Você está na página 1de 40

Universidade Eduardo Mondlane

Faculdade de Engenharia – DEEL


Licenciatura em Engenharia Eletrónica
Propagacao de Ondas e Antenas

Mecanismos de propagação
na troposfera
Docente:
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc.
Mecanismos de propagação na
troposfera
Um mecanismo importante consiste na propagação guiada das ondas junto a superfície
terrestre e de modo a se seguir sua curvatura. Resulta do fenómeno de refracção. As ondas que
se propagam segundo este mecanismo costumam designar-se por ondas de superfície.

Os mecanismos de propagação predominantes na faixa de frequências usados em sistemas


celulares são: visibilidade, reflexão (incluindo múltiplas reflexões e espalhamento) e difracção
(incluindo múltiplas difracções). É usual se denominar a reflexão especular de reflexão apenas,
e a reflexão difusa de espalhamento.

❑ O efeito de propagação que se pronuncia é o multipercurso, pois o sinal resultante


recebido é devido à composição de inúmeras versões do sinal original transmitido, que
percorreram diferentes percursos determinados, em grande parte, pelas reflexões e
difracções que sofreram.
❑ Outro efeito de propagação é o que se manifesta através da flutuação do nível de sinal
devido a obstruções geradas pelo relevo ou criadas pelo homem. Esse efeito é conhecido
por sombreamento.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 2
Difusão troposférica
❖ Desde 1950 que se verificou que transmissores de ondas métricas e decimétricas
produzem um campo permanente muito para além de horizonte;
❖ Esse campo é fraco, mas mesmo assim muito mais forte do que seria de esperar pela
aplicação da teoria da difração. Este fenómeno ocorre mais frequentemente em micro-
ondas.
❖ Na utilização prática do fenómeno, o emissor utiliza uma antena de grande diretividade
que cria uma grande densidade de potência num cone estreito. O recetor utiliza também
uma antena de ganho e diretividade elevados que recebe a energia dispersada pelo
volume de ar comum aos dois diagramas de radiação.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 3


Difusão troposférica

A propagação será tanto melhor quanto menores forem θ (o ângulo


formado pelos diagramas de radiação) e “h” (a altura a que se
encontra o volume comum). Este fenómeno pode fazer com que as
ondas se propaguem em raios maiores que os esperados. Este fator é
muito importante para ser analisado em casos militares onde a
informação é muito confidencial.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 4
Noções de percurso directo e
reflectido

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 5


Noções de percurso directo e
reflectido

Por cálculos pode se demonstrar que a diferença entre o percurso


reflectido e o percurso direto da qual resulta uma diferença de fase é
dada por:

A diferença de fase é um parâmetro importante é a sensibilidade do


receptor. Conhecendo a potência irradiada e a sensibilidade do
receptor é possível saber se a antena receptora captara ou não o sinal
transmitido.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 6
Noções de percurso directo e
reflectido
Os campos eléctricos recebidos via percurso directo e via percurso indirecto são calculados
usando as fórmulas seguintes:

Onde R é o coeficiente de reflexão, este depende do material onde a onda é reflectida (para o
nosso caso a superfície terrestre ou o ar).
Para a simplificação dos cálculos admite-se que d≈dr≈dd . E assim pode-se calcular o campo
total como sendo:

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 7


Noções de percurso directo e
reflectido
Fazendo várias transformações matemáticas obtêm-se:

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 8


Noções de percurso directo e
reflectido
Tanto o percurso directo como o reflectido tem um efeito na recepção de tal modo
que uma pequena variação no índice de refracção é suficiente para aumentar ou
diminuir um destes percursos de metade do comprimento da onda, e mudar portanto
um campo total de um máximo para um mínimo. Fenómenos deste tipo originam
fortes desvanecimentos que são de extrema importância nas ligações de rádio.

