Você está na página 1de 3

A SEMÂNTICA LEXICAL

A SEMÂNTICA LEXICAL

Nágila Machado Pires dos Santos

O conceito saussuriano de signo fazer persuasivo, na relação entre significante


linguístico é, muitas vezes, entendido e significado.
erroneamente por ser tomado como uma A tradição lógica busca nos
simples relação direta e transparente. No pressupostos filosóficos que os conceitos são
entanto, seu conceito é complexo e dele universais, uma vez que se situam fora da
emanam diversas questões lingüísticas. O linguagem e, por isso, são imutáveis para
signo é uma relação entre imagem acústica qualquer ser humano. Nesse momento e com
(significante) e conceito (significado), sendo o raciocínio de Rastier, segundo o qual “as
que o primeiro é de ordem fonológica e o palavras teriam um sentido porque as coisas
último de ordem semântica e embora sejam, têm um ser”, entra em jogo a concepção de
às vezes, confundidos com a relação palavra e mundo “real” e de não se trabalhar com
coisa, a relação entre significante e “porções de significados”, pois a semântica
significado é de dependência dentro da língua, do referente trabalha com essências. Ainda
não considera, pois, o referente. dentro dessas pressuposições, a coisa, ou
Antigamente, na mitologia judaico- referente, tomado como essência não admite
cristã, o significado era tratado com duas cisão, o verdadeiro ser só pode ser uno, caso
hipóteses: na primeira, as línguas naturais contrário não se saberia qual é o verdadeiro.
estão presas às coisas do mundo, logo, as A tradição retórico-hermenêutica,
representam; e, na segunda, a teoria da diferente da anterior, transfere a produção de
linguagem privilegia o ponto de vista. Ambas sentido para o que se passa, não entre
as hipóteses têm desdobramentos. Da tradição linguagem humana e mundo, mas sim como
lógico-gramatical, as palavras remetem aos um fenômeno humano. Essa concepção rejeita
conceitos e estes representam as coisas. Da a objetividade da linguagem em refletir o
herança retórico-hermenêutica desdobra-se no mundo como se bastasse colocar rótulos à

178 Revista CELL - www.ichs.ufop.br/cell/ - ISSN: 2179-0221


Nágila Machado Pires dos Santos

línguas naturais e passa a considerar os agora o que será descrito são as unidades do
significados saussurianos que possuem valor conteúdo. O procedimento é o mesmo da
apenas dentro de determinada língua e se fonologia, decompor as unidades em seus
definem na sua relação com seus significantes traços distintivos. Assim, os traços
como também com os demais significados de decompostos do conteúdo e que compõe o
outra classe. Tais postulados evocam, ainda, significado são os semas, que podem por sua
outra característica da linguística saussuriana, vez são organizados em conjuntos maiores
a de que as diferentes línguas naturais denominados sememas. Para a realização da
estabelecem estruturações de “mundo” análise componencial ou sêmica é preciso
diferentes. Desse modo, o significante e o explicitar os conteúdos focalizados dentro de
significado são variáveis conforme a inserção um campo lexical e colocar em evidência os
sócio-histórica das expressões e a itens lexicais em comum bem como os que os
conseqüência disso é não haver tradução especificam.
exata entre duas línguas, o que pode ser Tendo em vista o que foi dito,
considerado uma “comprovação” dessa depreende-se que a linguagem não possui
variabilidade. grau zero, entendendo por grau zero as coisas
Hjelmslev e Saussure consideram, em referidas objetivamente por meio de
contrapartida à tradição lógica, que a denotações, relatos de acontecimentos
linguagem não é reflexo, mas sim fonte das cronológicos escritas na ordem direta e que
“coisas”. Daí, a linguagem não possuir a reflete o mundo objetivo. Isso significa, pois,
obrigação de atestar a verdade ou falsidade que ela não reflete o mundo e que o sentido
absolutas haja vista que esses autores não se não emana das coisas, mas sim a linguagem
referem ao mundo físico, mas sim ao mundo produz efeitos de sentidos.
de sentido construído pelo homem. É Considerando tudo isso, é possível
pertinente, para eles, estudar como as línguas estabelecer relações entre as palavras dentro
interpretam e categorizam o mundo material a de uma estruturação do sistema lexical.
fim de lhe atribuir sentido. A partir desse Pietroforte e Lopes explicitam tais relações:
momento, começa a engendrar uma semântica sinonímia, antonímia, hiperonímia e
linguística preocupada com a unidade e hiponímia, homonímia, paranomásia e
diversidade de sentidos nas línguas naturais polissemia. A sinonímia refere-se às palavras
numa concepção menos ligada às noções que apresentam a possibilidade de se
lógicas e mais próxima da herança retórica. substituírem umas as outras em determinado
Expostas as concepções para o estudo contexto. A antonímia, por sua vez, carrega o
da linguagem, o método de análise utilizado sentido de contrariedade, são significados
será o mesmo da descrição dos fonemas, mas contrários realizados por meio do léxico, mas
Revista Discente do CELL – nº 1 - v. 1 – 2011 (publicado no 2º sem. 2012) 179
A SEMÂNTICA LEXICAL

que não representam oposição absoluta. discutir as concepções de linguagem como


Palavras diferentes podem ter um mesmo reflexo e como produtora de sentido.
antônimo desde que tenham um sentido
comum, ou seja, depende do ponto de vista Referência Bibliográfica
colocado no discurso que tem, por sua vez, PIETROFORTE, A. V. S.; LOPES, I. C. A
semântica lexical. In: FIORIN, J. L. (Org.)
autonomia para criar e desfazer antônimos.
Introdução à Linguística II: princípios de
A hiperonímia e a hiponímia são análise. São Paulo: Contexto, 2003.
fenômenos derivados das disposições
hierárquicas de classificação do sistema
lexical em que o primeiro corresponde ao
significado englobante, mais abrangente, e o
segundo ao englobado, corresponde ao
específico. Um sentido será tanto mais
específico quanto maior for a quantidade de
semas que o descrevem e definir se trata-se de
hiperônimo ou hipônimo depende da posição
na classificação dos nomes.
A homonímia, por outro lado, resulta
da coincidência entre significantes de palavras
com significados distintos enquanto na
paranomásia os significantes apresentam
imagens acústicas semelhantes e podem ter
seus significados aproximados, ou seja,
pertencem ao mesmo campo semântico.
Ambos são da ordem do significante. A
polissemia, última relação de palavras exposta
pelos autores, é da ordem do significado e
refere-se às palavras que possuem mais de um
significado para o mesmo significante.
O texto, apesar de sintético em suas
definições, apresenta, portanto, questões
essenciais para a compreensão de um início
da semântica lexical, pois encerra conceitos
importantes para esses estudos bem como
para os estudos lingüísticos em geral ao
180 Revista CELL - www.ichs.ufop.br/cell/ - ISSN: 2179-0221

Você também pode gostar