Você está na página 1de 2

MAGIA

Definição

A magia que estamos considerando aqui é bem definida por Josh Mcdowell:
“[...] se baseia no ocultismo e busca o dominar as forças sobrenaturais para conseguir
efeitos visíveis.”1 E mais, desta vez Arthur S. Gregor: “Consiste em amuletos e outros
métodos que pretendem oferecer ao homem o que não pode conseguir com os seus
poderes humanos normais.”2 Uma outra definição muito interessante foi encontrada do
website “Spectrum”, (um site muito bem organizado e estruturado, confessionalmente
um website de Magia):

A magia é a ciência dos segredos da Natureza. Para que


ela funcione apropriadamente, um bruxo deve trabalhar sempre
em perfeita harmonia com as leis da natureza e da psique.
Magia é a ciência e a arte. Ao contrário do que as pessoas
pensam, magia não é fazer rituais que interfiram na vida das
pessoas, mas sim trabalhar com as energias da natureza, do
Universo, e do próprio homem. Com o equilíbrio destas
energias vivemos em harmonia com a vida. A magia é mais
antiga que o Cristianismo, sendo a principal filosofia de
diversas civilizações antigas.3

Falaremos mais adiante dos “tipos” de magias que existem no mundo.


Entretanto, no fim das contas, a magia é uma crença no desconhecido, na pessoalidade
da natureza, nos “mistérios” que pairam por sobre o mundo. Independente da vertente
para qual ela se estenda, seja magia branca ou magia negra, o fundamento permanece o
mesmo, crenças e fábulas engenhosamente inventadas pelo homem, ou com influências
demoníacas, baseadas em uma crença pelo poder desconhecido da natureza, suas leis, o
invisível e até mesmo o “poder” interior do homem, e uma série de instrumentos que
buscam o significado da vida e a felicidade. Na magia, acredita-se que com o
conhecimento adequado da natureza, dos seus poderes e com a utilização correta, da

1
MCDOWELL, Josh. Entendendo o oculto. Josh McDowell & Don Stewart. Trad.: João Marquez Bentess.
São Paulo: Editora Candeia, 1996. P. 92
2
GREGOR, Arthur S. Withcraft and Magic. Nova Iorque: Charles Scribiner’s Sons, 1972, p. 1 (Citado por
Josh McDowell em Entendendo o oculto).
3
PREL, Karl Du. Alta Magia. Disponível em:
http://www.spectrumgothic.com.br/ocultismo/magia/alta_magia.htm. Acesso em 19 de Agosto de 2014.
mesma, podemos ajudar ou prejudicar alguém. Através de simpatias, ervas, amuletos,
pedras, palavras chaves, e a lista seguem.

A citação acima é de um bruxo, é importante entendermos o que uma pessoa


adepta da Magia pensa conscientemente de sua “Religião”. Embora essas definições
sejam típicas da Magia Branca, outros ramos de magia fazem a mesma coisa, sem
mesmo a consciência do que é Magia em si.

Magia Branca

No mesmo livro citado acima, Josh McDowell nos diz que a Magia branca tem
uma finalidade altruísta, é usada em benefício dos demais. Pessoas adeptas da Magia
branca acreditam que ela é um ramo da ciência mesmo, ou uso verdadeiro da ciência,
vejamos outro exemplo:

“Outro termo para Magia é a aplicação da Consciência e


da Vontade sobre todas as forças da Natureza, não só as físicas,
tridimensionais, mas aquelas que estão fora da esfera de nossos
cinco sentidos. Em síntese, é a aplicação da ciência e da
vontade sobre as diversas manifestações da vida. É a Ciência
Total…”4

Embora a Magia Branca pareça um pouco mais organizada e com uma cara de
ciência, no final das contas é uma crença em fadas com tonalidade de conhecimento
científico, a mesma coisa dita acima é verdadeira, a crença no relacionamento do
homem com a natureza, onde o homem pode manusear a natureza de maneira “mística”
para obter o que deseja.

Interesses relacionados