Você está na página 1de 31

Sistemas Ininterruptos de Energia

Nikolas Libert

Aula 13
Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A
Tecnologia em Automação Industrial
Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia


 Chamados de No Break ou UPS (Uninterruptible
Power System)
 Necessários em locais onde falhas de alimentação
podem provocar sério danos.
– CPDs, hospitais, aeroportos, controle do espaço aéreo.
– Em alguns casos, além da UPS são necessários
sistemas de geração de emergência.

DAELT ● Nikolas Libert ● 2


Sistemas Ininterruptos de Energia

 Principais Funções
– Garantir o fornecimento de energia ao consumidor nos
momentos de falha da rede elétrica.
– Filtrar e regular a energia elétrica.
– Suprir energia elétrica para cargas sensíveis.
– Isolar a carga da rede comercial, sujeita a transientes.
 Princípio de Funcionamento
– No breaks rotativos (motor CC + alternador). São
considerados obsoletos.
– No breaks estáticos (chaveamento eletrônico).

DAELT ● Nikolas Libert ● 3


Sistemas Ininterruptos de Energia

 Evolução dos Sistemas No breaks.


– 1ª Geração: No breaks rotativos.
– 2ª Geração: No breaks valvulados.
– 3ª Geração: Equipamentos híbridos, formados por
válvulas e transistores.
– 4ª Geração: Equipamentos totalmente transistorizados,
porém sem circuitos integrados.
– 5ª Geração: Equipamentos desenvolvidos com
tiristores e transistores de potência, bem como
circuitos integrados de controle.
– 6ª Geração: Equipamentos inteligentes, com alto grau
de automação.

DAELT ● Nikolas Libert ● 4


Sistemas Ininterruptos de Energia

 Esquema de um No Break Genérico.

Saída
CA

Grupo
Gerador
USCA Retificador Inversor
CC CC CA
CA

Energia
Comercial

DAELT ● Nikolas Libert ● 5


Tipos de No Breaks

 Os No Breaks podem ser divididos em três categorias:


– Short Breaks, Bidirecionais ou de Dupla Conversão.
 Short Break (também conhecido como “Off Line”)
– A carga fica ligada na própria rede.
– A carga só é conectada à saída do inversor quando
ocorre falha na rede.
– A comutação é lenta (½ a 2 ciclos) e costuma ser feita
por relés.
– Normalmente o sinal de saída do inversor não é
sincronizado com a rede.
– Equipamento mais simples e barato.

DAELT ● Nikolas Libert ● 6


Tipos de No Breaks

 Bidirecional (também conhecido como “Ferro


Ressonante” ou “Line Interactive”)
– A carga é alimentada pela rede, mas a tensão é
regulada por um conjunto transformador com núcleo
saturado e filtro LC.
– A comutação entre rede e inversor não gera
interrupção no sinal recebido pela carga. Ocorre
apenas uma pequena perturbação.
– A saída do inversor é sincronizada com a rede.
– O chaveamento é feito de forma rápida por uma chave
tiristorizada.

DAELT ● Nikolas Libert ● 7


Tipos de No Breaks

 Dupla conversão (também conhecido como “On Line”)


– A carga é sempre alimentada pelo circuito inversor,
independente de haver falha na rede ou não.
– No caso de falta de rede, não há perturbação no sinal
recebido pela carga.
– Gera uma senoide quase perfeita.
– É o sistema de custo mais elevado.
– Topologia utilizada na produção de no breaks de
grande porte e na maioria dos sistemas de pequeno e
médio porte.

DAELT ● Nikolas Libert ● 8


Configuração dos No Breaks

 Configurações dos No Breaks.


– Dependendo da aplicação para a qual se destinam, os
no breaks podem ter diferentes configurações de
entrada e saída.
 Classificação quanto ao número de fases.
– Mono / Mono: Entrada e saída monofásica.
Equipamentos de pequeno porte, de capacidade
geralmente inferior a 10 kVA.
– Mono / Tri: Configuração pouco usada, necessária para
acionamento de motores trifásicos de pequeno porte
(menos que 10 kVA).

DAELT ● Nikolas Libert ● 9


Configuração dos No Breaks

 Classificação quanto ao número de fases.


– Tri / Mono: Configuração de uso frequente devido à
facilidade de filtragem do sinal retificado. Utiliza apenas
um inversor monofásico para gerar a tensão de saída.
Utilizado na faixa entre 5 kVA e 30 kVA.
– Tri / Tri: Tipo de No Break viável para potências
superiores a 20 kVA.
 Os no breaks também podem ser classificados quanto
ao arranjo entre o retificador e o carregador de
baterias.

