Você está na página 1de 180

Celso Pedro Luft

AConsiderações
vírgula sobe o seu enso
e o se empego

Organizção e supv
Ly Luft

2� d
31 m

1dito ára
Editora
 Al.c,

o
 sen
Gnzcg Sx
ção  o
nio Scs Ni'

Rev
Ceôi D,us
él a d  v r\
 ·  ( 1
z E �h1:

Cop  itorão rô


Pau   P  n
l •

Impã  bt
G

ISBN 85 0 6138 2


i
Tods  ir t rrvad
l Eta Ác
Ru aã e g, 
CEP057 
x   '3 - 9
ã   
e. X  63
Fa: X  344
ner hpw.am.br
ai edr@tc.b
Apresentação
Evanildo Bechr

e o este livo, Celso Pedro L ite


vém, mais ma vez e desa da lnga potugsa
no que toca  pontação paicuaente ao epe-

go coreto da vígla.
Insiste o Aor em combate a idéia muito
divlgada de que ontuaço é probema de ouvido
e assinala a pausa e por isso dispensa ao escror
os onhecmentos rdimentaes de grmáca. Bm
sabe ue ovido e gramática estão aqi idos como
dois braços de um abaço; mas o excessivo privie
giamento e se concede à asa sobre as reações
stáicas e os termos da ase matêm ene si
tmete ev  ea a cometer egaos
grosseios o uso da vgua mitas vees com res-
ados desas�sos na comuicaço adeda d men-
sagem.
Uma ase no é m motoado desodenado
de alavas da esma frma e m atomóve o
é um motoado de eças: udo a está inteigado
por fça da ncioalidade de seus eemenos cos-
tittivos ue odena o ndameta e o acessrio ue
a gramática procura descever exlicitado os prin
cípios que regem o bom emprego da gua e de
outros sns de pontção.
Deste empeo dá boa ont o preee ivo
de Celso Pedro Lf podo em eleo a tilidde e a
ntlidd do uso da írgul Exeplo a ntda
de da ígl i o Ator colher à edço de tigo
e manchetes de joais um peo  que a
impres, como m d agêncis de cultr da
comuidde zel por ançar  compeente crre
ção idioica
F a bo tdo d ígua prugue a
dee-le ais es lião
Sumário

Conveçõe...........
Sobe pontaão..... 6
7
Vrgula- dfiio.. ..  ... 9
A moâcia da vgla ... .. 1O
Rgas paa o epego da vgla ... 2
 vígla o vba de Potgê  .... 15
jeio  vga......... .  23
Vga e vbo to  . 25
Povo educado pov mpo...       27

Vgla
Qaia úe...............
vgla 2
0
Vg  vea    . .. 3
 talvz a poao....... 
Vglant paa ambém  34
A vgla obrigaóra ant o  .. 6
A vírgla poi o  ......   8
Potaçoco   ... . 42
E sim e vgla& vlho o rtcnia 46

Todava  vgla... 4
U poi a potao ....  50
Da vgla a oaçõe adeiva . 2
Vgla  q . 8
Vgla e q ua .... 6
Vgla ane epore .... 6
A vgla e o apoo . 64
A vgla  o o ppio. 6
A vgla o voativo.. ,. 
A vgla paa eaix  .. 
Vgla at  paêe..... 8
Alga vgla a coloaa  8
Vgla  to .. 8
a à n . 4
otovgla.... 85
Convenções

< provém de
> tranfma-se e: dá orge a
*
atical u araata
= ua a
+ a
- eua e
/  eação; oo udaça de eo
[ ] na eua, dade o u rea bseaão
aco u ure e tex de ca

6
Sobre pontuação
A nosa ptução  a potuação em líga
porguesa  obdce a itéi os sitátio,  ão
pródios.
Smpre é imporate lmbra isso a todos
aqeles que escrevem, paa qe se pevinam cotra
bisonhas vglas de ovdo
Ensam as gramátcas que cada vrgla cor-
respode a uma pausa mas que em a toda pasa co r
respode ma víga.1
Essa ligaão ere pasa e vgla deve ser a
sponsável pela maoria dos erros de onaão E
peso qe esá mais o que  hora de desligar as
das coisas No etao, mesmo em gamáicas
rects e e aores bem concetuados, pesiste a
ilsão
Aqees qe tedem a fzer da potação 
cotapartida de pasas usam aqeas vírglas goza
díssimas depos de conectvos  e, que por exem-
plo:
( 1) Devemo pena ante de agi e epetar
o deto os out"
(2) Ele afou enecaente que, tudo
aquo ea enta."

1 Mais certdo é n qu nem a toda paus csod ma


vírgla,    gl  m  .

7
O etão vírga etre vero e seu opl me
to oaioal
(3) "Ifo, q é dzbro... 
Quaas vzs zmos ausa et sujeito e
vrbo, etr vero e coplemo. E no enat 
eemtar qe ssas struuras ão abe vrgula.
Por quê? Porque a oa virglação é de bae si-
tátia, e não epara  que  iaticamete iga-
Tata se evidetemete de  critério Arbitrro
crtiável  coo atos otros critéios
A vedad  q para virguar bem presa
mos d ma boa tuião stura. Porqe toas as
regras expítas das ossas graátias e mauais e
portugs são dfiits e preárias. Não suficie
tene gais  preisas para abrgr odos os
casos patulars
Ição etrral  esrvi Sso das str
turas sinttas. E ão ouvi do a ão ser qu emprs
tmos otra sigiiaão a essa palavr Vrglar 
orlha é virgar omo um colegial ispiete
*
eja omo o rtério de virglaão varia de l-
gua para lígua. O alemão, por eemplo põe toda

oraço subordiada etre vglas:


(4) "Dr M er d! gh s krn

 portugs
(5) O hmm qu ali vi tá d

8
Vga oia ere tantvo  oaço
adjeiva ettiva. Qado to vígula o m
dee tpo de oação obetdo  onga:
(6) O omem qe ocês vem al cmnno,
tá oee.
Vígla n vo e eu complemnto oacio
nal em alemão (em potguês eia e o cao
(7 "!h  ss h  bl weesee /
" oe d bal eezuseen.
8) ) espeo qe te evej em beve.(E
espeo e ee em bree.
Isso ota bem o caá ovenioal, abi
táo de ceta egas da scita E ada de etaho
niso: ainal todo código é um stema convional
d inai.

Vírgula - definição
Sia de pontuação e ica flta o qea
d liçã sátca (regente+ edo, dtemado 
dmiant) no o da aes Ai a
vígula 1 Na apoiçõe jtapiçõe aídeto
coodenação se coodnado) vocatvos os l-
no neressos etm aeos lro res-
ts e onas; Por to Alegre 29 e ezembo e
181  .. ; ejam leores omo é fil  2 a ma-
cação  ltos magiai itecalado doa

9
do, etc. ele, antes de fala reetiu m moento;
ante de fala ele reeti. ; ele reti m omen-
to ate de falar agora, dsse ele, é tarde et - 3
Na marcaçã de eipe vebal: o paz é bancáro a
oça, balconista - 4 Pa evit ambigüiade
veio até ee/veo at ee; falará, breemente, o o
dretoraará breemente com o dretor; não é, me
ago?não é me amgo; erão, a idas, src-
nai?serão a da srca o ano trabaha,

eundo o rofessor/o
feor no ano trabaha
faa de edo/no faa desegndo o ro
edo agoa,
e enso derente/agora e eno derente; ec

A importância da vírgula
A írgua pde preer à primeir vita um
riquiho upéu inúti  entanto em mut
as ea exee imprtate  dititia qua
o trapoiç gráfic de pau e ton d a
aua e tm eemet imprtante para dezer
ambigidde
Di eempo de jora  evidec a
imprtâia da írgua
(l) "Não  emo Sano Ângelo [de um
tet de prpagada]
Aim em vírgua it  em muça de
tm etre eo e anto a ae veria pra um
cotet meta omo

10
(a "[sa cidad} não é mm Santo Ângo 
Mas o texto ea: "os 100 aos sempe e tem
muito o que ize    [Natamente ente mu e qu,
aquee inefectve destituío e quaque nção-
sática ou estiísica   J Não é mesmo Sano Ângeo?
Iso é o auto do teto queria ze Não é
mm [vígula] an Ângel?Nã é vdad[ví
ga] a Ângel?
A cssica a coriqueia a rasa vígula o voca
ivo. Mas agoa apendem que víga é pausa; e como
o vocativo ormamente se eunia sem pasa   .

2) pirang não ompu a renda m


aa prmeido."
Po ese lo ica o eio irmao de que o
pirnga o compoua enda da manir comohavia

pomedo
esa DeveMas
o leo e comprao
o copo de
d oua maeir
otícia 
ecevee
qe a éia da coma da eda que os dgetes da
equpe aciaam o se cocetizo Eo, po
tao, o u) em a vrgla, só eoveri os
pinga nã ompou a   nda mo haa
prmd
sigia oua
rea + (b) coisa aohva
o prag
lrang não om rou a
proetido so (não
oprr a ea).
O escreve arece, tem se miéros E etr
estes a vírgua o é o meo Nuca se etuda ema

1
Rgras par o emrgo d vírgula
Qais so as egras paa o mprego da vrgua?
Não vo dar todas ai, mesmo porqe a maioria ão
oerece dculade. Lembo as nomas básicas
odemos ize qe d frs pode sn-
ta q u  t r  c s s :
• casa l  sjeio
• casa 2  vero
• casa   complemetos;
• casa 4  as ccnsâncas (tempo, lga,
odo e oras)
A casa 3 é ocpaa po lmenos necessáros
ao erbo ou ao sueto:
 O etudante (casa 1)  compou (casa  +
livos (casa )
• O estudante (casa 1   (casa 2)  intelgen-
te (casa )
• O pofeor(casa    etá (casa 2  na cda
e o acama (casa )
 O apazcasa )  eu casa )  o l (casa
a)  ao colega (casa 3b)
A casa  é de elementos não e pimeira neces-
sidade à esutura fasa!
Pois bem Daí decorm as regas básicas d
ponuação, regas egatas
Nã s d us vígul e s css  ,  
. m  1 e 2, em nt 2 e 3


A caa 4 obreud na fases lgas, ode
se searada o vgula As inerõe
213
2 3 1
podem e acadas or ígula incialente
para eiar ofão.
goa, obeve  agno:
( 1) "A era de hoje, seá a tór de am
nhã.
(2) Quem não passa, não paga
3) O hoem moderno, pensa_ no se fro
A tmo a vígla eaa ete o sujeto (caa
1) e o veo  caa )
(4) 'Também serão atngdos por este desliga-
mento o transmissores da rdio X
Vígla errada ete o veo pasivo  o ag
a passva. Ou voê usa ua vgla, o ehma
5  do pai,o homemma so de todos.
Ou ua vígas, ou enuma.
(6) Va q, s oinas qe prmaneceram
abertas
O a vglas ou ema.
(7) Não somos apenas espetadores
Erraa as vglas: apenas é atcla qe
moifa espectadores ão poe ara- te
emo po vig.
8 Mas sem você perebe o Boeng hega
ao seu destno
Ou a víguas o enma

13
Potmo corrtt  1   8):
( 1 a) A
guera de he será a itóa de amanhã.
2a) Quem não passa não paga.
(3 O homem modeo pensa no seu fu turo.
4a ambém sero angidos o ese desiga
meno, os ransmssoes

ou
b ambém seo tingidos o este deslga
meno os ansmssoes..
5a) Faa do paa o homem . . .
o
(5b Faça do papa o homem.  
(6) a, aqui, as ocnas que.
o
6b Veja aqui as ocnas que  . 
7a Não somos apenas espeadores
(a Ma, em oê percebe o Boeig  .
ou
8 Mas sem ocê pereber o Boeig.
*
Erro rcio cotro fqüm té 
gen cljd o cv
" Também, Esaú troouo seu ireto de prmo-
genu por um prao de ea.Corija-se:
Também Esa troou .  s vígl
Deus, somene pode aleros  por Deus
somente pode vaer nos(em írgul.
Estendia pelo menos a cem mihas.  

