Você está na página 1de 3

1) Escolha uma das heresias abordadas no inicio do curso (subordinacionismo ou

sabelianismo) e explique: a) o que ela ensina; b) porque está errada; e c) como a


teologia ortodoxa explica o problema proposto por essa heresia.
R. a) O sabelianismo ensina que Deus é uma única pessoa; não há uma segunda pessoa
chamada Filho, nem uma terceira chamada o Espírito ou seja não existe a Trindade. b) é uma
heresia na qual é rejeitada pela grande maioria das doutrinas cristã, tal heresia afirma que
Jesus Cristo e Deus Pai não eram pessoas distintas, mas simplesmente dois aspectos, faces
ou operações de uma única pessoa; de acordo com essa heresia, as três pessoas da Trindade
existem apenas em referencia ao relacionamento de Deus com o homem, mas não como uma
realidade objetiva. c) Tal heresia consiste em um grande erro teológico na qual a própria
Palavra de Deus nos demonstra a Trindade e que pode ser refutado de forma concisa, quando
por exemplo é declarado que Deus é o único Senhor em Dt. 6.4, é interessante notar que esse
“único” é um termo hebraico que tem a conotação de uma unidade composta, ou seja, Deus é
o único Senhor em ser, porém tem mais composição de pessoas. Essas pessoas são o Pai, o
Filho e o Espírito Santo (Mt. 28.19).

2) O Credo Niceno chama o Espírito Santo de “Senhor e Vivificador”. Explique esses dois
termos e porque são descrições importantes do Espirito Santo.
R. O Espírito Santo é Senhor porque ele é Deus, é a terceira pessoa da Trindade e age
diretamente na vida do crente, Jesus disse que Ele é uma pessoa quando O chamou de nosso
Conselheiro (cf. Jo. 14.16-17) e a Palavra de Deus fala que ele tem as características de uma
pessoa o Espirito Santo procede do Pai e do Filho. Ele é Vivificador porque ele continua a
fazer o mesmo trabalho que fez em Gênesis 2 (cf. Ez. 37.1-10). Ele dá nova vida a esse
mundo ao regenerar os pecadores, ao criar uma nova criação, dando vida àquele que estava
morto. Nós estávamos mortos e só vivemos hoje por causa do Espírito Santo. Não tínhamos fé
pois estávamos mortos. Agora cremos porque Deus, o Espírito Santo, soprou vida em nós,
sendo Ele é o doador da vida.

3. Quais são alguns textos bíblicos (citem no mínimo 3) que mostram a obra do Espirito
Santo na criação e o que esses textos nos ensinam acerca da terceira pessoa da
Trindade. (perguntar sobre a regeneração)
R. A história da criação, em Gênesis 1.2, menciona a presença do Espírito de Deus. Jó 33.4;
Salmo 33.6 e Salmo 104.29-30 endossam o papel ativo do Espírito Santo na criação
sobrenatural da Terra. Embora a Bíblia se refira claramente a Deus Pai e Seu Filho, Jesus
Cristo, como Aqueles que atuaram na criação do mundo (cf. Is. 64.8 e Cl. 1.16,17), o Espírito
Santo também esteve presente, Ele “pairava” sobre o vazio” e por meio de Seu movimento,
esteve presente na origem da vida na Terra. A palavra hebraica “merahepeth” empregada em
Gênesis 1.2 para “mover-se sobre” ou “pairar” sobre a superfície da Terra é a mesma utilizada
em Deuteronômio 32.11, onde Deus é comparado a uma águia que paira sobre sua ninhada.
O Espírito Santo estava intimamente envolvido na criação da vida na Terra. O salmo 104.30
sugere que o algo da criação só foi possível pela atuação do Espirito Santo e que ele
desempenhou um papel ativo durante esse processo. O Espírito Santo não esteve presente
apenas na criação deste mundo. Ele também tem participação ativa no processo da nossa
recriação, isto é, regeneração, na qual Ele nos dá um novo coração e um espírito novo.

4. O que queremos dizer quando falamos do “tríplice ofício” do Espirito na formação e


vida da nação de Israel? Qual era o propósito desse oficio?
R. A obra do Espírito Santo é a continuação da obra de Cristo em seu tríplice oficio. Desta
maneira o testemunho de Jesus Cristo (o oficio profético) é testificado pelo Espírito, a
reconciliação que Jesus realizou em nosso favor (o oficio sacerdotal) se concretiza em nós
pelo Espírito e a realeza de Jesus Cristo (o oficio real de Cristo) é executado em nós no
Espírito.

