Você está na página 1de 52

19/02/2018

5. Barras

Ponte degli Alpini, Bassano del Grappa, IT (A. Paladio, 1569) Prof. Gavassoni

5. Barras

Ponte degli Alpini, Bassano del Grappa, IT (A. Paladio, 1569) Prof. Gavassoni

1
19/02/2018

5. Barras

Prof. Gavassoni

5.1 Introdução
Roma nasceu no monte Palatino

Google Earth, 2015


Prof. Gavassoni

2
19/02/2018

5.1 Introdução
Ruínas do Palácio de Domiciano, 81-96 D.C.

Google Earth, 2015


Prof. Gavassoni

5.1 Introdução
Cabanas de Rômulo – aprox. 771A.C.

Yale Univ.

O que restou?

Prof. Gavassoni

3
19/02/2018

5.1 Introdução

Yale Univ.

Buracos para fixação – 1 m de profundidade - dos pilares


de madeira na tufa (rocha calcária muito porosa).

Prof. Gavassoni

5.1 Introdução
Rapa Nui, V-VIII A.D.

Prof. Gavassoni

4
19/02/2018

5.1 Introdução

Madeira Bruta
Prof. Gavassoni

5.1 Introdução

Madeira Bruta
Prof. Gavassoni

5
19/02/2018

5.1 Introdução
Madeira Serrada

Cambereí, PR
Prof. Gavassoni

5.1 Introdução
Madeira Laminada e Colada

Hannover, Alemanha
Prof. Gavassoni

6
19/02/2018

Ementa

1. Introdução
2. Barras tracionadas
3. Barras comprimidas simples
4. Barras comprimidas compostas
5. Emendas
6. Apoios

Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


Barras de Treliça

Prof. Gavassoni

7
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Contraventamento

Vento

http://model-railroad-hobbyist.com
Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


O ponto crítico geralmente fica na emenda:

An  Ag
Ag
An

www.americanpoleandtimber.com

Prof. Gavassoni

8
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Tipos de Emenda
Talas de madeira – pregos, pinos, parafusos ou conectores
Pregos – rígidas, mas conduz a talas longas

Pinos (madeira ou metálicos) e parafusos -


deformáveis

Risco de fendilhamento paralelo às fibras –


espaçamento mínimo de elementos de ligação

T
Pfeil e Pfeil, 2014

Transmissão do esforço por


efeito de pino – corte e apoio
na superfície do fuste do pino

Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


Tipos de Emenda
Talas metálicas – pregos ou parafusos

Dificuldade de concordância dos furos


Uma das chapas é furada por último

Pfeil e Pfeil, 2014

timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

9
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Tipos de Emenda
Entalhes - indentação

www.forestryforum.com

timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


Tipos de Emenda
Talas apertadas com parafusos ou tarugos - cilíndricos ou
paralelepipedos

Pfeil e Pfeil, 2014

Os parafusos são apenas para manter as peças juntas. Entalhes


precisos para evitar folgas.

timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

10
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Tipos de Emenda
Emendas múltiplas com conectores metálicos de anel – ligações
compactas e rígidas

Pfeil e Pfeil, 2014

estruturasdemadeira.blogspot.com
timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


Dimensionamento (7.3.1):

Td
d   f t 0,d
An

timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

11
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Área líquida
Pregos e parafusos – largura da peça b, diâmetro do prego
d’
An  Ag  nbd '

n pregos atravessando mesma


seção

d’ no caso de parafusos é o b
diâmetro do furo

d’
equipedeobra.pini.com.br

timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


Área líquida
Conectores de anel – Soma-se a área do entalhe para
colocação do anel

An  Ag  Dt  b  t d '

Pfeil e Pfeil, 2014

timberframehome.wordpress.com

Prof. Gavassoni

12
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Área líquida
Furos não alinhados, critério da norma Americana NDS

