestamente, eu não conseguia entender que o gosto dele
corria em direção ao Ritz Carlton, então eu não tinha ideia do porquê isso
parecia incomodá-lo tanto. Mas eu tinha aceitado que Gunner era apenas
um tipo de pessoa imprevisível.
— Mas também não é um dormir e foder, eu ofereci, olhando os
tapetes antiquados de estilo oriental vermelho, branco e preto que
desciam do centro dos corredores em direção ao elevador. A arte nas
paredes era produzida em massa e muito combinada. O papel de parede
deve ter sido um branco em algum momento, mas atualmente era
estabelecido em amarelo envelhecido.
Velho, claro. Mas estava limpo, mantido com orgulho em uma
economia claramente ruim em uma cidade que, como eu vi em nosso
trajeto, provavelmente não atraia muito turismo.
— Bem, há isso, — ele concordou sem entusiasmo quando saímos
do elevador para o terceiro andar, que parecia muito com o saguão, os
mesmos tapetes, papel de parede, arte. As portas tinham até chaves boas
e antiquadas, em vez de cartões-chave.
— Isso é melhor, — eu anunciei quando nos movemos para dentro,
a luz atravessando as persianas na porta de correr para uma pequena
varanda nos fundos. O carpete era de um marrom profundo, assim como
a mancha na cabeceira e nos pés das duas camas de tamanho normal.
Os lençóis e edredons estavam totalmente brancos, dizendo a qualquer
um que lhes acontecesse que os donos gostavam muito de água sanitária.
Que era sempre um pensamento reconfortante. A TV em frente à cama
era mais nova, plana e, apesar de pequena, era uma boa marca.
— Provavelmente tentando refazer o quarto, quarto por quarto, —
ele concordou, acenando para a parede marrom e branca, que parecia
recém-pintada, listrada, atrás das camas.
— Oh, uau, — eu respirei quando puxei as persianas nas portas de
correr, vendo a vista pela primeira vez. — Eu nunca teria percebido o
quão bonito Wyoming era se não fosse por isso, — eu comentei quando

~ 139 ~
Gunner caminhou para o meu lado, nós dois olhando para a cordilheira
ao longe. — É estranho.
— O quê?
— Como essa experiência toda foi reveladora, — eu admiti. — Eu
vivi em uma concha tão grande. Quero dizer, sim, há muita cultura na
cidade. É um verdadeiro caldeirão. Mas você não consegue ver coisas
assim, experimentar a hospitalidade de uma cidade pequena, ver o difícil
trabalho e orgulho que as pessoas colocam em seus pequenos negócios.
Como este hotel. Eu nunca teria pensado em mim tão abrigada antes.
Mas eu acho que sim.
— Amanhã você verá algumas das rochas vermelhas em Utah, —
ele me disse, parecendo que estava animado em mostrar isso para mim.
Ou talvez fosse minha imaginação. Estava ficando difícil dizer o que era
verdade e o que era um pensamento positivo enquanto o tempo passava.
— Você já viu antes? — eu perguntei, querendo saber mais sobre
ele.
— Sim. Você seria duramente pressionada para encontrar grande
parte deste país que eu não vi pelo menos uma vez.
— Você gosta de viajar?
— Depende de onde. E da companhia. — Ele fez os comentários
parecerem finais, mas um momento depois continuou. — Eu não sou um
fã do sul no meio do verão. Eles têm um maldito sol diferente lá embaixo,
eu juro, e insetos e cobras e merda. Não é a minha praia. Mas além
disso...
— Então, nenhum Alabama em agosto. O que sobre os estados frios
no inverno?
—Snowboard em Vermont é foda. Não tenho feito isso há uns anos,
mas vou escolher o frio sobre o calor escaldante a qualquer dia. Além
disso, alguma vez experimentou rosquinhas de cidra de maçã de uma
fábrica de cidra? —ele perguntou, esperando que eu sacudisse a cabeça.
— Tem que experimentar pelo menos uma vez na vida, — ele me disse,
então seu rosto caiu quando senti o meu fazer o mesmo.
Porque eu não teria permissão para viajar.
Pelo menos não por anos.

~ 140 ~
Talvez nem mesmo então.
Depende muito do que aconteceria com o Rodrigo Cortez.
— Talvez haja uma fábrica de cidra em Nevada em algum lugar, —
eu disse, mas havia ceticismo na minha voz. Quero dizer, a maioria das
maçãs vinha da costa leste, não do meio-oeste. Mas eles tinham que ter
algumas, certo? Esperançosamente. Porque agora eu tinha certeza de que
a vida nunca estaria completa sem uma maçã de uma fábrica de cidra de
verdade.
— Amanhã vamos começar a trabalhar em sua identidade. Aprenda
tudo como a palma da sua mão, — ele me disse, se afastando. E parecia
uma parede.
Como a noite e o dia seguinte mostrariam, isso era exatamente o
que era.
A única conversa que fizemos foi sobre Sloane Livingston, sobre
seu passado, sobre seus gostos, seus interesses, amigos, família,
experiência de trabalho anterior.
Cerca de oito horas depois de ter sido questionada sobre ela, eu
podia sentir-me começando a me ressentir com essa pessoa que na
verdade não existia, que eu teria que aprender a ser.
Boba, sim, mas inegável.
Era como se minha mente tivesse decidido odiá-la em defesa de
Sloane Blythe-Meuller, a pessoa que eu sempre fui autorizada, para
melhor ou para pior.
— Tudo bem. Vou deixar passar isso, — ele me disse quando nos
instalamos em um hotel em Utah.
Este foi claramente refeito recentemente. E talvez apenas um
pouquinho muito moderno. Eu não tinha certeza de que havia tal coisa.
Mas quando a cama não parecia um lugar onde você queria descansar,
você sabia que sua obsessão pela HGTV era um passo ou cinco longe
demais. Tudo era gritante e branco, com linhas muito afiadas, e cantos.
Eu realmente bati minha perna na lateral da cama, criando um corte
decente que sangrou como um louco, e me colocou em um humor ainda
mais mal-humorado.

~ 141 ~
Gunner parecia estar se saindo melhor, resmungando baixinho
enquanto tentava desfazer a cama um pouco para que pudesse entrar
nela.
— Não é fã, né? — eu perguntei quando coloquei um band-aid que
Gunner havia providenciado de um pequeno kit de primeiros socorros
que ele aparentemente carregava todos os momentos.
— É como um fodido hospital. Quem diabos gostaria de viver em
um quarto como este?
— Você é fã de um mais... vívido no visual, — eu assumi.
— Sou fã de um lugar onde posso apoiar meus pés em cima da
mesa. E onde os malditos lençóis não se enrugam quando eu os movo.
Eu sorri com isso, silenciosamente concordando.
Enquanto a minha casa era no lado moderno, ainda estava quente
e caseiro. Pelo menos eu gostava de pensar assim. E eu sempre me
certifiquei de usar o amaciante na minha lavagem.
— Então... amanhã, — eu disse depois que eu me troquei e me
deitei na cama, quando o show que Gunner estava olhando, embora, eu
pensei, não na verdade assistindo, foi para o comercial.
— E isso?
— Tudo muda, — eu disse, meio para mim mesma.
— Acho que você poderia dizer isso.
— O que mais você poderia dizer sobre isso?
— Você começa de novo, — ele disse, recusando-se a olhar em
minha direção, fazendo meu estômago se sentir tenso e desconfortável.
Eu não disse isso. Não em voz alta. Não para ele. Eu não queria
que ele pensasse que eu era boba ou ingrata ou até mesmo lamentando
o meu destino.
Mas eu pensei isso.
Eu pensei até que as palavras parassem de fazer sentido em minha
própria cabeça.
Eu pensei até que uma sensação profunda e triste se instalou no
meu estômago.
Eu pensei até a TV se desligar, deixando-me com nada além do som
da respiração de Gunner, firme, mas não dormindo.

~ 142 ~
Eu pensei até que adormeci e não conseguia mais pensar.
E se eu não quiser começar de novo?

~ 143 ~
Sloane

Carson City era, e não era, o que eu esperava.


Eu não poderia reivindicar ter muito ponto de referência quando se
tratava de Nevada. A única coisa que eu sabia sobre isso, como muitas
pessoas, era Vegas. E esse conhecimento era apenas de programas de TV
e filmes. Eu nunca tinha ido lá sozinha.
O Gunner havia me dito que era uma cidade pequena. E era. Quero
dizer, claro que era. A maioria das cidades era menor em comparação a
Nova York. E enquanto havia partes delas que pareciam muito antigas e
presas em uma era diferente, outras partes eram surpreendentemente
modernas.
Era maior do que eu imaginava, um lugar amplo e plano, aninhado
dentro de algumas colinas verdes íngremes.
Quando nós dirigimos pelo centro da cidade, nós fomos
cumprimentados por uma bandeira que se pendura pela estrada que nos
lembra de ser Água inteligente porque Cada gota conta!
— Você vai se acostumar com isso, — Gunner me disse, parecendo
interpretar meu silêncio como desapontamento.
Eu não poderia me chamar assim.
Eu não sabia como chamar meu humor naquele momento.
Se qualquer coisa, eu diria imparcial.
Eu tinha dito a mim mesma dias atrás que se esse seria o meu
destino, que iria tentar tirar o máximo disso, que iria encontrar os
revestimentos de prata onde eles existiam, que iria tentar construir uma
boa vida para mim, mesmo que não fosse o que sempre quis.

~ 144 ~
Então, eu deveria estar olhando para as filas de lojas mamãe-e-
papai12 com curiosidade e emoção para explorar suas prateleiras. Eu
deveria ter ficado sem fôlego com a ideia da beleza que eu poderia
encontrar naquelas colinas, assim que me instalasse. Eu deveria estar
tentando lembrar alguns dos nomes das ruas.
Alguma coisa.
Qualquer coisa.
Mas tudo que eu podia fazer era olhar fixamente para fora da
janela, não sentindo absolutamente nada por dentro.
— Eu sei, — eu concordei em um tom oco, sabendo que precisava
dizer algo para ele.
— Você quer parar para comer alguma coisa, ou ver se o síndico
está por perto para nos mostrar o prédio de apartamentos que Jules
escolheu provisoriamente para você?
Podemos muito bem acabar com isso, eu acho.
— Eu não estou com fome. Vamos verificar o apartamento.
Então foi o que fizemos, dirigindo apenas alguns minutos fora do
centro da cidade, onde estavam todos os comércios. Se o tempo estivesse
bom, e eu estivesse me sentindo bem, era perto o suficiente para
caminhar até lá.
O Carson Valley Apartments era um prédio moderno, claramente
com menos de dez anos, todo estuque de cor arenosa quente, e pequeno
em comparação com os prédios de apartamentos que eu estava
acostumada a ver com seis edifícios separados de aparentemente quatro
unidades cada, dois para cima no topo, dois abaixo.
Cada apartamento do térreo tinha uma área de deck com pérgulas
de madeira. Cada nível superior tinha o que parecia uma pequena
varanda, mas grande o bastante para colocar uma pequena mesa,
cadeiras e algumas plantas.
Metade das varandas e decks dos edifícios ficava de frente para as
colinas. A outra metade enfrentava uma subdivisão a uma rua distante.

12Um negócio pequeno, independente, geralmente familiar, controlado e operado que tenha uma
quantidade mínima de funcionários, tem apenas um volume pequeno de negócios e normalmente
não é franquia, portanto, aberto apenas para empresas em um único local.

~ 145 ~
Eu deveria ter esperado que visse a beleza natural que a região
tinha para oferecer, mas tudo que pensei quando finalmente saímos do
carro para esticar as pernas e esperar o síndico nos cumprimentar foi
que, em apenas alguns dias eu estaria sozinha.
Era uma coisa absurda para alguém como eu pensar, alguém que
sempre esteve sozinha. Confortavelmente. Principalmente feliz.
Certamente nunca lamentei o destino.
Talvez tenha sido tão simples quanto o fato de eu nunca estar
completamente sozinha. Eu tinha funcionários com quem interagia
diariamente, cujas vidas fora do trabalho eu conhecia.
Mas, na verdade, eu conhecia a verdade.
Eu estava sentindo a solidão iminente como solidão genuína, não
por causa de uma nova cidade ou de um novo emprego ou de um novo
apartamento.
Foi por causa do Gunner.
Gunner e o sorriso que eu sentiria falta, cuja franqueza eu estava
acostumada, cuja presença calma havia se tornado algo em que eu
confiara, cuja determinação em me ajudar a sair da minha concha tinha
sido algo novo e incrível para mim.
Logo ele teria ido embora.
E ele deixaria um buraco na minha vida que nunca havia existido
antes. Porque eu nunca permiti que alguém deixasse um vazio antes.
— Você está quieta, — Gunner observou, com os olhos penetrando
em mim.
Felizmente, fui salva de ter que responder quando o síndico, um
homem de aparência elegante, com quarenta e poucos anos, olhos gentis
e um sorriso aberto, saiu para nos cumprimentar, apertando nossas
mãos com entusiasmo.
— E esta é minha irmã, — disse Gunner, fazendo minha cabeça
sacudir.
— Que bom que você a trouxe para resolver isso, — Andrew, o
síndico, disse a ele, ambos me deixando um pouco fora da conversa.
— Então, só para te mostrar o lado de fora muito rápido, — ele
disse, começando a andar, lado a lado com Gunner, deixando-me, a

~ 146 ~
potencial locatária, seguir atrás. — Temos um monte de amenidades.
Uma piscina no subsolo, academia, quadra de tênis, quadra de basquete,
área de playground, sala comum, até mesmo uma biblioteca de aluguel
de DVD para escolher. Agora você estava interessado em 2B, correto? —
ele perguntou... a Gunner.
— Esse foi o único, certo, Sloane? — Gunner me perguntou
incisivamente. E de repente eu queria beijá-lo. Apenas por reconhecer o
problema e resolvê-lo.
— Eu acredito que sim, — eu concordei, olhando Andrew, que teve
o bom senso de parecer culpado.
— Certo, — ele concordou, indo em direção a um dos prédios. —
Então 2B é um apartamento no segundo andar com uma varanda com
vista para as colinas lá fora, — ele me disse, acenando com o braço,
embora já estivéssemos em um corredor. — Escadas e elevador, é claro,
— ele continuou acenando para as escadas quando chegamos ao
elevador. — São sessenta e dois metros quadrados. Um quarto, um
banheiro. Novecentos e cinquenta por mês. A água está incluída nisso.
Sessenta e dois metros quadrados.
Meu antigo apartamento era o dobro disso.
Em uma cidade onde uma caixa de sapatos custa novecentos e
cinquenta por mês.
Eu precisava parar de fazer isso, comparar lugares.
Eles eram diferentes.
Eu teria que ser diferente também.
— Aqui estamos, — Andrew declarou, levando-me para a esquerda,
uma vez que entramos no corredor do andar de cima.
À direita, 2A tinha uma pequena guirlanda de Páscoa em sua porta,
pendurada no olho mágico.
Eu deveria ter tomado isso como um bom sinal, que as pessoas
aqui faziam coisas assim. Eu nem me lembrava da última vez em que fiz
o esforço de montar uma árvore de Natal. Foi bom ver as coisas simples.
Ou teria sido legal se eu estivesse sentindo algo assim.
— Há outros prédios, — Gunner sussurrou para mim enquanto
Andrew se aproximava, esperando que nós o seguíssemos.

~ 147 ~
Eu senti algo então, sentindo sua respiração na minha orelha, seu
corpo perto do meu, sua voz se movendo através de mim.
Um arrepio.
Bom e ruim ao mesmo tempo.
Mas pelo menos era alguma coisa.
Eu não disse nada, seguindo Andrew para dentro, encontrando a
sala diretamente a frente, com uma pequena cozinha à direita, e um
corredor que corria ao longo dos fundos para, presumivelmente, o quarto
e o banheiro.
Não havia muito a dizer.
O tapete, embora claramente recentemente lavado, era velho e
quase branco. O chão da cozinha era de linóleo de madeira artificial. Os
armários eram escuros e antigos com puxadores de latão falso. A
geladeira e o fogão eram preto e branco.
Com o tamanho total, imaginei um pequeno quarto e um banheiro
menor e antigo.
Mas era um lugar para morar.
Onde eu não seria esfaqueada.
Esperançosamente.
— Existe uma banheira? — eu me ouvi perguntar, de repente, não
tão certa de que os chuveiros se sentiriam tão seguros. Nem mesmo quase
atravessando completamente o país.
— É uma banheira e chuveiro combinados, — ele me disse. — Você
sabe, com uma cortina e afins.
Isso servia, eu acho.
— Eu vou ficar.
— Sloane, — Gunner sussurrou para mim, claramente absorvendo
minha falta de entusiasmo, querendo que eu fosse feliz.
Eu não estava tão certa de que feliz fosse uma opção para mim.
Talvez nunca tenha sido.
— Podemos assinar a papelada agora? — eu perguntei, querendo
levar as coisas adiante.
— Coisa certa! — Andrew sorriu. — Apenas me deixe ir pegar no
meu escritório. Volto em apenas um minuto.

~ 148 ~
Com isso, ele se foi.
E caminhei pelo meu novo apartamento, olhando para as colinas,
verdes e aparentemente intermináveis.
Eu podia sentir isso saltando para fora dele, mesmo com minhas
costas viradas. A raiva. Frustração. Confusão.
— Você não gosta, duquesa. Porra, você está assinando os papéis?
— Está tudo bem, — eu insisti, cruzando meus braços ao redor do
meu meio defensivamente, mesmo que eu não estivesse de frente para
ele.
— Você não achou bom, — ele rosnou para mim. — Nós podemos
fazer melhor do que bom.
Nós.
Exceto que ele não quis dizer nós.
Não do jeito que eu queria que ele fosse.
— Eu tenho uma cozinha, um quarto, um banheiro com banheira
e uma varanda. O que mais eu poderia querer?
— Algo que tire esse tom de morte da sua voz, talvez?
— Estou cansada, — eu disse a ele. Era meio verdade. Eu estava
ficando boa em meias-verdades ultimamente. Comigo mesma, eu não
tinha certeza se gostava disso.
— Você não está cansada, — ele retrucou, desta vez bem atrás de
mim. — Você está desligando.
— E daí, se eu estou? — eu perguntei, sentindo um pouco de
alguma coisa. Não é algo bom, mas algo. Uma tristeza que fez meus olhos
arderem por um segundo.
— Eu não gosto disso.
— Tudo bem, — eu disse a ele, balançando a cabeça, engolindo em
seco. — Você só tem que lidar comigo por mais alguns dias. Se isso.
— Tudo bem, foda o suficiente, — ele rosnou quando sua mão se
fechou sobre o meu bíceps, me virando, me forçando a encará-lo. — Pare
de falar de si mesma como se você fosse algum...
— Trabalho, — eu o interrompi, jogando suas próprias palavras de
volta para ele. — Eu sou apenas um trabalho.
Naquele momento, até eu pude ouvir a dor no meu tom.

~ 149 ~
— Certo que você é, — ele atirou de volta, a mão indo para trás do
meu pescoço, puxando-me para ele enquanto seus lábios se chocavam
contra os meus.
A sensação voltou para mim em um momento de clareza cega. Seus
dedos afundando na minha pele no meu pescoço, as pontas dos dedos se
enredando nas raízes do meu cabelo. A sensação do seu corpo inflexível
contra o meu mais suave. A forma como seus lábios marcavam os meus,
garantindo que eu os sentiria lá por dias, semanas, meses, anos depois,
como se fossem sempre marcados como dele.
Um grunhido baixo e primitivo se moveu através dele quando ele
me bateu contra a parede, seu corpo empurrando mais forte no meu, sua
mão livre afundando no meu quadril enquanto sua língua traçava a
costura dos meus lábios antes de se mover para dentro para reivindicar
a minha.
Meu gemido choramingou para fora de mim quando meus braços
foram ao redor dele, segurando, implorando por mais, por tudo que nós
estávamos negando a nós mesmos desde aquela manhã na cabana.
Mas então, de alguma forma através do meu pulso batendo nos
meus ouvidos, eu ouvi.
O barulho do elevador.
Parecendo ouvir ao mesmo tempo, Gunner de repente se afastou
de mim, virando-se para encarar a vista da minha varanda enquanto eu
caía contra a parede, tentando forçar meu cérebro a trabalhar através da
névoa do desejo.
— Você parece estar toda corada, senhorita Livingston, — disse
Andrew, parecendo preocupado. — Você quer que eu ligue o ar? Está um
pouco quente aqui.
— Não, não. Estou bem. Só ainda não almocei. Estou meio tonta,
— menti mesmo quando Gunner abriu a porta da sacada e saiu.
Ele ficou lá.
Durante todo o tempo, Andrew conversou comigo sobre regras,
regulamentos, contas, atrações locais.

~ 150 ~
O tempo todo preenchi minha papelada, fazendo isso com
intensidade para ter certeza de que usasse todas as minhas novas
informações, não escorregando por acidente e por hábito.
Não foi até que Andrew me entregou uma chave e pegou o cheque
que eu entreguei a ele que Gunner tinha me dado no dia anterior que ele
finalmente voltou.
E desta vez, eu não era aquela com proteções.
Era ele.
As dele, bem, fizeram com que as minhas parecessem uma cerca
de arame degradada em comparação.
— Pronta? — ele perguntou. No meu olhar confuso, ele deu de
ombros. — Vamos ao hotel. Você não pode morar sem mobília, — ele
argumentou. — Vamos lidar com tudo isso amanhã. Hoje, precisamos de
comida. E passar por cima de alguma merda.
Andrew pareceu enrijecer um pouco ao ouvir o tom ou a linguagem
de Gunner - ou ambos, fazendo com que eu precisasse forçar um sorriso
como se isso fosse a coisa mais natural do mundo.
— Ok, sim, faz sentido. Muito obrigado, Andrew. Estou ansiosa
para montar minha própria casa.
— Ótimo. Fico feliz em ouvir isso. Você tem ótimos vizinhos para
conhecer, — ele me disse, apertando minha mão, depois a de Gunner, e
indo embora já que era tecnicamente meu apartamento agora.
— Vamos, — Gunner gritou para mim, alto o suficiente para me
fazer pular, seguindo-o automaticamente, sem sequer pensar nisso. Sim,
foi uma voz severa.
Eu não pensei sobre a cidade quando nós dirigimos por ela
novamente para chegar a um hotel de dois andares que quase parecia
um celeiro.
Tudo o que eu conseguia pensar era o beijo.
E sua reação inesperada a isso.
O que parecia ser raiva.
Qual razão, eu não fazia ideia.
Tudo o que eu sabia era... quando chegamos ao hotel, era que havia
dois quartos esperando por nós em vez do esperado.

~ 151 ~
Gunner quase jogou minha bagagem em mim antes de sair,
batendo a porta e desaparecendo em seu próprio quarto.
Eu esperei.
Como uma idiota.
Como uma mulher que eu normalmente teria sacudido a cabeça.
Mas eu esperei.
Por ele se acalmar, voltar, terminar o que começamos, ou
simplesmente ignorar tudo.
Mas para aparecer.
Ele não fez isso.
Não por uma hora.
Ou duas.
Ou quatro.
Às cinco horas, meu estômago estava finalmente começando a
resmungar, forçando-me a me aventurar por conta própria, uma tarefa
que, em minha antiga cidade, nunca teria me incomodado. Mas aqui,
senti uma desagradável sensação de mal-estar estranho se aproximar de
mim enquanto eu me levava para o elevador, depois para um andar,
depois para a rua, procurando algum lugar onde pudesse encontrar algo
para comer.
No final, eu andei com o meu salto alto pela rua até a cidade, tão
acostumada a andar na cidade que meus pés estavam praticamente
imunes a bolhas.
Se Gunner fosse me evitar, eu achava que tinha que pelo menos
me esforçar para conhecer minha nova área, minha nova vida. Logo, mais
cedo do que queria pensar, eu estaria sozinha. Seria melhor para mim se
eu não estivesse completamente sem noção.
Eu entrei na loja de conveniência local, ou talvez fosse chamada de
loja geral, em casa eu a chamaria de bodega, escolhendo barras de
granola, pasta de amendoim, geleia, pão e punhadinho de bananas,
imaginando que funcionaria como um jantar improvisado quando
voltasse para o hotel.

~ 152 ~
Depois disso, entrei em uma loja de antiguidades, não porque tinha
interesse em antiguidades, mas porque sabia que, se ficasse no hotel,
ficaria obcecada.
No final, encontrei uma aquarela vintage do Brooklyn, desbotada
com a idade, que achei que a tornava mais charmosa, comprei e a levei
de volta para o hotel comigo.
Não havia nada de Gunner.
Não quando voltei para o meu quarto e fiz o meu jantar
improvisado, enquanto esfregava a banheira com um produto de limpeza
que eu tinha comprado alguns estados atrás e depois tomei um longo
banho. Não quando eu pretendia assistir TV.
E não antes de finalmente dormir algumas horas antes do nascer
do sol.
Eu deveria ter esperado isso.
A luz do dia queimando batendo na porta.
Apenas houve uma batida rápida antes que a porta se abrisse,
fazendo-me disparar na cama, um grito preso na minha garganta, meus
pesadelos agarrados a minha mente, fazendo-me pensar que ele
finalmente me encontrara.
— Só eu, duquesa, — a voz de Gunner chamou, fazendo a coisa
reconfortante, mesmo que houvesse um pouco mais de uma margem
para isso. — Você está bem? — ele acrescentou quando minha mão bateu
no meu coração acelerado. — Pesadelos de novo? — ele perguntou, vindo
em direção à cama, mas parando no pé, mantendo a distância.
Eu deveria estar satisfeita com isso.
A distância.
Seria mais simples.
Menos confuso.
Mais fácil deixar ir.
Mas tudo que eu queria era que ele viesse até mim, me puxasse
para o seu colo, me segurasse, me dissesse para não insistir nisso, que
ele garantiria que nada mais pudesse acontecer comigo de novo.
Mas quando os segundos se passaram, eu sabia que isso nunca
aconteceria novamente.

