Você está na página 1de 7

1.

Aspectos Biológicos e legais da Surdez

2. História da Educação e Cultura Surda

3. Desenvolvimento e Aprendizagem do aluno surdo

4. Linguagem Corporal

5. Aprendizagem da leitura e escrita do português para surdos

6. Cultura e identidade surda.

7. História da educação dos surdos: Oralismo, Comunicação Total e Bilingüismo

8. O ensino da Língua Portuguesa como segunda língua para surdos

9. Políticas Públicas Educacionais Brasileiras na educação de surdos

10. Educação de Surdos no Brasil

11. Língua Brasileira de Sinais - Fonologia.

12. Língua Brasileira de Sinais - Morfologia.

13. Língua Brasileira de Sinais – Sintaxe

14. Língua Brasileira de Sinais – Semântica e Pragmática

15. Tradutor e intérprete de Libras

16. Aprendizagem da matemática para surdos

17. Linguística e LIBRAS

18. Metodologia do Ensino da Língua Brasileira de Sinais

19. Relações Interpessoais e o surdo

20. Praticando LIBRAS

21. Construção de Projetos Pedagógicos e Tecnologias Aplicadas à Docência

22. Cultura, identidade e escrita dos surdos.

23. Desafios Educacionais para a Docência Superior

24. Didática do Ensino Superior

25. Fundamentos teóricos do tradutor/intérprete de libras.

26. Metodologias de ensino: para surdos (AEE) e para ouvintes tradutores/intérpretes de língua de sinais

27. Prática de Libras - Ambiente Educacional: níveis de ensino, espaço físico, disciplinas, materiais es

28. Prática de Libras - Corpo Humano: higiene corporal, saúde, emoções e religiões.

29. Prática de Libras: identificação pessoal, saudações, relações familiar e gramática.

30. Prática de Libras: lazer, atividades esportivas e lugares.


31. Prática de Libras: profissões e ambiente profissional.

32. Práticas de Libras: verbos, adjetivos e advérbios utilizados no cotidiano.

33. Abordagem educacional e cultural do surdo no mundo.

34. A educação do indivíduo surdo no Brasil.

35. Ética profissional do tradutor / intérprete de Libras.

36. Fundamentação legal da Libras.

37. Compreensão da Língua Brasileira de Sinais – Libras.

38. Parâmetros da Libras.

39. Diálogos em Libras: alfabeto manual e numeral, calendário em Libras, pessoas/ família, documentos,
pronomes, lugares, natureza, cores, escola.

40. Abordagem educacional, histórica e cultural do surdo no mundo.

41. A educação do indivíduo surdo no Brasil.

42. Código de Ética profissional de intérprete da Língua Brasileira de Sinais – Libras.

43. Fundamentação legal da Libras.

44. Compreensão da Libras.

45. Parâmetros da Libras.

46. Diálogos em Libras: alfabeto manual e numeral, calendário, pessoas/ família, documento, pronomes,
lugares, natureza, cores, escola em Libras.

47. Comunicação tecnológica midiática em libras.

48. Atendimento Educacional Especializado Pessoa com Surdez.

49. Integração escola x família e comunidade.

50. Combate à discriminação: de gênero, étnica, econômica, de credo.

51. Trabalho em equipe – comunidade escolar e sala de recursos multifuncionais.

52. Noções de ética e cidadania.

53. Noções básicas de relações humanas.

54. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002 e suas alterações – dispõe sobre a Língua Brasileira de
Sinais – Libras e dá outras providências.

Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010 – regulamenta o exercício da profissão de Tradutor


e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – Libras.

Decreto nº 7.611 de 17 de novembro de 2011 – dispõe sobre a Educação Especial, o


atendimento educacional especializado e dá outras providências.

Lei complementar nº 204, de 22 de dezembro de 2009 – Dispõe sobre os profissionais da


educação básica e sobre a reorganização do estatuto, plano de carreira, vencimentos e
salários do magistério público do município de Araçatuba e dá outras providências.

BRASIL, Lei 10.436, Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da
União, Brasília 24 de abril de 2002.

BRASIL, Lei 12.319, Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS,
Diário Oficial da União, Brasília, 01 de setembro de 2010.

BRASIL. Decreto 5626, Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira
de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, Diário Oficial da União, Brasília, 22 de
dezembro de 2005.

ART. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, Diário Oficial da União, Brasília, 22 de dezembro de 2005.

BRASIL, Lei 13.146, Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com
Deficiência), Diário Oficial da União, 06 de julho de 2015.

BRASIL, Decreto 5825, Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do
Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação, instituído pela Lei no 11.091, de 12 de
janeiro de 2005, Diário Oficial da União, Brasília, 29 de junho de 2006

BRASIL, Lei nº. 11.091, Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico Administrativos em
Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da Educação, e dá outras
providências, Diário Oficial da União, Brasília, 12 de janeiro de 2005.