DAELT ● Nikolas Libert ● 10


Configuração dos No Breaks

 Classificação quanto ao arranjo retificador/carregador.


– Com retificador completamente controlado e
carregador concomitante:
É o tipo mais comum de configuração, podendo
possuir ou não controle de corrente de recarga das
baterias.
– Com retificador não controlado e carregador
independente:
Possui um retificador à diodos para alimentar o
inversor quando a rede está presente.
Para recarga das baterias há um outro retificador
semicontrolado independente.

DAELT ● Nikolas Libert ● 11


Configuração dos No Breaks

 Classificação quanto ao acoplamento magnético.


– Sem transformador:
A ausência de transformador na entrada do retificador
torna o equipamento mais leve e barato.
No entanto, o retificador provocará distorções na rede
de alimentação.
– Com autotransformador na entrada e/ou saída:
Podem existir autotransformadores para adaptar a
tensão de saída ou a tensão de entrada do inversor.
Os autotransformadores são mais baratos que os
transformadores isoladores, mas não fornecem
isolação galvânica.

DAELT ● Nikolas Libert ● 12


Configuração dos No Breaks

 Classificação quanto ao acoplamento magnético.


– Com transformador isolador na entrada e/ou saída:
Possuem maior confiabilidade, porém são mais caros,
pesados e apresentam maior dissipação térmica.
 Fator de potência do No Break.
– Este é um fator que deve ser observado na compra do
no break, em conjunto com a potência aparente do
equipamento.
– Ex.: Um no break de 10 kVA com FP de 0,6 pode
alimentar no máximo uma carga de 6 kW.

DAELT ● Nikolas Libert ● 13


Configuração dos No Breaks

 Taxa de distorção harmônica ou THD (Total Harmonic


Distortion).
– Indica o quanto o sinal de saída se aproxima de uma
senoide pura ou o quanto o sinal da rede de entrada
será distorcido.
– São desejáveis os menores valores de THD possíveis.
 Tipo da chave de transferência.
– No breaks de pequeno porte (5 kVA) costumam utilizar
relés. São preferíveis chaves estáticas devido à
velocidade de comutação.
– Relé: 2 ms a 20 ms / Semicondutor: 1 ms.

DAELT ● Nikolas Libert ● 14


Sistemas Ininterruptos de Energia

Exemplo: UPS Siemens

 Fornecimento de energia CA
em situações de emergência.
 Potência aparente: 15 kVA.
 A Siemens não trabalha mais
neste segmento.

DAELT ● Nikolas Libert ● 15


Exemplo: UPS Siemens

 Entrada trifásica de 380 VCA.


 Saída monofásica de 220 VCA.
 Frequência de 60 Hz.
 Fator de potência de 0,8.
– Qual a potência real máxima que a carga pode
consumir?
0,8 . 15000 = 12 kW

DAELT ● Nikolas Libert ● 16


Exemplo: UPS Siemens

 Características:
– Ponte retificadora trifásica totalmente controlada.
Entrada de 380 VCA e saída de 432 VCC.
– Não há transformador isolador de entrada, mas existe
um acoplamento indutivo para reduzir perturbações na
rede.

L1 CA +
L2 432 V
L3 CC -

DAELT ● Nikolas Libert ● 17


Exemplo: UPS Siemens

 Características:
– O banco de baterias e o inversor são alimentados pelo
barramento de 432 VCC.
– O inversor gera uma tensão monofásica de 220 VCA e
possui transformador isolador de saída.
+
+ CC
432 V 220 V
- CA
-
Carregador Transformador
isolador

DAELT ● Nikolas Libert ● 18


Exemplo: UPS Siemens

 Características:
– Banco de 32 baterias de 12 V.
– Cada bateria é composta por 6 elementos.
– A tensão de recarga é de 2,25 V por elemento.
– Qual a tensão necessária para recarregar todo o
banco?

6 . 2,25 . 32 = 432 V

Exatamente a tensão de saída do retificador.

DAELT ● Nikolas Libert ● 19


Exemplo: UPS Siemens

 Características:
– O sistema é do tipo de “dupla conversão” ou “online”.
– Durante o funcionamento normal, a tensão de saída é
proveniente do inversor, que é alimentado pelo
retificador.
– Na falta de energia, a tensão de saída continua vindo
do inversor, que agora é alimentado pelo banco de
baterias.
– Mesmo assim, em caso de falhas do sistema, um
caminho de bypass pode ser acionado, conectando a
carga diretamente na entrada.
– Nesse caso, a comutação é sem interrupção e SCRs
são usados como chave.
DAELT ● Nikolas Libert ● 20
Exemplo: UPS Siemens

 Características:
– Bypass de sobrecarga e de manutenção.
– O Bypass de manutenção isola o sistema da rede
elétrica para que alterações possam ser feitas com
segurança. Chave termo-magnética.