5) Explique três das muitas maneiras pelas quais o Espirito preparou, capacitou e/ou
dedicou Jesus ao seu ministério como Salvador.
R. Na concepção de Jesus o Espírito Santo foi o responsável pelo nascimento virginal de Jesus
através de Maria, assegurando a encarnação do verbo de Deus (cf. Mt. 1.18,20; Jo. 1.14, Lc.
1.35). No batismo de Jesus o Espírito Santo apresentou-se corporeamente como pomba, para
indicar aquele que era o único Filho Amado de Deus (cf. Lc. 3.22). No inicio do ministério de
Jesus o Espírito enche-o de poder para trabalhar (cf. Lc. 4.14-15). A ressurreição de Cristo foi
obra do Espírito Santo conforme Rm. 8.11. Durante Seu ministério terreno, Jesus foi enchido
pelo Espírito Santo (cf. Lc. 4.1), conduzido pelo Espírito (cf. Lc. 4.1), e habilitado a realizar
milagres pelo Espírito (cf. Mt. 12.28).

6) Podemos falar sobre o Pentecostes hoje?


R. Sim, podemos falar sobre o Pentecostes hoje. Porém devemos ter em mente o significado
correto do Pentecostes, primeiro Pentecostes é uma palavra grega que significa
“quinquagésimo”, porque acontecia 50 dias depois da Páscoa, a festa do Pentecostes servia
para agradecer a Deus pela comida que Ele providenciava. No tempo de Jesus muitos judeus
moravam em outros países, mas eles visitavam Jerusalém para celebrar essa festa. Depois
que Jesus morreu e ressuscitou na Páscoa, seus discípulos ficaram em Jerusalém, esperando
a chegada do Espírito Santo, entretanto no domingo de Pentecostes, o Espirito Santo desceu
e todos ficaram cheios do Espirito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o
Espírito lhes concedia (xenoglossia). O Pentecostes foi um evento que ocorreu para um
determinado fim, diferentemente do que algumas correntes protestantes pensam. Ali foi a
primeira vez que os discípulos receberam o Espírito Santo e pregaram o evangelho completo,
o que marcou o início da expansão da igreja.

7) Explique a doutrina da graça comum. Por que ela existe? O que ela tem a ver com o
Espírito Santo? O que ela defende na ortodoxia reformada?
R. A graça comum é a graça de Deus pra qual Ele dá às pessoas bençãos inumeráveis que não
são parte da salvação. Essa graça podemos vê-la em diversas esferas, seja a física, a
intelectual, a moral, a da criatividade, a da sociedade, a religiosa. a) A graça comum existe
para que os benefícios comuns concedido por Deus em Sua soberana vontade possa se
estender a todos os seres humanos sem distinção. c) a graça comum defende na ortodoxia
reformada no sentido de: demonstrar a bondade e a misericórdia de Deus, demonstrar a glória
de Deus, demonstrar a justiça de Deus e redimir os que SERÃO salvos, porém a graça
comum não significa que quem a recebe será salvo e que devemos ser cuidadosos em não
rejeitar as coisas boas que os descrentes fazem, considerando-as totalmente más, e tal
doutrina deveria estimular nosso coração à gratidão muito maior a Deus. b) Exemplos da
graça comum incluiram a provisão divina para as necessidades físicas do homem (cf Mt. 5.45;
At. 14.17) a chamada do evangelho (Mc. 16.15), a influência cristã (Mt. 5.13) e a
longanimidade de Deus (Rm. 9.21-22). Mesmo que todas essas bençãos mencionadas sejam
eternas, a graça comum efetua-se alem disso para incluir operações internas do Espírito de
Deus. Algumas pessoas pensam, baseando-se em suas razoes no fato de a chama eficaz ser
estendida apenas aos eleitos que o Espírito Santo nunca opera nos outros. Essa é uma
conclusão falsa. A Bíblia menciona muitas operações do Espírito Santo nos homens que
nunca foram regenerados. Como por exemplo, a restrição da depravação, a iluminação dos
descrentes, dons especiais, influencias especiais, etc…