Você está na página 1de 3
MO P- LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL- PORTUGAL NORMATIVA DOCUMENTAÇÃO E S P E C
MO
P-
LABORATÓRIO
NACIONAL
DE
ENGENHARIA
CIVIL-
PORTUGAL
NORMATIVA
DOCUMENTAÇÃO
E
S
P
E
C
.1
F
1
LNEC
SOLOS
ENSAIO
DE
EQUIVALENTE
DE
AREIA
SOLS
SOILS
Essai
d'équivalent
de
sable
Sand
equivalent
test
OBJET
SCOPE
La présen!e spécifica!ion vise à é!ablir le procédé à suivre pour Ia dé!ermina!ion de
La
présen!e
spécifica!ion
vise
à
é!ablir
le
procédé
à
suivre
pour
Ia dé!ermina!ion
de
I'équivalen!
de
sable,
une
carac!éris!ique
qui
par
convention
exprime
Ia
quan!i!é
e!
Ia
quali!é
des
élémen!s
fins
plas!iques
exis!an!
dans
un
sol.
La
spécifica!ion
s'applique
aussi
à
des
agréga!s,
spécialement
au
filler
minéral.
1 -OBJECTO
1 -OBJECTO
A presente especificação destina-se a fixar o modo de determinar o equivalente de areia, carac-
A presente
especificação
destina-se
a
fixar
o
modo
de
determinar
o
equivalente
de
areia,
carac-
terística
que
exprime
convencionalmente
a
quanti-
dade
e
a
qualidade
de
elementos
finos
plásticos
existentes
num
solo.
Esta
especificação
é
também
aplicável
a
agre-
gados,
em
especial
ao
filer
mineral.
2 -REAGENTES
2 -REAGENTES
a) Solução concentrada, contendo por litro: 111 .:t: 1 9 de cloreto de cálcio cristalizado
a)
Solução
concentrada,
contendo
por
litro:
111
.:t:
1 9
de
cloreto
de
cálcio
cristalizado
anidro
(produto
puro);
480
.:t: 5 9
de
glicerina
a
99
%
de
glicerol
(produto
farmacêutico);
12
a
13 g
de
formaldeído
a
40
%
em
volume
( produto
farma-
cêutico);
água
destilada
até
perfazer
1000 cm3.
A
solução
concentrada
deve
existir
em
arma-
zém,
de
preferência
em
frascos
de
plástico
con-
tendo
125
.:t:
1 cm3.
b) Solução diluída, preparada a partir de uma toma de 125 :t 1 cm3 de
b) Solução
diluída,
preparada
a partir
de
uma
toma
de
125
:t
1 cm3
de
solução
concentrada,
adicionando-se-lhe
água
destilada
até
perfazer
5
:t
0,05
dm3
e agitando
vigorosamente.
3 -APARELHOS E UTENSíLIOS
3 -APARELHOS
E
UTENSíLIOS
a) Proveta cilíndrica transparente, de vidro ou plástico ( fig. 1 ) , com diâmetro
a) Proveta
cilíndrica
transparente,
de
vidro
ou
plástico
( fig.
1 )
,
com
diâmetro
exterior
de
40
::!:: 0,5 mm,
diâmetro
interior
de
32
:t
0,5mm
The present specification establishes the procedure to be followed in the determination of the sand
The
present
specification
establishes
the
procedure
to
be
followed
in
the
determination
of
the
sand
equiva-
lent
of
a
soil
which
is
a
conventional
characteristic
quantitatively
and
qualitatively
expressing
the
fraction
of
plastic
fine
elements.
This
same
specification
applies
to
aggregiltes,
such
as
mineral
fillers.
e altura de 430 :!:: 0,25 mm. Na proveta existem duas referências gravadas às alturas
e
altura
de
430
:!:: 0,25
mm.
Na
proveta
existem
duas
referências
gravadas
às
alturas
de
100
:!::
:!:: 0,25
mm
e
380
:t
0,25
mm,
medidas
a
partir
do
fundo.
Para
fechar
a
proveta
utiliza-se
uma
rolha
de
borracha
que
se adapte
bem
à abertura
do cilindro.
b) Tubo de lavagem (fig. 2), constituído por um tubo rígido ( aço inoxidável ou
b)
Tubo
de
lavagem
(fig.
