Você está na página 1de 12

Como seu cérebro aprende?

Save
Poucos estudantes, acadêmicos ou concurseiros sabem da importância
de conhecer o seu cérebro para aprender melhor. Além de impedir
erros que dificultam o aprendizado, o conhecimento do cérebro ajuda
o estudante a utilizar técnicas para aprender com mais facilidade.
Todo estudante, acadêmico ou concurseiro deve aprender sobre o
funcionamento do cérebro. Nas palavras do psicólogo e renomado
estudioso do cérebro Tony Buzan:

“Você aproveita a sua mente ao máximo estudando, em primeiro


lugar, o que ela é.”
Esse artigo é uma síntese das minhas principais pesquisas teóricas
relacionadas à neurociência e psicologia voltadas para a área da
educação. Com certeza esse tema não pode se esgotar em apenas 2400
palavras, mas o que vou expor aqui já é o suficiente para que você
entenda melhor como seu cérebro funciona e descubra maneiras de
como estudar melhor.

Hoje vou ficar apenas em um conhecimento mais teórico, para que nos
próximos artigos eu possa apresentar para você algumas dicas de
como usar essas informações para aprender com mais facilidade. Esse
artigo servirá como base para os próximos textos.

Um pouco de Neurociência: O cérebro que


aprende.
O cérebro humano é um dos processadores mais poderosos do mundo.
O cérebro é capaz de processar as informações recebidas, analisá-las
com base em uma vida inteira de experiência, e apresentá-las para nós
em meio segundo. Nem o computador mais avançado do mundo é
capaz de simular o processamento do cérebro humano.

De acordo com Buzan as maiores funções do cérebro são:

Save

1. Recepção: O cérebro recebe informação pelos seus sentidos.


2. Armazenamento: O cérebro retém e armazena informação e
consegue acessá-la em larga escala.
3. Analise: Seu cérebro reconhece padrões e organiza
informações de modo que façam sentido.
4. Saída: Seu cérebro “libera” informações de diferentes
formas seja pensando, falando, desenhando, movimentado e
todas as outras formas de criatividade.

Perceba o quanto seu cérebro é dinâmico e o quanto de capacidade ele


possui para poder efetuar diversas tarefas ao mesmo tempo. Pois
enquanto você está lendo esse artigo aprendendo, seu cérebro também
está medindo sua pressão, corrente sanguínea e batimentos cardíacos.
Além de estar atento ao seu contexto de ambiente.

O cérebro também está dividido em dois hemisférios distintos. O


hemisfério esquerdo e o hemisfério direito. Cada hemisfério tem
algumas particularidades que são importantes para você saber:
 O hemisfério esquerdo é caracterizado por ter áreas
responsáveis pelo raciocínio lógico, fala, matemática, linhas,
etc. Pode ser chamado de “cérebro acadêmico”.
 O hemisfério direito possui áreas responsáveis pelo gosto à
música, arte, dança, criatividade, arte, etc. Esse é o seu
“cérebro artístico”

Ambos os hemisférios são ligados pelo corpo caloso, um sistema de


transmissão químico que trabalha a toda velocidade com milhares de
células. Quanto maior a sintonia entre os hemisférios mais forte se
torna a conexão no corpo caloso, essa conexão fortificada ajuda
você a raciocinar com mais rapidez além de permitir uma
melhora significativa em sua memorização.

Save
Quando me refiro a hemisférios direito e esquerdo, não estou
mencionando que somente uma área do cérebro trabalha. Significa que
algumas atividades são mais executadas do lado esquerdo ou direito,
mas normalmente todo o cérebro está trabalhando. Vou utilizar aqui
os termos “cérebro esquerdo” e “cérebro direito” somente para ilustrar
melhor o conteúdo.

Em um estudo recente o Dr. Jeff Anderson pesquisou a respeito dos


hemisférios do cérebro e conclui:

“É absolutamente verdade que algumas funções cerebrais ocorrem


em um ou outro lado do cérebro. Idioma tende a ser do lado
esquerdo, uma atenção mais à direita. Mas as pessoas não tendem a
terem uma rede cerebral esquerda ou direita mais forte. Ele parece
ser determinada mais por ligação de conexão “
O réptil o mamífero e o homem.
O cérebro humano desenvolveu-se muito ao longo dos anos. Nós
ainda carregamos áreas no cérebro que no passado foram essenciais
para a sobrevivência da espécie. Inclusive áreas que influenciam nosso
comportamento atualmente.

