Você está na página 1de 10

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIJORGE

CURSO DE PSICOLÓGIA
DISCIPLINA: ESTATISTICA APLICADA A PSICOLOGIA

JEANDERSON VILAS BOAS

VITÓRIA OLIVEIRA

VICTOR HUGO CARVALHO SANTOS

RELATORIO FINAL

Salvador
2017
SUMÁRIO

1.0 - Introdução.............................................................................................. 1
2.0 – Objetivo e instrumentos utilizados......................................................2
3.0 – Descrição dos dados..............................................................................3
Anexos
INTRODUÇÃO

Nossa pesquisa foi sobre o conforto das áreas de convivência da Unijorge. O primeiro passo foi
perguntamo-nos “o que queríamos investigar”, decidimos então, identificar a qualidade de
conforto das áreas de convivência a partir do nosso público, que foram os alunos da faculdade
em seguida fizemos a nossa pesquisa em forma de questionário com algumas variáveis que
sintetizariam a união de dados para gerar resultados capazes de analisar o fenômeno.
Classificamos as variáveis da seguinte maneira: a idade é uma variável quantitativa contínua, o
tipo de análise utilizado será por desvio padrão e a forma de apresentação em colunas. Essa
variável é importante para sabermos qual é a idade do público que estamos estudando,
podendo influenciar dependendo da idade do aluno. O curso do aluno é uma variável qualitativa
nominal, com analise da moda e apresentação em setores. É significativo saber qual é o curso
de cada aluno, para determinar uma característica desse indivíduo, podendo ser induzira a
escolha pelo local de convivência pela proximidade da área ao lecionamento do seu curso. O
semestre que o aluno esta cursando é uma variável qualitativa ordinal, com analise da amplitude
sendo utiliza os setores para apresentação. É relevante essa informação, pois indica magnitudes
de diferenças entre números, ou seja, a maioria dos alunos do semestre “X” utiliza mais a área
“Y”. Se o aluno realizou atividade física antes de chegar à área de convivência, é uma variável
qualitativa nominal, analisada a partir da razão e a forma de apresentação em setores. É
interessante entender se o aluno realizou atividade física antes de chegar à área de convivência,
pois irá influenciar na escolha do local mais confortável dependendo se ele exerceu alguma
atividade ou não. Qual a área de convivência que frequenta é uma variável qualitativa nominal,
o tipo dela é moda e a forma de apresentação é em tabela. É necessária esta informação, pois a
área que no geral os alunos mais frequentam pode ser a mais confortável, e essa informação
nos permite essa análise geral. O número de pessoas no grupo da área de convivência é
quantitativa discreta, do tipo quartil e a forma de apresentação é em barras. É relevante saber
essa quantidade de pessoas no ambiente, pois se o ambiente está muito cheio ou muito vazio,
indica a qualidade de conforto do local. O número de frequência de visitas na semana é uma
variável quantitativa discreta, do tipo mediana, a forma de apresentação é em barras. É
pertinente saber essa frequência, pois se a frequência é alta em um determinado ambiente,
pode-se dizer que é um lugar de qualidade. O tempo de permanência na área de convivência
tem a variável que é quantitativa contínua, do tipo amplitude, a forma de apresentação é em
barras. Essa informação é crucial para a pesquisa, de forma que esse tempo poderá influenciar
no fluxo de pessoas que estão nesse ambiente. O nível de conforto na área de convivência é
uma variável qualitativa ordinal, do tipo moda e a forma de apresentação é em barras. É
imprescindível saber a opinião do aluno neste aspecto de nível de conforto da área em que ele
frequenta, pois esta informação da uma noção se o ambiente é confortável ou não. A
temperatura da área de convivência é uma variável quantitativa continua, de tipo mediana e a
forma de apresentação é em pictograma. É conveniente ficar ciente da temperatura do
ambiente, pois é de extrema importância ter uma temperatura agradável para o maior conforto.
Compreendemos que o exercício foi importante para a aplicação prática dos conteúdos teóricos
aprendidos em sala de aula.
DESCRIÇÃO DOS DADOS

A primeira da pesquisa a ser analisada é a idade, de classificação quantitativa contínua escolheu-


se para a análise o cálculo do desvio padrão, já que, diferente da amplitude é uma medida de
variabilidade que considera todos os elementos do grupo. Para o início do cálculo se organizou
os elementos em rol a partir da tabela primitiva:

19 20 20 20 22 23 24 24 25 26 26 28 28 29 30 30 32 33 44

Calcula-se e seguida a média, de resultado 26,55, utilizando a fórmula da variância encontramos


um valor de 33,98 anos², que resulta em um desvio padrão de 5,83 anos. Interpretando estes
valores entendemos que a maior concentração de idade (cerca de 70% da amostra) está entre
20,72 e 32,38 anos.

