Você está na página 1de 23

Mecânica dos Solos e Fundações

PEF 522

Estruturas de Contenção
Empuxo de Terra
Teorias Clássicas
Efeito da Água

Soluções Típicas
Contenção de Taludes

Contenção de Taludes
a) Muro de pedra argamassada;

b) Muro de concreto ciclópico;

c) Muro a Flexão, em “L”, de concreto

d) Muro de arrimo celular de peças pré-


moldadas de concreto (“crib-wall”);

e) Muro de arrimo de gabiões;

1
Contenção de Taludes
f) Muro de arrimo de sacos de solo-
cimento - “Bolsacreto”;

g) Cortina de concreto atirantada;

h) Tela metálica fixada por chumbadores


e recoberta por concreto projetado;

Contenção de Taludes
i) Estrutura de contenção com solo
reforçado com geossintéticos;

j) Terra armada;

k) Paredes-diafragma atirantadas;

l) Contenção com perfil-pranchada

a) Muro de pedra argamassada


• Semelhante ao muro de
pedra seca, mas, com seus
vazios preenchidos com
argamassa;

• Aplicação: Contenção de
taludes /desníveis baixos
de até 3m;

• Vantagens: Facilidade de
construção e baixo custo;

• Fundamental drenar
adequadamente todo o
tardoz do muro, com
implantação de dreno de
areia e escoamento por
barbacãs.

2
Muro de pedra argamassada

http://ltdengenharia.com.br/obras_cont.html

b) Muro de concreto ciclópico


• Estrutura composta de concreto e
agregados de grandes dimensões;

• Aplicação: Contenção de taludes e/ou


desníveis de maior altura;

• Vantagens: Facilidade de construção


devido ao uso de fôrmas e baixo custo
em alturas reduzidas;

• Cuidados: Fundamental execução de


sistema de drenagem dreno de areia no
tardoz e barbacãs

b) Muro de concreto ciclópico

http://artdecoci.com.br/br/obras/muro_de_contencao

3
c) Muro de arrimo celular de peças
pré-moldadas de concreto (crib-wall)
• Sistema de peças de concreto encaixadas entre si formando “gaiolas”,
preenchidas com terra ou blocos de rocha;

• Aplicação: Obras rodoviárias em áreas íngremes;


Locais pouco estáveis;

• Vantagens: Facilidade de construção, Baixo custo,

Capacidade de adaptação ao terreno;


Aceitação de pequenos recalques;

• Cuidados: Exige bom terreno de fundação, Drenagem;

Compactação cuidadosa do solo dentro da “gaiola”.

c) Muro de arrimo celular de peças


pré-moldadas de concreto (crib-wall)

c) Muro de arrimo celular de peças


pré-moldadas de concreto (crib-wall)

4
c) Muro de arrimo celular de peças
pré-moldadas de concreto (crib-wall)

d) Muro de arrimo de gabiões


• Formado por redes de aço zincado de malha hexagonal,
preenchido por gabiões;

• Aplicação: Muros de contenção, Proteção de margens de cursos


d’água,
Controle de erosão; Obras de emergência;

• Vantagens: Rapidez de construção, Elevada permeabilidade,


Grande flexibilidade, Aceitação de deslocamentos e deformações;

• Cuidados: Regularização e nivelamento do terreno,


Boa arrumação das pedras e colocação de elementos de transição ,

d) Muro de arrimo de gabiões

5
d) Muro de arrimo de gabiões

http://www.pedrastranieri.com/images/200000036-9784d97fbf-
public/muro+de+gabi%C3%A3o+-+C%C3%B3pia.jpg

e) Muro de arrimo e “Bolsacreto”


• Composto de fôrmas têxteis flexíveis, preenchidos por
bombeamento de concreto ;

Pode ser empregado dentro ou fora d’água;

As fôrmas preenchidas transformam-se em grandes blocos.

• Aplicação: Contenção de taludes, proteção de margens e


controle de erosão;

• Vantagens: Rapidez de execução e versatilidade;

• Cuidados: Uso de equipamento adequado para o


preenchimento das fôrmas.

e) Muro de arrimo de
“Bolsacreto”

http://www.arkesar.com.ve/geotextiles-bolsacretos-mallas-para-gaviones-muro-bloc-en-
caracas-envios-a-todo-43249

6
e) Muro de arrimo de
“Bolsacreto”

http://www.radiomundial.com.ve/article/ministerio-de-transporte-terrestre-rehabilita-
250-metros-lineales-de-la-autopista-gma-fotos

f) Muro em “L” de concreto


• Construído em concreto armado, tornando possível a
execução de seções esbeltas

• Aplicações: Em geral, os muros de concreto armado


estão associados à execução de aterros ou reaterros;

• Vantagens: Permite uma ocupação mais completa das


áreas a montante e a jusante;

• Cuidados: O terreno de fundação deve ter boa


capacidade suporte e é indispensável a execução de
sistema de drenagem interno.

f) Muro em “L” de concreto

http://transfornova.blogspot.com.br/p/construcoes.html

7
f) Muro em “L” de concreto

http://www.dusaspun.com/products/structural_products

g) Cortina de concreto atirantada


• Formada por muros delgados de concreto armado, contidos
por tirantes protendidos.