Para combater este fenómeno costuma-se:


❖ Atenuar o raio reflectido de modo que as flutuações entre o máximo
e o mínimo sejam pequenas. Isto pode conseguir-se escolhendo para
a zona de reflexão uma região arborizada ou urbana com pequeno
coeficiente de reflexão ou usando um obstáculo próximo de uma das
antenas que intercepte e atenue o raio reflectido. Podem também
usar-se as técnicas de diversidade.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 9


Condições para a reflexão em terra
esférica
Se a superfície em terra não é plana são necessárias duas correções para a análise de
comunicação:
❑ Pode considerar-se que a reflexão tem lugar numa superfície plana que
coincide com o plano tangente à superfície terrestre no ponto de reflexão.
❑ É necessário notar que o campo refletido sofre uma atenuação adicional
devido ao facto dos raios divergirem entre si quando se refletem numa
superfície que não é plana.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 10


Condições para a reflexão em terra
esférica

Campo electico na superficie Plana Campo electico na superficie não Plana

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 11


Condições para a reflexão em terra
esférica

Onde D é o coeficiente de divergência.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 12


Propagação por difracção
❖ A difracção é um fenómeno típico da natureza ondulatória da luz. Ela se
constitui da distorção causada em uma onda electromagnética quando ela
incide sobre um obstáculo de dimensões comparáveis ao seu comprimento de
onda…
❖ Estes obstáculos podem ser aberturas em um anteparo (plano inclinado que
interliga dois ambientes de trabalho, guarda-corpos, pára-lamas etc.), bem como
objectos como esferas, discos e outros.
❖ A difracção permite que as ondas atinjam antenas receptoras fora da linha de
visada, e que sinais obstruídos por obstáculos sejam parcialmente recebidos.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 13


Propagação por difracção

❖ A difracção é um fenómeno que ocorre em qualquer tipo de propagação


ondulatória e que consiste em a onda contornar qualquer obstáculo que
apareça no seu percurso.
❖ Para uma onda que se desloque junto à superfície terrestre, o obstáculo é essa
própria superfície, e o efeito de difracção consistirá num “acompanhamento” da
curvatura terrestre por parte da onda.
❖ Nas comunicações, o obstáculos que apresenta maiores facilidades de análise é
o conhecido como “GUME DE FACA”.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 14


Ondas de superfície

O eléctrico irradiado a uma distância do transmissor, depende da potência do


transmissor, sofrendo atenuação com o aumento da distância e pode ser
determinado como:

❖ Para longas distâncias este aumento de atenuação explica-se pelo mecanismo


de difração…
❖ Para distâncias curtas o aumento de atenuação fica a dever-se a obstrução da
energia eletromagnética por parte da superfície terrestre…
❖ O que significa que para distâncias curtas o campo da onda de superfície é tanto
mais forte quanto melhor condutor for o terreno acima do qual se propaga a
onda.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 15
Irregularidades do terreno – Obstáculos para
o mecanismo de reflexão

❖ De acordo com o tamanho dos obstáculos estes podem ser considerados


influentes ou não no processo de reflexão das ondas. Com base no critério de
Raleigh, a rugosidade é causada por elevações de altura “h” que tornam a
superfície não completamente lisa. A superfície pode ser considerada lisa desde
que:

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 16


Irregularidades do terreno – Obstáculos para
o mecanismo de reflexão

❖ Desta desigualdade pode se notar que quanto maior for lambda os


fenómenos de reflexão no obstáculo têm menor importância.
❖ Quanto mais rasante for o raio de incidência (anglos de elevação
muito pequenos), menor será a influência do obstáculo.
❖ Paredes, casas e edifícios têm pouco efeito nas ondas longas, a não
ser que contenham superfícies metálicas.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 17
Irregularidades no espaço livre – Obstáculos
para percurso directo
De acordo com Fresnel, um percurso é considerado desobstruído se a primeira zona
da sua elipsoide está livre de obstáculos.