FEBRAPILS, Tabela De Referência Para Pagamento De Honorários Na Contratação De Tradutores, Intérpretes E


Guias-intérpretes De Língua Brasileira De Sinais-libras. Atualizada E Aprovada Em Assembleia Geral Dia 08 De
Outubro 2015.

NASCIMENTO, M. V. B., Interpretação da língua brasileira de sinais a partir do gênero jornalístico televisivo:
elementos verbo-visuais na produção de sentidos, 2011

NOGUEIRA, T. C., Intérpretes de Libras- Português no Contexto de Conferência: Uma Descrição do Trabalho em
Equipe e as Formas de Apoio na Cabine, p. 79, 2016.
ROSA, A. S., Entre a visibilidade da tradução da língua de sinais e a invisibilidade da tarefa do intérprete – Andréa
da Silva Rosa, 2005, p. 117, 118, Arara Azul.

BRASIL, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília:


MEC/SEESP, 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso
em: 19 set. 2013.

BRASIL. Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades
educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 19 set. 2013.

DIZEU, Liliane Correia Toscano de Brito & CAPORALI, Sueli Aparecida. A língua de sinais: Constituindo o
surdo como sujeito. In: Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, p. 583-597, Maio/Ago. 2005. Disponível em
http://www.cedes.unicamp.br

LODI, Ana Claudia Balieiro. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de
Educação Especial e o Decreto n0 5.626/05. In: Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49-63, jan./mar.
2013.

Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei Nº. 10.436, de 24 de abril de 2002.
Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências

ALBRES, NEIVA DE AQUINO; SLYVIA, LIA GRESPAN NEVES. De sinal em


Sinal: Comunicação em Libras para aperfeiçoamento do ensino dos componentes curriculares. São
Paulo: Feneis, 2008.1ª edição

BRASIL. Decreto Nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a
Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Publicada
no Diário Oficial da União em 22/12/2005.

BERGAMASCHI, R.I e MARTINS, R.V.(Org.) Discursos Atuais sobre a surdez. La Salle, 1999.

BOTELHO, P. Segredos e Silêncios na Educação de Surdos. Autentica, 1998.

CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W.D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais
Brasileira. Volume I: Sinais de A a L (Vol 1, pp. 1-834). São Paulo, SP: Edusp, Fapesp, Fundação Vitae,
Feneis, Brasil Telecom, 2001a.

CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W.D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais
Brasileira. Volume II: Sinais de M a Z (Vol. 2, pp. 835-1620). São Paulo, SP: Edusp, Fapesp, Fundação
Vitae, Feneis, Brasil Telecom, 2001b.

CAPOVILLA. F.C.; RAPHAEL, W.D.; MAURICIO, A.C.L.. NOVO DEIT-LIBRAS: Dicionário


Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira (libras) Baseado em Linguística e
Neurociências Cognitivas. 2 vol. Editora EDUSP, 2013

FELIPE, T A; MONTEIRO, M S. Libras em Contexto: curso básico, livro do professor instrutor. Brasília:
Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos, MEC: SEESP, 2001.

FERNANDES, E. Linguagem e Surdez. Artmed, 2003.

FERREIRA-BRITO, L. Integração social & surdez. Rio de Janeiro, Babel, 1993. Fundamentos em
fonoaudiologia, vol. 1: Linguagem. Rio de Janeiro, Guanabara, 998.
GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa?: Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da
realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GOLDFELD, M. Linguagem, surdez e bilingüismo. Lugar em fonoaudiologia. Rio de Janeiro, Estácio


de Sá, n° 9, set., p 15-19, 1993.

IGUMA, A.; PEREIRA, C.B. Saúde em Libras: Vocabulário ilustrado: Apoio para atendimento do
paciente surdo. (org).São Paulo: Áurea Editora, 2010.

LACERDA, C.B.F. de; SANTOS, L.F.S. dos; CAETANO, J. F. Tenho um aluno surdo, e agora?
Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EDUFSCar, 2013.

LACERDA, C. B. F. e GÓES, M. C. R. (Org.) Surdez: Processos Educativos e Subjetividade. Lovise,


2000.

LODI, A C B. Uma leitura enunciativa da Língua Brasileira de Sinais: O gênero contos de fadas. D.E.L.T.A.,
São Paulo, v.20, n.2, p. 281-310, 2004.

LODI, A.C.B. e LACERDA, C.B.F. de: Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e
língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Editora Mediação, 2009.

MACHADO, P. A política educacional de integração/inclusão: um olhar do egresso surdo. Editora


UFSC, 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC. Decreto nº 5.626 de 22/12/2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24


de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19
de dezembro de 2000.

MOURA, M C. O Surdo. Caminhos para uma Nova Identidade. Revinter e FAPESP, 2000.

MACHADO, P. A Política Educacional de Integração/Inclusão: Um Olhar do Egresso Surdo. Editora


UFSC, 2008.

QUADROS, R.M. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre. Artes Médicas, 1997

QUADROS, RONICE M. DE.; KARNOPP, LODENIR B. Língua de Sinais Brasileira: Estudos


lingüísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

QUADROS, R. M. de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre. Artes Médicas. 1997.

