Você está na página 1de 9

QUESTÕES DE HISTÓRIA DA ARTE

01-A pintura rupestre era feita em paredes de rochas a céu aberto ou cavernas. Os primeiros
exemplares foram identificados em cavernas de difícil acesso e muitas vezes escuras. Entre as
explicações para esse fato, podemos indicar:
a) a necessidade de preservar a arte dos saqueadores de objetos antigos.
b) a tentativa de valorizar mercadologicamente as pinturas para vendê-las aos mecenas.
c) que impediam que outros artistas fizessem cópias e as disponibilizassem em redes sociais.
d) que faziam parte de rituais mágicos com vistas a assegurar uma caçada bem-sucedida.
e) que se relacionavam com o desenvolvimento industrial desses povos.

02-O grafite contemporâneo, considerado em alguns momentos como uma arte marginal, tem
sido comparado às pinturas murais de várias épocas e às escritas pré-históricas. Observando as
imagens apresentadas, é possível reconhecer elementos comuns entre os tipos de pinturas
murais, tais como

A) a preferência por tintas naturais, em razão de seu efeito estético.


B) a inovação na técnica de pintura, rompendo com modelos estabelecidos.
C) o registro do pensamento e das crenças das sociedades em várias épocas.
D) a repetição dos temas e a restrição de uso pelas classes dominantes.
E) o uso exclusivista da arte para atender aos interesses da elite.

03-A “religião” é um importante componente cultural do estudo antropológico que chamamos


de fator social, pois está relacionada com a sociedade e suas atitudes. Também a política valeu-
se da religião. Na arte e cultura egípcia este fator social – no caso – a religião - foi utilizado em
sua forma mais concreta: fazer do processo político e da fé humana meios de condução social
em todos os períodos de sua história. Este fator predominante na cultura egípcia se refletiu na
produção artística deste povo, tendo como característica:

A-Era dada ao artista inteira liberdade de expressão.


B-É uma arte que valorizava a criatividade do artista.
C-Ao observar uma obra já se define o autor, pois suas características estão expressas na obra.
D-É uma arte padronizada, não dando margem à criatividade nem a imaginação pessoal.
E-a valorização dos sentimentos religiosos e pessoais do artista.
04-Comparando a arte grega com a egípcia é possível concluir que

a-Para os egípcios a arte era permeada de uma forte conotação simbólica. Um bom exemplo
está no uso das cores nas representações artísticas. Para os egípcios cada cor usada tinha um
simbolismo especial.
b-arte egípcia é ligada ao espírito (religiosidade), enquanto a Arte Grega é ligada a razão. Por
esse motivo a arte grega aboliu a temática religiosa de sua produção artística
c-A pintura, embora em seu tempo uma das mais populares e prestigiadas formas de arte na
Grécia, é pouco conhecida, nos dias de hoje, graças à inexistência quase total de exemplos
sobreviventes em mural ou painel portátil, e a maior parte do que se sabe deriva de fontes
literárias e de cópias romanas.
d-Atualmente são poucos os vestígios da pintura grega, devido ao material frágil usado. A maior
parte dos relictos pictóricos que sobrevivem da Grécia Antiga se encontra na vasta produção de
vasos para uso decorativo ou utilitário.
e-Mesmo respeitando a tradição religiosa, através da mitologia, a liberdade de expressão e o
reconhecimento do homem como centro de sua cultura constituíam a base do pensamento
grego, que lhe permitiu atingir um aspecto bem específico em relação aos outros povos.

05-Os templos são muito marcantes na cultura grega antiga bem como no segmento de
edificações. Para os gregos essas construções eram essenciais para fazer o culto dos seus deuses.
Uma das principais preocupações dos gregos quando estavam construindo um templo era que
todas as quatro fachadas dos templos tivessem um visual que impressionasse.

Sobre os estilos arquitetônicos gregos encontrados em seus templos, identifique a ordem


