Você está na página 1de 152

CARACTERIZAÇÃO FITOFISIONÔMICA DO

PARQUE ESTADUAL DO GUARTELÁ, MUNICÍPIO


DE TIBAGI, ESTADO DO PARANÁ

MARTA REGINA BARROTTO DO CARMO

Tese apresentada ao Instituto de Biociências


da Universidade Estadual Paulista “Julio de
Mesquita Filho”, Campus de Rio Claro, para
a obtenção do título de Doutor em Ciências
Biológicas (Área de Concentração: Biologia
Vegetal)

Rio Claro
Estado de São Paulo – Brasil
Janeiro de 2006
CARACTERIZAÇÃO FITOFISIONÔMICA DO
PARQUE ESTADUAL DO GUARTELÁ, MUNICÍPIO
DE TIBAGI, ESTADO DO PARANÁ

MARTA REGINA BARROTTO DO CARMO

Orientador: Prof. Dr. MARCO ANTÔNIO DE ASSIS

Tese apresentada ao Instituto de Biociências


da Universidade Estadual Paulista “Julio de
Mesquita Filho”, Campus de Rio Claro, para
a obtenção do título de Doutor em Ciências
Biológicas (Área de Concentração: Biologia
Vegetal)

Rio Claro
Estado de São Paulo – Brasil
Janeiro de 2006
581.5 Carmo, Marta Regina Barrotto do
C287c Caracterização fitofisionômica do Parque Estadual do
Guartelá, município de Tibagi, estado do Paraná / Marta
Regina Barrotto do Carmo. – Rio Claro : [s.n.], 2006
142 f. : il.

Tese (doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Institu-


to de Biociências de Rio Claro
Orientador: Marco Antonio Assis

1. Ecologia vegetal. 2. Cânion. 3. Fitossociologia. 4.


Florística. 5. Campos Gerais. 6. Vegetação do Canyon. I.
Título.

Ficha Catalográfica elaborada pela STATI – Biblioteca da UNESP


Campus de Rio Claro/SP
ii

Ao André
por fazer valer o “pro que der e vier”
DEDICO

À Deus,
Por ter-me dado forças...
OFEREÇO
<<Deo omnis gloria>>

Às minhas pérolas,
(Pai, mãe, avô, irmãos e sobrinhas)
por serem parte do que sou...
ETERNAMENTE AGRADEÇO
iii

Agradecimentos

Ao Prof. Dr. Marco A. de Assis pela orientação, paciência, amizade e principalmente pela
compreensão na mudança de projeto;

Aos membros da banca, Profa. Dra. Giselda Durigan, Prof. Dr. José Marcelo Torezan,
Profa. Dra. Leila Cunha de Moura e Prof. Dr. Reinaldo Monteiro, por todas as excelentes
sugestões;

Às estagiárias, ou melhor, minhas “companheiras de Guartelá” Anna Luiza e Gisele,


pela grande ajuda nos trabalhos de campo e no herbário; pela ótima convivência, deixando a
“maratona de trabalho” bem mais alegre;

Ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP) pela permissão cedida para execução do projeto
e ao pessoal do Parque Estadual do Guartelá, os gerentes Ângela e Cristóvão, e o funcionário
“Baiano” pela grande receptividade e presteza;

Ao meu esposo André por toda sua dedicação e carinho, auxiliando nos trabalhos de
campo, herbário, suporte nos diferentes programas, e ainda, no meu controle emocional;

Aos professores e coordenadores do programa de Pós-graduação em Biologia Vegetal da


UNESP, por todo auxílio e dedicação ao curso, mas também pela amizade;

Aos professores e funcionários do Departamento de Biologia Geral da UEPG; em


especial às botânicas: Dalva, Maria Eugênia, Rosângela e Rosemeri pelo apoio incondicional
em todos os momentos que precisei;

Ao pessoal do laboratório de Biodiversidade e Reparos de Ecossistemas da UEL, em


especial ao Prof. Dr. José Marcelo Torezan pelos “empréstimos” e também pela atenção,
sugestões e discussões sobre o projeto;

Aos especialistas que gentilmente identificaram o material: Adriano Bidá, Ana Paula
Araújo, Elizabeth de Araújo Schwarz, Gisele S. Salvador, Hilda Longhi-Wagner, Inês
Cordeiro, Jimi Naoki Nakajima, João B. Baitelo, Lúcia Helena Soares-Silva, Marco A. Assis,
Maria Cândida H. Mamede, Paulo Labiak, Renato Goldenberg, Rosângela C. Tardivo, Sigrid
L. Jung Mendacolli, Vidal de Freitas Mansoni

Aos demais amigos que auxiliaram na identificação do material, especialmente ao


Sandro Menezes Silva, Walter Kranz, João Tannus, Renoaldo, Rosemeri Moro, Manoel R.
Paiva, Renata e Cristiano Cardoso;

À Divisão de Serviço da UEPG pelo apoio logístico, em especial aos motoristas por todas
as gentilezas, facilitando e otimizando meu tempo;
iv

Aos laboratórios de Análise e Fertilidade de Solos da UEPG, pelas análises realizadas e


pelo desconto concedido;

Ao Ed (UEL) pela valiosa ajuda no início dos trabalhos de campo; e ao Manuel por ter
guiado na descida do canyon;

Aos funcionários dos herbários, Renoaldo (HUPG), Manuel (FUEL) e Valnice


(Rioclarense), pela grande colaboração.

Ao amigo Aloysio pela ajuda e revisão na estatística e ao Fred pelas discussões;

Aos secretários Acir da UEPG e Celinha da UNESP, pela presteza e paciência;

À todos os alunos que ajudaram nos trabalhos de campo e no herbário, em especial à


Alice, Karina, Ana Maria, Suzana, Ana Claudia, Elisiane, Lúcia e Melina;

Ao Binho e Átila pelo auxílio nas coletas com equipamento de escalada;

Ao Átila e Karine pelo auxílio na confecção dos mapas;

Ao Jonathan e Cybel pelo auxílio na confecção do abstract;

Ao CNPq pela bolsa concedida no antigo projeto;

Ao Seu Sebastião e Dona Maria (in memorian) de Rio Claro e a Dona Helena de Ponta
Grossa, por terem me acolhido em seus lares durante minha moradia provisória;

Aos meus queridos amigos da UNESP, os quais tive o imenso prazer em conviver: Lu,
Dani, Valesca, Daninha, Vera Lis, Adriana-Mgá, Adriana-SP, Lucilene, Fátima, Cristiano,
Mantovani, Gil, Ivone, Leandro, Gaúcho, Maria Antônia, Denise, João, Ângela, Aline, Tutti,
Renata, Aloísio, Fred, Geovana, Alessandra, Michele, Adriana-japa, Débora, Lisley entre
outros;

Aos meus sempre amigos de todas as horas de Ibiporã e Londrina pela grande alegria
que me representam;

Aos meus pais, Eunice e Ivaldo, aos meus sogros Paula e Dorival, ao meu avô Zé
Barotto, aos meus irmãos Miriam e Marcos, às minhas cunhadas Eliane e Rosângela, às
minhas sobrinhas Heloisa e Alice, às minhas madrinhas Te e Sônia, enfim por toda minha
família... pelas rezas e torcidas para que o meu doutorado desse certo;

Aos “Guartelianos” (em especial D. Julia, Euni e Nice), por tantas coisas: boa proza,
cafezinho, quitutes maravilhosos e também pelos exemplos.... de amor à terra, conservação à
natureza, simplicidade e buscar a felicidade nas pequenas coisas;

À Deus por tudo.


v

SUMÁRIO

Resumo ............................................................................................................... vii


Abstract .............................................................................................................. viii
Introdução Geral .............................................................................................. 001
Caracterização da Área de Estudo ................................................................ 004
Localização ................................................................................................. 004
Clima ........................................................................................................... 004
Geologia ...................................................................................................... 004
Relevo .......................................................................................................... 006
Solos ............................................................................................................ 007
Vegetação .................................................................................................... 009
Referências Bibliográficas ............................................................................. 012
Capítulo 1 – Fitossociologia das Fisionomias Campestres do Parque
Estadual do Guartelá, Município de Tibagi, Estado do
Paraná ...................................................................................... 015
Introdução .................................................................................................. 016
Material e Métodos ................................................................................... 017
Caracterização da Área de Estudo ................................................... 017
Coleta e Análise de Dados ................................................................ 017
Resultados e Discussão ............................................................................. 019
Referências Bibliográficas ........................................................................ 031
Capitulo 2 – Análise Fitossociológica de um Cerrado Relictual no
Parque Estadual do Guartelá, Município de Tibagi,
Estado do Paraná .................................................................... 036
Introdução .................................................................................................. 037
Material e Métodos ................................................................................... 038
Caracterização da Área de Estudo ................................................... 038
Coleta e Análise de Dados ................................................................ 038
Resultados e Discussão ............................................................................. 040
Referências Bibliográficas ........................................................................ 052
Apêndice I .................................................................................................. 058
Capítulo 3 – Caracterização Florística e Estrutural da Vegetação
Florestal do Parque Estadual do Guartelá, Município
de Tibagi, Estado do Paraná .............................................. 064
Introdução .................................................................................................. 065
Material e Métodos ................................................................................... 067
vi

Caracterização da Área de Estudo ................................................... 067


Coleta e Análise de Dados ................................................................ 067
Resultados .................................................................................................. 070
Discussão .................................................................................................... 084
Referências Bibliográficas ........................................................................ 089
Capítulo 4 - Levantamento Florístico do Parque Estadual do Guartelá,
Município de Tibagi, Estado do Paraná ...................................................... 097
Introdução .................................................................................................. 098
Material e Métodos ................................................................................... 099
Caracterização da Área de Estudo ................................................... 099
Amostragem ........................................................................................ 099
Resultados .................................................................................................. 101
Discussão .................................................................................................... 107
Referências Bibliográficas ........................................................................ 111
Apêndice I .................................................................................................. 116
Considerações Finais ...................................................................................... 140
vii

RESUMO

O Parque Estadual do Guartelá (50°10ʺW e 24°37ʺS), localizado no município de


Tibagi, é uma das importantes unidades de conservação da região dos Campos Gerais do
Paraná. A área apresenta elevado interesse ecológico, cujo relevo acidentado promove
grande variação ambiental e vegetacional, coexistindo vários ecossistemas que refletem
diferentes condições paleoclimáticas. Com o objetivo de caracterizar as diferentes
associações e fisionomias, foram realizados levantamentos florísticos e fitossociológicos
em cada formação vegetal presente no parque. Nas formações campestres, foram
alocadas 90 parcelas de 1 x 1m, obedecendo a seguinte distribuição: 30 parcelas em
campo limpo (seco); 30 parcelas em campo úmido e 30 parcelas em campo com
afloramentos rochosos. Poaceae foi a família com maior número de espécies, seguida de
Asteraceae, Melastomataceae e Cyperaceae. Foram encontradas 80 espécies em campo
seco, 71 em campo úmido e 57 em campo com afloramentos rochosos. A similaridade
entre as três fisionomias foi baixa, havendo 6,6% de espécies comuns. A ocorrência de
elementos típicos das fisionomias savânicas (cerrado) junto aqueles dos campos
planálticos sugere que a área de estudo representa uma região de confluência das floras
subtropical e tropical. Nos mosaicos de cerrado, foram distribuídas 50 parcelas de 5 x 5m,
caracterizando três classes de amostragem: componente arbóreo-arbustivo, componente
sub-arbustivo e componente herbáceo, sendo este último amostrado em subparcelas de 1
x 1m. O levantamento total encontrou 1341 indivíduos, distribuídos em 27 famílias e 114
espécies. Fabaceae e Myrtaceae foram as famílias mais abundantes na área. O índice de
diversidade foi maior para o componente subarbustivo (H’=3,34), seguido do arbóreo-
arbustivo (H’=3,06) e herbáceo (H’=2,82). A análise da composição, estrutura e
diversidade mostraram que o cerrado relictual do parque, apesar de preservar espécies
características das savanas brasileiras, o clima mais úmido e frio em relação à área
nuclear do bioma, estaria favorecendo a expansão das espécies florestais circundantes.
Nos fragmentos de florestas ombrófila mista (capões e floresta de galeria) foram
distribuídas 50 parcelas de 10 x 10m, amostrando todos os indivíduos maiores que 3m.
Também foram estabelecidas sub-parcelas de 1x1m para amostrar o componente
herbáceo. Foram registradas 140 espécies e 43 famílias. O índice de diversidade foi de
4,10, valor bem acima daqueles encontrados em outras áreas de floresta ombrófila mista.
Myrtaceae e Lauraceae foram as famílias com maior riqueza de espécies. Uma análise de
Correspondência Canônica ordenou a amostra em dois grupos, um formado pelas
parcelas alocadas na floresta de galeria relacionadas a solos arenosos, e outro pelas
parcelas distribuídas nos capões em solos de textura argilosa. No componente herbáceo
foram encontradas 92 espécies, sendo que 60% destas são constituídas por formas jovens
dos componentes arbóreos. A comparação da composição de espécies florestais do
Guartelá com 28 outros estudos realizados em áreas de floresta ombrófila mista e de
floresta estacional semidecidual revelou uma flora de transição entre estas duas
formações. Como resultado de coletas mensais de plantas vasculares, no período de 2003
a 2005, somadas àquelas encontradas nos levantamentos fitossociológicos, encontrou-se
um total de 634 espécies e 104 famílias, mostrando uma elevada riqueza florística na área,
em conseqüência das diversas formas fisionômicas, ditadas pela alta heterogeneidade
ambiental e pela zona limítrofe entre os climas tropical e subtropical, a qual a região está
inserida. Este estudo vem confirmar ainda mais a importância desta região singular e a
necessidade de ampliação de áreas protegidas para conservação da biodiversidade.
viii

ABSTRACT

The State Park of Guartelá (50° 10’W and 24°37’S), located in the municipality of
Tibagi, is one of the most important preservation sites in the region of Campos Gerais,
Parana. This area of high ecological interest presents an altered relief producing the
great environmental and vegetational variation where several ecosystems coexist due to
the diversified paleoclimatic conditions. With the objective of characterizing the
different associations and physiognomies, floristic and phytosociological surveys were
conducted in this park. In the rupestrian formations, 90 plots of 1 x 1 m were allocated
in the following way: 30 plots in “clean” fields (dry); 30 plots in moist fields and 30 plots
in rocky outcrops. Poaceae was the family with the greatest number of species, followed
by Asteraceae, Melastomataceae and Cyperaceae. 80 species were found in dry fields, 71
in moist fields and 57 in fields with rocky outcrops. The similarity among the three
physiognomies was low and 6.6% of the species were found in common. The occurrence
of typical elements to savannic physiognomies (cerrado) at these upland fields suggests
that the study area represents a confluence of subtropical and tropical flora. Plots of 5 x
5m were distributed in the mosaic of the cerrado, characterizing three classes of
samplings: arboreal-shrubby stratum, under shrubby stratum and herbaceous stratum,
being the latter sampled in sub plots of 1m x 1m. The complete survey found 1341
individuals distributed in 27 families and 114 species. Fabaceae and Myrtaceae were the
most abundant families in the area. The diversity level was greater for the under
shrubby stratum (H’=3.34), followed by the arboreal shrubby (H’=3.06) and by the
herbaceous (H’=2.82). The composition, structure and diversity analyses showed that in
the relictual cerrado although preserving species characteristic of Brazilian savannas, the
expansion of the surrounding species occurred due to the more moist and colder climate
in relation to the nuclear area of the biome. In the fragments of mixed ombrophilous
forests (fragment forest and gallery forest), 50 plots of 10 x 10m were distributed
sampling all individuals higher than 3m. Sub plots of 1 x 1m were also established in
order to sample the herbaceous stratum. 140 species and 43 families were registered.
The diversity level was 4.10 , much higher than the ones found in other areas of mixed
ombrophilous forests. Myrtaceae and Lauraceae were the families with the greater
number of species. An analyses of the Canonic Correspondence arranged the samples
into two groups, one formed by plots distributed in the gallery forests related to sandy
soils and the other one by plots in fragments of clayish texture soils. In the herbaceous
stratum 92 species were found, being 60% composed by seedlings of species of the
arboreal stratum. The comparison of the composition of forest species of Guartelá in 28
studies performed in areas of mixed ombrophilous forests and seasonal semideciduos
forests, revealed the transitional flora between those two formations. As a result of
monthly collections of vascular plants in the period between 2003 and 2005 together
with those found in the phytosociological surveys, a total of 634 species and 104 families
were found showing great floristic richness in the area due to the several physiognomic
forms dictated by the high environmental heterogeneity and by the limitrophe zone
between tropical and subtropical climates in which the area is located. This paper
confirms even more the importance of this singular region and the necessity for the
enlargement of protected areas in order to preserve its biodiversity.
1

Introdução Geral

O Estado do Paraná é dividido em cinco zonas de paisagens naturais (Maack

1968, 1981). A primeira é a região litorânea, limitada à leste pelo Oceano e a oeste pelas

escarpas do complexo cristalino que representa a segunda região, a da Serra do Mar.

Logo acima desta última começa o Primeiro Planalto ou Planalto de Curitiba, cuja

altitude diminui na direção oeste, até encontrar uma nova série de escarpas, formadas

por sedimentos Paleozóicos (arenitos devonianos), e que representam o limite da

região seguinte, o Segundo Planalto ou Planalto de Ponta Grossa. Este Segundo

Planalto se limita à oeste com o Terceiro Planalto ou Planalto de Guarapuava, acima da

série seguinte de escarpas, desta vez constituídas por formações mesozóicas (Maack

1968, 1981).

Na borda do Segundo Planalto paranaense, no reverso do degrau topográfico

representado pela Escarpa Devoniana ocorre a região denominada de Campos Gerais,

caracterizada por uma conjugação de fatores ambientais, envolvendo paleoclimas,

tipos de solos e vegetação dominante de campos, que em épocas pretéritas dominou a

paisagem paranaense (Maack 1948; Behling 1997; Melo & Meneguzzo 2001). A

expressão “Campos Gerais do Paraná” foi consagrada por Maack (1948), definindo-a

como uma zona fitogeográfica natural, com campos limpos, matas de galeria, capões

de mata com araucária e refúgios de cerrado.

Tal área distribui-se como uma faixa de território curva com convexidade para

noroeste apresentando 11.761,41 Km2 de extensão, situada entre as coordenadas 23°45’e

26°15´ de latitude Sul e 49° 15´e 50°45´de longitude Oeste, abrangendo pelo menos

parte de 22 municípios (UEPG 2003).

É uma região que se destaca por apresentar características peculiares, dado ao

relevo movimentado e profundamente recortado, apresentando sítios singulares como

arroios em leito rochosos, cachoeiras, canyons, relevos ruiniformes como de Vila Velha

(esculpida pela erosão pluvial), exposições de jazigos fossilíferos, furnas, cavernas e

fendas entre outros (Melo & Meneguzzo 2001). Outra peculiariedade é relacionada com

as fitofisionomias, apresentam-se distintas das demais regiões paranaenses, em vista ao


2

caráter disjunto dos tipos vegetacionais, ocorrendo em mosaico, próprias das

caracteríticas topo-edafo-climática específicas da região.

No entanto, assim como os demais biomas brasileiros, a vegetação dos

Campos Gerais tem sido alvo da ocupação humana e de atividades agropecuárias e

vem sofrendo alterações desde o século XVIII com a colonização de paulistas e com a

intensificação da imigração européia (Moro 2001). Além disso, apresenta-se inserida

numa região de potencial cênico elevado e, por isso, tem despertado interesse turístico,

o que aumenta o risco de destruição de espécies peculiares destes locais (Melo &

Meneguzzo 2001).

Assim, a intensificação do uso da paisagem regional e a baixa

representatividade de áreas protegidas, têm levado a uma substituição significativa da

cobertura vegetal, sendo que áreas de cultivo somadas a florestamentos

(principalmente Pinus spp e Eucaliptus spp) e áreas urbanas, ocupam 60% de toda

região (UEPG 2003). Porém, como conseqüência de um relevo acidentado que dificulta

a expansão de latifúndios, algumas regiões dos Campos Gerais ainda preservam

paisagens naturais pouco modificadas, onde deveriam ser concentrados esforços de

estudos (UEPG 2003), já que existem poucas informações sobre a vegetação desta zona

fitogeográfica.

Os estudos realizados tratam principalmente de descrições dos tipos

vegetacionais co-relacionados (Klein & Hatschbach 1971; Hatschbach & Moreira Filho

1972; Moro 2001; Moro et al. 2003) e trabalhos pontuais de estrutura da fisionomia

florestal (Vargas 1992; Ramos 2003), principalmente em matas de galeria (Nakajima et

al. 1996; Moro et al. 1996, 2001; Dias et al. 1998; Oliveira 2001; Souza 2001), e das

restritas áreas de cerrado (Takeda et al. 1996; Uhlmann et al. 1997, 1998; Uhlmann 2003).

Porém, são insuficientes para o conhecimento global da composição florística, da

diversidade estrutural e fisionômica, bem como para o entendimento das relações

evolutivas, tão intrigantes nesta região.

Neste contexto, o atual estudo visa aprofundar o conhecimento e a discussão

sobre a vegetação da região dos Campos Gerais, realizando levantamentos que

caracterizem a vegetação do Parque Estadual do Guartelá, região que abrange um dos

maiores canyons do Brasil (Diedrichs 1995), localizado no município de Tibagi.


3

Deste modo, levando em consideração a importância biológica desta região, a

proposição do presente trabalho é de grande relevância, pois o entendimento da

estrutura e funcionamento da vegetação e seu ambiente poderão subsidiar a

recomposição e evidenciar ainda mais a importância da preservação de uma região

ímpar no cenário brasileiro.

Este estudo foi desenvolvido seguindo quatro abordagens principais: o

primeiro capítulo analisou comparativamente as diferentes fisionomias campestres

presentes, buscando discutir relações florísticas com outras áreas; o segundo capítulo

realizou uma caracterização fitossociológica das relíctas áreas de cerrado, verificando

se são mantidas a estrutura e composição típica deste bioma no limite austral de sua

ocorrência; o terceiro capítulo estudou-se os fragmentos florestais naturais com intuito

de verificar as relações de distribuição das espécies e variáveis do solo, bem como a

influência exercida de duas formações florestais nesta área ecotonal; e no quarto

capítulo foi dada ênfase à composição florística, formas de vida e modo de dispersão

da vegetação, na primícia de que a área, sob tensão ecológica, estaria propiciando a

mistura de flora entre as unidades de paisagem do parque.


4

Caracterização da Área de Estudo

Localização

O estudo foi realizado no Parque Estadual do Guartelá (PEG), localizado no

município de Tibagi, no Segundo Planalto do Estado do Paraná (Fig. 1), nas coordenadas

24°39’10”S e 50°15’25”W, totalizando uma área de 789,97 hectares. Tem como limite Norte

e Leste o rio Iapó, ao Sudeste o riacho do Pedregulho e ao Noroeste, propriedades

particulares.

O PEG é uma das importantes Unidades de Conservação da região dos Campos

Gerais, estando inserido na Área de Preservação Ambiental (APA) da Escarpa Devoniana.

Clima

A região onde se insere o PEG, segundo a classificação de Koeppen, apresenta

clima do tipo Cfa (subtropical úmido quente), com influência indireta do clima Cfb

(temperado sempre úmido).

Na região dos Campos Gerais as variações de temperatura ocorrem

principalmente em função das variações de latitudes, que têm uma extensão maior no

sentido Norte e Sul. Na localização do parque é possível observar médias de 18 a 19°C nas

áreas mais elevadas da Escarpa Devoniana, porém predominam médias entre 20 e 21°C

(UEPG 2003).

Segundo o Relatório “Caracterização do Patrimônio Natural dos Campos Gerais

do Paraná” (UEPG 2003) a precipitação média anual encontra-se entre 1.400 e 1600 mm,

sendo que a umidade relativa anual permanece entre 80 e 85%.

A variação na distribuição do número de horas de insolação está principalmente

relacionada com as diferenças de latitude observadas do norte ao sul dos Campos Gerais,

que leva a uma diferença na duração do período diurno, porém, existem outros fatores

exercendo influência nesta distribuição, como no caso da nebulosidade. A área de estudo

está na faixa com maior número de horas de insolação da região, que vai de 2.200 a 2.400

horas (UEPG 2003).

Geologia

O Parque Estadual do Guartelá, localizado nos Campos Gerais, está encravado na

porção leste do Segundo Planalto paranaense, no reverso da Escarpa Devoniana, a


5

Figura 1- Localização do Parque Estadual do Guartelá no Estado do Paraná


6

qual é um relevo de cuesta, de origem erosiva (Maack 1981; Melo & Meneguzo 2001;

UEPG 2003).

A região localiza-se no flanco oriental da Bacia do Paraná, onde esta é

profundamente afetada pelo Arco de Ponta Grossa, responsável pela elevação e

arqueamento do embasamento Proterozóico e das camadas sedimentares da bacia, e por

extensas fraturas NW-SE que deram passagem a grande volume de magma basáltico no

Mesozóico (UEPG 2003). As unidades geológicas presentes são: o embasamento pré-Bacia

do Paraná, rochas sedimentares paleozóicas da Bacia do Paraná e rochas intrusivas

básicas a intermediárias associadas com o Magmatismo Serra Geral, do Mesozóico. Além

destas unidades principais, ocorrem ainda sedimentos Cenozóicos representados,

sobretudo, por depósitos aluviais ao longo das calhas dos principais rios da região (UEPG

2003).

Especificamente, as escarpas do canyon do Guartelá são sustentadas pelo Arenito

Furnas (Devoniano inferior -da Bacia do Paraná). Abaixo deste aparecem a Formação Iapó

(Siluriano, unidade basal da Bacia do Paraná na região) e o Grupo Castro (seqüência

vulcano-sedimentar do Ordoviciano), compreendendo rochas vulcânicas, piroclásticas,

terrígenas e bredas vulcânicas intercaladas, tectonicamente muito deformadas,

freqüentemente verticalizadas (Melo 2000). As rochas mais recentes presentes na região

do canyon do Guartelá são da Formação Serra Geral (Jurássico Superior e Cretáceo

Inferior). Elas são representadas por muitos diques, dominantemente de diabásio,

aparecendo na forma de corpos tabulares paralelos verticalizados orientados NW-SE,

longitudinais ao eixo do Arco de Ponta Grossa (Melo 2000).

Relevo

Por estar inserido na escarpa Devoniana, o PEG encontra-se sob influência de um

relevo com topografia muito diversificada, variando de suave-ondulado a extremamente

acidentado, com as escarpas chegando a mais de 100m de altura (Diedrichs 1995).

Dentro do parque encontra-se a porção central do canyon do rio Iapó (também

chamado de Guartelá). O referido rio provém do primeiro planalto paranaense e rompe a

escapa em profunda e longa garganta para atingir o segundo planalto, num percurso de

30 km, entre os municípios de Castro e Tibagi, com desnível máximo de 450m em relação

ao topo da escarpa (Melo 2000). Na área do PEG a altitude ao longo do Rio Iapó varia
7

entre 800 e 900m cujos pontos mais elevados estão entre 1050 e 1150m (Ziller &

Hatschbach 1996). O Iapó é afluente da margem direita do rio Tibagi e é considerado um

rio antecedente, ou seja, é anterior ao relevo atual, que escavou e rebaixou seu leito à

medida que o relevo foi se formando, por efeito da erosão (Melo & Meneguzo 2001).

O Arenito Furnas apresenta marcante erosão diferencial, controlada pelas

variações de atributos da rocha e estruturas sedimentares e rúpteis (falhas, fraturas e

diques associados), que juntamente com diferentes litotipos e estruturas sedimentares

(estratificações planoparalelas e cruzadas) contribuem para elaborar formas bizarras

esculpidas pelos agentes intempéricos, originando relevos ruiniformes característicos

(Melo 2000) e freqüentes por todo parque.

Ocorrem ainda no parque, cavernas esculpidas no Grupo Castro (Gruta da Pedra

Ume) e muitas lapas do Arenito Furnas formando abrigos naturais onde são encontradas

pinturas rupestres (Melo 2000).

Solos

De um modo geral, os solos da região dos Campos Gerais são poucos profundos,

predominando os Cambissolos e os Litossolos (Neossolos Litólicos) constituídos de areia

esbranquiçada proveniente da decomposição do arenito Furnas, muito resistente aos

fatores de diagênese, sendo também comuns os afloramentos rochosos (Klein &

Hatschbach 1971). Nos locais onde a água de infiltração se vê impedida de escoar

livremente, formam-se solos cinzento-escuros a pretos, ricos em matéria orgânica, as

vezes constituindo charco, ou seja, solos orgânico-hidromórficos. Desenvolvem-se ainda,

solos escuros com características de Podzolização, os quais apresentam horizontes bem

individualizados, com grande diferenciação textural entre os horizontes superficiais e os

horizontes de iluviação, provavelmente contendo porções restritas do arenito Itararé

(Rocha 1995).

Foram identificadas as seguintes classes de solo através da classificação realizada

pelo IAP (2002):

a) Cambissolos – No PEG os Cambissolos identificados apresentam

horizonte A moderado enquadrando-se, portanto, na Subordem Háplico. Devido ao clima

úmido da região e por serem derivados de rochas pobres em elementos químicos (arenito

Furnas – formado dominantemente por quartzo com cimento caulínico) apresentam baixa
8

saturação por bases, elevada acidez e elevados teores de alumínio, tanto que se trata de

variedades Alumínicas. Também devido ao material de origem, predominam as classes

texturais arenosas (franco-arenosa e areia franca) muito uniformes ao longo dos perfis. A

vegetação que os recobre é a estepe gramíneo-lenhosa e a floresta ombrófila mista (senso

Veloso et al. 1991).

Possui pequena ocorrência na área do parque, destacadamente nas porções

Centro-Oeste, no local onde havia um reflorestamento de Pinus spp., e na Porção

Noroeste, próximo à entrada e sob o grande capão existente ao lado do alojamento de

pesquisadores, sempre associados à Neossolos Litólicos.

b) Gleissolos – compreende solos hidromórficos, constituídos por

material mineral, permanente ou periodicamente saturados por água. No parque, o

Gleissolo identificado apresenta horizonte A moderado, enquadrando-se na Subordem

Háplico e, devido ao material de origem ser pobre em elementos químicos (arenito Furnas

– formado dominantemente por quartzo com cimento caulínico) apresenta baixa

saturação por bases, elevada acidez e elevados teores de alumínio, sendo

predominantemente álico. Também devido ao material de origem, apresentam texturas

arenosas (franco-arenosa e areia franca). A vegetação que os recobre, trata-se de uma

transição entre o campo limpo (seco) e o úmido. Esta classe ocorre no PEG em estreitas

faixas junto às margens dos Organossolos, os quais, por sua vez, ocorrem nas áreas

côncavas/convergentes das encostas.

c) Organossolos – são solos pouco evoluídos, constituídos por material

orgânico proveniente de acumulações de restos vegetais em grau variável de

decomposição, acumulados em ambiente mal a muito mal drenados ou em ambientes

úmidos de altitude elevada que estão saturados com água por poucos dias no período

chuvoso, de coloração preta, cinzenta muito escura ou marrom e com elevados teores de

Carbono.

No PEG, são fortemente ácidos e álicos, com baixa saturação por bases,

apresentando material orgânico constituído de fibras facilmente identificáveis como de

origem vegetal (fíbricos), na maior parte dos horizontes ou camadas, têm coloração

enegrecida. Ocorrem associados aos Neossolos Litólicos e aos afloramentos de rocha

principalmente nas áreas côncavas/convergentes das encostas. A vegetação é muito

característica, constituída predominantemente por Poaceae e Cyperaceae (e outras


9

famílias botânicas com elementos rasteiros), de entremeio aos campos úmidos formados,

sendo muito típicos dos charcos ou várzeas de toda região dos Campos Gerais.

d) Neossolos Litólicos – são constituídos por material mineral ou

orgânico pouco espesso, com pequena expressão dos processos pedogenéticos, em

conseqüência da baixa intensidade de atuação destes processos, que não conduziram,

ainda, a modificações expressivas do material originário, pela sua resistência ao

intemperismo ou composição química e de relevo, que podem impedir ou limitar a

evolução desses solos.

Na área do PEG, por serem derivados de rochas areníticas, naturalmente pobres

e pela intensa lixiviação, desenvolveram-se variedades álicas, com baixíssima reserva de

nutrientes e elevada acidez, com reduzida fertilidade natural. Predominam texturas

arenosas (franco-arenosa e areia), também resultantes do material de origem, fato que

aliado ao relevo ondulado a forte ondulado e até escarpado e à pequena espessura dos

perfis, torna-os de elevadíssima susceptibilidade à erosão. Esta classe de solos, juntamente

com os afloramentos de rocha, é a mais expressiva do parque, ocorrendo praticamente

toda a extensão da sua área nos campos secos, cerrados e nas florestas.

Trata-se da classe predominante associada a Organossolos e afloramentos de

rocha, e apresenta associados aos Cambissolos em áreas mais restritas. De uma forma

geral, os Neossolos Litólicos e os afloramentos de rocha distribuem-se sobre as encostas

convexas/divergentes e retilíneas do parque, enquanto os Organossolos, com inclusões de

Gleissolos, se inserem nas encostas convexas/côncavas convergentes.

Vegetação

O PEG é caracterizado por um mosaico de diferentes tipos vegetacionais que são

classificados, segundo Veloso et al. (1991), por: estepe gramíneo-lenhosa, savana

arborizada e floresta ombrófila mista.

Através de interpretação e restituição de fotografias aéreas e imagens de satélite

(composições coloridas) georreferenciadas e ainda, através de caminhamentos de campo

com GPS foi elaborado o mapa da vegetação do PEG (Fig. 2). Nota-se que a fisionomia

predominante é constituída de formações campestres (estepe gramíneo- lenhosa), porém

há ocorrência de uma área muito restrita de cerrado (savana arborizada). Esta cobertura
10

Fig. 2 – Mapa do uso de ocupação do solo do Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi, Paraná.
11

campestre predominante está associada a florestas (floresta ombrófila mista) que ocupam

posições distintas, localizando-se geralmente nas encostas, nos vales, acompanhando o rio

Iapó ou em formações denominadas capões.

Para o presente estudo, as fisionomias campestres foram subdivididas em:

campos limpos (secos), campos úmidos e campos com afloramentos rochosos. Além

dessas, caracterizam ainda a vegetação que ocorrem junto às formações rochosas, onde

crescem liquens e plantas rupícolas características. As formações campestres junto com os

afloramentos rochosos são predominantes e constituem 60,55% da área do parque (Fig. 2).

A fisionomia savânica (cerrado) tem localização restrita, formando quatro

pequenas manchas na parte noroeste do parque (Fig. 2), representando apenas 1,42%. No

entanto, encontram-se elementos esparsos ocorrendo junto às fisionomias campestres,

principalmente nas encostas.

A floresta de galeria apresenta-se margeando o rio Iapó, sendo que apenas a

esquerda pertence ao PEG. Estas faixas de floresta não têm uma regularidade em largura,

encontrando-se variações desde poucos metros até áreas que se estendem em grotas

chegando próximo ao topo da escarpa. As demais florestas aparecem em forma de capões

isolados de várias dimensões e extensões, ora retilíneas encaixadas em fundo de vales, ora

em formas arredondadas. Esta vegetação florestal fragmentada representa 36,34% da área

total do parque (Fig. 2).

Também são encontradas faixas que acompanham pequenos riachos, fora da área

de ocorrência dos capões, formando uma vegetação arbustiva e herbácea que sofrem

influência destes cursos d’ água com solos aluviais ou áreas rupícolas com expansão da

rocha que forma o lajeado.

A distribuição em mosaico destas fisionomias descritas anteriormente caracteriza

o PEG e é marcante em toda região dos Campos Gerais.

Porém, ambientes antropizados, ou seja, propriedade rural com áreas de

pastagens, antigo florestamento com Pinus spp. e aberturas da floresta com presença de

construções, também são encontrados dentro da área do PEG e representa um total de

1,68% (Fig. 2). Nestas áreas há ocorrência de espécies nativas remanescentes somadas

àquelas introduzidas ou invasoras.


12

Referências Bibliográficas

Behling, H. 1997. Late Quartenary vegetation, climate and fire history of the Araucaria

forest and campos region from Serra Campos Gerais, Paraná State (South Brazil).

Review of Palaeobotany and Palynology 97: 109-121.

Dias, M. C. Vieira, A. O. S.; Nakajima, J. N.; Pimenta, J. A. & Lobo, P. C. 1998. Composição

florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares do rio Iapó, na

bacia do rio Tibagi, PR. Revista Brasileira de Botânica 21(2): 183-195.

Diedrichs, L. A. 1995. O processo de criação do Parque Estadual do Guartelá. Monografia

de Especialização. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Hatschbach, G. & Moreira Filho, H. 1972. Catálogo florístico do Parque Estadual de Vila

Velha (Estado do Paraná- Brasil). Boletim da UFPR 28: 1-51.

IAP-Instituto Ambiental do Paraná. 2002. Plano de Manejo do Parque Estadual do

Guartelá. Curitiba.

Klein, R.M. & Hatschbach, G. 1970/71. Fitofisionomia e notas complementares sobre o

mapa fitogeográfico de Quero-Quero (Paraná). Boletim Paranaense de Geociências

28-29: 159-188.

Maack, R. 1948. Notas preliminares sobre clima, solo e vegetação do Estado do Paraná.

Arquivos de Biologia e Tecnologia 2: 102-200.

Maack, R. 1968. Geografia física do estado do Paraná. BADEP/UPFR/IBTP, Curitiba.

Maack, R. 1981. Geografia física do Estado do Paraná. Livraria José Olympio, Rio de

Janeiro.

Melo, M. S. 2000. Canyon Guartelá. In: Schobbenhaus, C. Campos, D. A.; Queiroz, E. T.;

Winge & M. Berbert-Born, M. (Ed.) Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil.

Disponível em: http://www.unb.br/ig/sigeb/sitio094/sitio094.htm.