NBR 7190 – Furos


menores que 10% da
Ag podem ser
desprezados

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

5.2 Barras Tracionadas


Entalhes

Entalhe apenas num lado

Td M d
  f t 0,d
A W

Prof. Gavassoni

13
19/02/2018

5.2 Barras Tracionadas


Área líquida
Combinação de entalhes e ligações por conectores

Pfeil e Pfeil, 2014

f t 0,d Redistribuição de esforços na


ac
f v 0,d seção com os conectores

Prof. Gavassoni

Exercício 5.1
Um pendural de madeira de 7,5 x 11,5 cm está sujeito a um
esforço de tração de projeto de 55 kN . Considerando que a peça
foi feita de madeira de louro preto em classe 3 de umidade e
carga de longa duração. Dimensionar a emenda, usando talas de
madeira com 5 cm de base
a) com 8 parafusos de 19 mm – furo de 20mm (uma ou duas
fileiras);
b) com 20 pregos (120x59) em 4 fileiras
c) com 3 conectores de anel partido de 64 mm de diâmetro
interno (5 mm espessura) e 19 mm de altura com parafuso de
12 mm (furo de 13mm)

Prof. Gavassoni
www.pirenopolis.tur.br

14
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Madeira roliça, falquejada, serrada e laminada colada

Venezia, IT
Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Flambagem por flexão

 2 EI
N cr  Coluna de Euler
l2

A coluna possui imperfeições iniciais – geométricas e cargas excêntricas

ELU de instabilidade!!

Prof. Gavassoni

15
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Flambagem por flexão - Imperfeições

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples

“Hiperinperfeições!!!”

Prof. Gavassoni

16
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Flambagem por flexão - Imperfeições

N cr
M max  M i
N cr  N
Efeitos secundários –
segunda ordem –
configuração
deformada da
estrutura.
A madeira tem
comportamento não
elástico na compressão,
depois do limite de
elasticidade, a rigidez
Pfeil e Pfeil, 2014
diminui por perda de
rigidez por plastificação
A madeira também apresenta fluência – a
da seção
flecha segue, mesmo com carga menor que
a carga crítica, se a carga for de longa
duração. Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Flambagem por flexão – Curvas de Flambagem
N cr  2 EI  2E  2E
f cr    
A Al 2  A / I l 2 l / i 2
i – raio de giração
l/i – parâmetro de esbeltez

Colunas Colunas
curtas medianam
ente Colunas
esbeltas esbeltas
Pfeil e Pfeil, 2014
Prof. Gavassoni

17
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Flambagem por flexão – Apoios variados
N cr  2 EI  2E  2E
f cr    
A Al 2  A / I l 2 l fl / i 2
lfl – comprimento de flambagem l fl  Kl

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Comprimento de Flambagem

llf=l

Ligações deformáveis – despreza-


se o engastamento

en.wikipedia.org Prof. Gavassoni

18
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Comprimento de Flambagem (7.5.1)

llf=l1

Contraventamentos – despreza o
efeito de vigas contínuas e apoios
intermédiários

en.wikipedia.org Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Comprimento de Flambagem (7.5.1)

Exceção colunas engastadas e


llf=2l
livres

en.wikipedia.org Prof. Gavassoni

19
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples

Comprimento de
Flambagem
s

Piazza et al, 2014

http://www.favarettigroup.it/ Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Limites de esbeltez – NBR 7190 (7.5)
l fl
 140 Valor máximo
i
l fl
0  40 Curtas
i
l fl
40   80 Medianamente esbeltas
i
l fl
80   140 Esbeltas
i

Prof. Gavassoni

20
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Colunas Curtas (7.5.3)
l fl
0  40
i
Compressão simples
Nd
 f c 0,d Verificação em regime elástico
A
Flexocompressão reta
2
  Nd   Md
    1 Verificação em regime inelástico
f  f
 c 0, d  c 0 , d

Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Colunas Curtas (7.5.3)
l fl
0  40
i
Flexocompressão oblíqua
2
  Nd   Mxd  Myd
    k 1
f  f
M
f
 c 0, d  c 0,d c 0,d Verificação em regime
2
  Nd  
  k M  Mxd  Myd  1
inelástico

f  f c 0, d f c 0, d
 c 0,d 
kM coeficiente de correção – a resistência não é esgotada quando
um dos vértices atinge a tensão resistente.
- 0,5 seções retangulares
- 1,0 outras seções
Prof. Gavassoni

21
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Colunas Medianamente Esbeltas (7.5.4)
l fl
40   80
i
Compressão simples – considera efeitos de
imperfeições
l fl
ea 
300
Momento fletor – efeito de 2ª
ordem
N cr  2 Ec 0,ef I
M d  N d ea N cr 
N cr  N d llf
2

