Você está na página 1de 75

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM


LÍNGUA PORTUGUESA E RESPECTIVA LITERATURA

ANDRÉ LUIS DE ALMEIDA SANTOS

MEMORIAL

Salvador - Ba

2018.1
ANDRÉ LUIS DE ALMEIDA SANTOS

MEMORIAL

Trabalho apresentado ao Prof. Dr. Gedean Ribeiro do Nascimento,


como requisito para obtenção de nota final da disciplina Estágio
em Docência: Práticas de Ensino em Língua Portuguesa II

Salvador-Ba

2018.2
“Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não
tenha algo a aprender.”
(Pascal, Blaise)
SUMÁRIO:

1 IDENTIFICAÇÃO ---------------------------------------------------------------------- 07
2 PERÍODO DO ESTÁGIO ------------------------------------------------------------ 08
3 HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO ---------------------------------- 09
4 RESUMO -------------------------------------------------------------------------------- 10
5 INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------- 11
5.1 PROBLEMATIZAÇÃO --------------------------------------------------------------- 12
6 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA --------------------------------------------------- 13
7 OBJETIVO GERAL ------------------------------------------------------------------- 15
7.1 OBJETIVO ESPECÍFICO ----------------------------------------------------------- 15
8 PLANO DE AULA 01 ----------------------------------------------------------------- 16
9 MEMÓRIA DO PRIMEIRO ENCONTRO ---------------------------------------- 17
10 PLANO DE AULA 02 --------------------------------------- 20
11 MEMÓRIA DO SEGUNDO ENCONTRO --------------------------------------- 22
12 MEMÓRIA DO TERCEIRO ENCONTRO --------------------------------------- 24

12.1 ANEXOS DAS AULAS ----------------------------------------------------------------


13 PLANO DE AULA 03 ------------------------------------------ 26
14 MEMORIA DO QUARTO ENCONTRO ------------------------------------------ 27

15 MÉMORIA DO QUINTO ENCONTRO -----------------------------------------28


15.1 ANEXOS DAS AULAS---------------------------------------------------------------
16 PLANO DE AULA 04 ------------------------------------------ 30
17 MEMÓRIA DO SEXTO ENCONTRO ------------------------------------------- 31
18 MEMÓRIA DO SETIMO ENCONTRO -------------------------------------------- 32
19 MEMÓRIA DO OITAVO ENCONTRO---------------------------------------------- 33
20 MEMÓRIA DO NONO ENCONTRO -------------------------------------------- 34

21 MEMÓRIA DO DECIMO ENCONTRO ---------------------------- 35

22 PLANO DE AULA 04 ------------------------- 36

23 MEMÓRIA DO DECIMO PRIMEIRO ENCONTRO -------------------------- 37


23.1 ANEXO DAS AULAS ------------------------------------------------------------------

24 PLANO DE AULA 04 ------------------------------------------------------------------ 39

25 MEMÓRIA DO DÉCIMO SEGUNDO ENCONTRO ---------------------------- 40

25.1 ANEXOS DE AULAS ------------------------------------------------------------------

26 MEMÓRIA DO DÉCIMO TERCEIRO ENCONTRO- -------------------------- 42

27 MEMÓRIA DO DÉCIMO QUARTO ENCONTRO------------------------------- 43

28 MEMÓRIA DO DÉCIMO QUINTO ENCONTRO ------------------------------- 44

29 MEMORIA DO DECIMO SEXTO ENCONTRO----------------------------------- 45

30 PLANO DAS AULA 05 ----------------------------------------------------------------- 46


-
31 MEMÓRIA DO DÉCIMO SETIMO ENCONTRO -------------------------------- 47

31.1 ANEXOS DAS AULAS ----------------------------------------------------------------

32 MEMÓRIA DO DECIMO OITAVO ENCONTRO--------------------------------- 49

32.1 ANEXO DAS AULAS ------------------------------------------------------------------

33 MEMÓRIA DO DECIMO NONO ENCONTRO ----------------------------------- 50

34 MEMÓRIA DO VIGESIMO ENCONTRO --------------------------------------- 51


35 MEMÓRIA DO VIGESIMO PRIMEIRO ENCONTRO ----------------------- 52

35.1 ANEXOS DAS AULAS ----------------------------------------------------------

36 MEMÓRIA DO VIGESIMO SEGUNDO ENCONTRO --------------------- 53


37 PLANODE AULA 06 -------------------------------------------------------------54
38 MEMORIA DO VIGESIMO TERCEIRO ENCONTRO--------------------55
38.1 ANEXO DAS AULAS-----------------------------------------------------------
39 MEMÓRIA DO VIGESIMO QUARTO ENCONTRO---------------------57
40 MEMORIA DO VIGESIMO QUINTO ENCONTRO-----------------------58
41 MEMÓRIA DO VIGESIMO SEXTO ENCONTRO ------------------------69
42 MEMÓRIA DO VIGESIMO SETIMO ENCONTRO------------------------60
43 MEMÓRIA DO VIGESIMO OITAVO ENCONTRO-----------------------61
44 MEMORIA DO VIGESSIMO NONO ENCONTRO------------------------62
45 MEMÓRIA DO TRIGESIMO ENCONTRO----------------------------------63
1. IDENTIFICAÇÃO

1.1 ESTAGIÁRIO:
André Luís De Almeida Santos

1.2 MATRÍCULA:
161000840

1.3 IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA:


Colégio Estadual Francisco Da Conceição Menezes

1.4 PROFESSOR REGENTE:


Margarida Maia

1.5 ORIENTADOR DO CURSO:


Prof. Dr. Gedean Ribeiro do Nascimento

1.6 COORDENADOR DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO:


Prof. Dr. Gedean Ribeiro do Nascimento
2. PERÍODO DO ESTÁGIO
De 09 de Abril de 2018 até 11 de Junho de 2018
Turno de trabalho na Unidade: Noturno
Horário: das 18:40 as 21:30
3. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DO ESTÁGIO
3.1 Caracterização, localização-estrutura e funcionamento da instituição.
O Colégio Estadual Francisco Da Conceição Menezes localiza-se na Rua Silveira
Martins S/N, inserida no bairro Do Cabula, em Salvador – BA, telefone (71) 3387-3468.
O Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes foi fundado em 04 de abril de
1997 pelo então governador Paulo Ganem Souto, tendo como Secretário de Educação
o professor Edilson Souto Freire. Pertence à rede estadual de ensino, e está sob a
jurisdição da Direc 1A, sob o código 76205. A primeira gestora do colégio foi a professora
Hortência Nascimento. Recebeu esse nome, porque na sua construção estava sendo
comemorado o centenário de nascimento do professor Francisco da Conceição
Menezes (1896\1959) - historiador, membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia
seu presidente por longo período. A comunidade local identifica-se bastante com o
professor por ser negro, filho de pais pobres, conquistou o respeito e reconhecimento
através do estudo.
A instituição funciona em três períodos o matutino e o vespertino e noturno atende
alunos dos Anos finais (5ª a 8ª série ou 6º ao 9º ano), Educação de Jovens e Adultos e
Educação Especial

3.2 Recursos humanos e materiais.

Professores e alunos, auxiliares de limpeza, quadro branco, piloto, livro didático, Xerox,
aparelho de som, câmera fotográfica e filmadora, DVD, Datashow, computador,
impressora, televisão, biblioteca, quadra de esportes e cozinha.

3.3 Clientela

Alunos de Classe média Baixa, em sua maioria moradores do Cabula,


Engomadeira, Saboreio e adjacentes, com assiduidade regular, mais faltam muito na
última aula. Os professores planejam as aulas e o conteúdo na AC.
4. RESUMO
O trabalho contém trinta memórias de aulas regidas pelo estagiário André Luís De
Almeida Santos, sob a supervisão da professora Margarida, regente de Língua
Portuguesa no Colégio Estadual Francisco Da Conceição Menezes, no 3° ano do Ensino
Médio no turno noturno, com o objetivo que familiarizar um graduando em letras com as
práticas de docência e rotina de um professor da rede pública. Em cada aula foi utilizada
uma didática diferente de ensino, com uma proposta de fazer com que os alunos
aprendam os conteúdos de forma prática não seguindo aulas tradicionais, visando uma
maior aprendizagem, participação e interesse desses alunos.
Palavras chave: Docência, didática, aluno, aprendizagem.
5. INTRODUÇÃO
No presente trabalho consta a docência de trinta aulas na matéria de Língua Portuguesa
em uma turma do 3° ano do Ensino Médio, a rotina de um professor, o comportamento,
participação e aprendizado dos alunos através do que vivenciei quando estive no
colégio. Escolhi o Colégio Estadual Francisco Da Conceição Menezes, por ser próximo
ao meu trabalho e por ter fácil acesso a instituição. A professora que me supervisionou
é uma excelente profissional, e teve o máximo cuidado em me orientar, e me deixou à
vontade para lecionar para o meu crescimento como graduando que desejo ser.
A turma que acompanhei tinha em média 17 alunos, com assiduidade regular, sempre
faltavam alguns alunos e eles não tem por costume assistir as aulas dias de quinta feira
pro ser os últimos horários onde o índice de faltosos aumentava. A sala não possuía
problemas com a disciplina e me receberam muito bem, alguns não gostavam de
interagir, mais essas barreiras foram quebradas.
A metodologia utilizada foi uma mesclagem de um conteúdo tradicionalista com bastante
interferências convencionais para uma maior interação entre professor e alunos, visava
à aprendizagem de forma diferente, usando eixos como oralidade, leitura e escrita dos
alunos. Lecionando na rede pública percebi que o ensino está bem defasado, muitos
não tem o interesse em aprender, mais existem aqueles que se dedicam e muitos
profissionais que se empenham em melhorar a qualidade de ensino. Apesar das
inúmeras dificuldades encontradas funcionários se aplicam para dar e fazer o melhor.
5.1 PROBLEMATIZAÇÃO
O que esperar de um estudante oriundo do ensino público? o que esperar de um
professor do ensino público? Com o quadro político que se apresenta totalmente
despreocupado com a qualidade do ensino público, podemos afirmar que os
protagonistas das perguntas anteriores não são agentes causadores do grande
problema nacional: a educação, mas sim podemos qualificá-los como vítimas. Vítimas
de um processo, cujo principal objetivo parece um só: desestimular o cidadão
estudante e também o cidadão professor.