~ 153 ~
— Sim. Tudo bem, — eu insisti enquanto acendia a luz, observando
os olhos dele irem para a mesa de cabeceira, vendo as embalagens e
cascas de banana ali.
— Isso é o que você teve para o jantar? — ele zombou.
— Eu não sabia de onde pedir. Ainda não tenho celular, — lembrei
a ele. — Eu não consegui procurar nada.
— Duquesa, você poderia ter perguntado a alguém, — ele me disse,
as sobrancelhas se unindo.
— Eu venho da cidade, — lembrei a ele. — Ninguém quer ser
perguntado sobre coisas irritantes o tempo todo.
— Esta não é a cidade. Aposto que as pessoas gostariam de apontar
você na direção de algo bom. Não faria mal tentar começar a fazer
conexões agora.
— Eu fui fazer compras, — eu disse a ele, observando-o, embora
ele estivesse mantendo o olhar longe de mim. O que talvez tenha algo a
ver com a minha blusa rosa claro e fofinha... e o frio no quarto.
— Oh sim?
— Eu tenho uma pintura para o meu novo apartamento, — eu disse
a ele, tentando injetar algum entusiasmo em minhas palavras por razões
que eu não entendia.
— Eu vejo isso, — ele concordou, empurrando o queixo em direção
à pintura. — Comece a fazer daqui sua casa, — acrescentou.
— Então, o que está na agenda hoje? — eu perguntei no silêncio
constrangedor após a conversa com a pintura.
— Carro. Móveis.
— Tudo bem? — eu perguntei.
— Tudo bem, — ele insistiu, mas nenhum de nós estava
comprando.
— Você já procurou lugares para comprar móveis e carros?
— Sim.
— Você está bem conversador esta manhã, — eu comentei, a voz
gotejando com um sarcasmo que eu não era geralmente conhecida. Eu
acho que ele estava me esfregando um pouco.

~ 154 ~
— Não dormi, — ele disse, levantando-se, atravessando o quarto
até as janelas, abrindo as persianas para mostrar os primeiros raios de
sol que espiavam o céu escuro. — Você quer tomar um banho antes de
descermos para o café da manhã?
— Estou bem. Tomei um banho ontem à noite.
— Um banho, hein? — ele perguntou, parecendo entender sem eu
ter que dizer a ele que ainda havia um problema com a coisa do chuveiro.
Quando ele não estava por perto, pelo menos. Mas eu acho que ele
acabou de me dizer como viver a minha vida. Porque ele estava prestes a
ficar de fora.
Para sempre.
Minha mão foi para o meu estômago, onde um nó estava se
formando no exato momento em que ele olhou para mim. — Sim, devemos
ver se podemos tirar isso também, — ele disse, encolhendo os ombros.
— Não é um pouco cedo? O médico disse duas semanas.
— Nós vamos dar uma olhada. Normalmente, você não precisa das
duas semanas inteiras. Depende da rapidez com que você se recupera.
Seria melhor se eu fizesse isso.
— Então não há um registro de eu tirando os pontos de uma facada
no meu estômago.
— Exatamente.
— Ok. Você quer verificar agora antes de eu me vestir?
Ele parecia quase triste quando eu saí da cama, mas me deu um
pequeno aceno de cabeça. — Melhor acabar logo com isso.
— Você precisa de alguns suprimentos? — eu perguntei quando ele
não se moveu ou disse mais nada.
— Sim, eu volto, — ele disse, saindo sem outra palavra, me dando
um minuto para entrar no banheiro para escovar os dentes e ajeitar meu
cabelo para cima.
— Não, fique aí, — ele me disse quando saí para encontrá-lo. — A
luz é melhor, — ele acrescentou, espalhando um pequeno kit médico no
balcão. — Puxe sua camisa.
Aquelas palavras normalmente teriam enviado uma onda de desejo
através de mim. Mas bem aqui neste banheiro com aquele silêncio em

~ 155 ~
seu tom, isso me fez sentir fria por toda parte. Arrepios na verdade
subiram pela pele dos meus braços quando minha mão desceu para
puxar minha camisa.
Suas mãos estavam quentes na minha pele gelada, fazendo um
arrepio percorrer meu corpo quando elas tocaram os lados dos meus
pontos.
Eu poderia jurar que ele exalou uma maldição quase inaudível
quando sentiu isso, mas ele manteve a cabeça abaixada, tornando
impossível para mim ver se eu estava certa ou não.
— Eu acho que estamos bem. Eu posso tirar isso. Se você quiser
que eu os deixe, eu vou. Você se cura rápido, duquesa.
A ideia de eles serem tirados estava me deixando tonta. Imaginei
que a sensação seria ainda mais forte se fosse um estranho que estivesse
fazendo isso.
— Vamos fazer isso.
Sua cabeça inclinou-se então, provavelmente ouvindo a trepidação
no meu tom. — Apenas feche os olhos, pegue o balcão e respire fundo.
Isso vai acabar em apenas um minuto, — ele prometeu, o tom um pouco
mais suave de repente, um som que eu realmente sentia falta. — Isso
será frio, — ele me disse enquanto eu seguia suas instruções. — Só para
te entorpecer um pouco, — ele acrescentou enquanto pulverizava algo
que fez meu corpo sacudir o frio. — Respire, — ele me lembrou quando
pareceu começar a trabalhar.
Eu mantive meus olhos fechados.
E enquanto eu estava quase toda entorpecida pelo frio, pude sentir
uma ligeira sensação de puxão quando ele pegou os pontos, cortando e,
presumivelmente, puxando-os para fora.
— Tudo bem, duquesa. Você está pronta, — ele me disse quando
senti algo pegajoso deslizando sobre minha barriga. — Apenas um pouco
de creme antibiótico, — ele me disse. — Você não precisará reaplicar a
menos que você veja alguma infecção ou algo assim. Mas se você manter
limpo, deve ficar bem.
Eu respirei fundo, olhando para a pele que uma vez tinha sido lisa
e sem marcas. Eu tinha conseguido evitar as estrias durante a

~ 156 ~
puberdade, graças ao fato de que eu não fiz muito alongamento na área
do quadril ou do estômago. Mas agora havia uma cicatriz vermelha,
enrugada e de aparência zangada.
— Isso vai desaparecer, — ele me assegurou. — Eu não vou mentir
para você. Você viverá com uma marca aí. Mas ficará mais leve com o
tempo. Menos agressiva. Confie em mim. Eu tenho um monte delas.
— Como no seu peito, — eu imaginei.
— Sim, duquesa, como no meu peito.
— Essas são de balas? — eu perguntei, incapaz de me ajudar.
— Sim.
— As tatuagens as cobrem muito bem.
— Sim, acho que sim. Mas eu não estava tentando escondê-las.
— Eu acho que eles precisariam de sais aromáticos se eu tentasse
fazer uma tatuagem, — confessei, tremendo um pouco com a ideia de
todas aquelas agulhas cutucando minha pele todas as vezes. — Embora
eu entenda o desejo de cobrir cicatrizes.
— Você poderia obtê-lo com laser se você quiser abaixo na estrada.
Você ainda pode não ser capaz de fazê-la desaparecer completamente,
mas poderia aliviá-la mais.
— Eu acho que seria diferente se uma história diferente fosse
anexada a isso, — eu pensei em voz alta. — Algumas pessoas têm
cicatrizes com boas lembranças. Ou até mesmo lembranças engraçadas
ou descuidadas. Essa é apenas feiura do começo ao fim.
— Duquesa, não há uma coisa feia sobre você, — ele me disse,
virando-se para jogar a toalha de papel com os meus pontos, em seguida,
colocando o kit de volta, recusando-se a olhar em minha direção em tudo.
— Se vista. Temos um longo dia. Se você possui uma única coisa que não
grita “corporativa”, isso seria ótimo. Nós faremos um monte de coisas por
aí hoje.
Com isso, ele me deixou sozinha.
Vasculhei até que encontrei a roupa mais casual que pude, um par
de calças de linho pretas de pernas largas e uma camisa listrada preta e
branca de três quartos de comprimento. Eu combinei com a única
rasteirinha que eu tinha que, felizmente, era preta, amarrei meu cabelo

~ 157 ~
e o encontrei no corredor depois que descobri que ele já havia arrumado
meu quarto, deixado uma gorjeta e reembalando minhas malas.
Peguei minha pintura e a bolsa e o segui para o andar de baixo.
Depois de guardar minha bagagem, tomamos o café da manhã
silenciosamente desajeitado, ocasionalmente tentando observar as coisas
mundanas, a comida, o clima, a cidade. Eu principalmente dei grunhidos
e respostas de uma palavra a ele.
— Primeiro o carro, — ele me disse, a primeira vez que ele juntou
duas palavras a manhã toda. — Dessa forma, temos dois veículos para
comprar a merda para a casa.
Soava cada vez mais como uma tarefa a cada minuto, quando
deveria ser algo pelo menos um pouco excitante, montar minha casa.
Mesmo se a situação não fosse ideal. Eu ainda deveria ter encontrado
algum pequeno senso de prazer nisso.
Sua atitude estava apenas tornando isso impossível.
— Muitos porta-copos, — o vendedor de carros usados me disse
alegremente, fazendo com que meu ânimo já azedo tornasse ainda mais
azedo. Porque a única coisa que eu poderia querer no meu carro era mais
porta-copos. Ele também mencionou o espelho iluminado. Mas ele falou
sobre tração nas quatro rodas e cilindros com Gunner.
Não era uma coisa de Nevada, o sexismo velado.
Eu tinha experimentado mais do que a minha parte justa no
mundo dos negócios. Ser interrompida durante as reuniões. Foi dito que
estava ficando emocional quando tudo o que eu realmente estava ficando
era puta porque sabia que não estava sendo levada tão a sério quanto
alguns dos ternos na sala.
Sempre irritou.
Mas por alguma razão, eu não aceitaria isso hoje de manhã.
— Você também vai me dizer como o volante é bom e fino para
minhas mãos delicadas e elegantes? — eu perguntei, cortando seu
discurso sobre onde todos os seis porta-copos estavam localizados. Em
seu olhar estupefato, pude finalmente ver a parede de Gunner caindo um
pouco, seus olhos se iluminando, seus lábios curvados para cima. — Ou

~ 158 ~
como é automático, por que meu débil cérebro de senhora não consegue
descobrir como mover uma alavanca de marchas?
Elevando-se ligeiramente sobre o ombro por trás do revendedor,
Gunner levantou a mão, enrolou-a em uma garra e fez um silêncio para
mim.
— Sinto muito, minha senhora, eu não quis ofender.
Ugh.
Uma 'senhora' também.
Esse era o dia típico.
— Tudo bem. Prepare os papéis. Eu aceito, — eu disse, acenando
com a mão para o SUV branco pérola que era maior do que qualquer
coisa que eu já tinha dirigido antes, mas imaculado, tinha baixa
quilometragem e uma marca que tanto eu e Gunner confiávamos.
— Isso foi... interessante, — Gunner disse quando saímos quarenta
minutos depois com as chaves na mão.
— Ele estava sendo condescendente.
— Sim, um pouco. Mas você foi toda destruidora de bolas sobre ele.
Estou impressionado. É raro você perder a calma.
— Parece que eu estou com um pavio curto hoje, — eu disse,
parando ao lado do meu carro novo. O que, mais uma vez, deveria ter me
enchido de excitação. Mas, novamente, apenas senti como outra tarefa
marcada de uma lista.
— Esse é o meu aviso então, huh? — no que tinha que ser um olhar
vazio no meu rosto, ele continuou: — Para não te chatear.
— Bem, você poderia certamente tentar, — eu disse, sorrindo um
pouco. — Mas acho que nós dois sabemos que você vai fracassar.
— Parece certo, — ele concordou, passando a mão pela nuca. —
Tudo bem, então você quer me seguir até a loja para a mobília?
— Esse é o tipo de lugar onde eu tenho que pedir e esperar?
— Não. Quero dizer, podemos acertar um desses também, mas
imagino que você queira tanto quanto possível, o mais rápido possível.
— Soa como um plano, — eu concordei, pulando no meu carro,
esperando que ele entrasse no dele, depois nós dois indo embora.
Outro pouco de distância.

~ 159 ~
Mais separação.
Tudo estava se tornando muito real.
— Você fala sério?
O olhar de nojo puro, puro e masculino foi o suficiente para
finalmente levantar o meu humor cada vez mais delicado enquanto
permanecíamos sob as luzes fortes de uma grande loja de usados,
olhando para a sala de estar em exibição.
— Sim. Por que eu não falaria?
— É duro como uma pedra, por exemplo.
— E para dois? — eu perguntei, sabendo que não era tudo.
— É branco.
— É creme, — eu corrigi, passando a mão sobre o sofá macio e
estilizado.
— Você não pode comer ou beber nada. Vai manchar se um simples
macarrão cair nele.
— E é por isso que as pessoas devem comer na... — e eu sei que
isso é um conceito tão estranho, —... mesa de jantar.
— Você não tem espaço para uma mesa de jantar, — ele retrucou.
— Há espaço para colocar isso, — eu disse, acenando com a mão
para uma mesa de console branca e dourada. — Eu posso apenas pegar
algumas cadeiras.
— E o quê? Mas contra a parede?
— Se eu tiver.
— Você deveria ter olhado mais apartamentos.
— Aquele está bem, — insisti, pegando um abajur e colocando-a no
carrinho.
— Você está se comprometendo.
— Tudo nesta nova vida vai parecer um compromisso por um
tempo, — eu disse a ele, encolhendo os ombros. — Mas eu vou me
acostumar com isso.
Ele balançou a cabeça, claramente não gostando. — Tudo bem. Eu
vou fazer com que eles me tragam o sofá, mesa de café, e aquela mesa de
jantar falsa até a frente. Por que você não vai pegar alguns pratos e
merda?

~ 160 ~
E, novamente, nós fomos de modos diferentes.
No final, eu consegui coisas básicas de cozinha, suprimentos para
banheiro, uma TV e controle remoto, alguns livros, os poucos
suprimentos de arte que eu poderia encontrar, e alguns itens para a
despensa.
— Eu não preciso de nada aqui, — eu disse quando Gunner parou
seu carrinho, já que cada um tinha um neste momento, ao lado da seção
de roupas femininas.
— Sim, você precisa, duquesa.
— Eu tenho roupas.
— Você tem cerca de uma semana de roupas. E elas são muito
extravagantes para ir fazer compras e outras merdas.
— Eu costumava... fazer compras e outras merdas nessas roupas
o tempo todo.
— Na cidade.
— Eu tenho outras roupas.
— Mas eu não sei em quanto tempo eu posso enviá-las para você.
Basta escolher alguma merda. Eu prometo que isso não vai fazer sua pele
derreter. Além disso, eu acho que parte dessa merda é de grife.
Ele não estava errado.
Os grandes designers estavam cada vez mais nos mercados de
varejo.
Não era realmente sobre o nome na etiqueta para mim, apenas a
qualidade, o estilo.
Mas decidi respirar fundo, ele estava certo, eu precisava de mais
roupas. E eu provavelmente precisava de roupas mais descontraídas.
Então, passei quase uma hora escolhendo artigos básicos, sapatos
e pijamas.
— Nem uma palavra, — eu disse a ele quando ele me deu um olhar
quase dolorido quando parei para pegar meias. — Você foi quem me disse
para comprar roupas.
— Eu estava errado. Incrivelmente, incrivelmente errado.
— É muito tarde agora. Você não pode voltar no tempo, eu disse a
ele com um sorriso quando finalmente andamos para o caixa, pegando

~ 161 ~
nossos itens maiores, em seguida, puxando nossos carrinhos na frente
para carregar tudo dentro.
Quando terminamos, não havia um centímetro de espaço em
nenhum dos nossos carros e estávamos indo em direção ao meu novo
apartamento.
— Eu te devo o jantar, — eu disse a ele depois de finalmente ter
levado tudo, e ele reuniu o que precisava ser montado, enquanto eu dava
a todo o espaço uma boa limpeza.
— E sobremesa. E uma bebida, — ele concordou, estendendo a mão
para limpar um pouco de suor de sua testa, algo que eu nunca teria acho
sexy antes, mas estava achando difícil me impedir de ofegar.
— Se eu correr para o mercado bem rápido, posso conseguir os
suprimentos para fazer algo para você.
Eu tinha a sensação de que seria a última vez que eu teria a
chance. Eu estava resolvida. Esse foi o negócio, certo? Me trazer aqui. Me
conseguir um carro e um apartamento. Ajudar-me a preencher as coisas.
Tudo isso foi feito. Sua parte foi feita.
Lá estava de novo aquela pontada.
Afiada, profunda, insistente.
Ridícula, claro.
Mas lá.
Eu me perguntei quanto tempo eu teria que viver com isso.
— Se importa se eu tomar um banho enquanto você estiver fora?
— ele perguntou, parecendo cansado e suado.
— Vá em frente, — eu concordei, tentando não imaginar isso. Falhei
epicamente. Então me levei para o supermercado para pegar suprimentos
para o jantar.
— Por que estou vendo tantos legumes? — ele resmungou comigo
quando finalmente saiu do chuveiro, vestido em algo que ele deve ter
pegado em seu carro, jeans e uma camiseta branca que parecia muito
boa esticada sobre o peito largo. — E sem queijo?
— Suas artérias vão me agradecer, — eu disse a ele enquanto eu
cortava quatro cores diferentes de pimentas, simplesmente porque eu
achava que ficaria bonito. — Estou fazendo uma carne salteada, —

~ 162 ~
acrescentei, acenando com a mão para a panela que compramos antes,
onde a carne estava fervendo, esperando pelos outros ingredientes.
— Tudo bem. Você ganha de volta alguns pontos com a carne, —
ele me disse, parado muito perto, cheirando muito intimamente com os
meus produtos de banho grudados em seus cabelos e pele.
— Eu também tenho álcool, e eu parei na padaria para pegar a
sobremesa. Eu não tenho muita experiência com forno, — eu admiti,
encolhendo os ombros, mas de repente eu fiquei muito triste com esse
fato. Era muito Susie Homemaker13 e, portanto, não como eu. Mas eu me
encontrei querendo cozinhar para ele.
— O que você conseguiu? — ele perguntou, servindo um copo de
uísque para si mesmo, depois colocando vodca em outro copo,
supostamente para mim, enfiou a mão na geladeira e pegou um suco de
amora que ele tinha me visto pegar mais cedo.
— Brownies e cupcakes. Você só tem que correr dois ou três
quilômetros extras amanhã para resolver isso.
Com isso, eu cozinhei. Ele se moveu ao meu redor, tirando as
etiquetas das coisas, desembrulhando e desembrulhando outras coisas,
me ajudando a arrumar a casa enquanto conversávamos casualmente
sobre a cidade, sobre as vagas de trabalho que Jules havia enviado para
mim (junto com as informações sobre como entrar no dito e-mail) para
olhar quando eu estiver pronta.
Eu tinha tempo, ele me lembrou. Eu tinha um ninho agradável
para viver por um tempo, se eu não encontrasse nada que eu gostasse
imediatamente.
— Acho que vou ficar louca se não trabalhar, — admiti. — Eu
sempre trabalhei. Eu não acho que saberia o que fazer comigo mesma se
não trabalhasse.
— Desenhe. Pinte. Faça merda que te faça feliz.
— O trabalho me fez ...

13 A Suzy Homemaker era uma linha de eletrodomésticos de brinquedo em miniatura


produzidos pela Topper Toys e lançada em 1966.

~ 163 ~
— Segura, — ele me cortou. — O trabalho fez você segura, não feliz.
Algumas pessoas acham fácil confundir os dois.
Ele não estava exatamente errado sobre isso. Eu tinha, em algum
lugar ao longo da linha, começado a confundir segurança com alegria.
Porque isso significava que eu nunca teria que ir para a cama com fome
novamente. Isso significava que eu nunca teria que usar roupa de
segunda mão ou roupas da Boa Vontade. Isso significava que ninguém
poderia me confundir com aquela menina maltrapilha que eu era
enquanto crescia.
Porque me senti bem em ter um estômago cheio, poder pagar o que
quisesse, ser respeitada.
Mas isso não era exatamente felicidade, era?
Contentamento, talvez.
Segurança, absolutamente.
Mas não felicidade.
Se você perguntasse, eu não poderia dizer quando foi a última vez
que estive realmente feliz.
Honestamente, o mais perto que cheguei foi quando ele me segurou
na cabana, quando me segurou quando eu estava bêbada, quando tirou
minhas paredes do seu caminho para que ele pudesse ver o interior.
Pequenos sabores de algo que eu nunca teria novamente.
Esse pensamento parecia assegurar que eu não conheceria muita
felicidade por um tempo.
— Eu pretendo desenhar e pintar, — eu disse a ele. — Tenho alguns
suprimentos. Eu acho que há uma loja de artesanato a alguns
quarteirões de distância também. Eu posso estocar se eu não encontrar
um emprego imediatamente.
— Bom. Isso é bom, — ele disse com aquela voz suave. E que me
deixava fraca e necessitada, mas sua aprovação fez minha barriga ficar
líquida. — Cheira bem, — ele me disse meia hora depois, enquanto
estendia meus novos pratos para eu encher.
— Foda-se, duquesa, — ele disse depois de limpar o prato pela
segunda vez, esfregando a mão sobre o estômago, enchendo-me com uma

~ 164 ~
onda de orgulho feminino primal por tê-lo alimentado, dado a ele aquele
pequeno prazer. — Isso foi um estouro mesmo sem queijo.
— E com todos os legumes, — acrescentei, sorrindo.
— Isso também, — ele concordou. — Não, deixe isso. Eu vou lidar
com isso mais tarde, — ele me disse quando fui pegar os pratos. No meu
olhar confuso, ele deu de ombros. — Temos mais alguns filmes Fast &
Furious para terminar, não é?
E assim nós fizemos.
E então eu tive que admitir depois do sexto filme que ele estava
certo, o sofá não era exatamente tão confortável. Mas tinha a vantagem
de ser agradável e pequeno. Acolhedor. Significava que as quatro horas
inteiras que sentamos lá, estávamos tocando de ombro a joelho.
Isso estava causando estragos no meu sistema desde o momento
em que nos sentamos.
Quando meu traseiro não aguentava mais as almofadas duras e eu
puxei minhas pernas para sentar de pernas cruzadas, meu joelho subiu
em sua coxa.
Houve um segundo de nada, apenas um silêncio tenso, só me
perguntando se eu deveria me afastar.
Mas então sua palma larga apertou meu joelho, apertando e depois
permanecendo lá.
Não foi até que os créditos rolaram que minha cabeça finalmente
se virou, olhos questionando. Sentindo-os, sua cabeça virou. Os escudos
desapareceram completamente. Tudo o que restou foi puro, não diluído,
algo que senti profundamente dentro de mim também. Sua mão deslizou
lentamente pela minha coxa, curvando-se para fora no último segundo
possível para afundar no meu quadril, puxando, enquanto sua outra mão
subia para deslizar em volta do meu pescoço, puxando também.
Não havia nem mesmo uma sugestão de resistência, de segundas
intenções, de lógica quando me levantei e me movi para montar nele.
Seu braço foi ao redor da minha parte inferior das costas,
esmagando-me em seu peito enquanto meus lábios pressionavam os dele.
Naquele momento, tudo se derreteu.
Tudo.

~ 165 ~
Meu passado.
O dele.
Os escudos que ambos tentamos manter quando melhor se
adaptaram às nossas inseguranças.
O fato de que nós dois sabíamos disso era passageiro, que neste
momento, esta noite, isso era tudo que poderíamos ter.
Tudo o que existia era o aqui e agora.
A pressão de seus lábios enquanto ele aprofundava o beijo, o jeito
que as pontas de seus dedos deslizaram para cima para que pudessem
deslizar para o meu cabelo na minha nuca, a sensação do seu corpo duro
contra o meu mais suave, o som e a vibração de um grunhido baixo e
primal enquanto se movia através de seu peito e no meu.
Isso era tudo que havia no mundo
Os sentimentos.
O acerto deles.
A mistura estranha de calma e alegria que me atingiu
simultaneamente, misturando-se com o desejo que era como um fio vivo
através do meu corpo, criando uma combinação inebriante que não havia
nenhuma palavra que eu estivesse ciente de que poderia fazer justiça.
Sua língua moveu-se para dentro para reivindicar a minha, tirando
um gemido gutural de mim quando um arrepio percorreu meu corpo,
fazendo seus dedos apertarem minha pele.
Quando suas mãos procuraram a bainha da minha blusa, meus
braços subiram, meus lábios se afastaram, permitindo que ele
lentamente arrastasse o material para cima, expondo a minha pele
centímetro por centímetro para a fome já em seus olhos.
Uma vez que foi descartado no chão, minhas mãos gananciosas
puxaram para ele também, um pouco mais desajeitadamente do que o
dele, um pouco frenético demais para ser suave ou mesmo sexy, apenas
carente, apenas desesperado para sentir sua pele em minha pele, obter o
que nós dois estávamos querendo quase desde que nos conhecemos.
Minhas mãos estavam em seu peito mesmo enquanto ele ainda
estava jogando a camiseta no chão, os dedos traçando as tatuagens lá,

~ 166 ~
imaginando fugazmente se elas tinham significados, significado pessoal
para ele, desejando que eu pudesse saber o que era se tivessem.
Minha ponta do dedo brincou timidamente sobre um dos buracos
de bala levantados e enrugados em seu peito, um momento de parentesco
passando por mim, sabendo que não havia muitas pessoas que
conheciam a sensação do ódio de um inimigo perfurando buracos em sua
pele, conhecia o medo de imaginar se você poderia fazer isso.
De mundos tão diferentes, nós de alguma forma tínhamos muito
em comum.
— História antiga, — a voz de Gunner roncou quando, eu imaginei,
meus olhos começaram a transmitir algo do que estava sentindo.
Com um pequeno aceno de cabeça, minha mão moveu-se sobre os
fortes músculos do peito dele, depois para os ombros, fascinada pela
maneira como pareciam tensos sob meus dedos.
Suas mãos também não podiam ficar quietas, subindo pela minha
espinha para encontrar os fechos do sutiã, soltando-os com uma
facilidade prática, dedos deslizando para cima para prender as alças,
deslizando-as pelos ombros, depois pelos braços, até que se afastaram
fora dos meus pulsos e mãos, descartado ao lado do sofá.
— Foda-se, — ele rosnou enquanto seus dedos tremiam ao meu
lado para cobrir meus seios, pequenos em geral, eles pareciam menores
em suas palmas gigantes, a pele um pouco áspera e calejada enquanto
reclamava as ondas suaves e sensíveis.
Meus quadris se apertaram sobre ele em resposta, sentindo o
contorno duro de seu pênis lutando contra os limites de seus jeans,
pressionando onde eu mais precisava, fazendo minha cabeça cair para
trás em um gemido.
Seus dedos apertaram e rolaram os pontos endurecidos antes de
seus dedos plantarem nas laterais, me arrastando para cima e para frente
para que seus lábios pudessem se fechar em torno de um.
Carente, além da razão, meus quadris começaram a se mover
através de sua dureza, alimentando meu desejo, prometendo um fim para
o tormento do desejo não realizado agitado em meu núcleo.