  Nd   Md
   1 Verificação em regime elástico
f  f
 c 0,d  c 0,d

Verificar em cada plano de flambagem


Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Colunas Medianamente Esbeltas (7.5.4)
l fl
40   80
i
Flexocompressão
l fl
ea 
300
Momento fletor – Momento inicial + efeito de 2ª ordem
N cr M h
M d  N d ea  ei  ei  id 
N cr  N d N d 30
  Nd   Md
   1 Verificação em regime elástico –
f  f
 c 0,d  c 0 , d longe do regime plástico
Verificar em cada plano de flambagem
Prof. Gavassoni

22
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Colunas Esbeltas (7.5.5)
l fl
80   140
i
Dimensionamento igual a medianamente esbeltas com
a inclusão do efeito da fluência
N cr
M d  N d ea  ei  ec 
N cr  N d
 N *g    coef . fluência
ec  eig  ea  e
  1
N cr  N * g
eig  M igd / N d  permanente
 
  ea  excentricidade acidental
N  N g   1   2 N q   1   2   1
*
g

Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Colunas Esbeltas (7.5.5)
l fl
80   140
i

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

23
19/02/2018

Exercício 5.2
Para um caibro (7,5x7,5 cm) de pinho do paraná, sujeito à
compressão simples em classe 2 de umidade, calcular a carga
máxima de projeto para diversos comprimentos de flambagem.

Prof. Gavassoni

Exercício 5.3
Verificar a segurança de uma coluna I de madeira laminada e
colada de ipê com comprimento de flambagem igual a 8,50 m em
classe 3 de umidade submetida a compressão simples de 260 kN
(carga de projeto de longa duração).

Prof. Gavassoni

24
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


l fl Não é preciso verificar a
Peças Curtas  40
i estabilidade

O dimensionamento é feito para a condição de


resistência ao esmagamento

Compressão Nd
 f c 0,d
simples A
2
Flexocompressão   Nd   Md
   1
reta f  f
 c 0, d  c 0 , d

2
  Nd   Mxd  Myd
Flexocompressão     k 1
f  f
M
f
oblíqua  c 0, d  c 0,d c 0,d
Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Peças medianamente esbeltas l fl
40   80
i

O dimensionamento é feito para a condição


estabilidade:
  Nd   Md
Compressão   1 Md – efeitos de
f  f 2ª ordem
simples  c 0,d  c 0,d

Flexocompressão   Nd   Md Md – momento
  1
reta f  f inicial + efeitos
 c 0,d  c 0,d de 2ª ordem

  Nd   Md Md – momento
Flexocompressão   1 inicial + efeitos
f  f de 2ª ordem –
oblíqua  c 0,d  c 0,d
em cada plano
Prof. Gavassoni

25
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Peças medianamente esbeltas l fl
40   80
i

Verifica-se o esmagamento

Compressão Nd
 f c 0,d
simples A
2
Flexocompressão   Nd   Md
   1
reta f  f
 c 0, d  c 0 , d

2
  Nd   Mxd  Myd
Flexocompressão     k 1
f  f
M
f
oblíqua  c 0, d  c 0,d c 0,d
Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Peças esbeltas l fl
80   140
i
O dimensionamento é feito para a condição
estabilidade:
  Nd   Md
Compressão   1 Md – efeitos de
f  f 2ª ordem +
simples  c 0,d  c 0,d
fluência

Flexocompressão   Nd   Md Md – momento
  1
reta f  f inicial + efeitos
 c 0,d  c 0,d de 2ª ordem +
fluência
  Nd   Md Md – momento
Flexocompressão    1 inicial + efeitos de
f  f 2ª ordem + fluência
oblíqua  c 0,d  c 0,d
– em cada plano
Prof. Gavassoni

26
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Peças esbeltas l fl
80   140
i
Verifica-se o esmagamento

Compressão Nd
 f c 0,d
simples A
2
Flexocompressão   Nd   Md
   1
reta f  f
 c 0, d  c 0 , d

2
  Nd   Mxd  Myd
Flexocompressão     k 1
f  f
M
f
oblíqua  c 0, d  c 0,d c 0,d
Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Planos de flambagem e contraventamento

lfx = lfy =0 – contraventamento


contínuo

Se for localizado o
contraventamento – o
comprimento de flambagem será
igual à distância entre os pontos
contraventados.

