Você está na página 1de 12

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

A Musicografia Braille como recurso pedagógico para a aprendizagem


musical de deficientes visuais

Shirlei Escobar Tudissaki


IA/UNESP – shirleiescobar@gmail.com

Sonia Regina Albano de Lima


IA/UNESP – soniaalbano@uol.com.br

Resumo: É notória a falta de material pedagógico especializado para o ensino musical dos deficientes
visuais no Brasil, mesmo havendo legislação dirigida para a Educação Especial. Tal problemática
dificulta o aprendizado da leitura musical por parte desses alunos. Poucos são os educadores musicais que
estudam a Musicografia Braille e utilizam materiais pedagógicos auxiliares, o que traria grandes
benefícios para o ensino musical dos deficientes visuais. O presente artigo tem como proposta descrever
sucintamente como se processa esta técnica, explicar a função de cada um dos materiais utilizados e a
importância desse aprendizado para o ensino musical dos deficientes visuais. Para atender esses objetivos
foi realizado um levantamento bibliográfico que tomou como base os autores Dolores Tomé e Mary
Turner De Garmo, entre outros, profundos conhecedores dessa técnica.

Palavras-chave: Musicografia Braille, ensino e aprendizagem musical, deficientes visuais.

The Braille Music Notation as a pedagogical resource of music learning for visually impaired

Abstract: It's notorious the lack of specialized teaching materials for the visually impaired musical
education in Brazil, even with a legislation directed to Special Education. This problem hinders the 949
learning of music lecture by these students. Few music educators studies Braille Music Notation and use
auxiliary teaching materials, which would bring great benefits to the musical education of the visually
impaired. This article aims to describe briefly how this technique proceeds to explain the function of each
of the materials used and the importance of learning for the musical education of visually impaired. To
reach these objectives this article was based on a literature with the authors Dolores Thomé and Mary
Turner De Garmo, among others, researchers of this technique.

Keywords: Braille Music Notation, teaching-learning music, visually impaired.

Introdução

O ensino de música para deficientes visuais apresenta-se hoje como um desafio, devido à
carência de material pedagógico especializado. Tanto os alunos quanto os professores sentem essa
precariedade. Segundo o Censo 2010239, aproximadamente 24% da população brasileira apresenta algum
tipo de deficiência, ou seja, cerca de 45 milhões de pessoas dos 190 milhões de habitantes no Brasil. Com
relação à deficiência visual, o Censo aponta que 18,8% da população brasileira têm dificuldades para
enxergar ou com algum tipo de deficiência visual severa.

239 Censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 26 de junho de 2012. Para
maiores informações, link: <http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5866225-EI306,00-
Censo+quase+da+populacao+tem+algum+tipo+de+deficiencia.html>.
IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

A legislação brasileira estabeleceu normas nas quais todos os indivíduos, inclusive os


deficientes, devem ter acesso ao ensino público de qualidade. O inciso III do artigo 208 da Constituição
Federal de 1988, atribui como dever do Estado o atendimento educacional especializado aos deficientes,
preferencialmente na rede regular de ensino. O documento intitulado Parâmetros Nacionais do Ensino
Especial de 1994, conhecido como PNEE/94, por sua vez, regulamenta a Educação Especial, atribuindo-
lhe a responsabilidade de promover o potencial desses alunos. Conforme cita Goffredo (2007), a
Resolução do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica CNE/CEB nº. 2, de 11 de
setembro de 2001, que institui diretrizes nacionais para a educação especial na Educação Básica, destaca
de forma ampla a sua função de apoiar, complementar e suplementar os serviços educacionais comuns.
Com o surgimento da Lei n. 11.769, de 18 de agosto de 2008, que altera a Lei n. 9.394, de 20 de
dezembro de 1996, obrigando o ensino de música na educação básica, estendem-se os mesmos direitos e
obrigações para a educação musical.

No entanto, a falta de materiais pedagógicos especializados para o ensino musical dos


deficientes visuais restringe as possibilidades de leitura musical, uma vez que se concentra numa proposta
de trabalho pedagógico voltado exclusivamente para a audição.

Educadores musicais especialistas no ensino para deficientes visuais em todo o mundo


contemplam a Musicografia Braille como uma forma eficaz de produção de um aprendizado musical mais
950
completo e eficiente para os deficientes visuais. Mesmo assim, no Brasil, ela ainda não tem sido
devidamente utilizada. Poucos são os educadores musicais brasileiros que fazem uso dela, o que dificulta
sobremaneira o aprendizado da leitura musical por parte desses alunos.