O neurocientista Paul Maclean desenvolveu a teoria do cérebro trino.


Cada área tem sua particularidade e função que nos ajudam a viver
melhor (Ou não dependendo do caso). Essas áreas são:

 O cérebro reptiliano: Essa área do seu cérebro está


localizada próxima a base superior do seu pescoço. É
responsável pelos instintos, possui esse nome por ser
semelhante ao cérebro dos repteis. Sabe quando uma pessoa
finge jogar um objeto em você e sua primeira reação é se
virar e se proteger? Então, esse reflexo é efeito da área
reptiliana. Além disso, essa área controla algumas funções
do seu corpo, como a respiração.
 Cérebro Límbico: Localizado no centro do seu cérebro,
essa área é semelhante a de alguns mamíferos. Responsável
principalmente pelas emoções e sexualidade, essa área tem
uma grande influência sobre sua memória. Sua área límbica
é responsável pela alegria que você está sentindo agora de ler
esse artigo 😉 .
 O Cérebro Racional : Essa é a área mais alta do seu
cérebro. De acordo com teorias evolucionistas é a área mais
nova na escala da evolução e está em constante
transformação. Controla as atividades que realizamos nos
dias atuais como falar, pensar, ver, ouvir e criar. Enquanto
você está lendo esse artigo seu córtex está trabalhando nesse
exato momento, sobre as informações aprendidas.

Essa três partes não funcionam independentes uma da outra. Estão


todas conectadas através das redes neurais. Com isso as informações
passam de uma área a outra em frações de segundos.

Cada área tem um impacto em sua atividade como estudante. Por


exemplo, se você estiver com fome dificilmente conseguirá se
concentrar nos estudos. A todo o momento sua área reptiliana estará
sinalizando para você ir se alimentar, prejudicando seu aprendizado.

Se você acaba de sofrer algum tipo de estresse emocional, essa


informação ficará “martelando” em sua cabeça. Pois a área do cérebro
límbico o lembra do quanto essa emoção é importante e por isso você
deve se manter alerta. Estudar quando está com algum tipo de
problema emocional é a pior coisa, pois você não conseguirá aprender
de fato.

Seu cérebro Racional trabalha melhor com concentração e foco.


Caso você tenha alguma coisa que te tire a atenção você com certeza
não estará aprendendo de fato. Se estiver com algum problema
emocional, primeiro descanse e deixe passar, estude quando estiver
tranquilo.

O tico e o teco
Quando eu era criança escutava muito isso dos meus professores
“coloca o tico e o teco para trabalhar” em referência aos meus
neurônios. (Obs. Hoje em dia se um professor falar isso para um aluno
ele pode ser processado :/ ) Através dos neurônios são passadas as
informações que percorrem todo o cérebro.

O cérebro é formado por 100 bilhões de células (bem mais do que


apenas o tico e o teco), conhecidas como neurônios, eles possuem
ramificações que são chamadas de dendritos. Cada neurônio transmite
informações que percorrem o corpo todo e o cérebro através dos
axônios. Toda essa rede está em pleno funcionamento agora mesmo
em você. Saber utilizá-las é o que torna faz com que você aprenda
mais rápido. Observe a imagem abaixo:
Save

As informações são repassadas por sinais elétricos e químicos de


neurônio a neurônio através de pequenos espaços chamados sinapses.
Tudo isso ocorre muito rápido em seu cérebro, até que a informação
chegue à área do cérebro onde a informação será processada e
transformada em uma ação.

Você com certeza já deve ter ouvido o termo “massa cinzenta” é como
algumas pessoas chamam o cérebro, isso é porque visto de longe os
neurônios dão uma aparência cinza ao cérebro. Existe também uma
parte branca chamada Mielina. A mielina é um tipo de graxa que
facilita a conexão dos neurônios.