Nós professores não temos o apoio necessário para uma grande reversão deste
quadro situacional da educação brasileira, mas podemos, cada um, à medida do seu
compromisso, oferecer o melhor de nós para os nossos estudantes e
concomitantemente motivar a nós mesmos, educadores para educar mais e melhor,
pois é através do crescimento educacional do indivíduo que se pode mudar uma
situação, um país, um mundo.
6. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Muito se tem discutido sobre o que se deve ensinar nas aulas de Língua Portuguesa, e
mais preocupante do que “o que se deve ensinar” é, para Irandé Antunes “como se deve
ensinar”. O que se percebe comumente nas aulas de Língua Portuguesa é um ensino
voltado para a memorização de nomenclaturas e funções gramaticais ou sintáticas.
Antunes se mostra preocupada com tais práticas, pois, ao assumir a função de explicar
o que está disposto num livro de gramática, o professor assume um mero papel de
tradutor da exposição que foi criada por outrem!
A autora aponta a falta de criatividade, de inventividade por parte do docente, como
alguns dos principais fatores para tornar as aulas de LP tão chatas, como são vistas
pela maioria dos estudantes do ensino básico. Antunes denuncia falta de nexo nas aulas
de LP quando os professores reduzem o ensino da Língua Portuguesa ao ensino de
gramática, desprezando os outros eixos do ensino de línguas: leitura, escrita e oralidade.
É o que a autora chama de prática reducionista do ensino de língua materna. Para que
um professor aborde de forma coerente e produtiva todos os eixos ora expostos,
Antunes defende que se deva explorar com maior propriedade o texto, pois:
O texto envolve uma teia de relações, de recursos, de estratégias, de operações, de
pressupostos, que promovem a sua construção, que promovem seus modos de
sequenciação, que possibilitam seu desenvolvimento temático, sua relevância
informativo-contextual, sua coesão e sua coerência, enfim. De fato, um programa de
ensino de línguas, comprometido com o desenvolvimento comunicativo dos alunos,
somente pode ter como eixo o texto, em todos esses e outros desdobramentos.
(ANTUNES, 2009, pp. 51-52)
O que a autora deseja deixar claro é que os professores precisam abandonar as antigas
práticas pedagógicas de ensino: pegar palavras soltas, ou frases descontextualizadas
para resumir o ensino da língua em gramática e resumir a gramática em análise
sintática. Isso, segundo, Oliveira (2010, p.232), acarreta consequências negativas para
a prática pedagógica. Ele ainda afirma que a sintaxe está relacionada à dimensão
estrutural, parte integrante da gramática, que tem ainda outras duas dimensões, a
semântica e a pragmática.
Tais princípios apontados pelos autores citados foram ganhando “espaço” nas práticas
pedagógicas, inclusive documentos oficiais – por exemplo, os Parâmetros Curriculares
Nacionais – defenderam que o uso da língua em textos orais e escritos é que deveriam
ser o eixo principal na base do ensino de línguas. Dessa forma, o alunado tende a
ampliar e melhorar a sua prática escrita e comunicativa. Coube aí aos professores se
adaptarem a essas novas perspectivas para o ensino:
Entrava em jogo, para os professores, uma mudança de perspectiva e uma ampliação
de paradigma, que afetariam sua concepção de língua, de gramática, de texto, de frase
e, assim, a redefinição do objeto mesmo de ensino. E passar das discussões – muitas
delas altamente especializadas – à prática pedagógica implicava repensar,
redimensionar os paradigmas anteriores, tarefa para a qual faltaram orientações mais
específicas e acessíveis aos professores do ensino fundamental e do ensino médio.
(ANTUNES, 2009, p. 52)
Em outras palavras, Antunes diz que os professores não têm uma boa formação ou
requalificação para encarar como se deve essa nova proposta para o ensino básico.
Oliveira também confirma isso de forma bem precisa quando aponta alguns fatores que
contribuem para essa formação defasada do professorado:
A má-formação dos professores e o currículo do curso de Letras contribuem para o
ensino deficitário de português, que contribui, por sua vez, para os alunos não
desenvolverem sua competência comunicativa e, assim, lerem pouco e escreverem
menos ainda. Entretanto, há também três fatores muito importantes para a manutenção
desse estado de coisas: o descaso das autoridades políticas para com a educação, que
resulta em baixos salários dos professores, em infraestrutura escolar precária e em
péssimas condições de trabalho e de ensino e aprendizagem; a priorização das
atividades voltadas para o mercado de trabalho e para a geração de riqueza, sem a
preocupação com a democratização das atividades letradas de lazer e de crescimento
intelectual, com um aumento do número de pessoas com acesso ao teatro, ao cinema
e a bibliotecas; a exclusão social generalizada, geradora de violência e de desistência
escolar. (OLIVEIRA, 2010, p. 108)
Retomando o pensamento de Irandé Antunes, ela insiste que utilizar o texto para o
ensino de língua é fundamental uma vez que estamos vivendo o momento em que a
Linguística aponta todos os seus nortes para o mecanismo funcional da língua, dentro
de um contexto social, apresentando as reais características de uso da língua
– a fala. Ela diz que a gramática não existe em função de si mesma, mas em função do
que as pessoas, falam, ouvem, leem e escrevem nas práticas sociais de uso da língua,
Antunes (2003, p. 89).
Por fim o texto ganhou notoriedade, conforme foi aqui exposto, embora alguns
professores o utilizem de forma inadequada, não como foco temático e produtivo do
ensino básico, mas como fonte, ou pretexto, como prefere chamar Marisa Lajolo (1986,
p. 52), para reconhecer e classificar as unidades morfossintáticas presentes nele!
7. OBJETIVO GERAL
Despertar nos alunos o interesse de aprender a Língua Portuguesa, possibilitando
habilidades comunicativas, sabendo adaptar a língua materna aos diferentes
contextos sociais em que estejam inseridos.
7 .1 OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
 Trabalhar a gramática de forma contextualizada;
 Trabalhar a Literatura de forma contextualizada;
 Trabalhar diferentes gêneros textuais para que eles conheçam diferentes tipos
de linguagem;
 Proporcionar os alunos uma reflexão sobre como é importante saber usar a
norma culta do Português;
 Proporcionar atividades e discussões que levem os alunos a ter uma visão
crítica da realidade.
 Desenvolver nos alunos a prática de leitura, escrita e oralidade.
 Despertar o interesse em aprender.
8. PLANO DE AULA 01
Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.
Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C
Professor Regente: André Luís
Quantidade de aulas: 01 Período: 04/09
Tema: Primeiro Encontro
Competência:1
Objetivos específicos
 Conhecer a turma e iniciar uma relação de maior aproximação
 Propiciar momentos de integração com a turma
Conteúdo:
 Não serão apresentados conceitos ou categorias a serem trabalhadas. Em
relação aos frutos do processo ensino aprendizagem, serão buscadas
aprendizagens no tocante às atitudes: de sentir-se parte de um grupo e se
reconhecer nele; percepção do espaço que rodeia; percepção e
reconhecimento do outro

Sequência didática

 Apresentação do professor, conhecer a turma


 Apresentação da proposta pedagógica do professor estagiário e suas
expectativas da turma
 Apresentar a turma a pergunta que guiara nossos encontros o que é
conhecimento? E como adquiri-lo na escola
 A resposta será construída pelos alunos no percurso dos nossos encontros,
que irão acontecer através de debates e discussões na sala de aula onde temas
que envolvam ideologia, cultura, política entre outros serão abordados de forma
que possamos juntos desenvolver nesse aluno um senso crítico reflexivo
atemporal a seu tempo.

Recursos: quadro, piloto,


Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividades
9. MEMÓRIA DO PRIMEIRO ENCONTRO – 04/09/2018
Comecei meu estagio no dia 04 de setembro, e confesso que a minha expectativa era
das melhores estava muito entusiasmado e me preparei muito psicologicamente em
todos os momento que antecedia o grande o momento eu só confessa para mim
mesmo que tudo ia dar certo, e que juntos faríamos um trabalho lindíssimo a
experiência que tive quando fui fazer o estágio de observação foi de angustia e medo
quando fui para o estágio 2 o novo, o tempo todo me assustava mais essa nova
experiência está sendo tão prazerosa para mim que poderia ficar aqui horas e horas
relatando como é bom ser professor.
A troca de conhecimento está sendo mútua o que mais feliz é a resposta de como me
receberam com tanta empatia e ternura para mim foi algo muito importante para uma
nova jornada aonde essa nova turma estará comigo.um dia antes de ir para o estágio
pedi a DEUS forças e que ele me ajudasse nessa nova empreitada, no dia seguinte
acordei e o pensamento era o meu primeiro dia será maravilhoso.
Eu moro em Simões Filho e trabalho no bairro do Cabula por isso a escolha da escola
que é bem próxima do meu trabalho facilitando o meu acesso, já o retorno para casa
e ‘um pouco mais complicado por conta do horário que saio da escola, mais é tudo
gratificante então mesmo com a distância e o cansaço após um dia de trabalho e um
dia de aula bem expositiva e interativa não posso reclamar mais só agradecer.
Quando sai do trabalho por volta das 18;20 fui para escola, e ao chegar fui
recepcionado por funcionários que já me conheciam e por alguns professores que se
encontravam no local, perguntei a uma funcionaria se o diretor Marcos e a professora
Margarida já se encontravam na escola e a mesma me disse que só o diretor então
me dirigir até a sala do mesmo que me recebeu com muita cordialidade e
conversamos um pouco sobre esse meu retorno e minha novas expectativas para
essa nova turma foi um bate papo bem legal encerramos a conversa com um boas
vindas da parte dele eu agradeci. Procurei a professora Margarida que já se
encontrava na escola e a mesma sempre receptiva e carinhosa comigo conversamos
sobre o plano de aula e os conteúdos que deveriam ser abordados e que claro e
evidente estavam também livres das amarras metodológicas para serem modificados
conforme a necessidade da turma e que eu tinha autonomia para aplicabilidade total
do assunto como eu achasse melhor, as aulas as terceira-feiras começam as 20;20
e terminam as 21;05 da noite são os dois últimos horários e as quintas feiras são os
dois primeiros começam as 19:00 e vão até as 20:20 da noite as vezes acontece da
professora dar aula dia de segunda para os mesmos por conta de horários vagos e
trocas possíveis também , após as orientações o relógio já marcava 20:05 subimos
juntos para sala de aula onde a Professora Margarida me apresentou a turma e pediu
para que eles me recebessem com o mesmo carinho que a receberam.
A mesma não continuou na sala e me deixou à vontade com os alunos na sala pra
um primeiro encontro, um primeiro contato eu me apresentei todos de forma breve e
sucinta e apresentei também o nosso plano de aula que estaria atrelado a questões
da escrita, da oralidade mais principalmente de um conhecimento participativo e que
exigiria deles um olhar reflexivo e crítico sobre questões principalmente do nosso
cotidiano, questões essas que alguma forma os afetam na comunidade e na escola
em que frequentam claro, falei para os mesmos que não aprenderíamos separados
mais juntos o saber tradicional mais que também teríamos momentos para um saber
social.
Muitos me fizeram perguntas sobre o que estudaríamos durante o curso então falei
para os mesmos que acessaríamos o saber literário e que através desse saber
construiríamos um saber social que pensaríamos sim na história mais não ficaríamos
apenas nessa camada de relatos e fatos mais que buscaríamos entender como essa
historicidade ainda nos afeta nos dias atuais.
Não era minha intenção a busca por nomes nesse primeiro momento na aula mais a
cada acesso era inevitável a pergunta como é seu nome, e bem animados eles
falavam, levantei alguma perguntas que muitos responderam como a expectativa
deles em relação a essa nova fase comigo e as respostas foram as mais positivas
possíveis, perguntei se tinha tido a experiencia de um estagiário em sala de aula as
respostas foram positivas também foi um bom encontro onde em pouco mais de uma
hora podemos trocar experiencias e socializar juntos um evento que eu espero que
traga bons frutos não só para mim mais para eles também estou muito animado a sala
e excepcional existe um ditado que diz o primeiro encontro faz toda diferença no meu
caso e deles também acho que foi maravilhoso.
A aula foi encerrada com os ânimos em alta expectativa de conhecimento e troca de
relações sociais todos assinaram a lista e a sala estava com 15 alunos alguns tinham
faltado mais com certeza esse encontro vai se estender a eles também assim espero.
10. PLANO DE AULA 02

Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.

Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C

Professor Regente: André Luís

Quantidade de aulas: 02 Período: 06/09 á 11/09

Tema: figuras de linguagem

Competência:2

Objetivos específicos

 Reconhecer a função das figuras de linguagem na construção de sentidos


dos textos

 Compreender que as figuras de linguagem são recursos que tornam mais


expressivas as mensagens;

 Entender que as figuras de linguagem podem ser estratégias para conseguir


determinado efeito na fala ou no discurso.