Melo, M. S. & Meneguzzo, I. S. 2001. Patrimônio natural dos Campos Gerais do Paraná.

In: Ditzel, C. H. M.; Sahr, C. L. L. (org.). Espaço e Cultura – Ponta Grossa e os Campos

Gerais. Editora UEPG, Ponta Grossa.


13

Moro, R. S. 2001. A vegetação dos Campos Gerais da escarpa Devoniana. In: Ditzel, C. H.

M.; Sahr, C. L. L. (org.). Espaço e Cultura – Ponta Grossa e os Campos Gerais. Editora

UEPG, Ponta Grossa.

Moro, R. S.; Rocha, C. H.; Takeda, I. J.M. & Kaczmarech, R. 1996. Análise da vegetação

nativa da Bacia do Rio São Jorge. Publicatio 2 (1): 33-56.

Moro, R. S.; Schmitt, J. & Diedrichs, L. A. 2001. Estrutura de um fragmento da mata ciliar

do Rio Cará-Cará, Ponta Grossa, PR. Publicatio 7(1): 19-38.

Moro, R. S.; Carmo, M. R. B. do & Tardivo, R. C. 2003. A vegetação dos Campos Gerais do

Paraná junto a Escarpa Devoniana: subsídios para o zonemanto da APA. CD Room.

In: Anais do 7° Encontro Regional de Botânicos do Paraná e Santa Catarina, Ponta

Grossa.

Nakajima, J. N.; Soares-Silva, L. H. & Medri, M. E. 1996. Composição florística e

fitossociológica do componente arbóreo das florestas ripárias da bacia do Rio Tibagi.

5. Fazenda Monte Alegre, município de Telêmaco Borba, Paraná. Arquivos de

Biologia e Tecnologia 39(4): 933-948.

Oliveira, E.A. de. 2001. Caracterização florística, fitossociológica e pedológica de um

trecho de floresta ripária dos Campos Gerais do Paraná. Dissertação de Mestrado.

Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Ramos, F. M. 2003. Comparação da estrutura da vegetação em interior e borda de um

capão de Floresta Ombrófila Mista, Parque Estadual de Vila Velha, Paraná.

Monografia de Graduação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Rocha, C. H. 1995. Ecologia da paisagem e manejo sustentável em bacias hidrográficas:

estudos do Rio São Jorge nos Campos Gerais do Paraná. Dissertação de Mestrado.

Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Souza, M. K. F. 2001. Florística e fitossociologia do estrato arbóreo-arbustivo de

diferentes compartimentos em ambiente fluvial no município de Jaguariaíva, PR.

Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Takeda, I. J. M.; Moro, R. S. & Kaczmarech, R. 1996. Análise florística de um encrave de

cerrado no Parque do Guartelá, Tibagi, PR. Publicatio 2(1): 21-31.


14

UEPG-Universidade Estadual De Ponta Grossa. 2003. Caracterização do Patrimônio

Natural dos Campos Gerais do Paraná. Projeto financiado pela Fundação Arucária e

CNPq. Ponta Grossa. (Relatório final).

Uhlmann, A.; Curcio, G. R.; Galvão, F. & Silva, S. M. 1997. Relações entre a distribuição de

categorias fitofisionômicas e padrões geomórficos e pedológicos em uma área de

savana (cerrado) no estado do Paraná, Brasil. Arquivos de Biologia e Tecnologia 40

(2): 473-483.

Uhlmann, A.; Galvão, F. & Silva, S. M. 1998. Análise da estrutura de duas unidades

fitofisionômicas de savana (cerrado) no sul do Brasil. Acta Botânica Brasílica 12 (3):

231-247.

Uhlmann, A. 2003. Análise estrutural de duas áreas de vegetação savânica (cerrado) sob

influência de gradientes ambientais complexos. Tese de Doutorado. Universidade

Estadual de Campinas, Campinas.

Vargas, L. A. 1992. Estudos fitossociológicos de duas áreas no Parque Ecológico,

Telêmaco Borba, Paraná, Brasil. Monografia de Graduação. Pontifícia Universidade

Católica do Paraná, Curitiba.

Veloso, H. P.; Rangel Filho, A. L. R. & Lima, J. C. A. 1991. Classificação da vegetação

brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE – DERMA, Rio de Janeiro.

Ziller, S. R. & Hatschbach, G. 1996. As formações vegetais do Parque Estadual do

Guartelá, Tibagi, PR. SEMA/IAP, Curitiba. (texto digitado).


15

Capítulo 1

Fitossociologia das Fisionomias Campestres do Parque Estadual


do Guartelá, Município de Tibagi, Estado do Paraná
16

Introdução

Estima-se que aproximadamente 40% da região Sul do Brasil era

ocupada por formações campestres e pioneiras (Leite & Klein 1990). Nesta

região destaca-se a porção centro-sul do Rio Grande do Sul, com os chamados

pampas ou ʺCampanha Gaúcha”, os demais são campos associados às Florestas

Ombrófilas Mistas, estando distribuídos nos estados de Santa Catarina, Paraná

e porção Norte-Nordeste do Rio Grande do Sul.

Os campos, apesar de aparentar uma fisionomia homogênea,

apresentam diferentes zonações ditadas pelas variações na abundância e

freqüência das espécies que habitam diversos substratos (Klein & Hatschbach

1971).

O pisoteio pelo gado, ação do fogo, substituição para agricultura e

silvicultura são as causas, citadas por muitos autores, da redução dos campos

naturais. Estes fatores vêm aumentando a cada dia, e mesmo assim, as

formações campestres têm despertado pouco interesse por parte das

instituições ligadas ao estabelecimento das políticas e ações conservacionistas,

perdendo espaço no cenário ambientalista para as florestais (BDT 2003; Oliveira

2002).

Recentemente, a Fundación Vida Silveste Argentina, com apoio da J. M.

Kaplan Fund em colaboração com pesquisadores da Argentina, Uruguai e Sul

do Brasil apontaram as Áreas Valiosas de Pastizales (AVPs), sendo este o

primeiro passo para uma estratégia internacional para a conservação desta

ecorregião (Bilenca & Miñarro 2004). Para a região Sul brasileira, além dos

Pampas, incluiu-se também os campos planálticos, onde foram listadas um total

de 12 AVPs, sendo que destas, cinco encontram-se no estado do Paraná.

São poucos os trabalhos publicados que foram realizados em vegetação

campestre no território paranaense, podendo citar os de Klein & Hatschbach


17

(1971), Hatschbach & Moreira Filho (1972), Dombrowski & Kuniyoshi (1972),

Moro et al. (1996) e Cervi et al. (2003), os quais incluem levantamentos florísticos

genéricos, muitos destes associados à paisagem florestal. Informação sobre a

estrutura de comunidades é encontrada apenas no trabalho de Langhor (1992).

Portanto, há necessidade de mais estudos, tendo em vista a carência de

uma avaliação mais consistente, principalmente sobre estrutura e dinâmica

destas formações.

Assim, o objetivo deste estudo foi obter informações florística e

fitossociológicas a respeito das fisionomias campestres do Parque Estadual do

Guartelá (PEG), inserido em uma das AVPs (Campos Gerais Norte), visando

contribuir para o entendimento dessas formações, fornecendo dados

importantes para subsídios de programas de manejo, além de evidenciar ainda

mais a importância de sua preservação. Especificamente, o trabalho constou de

análises comparativas entre as diferentes fisionomias campestres encontradas

no referido parque e também com outros estudos, buscando discutir relações

florísticas deste bioma tão pouco conhecido.

Material e Métodos

Caracterização da Área de Estudo (vide página 4)

Coleta e Análise de Dados

Para o levantamento fitossociológico foram escolhidas diferentes

localidades no parque, abrangendo fisionomias campestres distintas e

alocando-se parcelas de 1X1m de maneira sistematizada, sempre duas a duas

com espaçamento de 20m entre elas, obedecendo a seguinte distribuição:


18

- 30 parcelas ao longo de dois transectos em diferentes locais, porém

com fisionomias muito semelhantes, ocorrentes em solos rasos bem drenados,

caracterizando os campos limpos (secos);

- 30 parcelas em três transectos em ambiente com afloramento de

rocha com o desenvolvimento da vegetação em fendas com acúmulo mínimo de

solo, ambiente denominado de campo com afloramentos rochosos;

- 30 parcelas estabelecidas em três transectos distribuídos em

ambientes saturados com água, porém com considerável variação, desde pouco

úmidos até encharcados ou brejosos, os quais foram em conjunto tratados de

campos úmidos.

Todas as espécies vasculares presentes dentro de cada parcela foram

amostradas, sendo demarcadas com plaquetas numeradas e tomadas medidas

de altura do indivíduo maior.

Os descritores quantitativos, avaliados tanto para espécie como para

família, são descritos a seguir (Daubenmire, 1968; Boldrini & Miotto, 1987):

- Presença (Pi) = número de amostras em que a espécie ocorre

- Freqüência Absoluta (FA) = Pi /Pt x 100, onde Pt é o nº total de

amostras

- Freqüência Relativa (FR) = FAi/ FAt x 100, onde FAi – freqüência

absoluta da espécie i e FAt – freqüência absoluta de todas as espécies

- Cobertura (C) – foi atribuído um grau para cada espécie dentro de

cada unidade amostral, segundo a escala de Daubenmire (1968): 1 (0 -

5%), 2 (5 – 25%), 3 (25 – 50%), 4 (50- 75%), 5 (75 – 95%), 6 (95 – 100%).

Solos descobertos e afloramentos rochosos não tiveram sua cobertura

estimada dentro da parcela.

- Cobertura Relativa (CR) = Ci/Ct x 100, onde Ci – cobertura total da

espécie i e Ct – cobertura de todas as espécies


19

- Somatória dos graus de Cobertura (ΣCi)= soma dos graus de

cobertura relativa da espécie i, segundo a escala de Daubenmeire

(1968)

- Valor de Importância (VI) = FR + CR

A similaridade entre as fisionomias campestres estudadas foi avaliada

através do índice de Sorensen (Mueller-Dombois & Ellenberg 1974), com a

seguinte fórmula:

S= (2C / A+B) x 100 onde C= espécies comuns às áreas A e B

A= total de espécies da área A

B= total de espécies da área B

Resultados e Discussão

Nas extensas áreas campestres do PEG, observa-se uma marcante

variação de sua fisionomia. O campo limpo apresenta-se com uma densa

cobertura graminosa, entremeada a ervas e subarbustos de composição variada.

Os campos úmidos são localizados em estreitas faixas formando mosaicos em

meio às demais fitofisionomias do PEG, variando de uma cobertura graminosa

densa e alta com ocorrência de ervas baixas, até uma cobertura “mais rala”, com

presença ocasional de arbustos. Os campos com afloramentos rochosos formam

a fisionomia predominante e a vegetação é restrita às fendas, onde há acúmulo

da decomposição do arenito. Formam uma cobertura graminosa rala com

presença de ervas e subarbustos; no entanto, são encontrados ocasionalmente

arbustos e formas arbóreas anãs. Ainda, os afloramentos de rochas podem estar

localizados em depressões, formando uma superfície umedecida, com cobertura

vegetal típica de ambientes mais úmidos.


20

No levantamento das três fisionomias foi encontrado um total de 150

espécies, com ocorrência de 80 em campo limpo, 71 em campo úmido e 57 em

campo com afloramentos rochosos. Levantamentos fitossociológicos em áreas

campestres no Sul do Brasil têm registrado uma grande variação nos resultados

a respeito da riqueza florística, influenciada pelos fatores abióticos, grau de

substituição e alteração da vegetação, gradientes hídricos e, ainda, os diferentes

métodos empregados em cada estudo. Contudo, os valores encontrados no

presente estudo mostram-se acima daqueles citados por: Langhor (1992) - 59

espécies para o campo limpo também na região dos Campos Gerais (PR);

Heringer & Jacques (2002) – variação de 38 a 57 espécies em áreas submetidas à

queima e manejo na região dos Campos de Cima da Serra (RS) e Quadros et al.

(2003) - 61 espécies em quatro localidades de pastagens naturais na região de

Santa Maria (RS); Boldrini & Miotto (1987) - 112 espécies em campo limpo que

já foi mantida como pastagem, no município de Guaíba (RS); Garcia & Boldrini

(1999) – 121 espécies em campo modificado da Depressão Central, município de

Eldorado do Sul (RS).

Foram comuns às três fisionomias dez espécies: Rhynchospora globosa

(Kunth) Roem. & Schult., R. tenuis Link, Lagenocarpus rigidus (Kunth) Roem. &

Schult., Andropogon leucostachys Kunth, Poaceae sp. 11, Eupatorium multifidum

DC., Borreria poaya (A. St-Hil) DC., Paspalum sp., Doryopteris pedata (L.) Fée e

Sisyrinchium vaginatum Spreng. Klein & Hatschbach (1971), ao descreverem as

fitofisionomias da região dos Campos Gerais, notaram que muitas espécies

campestres parecem ser indiferentes quanto às características do substrato,

incluindo também a umidade do solo. Neste estudo, estas espécies citadas

acima, representam 6,6% do total amostradas.

De um modo geral, nota-se que são poucas as espécies com alta

freqüência (Tabs. 1, 2, e 3) caracterizando a paisagem. Contudo, nas três

fisionomias campestres, as espécies que ocorreram em uma única unidade


21

amostral somaram valores próximos, um pouco acima dos 40%, sugerindo uma

heterogeneidade alta ao longo dos microambientes. Langohr (1992), através da

metodologia de pontos, também encontrou esta característica em uma área de

campo limpo no município de Balsa Nova (PR), região dos Campos Gerais,

onde há predomínio de poucas espécies, porém a vegetação é bastante variada e

complexa. Estes dados vêm confirmar as observações de Klein & Hatschbach

(1971) sobre a diversidade de zonações presentes nestas fitofisionomias, apesar

da aparente homogeneidade dada pela observação das formas graminosas

dominantes.

Dessa forma, a similaridade entre as três fisionomias se mostrou

relativamente baixa. O maior valor encontrado para o Índice de Sorensen foi de

36,2% entre campo limpo e o campo com afloramentos rochosos. Este resultado

se explica pelas características ambientais destas duas fisionomias que são as

mais próximas, inclusive com presença ocasional de afloramentos de rocha em

meio à área coberta com campo limpo, representando a mínima profundidade

dos solos nestes locais. O campo limpo e campo úmido obtiveram uma

similaridade de 28,95%, sendo que o menor valor foi de 17,19% entre o campo

com afloramentos rochosos e o úmido, já que representam os extremos em

relação às condições hídricas, composição do substrato e as características

adaptativas das plantas a estas condições limitantes. No entanto, 11 espécies se

mostraram indiferentes a tais variações, ocorrendo nestas duas fisionomias. Isto

se deve ao fato dos afloramentos apresentar locais com acumulação de água

estando presentes àquelas espécies típicas dos campos úmidos. Esta

característica é notável na região dos Campos Gerais (Moro et al. 2003), pois se

observa a presença de variados e freqüentes microsítios, dado às condições

topográficas que favorecem ou não o escoamento da água.

As medidas de altura máxima revelaram uma variação de poucos

centímetros até indivíduos que alcançaram valores acima de 1,80m. Para os


22

campos úmidos e rochosos, a média de altura máxima foi em torno de 44 cm,

porém o campo limpo se mostrou um pouco mais baixo, 39 cm.

Para o campo limpo (Tab. 1), Eupatorium multifidum obteve o maior

valor de importância relativa (VI), ocorrendo em 29 das 30 parcelas estudadas,

conferindo uma alta freqüência. Rhynchospora globosa seguida de Paspalum sp.,

Poaceae sp.16, Tibouchina gracilis (Bonpl.) Cogn., Croton sp., Poaceae sp. 21,

Poaceae sp. 14, Paepalanthus albo-vaginatum Silveira e Eupatorium sanctopaulense

B.L.Rob. obtiveram os maiores valores de freqüência e cobertura. Os índices

destas espécies, somados à E. multifidum, detêm 51,6% do VI total e representam

uma cobertura relativa (CR) de 54,6%, mostrando o predomínio destas na

composição dos campos limpos.

Nos campos úmidos (Tab. 2), a espécie mais importante foi Lagenocarpus

rigidus, apresentando um alto valor de cobertura (CR=12,36%). Destacaram-se

ainda Paspalum cordatum Hack., Rhynchospora globosa, Xyris sp. 4, Lavoisiera

pulchella Cham., Leiothrix flavescens (Bong.) Ruhland, Rhynchospora tenuis,

Andropogon leucostachys, Digitaria sp. e Paspalum sp. Estas dez espécies

representam 47,9% do VI total. Exclusivamente nesta fisionomia ocorrem

espécies do gênero Xyris, visto tratar-se da seletividade deste grupo aos

ambientes brejosos, neste levantamento foram encontradas sete espécies (Tab.

2). Segundo Klein & Hatschbach (1971) a fisionomia dos campos úmidos é

marcada por uma grande variação em virtude das oscilações das condições dos

diferentes habitats, esta observação foi notória nos locais estudados no parque,

já que 42,2% das espécies tiveram ocorrência em apenas uma unidade amostral.

Em comparação com as áreas de campos citados anteriormente,

encontrou-se um menor número de espécies nos campos com afloramentos

rochosos (Tab. 3).


23

Tabela 1 – Relação das espécies amostradas em campo limpo com os respectivos


parâmetros, Parque Estadual do Guartelá, Tibagi-PR. .n- nº de amostras que a espécie
ocorre; FA – freqüência absoluta; FR – freqüência relativa; ∑C – somatário dos graus de
cobertura; CR – cobertura relativa; VI – importância relativa.* Para os autores das
espécies ver capítulo 4.
Famílias Lista de espécies* n FA FR ∑C CR VI
Asteraceae Eupatorium multifidum 29 96,7 10,21 41 9,65 19,86
Cyperaceae Rhynchospora globosa 19 63,3 6,69 44 10,35 17,04
Poaceae Paspalum sp. 21 70,0 7,39 39 9,18 16,57
Poaceae Poaceae sp. 16 10 33,3 3,52 20 4,71 8,23
Melastomataceae Tibouchina gracilis 13 43,3 4,58 13 3,06 7,64
Euphorbiaceae Croton sp. 12 40,0 4,23 14 3,29 7,52
Poaceae Poaceae sp. 21 6 20,0 2,11 22 5,18 7,29
Poaceae Poaceae sp. 14 9 30,0 3,17 17 4,00 7,17
Eriocaulaceae Paepalanthus albo-vaginatum 10 33,3 3,52 12 2,82 6,34
Asteraceae Eupatorium sanctopaulense 10 33,3 3,52 11 2,59 6,11
Rubiaceae Borreria poaya 8 26,7 2,82 8 1,88 4,70
Poaceae Poaceae sp. 8 6 20,0 2,11 8 1,88 4,00
Cyperaceae Rhynchospora tenuis 6 20,0 2,11 8 1,88 4,00
Asteraceae Vernonia aff nudiflora 6 20,0 2,11 8 1,88 4,00
Asteraceae Eupatorium kleinii 6 20,0 2,11 6 1,41 3,52
Cyperaceae Eleocharis sp. 2 6,7 0,70 10 2,35 3,06
Polygalaceae Polygala sp. 5 16,7 1,76 5 1,18 2,94
Poaceae Poaceae sp. 7 3 10,0 1,06 7 1,65 2,70
Asteraceae Eupatorium aff. kleinioides 4 13,3 1,41 5 1,18 2,58
Fabaceae Periandra mediterranea 4 13,3 1,41 5 1,18 2,58
Poaceae Poaceae sp. 17 4 13,3 1,41 4 0,94 2,35
Cyperaceae Lagenocarpus rigidus 3 10,0 1,06 4 0,94 2,00
Poaceae Poaceae sp. 22 3 10,0 1,06 4 0,94 2,00
Poaceae Poaceae sp. 9 2 6,7 0,70 5 1,18 1,88
Asteraceae Chaptalia graminifolia 3 10,0 1,06 3 0,71 1,76
Iridaceae Sisyrinchium sp. 1 3 10,0 1,06 3 0,71 1,76
Melastomataceae Lavoisiera phyllocalycina 3 10,0 1,06 3 0,71 1,76
Melastomataceae Melastomatace sp. 3 3 10,0 1,06 3 0,71 1,76
Rubiaceae Rubiaceae sp. 1 3 10,0 1,06 3 0,71 1,76
Verbenaceae Verbena sp. 3 10,0 1,06 3 0,71 1,76
Malpighiaceae Byrsonima sp. 2 6,7 0,70 4 0,94 1,65
Asteraceae Asteraceae sp. 2 2 6,7 0,70 3 0,71 1,41
Poaceae Poaceae sp. 23 2 6,7 0,70 3 0,71 1,41
Melastomataceae Chaestostoma pungens 2 6,7 0,70 3 0,71 1,41
Indeterminada Indeterminada sp. 8 2 6,7 0,70 3 0,71 1,41
Poaceae Poaceae sp. 20 2 6,7 0,70 3 0,71 1,41
Poaceae Poaceae sp. 24 1 3,3 0,35 4 0,94 1,29
Indeterminada Indeterminada sp. 3 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Melastomataceae Acisanthera variabilis 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Rubiaceae Borreria cf. paulista 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Poaceae Poaceae sp. 25 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Asteraceae Inulopsis scaposa 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Lamiaceae Hypenia macrantha 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Fabaceae Eriosema heterophyllum 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
24

Tab. 1 (continua)

Melastomataceae Lavoisiera pulchella 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17


Melastomataceae Melastomataceae sp. 4 2 6,7 0,70 2 0,47 1,17
Poaceae Andropogon leucostachys 1 3,3 0,35 3 0,71 1,06
Myrtaceae Myrciaria cuspidata 1 3,3 0,35 3 0,71 1,06
Poaceae Panicum sp. 2 1 3,3 0,35 3 0,71 1,06
Poaceae Paspalum cordatum 1 3,3 0,35 3 0,71 1,06
Poaceae Andropogon bicornis 1 3,3 0,35 2 0,47 0,82
Melastomataceae Leandra simplicicaulis 1 3,3 0,35 2 0,47 0,82
Fabaceae Mimosa lanata 1 3,3 0,35 2 0,47 0,82
Poaceae Poaceae sp. 2 1 3,3 0,35 2 0,47 0,82
Asteraceae Asteraceae sp. 1 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Asteraceae Calea parviflora 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Solanaceae Calibrachoa cf ericifolia 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 26 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Fabaceae Chamaecrista ramosa 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Indeterminada Indeterminada sp. 2 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Pteridaceae Doryopteris pedata 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Asteraceae Eupatorium trichobasis 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Asteraceae Gnaphalium cheiranthifolium 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 29 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Indeterminada Indeterminada sp. 1 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Fabaceae Mimosa gymnas 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poacea sp. 16 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 1 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 10 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 11 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 13 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 19 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 3 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 4 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Poaceae Poaceae sp. 6 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Asteraceae Richterago radiata 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Iridaceae Sisyrinchium vaginatum 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Melastomataceae Trembleya parviflora 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Asteraceae Vernonia megapotamica 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59
Asteraceae Vernonia cuneifólia 1 3,3 0,35 1 0,24 0,59

Esta característica é explicada, em parte, pela restrita cobertura vegetal

presente ao longo dos afloramentos do arenito. Giulietti et al. (1987) relataram a

grande afinidade de gêneros entre as floras do cerrado e do campo rupestre no

Sudeste do Brasil. Na área do presente estudo esta proximidade está

representada principalmente pelas famílias Fabaceae e Vochysiaceae.


25

Com o maior valor de freqüência, Periandra mediterranea (Vell.) Taub. foi

a mais importante nos campos com afloramentos rochosos, sendo apontada

como espécie resistente à falta de água no substrato (Silva et al. 1996),

característica que explica a sua abundância nos ambientes rupícolas do parque.

Tal espécie apresenta uma ampla ocorrência geográfica, estando

presente em áreas de vegetação rupestre na Amazônia-PA (Silva et al. 1996), na

Chapada Diamantina-BA (Conceição & Giulietti 2002) e Morro do Chapéu-MG

(Andrade et al. 1986); no entanto, tem seu limite meridional de distribuição nas

áreas de fragmentos de cerrado do Paraná (Miotto & Waechter 2003), o qual

inclui o PEG.

Também merece destaque a espécie Rhynchospora globosa, obtendo a

maior cobertura, o que garantiu a 2º posição em VI. Nota-se que esta espécie

encontra-se entre as mais importantes nas diferentes zonações dos campos

amostrados no PEG, sendo a mais freqüente (46 parcelas) e que apresenta o

maior valor de cobertura (∑C =107). É também uma espécie de grande

amplitude geográfica, representada desde a região mesoamericana (Mobot

2005), sendo que no Brasil, ocorre até Santa Catarina (Araújo, 2003). Uma

característica peculiar encontrada nos campos com afloramentos rochosos foi a

presença de Dyckia tuberosa (Vell.) Beer, que formam densas rosetas sobre os

afloramentos, por tratar-se de uma espécie rupícola.

As famílias com as maiores riquezas em espécies encontradas neste

estudo (Fig. 1) são as mesmas que caracterizam as áreas campestres brasileiras

(Hatschbach & Moreira filho 1972; Bastos 1984; Giulietti et al. 1987;
26

Tabela 2 – Relação das espécies amostradas em campo úmido com seus respectivos
parâmetros, Parque Estadual do Guartelá, Tibagi-PR. .n- nº de amostras que a espécie
ocorre; FA – freqüência absoluta; FR – freqüência relativa; ∑C – somatário dos graus de
cobertura; CR – cobertura relativa; VI – importância relativa. * Para os autores das
espécies ver capítulo 4

Famílias Lista de espécies* n FA FR ∑C CR VI


Cyperaceae Lagenocarpus rigidus 14 46,67 6,73 43 12,36 19,09
Poaceae Paspalum cordatum Hack. 11 36,67 5,29 30 8,62 13,91
Cyperaceae Rhynchospora globosa 10 33,33 4,81 16 4,60 9,41
Xyridaceae Xyris sp. 4 8 26,67 3,85 18 5,17 9,02
Melastomataceae Lavoisiera pulchella 11 36,67 5,29 13 3,74 9,02
Eriocaulaceae Leiothrix flavescens 8 26,67 3,85 17 4,89 8,73
Cyperaceae Rhynchospora tenuis 9 30,00 4,33 14 4,02 8,35
Poaceae Andropogon leucostachys 6 20,00 2,88 13 3,74 6,62
Poaceae Digitaria sp. 5 16,67 2,4 12 3,45 5,85
Poaceae Paspalum sp. 6 20,00 2,88 10 2,87 5,76
Poaceae Poaceae sp. 10 5 16,67 2,4 11 3,16 5,56
Poaceae Poaceae sp. 12 4 13,33 1,92 11 3,16 5,08
Poaceae Andropogon bicornis 5 16,67 2,4 6 1,72 4,13
Asteraceae Eupatorium betonicaeforme 5 16,67 2,4 5 1,44 3,84
Poaceae Panicum sp. 1 4 13,33 1,92 6 1,72 3,65
Lamiaceae Hyptis sinuate 4 13,33 1,92 4 1,15 3,07
Melastomataceae Tibouchina gracilis 4 13,33 1,92 4 1,15 3,07
Poaceae Poaceae sp. 15 3 10,00 1,44 5 1,44 2,88
Tectariaceae Ctenitis submarginalis 3 10,00 1,44 4 1,15 2,59
Lycopodiaceae Lycopodiella camporum 3 10,00 1,44 4 1,15 2,59
Poaceae Poaceae sp. 16 3 10,00 1,44 4 1,15 2,59
Xyridaceae Xyris sp. 5 3 10,00 1,44 4 1,15 2,59
Asteraceae Baccharis trimera 3 10,00 1,44 3 0,86 2,30
Eriocaulaceae Eriocaulon sp. 3 10,00 1,44 3 0,86 2,30
Asteraceae Eupatorium multifidum 3 10,00 1,44 3 0,86 2,30
Cyperaceae Rhynchospora velutina 3 10,00 1,44 3 0,86 2,30
Xyridaceae Xyris sp. 6 3 10,00 1,44 3 0,86 2,30
Xyridaceae Xyris sp. 1 3 10,00 1,44 3 0,86 2,30
Poaceae Poaceae sp. 27 2 6,67 0,96 4 1,15 2,11
Cyperaceae Cyperaceae sp. 1 2 6,67 0,96 4 1,15 2,11
Cyperaceae Cyperaceae sp. 4 2 6,67 0,96 3 0,86 1,82
Cyperaceae Eleocharis sp. 2 6,67 0,96 3 0,86 1,82
Araliaceae Hydrocoltyle sp. 2 6,67 0,96 3 0,86 1,82
Poaceae Poaceae sp. 19 2 6,67 0,96 3 0,86 1,82
Xyridaceae Xyris sp. 7 2 6,67 0,96 3 0,86 1,82
Melastomataceae Acisanthera variabilis 2 6,67 0,96 2 0,57 1,54
Rubiaceae Borreria poaya 2 6,67 0,96 2 0,57 1,54
Melastomataceae Lavoisiera phyllocalycina 2 6,67 0,96 2 0,57 1,54
Indeterminada Indeterminada sp. 6 2 6,67 0,96 2 0,57 1,54
Eriocaulaceae Sigonanthus nitens 2 6,67 0,96 2 0,57 1,54
Xyridaceae Xyris sp. 3 2 6,67 0,96 2 0,57 1,54
Indeterminada Indeterminada sp. 4 1 3,33 0,48 3 0,86 1,34
Cyperaceae Cyperaceae sp. 3 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
27

Tab. 2 (continua)

Eriocaulaceae Paepalanthus paulensis 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06


Lamiaceae Lamiaceae sp. 1 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Poaceae Otachyrium versicolor 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Poaceae Eriochrysis cayennensis 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Poaceae Poaceae sp. 21 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Poaceae Poaceae sp. 9 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Cyperaceae Scleria hirtella 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Eriocaulaceae Sigonanthus nitens 1 3,33 0,48 2 0,57 1,06
Asteraceae Achyrocline satureoides 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Poaceae Briza calotheca 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Rubiaceae Coccocypselum sp. 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Indeterminada Indeterminada sp. 5 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Lythraceae Cuphea linarioides 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Pteridaceae Doryopteris pedata 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Asteraceae Eupatorium palmare 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Asteraceae Gnaphalium cheiranthifolium 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Melastomataceae Leandra simplicicaulis 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Melastomataceae Melastomataceae sp. 1 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Melastomataceae Melastomataceae sp. 2 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Asteraceae Baccharis semiserrata 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Poaceae Danthonia secundiflora 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Poaceae Poaceae sp. 11 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Poaceae Poaceae sp. 5 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Cyperaceae Rhynchospora sp. 1 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Selaginellaceae Selaginella sp. 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Iridaceae Sisyrinchium vaginatum 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Melastomataceae Trembleya parviflora 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77
Xyridaceae Xyris sp. 2 1 3,33 0,48 1 0,29 0,77

Girardi- Deiro et al. 1992; Conceição & Giulietti 2002; Tannus & Assis 2004).

Poaceae foi a família com o maior número de espécies para as fisionomias

campo limpo e campo úmido, sendo que para o campo com afloramentos

rochosos Asteraceae superou em número as Poaceae. Nota-se que a maior

riqueza em espécies de Cyperaceae encontra-se nos campos úmidos (Fig. 1),

dado a sua adaptação em áreas alagáveis.

Oito famílias são comuns em todas as fisionomias: Poaceae, Asteraceae,

Cyperaceae, Melastomataceae, Rubiaceae, Iridaceae, Lamiaceae e Pteridaceae.

Por outro lado, são exclusivas do campo limpo as famílias Malpighiaceae,

Verbenaceae e Polygalaceae; do campo úmido Xyridaceae, Lythraceae e


28

Tabela 3 – Relação das espécies amostradas em campo com afloramentos rochoso com
seus respectivos parâmetros, Parque Estadual do Guartelá, Tibagi-PR. .n- nº de
amostras que a espécie ocorre; FA – freqüência absoluta; FR – freqüência relativa; ∑C –
somatário dos graus de cobertura; CR – cobertura relativa; VI – importância relativa. *
Para os autores das espécies ver capítulo 4
Famílias Lista de espécies* n FA FR ∑C CR VI
Fabaceae Periandra mediterranea. 26 86,67 11,93 44 14,01 25,94
Cyperaceae Rhynchospora globosa 17 56,67 7,80 47 14,97 22,77
Poaceae Axonopus siccus 12 40,00 5,50 28 8,92 14,42
Euphorbiaceae Croton dusenii 14 46,67 6,42 15 4,78 11,20
Asteraceae Calea parviflora. 9 30,00 4,13 9 2,87 6,99
Rubiaceae Borreria cf. paulista 9 30,00 4,13 9 2,87 6,99
Poaceae Poaceae sp. 18 8 26,67 3,67 8 2,55 6,22
Fabaceae Mimosa gymnas 7 23,33 3,21 9 2,87 6,08
Poaceae Andropogon leucostachys 5 16,67 2,29 11 3,50 5,80
Asteraceae Vernonia mollissima 7 23,33 3,21 7 2,23 5,44
Cyperaceae Lagenocarpus rigidus 6 20,00 2,75 8 2,55 5,30
Asteraceae Eupatorium multifidum 6 20,00 2,75 7 2,23 4,98
Asteraceae Eupatorium kleinii 6 20,00 2,75 7 2,23 4,98
Melastomataceae Tibouchina sp. 5 16,67 2,29 6 1,91 4,20
Fabaceae Mimosa sp. 5 16,67 2,29 5 1,59 3,89
Rubiaceae Borreria poaya 5 16,67 2,29 5 1,59 3,89
Iridaceae Sisyrinchium vaginatum 4 13,33 1,83 4 1,27 3,11
Asteraceae Richterago radiata 4 13,33 1,83 4 1,27 3,11
Fabaceae Mimosa lanata 4 13,33 1,83 4 1,27 3,11
Asteraceae Eupatorium sanctopaulense 4 13,33 1,83 4 1,27 3,11
Melastomataceae Tibouchina albicans 3 10,00 1,38 5 1,59 2,97
Poaceae Poaceae sp. 16 3 10,00 1,38 4 1,27 2,65
Poaceae Paspalum sp. 3 10,00 1,38 4 1,27 2,65
Asteraceae Symphyopappus cuneatus 3 10,00 1,38 4 1,27 2,65
Poaceae Poaceae sp. 20 2 6,67 0,92 4 1,27 2,19
Cyperaceae Rhynchospora tenuis 2 6,67 0,92 3 0,96 1,87
Vochysiaceae Qualea cordata 2 6,67 0,92 3 0,96 1,87
Solanaceae Calibrachoa sp. 2 6,67 0,92 3 0,96 1,87
Rubiaceae Alibertia concolor 2 6,67 0,92 3 0,96 1,87
Asteraceae Vernonia mepotamica 2 6,67 0,92 2 0,64 1,55
Poaceae Poaceae sp. 8 2 6,67 0,92 2 0,64 1,55
Fabaceae Chamaecrista ramosa 2 6,67 0,92 2 0,64 1,55
Melastomataceae Chaestostoma pungens 2 6,67 0,92 2 0,64 1,55
Solanaceae Calibrachoa cf. ericifolia 2 6,67 0,92 2 0,64 1,55
Asteraceae Gochnatia argyrea 1 3,33 0,46 3 0,96 1,41
Melastomataceae Tibouchina hatschbachii 1 3,33 0,46 2 0,64 1,10
Myrtaceae Myrcia breviramis 1 3,33 0,46 2 0,64 1,10
Fabaceae Mimosa micropteris 1 3,33 0,46 2 0,64 1,10
Melastomataceae Leandra regnelli 1 3,33 0,46 2 0,64 1,10
Bromeliaceae Dyckia tuberosa 1 3,33 0,46 2 0,64 1,10
Asteraceae Asteraceae sp. 1 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Asteraceae Vernonia cf. cataractarum 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Poaceae Setaria sp. 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Poaceae Poaceae sp. 6 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
29

Tab. 3 (continua)

Poaceae Poaceae sp. 11 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78


Asteraceae Piptocarpha sp. 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Poaceae Panicum sp. 1 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Myrtaceae Myrcia venulosa 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Melastomataceae Miconia ligutraides 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Lamiaceae Eriope tumidicualis 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Apocynaceae Ditassa sp. 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Pteridaceae Doryopteris pedata 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Cyperaceae Cyperaceae sp. 2 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Indeterminada Indeterminada sp. 7 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Asteraceae Chaptalia sp. 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Fabaceae Chamaecrista desvauxii 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78
Poaceae Poaceae sp. 28 1 3,33 0,46 1 0,32 0,78

Araliaceae e ainda as famílias de pteridófitas: Lycopodiaceae, Selaginellaceae e

Tectaraceae. As famílias Apocynaceae, Vochysiaceae e Bromeliaceae ocorreram

apenas no campo com afloramentos rochosos.

Poaceae foi a família mais freqüente do levantamento ocorrendo em

91% das 90 parcelas analisadas. No entanto, nota-se uma menor distribuição de

suas espécies nos campos rochosos, em relação às outras duas fisionomias. Com

77% de ocorrência, Cyperaceae foi a segunda família mais freqüente,

representada principalmente nos campos úmidos. Em seguida, tem-se que

Asteraceae está distribuída em 72% de todas as amostras, porém com

ocorrência de 100% nos campos limpos.

Melastomataceae com 52% e Fabaceae com 41% completam as famílias

de maior ocorrência no levantamento. Fabaceae obteve alta freqüência nos

campos com afloramentos rochosos, porém esteve ausente nos campos úmidos

(Fig. 1).

Estas cinco famílias são apontadas como as mais ricas em número de

indivíduos em estudos realizados em vegetação campestre no sul do Brasil

(Klein & Hatschbach 1971; Hatschbach & Moreira Filho 1972; Buselato & Bueno

1981; Boldrini & Miotto 1987; Langhor 1992; Giradi-Deiro et al. 1992; Moro et

al. 1996; Quadros et al. 2003), caracterizando a marcante


30

35
30
nº de espécies 25
20
15
10
5
0
Cyperaceae

Fabaceae

Rubiaceae
Poaceae

Eriocaulaceae

Xyridaceae
Melastomataceae
Asteraceae

pteridófitas

outras
famílias

campo limpo campo úmido campo rochosos

Figura 1 – Número de espécies por famílias botânicas encontradas no levantamento


fitossociológico das fisionomias campestres do Parque Estadual do Guartelá,
Município de Tibagi-PR.

presença destas nestes biomas (Longhi-Wagner 2003; Miotto & Waechter 2003;

Matzenbacher 2003; Araújo 2003).