2),
constituído
por
um
tubo
rígido
( aço
inoxidável
ou
latão)
com
6
:t.
0,5 mm
de
diâmetro
exterior
e
3
:t.
0,2 mm
de
diâmetro
interior,
munido
de
uma
torneira
na
parte
superior
e
de
uma
ponta
roscada,
em
metal
inoxidável,
com
forma
de
cunha.
Cada
face
da
cunha
tem
um
furo
com
1
:t.
0,1 mm
de diâmetro.
c) Recipiente transparente, de vidro ou plás- tico, com a capacidade de 5 dm1l aproximadamente,
c)
Recipiente
transparente,
de
vidro
ou
plás-
tico,
com
a
capacidade
de
5 dm1l
aproximadamente,
munido
de
um
sistema
de
sifão.
O
recipiente
é
colocado,
durante
o
ensaio,
com
o
fundo
cerca
de
1 m
acima
do
tampo
da
mesa
de
trabalho.
d) Tubo de borracha ou plástico, com cerca de 1,50 m de comprimento e 5
d)
Tubo
de
borracha
ou
plástico,
com
cerca
de
1,50
m
de
comprimento
e
5
mm
de
diâmetro
interior,
destinado
afazer
a
ligação
do
tubo
de
la-
vagem
ao
sifão.
e) Pistão de metal inoxidável, devidamente tarado (fig. 1 ), constituído por: uma haste de
e)
Pistão
de
metal
inoxidável,
devidamente
tarado
(fig.
1 ),
constituído
por:
uma
haste
de
altura
superior
a
430
mm;
uma
base
de
25
:t
:t
0,25
mm
de
diâmetro,
com
face
inferior
plana,
lisa
e perpendicular
ao
eixo
da
haste,
e possuindo
3 parafusos
laterais
para
centragem,
com
pequena
folga,
do
pistão
na
proveta;
uma
peça
guia
metá-
lica,
de
10
:t
0,1 mm
de
espessura,
adaptável
à
boca da proveta, munida de um parafuso para fixa- ção da haste do pistão, e
boca da proveta,
munida
de um parafuso
para fixa-
ção da haste do pistão, e permitindo guiar esta
última,
ao mesmo
tempo
que
serve de referência
em relação
à
parte
introduzida
na
proveta;
um
peso colocado na extremidade
superior
da
haste
para completar atara
de
1000
::t
5 g
do
pistão
(excluída
a peça metálica
com o parafuso
de fixa-
ção da haste).
f)
Agitador
mecânico,
manual
ou
eléctrico,
capaz de imprimir
à proveta
um
movimento
hori-
zontal,
rectilíneo,
periódico
e sinusoidal
de
20 ::!::
::!::1 cm
de amplitude
com
um
período
de
1/3
de
segundo.
g)
Peneiro
ASTM
de
malha
quadrada
de
4,76 mm
( n.O4)
de abertura,
com fundo
e tampa.
h) Repartidor
com
5 mm
de abertura.
i) Funil
com
as dimensões
indicadas
na fig.
2.
j) Recipiente
com
a
capacidade
de
200 cm3.
k) Balança
para
pesagens com
limites
de erro
çle ::!::1 g.
1)
Cronómetro.
m)
Régua de 500 mm, graduada em milímetros.
n)
Utensílios
diversos:
pincel
de
pêlo
macio
para limpeza das provetas, espátula, colher, tabu-
leiros e pilão
para desfazer
torrões.
colher, tabu- leiros e pilão para desfazer torrões. FIG. 1- PROVETA E PISTÃO FIG. 2-TUBO DE
FIG. 1- PROVETA E PISTÃO
FIG.
1-
PROVETA
E PISTÃO
para desfazer torrões. FIG. 1- PROVETA E PISTÃO FIG. 2-TUBO DE LAVAGEM E FUNIL 4- DETERMINAÇÃO
para desfazer torrões. FIG. 1- PROVETA E PISTÃO FIG. 2-TUBO DE LAVAGEM E FUNIL 4- DETERMINAÇÃO
para desfazer torrões. FIG. 1- PROVETA E PISTÃO FIG. 2-TUBO DE LAVAGEM E FUNIL 4- DETERMINAÇÃO
FIG. 2-TUBO DE LAVAGEM E FUNIL
FIG.