14
Errado! Deve ser stedia plo enos a ce
lhas (pelo eos modiica dieaente  ce
ils)
Deve ser egra mal ssimild oviram dizer
o erm por aí ue os advéios sempe seearam
o vglas. . 
Qando  ase ão está em ordem direta o
esiver erada, é om veifa o onto de qebra
e os) enixe(s. cxe e elemeno desocado
edem vrgla anes e depois:
4 1 2 
1 , , 2 3
1 2, 4, 
2  l , 3 a 3b
e.

A vírgula no vestiblar
de Portguês
,. "Mas, a, ão é sufcete.
"Porque, arespostas, ão satsfaze."
" por so surge as guerras

"E muitas ees, ele não se adapa ao meo em


que vve
"os, o homem é u ser ocal
"Muitos poré, se esquecem que. "

15
"A socdade dve poi, ur pela jtç
social."

Qe  e oê aa de qem irgla assim?


Voc ai der que não aede nada de po
tação qm semeia assim a glas. Nem oderá
dizr outra osa.
Ou ão lh ensaram o esiaram e ele ão
ard O certo  e ele se rmo o so se n
do Leiamte, sem aiores dldades Mas a
rgla  m "obeto não denticado aa le
aa ee Para les ar mitos es, ma legião.
Amahã serão dotores e a írula coninua sndo
um oeto não ideticado Sim orqe os três o
atro mi menos acos ultraassam o estíbulo . . 
Com írga o sm írgla Qe a rgla oe
amo a u  m oo meio gi m ris

quino Ojeto ão identiiado ão, oeto inisí


vel a oho  ode assar dserebido at a muito
olho d l de examador  
  írgua, ora diris a írla  
as  justamnt ssa miúda coisa, esse risqui
ho qe maio irmação os d sobre as qaida
ds do sino da lígua esita Sobr o esio do
er mesmo da líga: a fas sua estrutra com-
osição e domosição
Da virguação é e se ode dereeder a
onsciêia o grau de onsiêia que tm uem

16
ereve o pensamento e de a epreão, do re-
vr do raiono, das heaçõe da inerpenera
çõe de das as eqüênia e nterdependênia e
lngscamente a fae e a onttição
A vrla erraa ao conáio retratam a
conão mental a ndplna o epírto, o ma
domio da idias e do aeado
a mna areia d profsor,  tos tes-
te de ponuao E empre io lara a reação
entre a anea de pontua e o gau de oiente inte-
leta
Conluão e irei: os eeríio de pontua
ão onsttuem um exceete treo para desevolve
a aadade e raioina e corur faes óia
e eaas
Qem ensina o ea a sintaxe  qe  a
teoa da fase (ou o tratado da otção" omo
dzam o ramtios antos)  rçosamente
aaba n importânia das aas, ortes inidênia,
nexo, et, elemento qe vão e espehar na pontu a
ção qando a meagem  erta
ontuar bem é ter são lara da esrutura do
peamento e da fae Pontar em  governa a
rdeas da fase otua em  ter ordem, no pensar
e na expreão
Nosso ano não sabem pontar porque ão
aem raonar e não saem analisar. E não aem

!
porue não f ensinado trenado

17
Eertas  o oo o esaeto lógico
a arte do racocíio e sa clara eressão flaa e
esia. Isso se eencia os banos acadêios: é
só apelar para a abstração para o poer de aocí-
no qe os alnos esão pedos o pocas ee-
ções Ficam a spercie das idias sabe rpeir
(ais o eos) ecorar mas a deão/nção
óia, o pensameto iato  algo toaene
i d   j rrçes
Essa deiciência do esamto lógico e do
r
pod d araoar natuaete ai se efer oa
seao inoerêcias desconexão fa e eqlíbrio
osridae iproriedade e temos e todo o esto.
E a má ponação é  atesado ráo da
atoia do pesaento ógico tstado am da
ignorância do e seja a ase sa estrura e
motage

Falta de siae
E dze de aáse
qe, anos a fra siática? Cao.os
se airiam
jovens com análise sitáica No m não sabe
costrr ases eerhes os otos e as írguas
as j s certas. Que  que apederam? Aálise
sináica ora  
Bo, a má ontação pode idica que se es-
a al a aáise siática  insistênca e class-
caçes e noes ao is de claiiaçã o as estr-
s e ções; a s poe idicar tabm qe não se
z aálise sintátia Sei ana por aí ua epemia
de anáise e tetos" Proessores e alnos rialiam

18
divagando sore rechos de livros. Socioogia, psico-
logia, losoia, sória litraura .  m pouco d
tdo. Imagie o leitor a quadade dssas psicologas
socioogas  ilosoias . 
sso  ensio de ortgês? Claro qe não. O
nsi epífico da lígu rata do uso das letas
das palavas das fass da cocordância. . . e ( omiin-
do otas especiicidades) dos sinais de pouação.
A mna, agora é  esi da "counação.
Ora, prossor d orguês deve esinar é as rgras
da lnga portugsa
S voc ez elssimas sessõs d aálise e
texo e de comucaço mas seus alnos ão an-
dram orogaa concordcia regência e .  po
tuação, você é um ma prossor d Portgês

Qum sabe dois dedos d anális sináica


conece a poação do aposto como ma das coiss
mais emntares
Alás, para acertar as vírglas do aposo elica-
tivo srá m�smo preciso er noções de análse sintáti-
ca? Um mínimo de litua  ovido não astam?
"Nós sres humanos jamas pensam.. . 
"O homem, e da ação deve oma. 
Pos ele snhor d uso, ambicoa muito
mas.
Dpois de odo o 1 e 2 gras é possíve vrg
lar assm?

19
em qro la do so as vírgas as ora
õs adj ivas. A ica brae a deiciêca do
osso esio d anlse. Drnça tre estrço e
explcaço? Mas você est oido varo se pesar
igir u coecimnto o soérico.
 at ge pimetada velos joistas
e scritos am essa vrgla . . .
"Nâo e poe pov  hoe, qe no e
ieee pelo póxo.
V esa vírgula como um xmpo ntre cet-
as Se voê  pofssor de Ptgês sia alise
sttica  os seus alos ometem ma vrgula des-
sas, você es reprovao! oe at sr prosso de
texos, d omucaão d ica  composio
si l. Bom prosso de ortguês você no é Aida
não cosg sinar sna E o  para s pro-

fssor de ortguês
lígua fnciona sem sitaxe Não dá. Nehuma
sem sina
Qum uma as gêa da citada Aqui vai,
é d m bom croisa:
"Não  pode aii ofeo de Potuuê
e no conheça os imeno a lnga de
Cíero 

atos Pois é. Vamos igir


à ivrsidade esama
ial pontação
vírgadon
s cadi
_1a vir
gulazia. . . o miservl d isqno  
Mas esss rsqio repto,  que a gete
pode reconr as nteligênias bm orietadas, j

20
a  qaldade do esio de ortugês. Grade parte
do rsto ossos ios  as aprede 
apesar do pofessor de Ptugê.
O dedo do profssor de otuês se etreê
o especíio, o domíio das duades da lí-
ga da sra da fase No saer de ais sitá
ca sujaee
Oro aso emplicatio é o das partías.
A virução om p pré a aliás lgo
im t bé , t só pod ser aertada com cohe-
ito tto ou rioazdo, de als s
ttia.
Os q aerta por ão aeam apesar
de sus pofssoes de Porgês Os otros? São
ts do sio decete. Vrgam ass 
homem deve lta pos só os fte encem
deemos pis, prepararns para enfrentar tas
bclo  ele porm não desste "a hman-
dade sempre progred mas anda alta o essen-
al precsamos sto, sm ir em frent 
homem mod�rn aliás é m angsiado poque
também o sentmento exge.
Uma trsteza ão ois  a irgão ípa da
aora dos esdats rgm a qluer exa-
idor d stbular

ejamos m poto d iglaão m e mais


se rra: os idees as ntecalaõs Emplos

21
 apesa de do o deeo de
Mas aé diso exite out
as ausas
"O e todo ao podeo dierir do ato
do eto
Pois aia de tdo o beo.. 
"Se esse cao prevaleer  jtia . 
"

Porue eto haeá entediento 


'

A esra 
Conetivo + nidente + X
Rea de onação:
Conecvo vgla  Iidene  vía  X.
E, apear de tdo, no deeos..
Agoa veam a exteso dessa m á pontaço
Tio de joais: E ado não dá certo, a aa
ai. E a diso, as cirunstâncias aai o
otra. "amemo i, o perde o ho

 ainda por ia, perdeu o jogo "E depoi de


uito abraço X ebarcou para os Etados
Unidos "Ea eta hora á dee ter quebrado a ara
de.. 
Causa do eo? Apea paa a peiia da cabe-
ça em vez o cee A oeha em lga do eo
De fo, a fla o cote é
Coecivo  cidte + pausa  
Mas ão esqeçamos: como seme, a fla 
ma ealidade e a esca oa
Lemem-se os ofssoes de insisti nsso.

22
Sujeito e vírgla
( l ) "O ad de I
fâa Voô R, tatará o
e o oo . 
2 "Coara anda, po da oc-
dad
Que  sso amgo rear? E você vor
a  set do verb m ma vgla! No oe
Vírgulas ente sjeto e vero ee verb e
sujeto? Só as pares arcado encaxes: expca-
vos (aosts) vcativs, ercaações
Quer dze vírgula ente sjeito e veb 
o da, o nenhm:
a  Jard d nfânia ovô uy tratar o
lho coo.
2 Cmparca ainda, pssoas da soce-

dad Ou:
(2b) omara anda pssoa a
d odad

Se a_ rgem dss: é escreve de ov. Tem
asa a la, saeco ma vgla
Pos tome nta as vírglas n corresdem
às asas a fla Fala e escrta so os mdos de
retes O jeto mesm é estar a ontação.

Uma vírgla seqüesradora o set 


enat, é tadcnal aqela qe encera ma raço

3
sbordada seda o úeo o sjeo Exempo
(3) O em que cp a asa) é 1

engeh.
(4) O fato de que ee  comreceu á reu-
iã( eeu  seu leas
 mesmo vae para seos mo etesos em
gea.  todo caso ãoé ma vrgua ogaóa mas
apeas  respradoro  caeado de estra
*

Tho comatdo o so da víga enre suo


e verb como tatos otros mas empregos desse
sa, scieemete ensad o aos ossos aos
s qe ecoo  vo bastate om sore
qestões de Port gês a deesa do seto vrguado
e com  segnte exemplo:
 Fcas au?
 co
 Pos e v ou me  
Descpe o ato mas este  ão é propra-
ente  sujeto do verbo  Sa fção é eática e
a verdadea constrção da ase é: "Mas eu e vo-
me  O segndo eu, o ue ca oculto como se
dz comete é o seto de vou. O prmeo eu
poder ser sbstuío por qant a mim
Qano à vírgua e gera mas m breve
comenáro ada mas agradáve paa se er o que
m texo bem ontuado Nada mas casavo do qe
um texo ma poado com abuso, alta o má coo

24
cação d vírgulas grado onão O dsoe
mento dea verdade acaaa motra uma lana a
ma no osso eo d Porgês.