O presente artigo tem como objetivo principal demonstrar a importância da utilização da


Musicografia Braille nos processos de ensino/aprendizagem musical destinados aos deficientes visuais.
Através de levantamento bibliográfico, pretende-se apontar os princípios básicos que norteiam essa
técnica e descrever alguns dos materiais específicos auxiliares nesse processo de aprendizagem – entre
eles reglete, punção, máquina datilográfica (Perkins Braille), computador e impressora Braille.

1. Musicografia Braille

A Musicografia Braille é a grafia utilizada para os deficientes visuais lerem e escreverem


partituras. O Sistema de grafia Braille foi criado em 1825240, por Louis Braille (1809-1852), um francês
que ficou cego devido a um acidente doméstico na infância. Louis Braille estudou no Instituto Nacional

240 Alguns autores fazem referência ao ano de 1829, como o ano de criação do Sistema Braille.

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

para Jovens Cegos, em Paris. Em 1829 tornou-se professor oficial de música, matemática, gramática e
geografia neste mesmo Instituto. A partir do Sistema Barbier241, Louis Braille fez adaptações até chegar
ao próprio método para leitura e escrita: o Sistema Braille. Em seguida adaptou o mesmo Sistema para a
leitura e escrita musical, dando origem à Musicografia Braille.

O esquema para leitura e compreensão é o mesmo do Sistema Braille: são seis pontos em
relevo, dispostos em duas colunas verticais e paralelas de três pontos cada uma. Estes seis pontos podem
formar 64 combinações diferentes – denominada cela Braille.

Para facilitar a identificação, estes seis pontos da cela Braille são enumerados conforme
figura 1:

Figura 1: Cela Braille. Fonte: GIL, 2000: 43.

A figura 2 apresenta-nos o alfabeto Braille:

951

Figura 2: Alfabeto Braille. Fonte: GIL, 2000: 42.

241O sistema Barbier foi inventado por Charles Barbier, oficial do exercício francês. Era utilizado por militares
franceses para se comunicarem no escuro, durante a guerra ou exercícios de simulação de combate, constituindo-se
por 36 sinais em alto relevo correspondentes aos 36 fonemas da língua francesa.
IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Sobre o equipamento utilizado para a escrita em Braille, Gil (2000) aponta dois tipos de
equipamento – “o conjunto manual de reglete e punção e a máquina de datilografia (Perkins-Braille), que
começou a ser produzida no Brasil em 1999” (GIL, 2000: 74).

Apesar de o Sistema Braille ter sido pouco modificado desde a sua criação, na Musicografia
Braille muitas alterações foram introduzidas pelo próprio Louis Braille, ao longo de sua vida. No Brasil, a
mais recente publicação sobre Musicografia Braille intitula-se Novo Manual Internacional de
Musicografia Braille, de 2004, resultado de muitos anos de pesquisas do Subcomitê sobre Musicografia
Braille da União Mundial de Cegos (UMC). O prefácio da obra registra que trata-se de uma

[...] sequência do conjunto de manuais publicados após as conferências de Colônia


(1888) e Paris (1929 e 1954), este novo manual reúne as resoluções e decisões tomadas
pelo Subcomitê da UMC nas conferências e oficinas, realizadas entre 1982 e 1994. Os
acordos firmados abrangem principalmente os seguintes temas: símbolos de clave,
baixo cifrado, música para guitarra, símbolos de acorde, notação moderna e muitos
outros símbolos individuais. O presente manual inclui ainda material dos países do
Leste europeu que não estiveram presentes na conferência de 1954, que pressupõe um
aperfeiçoamento em relação aos manuais publicados em Moscou, nos anos setenta e
oitenta (MAYER-UHMA, 2004: 7).
952

Os símbolos táteis presentes nas músicas em notação da Musicografia Braille conseguem


demonstrar a maioria dos símbolos musicais (indicações das notas, ritmo, acordes, articulações,
dinâmicas, entre outros), assim como os símbolos empregados em qualquer partitura musical. Segundo a
compiladora do Novo Manual Internacional de Musicografia Braille, Krolick (2004), a intenção de se
organizar acordos internacionais como o que estabelece o Novo Manual Internacional de Musicografia
Braille, é exatamente a proposta de ser o mais fiel possível ao original impresso, em respeito ao leitor
cego.

No entanto, é interessante notar que uma vez constituída por caracteres, a leitura e escrita
musicográfica em braille é feita horizontalmente, o que difere do sistema correspondente em tinta, em que
se lê e se escreve em ambos os sentidos (BONILHA, 2006: 26).

Seguindo com a notação da Musicografia Braille, apresentamos a figuras 3, representando as


colcheias escritas nas notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, bem como a respectiva pausa de colcheia (figura 4).

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Figura 3: Colcheias. Fonte: DE GARMO, 2005: 3.