Quanto mais Mielina você tem no cérebro mais fácil se torna a


comunicação entre os neurônios. Uma conexão mais ágil facilita no
seu raciocínio. Um raciocínio ágil colabora para um aprendizado mais
rápido.

O cérebro que se transforma.


Neuroplasticidade
Neuroplasticidade é um termo utilizado para a capacidade do cérebro
de se transformar. No passado os cientistas acreditavam que somente
o cérebro de uma criança poderia se modificar. Mas pesquisadores
atuais descobriram que o cérebro está se adaptando por toda a vida,
criando novas células de acordo com a experiência e o aprendizado.

Existem dois tipos de neuroplasticidade:

Funcional: Capacidade do cérebro de transferir funções de áreas


danificadas para outras áreas do cérebro. No livro o cérebro que se
transforma o psiquiatra Norman Doidge descreve como a
neuroplasticidade funcional pode ajudar:

“As funções das áreas do cérebro mortas em um derrame se


transferem
para regiões saudáveis!”
Estrutural: Capacidade do cérebro de alterar sua estrutura física
como resultado da aprendizagem. Os neurocientistas Gaser e Schlaug
descobriram que o volume de massa cinzenta na área cerebral de
músicos profissionais era maior do que a de não músicos ou músicos
amadores. Esse aumento ocorreu nas áreas do cérebro responsáveis
pela região motora, área parietal superior e áreas temporais inferiores.

Ou seja, quanto mais você aprende, mais você desenvolve seu


cérebro. É como a prática de um exercício no começo você sofre para
aprender, mas quanto mais pratica mais o aprendizado fica fácil. Além
disso ao aumentar a área do cérebro durante seu aprendizado a
conexão neural se torna mais intensa.

Um pouco de psicologia. A teoria das sete


inteligências
Howard Gardner famoso psicólogo cognitivo desenvolveu a teoria das
7 inteligências. Gardner não estava satisfeito com os testes de QI que
avaliavam a inteligência das pessoas, para ele:

“Numa visão tradicional, a inteligência é definida operacionalmente


como a capacidade de responder a itens em testes de inteligência. (…)
A teoria das inteligências múltiplas, por outro lado, pluraliza o
conceito tradicional. Uma inteligência implica na capacidade de
resolver problemas ou elaborar produtos que são importantes num
determinado ambiente ou comunidade cultural.”
Gardner afirma que cada uma dessas inteligências estão associadas a
uma área específica do cérebro. Atualmente Gardner ampliou o leque
das inteligências para até 9, porém vou apresentar para você somente
as 7 iniciais, pois as considero de maior importância aqui.

1. Inteligência Linguística

É a inteligência das palavras. Quem tem essa inteligência


dominante consegue se articular bem oralmente, aprender línguas,
retórica (linguagem para o convencimento) e tudo relativo a
linguagens, inclusive uma facilidade na compreensão gramatical.
Inclusive a MNEMÔNICA (Uso da linguagem para lembrar-se das
informações)

2. Inteligência Lógico-Matemática

É a inteligência dos números. Indivíduos com essa


inteligência têm facilidades para o processamento de contas,
classificação, padrões e resolução de problemas. Conseguem guardar
em sua memória informações como quantidade e ainda aplicar essas
informações para resolver problemas.

3. Inteligência Espacial Visual

É a inteligência da forma. Pessoas que desenvolvem a


inteligência espacial tem facilidade de perceber o mundo exterior e
transformar essa informação, seja através da arte, mapa ou arquitetura.
Tem grande sensibilidade a cor, linhas e formas. Além disso,
conseguem representar um espaço somente com informações iniciais
mesmo sem contato material.
4. Inteligência corporal sinestésica

É a inteligência do movimento. Essa inteligência é


caracterizada pela capacidade do ser de conseguir expressar ideias e
sentimentos através do corpo, como um ator ou acrobata. Além disse
pessoas com essa inteligência conseguem utilizar as mãos para
produzir ou transformar coisas.

5. Inteligência Musical Auditiva

É a inteligência da Música. Uma pessoa que possui


características de inteligência musical é capaz de perceber,
discriminar, transformar e expressar formas musicais. Possui grande
sensibilidade ao ritmo, tom, melodia e timbre. Conseguem construir e
reconstruir arranjos melódicos com facilidade.