No entanto, famílias encontradas nos campos do PEG como

Malpighiaceae, Apocynaceae, Eriocaulaceae, Bromeliaceae e Vochysiaceae têm

menor ocorrência ou estão ausentes nas listas da flora dos campos planálticos

sul-riograndenses de acordo com os relatos de Buselato & Bueno (1981),

Boldrini & Miotto (1987), Giradi-Deiro et al. (1992), Garcia & Boldrini (1999),

Heringer & Jacques (2002) e Quadros et al. (2003), tendo sido apontadas com

maior importância em fisionomias campestres associadas às áreas de cerrado

(Andrade et al. 1986; Giulietti et al. 1987; Batalha & Mantovani 2001; Tannus &

Assis 2004).

Isto sugere que os campos paranaenses, e em especial aqueles da região

do segundo planalto, compreendem uma área de confluência das floras


31

subtropical e tropical, já que estudos das famílias Poaceae, Cyperaceae,

Fabaceae e Asteraceae têm mostrado um gradiente sul-norte ou norte- sul para

muitas espécies, tendo o Paraná, muitas vezes, como zona limítrofe (Longhi-

Wagner 2003; Miotto & Waechter 2003; Matzenbacher 2003; Araújo 2003). Além

disso, em uma análise parcial, comparando-se as 74 espécies identificadas em

nível espécifico no presente estudo com o trabalho síntese de Mendonça et al.

(1998), têm-se que 40 espécies são ocorrentes no bioma Cerrado. Por outro lado,

apenas 20 espécies constam nas listas de levantamento dos Campos Sul-

brasilieros (Buselato & Bueno 1981; Langohr 1992; Gerardi-Deiro 1992; Garcia &

Bondrini 1999; Cervi et al. 2003; Quadros et al. 2003), sugerindo uma composição

florística de transição, caracterizada pelos biomas que a influenciaram.

Portanto, mais estudos devem ser conduzidos sobre a composição e

estrutura dos campos, para uma compreensão mais detalhada deste bioma, já

que sua complexidade é pouco conhecida e a cada ano vem reduzindo

drasticamente sua área de ocorrência pela forte pressão da agropecuária.

Referências Bibliográficas

Andrade, P. M.; Gontijo, T. A. & Grandi, T. S. M. 1986. Composição florística e

aspectos estruturais de uma área de “campo rupestre” do Morro do

Chapéu, Nova Lima, Minas Gerais. Revista brasileira de botânica 9: 13-21.

Araújo, A. C. 2003. Cyperaceae nos campos sul-brasileiros. In: Jardim, M. A.;

Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M. (eds). Desafios da Botânica no Novo

Milênio: Inventário, sistematização e conservação da diversidade vegetal

Belém: MOEG, UFRA; Embrapa, Brasil/ Museu Paraense Emílio Goeldi.


32

BDT- Banco de Dados Tropicais. 2004. Disponível em:

http://www.bdt.org.br/workshop/mata.atlantica/BR/rp_uc. Acesso: março

de 2003.

Bastos, M. de N. do C. 1984. Levantamento florísico dos campos do estado Pará.

I – Campo de Joanes (Ilha de Marajó) Boletim do Museu Paraense Emílio

Goeldi 1 (1/2): 67-86. 1984

Batalha, M. A. & Mantovani, W. 2001. Reprodutive phenological paterns of

cerrado plant species at the Pé-de-Gigante reserve (Santa Rita do Passa

Quatro, SP, Brazil): a compararison between the herbaceous and woody

floras. Revista Brasileira de Botânica 60(1): 129-145.

Bilenca, D. & Miñarro, F. 2004. Identificación de Áreas Valiosas de Pastizal

(AVPs) - en las Pampas y Campos de Argentina, Uruguay y Sur de Brasil.

J.M. Kaplan Fund., Buenos Aires. 323p.

Boldrini, I. I. & Miotto, S. T. S. 1987. Levantamento fitossociológico de um

campo limpo da Estação Experimental Agronômica, UFRGS, Guaíba, RS –

1a etapa. Acta Botânica Brasílica 1 (1): 49-56.

Buselato, T. C. & Bueno, O. L. 1981. Composição florística de dois campos

localizados no Município de Montenegro, Rio Grande do Sul, Brasil .

Iheringia Sér. Bot. 26: 65-84.

Cervi, A. C.; Schwartz, E. A. & Guimarães, O. A. 2003. Levantamento florístico

de um campo do primeiro planalto paranaense. Curitiba, Paraná, Brasil.

Sellowia 53-55: 29-50.

Conceição, A. A. & Giulietti, A. M. 2002. Composição florística e aspectos

estruturais de campo rupestre em dois platôs do Morro do Pai Inácio,

Chapada Diamantina, Bahia, Brasil. Hoehnea 29(1): 37-48.

Daubenmire, R. 1968. Plant communites. New Yord, Harper and Row Pub.

300p.
33

Dombrowski, L. T. & Kuniyoshi, Y. S. 1972. Contribuição para o estudo da flora

dos campos da região Leste de Curitiba. Araucariana 4: 1-11.

Garcia , E. N. & Boldrini, I. I. 1999. Fitossociologia de um campo modificado da

Depressão Central do Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Ser. Bot. 52: 23-

34.

Girardi-Deiro, A. M.; Gonçalves, J. O. & Gonzaga, S. S. 1992. Campos naturais

ocorrentes nos diferentes tipos de solo no Município de Bagé, RS. 2:

fisionomia e composição florísitica. Iheringia, Ser. Bot. 42: 55-79.

Giulietti, A. M.; Menezes, N. L.; Pirani, J. R.; Meguro, M. & Wanderley, M. G. L..

1987. Flora da Serra do Cipó: caracterização e lista das espécies. Boletim

Botânico da Universidade de São Paulo 9:1-151.

Hatschbach, G. & Moreira-Filho, H. 1972. Catálogo florístico do Parque

Estadual de Vila Velha (Estado do Paraná-Brasil). Boletim da Universidade

Federal do Paraná, Botânica 28: 1-53.

Heringer, I. & Jacques, A. V. A. 2002. Composição florística de uma pastagem

natural submetida a queima e manejos alternativos. Ciência Rural 32(2):

1085-1090.

Klein, R. M. & Hatschbach, G. 1970/71. Fitofisionomia e notas complementares

sobre o mapa fitogeográfico de Quero-Quero (Paraná). Boletim Paranaense

de Geociências 28/29:159-188.

Langhor, I. M. 1992. Estudo Fitossociológico de um campo limpo localizado

em Felipe da Cancela, Município de Balsa Nova, Paraná. Monografia de

Graduação. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Leite, P. & Klein, R. M. 1990. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil: região

Sul. v. 2. Rio de Janeiro. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. p.

113-150.

Longhi-Wagner, H. M. 2003. Diversidade florístca dos Campos Sul-brasileiros:

Poaceae. In: Jardim, M. A.; Bastos, M. N. C.; Santos, J. U. M. (eds). Desafios


34

da Botânica no Novo Milênio: Inventário, sistematização e conservação da

diversidade vegetal Belém: MOEG, UFRA; Embrapa, Brasil/ Museu

Paraense Emílio Goeldi.

Matzenbacher, N. I. Diversidade florístca dos Campos Sul-brasileiros:

Asteraceae. In: Jardim, M. A.; Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M. (eds).

Desafios da Botânica no Novo Milênio: Inventário, sistematização e

conservação da diversidade vegetal Belém: MOEG, UFRA; Embrapa,

Brasil/ Museu Paraense Emílio Goeldi.

Mendonça, R.C., Felfili, J.M., Walter, B.M.T., Silva Júnior, M.C., Rezende, A.V.,

Filgueiras, T.S. & Nogueira, P.E. 1998. Flora Vascular do Cerrado. In: Sano,

S. M. & Almeida, S. P. (eds.). Cerrado: ambiente e flora. Embrapa/CPAC,

Brasília, p.289-556.

Miotto, S. T. S.; Waechter, J. L. 2003. Diversidade florístca dos Campos Sul-

brasileiros: Fabaceae. In: Jardim, M. A.; Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M.

(eds). Desafios da Botânica no Novo Milênio: Inventário, sistematização e

conservação da diversidade vegetal Belém: MOEG, UFRA; Embrapa,

Brasil/ Museu Paraense Emílio Goeldi.

Mobot-Missouri Botanical Garden. Plant Science – Tropicos. Disponível em :

http://www.mobot.org/tropicos. Acesso: setembro de 2005.

Moro, R. S.; Rocha, C. H.; Takeda, I. J. M. & Kaczmarech, R. 1996. Análise da

vegetação nativa da bacia do Rio São Jorge. Publicatio 2(1): 33-56.

Moro, R. S.; Carmo, M. R. B. do & Tardivo, R. C. 2003. A vegetação dos Campos

Gerais do Paraná junto a Escarpa Devoniana: subsídios para o zonemanto

da APA. In: Anais do 7º Encontro regional de Botânicos do Paraná e Santa

Catarina. Ponta Grossa, PR,.CD Room.

Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. 1974. Aims and methodos of vegetation

ecology. Wiley and Sons, New York.


35

Oliveira, M. L. A. A. 2002. Conservação “in situ” da diversidade biológica dos

Campos Sulinos e da Mata de Araucária. In: Araújo, E. L.; Mpora, A. N.;

Sampaio, E. S. B.; Gestinari, M. S.; Carneiro, J. M. T. (eds). Biodiversidade,

Conservação e uso sustentável da flora do Brasil. Recife: UFRPE, Brasil,

Imprensa Universitária.

Quadros, F. L. F. de; Bica, G. S.; Damé, P. R. V.; Dorow, R.; Kersting, C. & Potter,

L. 2003. Levantamento das pastagens naturais da região de Santa Maria-RS,

Brasil. Ciência Rural 33(5): 1-12.

Tannus, J. L. & Assis, M. A. 2004. Composição de espécies vasculares de campo

sujo e campo úmido em áreade cerrado, Itirapina – SP, Brasil. Revista

Brasileira de Botânica 27(3):.489-506.

Veloso, H. P.; Rangel Filho, A. L. R. & Lima, J.C.A. 1991. Classificação da

vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE. Rio de

Janeiro.
36

Capítulo 2

Análise Fitossociológica de um Cerrado Relictual no Parque


Estadual do Guartelá, Município de Tibagi, Estado do Paraná
37

Introdução

O Cerrado constitui a segunda maior formação vegetal brasileira,

cobrindo uma área de aproximadamente 20 a 25% do território nacional (Ratter

et al. 1997), sendo característico do Planalto Central, onde ocupa grande

extensão.

No entanto, ocorre até o Paraná como ilhas esparsas (Hueck 1972),

onde são consideradas relictas de uma vegetação que dominou o estado em

épocas pretéritas (Maack 1981; Pessenda et al. 1996), quando havia um clima

semi-árido do Quartenário Antigo, estando em discordância com o clima atual,

mais úmido (Maack 1949).

Estima-se que as áreas de cerrado paranaense cobriam originalmente

cerca de 1882Km2 (Maack 1981), o que corresponde aproximadamente a 1% do

estado. Estas áreas eram localizadas entre fisionomias florestais, no Terceiro

Planalto, nos municípios de Sabaudia, Astorga e em Campo Mourão, mas a

maior parte se estendia ao longo do rio das Cinzas até o rio Itararé (Maack

1981), abrangendo principalmente o Segundo Planalto paranaense.

Há um consenso pelos pesquisadores brasileiros que extensas áreas de

cerrado estão sendo perdidas sem um conhecimento detalhado dos aspectos

florísticos e fitossociológicos. No Paraná se agrava ainda mais, já que as áreas

de cerrado são de dimensões restritas e muitos destes mosaicos foram

descaracterizados ou até mesmo totalmente destruídos (Paraná 1995).

Somente a partir dos anos 90 é que estudos botânicos têm dado ênfase

a composição e estrutura dos remanescentes de cerrados do estado do Paraná,

localizados principalmente no Segundo Planalto, como é o caso do Parque

Estadual do Cerrado (Jaguariaiva), em que foram realizados os trabalhos de

Uhlmann et al. (1997, 1998) e Uhlmann (2003). O levantamento preliminar de

espécies ocorrentes em uma das áreas no Parque Estadual do Guartelá (Tibagi)


38

foi realizado por Takeda et al. (1996). Na Reserva Indígena de São Jerônimo da

Serra, Sá (2004) estudou a florística de uma pequena mancha e a vegetação do

seu entorno. Nestas áreas, o cerrado aparece como encrave (Maack 1949) em

meio à paisagem campestre e florestal, onde é o limite austral de sua ocorrência

(Uhlmann et al. 1998; Torezan 2002; Sá 2004).

A proposta do presente trabalho foi realizar uma caracterização

qualitativa e quantitativa das áreas de cerrado dentro do Parque Estadual do

Guartelá, no município de Tibagi, com intuito de responder as seguintes

questões: a) Como se dá a complexidade estrutural dos cerrados em fragmentos

reduzidos de áreas relíctas tendo em vista que essa organização ocorre sob

condições ambientais próprias ? b) São mantidas a composição florística típica e

a diversidade dos cerrados de outras regiões? Por se tratar de uma região

limítrofe de ocorrência do Cerrado, sob influência atual de um clima

subtropical, mais úmido e frio, comparado com as condições climáticas com

estação seca definida da zona core de tal bioma, espera-se que estas áreas se

caracterizem por uma diminuição da sua flora endêmica em substituição pelas

espécies florestais.

Material e Métodos

Caracterização da Área de Estudo (ver página 4)

Coleta e Análise de Dados

Nas quatro localidades mais representativas de cerrado foram alocadas

50 parcelas de 5x5m (25m2) distribuídas duas a duas com espaçamento de 20m

entre elas, totalizando 0,125ha. Todos os indivíduos que apresentavam altura

igual ou superior a 1m foram registrados, porém dividiu-se em duas classes de


39

amostragens para possibilitar a comparação com outros trabalhos em áreas de

cerrado: a) componente arbustivo-arbóreo (CA) - plantas com diâmetro à altura

do solo (DAS) igual ou superior a 3cm, incluindo os indivíduos com caule

perfilhado que na somatória das medidas ultrapassasse este valor; e b)

componente subarbustivo (CS)- plantas com DAS menor que 3cm. Ainda, em

cada parcela foram estabelecidas sub-parcelas de 1x1m para amostrar o

componente herbáceo (CH), constituído por indivíduos com altura inferior a

1m, excluindo-se formas graminosas.

Para todos os indivíduos amostrados foram realizadas medidas do

diâmetro e altura. Também foram realizadas coletas para a identificação dos

espécimes. Exemplares férteis, após herborização, foram registrados e incluídos

no Herbário HUPG.

A partir dos dados tomados em campo, calculou-se para cada classe de

amostragem (arbustivo-arbóreo, subarbustivo e herbáceo) os descritores

fitossociológicos: densidade, dominância e freqüência relativas (Mueller-

Dombois & Ellenberg 1974); equabilidade e a diversidade através do índice de

Shannon (H’), utilizando o programa Fitopac (Shepherd 1995). Relações de

similaridade foram calculadas através do índice de Sorensen (Mueller-Dombois

& Ellenberg 1974).

Para a avaliação da distribuição espacial das populações representadas

por mais de cinco indivíduos empregou-se o Coeficiente de Dispersão (CD),

obtido pela razão variância/média (Brower & Zar 1984). Valor de CD igual a 1,

indica um padrão aleatório; CD menor que 1, o padrão é uniforme; e CD maior

que 1, representa uma distribuição agregada. Para testar se os valores do CD

diferiam significamente da unidade, utilizou-se o teste t (Brower & Zar 1984).

Para a verificação da distribuição geográfica de espécies arbóreas e

arbustivas (identificadas em nível específico) amostradas neste estudo foram

feitas consultas à listagens florísticas de trabalhos localizados em cerrados


40

considerando-se os seguintes grupos fitogeográficos reconhecidos por Ratter et

al. (2003): a) Meridional (Uhlmann et al., 1998; Sá, 2004; César et al. 1988; Pagano

1989; Durigan et al. 1994, 1999, 2002; Batalha et al. 1997; Araújo et al. 1999;

Batalha & Mantovani 2000, 2001; Fidelis & Godoy 2003); b) Centro-sudeste

(Meira Neto & Saporetti Júnior 2002; Andrade et al. 2002; Fonseca & Silva Junior

2004; Assunção & Felfili 2004); c) Centro-oeste (Nascimento & Saddi 1992; Silva

et al. 2002; Felfili et al. 2002); d) Norte-nordeste (Barreira et al. 2002; Costa et al.

2004); e) em áreas isoladas da Amazônia (Egler 1960; Bastos 1984; Miranda 1993;

Sanaiotti et al. 1997).

Resultados e Discussão

Composição, Estrutura e Diversidade - O levantamento total encontrou 1341

indivíduos, distribuídos em 27 famílias, 65 gêneros e 114 espécies, sendo que

destas, seis amostras ainda não foram determinadas.

Comparando as três classes de amostragem (Tab. 1), nota-se que existe

um aumento gradativo na densidade total dos indivíduos e no número de

espécies do componente arbustivo-arbóreo para o subarbustivo, atingindo os

maiores valores no herbáceo. Esta característica parece ocorrer nas fisionomias

das savanas brasileiras, já que levantamentos florísticos têm relatado que a

proporção do número de espécies do componente herbáceo é maior que o

arbustivo-arbóreo (Mantovani & Martins 1993; Batalha & Mantovani 2000).

No entanto, o índice de diversidade foi maior para o componente

subarbustivo (H’=3,34), seguido do arbustivo-arbóreo (H’= 3,06) e herbáceo

(H’=2,82). Isto revela que, apesar do maior número de espécies compondo o

componente herbáceo, há uma desigualdade acentuada na distribuição dos


41

indivíduos, acarretando em baixa equabilidade (Tab. 1) e, conseqüentemente

uma menor heterogeneidade.

Os componentes arbustivo-arbóreo e subarbustivo tiveram uma

similaridade de Sorensen de 66% que, por sua vez, alcançaram 40% igualmente

para o componente herbáceo. Estes índices mostram a semelhança florística nas

duas classes de amostragem com inclusão de plantas lenhosas, sendo que o

componente herbáceo apresentou 60,3% das espécies com exclusividade.

Tabela 1. Valores comparativos obtidos dos componentes abustivo-arbóreo (CA),


subarbustivo (CS) e herbáceo (CH) na área de cerrado do Parque Estadual do Guartelá,
Município de Tibagi-PR.
CA CS CH
Densidade total (ha) 2360 2992 5376
Diâmetro médio (cm) 7,50 1,56 0,18
Altura média (m) 2,27 1,45 0,37
Nº de espécies 47 63 73
Nº de gêneros 35 45 47
Nº de famílias 21 21 26
Índice de Shannon 3,06 3,34 2,82
Equabilidade 0,795 0,806 0,657

De um modo geral, o número de indivíduos por família tem

distribuição mais uniforme nos componentes arbustivo-arbóreo e subarbustivo

comparados ao componente herbáceo (Fig. 1). Fabaceae e Myrtaceae foram as

famílias mais abundantes da área; a primeira influenciada pela grande

ocorrência no componente herbáceo; a segunda apresentando valores próximos

para as três classes de amostragem. Myrsinaceae foi a família predominante nos

componentes arbustivo-arbóreo e subarbustivo, representado por uma única

espécie Rapanea umbellata.

Em relação ao número de espécies por famílias (Fig. 2), nota-se a

riqueza de Myrtaceae em todos os componentes avaliados. As oito famílias


42

Outras

Lauraceae

Aquifoliaceae

Erythroxylaceae
Famílias

Rubiaceae CA
CS
Melastomataceae
CH
Asteraceae

Myrsinaceae

Myrtaceae

Fabaceae

0 10 20 30 40 50 60 70
nº de indivíduos (%)

Figura 1 – Porcentagem do número de indivíduos por famílias ocorrentes na área de


cerrado do Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi-PR. CA- componente
arbustivo-arbóreo; CS- componente subarbustivo; CH – componente herbáceo.

40

35

30
nº de espécies (%)

25 CA
20 CS
CH
15

10

0
Erythroxylaceae

Lauraceae

Malpighiaceae

Outras
Rubiaceae
Fabaceae

Melastomataceae
Asteraceae
Myrtaceae

Famílias

Figura 2- Porcentagem do número de espécies por famílias ocorrentes na área de


cerrado do Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi-PR. CA- componente
arbustivo-arbóreo; CS- componente subarbustivo; CH – componente herbáceo.
43

representadas na Figura 3 correspondem a 66% do total de espécies encontradas

no componente arbóreo-arbustivo. Para o componente subarbustivo este valor é

superior (76%). Além de Myrtaceae, neste componente, nota-se um elevado

número de espécies das famílias Asteraceae e Melastomataceae. No

componente herbáceo, as oito famílias representam 68% do total das espécies,

com uma riqueza maior de Asteraceae, Fabaceae, Malpighiaceae e Rubiaceae

quando comparados com os demais componentes.

Estas famílias anteriormente citadas têm uma distribuição ampla nos

cerrados brasileiros (Silva et al. 2002; Meira Neto & Saporetti Junior 2002;

Barreira et al. 2002; Felfili et al. 2002; Fonseca & Silva Junior 2004), inclusive para

os componentes herbáceo e subarbustivo como relatadas por Mantovani &

Martins (1993), Batalha et al. (1997); Durigan et al. (1999); Batalha & Mantovani

(2001). No entanto, Vochysiaceae, considerada uma das famílias mais

importantes deste bioma pelos altos valores de biomassa (Felfili et al. 2002; Silva

et al. 2002; Andrade et al. 2002), no cerrado do PEG apresentou baixa densidade

(DR= 0,37%), com ocorrência apenas de Qualea cordata. O baixo número de

espécies desta família parece ser uma característica dos cerrados paranaenses, já

que Uhlmann et al. (1998) também relataram sua baixa representatividade para

o Parque Estadual do Cerrado (PR).

Para o componente arbustivo-arbóreo (Apêndice I), as espécies Rapanea

umbellata, Myrceugenia alpigena, Alibertia concolor, Miconia sellowiana, Ocotea tristis

e Plenckia populnea obtiveram os maiores valores de dominância relativa,

representando conjuntamente 76% do total. Esta discrepância em relação a

outras espécies corresponde aos altos valores de área basal, resultado de muitos

perfilhos dos seus indivíduos que ocorrem em grandes touceiras,

caracterizando a fisionomia da área de estudo.

Rapanea umbellata foi a espécie que obteve os maiores valores de

importância, densidade e freqüência, representando 23,4% de todos os


44

indivíduos amostrados. Em seguida, tem-se Alibertia concolor com grande

ocorrência, já que obteve altos valores de densidade e freqüência e Myrceugenia

alpigena, dado o alto valor de dominância. Além destas espécies, também

merecem destaque pelos altos valores de importância (VI): Miconia sellowiana,

Ouratea spectabilis, Calyptranthes concinna, Erythroxylum suberosum, Plenckia

populnea e Copaifera langsdorffii (Apêndice I). Estas dez espécies representam

67,3% do VI total, caracterizando a abundância destas na área de estudo,

possivelmente pela adaptação às variáveis ambientais dos mosaicos de cerrado

do PEG.

Dados estruturais de áreas dos cerrados brasileiros, levando-se em

conta o critério de inclusão entre 3 e 5cm para o diâmetro basal medidos até

50cm de altura mostram uma alta variação (Tab. 2). Os resultados

comparativos para as duas áreas estudadas no Paraná (Uhlmann et al. 1998),

revelam que o cerrado do PEG obteve valores de diversidade e número de

espécies superiores aos encontrados para o Parque Estadual do Cerrado.

Possivelmente esta diferença está influenciada pelo critério de amostragem,

pois o método do presente trabalho permitiu registrar um maior número de

espécies lenhosas, já que Uhlmann et al. (1998) incluíram apenas os indivíduos

que tivessem ao menos um perfilho com diâmetro basal maior que 3cm. Estes

autores admitiram que a amostragem da flora lenhosa foi subestimada em

razão da escolha do critério, excluindo muitas espécies de pequeno porte. A

diferença metodológica acarretou ainda num maior número de indivíduos

amostrados no PEG e, conseqüentemente, uma maior densidade total (Tab. 2).

Demais localidades, ou seja, Minas Gerais e Mato Grosso, observam uma alta

variação, o que sugere condições ambientais diferenciadas para cada área

estudada.

Em relação às características estruturais de áreas de cerrado do Distrito

Federal (Tab. 2), vê-se uma vegetação lenhosa mais rica e melhor distribuída,
45

Tabela 2 - Dados estruturais obtidos em trabalhos realizados em áreas de Cerrado sensu stricto ( H’= índice de diversidade de Shannon; N.
spp/família= número de espécie e de famílias; % VI= porcentagem das dez espécies com os maiores valores de importância; DT= densidade
total. DAS– diâmetro à altura do solo; DB– diâmetro basal; DB(30cm)- diâmetro basal medido à 30cm; DA(colo)– diâmetro à altura do colo;
DAJ(50cm)- diâmetro à altura do joelho medido à 50cm; PAS- perímetro à altura do solo; PB- perímetro basal; CAS– circunferência à altura do
solo.
Referência Localidade Clima Alt. (m) Critério de H´ N. N. % VI DT (ind/ha)
Inclusão spp Fam
Presente estudo Tibagi-PR Cfb 900-1050 DAS≥3cm 3,06 47 21 67,31 2360
Uhlmann et al. (1998) Jaguariaíva – PR Cfb 800-900 DB >3cm 2,79 33 27 71,57 1372,5
Durigan et al. (1994) Itirapina – SP Cwa 800 PB≥15cm 3,08 44 24 59,82 2464
Araújo et al. (1999) Franca –SP Cwb 810-870 DA(colo)≥3cm 3,53 65 30 48,76 6566
Durigan et al. (2002) Brotas – SP Cwa 710 DAJ(50cm)≥5cm 3,02 44 27 63,66 1150
César et al. (1988) Corumbataí-SP Cwa 800-830 DB ≥3cm 3,64 101 39 39,07 9066,7
Fidelis & Godoy (2003) S. Rita do Passo Quatro-SP Cwag 590-740 PAS>3cm 3,62 75 31 46,62 13976
Barreira et al. (2002) Brasilândia-MG Aw 575 CAS>9,5 cm 2,95 62 27 83,55 1838,75
Meira Neto & Saporetti Jr P. N. da Serra do Cipó- MG Cwb 850 CAS ≥10 cm; 44 30 59,60
(2002)
Silva et al. (2002) Caldas Novas – GO CAS≥13 56 60,05 1907
Silva et al. (2002) Caldas Novas-GO CAS≥13 59 56,78 2124
Nascimento & Saddi (1992) Cuiabá-MT DB (10cm)≥3cm. 1,34 27 92,43 1686
Nascimento & Saddi (1992) Cuiabá-MT DB (10cm) ≥3cm. 2,6 34 77,14 1978
Felfili et al. (2002) Água Boa- MT Aw 450-500 DAS≥5cm 3,69 80 34 44,41 995
Andrade et al. (2002) Brasília –DF 1048-1160 DB(30cm)>5cm 3,53 63 34 43,2 1964
Fonseca & Silva Junior Brasília –DF Aw-Cwa 1056 DB (30cm)≥5cm. 3,16 53 26 49,97 1219
(2004)
Fonseca & Silva Junior Brasília –DF Aw-Cwa 1056 DB (30cm)≥5cm. 3,40 54 25 47,30 970
(2004)
Assunção & Felfeli (2004) Brasília –DF Cwa 1000-1050 DB (30cm)≥5cm. 3,41 54 30 46,50 882
Miranda (1993) Santarém-PA alt≥1m 19 15 85,65 881,32
46

acarretando em alta diversidade, mesmo com a maior restrição na inclusão de

indivíduo (DB ≥5cm). A diversidade dos cerrados paranaenses também é


30cm

menor em comparação com os paulistas, porém supera os valores de uma área

amazônica (Tab. 2). Portanto, é notório que a alta diversidade da região nuclear

do cerrado vai diminuindo à medida que geograficamente as áreas vão se

tornando distantes, com condições climáticas diferentes.

Para a amostragem dos indivíduos com DAS menor que 3cm

(componente subarbustivo), as dez espécies com os maiores valores de

importância representaram 58,20% do total, enquanto a soma dos valores

relativos de dominância de cinco espécies foi de 46,06% (Apêndice I),

mostrando que há uma distribuição mais regular das espécies em relação ao

componente arbustivo-arbóreo.

Rapanea umbellata obteve os maiores valores em densidade, freqüência e

dominância e, portanto, alcançou também a primeira posição em VI nesta classe

amostral (Apêndice I). Além desta espécie, Alibertia concolor e Miconia sellowiana

também obtiveram altos VI, o que demonstra o sucesso reprodutivo de suas

populações na área de cerrado do PEG.

Na análise das sub-parcelas (componente herbáceo), apenas os

indivíduos de Periandra mediterranea representaram 42,26% do total amostrado,

sendo a espécie dominante no componente herbáceo (Apêndice I). Esta alta

densidade também foi encontrada nos campos com afloramentos rochosos (ver

Capítulo 1) presentes no PEG, mostrando que a adaptação desta espécie aos

fatores ambientais locais associado ao seu sucesso reprodutivo está favorecendo

a propagação de suas populações em áreas com baixa capacidade de retenção

hídrica.

Para o componente arbustivo-arbóreo foi encontrado 2,27m de altura

média e 7,5cm de diâmetro médio. Comparando estes valores com aqueles

encontrados por Uhlmann et al. (1998) para o Parque Estadual do Cerrado-PR


47

(alt. média=2,96m e diâm. médio= 9,49cm), Cesar et al. (1988) para Corumbataí-

SP (alt. média=4,22m e diâm. médio= 9,66cm), Silva et al. (2002) para Caldas

Novas-GO (alt. médias=2,52m, 3,04m e diâm. médios= 9,49cm, 9,29cm), tem-se

uma vegetação com médias de altura e diâmetro com valores menores,

caracterizando um cerrado com indivíduos de baixa estatura.

Para a amostra do componente subarbustivo, obteve-se 1,56cm de

diâmetro médio e 1,45m para a altura média, enquanto que o componente

herbáceo foi 37cm e 0,18, respectivamente para altura e diâmetro.

As espécies com alturas máximas acima de 4m somaram 6,08%, sendo

que 8m foi o maior valor encontrado, representado por um único indivíduo de

Stryphnodendron adstringens. As demais espécies são: Rapanea umbellata, Plenckia

populnea, Myrciaria ciliolata, Ouratea spectabilis, Copaifera langsdorffii e Tabebuia

aurea.

As maiores densidades estão em classes de altura mais baixas (Fig. 4),

revelando que esta vegetação é constituída densamente de componentes

herbáceos e subarbustivo entremeados aos arbustos e ainda por árvores

esparsas. A baixa ocorrência de árvores associada a um menor porte da flora

lenhosa parece ser uma característica dos cerrados paranaenses (Hueck 1972;

Maack 1981; Uhlmann et al. 1998), porém nas restritas áreas de cerrado do PEG

esta característica é ainda mais acentuada. Por exemplo, na área de estudo

pode-se observar que os indivíduos de Caryocar brasiliensis são subarbustos com

altura máxima de 1,10m, diferindo de outras localidades de cerrado, com

indivíduos apresentado porte arbóreo (Fidelis & Godoy 2003; Uhlmann et al.

1998).
48

25

22,50

22,36
20

16,19
13,76

15
%

8,74
10

5,59
5

2,72

2,58

1,83
1,72

0,79

0,46

0,26

0,27

0,11

0,06

0,05
0
0,10-0,19

0,2-0,29

0,30-0,39

0,40-0,49

0,50-0,59

0,60-0,69

0,70-0,79

0,80-0,89

0,90-0,99

1,00-1,49

1,50-1,99

2,00-2,49

2,5-2,99

3,00-3,49

3,50-3,99

4,00-4,49

>4,5
classes de altura (m)

Figura 4 – Classes de altura (m) dos indivíduos amostrados no cerrado do Parque


Estadual do Guartelá, município de Tibagi, PR. Os valores da % de indivíduos menores
de 1m foram estimadas para igualar a área amostral dos indivíduos maiores que esta
altura.

Portanto, sugere-se que condições edáficas particulares dos mosaicos de

cerrado do PEG estão restringindo o crescimento em altura de espécies típicas.

Distribuição espacial – Nas 49 populações avaliadas nas áreas de cerrado do PEG,

em 82% o coeficiente de dispersão (CD) foi significativamente superior a 1

(Apêndice 1), sugerindo que seus indivíduos distribuem-se com padrão

agregado. Este resultado era esperado, pois a ocorrência freqüente de moitas é

uma característica notável da fisionomia das áreas do PEG.

Vários fatores podem levar à distribuição agregada, como a

heterogeneidade ambiental, indicando sítios favoráveis para o estabelecimento

das populações, e modo reprodutivo (Ludwig & Reynolds 1988; Santos 1991).
49

Durigan et al. (2002) sugerem para o cerrado em Brotas-SP, que a alta agregação

dos indivíduos está associada à facilidade na regeneração por brotação de

estruturas subterrâneas, formando indivíduos geneticamente idênticos. Esta

parece ser uma explicação plausível também para a área estudada, pois foi

constatada a comunicação do sistema subterrâneo em muitos indivíduos

amostrados, sendo observado com alta freqüência em Rapanea umbellata, Alibertia


concolor, Myrceugenia alpigena, Miconia sellowiana, Calyptranthes concinna, Ilex sp2
e Periandra mediterranea.

Normalmente a regeneração por sistema subterrâneo se dá após ação

do fogo sobre as espécies lenhosas, com conseqüente perda da parte aérea. Esta

forte perturbação do ambiente pode ocasionar a quebra da dominância apical

da estrutura caulinar promovendo a emissão de vários ramos laterais ou a

iniciação de gemas radiculares (Apezzato-da-Glória 2000; Hoffmann 2000),

características estas vantajosas, pois promovem o rápido restabelecimento da

cobertura vegetal (Apezzato-da-Glória 2000). Contudo, isto possibilita a

formação de novos indivíduos próximos à planta-mãe, aumentando assim a

agregação dos indivíduos (Rodrigues et al. 1999). Como a prática de queimadas

é comum na região, inclusive com relatos para a área de estudo antes de se

tornar parque (IAP 2002), sugere-se que a ação do fogo poderia ser uma

possível explicação para a estrutura do cerrado do PEG, que além da forte

agregação dos indivíduos, nota-se um investimento maior em emissão de ramos

(com alta área basal) em relação à altura, pois 27% do total de plantas

amostradas são perfilhadas. Assim, esta característica estaria assegurando

maior capacidade de sobrevivência aos possíveis eventos desfavoráveis do

passado.

Relações de distribuição da flora lenhosa para o bioma cerrado – Comparando-se a

listagem da Tabela 3 com aquela elaborada por Ratter et al. (2003) para 396 áreas

de cerrado amazônico e extra-amazônico, tem-se que 30 espécies presentes no


50

cerrado do PEG têm ocorrência em mais de duas localidades e cinco espécies

tiveram registro em uma localidade.

A distribuição por grupos fitogeográficos de cerrados (Ratter et al.

2003) das 50 espécies arbóreas e arbustivas identificadas em nível específico

amostradas neste estudo (Tab. 3), mostra que 80% são ocorrentes da região

meridional. Isto vem confirmar que cerrados paranaenses e paulistas, têm

maior similaridade como verificado por Ratter et al. (2003), tratando apenas o

Parque Estadual do Cerrado como única área representante do Paraná. Foram

encontradas ainda, 38% das espécies nas áreas que formam o grupo Centro-

sudeste, 18% no Centro-oeste, 10% nas áreas disjuntas da Amazônia e 6% no

Norte-nordeste, confirmando um padrão fitogeográfico consistente na

distribuição das espécies do bioma Cerrado.

Encontrou-se quatro espécies com ampla ocorrência de distribuição:

Casearia sylvestris, Erythroxylum suberosum, Tabebuia alba e Miconia albicans.

Contudo, para 18% das espécies lenhosas relacionadas na tabela 3, não foram

encontradas citações para outras localidades de cerrado sensu stricto. Ratter et al.

(2003) analisando 951 espécies de 376 áreas de cerrado, verificaram que

aproximadamente 65% têm ocorrência rara; portanto, a presença de espécies

exclusivas caracterizam as áreas de cerrados marginais, pelas variações

ambientais próprias de cada localidade.

Estudos realizados em regiões limítrofes de cerrado, como na

Amazônia (Ratter et al. 2003) e na chapada do Araripe, nordeste brasileiro

(Costa et al. 2004), têm relatado a diminuição da riqueza florística típica deste

bioma em relação à área nuclear, possivelmente em conseqüência do isolamento

geográfico e das condições climáticas distintas (Costa et al. 2004). Nas ilhas de

cerrado do Paraná, a menor riqueza de espécies poderia estar relacionada com

as geadas freqüentes, selecionando apenas aquelas mais resistentes e

favorecendo a expansão das espécies florestais (Bigarella 1964; Hueck 1972), já


51

Tabela 3 – Distribuição por grupos fitogeográficos reconhecidos por Ratter et al. (2003) das espécies arbóreas e arbustivas amostradas no
Cerrado do Parque Estadual do Guartelá, Tibagi-PR baseadas em listagens florísticas de estudos realizados em áreas de cerrado sensu stricto *
citada em Ratter et al. (2003) com ocorrência em mais de duas localidades; **citada em Ratter et al. (2003) com ocorrência em uma localidade.