Gráfico de idade dos alunos da Unijorge que


frequentam as áreas de convivencia.
42|-48

36|-42
IDADE

30|-36

24|-30

18|-24

0 2 4 6 8 10
FREQUÊNCIA

Fonte: Própria da equipe.

Utilizamos o gráfico de barras para demostrar, a partir de intervalos fixos de 6 anos de idade, a
maior frequência dos alunos que responderam a pesquisa está entre 24 e 30 anos (9 alunos).

A segunda variável que utilizamos foi a do curso que os participantes estavam matriculados, de
classificação qualitativa nominal, decidimos realizar o cálculo da moda, para reconhecer qual
era o curso aparecia com maior frequência. Considerando os dados obtidos a moda da pesquisa
é do curso de Enfermagem. Esta interpretação também pode ser corroborada pelo gráfico de
setores abaixo, que mostra o curso de Enfermagem com o maior percentual de matriculados
(15%).
GRÁFICO DA PORCENTAGEM DE ALUNOS
MATRICULADOS POR CURSO NA UNIJORGE
5% 10% Administração
5%
Arquitetura

10% 10% Direito


Enfermagem
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
10% 10%
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica

5% Engenharia Mecânica
Fisioterapia
5% 15%
Psicologia

10% Relação Públicas


5%

Fonte: Própria da equipe.

Dando seguimento a análise, interpretaremos a variável qualitativa ordinal do semestre. Afim


de saber qual a extensão dos semestres que estamos observando, obtivemos uma amplitude
total de 9. Entendemos a partir deste elemento que a pesquisa consegue alcançar todos os
semestres já que, considerando a duração máxima dos cursos da Unijorge de 5 anos (10
semestres). Afim de saber qual o semestre que mais participou da pesquisa, executamos um
gráfico de setores, que distribui os semestres por porcentagem.

GRÁFICO DA PORCENTAGEM DE ALUNOS DA


UNIJORGE MATRICULADOS POR SEMESTRE

5% 1°
15% 5%
10°

10% 4°
25%

5%

5% 7°

10% 8°
20% 9°

Fonte: Própria da equipe.


Observa-se que o segundo e o quarto semestre foram os que mais participaram, totalizando
45% da amostra.

Utilizamos uma variável qualitativa nominal com o intuito de verificar se os participantes


realizaram ou não atividade física antes da pesquisa, no caso de afirmação, pedimos para que o
estudante informasse qual atividade a fim de notar se existia uma constância. Para esta variável
8
fizemos o cálculo da razão (neste caso ), chegando a interpretação de que a cada 2 pessoas
12
que não realizaram academia 3 realizaram antes de chegar na área de convivência. Este é um
dado importante que poderia ser cruzado com o nível de conforto dos participantes da pesquisa,
pois, entendemos que pessoas que estão mais fadigadas, ao descansar em uma área de
convivência, tenderam a se sentir mais confortáveis, mesmo que estas não estejam de acordo
com as NBR’s que regulamentam as dimensões mínimas para uma boa ergonomia, gerando
talvez uma compreensão equivocada da análise do nível de conforto.

Tabela 01: Respostas dos alunos da Unijorge à realização de atividades físicas antes de chegar
a área de convivência.

Realizou atividade física


antes de chegar na área
Frequência
de convivência? Caso
afirmativo qual?
Academia 4
Atendimento a pacientes 1
Caminhada 2
Ginastica laboral 1
Luta 1
Não 8
Surf 1
Trabalha em Pé 2
Total Geral 20
Fonte: Própria da equipe.

Ao apresentar os dados desta variável em forma de tabela, conseguimos interpretar que dentre
as pessoas que realizam atividade física e participaram desta pesquisa, a atividade de maior
frequência apresentada é a academia.

Outra pergunta realizada foi “Qual a área de convivência que frequenta?” afim de descobrir a
partir da variável qualitativa nominal, qual a moda dentre estas áreas. A partir da análise nota-
se que a área mais frequentada é a praça de alimentação do prédio 1 na Unijorge, demostrado
também na tabela abaixo.
Tabela 02: Resposta dos alunos da Unijorge sobre qual área de convivência mais frequentam.

Qual área de convivência frequenta Frequência


Biblioteca 4
Corredores 2
Lab. de Informática 1
Praça de Alimentação Prédio 1 7
Praça de Alimentação Prédio 2 4
Pátio Prédio 1 2
Total Geral 20
Fonte: Própria da equipe.

A fim de analisar a variável quantitativa discreta, do número de pessoas com quem o


participante visita a área, utilizamos o cálculo da separatriz dos quatis, para tal apresentaremos
os dados em formato de tabela para facilitar no desenvolvimento do cálculo.