~ 167 ~
Sua cabeça moveu, reivindicando o outro mamilo por um momento
antes de seus lábios reivindicarem os meus novamente, tomando tudo o
que eu ofereci, exigiram mais, até que eu estava choramingando contra
eles, implorando por mais.
Suas mãos deslizaram pelas minhas costas para afundar na minha
bunda, agarrando com força quando ele se moveu para ficar de pé, me
segurando contra ele enquanto se movia através do meu pequeno
apartamento em direção ao quarto.
Era o menos decorado dos cômodos, apenas uma luz feia no teto,
um armário e a cama que precisávamos nos contentar porque era tudo
que a loja tinha em estoque, uma armação de metal sem cabeceira nem
pés. Mas o colchão era uma espuma espessa e confortável. O conjunto
de roupa de cama era uma cor champanhe rosa que Gunner tinha
ridicularizado, mas eu pensei que era muito suave e simples.
Ele se virou quando chegou ao limite, dobrando-se lentamente para
frente, me colocando de volta no colchão com o maior cuidado, como se
eu pudesse quebrar se ele não o fizesse.
Não parecia um homem tão forte quanto ele poderia ser tão suave,
mas ele podia. E isso fez minhas entranhas se dissolverem.
Ele puxou um pouco contra o meu aperto, exigindo um pouco de
espaço, permitindo que seu corpo deslizasse para que seus lábios
pudessem pressionar meu pescoço, descendo lentamente, irritantemente
devagar, provocando o centro do meu peito, minha barriga.
Ele se mexeu uma vez que alcançou meu umbigo, seus lábios
pressionando suavemente o centro da minha cicatriz feia e crua, de
alguma forma suavizando meu sentimento em direção a um gesto tão
doce.
Mas todas as ideias de doce voaram para fora da minha mente
quando ele encontrou o caminho de volta para o centro do meu estômago,
sua mão descendo para começar a puxar minhas calças pelas minhas
coxas, joelhos e depois minhas pernas, me deixando em nada além de
uma calcinha de renda preta e branca à sua frente.
Seus dedos provocaram o interior das minhas coxas, persuadindo-
as a abrir, provocando sobre os pontos super macios no topo.

~ 168 ~
A próxima coisa que eu sabia, sua boca estava se fechando sobre a
minha fenda, sua língua pressionando meu clitóris através do material
áspero da minha calcinha.
Minhas mãos bateram em suas costas, os dedos arranhando, um
indo para a parte de trás do seu pescoço, implorando por mais.
Respondendo a minha demanda, a mão dele deslizou, movendo minha
calcinha para o lado, chupando meu clitóris em sua boca por um longo
segundo, o suficiente para fazer minhas costas arquearem no colchão,
antes que sua língua começasse a se mexer, rápido, implacável. .
— Não pare, — eu me ouvi implorar, pés plantado, joelhos subindo,
quadris subindo para encontrar sua boca faminta. — Não, — eu
choraminguei quando ele se moveu de repente, mão arrastando minha
calcinha para baixo.
— Shh, — ele exigiu suavemente.
Seus dedos se moveram de volta até minha coxa, traçando a
costura onde ela encontrava meu quadril antes de descer, deslizando
entre meus lábios e empurrando dentro de mim.
— Porra, — ele rosnou novamente, plantando a outra mão ao lado
do meu ombro para que ele pudesse me assistir. — Era isso que você
estava imaginando? — ele perguntou quando seus dedos começaram a
empurrar preguiçosamente. — De volta à cabana naquele dia? — ele
perguntou, fazendo a memória do que ele estava falando atirar na minha
mente com clareza cega. — Não, shh, — ele exigiu novamente quando eu
comecei a endurecer. — Não fique tensa, — ele acrescentou. — Foi
quente, — continuou. — Ouvir isso, sabendo que você estava pensando
em mim tocando você assim, me deixou duro como uma merda de rocha,
— ele me disse. — Mesmo depois que eu pensei que tinha acabado de
tirar você do meu sistema enquanto eu estava no chuveiro.
— Gunner... — eu comecei, então me engasguei com um gemido no
final, sem ter certeza do que estava prestes a dizer.
— Isso soa bem, — ele disse com a voz rouca. — Soará melhor
quando eu estiver dentro de você.
— Gunner, por favor, — eu implorei, minhas mãos descendo pelos
lados para deslizar para frente de suas calças, soltando-as, alcançando o

~ 169 ~
interior. Minha mão mal chegou a tocar a cabeça dura de seu pênis antes
de ele de repente se afastar de mim, levantando-se para a altura total,
olhando para mim enquanto empurrava sua calça jeans para fora de seus
quadris. Com um deslize, ela caiu no chão, deixando-o em uma cueca
boxer azul-marinho que não fez nada para esconder seu pênis ereto.
Deslizando para baixo, ele passou a mão pela ponta antes de
chegar para arrastar o cós para baixo.
Meu sexo vibrou quando uma estranha sensação de turbilhão
passou pela minha barriga.
E em apenas alguns segundos, ele estava nu diante de mim.
Eu decidi então e ali que nada poderia ser tão impressionante
quanto ele.
Sua mão se moveu para baixo, agarrando seu pênis, acariciando-o
uma vez enquanto ele olhava para mim antes de se inclinar um pouco,
tirando a carteira do jeans, pegando uma camisinha, fazendo um curto
trabalho para nos proteger antes de descer de novo, os lábios contra a
barriga. A língua no centro, o hálito quente nos meus mamilos
endurecidos, cada toque, lambida, beijo, suspiro, rosnado, enviava
arrepios pela superfície da minha pele, fazendo a pressão do desejo na
minha parte inferior do estômago quase doloroso de suportar.
— Gunner, por favor, — eu implorei novamente, com as pernas
dobradas em suas costas, puxando seu corpo corado com o meu, os
dedos cavando em seus ombros.
— Por favor, o que, querida? — ele perguntou, voz toda rouca no
meu ouvido enquanto sua língua traçava o lóbulo.
— Eu preciso de você dentro de mim, — eu disse a ele,
pressionando os lábios em sua garganta.
Seu pau deslizou entre os meus lábios, apenas alimentando meu
desejo por um longo momento antes que eu sentisse a cabeça larga
pressionada contra onde eu mais precisava dele, parando quando ele
levantou a cabeça para olhar para mim antes de afundar dentro com um
leve aperto.

~ 170 ~
— Como isso? — ele perguntou uma vez que ele foi enterrado
profundamente, a voz forçada quando seu corpo ficou ainda mais rígido
contra o meu, tentando manter o controle.
— Sim, — eu gemi, esfregando meus quadris para cima dele,
precisando do atrito, precisando do esquecimento que ele estava me
prometendo.
— Você é tão apertada, porra — ele rosnou, puxando de volta antes
de pressionar completamente dentro de novo, tomando cada centímetro,
reivindicando-me de uma maneira que eu tinha certeza que eu nunca
tinha sentido antes.
Sexo era sexo.
Isto? Isso era mais.
Isso era algo diferente.
Isso era algo que eu não tinha nome.
Porque eu tinha certeza de que nunca sentira isso antes.
Tudo parecia novo. Toda sensação mais forte, aumentada, mais
intensa, diferente de qualquer coisa que eu já conheci.
Mesmo quando seus impulsos ficaram mais rápidos, mais duros, à
medida que as exigências de nossos corpos tornavam lento, doce e
amoroso impossível, parecia novo, excitante, como algo precioso que eu
queria lembrar a cada segundo.
— Goze para mim, Sloane, — ele exigiu, voz nada além de um
chiado profundo, um apelo desesperado. — Deixe-me sentir você apertar
meu pau, — ele acrescentou enquanto minhas paredes apertavam com
mais força, enquanto suas palavras pareciam me empurrar ao limite. —
Goze, — ele me disse novamente.
O mundo ficou branco quando meu orgasmo caiu através de mim,
me fazendo chorar alto o suficiente para minha garganta doer, meu corpo
inteiro ficando tenso enquanto minhas paredes se apertavam ao redor
dele.
— Lá vai você. Eu tenho você, — ele prometeu enquanto continuava
empurrando através dele. — Dê tudo para mim, — ele acrescentou
quando eu sufoquei no final de gritar seu nome, enterrando meu rosto
em seu pescoço enquanto a pulsação final, profunda e quase dolorosa se

~ 171 ~
movia através de mim. — Porra, Sloane, — ele rosnou quando bateu
fundo, gozando tão duro, parecia, como eu tinha acabado de fazer.
Seu peso desceu completamente em mim, o rosto enterrado no meu
pescoço, o batimento cardíaco pulsando no meu peito, onde o meu
próprio estava em um ritmo frenético.
Meu corpo ficou quase entorpecido por um longo momento depois,
antes de uma estranha sensação de tremor começar a se mover através
de minhas entranhas, me fazendo tremer.
— Sensível, — disse Gunner, pressionando-se, olhando para baixo,
parecendo absorver a confusão no meu rosto. — Já faz um tempo, — ele
me lembrou como se eu pudesse ter esquecido. — Você está apenas...
trabalhando, — acrescentou. — Vamos lá, — ele exigiu, lentamente
deslizando para fora de mim, em seguida, empurrando-me mais para
cima na cama. — Eu já volto, — ele prometeu, saindo do meu quarto para
o banheiro, me dando uma ótima visão de sua bunda perfeita e
musculosa enquanto ele andava.
Sozinha, deslizei para debaixo das cobertas, imaginando que talvez
estivesse com frio e possivelmente querendo encobrir um pouco.
Gunner estava de volta em um momento, ainda gloriosamente, sem
vergonha nenhuma, nu, dando a volta no outro lado da cama, levantando
os lençóis com uma repulsa puramente masculina no rosa, depois
deslizando para dentro.
— Venha aqui, — ele exigiu, enrolando um braço debaixo dos meus
travesseiros, em seguida, puxando-me em direção a ele até que eu
estivesse aninhada contra seu peito, sua pele quente e conforto imediato,
tirando a tensão do meu corpo. — Respire, duquesa, — ele me lembrou,
os dedos tremendo na minha espinha antes de subir, brincando com o
meu cabelo. Não foi até que senti que caiu em torno dos meus ombros
que percebi que ele estava soltando meu cabelo.
— Ei, — eu me opus, virando minha cabeça em seu peito para ver
seu queixo se abaixar para que ele pudesse olhar para mim.
— Eu gosto assim, — ele me disse, encolhendo os ombros quando
outro tremor menor passou por mim. — Você está bem? — ele perguntou,

~ 172 ~
sua maneira um tanto brusca de querer ter certeza de que eu estava bem,
que não estava tendo uma crise existencial sobre a coisa toda.
— Sim, — eu concordei, virando a cabeça para trás para que ele
não pudesse ver o sorriso, o sorriso verdadeiro, completamente,
incomumente feliz que curvou meus lábios até minhas bochechas
doerem. — Eu estou bem.
E eu estava.
Perfeita mesmo.
Os tremores diminuíram.
Suas mãos, respiração, batimento cardíaco, calor e força me
embalaram lentamente para dormir.
Eu acordei sozinha.
Como uma parte de mim sabia que eu acordaria.
Os pratos foram lavados.
Meu arquivo estava no balcão.
E ele foi embora.
Para sempre.

~ 173 ~
Gunner

Eu era tão idiota.


Eu sabia.
Eu sempre soube disso.
Mas isso nunca me incomodou antes.
Antes de sair de debaixo de uma Sloane pacificamente adormecida,
seu corpo era macio, quente, flexível, muito tentador, recolhi minhas
roupas, lavei os pratos do jantar e fiquei sem ações para fazer. Para
ocupar meu tempo. Arrastar isso. Atrasar o inevitável.
Eu tenho que ir.
Eu deveria ter ido antes.
Antes que eu conhecesse o gosto dela, o toque dela, os sons que ela
fazia enquanto eu estava dentro dela, o jeito que ela chorou meu nome
quando gozou.
Eu deveria ter ido antes disso.
Eu sabia disso quando nos sentamos no sofá.
Eu sabia disso, mas não consegui parar.
Eu não pude evitar.
Eu nem tentei lutar contra isso.
Mesmo sabendo que tinha que sair.
Eu poderia esperar.
Até que ela acordasse, então eu poderia explicar.
Mas eu me perdi. E o que havia para dizer?
Eu preciso sair agora. Depois de dormir com você. Como um idiota
comum.
Não havia uma maneira de suavizar o golpe.
Então eu nem tentei.
E eu me senti como uma merda sobre isso.

~ 174 ~
Durante os cinco dias que levei para dirigir de volta para a porra
de Navesink Bank. Enquanto tentava me acomodar, encontrei meu ritmo
normal.
— Saia.
Essa foi Jules, enquanto estava na minha mesa, deixando cair uma
pilha de arquivos que estavam sendo trabalhados por todos os membros
da equipe, então eu poderia ficar atualizado.
— O quê? — eu perguntei, virando a cabeça para encontrá-la ali,
seu cabelo vermelho puxado para trás de uma maneira que era severa,
mas com suas feições delicadas, de alguma forma ela conseguiu suavizar.
Sua mão estava no quadril em sua calça cinza, algo que eu notei que ela
só fazia ao meu redor.
— Eu disse para sair.
— Sair o quê?
— Daqui. Saia.
— Por quê?
— Porque todo mundo está cansado de você sendo grosseiro e
rosnando o tempo todo.
— Eu sou sempre grosseiro, — eu respondi, acenando para os
comentários dela.
— Verdade. Mas isso é um novo extremo. Eu não sei o que
aconteceu entre você e a bonita Blythe-Meuller. E, — ela falou sobre mim
quando fui interromper, — eu não quero saber. Mas eu sei que o que quer
que tenha acontecido está deixando você mais puto do que o normal. E
enquanto todo mundo parece estar apenas ignorando isso, ou evitando
você, eu não tenho tanto luxo, eu tenho que lidar com você, então faça
um favor a nós dois e saia.
— Eu preciso trabalhar.
— Você não tem casos. Todo mundo tem lidado bem com seus
próprios casos sem você. Tire férias. Ou simplesmente sente-se em sua
casa sendo infeliz. Eu não me importo. Só não fique aqui.
Para ser justo, Jules não estava sendo uma vadia.
Eu na verdade estava sendo um idiota.
Eu reconheci isso.

~ 175 ~
Eu simplesmente não conseguia conter isso.
— Tudo bem, — eu rosnei, fechando o arquivo que eu estava
olhando, pegando meu celular e saindo do meu escritório.
— Jules, — Kai disse quando ela saiu atrás de mim, sua voz quase
bruta, um tom que você raramente o ouvia usar em alguém, muito menos
em Jules.
— Eu sei, eu sei, — ela disse, encolhendo os ombros para ele. —
Eu deveria manter minha boca fechada.
— Sim, — ele concordou, mas seus lábios estavam virados para
cima, — você deveria.
— Vocês acabaram de falar de mim como se eu não estivesse aqui?
— eu perguntei, pegando minha jaqueta do armário ao lado da porta.
— Ei, você sabe... você ainda não checou os celeiros e os animais.
É bom desligar, e ir embora às vezes, — Kai me disse, me dando uma
direção que eu claramente precisava.
— Sim, — eu concordei, acenando enquanto encolhi os ombros em
minha jaqueta, andando para fora pela porta.
Eu enlouqueci em casa, incapaz de parar de pensar nisso.
Sobre ela.
Sobre o que deve ter acontecido quando ela acordou.
Sozinha.
Ela teria percebido a realidade imediatamente? Sentia o lado vazio
da cama onde eu estava, e soube que tinha ido embora? Ou ela tropeçava
na cama, naquele roupão de seda que não deveria ser sexy, mas
inegavelmente era, vagando pelo apartamento procurando por mim,
talvez esperando que eu estivesse tomando café, ou fazendo café da
manhã, pensando em compartilhar outra refeição, conversando na mesa,
levando-a de volta para a cama ou ali mesmo na sala de estar.
Era difícil imaginar a reação dela, como ela se deixaria reagir a isso.
Às vezes, ela simplesmente mostrava o que estava acontecendo lá dentro.
Outras vezes, ela fechava tudo, trancava, não deixava sair.
Claro, nós dois sabíamos que esse dia chegaria, mas ela ficaria
ainda mais incomodada com isso porque veio na manhã depois que fomos
para a cama?

~ 176 ~
Ou era mais inteligente cortar os laços antes que eles pudessem
nos envolver mais apertados?
Ela seria capaz de racionalizar dessa maneira?
Ou ela apenas se sentiria usada?
O último pensamento tornou meu cuspe azedo, fazendo-me ter que
engolir de volta.
Eu não queria que ela pensasse isso. Que eu a usei. Que ela era
apenas uma postura conveniente. Eu poderia conseguir isso em qualquer
lugar. Na verdade, preferia mulheres que eram praticamente estranhas
para ir para a cama, não aquelas que eu tinha passado quase todo o
tempo em uma semana, não uma que eu tinha conhecido melhor do que
conhecia alguns dos meus colegas de trabalho que tinham sido como a
minha família por anos.
Geralmente, eu ficava por alguns dias. Até que eles estivessem
resolvidos. Nem sempre ao lado deles, mas na mesma cidade, checando,
certificando-se de que eles estavam se ajustando, e não ligando para
contatos antigos ou coisas assim.
Não que Sloane realmente tivesse algum.
Eu me perguntava enquanto arrumava uma mala nova e a jogava
no meu carro, se isso tornava a transição mais fácil ou mais difícil para
ela. Será que ela se sentiria como se fosse a mesma coisa, mas em uma
nova cidade com novos rostos? Ou isso a deixaria ainda mais consciente
de quão sozinha ela estava, como sua vida poderia ter sido invocada por
um estranho.
Dirigir para sair de Jersey era uma coisa que eu poderia fazer no
piloto automático. As mesmas estradas. As mesmas vistas. Uma hora em
que minha mente não podia fazer nada além de trabalhar em círculos
sem fim.
Não foi até que eu vi a sinalização que eu tive que parar e me
concentrar.
O Pine Barrens.
Um milhão e meio de hectares de terras reservadas densamente
povoadas por árvores e quase sem habitantes humanos.
A menos que você fosse como Ranger.

~ 177 ~
Segurando um dedo para a lei.
Construindo seu lugar bem no meio deles em algum lugar.
A parte em algum lugar era o que me fez ficar parado em uma das
estradas improvisadas de areia, olhando em todas as direções, tentando
lembrar o caminho para o seu rancho.
Com um encolher de ombros, sabendo que meu telefone não iria
funcionar mesmo se eu pudesse ligar para ele e obter uma resposta, eu
peguei a estrada até o fim, como eu parecia lembrar de ter que fazer,
então dirigi para estacionar entre árvores, peguei minha merda e decidi
para levá-la a pé.
Se nada mais, eu iria encontrar uma maneira de manter minha
mente ocupada com a sobrevivência se eu não pudesse encontrá-lo.
E fora de Sloane.
Passaram-se quatro horas até que finalmente vi sinais dos quais
me lembrava, um lago seguido por uma certa linha de árvores altas do
Atlântico White Cedar Swamp.
Outros quinze minutos depois, vi o contorno da casa.
Pequena.
De madeira.
Com alguns reforços de tijolos para mantê-la robusta, algumas
janelas, um telhado feito do que pareciam ser telhas de cerâmica, uma
fileira de painéis solares, uma enorme pilha de madeira que ele usava
para aquecer o lugar quando estava frio.
O latido me encontrou primeiro.
Como seria de esperar.
Porque o Ranger tinha cachorros.
Muitos cachorros.
Cães que foram entregues para serem destruídos porque foram
considerados perversos e incapazes de serem reabilitados em uma família
normal.
Eu perguntei a Quin uma vez porque ele levava clientes, muitas
vezes clientes muito ricos e muito importantes, para esse lugar em volta
de um bando de cães raivosos.
Sua resposta foi simples, embora um pouco exagerada.

~ 178 ~
Quando o Ranger está por perto, eles podem ser filhotes ainda
chupando tetas. Ele tem essa vibração de líder de bando.
Eu acho que você não pode realmente discutir com isso. Se você
passasse mais de dois minutos com o homem, ficava claro que havia algo
quase feroz nele, animalesco, algo que outros animais naturalmente
reagiriam. Mas parecia um risco.
E fale sobre um risco.
Ranger não estava à vista.
Mas eu estava encarando os focinhos rosnando de oito cachorros
de oito grandes raças.
Pitbulls.
Rottweilers
Pastores alemães.
Mastiffs.
E eu não caguei em você, um único Jack Russel.
Eu gostava de cachorros.
E, em geral, os cães gostavam de mim.
Inferno, o cachorro de Aven a odiava e me amava.
Mas eu tinha a sensação de que esses não eram exatamente os
tipos de cães que davam a mínima se você gostava de sua espécie em
geral ou não. Isso não era, afinal, o propósito deles aqui.
Eles foram feitos para alertar.
Guardar.
Proteger.
Contra qualquer ameaça externa.
Que incluía eu.
— Anuncie a si mesmo, — a voz de Ranger chamou de longe, em
algum lugar que eu ainda não conseguia vê-lo.
— Chame seus malditos cães, — eu respondi.
— Gunn? — perguntou, sua voz menos áspera, mais curiosa.
Alguns segundos depois, ele saiu de trás de sua casa em um jeans, o
botão desabotoado, sem camisa, o cabelo e o peito molhado. — Porra?
— Kai me disse que era hora de fazer uma visita. Depois que Jules
me chutou para fora do escritório.

~ 179 ~
— Venha, — ele disse aos cães, com um tom um pouco mais
intenso do que o habitual, então eu não tinha certeza de como eles
sabiam que ele estava falando com eles, mas todos se calaram e sentaram
imediatamente, ainda me encarando, Como se eles estivessem apenas
esperando por uma desculpa para atacar.
— Eles são sempre um problema para os clientes?
— Evitam que eles fujam quando estou desmaiado, — ele me disse,
acariciando o mastiff na cabeça enquanto ele se movia para ficar ao lado
dele.
— O que há com o pequenino?
— Jack Russels é novato, — ele me disse quando o cachorro em
questão subiu para cheirar minhas botas. — Tenho muitos animais aqui
agora. Animais significam ração. Alimento significa que ratos caminham
aqui em vez dos acampamentos. Duggie cuida deles para mim. Então, o
que você fez com Jules?
— Eu a deixei puta.
— Mais do que o normal? — ele perguntou, os lábios curvando-se
um pouco.
— Acho que sim. O quê? — eu perguntei quando a cabeça dele
inclinou para o lado, as sobrancelhas levantadas.
— Só pensando, — ele disse, encolhendo os ombros.
— Sobre?
— Tempo. Mapas. Quanto tempo leva para ir do ponto A ao ponto
B.
— Entendi.
— Eu vejo, você teve tempo suficiente para chegar a Nevada, fazer
alguma coisa estúpida e voltar para Jersey para irritar Jules.
— Eu disse que entendi, — eu disse a ele novamente, balançando
a cabeça.
— Achei que você tinha entendido quando eu estive na cabana. Mas
aqui estamos nós.
— Merda acontece.
— Quando você segue seu pau, sim, — ele concordou.

~ 180 ~
— Quando foi a última vez que você seguiu seu pau em algum
lugar? — eu atirei de volta.
Para isso, ele me deu um aceno de cabeça e o menor dos sorrisos.
— Já faz um tempo. Me trouxe até aqui.
— Você tem café?
— E algo mais forte, — ele concordou, acenando com a mão de volta
para sua casa. Quando me movi, ele pegou minha bolsa. — Ficando por
um tempo?
— Preciso afastar.
— E longe da tentação? — ele perguntou, andando na minha frente.
— Quer dizer?
— Quero dizer que você sabe que a recepção de celular é uma
merda. Você não se sentirá tentado.
— Para?
— Estender a mão. Dizer a ela que você foi uma merda.
— Como você sabe que eu fui uma merda? — eu perguntei quando
ele abriu a porta, parando para olhar para mim.
— Está em você, — ele disse simplesmente.
— Bem, — eu disse com um sorriso que realmente senti, — me
trouxe até aqui.
O interior da cabana era muito parecido com o que Sloane e eu
tínhamos ficado. A única diferença era que havia dois quartos, o principal
que era um pouco menor que o da outra cabana, e um quarto para
clientes que mal era grande o suficiente para caber a cama de solteiro
que estava nele.
Diretamente do outro lado da entrada havia uma lareira de tijolos
gigantesca, grande o suficiente para ferver as panelas de água dentro. À
esquerda, havia uma mesa de jantar que ele provavelmente fez. À direita,
a cozinha com armários, bancadas de madeira natural e eletrodomésticos
que quase pareciam fora do lugar, eram inoxidáveis e novos. Um
desidratador grande de oito camadas estava no balcão, funcionando
constantemente.
— Isso não consome toda a sua energia solar? — perguntei,
acenando para ele.

~ 181 ~
— O quê? Ah, provavelmente. Eu não uso muita eletricidade.
Levanto cedo. Vou para a cama quando escurece. Não há necessidade de
toda a energia solar que eu tenho. Especialmente agora com o telhado.
— Telhado?
— Sim, essa é a nova merda de telhado da Tesla. Não parece, mas
é solar. Tem as baterias na parede do armário.
— O que você está secando?
— Amoras.
— Eu estava esperando carne seca.
— Não é realmente uma temporada de caça agora, — ele me
informou, indo até o armário para arrastar duas canecas, acenando com
a mão para a cafeteira e o uísque, perguntando silenciosamente o que eu
preferia. Já era tarde o suficiente para isso, então acenei para o uísque.
— Não é exatamente a estação para amora também, — argumentei.
— Tenho alguns arbustos em uma estufa há alguns acres atrás.
Ranger provavelmente seria a única pessoa em Jersey, fora talvez
Hailstorm, que sobreviveria no fim do mundo como o conhecemos.
Inferno, ele provavelmente nem saberia que a merda tinha caído.
Além de coisas que ele não podia cultivar como café e bebida, ele
vivia praticamente inteiramente da terra. Ele caçava ocasionalmente.
Pescava. Creme de frutas e legumes. E agora, aparentemente, tinha
animais para ovos e laticínios.
Ele tinha suprimentos médicos e o treinamento que o
acompanhava.
Energia solar e eólica.
Um poço.
Os lagos.
Tudo.
Ele poderia viver sua vida aqui permanentemente. Na verdade, esse
era provavelmente o seu plano. Ele só saia quando tinha que fazer. Ele
só lidava com outros seres humanos quando se deparava com eles na
floresta, quando Quin exigia que ele entrasse no escritório, ou quando
jogamos um cliente em sua porta.