6. Inteligência Interpessoal

É a inteligência social. É a capacidade de reconhecer,


gestos, expressões faciais, tom de voz e ainda conseguir responder a
esses sinais de maneira que consiga influenciar pessoas a seguir
determinada ação. É a inteligência da sociedade, pois permite que
indivíduos com essa capacidade de interagir com os outros.

7. Inteligência Intrapessoal

É a inteligência interna. Pessoas que desenvolveram a


inteligência pessoal tem uma grande capacidade de conhecerem a si
mesmas, analisarem seus erros e caminhos. Conseguem inclusive
mudar seus próprios comportamentos em beneficio de pessoas que
convive.

Você não possui apenas um tipo de inteligência, pode ter várias em


diferentes intensidades. Uma será a mais predominante que se
complementará com outras. Fazer um teste de inteligências ajuda você
a identificar qual a inteligência é mais comum e você.

Descobrir qual seu tipo de inteligência ajuda você a aprender


melhor. Pois você utilizará a técnica mais indicada para o seu tipo de
inteligência. Fazendo isso você aprender com mais facilidade.

O novo consciente e inconsciente o Rápido e


o Devagar
Daniel Kaneman, ganhador do prêmio Nobel de economia escreveu
um ótimo livro sobre os 2 sistemas que atuam em nossa mente. O
Rápido e o Devagar. De acordo com Kaneman, cada sistema tem uma
função e é responsável por um tipo de comportamento.

Esses sistemas propostos por Kaneman parecem muito com o que


conhecemos como consciente e inconsciente. Mas são coisas
diferentes, de um lado está a teoria de consciente e inconsciente da
psicanálise de Freud e do outro está a teoria neurocientífica e
psicológica do rápido e devagar.

Daniel descreve cada sistema como:

 O Sistema rápido opera automática e rapidamente, com


pouco ou nenhum esforço e nenhuma percepção de controle
voluntário.
 O Sistema devagar aloca atenção às atividades mentais
laboriosas que o requisitam, incluindo cálculos complexos.
As operações do Sistema devagar são muitas vezes
associadas com a experiência subjetiva de atividade, escolha
e concentração.
Para que você compreenda claramente, o sistema rápido é responsável
por atividades que vão desde dirigir um carro em uma rua vazia até
completar responder a questão “2+2=?”. São atividades que você não
precisa se concentrar muito para realizá-las, pois são inerentes a você.

Já o sistema devagar é responsável por atividades que envolvem uma


maior concentração como estacionar em uma vaga apertada (desde
que você não seja um manobrista) até preencher um formulário, ou
seja, situações que se você não prestar a devida atenção pode cometer
um erro grave.

O sistema rápido também é responsável por todas aquelas atividades


que se tornaram habituais, é ele quem toma o controle e libera o
gatilho para que aconteça, conforme expliquei no artigo de como
desenvolver o hábito de estudar.

A ideia aqui é utilizar seu sistema devagar até que a informação se


torne parte do sistema rápido. Como fazer isso? Praticando. Quanto
mais você lê, pratica e estuda, mais as informações vão fixando em
sua mente. Quando isso ocorre seu sistema rápido passa a tomar
controle delas, fazendo com que seu aprendizado seja muito mais
rápido.

Para encerrar…
Hoje resolvi escrever um texto muito mais teórico para que você tenha
uma base para os próximos artigos. Uma frase atribuída a Lao Tsé
deixa bem claro isso:

“Conhecer os outros é inteligência, conhecer-se a si próprio é


verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, controlar-se a si
próprio é verdadeiro poder.”
Por isso resolvi apresentar esse texto. Eu mesmo tive acesso a um
conhecimento parecido quando estava iniciando minha vida de
estudos.
Conhecer seu cérebro, saber como ele trabalha ajuda muito em seus
estudos. Você descobre seus limites e até onde é capaz de ir. Além de
desenvolver métodos de estudo que tragam muito mais resultado.

Save
Como funciona sua memória e como melhorá-la?

Aprendendo Inteligência: 7 ensinamentos do Prof. Pier

Como Se Concentrar Nos Estudos