Vírgula e verbo sbentedio


Oev a ontuaão da ass:
(  ) O   hma Rrg s:  mãe
A d Sl.
O
 1 a p  chamva Rodo Bat,  m
na da Sil
Foam atatvas d uestão  vestba. á
s mandava seleoar a oão q orrode ao
ríodo de otação corrta
Não ço déa d como s dcdam os ad
daos, os a duas oaçõ ão orra Mas
onôma a ma (a O gabaro ofa d a
altrnatva da ma (1)
Queão a ala O atribur ponto tambm
aos e asialaram a oção  l a)
Be s e a nosa gamáa   a ao-
tla or a va óa .    dão a vírgla como
gra víga qando há lse [icar a sro
d uma alava geralmte o vrbo) ou d e m gro
de alavra"  Clo Cuna; ara marar a prs-
ão do vero"  oa Lma]
Rgra artfa ana arcalm cofr
maa na ráa dos bos sriors. Isso  aso de

25
írgula facativa. S obrgaóia e asos de
ambgüidade Aeas se ode diz qe, sado-se
 íga a otuação antero dee ser mao 
potoeírgla o ono
2) u sou empegado públco;/ T, miha
nova bem ceo/ E sou rtur Azeeo/ T és
Caoa Moas(At Aeedo d Rocha Lia
Icoreto seri otr assi:
pa se chaaa Rorgo asos a
( 1 b) "O
ãe na a la·
O
l c " pa se chaaa Rorgo Bstos e a
mãe, na da Sia
3 's les sãofetas pelos homens e os cost
mes, pelas muheres"
Ohe aí o diaae . pâos homens e os cos-
tumes,..
Prtato, elo ponta
3a As es sã etas peos hoens e os cos-
tumes pelasmulheres
O sem vírgla ema
(b As les sãofeitas peos hoens e os costu-
es pelas muheres
*

(4 Sou greista eles, colorados


Nesta fase sbetede-se a da do verbo ara
o ll  eu sou gremista e eles são coloraos:
4a) sressão do e: assídeto _ u sou gre-
mista eles são corados.

26
 4) spssão do pronome reto pse  o
aa ria mante ese eu, por casta comle
• So gemta, ee ã coloads
 ) suprssão do vo reptdo: zeugma
_  o gemisa ee coorado
Se vrga por asa da omissão do vbo
(são etão a vrga antior dev mud-s m
potoe vírga
(4) So gemsta; eecoodo

Povo e du ca do povo li mpo


Como se explica a estruta de
Povo educad
o, povo limpo"?
É fase, peíodo ou oação?
É necessáa a víga?

Ates de mas nada Povo eduado pvo impo


 uma fase ntidade atônoma de omuniação
com uma liha complta d ntaão [ 3 2 ] 
tom mdi (2), tom alo (, na slaa a ) e tom
aixo  1  em limpo) de fm d fase decaativa
E ess ase é tambm um período. E período
smples costitído qu é d uma oção asolta
Apesar da fla de vero uetenddo ste
( 1 ) Poo educado poomp
prvm d
(2) Po educadoé p impo.

7
Ineessante acompaar toa a históri a ase
(OP = oraço pripal; OS = oao sordiaa
(3) O  oo OS é m poo OS2]

OSl [ s poo é ddo] .


OS [ e poo é limpo.
Ssitídos os cojos sstatvos rpi-
dos das oações sodiadas or oomes elativos
que), e ecaxads as devias osições da oao
prncial o rslao será:
(4 O  poo OS\ [q é dcdo  
poo OS  é lpo .
Em gia sprmemse as seqüêcas
[ronom Reativ  Vero  ligaão (q é):
(5 O [ U povo eduado   poo po]
limiados os veros oectivos das oraçõs
sbodinadas rest d oao apeas a prcipa 
Tmém os arigos ideiidos (um) poem
er upriio,  vantagem estilítica d fae:
(6) O [Poo eduado é povo Impo].
Contia a iia idefida, emora sem epres-
so a estrra aista. odese alar nm tigo
idefiido zeo
Fiamete a spresso do veo e lgaço
7  [Poo dado poo mpo

 ago, vírgl? paa marcar a epse do ero?


Algs rossors iro qu s Vgla qe
sstii m veo eíptico

28
Nã me paece ba a vígla ee a, p-
q iaria sazad esa estra m ma
crdnaã asinéica  qe ela ã 
(8) ovo edudo ovo lpo
prvém de
9 Poo educado e poo lmo
pov de
 l O oo qu  ddo  povo qe é lmpo
e vrgula, rtat evitanse ea te 
preaã ssm
( 1 ) Po euado povo mo

Vírgula e númros
O me sem vígla precedee · nre
para determiar  reigir  sbsativ anteri
itegra a a idnifia Aim
• em vga etre a ig a CP (aar de esa
Fía) e  nmer ue sege ps e rata de ma
espcicaçã u resiçã:
CPF 00065400-10

 m vírgla ete  me da ra e  úmer da


caa
Rua Etáio de Sá, 40.
Se  vigulásems  úmer pderia ser
interprtad cm resriã, espefcaã a ra.
R so d á 2

29
impaia toriamt) a xisêia d ouas
as e ome êto: R Estcio de  ,R
ci d S 3 tc
Pomor: a gla o sbstiui o lmo
úmo
Ra o Add � 122

• m rgula  süêia aameo e respeivo


úm:
Av Poo  p 5.
Tratas dm de a mração sr-
tia de oradia: aaeto 1 ptamto 10,
rtamto 0t

 Sm rga também  spciação  aia


postal telene, ec, omo qaisqr outros asos
d rsritivos ( dcrto, li, tc
lfonou t! 41-1879
Cax Post86
Dto 1.
Li 1 5 7
ifreça claa etr Le 15 7  Ru tác d S
0: rsrião/ão rstrião Difreça a srita:
ãovírga/ígula.

Quantias e vírgla
Qado scrvemos valors por etenso,
dvos trcalar rgas ara sparar mos

30
Ex
doi mi, qunhetos e ciqüenta
Vírgl sim é  mrc d coodeção sem
conjã ssndéc")
tê tihõeo trlõe) qtcento e u-
ent e qut bilõe.dzent e vinte e ete ilhe
quinhent e inte e to i ezento e eet· e
ete eis
Oserve  gri de cnqüenta é ssim e
gete esclrizd escreve Qem escreve d outr
mneir - confnddo com cico , em chee
devi e ess qt descotd  . Po ei.

Vírgulas e adverbiai
Um esrutu de se bste comm é est:
Coordedor  Aderb + rão
Coordenores sã s pvrihs e u mas,
em (= e ã e semelhntes
Adebiis - tno podem ser déos
(aga aqu assim.  .  como locuções o ões
dveri este istae aquela ea, dssa
maeira de agum mo; quad se eam cta,
segd esamos ifmas  mas ue se
esfrcem emboa seja eigee   ) 
Rega de ptuaçã: o ds vígs r
seprr o avel o enum Assim

31
oordeador [ dverial] Orço.
Se rprsntamos ss rês ls r
algarismos   2 3  a regra e onação é:
1 2 3.
o ocioal:
1 2 3.
Isto é das vrgulas sepaao o avebi o
ehuma Uma vrgla s  2, 3) é ue o oe
ser.
Algs exemlos:
, aesar d uo, os eslado foa co-
penadores.
O, se hoe nsidade, seã fitas ag
mas alterações
Mas sgundo secoena, não hváfestas.
Uma fase coo
( l) 'Mas ao qu se sae, ele é oado m
duao ísca"
é, ortanto mal virguada O averal ao que s
sabe aarece a marcado com uma só vírgula
Crrija-se
( a Mas ao que se sae, ele é formado...
Reare como é fácl rovar qe o averial é m
eaxe, m elemeno arentéico  ele é descável
(lb Mas ele, ao qu se sabe é frmado . .
 1 c) Mas ele é, a que sesabe, foado 
   Mas el é fomado ao que se sabe, e
Eduação Físca.

32
e: é ma regra bastate desrespeiada Os
esrtores vão mo pelo ouvido, e a pronúnia não
se marca a foteira etre a onão e o adverbial
Mas  ma páia vicosa qe não merece miação
Repito o das vírgas o nehma. Uma só ví-
gla? Tave em extos onde o rmo teha especial
mortâna; oesia, por exemplo
E aora omeça a se"
Mas lúcdo e fo/ apaeço e tento/ apanhar
[ . .]  (Drmmond)
E anda quedo meno mal em mudança
E endo amado amei (Badeira
Nos textos aionas, omns, de carer inr-
maivo viva a raão: pontação racional

O vez mal pontuado


H m avz anteposto ao verbo e rege o
modo sbntvo para este talez eu vá, tale ele
oncordem.tale esja tarde ago ra
Pois ansase de enontrar esse talve segido
de vgla Ora, é por ma igação íntima (regên-
cia e o alvez obiga o sjntvo o verbo a
vírgla onspira ontra essa ligação ítima Só em
não sente o xo o as afidades eletvas" da
ase, pode sar dessas víglas separaistas divor·
iantes. Mas e zer, apendem por aí qe odo

33
avérbio dev sr vrgl ao" . . . O sltao são bl
inhas como stas:
,[vrga si!] eha popado Jogador
o . 
Té, rgla s c ] a P efeta qe oa-
o . . 

Vírgulas inútes paa também


( 1 ) As ova ega abém, nâo atge a

Cadeea de Poupaça Pogmada."


(2) "O Goero Fedel abé aorzo 
doba a gaa orecida ao dóto e ader
eta de Poupaça.
Duas fass d m mso xto
 gno ambém, vr.  rmro naa-
do ntr vrglas Esanducado O mos  você
vai dizr: fo oeêc a
 Od artou o daor?  voê pgn.
No sgndo aso Paavra m posição oal
ão car d vírgla. Tanto stá m osição nora
o rimiro também q ssa sqüêcia  di
ta  também nã é subsitvl or tampuco.
os tão s também ã iva a tamu
oo sra a vrga  o  dsta alavra?
Para mim, taa vrgas a sqência [tam-
bém (nã) Vrbo]  ão dsabido coo otr vg-
la  sjto  vbo tr vrbo  comlmt

34
3) "Pacpe você, ambém da moção.
is um vez qel idefcvel vrgul eui-
vocd sodo oambém. Belez: um víl a
ecl d vz m príc iclsiv. Um
culemet prs àvr ou ocução qe e
nclui e ambém vou acoeceu ambém aqu;etc.
Ms r gm motivo s coiss contcem
o é sss bisos vígls certmete ecorrem
de outro boto rmticl: dvrbio o meio d fse

 iclço,
Advérbio Há
intecão
vébo, pede vírguls
e dvérbio sstam-
bm melho se clssiic como ptcul d icl-
são" sss rtículs qe s posicio à esued
s lvs p s quis eprimem cusão: tam-
bé o até, mmo) Maria; tamém ela tab
ee; também ecee; também hoje; etc
Viulr A ovas regas também o at-
gem  é como "sso ambém atinge    ão ictá-
ve mo "so an
O ain agem, ae 
E pr sor od ss virgd esplêd '1
ov  tmbém ão, angem a Cata 
Hem? Que esou exgero? sto é levndo  coe
rêci  rigoross dedõs Cro! Tmbém o não é
dvério (n verdde, prcul de egão)
Advérbio o meio d fse v ntre vírgls? ntão
o nã etecéter, tecéer. Viv o boo grmic
*

35
[ ... ] não se deve pô etr vígulas o advéro
tuado en o verbo e o copemento. Hoje sso é
ráta omm mas ndefnsável o jornalsmo e
o stlo oial Esrevese por xempo chgou
nte de So Pulo ' não reupeou id s se-
tdo'; oprou gor dus s '; detiue,
tb, do Mtério' Não há pasa m tas
seqüênas: potanto ão se usta a vírgla Só
 aso ececona d nfs o d í vl ee-
vo Gladstone Caves de Melo Grátc fnd-
etl da lígu portuge 3 ed Ro d Janero
o Lvro Téo 1978 p 248.

