Você está na página 1de 15

Saúde Mental: reforma psiquiátrica e

rede de atenção à saúde

Especialização em Saúde da Família e da


Comunidade
Prof. Fábio A. Moraes
17/outubro/2009
(...) mas pode entrar no ânimo do governo eliminar
a loucura? Não. E se o governo não a pode
eliminar, está ao menos apto para discriminá-la,
reconhecê-la? Também não; é matéria de ciência.
Machado de Assis
O Alienista, 1998
Caminho a percorrer..

 Reconhecimento do grupo
 “Procura-se Janaína” (documentário, 55min)
 Conceitos
 Discursos
 Modelos
 Experiências internacionais
 No Brasil

 “Um Outro Olhar” (documentário, 31min)


Saúde Mental

 Atenção Básica

 Centro de Atenção Psicossocial


Saúde

(…) a saúde, física e mental, é produzida na


sociedade e é influenciada pelas formas de
organização da vida cotidiana, da sociabilidade, da
afetividade, da sensibilidade, da subjetividade, da
cultura e do lazer, das relações com o meio ambiente.
É antes resultante do conjunto da experiência social,
individualizada em cada sentir e vivenciada num corpo
que é também, não esqueçamos, biológico.

(Vaistman, 1992, p. 171. Apud Carvalho & Cunha, 2006, p. 841)


Saúde Mental

“Significa falar de uma grande área de


conhecimento e de ações que se caracterizam
por seu caráter amplamente inter e
transdisciplinar e intersetorial. Vários saberes
se entrecruzam em torno do campo da saúde
mental: medicina, psicologia, psicanálise,
socioanálise, análise institucional,
esquizoanálise, filosofia, antropologia,
sociologia, história, etc.”
(Lancetti & Amarante, 2007: 616)
Reforma Psiquiátrica
 “Projeto das transformações em psiquiatria, que
transcendem à busca de soluções exclusivamente
técnicas ou administrativas, para remontarem a
questões a um só tempo teóricas, políticas, culturais e
sociais.
 Neste novo cenário, o conceito de cidadania é, pois,
uma palavra-chave fundamental, na medida em que
percorre os níveis anteriores e que, devido à natureza
do estatuto de alienação mental, ao louco é subtraída
a possibilidade de inscrição no mundo da cidadania,
no espaço da cidade, no mundo dos direitos.”

(Birman, apud Amarante, 1996, p: 16)


Desinstitucionalização
 “É a reconstrução da complexidade do objeto. A
ênfase não é mais colocada no processo de “cura”
mas no projeto de “invenção de saúde” e de
“reprodução social do paciente.
 O problema não é cura mas a produção de vida, de
sentido, de sociabilidade, a utilização das formas (dos
espaços coletivos) de convivência dispersa. E por isso
a festa, a comunidade difusa, a reconversão contínua
dos recursos institucionais, e por isso solidariedade e
afetividade se tornarão momentos e objetivos centrais
na economia terapêutica (que é economia política)
que está inevitavelmente na articulação entre
materialidade do espaço institucional e potencialidade
dos recursos subjetivos”.
(Rotelli, et ali, 1990: 30)
Discursos

Antecedente - alienismo (Philippe Pinel)

No Brasil
 O suplício físico
 A fundação dos grandes manicômios
 Higiene mental e eugenia
 Psiquiatria preventiva
 Reforma sanitária e luta antimanicomial
Experiências internacionais
 Comunidade Terapêutica (Inglaterra)
Assembléias, reuniões, grupos terapêuticos – dirigida aos técnicos

 Psicoterapia Institucional (França)


Hospital Saint-Alban (enfermeiro François Tosquelles,
Canguilhem)/1940
Clínica de La Borde (Jean Oury, Guattari, Deleuze)/1950
A voz do paciente deveria ser ouvida – potencial

 Psiquiatria preventiva ou saúde mental comunitária (EUA) ou


de setor (França)/1960
Desospitalização, preventivismo, história natural das doenças, convulsões sociais

 Anti-psiquiatria – Cooper, Tómas Sass (Inglaterra, Argentina)

 Trieste / Gorizia (Itália) – Basaglia – Lei 180/1978


Território, movimento político, jurídico, desinstitucionalização
“Por uma sociedade sem
manicômios” no Brasil
 1978 – Movimento dos Trabalhadores em Saúde Mental
 Primeiros movimentos (São Paulo)
 1986 – Movimento pela Reforma Sanitária / VIII Conf. Nac.Saúde
 1987 – 18 de Maio (Baurú)
 1988 – Promulgação da nova Constituição e implantação do SUS
PL nº 3.657/89 (PL Paulo Delgado-MG)
São Lourenço do Sul
 1989 - Santos – a interdição da Casa de Saúde Anchieta – CAPS / NAPS
 - Senado Federal
 - CAPS Luiz Cerqueira (Av. Paulista)
 - Casa de Saúde Mental de Novo Hamburgo
 1991 – Conferência de Saúde Mental da Região Metropolitana / POA
 1992 – Lei Gaúcha
 – Portarias do MS regulamentando as atividades da saúde mental
 Visita de Franco Rotelli à Casa de Saúde Mental de Novo Hamburgo
 2001 – Lei 10.216: Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de
transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.
 2002 – Portaria que regulamentam os CAPS, Residências e atendimento nos hospitais gerais
 2003 – CAPS ad Novo Hamburgo
RD

RD

ESF ESF
ESF

ESF

ESF
CAPS CAPS
RD II II ESF

ESF RD

ESF
CAP
S III
ESF

CAPS
II Residenci CAPS i
al ESF

RD ESF

ESF RD
ESF
ESF

RD
Assim, o que é fazer saúde mental
hoje?
“É uma tarefa que compete a todos os
profissionais de saúde: médicos,
enfermeiros, auxiliares de enfermagem,
dentistas, agentes comunitários de
saúde, assistentes sociais, terapeutas
ocupacionais, fonoaudiólogos,
psicopedagogos e psicólogos”

(Lancetti & Amarante, 2007: p. 615)


“Um Outro Olhar”

DISCUSSÃO
Bibliografia Básica

 LANCETTI, Antonio; AMARANTE, Paulo.


Saúde Mental e Saúde Coletiva. (in
CAMPOS, Gastão W. de Sousa. et al. Tratado
de Saúde Coletiva). São Paulo: Hucitec; Rio
de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2006, p. 615 a 634;

 LANCETTI, Antonio, et al. Saúde Loucura 7:


Saúde Mental e Saúde da Família. São
Paulo: Hucitec.