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

27
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Planos de flambagem e contraventamento

lfy =0 e lfx =l Ix para cálculo da


carga crítica –
flechas e
excentricidades na
direção x

O plano não contraventado é o mais


Pfeil e Pfeil, 2014 crítico (yz)

Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Planos de flambagem e contraventamento

lfy =l e lfx =l Ix para cálculo da


carga crítica –
flechas e
excentricidades na
direção x

O plano de menor inércia é o mais


crítico (xz)

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

28
19/02/2018

5.3 Barras Comprimidas Simples


Planos de flambagem e contraventamento

lfz <lfy Engaste e rótula

Negrão e Faria 2009

Prof. Gavassoni

5.3 Barras Comprimidas Simples


Planos de flambagem e contraventamento

Tesoura com vento em sucção –


banzo inferior comprimido
Flambagem no plano zx

Negrão e Faria 2009

Flambagem no plano yz

Prof. Gavassoni

29
19/02/2018

5.4 Barras compostas


Elementos Justapostos

Ligações com conectores, pregos ou


Pfeil e Pfeil, 2014
parafusos Prof. Gavassoni

5.4 Barras compostas


Elementos Justapostos

Outlet Center Brenner, Áustria/Itália Prof. Gavassoni

30
19/02/2018

5.4 Barras compostas


Dimensionamento NBR 7190
Cálculo como se fosse maciça – com propriedades geométricas
reduzidas
Ar  A
I r  0,95I  T
I r  0,85I  I ou caixão

Retangulares
Ar  A
I r  0,85I  2elementos
I r  0,70 I  3 elementos

Prof. Gavassoni

Exercício 5.4
Verificar a segurança de uma coluna I de ipê de segunda
categoria com comprimento de flambagem igual a 8,50 m em
classe 3 de umidade submetida a compressão simples de 260 kN
(carga de projeto de longa duração).

Prof. Gavassoni

31
19/02/2018

5.5 Emendas
Emendas de topo – corte em esquadro rigoroso –
garantir o contato – transmissão direta de esforços

Obras provisórias – pode-se fazer o


contato com cunha de madeira ou
argamassa úmida de cimento e areia

Em colunas sem risco de flambagem


pode-se usar um pino – sem rigidez
à flexão

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

5.5 Emendas
Em geral precisa-se de emendas rígidas – com 2 ou 4
talas.

Não havendo contato direto


entre as faces – todo o esforço
é transmitido pelas talas –
solução antieconômica

Pfeil e Pfeil, 2014

Prof. Gavassoni

32
19/02/2018

5.5 Emendas
Dimensionamento – Transmissão de esforços:

Contato de topo (se tiver tração e compressão não se


pode utilizar):
1) Situação junto aos nós (sem efeito de flambagem) –
todo o esforço é transmitido pelo contato – as talas
não tem função estrutural.
2) Situação de emenda longe dos nós – as talas são
dimensionadas para receber metade da carga axial
de projeto – critério da DIN 1052:1969

Prof. Gavassoni

5.5 Emendas
Dimensionamento – Transmissão de esforços:

Sem contato de topo:


Todo o esforço é recebido pelas talas
Dimensionamento – Rigidez - com ou sem contato:
1 – Emenda no nó – sem problema de flambagem;
2 – Emenda longe do nó – a soma das inércias das
talas individuais deve ser igual ou maior a da coluna
fora da região da emenda

Pfeil e Pfeil, 2014


Prof. Gavassoni

33
19/02/2018

5.6 Apoios
Garantir a distribuição uniforme – apoiar sobre material
mais rígido

http://www.usp.br

Prof. Gavassoni

5.6 Apoios
Apoios em outras estruturas de madeira – resistência à
compressão normal às fibras é 25% da paralela.

Pfeil e Pfeil, 2014

Nesse caso a carga admissível fica limitada pelo


esmagamento do apoio – usar madeira de maior
resistência

Prof. Gavassoni

34
19/02/2018

5.6 Apoios
Carga horizontal ou arrancamento – tração /flexão

www.inspectahome.us
Prof. Gavassoni

5.6 Apoios
Carga horizontal ou arrancamento – tração /flexão

www.inspectahome.us
Prof. Gavassoni

35
19/02/2018

5.6 Apoios
Carga horizontal ou arrancamento – tração /flexão

Compressão
V por contato

Carga
horizontal/
tração pela
peça U e
parafusos
H

Pfeil e Pfeil, 2014


Prof. Gavassoni

5.6 Apoios
Rótulas práticas – estruturas com carga menores

Rotação livre

Distância entre madeira e o


solo e/ou concreto Questões estéticas e maior
Piazza e Piazza, 2014
resistência ao fogo
Prof. Gavassoni