Região Centro-sudeste Região Centro-Oeste Áreas disjuntas da Região Norte- Sem registro
Região Meridional Amazônia Nordeste encontrado
*Acosmium subelegans Leucochloron *Acosmium subelegans *Casearia sylvestris *Caryocar brasiliensis *Miconia albicans Gochnatia argyrea
encuriale
*Alchornea triplinervia *Lithraea molleoides *Baccharis Erythroxylum *Casearia sylvestris *Myrcia multiflora Leandra sabiaensis
dracunculifolia campestris
*Alibertia concolor *Miconia albicans Banisteriopsis *Erythroxylum *Erythroxylum *Myrcia rostrata Miconia cinerascens
campestris suberosum deciduum
*Baccharis *Miconia sellowiana *Caryocar brasiliensis *Miconia albicans *Erythroxylum Mimosa lanata
dracunculifolia suberosum
Banisteriopsis campestris **Myrcia breviramis *Casearia sylvestris *Ouratea spectabilis *Tabebuia aurea Myrceugenia
alpigena
Byrsonima brachybotrya *Myrcia multiflora *Copaifera langsdorffii *Plenckia populnea **Miconia
arborescens
**Calyptranthes *Myrcia rostrata Erythroxylum campestris Stryphnodendron Myrcia floribunda
concinna adstringens
Campomanesia *Myrcia venulosa *Erythroxylum deciduum *Tabebuia aurea Myrciaria cuspidata
pubescens
*Caryocar brasiliensis *Rapanea umbellata *Erytroxylum suberosum Ocotea tristis
*Casearia sylvestris *Ocotea pulchella *Eugenia bimarginata
**Cinnamomum *Ouratea spectabilis *Miconia albicans
sellowianum
*Copaifera langsdorffii *Pera obovata *Myrcia multiflora
Erythroxylum buxus *Plenckia populnea *Myrcia rostrata
Erythroxylum campestris *Psidium cinereum *Ouratea spectabilis
*Erythroxylum *Qualea cordata *Plenckia populnea
cuneifolium
*Erythroxylum deciduum Stryphnodendron *Qualea cordata
adstringens
*Erythroxylum *Symplocos oubescens Stryphnodendron
suberosum adstringens
*Eugenia bimarginata Symplocos tenuifolia *Tabebuia aurea
**Eugenia pitanga *Tabebuia aurea Tabebuia chrysotrycha
Gochnatia polymorpha *Trembleya parviflora
52

que Rapanea umbellata, Pera glabrata, Calyptranthes concinna, Copaifera langsdorffii,

Casearia sylvestris, Alchornea triplinervia entre outras, são também as espécies

mais abundantes nas florestas que cincundam as áreas de cerrado do PEG (ver

capítulo 3). Portanto, pequenos relictos como da área de estudo são

testemunhos da redução dos cerrados, em conseqüência do avanço das florestas

pelas condições climáticas atuais (Maack 1968).

As áreas de cerrado presentes no PEG, além de reduzidas, encontram-

se em certos pontos degradadas, principalmente pelas freqüentes queimadas do

passado e pela intensa exploração turística no local. Apesar disso, preserva

espécies características das savanas brasileiras, como Ouratea spectabilis,

Stryphnodendron adstringens e Caryocar brasiliense, mas por apresentarem

distribuição em relictos e estes terem sido em parte devastados, estas espécies

estão incluídas na lista vermelha de plantas ameaçadas de extinção no Estado

Paraná, o que evidencia a importância da preservação e manejo destes encraves

ao longo da Escarpa Devoniana.

Referências Bibliográficas

Andrade, L. A. Z.; Felfili, J. M. & Violatti, L. 2002. Fitossociologia de uma área

de cerrado denso na RECOR-IBGE, Brasília-DF. Acta Botânica Brasílica

16(2): 225-240.

Apezzato-da-Glória, B. 2000. Raízes gemíferas: Uma abordagem antômica e

ecológica. In: Cavalcanti, T. B. C. et al. (org). Tópicos atuais em botânica:

palestras convidadas do 51º Congresso Nacional de Botânica. Sociedade

Botânica do Brasil, Brasília.


53

Araújo, A. R. B.; Teixeira, M. I. J. G. & Rodrigues, R. R. 1999. Florística e

fitossociologia de um trecho de cerrado no município de Franca. Naturalia

24: 153-170.

Assunção, S. L. & Felfili, J. M. 2004. Fitossociologia de um fragmento de cerrado

sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Botânica Brasílica 18(4):

903-909.

Bastos, M. de N. do C. 1984. Levantamento florísico dos campos do estado Pará.

I – Campo de Joanes (Ilha de Marajó) Boletim do Museu Paraense Emílio

Goeldi 1 (1/2): 67-86. 1984

Barreira, S. Scolforo, J. R. S.; Botelho, S. A. & Mello, J. M. 2002. Estudo da

estrutura da regeneração natural e da vegetação adulta de um cerrado senso

stricto para fins de manejo florestal. Scientia Forestalis 61: 64-78.

Batalha, M. A.; Aragaki, S. & Mantovani, W. 1997. Florística do cerrado em

Emas (Pirassununga, SP). Boletim de Botânica da Universidade de São

Paulo 16: 49-64.

Batalha, M. A. & Mantovani, W. 2000. Reprodutive phenological patterns of

cerrado plant species at the Pé-de-Gigante reserve (Santa Rita do Passa

Quatro, SP, Brazil): a comparison between the herbaceous and woody floras.

Revista Brasileira de Botânica 60(1): 129-145.

Batalha, M. A. & Mantovani, W. 2001. Floristic composition of the cerrado in the

Pé-De-Gigante Reserve (Santa Rita Do Passa Quatro, Southeastern Brazil)

Acta Botânica Brasílica 15(3): 289-304.

Bigarella, J. J. 1964. Variações climáticas no Quartenário e suas implicações no

revestimento florístico do Paraná.Boletim paranaense de Geografia 10-15:

211-231.

Brower, J. E.; Zar, J. H. 1984. Field and laboratory methods for general ecology.

Wm. C. Brown Publishers, Dubuque.


54

César, O.; Pagano, S. N.; Leitão Filho, H. F.; Monteiro, R.; Silva, O. A.; Marinis,

G. & Shepherd, G. 1988. Estrutura fitossociológica do estrato arbóreo de uma

área de vegetação de cerrado no município de Corumbataí (Estado de São

Paulo). Naturalia 13: 91-101.

Costa, I. R. da; Araújo, F. S. & Lima-Verde, L. W. 2004. Flora e aspectos auto-

ecológicos de um encrave de cerrado na chapada do Araripe, Nordeste do

Brasil. Acta Botânica Brasílica 18(4): 759-770.

Durigan, G.; Leitão Filho, H. F. & Rodrigues, R. R. 1994. Phytosociology and

structure of a frequently burnt cerrado vegetation in SE-Brazil. Flora 189:

153-160.

Durigan, G.; Bacic, M. C.; Franco, G. A. D. C.; Siqueira, M. F. 1999. Inventário

florístico do cerrado na estação ecológica de Assis, SP. Hoehnea 26(2): 149-

172.

Durigan, G.; Nishikawa, D. L. L.; Rocha, E.; Silveira, E. R.; Pulitano, F. M.;

Regalado, L. B.; Carvalhaes, M. A.; Paranaguá, P. A. & Ranieri, V. E. 2002.

Caracterização de dois estratos da vegetação em uma área de cerrado no

Município de Brotas, SP, Brasil. Acta Botânica Brasílica 16(3): 251-262.

Egler, W. A. 1960. Contribuições ao conhecimento dos campos da Amazônia. 1-

Os campos do Ariramba. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Bot.

4: 1-40.

Felfili, J. M.; Nogueira, P.E.; Silva Júnior , M. C.; Marimon, B. S. & Delitti, W. B.

C. 2002. Composição florística e fitossociologia do cerrado sentido restrito

no município de Água Boa – MT. Acta Botânica Brasílica 16(1): 103-112.

Fidelis, A. T. & Godoy, S. A. P. 2003. Estrutura de um cerrado stricto sensu na

gleba cerrado Pé-de-Gigante, Santa Rita do Passa Quatro, SP. Acta Botânica

Brasílica 17(4): 531-539.


55

Fonseca, M. S. & Silva Junior, M. C. 2004. Fitossociologia e similaridade

florística entre trechos de cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale

no Jardim Botânico de Brasília, DF. Acta Botânica Brasílica 18(1): 19-29.

Hoffmann, W. A. 2000. The relative importance of sexual and vegetative

reproduction in Cerrado woody plants. In: Cavalcanti, T. B. C. et al. (org).

Tópicos atuais em botânica: palestras convidadas do 51º Congresso

Nacional de botânica. Sociedade Botânica do Brasil, Brasília.

Hueck, K. 1972. As Florestas da América do Sul. Editora Polígono S. A. São

Paulo.

IAP-Instituto Ambiental do Paraná. 2002. Plano de Manejo do Parque Estadual

do Guartelá. Curitiba.

Ludwig, J. A. & Reynolds, J. F. 1988. Statistical ecology – a primer on methods

and computing. New York, John Wiley & Sons, 337p.

Maack, R. 1949. Notas complementares à apresentação preliminar do Mapa

Fitogeográfico do Estado do Paraná (Brasil). Arquivos do Museu

Paranaense 7: 351-362.

Maack, R. 1968. Geografia física do estado do Paraná. BADEP/UPFR/IBTP,

Curitiba.

Maack, R. 1981. Geografia física do Estado do Paraná. Livraria José Olympio,

Rio de Janeiro.

Mantovani, W. & Martins, F. R. 1993. Florística do cerrado na reserva biológica

de Moji Guaçu, SP. Acta Botânica Brasílica 7(1): 33-60.

Meira Neto, J. A. A. & Saporetti Júnior, A. W. 2002. Parâmetros fitossociológicos

de um cerrado no Parque Nacional da Serra do Cipó, MG. Revista Árvore

26(5): 645-648.

Miranda, I. S. 1993. Estrutura do estrato arbóreo do cerrado amazônico em

Alter-do-Chão, Pará, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 16(2): 143-150.


56

Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. 1974. Aims and methods of vegetation

ecology. John Wiley & Sons, New York. 547 p.

Nascimento, M. T. & Saddi, N. 1992. Structure and floristic composition in an

area of cerrado in Cuiabá-MT, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 15(1):

47-55.

Pagano, S. N.; Cesar, O. & Leitão Filho, H. F. 1989. Estrutura fitossociológica do

estrato arbustivo-arbóreo da vegetação de cerrado da Área de Proteção

Ambiental (APA) de Corumbataí - Estado de São Paulo. Revista Brasileira

de Biologia 49(1): 49-59.

Pessenda, L. C. et al. 1996. Natural radiocarbon measurements in Brazilian soils

developed on basic rocks. Radiocarbon 38(2): 203-208.

Ratter, J. A.; Ribeiro, J. F.; Bridgewater, S. 1997. The Brazilian Cerrado

vegetation and threats to its biodiversity. Ann. Bot. 80(3): 223-230.

Ratter, J. A.; Bridgewater, S. & Ribeiro, J. F. 2003. Analysis of the floristic

composition of the brazilian cerrado vegetation III: comparison of the

woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany 60(1): 57–109.

Sá, K. L. V. R. 2004. A flórula vascular da reserva indígena São Jerônimo, São

Jerônimo da Serra- Paraná: subsídios para conservação da vegetação.

Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Sanaiotti, T. M.; Bridgewater, S. Ratter, J. A. 1997. A floristic study of the

savanna vegetation of the state of Amapá, Brazil, and suggestions for its

conservation. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, série Botânica

13(1): 1-27

Santos, F. A. M. 1991. Padrão espacial de jovens em relação a adultos de

espécies arbóreas de cerrado que ocorrem no Estado de São Paulo. Tese de

Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.


57

Paraná. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 1995. Lista vermelha de

plantas ameaçadas de extinção no estado do Paraná. SEMA/GTZ, Curitiba.

139 p.

Shepherd, G. J. 1995. Fitopac: Manual do Usuário. UNICAMP, Campinas.

Silva, L. O.; Costa, D. A.; Espírito Santo Filho, K.; Ferreira, H. D. & Brandão, D.

2002. Levantamento florístico e fitossociológico em duas áreas cerrado sensu

stricto no Parque estadual da Serra de Caldas Novas, Goiás. Acta Botânica

Brasílica 16(1): 43-53.

Takeda, I. J. M.; Moro, R. S. & Kaczmarech, R. 1996. Análise florística de um

encrave de cerrado no Parque do Guartelá, Tibagi, PR. Publicatio 2(1): 21-31.

Torezan, J. M. D. 2002. Nota sobre a vegetação do rio Tibagi. In: Medri, M.E. et

al. (Ed.). A Bacia do Rio Tibagi. Londrina, Paraná.

UEPG-Universidade Estadual De Ponta Grossa. 2003. Caracterização do

Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná. Projeto financiado pela

Fundação Aarucária e CNPq. Ponta Grossa. (relatório final)

Uhlmann, A.; Curcio, G. R.; Galvão, F. & Silva, S. M. 1997. Relações entre a

distribuição de categorias fitofisionômicas e padrões geomórficos e

pedológicos em uma área de savana (cerrado) no estado do Paraná, Brasil.

Arquivos de biologia e Tecnologia 40(2): 473-483.

Uhlmann, A.; Galvão, F. & Silva, S. M. 1998. Análise da estrutura de duas

unidades fitofisionômicas de savana (cerrado) no sul do Brasil. Acta

Botânica Brasílica 12(3): 231-247.

Uhlmann, A. 2003. Análise estrutural de duas áreas de vegetação savânica

(cerrado) sob influência de gradientes ambientais complexos. Tese de

Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.


58

APÊNDICE I

Famílias e espécies dos componentes arbustivo-arbóreo (CA), subarbustivo (CS) e herbáceo (CH) amostradas no cerrado do Parque
Estadual do Guartelá, Município de Tibagi-PR, e seus parâmetros fitossociológico: NI –número de indivíduos; NA- número de amostras
presentes; DR- densidade relativa; DoR-dominância relativa; FR – freqüência relativa; VI- valor de importânica. Coeficiente de dispersão
(CD):.A – padrão aleatório. ** - padrão agregado - difere significativamente de 1,0 ao nível de 5% de probabilidade pelo teste t.

NI NA DR DoR FR VI CD
Família Espécies CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH

Myrsinaceae Rapanea umbellata 69 71 1 15 19 1 23,39 18,98 0,15 24,68 21,49 0,68 9,38 9,22 0,51 57,44 49,70 1,34 13,22**
Rubiaceae Alibertia concolor 38 33 14 5 11 5 12,88 8,82 2,08 14,68 6,60 0,40 9,38 5,34 2,53 36,93 20,77 5,01 5,96**
Myrtaceae Myrceugenia 17 3 2 3 3 2 5,76 0,80 0,30 20,80 1,17 0,13 8,13 1,46 1,01 34,69 3,43 1,44 1,22A
alpigena
Melastomataceae Miconia sellowiana 21 23 11 9 - 7,12 6,15 - 6,41 8,35 - 6,88 4,37 - 20,41 18,86 - 6,22**
Ochnaceae Ouratea spectabilis 8 1 2 7 1 2 2,71 0,27 0,30 3,71 0,78 1,37 4,38 0,49 1,01 10,79 1,53 2,68 1,54**
Myrtaceae Calyptranthes 10 3 2 7 3 1 3,39 0,80 0,30 1,59 0,60 0,00 4,38 1,46 0,51 9,36 2,86 0,81 2,21**
concinna
Erythroxylaceae Erythroxylum 10 2 5 7 2 2 3,39 0,53 0,74 1,14 1,15 1,82 4,38 0,97 1,01 8,90 2,65 3,58 3,07**
suberosum
Lauraceae Ocotea tristis 3 5 4 2 5 1 1,02 1,34 0,60 5,73 1,64 0,39 1,25 2,43 0,51 8,00 5,40 1,49 2,95**
Celastraceae Plenckia populnea 4 16 4 10 1,36 - 2,38 4,01 - 10,51 2,50 - 5,05 7,86 - 17,94 1,53**
Fabaceae Copaifera 9 6 2 5 4 2 3,05 1,60 0,30 1,38 1,67 1,05 3,13 1,94 1,01 7,55 5,21 2,35 1,99**
langsdorffii
Aquifoliaceae Ilex sp. 2 12 15 9 3 8 1 4,07 4,01 1,34 1,06 6,81 2,76 1,88 3,88 0,51 7,00 14,71 4,60 6,07**
Myrtaceae Myrciaria 5 2 43 4 2 7 1,69 0,53 6,40 2,18 0,32 3,06 2,50 0,97 3,54 6,37 1,82 13,00 24,78**
cuspidata
Melastomataceae Miconia sp. 7 19 6 4 6 1 2,37 5,08 0,89 1,07 5,74 0,36 2,50 2,91 0,51 5,95 13,74 1,76 11,21**
Lauraceae Cinnamonum 6 8 - 5 6 - 2,03 2,14 - 0,30 2,85 - 3,13 2,91 - 5,46 7,90 - 2,48**
sellowianum
Asteraceae Baccharis 7 10 - 4 9 - 2,37 2,67 - 0,54 2,73 - 2,50 4,37 - 5,41 9,77 - 2,11**
dracunculifolia
59

NI NA DR DoR FR VI CD
Família Espécies CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH

Fabaceae Acosmium 5 - - 4 - - 1,69 - - 1,05 - - 2,50 - - 5,24 - - 1,33 A


subelegans
Symplocaceae Symplocos 6 5 - 2 4 - 2,03 1,34 - 1,04 1,79 - 1,25 1,94 - 4,33 5,07 - 3,06**
tenuifolia
Euphorbiaceae Pera glabrata 4 3 - 3 1 - 1,36 0,80 - 0,56 0,78 - 1,88 0,49 - 3,79 2,06 - 3,79**
Vochysiaceae Qualea cordata 5 - - 2 - - 1,69 - - 0,63 - 1,25 - - 3,58 - - 3,37**
Myrtaceae Myrcia arborescens 3 1 2 2 1 2 1,02 0,27 0,30 1,23 0,03 5,66 1,25 0,49 1,01 3,50 0,79 6,97 2,97**
Fabaceae Stryphnodendron 3 - 2 3 - 1 1,02 - 0,30 0,33 - 0,18 1,88 - 0,51 3,22 - 0,99 1,33 A
adstringens
Asteraceae Gochnatia argyrea 3 7 - 3 5 - 1,02 1,87 - 0,21 1,87 - 1,88 2,43 - 3,10 6,16 - 1,72**
Erythroxylaceae Erythroxylum 3 1 - 2 1 - 1,02 0,27 - 0,59 0,14 - 1,25 0,49 - 2,86 0,89 - -
buxus
Bignoniaceae Tabebuia aurea 2 3 - 2 3 0,68 0,80 - 0,86 1,28 - 1,25 1,46 - 2,78 3,53 - 1,33A
Fabaceae Periandra 3 15 284 2 9 31 1,02 4,01 42,26 0,23 3,65 42,35 1,25 4,37 15,66 2,50 12,03 100,27 7,56
mediterranea
Erythroxylaceae Erythroxylum 3 4 3 2 4 2 1,02 1,07 0,45 0,17 1,55 4,09 1,25 1,94 1,01 2,44 4,57 5,55 1,22 A
deciduum
Malpighiaceae Byrsonima 2 2 2 2 1 2 0,68 0,53 0,30 0,34 0,60 1,55 1,25 0,49 1,01 2,27 1,62 2,86 1,24 A
brachybotrya
Symplocaceae Symplocos 2 - - 1 - - 0,68 - - 0,84 - - 0,63 - - 2,14 - - -
pubescens
Myrtaceae Myrcia breviramis 2 - 1 2 - 1 0,68 - 0,15 0,20 - 0,00 1,25 - 0,51 2,12 - 0,66 -
Melastomataceae Miconia albicans 2 - - 2 - - 0,68 - - 0,18 - - 1,25 - - 2,11 - - -
Erythroxylaceae Erythroxylum 2 3 - 2 2 - - 0,68 0,80 - 0,14 0,34 - 1,25 0,97 - 2,06 2,11 -
cuneifolium
Myrtaceae Myrcia multiflora 2 8 1 2 6 1 0,68 2,14 0,15 0,09 1,98 0,01 1,25 2,91 0,51 2,02 7,03 0,66 2,14**
Lamiaceae Aegiphila sp. 2 2 1 - 2 1 - 0,68 0,27 - 0,08 0,16 - 1,25 0,49 - 2,01 0,91 - -
Euphorbiaceae Alchornea 2 - - 2 - - 0,68 - - 0,07 - - 1,25 - - 2,00 - - -
triplinervia
Myrtaceae Campomanesia 1 4 14 1 3 6 0,34 1,07 2,08 0,97 1,41 1,03 0,63 1,46 3,03 1,93 3,93 6,15 2,97**
pubescens
Lauraceae Ocotea pulchella 2 - - 1 - - 0,68 - - 0,16 - - 0,63 - - 1,47 - - -
60

NI NA DR DoR FR VI CD
Família Espécies CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH

Lamiaceae Aegiphila sp. 1 1 - - 1 - - 0,34 - - 0,24 - - 0,63 - - 1,20 - - -


Bignoniaceae Tabebuia 1 - - 1 - - 0,34 - - 0,08 - - 0,63 - - 1,05 - - -
chrysotricha
Salicaceae Casearia sylvestris 1 3 1 1 1 1 0,34 0,80 0,15 0,08 1,14 0,01 0,63 0,49 0,51 1,05 2,43 0,66 2,14**
Myrtaceae Eugenia 1 16 13 1 7 3 0,34 4,28 1,93 0,08 3,77 2,20 0,63 3,40 1,52 1,04 11,44 5,65 4,76**
bimarginata
Caryocaraceae Caryocar 1 1 7 1 1 3 0,34 0,27 1,04 0,07 0,78 5,13 0,63 0,49 1,52 1,04 1,53 7,68 4,24**
brasiliensis
Asteraceae Calea sp. 1 4 - 1 2 - 0,34 1,07 - 0,07 0,44 - 0,63 0,97 - 1,03 2,48 - 2,14**
Melastomataceae Trembleya 1 1 - 1 1 - 0,34 0,27 - 0,04 0,09 - 0,63 0,49 - 1,01 0,85 - -
parviflora
Myrtaceae Myrcia venulosa 1 1 4 1 1 1 0,34 0,27 0,60 0,03 0,27 0,13 0,63 0,49 0,51 1,00 1,02 1,23 3,28**
Myrtaceae Psidium cinereum 1 3 2 1 3 2 0,34 0,80 0,30 0,03 0,50 1,39 0,63 1,46 1,01 1,00 2,75 2,70 1,24 A
Fabaceae Mimosa lanata 1 22 - 1 7 - 0,34 5,88 - 0,03 3,35 - 0,63 3,40 - 0,99 12,63 - 5,17**
Melastomataceae Acisanthera - - 3 - - 1 - - 0,45 - - 0,01 - - 0,51 - - 0,96 -
alsinaefolia
Arecaceae Allagopteris - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,06 - - 0,51 - - 0,71 -
campestris
Asteraceae Asteraceae sp. 1 - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,05 - - 1,01 - - 1,35 -
Asteraceae Baccharis - 1 - 1 - - 0,27 - - 0,10 - - 0,49 - - 0,85 - -
calvescens
Asteraceae Asteraceae sp. 2 - 1 - 1 - - 0,27 - - 0,04 - - 0,49 - - 0,79 - -
Asteraceae Asteraceae sp. 3 - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,03 - - 1,01 - - 1,34 -
Asteraceae Asteraceae sp. 4 - - 5 - - 2 - - 0,74 - - 0,04 - - 1,01 - - 1,79 2,55**
Solanaceae Aureliana sp. - 1 - 1 - - 0,27 - - 0,09 - - 0,49 - - 0,85 - -
Malpighiaceae Banisteriopsis - 1 2 - 1 2 - 0,27 0,30 - 0,20 0,28 - 0,49 1,01 - 0,95 1,59 -
campestris
Rubiaceae Borreria poaya - - 3 - - 2 - - 0,45 - - 0,01 - - 1,01 - - 1,47 -
Asteraceae Calea hispida - 2 - - 2 - - 0,53 - - 0,09 - - 0,97 - - 1,60 - -
Asteraceae Calea parviflora - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,01 - - 0,49 - - 0,77 - -
Solanaceae Calibrachoa - 1 1 - 1 1 - 0,27 0,15 - 0,02 0,03 - 0,49 0,51 - 0,78 0,69 -
ericifolia
61

NI NA DR DoR FR VI CD
Família Espécies CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH

Fabaceae Chamaecrista - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,08 - - 1,01 - - 1,39 -


devauxii
Fabaceae Chamaecrista - 2 - - 1 - - 0,53 - - 0,64 - - 0,49 - - 1,66 - -
punctata
Commelinaceae Commelina difusa - - 4 - - 2 - - 0,60 - - 0,24 - - 1,01 - - 1,84 -
Euphorbiaceae Croton serpyllifolius - 11 5 - 10 5 - 2,94 0,74 - 0,71 0,10 - 4,85 2,53 - 8,51 3,37 1,08 A
Fabaceae Eriosema - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,01 - - 1,01 - - 1,31 -
heterophyllum
Erythroxylaceae Erythroxylum - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,16 - - 0,49 - - 0,91 - -
campestris
Myrtaceae Eugenia pitanga - - 29 - - 5 - - 4,32 - - 0,88 - - 2,53 - - 7,72 7,54**
Asteraceae Symphyopappus - 13 3 - 9 2 - 3,48 0,45 - 3,08 0,11 - 4,37 1,01 - 10,93 1,56 1,8**
cuneatus
Asteraceae Eupatorium - - 23 - - 8 - - 3,42 - - 0,79 - - 4,04 - - 8,26 3,66**
multifidum
Asteraceae Eupatorium - - 6 - - 2 - - 0,89 - - 0,33 - - 1,01 - - 2,24 4,30**
betonicaeforme
Asteraceae Orthopappus - - 14 - - 4 - - 2,08 - - 0,08 - - 2,02 - - 4,18 4,09**
angustifolius
Fabaceae Galactia sp. - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 1,08 - - 1,01 - - 2,38 -
Asteraceae Gochnatia - 5 - - 3 - - 1,34 - - 1,65 - - 1,46 - - 4,45 - 2,14**
polymorpha
Myrtaceae Hexachlamys - - 5 - - 4 - - 0,74 - - 0,30 - - 2,02 - - 3,06 1,33 A
hamiltonii
Lamiaceae Hyptis sp. - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,08 - - 0,51 - - 0,73 -
Indeterminada Indeterminada 10 - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,01 - - 0,51 - - 0,66 -
Indeterminada Indeterminada 13 - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,01 - - 0,51 - - 0,66 -
Indeterminada Indeterminada 14 - - 4 - - 1 - - 0,60 - - 0,13 - - 0,51 - - 1,23 -
Indeterminada Indeterminada 4 - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,00 - - 0,51 - - 0,66 -
Indeterminada Indeterminada 5 - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,00 - - 0,51 - - 0,66 -
Indeterminada Indeterminada 8 - - 4 - - 3 - - 0,60 - - 0,19 - - 1,52 - - 2,30 -
Bignoniaceae Jacaranda oxyphylla - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,05 - - 1,01 - - 1,36 -
62

NI NA DR DoR FR VI CD
Família Espécies CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH

Lamiaceae Lamiaceae sp. - - 7 - - 1 - - 1,04 - - 0,08 - - 0,51 - - 1,63 7,00**


Verbenaceae Lantana sp. - 1 17 - 1 3 - 0,27 2,53 - 0,37 0,16 - 0,49 1,52 - 1,12 4,20 11,33**
Melastomataceae Leandra regnelli - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,05 - - 0,49 - - 0,80 - -
Fabaceae Crotalaria balansae - - 2 - 2 - - 0,30 - - 0,00 - - 1,01 - - 1,31 -
Fabaceae Leucochloron - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,00 - - 0,49 - - 0,76 - -
incuriale
Anacardiaceae Lithraea molleoides - 2 - - 2 - - 0,53 - - 0,71 - - 0,97 - - 2,21 - -
Fabaceae Chamaecrista ramosa - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,02 - - 0,49 - - 0,78 - -
Malpighiaceae Malpighiaceae sp. - - 2 - - 1 - - 0,30 - - 0,16 - - 0,51 - - 0,96 -
1
Malpighiaceae Malpighiaceae sp. - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,00 - - 0,51 - - 0,66 -
2
Melastomataceae Melastomataceae - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,24 - - 0,49 - - 0,99 - -
sp. 3
Melastomataceae Miconia - 5 9 - 4 2 - 1,34 1,34 - 1,59 1,68 - 1,94 1,01 - 4,87 4,03 6,13**
cinerascens
Melastomataceae Miconia sp - 1 - - 1 - 0,27 - - 0,18 - - 0,49 - - 0,93 - -
Fabaceae Mimosa microcarpa - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,01 - - 0,51 - - 0,67 -
Myrtaceae Myrceugenia - - 3 - - 2 - - 0,45 - - 0,24 - - 1,01 - - 1,70 -
hatschbachii
Myrtaceae Myrcia floribunda - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,08 - - 0,49 - - 0,83 - -
Myrtaceae Myrcia rostrata - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,27 - - 0,49 - - 1,02 - -
Rubiaceae Palicourea rigida - - 13 - - 2 - - 1,93 - - 2,05 - - 1,01 - - 4,99 7,35**
Malvaceae Pavonia guerkeana - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,12 - - 1,01 - - 1,43 -
Lauraceae Persea sp. - 2 - - 1 - - 0,53 - - 1,19 - - 0,49 - - 2,21 - -
Asteraceae Baccharis - - 21 - - 11 - - 3,13 - - 1,28 - - 5,56 - - 9,96 2,06**
semiserrata1
Turneraceae Piriqueta sp. - - 4 - - 3 - - 0,60 - - 0,01 - - 1,52 - - 2,12 -
Myrtaceae Psidium rufum - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,08 - - 0,49 - - 0,83 - -
Rubiaceae Rubiaceae sp. 1 - - 4 - - 1 - - 0,60 - - 0,05 - - 0,51 - - 1,15 -
Euphorbiaceae Sebastiania híspida - - 3 - - 3 - - 0,45 - - 0,12 - - 1,52 - - 2,08 -
Asteraceae Stevia clauseni - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,01 - - 0,51 - - 0,66 -
Fabaceae Stylosanthes cuminata - - 1 - - 1 - - 0,15 - - 0,03 - - 0,51 - - 0,69 -
63

NI NA DR DoR FR VI CD
Família Espécies CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH CA CS CH

Melastomataceae Tibouchina - 1 - - 1 - - 0,27 - - 0,04 - - 0,49 - - 0,79 - -


hatschbachii
Melastomataceae Tibouchina sp. - 3 1 - 2 1 - 0,80 0,15 - 0,49 0,06 - 0,97 0,51 - 2,26 0,71 -
Asteraceae Vernonia sp. 5 - - 1 - 1 - - 0,15 - - 0,00 - - 0,51 - - 0,66 -
Asteraceae Vernonia - 2 - - 2 - - 0,53 - - 0,10 - - 0,97 - - 1,60 - -
mollissima
Asteraceae Vernonia cf. - - 3 - - 2 - - 0,45 - - 0,21 - - 1,01 - - 1,67 -
cataractarum
Asteraceae Vernonia nudiflora - - 3 - - 2 - - 0,45 - - 2,46 - - 1,01 - - 3,92 -
Asteraceae Vernonia sp. 2 - - 2 - - 2 - - 0,30 - - 0,03 - - 1,01 - - 1,33 -
64

Capítulo 3

Caracterização Florística e Estrutural da Vegetação Florestal do


Parque Estadual do Guartelá, Município de Tibagi, Estado do
Paraná
65

Introdução

A Floresta Ombrófila Mista, cujo elemento característico é a Araucaria

angustifolia, encontra-se distribuída atualmente no Brasil meridional e na

província de Missiones na Argentina, ocorrendo nas porções mais elevadas do

planalto brasileiro principalmente nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio

Grande do Sul, entre 500 e 1.200 metros de altitude, além de áreas disjuntas em

São Paulo e Minas Gerais (Hueck 1972; Veloso et al. 1991; Gubert Filho 1993)

Este tipo de vegetação encontra-se em diferentes estágios sucessionais,

nos quais as espécies mais importantes de cada associação são substituídas,

propiciando a formação de sub-bosques de composição heterogênea (Klein

1960, 1984; Imaguire 1980).

Em toda a extensão de ocupação, ao longo do planalto sul brasileiro, a

floresta é interrompida pelos campos, com os quais estabelece ecótonos que

representam a linha de frente da ocupação pela floresta (Backes 1983). No

Estado do Paraná, onde se concentra a maior área, distribuem-se no primeiro,

segundo e a parte leste do terceiro planalto, formando ecótonos também com a

Floresta Ombrófila Densa, a Savana e a Floresta Estacional Semidecidual (Klein

1960; Castelha & Britez 2004).

No segundo planalto paranaense, e em particular na região dos

Campos Gerais, a Floresta Ombrófila Mista não é bem desenvolvida devido às

condições edáficas, assim os elementos florestais se apresentam com freqüência,

como manchas quase circulares denominados capões ou como matas de galeria

que ocorrem especialmente em encostas, diques de diabásio, pequenas

depressões ou nas cabeceiras das nascentes, onde o solo é mais profundo com

maior acúmulo de detritos orgânicos (Klein & Hatschbach 1971; Melo &

Meneguzzo 2001).
66

Segundo Moro et al. (2003), na fitofisionomia atual de tal região, estas

áreas florestais são na maioria secundárias, em conseqüência de explorações,

tanto no ciclo da erva-mate quanto no da madeira. No entanto, com avanço

tecnológico e o fim da extração de material lenhoso, a vegetação começou

naturalmente a se regenerar. Assim, as áreas mais representativas estão em

processo de regeneração há cerca de 50 anos, tendo já alcançado, em função do

solo e clima, um estágio de equilíbrio secundário (Moro et al. 2003).

Apesar da importância na paisagem paranaense, trabalhos sobre a

estrutura destas florestas são incipientes (Silva 2002; Castelha & Britez 2004),

estando concentrados principalmente no Primeiro Planalto (Longhi & Faehser

1980; Oliveira & Rotta 1983; Silva & Marconi 1990; Kozera 1997). Na região dos

Campos Gerais, os levantamentos fitossociológicos foram realizados por Galvão

et al. (1989), Silva et al. (1992), Vargas (1992), Nakajima et al. (1996), Dias et al.

(1998), Oliveira (2001), Souza (2001) e Ramos (2003). Estes estudos mostram

diferenças estruturais significativas entre as áreas, sugerindo que variáveis

ambientais estariam determinando a preferência de habitats pelas diferentes

populações que constituem as fitocenoses.

Com o objetivo de entender a estrutura e distribuição das fisionomias

florestais da região dos Campos Gerais, realizou-se um levantamento

fitossociológico das áreas de floresta naturalmente fragmentadas do Parque

Estadual do Guartelá, município de Tibagi. Nesta unidade de conservação os

fragmentos de Floresta Ombrófila Mista ocupam posições distintas, ao longo do

canyon do rio Iapó e em topo de encosta, estabelecendo contatos com o campo e

cerrado. Também sofrem forte influência da Floresta Estacional Semidecidual

(Ziller & Hatschbach 1996; Castelha & Britez 2004) pela posição geográfica

(mais ao norte), constituindo uma área de transições climática e florística muito

peculiar.
67

Assim, procurou-se responder as seguintes questões: a) Estas florestas

fragmentadas naturalmente, localizadas em condições ambientais distintas,

implicam em maior riqueza de espécies? b) A composição florística caracteriza

uma área ecotonal entre as formações Floresta Ombrófila Mista e Floresta

Estacional Semidecidual? c) Há uma correlação entre a distribuição das

abundâncias das espécies e as variáveis do solo? d) Qual a estrutura do

componente herbáceo-arbustivo (indivíduos até 1m) dos fragmentos florestais?

Pela característica de distribuição em mosaico da fisionomia florestal

do Parque Estadual do Guartelá, espera-se encontrar uma alta variação na

estrutura e composição, decorrentes das diferentes condições edáficas, da

confluência exercida pelos fatores climáticos, pelo contato com as formações

vegetais adjacentes e, ainda, pela influência da Floresta Estacional

Semidecidual, o que acarretaria em maior diversidade quando comparada com

áreas de florestas contínuas.

Material e Métodos

Caracterização da Área de Estudo (vide página 4)

Coleta e Análise de Dados

Composição, Estrutura e Recrutamento - Foram estabelecidos parcelas de 10 X

10m, alocadas em pares e distribuídas da seguinte maneira: 30 parcelas em sete

capões de diferentes tamanhos, variando de duas parcelas em áreas muito

restritas a seis parcelas em capões maiores; e mais 20 parcelas, em quatro

localidades ao longo da vegetação que acompanha o leito do rio Iapó (ver Fig. 2,

pág. 11), totalizando uma área amostral de 0,5 ha. Incluiu-se na amostragem os

indivíduos que apresentavam altura igual ou superior a 3m. Dentro de cada


68

parcela foram estabelecidas subparcelas de 1 x 1m, amostrando todas as plantas

com altura menor ou igual a 1m de altura.

A demarcação dos indivíduos foi realizada por meio de plaquetas

numeradas. As anotações a respeito dos espécimes constavam do número do

indivíduo, o valor da altura (estimado para as árvores), o valor da

circunferência à altura do peito (CAP) para as espécies arbóreas

(posteriormente convertidas em diâmetro) e o valor do diâmetro ao nível do

solo (DAS) para as plantas amostradas nas sub-parcelas.

A partir dos dados tomados em campo foram calculados, por meio do

programa Fitopac (Shepherd 1995), o índice de diversidade de Shannon (H’), a

eqüabilidade (J) e os descritores fitossociológicos: densidade relativa, freqüência

relativa, dominância relativa e valor de importância, de acordo com Mueller-

Dombois & Ellenberg (1974).