Conteúdo:

 Leitura de fragmentos de textos literários e não literários que contenham


figuras de linguagem para melhor exemplificação

 leitura e escrita

 Sequência didática

 Conhecimento prévio dos alunos acerca do assunto a ser abordador com


Indagações como por exemplo: De que forma você costuma dar ênfase a
uma palavra em textos? Você já conseguiu convencer alguém de algo só
porque mudou jeito de falar? Como?

 Apresentação do conteúdo figuras de linguagem a partir das respostas dando


vários exemplos das mesmas

 Apresentar o conceito das figuras de linguagem e sua utilização em textos ou


frases com exemplos também do cotidiano

 Solicitar da turma exemplos pra uma maior interatividade

 Solicitação de pesquisa com exemplos para próxima aula

 Organização e sistematização do conhecimento sobre figuras de linguagem

Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividade.
11. MEMÓRIA DO SEGUNDO ENCONTRO – 06/09/2018

A professora margarida me pediu para que trabalhasse com literatura com a turma
achei interessante antes de vermos o assunto trabalhássemos os conceitos de
figuras de linguagem que então implicam ente relacionados a essa assunto (textos
literários) ela gostou da ideia e me deixou livre para trabalhar me pediu uma coisa
bem sucinta e bem dinâmica para não perdermos o focos das escolas literárias fui
para casa e me propus a preparar duas aulas sobre o assunto então preparei um
plano de aula onde veríamos as principais figuras de linguagem com exemplos e
como elas funcionam dento de textos e na oralidade.

Quando sair do trabalho fui para escola e me encontrei com um aluno e fomos juntos
conversando sobre a expectativa das aulas e ele estava bem animado perguntei ao
mesmo se turma já tinha visto o assunto figuras de linguagem o mesmo me falou
que antes de mim duas estagiaria da Uneb deram bem pouquinho esse assunto
para turma palavras do aluno fiquei um pouco mais tranquilo ao menos eles já
tinham alguma ideia de que se tratava.

Me enganei ao chegar na sala de aula todos estavam ansiosos para trabalharmos


então eu perguntei se eles já tinham ouvido falar de figuras de linguagem a sala se
emudeceu foi quando messe aluno que veio comigo me acompanhado falou vimos
sim professor as estagiaras da Uneb nos deram esse assunto está até aqui no
caderno me mostrou na verdade o que elas tinham dado era funções de linguagem
e não figuras de linguagem que são bem distintas em termos de assunto mais tudo
bem lá fomos nós do início.

Pergunta de partida alguém tem uma ideia o que pode ser figuras de linguagem ou
que elas fazem dentro da gramatica poucos se arriscaram mais consegui extrair
palavras que coloquei no quadro e utilizei para começarmos a aula fiz também
algumas indagações que puderam me ajudar a iniciar a aula a partir da palavra texto
que alguém falou eu pude dizer que Figuras de linguagem são palavras que criam
novos significados para um texto, dando mais expressividade a ele e as mesmas
também tem uma relação com a nossa oralidade com expressões que usamos até
no nosso dia a dia exemplos dessas expressões foram dadas e até pedidas como
exemplos por eles .Após definir conceito e características usei alguns poucos
exemplos para exemplificar ainda mais e falei que na próxima aula trabalharíamos
pequenas frases e fragmentos de textos para melhorar a sistematização do assunto,
solicitei dos mesmos uma pequena pesquisa de frases e textos que contenham o
assunto que os mesmos trouxessem para usarmos na sala de aula passei a lista e
todos assinaram
12. MEMÓRIA DO TERCEIRO ENCONTRO 11/09/2018

Quando cheguei em casa fiz uma pesquisa de pequenos textos com os mais
diversos exemplos de figuras de linguagem e frases também que poderíamos
trabalhar em sala de aula fui dormir tarde nesse dia mais valeu apena e a vida que
eu escolhi e só está só começando eu só faço agradecer obrigado meu DEUS

Acordei e fui trabalhar e depois que sai do trabalho fui para escola chegando lá
encontrei com a professora Margarida entreguei as listas de presença que estavam
comigo e conversamos sobre o andamento das aulas e falei para mesma que estava
tudo sobre controle e a mesma me falou que se eu precisasse de qualquer coisa era
só pedir.

Subi para sala de aula quando a sirene tocou e tive que esperar alguns poucos
minutos porque os mesmos estavam fazendo uma atividade de inglês após essa
pequena espera entrei na sala e os ânimos estravam um pouco exaltados por conta
de alguns não se saírem bem os acalmei e lhes disse que o importante não é acertar
nem errar mais aprender o tempo todo com ambos erros e acertos temos que
prosseguir sem desistir .

A aula começou de onde havíamos parados trouxe uma material xerocopiado e pedi
para que formassem duplas para que o material fosse trabalhado era alguns textos
fragmentados e frases com diversos exemplos de figuras de linguagem que teríamos
que trabalhar juntos a mediada que fossem surgindo duvidas eu retornaria e a
proposta foi essa e começamos

fizemos a leitura do material juntos pausadamente e com bastante cuidado fui


explicando dentro de cada texto como essas figuras funcionam os exemplos foram
ótimos e muitos até arriscaram a trazer alguns exemplos também a partir das
pesquisas que os mesmos fizeram que eu pedi

O material ajudou a perceber como esses textos ganham mais expressividade


utilizei frases que no cotidiano são ditas e como essas figuras de linguagem
produzem um efeito de sentido, a medida que as das dúvidas que surgiam eram
sanadas por mim pude trabalhar com a turma e nos despedimos com um último
recado que essas figuras iriam nos acompanhar durante as próximas aulas então
pedi para os mesmos lessem o material para que o assunto fosse melhor trabalhado
durante as próximas aulas todos assinaram a lista e fomos embora
12.1. ANEXOS DAS AULAS
13. PLANO DE AULA 03

Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.

Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C

Professor Regente: André Luís

Quantidade de aulas: 02 Período: 13/09 a 18/09

Tema: gêneros textuais

Competência:1

Objetivos específicos

 Desenvolver habilidades de leitura e de escrita

 Identificar os gêneros textuais usados no dia a dia e compreender suas


características centrais

 Produzir diversos tipos de textos a partir dos gêneros estudados

 Conteúdo

 Apostila de gêneros textuais

Sequência didática

 O que são gêneros textuais? E para o que servem

 Leitura da apostila após a sondagem diagnostica e apresentação do conceito


gênero textual

 Apresentação de exemplos de gêneros textuais e suas principais


características

 Elaboração de pesquisas e atividades voltadas pra melhor compreensão do


assunto

Recursos: quadro, piloto, apostila xerocopiada

Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividade
14. MEMÓRIA DO QUARTO ENCONTRO 13/09/2018

Senti a necessidade de trabalhar com os gêneros textuais após um


questionamento de uma aluna na sala de aula o que era uma reportagem estávamos
por dar como exemplo então pesquisei prepararei uma material bem sucinto e
expositivo até porque as aulas serão de literatura e redação o que será discutido e
utilizada o acredito que duas aula bem dinâmicas e expositivas vão nos ajudar a dar
subsidio para trabalhar com mais alicerce os textos que viram nas próximas aulas
esse sujeito precisar estar em contato com um mundo dos textos na verdade o
máximo possível para que ele entenda não apenas suas características ou
conceitos mãos suas funções politicas históricas e ideológicas porque todo texto tem
as vez as três funções dentro de uma narrativa encontramos textos que não tem
apenas uma instruir e informar ou entreter mais também de gerar no seu leitor um
imaginário de sinalizar algum tipo de ideologia por isso quanto ,mais contato esse
sujeito tiver com os testos melhor será sua percepção de mudo sua amplificação
estará atenta a tudo que o texto tem a lhe dizer cheguei na escola por volta das
18:30 e quando subimos estravamos em 7 a aula foi bastante expositiva expliquei
cada gênero de forma dinâmica preparei um material bastante explicativo e pude
trazer exemplos para que os mesmos pudessem perceber que tudo e os cerca os
textos são como uma fonte funda que não para de jorrar suas narrativas histórias
ideológicas e políticas e que o tempo todo esse s encontros aconteceriam na aula

Informei aos mesmos que faríamos uma atividade na próxima aula para que
houvesse uma melhor compreensão u a partir dessa atividade o contato com esses
gêneros textuais seria melhor organizada e com mais claridade eles poderiam ter
subsidio para outras aulas conseguindo assim identificar e categorizar e dizer para
que função tal texto se propõe

A aula foi finalizada com um pedido que eles se lembrassem de trazer o material
para uma atividade que faríamos na sala de aula para uma melhor apreensão dos
gêneros mis que seria necessário corpos dispostos a conhecer assinada alista a
despedida aconteceu
15. MEMÓRIA DO QUINTO ENCONTRO 18/09/2018

A dessa memória é uma continuação da aula anterior onde trabalhamos uma


apostila de gêneros textuais por entendemos a necessidade desse aluno precisa ter
contato com os mais variados textos preparei uma atividade que seria aplicada em
sala de aula, nesse dia cheguei na escola por volta das 18:40 depois de um dia
cheio no trabalho me preparei psicologicamente para podermos fazer essa atividade
confesso que há o momentos que o corpo reclama mais vamos lá

Esperei a aula do professor Tayrone terminar par poder entrar na sala de aula os
ânimos estavam um pouco exaltados tinham acabado de fazer também uma
atividade de inglês, pedi para que todos se organizassem e solicitei que fizessem
silêncio pois precisava explicar sobre o exercício que iriamos fazer que era de certa
forma era bem simples.

Consistia em a partir de determinados textos identificar que gênero textual estava


explicito ali tinha algumas imagens também que facilitavam esta identificação pedi
para se agruparem em duplas e entreguei o material para cada dupla pra que
pudessem fazer juntos não estava difícil a apostila poderia ser consultada e se
houvesse duvida deixe claro poderiam me chamar para sana-la a qualquer momento

A aula transcorreu super. tranquila e poucos me pediram ajuda o assunto e apostila


foram muito valiosos e simples com objetivo claro não houve muitas dificuldades em
identificar os textos e categoriza-los após todos me entregarem a atividade e
assinarem alista me despedi dos mesmos e fomos embora uma nova etapa
começaria dei também alguns recados pra os que estavam faltando para não
perderem aula pra não se prejudicarem
15.1 ANEXOS DAS AULAS
16. PLANO DE AULA 04

Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.

Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C

Professor Regente: André Luís

Quantidade de aulas: 03 Período: 20/09 a 04/10

Tema: As Escolas Literárias e seus textos: Romantismo Brasileiro

Competência:2

Objetivos específicos

 identificar características do romantismo em alguns textos

 Estabelecer diferença crítica a respeito da variedade dos temas do


Romantismo Brasileiro como o Nacionalismo no Romantismo e a importância
política para a formação da consciência nacional a partir da valorização do
indígena na poesia romântica brasileira

 Conteúdo:

 Leitura de poemas e fragmentos literários do século XIX que abordem o tema


romantismo e suas ideologias

 Figuras de linguagem e funções do texto entre outros

Sequência didática

 O que é literatura? Explicação sucinta e breve

 Apresentação de algumas imagens do século XIX serviam com uma visão do


nosso passado ´e elaborem um imaginário discursivo no aluno, para isso será
necessário se utilizar do livro didático

 A partir das imagens e imaginários discursivos elaborações de possíveis


conceitos, características sobre essa escoa literária no Brasil o romantismo e
seu projeto ideológico

 Leitura de músicas e fragmentos literários da época com discussões sobre


esses temas ideológicos e políticos e como nos afetam hoje

Recursos: quadro, piloto, apostila xerocopiada

Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividade
17. MEMÓRIA DO SEXTO ENCONTRO – 20/09/2018

Após o primeiro encontro com a turma fizemos uma pequena revisão de figuras de
linguagem e iriamos de fato colocar a mão na massa a professora Margarida tinha
começado o assunto escolas literárias e pediu para que eu retomasse a partir do
último encontro com ela e me deixou também livre para que eu fizesse algum tipo de
modificação no conteúdo se achasse necessário eu falei que tínhamos pouco tempo
para trabalhar todas as escolas literárias apenas em três meses mais ou menos
conversamos também sobre as aulas de redação que eu teria que ministrar a mesma
me orientou que eu poderia mesclar os dias de literatura e os dias de redação para
não ficar uma coisa muito maçante para os alunos achei muito interessante a proposta
ela também me orientou que tinha muito material e que eu poderia utilizar o livro
didático e outros subsídios poderiam ser inseridos para uma aglutinação de
aperfeiçoamento do trabalho
Fui para casa e comecei a pesquisar como as aulas poderiam ganhar um dinamismo
melhor por conta das aulas que teríamos que trabalhar levantei algumas perguntas a
serem formuladas como ponto de partida para próxima aula de literatura e vou propor
um trabalho de pesquisa para turma para que venhamos juntos a ganhar dinamismo
em relação a pontos que podem ser vistos e se surgirem duvidas iremos tirá-las na
sala de aula a partir das pesquisas feitas pela turma.
Acordei cedo e fui trabalhar ao chegar na escola depois de um intenso esperei o
horário da aula para que o plano do qual eu tinha feito fosse colocado em prática
quando entrei na sala todos estavam ansiosos por trabalhar então fiz uma sondagem
diagnostica a partir de uma pergunta o que eles entendiam por literatura foram varais
as respostas dadas as vezes um mesmo aluno queria falar três quatro vezes tive que
ficar atento aqueles que eram tímidos e que mesmo sem coragem se ariscaram em
dizer algo foi maravilhoso ver como uma pergunta dispara pode receber um retorno.
Aquilo que eles iam falando fui colocando no quadro alguma coisas para uma
discussão posterior quase todos interagiram sobre a pergunta a partir do que
trouxeram a aula começou ater um a direção fui usando os temos deles para
esclarecer que a literatura não tem um conceito definido e que muitos teóricos
defendem a sua própria definição do que é a literatura mais que no nosso caso iriamos
definir literatura como um conjunto de obras e textos literários que iriamos trabalhar
em sala de aula.
Após o termino da breve explicação eu propus que a turma criasse grupos de até seis
pessoas onde dividiríamos 3 escolas literária para cada grupo pesquisar e a partir
dessas pesquisas nos iriamos acessar juntos os textos dessas escolas literaias,olha
que tarefa foi difícil criar grupos porque nem sempre todos estão dispostos aceder ou
agregar pessoas, fiz um pequeno apontamento que eles deveriam ser solícitos com
aqueles que tinham mais dificuldades e que todos estaríamos ali para fazer acontecer
a coisa propriamente dita.
Com muita dificuldade devimos a turma em grupos de 6 e cada equipe ficou em
pesquisar 3 escolas literárias e trazer numa aula para entrega e discussão dos textos
que iriamos acessar dessas escolas dei varais orientações sobre como deveriam fazer
a pesquisa e o que pesquisar e como pesquisar a medida que duvidas surgiam fomos
juntos sanadas, falei para os mesmos que também teríamos aula de redação onde as
mesmas seriam dia de terça feira e quinta seria aula de literatura. mais um dia de
estagio chegava ao fim mais acabou dando tudo certo pedi para que todos assinassem
a lista e me despedi da turma com um aviso que todos não faltassem na próxima aula
porque iriamos ler alguns textos do livro didático para nos orientarmos sobre o
romantismo no Brasil de forma breve e sucinta faiei na aula
18. MEMÓRIA DO SETIMO ENCONTRO – 25/09/2018
O quinto encontro foi marcado por uma bela surpresa na quinta-feira quando terminou
a aula a professora Margarida me falou que a escola tinha sido pela Escola Baiana de
Medicina para assistir uma peça teatral no seu auditório e que o diretor estava em
negociação com os professores para que nesse dia não houvessem atividades na
escola nem avaliações na sala de aula e nem ato pouco os alunos levassem falta caso
não quisessem ir para peça a professora Margarida me disse que até sexta feira me
daria uma posição fosse ela positiva ou não
Fiquei entusiasmada com a ideia de ir com eles assistir essa peça pelo fato de lembrar
de um episódio idêntico quando eu ainda estava no início da minha jornada acadêmica
que foi também me reunir com meus colegas e ,meu orientador e professor para que
desfrutássemos de uma peça maravilhosa que acontecera no teatro da Barroquinha
por nome de o (Maloqueiro) na oportunidade o professor nos pediu ´para que
assistíssemos a peça e prestássemos bastante atenção em tudo por que ele solicitaria
de todos um texto argumentativo pautado e, nossas impressões sobre aquela peça
Me vi então tentado afazer o mesmo com os meus alunos mais não dependia de min
estava nas mãos do diretor e professores da escola avaliar essa vista como sendo de
grande vantagem em termos de conhecimento para o alunos então esperei até sexta
feira quando a professora me mandou um paz me dizendo que estava confirmado a
ida para peça então aproveitei para colocar meu plano em pauta para com eles
O que fiz fui até a escola onde faço estagio na sexta feira a noite e esperei a grande
maioria dos alunos chegarem para lhes comunicar e lhes perguntar sobre a aula de
terça feira alguns já sabiam do convite e até falaram que não viriam porque o diretor
e professores falaram que ninguém era obrigado no entanto falei para os mesmos que
tudo bem se não quisessem vir mais que também repensassem que oportunidade
estariam os mesmos perdendo que maravilhava de conhecimento estariam deixando
passar e que isso seria apenas algumas horas
Foi então que ´propus a todos uma trabalho de apreciação da peça e depois uma
escrita das impressões dessa mesma peça que colocassem tudo o que a peça iria
lhes falar que fosse um texto que trouxesse as suas impressões sobre aquilo que foi
visto e o que mais lhes chamou a atenção em algum determinado momento como se
fosse um diário esse texto deveria ser apresentado na próxima aula de redação feita
a proposta e ponderações muitos ainda ficaram em dúvida se iriam ou não me despedi
deles com a expectativa de que a grande maioria fosse.
Chegou então o grande dia quando sair do trabalho já passava das 1820 e peça
estava marcada para coclear por volta das 19;00hs quando cheguei na escola só
tinha dois alunos mais não me desanimei me perguntaram se haveria aula ou era para
ir pro teatro então perguntei se eles estavam no dia que dei o recado para turma e me
falaram que não então expliquei tudo nos mínimos detalhes para os dois eles falaram
que iriam assistir
Enquanto conversamos foi chegando outros alunos de outas turma e também os meus
queridos alunos aos poucos mais foram chegando fiquei muito feliz quando saímos
da escola para assistir a peça estávamos em número de 12 de um total de 18 com
certeza era a maioria a expectativa foi muito grande e quando chegamos no auditório
da Faculdade Baiana de Medicina nos assentamos e quando a peça começou os
olhos então se fixaram em cada detalhe em cada palavra em cada gasto foi muito
prazeroso compartilhar esse momento com eles todos ficaram muitos felizes em
assistir a peça que tem por nome criançaviada e que retrata uma história verídica de
Marcos que sofrera desde de pequeno com preconceito por conta da família e de mais
tarde os amigos não entenderem sua opção sexual .
19. MEMÓRIA DO OITAVO ENCONTRO – 27/09/2018
A memoria do sexto encontro (AULA DE LITERATURA) e pautada na continuação
dos estudos literários do romantismo e seus textos na ultima aula de pedi para que
todos se preparassem pra que pudéssemos acessar o livro didático e trabalhar com
os textos e fragmentos que ali existem, a professora Margarida me deu um livro
didático onde pude ler antes e me preparar melhor para esse encontro iriamos
acessar o fragmento do texto Iracema de Jose de Alencar e também iriamos trabalhar
com uma música chamada o Índio é o Brasil, preparei a aula para que fosse bem
expositiva e objetiva a proposta foi demonstrar a esse aluno que o projeto do
romantismo esteve atrelado a questão de mostrar o indígena com uma visão diferente
de outras literaturas expliquei para os mesmos que após a ruptura com Portugal o
Brasil precisava resgatar os seu fundamentos de nação e isso só foi possível através
da figura do índio que foi descrita de maneira como o bom selvagem, o desbravador,
o guerreiro, o forte: pelos nossos romancistas o projeto de nação implica em colocar
esse indígena como parte principal de um Brasil onde ele o índio e o destaque lemos
os fragmentos e lemos também a musica que mostra que esse índio nem sempre fez
parte desse Brasil fizemos algumas perguntas para os mesmos se esse indígena hoje
ocupa o mesmo espaço de destaque que lhe foi dado na obras de romances
indianistas? obras estas escritas por José de Alencar. que visão eles tem do índio do
passado e do índio de hoje? houve de fato uma descoberta ou os que aqui chegaram
exploraram e usurparam aquilo que era dos índios? a discussão foi ótima muitos se
manifestaram a respeito do tema e fizemos várias considerações deixando bem claro
que muitas dessas narrativas que o Brasil foi descoberto e que o índio tem o seu papel
de destaque na literatura ainda nos afetam em pleno século XXI vemos um Brasil que
ainda esta longe de romper com certas ideologias impostas pela velha nação europeia
Portugal resquícios desse colonizador ainda paira em nosso imaginário finalizamos
aula com a proposta de continuarmos e flagramos elementos linguísticos dentro
desses textos e figuras de linguagem também aula terminada e lista assassinada
20. MEMÓRIA DO NONO ENCONTRO – 02/10/2018
A professora Margarida me ligou me disse que na terça feira estaria alguns candidatos
a deputados estaduais na escola e que os mesmos promoveriam um encontro para
ocasião de um debate e apresentação de propostas e que todas as turmas estariam
convocadas a participar então de pronto falei com a mesma que aproveitaria o
momento para solicitar um texto argumentativo sobre aquele momento onde os
candidatos se apresentariam e também falariam suas propostas e estariam abertos a
responder perguntas dos alunos ela disse que a ideia era pertinente e gostou.na
segunda feira quando sair do trabalho fui até a escola e esperei a líder da sala de aula
para lhe pedir para que ninguém faltasse porque haveria uma atividade textual voltada
ao momento político que a escola oportunizaria aos alunos a mesma de pronto se
prontificou a avisar a todos, pedi também para lembrar que todos deveria levar o texto
da peça que assistimos e fui para faculdade logo em seguida, no dia seguinte fui
trabalhar e após o termino das atividades fui para escola e fiquei na porta esperando
os alunos chegarem para dar o recado ou reforçar o recado e propor a todos a escrita
textual para os mesmos muitos já sabiam que tinham que escrever só não sabiam o
quê então tive de explicar os que foram com bastante calma, poucos levaram as
impressões da peça muitos disseram esqueci professor ficamos de acertar isso na
próxima aula de redação o evento só começou as 19:30 por conta de alguns atrasos
o que facilitou a minha explicação a professora Estelita a organizadora de eventos da
escola ficou afrente do convite dos candidatos e organização do evento foram
convidados candidatados a deputado estadual e federal que atuão como professores
na instituição Uneb pois a mesma fica próxima da escola houve alguma demora a
começar por conta do horário que os candidatos chegaram quando começou só
tínhamos na bancada 4 candidatos de total de 8 que foram convidados os mesmos
começam a falar de suas propostas principalmente para área ade educação e também
de segurança cada um teve um determinado tempo para explicar o suas proposta e
se apresentar após isso foi aberto para o público fazer perguntas aos candidatos e
suas propostas e alguns alunos se ariscaram a perguntar já trouxeram de casa uma
cola para propor uma pergunta foi algo bastante motivador e mostra que este universo
não pode está distante do ambiente escolar pois somos seres políticos o evento
terminou por volta das 21:10 os alunos assinaram alista e nos despedimos com o
pedido de entrega do texto na próxima a
21. MEMÓRIA DO DECIMO ENCONTRO – 04/10/2018
O oitavo encontro (AULA DE LITERATURA) foi pautado na continuação dos estudos
dessas escolas literárias e seus textos e como os mesmos mobilizam as narrativas a
criarem no sujeito um imaginário propenso a repetir a mesma narrativa de séculos
atrás com a motivação do livro didático e material de apoio nos aproáramos a entender
as funções descritivas e narrativas de um texto procuramos também por marcas
textuais presentes nos textos dessas obras como as figuras de linguagem com o
pouco tempo que temos aula tem que ser bem expositiva e objetiva a sala de aula
em que estou não é tumultuada nem eles exigem de mim um esforço para lhes
acalmar o tempo todo mais o fato e que há em mim um desejo por dar sempre o
melhor a esse sujeito que nos falta as vezes tempo por isso fui o mais breve possível
nas colocações e bem pontual nos exemplos vimos rapidamente adjetivos e locuções
adjetivas uma aluna falou boa lembrança professor o texto que lemos na ultima aula
nos proporcionou uma discussão que se valoriza pela questão de entendermos como
esse índio hoje esta em nossa sociedade depois das literaturas lhe darem destaque e
dizerem que ele e o Brasil, mais nesse momento lemos o texto para flagrar dentro dele
elementos que se constituem uma função seja ela narrativa ou descritiva elementos
gramaticais que devemos o tempo todo acessar através da escrita e da oralidade o
próprio livro didático trouxe alguns exemplos e foi de grande valia trabalhar com esse
material de apoio pude dar outros exemplos eles até trouxeram outros exemplos
pudemos perceber como um texto se organiza dento de uma logica narrativa e uma
logica descritiva ate fatos cotidianos foram abordados para servir como exemplos a
aula tomou um rumo bem legal com participação e exemplos a interação fez a
diferença antes de nos despedirmos avisei que quem não tinha feito texto da peça
que fizesse e o texto do debate também para ser entregue na próxima aula de redação
nos despedimos pra irmos para nossas casas
22. PLANO DE AULA 04
Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.
Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C
Professor Regente: André Luís
Quantidade de aulas: 01 Período: 09/10 a 27/11
Tema: redação
Competência:5
Objetivos específicos