A vígula obrgatória anes do 


mplo de poaço errada:
( 1) Silo Vlentino vice presidente e 
cezo Brello erm dus t   . 
2) Mulher só de Hld Rbbins e O msté-
ro do rem azl, de A gth hritie.
( Fões, de Jorge Luís Borges e doi lro
de Crlo Edurdo Noves"
 "Imperasmo na Améra do Su, de
Octvio Ii e Psooga da arte, de Jun Mo
quer.
5) "A cano qu vem do rio de y Oóro
e Seo trstea e ores, de Emnuel Medeiro er

36
6 'Anôno da ia, de Cachora e cene
Dta, de aara"
Coo o tor pôd ovar  toda a
fa  1 a  flta a gda vrga do apoto
intrno: () dpoi d vice-presdente; (2 dpo d
Robbins  dpoi d Borge (4 doi d anni
(5 dpoi d Oóri   dpoi  Choeia.
Td apost o in erno  aql  não prc
d poo ponoinal ponovrgla potod-
xclaação pontodintrrogação  dee ser
ecedid e eg do e írgul:
  Apoto  .
Apto  um lnto qu pod r prdido
de que (pono rlativ  vrbo d ligação ser,
etr, fi)
Por xplo
  a) Sano Valentno, que é vic-preidene,e
enzoBareo
(7 O preidene da Repúblca,qe é Fernando
Henrqe, e se mnério.
P que a fa d segud vírua?
Essa vrgla ão tão tuiva  tão il a
r,  a gnt  prguna coo é u a gda
dla pod fltar. Só vjo ua pliaão ma fa
rgra d  o  nunca od r rcddo d vírgla
Ingêo boato graatial
Rgra orrta é ta rgu rgatia
ntes do e (e ququer out juçã da ez

3
que sa cjunção fr rdida d a trt-
ra ralaa
"Esrutra iteraada l alr spécie
de encaxe eleento exlcativo o magnal, ec 
e âposto Qaler oisa qe iteroma a seqüê
ca drea.
(8 Mita alma, antes de as nada, e e:ei-
to domínio dasacldades
(9) Vste a nossa maz e Poo Alege, o
algma das nossas liais no ineo
(I O) Leam mto me amigos mas escolhm
bem suas leturas.
(11 Falo mo na das opotnidades e
não onvene a ninguém
No é preiso uio esfço e aeção paa
otar ue em todos esses casos hove nrpção
da seqêia direta: (8) mita calma {  ] e pefeio
domíno; 9) nossa matri .] o alguma das nossas
liis (0 leam mito { . . mas esolham;  l l
falo mito [  . e não onenceu Pois as rrp
çõ dvm sr maradas c írgas.

A vírgula depois do 
Vê-se pelos jorais  revistas ue otnuaos
virglando mal. ca é tard para e eseve
zer u bo eso da onuação

3
H vírglas divertidssias. Divertidíssias
Dauelas qe a scola irra o ais paato ros
so. Por xeplo vírgla entr sjeito e verbo entre
verbo e opleto te eleeto de lgaão e
onto ligado   .
Ua seüênia
[Oração  Conjção  Oaão]
certamente não tolera vírgla depois da ouão
(e  ou mas , qu. . . ). os utiaete s alastra
essas divetidas virgínhas:
(1 )  areene a reinado e, eclarou
qe  
2) "F comemorado  ueo de enda e
premiado o orreore"
Vírgla culativa ates da coão vá l
qando a parte esquerda da oordenação é uo
longa (la) Mas a depois. A ão ser qe seja
imã esueda de outra vírgula a seguir, separado
uma intercalação 1 b)
(a) X preentoue ao reinado e declaru
que...
( 1b X apreentou-se ao treinador e, um pouo
nervoo decarou que

Como separar por a vírga aquilo qe o 


deve ni?
Natraente sabe-se a srce dessa vírga
ea imta ertas pasas tias da fa.

39
Oa, a nossa poaço  de base siáca,
est rut ral, e não aud itiva. Não vá plo ouvido, u
el não ntnde d ví ga Lanto ito, as vo
e qe apnd m ínio d aális sintátca
(ne q seja ititiva coo a da aioia dos u
esvm b paa vigar o aeto A pota-
ção é  tst  ntegênia.

Então, vgla depois de ?


Só s ouv a inaação ete o  e o l-
mnto li gado po  
Itercalação q diz d as víglas Potanto:
dois o  o das víglas o nnhma Ua s é
sp  latve qívoco
xplos
Senmento humano e dríamos lantróo
Sem represenação e muto menos mordoma.
Lutamos e undos, eneremos qualuer obs-
áulo
Pero enrou e hesae alou aos oegas.
Mara e naturalmene seunovo ..
ê e às ezes, escreve
Etasas dedas ressalas,fo aprovad a ata
E ao vir do sol, saudoso e em prano/ Inda as
prou
"E pelo éu deserto
soltando
1 Oavo Bia)
um suspro, pulou da adera
[ • ] 1 Hbo de Capos)
 ove a itcalação ambé ats,
tos o e n víglas

40
Pedlevantouse irritado , sem preâmbuos
deu o seu paree
"Sobre as as paindo, s naus entram na
enta marcadas ado ma  gamfati-
das/ e enquanto aos pés, em o uma vaga eben
ta/ outras antam solaus, indo em too grupa-
das  (Luís Delfn As as")
É uma pontaão acal as em sempe os
estoes sam essa ga, sobed qado p-
tam mas peo ovdo qe pela sintae:   se aexa
tmamene ao elemeto tecalado
 pela ompridão majestosa e ee dos ala-
gados e das pastagens o olordo movimentoso e
ariadodas reses Vglo Vrzea
 à idéia hostil do seu destino/ orre aaula
[ . .]  Lus Calos)
o pasto agora era farto  água poava em

venêviamse
pia lo, e quando mais sa
na asta tarde
vanao erde
dilúviopontos
se inter
m
aros
  } aa Aranha).
Minha terra não tem pameirs / E em ez
de um me abiá/ Cantam ae invisíveis/ Nas pal-
meias que não á (Má Qana
E sendo apenas um ir aordando o amor ea

angústia  (Vís e
Geametese Moas)
omitem as glas também nas
ntealações bees:
 sobre a lata inha uma metade de tolo 
(eo Vaz.

41
doce e
"E ao dize isso sua voz chegou a fa
isa  Érico Verssimo).
Usar o ão sar a vírgla a  uma questão de
gosto pessoa O de exprssiviade: cama, placidez
vão bem c u míimo de pontação ao passo
qe o ervossmo a srpresa o orboeteio e a es
tação s eprime aquadaete com a mltilica-
ão d vras E, ai, senão ue suiu a ova:
m ecado  Gimarães Rsa

Todas essas observações valem taém paa


as otras palavrias de igação (cectivos 
ou porém, etc.: Contudo aosai de á, tive umas
sombas de dúvida  Machado Mas eu Deus
po ue essa za ga toda?!  Oáio de Faia) O,
quado uito lia jorai e evistas.

Pontuação com etc.

"Na I Jonada Nacioa de Litea·


tua, em Paso Fudo (9 1 2/8/83, m
amig fehe ua  eruta a espeio
do uso de ponuação com a aevatua
e.
ourFelizmente hegeiDissenos
sa expiação. a empose
e pude
br-
gaóio o uo d ígla (ou oua on
uação) ates do e. quando esa ab
vão abaa mas de um  conuno:

.
'

( 1 )  )  ) ( ) etc.


(2) (..•• ); (...• ) ...; etc

(3)  ) (.. ) (•. ) Etc

isse que não havendo ponuação


antes do etc., este só vale pa o último
conunto
Caso ouve (deve ave) vígula
antes do e ele veá paa todos os
conuntos
Deixoanterioes
aqi bem clao o me obeti-
vo com uma fase de Galileu: Ns deve
mos discutir não com a intenção de glo
ifica nomes o toias, ma simples
mente de apende
A ali tudo em A dificuldade
começa
Gamática no demometo em· que
Napoleão abo ê
Mende a
Almeida [Gramái meódia da língua
pogesa,24. ed. São PauloSdriva,
 973�  p 35] e veo o qe  i:
Apoveito  ootnidade para idia
um eo muito feqüente. Assim como
antes da conunção e s em rros casos
se emprega vgua da mesa aneia
ó araése pg< g_la "
do e. pois essa ocção ecer c 
nção  e •••]'

E agora, qua o certo:


(a .. lvros, fruas, buxas, etc.
ou
(b) •.. livros, fruas, bruxas ec.?"

Meuamgo não temos a polema de certo/erra-


do e sim questão de uso tato se usa como não se
usa vírgula. O usua a gente sabe de ler é vírgla
ates do et O resto é estiúncla de gamácos;
gramatiuice
O citado raras vees se emega vrgula antes
do etc." uma gramática ormtiva natralmete
sigica raras vees se DEV epregar Mas úti
e conável seria a ramática se fsse simplesmente
descritiva ou expositiva (agma têm esse ítuo
sem sêlo) e o ars vezes se emprega correspon
desse a uma costatação de FATO ou USO o leva-
tameto estatístico mostra pesea/ausê cia de vír
gula em propoções de anto por cento
ois então aui vai eviado gloriicar
omes ou teorias seguem fios meros de uso
com os uas podemos simpesmente aprender"
Percorri cerca de l 00 págias d um puhado de
livros, vericando o so/ãouso de vgula antes do
etc. s a ista: Gilberto rere Csa-ad& se

zaa edro Nava Baú de oss; Dcy Ribeiro,


Esaos sóltosAutran Dorao O meu mestre
imagnáro raciao Ramos Catas; Marena

44
Cai, O ue  ideologia Atonio Candido,
Fomação da lteatua baileia Palo Róai Não
peca o seu latm Ramndo Magahães Jr.,
Diconáio de povébios e cuioidade osé
Gilherme Merqior A natueza do pocesso
Mansr Gérios Tbus lingütico Aneor
Nasees Dicionáio de inônimoArélio Noo
diionáo da línga potuguea; Antônio Soares
Amora Hióia da liteatua bailei;osé
Aderaldo astello A liteatua baileia I;
assad és  liteatua potugea E as gra
ma ia, Artur d Aln  a Torres,
ecar ·  e Gladstone Cha  e Melo
EULDO  5 �  vírgla e  1_4
  vírgula
n,-
ados, sim p F
,n

s vezes oorre etc sem vírga'


Mais: de erta fa a potação antes de. é
até oiial o Pequeno ocabuláio otog  
língua potuea  do Acordo usoBra 
1943  essa potação é ssteátia Sem exceo
 nos asos em ue abrage vários ojtos
separados po pontoevírgla é este o sal e pre-
cede c: ".. . famáia, fo etóic ruibab
teato tuíbulo et." ( c tem 1  do Foráro
Ortográio)
1 Também noVocabulári tgr
áf d 98 es pontuçã  ite-
átc. (E.)