Comparações Florísticas - Para avaliar a influência da composição de espécies

arbóreas e arbustivas das áreas florestais do PEG em relação às floras das

formações Ombrófila Mista e Estacional Semidecidual, foi montada uma matriz

de presença/ausência dos taxa identificados em nível específico encontrados na

bibliografia disponível de 28 levantamentos realizados nestas formações no

estado do Paraná. Com base nesta matriz, que constou de 447 espécies

revisadas e sinonimizadas, realizou-se a análise de agrupamento (UPGMA)

usando o índice de Jaccard como medida de semelhança. Para os cálculos e a

apresentação do dendrograma utilizou-se o programa PC-Ord for Windows

versão 4.14 (McCune & Mefford 1999).

Obtenção dos dados de Solo - Com auxílio de um trado foram obtidas amostras de

solos das 50 parcelas estabelecidas. As coletas eram realizadas em cinco pontos

dentro dos quadrados de 10 X 10m (nas quatro vertentes e no centro), a uma

profundidade de 0-20 cm. No entanto, em algumas parcelas (P17, P18, P33, P34,
69

P37, P38) foram realizadas coletas de solo superficial, pois estavam alocadas

ambientes com predominância de rocha exposta.

Todas as amostras foram encaminhadas para os Laboratórios de

Fertilidade e Física do Solo do Setor de Ciências Agrárias da Universidade

Estadual de Ponta Grossa (Paraná), onde procederam as análises químicas e

granulométricas.

Correlações entre distribuição de espécies e variáveis do solo – As relações entre as

propriedades químicas, textura dos solos e distribuição das espécies nas

parcelas foram avaliadas por meio de uma análise de correspondência

canônica-CCA (ter Braak 1987), utilizando-se o Programa PC-ORD for

Windows versão 4.14 (McCune & Mefford 1999).

Nessa análise os dados de número de indivíduos por espécie em cada

parcela foram relacionados aos seguintes parâmetros: teores de areia, silte e

argila (g Kg -1); pH em CaCl2; níveis de P (mg/dm 3 ), C-org (g/dm), K, Ca, Mg e

Al (cmolc/dm 3); saturação por bases (V) e saturação por Al (m). As variáveis

do solo (vs.) expressas em porcentagem (argila, silte, areia, V e m ) foram

transformadas pela expressão arco-seno (vs. 0,01), visando diminuir os desvios

de suas distribuições em relação à distribuição normal (ZAR, 1996). A matriz de

abundância das espécies foi constituída pelo número de indivíduos por parcela

das 45 espécies que apresentavam dez ou mais indivíduos na amostra total.

Com o objetivo de excluir variáveis pouco correlacionadas com os eixos

da ordenação (r<0,4) e as redundantes (r>0,8), foram processadas análises

preliminares com todas as 12 variáveis. A CCA final foi processada com as seis

variáveis mais fortemente correlacionadas com os eixos de ordenação: teores de

areia e argila e níveis de Mg, P, Al e m (saturação por Al). Apesar de

redundantes, as variáveis Al e m foram mantidas na análise, pois a primeira

teve maior correlação com o eixo 1, enquanto a segunda apresentou alta

correlação com o eixo 2.


70

Foi aplicado o teste de permutação de Monte Carlo (500 permutações)

para verificar a significância das correlações entre os padrões emergentes das

espécies e as variáveis edáficas na CCA final.

Resultados

Estrutura do componente arbóreo - Foram encontradas 43 famílias, 85

gêneros, totalizando 140 espécies, sendo que destas, quatro permanecem sem

identificação (Tab. 1). A densidade total foi de 3866 indivíduos por ha,

enquanto a área basal foi de 44,97 por ha. A diversidade calculada através do

índice de Shannon foi de 4,10 e a eqüabilidade de 0,83.

As famílias com maior riqueza em espécies foram: Myrtaceae (21

espécies), Lauraceae (15), Euphorbiaceae (12), Fabaceae (12) e Rubiaceae (7).

Apenas estas cinco famílias constituem 47,9% do total de espécies amostradas.

Estas mesmas famílias juntamente com Celastraceae, Vochysiaceae,

Rutaceae, Salicaceae e Myrsinaceae apresentam os maiores valores de

importância (VI), representando 73,9% .

Myrtaceae foi a família mais importante (VI= 16,5%), obtendo os

maiores valores de freqüência (FR= 9,40%) e densidade (DR= 28,8%), sendo

discrepante deste último índice em relação às demais famílias amostradas. No

entanto, obteve o 3º lugar em DoR (11,4%), devido ao pequeno porte dos

indivíduos, ocupando principalmente o sub-bosque das áreas florestadas.

Fabaceae foi a segunda família mais importante, alcançando o maior valor em

DoR (24,2%), devido principalmente à alta dominância dos indivíduos de

Anadenanthera colubrina, Copaifera langsdorffii e Inga vera.

A análise fitossociológica (Tab. 1) revelou as espécies Maytenus robusta,

Callisthene major, Anadenanthera colubrina, Copaifera langsdorffii, Calyptranthes


71

Tabela 1- Espécies do componente arbóreo amostradas nas florestas do Parque Estadual do


Guartelá, Município de Tibagi-PR, e seus parâmetros fitossociológicos: NI-nº de indivíduos; NA-nº
de parcelas; DR-densidade relativa (%); DoR-dominância relativa (%); FR-frequência relativa (%);
IVI-índice de valor de importância. * Para os autores das espécies ver capítulo 4.
Famílias Espécies* Cód. NI NA DR DoR FR IVI
Celastraceae Maytenus robusta Mayt ro 103 30 5,33 5,30 3,73 14,36
Vochysiaceae Callisthene major Call ma 51 19 2,64 8,32 2,36 13,32
Fabaceae Anadenanthera colubrina Anad co 36 20 1,86 8,42 2,49 12,77
Fabaceae Copaifera langsdorffii Copa la 57 18 2,95 6,44 2,24 11,63
Myrtaceae Calyptranthes concinna Caly co 78 29 4,04 2,04 3,61 9,68
Euphorbiaceae Pera glabrata Pera gl 43 20 2,22 4,95 2,49 9,66
Rutaceae Pilocarpus pauciflorus Pilo pa 116 14 6,00 1,40 1,74 9,15
Myrtaceae Calycoretes psidiiflorus Caly os 91 15 4,71 1,68 1,87 8,25
Myrtaceae Myrcia rostrata Myrc ro 95 19 4,91 0,86 2,36 8,13
Myrsinaceae Rapanea umbellata Rapa um 60 28 3,10 1,49 3,48 8,07
Myrtaceae Myrcia breviramis Myrc br 69 18 3,57 2,13 2,24 7,93
Salicaceae Casearia sylvestris Case sy 61 24 3,16 1,66 2,99 7,80
Fabaceae Inga vera Inga ve 46 10 2,38 4,14 1,24 7,77
Monimiaceae Mollinedia clavigera Moll cl 57 24 2,95 1,26 2,99 7,20
Myrtaceae Myrcia multiflora Myrc um 47 21 2,43 1,37 2,61 6,42
Euphorbiaceae Alchornea triplinervea Alch tr 20 14 1,03 3,07 1,74 5,84
Rubiaceae Rudgea sp. Rudg sp 59 13 3,05 0,44 1,62 5,11
Moraceae Sorocea bonplandii Soro bo 43 17 2,22 0,37 2,11 4,71
Euphorbiaceae Sebastiania schottiana Seba sc 28 11 1,45 1,76 1,37 4,58
Rubiaceae Coussarea sp. Cous sp 42 9 2,17 0,76 1,12 4,05
Rutaceae Esenbeckia grandiflora Esen gr 37 8 1,91 1,01 1,00 3,92
Proteaceae Roupala brasiliensis Roup Br 30 15 1,55 0,44 1,87 3,86
Melastomataceae Miconia sp. Mico sp 12 10 0,62 1,95 1,24 3,81
Fabaceae Leucochloron incuriale Leuc in 18 10 0,93 1,58 1,24 3,75
Lauraceae Ocotea bicolor Ocot bi 12 9 0,62 1,97 1,12 3,71
Salicaceae Casearia obliqua Case ob 13 10 0,67 1,65 1,24 3,57
Myrtaceae Myrciaria cuspidata Myrc cu 35 10 1,81 0,35 1,24 3,41
Araucariaceae Araucaria angustifolia 8 6 0,41 1,92 0,75 3,08
Myrtaceae Eugenia handroana Euge ha 18 9 0,93 0,88 1,12 2,93
Araliaceae Schefflera morototonii Sche mo 12 7 0,62 1,42 0,87 2,91
Euphorbiaceae Actinostemon concolor Acti co 30 9 1,55 0,23 1,12 2,90
Myrtaceae Myrciaria floribunda Myrc fl 18 12 0,93 0,25 1,49 2,68
Myrtaceae Myrcia obtecta Myrc ob 20 10 1,03 0,29 1,24 2,57
Lamiaceae Vitex montevidensis Vite mo 11 8 0,57 0,97 1,00 2,53
Myrtaceae Plinia rivularis Plin ri 22 6 1,14 0,63 0,75 2,51
Myrtaceae Myrcia arborescens Myrc ar 12 8 0,62 0,84 1,00 2,45
Rosaceae Prunus myrtifolia Prun my 13 11 0,67 0,41 1,37 2,45
Euphorbiaceae Sebastiania brasiliensis Seba br 12 8 0,62 0,79 1,00 2,41
Euphorbiaceae Gymnanthes cf. discolor Gymn di 13 7 0,67 0,81 0,87 2,35
Lauraceae Nectandra grandiflora 9 7 0,47 0,97 0,87 2,31
Lauraceae Lauraceae sp. 1 7 5 0,36 1,23 0,62 2,21
Sapotaceae Chrysophyllum Chry ma 10 6 0,52 0,85 0,75 2,11
marginatum
Fabaceae Calliandra selloi Call se 12 7 0,62 0,62 0,87 2,11
Arecaceae Syagrus romanzoffiana 7 6 0,36 0,95 0,75 2,06
72

Tab. 1 (continua)
Rubiaceae Ixora venulosa Ixor ve 15 9 0,78 0,14 1,12 2,04
Cactaceae Cereus peruvianus 7 5 0,36 0,88 0,62 1,86
Fabaceae Machaerium nyctitans Mach ny 10 5 0,52 0,68 0,62 1,82
Fabaceae Erythrina falcata 1 1 0,05 1,64 0,12 1,81
Annonaceae Guatteria australis 4 4 0,21 1,05 0,50 1,75
Meliaceae Cedrela fissilis 9 4 0,47 0,72 0,50 1,68
Indeterminada Indeterminada sp. 1 8 3 0,41 0,82 0,37 1,61
Lauraceae Ocotea diospyrifolia 6 4 0,31 0,78 0,50 1,59
Anacardiaceae Lithraea molleoides 4 4 0,21 0,83 0,50 1,53
Myrtaceae Psidium spathulatum 9 8 0,47 0,05 1,00 1,51
Aquifoliaceae Ilex sp.1 9 4 0,47 0,49 0,50 1,45
Apocynaceae Aspidosperma Aspi po 10 6 0,52 0,16 0,75 1,43
polyneuron
Moraceae Ficus sp. 4 2 2 0,10 1,00 0,25 1,35
Lauraceae Cinnamomum 5 5 0,26 0,45 0,62 1,33
sellowianum
Fabaceae Machaerium sp. 1 5 5 0,26 0,44 0,62 1,32
Melastomataceae Miconia ligustroides 7 5 0,36 0,27 0,62 1,26
Myrtaceae Myrcia sp. 2 Myrt 12 4 0,62 0,13 0,50 1,24
Celastraceae Maytenus evonymoides 7 6 0,36 0,06 0,75 1,17
Asteraceae Gochnatia sp. 2 5 3 0,26 0,44 0,37 1,07
Rubiaceae Psychotria vellosiana Psyc ve 13 3 0,67 0,01 0,37 1,06
Salicaceae Casearia lasiophylla 7 3 0,36 0,30 0,37 1,03
Moraceae Ficus sp. 3 6 4 0,31 0,20 0,50 1,01
Myrtaceae Eugenia neoverrucosa 8 4 0,41 0,09 0,50 1,01
Nyctaginaceae Guapira opposite 6 4 0,31 0,19 0,50 1,00
Lauraceae Ocotea silvestris 4 4 0,21 0,25 0,50 0,96
Thymelaeaceae Daphnopsis racemosa 7 4 0,36 0,06 0,50 0,92
Euphorbiaceae Sebastiania 9 2 0,47 0,18 0,25 0,89
commersoniana
Meliaceae Guarea macrophylla 3 3 0,16 0,34 0,37 0,87
Fabaceae Bauhinia forficata 3 3 0,16 0,32 0,37 0,85
Rubiaceae Chomelia cf obtusa 4 4 0,21 0,08 0,50 0,78
Myrtaceae Myrcia venulosa 5 4 0,26 0,03 0,50 0,78
Euphorbiaceae Croton floribundus 4 3 0,21 0,20 0,37 0,78
Fabaceae Machaerium sp. 2 1 1 0,05 0,60 0,12 0,78
Vochysiaceae Qualea cordata 3 3 0,16 0,24 0,37 0,77
Annonaceae Rollinia sylvatica 4 3 0,21 0,17 0,37 0,75
Lauraceae Lauraceae sp. 2 1 1 0,05 0,57 0,12 0,75
Myrtaceae Eugenia ramboi 6 3 0,31 0,03 0,37 0,71
Aquifoliaceae Ilex cf amara 1 1 0,05 0,51 0,12 0,69
Lauraceae Lauracea sp. 6 5 3 0,26 0,04 0,37 0,68
Sapindaceae Cupania vernalis 3 3 0,16 0,14 0,37 0,67
Salicaceae Salicaceae sp. 1 1 0,05 0,48 0,12 0,66
Vochysiaceae Vochysia sp. 4 3 0,21 0,07 0,37 0,65
Myrtaceae Campomanesia 5 2 0,26 0,10 0,25 0,61
guazumifolia
Indeterminada Indeterminada sp. 2 3 3 0,16 0,07 0,37 0,60
Hippocrateaceae Hippocrateaceae sp. 6 2 0,31 0,03 0,25 0,59
73

Tab. 1 (continua)
Aquifoliaceae Ilex sp. 2 6 2 0,31 0,02 0,25 0,58
Clethraceae Clethra scabra 4 2 0,21 0,11 0,25 0,57
Lauraceae Ocotea sp. 3 3 2 0,16 0,14 0,25 0,55
Euphorbiaceae Croton sp. 2 1 1 0,05 0,37 0,12 0,54
Moraceae Ficus sp. 2 2 2 0,10 0,17 0,25 0,53
Rubiaceae Rubiaceae sp. 1 4 2 0,21 0,02 0,25 0,48
Arecaceae Geonoma schottiana 3 2 0,16 0,08 0,25 0,48
Malvaceae Luehea divaricata 2 2 0,10 0,07 0,25 0,42
Rutaceae Zanthoxylum sp. 3 2 0,16 0,02 0,25 0,42
Asteraceae Piptocarpha angustifolia 3 2 0,16 0,01 0,25 0,41
Euphorbiaceae Croton sp. 1 2 2 0,10 0,05 0,25 0,40
Myrtaceae Pimenta 2 2 0,10 0,04 0,25 0,39
pseudocaryophyllus
Lythraceae Lafoensia pacari 2 2 0,10 0,03 0,25 0,38
Rubiaceae Alibertia myrciifolia 2 2 0,10 0,01 0,25 0,37
Lauraceae Persea wildenovii 1 1 0,05 0,19 0,12 0,36
Lauraceae Ocotea pulchella 1 1 0,05 0,19 0,12 0,36
Melastomataceae Miconia petropolitana 2 2 0,10 0,00 0,25 0,36
Myrtaceae Myrcia hatschbachii 2 2 0,10 0,00 0,25 0,35
Fabaceae Ormosia arborea 2 1 0,10 0,12 0,12 0,35
Sapindaceae Matayba elaegnoides 1 1 0,05 0,15 0,12 0,33
Ebenaceae Diospyros hispida 1 1 0,05 0,14 0,12 0,32
Urticaceae Cecropia sp. 1 1 0,05 0,13 0,12 0,31
Cunoniaceae Lamanonia ternata 2 1 0,10 0,06 0,12 0,28
Indeterminada Indeterminada sp. 3 1 1 0,05 0,11 0,12 0,28
Fabaceae Machaerium aculeatum 1 1 0,05 0,09 0,12 0,27
Rosaceae Prunus sp. 2 1 0,10 0,02 0,12 0,25
Elaeocarpaceae Sloanea lasiocoma 2 1 0,10 0,02 0,12 0,25
Annonaceae Guateria nigrescens 1 1 0,05 0,07 0,12 0,24
Lauraceae Ocotea sp. 2 1 1 0,05 0,07 0,12 0,24
Lauraceae Cryptocarya sp. 1 1 0,05 0,06 0,12 0,24
Euphorbiaceae Croton sp. 3 2 1 0,10 0,01 0,12 0,23
Solanaceae Solanaceae sp. 1 1 0,05 0,05 0,12 0,22
Solanaceae Solanum argentium 1 1 0,05 0,04 0,12 0,22
Bignoniaceae Tabebuia chrysotryca 1 1 0,05 0,04 0,12 0,22
Euphorbiaceae Sapium glandulatum 1 1 0,05 0,03 0,12 0,20
Meliaceae Trichilia elegans 1 1 0,05 0,02 0,12 0,19
Meliaceae Trichilia claussenii 1 1 0,05 0,01 0,12 0,19
Lauraceae Ocotea sp. 4 1 1 0,05 0,01 0,12 0,19
Myrtaceae Myrcia sp. 1 1 1 0,05 0,01 0,12 0,19
Boraginaceae Cordia ecalyculata 1 1 0,05 0,01 0,12 0,19
Bignoniaceae Jacaranda puberula 1 1 0,05 0,01 0,12 0,18
Sapotaceae Chrysophyllum 1 1 0,05 0,01 0,12 0,18
gonocarpum
Indeterminada Indeterminada sp. 4 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Elaeocarpaceae Sloanea cf garkeana 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Erythroxylaceae Erythroxylum deciduum 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Myrtaceae Myrciaria delicatula 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Annonaceae Rollinia sp. 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
74

Tab. 1 (continua)
Asteraceae Piptocarpha axilares 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Ericaceae Agarista pulchella 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Solanaceae Cestrum strigilato 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18
Lauraceae Ocotea sp. 1 1 1 0,05 0,00 0,12 0,18

concinna, Pera glabrata, Pilocarpus pauciflorus, , Calycoretes psidiiflorus, Myrcia

rostrata e Rapanea umbellata com os maiores valores de importância (VI)

encontrados nas florestas do PEG, respectivamente. Estas dez espécies somam

730 indivíduos, o que representa 35% do total amostrado.

Algumas espécies se destacaram em valores de dominância, já que

possuem representantes de grande porte como Anadenanthera colubrina,

Callisthene major, Copaifera langsdorffii, Maytenus robusta e Pera glabrata, além de

Inga vera que obteve alto valor de área basal em conseqüência das ramificações

de seus caules.

Por outro lado, Pilocarpus pauciflorus, Myrcia rostrata, Calycoretes

psidiiflorus, Calyptranthes concinna e Myrcia breviramis são espécies importantes

do sub-bosque que alcançaram altos valores de densidade, mas pouca

expressividade em relação à área basal.

Nota-se que, de um modo geral, freqüência relativa (FR) foi o

parâmetro que apresentou valores com distribuição mais uniforme entre as

espécies amostradas, contudo, destacaram-se Maytenus robusta, Calyptranthes

concinna e Rapanea umbellata pela ampla ocorrência, estando presentes em

aproximadamente 60% das unidades amostrais.

O pinheiro-do-paraná, Araucaria angustifolia, espécie predominante da

Floresta Ombrófila Mista, foi amostrado em apenas seis parcelas, representando

uma densidade absoluta de 16 ind./ha. Para Aspidosperma polyneuron, uma das

espécies mais abundante na Floresta Estacional Semidecidual, a densidade

absoluta foi de 20 ind./ha.


75

Comparações Florísticas - Através do dendograma (Fig. 1) de 29 áreas florestais

estudadas para o estado do Paraná (Tab. 2), incluindo o presente trabalho,

pode-se observar que estas formam dois grandes grupos. O primeiro grupo,

maior e caracterizado pela heterogeneidade, foi formado exclusivamente por

áreas de Floresta Ombrófila Mista (ver Tab. 2). O segundo grupo apresentou

dois subgrupos, um constituído predominantemente de remanescentes de

Floresta Estacional Semidecidual (a área FMA é a única exceção), e um outro, o

qual inclui o PEG, representado por locais situados no segundo planalto

paranaense, com áreas tradicionalmente classificadas como Floresta Ombrófila

Mista, mas que estão sob influência da Estacional.

Distance (Objective Function)


1,2E-01 1,8E+00 3,5E+00 5,2E+00 6,9E+00

FNI
FGA
COL1
COL2
SJT
SMS
PMBR
PETB
FTC
PA
RQP
FCR
RSJ
RCC
CI
JB
VRB
VRI
PEVV
PEG
FB
FBS
FD-P
FD-C
PMG-N
PMG-T
FMA
PMG-C
PMG-A

Figura 1 – Dendograma mostrando os grupos obtidos pelo Coeficiente de Similaridade


de Jaccard e usando média de grupo como método de agrupamento, em áreas de
Florestas Ombrófila Mista e Estacional Semidecidual para o Estado do Paraná.
76

Tabela 2- Estudos em áreas florestais do Estado do Paraná.Cód. –código. Alt.- altitude. FF- formação florestal: FOM– floresta ombrófila mista;
FOMA- floresta ombrófila mista aluvial; FES– floresta estacional semidecidual; FESA- floresta estacional semidecidual aluvial. NE– número
de espécies arbórea-arbustiva selecionada para análise.
Cód. Localidade Município Coordenada Alt. (m) FF Clima NE Autores
VRB Varzea do Bitumirim Ipiranga 806 FOMA Cfb 36 Silva et al. 1992
SMS Fazenda do Durgo S Mateus do Sul 25°52’S e 50°23’W 760 FOM Cfb 104 Britez et al. 1995
VRI Várzea do rio Iguaçu S Mateus do Sul 25°52’S e 50°23’W 760 FOMA Cfb 55 Silva et al. 1997
FNI Floreta Nacional de Irati Teixeira Soares 870 FOM Cfb 99 Galvão et al. 1992
FGA Fazenda Gralha Azul Fazenda Rio Grande 25°37’S e 49°45’W 870-920 FOM Cfb 57 Koehler et al. 1998
SJT Estação experimental UFPR S. J. do Triunfo 25°34’S e 50°05’W 780 FOM Cfb 37 Sanquetta & Corte 1998
JB Jardim Botânico Curitiba 25°25’S e 49°17’W 900 FOM Cfb 36 Cervi et al. 1989
FTC Fazenda 3 Capões Guarapuava 25°24’S e 51°40’W 989 FOM Cfb 48 Silva 2001
PA P das Araucárias Guarapuava 25°21’S e 51°27’W 1098 FOM Cfb 36 Silva 2001
COL1 Colombo Colombo 25°20’S e 49°14’W 920 FOM Cfb 43 Silva & Marconi 1990
COL2 U. Pesquisa florestal Centro-Sul Colombo 25°20’S e 49°14’W 920 FOM Cfb 53 Oliveira & Rotta 1982
CI Capão da Imbui Curitiba FOM Cfb 36 Dombrowiski & Kuniyoshi 1967
PEVV P E Vila Velha Ponta Grossa 25°15’S e 50°05’W 794-916 FOM Cfb 95 Ramos 2003
RQP Rio Quebra-Perna Ponta Grossa 25°08’S e 49°58’W FOMA Cfb 59 Oliveira 2001
RCC Mata Ciliar do Rio Cara-Cara Ponta Grossa 25°09’S e 50°07’W 780 FOM Cfb 34 Moro et al. 2001
RSJ Rio São Jorge Ponta Grossa 25°06’S e 50°04’W 875-1110 FOMA Cfb 40 Moro et al. 1996
PMBR P. M. Boca da Ronda Ponta Grossa FOM Cfb 57 Takeda et al. 1998
PEG P. E. Guartelá Tibagi 24°39S e 50 15’W 800-1150 FOM Cfa 113 Presente estudo
FB Fazenda Batavo Tibagi 24°31’S e 50° 25’W 700-711 FOMA Cfa 131 Dias et al. 1998
FMA Fazenda Monte Alegre Telêmaco Borba 24°20’S e 50°37’W 606 FOMA Cfa 89 Nakajima et al. 1996
PETB Parque Ecológico Telêmaco Borba 24°18’S e 50°35’W 885 FOM Cfb 40 Vargas 1992
FCR Faz. Chapada do Restingão Jaguariaíva 24°19’S e 49°37’W 1130 FOMA Cfb 73 Souza 2001
FBS Fazenda Bom Sucesso Sapopema 24°01’S e 50°41’W 780 FESA Cfa 109 Silva et al. 1995
PMG-C P E Mata dos Godoy Londrina 23°27’S e 51°15’W 500 FESA Cfa 85 Soares-Silva et al. 1998
PMG-A P E Mata dos Godoy Londrina 23°27’S e 51°15’W 500 FESA Cfa 60 Bianchini et al. 2003
PMG-T P E Mata dos Godoy Londrina 23°27’S e 51°15’W 500-600 FES Cfa 80 Silveira 1993
PMG-N P E Mata dos Godoy Londrina 23°27’S e 51°15’W 600-640 FES Cfa 93 Soares-Silva & Barroso 1992
FD-C Fazenda Doralice Ibiporã 23°16’S e 51°01’W 480 FESA Cfa 92 Soares-Silva et al. 1992
FD-P Fazenda Doralice Ibiporã 23°16’S e 51°01’W 480 FES Cfa 115 Carmo 1995
77

Grupo de espécies e zonações – Os autovalores obtidos da CCA para os eixos 1 e 2

foram 0,36 e 0,21, respectivamente. Estes valores são considerados baixos (< 0,5

– ter Braak 1995), indicando a predominância da variação nas abundâncias das

espécies. Os dois primeiros eixos da CCA explicaram em conjunto apenas 12,5%

(eixo 1, 7,9% e eixo 2, 4,6%) da variância dos dados, portanto, uma grande

proporção da variância permaneceu sem explicação.

Por outro lado, as co-relações entre espécies-composição do solo foram

altas para os dois primeiros eixos da CCA: 0,87 (eixo 1) e 0,83 (eixo 2). Além

disso, o teste de permutação de Monte Carlo (P< 0,05) indicou que estas co-

relações foram significativas para estes dois eixos.

A CCA ordenou dois grupos distintos: um formado pelas parcelas

distribuídas nos capões (principalmente à esquerda do eixo 1), e outro pelas

parcelas alocadas na floresta de galeria (à direita do eixo 1) (Fig. 2).

O primeiro eixo esteve relacionado fortemente à textura do solo, com

areia associada positivamente e a argila e Al negativamente (Tab. 3). Já o eixo 2.

esteve associado principalmente com a disponibilidade de nutrientes,

apresentando correlação positiva com areia, Al e m, enquanto Mg teve

correlação negativa.

Portanto, a textura e a acidez dos solos foram as principais

propriedades que determinaram esses dois grupos. A floresta de galeria foi

relacionada a solos arenosos, enquanto os capões estiveram associados a solos

mais ácidos e de textura argilosa, formando dois subgrupos: um com ambientes

de solos álicos (Al, m) e outro com solos mais férteis (Mg).

A ordenação das espécies pela CCA (Fig. 3) sugere que Callisthene

major, Machaerium nyctitans, Sebastiania schottiana, S. brasiliensis, Calliandra selloi e

Inga vera estiveram relacionadas à ambientes com solos arenosos distribuídas

principalmente ao longo da floresta de galeria. Nas unidades amostrais


78

Figura 2- Diagrama de ordenação das parcelas pela análise de correspondência


canônica (CCA), baseado na distribuição do número de indivíduos de 45
espécies em 50 parcelas das florestas do Parque Estadual do Guartelá, Tibagi,
PR, e suas correlações com varáveis do solo.
79

Figura 3- Diagrama de ordenação de espécies pela análise de correspondência


canônica (CCA), baseado na distribuição do número de indivíduos de 45
espécies em 50 parcelas das florestas do Parque Estadual do Guartelá, Tibagi,
PR, e suas correlações com varáveis do solo. Os nomes das espécies
correspondente as abreviações encontram-se na tabela 1.
80

Tabela 3 – Matriz de correlação entre as variáveis do solo e os dois primeiros eixos da


análise de correspondência canônica (CCA) (A) e as correlações entre as variáveis do
solo (B) em 50 parcelas distibuídas nas florestas do Parque Estadual do Guartelá,
Tibagi, PR.

__________ A _______ ________________ B ______________

Eixo 1 Eixo 2 areia argila Al Mg P

areia 0,596 0,424

argila -0,711 -0,384 -0,885

Al -0,640 0,473 -0,376 0,351

Mg -0,212 -0,589 -0,430 0,588 -0,271

P 0,509 -0,012 0,051 -0,243 -0,295 -0,092

m -0,380 0,615 -0,003 0,013 0,811 -0,580 -0,295

estabelecidas em capões com alta acidez estiveram Psychotria vellosiana,

Schefflera morototoni e Myrciaria cuspidata, relacionadas com m e as espécies

Myrcia sp. 2, Plinia rivulares, Myrcia multiflora e Casearia obliqua relacionadas à

ambientes argiliosos com alta concentração de Al. No entanto, Coussaria sp.,

Alchornea triplinervia, Casearia sylvestris, Chrysophylum marginata e Actinostemon

concolor estiveram preferencialmente em parcelas distribuídas nos capões com

presença de solos mais férteis, com alta concentração de Mg.

Comparando a estrutura da vegetação nas amostras dos capões e da

floresta de galeria, tem-se que 42 espécies foram comuns a duas amostragens,

29 encontrou-se apenas na floresta de galeria, enquanto que 72 foram

amostradas exclusivamente nos capões. A vegetação dos capões mostrou uma

maior diversidade e valores de densidade e área basal superiores aos

encontrados para àquela que margeia o rio Iapó (Tab. 4). No entanto, a
81

distribuição dos indivíduos pelas espécies (J) foi maior para a floresta de

galeria.

Tabela 4 – Parâmetros comparativos entre a florestas dos Capões e da floresta de


galeria do Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR.

Descritores Capões Galeria

Número de parcelas 30 20

Número de indivíduos 1235 698

Número de espécies 111 72

Número de famílias 40 37

Densidade total (ind./ha.) 4.117 3.490

Área basal total (m2/ha.) 43,24 51,50

Índice de diversidade (H’ ) 3,89 3,62

Índice de equabilidade (J) 0,83 0,85

Componente herbáceo-arbustivo – Na amostragem dos indivíduos iguais ou

menores que 1m (Tab. 5) foram encontradas 92 espécies pertencentes a 35

famílias distribuídas em 402 indivíduos, o que representa uma densidade total

de 80400 ind./ha. Porém, encontrou-se alta variação no número de indivíduos

por parcela, com o máximo de 38 em uma única parcela amostrada em capão e

a ausência de qualquer planta em sete parcelas localizadas em ambiente

rochoso na floresta de galeria.

A maioria das famílias, ou seja, 80,6% são as mesmas encontradas no

componente arbóreo. Por outro lado, 36,4% das famílias que ocorreram no

componente arbóreo não foram amostradas no componente herbáceo. As


82

Tabela 5- Espécies do componente herbáceo amostradas nas florestas do Parque Estadual


do Guartelá, Município de Tibagi-PR, e seus parâmetros fitossociológicos: NI-nº de
indivíduos; NP-nº de parcelas; DR-densidade relativa (%); DoR-dominância relativa (%);
FR-frequência relativa (%); IVI-índice de valor de importância. * Para os autores das
espécies ver capítulo 4.
Famílias Espécies* NI NA DR DoR FR IVI
Rubiaceae Coussarea sp. 17 8 4,23 8,89 3,86 16,98
Rubiaceae Psychotria leiocarpa 25 5 6,22 7,42 2,42 16,06
Myrtaceae Calyptranthes concinna 16 9 3,98 4,98 4,35 13,31
Rubiaceae Psychotria vellosiana 25 7 6,22 2,37 3,38 11,97
Myrtaceae Myrciaria floribunda 10 5 2,49 7,02 2,42 11,93
Euphorbiaceae Sebastiania schottiana 6 2 1,49 9,10 0,97 11,56
Myrsinaceae Rapanea umbellata 22 7 5,47 2,26 3,38 11,11
Lamiaceae Vitex montevidensis 2 1 0,50 9,50 0,48 10,48
Rubiaceae Rudgea sp. 17 7 4,23 1,96 3,38 9,57
Monimiaceae Mollinedia clavigera 16 7 3,98 1,76 3,38 9,12
Melastomataceae Miconia sp. 13 8 3,23 1,85 3,86 8,94
Euphorbiaceae Sebastiania brasiliensis 1 1 0,25 7,01 0,48 7,74
Myrtaceae Myrciaria cuspidata 7 6 1,74 3,06 2,90 7,70
Celastraceae Maytenus robusta 12 5 2,99 1,29 2,42 6,70
Araceae Phylodendron sp. 3 3 0,75 4,26 1,45 6,46
Myrtaceae Myrcia rostrata 9 6 2,24 0,94 2,90 6,08
Fabaceae Calliandra selloi 7 3 1,74 2,65 1,45 5,84
Euphorbiaceae Euphorbiaceae sp1. 16 3 3,98 0,41 1,45 5,84
Rutaceae Pilocarpus pauciflorus 9 3 2,24 1,64 1,45 5,33
Myrtaceae Eugenia handroana 4 2 1,00 2,84 0,97 4,81
Rubiaceae Ixora venulosa 5 4 1,24 1,19 1,93 4,36
Moraceae Sorocea bonplandii 6 3 1,49 1,42 1,45 4,36
Myrtaceae Myrcia breviramis 7 4 1,74 0,50 1,93 4,17
Melastomataceae Leandra sp. 10 2 2,49 0,34 0,97 3,80
Sapindaceae Cupania vernalis 4 2 1,00 1,83 0,97 3,80
Indeterminada Indeterminada sp. 5 8 3 1,99 0,26 1,45 3,70
Sapindaceae Matayba elaeagnoides 5 4 1,24 0,28 1,93 3,45
Myrtaceae Myrcia multiflora 4 4 1,00 0,49 1,93 3,42
Celastraceae Maytenus evonymoides 6 3 1,49 0,47 1,45 3,41
Sapindaceae Serjania sp. 5 4 1,24 0,07 1,93 3,24
Salicaceae Casearia obliqua 5 3 1,24 0,36 1,45 3,05
Arecaceae Geonoma schottiana 2 1 0,50 1,88 0,48 2,86
Fabaceae Inga vera 4 2 1,00 0,73 0,97 2,70
Fabaceae Copaifera langsdorffii 3 3 0,75 0,06 1,45 2,26
Aquifoliaceae Ilex sp. 1 2 1 0,50 1,24 0,48 2,22
Indeterminada Indeterminada sp. 6 4 2 1,00 0,07 0,97 2,04
Myrtaceae Myrcia arborescens 3 1 0,75 0,59 0,48 1,82
Indeterminada Indeterminada sp. 7 3 2 0,75 0,10 0,97 1,82
Asteraceae Asteraceae sp.1 5 1 1,24 0,05 0,48 1,77
Polygalaceae Polygala sp. 1 1 0,25 1,04 0,48 1,77
Meliaceae Cedrela fissilis 3 1 0,75 0,50 0,48 1,73
Salicaceae Salicaceae sp. 2 2 0,50 0,24 0,97 1,71
Salicaceae Casearia sylvestris 2 2 0,50 0,18 0,97 1,65
Lauraceae Ocotea bicolor 2 2 0,50 0,09 0,97 1,56
83

Tab. 5 (continua)

Euphorbiaceae Sebstiania commersoniana 3 1 0,75 0,13 0,48 1,36


Smilacaceae Smilax sp. 3 1 0,75 0,13 0,48 1,36
Lauraceae Lauraceae sp. 3 3 1 0,75 0,08 0,48 1,31
Indeterminada Indeterminada sp. 8 3 1 0,75 0,03 0,48 1,26
Rosaceae Prunus myrtifolia 1 1 0,25 0,46 0,48 1,19
Melastomataceae Leandra melastomoides 2 1 0,50 0,19 0,48 1,17
Thymelacaceae Daphnopsis racemosa 1 1 0,25 0,37 0,48 1,10
Myrtaceae Myrtaceae sp. 2 2 1 0,50 0,10 0,48 1,08
Fabaceae Anadenanthera colubrina 2 1 0,50 0,04 0,48 1,02
Indeterminada Indeterminada sp. 9 2 1 0,50 0,02 0,48 1,00
Asteraceae Piptocarpha axilares 1 1 0,25 0,26 0,48 0,99
Euphorbiaceae Actinostemon concolor 1 1 0,25 0,23 0,48 0,96
Solanaceae Solanum sp. 1 1 0,25 0,23 0,48 0,96
Sapotaceae Chrysophyllum marginatum 1 1 0,25 0,17 0,48 0,90
Melastomataceae Miconia cinerascens 1 1 0,25 0,17 0,48 0,90
Rubiaceae Psychotria sp. 1 1 0,25 0,17 0,48 0,90
Solanaceae Cestrum strigilato 1 1 0,25 0,17 0,48 0,90
Annonaceae Annonaceae sp. 1 1 0,25 0,17 0,48 0,90
Cactaceae Cereus peruvianus 1 1 0,25 0,17 0,48 0,90
Moraceae Ficus sp. 1 1 1 0,25 0,14 0,48 0,87
Lythraceae Cuphea sp. 1 1 0,25 0,12 0,48 0,85
Asteraceae Gochnatia sp. 1 1 0,25 0,10 0,48 0,83
Bignoniaceae Jacaranda puberula 1 1 0,25 0,07 0,48 0,80
Myrtaceae Plinia rivularis 1 1 0,25 0,07 0,48 0,80
Araucariaceae Araucaria angustifolia 1 1 0,25 0,07 0,48 0,80
Myrtaceae Myrcia obtecta 1 1 0,25 0,07 0,48 0,80
Indeterminada Indeterminada sp. 10 1 1 0,25 0,07 0,48 0,80
Solanaceae Solanaceae sp. 1 1 1 0,25 0,07 0,48 0,80
Indeterminada Indeterminada sp. 11 1 1 0,25 0,06 0,48 0,79
Indeterminada Indeterminada sp. 12 1 1 0,25 0,05 0,48 0,78
Rubiaceae Rubiaceae sp. 2 1 1 0,25 0,04 0,48 0,77
Rhamnaceae Rhamnus sphaerosperma 1 1 0,25 0,04 0,48 0,77
Fabaceae Bauhinia forficata 1 1 0,25 0,04 0,48 0,77
Alimastaceae Echinodorus sp. 1 1 0,25 0,04 0,48 0,77
Indeterminada Indeterminada sp. 13 1 1 0,25 0,04 0,48 0,77
Verbenaceae Lippia sp. 1 1 0,25 0,04 0,48 0,77
Indeterminada Indeterminada sp. 14 1 1 0,25 0,03 0,48 0,76
Fabaceae Leucochloron incuriale 1 1 0,25 0,03 0,48 0,76
Rubiaceae Richardia brasiliensis 1 1 0,25 0,02 0,48 0,75
Indeterminada Indeterminada sp. 15 1 1 0,25 0,02 0,48 0,75
Meliaceae Trichilia elegans 1 1 0,25 0,01 0,48 0,74
Indeterminada Indeterminada sp. 16 1 1 0,25 0,01 0,48 0,74
Ideterminada Indeterminada sp. 17 1 1 0,25 0,00 0,48 0,73
Malpighiaceae Peixotoa parviflora 1 1 0,25 0,00 0,48 0,73
84

Famílias Rubiaceae, Myrtaceae, Euphorbiaceae, Melastomataceae, Fabaceae,

Myrsinaceae, Lamiaceae, Sapindaceae e Monimiaceae apresentaram os maiores

VI.