Tabela 03: Respostas dos participantes à pergunta do número de pessoas com quem vai
acompanhado à área de convivência.

Número de
pessoas com quem
Frequência simples Frequência acumulada
o participante vai
acompanhado
0 7 7
1 5 12
2 3 15
3 3 18
4 1 19
6 1 20
Total Geral 20
Fonte: Própria da equipe.

A partir dos cálculos, encontramos enquanto quartis os seguintes resultados, Q1=5, Q2=10,
Q3=15, Q4=20. Sendo assim podemos afirmar que até 75% dos participantes frequenta a área
de convivência com até 2 pessoas.

Em relação a análise da variável quantitativa discreta, da frequência de visitas que os


participantes fazem durante a semana ás áreas de convivência, utilizaremos como método
estatístico o calculo da média. Encontramos que em média as áreas de convivência são visitas
pelos alunos 4 vezes por semana.
Gráfico do número de visitas realizadas por
semana ás áreas de convivência, pelo número de
acompanhantes dos participantes à pesquisa.
02:00
Frequência de visitas

01:30
01:10
01:00
00:40
00:30 Total
00:20
00:00
0 2 4 6 8 10
Quantidade de alunos acompanhantes

Fonte: Própria da equipe.

A apresentação dos dados no gráfico de barras indica, que a maior frequência de visitas por
semana à área de convivência é realizada em grupos de 4 alunos (incluindo o participante).

Para interpretar os dados coletados da variável quantitativa contínua do tempo de permanência


dos participantes nas áreas de convivência utilizamos o cálculo da amplitude. Para sabermos a
faixa de tempo em que os permanecem na área de convivência, encontramos uma A=2 horas.
Decidimos apresentar os dados sob a forma de tabela com intervalo de tempo fixo e a partir
desta interpretamos que é mais frequente os estudantes permanecerem nas áreas de
convivência entre 0 e 40 minutos.

Gráfico do tempo de permanencia na área de


convivência
12
10
10

8
Frequência

6 5

4 3
2
2

0
00:00|-00:40 00:40|-01:20 01:20|-02:00 02:00|-02:40
Intervalo de tempo

Fonte: Própria da equipe.


Querendo compreender na pesquisa qual a moda do nível de conforto nas áreas de convivência,
pedimos aos alunos participantes que classificassem ás áreas na escala de Ótimo, Bom e Ruim.
A tabulação destes dados mostrou que a moda é de uma classificação Boa quanto ao nível de
conforto nas áreas de convivência, que pode ser demonstrado também a partir do seguinte
gráfico de barras:

Gráfico do nível de conforto das áreas de


convivencia segundo os participantes da
pesquisa.
30°
Escala de conforto

29°
28°
27°
25°
24° Total
23°
30
0 2 4 6 8 10
Frequência simples

Fonte: Própria da equipe.

Notamos também que a partir deste, podemos aferir que a frequência de alunos que classificam
as áreas de convivência como ruim é relativamente baixa segundo a amostra.

Por fim, inserimos a variável quantitativa continua da temperatura das áreas de convivência,
como meio de identificar se o conforto térmico também estava em níveis aceitáveis, levando
em consideração que para a ABNT a temperatura ideal de conforto térmico é de 23°. Como não
disponibilizamos termômetros para os participantes, indicamos um valor de base de 20° para
temperatura baixa, enfrentada geralmente em sala de aula condicionada, e 26° para
temperatura ambiente e 29° para temperatura elevada geralmente enfrentada no verão em
Salvador. Enquanto análise encontramos uma temperatura média de 27,5° o que é uma
temperatura bem elevada para o nível de conforto térmico.
Pictograma das temperaturas nas áreas de convivência,
segundo os participantes da pesquisa.

30°

29°
Temperatura (Celcius)

28°

27°

25°

24°

23°

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Frequência de alunos

Fonte: Própria da equipe.

Percebemos através do pictograma, que apenas um aluno se sentiu confortável termicamente


na área de convivência (utilizando a 23° enquanto temperatura de conforto).

Concluímos a partir da pesquisa e de sua interpretação, que ás áreas de convivência são mais
utilizadas por alunos entre 24 e 30 anos, em maior quantidade pelo curso de enfermagem, e
que as áreas são mais utilizadas pelos alunos que estão até o 5° semestre. Com base nos dados
levantados notamos que as áreas de convivência da Unijorge possuem uma qualidade de
conforto boa e que por serem utilizadas com frequência pelos estudantes, deveriam ser mais
valorizadas principalmente a partir de uma solução que melhorasse o nível de conforto térmico,
para que as mesmas, se tornassem mais agradáveis.