45
Mio correta, ógica essa potuaço  vírg
la (ou a flta desta assialara o etc. como abrange-
do apeas o último conjo.
Poese da até o caso d poto aes  et.:
Leantr eo Fazer gntc. Tar sol. Rpa
ar pro Et. C  Lf ovo ga oogáf
Gloo p 93).

Co1 is nã estou dizno que ra qm ã


a vrgla ats de  Não erra" o; apeas fz
dfrete da maoria. E m poto de smenos
imporâcia.

E sim sem írgulas


& velhos com reticênis
Veja estas ases:
(1) sse m não énmeral e, sm artio
2 Não o artarism e sim  esarei-
men
(3) "Os elhos não qerem noação  sm
oninuidae.
Essas faes, ou otrs semhantes, om aque
las vrguas margializado o sim. Pod?
Pacla entre víglas quer dizer elemto
itclado ero acessóio xplicativo ou cois par-
cida Se pode sprimr Ou desocar Assm

46
O homem,oém não resondeu [Poré {o
=

homem não resonde] O hmem não esondeu.


=

O homem é, pois um ser acionl. O homem


=

é um ser cional
Pedo liás é engenheio Pedro é engenheio

Voê orta o entrevíruas, e esta ua fase


erita.
Será o aso de ( 1   ?
xi ó uindo
(la) Esse m não é numeal e rtigo.

2a Não o autoritismo e o esreimento


3a) Os elhos não queem inoção e ont-
nuidade
Desloando:
(  b Esse m não é numeal e artigo sim
(2b) Não o autoitrismo eo escleimento sm
(3) Os ehos não querem novção e ont-

1widade
Fiousim. mesma mensaem No Então osim
o era m essóro itercalao simles aixe.
Poranto no em aa que ser metdo enre víglas
Se vígua éae, é à esquerda do  Aliás, ma víru
a nora essa que peede as eressões advesat-
vas Assi:
( 1 c) Esse um não é numeral, e sim atgo
(2c) Não o utotaismo, e sim o esleci
mento
3 Os elhos não queem inoaão, e sm
continuidade

47
 m, o caso  uma undade iseparáve.
Locço adversat va s duas palavri has untas  e
somete jtas  sgificm 'm as
( 1 d Ese m não é nmel m rgo
2d) Não o uorsmo ms o esclrecmeno
3d) Os ehos no qerem novção as on-
ndde.
 do mais, expermee prouci  ase.
Cae pronciar o im etre pausas No? Ento
pr que vigular

Um exemplo e palavr intecalad depois do


 É o mais comm e alvez por isso mesmo  e-
ação as vrgua o e m:
Ele flou e loo u que er núil
Enou n l e, neroso sudo os coles.
É um bom múso e, lm dsso poe.

pre áNo
geteque
qesem vírguas
se péa por mnecessárias. Mas sem
par de vrgus 

Agora, subitido o  por ma aí você pode


raqüiamente epear a s sas vírglas: o ma, sozi-
no já é sfcete advesatvo; vai o m como sim-
pes encaixe

e) Os elos não qerem noção; ms sm,


udd.
Você pode t rerçar o sm:
. ms st sm .
*

48
Vlh n qe iva? Qe pgta O
v dá vigm, temedeia, si lá
Cia? Mdanças? Tas vas??? E nde
a anqüildae paa tasmiti  sld sabe tadi
ial as vdads sulas  m ambie d
inqiea spital de ias dscetanes?
Os vel pdm ata as jvs N spa-
m teas pmatuas,  smeem as vtigens
da dúvida dad m a svs mtal
O vh qu om  fam baulo

Mas. .  qe é qu st dzd?  só sava


flad em vgas aama Dauls vgas
canestras.
Os velhnhos não querem novação, e m con-
tnudade
Ctiuidade, mas d quê?

Todaia e vírgul
Todavi ( palavas semelhants n inte
da ase aa pnad d maneis difnts:
( 1) O aluno odaa nada repondeu
(2) O profesor repetu a explcação todaa
os aluno ontnuaram com dda.
3  roor ru  aço; oda
o auno coninuaram om dúdas
m 1 tdvi n nt d sua aã,
tms a pa das paíclas necalaas

49
Em 2 tdaia é neror d  m ão d
 orão U d vírgl m ( é má pontu-
ção ". petu a exlao, todavia, os alunos con
tnuaam om dúvidas" Má pontão porq í 
liz, oo nrldo m elmeto ncl de
oão
Queredo r  depo de tda-
via,  pecso met  au trior; dí  o-
luão 3
Am  ponão d fe
4) Podemos ta de esdênia todavia a
mudança é quase nada se aserdas nos aompanham
tmbm od r:
5 Podemos tocarde resdna; todaia a
mudança é quase nada

Um pois mal pontuado


Repre t diere de m b
( 1) [o remédo} vem ao enontro dasfnalda-
des desejadas e onsttu medação de escolha
pos reúne os tos te apêuticos de4 agentes espe-
íos que . 
É o qu  ode mr um pois mltrdo
p pontão. Tem todo o re de um prtíu
ierd que ão é
O que há n etr d fe :

50
( la) . cnttu medcaçã de eclha, pi
eúne s efits teapêutco de 4 agente.
Vígla ates mas ão depois.

Não ae cosla o oio: ouido ão eten-


e de poação Soetdo em lae e respra
mal e z pausas a orto e a direito
Mita pasa se fz por pra êfse. E a ossa
irgaço é de base stática (estrt da ase) e
não iíi(êfse, i etc.)

Há uas espéces e ok m posposto oo


ateposto
(2 Ele acetou; etá, poi, de paabén.
(3) Ele etá de pabén, pis acertu.
O ois pospos () é cojção coclsia
(exprime coclsão eiae a ortant a ee

írgls.
O o ateposto à sa oação (3) rotor
ela, é coção epiata casal eplica motio
o casa e eqale aoqant, porque vt q .
Normamete tem íga ates Depois somee se
fr seguido de m ecaixe e este caso a gla
aterior dee se trasfrmaa em potoeíga

tud, (3a) Ele etá e parabén p, apea de


acerou.
Alás é esta msma rega de potoergla
qe cioa em : ao passo qe as vígas ma
cam um ecaixe, o potoeírgua sepaa oração

51
Copare abém sas fass
(4) Trasmiti o recado ao nosso colea Dee,
pois, estar de sobreaso.
(5) O homem é mortal deve pois, estar pepa-
rado para more�
Podeos rasar sso (bas + osão
 ase  expliaão:
6 Nosso olega de estar de sobreaiso pois
 lhe tansmit o reado
7) O homem dee estar prarado para mor-
e pois é mortal
Observe o uso do pono- e vígla a fase (5 .
E (7 tambm poera ocorrer essa potuação se
tvssos ma ntralação e sg a ao pois:
7a O homem deve estar preparado para m o r
rer; pois, por natueza, é mortal

Uma spls vírgla, após morrer daa ao


pi aparênca d tralado (onlusvo

Da vírgula nas orações adjetiva


�Somente me arece qu e, nesse
1

as da viglação das oaões adeti


,vas
esfivas; o S. nue e galvniza
�    
,.  • 
 demQs $ s esjguei ao aasp
· o
Cg Cvil: q, em e o m«
lo

·
' :."r

de bm porugês e em cno minutos
encorei dois casos de vigúlaço iên-
tica [ ..]: Só os credores qu á o eram
ao empo esses atos, podem peitear·
hes a anlação.' As pessoas e a lei
pva de amnistrar os próprios bens,
têm ação egessva contra Ós repesen
tantes egais etc Nos dois exemplos as
orações que fcaram entre vírglas não
são expicaivas mas restritvas."

t Talez o amigo enha azão. É possíe e e


eseja msmo edecedo demais as egas de pon-
uação Mas ão sem motivo
Sabe como é a gee ê aqele poguês
dos esilaes enfena aquele caos de idsci
plina grmatic .  Não há mui vnde  "mo-
lece" as egas ão Libealidade nas egas é paa
os qe ivem deno da disciplina os qe sabem
ode  o naiz, os capes de govena se
mndo dciplináo por si eecea . Pimeo,
sabe as egas paa valoiza ma ansgesso
Um coisa é sabe a e, e pôse consciete e
moivadmene acima ou fa dela; oua ada
po fa po igoânci
O e caso é o pimeio, clo: sabe o e z
com a lígua. Apenas me sei de m exemplo seu
poue o ache epessio

53
Qanto ao Código Cil os ois exemplos que
me cta são ns msmo não se jsticam aqelas
íglas em pontuaçã modena
O qe temos aí epesntado m ígas é
simplesmente o seginte:
(1) os cdores = qasq já em redre
ao emp dese at  redore[ qaisque]
podem pleitear a anuação dese atos;
(2) a pesoas  qasq odas] têm ação
ec
regresva onra o es repreentante egas,
+ a ei prva a pessa[= todas e quaisque!] de
admnistrar o póprs bens.
Um asudo ão? Mas é o q iamnte
ifma aqea iglação Toda oação eplicava
sclaecimeto secnáio, acessóio já mplícito o
nom aneio  pode se spssa sm pízo d
as ineia Pegnto dá paa supimi aqelas da s
orações adjtas? No dá? Então, ambém não d
para pôlas ente íglas São esições necessáias
ao sentdo total
A ega moda e iglação das oações
adjetas é sta põese entre vírgula a expcaiva
poqe é uma aposção ma intcalaç ão) A restr-
tva não se deve eparar o reectvo nome,pois
competa est, estingdolhe a sigcação.
Apnas se tola a gla dpos das oaç ões esti-
tias logas po moto d claa o da spa-
ção" fasal

54
ao s se e ar im, a io em temos
de inagem ógica, objetiva, neutra A linguagem
setiva e ativa dos escritores isto é da are ite-
rária é m uiverso à parte Não lbeto de leis mas
regio pr eis prprias qe cad a escitor deve des-
cobrr. É aqea história d cria o te ritmo etc
eu amigo poeta Qitana gosava de dizer que o
poeta em se ocio é inível" A rigor não se
pode esnar enhm poeta a metricar o se
poema. em a pontar (Emora o ltem os ingê-
uos que team a pretensão disso    )
Mas a pontação comm, racional, essa se
pode e se deve esiar.

Depois dos exempos do digo Civi o amigo


chama dois escritores em sa defsa

Maado de Asss tabém não


11

esapou ao erro [de virgular oraçõs


adetivas restriva]: vu etar. cin�o
1

omen-, armads que he 'ª �·çanm as


mãos e  o evaram• ' (A cnela ra n
Conts, Cultrix, p. 61). Ou ainda: Em 1

ia· avia ma salna mal alumad


por uma anea ue dva para o telado
o fndos A camantein op cit
�- t45)."