 Conhecer os elementos que caracterizam, em especial, o gênero textual


dissertativo-argumentativo, a fim de produzir textos como solicitado
 Compreender a Língua portuguesa como instrumento de conhecimento, de
informação, de expressão de emoções e de posicionamento crítico em
situações de interlocução.

Conteúdo

 Prática de Leitura e Discussão diversos textos e temas como preconceito,


bullying entre temas a serem abordados
 Prática de escrita, texto dissertativo e argumentativo, Coerência e coesão
textual, estrutura do texto dissertativo argumentativo

Sequência didática

 sondagem diagnostica sobre o que a turma entende sobre redação


 exposição da estrutura física e teórica de um texto dissertativo argumentativo
 Leitura dos mais variados gêneros textuais que auxiliem posteriormente na
produção textual
 Produção textual passível de correção ortográfica e linguística

Recursos: quadro, piloto,


Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividades
23. MEMÓRIA DO DECIMO PRIMEIRO ENCONTRO – 09/10/2018
Uma sondagem diagnostica om uma pergunta de partida sobre o que é redação
constituem a estrutura dessa memoria, desse encontro espero que seja uma aula bem
proveitosa porquê a necessidade da escrita desse sujeito quem deve se posicionar
diante da sociedade e se expor através da sua escrita se faz de forma emergencial
esse sujeito deve perceber que estamos em pleno século 21 mais muitas narrativas
que foram construídas ao longo de séculos e décadas ainda continuam a fermentar
um imaginário que tende a reproduzir comentário e ações que não condizem em
tempos de tanta pluralidade entre nossa sociedade onde a expressão da liberdade
deve ser pautada no respeito a todos principalmente por parte daqueles que se
posicionam dentro de uma escrita preparei essa aula para desmontar aos mesmos a
necessidade de nos apropriarmos de uma escrita que rasure nosso tempo par isso
eles precisam saber o que é uma redação e suas características mais comuns. sai de
casa com esse objetivo a aula não asseria 100 por cento planejada apesar de que
uma vez eu como mediador sei que o estudante espera que o professor o responda
tudo tempo todo o que não quero agora e trazer pontas pronta mais construí-la ao
longo do estágio com a maior interação possível deles preparei um material em casa
bem expositivo para trabalhar com eles são apostilas tenho feito isso para ganhar
bastante tempo para que eles não fiquem escrevendo aquilo que coloco no quadro
então os reúno as vezes em pares ou grupos e dou o material que atenda de certa
forma a todos nesse dia a aula foi bem expositiva e procurei demonstrar o que compõe
uma redação suas características suas tipologias os lemos o que as compõe preparei
também um trabalho de escrita processual e continuo que demandaria corpo claro de
todos a necessidade de escrever deve surgir de um pensamento emergencial e rasura
esse tempo onde muitos narrativas e discursos tem afetado esse sujeito
principalmente na escola perceber que uma das forma de se posicionar diante de algo
que nos afeta e ato da escrita eles se mostraram entusiasmados com as propostas
espero que todos interajam e demostrem um pensamento crítico e reflexivo diante de
situações e acontecimentos que os afeta que nos afeta de um modo geral a maioria
levou os textos da peça e do debate entregando a mim assinaram a lista e na próximo
encontro mais redação
23.1 ANEXOS DAS AULAS
24. PLANO DE AULA 04
Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.
Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C
Professor Regente: André Luís
Quantidade de aulas: 03 Período: 11/10 a 23/10
Tema: As Escolas Literárias e seus textos: Barroco Brasileiro
Competência:2

Objetivos específicos
 Proporcionar ao aluno conhecimento sobre o conteúdo e assim fazer com que
ele perceba as influências e características da arte barroca, em suas múltiplas
representações (na literatura, artes, música e arquitetura);
 Posicionar-se sobre o significado da palavra barroco, suas características e o
momento histórico que propiciou o Barroco, contextualizar com outras formas
de arte produzidas no período Barroco.
Conteúdo
 Poesias de Gregório de Matos; e textos do padre Antônio vieira e outros
 figuras de linguagem
Sequência didática

 sondagem diagnostica sobre o que a turma entende sobre redação


 exposição da estrutura física e teórica de um texto dissertativo argumentativo
 Leitura dos mais variados gêneros textuais que auxiliem posteriormente na
produção textual
 Produção textual passível de correção ortográfica e linguística