correta das imagens a seguir:
a- Dórico, coríntio e jônico.
b- Delfos, dóricos e jônico
c- Jônico, cariátides e coríntio.
d- Ephebu, cariátides e dórico
e- Corintio, dórico e jônico.
06-As peças de teatro na Grécia
Antiga contavam histórias dos mitos
gregos, nas quais deuses eram muito
importantes. Elas passaram a ser
representadas em espaços especiais,
que são parecidos com os teatros de
hoje. Eram construções em forma de
meia-lua, cavadas no chão, com
bancos parecidos com arquibancadas,
chamados de teatro de arena. Nessa
época, dois gêneros eram muito
explorados: as tragédias e as
comédias. As tragédias eram histórias
dramáticas e mostravam homens que, por não aceitarem a vontade Divina, acabavam
entregues à própria sorte. Um dos maiores autores de tragédias no teatro foi William
Shakespeare. Escreveu Hamlet, personagem cuja existência tornara-se insuportável
desde o espectro de seu pai, recentemente morto, apareceu-lhe numa noite
assombrada no alto da torre do castelo, reclamando desforra; Otelo, general mouro que
serve o reino de Veneza e que se vê rodeado por traidores e invejosos, que tramam
constantemente contra sua vida e Romeu e Julieta, jovens provenientes da famílias
rivais, que se apaixonam um pelo outro.
Apesar de esse gênero apresentar histórias com personagens tão intrigantes, no teatro,
quando surgiu, na Grécia, ganhou destaque e jamais foi visto com pessimismo. Ao
contrário, os gregos o viam como educativo, porque:
a- Propiciava aos atores e aos espectadores uma falsa ilusão do que era a vida.
b- Fazia que a visão de mundo fosse explorada negativamente, criando uma
definição para os acontecimentos trágicos da época.
c- Permitia que pessoas lidassem com problemas não resolvidos, exteriorizassem
suas emoções, buscando a própria medida ideal sem pender para nenhum dos
extremos de sua própria personalidade.
d- Dava total credibilidade aos infortúnios próprios do gênero humano, atingindo a
todas as classes e promovendo um sentimento de conformação à população.
e- Tratava a morte com um castigo dos deuses, e isso permitia ao ser humano
abdicar de um plano físico para enaltecer tudo o que era distribuído pelas divindades do
Olimpo.

E a loba nunca foi


etrusca
O carbono-14 prova que a famosa estátua
da amamentadora de Rômulo e Remo foi
feita por volta de 1.300 d.C, portanto,
1.800 anos depois do que até agora se
acreditava.
O Estado de S.Paulo
13, novembro 2008 | 02h 46
Por muito tempo os italianos atribuíram aos etruscos a autoria da estátua de bronze que reproduz
em tamanho natural uma loba amamentando os lendários gêmeos Rômulo e Remo - e a
transformaram em emblema da cidade de Roma. Estavam enganados. Até 500 anos a. C., os
etruscos formaram a poderosa nação Etrúria, Tuscia ou Tirrênia. Seu território abrangia toda a
atual região da Toscana e parte da vizinha Úmbria. Foram sucessivamente combatidos, derrotados
e varridos do mapa pelos antigos romanos. Mas os vencedores assimilaram seu rico patrimônio
cultural. Os etruscos tinham escultores e pintores geniais, que produziram obras-primas ainda
existentes. Trabalharam com perfeição os metais, dando-lhes as formas de animais ou pessoas,
capacetes, elmos, vasilhas, colares, braceletes, etc. Pintaram afrescos e esculpiram túmulos de
terracota. Entretanto, os etruscos nada têm a ver com a estátua da Lupa (loba, em italiano)
Capitolina, assim batizada por integrar o acervo dos Museus Capitolinos, em Roma. Os italianos
já sabiam que as figuras de Rômulo e Remo eram da Renascença. Mas seguiam acreditando na
origem etrusca da loba e a afirmavam esculpida no século 6º a. C. Testes com o carbono-14,
método capaz de estabelecer a idade radiométrica de objetos ou materiais arqueológicos, na
Universidade de Salerno revelaram que ela foi feita por volta de 1.300 d. C. Portanto, é
1.800 anos mais nova do que se afirmava. A notícia saiu no jornal romano La Republica
do dia 28 de agosto, causando alvoroço na Itália.

06- “De todos os povos da Península Itálica, os mais importantes foram os etruscos,
estabelecidos na Etrúria, mais tarde chamada Toscana, cuja arte revela influência
grega, mas com uma sensibilidade própria, que repercutirá na arte romana.”

Sobre os etruscos, é correto afirmar que sua arte buscava


a) expressar figurativamente o homem.
b) caricaturar os seres humanos.
c) apontar a pouca importância dos funerais.
d) retratar realisticamente os seres humanos.
e) representar, de forma abstrata, os seres humanos.

07-No começo dos tempos as esculturas eram feitas de mármore.


