Você está na página 1de 12

Mitologia nos Apropriações, Sincretismos e

reencantamento
Quadrinhos
(e um pouco no cinema) Carlos Hollanda
A necessidade do mito

Os filmes e HQ`s de super-heróis: revisitando


narrativas de diferentes culturas num
amálgama simbólico
Batalha de Thor contra o Jötnar (1872)
óleo de Mårten Eskil

Thor e Donald Blake: Donar + William Blake?

O Sonho de Jacó – Blake - 1805


Antonio del Pollaiolo - Hercules
and the Hydra - 1475

Hercules by Hercules & Thor,


Sam Glanzman by
Charlton Comics John Buscema
1967 Marvel Comics
1974
Deuses gregos na DC
Sim, ele...
LAMED - 30
• Ensinar, instruir, aprender
• Aguilhão, chicote, látego, ferrão
• A segunda letra de “el”, junto com Aleph (boi), formando
um par entre o animal e a força que o conduz pelo
caminho, ainda que “espetando” para que o caminho
seja seguido. “El” é também preposição “para”, no
sentido de direcionar.
• O báculo, cetro, o bastão de autoridade a guiar pela
retidão.
• O toque do mestre que desperta o aluno
LAMED – 30 (continuação)
• Kal-El – Kol-El – Kol = “todo” – Kalah = “terminar”
“extermínio” – relação entre destruição-ressurreição.
• Lamed é a mais alta das letras hebraicas. Os rabinos
a associam ao “verdadeiro conhecimento que vem
do coração”.
• Em SHALOM(‫)שלום‬, entre Shin e Mem, há Lamed e
Vav, que equivale a 36, o número do anjo Menadel.
Igualmente, na Árvore da Vida luriânica, entre um e
outro está o Alef, no meio, no tórax. Alef
• Ainda Shalom – LV = 36 tzadikim ou 36 justos
(“Lamed-vov-niks” – os redentores), os que
“recebem” a divina presença (Shekinah).
Lista (incompleta)
de bons pontos a pesquisar
• Mito e Folclore – o mercado de terror no Brasil e as lendas brasileiras no Spektro e Sobrenatural
da Vecchi. Ver obra do Elmano.
• As distopias e utopias na Sci-Fi. No primeiro caso, uma equivalência à Queda do Éden – “Não se
pode comer da Árvore do Conhecimento”, ou seja, não se pode ousar. No segundo caso, a
inspiração na Era de Ouro da Mitologia Grega.
• Thanos e Agamemnon (Tróia, a maldição da casa dos Atreus)
• As grandes batalhas de heróis e a Guerra de Tróia: um paralelo
• A Mitologia Nórdica revisitada em Thorgal e outros quadrinhos (ver meu verbete no dicionário de
Mitologia Nórdica)
• Os sincretismos da Imagem e das Narrativas
• O Mito do Herói (monomito) constantemente revisitado, inclusive em narrativas não aventureiras
ou diretamente heróicas, através da própria estrutura narrativa de muitas HQ`s e filmes de
Hollywood.
• Os “fins de mundo” e o Tempo Circular – as sagas de destruição e reestruturação do Universo
(Crises nas Infinitas Terras, Guerra Infinita etc). A satisfação do imaginário popular via a atualização
da narrativa para novos mercados. A recorrência do mito do Retorno e da Ressurreição. O
Apocalipse e Promethea.
• A Mulher Maravilha e as representações e apropriações dos deuses gregos.
• Batman e o Hades/Plutão – o “rico” nas entranhas da Terra e a recorrência do trauma no padrão
repetitivo
• A Atlântida revisitada e a narrativa platônica em Aquaman, Príncipe Namor e outros
• Shazam e os atributos divinos sincretizados entre gregos, hebreus e romanos: Salomão, Hércules,
Apolo, Zeus, Aquiles e Mercúrio.
Brevíssima Bibliografia
• CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1995.
• ______. Mitologia na vida moderna: ensaios selecionados de Joseph Campbell.
Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2002.
• DELUMEAU, Jean. Mil anos de felicidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1997
• DURAND. Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 1993.
• ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano – a essência das religiões. São Paulo:
Martins Fontes, 2001.
• KNOWLES, Christopher. Nossos deuses são super-heróis – a história secreta dos
• super-heróis das histórias em quadrinhos. São Paulo: Cultrix, 2008.
• Munk, Michael L. The wisdom in the hebrew alphabet. New York: Mesorah
Publications, 2008
• SOUZENELLE, Annick de. La letra, camino de La vida – El simbolismo de las Letras
Hebreas. Buenos Aires: Kier, 1993.

OBS.: recomenda-se utilizar os dicionários de mitologia de Pierre Grimal, para


a Greco-Romana, e os de Tassilo Orpheu Spalding para diversas outras.
Igualmente, para Mitologia Nórdica, o Dicionário de Mitologia Nórdica,
organizado por Johnni Langer, com um verbete sobre quadrinhos escrito por
este que vos fala (“Quadrinhos e Mitos Nórdicos”).
Editora Hedra, 2015.