2-TUBO
DE
LAVAGEM
E
FUNIL
4- DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE K DO APA. RELHO
4-
DETERMINAÇÃO
DA
CONSTANTE
K
DO
APA.
RELHO
Introduz-se um pistão na proveta de modo que a sua base contacte perfeitamente com o
Introduz-se
um
pistão
na
proveta
de
modo
que
a
sua
base
contacte
perfeitamente
com
o
fundo
desta.
A
constante
k
do
aparelho
é
a distância
entre
a
face
superior
da
peça
guia
e
a
face
inferior
do
peso,
quando
o
pistão
está
na
posição
acima
indi-
cada.
O
valor
k
é aproximado
ao
milímetro.
5- T~CNICA 5.1 -Preparação do provete a) Pesa-se uma quantidade de solo tal que per-
5-
T~CNICA
5.1 -Preparação
do
provete
a)
Pesa-se
uma
quantidade
de solo
tal
que
per-
mita
obter
cerca
de
500
g
de
solo
passado
no
pe-
neiro
de
4,76
mm
(n.o
4).
b)
Seca-se
a
amostra
ao
ar,
desagregam-se
os
torrões
por
meio
do
pilão,
tendo
o cuidado
de
não
reduzir
o
tamanho
natural
das
partículas,
e passa-
-se
no
peneiro
de
4,76
mm
(n.o
4).
A penei ração
deve
ser
feita
com
o
solo
ligeira-
mente
húmido
para
evitar
a perda
de finos
e redu-
zir
a segregação
do
material.
Se
os elementos
retidos
no
peneiro
de 4,76
mm
( n.O
4)
ainda
estiverem
envolvidos
por
uma
ca-
mada
de
elementos
finos
que
não
se
soltaram
durante a peneiração,
os elementos
retidos
deverão
ser lavados e os finos recuperados
e
adicionados
ao
material
passado.
Misturam-se
cuidadosa-
mente
as duas
partes
com
uma
espátula
e esquar-
tela-se,
se
for
necessário,
com
o
material
mais
seco.
c) Determ i na-se, por método expedi to, o teor em água do SOlo. d)
c)
Determ
i na-se,
por
método
expedi
to,
o
teor
em
água
do
SOlo.
d)
Tomam-se
duas
porções
de
SOlo
que
corres-
pondam,
cada
uma,
a
120
g
de
SOlo
seco.
Cada
porção
terá
pois
a
massa,
em
gramas:
100
+
Wa
120
x
em
que
100
\
Wa
-teor
em
água
do
solo.
5.2- Ensaio
5.2-
Ensaio
a) Transfere-se a solução diluída do recipiente transparente, colocado com o fundo à altura de
a)
Transfere-se
a solução
diluída
do
recipiente
transparente,
colocado
com
o
fundo
à
altura
de
1 m
em
relação
ao
tampo
da
mesa
de
trabalho,
para
a proveta
cilíndrica
até
atingir
o traço
de refe-
rência
inferior.
b)
Introduz-se,
com
o
auxílio
do
funil,
na
pro-
veta
colocada
verticalmente,
o solo
preparado
como
se
indica
em
5.1.
Bate-se
fortemente
e
por
várias
vezes a base da proveta
sobre
a palma
da mão,
para
desalojar
as
bolhas
de
ar
e
facilitar
a
molhagem
do
provete.
Deixa-se
repousar
durante
10 min.
c)
Depois
de
convenientemente
fechada
com
uma
rolha
de
borracha,
fixa-se
a proveta
no
agita-
dor
e submete-se
a
uma
agitação
de
90
:t
1 ciclos
em
30
:t
1 s.
No
caso
de
não
se dispor
de
um
agi-
tador
mecânico,
a agitação
pode
ser
feita
manual-
mente,
procurando
reproduzir
os
movimentos
daquele.
d) Retira-se
a
proveta
da
máquina,
coloca-se
na
posição
vertical,
destapa-se
e
procede-se
às
se-
guintes
operações:
-Desce-se
o
tubo
de
lavagem
e
lavam-se
de
cima
para
baixo
as
paredes
da
proveta.