Recursos: quadro, piloto,


Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividades
25.MEMÓRIA DO DECIMO SEGUNDO ENCONTRO – 11/10/2018
A memória do decimo encontro será pautada em dois momentos a entrega das
atividades que os grupos fizeram a pesquisa sobre as escolas literárias e que serão
recolhidas para uma posterior devolutiva e num segundo momento iremos abordar a
escola literária barroco e para isso me preparei em casa com a escolha de um material
que pudesse de alguma forma dar mais dinamismo a aula e não deixar o assunto
enfadando para isso me utilizei de trazer conceitos e características dessa escola de
maneira bem sucinta e com tomada de exemplos textuais e sondagem dos mesmos
quanto ao que entendiam, a medida que duvidas fossem surgindo nos pautaríamos
em sana-las para que assim todos aproveitassem as aula no máximo possível nem
todos entregaram o material que foi solicitado essa dificuldade em escrever textos já
foi ´percebida e as estratégias estão sendo tomadas para que eles tenham prazer em
ler e escrever após os poucos me entregarem o material fomos para o segundo
momento da aula que foi dar uma ênfase maior a escola literária barroca para isso
entreguei ao mesmos um material xerocopiado de pesquisas que fiz e nós abordamos
juntos características e conceitos dessa escolada literária acessamos também textos
para termos uma melhor compreensão do assunto a ser abordado para eles fiou
melhor visualizar dentro do texto as figuras de linguagem que são características do
barroco e também como esses textos dialogavam naquela época com os seus leitores
e como esses mesmos textos atravessaram nossa época e se eles tem ainda a força
de mobilização que há séculos tiveram, foi também utilizada o livro didático para
trabalhar com imagens da era barroca e demonstrar com tais imagens tentara,
mobilizar o leitos que se afastou desses textos por conta de haver outros textos sendo
associados falamos que foi um período de uma contra reforma não apenas religiosa
mais principalmente literária na busca de um leitor que agora se encontrava afastado
e o apelo dos textos do barroco traz essa menção nos traços de ícones como Gregório
de matos e padre Antônio Vieira houve muita interação com a apresentação das
figuras propostas que eles puderam relacionar até com a época atual de como estas
obras agora são acessadas ao final da aula nos despedimos e todos assinaram a lista
25.1 ANEXOS DAS AULAS
26. MEMÓRIA DO DECIMO TERCEIRO ENCONTRO – 16/10/2018
A memória desse encontro (REDAÇÃO) refere-se ao encontro que tivemos no 09/10
onde pesquisei um material na internet e depois do estudo do material fiz um recorte
para trabalhar em sala de aula com as estrutura das redações e seus elementos
componente escolhi também um pequeno texto para balizar a aula cheguei no
Francisco de Menezes como de costume por volta das 18;30 esperei o meu horário
chegar e então subi para salada de aula onde solicitei que a turma por favor
sentassem em duplas e que eu entregaria um material impresso para que
pudéssemos trabalhar em sala de aula após a organização da sala fiz uma rápida
lembrança da última aula para uma melhor fixação e aproveitamento nessa aula
sistematização feita começamos a trabalhar com o material que se tratava de um
pequeno texto dissertativo argumentativo chamado A QUESTÃO INDÍGENA NO
BRASIL o texto trazia abaixo a imagem de uma estrutura de como seria uma redação
com os tópicos e apontamentos de seus elementos então o que fizemos foi ler a
dissertação e logo em seguida explicar cada elemento que se encontrava exposto
logo abaixo na estrutura do texto: introdução, título, tema, desenvolvimento e
conclusão também falamos cobre a importância do texto ter coerência e coesão
textual de maneira breve e sucinta demos exemplos de textos e frases sem coerência
e sem coesão explicarmos que a melhor forma de começarmos uma redação é
elaborando frases para que essas formem o posteriormente parágrafos e sim se
desenvolvam pra formação de um texto, a aula foi bastante produtiva com muitas
duvidas e sendo sanadas a pergunta dirigida ao professor e a melhor maneira do aluno
responder que esta na sala de aula nos despedimos lembrando a todos que na
próxima aula iriamos ler um texto e já tentar esboçar algum tipo de escrita produtiva
27. MEMÓRIA DO DECIMO QUARTO ENCONTRO –18/10/2018
A memória desse encontro (LITERATURA) seria a continuação da literatura barroca
e suas mobilizações, conceitos e características e como elas influenciaram e ainda
continua influenciando esse leitor eu recebi um material de apoio da professora
Margarida onde era uma quebro geral dessas escolas literárias desde o seu
surgimento até as suas caracterizas e possíveis referencias de textos ela me entregou
o material assim que cheguei na escoa e me encontro e me pediu para utilizar esse
material com eles na sala de aula e explanando de forma sucinta o papel de cada
escola a seu tempo junto com os seus poetas e romancistas, falei para mesma que já
tinha começado a falar do barroco então eu falei que iria a utilizar o matéria como
apoio para as aulas fui para sala de aula ,e tentamos o máximo dinamizar as aulas
quando cheguei na sala dei o primeiro o recado sobre as aulas como estariam
dispostas a partir dali e fomos para mais uma atividade trouxe um texto de Gregório
de Matos para lermos na sala e depois de lermos iriamos para o material xerocopiado
o texto que lemos de Gregório foi TRISTE BAHIA coloquei no material um pequeno
vocabulário para os mesmos não se perderem após a leitura tivemos alguns
momentos de discussão sobre os seguintes pontos do texto o tema que o texto aborda
trata de que assunto, que tipo de sátira Gregório traz no seu texto, que critica severa
e o motivo você apontaria dentro desse texto questionamentos que foram
atravessando-nos a turma e foram nos levando a penar juntos o momento debate é
ótimo quando a maioria participa um desafio a vencer existem alguns tímidos ao
ariscasse na oratória e outros falantes até em demasia fizemos algumas
considerações e solicitei da turma um texto critico tomando como objeto a educação
na Bahia fazendo um recorte da própria escola Francisco Menezes onde eles estudam
outro recado foi para que ninguém faltasse na próxima aula porque faríamos um
exercício pra melhor aprendizado acerca do assunto , nos despedimos e mais um dia
chegara ao final mais um dia
28. MEMÓRIA DO DECIMO QUINTO ENCONTRO – 22/10/2018
Memoria remente a (REDAÇÃO) tenho tentado em todas as aulas ser o mais dinâmico
possível e também bem expositivo e aceito sempre contribuições de fala dos meu
alunos penso que é um caminho para minimizarmos os efeitos que um dia de cansaço
abate sobre os corpos poiso a leitura e dinâmica a explicação também e a interação
necessária para que haja um clima que possa nos levar a um clímax escolhi ler com
eles um texto jornalístico sobre um tema e fazermos após a leitura algumas
intervenções breves e sucintas para produção textual ,sai do trabalho por volta das
18;20 e me dirigi para escola onde quando cheguei já tinha um aluno que é o mais
assíduo da turma, o Ademilton mesmo com todas as barreiras que se colocam para o
mesmo ele avança eu disto disso gosto de ver o aluno que sabe que é preciso avançar
sem medo sem receio que luta não e apenas contara um sistema cuja a engrenagem
gira muitas vezes em desfavor desse sujeito mais que percebe que a sua primeira luta
é consigo mesmo a vencer cansaço e também limitações de onde linguística mesma
pude conversar com ele e mesmo me falou que não gosta de ler então conversamos
sobre a importância da leitura e quanto ela é importante para um sujeito crítico do seu
tempo e reflexivo ao seu modo expliquei que que começa se ler aquilo que ele mais
gosta por exemplo jornais algum tipo de revista que fizesse dessa leitura um habito a
própria bíblia até citei para que ele a partir dessas leituras se apropriasse de um
elemento fundamental para todos os sujeitos o mesmo me prometeu que se esforçaria
fomos para sala ade aula onde distribuir o texto jornalismo que tratava um episódio de
bullying e suas consequências fizemos a leitura juntos debatemos o tema expliquei
também sobre esse gênero mais com muita brevidade o meu maior intuito era que
eles tivessem acesso informação do texto e que a nossa discussão fosse breve mais
que percebem como muitos indivíduos encontrasse infectados por mal que assola e é
soprado nesses últimos tempos o bullying após a discussão resolvi solicitar dos
mesmos uma redação onde os mesmos iriam explanar sobre o bullying a partir do
tema bullying o que fazer?
A proposta e fazer esse sujeito se apropriar de sua escrita aponto que ela o afete que
o mesmo entre em relação com ela para isso e por isso e preciso despertar nesse
sujeito o hábito de ler e escrever sempre que possível após a assinatura da lista fossos
todos embora
29. MEMÓRIA DO DECIMO SEXTO ENCONTRO –23/10/2018
(LITERATURA) fazer uma atividade com os alunos em sala de aula um pequeno
exercício de reflexão, interpretação textual onde os mesmos deveriam demonstrar sua
capacidade de pensar e escrever sobre determinados textos o exercício que preparei
tinha dois fragmentos do barroco além de algumas perguntas sobre características e
suas figuras de linguagem o resultado para o mesmo era dos melhores, quando sai
de casa agradeci a DEUS por mais um dia e fui para o trabalho até o horário do final
do expediente ao termino fui para escola as quintas feiras como já relatei os meu
horário e os dois primeiros muitos chegam as vezes 19;20 e nosso horário e tão curto
mais entendo porque muitos vem do trabalho direto para escola outros passam o dia
inteiro no afazeres domésticos como alguma senhoras e chegam cansadas depois de
um dia muito estressante. Mais nesse dia aconteceu algo muito atípico cheguei na
escola, por volta das 18;30 e esperei até 19;00 para subi para sala de aula e só
estávamos em 3 eu estagiário e mais dois alunos até então acreditei que a maioria
chegaria atrasada mais quando deu 19;10 e não vi ninguém chegar pude perceber
que muitos não viriam mais comecei a aula com a apostila de exercício com os dois
alunos que estavam na sala de aula expliquei toda a apostila de exercício para os
mesmos e pedi para que se fossem surgindo duvidas me perguntassem quando deu
129:20 chegou uma aluna e disse quase que eu não vinha professor mais tomei animo
e vim não podia perder mais uma aula disse para ela que bom que você veio entreguei
a apostila de exercício a mesma e expliquei tudo e disse que se surgissem duvidas
me chamasse para tirar as dúvidas sentei e meu pensamento foi longe em relação ao
ao que estava acometendo ali pude perceber o quanto a escola não e mais um espaço
onde o aluno luta para trazer esse corpo as vezes cansada.fragilizadao e desmotivado
para dentro dela e preciso com urgência repensar que afasta esse sujeito da escola
será apenas o cansaço ou algo mais será que esse sujeito na hora de escolher entre
o seu cansaço e seu saber ele não reflete que o conhecimento está acima de um
corpo fragilizado pelo cansaço entendo que problema acontecem mais fiquei muito
triste por ver uma sala com 3 alunos apenas e por isso me perguntei será que os
outros que não vieram todos d sofreram do mesmo problema ou resolveram abri mão
nesse dia do conhecimento do saber que é poder após o exercício dei um recado para
líder que iriamos aproveitar horários vagos na segunda feira para darmos conteúdo
de literatura ou redação pedi para avisar todos que não faltassem recado dado fomos
para casa mais eu não parei de pensar e refletir
30. PLANO DE AULA 05
Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.
Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C
Professor Regente: André Luís
Quantidade de aulas: 03 Período: 25/10 a 01/11
Tema: Quinhentismo Brasileiro
Competência:2

Objetivos específicos

 Interpretar textos modernos;


 compreender as manifestações ocorridas no Brasil no século XVI;
 interpretar a literatura de informação
 compreender a literatura dos jesuítas.

Conteúdo

 Carta de Pero Vaz de Caminha


 Fragmentos de diários de bordos escritos por padres jesuítas como José
Anchieta

Sequência didática

 sondagem diagnostica sobre o que a turma entende sobre literatura de


informação
 apresentação da carta de Pero Vaz de Caminha como documento não apenas
histórico
 Leitura de fragmentos de diários de bordo de padres jesuítas
 Discussão e sistematização sobre o assunto a ser abordado