Figura 4: Pausa de colcheia. Fonte: DE GARMO, 2005: 3.

As figuras 5 e 6 apresentam as notas musicais em semínimas ou semifusas (dependendo da


análise do compasso na qual está inserida a nota), escritas nas notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si (figura 5),
953
seguida de sua respectiva pausa (figura 6).

Figura 5: Semínimas e semifusas. Fonte: DE GARMO, 2005:11.

Figura 6: Pausa de semínima e semifusa. Fonte: DE GARMO, 2005: 11.

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

As figuras 7 e 8 apresentam as notas musicais em mínimas ou fusas (dependendo da análise


do compasso na qual está inserida a nota), escritas nas notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si (figura 7), seguida
de sua respectiva pausa (figura 8).

Figura 7: Mínimas e fusas. Fonte: DE GARMO, 2005: 17.

Figura 8: Pausa de mínima e fusas. Fonte: DE GARMO, 2005: 17.


954

As próximas figuras apresentam as notas musicais em semibreves ou semicolcheias


(dependendo da análise do compasso na qual está inserida a nota), escritas nas notas dó, ré, mi, fá, sol, lá
e si (figura 9), seguida de sua respectiva pausa (figura 10).

Figura 9: Semibreves e semicolcheias. Fonte: DE GARMO, 2005: 23.

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Figura 10: Pausa de semibreve e semicolcheia. Fonte: DE GARMO, 2005: 23.

O Novo Manual Internacional de Musicografia Braille não aborda somente a simbologia


básica da Musicografia Braille, mas, também, os inúmeros sinais que são utilizados na notação
convencional: alterações, indicações de compasso, estrutura da clave, grupos rítmicos, acordes, ligaduras
de expressão e prolongação, trêmulos, dedilhado, sinais de barra de compasso e repetições, variantes,
nuances, ornamentos, teoria musical, e prevê até mesmo a leitura de notação moderna.

As figuras 11, 12 e 13 apresentam os sinais de expressão e articulação que a Musicografia


Braille pode apresentar:

955

Figura 11: Ligaduras de expressão. Fonte: Novo Manual Internacional de Musicografia Braille, 2004: 49.

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Figura 12: Barras de compasso. Fonte: Novo Manual Internacional de Musicografia Braille, 2004: 71.

956

Figura 13: Acentos. Fonte: Novo Manual Internacional de Musicografia Braille, 2004: 97.

2. Materiais utilizados para escrita Braille


Para que seja possível a leitura e escrita da Musicografia Braille, existem materiais
específicos, conforme apontamos acima, como a reglete, o punção, a máquina datilográfica
(Perkins Braille), além do computador e da impressora Braille.
IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

A respeito da reglete, o material pode ser de mesa ou de bolso:

[...] consistem essencialmente de duas placas de metal ou plástico, com reentrâncias


dispostas em quatro linhas numa parte e depressões correspondentes na outra. Essas
placas são fixas de um lado com dobradiças, de modo a permitir a introdução do papel.
A placa superior funciona como a primitiva régua e possui os retângulos vazados
correspondentes às celas Braille. Diretamente sob cada retângulo vazado, a placa
inferior possui, em baixo-relevo, a configuração da cela Braille. Ponto por ponto, a
pessoa cega, com o punção, forma o símbolo Braille correspondente às letras, números
ou símbolos desejados (CARVALHO, 2010: 18).

Utilizando a reglete, o Braille é escrito da direita para a esquerda. Já a leitura é feita


da esquerda para a direita, apalpando-se os relevos deixados pelo punção.

957

Figura 14: Reglete e punção. Fonte: http://intervox.nce.ufrj.br/

A máquina de datilografia do Sistema Braille é composta por sete teclas (seis teclas
para os seis pontos em Braille e uma tecla para espaço), e também pode ser utilizada para a
escrita na Musicografia Braille. São inúmeros tipos de máquinas datilográficas Braille, sendo
que a primeira foi inventada por Frank H. Hall, em 1892, nos Estados Unidos. A marca mais
conhecida e comercializada é a máquina datilográfica Perkins. A respeito da máquina de
escrever, Carvalho (2010) aponta que:

Cada tecla corresponde a um ponto e, a outra, ao espaço. O papel é fixado e enrolado


em rolo comum, deslizando, normalmente, quando pressionado o botão de mudança de
linha. O toque de uma ou mais teclas, simultaneamente, produz a combinação dos
pontos em relevo, correspondente ao símbolo desejado. O Braille é produzido da
esquerda para a direita, podendo ser lido normalmente sem a retirada do papel da
máquina (CARVALHO, 2010: 19).