-Introduz-se
o
tubo
até
ao
fundo
da
proveta,
diversas
vezes,
fazendo
subir
os
elementos
argilo-
sos,
com
movimento
contínuo
e
lento
de
vaivém.
Este
movimento
deverá
ser
acompanhado
por
um
rodar
suave
do
tubo
de
lavagem,
com
uma
mão,
e
da
proveta
em
sentido
contrário,
com
a outra
mão.
e)
Quando
o líquido
atingir,
na proveta,
o traço
de
referência
superior,
retira-se
lentamente
o
tubo
de
lavagem,
de
modo
que
aquele
nível
se mantenha
sem
parar
o
escoamento.
Este
,deve
ser
regulado
de
tal
forma
que
o tubo
não
tenha
saído
totalmente
antes
de ajustar
o nível
final
ao traço
de referência.
f)
Deixa-se
repousar
sem
perturbações
durante
20 min
:t
10 se
procede-se
do
seguinte
modo:
-Determina-se
a
altura
h 1
do
nível
superior
do
floculado
e,
se
possível,
a
altura
h'~
do
nível
superior
da parte
sedimentada,
em
relação
ao fundo
da
proveta
(fig.
3).
As
alturas
h 1 e
h'2
são
lidas
com
a
aproximação
do
milímetro.
-Desce-se
lentamente
o pistão
na
proveta,
até
repousar
sobre
aparte
sedimentada.
Durante
esta
operação,
a peça
metálica
destinada
a guiar
o pistão
deve
estar
apoiada
na
boca
da
proveta;
quando
o
pistão
atingir
aparte
sedimentada,
aperta-se
o
pa-
rafuso
da
peça
guia
de
encontro
à haste.
-Determina-se,
com
a
aproximação
do
milí-
metro,
a
altura
h"
entre
a
face
superior
da
peça
guia
e
a face
inferior
do
peso
do
pistão.
-Determina-se
a
altura
do
sedimento
h2
sub-
traindo
de
h"
a constante
do
aparelho
k.
c 511000
.E
.E
FIG. 3- DETERMINAÇÃO DE h1, h'2 E h
FIG.
3-
DETERMINAÇÃO
DE
h1,
h'2
E
h
6- RESULTADOS 6.1 -Cálculos a) O equivalente de areja E. A. dum provete é, por
6-
RESULTADOS
6.1
-Cálculos
a)
O
equivalente
de
areja
E.
A.
dum
provete
é,
por
definição,
dado
por
h,
--~
x
100
em
que
h1
h1
-altura
do
nível
superior
do
floculado
em
relação
ao
fundo
da
proveta
ht
-altura
do
sedimento
determinada
com
o
auxílio
do
pistão.
b) O equivalente de areia visual E. A. V. dum provete é dado por:
b)
O equivalente
de
areia
visual
E.
A.
V.
dum
provete
é dado
por:
h', x 100 em que hI h'2 -altura do sedimento lida directamente
h',
x
100
em
que
hI
h'2
-altura
do
sedimento
lida
directamente
6.2- Apresentação O equivalente de areia E. A. e o equivalente de areia visual E.
6.2-
Apresentação
O
equivalente
de
areia
E.
A.
e o equivalente
de
areia visual
E.
A.
V.
da
amostra
são
as
médias
aritméticas
dos
valores
determinados
sobre
os dois
provetes,
arredondadas
às
unidades.
ENTIDADES QUE COLABORARAM COM O LABORATORIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL NA ELABORAÇÃO DESTA ESPECIFICAÇÃO:
ENTIDADES
QUE
COLABORARAM
COM
O LABORATORIO
NACIONAL
DE ENGENHARIA
CIVIL
NA
ELABORAÇÃO
DESTA
ESPECIFICAÇÃO:
Junta Autónoma de Estradas Direcção-Geral de Obras Públicas e Comunicações do Ministério do Ultramar
Junta
Autónoma
de
Estradas
Direcção-Geral
de
Obras
Públicas
e
Comunicações
do
Ministério
do
Ultramar
Laboratório
de
Engenharia
de
Angola
Laboratório
de
Ensaios
de
Materiais
e
Mecânica
do
Solo
de
Moçambique
Faculdade
de
Engenharia
da
Universidade
do
Porto