~ 182 ~
— Então o que aconteceu? — Ranger perguntou, acenando para o
centro da sala onde um sofá e uma cadeira estavam situados em torno
de uma mesa de café coberta de livros.
Nós nos movemos naquela direção, ele sentando no sofá, eu na
cadeira de frente para a janela da frente, onde uma fila de camas de
cachorro estava encostada uma contra a outra, grandes ossos em cada
uma delas para roer com aqueles dentes maciços deles em seu tempo de
lazer.
— Você sabe o que aconteceu.
— Não faça muita conversa aqui, me agrade.
— Fui para Carson City...
— Manteve suas mãos para si mesmo por tanto tempo?
— Porra de autocontrole sobre-humano, — eu admiti.
Eu nunca me consideraria alguém que tivesse um problema em
controlar seus impulsos. Agindo sobre eles quando eu queria? Certo. Mas
nunca me esforçando para manter minhas mãos para mim mesmo.
Sloane mudou tudo isso.
Cada momento de todo maldito dia, tudo que eu pensava era em
tocá-la, estender a mão pelo console central e colocando minha mão em
sua coxa, apoiando-a contra a parede no elevador, levantando-a no
balcão do banheiro e sentindo o gosto dela, despertando-a com minha
língua e dedos.
Uma foda constante.
Nunca termina.
Eu nunca precisei trabalhar tanto para evitar tocar em uma mulher
antes.
Foi um maldito milagre que eu aguentei tanto quanto.
— E depois? — ele perguntou quando nós dois jogamos de volta
nossas bebidas.
— E então eu perdi o controle, — eu admiti quando Ranger se
levantou para atravessar a sala, trazendo de volta a garrafa de uísque,
servindo-nos outro.
— E?

~ 183 ~
Eu não conseguia nem encontrar seus olhos quando admiti a
verdade, fazendo isso enquanto resolvia falar com a minha bebida. — Eu
saí.
— Oh, você fodeu, — ele disse com um suspiro.
— Sim, — eu concordei, inclinando a minha segunda bebida.
— Nem uma palavra sobre sair?
— Não.
— Cristo. Sentindo-se culpado ainda?
— Me senti culpado como eu estava fazendo isso.
— Não é só uma foda.
— Nunca foi uma foda, — eu concordei.
— Você ficou sob a guarda, — ele assumiu.
— Sim.
— Aqueceu lá embaixo, — ele continuou.
— Mhmm, — eu concordei, pegando a garrafa novamente.
Foi surpreendente, na verdade, que profundidade do calor e doçura
que estava sob toda aquela ambição, aquela guarda, aquela frieza que ela
usava para impedir as pessoas de se aproximar demais, de aprender seus
segredos.
— É uma merda, — ele me disse, assentindo, reconhecendo a
situação pelo que era. E, de alguma forma, ajudou a aliviar a raiva que
eu estava sentindo, o ressentimento em relação à situação como um todo.
Ninguém jamais me acusaria de ser o tipo de compartilhar, mas de
repente entendi seus méritos. Não ter que segurar tudo. Não internalizar
a decepção e acabar transformando isso em raiva.
Entendi.
E qual foi meu próximo pensamento, você pode perguntar?
Que eu esperava que Sloane também conseguisse isso, que
pudesse encontrar conexões, que pudesse se sentir segura o bastante
para se abrir, deixar as pessoas entrarem, purgar toda aquela dor e
desapontamento, para ver com que merda poderia ser substituída.
— Ficou sob sua pele, — comentou Ranger um pouco mais tarde,
depois que ambos nos sentamos ali, vazios, perdidos em nossos próprios
pensamentos.

~ 184 ~
— Sim, — eu concordei.
— Profundo?
— Profundo o suficiente.
— Quanto tempo você fica? — ele perguntou, não exatamente uma
pessoa delicada, então imaginei que era sobre toda a situação de Sloane.
— Alguns dias, — eu disse a ele, imaginando que era o melhor lugar
para mim, que ele me colocaria para trabalhar, que era uma boa maneira
de manter meu corpo e mente ocupado por um tempo. — Quanto tempo
faz desde que você teve outro corpo neste lugar?
— Sete meses, — ele me disse casualmente, como se isso fosse a
coisa mais normal do mundo.
Eu era um pouco solitário por natureza, mas gostava de interagir
com meus colegas de trabalho pelo menos aqui e ali. Lincoln e Smith
especialmente. Eu não podia imaginar passar meses sem falar com outra
pessoa.
— Antes de você vir nos ajudar na cabana, — insisti, — desde
quando você viu outra pessoa?
— Quatro meses, talvez. Vi algumas crianças desanimadas
festejando nas cidades fantasmas durante o inverno. Um deles
provavelmente perdeu um dedo do pé. Tentou aquecê-los um pouco a
caminho do carro deles, mas provavelmente foi cortado.
— Eles fazem festas muito por aqui?
— Algumas vezes por ano. Principalmente no verão.
— E o quê? Você fica de olho? Você é o prefeito do Pine Barrens?
— A lei é muito estúpida ou muito preguiçosa para fazer rondas a
maior parte do tempo. Eu quero ter certeza de que os idiotas não
incendiarão minha casa. Se até mesmo um pequeno começar, metade da
floresta poderia desaparecer em questão de horas. Especialmente em
estações mais secas. E tão longe, você tem que ficar de olho nos caras.
— Os caras?
— Aqui com bebida, drogas e garotas que não têm ninguém para
pedir ajuda.
— E quando os caras tentam puxar alguma coisa?

~ 185 ~
— Eles aprendem bem rápido que ninguém sai com essa merda na
minha casa.
Sua casa.
Isso era um capricho de Ranger, ele achava que todo um milhão de
hectares do Pine Barrens era sua casa. E, de certa forma, eram. Ele viveu
lá por anos. Primeiro, apenas acampando. Vendo os lugares. Conhecendo
cada centímetro da floresta em todos os municípios, em todos os
quilômetros.
Então, Quin conseguiu o negócio finalmente funcionando. Ele
havia trabalhado duro para rastrear os caras que ele conheceu no serviço,
eu, Smith e Lincoln. Então algumas outras pessoas com quem ele havia
encontrado habilidades especiais ao longo dos anos, Kai e Miller.
Mas ele havia passado meses tentando encontrar Ranger que havia
sumido da face da Terra tanto quanto qualquer um estava preocupado.
Ninguém tinha visto ou falado com ele. Nenhum registro financeiro foi
registrado. Suas contas ainda estavam ativas, cheias de dinheiro, mas
ele nunca as tocou. Sua casa foi vendida. Seu carro tinha seu seguro
pago automaticamente, mas não havia sido visto em uma única câmera
em mais de um ano.
Ele era um fantasma.
Então, é claro, Quin me alistou.
Porque ninguém poderia desaparecer. Na verdade, não. Não
verdadeiramente. Sempre havia um traço. Havia sempre um cheiro deles
em algum lugar que poderia ser pego e seguido.
Demorei cinco meses.
Cinco malditos meses no maldito Pine Barrens. Sozinho. Numa
tenda. Vivendo de barras energéticas e latas de feijão.
Quando finalmente encontrei a rede que ele tinha pendurado entre
duas árvores com uma pequena fogueira a alguns metros de distância
para afastar o frio da primavera, desmaiado como se não tivesse
nenhuma preocupação com o mundo, eu não tinha exatamente me
anunciado graciosamente.
Eu havia me esgueirado, revirado a rede e batido em sua bunda.
Fomos algumas rodadas, nós dois batendo forte.

~ 186 ~
Então eu ofereci a ele o trabalho.
Mas havia uma condição.
Ele tinha que ter um lugar. Um edifício real com água corrente,
eletricidade e proteção contra os elementos.
Porque, aparentemente, não havia ninguém no mundo melhor em
manter um prisioneiro do que Ranger. Ninguém poderia se esgueirar,
manipulá-lo, distraí-lo, culpá-lo.
Foi o que o tornou tão bom no que ele fazia nas forças armadas.
E porque ele odiava a si mesmo e ao mundo por causa do que ele
havia feito.
Porque ele se escondia na floresta a quilômetros de distância de
outras pessoas.
Demorou muito para convencê-lo a concordar, fazer algo que ele
nunca quis fazer novamente. Mas, no final, quando ele percebeu que tudo
o que tinha que fazer era ser babá, não interrogar, não torturar, não
colocar uma bala no cérebro de alguém quando ficassem sem
inteligência, ele começou a construir sua casa, pouco mais no interior.
Mas não era apenas o pequeno acre ou dois que ele construiu e
cultivava que ele considerava seu.
O lugar todo era.
Seu para guardar, proteger, patrulhar.
— Quin não aceitaria muito gentilmente que você enterrasse corpos
por todo esse lugar.
Para isso, os lábios de Ranger se ergueram. — Normalmente não
tem que ir tão longe.
— Normalmente, — eu me qualifiquei.
— Há muita terra aqui. Terra tranquila. Terra onde homens maus
pensam que podem fazer coisas más e nunca serem descobertos.
Eu não duvidei disso.
Se você estivesse procurando um lugar para torturar, matar e
esconder alguém, realmente não havia lugar melhor. Especialmente no
período de entressafra, quando ninguém estava caçando ou acampando.
— Então você certifica que eles pagam por isso.

~ 187 ~
— Nina poderia trabalhar como um cão cadáver se não tentasse
arrancar seus membros quando estivesse perto de pessoas, — ele disse,
acenando com a mão para uma de suas Rotties. — Ela descobriu uma
nova matança no ano passado. A mulher foi abusada de forma que até
homens como nós, — ele disse, querendo dizer que serviram nas áreas
mais feias do serviço, — se sentiriam mal de ver. O corpo mal estava
rígido. No fundo da floresta. Não havia como ele sair tão rápido.
— Então você o encontrou.
— Encontrei, — Ranger concordou com um aceno de cabeça.
— Você o encontrou primeiro ou os cachorros? — eu perguntei,
sentindo meu estômago revirar com a ideia daquele bando de cachorros
vindo até você com sede de sangue em suas mentes.
— Uma mistura, — ele me disse, lançando outra rodada. — Deixe-
os tocá-lo por um minuto antes de tirá-lo do mundo.
— Você se depara com muitos corpos aqui?
— Não. Quero dizer aqui e ali. Tive um suicídio no ano passado.
Tive que envolver a lei nisso. Mas talvez a cada dez ou doze meses.
— Isso é muito, — esclareci.
— Em um ponto e um milhão de acres? — ele atirou de volta. —
Não realmente. A taxa de assassinato não é exatamente baixa nos
Estados Unidos, Gunn.
— Sim, mas nas cidades. Em lugares onde as pessoas estão lotadas
como sardinhas. Um assassinato a cada dez meses aqui fora, onde
ninguém mora é muito.
Para isso, dei de ombros.
Então ninguém falou por mais quinze minutos enquanto nós dois
bebíamos, nos perdemos em nossas próprias cabeças, como homens
como nós estávamos inclinados a fazer.
— Kai disse que você tem uma fazenda aqui agora, — eu quebrei o
silêncio um pouco mais tarde, quando meus pensamentos tomaram um
rumo que eu não podia deixar.
— Sim, — ele concordou, enchendo meu copo. — E se você ficar
hospedado, você está trabalhando, — ele me informou.
Essas eram as regras.

~ 188 ~
Então, na manhã seguinte, depois de tantos copos de uísque na
noite anterior, eu ajudei a alimentar, molhar, coletar ovos, qualquer coisa
que tivesse que ser feita.
Então me levantei e fiz o mesmo no dia seguinte.
E o próximo.
E o próximo.
Quando finalmente estava pronto para sair, focado o suficiente
para voltar ao mundo real, voltar ao trabalho, voltar à minha vida, eu já
estava lá há dez dias.
Não foi até que voltei para o meu carro, liguei meu telefone para
deixar carregar, e comecei a dirigir que isso aconteceu.
Um toque.
Um correio de voz.
Apenas um.
O escritório claramente não tinha sentido minha falta.
E o número não foi salvo.
Não era um com o qual eu estava familiarizado.
Mas quando eu parei no meio da estrada e apertei o botão para
ouvir, a voz era uma que eu tinha certeza, como a merda que me
lembrava. Era a voz que eu vinha tentando esquecer nos últimos dez dias,
me colocando em trabalho duro, evitando o mundo, tentando ficar longe
de qualquer coisa que pudesse acionar as memórias.
Mas era a voz dela.
E isso não foi bom.
Mudou tudo... porra
Eu tinha algo que precisava lidar.

Sloane
~ 189 ~
O plano era simples.
Pegue, dobre, compartimente, não ceda.
Foi como eu lidei com todas as partes feias da minha vida.
Bloqueando isso.
Recusando a abri-lo.
Eu também era boa nisso.
Eu tive muitos anos de prática.
E havia muitas coisas agora para tentar focar. Eu tinha um
apartamento para fazer minha casa, lojas para explorar, restaurantes
para tentar, atrações locais para ver, trabalho para encontrar.
O primeiro dia, admito, foi difícil.
Eu andei com o seu toque ainda pressionado na minha pele, meus
lábios ainda inchados e sensíveis, meus músculos doendo em lugares
que eu não tinha usado por muito tempo.
Era impossível para o meu cérebro não voltar para a cama, para as
sensações e os sentimentos que estar com ele tinham trazido.
Por volta de meio-dia, eu me forcei a tomar um banho, convencida
de que ajudaria a tentar “lavá-lo” de mim.
Não funcionou, claro.
Mas valeu a pena tentar de qualquer maneira.
O arquivo estava no meu balcão me provocando até eu folhear,
pegando os anúncios de emprego que Jules tinha encontrado, e então
encontrando uma única folha solta com um número de telefone
rabiscado.
Dele, eu tinha certeza.
A tentação era forte, para discar, dizer a ele para voltar, que eu
seria aquela mulher carente e patética que eu não queria ser.
Mas eu não poderia ser ela.
Então eu joguei o arquivo na prateleira mais alta do meu armário,
um que era tão alto que era claramente feito para manter as coisas que
você nunca mais queria ver de novo.
E eu tentei seguir em frente.

~ 190 ~
Eu recebi permissão de Andrew para pintar minhas paredes, com
as ordens estritas que eu precisaria pintá-las de volta antes de me mudar.
— De volta.
Como se branco desvanecido pelo tempo fosse uma cor real.
Mas de qualquer forma.
Isso me deu algo para fazer. Levei meu carro até a loja de artigos
para casa, indecisa até meus olhos começarem a me pregar peças, pegar
suprimentos, depois voltar para casa e assistir vídeos do YouTube no wi-
fi fraco que acompanha os prédios de apartamentos, desde que eu não
poderia ficar ligada por mais uma semana em como pintar uma parede.
Sim, eu precisava do Youtube para isso.
Quando eu era pobre, gastar dinheiro com tinta era frívolo e
desnecessário. E quando finalmente tinha dinheiro, percebi que fazia
mais sentido contratar alguém para pintar para mim.
Nunca me ocorreu antes, quão pouco eu sabia fazer sozinha.
Eu precisei pedir a Andrew para me ajudar a colocar minha TV na
parede, para me ajudar a consertar meu banheiro que tinha uma
tendência a funcionar sem motivo. Eu tive que procurar como colocar um
parafuso com bucha para pendurar uma prateleira, como usar máquinas
de lavar roupa comuns, para simplesmente cuidar de mim mesma. Todas
essas pequenas coisas da vida que nunca haviam realmente feito parte
da minha realidade antes eram de repente algo que eu precisava
descobrir sozinha.
Era o suficiente, aqui e ali, para me manter ocupada, para evitar
que minha mente vagasse, para manter as coisas tão fechadas quanto eu
queria.
Era a noite quando acontecia.
Quando minhas defesas estavam baixas.
Quando meus desejos eram altos.
Quando meu corpo queria que eu me lembrasse.
Quando meu coração queria também.
Meus sonhos foram repletos de uma das duas coisas, pesadelos
sobre Rodrigo Cortez... e sonhos vívidos sobre Gunner. Ambos me fizeram

~ 191 ~
acordar suada, com o coração batendo forte, torcida nos lençóis. Por
razões muito diferentes.
Acordava exausta, frustrada ou com medo, ou uma mistura de
ambos.
Foram apenas três dias antes que eu não aguentasse mais, não ter
foco. Havia apenas esboços que eu poderia fazer antes que minha mão
começasse a doer, apenas tantos livros que eu pudesse ler antes que
meus olhos ficassem nadando. Apenas tantas tentativas fracassadas de
assados antes de perder meu entusiasmo para tentar.
Era hora de conseguir um emprego.
As opções não eram exatamente ideais, quer dizer, esta não era a
capital da moda do mundo. Não havia nada nem mesmo parecido com
uma alta demanda por bolsas de grife. Não que eu pudesse realmente
entrar nesse negócio de novo. Mas eu estava esperando por algo
semelhante.
As únicas opções que Jules encontrara, mesmo remotamente no
meu ramo, eram no varejo de moda.
Eu não trabalhava em uma loja desde que era adolescente e,
mesmo assim, apenas fugazmente.
Mas eu tinha que trabalhar.
Eu também não tinha apenas um currículo. Eu tinha três
diferentes para escolher, um voltado para diferentes tipos de trabalho, do
trabalho de escritório ao varejo. Escolhi a que mais se adequava ao varejo,
fui a uma entrevista em uma grande loja local e consegui um emprego.
Não está na moda.
Na verdade, nem sequer consegui trabalhar no departamento de
roupas nos primeiros dias.
Mas eu consegui trabalhar em eletrônica. E o centro de jardinagem.
E bens domésticos. E o registro.
Tudo parecia estranho para mim, desde aprender como o sistema
funcionava para saber qual era a diferença entre 4k e 4k Ultra, para os
intervalos para o almoço curto, para as pausas do banheiro que estavam
limitadas a entrar e sair.
Meus pés doíam.

~ 192 ~
Eu costumava passar dez, doze, catorze horas por dia em saltos no
meu escritório. Mas mesmo isso não havia preparado meus pés, meus
pés cobertos de tênis, para o que seria trabalhar em uma loja para um
simples turno de oito horas. Bolhas em bolhas. Uma dor que subiu
minhas panturrilhas para o meu traseiro para a parte inferior das costas.
Fui para casa com cada parte de mim sentindo como se estivesse
latejando, com dores de cabeça das luzes fortes, com fome porque meu
intervalo para o almoço não era longo o suficiente para eu terminar nem
metade da minha comida, drenada por ter que sorrir e ser agradável para
os clientes que eram rudes e irracionais.
Estava drenando de uma maneira que eu não sabia que existia.
E então, oh sim, eu tenho que conhecer meu gerente.
A coisa engraçada sobre homens como ele, é que você tem uma
vibração. Mesmo antes de ir em sua direção, antes que eles olhem para
cima e para baixo, antes que eles abram a boca.
A presença deles faz com que você se sinta escorregadia, faz com
que você olhe em volta para ter certeza de que alguém está a uma
distância assustadora. Algo dentro de você apenas reconhece algo dentro
deles.
Foi assim que me senti quando conheci Mathew Henderson.
Ele tinha talvez cinquenta e poucos anos com cabelos arenosos que
começavam a se misturar com branco nas têmporas, embora ele se
misturasse o suficiente para que você nunca tivesse notado se não fosse
pela iluminação divina que, apesar de ter o dinheiro das melhores marcas
poderia comprar para encobrir essas coisas, fez minhas olheiras escuras
se mostrar sob a maquiagem. Seus olhos eram de um azul brilhante. Não
é como o céu, mas sim quase cobalto. Impressionante, na verdade. A
maioria das pessoas mataria por olhos assim. Foi uma pena que eles
pertenciam a ele.
Ao contrário do resto de nós que tinha que usar calças cáqui que
eram universalmente desfavoráveis e uma camisa polo azul brilhante com
um cordão pendurado em nossos pescoços com nossos nomes, ele
conseguiu usar o que queria. E o que ele queria era tipicamente um par
de calças mal ajustadas em cores variadas usadas muito alto na cintura,

~ 193 ~
fazendo parecer que ele tinha duas barrigas em vez de uma, um cinto que
não combinava com seus sapatos e camisas que eram muito longas, tanto
na bainha quanto nas mangas, mas também muito apertada em volta do
centro, uma combinação que não deveria ter sido possível, mas de
qualquer maneira foi.
Ele andou até mim enquanto eu abastecia uma prateleira com
toalhas, chegando perto demais, a respiração dele na minha pele
enquanto falava comigo, me dizendo o quanto ele estava feliz em me ter
na equipe, como estava excitado por estar trabalhando de perto comigo.
E quando ele se afastou, sua pélvis tocou minha bunda.
Talvez tenha sido um erro devido a um corredor estreito, mas eu só
tinha um pressentimento sobre isso.
Então, no dia seguinte, ele me disse que, se nos aproximássemos,
ele daria uma chance de progredir, que garotas como eu não pertenciam
às prateleiras de estoque.
No dia seguinte, ele me pegou em um canto perto dos brinquedos
e me convidou para sair.
Eu recusei.
E foi quando esse trabalho passou de ruim, mas tolerável, para
horrível.
Meus turnos foram trocados, um dia de manhã cedo, onde não
tinha muito movimento. Meu trabalho foi criticado infinitamente. Eu fui
criticada publicamente, menosprezada quando ninguém estava por perto
para ouvi-lo.
No momento em que o meu décimo dia chegou, eu estava cansada.
Tão cansada.
Eu nunca tinha desistido de um emprego antes, sempre fazendo a
coisa certa, sempre dando o meu aviso.
Mas eu mal consegui dormir em uma semana entre os turnos
oscilando e os sonhos e pesadelos. Cada centímetro do meu corpo doía
por ficar tanto de pé. Minhas emoções se sentiram em todo lugar.
E tudo que eu conseguia pensar era... eu não posso mais fazer isso.
Cheguei em casa e tentei uma nova receita que acabou em cinzas.
Eu tentei desenhar, mas não consegui acertar nada.

~ 194 ~
E eu me senti sozinha, tão sozinha, pirando, mais sozinha no
mundo do que eu já havia sentido antes.
Foi mais fácil antes, quando eu tinha algo na minha vida para me
orgulhar, uma carreira que me dediquei, que as pessoas me respeitavam.
Não havia amizades ou família ou amor.
Mas havia alguma coisa.
Aqui?
Eu não tinha nada.
Nenhuma maldita coisa.
Então eu fiz algo que prometi a mim mesma que nunca faria por
tristeza, solidão, medo ou raiva.
Como minha mãe sempre fez.
Eu meti a cara em uma garrafa.
Profundo.
Não foi até eu terminar a minha segunda garrafa de vinho que eu
fiz isso.
Peguei uma cadeira, subi em cima dela e tirei o arquivo do armário,
levando-o até a cozinha, e olhando para o número até que ele ficou sem
sentido para os meus olhos.
Então, como o universo estava tentando esfregar sal em meus
ferimentos, a TV que estava passando por reprises de filmes do início dos
anos 2000 começou a tocar uma cena de abertura muito familiar de um
filme.
Velozes e furiosos.
Foi isso.
Tudo que meu autocontrole poderia tolerar.
Estendi a mão para o telefone que eu tinha conseguido por mim
mesma, desde que Gunner nunca tinha me deixado um como ele disse,
peguei o número e liguei.
Eu o chamei.
A manhã trouxe uma britadeira nas minhas têmporas e atrás dos
meus olhos, a luz da manhã e o movimento de me levantar do sofá fez
meu estômago revirar, ameaçando se revoltar até eu respirar fundo
algumas vezes para acalmá-lo.

~ 195 ~
— Ugh, — eu gemi, levantando a mão para a minha cabeça,
balançando para frente e para trás por um longo momento antes que eu
pudesse pensar direito o suficiente para ir para minha bolsa onde os
meus remédios para dor não utilizados estavam. Eu coloquei dois com
uma caneca gigante de café, então me tranquei no banheiro escuro até
eles finalmente chutarem, permitindo que meu estômago e minha cabeça
se acalmassem o suficiente para que eu pudesse acender a luz, e me olhar
no espelho.
Não estava bonita.
Eu estava pálida e manchada.
Meu cabelo era um ninho de passarinho.
E meus olhos estavam vermelhos e inchados.
Vermelho, sim, isso fazia sentido.
Mas inchado?
Quando meu dedo subiu para tocar as pálpebras inchadas, de
repente isso voltou para mim em uma corrida.
O inchaço não tinha nada a ver com o álcool.
Ah não.
Foi o choro.
Houve muito choro.
Que provavelmente era a metade da culpa pela dor de cabeça
também.
Não me lembro da última vez em que realmente chorei. O tipo que
esvaziava sua alma, que faz você se preocupar genuinamente com sua
sanidade porque não conseguia acalmá-la, para recuperar o controle
sobre si mesma novamente.
Isso foi exatamente o que aconteceu ontem à noite. Eu chorei até
adormecer.
Mas não antes de fazer outra coisa primeiro.
Algo incrivelmente, ridiculamente estúpido.
— Oh, deus, — eu gemi, trazendo minhas mãos para cima dos
meus olhos, sentindo meu rosto esquentar. — Oh, deus. Oh, deus. Oh,
deus.
Eu liguei para Gunner.