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Figura 15: Máquina datilográfica Braille. Fonte: http://www.laratec.org.br/MBrailleLM.html

Para o uso do computador, foram criados softwares específicos para a Musicografia


Braille, como o Musibraille, que favorece a interação entre professores de música que não
conhecem Musicografia Braille e alunos deficientes visuais.

Com a criação do software Musibraille, professores que desconhecem a Musicografia


Braille, podem interagir com seus alunos, de forma muito simples: enquanto estes
escrevem o texto musical em Braille o professor, imediatamente, visualiza o que eles
estão escrevendo em uma pauta musical abaixo do que seus alunos escrevem. Isto
permite que o professor veja o que está sendo escrito, por seu aluno em Musicografia 958
Braille, as notas escritas na musicografia convencional (CUCCHI, 2001: 02).

Para a impressão de partituras em Braille é necessário ter uma impressora especial para
reproduzir documentos nesta linguagem.

Diante dos materiais pedagógicos apresentados, o software Musibraille apresenta-se como


uma ferramenta pedagógica essencial para que professores de música sem conhecimento de Braille
possam trabalhar efetivamente a leitura e escrita musical com alunos deficientes visuais. A respeito do
Musibraille, Carvalho ainda aponta:

A situação hoje é que, como os professores de música não têm conhecimento da


Musicografia Braille, acabam por recusar-se a lecionar para estudantes cegos por
julgarem impossível passar para eles o conteúdo das partituras com efetividade. Desta
forma, torna-se muito difícil a inclusão de músicos cegos nas escolas de música regular.
Daí a importância do método ser informado nos cursos de licenciatura de todo o país,
podendo atrair curiosos, pesquisadores, professores interessados em trabalhar com o
público (CARVALHO, 2010: 23).

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Considerações finais

A educação musical para deficientes visuais necessita de ferramentas pedagógicas modernas


que, em conjunto com o conhecimento da Musicografia Braille, auxiliam o aluno na aprendizagem
musical. Ao utilizar todos os recursos aqui expostos, o educador musical proporcionará a este aluno não
apenas o prazer que a prática musical visa, mas, também, um aprendizado verdadeiramente eficaz, sem
recorrer exclusivamente aos procedimentos pedagógicos predominantemente auditivos. O estudo da
Musicografia Braille é indispensável tanto para os alunos quanto para os professores. Os materiais de
apoio também são fundamentais para auxiliar os profissionais de música que atuam com estes alunos. É o
caso do Novo Manual Internacional de Musicografia Braille, disponibilizado pela Secretaria de Educação
Especial do Ministério da Educação, acessível gratuitamente em seu site, e de outros materiais
necessários para o uso do material Braille.

Referências

BONILHA, Fabiana. F. G. Leitura musical na ponta dos dedos: caminhos e desafios do ensino de
Musicografia Braille na perspectiva de alunos e professores. 2006. 226 f. Dissertação (Mestrado em 959
Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

CARVALHO, Maressa M. O ensino específico de música para deficientes visuais: o método Musibraille.
2010. 33 f. Monografia (Licenciatura em Educação Musical) – Escola de Música e Artes Cênicas,
Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

CUCCHI, Kátia D. O uso do software Musibraille na intermediação educador leigo em Musicografia


Braille e um educando cego. In: CONGRESSO BAIANO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, 2001,
Salvador. Anais eletrônicos... Salvador: UFBA, 2001. Disponível em:
<www.3cbei.ufba.ba/modulos/submissao/Upload/37116.pdf>. Acesso em: 3 fev. 2012.

DE GARMO, Mary Turner. Introduction to braille music transcription. Washington: National Library
Service for the blind and the psysically handicapped / Library of Congress, vol. 1, 2005.

GIL, Marta (Org.). Deficiência visual. Brasília: MEC / Secretaria de Ensino à Distância, 2000.

GOFFREDO, Vera Flôr S. Fundamentos da Educação Especial. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2007.

MAYER-UHMA, Ulrich. Prefácio. In: Novo Manual Internacional de Musicografia Braille. KROLICK,
Bettye (compilação). Coordenação geral Maria Glória Batista da Mota. União Mundial de Cegos /
Subcomitê de Musicografia Braille. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Especial,
2004. p. 7-9.

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE


IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL IA-UNESP / VIII ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM – 2012 – ANAIS

Novo Manual Internacional de Musicografia Braille. KROLICK, Bettye (compilação). Coordenação


geral Maria Glória Batista da Mota. União Mundial de Cegos / Subcomitê de Musicografia Braille.
Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Especial, 2004.

TOMÉ, Dolores. Introdução à Musicografia Braille. São Paulo: Global, 2003.

960

IV SEMANA DE EDUCAÇÃO MUSICAL UNESP

VIII ENCONTRO da ABEM – REGIÃO SUDESTE