5
Oa a otaão aqu é perfta Ea oraçõe
ão ão etritva ma explicava. Veja:
3) u etrar ico hmen armad + que
= o cio home arado  lhe lançaram a mã;
(4 em ma ha va uma alnha, qe era mal
aluada por uma Jaela  que  a jaela] daa
a  telhado d fud.
A parte e o ão fem etido, e-
eentemete?
O c homes amad e a janela eno
o coeto, ão elemeto j retrito O ue e lhe
ege é elemeno explicatvo Prova gra matica: você
pode btitur o que dea oraõe adjetiva por os
quais [fae )] e  qul ae 4. Ora a oação
adjetiva reritiva o qu nca é btiível por 
qual (a ão er em má écnia ecolar de anlie i
táica ali batae iia )
Qato a o Ri Baboa  Não é m voade
mia ma a rtica literria vem torendo o ariz
paa o eu valor arttico e a lingüica para o eu
valor gramatcal. Agra e um mito Sei á ma ir
ao "veo Madreira 1 ve Réplica volme XXIX,
tomo III p. 200  corme cita o amigo para

e  "empre se pe vrl tes o reltivo


1Joã  Mois  Madurei Fijó, jsía ptgês (688-74).
A arte
Cnsia m gd aátic e s éca scve
explcd Oogf, u are de es
v e pon
i cm o
a lína pge.
.E

56
e a as onjções ta iam omo  o por-
tgês"  a potuação moda. Isso atesta ape-
nas o que todo mndo anso de saber e Rui era
m fihrio vivo dos lsios.  da? ossa la
ão deo om os ssos Não paro ai. la
tem hoe paa ouras neessidades otras rmas
otros rimos e oros critrios
C ente nós (qe os mlos e as arpideiras
no o oum! o io o m ponr 
os mas agos em sabam o qe sse ponação:
Os primeiros sinas de pontuação apareem os
mansritos mito regularmente ere os sulos
IX e VI. É a parr desse últio suo, porato
deois da iveção da iprensa qe o noso moder-
o ssema de ponação omea a xar se e a desen-
voverse  G Galiet e outros Gmmarefn-
çase xpliqué,Paris 1960 p. 308)
Claro ue a gamátia moderna om ma visão
mais ténia da esrutura asa esá mais apaitada
para raioalizar a pontação. Estabeeer pinpios
eplíitos  peisos em lgar de ntuições
Giome pel� ouvido, pela ecessi-
1

dade de careza, peas pausas noras da


leua É possíe e poue muto 0al,
!

excededome novguljmo e em �se-


qüênia ma$gand� inutlmente a f:se
Pero sso a pecar por anbigüidae.'

57
Pos o ouvido é mu oseiro Fl  m
ois esr otr É com  fl  pus entr
 seito  o vero E ei  s últim fs: pr
o isso /  pecr po"   Um pco trás:  cm o n
sqüênci / stigndo     sem p s dpois do
 Ovo entede e ps não d vg. Não vá
 covrs dee É lbto.
Nessid de clr? Crto. É  
impõe  distição virgld nte plictivo  rsri
vo. Ms tnto podemos ser mbígos oiido v
uls como medos fr d propsio
Qo o xds no virguismo, o próprio
migo tmstiicdmen m onito dsfvorá
vel: sso dá m msig nimt  s Agor
cm se ttndo  stilo  liggm subjtiv f-
tv   m bo  fse os solvos ue m
 precs Qesão de ritmo deslzr de cis e ão é
pipoqcr de mtralhdor

Vírgula e q 
( l ) "Encamnho a V S � o abalho anexo, ue
versa soe.. 
(2) 'Apresento a V S  P X que necessita
a otenção de dados. 
Ns s ses m o que  ponom elt
vo ácil d idntiia: m mos os csos  sbst

58
uível o o qu.:  o balho nexo, o ual
versa ; ... o ProX o ual necessi  .
Rega de pontação aes d e nome ela-
tivo a) vrgula obida se a oraço reatva ou
adjetiv é estriiva 1 e b) vrula oigatóia se a
oação é explcaiva ou aositiva
A oração  esiiva quado a cometa a
idetificação do substantivo anecednte; e é epli
tva qando se aõ  um subsatio á denfica-
do, determinado ou estrio.
Nas ase ) e 2), os atecedees do qe são
etrito, lnamete idtfcados Tão ietifica-
do, qu oderíamos faêos seguir e otoia:
( l a) Enamho aV S � o raao aeo (e)
ersasobre...
2a) Apreseno a S � o Pro X le eessia.
Porato vrgula antes do qe quado ee não
itroduz uma rstrção, e im mera exlcação ou
comentáio
(3) Pedro ue é um omem senao, lou om
muta podração.
4) Me efe que é um gande admsrdo
reoleu ogo o probema.
Você ode urimir o que vem ete vrgulas e
fica uma ase erta Sal de e é um mero
cometáo, um acesório explicaivo
1N fim da ação estritia, bedo s lnga é acuatia 
víga.

59
Agora veja etas ase
( Todo homem [que desprea os uo} é
despevel
6) Pessoa [qe loga] meee se oda
e voc elimia a oaço epesentada ee
ocete ca m eto naceitvel, igio o inga
matca:
(5a (! d o ho mem é deezíve
(6a) * essoa meee se lgada
Esta  a ea ó se vla ae do que e
eliminada a oação (= vebo e acessio qe ee
tod ica uma ae peamee atiftóia 
com setido, lógica e o eo
goa compae
(7 Enaminho  V S .1 um tabalho que ea
sobe ndús ias d e ecidos.
Um abaho que ea.  .  em vígla poqe
a eqüêca iniciada peloe "etinge a palava-
balh e po iso é idispenáel ao conunto sinta-
ma) sbsttivo centazado po aea paava Qe
espécie de rabalho? Um rabaloque esa sobe
Compae ambé (8 e (9:
8 Chame os alunos que estavam na bibliea
9 Camei os alunos, que tavam na biblioteca
em paa ate do  e em mdança de tom
(8); psa= vírgl  mudnçd tom 9. Difea
na ponúcia po caua da dieça o gicado:
em (8 ó pae dos alos estavam na bibioeca e

60
es ' ram haad;  , tJs s als esa
vam a bibleca  tds fam caads.  (8)
Qua als? O que esaam na bibiea 9)
Ca qem? O aluo haeio
Seres únis assim s desgads p ss
tavs dis prprs  só pd ser seguids
de ações eiativas
(  O A Bíbia que é o iv d livo .
 1 1) Chamei Ana Paula que eaa na vaanda.
(l2 Vnceu  Flamengo que aprveitu a
hance ...
E assm a seginte ase:
13) A Lei 594 que dipõe obe ...
Cm  úr tes uma lei bem dtrna-
da restra"  qe segue nã de restigir as
só p ser xplicaã  apsiã".
14) "nex ao peente o otei de poedi-
ment e pra() que deem e bedeid
Sm pausa  s vígl  rsriã" ais
predints e (quai) paz Aquele que deem
e obededo
C pasa e udaça d  e pr ss vr
gla = explaçã u apsiçã o rotei de p-
ediment e paz os quais (e te)devem e
bedeido
Cp
15 O apaze que ntem jgaam, etão
anado

61
(6) O ze que jogm ontem etão an-
do.
Dieença  1) pica u cojnto de apazes
e u subcouo de (gus) rapazes que jogara-
a lta de pasa (e de vírgla) exprie a restição
(ó quees quem); ( 15) s la u couto
de rapazes nado qe odos eles jogaram.

e u ogador screve o repórte:


"Foi ome um hurco om o sogo que
est em Poo Aleg 
Assi om o ogo que etv em Poto
ege  Se vírgula Fca eão o leitor nrado
que o ogaor esse te outros sogros vígula) ue
ão esava  Poto Alegre   
Coo vios qando o ser esigado pelo
subsanivo anteror ao que m só, plename-
te defido, etermado - coo, por exepo,
u subsativo ppi  prooe pessoa o   
o sogro de u jogador - o qu eve ser precedi-
o e vígula. A oraço itroduida por ele é _
aposto explcatvo - e o aposto expcatvo vai
sepre etre vrglas - a adjeiva "explicati

va, ou ãoesitiva
ue esá restringido seSeefido
você oapõe
uvgua é
ser enre
outros Coo o caso a u ee város sogos o
sogo que estava e Poto Alegre/os outos
sogros   

62
gula e o q
A ma o qual e lexões) sem peposião só
se emprea as oraões com pausa vrgula:
( I) Os apazes s quais oem ogaam estão
cansados.
Mas no "Os rapazes os quais jogaam otem
estão cansados 

Vírgua antes de poq


E ates de porqu  cae vrgua ou no?
omo o leitor sabe há dos "poqes: causal
e expicativo ois é justamente esta dierença ue
deve orientar a pontuaã o
O eunciado causal é a razão e sr da respec
tva ase, a ual se ecamna para ele como paa
um cmax Da a ntoaão ascendente e a lta de
pausa. Já o euciado expicativo não é o címax a
raão d se _de sua ase e sim mero acréscimo um
cometáro gealmete óbvio Por isso pausa e
mudana de tom Compae 
() Pedatouà eunão poque está doee
 à uão, poqueelaé impotate
(2) Nãofalte
A pausa e a mu dana de tom ates do poqu
explcativo são tão marcadas que até ocorrem
poto-e-vrula e poto-fial

63
3 Deve te chovdo; pore o páto está
molhado
4 Acho e Ru está doente Porque está
mago páldo, uase não fala.  

A vírgula e o posto
Repre na irença de ponuação
( 1) O escrto baslero Mahado de Asss
aseu em 1839
 O ciador de Capt, Mahado de sss
nasce em 189.
Há mios escrtores brasieiros Macado 
m dees as o crador de Capu é um só: achado
de Asss.
m ( 1 , a pressão da esqerda é geérca
incompleta S se completa  especifica o paricula
riza com a expressão da direita Esta se cama por
sso psto especfiatv.
Em 2), a expressão da esqeda é completa,
especíica, sfcete Machado de Asss já está
implcito na expressão o rado de a C t É ma
smples "expicação redndate - um apost
explictvo
O aosto xlicav, ê pode irar: já eá
enunciado à esqerda. Dieita e esqueda idicam o
mesmo indivíduo.

64
Mas voê ão pode rar o apoto pecifiai-
vo. Trano, você ana o alte o etdo da ae
O expicativo repetção d qe está à qur-
da é mido ntr vírgua Ma não deve ser separa-
do por vrgla o espcificativo el rma um todo
co o qu t à a querda

Regras pátca
Pimei: s ponha ntr vírgula o apoto
(ubtantvo ou ocuão tativa e voê pod
spm1
Seundsó ponha entre írgula o aposo 
você pode faze preceder de st  o o/a ual  o
os/a qai ão.
(2a) O ido de Cpiu io é Machdo de
Asis, ...
3) A tê iudes eolog
is, (io é)/(s quis
são fé  eeç e  aidde,.  
 ponuação do· apoto é elmentar, pimária.
E contd QS erro e; reptem amiúe
Ag casos:
(4) "O bispo uxili e Poo Alege D
Edundo Kun e o cônego h Wke... 
Flto a segda vírga o apoto Corrijase
(4a) O bipo lr  Poto Alegr,D.
dudo Kunz e o cnego. -
(5) nd lve de 31 nos e eu irão 

65
A liaão do  ão é ene 3 ano e seus
irmo,  sim entr Iolanda Ales eu rmoA
potuação orret a é:
(5a) o/anda Ale de 3 ans e seus mo
Esse ipo de o  flta  vula ente o
aposo e a ojção   dves à ceça (olo
bato ramaial" d e nna e ve usar ví-
la ates do . Pos em esses so  g é
obi gó ra n te s do e:
[ .. ] , Aposto e   
Da mesma fra nestes otr s exelos
6) " Lewi de
 ano e Severina L.  de
 ano. 
(7 Em egundo lugarfou o Diário de So
Paulo com 4 ponto e em terceio a Asociaço de
ronistas Esporto do araná om 8 ponto.
(8 Coação Mateno em 150 e Pinho

d Gente
(9 M Beatriz ainda nervoa no soue
xplicaro que houe.
(10) "Um homemde 39 ano natural de Hong
Kong oi ondenado à pro perétua
 1 1) Jair Soare da Secetaria de Sade
acha ue o Hospital So Pedro não é uma priso.
(12 O uaai ópera de Carlos Gome
rande múo bleiro o o o romn
homônmo de oé de Alenca
Tmos aqu i dos apostos O prm iro, apoo a
O guarani óper  Crlos Gom. E o sendo

66
aposto a aros Gomes:grand músco basileo.
omo s vê st sgundo  um aposto d apoto
Agora obsrv a oação dsta fas
 3) "O Embaixadordo Brasi na Frana, pro
fessor Annio Dem eo anunciará importante
opeão econômionanceira "
Professor Annio Dem eaí stá rpr
stado como sto d anniará Como rp-
snado? Pa asca d vrga tr ss -
mto sbstavo  o vrbo
, no ntanto ua stdoso da íga
sab qu sse lmto  m aposto. Apoto  o

Embaador do Bs na nça Est é u  o so


(1a) O mbaixador do Basi na França/
anniaá (Sto/Vrbo
Qando s scrv soo nom do mbaixador
já stá impícto S aparc, srá na coção d
mro aposo  pausa  mudança d tom a scta
vrglas ants  dpos:
(13b) O Embaixador do Brasil na França p-
fesorAnôio Dem Neto, anuniará.