~ 196 ~
Eu chamei Gunner... e deixei uma mensagem.
Eu respirei fundo, tentando parar o embaraço rodopiante o
suficiente para me concentrar, tentando lembrar através do meu cérebro
encharcado de vinho o que eu tinha dito.
Voltou como um para-raios quando olhei de volta para o meu
reflexo.
— Eu não posso fazer isso, — eu comecei, minha voz já começando
a engatar. — Eu tive que sair do meu trabalho. Meu chefe era um idiota
e tudo doía. E o salário era degradante. Eu... eu não sei o que fazer comigo
aqui. Eu cozinho. Eu limpo. Eu tento desenhar. Mas tudo parece tão
vazio, me sinto vazia aqui, — eu adicionei, minha voz finalmente rachou,
as lágrimas começaram. — Eu diria que gostaria que isso nunca tivesse
acontecido, que Cortez nunca tivesse entrado na minha vida. Mas se ele
nunca tivesse acontecido, eu nunca teria te conhecido. Mas talvez eu
deseje isso, sabe? Porque se isso nunca acontecesse. Se ele não tivesse
acontecido, se você nunca tivesse acontecido, eu nunca teria percebido
como minha vida era vazia Mas agora, é tudo em que consigo pensar. É
tudo em que consigo pensar
— E estou tão sozinha. Eu não tenho ninguém para conversar. Não
há ninguém com quem possa conversar. Porque não posso mais ser eu.
Eu não posso sentir o que sinto mais. Porque eu não existo mais. Eu não
existo, mas não há nada que possa fazer sobre todos esses sentimentos
internos que ainda existem. Não há nada que eu possa... — Eu parei
então, sufocando um soluço, fungando forte. — Eu só... por que você saiu
assim? — eu perguntei antes de, de repente perceber o que estava
fazendo, batendo o botão de encerrar chamada, em seguida, caí no
travesseiro no meu sofá, soluçando.
E devo repetir... Oh, deus.
Eu não era essa mulher.
Eu não era alguém que ligava e chorava para os homens. Foi
humilhante perceber que eu tinha feito isso, que não podia desfazer, que
não havia jeito de trazer de volta, que ele pegaria seu telefone,
possivelmente já tinha, e me ouviria soluçando, fungando e balbuciando,
lamentando meu destino.

~ 197 ~
O que ele pensaria de mim?
Não é bom, eu tinha certeza.
Talvez ele estivesse feliz por ter se esquivado de uma bala ao sair
como ele saiu.
Não era a última lembrança que eu queria que ele tivesse de mim,
mas provavelmente seria a mais vívida, uma que ele contaria a seus
amigos, sobre aquela garota que ele pegou, chamou alguns dias depois
chorando para ele.
Eu era aquela mulher.
Patética e risível.
O que era muito pior do que ser lembrado como a cadela fria e rica
que ele provavelmente pensava que eu tinha sido antes daquela ligação.
Mas eu tentei argumentar comigo mesma, não havia
absolutamente nada que pudesse fazer sobre o que já havia acontecido.
Tudo o que eu podia fazer agora era tentar seguir em frente,
esquecer o que tinha acontecido, arranjar algum tipo de vida para mim
aqui.
Então, e se a grande loja não fosse minha chance? Eu tinha
dinheiro suficiente para me segurar por um tempo. Eu poderia ser mais
seletiva, esperar para encontrar algo que eu não odiasse absolutamente.
Houve uma batida na minha porta, fazendo meu coração voar para
a garganta, parecendo que eu estava engasgando com isso antes de
perceber que, mesmo que Cortez pudesse me encontrar, ele
provavelmente não iria bater.
Respirando fundo, saí em direção à sala de estar, pisando em
silêncio para que ninguém pudesse me ouvir, no caso de eu não querer
abrir a porta para quem quer que fosse.
Mas não encontrei Cortez. Ou meu antigo chefe. Ou Andrew.
Não.
Eu encontrei uma mulher.
Pequena, gorda, loira, de olhos brilhantes.
Eu a conhecia.
Bem, eu a tinha visto.

~ 198 ~
Ela era a mulher que morava do outro lado do corredor com suas
duas filhas. Nenhum marido ou namorado. Eu as tinha visto indo e vindo,
mas ainda não havia esbarrado nelas.
Estendendo a mão, alisei meu cabelo maluco, deslizei as
fechaduras e abri a porta.
— Oi! — Ela disse sorrindo abertamente, um pouco feliz por...
bem... a qualquer hora do dia. — Eu sou Auddie, do outro lado do
corredor, — ela explicou, acenando para a porta. — Sinto muito
interromper sua ressaca, mas eu queria me apresentar finalmente, então
você não acha que eu estava sendo rude. É só que... quando nos
mudamos, todos vieram no mesmo dia, e as coisas estavam loucas e
desorganizadas, e não era o jeito que eu queria me entreter, sabe? Com
a casa cheia de caixas, parecendo uma área de desastre. Então eu pensei
em te dar alguns dias para se instalar antes que eu aparecesse e te
incomodasse. — Eu trouxe bolo de rum! — Ela anunciou, fazendo minha
atenção descer para ver um prato em sua mão. — Eu não pretendia que
fosse hair of the dog14, mas esse tipo de coisa faz com que você se
esqueça, você não acha?
Eu trabalhei com muitos profissionais jovens e entusiasmados. Eu
achava que entendia pessoas que falavam muito. Esta mulher, ela
deixaria todos eles com vergonha.
— Eu sou Sloane, — eu ofereci, dando a ela o que eu esperava que
fosse um sorriso gentil, mesmo que fosse forçado. Porque eu vi isso pelo
que era. Uma oportunidade. Se eu fosse morar aqui, e, na verdade, eu
não tinha uma escolha real, então eu precisava estar aberta para fazer
conexões, amizades, coisas normais.
— Então, o que você estava bebendo? — ela perguntou, indo em
frente, entrando no apartamento sem um convite. — Sozinha em uma
noite de terça-feira, eu acredito que é geralmente indicativo de problemas
com homem, sim? — ela perguntou, passando casualmente pelas gavetas
e armários da cozinha até encontrar pratos e utensílios.
— Vários, — eu ofereci, observando a cabeça dela se levantar, os
olhos dançando.

14 Rede de restaurante.

~ 199 ~
— Oh, suculento!
— Na verdade não, — eu disse, balançando a cabeça, sentindo um
pouco do peso da manhã saindo de cima de mim, encontrando sua
energia um pouco contagiante. — Eu tinha um chefe que me assediou,
então fez da minha vida um inferno quando o recusei.
— Ugh. Há sempre um desses em sua vida, certo? O chefe
pervertido? O meu foi quando eu tinha quinze anos. Ele tentou colocar a
mão na minha saia. Meu pai descobriu, entrou e serviu café escaldante
naquela mão.
Eu sorri com isso, me perguntando o quão legal isso deve ter sido.
Ter um pai que se importasse assim.
— Mas você disse homens. Plural.
— Eu estou, ah, tentando...
— Ah, não diga mais nada, — ela disse, entregando-me um prato,
levantando a mão. — Ex idiotas. Eu conheço esse bem. Tentando fugir,
começar de novo. Eu e minhas garotas, foi por isso que viemos para cá
também. Quero dizer, estamos apenas a alguns condados do meu ex-
babaca, mas está longe. É bom aqui, — ela acrescentou, indo até a
geladeira para retirar o leite. Algo sobre isso era tão doce, tão puro, tão...
como uma mãe, que eu quase quis chorar enquanto ela nos servia um
copo. — Eu sei que é difícil quando você começa. Tudo é diferente. E
diferente soa bem no começo, até você começar a sentir falta de como eles
faziam a melhor pizza na sua cidade, e como você sente falta das lojas,
das vistas, das pessoas. Mas você começará a fazer novos favoritos aqui
também.
— Sim, — eu concordei, assentindo. — É verdade. Ainda não dei
muita chance.
— Tem isso... oh, uau! — ela parou de repente, colocando seu prato
para baixo com um barulho descuidado, saindo do espaço da cozinha, e
para a área da sala de estar, onde minha pequena mesa de jantar estava
arrumada com meu cavalete por cima. — Você fez isso? — ela perguntou,
voltando-se para olhar para mim como se eu fosse alguma artista famosa
ou algo assim.
— Oh, sim. Não está terminado, mas...

~ 200 ~
— É incrível! — ela cortou minha tentativa de auto depreciação. —
Eu gostaria de poder fazer isso. Minha irmã pode pintar. Eu sempre tive
tanta inveja disso. Mas eu era melhor com as palavras, então pelo menos
eu tenho isso.
— Você escreve?
— Bem, na verdade não. Eu invento livros para as minhas meninas.
Para ensinar-lhes coisas relevantes que eu noto que elas estão
interessadas. Eu imprimo imagens on-line para colocar neles. É horrível,
na verdade, — ela disse, sorrindo de volta para mim.
— Eu poderia desenhar algumas imagens para você, — eu ofereci,
encolhendo os ombros. — Eu estou sem trabalho agora. Eu poderia usar
algo para me impedir de ficar louca neste apartamento.
— Você fala sério? — ela sorriu. — Isso seria tão incrível! Oh, eu
estou tão animada. Eu deixarei as páginas aqui hoje mais tarde se você
quiser. Isso seria uma surpresa tão legal para elas. Aposto que eu poderia
pedir Billy na gráfica para me fazer alguns livros reais deles também.
Como seria legal que elas vissem o nome de sua mãe na frente de um
livro de aparência real? E o seu nome também, é claro, — acrescentou
ela com um sorriso. — Ilustrado por Sloane...
— Livingston, — eu respondi imediatamente, instintivamente.
E, de repente, eu podia me ver como ela.
Sloane Livingston.
Eu poderia ser ela.
A mulher com uma vizinha amigável que ela chamava de amiga. A
mulher que casualmente ilustrou alguns livros infantis por diversão, para
ajudar uma jovem mãe solteira a ensinar algumas lições a suas filhas.
Eu poderia ser ela.
Aquela que compartilhava o bolo de rum às dez da manhã.
Aquela que estava disposta a dar a este lugar uma chance real. Não
porque fosse necessário, porque a vida seria um poço infindável de
miséria se eu não tentasse, mas porque eu poderia criar uma vida para
mim aqui.
— Você sabe o que você deveria fazer? — Auddie declarou
animadamente.

~ 201 ~
— O quê?
— Conseguir um emprego naquele lugar de vinho e pintura que
acabaram de abrir na cidade?
— Vinho e pintura? — eu perguntei, sobrancelhas erguidas.
— Sim! É divertido. Eu fui quando eles abriram a primeira vez,
quando as meninas tiveram uma festa do pijama. Você paga, e traz seu
próprio vinho. Então todo mundo lá começa a beber e pintar alguma
imagem legal que você nunca seria capaz de pintar por conta própria. Eu
quero dizer... meu pôr do sol era horrível até mesmo com instrução, mas
foi uma explosão. Aposto que o dono deixaria você fazer uma aula aqui
ou ali, ou eventos privados. Esse lugar tem sido louco. Provavelmente não
teve uma noite de folga desde que abriu. Você seria perfeita para isso!
Talvez eu pudesse ser ela também.
A mulher que ensinava lições de arte para mulheres bêbadas tendo
suas noites de meninas fora.
Eu poderia ser ela.
Eu poderia até ser feliz sendo ela.
Depois de algum tempo, algum ajuste.
Eu poderia chegar lá.
Pela primeira vez desde que isso começou, senti uma pequena lasca
de algo que só podia chamar de esperança.
No dia seguinte, comecei a trabalhar em uma doce história sobre
uma garotinha que teve dificuldade em fazer amigos na escola, algo que
eu descobri que Margo, a menina de 6 anos de Auddie, estava lutando
porque ela tinha um nível de TEA15, e algumas das outras crianças não
entenderam porque ela fazia ou dizia algumas coisas.
— Você acha que devemos imprimir algumas outras cópias? —
Auddie perguntou, folheando o livro completo pela quinta vez desde que
devolvi a ela seis dias depois que ela o entregou para mim.
Eu tive que dizer... eu realmente gostei. Eu estava orgulhosa disso.
E com certeza, gostei de desenhar minhas bolsas. Eu estava orgulhosa
do que fiz. Mas a grande diferença aqui foi... isso foi divertido. Não havia

15Os Transtornos do Espectro de Autismo (TEA) caracterizam-se por dificuldades de interação


social, desafios de comunicação e tendência a comportamentos repetitivos.

~ 202 ~
preocupações sobre o que alguns “grandes nomes” poderiam pensar da
minha coleção, se ela venderia, o que o público em geral pensaria. Tudo
o que eu tinha que fazer era criar algo que duas meninas adoráveis
gostariam.
E Auddie me assegurou que eu havia cumprido essa tarefa.
— Se você acha que conhece outras menininhas que gostariam,
sim, — eu disse a ela enquanto misturava a massa de biscoito em uma
tigela. Sob o olhar atento de Auddie. Ela jurou que ela faria de mim uma
padeira ainda. Até agora eu não tinha tido sucesso. Mas ela me assegurou
que onde cozinhar era uma arte, assar era uma ciência. Eu só tinha que
acertar todas as partes, e seria um produto perfeito. Eu estava disposta
a colocar minha fé para descansar nisso.
— Bem, Margo tem um pequeno grupo de amigos com Autismo ou
Aspergers que nos encontramos a cada poucas semanas para brincar.
Acho que as mães, e as crianças, realmente tirariam muito disso.
— Então definitivamente os imprima, — eu disse a ela, então talvez
tenha sido um pouco intransigente com ela, lembrando-a de colocar
páginas de direitos autorais e todo aquele barulho.
— Eu acho que vou, — ela declarou dramaticamente, vindo
inspecionar a minha mistura. Aparentemente, havia um jeito certo e
errado de mexer. Quem sabia? — Então você ouviu algo da senhora no
local da pintura?
Auddie me arrastou lá duas noites atrás para beber vinho e pintar.
E então, em voz alta, exigiu que eu fosse contratada lá.
— Ela quer que eu mande algum trabalho original. Ainda não
terminei nada. Mas vou fazer.
— Bom. Estou feliz. Alguém como você, com talentos como o seu,
você não deveria estar trabalhando no varejo, desperdício. Você precisa
usar isso. É especial. As pessoas vão pagar por algo especial.
— Eu definitivamente quero ser capaz de desenhar e pintar mais,
— eu admiti. — Coisas que me deixam feliz ou excitada. Eu já me preparei
para o trabalho antes, mas não foi realmente nada que...
— Acendeu um fogo sob sua bunda? — ela forneceu para mim. —
Eles estão prontos. Pegue sua colher de sorvete e coloque-os na bandeja.

~ 203 ~
— Exatamente, — eu concordei, seguindo as instruções. — É bom
se sentir realmente apaixonada por alguma coisa.
— A vida é muito curta para não amar o que você faz, — ela me
disse. Auddie trabalhava em casa fazendo vários trabalhos que seu
mestrado em inglês permitia. Edição de Texto. Artigos freelance.
Ghostwriting16. Qualquer coisa que traria dinheiro, mas permitiria que
ela estivesse em casa com suas meninas, caso elas precisassem dela.
Eu me perguntei então, enquanto colocava os biscoitos no forno, e
Auddie balbuciava suas despedidas, falando animadamente sobre ir até
a gráfica para pegar os livros, se eu alguma vez tivesse percebido isso
sozinha. Se nada disso tivesse acontecido, se minha vida não precisasse
ser arrancada, se Gunner não tivesse me colocado aqui, me deixado aqui,
me fazendo mergulhar em uma garrafa, ser uma bagunça de ressaca e
apelar para a boa natureza da doce mulher do outro lado do corredor. Eu
já teria percebido que não importa o que eu fiz na vida, eu deveria estar
feliz fazendo isso?
Honestamente, provavelmente não.
Eu teria me valorizado pela minha ética de trabalho, pelo meu nível
de produção, pelo meu nome e respeito.
Sem nunca pensar em minha própria felicidade.
Não o conforto, como ter minhas contas pagas, saber que ficaria
bem, mesmo que perdesse tudo, se a economia revertesse de novo e a
demanda por bolsas de grife caísse.
Mas felicidade.
Eu não poderia reivindicar exatamente ser feliz agora. Ainda havia
escuridão, ainda dor, ainda pesadelos, desejos ainda não realizados.
Mas eu podia sentir indícios disso.
Era uma coisa quente, felicidade.
Era como o toque da primavera nos botões depois de um longo
inverno, persuadindo-os a se abrirem.
E percebi enquanto pegava os biscoitos que não estavam
queimados, que não se espalhavam, que eram a mistura perfeita de doce

16Um ghostwriter é contratado para escrever obras literárias ou jornalísticas, discursos ou outros
textos que são oficialmente creditados a outra pessoa como o autor. Um ghostwriter de música
pop escreve letras e uma melodia no estilo do músico creditado.

~ 204 ~
e pegajoso, que a felicidade não era apenas algo que você era ou não. Era
algo que você escolheu, algo que você cultivou, um objetivo para o qual
você trabalhou.
Eu decidi então fazer exatamente isso.
Escolher a felicidade.
Cultivá-la onde eu a encontrei, então cresceria.
Trabalhando nisso mesmo quando não me sentia assim.
Eu tive uma chance nessa coisa chamada vida.
Eu ia fazer o meu melhor para encontrar alguma alegria nisso.
Foi o que comecei a fazer depois de colocar os cookies em um rack
para esfriar.
Fui até a minha mesa de jantar que, desde que me mudei para cá,
não tinha sido usada para jantar, o que me fazia comer no meu sofá,
como se eu estivesse zombado de Gunner e sua equipe. Era agora a
minha mesa de artesanato com lápis de grafite, marcadores, acrílicos,
tinta aquarela, pincéis, você nomeia isso. Estava coberta.
Meu cavalete estava no centro, com vista para a sacada, então eu
tinha algo bonito para olhar quando dava uma pausa nos meus projetos.
Então eu trabalhei, encontrando-me cantarolando aqui e ali,
perdida no meu pequeno mundo, colocando o que eu esperava que fosse
o meu melhor trabalho para criar algo que a professora de arte na loja
aprovaria, gostaria o suficiente para me contratar para criar e ensinar
aos outros.
Não foi até o sol estar lançando vermelhos, roxos e rosas pelo céu
que houve uma batida na minha porta.
— De jeito nenhum Billy trabalhou sua magia tão rápido, —
declarei quando me movi para ficar de pé, estendendo a mão para escovar
meu cabelo atrás da minha orelha antes de abrir as fechaduras e abrir a
porta.
Mas não era Auddie parada ali.
Ah não.
Era a última pessoa no mundo que eu esperava ver na minha porta.
Era Gunner.

~ 205 ~
Eu estava tentando. Você sabe, seguir em frente. Suprimir os
pensamentos com ele quando surgiam. Que era incrivelmente frequente.
Fingir que não acordava com saudades dele à noite.
Foi tudo que pude fazer... tentar.
Eu tinha pensado que talvez estivesse fazendo progresso também.
Mas então aqui estava ele.
Parecendo tão bom quanto eu me lembrava, talvez um pouco mais
cansado, um pouco mais bronzeado, um pouco mais... áspero, até.
E minha barriga se agitou.
Na verdade, tremulou.
Como se eu fosse uma adolescente apaixonada.
— Gunner? — eu ouvi minha voz perguntar, parecendo tão confusa
quanto me sentia. — O que você está fazendo aqui? — eu adicionei
quando ele apenas pareceu olhar para mim, aqueles olhos verdes me
encarando, lendo-me, pegando tudo como ele sempre tão facilmente
parecia capaz de fazer.
Houve um longo momento de nada antes de ele levantar a mão,
chamando minha atenção para o fato de que havia um jornal lá.
Braço reto, o papel estava bem na minha cara.
Meu olhar se desviou com relutância, não querendo desviar o olhar
dele, quase com medo de que, se o fizesse, ele pudesse desaparecer.
Mas ele claramente queria que eu lesse o jornal.
Rodrigo Cortez Encontrado Morto.
E assim, assim como a noite em que vi esse homem tirar a vida de
outra pessoa, tudo mudou.
— O quê? — eu me ouvi assobiar, meu estômago girando e
afundando de alguma forma ao mesmo tempo. — Cortez está morto? —
eu perguntei, olhando para Gunner, realmente precisando de sua
confirmação. Como se o maior e mais conceituado jornal da cidade
colocasse uma manchete falsa na primeira página.
— Você ligou, — ele disse, fazendo minha barriga cair por uma
razão completamente diferente. Eu tinha, na maioria das vezes, sido
capaz de parar de ficar envergonhada com a chamada. Porque eu

~ 206 ~
trabalhei muito duro para nunca pensar nisso. — Você ligou e chorou
por não querer estar aqui.
Por que ele estava sendo tão estranho e enigmático?
Eu liguei e chorei por não querer estar aqui?
O que isso tem a ver com... oh, Deus.
Não.
Isso não poderia ter sido possível.
As pessoas não faziam isso.
Certo?
Nem mesmo pessoas que tiveram muitos anos no exército.
Eles não tiravam vidas.
Não estando em casa.
Não só porque uma mulher chorou.
— Você não... — eu disse, já balançando a cabeça enquanto ele
abaixava o papel.
— Você queria ter sua vida de volta. Ele era tudo o que estava
impedindo.
— Oh, meu Deus. Você não ma...
— Esta não é uma conversa para ter no corredor, — ele me
informou, mas não avançou, esperou por um convite. Então me movi
para o lado para deixá-lo entrar, então fechei a porta atrás dele. — Você
esteve ocupada, — ele disse, olhando em volta.
Ele não estava errado. Eu estava pegando coisas aqui e ali,
tentando preencher o espaço vazio, tentando torná-lo mais meu. Havia
fotos na parede, incluindo a que eu mesma havia pintado enquanto
estava bêbada com vinho barato com Auddie. Eu tinha uma tigela
decorativa cheia de frutas no balcão da cozinha. Havia algumas
bugigangas na mesa de café.
Estava parecendo mais vivido.
— Eu, ah, sim. Quando o meu salário saiu, eu fui em uma farra de
compras. É realmente tão terapêutico quanto você ouve as pessoas
reclamarem.
— Quem é Billy?
— O quê?

~ 207 ~
— Quem é Billy? — ele repetiu, voltando-se para mim.
— Oh, ele é o homem da gráfica na cidade.
— Tem algo acontecendo lá? — ele perguntou, o tom guardado, e
eu finalmente entendi o porquê.
— O quê? Não! Ele tem uns vinte e três anos. Eu nem sequer o
conheci.
— Então, como você sabe sobre ele e sua ‘mágica’?
Senti meus olhos rolando para isso. — Minha vizinha, Auddie, —
esclareci. —Eu a ajudei a ilustrar um livro para suas filhas. Ela estava
levando a gráfica para fazer livros reais.
— Você ilustrou um livro infantil para as filhas de sua vizinha? —
ele perguntou, sobrancelhas erguidas.
— Sim.
— Eu estraguei tudo isso? — ele perguntou, tom oco.
— Perdão?
— Eu estraguei tudo isso? Você conseguiu algo bom aqui?
— Eu... comecei a me ajustar, — eu disse, encolhendo os ombros.
— Que escolha eu tinha, Gunner? Estava presa aqui. Miserável. Mas eu
não queria ser infeliz para sempre. Então tenho estado... tentando.
— Eu posso me virar e ir embora agora mesmo. Você pode esquecer
que já estive aqui. Que qualquer coisa mudou.
— Do que você está falando?
— Se você está gostando de começar de novo, não quer voltar para
o jeito que a merda era, então eu posso ir. Você pode esquecer isso.
— Sobre você? — eu perguntei.
— Sim, duquesa, você pode esquecer de mim.
Eu bufei minha respiração, algo completamente sem classe e
diferente de mim, ou ao contrário do velho eu, enquanto eu dava um
passo adiante em direção a ele, observando seus olhos enquanto eles
tentavam me ler, tentando saber o que eu estava prestes a dizer ou fazer.
Claramente, seu habitual olhar penetrante estava falhando porque
ele parecia surpreso quando dei outro passo para mais perto, e coloquei
minha mão em seu estômago. — Eu nunca poderia esquecer de você,

~ 208 ~
Gunner. Eu passei as últimas semanas tentando. E falhando. Mais e
mais. Eu acordo pensando em você.
— Sim? — ele perguntou, a voz séria, como se estivesse ativamente
tentando não soar esperançoso.
— Sim, — concordei, dando-lhe um pequeno sorriso. — Algumas
noites, ainda tenho pesadelos sobre Cortez. Mas na maioria das noites...
os sonhos são sobre você.
— Tentei tirar você do meu sistema também, — ele me disse,
levantando a mão para pousar no meu quadril, com os dedos se
curvando. — Fui para a floresta. Ainda não funcionou. E, duquesa, você
não precisa mais ter pesadelos sobre Cortez. Ele nunca poderá chegar
até você. Não importa onde você escolha viver.
— Você o matou, — minha voz sussurrou, não acreditando, incapaz
de conciliar que esse homem tivesse tomado a justiça da rua dessa
maneira.
— Sim, — ele concordou, tão silenciosamente. — Eu não sou um
homem bom, Sloane. Todos nós no escritório, nós parecemos bons. Nós
não somos. Às vezes fazemos coisas boas. Mas todos nós fazemos coisas
ruins também. Somos todos culpados como uma pessoa pode ser.
— Culpado, — eu revirei a palavra na minha língua. E, na
superfície, esse foi o caminho certo para colocá-lo. Ele tinha feito isso.
Ele era culpado disso. Mas poderia uma pessoa ser verdadeiramente
culpada de remover um homem como Rodrigo Cortez do mundo?
O lado cumpridor da lei disse sim. Talvez até o inferno sim.
A outra parte de mim, no entanto, tinha visto outros lados do
mundo ultimamente.
Eu tinha visto um homem implorar e depois perder sua vida.
Brutalmente.
Eu tinha visto um homem rir enquanto ele tirava aquela vida.
Eu tinha visto a determinação sanguinária nele quando ele veio
atrás de mim.
Eu senti uma faca mergulhar dentro do meu corpo porque ele
queria me silenciar.
Eu conhecia as coisas feias e horríveis que ele tinha feito por anos.