Ressalta-se que 13 morfo-espécies não foram identificadas a qualquer

nível, em conseqüência da dificuldade na determinação de plantas nos estágios

iniciais de desenvolvimento. Encontraram-se 60% das espécies em comum com

aquelas amostradas no componente arbóreo, 14,4% são espécies arbustivas ou

arbóreas encontradas apenas nas sub-parcelas, 12,5% são ervas ou lianas e 13%

restantes não foram determinadas.

As dez espécies mais importantes, ou seja, Coussarea sp., Psychotria

leiocarpa, Calyptranthes concinna, Psycotria vellosiana, Myrcia floribunda, Sebastiana

schottiana, Rapanea umbellata, Vitex montevidensis, Rudgea sp. e Mollinedia clavigera

representaram 40,7% do VI total e tiveram expressividade no levantamento dos

componentes arbóreos com exceção de Psychotria leiocarpa, espécie exclusiva

desta amostragem.

Discussão

As famílias mais representativas em número de espécies neste estudo

são as mesmas encontradas em áreas de Floresta Ombrófila Mista (Nakajima et

al. 1996; Dias et al. 1998; Oliveira, 2001), onde é notável a riqueza de espécies de

Myrtaceae e Lauraceae (Longhi 1980; Jarenkow & Baptista 1987; Roseira 1990;

Silva & Marconi 1990; Koehler et al. 1998; Sanquetta et al. 2000; Silva 2001,

Galvão et al. 1989), sendo que Fabaceae, Euphorbiaceae e Rubiaceae também

têm grande expressividade nesta formação (Nakajima et al. 1996; Dias et al.

1998; Oliveira 2001; Silva 2001). Portanto, a prevalência dessas famílias em


85

número de espécies caracteriza as florestas com Araucaria angustifolia no

planalto meridional brasileiro.

Contudo, é marcante a variação em nível específico, como observado

nas diferentes florestas estudadas em tal formação no estado do Paraná (Fig. 1),

onde as baixas similaridades devem estar associadas as grandes variações dos

ambientes encontradas nas áreas analisadas. Características como inundação,

estágios sucessionais e zona de contato com outras associações vegetais são

relatadas como determinantes para dissimilaridade florística destas formações,

mesmo em áreas geograficamente próximas (Fig. 1) (Klein 1960; Klein &

Hatschbach 1971; Torezan & Silveira 2002).

Nas áreas do PEG, a análise global da estrutura revelou uma vegetação

com distribuição relativamente equilibrada dos indivíduos entre as espécies, já

que as dez mais importantes somaram 30,10%, um valor consideravelmente

baixo quando comparado com outros estudos (e. g. Jarenkow & Baptista 1987;

Machado et al. 1988; Negrelle & Silva 1992; Rondon Neto et al. 2002) o que

reflete nos maiores valores de diversidade dos fragmentos estudados.

Assim, foram encontrados um grande número de espécies e elevada

diversidade para as áreas estudadas no PEG, analisadas tanto em conjunto

como separadas em duas amostras: capão e floresta de galeria. Estes valores de

diversidade estão acima daqueles relatados dentro das áreas de domínio da

Floresta Ombrófila Mista do Paraná (Nakajima et al. 1996; Oliveira 2001; Silva

2001; Moro et al. 2001; Ramos 2003), bem como para o Rio Grande do Sul

(Nascimento et al. 2001; Rondon Neto et al. 2002).

Os altos valores comparados aos estudos anteriormente citados podem

estar sendo influenciados pelos procedimentos de amostragem, uma vez que

foram registrados indivíduos com altura mínima de 3m, abrangendo espécies

que, muitas vezes, não são amostradas pelo critério do DAP mínimo de 5cm
86

(comumente utilizados em levantamentos fitossociológicos). Além disso, as

unidades amostrais foram distribuídas ao longo de todo parque, com alta

variação de ambientes. Nota-se, entretanto, que o elevado número em espécies

se caracteriza também pela mistura de duas formações florestais distintas: a

Ombrófila Mista, com ocorrência típica da Araucaria angustifolia, que por si só

caracteriza esta formação (Reitz & Klein 1966) e pela Estacional Semidecidual

representada, por exemplo, por Aspidosperma polyneuron, uma das espécies com

maior densidade nas florestas do norte do estado (Silva & Soares-Silva 2000;

Carmo 1995; Silveira 1993; Soares-Silva & Barroso 1992). Na área estudada

encontrou-se uma baixa densidade destas espécies, sugerindo que os elementos

mais característicos destas vegetações são menos expressivos em função da

região ecotonal.

Tal característica demonstra que as áreas de florestas do PEG formam

um ecótono das duas formações mais ocorrentes no referido estado, estando

bem ilustrada no dendrograma (Fig. 1), onde a análise de agrupamento

(UPGMA) revelou uma maior similaridade com as Florestas Estacionais

Semideciduais. Com exceção do Parque Estadual de Vila Velha (PEVV), as áreas

de floresta de araucária que formam o subgrupo juntamente com o Guartelá

(Fig. 1) ocorrem em regiões com clima do tipo Cfa (subtropical), diferindo das

demais florestas paranaenses desta formação, pois apresentam clima

predominantemente do tipo Cfb (temperado). Assim, é possível que o clima

com médias de temperatura mais elevadas esteja contribuindo para o processo

sucessional destas áreas, onde os elementos típicos da Floresta Ombrófila Mista

estariam paulatinamente sendo substituídas pelas espécies da Floresta

Estacional Semidecidual (Klein 1960; Maack 1981).

Estas florestas encontradas no PEG desenvolveram-se em solos de

composição variada que segundo IAP (2002) predominam os Neossolos


87

litólicos que estão associados aos Cambissolos háplicos e afloramentos

rochosos.

A textura e acidez estiveram relacionadas com a distribuição de

abundância das espécies. Trabalhos recentes têm mostrado que propriedades

químicas e estruturais dos solos, muitas vezes associadas a outras variações

ambientais, têm um papel fundamental na distribuição espacial de muitas

espécies de florestas brasileiras (Cardoso & Schiavini 2002; Guilherme 2003;

Oliveira Filho et al. 2004; Teixeira 2004).

Os capões estudados no PEG apresentaram solos de textura argilosa

com variações químicas, que propiciaram o estabelecimento de populações

adaptadas a cada microambiente, formado por dois subgrupos de parcelas

distintas, resultando em uma maior diversidade de espécies. As unidades

amostrais dos capões, estabelecidas ao acaso, abrangeram principalmente

ambientes que tiveram correlacionado as variáveis concentração e saturação

por alumínio, sugerindo que estas áreas são mais abundantes no parque.

Portanto, a alta acidez não representa um fator limitante para o

desenvolvimento da vegetação florestal, com ocorrência de muitas espécies que

tiveram correlacionadas, como Psychotria vellosiana, Schefflera morototoni,

Casearia obliqua, além das mirtáceas Myrciaria cuspidata, Plinia rivulares, Myrcia

multiflora. Por outro lado, a maior fertilidade do solo, caracterizado pelo Mg,

teve relacionada fortemente com a argila, ocorrendo principalmente as espécies

Actinostemon concolor, Casearia sylvestris e Chrysophyllum marginatum que

apresentam ampla distribuição nas florestas Estacionais Semideciduais e

Ombrófila Mista encontradas ao longo de toda Bacia do rio Tibagi (Dias et al.

2002).

A floresta de galeria desenvolvida sob solos arenosos rasos, provindo

das escarpas rochosas do Arenito Furnas, apresentou uma estrutura arbórea

menos densa e com menor valor de diversidade. Estudos têm mostrado a


88

diminuição no número de indivíduos e de espécies ao longo de um gradiente

ao alcançar florestas adjacentes à cursos d’água (Guilherme 2003; Bianchini et

al. 2003), pela seletividade das condições marginais. Porém, na área de estudo

não é este fator que está determinando uma menor diversidade, pois as

características do rio Iapó ao longo do parque, bem encaixado pela formação do

canyon, permitem que somente as plantas que habitam a estreita faixa ecotonal

entre os ambientes aquático e terrestre estejam sob influência direta das

condições hídricas. Portanto, apesar da alta densidade de espécies como

Sebastiania schottiana e Inga vera, típicas de beira de rio, encontrou-se espécies

consideradas xerófitas como Cereus peruvianus e Callisthene major, evidenciando

a total ausência da influência hídrica em alguns trechos. Maack (1968) utiliza o

termo pseudo-matas de galeria para designar tais condições na região dos

Campos Gerais, pois esta vegetação arbórea não estaria condicionada à busca

de umidade.

Espécies como Pilocarpus pauciflorus, Myrcia breviramis, Soroceae

bonplandi, Vitex montevidensis, Ixora venulosa e Roupala brasiliensis tiveram baixa

correlação com as características edáficas analisadas, ocorrendo em toda área

de estudo. Outros fatores, além da composição do solo, exercem forte

influência na distribuição das espécies tais como: topografia, relações hídricas,

incidência de luz e alteração antrópica. Estas variáveis, apesar de não

avaliadas, devem estar determinando a distribuição espacial de muitas

espécies, já que para características edáficas, a porcentagem de variância

explicada pelos eixos da CCA foi baixa.

Foi notória a forte influência antrópica sobre a vegetação florestal por

todo parque, com algumas áreas apresentando baixa densidade do sub-bosque,

evidenciando perturbações mais acentuadas provenientes da intensa exploração

turística e ainda da atividade pastoril, anteriores à implantação do parque como


89

unidade de conservação, quando o gado se refugiava no interior dos

fragmentos.

Cestaro et al. (1986) e Moro (2002) têm apontado a presença do gado

como um dos impactos mais comuns nas associações floresta-campo no Sul do

Brasil, ocorrendo alterações significativas na composição da vegetação

herbáceo-arbustiva. No entanto, a avaliação das plantas com até 1m de altura

nas áreas estudadas mostrou que a manutenção está sendo assegurada, pois

74,4% dos indivíduos amostrados representam as formas jovens dos espécimes

arbóreos, sendo que destas aproximadamente 15% não tiveram seus indivíduos

adultos amostrados. Tal resultado sugere a eficiência na dispersão de diásporos

entre as áreas fragmentadas, contribuindo para a manutenção da diversidade

local.

Referências Bibliográficas

Backes, A. 1983. Dinâmica do pinheiro brasileiro. Porto Alegre, Iheringia ser.

Bot. 30: 49-84.

Bianchini, E.; Popolo, R. S.; Dias, M. C.& Pimenta, J. P. 2003. Diversidade e

estrutura de espécies arbóreas em área alagável do município de Londrina,

Sul do Brasil. Acta Botânica Brasílica 17(3): 405-419.

Britez, R. M.; Silva, S. M.; Souza, W. S. & Motta, J. T. W. 1995. Levantamento

florístico em Floresta Ombrófila Mista, São Mateus do Sul, Paraná, Brasil.

Arquivos de Biologia e Tecnologia 38 (4): 1147-1161.


90

Cardoso, E. & Schiavini, I. 2002. Relação entre distribuição de espécies arbóreas

e topografia em um gradiente florestal na Estação Ecológica do Panga

(Uberlância, MG). Revista Brasileira de Botânica 25: 277-289.

Carmo, M. R.B. 1995. Levantamento florístico e fitossociológico do

remanescente florestal da Fazenda Doralice, Ibiporã, PR. Monografia de

graduação. Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Castelha, P. R. & Britez, R. M. A. 2004. Floresta de Araucária no Paraná –

Conservação e diagnóstico dos remanescentes florestais. PROBIO, Brasília.

Cervi, A. C.; Paciornik, E. F.; Vieira, R. F. & Marques, L. C. 1989. Espécies

vegetais de um remanescente de floresta de araucária (Curitiba, Brasil):

Estudo preliminar I. Acta Biologia Paranaense 18 (1, 2, 3, 4,): 73-114.

Cestaro, L. A.; Waechter, J. L. & Baptista, L. R. M. 1986. Fitossociologia do

estrato herbáceo da mata de araucária da Estação ecológica de Aracuri,

Esmeralda, RS. Hoehnea 13: 59-72.

Dias, M. C. Vieira, A. O. S.; Nakajima, J. N.; Pimenta, J. A. & Lobo, P. C. 1998.

Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas

ciliares do rio Iapó, na bacia do rio Tibagi, PR. Revista Brasileira de

Botânica 21(2): 183-195.

Dias, M.C. Vieira, A.O.S. & Paiva, M. R. 2002. Florística e fitossociologia das

espécies arbóreas das florestas da bacia do rio Tibagi. In: M. E. Medri et al.

(Org.). A Bacia do Rio Tibagi. Londrina. Paraná.

Dombrowski, L. T. D. & Kuniyoski, Y. S. 1967. A vegetação do “Capão da

Imbuia”. Araucariana 1:.1-18.

Galvão, F.; Kuniyoshi, Y. S. & Roderjan, C. V. 1989. Levantamento

fitossociológico das principais associações arbóreas da Floresta Nacional de

Irati- PR. Revista Floresta 19: 30-49

Gubert Filho, F. 1993. Situação atual dos remanescentes do bioma Floresta

Ombrófila Mista no Estado do Paraná. In: Workshop - Estratégias e


91

alternativas para conservação das florestas com araucária. Curitiba, 1993.

(mimeo.)

Guilherme, F. A. G. 2003. Estrutura e distribuição de espécies arbóreas em

mata atlântica, Parque Estadual Intervales, SP. Tese de doutorado.

Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Hueck, K. 1972. As Florestas da América do Sul. Editora Polígono S. A. São

Paulo.

IAP-Instituto Ambiental do Paraná. 2002. Plano de Manejo do Parque Estadual

do Guartelá. Curitiba.

Imaguire, N. 1979/1980. Contribuição ao estudo florístico e ecológico da

Fazenda Experimental do Setor de Ciências Agrárias da Universidade

Federal do Paraná – Parte 2: o porquê da existência dos campos e matas no

Primeiro e Segundo Planaltos paranaenses. Acta Biológica Paranaense 8/9:

47-72.

Jarenkow, J. A.; Baptista, L. R. de & Moura, A. 1987. Composição florística e

estrutura da mata com araucária na Estação Ecológica de Aracuri,

Esmeralda, Rio Grande do Sul. Napaea 3: 9-18.

Koehler, A.; Netto, S. P. & Sanquetta, C. R. 1998. Análise da estrutura de uma

Floresta Ombrófila Mista semidevastada, Fazenda Gralha Azul, região

metropolitana de Curitiba, com implicação ao manejo. Revista Acadêmica 1:

37-60.

Klein, R.M. 1960. O aspecto dinâmico do pinheiro brasileiro. Sellowia 12: 17-44..

Klein, R. M. 1984. Aspectos dinâmicos da vegetação do sul do Brasil. Sellowia

36: 5-54.

Klein, R.M. & Hatschbach, G. 1970/71. Fitofisionomia e notas complementares

sobre o mapa fitogeográfico de Quero-Quero (Paraná). Boletim Paranaense

de Geociências 28-29: 159-188.


92

Kozera, C. 1997. Levantamento florístico de um remanescente de Floresta

Ombrófila Mista e áreas adjacentes no Parque Barigui, Curitiba, Paraná,

Brasil. Monografia de graduação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Longhi, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia

(Bert.) O. Ktze, no sul do Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade

Federal do Paraná, Curitiba.

Maack, R. 1968. Geografia física do estado do Paraná. BADEP/UPFR/IBTP,

Curitiba.

Maack, R. 1981. Geografia física do Estado do Paraná. Livraria José Olympio,

Rio de Janeiro.

Machado, S. A.; Hosokawa, R. T.; Silva, J. C. G. L. & Branco, E. F. 1988.

Estrutura de uma floresta secundária do segundo planalto paranaense. In:

Anais do 3º Congresso Florestal e do Meio Ambiente do Paraná. Pp. 153-

168. Curitiba, PR.

McCune, B. & Mefford, M. J. 1999. PC-Ord version 4.4, multivariate analysis of

ecological data. Users guide. MjM Software Desing. Glaneden Beach,

Oregon.

Melo, M. S. & Meneguzzo, I. S. 2001. Patrimônio natural dos Campos Gerais do

Paraná. In: Ditzel, C. H. M. & Sahr, C. L. L. (org.). Espaço e Cultura – Ponta

Grossa e os Campos Gerais. Editora UEPG, Ponta Grossa.

Moro, R. S. 2002. Caracterização da vegetação do estrato herbáceo-arbustivo

dos sub-bosques do Parque Estadual de Vila Velha, Ponta Grossa, PR.

Tese de Livre Docência. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta

Grossa.

Moro, R. S.; Carmo, M. R. B.do & Tardivo, R. C. 2003. A vegetação dos Campos

Gerais do Paraná junto à Escarpa Devoniana: subsídios para o zonemanto


93

da APA. CD Room. In: Anais do 7° Encontro Regional de Botânicos do

Paraná e Santa Catarina, Ponta Grossa.

Moro, R. S.; Rocha, C. H.; Takeda, I. J. M. & Kaczmarech, R. 1996. Análise da

vegetação nativa da Bacia do Rio São Jorge. Publicatio 2(1): 33-56.

Moro, R. S.; Schmitt, J. & Diedrichs, L. A. 2001. Estrutura de um fragmento da

mata ciliar do Rio Cará-Cará, Ponta Grossa, PR. Publicatio 7(1): 19-38.

Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. 1974. Aims and methodos of vegetation

ecology. Wiley and Sons, New York.

Nakajima, J.N.; Soares-Silva, L.H. & Medri, M. E. 1996. Composição florística e

fitossociológica do componente arbóreo das florestas ripárias da bacia do

Rio Tibagi. 5. Fazenda Monte Alegre, município de Telêmaco Borba, Paraná.

Arquivos de Biologia e Tecnologia 39(4): 933-948.

Nascimento, A. T.; Longhi, S. J. & Brena, D. A. 2001. Estrutura e padrões de

distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta

Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal 11(1): 105-119.

Negrelle, R. A. B. & Silva, F. C. 1992. Fitossociologia de um trecho de floresta

com Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. no município de Caçador, SC.

Boletim de Pesquisas Florestais 24/25: 37-54.

Oliveira, E. A. de. 2001. Caracterização florística, fitossociológica e pedológica

de um trecho de floresta ripária dos Campos Gerais do Paraná. Dissertação

de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Oliveira, Y. M. M. & Rotta, E. 1982. Levantamento da estrutura horizontal de

uma mata de araucária do primeiro planalto paranaense. Boletim de

Pesquisa Florestal 4: 1-45.

Oliveira-Filho, A. T.; Carvalho, D. A.; Fontes, M. A. L.; Van der Berg, E.; Curi,

N. & Carvalho, W. A. C. 2004. Variações estruturais do compartimento


94

arbóreo de uma floresta semidecídua alto-montana na chapada das

Perdizes, Carrancas, MG. Revista Brasileira de Botânica 27(2): 291-309.

Ramos, F. M. 2003. Comparação da estrutura da vegetação em interior e borda

de um capão de Floresta Ombrófila Mista, Parque Estadual de Vila Velha,

Paraná. Monografia de Graduação. Universidade Federal do Paraná,

Curitiba.

Reitz, R. & Klein, R. M. 1966. Araucariáceas. Flora Ilustrada Catarinense, Itajaí.

Rondon Neto, R. M.; Watzlawick, L. F.; Caldeira, M. V. W. & Schoeninger, E. R.

2002. Análise florística e estrutural de um fragmento de Floresta Ombrófila

Mista Montana, situado em Criúva, RS – Brasil. Ciência Florestal 12(1): 29-

37.

Roseira, D. S. Composição florística e estrutura fitossociológica do bosque

com Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze no Parque Estadual João Paulo

II, Curitiba, Paraná. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do

Paraná, Curitiba.

Sanquetta, C. R. & Corte, S. D. 1998. Composição florística, estrutura e dinâmica

de um fragmento florestal com Araucaria angustifolia no sudoeste

paranaense. Revista Acadêmica 1: 3-28.

Sanquetta, C. R.; Pizzatto, W.; Netto, S. P. & Figueiredo Filho, A. 2000. Dinâmica

da composição florística de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no

centro-sul do Paraná. Revista Ciências Exatas e Naturais 2: 77-88.

Shepherd, G. J. 1995. Fitopac: Manual do Usuário. UNICAMP, Campinas.

Silva, D. W. da. 2001. Florística e estrutura fitossociológica de dois

remanescentes de Floresta Ombrófila Mista (floresta com araucária) e

análise de duas populações de Araucaria angustifolia (Bertol.) O. Kuntze

na região de Guarapuava, PR. Tese de doutorado. Universidade Federal de

São Carlos, São Carlos.


95

Silva, F. C.; Fonseca, E. P.; Soares-Silva, L. H.; Muller, C. & Bianchini, E. 1995.

Composição florística e fitossociologia do componete arbóreo das florestas

ciliares da Bacia do Rio Tibagi:. 3. Fazenda Bom Sucesso, Município de

Sapopema, PR. Acta Botânica Brasílica 9(2): 289-301.

Silva, F. C. & Marconi, L. P. 1990. Fitossociologia de uma floresta com araucária

em Colombo, PR. Boletim de Pesquisas Florestais 20: 23-38.

Silva, F. das C. & Soares-Silva, L. H. 2000. Arboreal flora of the Godoy Forest

state park, Londrina, PR. Brazil. Edinburg Journal of Botany 57(1): 107-120.

Silva, S. M.; Britez, R. M.; Souza, W. S.; & Motta, J. T. W. 1997. Levantamento

florístico em área de várzea do rio Iguaçu, São Mateus do Sul, PR, Brasil.

Arquivos de Biologia e Tecnologia 40(4): 903-913.

Silva, S. M.; Silva, F. C.; Vieira, A. O. S.; Nakajima, J. Pimenta, J. A. & Colli, S..

1992. Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das

florestas ciliares da Bacia do Rio Tibagi. 2. Várzea do Bitumirim, Ipiranga,

PR. Pp. 192-205. In: Anais do 2º Congresso Nacional sobre Essências

Nativas, São Paulo 1992. Instituto Florestal, São Paulo.

Silveira, M. 1993. Estudo vegetacional ao longo de uma topossequência no

Parque Estadual Mata dos Godoy, Londrina, PR. Dissertação de Mestrado.

Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Soares-Silva, L. H. & Barroso, G. M. 1992. Fitossociologia do estrato arbóreo da

floresta na porção norte do Parque Estadual Mata dos Godoy, Londrina-PR,

Brasil. pp. 101-112. In: Anais do 8º Congresso da SBSP, Campinas.

Soares-Silva, L. H.; Bianchini, E.; Fonseca, E. P.; Dias, M. C.; Medri, M. E. &

Zangaro Filho, W. 1992. Composição florística e fitossociologia do

componente arbóreo das florestas ciliares da Bacia do Rio Tibagi. 1.Fazenda

Doralice-Ibiporã, PR. pp. 199-206. In: Anais do 2º Congresso Nacional

sobre Essências Nativas, São Paulo 1992. Instituto Florestal, São Paulo.
96

Soares-Silva, L. H.; Kita, K. K. & Silva, F.C. 1998. Fitossociologia de um trecho

de floresta de galeria no Parque Estadual Mata do Godoy, Londrina, Pr,

Brasil. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer 3: 46-62.

Souza, M. K. F. 2001. Florística e fitossociologia do estrato arbóreo-arbustivo

de diferentes compartimentos em ambiente fluvial no município de

Jaguariaíva, PR. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná,

Curitiba.

Takeda, I. J. M.; Moro, R. S.; Kaczmarech, R.; Bahls, L. M. C.; Bourguignon, M.

V. & Schardosin, E. 1998. Levantamento florístico do Parque Municipal Boca

da Ronda, Ponta Grossa, PR. Publicatio 4(1): 49-63.

Teixeira, A. de P. 2004. Análise de uma floresta paludosa no município de Rio

Claro, SP: florística, estrutura, organização espacial da comunidade e

seletividade de espécies. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual

Paulista, Rio Claro.

Torezan, J. M. & Silveira, M. Fatores ambientais, diversidade e similaridade em

florestas da bacia do rio Tibagi. In: M. E. Medri et al. (Org.). A Bacia do Rio

Tibagi. Londrina, Paraná.

Vargas, L. A. 1992. Estudos fitossociológicos de duas áreas no Parque

Ecológico, Telêmaco Borba, Paraná, Brasil. Monografia de Graduação.

Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Veloso, H. P.; Rangel Filho, A. L. R. & Lima, J. C. A. 1991. Classificação da

vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE – DERMA,

Rio de Janeiro.

Zar, J. H. 1996. Bioestatistical analysis. Prentice-Hall, New Jersey.

Ziller, S. R.; Hatschbach, G. 1996. As formações vegetais do Parque Estadual do

Guartelá, Tibagi, PR. SEMA/IAP, Curitiba. (texto digitado).


97

Capítulo 4

Levantamento Florístico do Parque Estadual do Guartelá,


Município de Tibagi, Estado do Paraná
98

Introdução

O estado do Paraná ocupa uma área de transição de formações

fitogeográficas, pois se localiza em zona limítrofe entre os climas tropicais da

sua fronteira norte e subtropical do sul (Maack 1968; Troppmair 1990). Portanto,

sua cobertura vegetal é o resultado da soma da confluência dos tipos

vegetacionais que se encontram, caracterizadas pelas diversas partes que a

influenciaram (Sá 2004 ).

Situado na porção centro-leste do estado do Paraná, na borda do

Segundo Planalto, os Campos Gerais se caracterizam por extensas áreas de

gramíneas baixas desprovidas de arbustos; no entanto, são encontrados

encraves de cerrados e ainda florestas que ocupam posições distintas na

paisagem, geralmente nas encostas, vales e matas de galeria, ou em formações

arredondadas -“capões” (Maack 1949, 1981). Tal região fitogeográfica é

tipicamente um testemunho de uma zona limítrofe, dadas as características

climáticas e topográficas, os quais determinam suas formações vegetais

distintas.

Até bem pouco tempo atrás a região dos Campos Gerais era apontada

juntamente com a Serra do Mar, como uma das áreas em melhor estado de

conservação do estado do Paraná (Troppmair 1990). Contudo, a crescente

atividade agrícola e a expansão da silvicultura das últimas décadas

promoveram a substituição da cobertura vegetal original, acarretando em uma

acentuada redução (UEPG 2002), antes mesmo de se obter informações

científicas suficientes sobre a sua composição e estrutura.

No Parque Estadual do Guartelá, apesar de representar uma das mais

importantes unidades de conservação da região, os estudos botânicos são

extremamente escassos, podendo-se citar apenas o de Takeda et al. (1996), que

fizeram um levantamento florístico preliminar, caracterizando a vegetação de


99

um mosaico de cerrado próximo à cascata Ponte de Pedra e áreas

imediatamente adjacentes; e de Ziller & Hatschbach (1996) que realizaram uma

caracterização genérica das formações vegetais existentes no parque para

elaborar um plano de manejo.

A área do parque tem elevado interesse ecológico, cujo relevo

acidentado promove grande variação ambiental e vegetacional, com

fisionomias peculiares, coexistindo vários ecossistemas que refletem diferentes

condições paleoclimáticas (Melo 2000; UEPG 2003), além de abrigar uma flora

arbórea de transição entre a floresta ombrófila mista e a estacional semidecidual

(ver capítulo 3, Ziller & Hatschbach 1996; Castelha & Britez 2004).

No presente trabalho, fez-se um levantamento florístico do Parque

Estadual do Guartelá com o objetivo de descrever a flora local, bem como

compreender e distinguir as diferentes fisionomias encontradas ao longo dos

Campos Gerais, averiguando se há espécies comuns entre as fisionomias

associadas. Como o referido parque encontra-se em um ambiente de tensão

ecológica, com a vegetação ocorrendo em mosaicos, espera-se encontrar uma

possível mistura de espécies entre as diferentes formações vegetais.

Material e Métodos

Caracterização da Área de Estudo (vide página 4)

Amostragem

Foram realizadas coletas aleatórias de espécimes vasculares em estágio

reprodutivo através de caminhadas nas diferentes fisionomias do parque. A

freqüência das excursões variou de semanal a mensal, durante o período

compreendido entre janeiro de 2003 a fevereiro de 2005. Além das espécies

coletadas aleatoriamente, também foram incluídas na listagem do inventário

aquelas amostradas e identificadas em estudos fitossociológicos realizados


100

através do método de parcelas, para as fisionomias campestres, savânicas

(cerrado) e florestais (ver capítulos 1, 2 e 3).

Para cada espécime coletado registrava-se sua ocorrência, considerando

os seguintes ambientes (conforme descritos na página 11): campo limpo (seco)

(CS), campo úmido (CU), campo com afloramentos rochosos (CR), incluindo

neste, demais plantas que ocorrem em formações rupestres; ambiente ripário de

lajeado (AR); cerrado (CE); floresta de galeria do rio Iapó (FG), capões de

floresta (CP); e ainda ambiente antropizado (AA).

O material proveniente das coletas foi processado de acordo com

técnicas usuais de herborização (Fidalgo & Bononi, 1989) e depositado no

Herbário da Universidade de Ponta Grossa (HUPG), com duplicatas no

Herbário Rioclarense (HRCB).

As identificações foram feitas com auxílio de bibliografia especializada,

por comparação com exemplares dos acervos dos herbários: Rioclarense

(HRCB), da Universidade Estadual de Ponta Grossa (HUPG), da Universidade

Estadual de Londrina (FUEL), da Universidade Federal do Paraná (UPCB) e

ainda, por consultas a especialistas de diferentes famílias botânicas. Para as

angiospermas seguiu-se o sistema do APG II, Angiosperm Phylogeny Group

(2003) e para as de pteridófitas adotou-se Moran & Riba (1995).

Todos os espécimes foram classificados quanto à forma de vida de

acordo com o sistema de Raunkiaer (1934), adaptado por Mueller-Dombois &

Ellenberg (1974) sendo que as caméfitas, geófitas, hemicriptófitas, lianas,

parasitas e terófitas foram consideradas como pertencentes ao componente

herbáceo-subarbustivo, enquanto as fanerófitas, como arbustivo-arbóreas.

Seguindo os critérios morfológicos propostos por Pijl (1982), as espécies

foram classificadas de acordo com a dispersão de seus diásporos em quatro


101

modos de dispersão: zoocórica, anemocórica, autocórica e desconhecida

(considerando a falta de evidência da adaptação de seu vetor de dispersão).

Espécies tidas como ruderais foram apontadas de acordo com Lorenzi

(1991), Kissman & Groth (1992, 1995), Kissman (1997) e Mendonça et al. (1998).

As relações de similaridade entre as fisionomias foram investigadas

através da análise de agrupamento (UPGMA), usando o índice de Jaccard como

medida de semelhança. O programa PC-Ord for Windows versão 4.14 (McCune

& Mefford 1999) foi utilizado para esta análise.

Resultados

Foram encontrados 634 táxons distribuídos em 321 gêneros e 104

famílias (Apêndice I). Desta listagem 612 táxons são de angiospermas, duas de

gimnospermas e 20 de pteridófitas. Plantas consideradas ruderais somaram

10% e cultivadas representaram 0,8% das espécies listadas.

A família com maior riqueza florística foi Asteraceae (79 espécies),

seguida de Myrtaceae (42), Fabaceae (42), Poaceae (35), Melastomataceae (29),

Rubiaceae (27), Cyperaceae (22), Euphorbiaceae (19), Lauraceae (18),

Bromeliaceae (18) e Orchidaceae (16), perfazendo 55% do total das espécies

amostradas, sendo que as demais estão distribuídas em 93 famílias, além das

indeterminadas, representadas por quatro morfo-espécies. Mais de um terço

das famílias, ou seja, 36% foram representadas por apenas uma espécie.

Dentre os gêneros destacaram-se Eupatorium com 13 espécies; Myrcia

com 12; Ocotea, Bacharis e Eugenia com 10; Leandra com nove e Paspalum

apresentando oito espécies.

Fitofisionomias – Entre as categorias fitofisionômicas tratadas neste estudo, nota-

se uma variação da riqueza florística, assim como na exclusividade de suas

espécies (Fig. 1). Em torno de 30% das espécies ocorreram em duas ou mais
102

250

200
nº de espécies
150

100

50

0
CS CR CU CE AR FG CP AA
Fitofisionomias

exclusivas em comum

Figura 1- Distribuição do número de espécies amostradas nas diferentes fitofisionomias


do Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi, PR. CS – campo limpo (seco);
CR- campo com afloramentos rochosos; CU- campo úmido; CE- cerrado; AR- ambiente
ripário de lajeado; FG- floresta de galeria do rio Iapó; CP- capão de floresta; AA- área
antropizada.

fisionomias, porém nenhuma teve distribuição em todos os ambientes. Entre

aquelas que se destacaram pela ampla ocorrência em diferentes fisionomias

encontram-se: Sisyrinchium vaginatum, Myrciaria cuspidata, Copaifera langsdorffii,

Rapanea umbellata, Calyptranthes concinna, Myrcia breviramis, M. multiflora, M.

deliculata e Eugenia pyriformis.

As fisionomias campestres caracterizam-se pela cobertura herbácea,

predominando as formas graminosas, entremeadas de indivíduos

subarbustivos, sendo que arbustos ou árvores têm ocorrências muito ocasionais,

representados principalmente por elementos de cerrado. As espécies que

ocorrem nestas fisionomias somam 43%, no entanto 23% são exclusivas, com

12,9% distribuídas em campos limpos, 6,4% em campos úmidos e 4,1% em

campos com afloramentos rochosos.

As espécies encontradas no cerrado representam 28,6%. O componente

herbáceo–subarbustivo apresenta uma composição próxima das formações


103

campestres, enquanto parte dos elementos do componente arbustivo-árboreo

está presente nas fisionomias florestais ou esparsamente distribuídos nos

campos; no entanto, detém uma especificidade florística de 13,2 % .

Nas fisionomias florestais, incluindo a vegetação que acompanha o rio

Iapó e aquelas que formam os capões, o total de espécies coletadas

correspondeu a 39%. Nos capões, a exclusividade de espécies soma 20,2%, com

um total de 32,6% amostradas. Já a floresta de galeria detém 4,4% de espécies

exclusivas.

Ao longo dos ambientes ripários dos lajeados encontra-se uma

especificidade florística de 5,8%, condicionadas às características ambientais da

faixa influenciada pelas condições hídricas. Espécies ocorrentes nestes

ambientes perfazem um total de 12,9%.

Os ambientes chamados aqui de antropizados são caracterizados por

3,3% (21) de espécies exclusivas. Das 37 espécies coletadas nestas áreas, 15 são

consideradas ruderais, oito são fanerófitas típicas dos capões, duas lianas, uma

epífita, uma cultivada e as dez espécies restantes são componentes dos campos.

Formas de vida - Analisando os mosaicos de vegetação do parque, observa-se

que dentre as classes de forma de vida, hemicriptófita (226) e fanerófita (209)

foram as mais representativas, com a primeira predominando nas fisionomias

campestres e a segunda nas florestais, sendo que nas áreas de cerrado, ambiente

ripário e antropizado a ocorrência foi mais equilibrada para estas duas classes

(Fig. 2).

Nos capões, floresta de galeria e cerrado, apesar da maior importância

das fanerófitas, foram encontradas todas as formas de vida distribuídas nos

diferentes componentes.

Dentre as formas de vida consideradas como pertencentes ao

componente herbáceo-subarbustivo sempre as hemicriptófitas tiveram posição


104

de destaque, porém as demais estiveram presentes em todas as fisionomias,

com exceção da ausência de geófitas em ambiente ripário.

As epífitas foram representadas por 26 espécies, principalmente

pertencentes às famílias Bromeliaceae, Orchidaceae e Piperaceae. As 39 espécies

de lianas, representadas por várias famílias, tiveram especificidade de

ocorrência em cada ambiente. Estas duas formas de vida tiveram alta ocorrência

nas paisagens florestais, contribuindo para a riqueza da flora do PEG. A menor

ocorrência foi das plantas consideradas parasitas, representadas por quatro

espécies encontradas nas fisionomias florestais, em ambiente ripário e nas áreas

de cerrado (Fig. 2).

Síndrome de dispersão - Dentre todas as espécies vasculares amostradas nas

diferentes fisionomias do PEG, 40,8% apresentam diásporos dispersos pelo

vento, 29,1% a dispersão é realizada por animais, 17,2% são autocóricas e em

12,9% o modo de dispersão é desconhecido.