Foram poucas as esculturas gregas que sobreviveram ao tempo.
Esta imagem é uma Cópia do Discóbolo de Míron. Quanto à arte da
Roma Antiga, afirmamos que

a) sua arte não traz nada de efetivamente novo, a não ser novos
tipos de músicas que aparecem da fusão cultural com os hebreus.
b) sua arte é inovadora e destaca-se por muitas novas propostas
em todas as modalidades.
c) seu ideal de arte e de beleza é derivado diretamente dos gregos.
Nesse sentido sua arte basicamente continua o caminho traçado
pelos gregos.
d) sua arte não traz nada de efetivamente novo, a não ser novos
tipos de músicas que aparecem da fusão cultural com os babilônios.
e) A escultura, bem como a pintura foram linguagens artísticas
subordinada à ornamentação arquitetônica de interiores e
exteriores.

08-A grandiosidade do Império Romano criava muitos problemas administrativos e


conflitos de poder, dificultando a ação dos seus governantes. Na arte, os romanos
seguiram soluções práticas para facilitar sua vida urbana.

A arquitetura romana, por exemplo, foi:


A - marcada pela influência dos etruscos apenas no uso da abóbada.
B - definida pelas influências grega e egípcia, o que resultou em construções grandiosas
em homenagem aos deuses.
C - marcada pela utilização de pedras e tijolos, utilizados em grandes edifícios públicos.
D - suntuosa nas construções públicas, que eram de grande originalidade para a época.
E - baseada no uso exclusivo do arco, graças à influência dos mesopotâmicos.

09-A Civilização Bizantina floresceu na Idade Média, deixando em muitas regiões da


Ásia e da Europa testemunhos de sua irradiação cultural. Assinale importante e
preponderante contribuição artística bizantina que se difundiu expressando forte
destinação religiosa:

a) Adornos de bronze e cobre.


b) Aquedutos e esgotos.
c) Telhados de beirais recurvos.
d) Mosaicos coloridos e cúpulas arredondadas.
e) Vias calçadas com artefatos de couro

10-As estátuas nuas não condiziam com respeito à virgindade e ao celibato. Quando o
corpo foi considerado instrumento do Diabo e o monge, em vez do atleta, passou a ser
o ideal, a estatuária quase desapareceu e, quando teve um breve retorno, sofreu uma
“pressão” da iconoclastia, que foi
a) um movimento contra as estátuas nuas, em Bizâncio.
b) um movimento reformista da Igreja Católica em Bizâncio contra estátuas de nu
artístico.
c) um movimento em que os seguidores quebravam as imagens de santos, os ícones.
d) uma heresia que adorava imagens, mesmo sendo estas contra os princípios cristãos.
e) um movimento da Igreja Ortodoxa a favor de estátuas de monges, em vez de atletas
e mulheres nuas.

11-Na sociedade feudal, as atitudes frente ao corpo eram governadas pela concepção
dualista sobre a qual se construía toda a representação do mundo. De um lado o
perecível, o efêmero; de outro, o imortal. Sobre o corpo no Medievo, é correto afirmar:
a) Por ser menos fechado, o corpo masculino era mais permeável à corrupção,
requerendo uma guarda mais atenta e cabendo à mulher a sua vigilância.
b) Os traços específicos do corpo, tais como a cor dos cabelos e a tez, nada revelavam
das particularidades da alma.
c) O corpo desnudo, espontaneamente exibido em público, era a condição ideal para
deixar transparecer a alma.
d) Os castigos físicos tinham a função de limpeza corporal, a fim de preparar os corpos
para o ato sexual.
e) O corpo era considerado perigoso, o lugar das tentações, nele se manifestava o mal,
pela corrupção, doença e purulências.

12-No século XII, teve início uma economia fundamentada no comércio. Como
consequência, o centro da vida social deslocou-se do campo para as cidades e surgiu
uma nova classe social: a burguesia urbana”.
(PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo: Ática, 2007, p.72)

Considerando tal período da história da arte, assinale o que estiver correto.


A- Pode-se considerar que o período gótico é caracterizado pelas construções que
utilizam arcos ogivais.
B- É nesse período que se encontra uma paulatina transformação do tetro que sai
das praças públicas e passa a ser apresentado nas igrejas, assumindo elementos
profanos e texto em versos.
C- A arte liberta-se da religiosidade, centrando-se em temas laicos ligados ao modo
de vida burguês.
D- Com o desenvolvimento de uma arte mais profana tem-se, na mímica, um
período de grande produção muito mais apoiada em valores sociais e humanos.
E- Devido à importância dada ao desenvolvimento arquitetônico no período gótico,
é escassa a produção de esculturas e de pinturas.

13-Observe a imagem e marque a alternativa que não apresenta


características da pintura românica.

Cristo Pantocrator- Afresco- Abadia de São Clemente- Barcelona, Espanha.