Recursos: quadro, piloto,

Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividades
31.MEMÓRIA DO DECIMO SETIMO ENCONTRO –25/10/2018
(LITERATURA)Começaríamos nesse dia um novo assunto na área literária que seria
quinhentismo brasileiro que tinha como objetivo ser uma literatura de formação ou
jesuítica, criada com o objetivo de catequizar os índios, propagando a fé cristã, sob
influência da Contrarreforma, aspecto importante do contexto histórico da época pra
tal feito precisaríamos acessar a carta de Pero Vaz de Caminha nessa podemos
entender que não se tratava apenas de um documento de valor histórico um simples
relato dos índios que aqui estavam mais uma já instauração de um período colonial
que se perduraria por muitas décadas, os relatos da carta fazem menção de um lugar
onde os perigos não existem e que as riquezas são imensas e belas.
Discutimos se essa carta seria como um chamariz para uma exploração ainda maior
por parte de Portugal se não dentre outros relatos uma forma de trazer Portugal para
o Brasil de certa forma a catequisar os índios e lhes impor uma ideologia teocêntrica
religiosa ao ponto de verem nesse índio um ser desumanizado sem alma
Os questionamentos que foram levantados partem para respondermos e pensarmos
como esse colonizador chegou no brasil e qual o sempre foi o seu verdadeiro intuito
Muitos esboçaram frases e palavras que se traduzem em revolta por ver tanta riqueza
ser usurpada dessa maneira discutimos bastante sobre essa leitura de informação
que por muito tempo acreditava-se só ter valor histórico mais com o temo estudos
mostraram que o seu valor era de mobilizar uma corte para exploração dos índios e
da terra que aqui encontraram os alunos gostaram ada aula muitos ficaram surpresos
com os trechos que relam sobre o contato dos portugueses com obsidio e puderam
perceber que a catequese foi apenas uma das formas de explorar e subjugar esses
sujeitos após a discussão nos despedimos e fomos embora para prosseguirmos o
assunto numa outra aula .
31.1 ANEXOS DAS AULAS
32. MEMÓRIA DO DECIMO OITAVO ENCONTRO – 30/10/2018
A escolha da aula(REDAÇÃO) para esse dia foi trabalhar com um gênero música com
exposição de um vídeo e uma letra impressa e a solicitação de produção de texto
argumentativo onde os mesmos iriam elaborar uma redação a partir de temas feitos
partir da leitura do clipe musical preparei aula pra ser bem expositiva e para que todos
venham entender a proposta, quando sai do trabalho fui para escola e de imediato
procurei a pessoa responsável da sala de vídeo para testarmos o material apesar da
minha aula ser os 2 últimos horários fiz questão de testar tudo logo para que não
houvesse imprevistos e ficássemos sem acessar o vídeo clipe trouxe num pen drive a
música sabia que a escola dispunha de internet que poderia acessar a partir dela mais
não o quis arrisca a sala de vídeo foi devida demente reservada pela professora
Margarida alguns dias antes tudo ala no Francisco Menezes deve ser comunicado ao
diretor com antecedência até a xerox que os professores tiram isso deve feito com 48
horas de antecedência tudo passa pelo crivo do diretor Marcos bem-feito os teste
estava tudo pronto para quando chegasse o horário nos déssemos a nossa aula e foi
que apeteceu entreguei o material impresso eles e a partir da explicação do gênero
textual música começamos a nossa atividade questionei por exemplo aos mesmos o
que música para eles se apenas observam a música a melodia ou também prestavam
atenção na letra da música no que eles estava tentando lhes falar ou não a partir da
música impressa entreguei um peque roo exercício para os mesmos fazerem
rapidamente onde estava expostas três perguntas a partir da música impressa onde
os mesmos deveriam ler e dar a sua interpretação a partir da letra impressa a música
foi do grupo titãs e se chama violência após todos responderem pedi para me
entregarem e fomos para segunda parte da qual assistimos um clipe musical de Pablo
Vitar da música indestrutível após o termino da música expliquei que os mesmos a
partir da leitura da música deveriam fazer um texto argumentativo a partir de possíveis
temas que encontram dentro da leitura do clipe muitos até falaram em homofobia,
preconceito ,racismo entre outros os deixei bem à-vontade para trabalhar esse ser
pensante que eu enxergo neles falei que todos fizessem e que a entrega seria na
próxima aula recolhi algumas atividades escritas e solicitadas e nos despedimos após
a assinatura da lista
32.1 ANEXOS DAS AULAS
33. MEMÓRIA DO DECIMO NONO ENCONTRO – 01/11/2018
Memoria (LITERATURA) A professora Margarida no nosso último encontro me
entregou um material impresso e me pediu para compartilhar com a minha turma a
mesma está trabalhando esse material com uma outra turma e me pediu para incluir
esse material dentro do meu planejamento ela também me pediu para que eu fizesse
a leitura do mesmo para discutir os alunos claro com uma maior propriedade me
indicou também a qualquer dúvida sobre o material que surgisse lhe enviar um zap
durante uma possível leitura surgindo duvidas me ligue André palavras dela após
entrega já olhei o material e quando entrei no ônibus já fui olhando era uma apostila
sobre a escola literária quinhentismo que tratava de textos quinhentista inclusive a
carta de Pero Vaz de Caminha fui lendo durante a viagem de buzu e no dia seguinte
também antes de chegar ao trabalho não surgiu nenhuma dúvida a apostila era bem
auto explicativa e quando fui apresentá-la fizemos uma leitura bastante agradável da
mesma nesse dia lemos e comentamos claro pontos importantíssimos daquela escola
e época suas características sua função linguística dentro dos tentos da época qual o
motivo daqueles textos para os sujeitos para quem eram dirigidos aqueles textos a
produção literária da época quientista uma marca uma das primeira s manifestações
literária no brasil discutimos o seu contexto histórico sua narrativa a sua linguagem a
utilização de muitos adjetivos onde os textos eram muitos narrativos e descritivos uma
vez que o intuito era informar sobre esse brasil a partir do olhar do português que aqui
se aportou como colonizador de um território diante das informações e discussões
formulamos perguntas e levantamos questionamentos inclusive sobre esse
colonizador sua escrita e sua possível descoberta a mesma também me orientou a
utilizar para próxima aula uma apostila de exercício onde os mesmos deveriam utilizar
com apoio o material que foi entregue ou seja as respostas seriam encontradas a partir
da própria apostila foi o que fiz preparei todos para a próxima aula avisando sobre a
atividade orientando a não fazer a leitura do material apenas na sala de aula mais em
casa também algum momento onde esse material serviria de apoio para os mesmos
resplenderem as atividades da apostila de exercício recados dados encerráramos
aula e assinam a lista e mais um dia findava-se
34.MEMÓRIA DO VIGESSIMO ENCONTRO – 05/11/2018
O encontro(REDAÇÃO) foi marcado pela devolutiva de algumas atividades escritas
pelos alunos li todas elas escritas colocando em todas observações que achei
necessárias inclusive tive que falar pessoalmente com duas alunas que
aparentemente não fizeram suas atividade mais pediram pra outras pessoas as
mesmas me disseram que por falta de tempo não fizeram e o pior pediram a terceiros
para fazer para elas uma pratica que falei para elas em particular que só quem perde
são elas por conta do aprender requer esse corpo que deve vencer o cansaço que
não deve parar por qualquer coisa nem por tudo e todos as vezes para se estriar
forte a anulada foi feita partir de considerações respeito de pontuação erros
gramaticas de forma sucinta e breve fiz alguma correção que achei importante sobre
também coerência e coesão e como devemos elabora uma boa introdução de redação
expos também a devida preocupação que deve se se dar a norma culta padrão pois
é ela que rege um esquema de aprendizado ainda que tenhamos que conviver com
as variedades linguística a nossa linha brasileira o português se pauta numa norma
culta padrão e sobre ela que fizemos nossas considerações
Também aproveitei o espaço para lhes falar a respeito da leitura percebi da turma um
a grande dificuldade em lê pedi aftoso que começassem a ler aquilo que ais gostam
para que esse hábito atravesse fronteira do saber nos despedíamos com uma
solicitação que alguns levassem jornais na próxima aula para uma atividade todos
assinaram alista e formos embora
35.MEMÓRIA DO VIGESSIMO PRIMEIRO ENCONTRO – 06/11/2018
Esse dia memoria (LITERATURA) seria marcado pelas atividades que os mesmos
fariam em sala de aula a professora me pediu para que tirasse xerox e que depois
falasse com ela para um possível reembolso claro que isso não foi feito o prazer de
dar e tão bom que a preocupação em receber e algo não muito relevante o fato é que
se tenho condições de fazê-la ou faze-lo porque não então tirei as xerox entreguei aos
mesmos e as atividades foram feitas nesse dia não pude fazer individual foram três
páginas de atividades para que os mesmos pudessem pesquisar e ainda responder
tudo em 50 minutos então resolvi fazer em pares informei que as duplas se formassem
claro sem nenhum tipo de exclusão tenho notado isso muito na sala a pessoas que
nãos conseguem interagir umas com as outras outro desafio que aos poucos vai
caindo por terra como um talvez o olhar que entra em reação com aquele aluno que
está a esperar apenas um convite parcerias feitas explicações dadas material de poio
em mãos que comecem as atividades muitos que tiveram dúvida me chamaram me
pediram esclarecimentos vi outros lutando contra um texto talvez que lhes fossem
duro escorregadio não entendo se tudo estava diante deles dentro do material
impresso então tive que argumentar oralmente procurem se ater ao texto de apoio ele
é o caminho para resposta eu não preiteio tenção a atividade e uma das questões
estava repetida faro que uma aluna muito atenciosa me apontou professor essa
questão está idêntica a uma outa que o senhor fez então fui até a sua carteira e pude
verificar o erro e disse para os mesmos que consideraria apenas uma das questões
escolhi qual era a questão e número e lhe s informei, surgiu também uma
levantamento de ambiguidade numa outra questão então fui verificar mais não havia
necessidade de retificação porque não havia fundamento para tal então expliquei no
que cada questão pedia e os orientei a responder a partir do material de apoio o
horário foi se estendendo e os primeiros só começaram a sair faltava 7 minutos para
o fim da atividade até que deu o horário e 2 duplas me entregaram no final da sirene
todos assinaram a lista e fomos todos embora.
35.1 ANEXOS DAS AULAS
36.MEMÓRIA DO VIGESIMO SEGUNDO ENCONTRO – 08/11/2018
memoria (REDAÇAO) o interesse pela leitura e pela elaboração de uma escrita reflexiva
tem sido um desafio para mim motivá-los quantos pesquisadores e sujeitos críticos e
reflexivos do seu tempo tem sido minha labuta constante quanto estagiário que sou
naquela escola percebo que nem todos gostam de ler nem de escrever essa
dificuldade tem sido aos poucos solicitei aos mesmos que levassem para vessa aula
alguns jornais e revistas para que pudéssemos fazer um trabalho com esse material
em sala de aula, sai do trabalho por volta das 18 hs e me dirigi para escola o meu
horário as quintas feiras são os dois últimos e a pressão e grande por conta de
episódios de violência entorno da escola por isso tento ser o mais dinâmico possível
mais com responsabilidade para com o aluno entendo também que não adianta eu
fazer de qualquer jeito então se surgir dúvida tenho que parar e retomar a fala para
que ela( a dúvida) seja sanada, quando deu o horário fomos pra sala e para minha
surpresa somente três alunos levaram jornais e revistas penso em trabalhar em grupo
com o matérias ,mais seria grupos pequenos diante da situação tive que refazer o
plano e pedi para que se formassem 3 grupos de 4 pessoas nesse dia estavam
presentes 12 alunos trouxe uma apostila sobre o gênero reportagem entreguei aos
grupos e fizemos a leitura juntos com o intuito deles perceberem características
,estrutura linguagem, e os demais elementos que formam esse gênero além de
semelhanças e não semelhanças comparado a outros gêneros utilizamos os jornais e
revistas para serviço de fonte de referências uma vez que estávamos falando de um
gênero tão importante que o contato com o gênero poderia melhorar e ajudá-los a
perceber a sua importância, e para isso fizemos a leitura de algumas manchetes,
também fizemos a leitura do lead de alguns textos jornalísticos fui mostrando para
cada grupo a estruta que estava na suas mãos pode também perceber que dentor de
um jornal e utilizados diversos gêneros textuais para atingir os mais diversos públicos
dentro de uma proposta não apenas informativa por exemplo tinha um jornal que tinha
um espaço onde foi possível acessar o gênero textual receita com isso eles tiveram
contato não apenas a textos jornalísticos mais também puderam perceber que um
jornal não tem apenas o intuito de trazer informações jornalísticas, a aula terminou e
pedi para que eles se preparassem para próxima aula porque continuaríamos com a
apostila e faríamos um atividade em sala de aula com esse gênero tão importante me
despedi da turma após todos terem assinado a lista
37. PLANO DE AULA 06
Estabelecimento: Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes.
Ano: 3° ano do Ensino Médio Turma: C
Professor Regente: André Luís
Quantidade de aulas: 02 Período: 12/11 a 22/11
Tema: trovadorismo
Competência:2

Objetivos específicos

 Conhecer os elementos que caracterizam, em especial, o gênero textual


dissertativo-argumentativo, a fim de produzir textos como solicitado
 Compreender a Língua portuguesa como instrumento de conhecimento, de
informação, de expressão de emoções e de posicionamento crítico em
situações de interlocução.

Conteúdo

 Prática de Leitura e Discussão diversos textos e temas como preconceito,


bullying entre temas a serem abordados
 Prática de escrita, texto dissertativo e argumentativo, Coerência e coesão
textual, estrutura do texto dissertativo argumentativo

Sequência didática

 sondagem diagnostica sobre o que a turma entende sobre redação


 exposição da estrutura física e teórica de um texto dissertativo argumentativo
 Leitura dos mais variados gêneros textuais que auxiliem posteriormente na
produção textual
 Produção textual passível de correção ortográfica e linguística