Em geral, os tirantes são distribuídos de forma uniforme com


espaçamentos que variam de acordo com a altura e o esforço
atuante.

• Aplicação: Em qualquer situação geométrica, tipo de solo ou


condição hidrológica.

• Vantagens: Eficácia, segurança e versatilidade.

• Cuidados: Necessidade da presença de horizontes resistentes e


estáveis o suficiente para a ancoragem dos tirantes a
profundidade compatíveis.

g) Cortina de concreto atirantada

• http://infraestruturaurbana.pini.com.br/solucoes-tecnicas/6/taludes-
atirantados-227250-1.aspx

8
g) Cortina de concreto atirantada

h) Tela metálica fixada por


chumbadores e recoberta por concreto
projetado
• Conhecido como solo grampeado, consiste no reforço do
maciço pela introdução de chumbadores

e posterior recobrimento do talude com tela metálica e


aplicação de concreto projetado.

• Aplicação: Taludes de corte em solo;

• Vantagens: Não requer escavações, fôrmas, escoramentos


ou andaimes;

• Cuidados: Instalação de barbacãs, drenos profundos,


canaletas etc.

h) Tela metálica fixada por


chumbadores e recoberta por concreto
projetado

9
h) Tela metálica fixada por
chumbadores e recoberta por concreto
projetado

http://naavaay.com/soil-nailing-works-1 /

h) Tela metálica fixada por


chumbadores e recoberta por concreto
projetado

http://naavaay.com/soil-nailing-2 /

i) Estruturas de concreto com solo


reforçado com geossintéticos
• Maciço formado por mantas geotêxteis ou geogrelhas
intercaladas com camadas de aterro compactado.

Cabe aos elementos geossintéticos resistir aos esforços de


tração desenvolvidas no maciço

• Aplicação: Contenção de taludes;

• Vantagens: Rapidez de execução, simplicidade e baixo


custo;

• Cuidados: Devem ser utilizados geossintéticos de


propriedades mecânicas conhecidas.

10
i) Estruturas de concreto com solo
reforçado com geossintéticos

http://dc244.4shared.com/doc/-7a9xuwa/preview.html

i) Estruturas de concreto com solo


reforçado com geossintéticos

http://www.huesker.com.br/produtos/geossinteticos/fortrac.html

i) Terra armada
• Sistema constituído pela associação de solo compactado e
armaduras, complementada por um paramento externo

Possui três componentes principais: o solo, as armaduras


horizontais de aço galvanizado em forma de fitas, e o
paramento.

• Aplicação: Aterros de até 20 m;

• Vantagens: Rapidez de construção, grande flexibilidade e


tolerância e recalques diferenciais;

• Cuidados: o solo a ser utilizado como material de reaterro


sobre as armaduras deve apresentar boas características de
atrito interno.

11
i) Terra armada

i) Terra armada

i) Terra armada

12
k) Parede diafragma
• São cortinas de concreto armado moldadas no solo em painéis
sucessivos.

• Aplicação: Quando da execução de escavações profundas junto a


edificações preexistentes;

• Vantagens: Podem ser implantadas em quase qualquer tipo de


terreno sem rebaixamento do lençol freático,

Não provocam vibrações no terreno adjacente,

Suportam de forma simultânea pressões laterais e cargas verticais,

• Cuidados: Checar se há acesso para os equipamentos necessários


à execução e se há presença de matacões no terreno.

k) Parede diafragma

http://infraestruturaurbana.pini.com.br/solucoes-tecnicas/2/2-paredes-diafragma-
tecnica-de-contencao-utiliza-paineis-de-concreto-213739-1.aspx

k) Parede diafragma

13
Santa Luzia, Viana do Castelo - Ricardo Benoliel

Álvaro Cordeiro

Projeto de Muros de Contenção


 Função do muro (tipos diferentes para propósitos diferentes)
 Propriedades do solo
• Peso específico
• Angulo de atrito
• Coesão
 Determinação da estabilidade do muro
• Deslisamento
• Tombamento
• Capacidade suporte
• Estabilidade global
 Projeto das sessões do muro

14
http://www.pz27.com/glossary.html

Empuxo Ativo: É a pressão limite entre o


solo e o muro produzido quando existe
uma tendência de movimentação no
sentido de expandir o solo
horizontalmente.