~ 209 ~
Nunca houve justiça por isso.
Todos aqueles homens, e especialmente aquelas mulheres,
perderam suas vidas, ou viveram com lembranças terríveis, nunca se
sentindo seguras novamente.
Aquele homem era culpado de coisas desumanas.
Então você poderia realmente ser culpado de exigir justiça a tal
pessoa? Da mesma forma que você seria culpado de tomar uma vida
inocente?
Eu acho que havia áreas cinzentas da vida.
Esta era uma delas.
E eu não era ingênua.
Gunner matou pessoas. Possivelmente muitas pessoas. Era
realmente tão diferente porque foi em guerra e essa foi em casa? Ele tirava
pessoas más.
Cortez era uma pessoa má.
— O que é isso, duquesa? — ele perguntou, a cabeça se abaixou
para o lado, olhos curiosos.
— Estou apenas ... processando, — eu admiti.
— Faça isso em voz alta, — ele sugeriu, tentando me fazer falar,
como ele estava propenso a fazer.
— Eu só estou tentando descobrir como me sinto sobre isso. Você
matou alguém.
— Quem quase te matou, — ele concordou. — Quem teria feito pior,
quem teria feito você implorar pela morte.
Meu estômago revirou, as histórias voltando para mim. — Eu sei,
— eu concordei.
— Ele é suspeito de oito homicídios, mas as pessoas nas ruas
colocam isso em dois dígitos. A lei não fez justiça.
— Mas isso lhe dá o direito de ser o juiz, o júri e o carrasco? — eu
disse em voz alta.
— Imagine isso por um segundo, — ele ofereceu, recuando para
encostar no balcão da cozinha, me puxando com ele. — Você está
colocando os mantimentos na parte de trás do seu carro. É tarde.
Ninguém está por perto. Cortez aproxima-se. O que você faz?

~ 210 ~
— Se ninguém está por perto para me ouvir gritar? — eu esclareci.
Ele assentiu. — E ele está perto demais para eu correr? — eu perguntei.
Mais uma vez, um aceno de cabeça. — Eu acho que vejo se tenho algo
para me defender.
— Você tem uma chave de roda. O que você faz? Você gentilmente
o bate com isso porque você não quer machucá-lo. Ou você pega a filho
da puta, e bate na cabeça dele com tudo que você tem, sabendo muito
bem que você poderia matá-lo?
— Eu entendi o seu ponto.
— Todo mundo é capaz de matar, Sloane. Nas situações certas.
Tirar um homem do mundo que faz as coisas que ele fez para muitos
outros, e neste caso, especialmente para você, é a situação certa.
— Mas e se alguém te viu ou...
— Ninguém me viu.
— Ou a bala pode ser rastreada?
— Primeiro, não pode. E segundo, eu a extrai. Ninguém vai saber
que fui eu. Honestamente, duquesa, nenhum policial está trabalhando
para descobrir quem foi. A perseguição há anos está fora das ruas. Um
novo líder se levantará. Eles têm coisas melhores para fazer do que me
perseguir. Mesmo que tivessem algo para continuar. O que eles não têm.
— Mas por quê? — eu insisti, precisando que ele soletrasse, não
querendo me deixar esperar por coisas que poderiam acabar me
machucando.
— Porque você me chamou chorando.
— Mas...
— Não gostei de ouvir aquilo, — ele me interrompeu. — E eu
entendo você, Sloane. Eu sei que demorou muito para você se abrir.
— Muito vinho.
Ele sorriu com isso, mas balançou a cabeça. — Você estava bêbada,
claro. Mas você poderia ter chamado alguém de sua casa. Você poderia
ter procurado alguém com quem você costumava trabalhar. Isso é o que
a maioria das pessoas faz. Mas você estendeu a mão para mim. Você
confiou em mim com isso.

~ 211 ~
— Eu não queria fazer isso, — eu disse a ele. — Eu não deveria ter
colocado meus problemas em você assim. Isso não é justo.
— Seus sentimentos não são um inconveniente, Sloane. Eu
entendo que sua mãe lhe ensinou exatamente o contrário. Mas você não
é mais uma garotinha. Você precisa perceber que você tem o direito de
sentir o que sente, e expressar isso. Sem sentir-se envergonhada ou
culpada. Especialmente comigo.
— Você não é responsável por lidar com minhas explosões.
— Primeiro, isso não foi um desabafo. Segundo, não se trata de ser
responsável, é sobre estar interessado e preocupado.
— Você não precisa se preocupar comigo. Eu posso cuidar de mim
mesma.
— Jesus Cristo, fodido, — ele sussurrou, olhando para o teto como
se pudesse encontrar força lá. — Você pode dar uma dica?
— Que dica?
— Que eu dou a mínima, ok? Que eu quero ouvir o que está
acontecendo aqui, —ele disse, estendendo a mão para me tocar na
têmpora. — Que se você precisar desabafar, você pode fazer isso comigo.
— Eu... aprecio isso, — eu disse, não tendo certeza se estava lendo
isso corretamente ou não. Se talvez ele estivesse apenas me oferecendo
amizade, era tão evidente que eu precisava.
— Eu não me ofereci para levá-la ao maldito aeroporto, Sloane, —
ele me disse, vendo através de mim.
— O que você me ofereceu então? — eu perguntei sem rodeios.
— Estou oferecendo o que você quiser de mim, — ele me disse. —
Você quer um amigo, serei seu amigo. Você quer mais, eu vou te dar mais.
Você quer me dizer para dar o fora da sua vida, não vou gostar, mas eu
vou.
Meu coração parecia ter subitamente inchado no meu peito,
fazendo-o parecer apertado e pesado.
Não tenho certeza se poderia encontrar a coisa certa a dizer, dei o
passo final entre nós, descansando minha bochecha contra seu peito. —
Eu quero mais, — eu disse a ele, minha voz fraca.

~ 212 ~
— Tem certeza? — ele perguntou, sentindo-me acenar com a
cabeça. — Então, que tal você dizer isso como se tivesse certeza?
Eu ri um pouco disso, balançando a cabeça. — Você é um idiota.
— Eu acredito que você tenha que se acostumar com isso, — ele
concordou, com o braço ao redor do centro das minhas costas,
segurando-me mais apertado. — Se nós vamos fazer isso.
Fazer isso.
Isso simplificou demais, não foi?
Fazer.
Como se entrar em um relacionamento fosse a coisa mais fácil, a
coisa mais normal.
Talvez para algumas pessoas, fosse.
Para mim, e eu suspeitava, não era esse o caso.
— Tudo tem que mudar de novo, — eu disse ao peito dele.
— Tudo pode ser como você quiser agora. Você quer voltar para a
cidade, voltar para a sua antiga vida, fazer isso. Você quer ficar aqui e
começar de novo, faça isso.
— Eu gosto de Auddie, — eu admiti. — Mas não acho que quero
ficar aqui.
— Bom. Porque teria sido uma dor na bunda voar para cá toda vez
que eu quisesse ver você.
— Você iria voar para me ver? — eu perguntei, ouvindo na minha
voz, talvez pela primeira vez. Esperança.
Para isso, ele fez algum som estrondoso em seu peito que eu tomei
por acordo. — Conheci muitas mulheres, — ele começou, me dando um
aperto. — Nem uma única fodida, alguma vez chegou como você fez. Eu
acho que significa algo que você foi capaz de fazer. Eu vou me apegar a
isso. Figurativamente, — ele disse enquanto suas mãos de repente se
moviam para baixo. Então afundou na minha bunda com força. — E
literalmente, — ele acrescentou, fazendo meu sexo apertar a promessa
em sua voz.
— Bem, eu aceito isso.
Isso fez um som se mover através dele enquanto suas mãos
agarraram meu traseiro mais forte, me levantando para ele, então se

~ 213 ~
virando para me deixar cair no balcão da cozinha, seus lábios
reivindicando os meus imediatamente. Com força. Com fome.
Completamente descontrolado.
Sua pélvis pressionada entre as minhas pernas, seu pau duro
deslizando pela minha fenda através de seu jeans, fazendo um gemido
irregular se mover através de mim.
Suas mãos subiram pelas minhas coxas, laterais, depois para
dentro, agarrando a bainha da minha blusa, rasgando-a bruscamente,
fazendo minhas mãos se soltarem para liberar o material. Não houve
sequer uma pausa antes de seus dedos agarrarem a taça do meu sutiã,
puxando-a para baixo, expondo o pequeno mamilo à sua boca faminta,
seus lábios se fechando ao redor do mamilo, sugando-o até que arqueei
para trás, pressionando ainda mais a sua boca exigindo mais.
Que ele alegremente me deu.
Até que meu sutiã foi descartado no chão junto com sua camiseta.
Até que a mão dele pousou no centro do meu peito, me pressionando para
trás até que minhas costas se encontraram com o frio do balcão, fazendo
meus mamilos se contraírem com mais força, arrepios se movendo
através da minha pele. Suas mãos desceram pelo meu torso, seu dedo
traçando a cicatriz curada do lado antes de ele agarrar o cós da minha
calça e calcinha, puxando para baixo, puxando com força para fazê-las
mover-se sobre a minha bunda e descer pelas minhas pernas até que eu
estivesse completamente nua diante dele.
Suas mãos espalharam minhas coxas, empurrando meus joelhos
contra o balcão, o olhar preso entre as minhas pernas, fazendo com que
o desejo de fechar minhas coxas me alcançasse. Mas ele não permitiu
isso, segurando meu joelho, me mantendo espalhada diante dele.
Um grunhido baixo se moveu através dele quando uma de suas
mãos subiu do meu joelho, massageando minha coxa antes que traçasse
entre meus lábios escorregadios, rolando meu clitóris, fazendo-me
chorar, o som ecoando nas paredes do meu apartamento, fazendo
qualquer um em torno consciente exatamente o que estava acontecendo
atrás da minha porta.

~ 214 ~
— Não consegui tirar a ideia da sua boceta da minha mente, — ele
me disse enquanto seu corpo abaixava, enquanto seus dedos se moviam
pela minha fenda para pressionar contra a minha abertura. — Porra
doce, — ele me disse um segundo antes de sua língua traçar para cima
para procurar o meu clitóris, circulando-o enquanto seus dedos
empurravam dentro de mim. — E apertada, — ele acrescentou,
empurrando preguiçosamente enquanto sua língua trabalhava meu
clitóris, quando o desejo se tornou algo de outro nível, algo indescritível.
— Você esteve pensando em mim também, — ele meio que perguntou,
meio que me disse.
— Sim, — eu choraminguei, a mão indo para a parte de trás do seu
pescoço, tentando segurá-lo para mim, exigindo o fim do tormento na
minha barriga inferior. — Pensando sobre o quê? — ele perguntou,
liberando meu clitóris enquanto seus dedos continuavam empurrando
dentro de mim, um pouco mais rápido, mais exigente. — Sobre mim,
lambendo sua boceta?
— Sim, — eu gemi, mão agarrando o pulso da mão plantada no
meu joelho ainda, os dedos cavando, sentindo que eu tinha que segurar.
— É isso?
— N... não.
— Você pensou no meu pau aqui? — ele perguntou, os dedos de
repente se enrolando dentro de mim para bater contra o meu ponto G.
Tudo o que saiu de mim foi algum som áspero, quase dolorido. — Isso
não é uma resposta, duquesa, — ele me informou, sorrindo
maliciosamente, mas seus olhos estavam tão carentes quanto os meus.
— Sim.
— Sim, o quê? — ele perguntou, os dedos começando a sair de mim,
fazendo minhas paredes se apertarem para tentar segurá-lo, uma missão
fútil.
— Sim, — eu disse, dobrando para cima em meu desespero, quase
arranhando seu botão e zíper. — Eu pensei em você dentro de mim, —
eu disse a ele quando minha mão finalmente se moveu para dentro,
agarrando seu pau duro, acariciando meu polegar através do ponta

~ 215 ~
molhada, a cabeça inclinada para cima para ver como seus olhos se
fechavam enquanto ele respirava fundo, tentava encontrar mais controle.
Mas eu não queria que ele encontrasse controle. Eu o queria tão
carente quanto me sentia.
Eu o acariciei até o punho antes de empurrá-lo para trás com a
outra mão, exigindo o quanto que eu precisava deslizar na frente dele,
levando-o em minha boca antes que ele pudesse adivinhar minhas
intenções.
O gemido áspero que escapou dele me empurrou para trabalhar
mais rápido, sugá-lo mais fundo, trabalhar minha língua sobre a cabeça
a cada passagem.
Sua mão foi para a parte de trás do meu pescoço, enrolando na
minha cabeça, a dor quase esmagadora. Mas de uma forma boa. De uma
forma que dizia que eu tinha o tipo de controle sobre ele que ele tinha
sobre mim.
Então seus dedos afundaram no meu cabelo, puxando forte o
suficiente para me arrastar para trás, seu pau deixando meus lábios com
um estalo, fazendo suas pálpebras ficarem ainda mais pesadas quando
ele me arrastou para trás pelos meus cabelos, algo selvagem, primitivo,
irresistível.
Sua outra mão foi para o meu quadril, virando-me enquanto sua
outra mão descia pelo meu pescoço para plantar entre minhas
omoplatas, pressionando até que eu não tinha escolha a não ser me
inclinar para frente, descansar meu peito e barriga contra o balcão frio
na minha frente, meus seios esmagados na superfície inflexível, minha
bunda pressionada em direção a ele.
Como se o pensamento fosse pronunciado em voz alta, a mão dele
foi para minha bochecha, batendo forte, o tapa trouxe um choque
inesperado passando por mim novamente, fazendo-me de alguma forma
pressionar de volta para ele como se eu estivesse pedindo mais.
Isso não poderia ter sido possível, no entanto. Eu não era o tipo de
mulher que gostava de sexo violento, de ser espancada, que sentia dor.
Exceto talvez eu estivesse gostando.
Talvez eu nunca tenha conhecido isso antes.

~ 216 ~
Talvez Gunner estivesse apenas tirando isso de mim.
Ele estava feliz em atender a demanda também. Sua mão se
afastou, depois bateu com mais força, fazendo a pele esquentar enquanto
eu sentia a cabeça de seu pênis entre meus lábios, acariciava minha
umidade, cobria-o, pressionando-o em meu clitóris, fazendo minha mão
bater o balcão enquanto o prazer passava por mim.
— Gunner, por favor, — eu exigi, tentando respirar fundo, mas a
pressão no meu peito estava tornando isso impossível.
— Por favor, o quê? — ele exigiu, pressionando seu pênis mais forte
contra o meu clitóris, fazendo minhas paredes apertarem quase
dolorosamente com a necessidade de gozar.
Eu sabia o que ele queria ouvir, as únicas palavras que ele aceitaria
para acabar com o tormento.
— Por favor, foda-me. — Eu exigi, balançando o traseiro para tentar
obter mais do atrito que ele estava me dando.
Mas ele se afastou de repente, fazendo um grito se mover através
de mim antes de eu ouvir o rasgo de uma embalagem de camisinha
enquanto ele nos protegia.
E então ele estava dentro de mim.
Duro.
Rude.
No limite brutal.
Fazendo-me acolher cada centímetro grosso de uma só vez, sem
aviso prévio.
Mesmo com a leve picada dentro de mim, minhas paredes se
apertaram ao redor dele, exigindo mais.
Um grunhido se moveu através dele em resposta quando suas
mãos afundaram em meus quadris, arrastando-os ligeiramente para se
dar mais controle.
E então ele estava fazendo o que eu pedi.
Ele me fodeu.
Duro.
Rápido.
Implacável.

~ 217 ~
Não dando ao meu corpo um segundo para que o desejo
diminuísse, tomando cada centímetro de mim, exigindo um orgasmo que
prometia me fazer estilhaçar.
— Goze, Sloane, — ele ordenou, voz áspera e baixa, chegando ao
ponto de não retornar ele mesmo, querendo me levar com ele. — Goze, —
ele exigiu novamente, sua mão deslizando para frente e, em seguida,
entre as minhas coxas para trabalhar o meu clitóris em círculos
frenéticos, empurrando-me para a borda.
Então, sem aviso, me empurrando mais.
Aconteceu também.
O que foi prometido.
Um orgasmo que parecia explodir através do meu sistema, me
quebrando em um milhão de pedacinhos enquanto eu me ouvia gritando
sem pensar, chamando seu nome, choramingando através das ondas
enquanto elas continuavam me ultrapassando, enquanto elas me faziam
sentir em cada centímetro de mim mesma de cima para baixo.
— Porra, baby, — ele rosnou quando bateu no fundo do final de
meu orgasmo, gozando com um gemido e estremecimento antes de
desmoronar sobre mim, sua respiração frenética no meu ouvido, seu
coração batendo em seu peito.
Ficamos assim por muito tempo, ambos exaustos para sequer
pensar em nos mover, forçar a vida de volta aos nossos membros. Se nós
ainda tivéssemos a força para fazer isso. Eu tinha certeza que não sabia.
Eu me senti sem ossos, uma massa de mingau que nunca seria capaz de
me mover novamente.
— Porra, — Gunner rosnou, recuperando um pouco do seu peso
enquanto respirava fundo. — Você está bem? — ele perguntou, deixando-
me completamente, sua mão acariciando suavemente minha espinha.
— Eu acho que não tenho mais pernas, — eu disse a ele, me
sentindo boba, mas era exatamente como me sentia.
Eu podia ouvi-lo se afastando de mim, abrindo o armário sob a pia
onde o lixo estava localizado, e soltando uma risada baixa.
— Vamos lá, — ele disse, colocando os braços sob os joelhos e
costas, puxando-me para o peito, levantando-me, em seguida, levando-

~ 218 ~
me para a sala, caindo no sofá comigo em seu colo. — Aqueles biscoitos
foram feitos na cozinha? — ele perguntou depois de um longo minuto.
E isso, mais do que o sexo, mais do que a coisa com Cortez, mais
do que apenas aparecer aqui depois que eu tinha desistido
completamente de que tal coisa fosse possível, foi isso que fez meu
coração parecer estar prestes a explodir em meu peito.
— Sim, — eu disse, sorrindo em seu peito.
— Você os fez?
— Sim.
E foi então que percebi que aprendendo a fazê-lo, a minha firme
determinação de não desistir do negócio, foi por causa dele. Mesmo que,
logicamente, eu soubesse que não o veria novamente, algo dentro de mim
precisava saber que poderia cozinhar para ele de alguma forma.
— Certo, você senta aqui sua linda bunda, — ele me disse, me
largando na almofada com uma pequena cerimônia para que ele pudesse
ficar de pé e se mover em direção à cozinha, ainda descaradamente nu.
Ele voltou um momento depois com um prato cheio de biscoitos... e uma
xícara de leite. — Estes são fodas, — ele me informou quando sentou. —
Por isso, você escolhe o filme, — ele me disse enquanto colocava o copo
no chão, e jogou o controle para mim.
— Tudo bem. Apenas me deixe ir me vestir, — eu disse, movendo-
me para ficar de pé.
— Não consigo imaginar para que você precisa de roupas, já que
assim que eu tiver algum sustento nesse corpo, planejo foder você de
novo. E de novo. E novamente. Tenho tempo para compensar.
E, bem, não poderia discutir com um pouco de lógica, eu poderia?
Então ele comeu biscoitos e bebeu leite enquanto assistíamos a um
filme de Val Kilmer dos anos oitenta que ele resmungou a princípio, mas
na verdade gostou.
Então ele me fodeu de novo.
E de novo.
E de novo.
Então me acordou às quatro da manhã para dar mais uma volta.
Eu não estava nem brava.

~ 219 ~
E então eu voltei a dormir.
E pela primeira vez em semanas, não tive um pesadelo, porque não
havia nada a temer. E eu não sonhei com Gunner. Porque não precisei.
Eu o tinha.

~ 220 ~
Gunner

Essa garota Auddie era uma viagem.


Eu tinha me levantado no meu horário normal, acordei Sloane com
a minha língua, encontrando-a ainda mais necessitada e exigente quando
estava com sono, então me vesti e fui até a academia improvisada,
desistindo dela e seu equipamento de má qualidade depois de cinco
minutos, indo em vez disso para uma corrida ao redor da cidade.
Era um lugar agradável.
Eu não gostei muito da primeira vista.
Porque estava tão concentrado em saber se Sloane ia gostar, se
combinava com o gosto de cidade dela, e, talvez mais importante, que
esse era o lugar para onde eu iria perdê-la, azedando a minha opinião
sobre isso.
Mas era legal.
Pequena, mas grande ao mesmo tempo.
As lojas eram em sua maioria independentes, muitos moradores
pareciam se conhecer e, embora ninguém me conhecesse, me ofereceram
um oi ou um aceno enquanto eu passava.
Eu podia ver como ela conseguiu se acomodar um pouco.
E pude ver por que ela fez amizade com Auddie, que me conheceu
na entrada do prédio, bloqueando-me completamente com o corpo, os
braços cruzados, o queixo levantado e a pose de mamãe-ursa.
— Ouça aqui, — ela começou, estreitando os olhos para mim. —
Eu conheço homens como você. Aqueles que flutuam dentro e fora da
vida de uma mulher, prometendo coisas que você não tem intenção de
dar, então desaparecendo e deixando-a destroçada. Ela pode estar cega
por tudo isso, — ela disse, acenando a mão no meu torso sem camisa
com uma onda de lábios enojada. — Mas eu não sou tão facilmente
enganada. Ela se mudou para cá para ficar longe de você, babaca. Dê

~ 221 ~
uma desculpa. Saia. Ela merece mais do que estar com alguém que a fez
erradicar sua vida porque ele é um idiota.
— Acho que você pode estar me confundindo com outra pessoa, —
eu disse, as sobrancelhas se unindo.
— Ela disse que teve que se mudar para cá para fugir de algum
idiota.
Tudo bem, eu tinha certeza que ela não tinha usado esse termo,
mas eu podia ver isso sendo implícito. Sobre Cortez.
— Tudo bem, escute...
— E você certamente parece se encaixar na descrição, — ela me
cortou, justamente brava por uma mulher que conhecia há menos de um
mês. O que foi realmente legal. Para Sloane. Eu realmente me senti mal
que ela provavelmente estaria perdendo isso, algo que nunca teve em sua
vida antes.
— Eu não sou o idiota que ela estava fugindo, — eu esclareci. —
Eu sou o idiota que a ajudou a fugir do babaca que ela estava fugindo.
— Oh, — ela disse, um pouco do ar deixando seus pulmões. — Ela
não mencionou mais ninguém.
— Ela não é muito de compartilhar.
— Bem, isso é verdade. Eu movo minha boca sem parar, e ela só
joga algumas palavras aqui e ali. Ela é legal embora. E tão talentosa. Eu
não posso esperar para ver os livros quando eles estiverem prontos.
— Sim, ouvi falar sobre isso, — eu concordei, me perguntando
sobre os desenhos, sobre o que Sloane tinha ficado tão envolvida, que ela
realmente falou estar sobre isso. Ela. Essa mulher que nunca falava.
Quem mal deixa as palavras saírem a maior parte do tempo.
— Então por que você está aqui?
Esta não era minha decisão. Contar a ela. Fazer o trabalho de
Sloane como amiga. Mas ela ainda estava bloqueando meu caminho. —
Tinha que dizer a Sloane que o idiota de quem ela fugiu não é mais um
problema.
— O quê? Ele foi preso ou algo assim?
— Sim. — Ou algo assim.

~ 222 ~
— Bem, isso é ... um alívio, eu acho. Queria que alguém prendesse
meu ex. Por mais de uma semana ou levá-lo a trabalhar para a pensão
que ele me deve. Espere, isso significa que ela está indo embora? — ela
perguntou, seu rosto caindo um pouco. Eu nunca conheci alguém que
subiu e desceu em torno de seus sentimentos tão rapidamente, e
habilmente. — Eu realmente gosto dela. O cara no apartamento antes
dela gostava de fazer aquelas refeições realmente horríveis como todas as
noites da semana. E mantinha cobras como animais de estimação. Ele
jurou que eram todas não-venenosas, mas eu tenho minhas dúvidas. Eu
odiaria vê-la ir.
— Eu honestamente não sei o que Sloane planejou, querida. Ela
tem uma vida de volta em Nova York, no entanto. Uma carreira que ela
deixou abruptamente. Mas tenho que dizer, eu acho que ela está mais
feliz aqui do que estava lá. Eu não sei o que ela vai fazer.
— Você vai fazer parte do que ela escolher fazer?
— Espero que sim.
Ela assentiu um pouco com isso. — Certifique-se de que ela
continue desenhando e pintando, — ela exigiu, quase soando como se
estivesse implorando. — Ela é tão boa. Eu não acho que ela percebe como
é boa. Billy estava falando sobre os desenhos no livro em que
trabalhamos. Ela é genuinamente talentosa. E tenho a sensação de que
ela não desenhou tanto assim.
— Ela meio que desenhou, mas não de um jeito que ela gostaria.
Auddie assentiu, descruzando os braços. — Ela estava trabalhando
para tentar conseguir um emprego no local de vinho e pintura. Você acha
que ela poderia fazer algo assim quando voltar?
Eu encolhi os ombros para isso. — Ela tem um trabalho meio
importante, mas pelo que posso dizer, poderia funcionar muito bem se
ela soltasse um pouco as rédeas, dando-lhe tempo para trabalhar em
outras coisas. Mas...
— Mas ela é teimosa? — ela forneceu.
— Você a conhece por um curto período de tempo do que eu, e você
já percebeu isso?

