Você está na página 1de 1

A História de Pedro

O apóstolo Pedro era natural de Betsaida, na época uma aldeia de pescadores não
muito distante de Cafarnaum e que ficava na região costeira do mar da Galiléia (João
1:44). Pedro também tinha casa em Cafarnaum, na Galiléia (Marcos 1:21s). Alguns
sugerem que sua residência realmente fosse em Cafarnaum, e Betsaida apenas sua
aldeia de origem.

O apóstolo Pedro era irmão do apóstolo André, um pescador de profissão assim


como ele. É bem provável que seu pai, Jonas, também fosse um pescador (João 1:42). O
apóstolo Pedro era casado, tendo sido sua sogra curada por Jesus (Marcos 1:30). Além
disso, é possível que sua esposa frequentemente o acompanhasse em viagens
ministeriais na Igreja Primitiva (1 Coríntios 9:5).

Pedro possuía uma educação considerada limitada e falava o aramaico com forte
sotaque da região da Galiléia (Mateus 26:73; Marcos 14:70); idioma que também
utilizava para ler e escrever. No entanto, Pedro também falava um pouco de grego,
muito provavelmente por conta de sua profissão que exigia constante contato com
gentios. O grego era muito utilizado na época, sobretudo nas cidades de Decápolis.

Pedro, Cefas, Simão e Simeão


Como já foi dito, o apóstolo Pedro é chamado por outros nomes na narrativa
bíblica. Possivelmente seu nome original era o hebraico Simeão, utilizado
originalmente em alguns textos de Atos 15:14 e 2 Pedro 1:1; e talvez ele tenha adotado
o grego “Simão” com pronuncia semelhante.

Quando ele se encontrou com Jesus, o Senhor o chamou de Cefas, do aramaico Kefa’,
que significa “rocha” ou “pedra”, que em sua forma grega é Petros, ou seja, Pedro (João
1:42). O significado desse título se refere ao fato de que Pedro se tornaria firme como
uma rocha, ao invés de uma pessoa com temperamento inconstante.

Assim, a narrativa do Novo Testamento designa o apóstolo Pedro por essa variedade de
nomes. O apóstolo Paulo o chamava de Cefas (1 Coríntios 1:12; 15:5; Gálatas 2:9); o
apóstolo João geralmente o chamava de Simão Pedro; e Marcos o chamou de Simão
até o capítulo 3 de seu livro e depois passou a designá-lo como Pedro.