A- A pintura românica desenvolveu-se, sobretudo, nas grandes


decorações murais.
B- A imitação da natureza com realismo era a principal intenção dos
pintores românicos.
C- No colorismo, as cores eram chapadas, sem meio-tons ou jogo de
luz e sombra.
D- A temática dos pintores era de natureza religiosa.
E- As técnicas maios utilizadas foram a deformação e o colorismo.

14-Os estilos arquitetônicos românico e


gótico destacaram-se na arte medieval. O
estilo românico, por exemplo, presente
em numerosas edificações do século XI,
expandiu-se pela Europa católica e
a) era muito usado na construção de
igrejas, destacando-se suas linhas curvas
e sua forte ligação com mudanças
urbanas que aconteciam no sul da Europa
do século XI.
b) estava relacionado com mudanças no
estilo arquitetônico francês rural, que
revelava o enfraquecimento das
tendências próprias das construções do
sistema feudal do século XI.
c) era usado nas construções religiosas católicas, numa época em que ainda se
destacava a simplicidade da vida rural medieval.
d) simbolizou o crescimento do comércio medieval no sul da França, com destaque para
seus arcos e suas janelas pequenas, de vitrais bem desenhados.
e) marcou a arquitetura católica medieval, mas foi usado apenas na construção de
mosteiros próximos aos castelos dos senhores feudais mais ricos.

15-Leia o texto e, em seguida, assinale a alternativa correta:

Em 1127 São Bernardo (1090-1153) se reconciliou com Suger (c. 1085-1151). Em


uma carta (n. 78), Bernardo congratulou-se efusivamente com ele por ter reformado sua
abadia, mas, sobretudo, por passar a viver uma vida verdadeiramente cristã, modesta,
mesmo em meio ao fausto do poder.
Essa importante reforma e redecoração levada a cabo por Suger em Saint-Denis,
a mais régia das igrejas (originalmente um mosteiro), deu origem a uma nova arte, o
gótico, que, em Saint-Denis, foi a mais perfeita expressão concreta da filosofia da
metafísica da luz do Pseudo-Dionísio Areopagita (séc. V). No espetáculo poético da
esfuziante irradiação da luz em Saint-Denis, a transcendência repousou na matéria, a luz
na cor, a contemplação na ação.
COSTA, Ricardo da. “A luz deriva do bem e é imagem da bondade”: a metafísica da luz do Pseudo Dionísio Areopagita
na concepção artística do abade Suger de Saint-Danis. In: Scintilla. Revista de Filosofia e Mística Medieval. Curitiba:
Faculdade de Filosofia de São Boaventura (FFSB),
Vol. 6 - n. 2 – jul./dez. 2009, p. 39-52.

A beleza, apontada pelo texto de Ricardo da Costa referente à primeira construção


tipicamente gótica da Idade Média, estava associada à claridade, à luz e à cor. Esses
elementos, trabalhados inicialmente na Catedral de Saint-Denis, tornaram-se comuns
nas outras construções góticas espalhadas por toda a Europa. A luz e a cor preenchiam
o interior das catedrais góticas por meio:

a) das grandes lucarnas construídas no centro das catedrais.


b) das pinturas dos artistas do Renascimento.
c) da arte da escotilha.
d) da arte dos vitrais.
e) das iluminuras.

16-Leonardo da Vinci foi, além de artista, um dos teóricos de arte do Renascimento


italiano. Em seu TRATADO DE PINTURA escreve que a beleza consiste numa gradação
de sombra - "Demasiada luz é agressiva; demasiada sombra impede-se que se veja" -
e, mais à frente, define a pintura como imitação de "todos os produtos visíveis da
natureza (...) todos banhados pela sombra e pela luz."
A partir destes fragmentos do TRATADO DE PINTURA, pode-se concluir que a
concepção artística do Renascimento pressupõe

a-um trabalho desenvolvido pelo artista dentro de ateliês, considerando que o controle
da iluminação se torna fundamental.
b-uma associação entre estética e luz, entendendo a luz, em uma perspectiva
teocêntrica, como a presença de Deus no mundo.
c-a separação entre o desenho, a representação do movimento, os limites da figura e o
fundo ou a atmosfera.
d-um ideal de equilíbrio, expresso pela noção de distribuição simétrica de volumes e
cores na superfície pintada.
e-a liberdade do artista no momento de realização de seu trabalho, exprimindo suas
paixões e seus sentimentos mais exaltados.