Rn são os raios dos cones que definem as zonas de Fresnel.


n=1,2,3,4 … N.
d1 e d2 são as distâncias do transmissor ao obstáculo e do
obstáculo ao receptor, respectivamente.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 18
Irregularidades no espaço livre – Obstáculos
para percurso directo
Quando o enlace está obstruído, a propagação ser feita por refração no obstáculo,
conhecendo-se a folga.
Entendendo-se por FOLGA a distância “h” medida do topo do obstáculo até a linha
de visada directa.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 19


Irregularidades no espaço livre – Obstáculos
para percurso directo
A condição inicia de viabilidade do enlace por refração da onda, válida para h>>λ, é:

Para a comunicação, interessa conhecer o número “n” de zonas de Fresnel que se


entram desobstruídas.

O excesso de percurso ep, é diferença entre a distância em vista directa e o caminho


percorrido pela onda refratada.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 20


Irregularidades no espaço livre – Obstáculos
para percurso directo
Considerando o obstáculo gume de faca, determina-se a atenuação por refração
segundo a fórmula:

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 21


Uso de Refletores na Propagação

Há casos, por vezes fortuitos outras vezes intencionais, nos quais a energia reflectida
ou difractada por um obstáculo é dada para reforçar a energia recebida numa antena
de recepção.

Outro método seria o uso de


transmissores passivos como
meio de repetição do sinal
transmitido: duas antenas, uma
receptora e outra transmissora
montadas no mesmo ponto. No
caso de microondas é muito
importante que haja linha de vista
entre as antenas.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 22


Antenas ao Nível do Terreno

Se as antenas estiverem muito próximas a superfície o campo de superfície pode


ser calculado pela fórmula:

Onde A(x) é conhecido como factor de atenuação e x a distância.


O factor de atenuação é menor que a unidade e toma valores diferentes conforme
a presença dos fenómenos de absorção e difracção na atenuação. O efeito da
atenuação é inversamente proporcional a altura das antenas, isto é, quanto menor
for a altura da antena maior será a atenuação devido aos efeitos da terra.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 23


Antenas ao Nível do Terreno

A figura mostra que a atenuação por causa da influência da terra e refere-se a


polarização vertical que é a mais usada quando se pretende aproveitar a onda de
superfície. A polarização horizontal não é aproveitável em ondas longas e médias
pois sofre muito mais atenuação que a vertical.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 24


Antenas Longas

Quando consideramos antenas com alturas longas o campo de superfície pode ser
calculado em função das alturas usando a fórmula:

f(h1) e f(h2) são chamados factores de ganho em altura e os respectivos valores


podem ser deduzidos a partir de gráficos apropriados ou lidos em tabelas.
Onde h1 e h2 são as alturas das antenas. O cálculo de Es é muito importante para a
análise da sensibilidade das antenas receptoras. Uma antena só pode receber um
sinal se a sua sensibilidade for menor que o campo de superfície.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 25


Antenas Longas

Considerando que Erec é a sensibilidade do recetor, teremos a seguinte condição para


a receção de um sinal:

Sensibilidade do rádio xirico é igual a 500μV/m

Sensibilidade de um recetor profissional é igual a 0,001μV/m

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 26


Propagação sobre o terreno não
homogéneo
Uma primeira observação é que o campo depois de uma onda ter percorrido uma
distância R1 sobre o mar e uma distância R2 sobre a terra é muito diferente que o
campo que se obtêm quando a onda percorre uma distância R=R1 +R2 sobre uma das
superfícies apenas.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 27


Propagação anormal, Super refracção e
Condutas
O índice de refracção da atmosfera diminui em regra com a altitude.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 28


Propagação anormal, Super refracção e
Condutas
Em virtude da variação do índice de refração com a altura os raios das ondas
eletromagnéticas podem ser maiores ou menores que o raio da terra. Se os raios
forem maiores que o raio da terra as curvaturas descritas se afastarão da superfície
terrestre, em quanto que se os raios forem menores que o raio da terra as curvas se
aproximarão a superfície terrestre.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 29


