Você está na página 1de 3

Autor: Juan Clayton Reis de Lima

Universidade Estadual da Paraíba

Centro de Ciências e Tecnologia - CCT

Campus Bodocongó – CEP: 58109-970

Campina Grande – Paraíba (PB)

Extração de DNA

CAMPINA GRANDE
2019

juan-clayton@hotmail.com
INTRODUÇÃO

A extração de DNA é feita para a utilização do material genético na biologia


molecular, como PCR, digestão de enzimas... Entre outras análises. No presente
trabalho utilizou-se o método de extração de DNA vegetal, usando a técnica do
maceramento para quebrar a parede celulósica deste, no caso, a banana, fruta de origem
asiática, tem grande valor nutricional, pois é rica em Potássio, vitaminas A, B e C, além
de ser uma fonte de fibras. Cerca de 70% deste fruto é composta por água, ela é
rapidamente absorvida. Existem diversas espécies de bananas, no Brasil, as mais
conhecidas são: nanica, prata, banana-terra e a banana maça.
A respeito das espécies de bananas comestíveis, que são: Musa Acuminata
Colla e Musa Balbisiana Colla, as mesmas possuem 11 cromossomos (X=11). No
entanto, os cruzamentos entre essas duas espécies M. acuminata Colla (genoma A,
2n=2x=22) e M. balbisiana Colla (genoma B, 2n=2x=22) deram origem à maioria do
s genótipos de bananeiras. As plantas geradas destes cruzamentos apresentam
características das duas espécies. Com isso, os híbridos podem exibir diversas
ploidias (número de pares de cromossomos homólogos que têm informação para os
mesmos genes e tem o mesmo tamanho), verificando-se casos com 20; 22; 33; 44;
55; 77 e 88 cromossomos, podendo encontrar, inclusive, vários tipos de
aneuploidias (alterações cromossômicas numéricas que se caracterizam pelo
aumento ou diminuição de um tipo de cromossomo).

OBJETIVO
Verificar a existência das moléculas de DNA em amostra de vegetais por meio
da visualização a olho nu.

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

Foi colocado a banana cortada no béquer logo após maceramos a banana com o
bastão de vidro. Em um copo, foram adicionados 150ml de água, uma colher
(sopa) de detergente e 5g sal de cozinha (NaCl) após a dissolução adicionamos a
banana amassada a solução e deixamos em banho maria por 15minutos, depois a
solução foi resfriada e filtrada adicionando 100 mL de álcool gelado deixando escorrer e
com um bastão de vidro fazendo movimentos circulares para homogeneizar a solução.

RESULTADOS E DISCURSSÕES

A maceração foi realizada para que a parede celular fosse rompida, o sal de
cozinha é utilizado para neutralizar o DNA que é precipitado em contato com álcool.
Verificamos após a adição do álcool no béquer com a banana, formou uma massa
filamentosa e esbranquiçada, sabemos que o DNA é insolúvel em álcool, por isso
ocorreu o isolamento das moléculas.

juan-clayton@hotmail.com
CONCLUSÃO

Ao macerar a banana quebramos suas proteínas, fazendo com que o álcool


tivesse papel fundamental no isolamento do DNA, ao adicionar o detergente a
membrana foi quebrada e seus conteúdos celulares juntamente com o DNA e as
proteínas se soltaram e se dispersaram na solução. A adição de sal proporcionou ao
DNA um ambiente favorável, pois contribuiu com íons positivos Na+ que neutralizaram
a carga negativa do DNA, assim fazendo com ele se precipitasse.

Com essa pratica, podemos concluir com êxito a existência do DNA da fruta.

juan-clayton@hotmail.com