17-Desde o fim do século XIV, na Itália, um certo número de homens cultos, os


humanistas (da palavra latina ‘humanus’, polido, culto), havia-se apaixonado pela
recordação da Antiguidade Greco-Latina. Esforçaram-se por reencontrar e reunir as
obras dos autores antigos, quase todas dispersas nos conventos e mosteiros onde os
monges as haviam conservado e copiado ao longo da Idade Média”
(GIRARDET, R.; JAILLET, P. apud RUBIM, A. et al. História das Sociedades. Rio: Ao
Livro Técnico,1988, p. 70).

Tendo em vista o exposto acima, assinale a alternativa correta a respeito da cultura da


Antiguidade Clássica, do Humanismo e do Renascimento.

a.Na Renascença, ocorreu um gradativo distanciamento entre a Teologia e a Filosofia


da Natureza, fato que se refletiu nas artes plásticas mediante a valorização do corpo
humano expressa na importância do nu artístico.
b.A filosofia aristotélica foi responsável pela introdução da perspectiva geométrica na
pintura sacra da Alta Idade Média, fenômeno revolucionário na história da arte
renascentista.
c.Assim como seus antecessores da Grécia Antiga, os artistas do Renascimento
valorizavam as histórias mitológicas, abandonando os temas religiosos do cristianismo.
d.O modo como os humanistas retomaram os ideais da arte antiga foi semelhante ao
que fizeram os modernistas com a arte pré-colombiana em 1922, no Brasil.
e.O culto a Dionísio orientou os preceitos estéticos que dominaram, durante séculos, a
arte da escultura da Antiguidade Grega.

18-O Renascimento conseguiu renovar as concepções estéticas nos vários campos da


produção cultural. Na pintura:
A- o uso da perspectiva trouxe novas possibilidades para o artista construir suas
representações sobre mundo.
B- deu continuidade aos princípios das artes oriental e clássica, em que houve destaque
para as manifestações nas artes plásticas.
C- teve nas obras de Brunelleschi e Leonardo da Vinci sua grande expressão pelo uso
de cores claras e temas religiosos.
D- consagrou a mitologia grega com seus quadros sombrios, reveladores dos limites da
vida humana e das angústias existenciais.
E- manteve a temática narrativa dos tempos medievais, apesar de seu acentuado
antropocentrismo.

19-A imagem abaixo, denominada Madonna de Brera, de Piero della


Francesca (1415-1492), apresenta características que o inserem no
contexto da arte renascentista. As mais evidentes neste quadro são:
a-Tema religioso, representação da mitologia greco-romana e
antropocentrismo.
b-Perspectiva, tema religioso e naturalismo.
c-Padrão de pintura medieval, cenas do cotidiano urbano e
antropocentrismo.
d-Teocentrismo, uso de cores fortes e traços bem definidos.
e-Perspectiva, medievalismo e hedonismo.

20-O Renascimento foi um importante movimento de ordem artística,


cultural e científica que se deflagrou na passagem da Idade Média para
a Moderna. Em um quadro de sensíveis transformações que não mais
correspondiam ao conjunto de valores apregoados pelo pensamento medieval, o
renascimento apresentou um novo conjunto de temas e interesses aos meios científicos
e culturais de sua época. Ao contrário do que possa parecer, o renascimento não pode
ser visto como uma radical ruptura com o mundo medieval. O Renascimento foi um
importante movimento de ordem artística, cultural e científica que se deflagrou na
passagem da Idade Média para a Moderna.
Em um quadro de sensíveis transformações que não mais correspondiam ao conjunto
de valores apregoados pelo pensamento medieval, o renascimento apresentou um novo
conjunto de temas e interesses aos meios científicos e culturais de sua época.
Com base nas informações apresentadas e em conhecimentos correlatos, podemos
afirmar que
A- O Renascimento é resultado do pessimismo que se espalhou pela Europa em relação
ao futuro da civilização ocidental, em face dos contatos dos europeus com outras
culturas.
B- No Renascimento, o vínculo entre arte visual e matemática foi amplamente
disseminado, embora algumas técnicas, como a perspectiva, foram mal utilizadas por
artistas da época.
C- A ação dos mecenas, ao patrocinarem artistas e intelectuais, foi o fator decisivo para
que se consolidasse a união da Igreja com a arte da Renascença.
D- O modelo de composição visual adotado pelos artistas renascentistas e abalizado
pelos ideais humanistas, provocou a eliminação de cenas mitológicas.
E- O renascimento significou a ruptura com os padrões artísticos medievais que, mesmo
adotando ideais humanistas, priorizavam uma representação visual estilizada e
realística.

GABARITO
01- D
02- D
03- D
04- B
05- C
06- C
07- D
08- D
09- D
10- C
11- E
12- A
13- B
14- C
15- D
16- D
17- A
18- A
19- B
20- E