A vírgula e o s nomes póprios


D m jora
(1) Carice Lispector que ee analsa em ter-
mos geras

67
(2 "José aãe de ue está levando
derss lvos
Depois de sbstativo próprio as orações ade-
vas  niadas por que,  qal cj quem po
nomes relativos  são ormamee eiaivas.
Melhor no restritvas" ao, os substantvos pró-
ros á são restitos a ma só pess oa; o  omo
restringlos Compare:
  hem que uviu  cas rrtou-e.
4 arlos, qe ov o caso rro-se
Em 3), resrio par a o sustantivo comm ho
me; em , não resrção Calosj est restrigido.
Enfim bsnti própr eqanto ss
tanivo própro = aplao a ser únio identifa-
o, nã d mt  rrtvo oração loão o pala-
vra) O e a ee se aexa  expliaivo, aposto
nãoresritivo. Mara a proúia pasa Mara

a esita vrgla
Vrgulas, portanto, em ( 1 e 
la larice Lispec[vírgua] qe ele aal 
sa e ers gerai.
2a os Garães,[vrga de qe est
levand dersos lrs.

Quer dizer ue odo aexo a sbstantvo pró


pio é ãorestritio aposto e portanto asado
igulado?
Resposta egatva. Substnivos pópros tam-
bém odem eveualmete, ser restringidos

68
(5 A Clare Lspeqe ee anaa é a das
ônias
(6 Revea m Jsué Guaães que é) desc-
nhed ds ees
Ttse de recurso r ressltr lm ce
t do indivído esigdo elo substntivo rrio
O sbstnivo prrio í se to comum em
cd nivíuo  desigo o subsntivo róro
- e lm outrs nivís, cda sr  úpl.
João Sestião ch eso únc sim; ms que
contém o Bc ds gs, o Bc dos cocetos o
Bc ds cnts o Bch dos ortrios o Bch do
órgão o do crv (bem temedo), o Bch qe
odos já ouvirm e o Bch que s cohecem os ese-
cilists, etc.
Efm o sstntivo rrio normlmente em
o tro + Restrito, o que sific os nexos obrig-

tormete virldos
como qer que (elicivos" osos o
cmem
(7 Claie isecto que esee mane e
cônas...
ss · trço se mud em [ Restro] qundo
tommos o subsnivo em setido rticulrizd o
qe vi redundr n ntosião e um rticlr
(to demostrtvo o emelate e ososição
sem s/vgl, de orão, locuãoo lv e
não resritiv:  Clrice Lsector ds crôncs,
ess Clrice isecor que ocos cohecem   
*

69
8 " canddao aenia a depuado fedeal,
Sal Guaell esaa anqülo  
(9) "sa é a opinião do caddaoà ssem-
léa Leslaiva, João Saepesada onem   
(1 O) "O esidene do Itenacional Ma-
uel Tavaes compou adeia  .. 
(11  empresa alemã Luhansa, acaba de
nagua sa noa sede
rs esas vgula olao o ome ró-
rios Ees iom oo restritivos e o omo
xicativos. É só reir a etra, e e vê isso
com clae: o andidao a depuado Sinal
uazell > o andidao Sinal Guaelli.
As vrgl órias e esrra exlcativa
imiam m atecee esecico qu não rei-
a r esrngdo, úico potao. Alico sso às
ases 8)  (1 1) , temos e onlir q o Sr. Sinval
Guazelli era o úno aniao arenita  euto
eral    o S Joo Satte caniato co à
Assembléia egiatva    o Sr Mael Tavares
ico e prei o Inteaional . e a Lhasa
nia emrea alemã   
Cojame esa ases em queas vírglas
eurando a infrmação :
(8a) O andidao aensa a depu(d fedeal
Sinal Guazelli esaa anqlo ..
9a) Esa é a opinião d candidao à Assem-
blia Lelaa oão Saepesada onem ...

70
(10a   x resdene d Inecionl Mnel
Tvares ompr dei .
1 la ) A emresa alemã Lfhans  de
nagrar sa nv sede.

Agora veja
 2  resdene d Brsl Flano de l,
sobe conqstar as smats d eletordo.
Aqui sim as vírulas estão correa eparam
um eplicativo. P resdene do Brasil é oe epc-
fico restrito: há m só. O qe segue só pode ser
expcaivo etre vígulas portano

A vírgula d vocativ
Nem smpe é ci virgulr. Há vírgula qe
reqrem visão clara ao mnos a iuição, da etu-
ta sitática. Há casos d pontuaço suev · mas
risqo menos rsquino va depender do gosto
d quem screve
Mas há ambém vrgulas ces. Elemetares
Aqueas das intercalações dos apostos das corde-
ações sem coordeador.  Aquela do vocativ
Vc cnhece, Ma?
Vem muit, gene. [Faado de cuva.]
Claro qu sm vírgua, muda o setdo
Você conhece ri

71
Vem ui gente
Vcativo  aquele elemeo (palava o lo-
ção) om ue nos dgimos ao ovine ou ao eior
 rea ou imaginário  hamadoo
- Voê ssistiu ao jogo Pau/o?
 Ó rapaz,oo se hm est 
- Voê sbe,   le, que pefeêncs
essois ão se dste.
 voaivo se ronnciam com mdança de
om na fa Na esra devem ser marados cm
uma vrgla; duas vírglas no meio da ase São
eemetos margiais, iidenes
É ma regra elemenar de ponação Elemetar
mas nem or isso menos imporane A fla da vírg
a pode a mesmo ar osão amigüidade
A fase
"Simples, não é drgente da Fedeaçã ? 
f escria para sigiica
Sies; nãoé, dirgente d Federção
Vejam a imporância da vrgula uma coisa  'ão
é ele) drigee da ederação, e oa bem oua
ão  (verdade) [vrgla dirigee da Fedeação?.
O mesmo eo de ponação ooreu nua
imorae revisa aciol
Não é mesmo Roger Vdi "
Assim· mesmo sem vírgula Como s e o seio
sse: Esse ddão ão é esmo Roe VdiO
Não é mesmo Roge  dim qe(m) diz isso?

72
ra ada disso. O ue o redator uis escrever
i isto
Não é mesmo, gla] Roge  adim
Isto é Não é \edad, oger Vadm Não é
mesmo am Roger Vm
Qis escever. Mas ão esree, o a de
m risqino. Peqeia coisa mas não tão domia-
da omo se oera espear

Vgua fáci evidete  essa dos vocativos


ois timamete a írgla ai sumndo
Parece oda nos oas o será desnrmação
mesmo Em artm, etão rgla de vocatio
iro cabelo de caeca Vamos remaar, essoa?
u será chame
Veja
"E as ádio como que fam prent? 
"Vu como é Fanto?
"Oha o problmapoal.
Como se o assuto sse ádios ue viram
esdets", roblema essoa" o ver como é o
Fantoni"
Qe é sso essoal Nem ca de jorna o
iterio
Reare a d rença etre as ases que
segem:
(1) Não é meu amgo?
2) Não é, meu amgo

73
(3) Você ompreende Pedro.
() oê ompreende Pedro
(S) Oçam tds o que vo dizr
(6 Oçam, todos o qe vo dize
Em caa pa e ases as paavras são as ms
mas mas  irete a mesagm
Nas ases ares h mdaça de tom  e tal
ve pasa (dpene da pressa com ue se la lá
od a escrita s pe ua vírgla
Omtir o sial e potuação ()é compromeer
por intiro a mesagem as ases pares passam a
cofdirse com as ímpaes.
Cocsão rosa: essas vírglas dos vocati-
vos são origatórias Maeira prtica  rcoecer:
o vocativo permite a atposião d   ó me
migo ó Pedro ó (os vós) odos..
É verdae. Você pode dizer qe, m mios
cotetos são imossíveis, peo meos improvves
consõs como aqeas d ( I  a (6. Exmplos
o ) Pedro?
Não é verdade) eu migo
P resmos sehores) ter pna
sta objeão ão procde. Bastam casos como
os citados ( 1) a (6 para evidenciar a obrigted-
de da vígul dos vocivo.
Sei de ode em o erro d ão poar De ma
regra a da Graáicatradicioa "a vírgla rer
seta (corrspond a etc) uma peuea ausa

74
Ol s você vai om ss citéo, mea das ví
gulas voc a gu ês ou qaro ass Há pausas
que no sã vír

g,   írgs q ão são paa.


Mais mporant q a pausa é a muança 
tom. A vígula corrsonde muit mais a mudan-
ça d t m d qu a pausa. Eis um poto m qu s
v atar o nsino tradiconal  urgtmt
Vja agumas ass d ornal o fo a v
ga o vocaivo No  Santo Ângelo  Passou
lho  O qe hove Bl  "enço sehores
A tenção aditório!  ' enço empresários "
"Atenço S Goernador .  'tenço doadores de
sange  E atenço torcida colorada. "Vcê vai
bicho?  le j se formo me lho?  abéns
Santa Maria e Caxias "ca menna!  "Façam
jogo senhores arabéns é m menino! (Imagin:
parabés é m mnio Natramnt, palmas 
ma mnina. ) 'mgo á chegando.. 
Etectea, etéera tcéra.
Er-s na potação Mas ssa vírglaos a
maos, ssa vrglazinha óbvia, elmntar prmára
O qu·é qu s apr nas aas  Portgus?

As vírgulas que sepaam encaixes


Vamos flar m trmos casros A as é uma
faa  palavas O comum é sgir  paavra m
alavra sm qalqur rrupção

75
Mas em sempreé assim H vezes e e a gete
ra o mei d se f m ecaixe, e sege adiate.
Que ver?
(1) Ah  o  t
Ia h queo lh a vo ar 
C.
(2) O páio ou agao eo à ha.
(a) O pát vo à u ou aag
Esse evo à h está em seêci noa
em (2 as e a  m ecaixe iempeu o
fux  páticu ag
stou lembado sso pr aus das írguas
As rglas dos ecaixes o itecalações, áceis de
compreender e fces de sa. Só exgem um mimo
de ateção
Pelo que se v diaiamee em letra impressa
deve-se coclir qe esse míimo de ateço flta
om demasada feqücia
Olhe aqi
3 ouo  ts o nteado q
e  ge úe e ar ecebd, a
gaç o reut á  i 30"
Devd ao gre ú e  ebi
é um eaixe: terrompe a costuçã direta ou-
nmos que  vuaão  uoPortanto
a Com  to  ntsd
qu dd  ge úo   ei 
ivgaç  esuto erfta   .

