Você está na página 1de 3

Larissa de Oliveira Alquati

ESTUDO DIRIGIDO: Necessidades Humanas- Apoio texto de Potyara A. P Pereira

1- Apesar de parecer próxima a relação entre esses termos, diferem e muito em seus
conceitos. O mínimo indica supressão e cortes de atendimento seguindo a ideologia
liberal. O básico convém investimentos sociais de qualidade se preparando para
otimizar maiores atendimentos. Em resumo: O mínimo vem negando o “ótimo” de
atendimento e o básico impulsiona a satisfação básica de necessidades visando o ótimo.
2- São efeitos acumulativos tanto positivos quanto negativos que um programa cria sobre
outros programas ou medidas sociais, o que pode facilitar ou dificultar a aplicação do
mesmo. *Pra frente: são encadeamentos que dispõe condições alargadas de satisfação
de necessidades, sendo dispostos pelos efeitos que a oferta de um programa ou medida
de política social produz no campo econômico. * Pra trás: são encadeamentos que
produzem demandas econômicas obtidas com condições que devem ser atendida antes
da implantação podendo ser positivo ou negativo ao desempenho dos programas ou
medidas de política social.
3- Referência ao “ótimo” com relação aos mínimos sociais, não direcionamos a ideia ao
máximo de satisfação as necessidades humanas básicas, pois se assim fosse, passaria
por uma escala até atingir o status “ótimo”. Porém o conceito definido “ótimo” depende
de variantes segundo o código moral de cada cultura, não podendo ter o sinônimo de
máximo em escala, pois é um objetivo de constante crescimento, portanto inalcançável.
Poderá ser atribuído a patamares mais elevados de aquisição de bens, serviços e direitos
a partir de um estabelecimento de provisões básicas. São essas aquisições em graus
mais elevados resultantes dos encadeamentos positivos das políticas econômicas. De
fato, se colocarmos um paralelo com os conceitos acima, veremos que cada cultura ouso
dizer, cada indivíduo tem parâmetros de necessidades humanas e preferências
individuais, entretanto é conveniente traçar limiares de necessidades humanas básicas
de acordo com a cultura e a partir destas mensurar a otimização das políticas e metas
sociais.
4- Com a dimensão biológica surgiu o conceito de necessidades naturais, vitais ou de
sobrevivência, como sinônimo de necessidades básicas estas de nada se diferenciavam
das necessidades animais e, portanto, não exigiam mais do que o mínimo de satisfação,
como pregava a ideologia liberal. Porém ao encarar as necessidades como um conjunto
vários estudiosos, dentre eles Marx posteriormente Heller, extrapolam o conceito de
necessidades naturais lembrando que nem mesmo as necessidades de sobrevivência
humana podem ser vistas como idênticas às animais, levando em conta que para
sobreviver o homem precisa de abrigo, vestimenta, instrumentos de caça e pesca, etc..
Marx mostrou que há diferenças fundamentais entre seres humanos e animais. O
homem como um animal político, cria o objeto de sua necessidade e ao mesmo tempo
os meios para satisfazê-la levando em conta necessidades propriamente humanas, não
apenas de sobrevivência, mas também de qualidades como trabalho (objetivação),
sociabilidade, universalidade, autoconsciência e liberdade.
5- O conceito de necessidades básicas assumiu papel preponderante na justificação dos
direitos sociais e das políticas públicas que lhes são correspondentes, falar atualmente
em direitos e políticas públicas implica em recorrer ao conceito de necessidades
humanas básicas (designação) que serve de fundamento. (Pisón): “Necessidades e bem-
estar estão indissoluvelmente ligados no discurso político e moral e especialmente na
prática corrente dos governos. Não há serviços sociais sem a delimitação daquelas
necessidades a serem satisfeitas. E ao mesmo tempo a relação entre a necessidade e os
direitos sociais está no núcleo de muitos problemas e discussões que se produzem na
atualidade”. A referência as necessidades sociais constituem um critério de primeira
ordem na tomada de decisões políticas, econômicas, culturais, ideológicas e jurídicas.
Muitas vezes o termo necessidades humanas tem uma conotação tão ampla, relativa e
genérica que fica difícil identificar os conteúdos, contornos e particularidades desse
conceito.
6- Tendo em vista o reforço e a otimização da atenção as necessidades humanas básicas,
Doyal e Gough identificam as características de “satisfações universais” que são
essências a proteção da saúde física e da autonomia e capacitação dos seres humanos
para participar o máximo possível das suas formas de vida e cultura. São 11 as
satisfações universais: alimentação nutritiva e água potável, habitação adequada,
ambiente de trabalho desprovido de riscos, ambiente físico saudável, cuidados de saúde
apropriados, proteção à infância, relações primarias significativas, segurança física,
segurança econômica, educação apropriada, segurança no planejamento familiar na
gestação e no parto.
7- O desenvolvimento humano é entendido pelo PNUD como um processo de ampliação
de oportunidades, no qual as pessoas, tanto individual como coletivamente, possam
desenvolver todos os seus potenciais e levar uma vida produtiva e criativa conforme
suas necessidades e interesses pois tem como princípio que o acesso a renda é apenas
um dos componentes do desenvolvimento, é mais um meio de adquirir bem-estar
humano que inclui: vida prolongada, conhecimento, liberdade política segurança
pessoal, participação cumulativa e direitos humanos garantidos, podendo acontecer
mudanças de prioridades com o passar do tempo mas as 3 oportunidades essenciais são:
desfrutar uma vida prolongada e saudável, adquirir conhecimento e ter acesso aos
recursos necessários para obter um nível de vida descente.
8- A concretização desses direitos, nem sempre ocorre de forma efetiva, tem sido
exteriorizada por diferentes posições ideológicas, falta de um verdadeiro planejamento
do Estado, e de políticas públicas eficazes.
Mesmo com a maioria dos direitos incorporados às Constituições nacionais,
convivemos, por exemplo, com a falta de atendimento à saúde, de educação de
qualidade e de lazer, ou seja, com a exclusão social de milhares de pessoas. Para que os
direitos humanos não sejam infringidos, é necessário a adoção de medidas concretas,
planejadas e bem definidas para a efetivação desses direitos. A relação existente entre
políticas públicas e a realização de direitos, de maneira especial dos direitos sociais, é
por isso direta, assim como demanda prestações positivas por parte do Estado. Assim
sendo para assegurar os direitos sociais do cidadão são necessários um conjunto
coerente de ações de iniciativa dos poderes públicos e das sociedades que irão garantir,
através das políticas sociais, os direitos referentes à saúde, à previdência e à assistência
social. Abranger os direitos sociais, a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer,
a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância e a assistência
aos desamparados. Sendo necessário que estas políticas públicas, sejam bem
organizadas e eficazes.
PASTORINI, Alejandra. “Quem mexe os fios das políticas sociais? ” Revista Serviço
Social e Socidade no.53. SP: Cortez, março de 1997.

PEREIRA, Potyara A. P. Necessidades Humanas- Subsídios à crítica das mínimos


sociais. SP: Cortez, 2006.