As espécies anemocóricas são principalmente de fisionomias abertas, ou

seja, os campos, o cerrado, o ambiente ripário e as áreas antropizadas, enquanto

as zoocóricas, em sua maioria, localizam-se nas formações florestais (Fig. 3).

Porém, observa-se uma variação dentro destes dois limites, com ocorrência das

três síndromes avaliadas ocorrendo em todas as fisionomias, inclusive porque

30% das espécies levantadas não são exclusivas a uma única fisionomia.

Similaridades- Através da análise de agrupamento (UPGMA) pode-se constatar

os seguintes grupos mais relacionados florísticamente (Fig. 4): o primeiro

formado pelas fisionomias campestres “secas” juntamente com o cerrado; o

segundo formado pelas florestas; e o terceiro por ambientes saturados por água,

campo úmido e ambiente ripário de lajeados. Nota-se que as áreas antropizadas

não apresentaram similaridade com as demais fisionomias pela

descaracterização do ambiente original.


105

Figura 2 – Porcentagem do número de espécies por forma de vida em cada


fitofisionomia encontrada no Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi, PR.
106

Figura 3 – Proporção do número de espécies por síndrome de dispersão em cada


fitofisionomia encontrada no Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi, PR.
107

Figura 4- Dendograma mostrando os grupos obtidos pelo Coeficiente de Similaridade de


Jaccard e usando média de grupo como método de agrupamento nas diferentes fisionomias
do Parque Estadual do Guartelá, município de Tibagi, PR. CS – campo limpo; CU – campo
úmido; CE – cerrado; CR – vegetação associada aos afloramentos rochosos; CP – capão de
floresta; FG – floresta de galeria; AR – ambiente ripário de lajeado; AA- área antropizada.

Discussão

O resultado do levantamento das espécies vasculares no PEG mostra

uma elevada riqueza florística na área, em conseqüência das diversas formas

fisionômicas encontradas, ditadas pela alta heterogeneidade ambiental. Esta

característica é marcante em toda região dos Campos Gerais, como registrado

por Klein & Hatschbach (1971) para a Colônia Quero-Quero, Hatschbach &

Moreira Filho (1972) para o Parque Estadual de Vila Velha, e ainda revisados

por Moro (2001) e Moro et al (2003) para a vegetação ao longo da Escarpa

Devoniana. Além disso, a localização geográfica do PEG proporciona

características peculiares, representadas por uma zona limite com espécies

tipicamente das floras tropical e subtropical, elevando ainda mais a riqueza de

espécies.
108

Nota-se o predomínio das famílias Asteraceae, Myrtaceae, Fabaceae,

Melastomataceae, Poaceae, Rubiaceae, Cyperaceae e Euphorbiaceae que se

destacaram em número de espécies na área do PEG. Estas mesmas famílias são

apontadas como as mais ricas nos trabalhos realizados tanto na região (Klein &

Hatschbach 1971; Hatschbach & Moreira Filho 1972; Soares-Silva 2000), como

nas demais áreas de ocorrência dos campos sul-brasileiros (Boldrini et al. 1998;

Girardi-Deiro et al. 1992; Miotto & Waechter 2003; Matzenbacher 2003; Araújo

2003), mostrando ainda, alta expressividade nas áreas de cerrados paulistas

(Mantovani & Martin 1993; Batalha et al. 1997; Batalha & Mantovani 2000;

Tannus & Assis 2004).

Apesar da grande ocorrência das hemicriptófitas e fanerófitas, nota-se

uma ampla distribuição de formas de vida nas diferentes fisionomias do

parque. Portanto, além da riqueza de habitats é notório a grande diversidade

das formas biológicas, resultando em uma alta diversidade funcional e de

espécies. Desse modo, sugere-se que a elevada importância dos Campos Gerais

contribui para a diversidade além de uma escala local.

Nas fisionomias aqui analisadas, observa-se uma tendência das espécies

estarem invadindo os ambientes no sentido: florestais sobre as savânicas, com

17 espécies em comum; florestais sobre as campestres com 15 espécies em

comum e principalmente savânicas sobre as campestres, totalizando 61 espécies

que ocorrem nestas duas fisionomias. Quinze espécies se mostraram

indiferentes, ocorrendo nestas três unidades de paisagem, representadas

principalmente pela família Myrtaceae, sugerindo que suas espécies têm alta

plasticidade aos diferentes ambientes.

Esta distribuição de espécies entre as fisionomias do PEG vem corroborar

a teoria de Leite & Klein (1990) que designam as áreas dos Campos Gerais como

de tensão ecológica devido à existência de contatos entre tipos e encraves

vegetacionais, onde os fatores climáticos atuais estariam favorecendo a


109

expansão dos elementos florestais sobre os campos. Porém, a expansão dos

fanerófitos estaria sendo dificultada pelas condições edáficas, com solos rasos e

arenosos, pouco férteis, o que se acredita ter contribuído para preservação da

vegetação de campo até os dias atuais (Bigarella 1964; Klein & Hatschbachii

1971; Imaguire 1980) Esta relação é bem ilustrada na área de estudo pela

especificidade florística que cada fisionomia detém, e pela similaridade entre

fisionomias que apresentam substratos com características muito próximas.

Apesar de prevalecer a anemocoria, dado a predominância de espécies

de Asteraceae e Poaceae que são beneficiadas por tal síndrome nas extensas

áreas abertas do parque, observa-se que a zoocoria, tipicamente das florestas,

está presente nestas áreas assim como nas demais fisionomias do PEG. Esta

ampla distribuição de espécies zoocóricas sugere que a matriz campestre entre

os fragmentos florestais estaria colaborando com a manutenção dos corredores

de fauna em toda a região, uma vez que esta abriga muitas espécies importantes

para a cadeia trófica, com algumas sendo consideradas raras ou ameaçadas de

extinção (Paraná 1995a).

Tannus & Assis (2004) discutem o papel das espécies ruderais como um

incremento na riqueza de espécies em áreas campestres de cerrado. No presente

estudo grande parte das espécies ruderais listadas é nativa dos campos.

Contudo, áreas antropizadas com presença de espécies exóticas ou introduzidas

pelos moradores em épocas anteriores à sua implantação representam uma

ameaça. Os maiores problemas são relacionados a duas espécies: Pinus sp.,

procedente de uma área de cultivo que havia dentro do parque, além dos

muitos florestamentos em áreas adjacentes; e a Brachiaria decumbens, que ocupa

uma área expressiva na parte sul da área de estudo. A contaminação biológica

por espécies exóticas representa uma ameaça à flora local, pela competição e

eliminação das espécies nativas. Estas invasões são consideradas a segunda

maior causa de degradação ambiental, perdendo apenas para a substituição


110

direta de ambientes para fins produtivos (Ziller 2000), o que vem salientar a

necessidade do controle e manejo em unidades de conservação.

Autores, como Leite & Klein (1990) e Takeda et al. (1996) têm ressaltado

o papel da Escarpa Devoniana como uma barreira para a dispersão das

espécies, atribuindo este fator para o alto endemismo e raridade de espécies que

são encontradas nos Campos Gerais. Neste estudo, foram encontradas 27

espécies citadas na Lista Vermelha de Plantas Ameaçadas de Extinção no

Estado do Paraná (Paraná 1995b), a saber: categoria rara - Araucaria angustifolia,

Ruellia multifolia, Gomphrena macrocephala, Mandevilla coccinea, Aspidosperma

polyneuron, Adenocalymna paulistarum, Cayaponia espelina, Camarea affinis, Leandra

parvifolia, Stryphnodendron adstrigens, Calycoretes psidiiflorus, Campomanesia

pubescens, Ouratea spectabilis, Hypericum caprifoliatum e Passiflora setulosa;

categoria vulnerável - Caryocar brasiliensis, Ocotea bicolor, Mimosa lanata e

Tillandsia lorentziana; categoria em perigo - Gochnatia argyrea, Diospyrus espelina,

Trembleya phlogiformis, Hexachlamys hamiltonii, Isabelia virginalis, Wullschlaegelia

aphylla, Crumenaria polygaloides e Declieuxia cordigera. Possivelmente este número

está subestimado, uma vez que parte das identificações está em nível genérico

ou de família, e que possivelmente, pela dificuldade na identificação apontada

por alguns especialistas, sugere a ocorrência de espécies ainda não descritas.

Isto indica que a região merece ainda atenção em relação às coletas

botânicas para o conhecimento detalhado da flora e, portanto, salienta ainda

mais a importância desta região singular e a necessidade de ampliação de áreas

protegidas para conservação da biodiversidade.


111

Referências Bibliográficas

Angiosperm Phylogeny Group II. 2003. An update of the Angiosperm

phylogeny group classification for the orders and families of flowering

plants: APG II Annals of the Botanical Journal of the Linnean Society

141(4): 399-436.

Aranha, C. et al. 1982. Plantas invasoras de cultura. v 3 Instituto campineiro de

ensino agrícola. Editora Campinas, Campinas.

Araújo, A. C. 2003. Cyperaceae nos campos sul-brasileiros. In: Jardim, M. A.;

Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M. (eds). Desafios da Botânica no Novo

Milênio: Inventário, sistematização e conservação da diversidade vegetal

Belém: MOEG, UFRA; Embrapa, Brasil/ Museu Paraense Emílio Goeldi.

Batalha, M. A.; Aragaki, S. & Mantovani, W. 1997. Florística do cerrado em

Emas (Pirassununga, SP). Boletim de Botânica da Universidade de São

Paulo 16: 49-64.

Bigarella, J. J. 1964. Variações climáticas no Quartenário e suas implicações no

revestimento florístico do Paraná.Boletim paranaense de Geografia 10-15:

211-231.

Boldrini, I. I. & Miotto, S. T. S. 1987. Levantamento fitossociológico de um

campo limpo da Estação Experimental Agronômica, UFRGS, Guaíba, RS –

1a etapa. Acta Botânica Brasílica 1 (1): 49-56.

Fidalgo, O.; Bononi, V.L.R. 1989. Técnicas de coleta, preservação e

herborização de material botânico. Instituto de Botânica, São Paulo.

(Manual n.4).

Girardi-Deiro, A. M.; Gonçalves, J. O. & Gonzaga, S. S. 1992. Campos naturais

ocorrentes nos diferentes tipos de solo no Município de Bagé, RS. 2:

fisionomia e composição florísitica. Iheringia, Ser. Bot. 42: 55-79.


112

Hatschbach, G. & Moreira-Filho, H. 1972. Catálogo florístico do Parque

Estadual de Vila Velha (Estado do Paraná-Brasil). Boletim da Universidade

Federal do Paraná, Botânica 28: 1-53.

Imaguire, N. 1980. Contribuição ao estudo florístico e ecológico da Fazenda

Experimental do Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do

Paraná. Parte II – o porquê da existênica dos campos e matas no Primeiro e

Segundo Plananltos paranaenses. Acta Biológica Paranaense 8/9: 47-72.

Klein, R. M. & Hatschbach, G. 1970/71. Fitofisionomia e notas complementares

sobre o mapa fitogeográfico de Quero-Quero (Paraná). Boletim Paranaense

de Geociências 28/29:159-188.

Kissman, K. G. 1997. Plantas infestantes e nocivas. v. 1. Basf S.A., São Paulo

Kissman, K. G. & Groth, D. 1992. Plantas infestantes e nocivas. v. 2. Basf S.A.,

São Paulo.

Kissman, K. G. & Groth, D. 1995. Plantas infestantes e nocivas. v. 3. Basf S.A.,

São Paulo.

Lorenzi, H. 1991. Plantas daninhas do Brasil. Editora Plantarum, Nova Odessa.

Mendonça, R.C., Felfili, J.M., Walter, B.M.T., Silva Júnior, M.C., Rezende, A.V.,

Filgueiras, T.S. & Nogueira, P.E. 1998. Flora Vascular do Cerrado. In: Sano,

S. M. & Almeida, S. P. (eds.). Cerrado: ambiente e flora. Embrapa/CPAC,

Brasília, p.289-556.

Leite, P. F.; Klein, R. M. 1990. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil. Região

Sul. Vol. 2. Rio de Janeiro.

Maack, R. 1949. Notas complementares à apresentação preliminar do Mapa

Fitogeográfico do Estado do Paraná (Brasil). Arquivos de Biologia e

Tecnologia 7: 351-362.

Maack, R. 1968. Geografia física do estado do Paraná. BADEP/UPFR/IBTP,

Curitiba.
113

Maack, R. 1981. Geografia física do Estado do Paraná. Livraria José Olympio,

Rio de Janeiro.

Mantovani, W. & Martins, F. R. 1993. Florística do cerrado na reserva biológica

de Moji Guaçu, SP. Acta Botânica Brasílica 7(1): 33-60.

Matzenbacher, N. I. Diversidade florístca dos Campos Sul-brasileiros:

Asteraceae. In: Jardim, M. A.; Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M. (eds).

Desafios da Botânica no Novo Milênio: Inventário, sistematização e

conservação da diversidade vegetal Belém: MOEG, UFRA; Embrapa,

Brasil/ Museu Paraense Emílio Goeldi.

McCune, B. & Mefford, M. J. 1999. PC-Ord version 4.4, multivariate analysis of

ecological data. Users guide. MjM Software Desing. Glaneden Beach,

Oregon.

Melo, M. S. 2000. Canyon Guartelá. In: Schobbenhaus, C. Campos, D. A.;

Queiroz, E. T.; Winge & M. Berbert-Born, M. (Ed.) Sítios geológicos e

paleontológicos do Brasil. Disponível em:

http://www.unb.br/ig/sigeb/sitio094/sitio094.htm

Miotto, S. T. S.; Waechter, J. L. 2003. Diversidade florístca dos Campos Sul-

brasileiros: Fabaceae. In: Jardim, M. A.; Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M.

(eds). Desafios da Botânica no Novo Milênio: Inventário, sistematização e

conservação da diversidade vegetal Belém: MOEG, UFRA; Embrapa,

Brasil/ Museu Paraense Emílio Goeldi.

Moran, R. C.; Riba. 1995. In: Davidse, G.; Sousa, M. S.; Knapp, S. (Eds.). Flora

Mesoamericana: Psilotaceae a Salviniaceae. vol. 1. Ciudad Universitária,

Universidad Nacional Autônoma de México.

Moro, R. S. 2001. A vegetação dos Campos Gerais da escarpa devoniana. In:

Ditzel, C. D. H. M.; Sahr, C. L.L. Espaço e Cultura: Ponta Grossa e os

Campos Gerais. Ed. UEPG, Ponta Grossa .


114

Moro, R. S.; Carmo, M. R. B. do & Tardivo, R. C. 2003. A vegetação dos Campos

Gerais do Paraná junto a Escarpa Devoniana: subsídios para o zonemanto

da APA. CD Room. In: Anais do 7° Encontro Regional de Botânicos do

Paraná e Santa Catarina, Ponta Grossa.

Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. 1974. Aims and methodos of vegetation ecology.

Wiley and Sons, New York.

Paraná. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 1995a. Lista vermelha de

animais espécies ameaçados de extinção no estado do Paraná. SEMA/GTZ,

Curitiba. 177 p.

Paraná. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 1995b. Lista vermelha de

plantas ameaçadas de extinção no estado do Paraná. SEMA/GTZ, Curitiba.

139 p.

Pijl, L. van der. 1982. Principles of dispersal in higher plants. 2 ed. Springer-

Verlag, Berlim.

Raunkiaer, C. 1934. The life forms of plants and statistical geography.

Clarendon, Oxford.

Sá, K. L. V. R. 2004. A flórula vascular da reserve indígina São Jerônimo, São

Jerônimo da Serra- Paraná: subsídios para conservação da vegetação.

Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Soares-Silva, L. H. 2000. A família Myrtaceae – subtribus: Myrciinae e

Eugeniinae na bacia hidrográfica do rio Tibagi, estado do Paraná, Brasil.

Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Takeda, I. J. M.; Moro, R. S. & Kaczmarech, R. 1996. Análise florística de um

encrave de cerrado no Parque do Guartelá, Tibagi, PR. Publicatio 2(1): 21-

31.
115

UEPG-Universidade Estadual De Ponta Grossa. 2003. Caracterização do

Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná. Projeto financiado pela

Fundação Arucária e CNPq. Ponta Grossa. (Relatório final).

Tannus, J. L. & Assis, M. A. 2004. Composição de espécies vasculares de campo

sujo e campo úmido em áreade cerrado, Itirapina – SP, Brasil. Revista

Brasileira de Botânica 27(3):.489-506.

Troppmair, H. 1990. Perfil fitoecológico do estado do Paraná. Boletim de

Geografia 8 (1): 67-83.

Ziller, S. R. A. 2000. Estepe gramíneo-lenhosa no segundo Planalto do Paraná:

diagnóstico ambiental com ênfase à contaminação biológica. Tese

doutorado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Ziller, S. R. & Hatschbach, G. 1996. As formações vegetais do Parque Estadual

do Guartelá, Tibagi, PR. SEMA/IAP, Curitiba. (texto digitado).


116

APÊNDICE I

Relação das espécies amostradas no Parque Estadual do Guartelá, Município de Tibagi, Estado do
Paraná. F.V. - formas de vida; Cam: caméfita; Fan: fanerófita; Geo: geófita; Hem: hemicriptófita;
Lia: liana; Ter: terófita; Par: parasita Hábitat CS: campo seco; CU: campo úmido CR: campo
rochoso; CE: cerrado; CP: capão de Floresta Ómbrófila Mista; FG: Floresta de galeria do Rio Iapó;
AR: Ambiente ripário de lajeado; AA: área antropizada; S.D. – Síndrome de dispersão; Ane:
anemocórica; Zoo: zoocórica; Aut: autocórica; Desc: desconhecido . Nº HUPG – nº do registro no
Herbário HUPG. Col - nº do coletor. * espécies ruderais. ** espécies cultivadas

FAMÍLIA/espécie F.V. Hábitat S.D. Nº HUPG

ACANTHACEAE
Ruellia multifolia Nees Lindau Geo CS Aut 12116
ALISMATACEAE
Echinodorus sp. Geo FG Desc Material estéril
AMARANTHACEAE
Alternathera rufa (Mart.) D. Dietr. Lia CP Aut 12194
Gomphrena macrocephala A. St. Ht. Hem CE Aut 12518, 12118
ANACARDIACEAE
Lithraea molleoides (Vell.) Engl. Fan CE, FG, CP Zoo 12334, 12335, 12364
ANNONACEAE
Guatteria australis A. St.-Hil. Fan CP Zoo 12133
Guatteria nigrescens Mart. Fan CP Zoo 12433
Rollinia sylvatica (A. St.-Hil.) Mart. Fan AR Zoo 12134
Rollinia sericea (R.E. Fr.) R.E. Fr. Fan AR, CP Zoo 12929, 12930
APIACEAE
Eryngium ebracteatum Lam. Hem CU, CE, FG Aut 12104, 12108, 12110
Eryngium elegans Cham. et Schlecht Hem FG Aut 12107
Eryngium horridum Malme* Hem CE Aut 12513
Eryngium junceum Cham. & Schlecht. Hem CS, CE Aut 12512
Eryngium pristis Cham. & Schlecht. Hem CS Aut 12106, 12105
Eryngium sanguisorba Cham. et Schlecht. Hem CE Aut 12109
APOCYNACEAE
Araujia sericifera Brot Lia CS Ane 11895
Aspidosperma polyneuron Müll. Arg. Fan CP Ane Material estéril
Blepharodon ampliflorum E.Fourn Lia CE Ane 11898, 11882
Condylocarpon isthmicum (Vell.) A. DC. Lia CP Ane 11893, 11884, 11894
117

Ditassa edmundoi Fontella et Valente Lia CP Ane 11883


Mandevilla coccinea (Hook. et Arn.) Hem CS Ane 11889, 11890
Woodson
Mandevilla velutina (Mart. ex Stadelm.) Hem CE Ane 11891
Woodson
Oxypetalum appendiculatum Mart. Lia CP Ane 11892
Oxypetalum capitatum Mart. subsp. Lia CS-CE Ane 11896
capitatum
Oxypetalum pannosum Decne. var. Lia AA Ane 11888
pannosum
Oxypetalum sublanatum Malme Lia CS Ane 11887
Oxypetalum sp. Lia CE Ane 12970
AQUIFOLIACEAE
Ilex brasiliensis (Spreng.) Loes. Fan AR, CP Zoo 12111, 12112, 12113
Ilex theezans Mart. Fan FG, CP Zoo 12352, 12902, 12908
Ilex cf. amara Loes. Fan CP Zoo Material estéril
Ilex sp1 Fan CU Zoo 12115
Ilex sp2 Fan CE, CE-CP Zoo 12910, 12903
Ilex sp3 Fan CE Zoo 12114, 12906, 12899
ARACEAE
Philodendron sp. Epi- CP Zoo 12119
Cam
ARALIACEAE
Schefflera morototoni (Aubl.) Maguire, Fan CP Zoo Material estéril
Steyerm. & Frodin
ARAUCARIACEAE
Araucaria angustifolia Bertol O. Kuntze Fan CP Zoo 12961
ARECACEAE
Allagoptera campestris (Mart.) Kuntze Geo CE Zoo 12117, 12120
Geonoma schottiana Mart. Geo FG Zoo 12434
Syagrus romanzoffianus (Cham.) Glassm. Fan CP, FG Zoo Material estéril
ASTERACEAE
Acanthospermum australe (Loef.) Kuntze* Ter CE Zooc 12983
Achyrocline satureoides (Lam.) DC.* Ter CE,CS Aut 12153, 12337
Aspilia montevidensis (Spreng.) Kuntze* Hem AA, CS Aut 12143, 12144
Noticastrum sericeum (Less.) Philippi Ter CS Ane 12164, 12372
Baccharis anomala DC. Hem CP Ane 12137
Baccharis artemisioides Hook. & Arn. Hem CS Ane 12174
Baccharis calvescens DC. Hem AA Ane 12188
118

Baccharis dracunculifolia DC.* Cam CE Ane 12171, 12172


Baccharis ligustrina DC. Hem AR Ane 12173
Baccharis microcephala (Less.) DC. Hem CS, CU, CE, CP Ane 12176, 12177, 12180
Baccharis pentodonta Malme Hem CS, CR Ane 12378, 12388
Baccharis rufescens Spreng. Hem CS Ane 12175
Baccharis semiserrata var. elaeagnoides Cam CS Ane 12226
(Steud.) G.M. Barroso

Baccharis trimera DC.* Hem CS Ane 12180,12179, 12379


Bidens pilosa L.* Ter AA Zoo 12151
Bidens segetum Mart. ex Colla Hem AR Zoo 12347
Calea cymosa Less. Hem CS Ane 12346
Calea paviflora Baker Hem CS, CE, CR Ane 12224, 12230, 12231
Calea pinnatifida Less. Hem CP Ane 12243, 12351
Chaptalia graminifolia (Dusen) Cabr. Ter CS, AR Ane 12159, 12160
Chrysolaena hatschbachii H. Rob. Hem CS, CR Ane 12213, 12214, 12356
Conyza bonariensis (L.) Cronq. * Ter CS, CE, AA Ane 12163, 12186, 12162

Dasyphyllum flagellare (Casar.) Cabrera Hem CE Ane 12141


Dimerostemma myrtifolium (Chobat) M. Hem CS Ane 12245, 12247
D. Moraes
Elephantopus mollis H. B. K.* Ter CS Ane 12139
Eupatorium betonicaeforme Baker Hem CS, CU Ane 12156, 12357
Eupatorium intermedium DC. Hem CS Ane 12386
Eupatorium kleinii Cabrera Hem CE Ane 12181

Eupatorium aff. kleinioides H.B.K. Hem CS Ane 12377


Eupatorium macrocephalum Less. Hem CS, CP Ane 12348, 12189
Eupatorium maximilianii Schrad. ex DC.* Hem AA Ane 12183
Eupatorium multifidum DC. Hem CS, CR, CU Ane 12225, 12371
Eupatorium orbiculatum DC. Hem CS Ane 12155
Eupatorium palmare Schultz Hem CR, CS Ane 12227, 12229
Eupatorium sanctopaulense B.L.Rob. Ter CS, CR, CE Ane 12196, 12197, 12383
Eupatorium tanacetifolium Gillies ex Ter CE Ane 12158, 12354
Hook. & Arn.
Eupatorium trichobasis Baker Hem CS Ane 12154
Eupatorium. vauthierianum DC. Cam CE Ane 12157
Gamochaeta falcata (Lam.) Cabrera Hem CU, CS Ane 12145, 12146, 12147,
12353
119

Gochnatia polymorpha (Less.) Cabrera Fan CE, CS Ane 12238, 12135, 12136
Gochnatia argyrea (Dusén ex Malme) Fan CP Ane 12219, 12202, 12203
Cabrera
Gnaphalium cheiranthifolium Lam. Hem CS Ane 12340
Hieracium cf. leucotrichum Fries Hem CS Ane 12342
Hypochaeris gardneri Baker Hem CU Ane 12338
Hypochaeris brasiliensis (Less.) Griseb. Hem AA Ane 12165
Inulopsis scaposa (Remy) O. Hoffm. Hem CS, CR Ane 12166, 12167
Mikania lasiandrae DC. Hem AR Ane 12193
Mikania sessilifolia DC. Hem CP Ane 12187
Mikania triphylla Spreng. ex Baker Hem CE Ane 12184, 12185
Mutisia coccinea St. Hil Lia CP Ane 12148
Orthopappus angustifolius (Swartz) Hem AA 12182
Gleason *
Piptocarpha axillaris (Less.) Baker Fan AR, CE, CP Ane 12291, 12232, 12349
Pterocaulon alopecuroides (Lam.) DC.* Hem CS Ane 12387
Richterago radiata (Vell.) Roque Geo CS Ane 12138,
Senecio brasiliensis (Spreng.) Less.* Ter AA Ane 12142
Solidago chilensis Meyen* Ter AA, CE Ane 12149
Stevia clausenii Schultz-Bip Ter CS Ane 12150

Stevia gardneriana Baker Hem CE Ane 12239


Stevia leptophylla Sch. Bip. ex Baker Hem CE Ane 12375
Symphyopappus cuneatus (DC.) Sch. Bip. Hem CE Ane 12161
ex Baker
Trichocline speciosa Less Hem CS Ane 12140, 12350
Vernonia cf. cataractarum Hieron Hem CS Ane 12208
Vernonia cuneifolia Gardner Hem CS Ane 12358
Vernonia glabrata Less.* Hem FG Ane 12211
Vernonia herbacea (Vell.) Rusby Hem CS Ane Col. 887
Vernonia hipochaeris DC. Hem CS, CR Ane 12209, 12210
Vernonia intermedia DC. Hem CR Ane 12384
Vernonia megapotamica Spreng. Hem CS Ane 12199, 12200
Vernonia mollissima D. Don Hem CR, CS Ane 12257, 12201, 12228
Vernonia muricata DC. Hem CP, CS Ane 12195, 12360
Vernonia nudiflora Less.* Hem CS Ane 12382
Vernonia rigiophylla Sch.Bip ex Baker Hem CS Ane 12235
120

Vernonia tweediana Baker Cam AA Ane 12212


Vernonia sp. Hem CS, CE Ane 12234, 12236
Viguiera trichophylla Dusén Hem CS Aut 12152
Indeterminada sp. 2 Hem CE Ane 12385
Indeterminada sp. 3 Hem CS Ane 12376
Indeterminada sp. 4 Hem CE Ane 12974, 12981
Indeterminada sp. 5 Hem CE Ane 12973
BEGONIACEAE
Begonia setosa Klotzsch Ter AR Ane 12222
Begonia sp. Ter AR, CU Ane 12220, 12221
BIGNONIACEAE
Adenocalymma paulistarum Bureau & K. Lia AR Ane Col. 232
Schum.
Anemopaegma cf. prostratum DC. Lia AR, CP Ane Col. 742, Col. 388

Arrabidaea samydoides (Cham.) Sandwith Lia CP Ane Col. 740


Cuspidaria convoluta (Vell.) A.H. Gentry Lia CP Ane Col.707, Col.306, Col.305
Jacaranda oxyphylla Cham. Cam CP, CE Ane Col.1168
Jacaranda puberula Cham. Fan CP Ane 12958
Macfadyena unquis-cati (L.) A.H. Gentry Lia CP Ane Col.711, Col.1163
Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers* Lia CP Ane Col.168
Tabebuia aurea (Manso) Benth & Hooker Fan CE, CP Ane Col.278, Col.1151
Tabebuia chrysotricha (Mart. ex A. DC.) Fan CE, CP Ane Col.214, 12964
Standl.
BORAGINACEAE
Cordia ecalyculata Vell. Fan CP Zoo 12248
BROMELIACEAE
Aechmea bromeliifolia (Rudge) Baker Hem- CR, CP Zoo 12315
Epi
Aechmea distichantha Lemaire Hem CR Zoo 12314
Aechmea recurvata (Klotzsch) L. B. Smith Epi CP, AR Zoo 12303,12321, 12322
Ananas cf. comosus (L.) Merril* Hem AA Zoo Material estéril
Bromelia antiacantha Bertol Hem AA Zoo Material estéril
Canistrum cyathiforme (Vell.) Mez Hem FG Ane 12336
Dyckia tuberosa (Vell.) Beer Hem CR, CE Ane 12304,12313
Pitcairnia flammea Lindl. Epi CR Ane 12309
Tillandsia crocata (Morren) Bak. Hem CR Ane 12343
121

Tillandsia gardneri Lindley Epi CR Ane 12341


Tillandsia lorentziana Griseb Hem CR Ane 12320
Tillandsia tenuifolia L. Epi CP, CR Ane 12305,12306, 12310
Tillandsia streptocarpa Baker Epi AA Ane 12307
Tillandsia stricta Solander Epi CP Ane 12311, 12317
Tillandsia usneoides (L.) L.* Epi AR, FG, AA Ane Material estéril
Vriesia friburgensis Mez. Epi CP Ane 12324
Vriesea sp. Epi CP Ane 12781
Wittrockia cyathiformis (Vell.) Leme Epi CP Ane 12308, 12339
BUDDLEJACEAE
Buddleja brasiliensis Jacq. ex Spreng* Hem AA Desc 12223
CACTACEAE
Cereus peruvianus (L.) J.S. Muell. Fan CE, FG, CP Zoo 12283, 12282
Hatiora salicornioides (Haworth) Britton Hem CR Zoo
& Rose

Rhipsalis baccifera (Miller) Stearn Epi CP, FG Zoo 12285, 12284


Rhipsalis dissimilis (Lindberg) Schumann Hem CR Zoo 12281
CAMPANULACEAE
Lobelia camporum Pohl Hem CS Aut 12326, 12325
Lobelia exaltata Pohl. Hem CS, CU Aut 12362
Lobelia sp. Hem CS Aut 12329
Siphocampylus lycioides (Cham.) G. Don Hem AR Aut 12328
Wahlembergia linarioides Lam. A. DC Hem CS Aut 12327, 12363
CARYOCARACEAE
Caryocar brasiliensis Cambess. Hem CE Zoo 12244, 12246
URTICACEAE
Cecropia sp. Fan AR, FG Zoo Material estéril
CELASTRACEAE
Maytenus evonymoides Reissek Fan FG, CP Zoo 12359, 12435
Maytenus robusta Reissek Fan FG, CP Zoo 12366, 12330
Plenckia populnea Reissek Fan CE Ane 12331, 12333, 12332
Indeterminada Fan CP Desc Material estéril
CLETHRACEAE
Clethra scabra Pers. Fan CR, CU, AR, CE, CP Ane 12287,12368,12367,12369
12437
122

COMMELINACEAE
Commelina diffusa Burm. f.* Ter CE Aut 12793
Tradescantia erinthoides Kunth Ter CS Aut 12791
Tripagondra diuretica (Mart.) Handlos Ter CP Aut 12792
CONVOLVULACEAE
Ipomoea delphinioides Choisy Hem CS, CR Desc 12533, 12534
Jacquemontia ciliata Sandwith Lia FG Desc 12536
Merremia macrocalyx (Ruiz & Pav.) O’ Lia CP Desc 12535
Donell*
CUCURBITACEAE
Cayaponia espelina (Silva Manso) Cogn. Lia CE Zoo 12595
CUNONIACEAE
Lamanonia speciosa (Chambess.) L.B. Sm. Fan AR, CU Ane 12655, 12656
Lamanonia ternata Vell. Fan FG Ane 12657, 12953
CYATHEACEAE
Cyathea atrovirens (Langsd. & Fisch.) Hem CU Ane 11798, 11799
Domin
CYPERACEAE
Bulbostylis capillaris (L.) C.B. Clarke * Hem CS, FG Aut 11868, 11879
Bulbostylis jacobinae (Steud.) Lindm. Hem CR, CS Aut 11867, 11866
Bulbostylis sphaerocephala (Boeck.) C.B. Hem CU Aut 11875, 11869
Clarke
Cyperus brevifolius Rotth. Hassk. * Hem CS, CE, CU Aut 12037, 12038, 11859
Cyperus cayennensis Link* Hem CE Aut 11857
Cyperus haspan L. * Hem CU, AR Aut 11880, 11881
Cyperus lanceolatus (Poir) C.B. Clarke* Hem AR Aut 11858
Cyperus sp. Hem CU Aut 11856
Eleocharis sp. Hem CS, CU Aut Material estéril
Fimbristylis complanata (Retz.) Link Hem AR Aut 11877
Lagenocarpus rigidus (Kunth) Nees Hem CS, CU Aut 12035, 12039
Rhynchospora globosa (Kunth) Roem. & Hem CE, CU Aut 11849, 11848, 11847
Schult.
Rhynchospora tenuis Link * Hem AR, CU Aut 11853, 11874, 11865
Rhynchospora velutina (Kunth) Boeck. Hem CU Aut 11855, 11861, 11871
Scleria hirtella Sw. Geo CU Aut 11873, 11872
Scleria latifolia Sw. * Hem AR Aut 11878
123

Scleria sp. Hem FG Aut 11854


Indeterminada sp. 1 Hem CU Aut 11870
Indeterminada sp. 2 Hem CU Aut 11852
Indeterminada sp. 3 Hem CS, CE-CR Aut 11850, 11851, 12036
Indeterminada sp. 4 Hem CU Aut 12040
Indeterminada sp. 5 Hem CU Aut 11876
DROSERACEAE
Drosera communis A. St. Hil. Ter AR Ane 12759
EBENACEAE
Diospyros hispida DC. Fan CP Zoo Material estéril
ELAEOCARPACEAE
Sloanea lasiocoma K. Schum. Fan CP Zoo Material estéril
Sloanea sp. Fan CP Zoo Material estéril
ERICACEAE
Agarista pulchella (Cham.) ex G. Don Fan AR, CR, CE Zoo 12740, 12741, 12739
Agarista sp. Fan AR, FG Zoo Material estéril
ERIOCAULACEAE
Actinocephalus polyanthus var. polyanthus Hem CU Ane 12489
(Bong.) Sano
Paepalanthus albo-vaginatus Silveira Hem CE, CS Ane 12492, 12491
Paepalanthus bryoides (Riedel) Kunth Hem CU Ane 12490
Paepalanthus tessmanii Moldenke Hem AR, CU Ane 12496, 12495
Syngonanthus nitens (Bong.) Ruhland Hem CU, CR, AR Ane 12488, 12487, 12486
Paepalanthus paulensis Ruhland Hem CE, CU Ane 12500, 12498, 12499
12871, 12861
Syngonanthus aff. gracilis (Koern.) Hem CU Ane 12493
Ruhland
Leiothrix flavescens (Bong.) Ruhland Hem CU Ane 12485, 12484, 12483
ERYTHROXYLACEAE

Erythroxylum buxus Peyr. Fan CE Zoo Material estéril


Erythroxylum campestris A. St.-Hil. Fan CE Zoo Material estéril

Erythroxylum cuneifolium (Mart.) O. E. Fan CS, CE Zoo 12851


Schulz

Erythroxylum deciduum A. St.-Hil. Fan CE, CP Zoo 12715, 12717, 12722


Erythroxylum suberosum St. Hill. Fan CE Zoo 12723, 12724, 12725
Erythroxylum sp. Fan CS, CE Zoo 12714, 12721
124

ESCALLONIACEAE
Escallonia sp. Cam AR Ane 12664, 12778
EUPHORBIACEAE
Actimostemon concolor (Spreng.) Müll. Fan FG, CP Aut Material estéril
Arg.

Alchornia triplinervia (Spreng.) Müll. Fan CE, AA, CP Zoo 12447, 12448, 12449
Arg.
Bernardia lorentzii Müll. Arg. Cam AR Aut 12460
Bernardia pulchella Müll. Arg. Cam FG Desc Material estéril
Croton floribundus Spreng. Fan CP Aut 12454
Croton heterodoxus Baill. Cam CS Aut 12459
Croton lundianus Hiill. Arg. * Hem AR Aut 12455
Croton migrans Casar. Cam CS, CR Aut 4423
Croton serpyllifolius Baill. Fan CE, CR, CS Aut 12450, 12441, 12443
Croton sp. Hem CP Aut 4513
Euphorbia peperomioides Boiss. Hem CR Aut 9609
Gymnanthes cf. discolor (Spreng.) Müll. Fan AR, CP Aut 12464, 12451, 12452
Arg.