~ 223 ~
— Ela é bem fechada. Talvez um pouco definida em seus objetivos.
Mas com o tipo certo de encorajamento, aposto que ela poderia ser
influenciada a dedicar mais tempo à arte.
— Ela realmente gosta de você, — eu disse a ela. — Eu acho que
ela está triste em pensar em ir embora. Ela nunca teve amigos em casa.
— Nós ainda podemos ser amigas. Inferno, minha melhor amiga
mora na Espanha de todos os lugares. Ela foi lá por um semestre na
faculdade, depois nunca voltou para casa. Ainda conversamos o tempo
todo. Ela me visita. E você disse que Sloane é da cidade de Nova York
certo?
— Sim.
— Minhas meninas gostariam de visitar. Ver o museu. Ouvi dizer
que há uma baleia gigante suspensa no teto.
— E uma loja de presentes de todos os tipos, — eu concordei com
um sorriso quando ela gemeu com a ideia. — Tenho certeza que ela ficaria
feliz em ter você.
— Vocês vão ficar aqui um pouco? Eu gostaria de visitá-la antes
que ela saia. E talvez mostrar a ela o livro impresso. Billy me disse cinco
dias.
— Acho que posso persuadi-la a ficar mais cinco dias. De qualquer
forma, ela ficou muito tempo sem férias.
— Incrível! Talvez possamos persuadi-la a cozinhar para nós. Ela é
muito boa!
— Eu sei, — eu concordei, sorrindo. — Ela está assando bem
também. Você tem uma mão nisso?
— Ela só precisava de uma pequena ajuda, na verdade. Como os
fornos não aquecem todos da mesma maneira. E como o bicarbonato de
sódio e o fermento não são intercambiáveis. Os biscoitos eram bons!
— Bons, — eu concordei, de repente, desejando que eu não tivesse
comido tudo na noite anterior. Talvez eu pudesse trocar mais orgasmos
por algumas rosquinhas.
— Eu gosto de você, — disse Auddie estranhamente, com a cabeça
inclinada para o lado. — Eu não sei, posso ver vocês dois sendo bons um

~ 224 ~
para o outro. Ela é tão fechada e cuidadosa. Você é muito aberto e
contundente.
—Como você também. Parece que você a adotou. Você não tem
ideia do quanto ela precisava disso.
— Nós, garotas, temos que ficar juntas, — ela declarou. — Mesmo
contra caras gostosos com abdominais bem definidos e tatuagens legais,
— ela acrescentou, franzindo os olhos para mim. — Então não me deixe
ouvir que você a machucou. Eu sou um inferno no tiro, — ela me disse,
me dando um sorriso radiante. — Divirta-se com todas as sensações
sexuais, — ela acrescentou, passando por mim. — Mande Sloane vir a
mim no jantar.
— Mandarei, — eu concordei, acenando para ela me retirando
antes de entrar e encontrar Sloane vestida. Mas não em seu uniforme,
aquelas calças, blusas e saltos de quebrar tornozelo. Não. Ela estava de
jeans apertados e leves, uma camiseta branca e chinelos. E o cabelo
estava solto. — Encontrei Auddie do lado de fora. Ela ameaçou atirar em
mim se eu te machucasse, — eu adicionei, pegando um copo, enchendo-
o com água da torneira, tentando não sorrir com o jeito que seus olhos
varriam sobre mim. Ela me teve cinco vezes em vinte e quatro horas, mas
ela ainda queria mais. Eu sabia que estava se sentindo bem.
— Isso é doce, — ela decidiu, sorrindo um pouco.
— E ela quer que eu tenha certeza de que não importa o que você
escolha fazer, que você reserve tempo para a arte.
— Pensei muito desde que saí do meu trabalho. Eu realmente quero
fazer algo com isso. Mesmo que eu continue com a minha linha de bolsas.
Eles não precisam de mim tanto quanto fico lá. Eu não preciso fazer
tantas maquetes de bolsas por temporada como eu faço. E Mateo está
morrendo por mais responsabilidade. Eu poderia me afastar um pouco.
Conseguir mais tempo para outras coisas.
— Eu acho que é um bom plano, — eu disse cuidadosamente,
querendo encorajá-la, mas não querendo que pensasse que eu estava
tentando dizer a ela o que fazer com sua vida. — Talvez eu possa procurar
um apartamento em Navesink Bank, — ela continuou, — dessa vez era
ela quem tomava cuidado com o que dizia, temia que eu estivesse

~ 225 ~
interpretando mal as coisas ou que sua mente estivesse se movendo
depressa demais.
— Você poderia definitivamente fazer isso. É um lugar interessante.
— Mas não chegaria tão longe. Ela acabaria começando devagar,
descendo nos finais de semana, ficando comigo porque era só para o fim
de semana. Então seria mais do que o fim de semana, mas ela já estaria
confortável em minha casa. Ela acabaria lá sempre que não estivesse na
cidade lidando com negócios. E, bem, eu provavelmente estaria na casa
dela na cidade, a menos que estivesse em um trabalho.
Cristo.
Eu estava pensando no futuro.
Eu.
De todas as pessoas.
Um homem que nunca teve uma mulher que passasse mais de uma
noite em sua casa, estava pensando em fins de semana que levariam a
morar juntos.
Isso não era como eu.
No entanto, aqui estávamos nós.
E foi fácil, mais fácil do que pensei que seria levar a sério uma
mulher.
Talvez isso tenha tudo a ver com essa mulher em particular.
Acordando para ela, vindo para casa para ela, discutindo sobre comer na
mesa de jantar com ela, isso era uma merda que eu estava ansioso para
fazer. Sem a tensão de fugir de um psicopata assassino estuprador, o
choque cultural de tirá-la do mundo, a tensão de tentar permanecer
profissional com ela.
Seria mais fácil, menos carregado de estresse.
Nós poderíamos dar uma chance real finalmente.
— Temos que ficar aqui por mais cinco dias, — eu disse a ela.
— Por quê?
— É quando seus livros voltarão da impressão. Eu disse a Auddie
que iríamos ficar aqui. Ela exigiu o jantar.
— Entre vocês dois, e as meninas, é melhor eu fazer o suficiente
para um exército.

~ 226 ~
— Mais. Eu quero as sobras. Tenho a sensação de que vou precisar
da minha energia, — eu disse a ela, estendendo a mão para agarrar seu
quadril, tentando puxá-la para perto de mim.
— Você está todo suado! — Ela se opôs, golpeando meu peito.
— E agora você estará também, — eu prometi a ela.
E então ela ficou.
— Precisa de mim para ver você? — perguntei quando ela tirou as
roupas do chão e disse que ia se lavar.
— O quê?
— Quando estávamos olhando para o apartamento, você perguntou
se tinha uma banheira. Imaginei que você deu alguns passos para trás
quando se tratava de chuveiros.
— Eu dei, — ela concordou, encolhendo os ombros como se não
fosse nada. Mas era alguma coisa. E me deixou ainda mais feliz que
Cortez estivesse morto.
Foi uma decisão fácil para mim no final.
Talvez não devesse ter sido.
Tomar uma vida humana nunca deve ser fácil.
Tinha sido, no entanto.
Fácil.
Mais fácil até do que as mortes que fiz em nome do meu país. Mais
fácil do que os feitos em autodefesa.
Por ela, por sua segurança, por seus sonhos pacíficos?
Mais fácil do que qualquer coisa que eu já fiz antes.
— Mas acho que vou ficar bem. Nós dois sabemos que, se você me
ver, acabaremos sem realmente tomar banho.
— Eu estou bem com isso, — eu concordei com um sorriso.
— Se você continuar me distraindo, eu não vou conseguir fazer o
almoço.
— Bem, essa é possivelmente a única coisa que você poderia ter
dito para eu manter minhas mãos para mim, — eu disse a ela,
observando enquanto ela sorria antes de se virar para sair. Ela tentou
fazer isso rapidamente também, então eu não poderia encará-la por

~ 227 ~
muito tempo enquanto ela corria. Mas com certeza apreciei a vista
enquanto ela ia.
Ela voltou meia hora depois, de banho tomado, vestiu-se de novo e
continuou a trabalhar em algo brega para mim. — Posso ligar para o
trabalho agora? — ela perguntou, olhando por cima do ombro para mim.
— Eu quase me sinto culpada por já não ter ligado.
— Sim, duquesa. Chame qualquer um que você quiser. Inferno, até
diga a eles o que realmente aconteceu. Eles serão mais compreensivos.
Aposto que eles voltariam para você em um piscar de olhos.
Depois do almoço, devolvi o seu antigo celular que tinha mais de
cem textos não lidos e cinquenta chamadas não atendidas.
— Mateo, deixe-me falar, — ela disse, o tom dela fazendo aquela
coisa arrogante que costumava fazer o tempo todo.
Então ela fez, dando-lhe a história golpe a golpe, deixando
infinitamente claro que ela nunca tinha contado a ninguém qualquer um
dos detalhes. Sobre o processo judicial. Sobre Cortez perseguindo-a.
Sobre a facada. Sobre ter que arrancar sua vida e fugir.
Quando ela terminou, as palavras estavam tropeçando umas nas
outras. E ela estava claramente confortando o homem do outro lado do
telefone.
— Mateo, não havia como você saber. Não. Você era um empregado
perfeito! Na verdade, se você estiver disposto a voltar para mim, eu quero
te dar uma promoção. Com um aumento, é claro. Eu quero começar a
tirar mais tempo para mim. Sim. Claro, eu estou falando sério. Sim. Com
certeza, na verdade, mais cinco dias aqui, e então, uma viagem de quatro
ou cinco dias de volta. Isso seria incrível se você pudesse fazer isso Sim.
Ok. Claro. Vou mantê-lo carregado. Obrigada, Mateo.
— O que ele disse? — eu perguntei quando ela desligou, parecendo
quase um pouco apavorada.
— Que ele iria colocar a operação em funcionamento novamente.
Chamar pessoalmente todos que tiveram que sair. Lidar com os
distribuidores. Ele acha que ainda podemos obter a linha se ele voltar
agora. Eu realmente o subestimei antes, — ela disse, parecendo
desapontada consigo mesma.

~ 228 ~
— Você tinha todas as bolas no ar. Você estava com medo de que,
se você entregasse alguma coisa, você largaria todas elas, — eu disse. —
Mas agora que você tem um pouco de espaço para ver tudo claramente,
você pode fazer alterações de acordo.
— Você está certo, — ela concordou, dando um forte aceno de
cabeça, como se estivesse se decidindo. — Eu vou fazer certo desta vez.
— Você fez muito bem a primeira vez também, duquesa, — eu disse
a ela. — Você só pode tomar decisões com base em seu conhecimento.
Você não sabia melhor então. Tudo que você sabia era que você queria
melhor para si mesma do que aquilo em que você foi criada. Você fez isso.
Você fez muito. E agora você fará mais
— E ser mais feliz, — ela concordou, movendo-se para mim,
colocando os braços em volta das minhas costas, puxando seu corpo para
o meu.
— Eu gostaria de fazer parte disso.
— Eu não faria de outra maneira.

~ 229 ~
Sloane
5 dias

A batida na porta fez todo o meu corpo sacudir.


Eu me acostumei com muitas coisas ultimamente.
Eu não me acostumei com isso.
Ter pessoas inesperadas na porta.
Os vizinhos que eu tinha na cidade cuidavam de seus próprios
negócios. Eu não poderia tê-los escolhido para uma programação, ou eles
a mim. A única vez que alguém estava na minha porta era quando eu os
ligava porque estava esperando por eles.
Era surpreendente nunca saber quando alguém poderia aparecer.
Mesmo se eu soubesse quem era.
— Acho que a magia de Billy está completa, — Gunner chamou da
porta aberta da sacada onde ele estava, fazendo uma ligação para o
trabalho.
Eu levantei do meu lugar no meu cavalete, indo para a porta para
destrancá-la, recuando quando abri a porta porque sabia que Auddie era
o tipo tempestuoso.
O que foi exatamente o que ela fez.
Com uma pequena carroça vermelha que pertencia a suas filhas
carregadas de caixas de papelão.
— Essas estão cheias de livros? — eu ofeguei, pensando que ela
iria conseguir cinco ou seis cópias extras, não perto de cem.
— Bem, nosso grupo tem cerca de trinta crianças. E então eu
percebi que se eles conhecessem alguém que não estivesse no grupo,
poderiam querer um pouco. E eu darei algumas cópias para a biblioteca
e para a escola das meninas. E alguns por aí, e coisas para os hóspedes.
Você entenderá quando os ver. Billy trabalhou comigo um pouco para

~ 230 ~
deixar tudo perfeito. E eles estão. Perfeitos. Olhe! — Ela exigiu,
empurrando um livro em minhas mãos.
Lá estava.
Um livro de capa dura infantil real.
Com a capa que eu havia desenhado.
O título.
O nome de Auddie.
E meu.
Bem, meio que meu.
O falso eu.
Sloane Livingston.
Meus dedos se moveram sobre a capa com algo que eu só podia
chamar de admiração antes de abrir a primeira página, vendo o título
com toda aquela confusão de direitos autorais no verso antes que a
história, e minhas fotos, aparecesse.
— Uau.
— Tudo bem? — Auddie perguntou, pegando outra cópia para
bajular também. — É tão bonito. É como se fôssemos o negócio real,
sabe? Autor e ilustrador!
— Bem, tecnicamente... somos, — eu disse a ela com um sorriso.
— Eu acho que somos, — ela concordou, assentindo.
— Estou recebendo uma cópia assinada, certo? — Gunner
perguntou, entrando atrás de mim.
Auddie e eu compartilhamos um olhar, algo difícil de explicar, mas
nós duas entendemos de alguma forma.
Este foi o começo de algo.
Nós duas sentimos isso.
Nós não dissemos nada então.
Mas anos depois, nós duas falamos sobre o sentimento que
sentíamos naquele momento, aquele momento antes de assinarmos um
livro juntas pela primeira vez.

Gunner
~ 231 ~
2 semanas

Então esse era o lugar dela.


Eu não podia alegar estar surpreso.
Quando o táxi parou no meio-fio, tudo que eu consegui fazer foi
acenar com a cabeça e pensar. Sim, isso parece certo.
Grande, caro, em uma área agradável. As pessoas que entravam e
saíam vestiam-se muito como Sloane sempre, tão perdidos em seus
telefones que não notavam nada ao redor deles. Nem mesmo o porteiro
que mantinha as portas abertas para eles.
Até os corredores e elevadores gritavam dinheiro. Tudo atualizado,
moderno, mas confortável.
— Um segundo! — A voz de Sloane soou quando eu esperei do lado
de fora da porta, ouvindo algum barulho acontecendo lá dentro,
provavelmente da cozinha, já que ela me prometeu uma lasanha. Com
carne picada e salsicha. — Ai, — ela sussurrou antes que houvesse outra
batida e uma mudança enquanto se movia em seu apartamento. —
Desculpe. Eu estava me queimando, — ela me disse, segurando um dedo
que estava vermelho, mas não empolado. — É melhor você apreciar essa
lasanha. Minhas mãos são preciosas, — ela me informou, dando um
passo para trás, me convidando para entrar.
De alguma forma, o espaço era principalmente de cor neutra, mas
também gritava feminino. As paredes eram quase brancas. A mobília era
branca. O sofá era de uma cor bege. O tapete tinha até vários tons de
brancos, cremes e um pequeno toque de ouro.
De luxo. Feminino. Caro.
Convinha a ela.
Eu me perguntei se ela se sentiria da mesma maneira sobre a
minha casa.
Eu nunca tinha pensado nisso antes. Era um lugar que eu dormia,
mantinha minha merda, cuidava disso. Mas como... merda que precisava
de conserto, tarefas que precisavam ser feitas. Como cortar a grama,
limpar as folhas, consertar o caminho da frente.

~ 232 ~
Eu nunca pintei uma parede interna, exceto o banheiro, já que
tinha que arrancar um pouco do velho ladrilho porque tinha infiltração
quando eu me mudei.
Eu tinha alguns móveis, mas não qualquer toque pessoal, qualquer
bugiganga, qualquer coisa que dissesse que eu realmente morava lá.
— Lugar legal, duquesa, — eu disse, puxando-a para um beijo
rápido antes de apontar o nariz para a cozinha. — Isso parece ótimo.
— Não toque, — ela avisou, batendo na minha mão enquanto eu
tentava levantar o papel alumínio. — Isso é para o jantar. No seu lugar.
— Nós poderíamos ficar aqui esta noite em vez disso.
— Não. Voltaremos aqui depois do fim de semana, — ela me
lembrou.
Eu sabia disso.
Nós tivemos um mês inteiro planejado.
Planejar o tempo não era exatamente o meu estilo, mas era, como
seria de se esperar, necessário.
E era o estilo dela.
Eu aprendi outra coisa sobre Sloane.
Aparentemente, ela dormia com seu planejador de dia.
Literalmente.
Ela havia me dito isso por telefone depois de eu ter falado com ela
na noite anterior e começamos a conversar sobre nossos horários, e ela
disse que precisava encontrar seu planejador sob a confusão de seus
horários.
Então ela ficou sentada lá e discutiu os dias da semana e os fins
de semana comigo até que tivéssemos tudo planejado com um mês de
antecedência.
Não havia, parece, espaço para improviso.
— Você sabia muito bem que a lasanha não seria comida aqui, —
acrescentou, pegando dois rolos compridos de papel alumínio, algo que
imaginei ser pão de alho.
— Você poderia ter cozinhado na minha casa.
— Então comeríamos muito tarde, — ela me lembrou.

~ 233 ~
— Tem um ponto aí, — eu concordei. — Então, onde estão todas as
malas? — Eu perguntei, olhando em volta.
— Eu tenho uma mala. E uma pequena nécessaire de higiene.
— Mais sua bolsa, isso são três. Eu penso que isso qualifica como
todas as malas. Você não está trazendo nenhuma merda de arte? — eu
perguntei, localizando as bagagens que claramente estavam destinadas
a roupas e xampu, sem espaço para cavaletes ou blocos de desenho.
— Eu estava investigando isso. Navesink Bank acabou de instalar
uma enorme loja de artesanato. Na praça A & P, — ela me informou, me
impressionando com sua pesquisa óbvia porque não havia como ela saber
do A & P desde que isso fechou dois anos antes, estava vago, e finalmente
se transformou na loja de artesanato que ela estava falando.
— Sim, eles instalaram, — eu concordei, observando enquanto ela
brincava com as pontas do papel na lasanha, mesmo que já estivessem
todos perfeitamente embrulhados. Energia nervosa. — Você estava
pensando em estocar lá e armazená-los no meu quarto de hospedes, para
que você não tenha que ficar carregando uma tonelada de merda de um
lado para o outro?
— Quero dizer, eu estava pensando que... até eu conseguir um
lugar... seria realmente...
— Duquesa, relaxe, — eu a interrompi, sorrindo para seu óbvio
desconforto. — Eu acho que é uma boa ideia. Não teremos tempo para
passar esta noite, mas podemos ir depois do café da manhã amanhã, se
você quiser. Eu mostrarei a cidade um pouco mais.
— Isso seria ótimo. Seria bom saber o caminho de volta caso você
seja chamado.
Tivemos essa conversa no caminho ao redor do país. Sobre o meu
trabalho. Sobre o que isso implicava, quão imprevisível poderia ser, como
isso poderia me levar embora por semanas a fio, às vezes.
Ela aceitou melhor do que a maioria faria.
Estive sozinha desde que eu era apenas mais do que uma
adolescente, Gunner. Eu ficarei bem por algumas semanas aqui e ali.
Ela faria também.
Ela não estava apenas dizendo isso.

~ 234 ~
Ela ocuparia seu tempo com o trabalho ou com seu desenho.
E ela não ficando ressentida por isso.
Foi uma coisa libertadora perceber isso. Isso facilitou a vida. Isso
facilitou a construção de um relacionamento.
Desde que isso era o que nós estávamos fazendo claramente.
— Tudo bem. Eu acho que estou pronta, — ela disse, levantando a
assadeira com o pão de alho em cima da lasanha.
Então eu agarrei sua merda e nós pegamos a estrada.

Sloane
2 horas depois

Eu não tinha ideia do que esperar do lugar de Gunner.


Eu sabia de antemão que ele possuía uma casa, não um
apartamento, porque achava ridículo pagar o financiamento disso. E ele
gostava de ter um quintal.
Por quê?
Eu não tinha certeza.
Ele não tinha cachorro nem filhos para usá-lo.
Mas quando pressionei, ele apenas deu de ombros e disse que
estava acostumado com o trabalho, tendo crescido em uma fazenda.
Do lado de fora, não havia muito para diferenciá-la de muitas das
outras casas nos bairros, tudo o que se poderia chamar de uma “casa
inicial”, ou talvez até mesmo uma “casa ninho vazia”, já que eram todas
com dois ou três quartos, dois banheiros e pequenas áreas de estar e
jantar. Todas elas tinham grandes janelas na frente, garagens de um
carro e cerca de um quarto de um hectare cada.
Sua cor era quase branca, com tijolos na metade da parede, telhado
cinza e venezianas pretas.
E, bem, o interior era muito parecido.
Significado sem graça.
Impessoal.

~ 235 ~
A porta da frente levava direto para a sala de estar e jantar. À
esquerda, a sala de estar, havia um rack preto com TV de tela plana no
topo, uma mesa de centro desgastada e um sofá de couro marrom muito
surrado.
A sala de jantar tinha uma mesa na qual eu apostaria a minha
marca que saiu diretamente de uma grande loja, perfeita demais para ter
sido feita em outra coisa que não uma linha de montagem.
A cozinha estava ao lado da sala de jantar, ligada ao espaço, mas
completamente separada.
Lá, o azulejo no chão estava quebrado em pedaços, as bancadas
aparentavam os anos noventa, e não havia uma única coisa fora do lugar.
Nem mesmo um café em grão de sua máquina Keurig no balcão.
Eu acho que talvez isso fosse uma coisa militar, a limpeza.
Provavelmente isso foi impregnado nele desde o início. E então era um
hábito que ele nunca pensou em quebrar. Se tivesse algum toque pessoal
por aí, eu não percebi.
— E aqui embaixo fica o quarto, — ele me disse, entrando
novamente na sala de jantar para o corredor à direita da casa,
conduzindo-me por um banheiro no corredor, um pequeno quarto vazio,
depois a suíte.
Muito parecido com o resto da casa, estava vazio. Uma cômoda.
Outra TV. Duas mesinhas de cabeceira. Uma cama king size com lençóis
azuis e edredons.
Ao lado, uma porta estava aberta para um banheiro típico dos anos
cinquenta, quando esta casa era provavelmente construída, um chuveiro
com banheira, pia do armário e vaso sanitário. As toalhas eram brancas.
A cortina do chuveiro era branca.
— Há quanto tempo você mora aqui? — eu perguntei, olhando em
volta enquanto ele colocava minha bagagem no chão perto do armário.
— Alguns anos.
— Então... você é apenas fã de paredes envelhecidas? — eu
perguntei, sorrindo quando ele olhou para suas paredes como se nunca
as tivesse visto antes.

~ 236 ~
— Nunca pensei nisso realmente. Meio com o que estou
acostumado.
— Bem, você poderia se acostumar, e eu sei que isso é uma ideia
extrema... mas as cores.
— Tudo bem, espertinha. Nós podemos pintar.
Nós.
Isso certamente não me escapou.
Não foi a primeira vez que ele usou isso também.
Não havia medo nele.
Enquanto isso, tive essa tendência de fazer ginástica verbal para
evitar o uso da palavra nós. Só porque as coisas eram tão novas. Porque
eu estava bem ciente do fato de que não era ótima em saber o que dizer
e quando. Porque nem Gunner nem eu estávamos em terreno familiar.
— Alguma preferência? — eu perguntei, olhando em volta,
gostando da ideia de dar à sua casa alguma personalidade. Ele
certamente já tinha o suficiente, sua casa deveria ter refletido isso.
— Não aquela linha limpa, minimalista e moderna. Gosto de coisas
confortáveis.
— Eu posso me sentir confortável, — eu concordei com um aceno
de cabeça.
— Oh sim? — ele perguntou, olhando para os meus pés. Que
estavam em salto altos. Aqueles que ele provavelmente chamaria de
Tiffany ou algo igualmente ridículo, não tendo nenhuma ideia sobre
designers. O que, honestamente, era refrescante para mim. Eu estava
próximo a isso no trabalho. Era bom fugir disso.
— Ei! Você foi aquele que insistiu em aparecer no meu apartamento
às cinco. Eu não tive tempo para me trocar.
Eu tinha adquirido esse hábito.
Depois de Carson City.
Depois de perceber que jeans e uma camiseta eram muito mais
confortáveis do que blusas e calças.
Não vestiria no trabalho, e não era a imagem que eu queria projetar
ali, mas em casa, perto de Gunner? Eu achei que eu gostava de deixar
meu cabelo um pouco solto.

~ 237 ~
— E vá em frente e vá lá naquele quarto de hóspedes, duquesa. Se
isso vai ser o seu estúdio, deveria ter você por toda parte.
Meu estúdio.
Era estranho sentir-se maravilhada com essas palavras.
Afinal, eu tinha um grande apartamento em Manhattan e um
negócio que tinha um escritório gigante. Eu tinha muitos espaços que
eram meus.
Mas a palavra estúdio fez algo para mim, algo que eu tinha tentado
enterrar quando adolescente, quando minha mãe fez o melhor que pôde,
e de alguma forma conseguiu, em meus sonhos de ser uma artista.
— Esse é um bom olhar, — disse Gunner, a cabeça se abaixou para
o lado enquanto ele me observava.
— O quê?
— Esperança, — ele disse facilmente.
Esperança.
Eu acho que era isso.
Esperança.
Isso era novo para mim.
Mas tive a sensação de que ia me acostumar com isso.

Gunner
2 meses

Mateo era praticamente Sloane 2.0.


Eu realmente não sabia se isso era bom ou não.
Eu acho que foi bom porque permitiu que Sloane desse um passo
para trás, que ela tinha mais tempo para viver sua vida, para gastar
comigo, para trabalhar em sua arte, para ser apenas uma pessoa.
Mas se eu pensasse que Sloane trabalhava demais antes, Mateo a
envergonhava. Talvez fosse porque ela tinha acabado de lhe dar muito
poder, e ele estava tentando se provar.
Eu tinha a sensação de que era mais do que isso, no entanto.

~ 238 ~
Porque a palavra que vinha à mente quando você o encontrava era
fome. Foi exatamente a mesma coisa que permitiu Sloane se levantar em
sua vida como ela fez.
Foi admirável.
Mas também significava que, quando Sloane não atendia o telefone,
porque estávamos transando no chuveiro, ele aparecia na porta, entrava
e começava uma questão de trabalho, como se não estivéssemos os dois
em sua maioria nus, vestidos apenas com toalhas, o cabelo de Sloane
escorrendo por seus ombros enquanto ele andava de um lado para o
outro na sala de estar, reclamando sobre algumas amostras da França
que estavam atrasadas ou alguma merda.
E então Sloane disse algo que, em sua vida passada, duvido que
alguma vez lhe ocorresse dizer.
— Mateo, relaxe. Tudo vai se resolver.
Resolver.
Não era essa a sua fala.
Esse era eu falando.
— Resolver! — Mateo explodiu, literalmente levantando as mãos,
andando de novo. — Resolver, ela diz! — Ele assobiou para o universo em
geral.
— Ok, — disse Sloane, virando-se para mim, segurando um sorriso.
— Por favor, me diga que eu não fui tão ruim, — ela disse, os olhos
dançando.
— Eu poderia. Mas então estaria mentindo, — eu disse a ela, rindo
quando ela me deu um tapa no peito. — Você tem que fazer algo sobre
ele antes que ele tenha um fodido problema.
Então eu pude assistir a um viciado em trabalho nervoso tentando
acalmar outro.
Eu estava meio chateado por não haver pipoca e Twizzlers sendo
vendidos por essa merda.
Mas percebi, enquanto os observava, que alguma merda acontecia
por um motivo.
Eu nunca tinha sido alguém que se inscreveu em crenças como
essa, que colocou em estoque a ideia de destino e merda.