36
19/02/2018

5.6 Apoios
Ligações rotuladas

Distância entre madeira e o


concreto
Prof. Gavassoni

5.6 Apoios
Rótula verdadeira – estruturas e cargas maiores

Piazza e Piazza, 2014


Prof. Gavassoni

37
19/02/2018

5.6 Apoios
Ligações rotuladas

Rótula verdadeira
Piazza e Piazza, 2014
Prof. Gavassoni

5.6 Apoios
Carga horizontal ou arrancamento – tração /flexão

http://www.carpinteria.com.br/

Prof. Gavassoni

38
19/02/2018

5.6 Apoios
Carga horizontal ou arrancamento – tração /flexão

www.tigerbrandjackpost.com

www.strongtie.co.uk

Prof. Gavassoni

5.6 Apoios
Carga horizontal ou arrancamento – tração /flexão

http://www.carpinteria.com.br/

Prof. Gavassoni

39
19/02/2018

5.6 Apoios

http://www.carpinteria.com.br/

Prof. Gavassoni

Exercício 5.5
Uma escora de araucária em classe 3 de umidade de 75x150 mm
está apoiada sobre um calço horizontal de ipê. Calcular o máximo
esforço de projeto para o apoio.

Prof. Gavassoni

40
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
www.japanvisitor.com

1400 anos, uma das


estruturas de madeira
mais antigas existente
nos dias atuais.

32 m

Horyuji Temple Nara


Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
Apartamentos residenciais, Trento - Itália

Prof. Gavassoni

41
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://www.theguardian.com

49 m
http://treetsameie.no

Treet Tower, Bergen Noruega, 14 pavimentos


(BOB, 2016)
O prédio mais alto de madeira na atualidade Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
53 m

http://www.archdaily.com

Dormitório, universidade da Columbia Britânica,


Canadá, previsão 2017 – 18 pavimentos
Prof. Gavassoni

42
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://www.archdaily.com

Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
http://www.slate.com
73 m

http://www.archdaily.com

Amsterdã, Holanda, previsão 2018 – 21


pavimentos
Prof. Gavassoni

43
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://www.slate.com

133 m

Tratoppen, Stockholm, 40 pavimentos (proposto


apenas)
Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
http://www.dezeen.com/
300 m

http://www.archdaily.com

London Tree House, PLP Architecture (proposto


apenas)
Prof. Gavassoni

44
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://www.theguardian.com

Murray Grove, London – Residencial -9


pavimentos
Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
http://www.theguardian.com

Edifícios em múltiplos pavimentos em madeira


Prof. Gavassoni

45
19/02/2018

Arranha-céu de madeira

Completado em 2009
Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira

Prof. Gavassoni

46
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://eoinc.weebly.com

9 semanas para os
pavimentos residenciais
serem completados – 4
operários- (72 semanas se
fosse em concreto)
Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira

Abeto - conífera
MLC e painéis (MLC cruzada)
60 m na prova de incêndio – 90 m com tratamento
Prof. Gavassoni

47
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://eoinc.weebly.com

4 unidades por andar – o Térreo é comercial.

Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
3 mm de deslocamentos
relativos por
inchamento/retração –
juntas para acomodar

http://eoinc.weebly.com

http://eoinc.weebly.com

Prof. Gavassoni

48
19/02/2018

Arranha-céu de madeira

http://eoinc.weebly.com

Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira

http://eoinc.weebly.com

Prof. Gavassoni

49
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://eoinc.weebly.com

Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira
http://eoinc.weebly.com

Acabamento
Prof. Gavassoni

50
19/02/2018

Arranha-céu de madeira

http://eoinc.weebly.com

Montagem
Prof. Gavassoni

Arranha-céu de madeira

http://www.forteliving.com.au
Prof. Gavassoni

51
19/02/2018

Arranha-céu de madeira
http://www.theguardian.com

Viena – 84 m - 2016
Prof. Gavassoni

52

Você também pode gostar