Pera glabrata (Schott) Baill. Fan CR, CP, CE, AR Zoo 12467, 12445, 12446,
12517
Phyllanthus sp. Ter CS Aut
Sapium glandulatum (Vell.) Pax Fan CP, AA Zoo 12875
Sebastiania brasiliensis Spr. Fan CP Aut 12466, 12462
Sebastiania commersoniana (Baill. L. B. Fan CP, AR Aut 12463, 12457, 12514
Sm. & Downs
Sebastiania hispida (Mart.) Pax ex Engl Cam CE, CS Aut 12465, 12458, 12915
Sebastiania schottiana Müll. Arg. Fan AR, FG Aut 12461, 12442
FABACEAE Caesalpinioideae
Chamaecrista desvauxii var. langsdorffii Cam CR, CS, CE Aut 12690, 12696, 12625
(Kunth ex Vogel) H. S. Irwin & Barneby
Chamaecrista punctata (Vogel) H.S. Irwin Cam CE, CS Aut 12628, 12691, 12626
& Barneby
Chamaecrista ramosa var. parvifoliola (H.S. Cam CE, CR Aut 12616, 12676, 12678,
Irwin) H.S. Irwin & Barneby 12680

Chamaecrista rotundifolia (Pers.) Greene* Ter CS Aut 12678, 12828, 12841


Copaifera langsdorffii Desf. Fan CR, CE, FG, CP Aut 12609, 12632, 12611,
12814
Senna rugosa (G. Don) H.S. Irwin & Fan CE Aut 12612
Barneby
125

Senna splendida var. splendida (Vogel) Fan AA Aut 12677


H.S. Irwin & Barneby
FABACEAE – Cercideae
Bauhinia forficata Link* Fan CP, AA Aut 12692, 12695
FABACEAE - Faboideae
Acosmium subelegans (Mohlenbr.) Fan CE Aut 12619
Yakovlev
Camptosema scarlatinum (Benth.) Bur Lia AR Aut 12846
Kart
Clitoria rubiginosa Juss. Lia FG Aut 12845
Clitoria guianensis (Aubl.) Benth. Lia CE Aut 12833
Collaea speciosa (Loisel.) DC. Cam AR Aut 12676
Crotalaria balansae Micheli Hem CE Aut 12821
Crotalaria micans Link* Hem FG, AR Aut 12621, 12620, 12835
Desmodium adscendens (Sw.) DC.* Hem CS Aut 12671
Desmodium polygaloides Chodat & Hassl. Hem CS Aut 12844
Eriosema heterophyllum Benth. Hem CS Aut 12607, 12617
Eriosema longifolium var. pedunculatum Hem CE, CS Aut 12672, 12697
Chodat & Hassl.
Erythrina falcata Benth. Fan FG Aut Material estéril
Galactia boavista (Vell.) Bur Kart Hem CE Aut 12606
Machaerium aculeatum Raddi Fan CP Ane Material estéril
Machaerium nictitans (Vell.) Benth. Fan CP Ane 12618
Machaerium sp. 1 Fan FG, CP Ane Material estéril
Machaerium sp. 2 Fan CP Ane Material estéril
Ormosia arborea (Vell.) Harms Fan FG Aut 12813
Periandra mediterranea (Vell.) Taub. Cam CS, CR, CE Aut 12822, 12826, 12827,
12832
Stylosanthes campestris M. B. Ferreira & Ter CS, CE Aut 12622, 12834
S. Costa
Stylosanthes guianensis var. gracilis Ter CS, AA Aut 12613, 12838
(Kunth) Vogel*
Zornia pardina Mohlenbr. Hem CS Aut 12694
FABACEAE – Mimosoideae
Acacia polyphylla DC. Fan CP Aut 12823, 12829
Anadenathera colubrina (Vell.) Brenan Fan CP Ane 12683, 12977, 12978
Calliandra selloi (Spreng.) J.F. Macbr. Fan AR Aut 12624, 12629
Inga vera subsp. affinis (DC.) T.D. Penn Fan FG Zoo 12630, 12631
126

Leucochloron incuriale (Vell.) Barneby & Fan CR, CE, CP Ane 12627, 12627
J.W. Grimes
Mimosa debilis Humb. & Bonpl. ex Cam CE, AA Aut 12682, 12685, 12919
Willd. var. debllis

Mimosa dolens subsp. callosa (Benth.) Cam CE Aut 12824


Barneby
Mimosa dolens subsp. rigida (Benth.) Cam CE Aut 12608
Barneby

Mimosa gymnas Barneby Cam AR Aut 12686


Mimosa lanata Benth. Cam CR, CE Aut 12604, 12614, 12623,
12815
Mimosa micropteris var. pungens Cam CS, CR, CE Aut 12602, 12603, 12681,
(Burkart) Barneby 12688
Mimosa orthacantha Benth. Cam CS Aut 12615, 12825
Stryphnodendron adstrigens Mart. Coville Fan CE Aut 12830, 12839, 12842
GENTIANACEAE
Irlbachia oblongifolia (Mart.) Maas Hem CU Desc 12760, 12761

GESNERIACEAE
Sinningia sp. Geo CP Desc 12699, 12700
GLEICHENIACEAE
Dicranopteris flexuosa (Schrad.) Underw. Geo CR Ane 8304, 11914
Sticherus bifidus (Willd.) Ching Geo CS Ane 3810
HYMENOPHYLLACEAE
Trichomones pilosum Raddi Geo CR Ane 11915
HYPOXIDACEAE
Hypoxis decumbens L.* Hem FG Desc Material estéril
IRIDACEAE
Alophia sp. Geo CS, CE Ane 12508, 12507, 12931
Cipura sp. Geo CS, CE Ane 12963
Sisyrinchium luzula Klotzsch Geo CS, CE, AA Ane 12530, 12860, 12529
Sisyrinchium vaginatum Spreng. Geo AA, CS, CU, CR, CE Ane 12501, 12502, 12503,
12528, 12505, 12504
Sisyrinchium wettsteinii Hand.-Mazz. Geo CR Ane 12509
Sisyrinchium sp. 1 Geo CU, CE Ane 12932, 12506
Sisyrinchium sp. 2 Geo CS Ane 12526
Sisyrinchium sp. 3 Geo AA Ane 12853
Sisyrinchium sp. 4 Geo CS Ane 12525
127

JUNCACEAE
Juncus sp. Geo CU Ane 13029, 13030
LAMIACEAE
Aegyphila lhotskyana Cham. Fan CE Zoo 12807, 12889, 12885
Eriope macrostachya Mart. ex Benth. Hem AR Aut 12253, 12290, 12345
Hypenia macrantha (A.ST.-Hil. ex Benth.) Hem CS, CU, CE Aut 12295, 12292, 12251,
R.Harley 12370, 12293, 12300

Hyptis cf. sinuata Pohl ex Benth. Hem CS Aut 12252


Hyptis villosa Pohl ex Benth. Hem CS, FG Aut 12297, 12299
Hyptis sp. 1 Hem CU Aut 12256
Salvia rosmarinoides A. St.-Hil. ex Benth. Hem CS Aut 12288
Vitex montevidensis Cham. Fan CP, FG, AA Zoo 12806, 12891, 12890
Indeterminada sp. 1 Hem AR Aut 12255, 12289
Indeterminada sp. 2 Hem CS, CR Aut 12436, 12344
Indeterminada sp. 3 Hem CS Aut 12250
LAURACEAE
Cinnamomum sellowianum (Nees) Fan AA, CE, CP Zoo 12298, 12267, 12269
Kosterm.
Cryptocaria sp. Fan FG Zoo Material estéril
Nectandra grandiflora Nees Fan AR, CP Zoo 12279,12272, 12938
Ocotea bicolor Vattimo-Gil Fan CP Zoo 12254
Ocotea diospyrifolia (Meisn.) Mez Fan CP Zoo 12268
Ocotea lancifolia (Schott) Mez Fan AR Zoo 12273
Ocotea pulchella (Nees) Mez Fan AR, CE, CP Zoo 12361, 12259, 12263
Ocotea silvestris Vattimo-Gil Fan FG, CP Zoo Material estéril
Ocotea tristis (Nees) Mez Fan CE, CR Zoo 12265, 12264, 12274
Ocotea sp. 1 Fan CP Zoo Material estéril
Ocotea sp. 2 Fan CP Zoo Material estéril
Ocotea sp. 3 Fan CP Zoo Material estéril
Ocotea sp. 4 Fan CP Zoo Material estéril
Persea wildenovii Kosterm. Fan CP Zoo Material estéril
Persea sp. Fan CE Zoo 12262
Indeterminada sp. 1 Fan CP Zoo 12266
Indeterminada sp. 2 Fan CP Zoo Material estéril
Indeterminada sp.3 Fan CP Zoo Material estéril
LENTIBUTARIACAE
128

Utricularia nervosa G. Weber ex Benj. Hem CU Desc 12670, 12758


Utricularia sp. Hem AR, CS, CU Desc 12665, 12666,12667
LILIACEAE
Nothoscordon sp. Geo CP Aut 12531
Indeterminada Geo CS Aut 12862
LOGANIACEAE
Strychnos sp. Fan CP Zoo 12703
LOPHOSORIACEAE
Lophosoria quadripinnata (J.F. Gmel.) C. Hem AR Ane 11796
Chr.

LORANTACEAE
Struthanthus sp. Par FG, CP Zoo 12896, 12935
LYCOPODIACEAE
Lycopodiella camporum B. Oelg. & R. G. Geo CR, CU Ane 11913, 11912
Windisch
LYTHRACEAE
Lafoensia pacari A. St.-Hil. Fan AR, CP Ane 12594, 12591, 12590
Cuphea linarioides Cham. & Schltdl. Ter AR Aut 12592
Cuphea sp1 Ter CS Aut 12593
Cuphea sp2 Ter CS Aut 12811
Cuphea sp3 Ter FG Aut Col.ol. 3696
MALPIGHIACEAE
Aspicarpa pulchella (Griseb.) OʹDonell & Cam CS Ane 12547
Lourt.
Banisteriopsis campestris (A.Juss.) Little Cam CR, CE Ane 12538, 12539, 12541
Byrsonima brachybotrya Nied. Fan CE Zoo 12553
Byrsonima clausseniana A. Juss. Cam CE Zoo 12550, 12551, 12863
Byrsonima cydoniifolia A. Juss. Fan CE Zoo 12543
Byrsonima sp. 1 Fan CR, CE Zoo 12552, 12554, 12555
Byrsonima sp. 2 Fan CE Zoo 12542
Camarea affinis A.St.-Hil. Hem CS, CE Ane 12545, 12546
Heteropterys intermedia (A.Juss.) A. Juss. Lia CP Ane 12548, 12549
Heteropterys syringifolia Griseb. Fan CR, CE Ane 12537, 12556
Peixotoa parviflora A. Juss. Lia CP Ane 12560
Peixotoa reticulata Griseb. Cam CE Ane 12558
MALVACEAE
129

Gaya pilosa K. Schum. * Hem AA Aut 12709


Luehea divaricata Mart. Fan AR, CR Ane 12786
Peltaea polymorpha (A.St.-Hil.) Krapov. & Hem CS, CE Aut 12712, 12713
Cristobal

Peltaea sp. Hem CS Aut 12854


Sida sp. 1 Ter CS Aut 12708
Sida sp. 2 Ter CS Aut 12707
Waltheria douradinha A. St. Hil. * Hem CS Aut 12596, 12597
Indeterminada sp. 1 Hem CR Aut 12711
Indeterminada sp. 2 Hem AA Aut 12710
Indeterminada sp. 3 Hem CS Aut 12917
MELASTOMATACEAE
Ascisanthera alsinaefolia (DC.) Triana Hem CS, CU, CE Desc 11897; 11935, 11936
Chaestostoma pungens DC. Hem CE Desc 11987, 11941
Lavoisiera phyllocalycina Cogn. Hem AR, CE Desc 11996, 11990
Lavoisiera pulchella Cham. Hem CS, CU Desc 11991, 11985, 11949,
11986
Leandra dusenii Cogn. Cam CR Zoo 11977, 11978
Leandra lacunosa Cogn. Fan CE, CP Zoo 11956, 11972, 11974,
11975
Leandra melastomoides Raddi Fan CR, FG, CP Zoo 11944, 11948, 11947,
11945
Leandra parvifolia Cogn. Cam AR Zoo 11929
Leandra petropolitana Cogn. Fan CP Zoo 11938, 11939, 11940
Leandra purpuracens (DC.) Cogn. Fan FG, CP Zoo 11910, 11954, 11957
Leandra regnelli (Triana) Cogn. Fan CP Zoo 11953, 11958
Leandra sericea DC. Fan CP Zoo 11924
Leandra sp. Cam CP Zoo 11928
Miconia albicans Sw. Triana Fan CR, CU Zoo 11982, 11983, 11950
Miconia cinerascens Miq. Fan CS, CP Zoo 11963, 11964, 11965,
11967
Miconia hiemalis Naudin Fan CE, CS Zoo 11981, 11976
Miconia ligustroides (DC.) Naudin Fan CS, CR, CE Zoo 12027, 11995, 11959
Miconia sellowiana Naudin Fan CR, CE, CP Zoo 11917, 11918, 11919
Miconia simplicicaulis (Naudin) Cogn. Fan CS, CU Zoo 11925, 11926, 11930
Miconia theazans (Bonpl.) Cong.t Cam CU, AR Zoo 11927, 11984, 11951
Tibouchina gracilis (Bonpl.) Cogn.* Hem CS, CU Ane 11932, 11933, 11989
130

Tibouchina hatschbachii Wurdack Fan CS, CE Ane 11923, 12028


Tibouchina martialis (Cham.) Cogn. Cam CE, CR Ane 11952, 11970
Tibouchina sellowiana (Cham.) Cogn. ** Fan CP Ane 11988, 11934
Tibouchina ursina (Cham.) Cogn. Cam CE Ane 11921
Tibouchina sp. ** Cam CR, CP Ane 11969, 11992
Trembleya parviflora (Don) Cogn. Cam CE Ane 11922
Trembleya phlogiformis DC. Hem CE Ane 11920
MELIACEAE
Cedrela fissilis Vell. Fan CP Ane Material estéril
Guarea macrophylla Vahl. Fan FG Zoo 12587, 12812
Trichilia claussenii C. DC. Fan CP Zoo Material estéril
Trichilia elegans A. Juss. Fan CP Zoo 12588, 12589
MENISPERMACEAE
Cissampelos sp. Lia AA Zoo 12698
MONIMIACEAE
Mollinedia clavigera Tul. Fan FG, CP Zoo 12788, 12789, 12980
MORACEAE
Ficus sp. 1 Fan AA Zoo 12510, 12511
Fícus sp. 2 Fan CP Zoo Material estéril
Fícus sp. 3 Fan FG Zoo Material estéril
Ficus sp. 4 Fan CP Zoo Material estéril
Sorocea bonplandii (Baill.) Bürger, Lanj. & Fan CP Zoo Material estéril
Bôer

MYRSINACEAE
Rapanea umbellata Mart. Fan CU, CE, FG, CP Zoo 12923, 12924, 12925,
12913
Rapanea ferruginea (Ruiz & Pav.) Spreng. Fan CP Zoo Material estéril
Rapanea sp. Fan AR Zoo 12916
MYRTACEAE
Calycoretes psidiiflorus (Berg) Sobral Fan FG, CP Zoo 12123, 12170, 12067
Calyptranthes concinna DC. Fan CE, AR, FG CP Zoo 12045, 12046, 12047
Campomanesia adamantium (Cambess.) Cam CS Zoo 12009, 12068, 12069
O. Berg
Campomanesia guazumifolia (Cambess.) Fan CP Zoo Material estéril
O. Berg
Campomanesia pubescens (A. DC.) O. Fan CS, CE Zoo 12072
Berg
131

Campomanesia xanthocarpa O. Berg. Fan CP Zoo 12008


Eugenia arenosa Mattos Cam CS Zoo 12061
Eugenia bimarginata DC. Fan CE Zoo 12000, 12001, 12002
Eugenia calycina Cambess. Fan CS Zoo 12060
Eugenia handroana D. Legrand Fan FG, CP Zoo Material estéril
Eugenia hiemalis Cambess. Fan CE Zoo 12068
Eugenia neoverrucosa Sobral Fan CP Zoo Material estéril
Eugenia puniciflora Kunth. DC. Fan CE Zoo 12365
Eugenia pitanga (O. Berg) Kiaersk. Fan CS, CE Zoo 12130, 12074, 12075
Eugenia pyriformis Cambess. Fan CE, CP-CS, CP Zoo 12103, 12077, 12198
Eugenia ramboi D. Legrand Fan CP Zoo Material estéril
Hexachlamys hamiltonii Mattos Cam CE Zoo Material estéril
Myrceugenia alpigena var. fulgnea (O. Fan CE Zoo 12010, 12122, 12087
Berg) Landrum

Myrceugenia hatschbachii Landrum Fan CE Zoo Material estéril


Myrcia arborescens O. Berg Fan CE, CP Zoo 12042, 12055, 12056
Myrcia breviramis (O. Berg ) D. Legrand Fan CE, AR, FG, CP Zoo 12102, 12048, 12049,
12050
Myrcia floribunda Miq. Cam CE Zoo Material estéril
Myrcia hatschbachii D. Legrand Fan FG, CP Zoo Material estéril
Myrcia multiflora Lam. DC Fan CE, AR, FG, CP Zoo 12081, 12071, 12076,
12082
Myrcia obtecta (O. Berg) Kiaersk. Fan CP Zoo 12094
Myrcia obtecta var. alternifolia (O. Berg) Fan CP Zoo 12126
D. Legrand

Myrcia rostrata DC Fan CE, CP, AA Zoo 12011, 12012, 12016


Myrcia tomentosa (Aubl.) DC Fan CP Zoo 12129
Myrcia venulosa DC. Fan CR, CE, CP Zoo 12059, 12058, 12044
Myrcia sp. 1 Fan CE Zoo 12125
Myrcia sp. 2 Fan CP Zoo Material estéril
Myrciaria cuspidata O. Berg Fan CS, CE, AR, FG, CP Zoo 12007, 12013 ,12017,
12022
Myrciaria delicatula DC. O. Berg. Fan CE, AR, FG, CP Zoo 12004, 12005,
12018,12019

Myrciaria floribunda (H. West ex Willd.) Fan CP Zoo 12086, 12121, 12127,
O. Berg 12128

Myrciaria sp. Fan CP Zoo Material estéril


132

Pimenta pseudocaryophyllus (Gomes) L. Fan CP Zoo Material estéril


R. Landrum
Plinia rivularis (Cambess.) A. D. Rotman Fan CP Zoo 12066, 12169
Psidium catlleianum Sabine Fan CS-CP Zoo 12023
Psidium cinereum Mart. Cam CS, CE Zoo 11999, 12024, 12026
Psidium spathulatum Mattos Fan FG, CP Zoo 12092, 12099, 12131
Psidium cf. rubescens O. Berg Cam CE Zoo 12096
Psidium rufum Mart. ex DC. Cam CE Zoo Material estéril
NYCTAGINACEAE
Bougainvillea spestabilis Willd.** Lia AA Ane 12654
Guapira opposita (Vell.) Reitz Fan CP Zoo Material estéril
OCHNACEAE
Ouratea spectabilis (Mart. ex Engl.) Engl. Fan CE Zoo 11908, 11903, 11904
Ouratea sellowii (Planch.) Engl. Fan CP, FG Zoo 11900, 11899
Sauvagesia racemosa A. St.-Hil. Ter CU, AR Desc 11905, 11901
Hypericum brasiliensis Choisy Cam CE Desc 11907, 11906
Hypericum caprifoliatum Cham. & Cam CE Desc 11909
Schltdl.
ONAGRACEAE
Ludwigia sericea (Camb.) Hara * Ter AR Desc 12702, 12701
Ludwigia sp. Ter AR Desc 12948
ORCHIDADEAE
Bulbophyllum sp. Epi FG Ane 12581
Cleistes paranaensis (Barb. Rodr.) Schltr. Ter CS Ane 12583
Cleistes sp. Ter CU Ane 12576
Epidendrum ellipticum Graham Cam CR Ane 12577
Galeandras sp. Cam CP Ane 12584
Gomesa barkeri (Hook.) Regel Epi FG Ane 12586, 12820
Habenaria cf. platydactyla Kraenzl Ter CU, CE, AR Ane 12574, 12818, 12819
Isabelia virginalis Barb. Rodr. Cam FG Ane 12572
Maxillaria sp. Cam FG Ane 12575
Oncidium sp. 1 Epi CP Ane 12579, 12580
Oncidium sp. 2 Epi CP Ane 12573
Pleurothallis sonderana Rchb. Epi CP Ane 12585
Wullschlaegelia aphylla (Sw.) Rchb. f. Cam CP Ane 12571
Indeterminada sp. 1 Epi FG Ane 12578
133

Indeterminada sp. 2 Epi CP Ane 12582


Indeterminada sp. 3 Cam CS, CU Ane 12816, 12817
OROBANCHACEAE
Buchnera juncea Cham. & Schltdl Hem CS Ane 12647
Esterhazya splendida J.C. Mikan Hem CE, CS, CU Ane 12653, 12650, 12651
Indeterminada Hem CS Desc 12649
OXALIDACEAE
Oxalis sp. 1* Geo CS Aut 12660
Oxalis sp. 2* Geo CE Aut 12693
PASSIFLORACEAE
Passiflora setulosa Killip Lia CE Zoo 11800
PICRAMNIACEAE
Picramnia ramiflora Planch. Fan CP Zoo Material estéril
PIPERACEAE
Piperonia sp. 1 Epi CP Zoo 12780
Piperonia sp. 2 Epi AR Zoo 12726
Piperonia sp. 3 Epi CP Zoo 12727
Piperonia sp. 4 Epi CE, CP Zoo 12728, 12856
PINACEAE
Pinus sp.** Fan CS, CE, AA Ane Material estéril
PLANTAGINACEAE
Scoparia dulcis L. * Hem CU Ane Col.723
POACEAE
Agenium leptocladum (Hack.) Clayton Hem CS Ane 12033
Andropogon bicornis L.* Hem CU Ane 11834
Andropogon leucostachyus Kunth* Hem CE, CU, CS Ane 11804, 11805, 11834,
11833, 12032
Aristida jubata (Arechav.) Herter Hem CS Ane 11836
Axonopus brasiliensis (Spreng.) Kuhlm. Hem CU Ane 11828
Axonopus siccus (Nees) Kuhlm. Hem CE, CR Ane 11827 , 11817
Brachiaria decumbens Stapf. * Hem AA Zoo Material estéril
Briza calotheca (Trin.) Hack. Hem CU Ane 11840
Ctenium polystachyum Balansa Hem CE Ane 11842
Danthonia secundiflora J. Presl Hem CU Ane 11807
Digitaria insularis (L.) Fedde* Hem CE Ane 11829
134

Eragrostis cf. bahiensis Schrad. ex Schult. Ter CU Ane 11814


Eragrostis sp. Ter CE Ane 11815
Eriochrysis cayennensis P. Beauv. Hem CU, AR Ane 11803, 11816
Homolepis sp. Hem CP Ane 11824
Leptocoryphium lanatum (Kunth) Nees Hem CS Ane 11820
Merostachys sp. Hem CP Ane 11841
Otachyrium versicolor (Doell) Henr. Hem CS, CE, CU Ane 11812 , 11839 , 11838,
11837
Panicum olyroides Kunth Hem CS Ane 11830, 11806
Panicum pernambucense (Spreng.) Mez ex Hem AR Ane 11818
Pilg.

Paspalum cordatum Hack. Hem CR Ane 11809


Paspalum cf. ellipticum Döll Hem CS Ane 12030
Paspalum notatum Fl.* Hem AA Ane 12031
Paspalum polyphyllum Nees ex Trin. Hem CR Ane 11819, 11823
Paspalum rojasii Hack. Hem CS Ane 11845
Paspalum sp. 1 Hem CE Ane 11843
Paspalum sp. 2 Hem CU Ane 11821
Paspalum sp. 3 Hem CE Ane 12034
Setaria sphacelata (Schumach.) M.B. Hem CE Ane 11825
Moss ex Stapf & C.E. Hubb. **

Setaria sp. Hem CU Ane 11822


Sorghastrum minarum (Nees) Hitchc.* Hem CU Ane 11811

Sorghastrum nutans (L.) Nash Hem CR Ane 11810


Steinchisma decipiens (Nees ex Trin.) Hem CE Ane 11844
W.V. Br.
Trachypogon spicatus (L.f.) Kuntze Hem CE Ane 11813, 11826
Indeterminada Hem CU Ane 12041
POLYGALACEAE
Polygala longicaulis Kunth. Ter CU Ane 12737, 12736. 12734
Polygala cf. paniculata L. * Ter CS, AR Ane 12732, 12982
Polygala sp. 1 Ter CS, CU Ane 12735, 12949
Polygala sp. 2 Ter CP Ane 12850, 12729, 12733
Polygala sp. 3 Ter CU, AR, FG Ane 12738, 12730, 12907
POLYGONACEAE
Polygonum acuminatum Kunth* Hem AR Ane 12762
135

Polygonum sp. 1 Hem AR Ane 12763


Polygonum sp. 2 Hem AR Ane 12764
POLYPODIACEAE
Campyloneurum nitidum (Knalf.) C. Epi CP Ane Col.194
Presl.
Microgramma squamulosa (Kanef.) de la Epi CP Ane 11801
Sota
Phlebodium psedoaureum Cav. Hem CR-CP Ane 11802
Polypodium hirsutissimum Raddi Hem CR Ane 11790, 10842
Polypodium latipes Langsd. & Fisch. Hem CE Ane 11792, 11799
Polypodium triseriale Sw. Hem CR Ane 11916
PORTULACACEAE
Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn. * Hem AA Aut 12971, 12966
Talinum triangulare (Jacq.) Willd. * Hem CP Aut 12918
PROTEACEAE
Roupala brasiliensis Klotzsch Fan CP, FG, AR Aut 12787
PTERIDACEAE
Doryopteris crenulans (Fée) H. Christ. Hem CU Ane 11793
Doryopteris ornithopus (Mett. ex Hook & Hem CU Ane 8464
Baker) J. Sm.
Doryopteris pedata (L.) Fée Hem FG, CP Ane 11791, 11911
Notholaena eriophora Fée Hem CS Ane 6245
Pteridium aquilinum (L.) Kuhn* Hem CE Anr Material estéril
RHAMNACEAE
Crumenaria polygaloides Reissek Hem CS Desc 12937
Rhamnus sphaerosperma Sw. Fan CE Zoo 12600, 12598, 12599
Rhamnus sp. Fan CP, CU Zoo 12808
Indeterminada Lia CP Desc 12878
ROSACEAE
Prunus myrtifolia (L.) Urb. Fan CP, AA Zoo 12800, 12801, 12802
Prunus sp. Fan CE, CP, CU Zoo 12797, 12796, 12849
Rubus brasiliensis Mart. * Fan CP Zoo 12798
Rubus sp. * Fan CE Zoo 12848
RUBIACEAE
Alibertia concolor (Cham.) K. Schum. Fan CE, CR Zoo 12412, 12414, 12413
136

Bathysa meridionalis (St. Hil.) Benth. & Fan FG Desc 12394


Hook.
Borreria paranaensis Cabral & Bacigalupo Ter CS Aut 12417
Borreria cf. paulista E.L. Cabral & Ter CS, CE, CR Aut 12402, 12400, 12389
Bacigalupo

Borreria poaya (A. St.-Hil.) DC Ter CS, CE, CR Aut 12427, 12405, 12404
Borreria suaveolens G. Mey. * Ter CS, CE Aut 12420, 12419, 12418,
Chomelia cf. obtusa Cham. & Schltdl. Fan CP Zoo 12411
Chiococca alba (L.) Hitchc Lia CP Zoo 12423
Coccocypselum cf. capitatum (Graham) Hem CR Zoo 12425, 12408, 12407
C.B. Costa & Mamede
Coccocypselum lanceolatum (Ruiz. & Pav.) Hem CS, CP Zoo 12431, 12415, 12409
Pers.
Coccocypselum sp. Hem CR Zoo Col.458
Coussarea contracta (Walp.) Müll. Arg. Fan CP Zoo 12410, 12439
Coussarea sp. Fan FG Zoo 12872
Declieuxia cordigera var. divergentiflora Hem CE Zoo 12673
(Pohl ex DC.) Kirkbride
Declieuxia cordigera var. angustifolia Hem CE Zoo 12390
Müll. Arg.

Ixora venulosa Benth. Fan AR, FG, CP Zoo 12398, 12397, 12396
Manettia cordifolia Mart. Lia CE Zoo 12391
Manettia ignita (Vell.) K. Schum. * Lia FG Zoo
Manettia sp. Lia CP Zoo 12393
Palicourea rigida Kunth Cam CS, CE Zoo 12395, 12523, 12810
Psychotria leiocarpa Cham. & Schltdl Fan CP Zoo 12426, 12421, 12422
Psychotria vellosiana Benth. Fan CP Zoo 12430, 12428, 12429
Psychotria suterella Müll. Arg Fan CP Zoo 12401, 12399
Psychotria sp. Fan CP Zoo 12422, 12524, 12522
Richardia brasiliensis Gomes* Ter CS Aut 12424
Richardia pedicellata (K. Schum.) O. Ter CS Aut 12416
Kuntze *
Rudgea sp. Fan CP Zoo 12432, 12440, 12438
RUTACEAE
Esenbeckia grandiflora Mart. Fan CE Aut 12857
Pilocarpus pauciflorus A. St.-Hil. Fan CP Aut 12784, 12783
Zanthoxylum rhoifolium Lam. Fan CP Zoo 12877
SALICACEAE
137

Casearia lasiophylla Eichler Fan CP Zoo 12601, 12749, 12750


Casearia obliqua Spreng. Fan CP Zoo Material estéril
Casearia sylvestris Sw. Fan CP, CE Zoo 12746, 12742, 12747
Indeterminada Fan CP Desc Material estéril
SANTALACEAE
Phoradendron sp. 1 Par CE, AR, CP Zoo 12895, 12898, 12897
Phoradendron sp. 2 Par AR Zoo 12894
Phoradendron sp. 3 Par CP Zoo 12893
SAPINDACEAE
Cupania vernalis Cambess. Fan FG, CR Zoo 12644, 12645
Matayba elaeagnoides Radlk Fan CP Zoo 12643
Serjania sp. 1 Lia AR Ane 12639
Serjania sp. 2 Lia CP Ane 12646
SAPOTACEAE
Chrysophyllum gonocarpum (Mart. & Fan CP Zoo 12636, 12637
Eichl.) Engl.

Chrysophyllum marginatum (Hook & Fan FG, CP Zoo 12633, 12634, 12635
Arn.) Radlk.
SCHIZAEACEAE
Anemia phyllitidis (L) Schwartz Hem CP Ane 11795
SMILACACEAE
Smilax brasiliensis Spreng.* Lia CE Zoo 12662
Smilax sp. Lia FG Zoo 12663
SOLANACEAE
Atheneae sp. Fan FG Zoo Material estéril
Aureliana sp. Lia AR Zoo 12794
Brunfelsia cuneifolia J.A. Schmidt Fan CP Zoo 12794
Brunfelsia sp. Fan AR, CP Zoo 12967, 12969
Calibrachoa paranaensis (Dusen) Wijsman Hem CS, CE, CP Aut 12934, 12942, 12955
Calibrachoa sp. Cam CE, CS Aut 12947 , 12945, 12960
Dyssochroma cf viridiflora Miers Cam CP Desc 12946
Nicotiana sp. * Fan AA Aut 12942
Solanum argenteum Dunal Fan CP Zoo Material estéril
Solanum sp. Fan CP Zoo Material estéril
SYMPLOCACEAE
138

Symplocos pubescens Klotzch & Benth. Fan CU, CE, CP Zoo 12765, 12766, 12768
Symplocos tenuifolia Brand Fan CU, CP Zoo 12767, 12769, 12770
TECTARIACEAE
Ctenitis submarginalis (Langsd. & Fisch.) Geo CP Ane 11794
Ching
THEACEAE
Gordonia fruticosa (Schrad.) Kobuski Fan AR, CP Desc 12704, 12705, 12706,
12968
Comellia sp. Fan CP Desc 12965
THYMELAEACEAE
Daphnopsis racemosa Griseb Fan FG, CP Zoo 12777, 12921
TURNERACEAE
Piriqueta sp. Hem CS Desc 12779
VERBENACEAE
Lantana camara L.* Cam CE Zoo 12864, 12866
Lantana fucata Lindl. Cam CP Zoo 12869
Lippia lupulina Cham. Hem CE, CS Aut 12892, 12888, 12887
Stachytarpheta cayennensis (L.C. Rich.) Cam CU Aut 12805, 12804
Vahl *
Verbena sp. Hem AA, CS Aut 12868, 12886, 12884
Indeterminada Hem CS, CE Desc 12803, 12865, 12936
VIOLACEAE
Anchietea pyrifolia A. St.-Hil. Hem CP Desc 12753
Hybanthus sp. Cam CS Desc 12751, 12752
VOCHYSIACEAE
Callisthene major Mart. Fan CP, FG Aut Material estéril
Qualea cordata Spreng. Fan CR, CE, FG Ane 12773, 12774, 12775,
12867, 12870
Vochysia sp. Fan CP, CE Ane 12776
WINTERACEAE
Drimys brasiliensis Miers. Fan AR Zoo 12658, 12659
XYRIDACEAE
Xyris jupicai L. C. Rich. Hem AR Ane 12568
Xyris sp. 1 Hem CE, CU Ane 12570, 12566, 12565
Xyris sp. 2 Hem AR, CU Ane 12569
Xyris sp. 3 Hem CU Ane 12567
Xyris sp. 4 Hem CU Ane 12563, 12562
139

Xyris sp. 5 Hem CU Ane 12564


Xyris sp. 6 Hem CU Ane 12674,12675
INDETERMINADAS
Indeterminada sp. 1 Lia CP Desc Col. 709
Indeterminada sp. 2 Geo CE Desc 12962
Indeterminada sp. 3 Hem CS Desc 12937
Indeterminada sp. 4 Hem CE Desc 12920
140

Considerações Finais

O Parque Estadual do Guartelá (PEG) está localizado em uma região

marcadamente relacionada por transições: climática – zona limítrofe entre os

climas tropical e subtropical e; topográfica – representando o degrau que separa

o primeiro do segundo planalto paranaense, formado por uma série de

escarpas, cujo relevo acidentado promove grande variação ambiental com

diferentes naturezas do substrato.

Este conjunto de fatores abióticos é determinante na gênese, evolução e

distribuição das paisagens, refletindo também em um sistema de transição

vegetacional (tensão ecológica) e testemunhando uma história paleoclimática.

Todas estas características justificam a alta diversidade encontrada neste

estudo, relacionadas à composição e estrutura dos mosaicos de vegetação do

PEG.

As fisionomias campestres são predominantes e apresentam marcada

variação, em virtude das condições dos diferentes habitats. De um modo geral,

os campos limpos (secos), com afloramentos rochosos e os úmidos apresentam

predomínio de poucas espécies, porém a vegetação é bastante variada e

complexa. A ocorrência de elementos típicos das fisionomias de cerrado junto

àqueles dos campos planálticos, sugere que a vegetação campestre do PEG

representa uma zona de confluência das floras subtropical e tropical.

As áreas de cerrado são muito restritas, apresentando-se como um

único tipo fisionômico, formando ilhas envoltas por campo e capões de floresta.

A vegetação é constituída densamente de componentes herbáceo e

subarbustivo, entremeados por arbustos e esparsamente por árvores. Sugere-se

que condições ambientais particulares dos mosaicos de cerrado do PEG estão

restringindo o crescimento em altura de espécies típicas; no entanto, nota-se um

investimento maior em emissão de ramos, com muitos espécimes perfilhados,


141

encontrando-se freqüentemente moitas que caracterizam a fisionomia destas

áreas. Em relação à flora, preserva espécies típicas dos cerrados brasileiros,

porém percebe-se que o clima frio está favorecendo a expansão de espécies

florestais. Análises comparativas da ocorrência de árvores e arbustos em

cerrados de outras regiões confirmam um forte padrão fitogeográfico na

distribuição das espécies, revelando uma maior similaridade com os cerrados

paulistas.

A vegetação florestal apresenta alta diversidade em decorrência dos

diversos ambientes que os fragmentos estão localizados e por estar inserida em

uma região ecotonal entre as florestas ombrófila mista e estacional

semidecidual, onde possivelmente o clima esteja contribuindo para o processo

sucessional destas áreas. Características edáficas, como textura e acidez, estão

relacionadas fortemente com a distribuição de abundância das espécies, onde a

floresta de galeria está relacionada a solos arenosos, enquanto os capões estão

associados a solos mais ácidos e de textura argilosa, formando dois subgrupos,

um com ambientes de solos álicos e outro com solos mais férteis.

Na área do PEG encontra-se ainda, uma vegetação arbustiva-herbácea

própria dos ambientes que acompanham os lajeados e que diferem das demais

paisagens presentes no parque. Contudo, pelas condições marginais dos cursos

d’água tem uma flora similar com os campos úmidos.

Áreas antropizadas são pontuais no PEG, não apresentando relações de

similaridade com as demais fisionomias pela descaracterização do ambiente

original.

No presente estudo, foram registrados 634 táxons distribuídos em 321

gêneros e 104 famílias. Contudo, estes números não são conclusivos, e sim uma

amostra geral, já que muitas espécies permanecem ainda sem identificação,

principalmente pela dificuldade na determinação das formas juvenis e

graminosas estéreis.
142

Apesar da grande ocorrência das hemicriptófitas e fanerófitas, nota-se

uma ampla distribuição de formas de vida nas diferentes fisionomias do

parque, caracterizando também uma alta diversidade das formas biológicas.

Em todas as fisionomias analisadas, observa-se uma tendência das

espécies estarem invadindo os diferentes ambientes, sugerindo que a área está

sob tensão ecológica devido à existência de contatos entre tipos e encraves

vegetacionais, onde os fatores climáticos atuais estariam favorecendo a

expansão dos elementos florestais sobre as fisionomias abertas, mas pelas

condições edáficas limitantes, este processo estaria impedindo o avanço destas

e, conseqüentemente acarretando na preservação de vegetações relictas.

Em virtude da beleza cênica, o PEG foi alvo de grande exploração

turística. No entanto, medidas de proteção foram estabelecidas desde 2002 e,

portanto, espera-se que as áreas intensamente exploradas se regenerem

naturalmente.

Neste estudo foram encontradas 15 espécies consideradas raras, quatro

vulneráveis e oito em perigo de extinção no estado do Paraná, o que justifica

medidas urgentes e específicas para o desenvolvimento de estratégias de

conservação desta região singular, como a ampliação da área do parque para

assegurar a sua notável diversidade.