SKLIAR, C (Org.). Atualidade da Educação Bilíngue para Surdos (vol I).Mediação, 1999.

RAMOS, C.R. OLHAR SURDO - Orientações para estudantes de Libras. Editora Arara Azul. 2014.

SACKS, OLIVER. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Rio de Janeiro: Ed. Imago,
1990,1998, 2000, 2002.

SKLIAR, C. (Org.). Atualidade da Educação Bilingue para Surdos (vol I). Mediação,1999.

SÁ,N.R.L. Educação de Surdos: a caminho do bilingüismo, EDUF, 1999.

STROBEl, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2 ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2009.

THOMA, A e LOPES, M C. A invenção da Surdez: Cultura, alteridade, identidade e diferença no campo


da educação. Santa Cruz do Sul. EDUNISC, 2004.
MINISTERIO DA EDUCAÇÃO- MEC. Decreto nº 5626 de 22/12/2005. Regulamenta a Lei nº 10436,
de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e o art.18 da Lei nº 10098 de
19/12/2000.

FERREIRA,B.M.S. A LIBRAS na Formação do Professor: Por uma Educação Inclusiva de Qualidade.


Revista virtual de cultura surda e diversidade. Edição 4. Petrópolis: Arara Azul. Disponível em:
http://www.editora-arara-azul.com.br/revista/04/compar2.php

LACERDA. C.B.F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cad.
CEDES vol.19 n.46 Campinas Sept. 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000300007

RAMOS, C.R. LIBRAS: A Língua de Sinais dos Surdos Brasileiros. Petrópolis: Arara Azul, Fev.
de 2004. Disponível em http://www.editora-arara-azul.com.br/pdf/artigo2.pdf

RAMOS, C.R. O direito da criança surda de crescer Bilíngue. Petrópolis: Arara Azul, Jan. 2004.
Disponível em: http://www.editora-arara-azul.com.br/pdf/artigo1.pdf

ZANARDINI, J.K.A Importância da Língua Brasileira de Sinais como Fator Mediador na Educação dos
Surdos, 2009. Disponível em http://www.pedagogia.com.br/artigos/libras/index.php?pagina=0

Publicação do MEC para a educação especial (disponível no site do MEC): Atendimento Educacional
Especializado - Pessoa com Surdez;

CAPOVILLA, F. C., & RAPHAEL, W. D. (Orgs.), Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da


Língua de Sinais Brasileira. Volume I: Sinais de A a L (2a. edição, Vol. 1, pp. 1--832). São Paulo, SP:
Edusp, MECFNDE. 2001;

CAPOVILLA, F. C., & RAPHAEL, W. D. (Orgs.), Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da


Língua de Sinais Brasileira. Volume II: Sinais de M a Z (2a. edição, Vol. 2, pp. 847--1620). São Paulo,
SP: Edusp, Imprensa Oficial, Feneis. 2001;

QUADROS, Ronice Müller. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa /
Secretaria de Educação Especial;

Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília: MEC; SEESP, 2004;

SACKS, Oliver. Vendo Vozes. Uma Viagem pelo Mundo dos Surdos. Rio de Janeiro: Companhia das
letras;

20 SKLIAR, Carlos (Org) (1998). A Surdez: Um Olhar sobre as Diferenças. Porto Alegre: Ed.
Mediação.

BRASIL. Lei 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da


Educação Nacional.

_____. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica/Secretaria de


Educação Especial/MEC: SEESP, 2001.

_____. Decreto Nº 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe
sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro
de 2000. Publicada no Diário Oficial da União em 22/12/2005.
LODI, Ana Claudia B., HARRISON , Kathryn Marie P. e TESKE, Otmar (Orgs.). Letramento e
Minorias. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2002.

LACERDA, Cristina B. F. e GÓES, Maria Cecília R. de. Surdez: processos educativos e


subjetividade. São Paulo: Editora Lovise, 2000.

LACERDA, C. B. F. de. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores
e intérpretes sobre esta experiência. Cad. CEDES, maio/ago. 2006, vol.26,no.69, p.163-184.

LANE, Harlan. A máscara da benevolência: a comunidade surda amordaçada. Lisboa: Instituto


Piaget, 1992.

QUADROS, R. M. de e KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto


Alegre: Art Med, 2004.

QUADROS, R M de. Políticas lingüísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço


de negociações. Cad. CEDES, maio/ago. 2006, vol.26, no.69, p.141-161.

SKLIAR, Carlos. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação,
2001.

________, Carlos (Org.), Atualidade da educação bilíngüe para surdos. Porto Alegre:
Mediação, 1999.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC,
2008.

THOMA, Adriana da Silva e LOPES, Maura Corcini (orgs). A invenção da surdez: cultura,
alteridade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2005.

THOMA, Adriana da Silva. & LOPES, Maura Corcini. (Orgs). A invenção da surdez II. Espaços
e tempos e de aprendizagem na educação de surdos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.