Você está na página 1de 2

Universidade Positivo

Aluno: Amanda Aime

Turma:1ºGMA RI

Professor : Rafael Pons

Resenha Documentário “Why We Fight”

O documentário “ Why we Fight” dos produtores Eugene Jarecki, Susannah


Shipman(2005),nos mostra uma profunda reflexão de como os EUA usam da
guerra para gerar lucros milionários e assegurar a.sua “democracia”(liberdade)
através do poder militar.Feito como uma vídeo motivacional por Frank Zarpa na
época das Grandes Guerras,o documentário nos mostra de forma clara como o
desenvolvimento do complexo armamentista do governo norte americano,
desde o presidente Kennedy, afetam as políticas externas dos Estados Unidos
levando-os a um estado de guerra permanente.

Essa máquina de guerra sempre precisa de um “inimigo” a ser combatido,por


muitos anos –durante a Guerra Fria –o inimigo foi o comunismo,levando os
EUA e a URSS a uma corrida armamentista nunca antes vista na história
mundial.Já no séc. XXI a luta é contra o “terrorismo”, que desde 2001 tem se
consolidado de forma tendenciosa no mundo tudo.O documentário não
contradiz se o terrorismo é “ruim” ou não,mas mostrar a forma com o que os
EUA tem manipulado seu próprio povo para acreditar que eles são os
mantenedores da liberdade a partir desses cenários e,ao mesmo tempo,lucra
absurdos com isso.

Um dos fatores que comprovam essa tese e é apontado no documentário,são


os.“blowblocks”:situações avaliadas pela CIA onde a intervenção
estadunidense pode ou não ser concretizada.Tal indicação mostra a corrupção
“legalizada” dentro do pentágono e do congresso americano que junto á
mídia,causa um impacto na sociedade civil,a qual mesmo não tendo a guerra
como um “bem necessário”,aceita-a como uma condição para se manter a
democracia,produzindo certa desarmonia entre os interesses do governo e a
ambição da sociedade civil,ou seja,mesmo que os Estados Unidos esteja em
constante “estado de guerra”,os civis só querem uma coisa:liberdade
e,principalmente,que essa “liberdade” os leve a paz.

Tal manipulação não só reflete interiormente no próprio Estados Unidos,mas


também ao redor do globo,pois um país que carrega em suas costas símbolos
como a democracia e o capitalismo,acaba por garantir o status de “polícia do
mundo”,enquanto,na verdade,essa “polícia” lucra milhões de dólares todos os
anos com indústrias armamentistas e várias outras que dão suprimentos para a
mesma,resolvendo conflitos que muitas das vezes podem ter sido começados
ou atiçados por interesse do próprio Estados Unidos.

O documentário tem como seu ponto central a acusação de que os Estados


Unidos usa das inseguranças de um mundo conflituoso para gerar mais lucros
para si mesmo,comprovando as palavras uma vez professadas por um dos ex’s
presidentes norte americanos “Eisenhower”,o qual afirmava que um dia os
interesses militares iriam ser tão essenciais ao Estado que os governados
teriam de viver a mercê deste,pois a democracia/liberdade deve ser mantida a
“qualquer custo” em todos os países ao redor do globo,mesmo que para
isso,todos devessem viver a baixo de uma espécie de “monopólio” da paz,por
parte da indústria armamentista.