Propagação anormal, Super refracção e
Condutas
Em geral nota-se que quanto mais rápida for a variação absoluta do índice de
refração com a altura menor é o raio de curvatura, em particular a atmosfera pode
ser definida de acordo com a variação do índice de refração como sendo:

Atmosfera sub-padrão

Atmosfera super padrão

Formação de dutos

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 30


Propagação anormal, Super refracção e
Condutas

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 31


Propagação anormal, Super refracção e
Condutas
Ao fenómeno que consiste na aproximação progressiva dos raios eletromagnéticos
da superfície terrestre por meio do facto da variação do índice de refração com a
altura ser suficientemente pequeno dá-se o nome de super refração. As condições
para a existência desse fenómeno existem quando junto a superfície terrestre o
índice de refração decresce com a altitude rapidamente retomando ao seu
comportamento normal a uma altitude h1.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 32


Dutos troposféricos

Em elevadas altitudes, ocorrem constantemente inversões de temperatura, por


causas variadas. Estas inversões de temperatura provocam refrações radicais, com a
onda transmitida refractando-se continuamente nos limites inferior e superior da
inversão. Dessa forma, é criado um "duto troposférico" onde as ondas ficam retidas
por distâncias consideráveis, até a inversão de temperatura ser normalizada.

Embora a transmissão
por dutos troposféricos
seja altamente
desejável, não é usada
frequentemente devido
à imprevisibilidade da
formação dos dutos.

33
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc.
Ondas Esféricas, Cilíndricas e Planas

As ondas electromagnéticas podem ser diferenciadas de acordo com o tipo de fonte


do campo eléctrico que a gera em:
❖ Onda esférica Se for gerada por uma fonte pontual
❖ Onda cilíndrica Se for gerada por uma fonte linear
❖ Onda plana Se gerada por uma fonte que se encontra a uma distância
longa suficiente para ser considerada infinito.

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 34


Propagação em Espaço Livre

❖ Embora tenha por base uma condição idealizada, a propagação em espaço livre
possui uma aplicação prática bastante relevante, particularmente em
frequências elevadas.
❖ Adicionalmente, constitui referência para outros mecanismos de propagação.
❖ A intensidade do campo elétrico em condições de espaço livre é dada por:

60 Pt Gt Pt – potência transmitida
E0 = Gt – ganho da antena transmissora
d d – distância entre o transmissor e
receptor
H – Campo magnético
Zo – Impedância do meio (espaço livre)

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 35


PROPAGAÇÃO EM ESPAÇO LIVRE

A densidade de potência e a potência recebida podem ser calculadas


usando as seguintes formulas:

S – Densidade de potência
Pt – potência transmitida
Gt – ganho da antena transmissora
At – atenuação no transmissor
d – distância entre o transmissor e
receptor

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 36


PROPAGAÇÃO EM ESPAÇO LIVREC

A densidade de potência e a potência recebida podem ser calculadas usando as


seguintes fórmulas:

S – Densidade de potência
Pr – potência recebida
Aer – abertura efetiva da antena de
receção
Ar – atenuação no recetor
Gr – Ganho na receção
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 37
PROPAGAÇÃO EM ESPAÇO LIVREC

A densidade de potência e a potência recebida podem ser calculadas


usando as seguintes formulas:

λ – comprimento de onda.
Aet – abertura efetiva da antena de
transmissão.
Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 38
PROPAGAÇÃO EM ESPAÇO LIVREC

A densidade de potência e a potência recebida podem ser calculadas


usando as seguintes formulas:

Lo – atenuação no espaço livre


C – velocidade da luz no vácuo
f – frequência do sinal transmitido

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 39


PROPAGAÇÃO EM ESPAÇO LIVRE

A potência recebida pode também ser calculada usando valores em


decibéis pela seguinte formula:

Eng.º Adélio Francisco Tembe, MSc. 40