Bypass primário Bypass de


Rede 2 manutenção

CA CC Saída
Rede 1
CC CA

DAELT ● Nikolas Libert ● 21


Exemplo: UPS Siemens

 Funcionamento normal:
Rede 2

CA CC Saída
Rede 1
CC CA

 Falha na rede 1:
Rede 2

CA CC Saída
Rede 1
CC CA

DAELT ● Nikolas Libert ● 22


Exemplo: UPS Siemens

 Funcionamento em caso de anomalia:

Rede 2

CA CC Saída
Rede 1
CC CA

DAELT ● Nikolas Libert ● 23


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

Unidade de Supervisão de Corrente


Alternada - USCA
 Efetua comando, medição, alerta e proteção das
fontes de corrente alternada em sistemas de energia.
 Responsável por realizar a transferência entre a fonte
CA principal e a reserva (grupo gerador).
 A USCA monitora todas as fontes CA do sistema de
forma independente.

DAELT ● Nikolas Libert ● 24


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

 Esquema de um Sistema de Energia Genérico.


AT
13,8 kV
USCA

BT 380/220 V Circuito de Circuito de


220/127 V Monitoramento Controle

Grupo
Gerador
Carga

Carga

Carga
No-Break
Carga

Carga

Crítica

DAELT ● Nikolas Libert ● 25


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

 As USCAs podem ser ligadas modularmente. Nesse


caso, são classificadas de acordo com a fonte CA.
– USCA de grupo: fontes CA formadas exclusivamente
por grupos geradores.
– USCA de rede: a fonte CA é a rede comercial.
 O sistema de energia pode ser classificado quanto às
fontes disponíveis:
– Tipo A: Utiliza apenas USCAs de grupo, não há
conexão com a rede comercial.
– Tipo B: Utiliza USCAs de grupo e de rede. Quando há
falha na rede comercial, a energia é proveniente de um
grupo motogerador.

DAELT ● Nikolas Libert ● 26


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

 Exemplo: Sistema Tipo B


– Dois gabinetes (um por USCA, EMBRATEL 1980)
USCA de USCA de
Rede Grupo
Fonte Fonte
Principal Circuitos Circuitos Reserva
ϕR ϕR
ϕS ϕS
Rede ϕT ϕT Grupo
Comercial Gerador
N N

ϕR ϕS ϕT N

Consumidores Num sistema Tipo A, poderiam


haver duas USCAs de grupo, por
exemplo. Uma para cada grupo.

DAELT ● Nikolas Libert ● 27


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

 Os parâmetros monitorados pela USCA dependem do


seu tipo.
 Parâmetros monitorados na USCA de Grupo:
– Falha na partida de motor.
– Pressão anormal do óleo lubrificante do motor.
– Defeito no ventilador de arrefecimento do motor.
– Tensão e frequências anormais do alternador.
– Sobrecarga nos consumidores.
– Nível anormal de combustível no tanque diário.
– Grupo em funcionamento.
– Barramento de saída alimentado.

DAELT ● Nikolas Libert ● 28


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

 Parâmetros monitorados na USCA de Rede:


– Tensão e frequência anormais da rede.
– Sobrecarga nos consumidores.
 Nos sistemas mais atuais, uma única USCA controla
tanto a rede quanto o grupo gerador.
– Um único gabinete desempenha as duas funções.
– Ex.: USCA Ômega 20 kVA / 220 V, USCA Amperex 30
kVA.

DAELT ● Nikolas Libert ● 29


Unidade de Supervisão de Corrente Alternada

 USCA Ômega.

DAELT ● Nikolas Libert ● 30


Referências
 URBANETZ, Jair Jr., MAIA, José da Silva. Apostila - Curso
Sistemas de CC e CA, DAELT / UTFPR, 2005.
 FIGUEIRA, Antonio. Sistemas No-Breaks Estáticos,
Antenna Edições Técnicas, Rio de Janeiro, 2005.
 SILVA, A. Ferreita da, BARRADAS, A. Telecomunicações:
Sistemas de Energia, EMTRATEL / Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A., 1980.
 ÔMEGA, Unidade de Supervisão de Corrente Alternada –
USCA.
 GADELHA, Glauber. Manual da Unidade de Supervisão de
Corrente Alternada Microprocessada, AMPEREX, Belém,
2013.

DAELT ● Nikolas Libert ● 31