Você está na página 1de 49
18 iat 18.2 183 18s 186 MODALIDADE Expressiio da modalidade Modalidade forte e modalidade fraca Dominios da modalidade 183.1 Modalidade epistémica 18.3.2 Modalidade interna ao participante 183.3 Modalidade deontica 18.3.4 Modalidade externa aos participantes 18.3.5 Modalidade desiderativa Ambiguidade entre tipos de modalidade 18.4.1 Modalidade dentica e modalidade externa 18.42 Modalidade interna e modalidade dedntica 18.43 Modalidade externa e modalidade epistémica Verbos modais 18.5.1. Dever 165.11 Interagao entre dever e a classe aspetual do verbo pleno 85.12 Dever seguido do infinitivo composto 16529 Dever seguido do auxiliar progressive W514 Obrigagao fraca e obrigagao forte 18515 Modalizagao do valor deéntico 18.5.2 Poder e521 Interacdo entre poder e a classe aspetual do verbo pleno 14522 Pader seguido do infinitive composto 5.23 Poder seguido do auxiliar progressivo 6524 Fatores contextuais na interpretacdo do verbo modal poder 155.25 Pode ser, pode ser que 185.3 Ter (de) 1833.1 Interagao entre fer (de) €a classe aspetuat do verbo pleno 16552 Ter (de) seguido do infinitiva composto 524 Ter (de) seguido do auxiliar progressive 185.4 Ser capaz (de) 185.5 Haver (de) 18.5.6 Combinagao de varios verbos modais Modais e negagao: negacao externa e nega¢ao interna 623 625 628 630 630 632 632 633 634 635 636 636 636 637 637 638 640 642 642, 642 643 643 644 645 645 646 646 648 648, 649 649 650 651 654 187 188 18.9 18.6.1 Poder 186.2 Dever 1262.1 Leitura dedntica e negagao antecipada vw022 Leitura epistémica © negagao antecipada 186.23 Interagao entre dever, predicadoy estativos e negacao 18.6.3. Ter (de), ser capaz (de) 18.6.4 Possibilidade, necessidade ¢ negagao Verbos plenos com valor modal 187.1. Obrigar, permitir, autorizar, proibir 18.7.2 Desejar, querer, esperar 187.3. Saber e crer Adjetivos modais 188.1 Adjetivos modais em posigdo predicativa 188.2 _Adjetivos modais em posicdo atributiva Advérbios modais 657 687 658. 659 659) 660 660 662 662 665 668 18 MODALIDADE A modalidade é a forma de exprimir, por meios linguisticos, atitudes ¢ opinides dos falantes ou das entidades referidas pelo sujeito sobre o contetido proposicional dos enunciados que produzem. Entre as variadas areas semanticas sobre as quais Pode incidit a modalidade, as que tém sido objeto de um estudo mais sistematico na teoria linguistica contemporanea sao aquelas que estdo associadas aos valores de (i) crenga, (ii) capacidades e necessidades internas dos individuos, (iii) obriga- 40 € permissio ¢ (iv) voli¢ao’, Em todas estas areas, manifesta-s como elemento organizador, o sistema conceptual da possibilidade-necessidade. © primeiro valor modal indicado, designado como modalidade epistémica, prende-se com graus de certeza ou avaliagao de probabilidade acerca do contetido proposicional da frase. Assim, em (1a), exprime-se a certeza do falante relativamente a verdade da proposicao ‘Deus existe’; em (1b) € em (1c), a sua crenca na probabi- lidade e na possibilidade, respetivamente, da situagao expressa pela oragao subor- dinada, ‘a Ana fechar a empresa’; e em (1d), exprime-se a diivida, desta vez da parte da entidade denotada pelo sujeito da oragao principal, sobre a tealizagao do evento expresso na oracao subordinada, ‘o comboio chegar a horas’: (1) a Eu tenho a certeza de que Deus existe b. E provavel que a Ana feche a empresa. . _E possivel que a Ana feche a empresa. 4d. © Pedro duvida de que o comboio chegue a horas, © segundo valor modal prende-se com a capacidade ou a necessidade interna, psicolégica ou fist , do sujeito de determinados predicadores como saber, ser capaz, precisar, necessitar, etc. Assim, nas frases (2a) ¢ (2b), o falante exprime, respetiva- mente, uma capacidade do Joao, neste caso um saber (resolver um problema mate- matico), e uma necessidade interna do Rui (dormir oito horas por noite). (2) a. O Joao é capaz de resolver esse problema matematico. [capacidade] b. © Rui precisa de dormir oito horas por noite. [necessidade] Vejacse, a este respeito, entre outros, Bybee, Perkins e Pagluca (1994), Bybee e Meischman (1995), van der Auwera © Plungian (1998), Oliveira (1988, 2000) ¢ Campos (1998 Nos paradigmas de exemplos, assinala-se a itlice os elementos linguisticos que veiculam os valores todals em discussie tet. 18.2