~ 239 ~
Mas até mesmo um cético teria que começar a juntar dois e dois.
Se Sloane nunca tivesse visto um homem perder a vida, nunca
tivesse feito a coisa certa, nunca tivesse sido castigada por isso, nunca
tivesse contratado segurança que não dava certo, mas a apontasse na
minha direção, isso nunca teria sido possível.
Ela teria ficado no mesmo lugar por toda a sua vida.
E, bem, eu também.
Então, talvez, só desta vez, eu acreditasse nisso.

Sloane
5 meses

— O quê? — eu assobiei ao telefone, com certeza eu a ouvi mal.


Alto lá no escritório de Gunner, com todo o seu pessoal reunido, falando
em voz alta sobre alguém chamado Fenway. Em quem todos tinham
opiniões muito fortes. E nem uma delas era positivo.
— Você me ouviu, — insistiu Auddie.
— Não. Acho que não. Parecia que você disse que seu livro está
sendo publicado.
— Nosso livro está sendo publicado! — ela meio gritou no meu
ouvido.
Eu não sei como descrever o sentimento nessas palavras. Era uma
mistura de maravilha, choque, euforia e uma dose saudável de
descrença.
Porque em que universo havia um livro, duas mulheres que se
conheceram enquanto uma estava em “proteção de testemunhas
blindada” e outra trabalhava casualmente, para que suas filhas
publicassem.
— Você quer dizer com uma editora? — eu a pedi para esclarecer.
Qualquer um poderia publicar hoje em dia com um computador e uma
conta online. Se isso era bom ou ruim, era uma interpretação. Também
seria um pouco influenciar os sentimentos, se esse fosse o caso.

~ 240 ~
— Sim, boneca. Com uma editora. E um agente. E um editor. E
contratações de livros e, ah! Eu nem posso acreditar por mim mesma.
— Espere... como isso aconteceu? — eu perguntei, balançando a
cabeça.
— Bem, eu entreguei as cópias para as pessoas no grupo da Margo.
E, aparentemente, Michelle, ela é aquela com dois filhos com autismo, —
ela explicou, embora eu nunca tivesse ouvido o nome da mulher antes.
Essa era uma peculiaridade engraçada de Auddie, ela achava que todo
mundo conhecia todo mundo. Talvez porque ela conhecia. — De qualquer
forma, ela adorou. E ela tem uma prima que é agente. Então ela
perguntou se poderia lhe enviar uma cópia. Eu apenas pensei que era
atencioso da parte dela, sabe. Eu não achava que alguma coisa viria
disso. Ou teria perguntado a você primeiro, mas quem, eis que, alguns
meses depois, recebo uma ligação da prima de Michelle, Tamara, que
disse que adorou, que havia um mercado enorme para esse tipo de livro,
que ela estaria interessada em trabalhar conosco para trazê-lo ao
mercado. Tenho quase certeza de que eu a deixei surda com o meu grito,
— ela acrescentou, soando nem um pouco arrependida sobre isso.
— Isso é tão incrível, — eu disse, sorrindo mesmo entre os
argumentos barulhentos acontecendo ao meu redor. Algo sobre a esposa
de um traficante cubano.
A vida poderia ser engraçada assim.
O sucesso muitas vezes acontecia quando você menos esperava,
quando desistia.
Gostava de te cegar assim.
Parecia, para um efeito mais completo.
Teve aquele momento em que recebi uma ligação de uma
verdadeira celebridade da lista real sobre minhas bolsas, perguntando-
me quando minha linha ia sair.
Tudo mudou para mim então.
Então eu encontrei Auddie ensurdecendo seu novo agente.
Este era o momento para ela.
— Eu não posso esperar para contar às garotas quando elas
chegarem em casa. Oh, inferno. Eu posso apenas tirá-las da escola, e

~ 241 ~
levá-las para tomar sorvete. — Ela correu para dizer, soando como se
estivesse pulando de excitação. — Ah, e ela estava se perguntando se
poderíamos fazer outro.
— Outro? — eu perguntei, sobrancelhas arqueadas. Isso não
costumava acontecer, eu não acho, uma editora querendo o próximo livro
antes mesmo de o primeiro sair. Isso envolvia muito risco quando eles
não tinham certeza da recompensa.
— Sim! Ela estava pensando em talvez um com protagonista
masculino dessa vez.
— Mas o primeiro ainda não saiu, — eu me opus, não tenho certeza
porque estava tão pouco disposta a acreditar nisso. Mas, novamente, eu
tinha certeza de que a ligação da minha estrela de cinema tinha sido uma
brincadeira cruel até que começamos a falar sobre reuniões para mostrar
a ela minha linha.
— Eu sei! Ela disse que era sem precedentes, mas eles tinham uma
sensação muito boa sobre isso, sobre como o mercado precisa lidar com
essas questões atuais mais urgentes que os pais e seus filhos enfrentam.
E ela queria que eu explicitamente lhe dissesse que seus desenhos foram
alguns dos mais revigorados que ela viu nos últimos anos. Ela estava
delirando sobre eles.
Lá estava outra vez, aquela onda de sentimentos.
Eu não acho que alguma vez os senti sobre o meu negócio de
design. Eu senti outras coisas, conforto, sabe. Mas acho que porque não
era uma grande paixão, porque eu não me vi sorrindo até que minhas
bochechas doeram quando eu esboçava uma bolsa, não era o mesmo.
Eu adorava trabalhar com a história de Auddie, dando vida a seus
personagens para os garotos verem enquanto seus pais liam a história.
Eu amava isso.
E agora ela estava me dizendo que era bom? Bom o suficiente para
ter uma editora falando sobre isso?
A excitação interior era indescritível.
— Eu não posso acreditar nisso.
— Eu sei! Eu já me belisquei umas 20 vezes. Recebi a ligação
quando estava lá embaixo... e pedi ao carteiro para me beliscar. O que

~ 242 ~
me levou a um olhar desconfortável, devo acrescentar, mas meu Deus.
Isso é... eu não tenho palavras para isso. E eu tenho palavras para tudo.
Você e eu, fazemos um grande time!
— Nós fazemos, — eu concordei, sorrindo. Ela já havia concordado
em vir para a cidade por uma semana, quando a escola encerrasse
naquele verão. Eu estava vasculhando a internet para ter ideias de coisas
para fazer com as garotas que só não iria estimulá-las, mas ser divertido
ao mesmo tempo. — Eu posso apenas ver agora. Nós na lista de best-
sellers. Auddie Cranston. E Sloane Livingston.
— Oh, — eu disse, o coração batendo forte de repente. — Sobre
isso...

Gunner
9 meses

— Isso é tão triste, — disse Sloane, inclinando-se para mim um


pouco.
— É para ser uma ocasião feliz, — eu a lembrei enquanto
observávamos Jules conversando animadamente com Aven e Miller.
— Eu não quero dizer para Jules, — ela disse, respirando fundo.
— Eu quero dizer para Kai. — Sua voz soou um pouco grossa, chamando
minha atenção para realmente encontrar seus olhos um pouco vítreos
enquanto ela olhava para Kai do outro lado da sala. Enquanto ele
observava Jules piscar em volta de um anel. Um diamante. No quarto
dedo da mão esquerda.
O pobre foda-se.
Ela estava certa.
Eu nunca poderia ter entendido a coisa dele por Jules. E mais
especialmente sua firme determinação de não agir de acordo com seus
sentimentos. Mas não havia como negar que o homem estava louco por
ela desde a primeira semana que ele começou no escritório. Isso só
cresceu desde então. Tornou-se algo quase doloroso de assistir, sua
dedicação inabalável e sua total ignorância.

~ 243 ~
Todos sabíamos que este momento estava chegando.
Na verdade, ficamos todos surpresos por ter demorado tanto.
Ela estava namorando um cara há cerca de um ano. Eles viviam
juntos depois de três meses. A merda era séria. Nós tínhamos esperado
que isso acontecesse por quase cinco meses agora.
Nós até dissemos que achávamos que seria bom. Para Kai, então
ele poderia finalmente seguir em frente, encontrar uma garota que
entendesse como ele era.
Mas vendo ele agora, foda-se.
Eu me senti mal por sequer pensar nessa merda.
Não sei se já vi um homem parecer tão arrasado.
E então a cabeça de Jules se virou para ele, brilhante, animada,
olhos e sorriso apenas radiantes. — Você viu, Kai? — ela perguntou,
empurrando a mão para ele.
Eu sabia que deveria ter sido um soco no estômago. Fodendo todo
o seu ar.
Mas esse cara, esse cara que, tanto quanto eu estava convencido
enquanto assistia, que nenhuma mulher merecia, ele engoliu a dor,
segurou a mão dela, e deu-lhe um sorriso que seria convincente para
qualquer um. Especialmente Jules, que sempre foi tão sem noção sobre
ele.
— Estou tão feliz por você, Jules, — ele disse, apertando a mão
dela.
— Tudo bem. Porra. Você está certa. Isso é triste, — eu concordei.

Sloane
2 anos

Eu nunca pensei muito nisso antes.


Em me estabelecer.
Construir uma vida que fosse mais do que apenas a minha.
Nunca pareceu algo que eu pudesse ter, então era inútil desejar,
procurar, sonhar com isso.

~ 244 ~
Era possível agora, no entanto.
Mateo estava quase administrando todos os aspectos da minha
empresa. Eu realmente nem precisava ir ao escritório tanto assim. Então,
bem, eu não ia. Apenas aqui e ali, para consultar sobre grandes projetos,
para reuniões de equipe, para aprovar novas contratações.
Eu tinha muito tempo livre, algo que eu mal sabia que existia antes.
Passei muito com Gunner. O resto, na arte. Às vezes com os livros com
Auddie, às vezes apenas por diversão, por mim, pelas paredes de nossas
casas, por nossos amigos.
Então as coisas sempre mudavam, mudavam, indo em uma direção
que era nova para mim.
Mas isso, este foi a mais nova de todas.
Minha mão parecia mais pesada.
Isso foi bobo, claro. Eu usei anéis durante toda a minha vida
adulta. Muitos com pedras tão grandes quanto esse diamante.
Não era uma coisa física.
Era mais profundo que isso.
Porque não era apenas um anel.
Era um anel que representava alguma coisa.
Isso prometeu coisas.
Coisas que eu não tinha pensado muito no passado.
Nem mesmo depois que Gunner e eu começamos a morar juntos
de verdade, depois que ele me pegou olhando os apartamentos em
Navesink Bank, fechou meu notebook e me informou que eu iria morar
com ele. E já que eu fui a única a decorar a sua casa, a partir de cores
de tinta para a arte de novos azulejos, bancadas e cortinas, parecia
apropriado.
Isso parecia uma coisa racional a fazer, viver juntos. Desde que
passamos a maioria das noites juntos. Era impraticável pagar outro
aluguel, outra rodada de serviços públicos.
Isso foi diferente.
— Duquesa, — a voz de Gunner chamou, fazendo minha cabeça se
arrepiar quando percebi que estava olhando para a minha própria mão

~ 245 ~
pelo que tinha que ter sido por alguns longos minutos. — Você está bem?
— ele perguntou, sorrindo um pouco para o meu óbvio desconforto.
— Sim. Isso é só... eu não sei. É grande.
— Sim, — ele concordou, assentindo.
— Eu nunca pensei muito em me acomodar.
— Eu imaginei. Eu também. Antes de você, de qualquer maneira.
Não soava como o meu tipo de coisa.
— Mas?
— Mas, como se constata, você é o meu tipo de coisa. E as coisas
que eu gosto, eu bloqueio.
— Isso é muito romântico, — eu disse a ele, palavras cheias de
sarcasmo.
— É, no entanto, se você pensar sobre isso.
— Quero dizer, se você pensar sobre isso, é meio arcaico, — eu
respondi, sorrindo. — Você quer que alguém esteja com você, então você
envolve o governo para tornar mais difícil a saída deles.
— Cínica, — ele atirou de volta, mas ele estava sorrindo. — Você
quer pensar um pouco? — ele perguntou, o menor sinal de preocupação
em sua voz.
Eu quero?
Quero dizer, choque de lado, eu realmente preciso pensar sobre
isso?
Sobre casar com esse homem que começou a significar muito para
mim.
Sobre continuar a construir uma vida com ele.
Talvez uma família com ele.
Isso realmente requer mais de um segundo de pensamento?
A resposta para isso era simples.
— Não. Eu não preciso pensar nisso. É claro que eu quero casar
com você. — Eu disse a ele, enlaçando meus braços em volta do seu
pescoço, puxando seu corpo para o meu, batendo meus lábios nos dele,
tentando fazer ele ver como eu estava me sentindo desde que eu não
conhecia as palavras para descrevê-lo.

~ 246 ~
— Amo você, duquesa, — ele disse enquanto sua testa pressionava
a minha.
— Eu também te amo, — eu disse a ele, de um lugar profundo que
nunca soube que existia até que ele tivesse desenterrado isso para mim.

Sloane
4 anos

— Pare de me encarar como se eu estivesse prestes a explodir —


eu exigi, sabendo que meu tom era grosseiro, e só desta vez, não
particularmente carinhoso.
Eu estava gorda.
Estava inchada.
Tinha um nariz que não parecia com meu nariz.
Tinha uma pele que decidiu começar a ficar toda manchada.
E tinha algo pressionando minha bexiga vinte e quatro horas nos
malditos sete dias da semana.
Ele poderia parecer menos arrogante.
— Você está trabalhando demais, — ele objetou, observando
enquanto eu caminhava pelo nosso apartamento em Nova York. Nos
meus saltos. Não importa quantas vezes ele me disse para tirá-los.
Gunner, geralmente o homem mais descontraído, fácil de lidar, seu
próprio negócio se tornou um maldito helicóptero, pairando em torno de
mim todos os dias desde que o bastão ficou azul.
Deveria ter sido atencioso.
E, realmente, no começo, foi.
Ele se recusou a me deixar levar minhas próprias roupas para a
lavanderia, insistindo que era demais para eu carregar.
Enquanto o médico disse que eu estava perfeitamente saudável, ele
me colocou em repouso prático desde o primeiro trimestre. E, bem, eu
não me importei então. Desde que fiquei doente o dia todo e a noite, nos
primeiros três meses mais ou menos.

~ 247 ~
Mas agora, agora que tudo aquilo passou, eu estava cansada da
cama. Estava cansada dele me falando sobre não comer o suficiente,
mesmo que eu estivesse claramente colocando bastante peso se a bola de
basquete sob a minha camisa fosse qualquer coisa. Eu estava cansada
dele pulando se eu escorregasse um pouco nos meus pés com meia como
se fosse cair, bater com a cabeça no balcão e também entrar em trabalho
de parto espontaneamente.
Era demais.
Ele estava sendo demais.
Poderia ter vindo de um lugar de amor, mas ele ia me amar direto
no manicômio a esse ritmo.
— Gunner, eu tenho que trabalhar essa linha de bolsas de fraldas,
— eu me opus, acenando com a mão no bloco de desenho que eu tinha
colocado em um cavalete porque sentar estava me dando uma facada nas
minhas costas ultimamente. — Nós prometemos a eles até o outono.
Tenho cerca de meio dia para fechar esse projeto para Mateo antes que
ele tenha um derrame.
— Deixe-o ter um derrame. Você precisa descansar.
Eu precisava de um Martini, era disso que eu precisava.
Apenas mais quatro semanas, eu me lembrei.
— Sloane, você foi...
— Oh, graças a Deus, — eu disse quando meu celular começou a
tocar. Eu praticamente mergulhei para isso. E, como esperado, ele fez
sua coisa de saltar como se estivesse pronto para me pegar se eu caísse.
Eu levei comigo para o quarto, precisando de algum espaço. — Eu vou
matá-lo, — eu informei Auddie como uma saudação.
— Uh-oh. E agora? — minha melhor amiga, e parceira de negócios
disse.
— Aparentemente, esboçar é uma atividade muito extenuante para
mim, — eu disse a ela, revirando os olhos.
— É engraçado.
— O quê?
— Como esses caras grandes e durões se transformam nessas
bagunças ansiosas quando se tornam pais.

~ 248 ~
— Eu não sou delicada, — eu me opus.
— Mas para ele, você é, — ela argumentou.
— Eu preciso trabalhar.
— Você quer trabalhar, — ela corrigiu.
— Ei, de que lado você está? — eu respondi de volta, sorrindo
porque ela só era capaz de me acalmar daquele jeito.
— Dê-lhe um pouco de folga, Sloane, — ela disse, suspirando um
pouco melancolicamente. — Ele está fora de suas profundezas aqui. Sua
vida tem sido muito difícil. Ele nunca teve muita exposição à suavidade.
E não há nada mais suave do que um bebê.
— O bebê não está aqui ainda!
— Certo, mas você está. E está... crescendo dentro de você. Ele está
preocupado que algo possa acontecer com vocês dois. Ele quer ter certeza
de que você está cuidando de si mesma e do pequeno.
Ela não estava errada.
— Então, eu posso apenas esperar que quando eu empurrar o bebê
para fora, ele transfira tudo isso de superprotetor, dominando parte de si
mesmo para ele ou ela, certo? E eu posso voltar a usar saltos sem ficar
de olho nele?
— Ah, bem, podemos esperar, — ela disse, não ajudando em nada.
— Se for uma garotinha, ele será tudo sobre ser a protegida do papai. Se
for um garotinho, ele vai se envolver em ensinar e ser um homenzinho.
Acho que as coisas voltarão ao normal entre vocês dois, — ela me disse.
— Como as garotas estão se instalando? — eu perguntei, sabendo
que elas estavam tendo alguns problemas com a nova escola. Em Nova
Jersey. Não Navesink Bank, onde Gunner e eu passamos a maior parte
do nosso tempo, mas perto o suficiente para que eu pudesse vê-las com
muito mais frequência. Ela alegou que se mudou para cá porque a editora
estava em Nova York, e era um bom negócio estar por perto. Mas nós
duas sabíamos que era porque ela queria estar mais perto de mim, de
nós.
— Elas estão indo melhor. Eu as encontrei um grupo de amigos,
então elas ficaram mais felizes com isso. Elas não podem esperar para

~ 249 ~
conhecer sua prima. Margo disse para dizer a você para dizer a ele ou ela
para sair já.
— Duquesa, talvez andar de saltos não seja a coisa mais inteligente
a se fazer quando você está grávida, — disse Gunner da porta, fazendo-
me ter que respirar lenta e profundamente antes de falar novamente.
— Sim, diga a Margo que estou pensando a mesma coisa.

Sloane
10 anos

— Ele vai ficar bem, — garantiu-me Ranger enquanto nós dois nos
apoiamos no corrimão do cercado, observando Gunner levar nosso filho
para o lombo de um burro. Sem sela, devo acrescentar.
Você pensaria que eu estaria acostumada com isso agora.
Aquele soco no estômago que era medo a qualquer momento que
Gunner fazia algo com Nico que era um pouco perigoso. Que era quase o
tempo todo.
Nico.
Foi o que Gunner queria nomeá-lo.
Ele era tecnicamente Nicholas porque eu insisti. Porque talvez ele
quisesse crescer e ser um homem de negócios algum dia. Para fazer isso,
Nicholas funcionaria muito melhor que Nico.
No entanto, acho que ficou claro, a partir do momento em que o
garoto poderia usar as próprias pernas para ter problemas, que ele não
seria um homem de negócios. Ele era muito ativo, muito curioso, muito
atraído por coisas que o deixariam com cicatrizes e histórias um dia.
Ele seria como o pai dele. E todos os seus tios, e algumas das suas
tias.
E isso estava bem para mim.
Eu era tudo para o que o fizesse feliz, uma lição que aprendi muito
mais tarde em minha vida que queria ter certeza de que ele aprendesse o
mais cedo possível.

~ 250 ~
Mas, ao ter uma abordagem mais independente do que quer que
fizesse sua pequena felicidade, significava que eu tinha que ter um nó
quase constante no meu estômago, preocupada com outro corte, outra
queda, outra viagem ao hospital para um raio-X.
Nós tivemos sorte até agora.
Sem ossos quebrados.
Mas eu sabia que isso estava vindo.
Possivelmente hoje.
— Não há nem mesmo uma sela, — eu me opus.
— Os burros são bem calmos. Se fosse um cavalo, eu os faria selá-
lo.
— Você não é de grande ajuda, — eu disse a ele, dando-lhe
pequenos revirar de olhos que ele apenas sorriu.
Sorriu.
Ranger.
Muita coisa mudou para ele também.
Que tinha tudo a ver com a mulher dentro da cabana, ela fez com
que ele se expandisse um pouco, o que estava nos fazendo café que não
era a consistência do lodo.
— Ele é um garoto. Ele vai se meter em muito problemas. Se você
ficar doente toda hora, vai ser uma longa década ou mais à sua frente.
Ele não estava errado.
Até Auddie me disse para me acalmar.
As garotas estavam sempre chorando com a idade dele. Algo estava
sempre machucado ou sangrando. Você aprende a se acostumar com
isso.
Havia alguma verdade nisso também. Eu quase não apagava
quando via sangue agora, embora eu fizesse Gunner lidar com os cortes
se fossem realmente desagradáveis.
— Você não sabe o que diabos está fazendo, — Ranger declarou a
Gunner, que estava tentando dar a Nico, aparentemente, as instruções
erradas sobre como montar corretamente um burro sem uma sela.
Com isso, ele correu por cima da cerca, empurrando Gunner para
fora do seu caminho e assumindo o controle.

~ 251 ~
Gunner voltou para mim, balançando a cabeça.
— Ele é louco por nosso filho, — declarei, observando os dois.
— Ele precisa fazer um dos seus, então eu posso ensinar o meu
esse tipo de merda.
— Você nunca montou um burro, — eu rebati enquanto ele se
movia atrás de mim, pressionando sua frente em minhas costas,
colocando as mãos dos meus lados no corrimão.
— Montei um cavalo e um camelo. Não consigo imaginar que seria
muito mais difícil do que isso.
— Dez anos, — eu disse, balançando a cabeça.
— Hum? — ele perguntou, acariciando meu pescoço de um jeito
que estava criando sentimentos muito inapropriados no meu corpo.
— Dez anos, e ainda aprendo coisas sobre você que nunca conheci
antes, — esclareci.
— Eu sou interessante pra caralho. É por isso que você se casou
comigo.
— Sério? Eu pensei que me casei com você pelo seu corpo, — eu
disse, sorrindo um pouco quando ele riu no meu ouvido.
— Mantenha em suas calças, certo? Estamos saindo em uma hora.
Então você pode obter tanto deste corpo quanto você quiser, — ele
declarou, e ele estava perto o suficiente para que eu pudesse sentir
quando ele flexionou seu peito musculoso atrás de mim.
— Estou preocupado com ele, — admiti, falando sobre Nico.
— É um fim de semana prolongado, — ele me lembrou. — Nós o
deixamos antes, — acrescentou.
— Sim, com Quin ou Smith ou Kai ou Lincoln ou Miller ou mesmo
Finn. Em Navesink Bank. Há uma hora de distância se ele precisasse de
nós. Não aqui na floresta com os ursos e os cachorros meio selvagens.
— E as cobras, — Gunner acrescentou.
— Não está ajudando! — eu disse, batendo no topo da sua mão.
— Vamos lá, se há alguém com quem ele está seguro, é Ranger. Por
uma infinidade de razões. E então podemos ir até a cidade e ter uma orgia
sem nos preocupar com alguém escutando.
— Bem, quando você coloca dessa maneira... — eu disse, sorrindo.

~ 252 ~
Nós não fizemos isso frequentemente, nos fins de semana. Talvez
uma vez a cada seis meses ou mais. Nós tínhamos trabalhado em um
sistema com o resto de seus colegas de trabalho, que eram realmente
como família, assim como Auddie. Alguém sempre ficaria feliz em levar
os filhos dos outros com o acordo de que quando eles quisessem sair,
você pegaria os deles. Isso nos deu toda a chance de não apenas sermos
pais, mas de sermos seres humanos, e maridos e esposas novamente.
Era uma boa pausa. E quando você voltava, você estava renovado,
animado para voltar ao modo mãe ou pai.
— Dez anos, — ele disse, algo como maravilha em seu tom.
Eu também pensava assim de vez em quando.
Dez anos.
Você poderia explicar isso de muitas maneiras diferentes.
Dez natais.
Dez aniversários.
Dez livros, no meu caso.
Dez linhas diferentes de bolsas e bolsas de fraldas.
Mas dez anos.
Com esse homem.
Este homem que, se a vida não o tivesse colocado no meu caminho,
eu nunca teria dado um segundo pensamento, nunca teria chegado a
conhecer, me apaixonar, criar uma vida, criar uma criança.
Foi incrível o quanto poderia mudar, o impacto que uma pessoa
poderia ter em sua vida. Às vezes em grandes formas, mas também às
vezes em um milhão de pequenas maneiras.
Com Gunner, eu tinha os dois.
Ele entrou como um aríete, me tirando do meu pé normalmente
firme.
E então a cada dia, ele mudou alguma coisa. Ele me ajudou a ver
algo sob uma nova luz. Ele me ensinou coisas. Ele compartilhou as coisas
comigo. Ele me empurrou para fora da minha zona de conforto, para que
eu pudesse experimentar coisas novas.
Foi uma coisa estranha pensar na minha vida antes.
Quão vazia tinha sido.

~ 253 ~
Cheio de orgulho, claro, mas foi isso.
Sem alegria.
Não é como agora.
Eu encontrei uma razão para sorrir todos os dias.
Com Nico.
Com Gunner.
Nos dois juntos.
Havia tanta alegria que eu senti como se fosse estourar às vezes,
com certeza eu não estava construída de uma forma que pudesse
aguentar tudo. Mas eu aguentei. Apenas quando pensei que estava cheia,
meu coração simplesmente inchava para abrir espaço para mais do
mesmo.
Tudo por causa desse homem.
— E você ainda é uma louca sobre a mesa de jantar, — ele
terminou.
E aí estava.
Um pouco mais de alegria.
Um pouco mais de inchaço para acomodá-lo.
Dez anos.
E uma vida inteira ainda a viver.

~ 254 ~

Você também pode gostar