Recursos: quadro, piloto,


Avaliação: Avaliação contínua, com participação ativa dos alunos nas atividades
38.MEMÓRIA DO VIGESIMO TERCEIRO ENCONTRO – 12/11/2018
A memória desse encontro (LITERATURA) enfatiza o trovadorismo para isso foi
utilizada uma apostila com uma breve exposição sobre o seu conceito e suas
características e suas cantigas na apostila falava-se Trovadorismo: é a primeira
manifestação literária da Língua Portuguesa. Inicia-se em 1198 ou 1189, época em
que Paio Soares de Taveiros dedicou uma cantiga de amor e escárnio a Maria Pais
Ribeiro – A Ribeirinha. características. Duas espécies principais apresentavam a
poesia trovadoresca: o lírico amoroso e a satírica. A primeira divide-se em cantiga de
amor e cantiga de amigos; a segunda, em cantiga de escárnio e cantiga de maldizer.
O idioma empregado era o galego-português. Dentro da apostila me utilizei de um
dicionário de significados para facilitar, fizemos a leitura de algumas dessas cantigas
fazendo considerações entre diferenças e características de cada uma, mais o ponto
principal da aula foi o trabalho de pesquisa proposto para cada um partir das leituras
da música a partir do que puderam entender da apostila solicitei que os mesmos
trouxessem músicas da atualidade que trisem dentro do seu corpus um traço
trovadoresco musicas atuais mais que continuam a trovar de forma satírica e
maldizente
Muitas duvidas mais o que pedi dei como exemplo trouxe uma musica atual para falar
de forma trovadoresca foi isso que solicitei
Lemos as apostilhas toda e fizeram algumas considerações respeito do trabalho a ser
feito e entregue nos despedimos e todos assinaram a lista
38.1 ANEXOS DAS AULAS
39.MEMÓRIA DO VIGESSIMO QUARTO ENCONTRO – 13/11/2018
(REDAÇAO) Sai da última aula com uma reflexão para propor aos alunos uma
apresentação a partir de textos jornalísticos que os mesmos iriam produzir a partir de
temas que estivessem relacionadas com a escola o envolvimento do aluno nas
questões escolares deve ao meu ver perpassar a questões de ordem apenas
disciplinares onde o mesmo só faz o que lhe é pedido esse aluno precisa ser fiscal
investigador instigador questionador de uma ordem lhe é imposta em muitas casos
deve tentar romper quebrar paradigmas para alcançar uma excelência diante de
muros que o cercam são tantos os desafios mais essa sensibilidade de perceber esse
sujeito surge em um momento para mim maravilhoso me relacionar estar e entrarem
reação com esse estudantes tem sido de suma importância para minha vida não
apenas acadêmica mais pessoal em todos os sentidos por isso que ando comecei a
aula hoje fiz essa proposta a professora Margarida mais a mesma me disse que iria
requerer deles muito tempo então me pediu apenas para trabalhar o gênero
jornalístico com os mesmos propondo uma reportagem escrita sem investigação
entendo que esse aluno deve ter um olhar crítico e reflexo ao seu entorno e perceber
quantos problemas tem a sua escola e que isso os afeta na educação que ele busca
naqueles espaço como sujeito criticar não e falar mal deixei bem claro que a escrita e
feita a partir de argumento com propriedade deve mobilizar o outro sem achismos.
Entreguei algumas atividades que estavam comigo e solicitei uma produção textual
baseada em temas que dialoguem com a escola e seus problemas nos despedimos
após assinatura da lista
40.MEMÓRIA DO VIGESSIMO QUINTO ENCONTRO– 19/11/2018
Na última aula (LITERATURA) abordamos o tema trovadorismo solicitei da turma
musicas que dialogassem, com o trovadorismo mais que fossem contemporâneas
entendo que esse aluno precisa perceber que certas narrativas que se construíram
em outros séculos ainda continuam a fomentar um imaginário na ultima dei exemplos
de músicas que denegrem a imagem da mulher músicas que expõe o ser feminino
como inferior e ridicularizam a mulher a proposta era pra que eles trouxessem também
música que tivessem um teor satírico ou maldizente mais que fossem atuais para uma
discussão em sala de aula a partir dessas leituras nos iriamos instaurar um pequeno
debate a partir da letras da música
Mais infelizmente poucos alunos fizeram o solicitado muitos trouxeram músicas que
não dialogavam com o universo trovadoresco não faziam parte da proprostata
solicitada os trouxeram puderam perceber na leitura dos trechos em sala de aula que
essas letras são atuais mais são narrativas que se construíram lá atrás letras que proe
algum tipo de ataque direto ou indireto
Tivemos exemplos de miscas de pagode funk e rapa Gabriel pensador foi muito
lembrado
Nos colocamos a discutir coo essas letras mobilizam o sujeito para continuar as vezes
propagar um discurso de ridicularizar por exemplo a mulher e seus universos muitos
se manifestaram não estavam, mas para denegri um estilo musical mais uma narrativa
preconceituosa e discriminatória eles entenderam proposta era essa a lsita foi
assinada e fomos embora
41.MEMÓRIA DO VIGESSIMO SEXTO – 20/11/2018
Começava na escola a semana da consciência negra com diversas atividades pela
parte da manhã e atarde gincanas palestras jogos brincadeiras cinema debates entre
outros á noite somente cinema e palestras cada turma teria o seu dia para assistir um
filme documentário e ouvir uma palestra sobre negritude o nosso dia foi palestra dia
22 e cinema dia 26.datas definidas fomos para aula. Esse encontro foi marcado
(REDAÇAO) por uma elaboração de redação que seria feita a partir de temas que
propus a colocar no quadro a aula começou por volta das 19:00 hs solicitei dos
mesmos que se apropriassem de uma escrita coerente e com coesão e
demonstrassem no texto uma personalidade própria e argumentativa aproveitei um
episódio que ocorrera no entorno da escola infelizmente um jovem veio a falecer
depois de disparos efetuados dentro de uma quadra em frete a escola o episódio
deixou todos muitos abalados por conhecerem esse jovem propus aos mesmos falar
sobre violência no entorno do Francisco Menezes solicitei essa redação por acreditar
que esse aluno deve se envolver estritamente naquilo que o cerca o afeta uma dessas
formas talvez seja levando-o a escrever sobre assuntos que fazem parte da sua
comunidade muitos infelizmente ainda continuam ao se deparar com uma folha em
branco paralisam-se sem saber o que escrever e necessário um exercício continuo a
dificuldade da escrita esta atrelada ao fato também de muitos ou se não a maioria
lerem muito pouco.
Os minutos foram passando muitos começaram esboçar reação positiva outros
escreveram tão pouco que precisei dizer que era necessário um pouco mais que se
esforçassem pra entender o processo da escrita que apenas de colocar no papel
aquilo que eles pensam ou veem no final da aula falei que estava se aproximando o
dia que faríamos uma prova e marquei data para o dia 29/11 antes faríamos uma
revisão sobre o assunto se possível pedi para todos estudarem a mesma aconteceria
no dia 27
42.MEMÓRIA DO VIGESIMO SETIMO ENCONTRO – 22/11/2018
Palestras sobre negritude palestrante professora Estelita local sala de vídeo da escola
O objetivo da palestra era chamar a atenção para todos os tipos de violência contra a
população negra, em especial a juventude da periferia de Salvador. “A cidade é
majoritariamente negra, mas evidencia a falta de oportunidades, seja no mercado de
trabalho, nas universidades públicas ou na política dizia a professora Estelita
responsável pela educação artística e cultural dos alunos na escola
A palestra também contou com presença da coordenadora ministrou também algumas
colocações importantes nesse dia é fundamental a conscientização da população
negra: “Nós não somos maioria nas grandes universidades. Somos maioria que
sobrevive na faixa de miséria e nos presídios. Isso precisa mudar e, para tanto, é
necessário buscar informações interatividade”. Fala da coordenadora
Planejamos atuar cada vez mais na periferia de Salvador em busca de soluções para
os problemas enfrentados pela juventude negra, vítima constante da violência,
discriminação racial e, consequentemente minoria nas grandes esferas de poder”,
enfatiza a necessidade de se entender como identidade não mais marginalizada mais
como força motora para potencializar outras vidas
A intenção desse evento é pensar como o negro deve refletir a respeito das questões
relacionadas a negritude e a subjetividade. Qual o impacto das implicações
relacionadas ao desejo de embranquecimento pela população, acarreta na vida das
pessoas afrodescendentes”, explicou a professora finalizando dizendo que era preciso
ter uma identidade negritude
43.MEMÓRIA DO VIGESSIMO OITAVO ENCONTRO– 26/11/2018
Essa memoria e pautada na elaboração da prova que será aplicada no dia 29/11
Aos estudantes da turma c do colégio Francisco Menezes para tal elaboração foi
necessário a separação de material para elaboração a professora margarida me pediu
para escolher os conteúdos que seriam abordados e as questores que iriam ser
colocadas na prova escolhi tudo um dia antes fiz um trabalho de garimpo para tentar
fazer um aprova que atendesse o conhecimento dos alunos fui para o trabalho e
depois me dirigi para escola onde professora margarida já a minha espera pra juntos
elaborarmos a prova e confecciona-la.
O processo foi bastante tranquilo a mesma me disse que conteúdos abordaria na
prova expliquei que seria questões de literatura e também poderiam ser colocadas
questões de figuras de linguagem
Escolhemos as questões uma a uma definimos o numero probabilidades de acertos e
erros iriamos colocar cinco probabilidades depois voltamos atrás e deixamos apenas
três nenhuma discursiva para ganharmos tempo todas de múltipla escolha também
ficamos por decidir se seria um aprova só ou duas diferentes optei por uma prova só
mais a professora Margarida me disse que o material que tinham aos dava conta de
fazer duas sem prejuízo para a turma sem problema então elaboramos questões
diferentes e finalizamos após isso fui assistir o filme documentário com a turma na
sala de vídeo sobre a força do negro o que ela é capaz de mover foi uma experiencia
ótima esta ali com eles desfrutando desse momento para mim algo prazeroso depois
de assistir o documentário me despedi da professora Margarida ela ficou de rodar a
prova e me dar no dia da aplicação fui para casa com a cabeça aliviada e ansioso por
essa aplicação de prova.
44.MEMÓRIA DO VIGESSIMO NONO ENCONTRO – 27/11/2018
A memoria desse encontro refere-se a revisão sobre assuntos que foram abordados
na sala de aula fui para o Francisco Menezes depois do trabalho com uma expectativa
grande estava chegando ao fim meu estagio e meu ultimo encontro quando cheguei
na sala todos começaram a perguntar se aprova seria na data mesmo se eu ficaria
com eles até o final do ano foram tantos questionamentos quase não dou revisão
nenhuma calma gente falamos disso e sobre isso depois.
agora é hora de que tem dúvida tirá-las e então começamos pelas figuras de
linguagem, gêneros textuais e por último as escolas literárias foi tudo muito sucinto e
breve mais bem dinâmico pedi para que estudassem para prova e que não se
preocupassem porque não estará difícil não
A professora ,Margarida ficaria incumbida de corrigir e entregaras provas e media
todas atividades que fizemos em sala de aula valeram como somatória para
agregação de pontos a aprova então eu falei que quem não tinha muitas atividades
por conta de inúmeras faltas poderia sentir um pouco na hora que precisasse de uma
nota melhor passei as notas para professora Margarida já está tudo com ela falei nós
vimos um pouquinho de cada coisa naquela noite já esta dando saudade e olha que
é só á penúltima aula me despedi e todos assinaram a lista
45.MEMÓRIA DO TRIGESIMO ENCONTRO – 29/11/2018
Chegou o grande dia meu estagio chegar ao final com uma bela surpresa estaria eu
na sala de aula aplainando prova para minha turma que legal apesar não ser a
primeira vez mais essa turma foi diferente eles são muito bons em relação a
cooperação e ajudam em fazer a aula mais dinâmica é pena que tem alguns que
faltam muito as vezes tive que chamar no canto e perguntar se estava havendo algum
problema se queria conversar dei uma de psicólogo mais vamos la´me levantei cedo
me arrumei e fui trabalhar o pensamento era prova ultimo dia e agora
A hora não passa e a sensação que temos quando estamos ansioso mais chegou fui
todos satisfeito para aplicar a aprova cheguei cedo na escola a professora Margarida
ainda não tinha chegado então merendei e os poucos que vi só me fizeram uma
pergunta esta difícil professor eu não que ro perder no senhor então respondi estudou
os dois disseram estudei então não está difícil minha resposta quando a professora
Margarida chegou fomos para sala de professores ela me entregou as provas e
quando deu o horário subi para aplicar para minha surpresa a quantidade não deu
apareceu aluno que não estava frequentando com assiduidade pra afazer a prova
fazer o que eu tive que descer e pedir para ela tirar mais xerox
A prova começou cinco minutos mais tarde então demos essa tolerância também
após a entrega a tensão e expressão de muitos pude ver quem estudou e quem não
estudou nesse momento a prova nãos estava difícil a baixa frequência de alguns
prejudicou na realização da prova não houve quem me solicitasse tirar duvida não
houve quem me chamasse para perguntar nada todos o que demos para os que
frequentaram estava tudo exposto ali depois de 30 minutos de prova alguns
começaram a sair e quando ultimo saiu desci e entreguei a prova a professora com
uma certa mistura de tristeza e alegria não sei explicar aqui ela me abraçou e nos
despedimos alguns alunos estavam no pátio para uma despedida também fui embora.
.
Referências:

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de
gramática no 1º e 2º graus. 6. ed. –São Paulo: Cortez, 2001
ANEXOS