Empuxo Passivo: É a pressão limite entre


o solo e o muro produzido quando existe
uma tendência de movimentação no
sentido de comprimir o solo
horizontalmente.

15
Solo
Distribuição do empuxo ativo

Solo

Distribuição do empuxo passivo

Solo

Empuxo de Terra
 Empuxo no Reposuso (Nenhuma deformação no muro e nenhuma mudança
nas tensões horizontais).

 Empuxo Ativo ( Deformação do muro e decrêscimo da tensão horizontal).


 Empuxo Passivo (Deformação do muro e aumento da tensão horizontal).

Tensão
0

Empuxo passivo

dp >> da

Empuxo no repouso
Empuxo ativo

da dp Deslocamento

Teorias de Empuxo de Terra

 Teoria de Empuxo de Coulomb


 Teoria de Empuxo de Rankine
 Método de Culmann – Gráfico
 Método de Poncelet – Gráfico
 Análise Limite
 Métodos Numéricos
Os primeiros 4 métodos usam o critério de ruptura de Mohr-Coulomb

16
 Teoria de Empuxo de Coulomb (1776)
 Coulomb assume atrito entre o muro e o solo
 Teoria de Empuxo de Rankine (1857)
 Rankine (original) assume:
 Muro sem atrito
 Solo não coesivo
 Paramento do muro é vertical
 O aterro é horizontal
 O muro é flexivel

William John Macquorn Rankine Charles Augustin de Coulomb


Nasceu: 14 Junho 1736 em Angoulême, França
Nasceu: 2 Julho 1820 em Edinburgh, Escócia
Morreu: 23 Agosto 1806 em Paris, França
Morreu: 24 Dezembro 1872 em Glasgow, Escócia

Rankine q
Empuxo ATIVO
t 
Solo
g
sv

sa
s
sa
sv

zgKa 1  sen  
Ka   tan 2 (45  )
1  sen  2

O coeficiente de Empuxo só se aplica a tensões efetivas

17
Rankine
t

tf

c q 2q
s3 q s s1
s
sa s1
q

sv

s3 s3

Planos de ruptura

s1

Rankine
Muro

Caso Passivo
Caso Ativo
sv

sh

Caso Ativo Caso Passivo

s1 s1

s3 s3 s3 s3

s1 s1

Rankine

ea  K agz  2c K a
Distribuição do empuxo ATIVO
Ka - coeficiente de empuxo ativo

Ea  zo ea dz
H
 2c K a

1
Ea  K ag ( H 2  zo )  2c K a ( H  zo )
zo 2

2c
2
zo 
g Ka K g ( H  zo ) 2
Ea  a
H 2
Ea
1
H  z o 
3

KagH

18
Rankine

e p  K pgz  2c K p

Distribuição do empuxo PASSIVO K p - coeficiente de empuxo passivo

E p  zo e p dz
H

1
E p  K pgH 2  2cH K p
2
H Ep
1
H
2
1
H
3

2c K P K pgH

Muro de arrimo que desabou em janeiro de 2003 com as fortes chuvas

Muro de arrimo reconstruído na estrada de M'Boi Mirim

19
Coulomb
C
A

d
Ea

P q 
a R
B

Ea d a  q Ea
R
ao a

Muro Submerso
N.A. N.A.

água solo

1 1
Ea  gH 2  g sub H 2 K a
2 2

Empuxo exercido pelo solo


Empuxo exercido pela água
devido ao peso próprio.
intersticial e possui a
Lembrando que neste termo
mesma magnitude mesmo
o peso específico usado é o
sem a presença do solo.
submerso.

Mecanismos de Ruptura

Ea

Centro de rotação

Capacidade Suporte Tombamento

Ea

Ep
T

Deslizamento
Ruptura geral

20
Tombamento

Ponto de
Ponto de
rotação
rotação

 Momentos resistentes
FS 
 Momentos atuantes

http://www.geoforum.com/knowledge/texts/broms/listchap.asp?Chapnr=k

Deslizamento

tan a  tan d até 0.67 tan d

 Forças resistentes
FS   2 (argila)
 Forças atuantes
 1.5 (areia)

Ruptura geral

Superfície de ruptura

 Forças resistentes Pp l p  R  T
FS   2
 Forças atuantes Pa la  wl w

21
Superfície de ruptura

Pressão neutra

Dreno
Camada drenante

Distribuição de
pressão neutra
Dreno
Superfície de ruptura

Superfície
de ruptura

Pressão neutra

Camada
drenante

22
Tirantes

Drenos

23