76
(4) "Mas apesa de todas as pomessas, nada
anda fo feto
Apesa de todas as pomessasé m unidade-
encaixe e ão se ig diretamee ao mas ja -
ção é ligr  se, como m od à nrior
Portto:
a Mas, apesarde todas aspessas, nada
anda fo feto

Observe inda:
(5) Podeá nscee-se todofunconáo ue,
na data da epectva ncsão esteja em pena efet
idade e tenha nesta ocaso dade no supeo a
50 anos
Duas írguls ma fse, se ão são de ele-
meos coordedos são de um ece ou nterca-
lção Agor pegem o que esá etre aqelas dus
írglas. Fz unidde? Clro qe ão Má irglção
potanto
Aqele mnmo de tenção de qe lei eia
meditme a existêca e dos encaixes e por-
to  necessidade de mis dus írguls Ou então
nehum
Alisemos por prtes
(5) ". todo funconáio qe, na data da es
petancsão esteja e plena efetdad e. 
O proome reltivo qe (= conrio é sei
to de estejaA odem os eementos a orçãoé:

7
[ujeito  Verbo - Complemetos -
ircnstâcas]
5a [  sta m plna ftvdad

na data ]
Ere o qu/Seio e tja/Veo etá a
iunstâciana data da spcta nlusã Típico
encaxe:
(5b qu a data da spctva nlu} st-
;a . 
Rega de vígla - apage os cohetes e
coloque vrglas no se lga
( qu na data da pctva nclu st-
a
Vejaos a seguda pate
5) " .. tnha nsta asã, dad nã sp 
r a 50 ans."
O vebo te rpede complemeto (ojeto) dieo
Tenha (o fncioário: Sujeito o quê ? Idad
nã sp a 50 an.
tre oVebo/tnhae se Ob/da .  de
ovo uma ircnstâcia/ caã. caixe
tpico
Vebo Circnstância] Oeto Direto
(5d) tnha nsta caã dad.
Subsituido os colcetes por vrgas_
e) tnha, nta aã, dad 
Agoa podeo escreve toda a fase, correta
mente virlada:

78
(S Poderá inscrever se todo ncionário que,
na data da repetiva inclusão esteja em plena efe-
tidade e tenha, nesta oasião, idade não superior a
50 anos
Otra solução  e ecoomia  é no sar
nehma vírgua
O que no se espa são aelas vírglas
viúvas de 5). Depõem cotra qem esreve e
mado imprimir: o desateção, o ignorâca.

Repare:
(6) " Departamento tm em nossa nstitui
ção, lugar de releo na área de ensino"
(6a)  Departamento tem lugar de relevo na
área de ensino.
(6a é o mesmo que (6, mas com a spressão
de em nosa Instituição Ese elemeo está interpos-
to etre o verbo tem e se ompemento lugar de
releo Essa iterposição fi marcaa om vígulas
antes e depois Mas poeria também icar sem vírgu
las Ou das vrglas o nehma
Há das otrs colocações possveis para o ele-
mento em nossa Instituião: aremate e abetr da
ase Assim
(6 b  Departamento tem lugar de relevo na
área de ensino, vrgla] em nossa Instituição.
(6c Em nosa Instituição [vrgla o ar-
tamento t em lugar de relevo na área de ensino

79
A esse elemeto eslocáve a ase  antepo
sião teposião posposião hamei adjunto
adverbial da ação. Modifca toda a oraão e não
somete o vero (anto adverbial o veo) ou o
predicado adno adverial do predicado. É
oão/dstião stática muo imporante paa a
virglaão coeta .

Vírgua ants de parêtss


Vrga antes e parêteses?! Mas isso cons-
pira ão só cont a o bom seso seã também co-
ta m elemetar seso esttco Pontação que
concida com a abera de panteses colocase
epos estes:
'provadas as ees (algmas mprane),
eneraam se  trabahs

Agumas vírgula s ma colocaas


Sei voc vi dze qe estou plcao com a
vígla
Mas doÊjeito
aa eos comoreno
o póprio se semeiam por aí,Na
do aririo nãobase
d
do veto qe sopra
1 "Vnh pea presente comunicar a V S ?
qe deeã reaiza-se. "

80
O verbo auxar (enho separado do respei-
vo pnal omn por um vrga. Ou das
o enha. Ua só, é mera de esra
a enho, pel peente, conc..
O:
(b Venho pel peente comn
Melor a olço  a
Segudo erro: vrga entre o vero (comn
c) e seu objeo (qe deerão   . De novo o duas
vírgas ou nenuma.

l .. comunica  V  �' q deverã. . 


O
(ld) . . comunc   S� qe deeão .
Melor a solão (d
Podemos agoa reesever oretaene ( 1 )
com vírgulas:
1 e) enho, pe peene, omn   S ',
qe deveão elz e
ou se vrgulas
( 1 f Venho pe peente comncr   S ? que
deão el-e 
elor ada a soção (g
(  g) enho pel peente comunic   S 
qe deeão el-se ...

Outros exempos e vírgas mal oloaas:


2 enh fetej onoco o 104 no d
ocede X
(3 ".. rene nar dejho gnde núme
o de plt"

81
) io a propsio a frase élebre"
Corrigio 2 a 4, emos
2a Vnha fear ooso os 104 aos  
(3a . reúne naférias de jho grande n-
 de palisas.
4a) Cio, a propsio a se élebre
Ou:
b) Cio a popóso a frase élbre
[Fase ra ispesa vírula.]
*
Repare como a potuação po compromer a
mnsagem:
(5 " toredo e onselheiro do neaonal
Reoredo Ribeiro enaleeu a daa coemorativa do
áo ga 
Por esa fase o leior a infrmado de e 
Iternacional tem um consleiro. Um só E e 
oreor nziho só   .
O ue o redaor qis esrever (mas ão scre-
ve fi:
5a  toredor e onselheiro do Iernaiona
Revoredo Ribeiro ealeceu ..

(6) "O jogador da seleção brasileira Brit


ão temgurado om desaque."
A seleção brasileir a em um jogador? m só!
orrção
(6a) O jogador da seleção bli Brto  tem  .

82
(7 O ator mano de cinema Atro de
Códova moreu ontem deo de intena enfenidade
A fas nos irma qu o México ico sm
ao e cema more o úico qe ess pas iha
- é o qu sinalam as as vglas .  .
O om próprio aí é ma rsrição, no ma
expicaão o m aposto eplicaivo; aa de vírgu
a potato:
a) O ato mexano de cinema rturo de
Crdova moreu ontem

Vírgula e estilo
Economiz vírg as !  com m r os q
omnam mal a íngua escria é mliplcar as
írglas
Obsve
1) ' portas erraram-se, atomatamente,
como oninha e a jornada, perpendlar à reali
dade ontino."
2) "O adoleente de vete mlita entretan

to, fechara om o orpo a aída"


Pessoamnte acho q m eo mos e-
cortao sem solavacos virgulaos, cava mhor
Mas  . . stilos como gosos  cors ão s iscem

83
Pontuação à moderna
Um as ciosiaes e me recem os ex
os de propaganda é a ailiade a cooao e
poo Fao dos ponos  modena, sgerio eo
o descendee a efiza eermiados segmeos
e ase
Pa m edadeo homem. Um edeo
cg Cm m eddeo goso 
Depos, as sobemesas. Os licoes
Jovens om onade de poged De sb 
da
Bom sso Facilia a eira a visão dos boos
do exto e peme o deaqe dos elemeos que se
qerem vieciar E á aee om e la
Obseve
(1) "Basa es mito bem. E pode aé olar
em 1 dias
Ceramee esa é a ma mais aial:
(a) Baista está muto bem() e pode aé olta
em 1 dias
Vrgla em lgar de pono e aé sem vírgula
 haveria a nda ma ter era e a a possibil-
ade:
  b) aisa tá mio bem: pode olr em  dis
 1ca tá mo bem Pode olar em 5 d
Nem problema de inorreço. Meras
varaes à escola de qem escreve Qesão de

84
estio: há em prefira ases curtas  lc e uem
prefra ases meos picainhas (a
Escevi rma mais abtal paa (  a. De
to haveno coordenação (por meio a partcla 
 conjução" o mais sua é ligar sem pausa
nenhuma: .. etá uio bem e pde vola  . Mas a
pas aí ão é proia Pausa meor vírgla ou
mor poo Isso aturamente poe servir a ie-
ções e eeo essoalmente lio o poo inteo e
    ma expressão e surpresa: o atea  opeo
ecentemente e  surpesa  em poucos ias esta-
rá e voa Um poto ates esta notíca serve a real-
ça o to Assim  1  e (la) aparentemete exprime m
o mesmo; só p arentemee, pois   a é mas raco-
al meramee irmativa (sobuo se não tiver
vírula ao passo qe   ) pode ser sjetiva, emoti-

va. ato
 Natralmente para muios
z ( como l a l beitores  Distinguir
o c a maioria?
 não  o re o vgo

Ponto-e-vírgula
e m jorna do interio:
( 1 ) '  esão tamao' sg nete
pe íd péeleitoal; inpiada no fa de qe 
onhecid cruste, antes de en m inge-
diente de pats eqnads pa tonae gaia;

85
deve ter retiradaa caeça O 'otocamarão  seria,
então aquele que e i a cabeça
 isto é, os candi-
datos colocados apare suprior d cédua, con-
corrente à eleião joriria Pois a expressão;j
aontda em importantes pubicaões do Pís em
cabimeno. .  "
Crreta a intereação etimógi: o vo-
camaro é  vo ecapiao Aora,o qe não esá
à ltura da expiaão o aues etranhos pto
eírla paze e prvocar dipnéia at  lei-
tr lecioso
Vja:
( 1 a ) A ressão [  } srgiu neste período pré

eeitoral inspirada no ato de que o conhecido crus-
áceo ntes de enrr como ingrediente [  }, deve
terreirada a caeça  } Pois aepressão já apon
tada [  } em cabimento  .
Sipls intercalaões d lntos apositvos
o marcadas  rgla. as  inspirada no fto
d que o conhecido rustáceo dev e ter retirada a
caea já apontada em importantespuicaes do
Pas. primera dssas intcaaõs t outra d
ro d s
( 1 b)  epressão [ . } (inspirada nofto de que
o conhecido crustáceo (antes de enrar como ingre-
diene de pratos reuintados para tornarse iguaria)
deve ter reirada a cabea

86
Paa efito de ouão subsuir o rête
 or vírga; o úimo, por poo-inal poi coi
ide o i d s.
Tão stranha rnrção  vrgla m
oovrguls é re  boimo gráio
inonsiete: o poo  ci ds vrglas rpo
o  cbç os mrõs eapido? .  

87
Uma das evidê ncas qu e fim d s pro
vas de Potuguês é o mau domíno da onta
ção. Ou não se ensna a poa, ou muito
ouco fi do qe se esn culmene
quao o emeg oeto d vgu
Há casos dces duvosos E há as
solões de estlo: to oemos ota o
m máx mo om o o um mín m o de vígulas 
Só o oemos o o víguls eds
A vírgula, do meste Ceso edo Lt
d de tods ess stuaes mosando que
o so oeo  viglão pov-se a
caide de roo
senmeo ds estutuas a vsão lít,
ogii de o
e equi
b o do pensmento

ISBN 85-0b132