Você está na página 1de 4

Cabeamento Estruturado

Carga Horária: 40

Pré requisito

Para o melhor aproveitamento do curso Cabeamento Estruturado, é imprescindível ter participado do curso
de Conceitos e Infraestrutura de Redes ou possuir conhecimentos equivalentes.

Objetivo

O curso de Cabeamento Estruturado tem como objetivo a formação de profissionais em nível de


consultoria e supervisão para obras de cabeamento estruturado comercial, provendo toda atualização das
normas, materiais mais modernos empregados nas instalações de cabeamento, bem como práticas e
testes exigidos atualmente para obtenção de redes de alta velocidade.<br><br>O curso destina-se a
profissionais que atuam nas áreas de infraestrutura - seja elétrica ou de telefonia -, ou já trabalhem com
cabeamento estruturado, bem como qualquer outro profissional que esteja diretamente envolvido com
redes: administradores, gerentes de TI. O curso atende também profissionais da área de vendas de
conectividade, distribuidores, equipes de manutenção, além de estar voltado, ainda, a qualquer jovem
aprendiz que deseje ingressar na área de infraestrutura.

Breve histórico - Definições

Da telefonia ao Cabeamento Estruturado: O telefone de Graham Bell; O telefone de Antônio Meucci:


Telégrafo falante?As redes e os cabos: História da Ethernet (Suplementos do IEEE 802.3 (evolução)).A
evolução para o Cabeamento Estruturado: Definições de Cabeamento Estruturado; Composição de um
sistema de Cabeamento Estruturado (Principais componentes de um Cabeamento Estruturado).O futuro
dos padrões.

Meios de transmissão metálicos e componentes para conexão

Cabos metálicos.Lei do cancelamento.Construção com ou sem blindagem: Nomenclaturas para


blindagem.U/UTP.Cabos blindados.Categorias: Cabos de telefonia (Cabo CI; Cabo
CTP-APL).Flamabilidade: CMX; CM; CMR; CMP; LSZH (60332-1); LSZH (60332-3).Componentes para
conexão: Patch Panel; Voice Panel; Bloco de engate rápido (BER); Bloco 110; Tomadas e conectores RJ
45; Patch Cords; Racks e acessórios; Espelhos e caixas de superfície.Práticas de instalação do
cabeamento metálico: Técnicas e cuidados no lançamento dos cabos; Pinagem e conectorização;
Montagem de racks; Ferramentas e segurança no trabalho.

Meios de transmissão ópticos e componentes para conexão

Considerações iniciais: Folclores; Diferenças/vantagens/desvantagens.A física da luz: Ondas


eletromagnéticas.Princípios de funcionamento: Reflexão interna total.Fabricando a fibra óptica: Fabricação
de fibra de sílica pura (MCVD (Modificated Chemical Vapour Deposition); PVCD (Plasma Chemical Vapour
Deposition); OVD (Outside Vapour Deposition); VAD (Vapour Axial Deposition)); Fabricação de fibras de
vidro composto (Método Rod in Tube; Double Crucible (Duplo cadinho)); Fabricação de fibras de
plástico.Tipos de construção de fibras ópticas: Estrutura da fibra; Multimodo (Tipos de fibra multimodo);
Monomodo (SM).Perdas por atenuação de sinal: Absorção pelo material; Espalhamento; Perdas por
deformação mecânica; Atenuações em emendas e conexões (Fatores intrínsecos; Fatores
extrínsecos).Perdas do meio dispersivo.Sistemas de comunicações ópticas.Modulação e multiplexação:
Modulação digital; Multiplexação (FDM; TDM; WDM (Wavelength Division Multiplexing)).Emissores de
luz.Cabos de fibra óptica: Flamabilidade; Código de cores para fibra óptica.Componentes para conexão
em fibras ópticas.Práticas de instalação de cabeamento óptico.Testes e certificação: Parâmetros para
certificação de cabos ópticos.

Normas que regem o Cabeamento Estruturado

Objetivo das normas.Principais organizações.

A norma ANSI/TIA-568-C

Estrutura da norma.ANSI/TIA-568-C.0: Cabeamento reconhecido; Considerações sobre aterramento e


vinculação; Generalidades - ANSI/TIA-568-C.0; Carga máxima de tração; Raio mínimo de curvatura;
Padrão de terminação T568A e T568B; Patch cords e jumpers; Aterramento e requerimentos de
vinculação para cabeamento blindado; Separação de cabos de energia e telecomunicações; Descarga
eletrostática; Performance de transmissão do cabeamento e requerimentos de testes; Medidas de
performance de segmento ou link; Segmento Cabling Subsystem 1; Segmentos de Cabling Subsystem 2 e
Cabling Subsystem 3; Cálculo de atenuação do link óptico; Conceito de interconnection e
Cross-connection.ANSI/TIA-568-C.1: Entrada do Edifício; Sala de Equipamentos; Sala de
Telecomunicações; Cabeamento de Backbone (Cabling Subsystem 2 e Cabling Subsystem 3)
(Generalidades; Comprimento; Cabeamento reconhecido para backbone); Cabeamento Horizontal
(Cabling Subsystem 1) (Generalidades;Topologia; Comprimento); Área de Trabalho (Patch cords da Área
de Trabalho; Comprimento máximo dos patch cords da Área de Trabalho; Cabeamento de fibra
óptica).ANSI/TIA-568-C.2: Generalidades (Propósito; Categorias reconhecidas pela ANSI/TIA-568-C);
Parâmetros elétricos; Parâmetros de teste UTP Categoria 5e (TIA/EIA-568-C); Diretrizes para testes de
verificação do cabeamento metálico; Testes de certificação.ANSI/TIA-568-C.3: Mudanças técnicas
significativas em relação à edição anterior; Propósito; Escopo da norma 568-C.3; Parâmetros para
certificação de cabos ópticos.

Normas ANSI/TIA complementares

ANSI/TIA-569-B.ANSI/TIA-606-A: Codificação de cores na face do patch panel na sala de


telecomunicações; Sistemas inteligentes.ANSI/TIA-607-B: TMGB (Telecommunications Main Grounding
Busbar); TGB (Telecommunications Grounding Busbar); TBB (Telecommunications Bonding Backbone);
Principais fontes de EMI.NBR 5410.

Outras normas industriais importantes

Norma europeia - EN 50173.Norma brasileira - ABNT/NBR 14565: Escopo.ISO/IEC 11801.Outras normas


importantes.

Normas regulamentadoras

Propósito das Normas regulamentadoras.NR 6 - Equipamento de Proteção Individual ? EPI:


Equipamentos de proteção individual; Fabricação de EPIs; Obrigações do empregado.NR 7 - Programa de
Controle Médico de Saúde Ocupacional: Diretrizes; Responsabilidades.NR 9 - Programa de Prevenção de
Riscos Ambientais: Estrutura do PPRA.NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade:
Medidas de controle; Medidas de proteção coletiva; Medidas de proteção individual.NR 18 - Condições e
Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção: Programa de Condições e Meio Ambiente de
Trabalho (PCMAT) na Indústria da Construção.NR 33 - Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços
Confinados: Responsabilidades; Medidas pessoais; NR 35 - Trabalho em Altura; Responsabilidades;
Capacitação e treinamento.