Você está na página 1de 32

Perícia Médica

INTOXICAÇÃO OCUPACIONAL PELO

BENZENO

NORMA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DE INCAPACIDADE

PARA FINS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

APRESENTAÇÃO:

A presente atualização da Norma Técnica sobre Intoxicação Ocupacional pelo Benzeno


objetiva simplificar, uniformizar e adequar o trabalho do médico perito ao atual nível de
conhecimento desta nosologia.

A evolução da Medicina do Trabalho, da Medicina Assistencial e Preventiva, dos meios


diagnósticos, bem como a nova realidade social, motivaram, sobremaneira, esta
atualização, cujo objetivo é tornar a atuação pericial mais completa e eficaz.

Desta concepção surgiram dois momentos que passaram a constituir os módulos do


presente trabalho: a Atualização Clínica da Doença e a Avaliação da Incapacidade
Laborativa.

Este estudo resultou de iniciativa da Divisão de Perícias Médicas do Instituto Nacional do


Seguro Social - INSS, que buscou parceria com profissionais de diversos segmentos da
sociedade, num debate aberto, visando abordar todos os aspectos relevantes sobre o
assunto, no período compreendido entre junho de 1996 e junho de 1997, com a efetiva
participação de representantes da Perícias Médicas, Reabilitação Profissional e
Procuradoria Estadual do INSS, Delegacia Regional do Trabalho em São Paulo - DRT/SP
- MTb e Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho -
Fundacentro/MTb, Confederação Nacional das Indústrias - CNI e Universidade de
Campinas – Unicamp e Associação Brasileira de Medicina do Trabalho - ABMT.

Constituímos, assim, um trabalho que, se não esgota a matéria, expressa um esforço


coletivo na busca de soluções justas e técnicas.

Ressaltamos que a proposta, resultante do trabalho elaborado em parceria, foi


submetida à apreciação da Comissão Nacional Permanente do Benzeno e Comissão
Tripartite Paritária Permanente - CTPP, em dezembro de 1997, para análise e sugestões.

O presente trabalho compõe-se de duas partes: Atualização Clínica da Doença -


Intoxicação Ocupacional pelo Benzeno (Seção I) e Norma Técnica de Avaliação da
Incapacidade Laborativa (Seção II).

A Seção I resultou de um trabalho participativo entre vários segmentos da sociedade,


reunidos em São Paulo por iniciativa do Instituto Nacional do Seguro Social, quando
discutiram os vários aspectos do problema, produzindo subsídios de alto valor técnico
que resultaram em atualização da patologia com vistas à reciclagem e ao
aperfeiçoamento clínico, com eminente caráter pedagógico.

A Seção II constitui-se da Norma Técnica de Avaliação de Incapacidade Laborativa para


fins de Benefícios Previdenciários, propriamente dita, ou seja, refere-se aos
procedimentos, metodologia e atribuições para fins de avaliação pericial e concessão de
benefícios previdenciários por incapacidade, o que compreende as repercussões da
doença na capacidade laborativa, respeitando-se os limites normativos da legislação em
vigor.

Queremos ressaltar também que esta ação tem caráter dinâmico, deixando aberta a
possibilidade de futuras revisões, uma vez que novos fatos e dados podem motivá-las.

SEÇÃO I

ATUALIZAÇÃO CLÍNICA DA INTOXICAÇÃO OCUPACIONAL PELO BENZENO

1. INTRODUÇÃO

Considerando

- a importância dos efeitos da exposição ocupacional ao benzeno sobre a saúde dos


trabalhadores;

- a possibilidade de prevenção da exposição ocupacional ao benzeno, portanto dos seus


efeitos nocivos sobre a saúde dos trabalhadores;

- a necessidade de se adotar procedimentos padronizados e metodologias validadas,


tanto referentes à avaliação da exposição como referentes à identificação dos efeitos
nocivos sobre a saúde;

- o consenso nacional sobre a exposição ocupacional ao benzeno,

Faz-se necessária a atualização técnica sobre a Intoxicação Ocupacional pelo Benzeno.

2. CONCEITO

Define-se Intoxicação Ocupacional pelo Benzeno como todo quadro clínico de


manifestação aguda ou crônica decorrente de exposição ocupacional ao agente, por
tempo e dose suficientes, sem proteção adequada, para a caracterização do nexo
causal, em conjunto com a constelação de sintomas, sinais e dados laboratoriais
compatíveis com a doença.
3. ASPECTOS TOXICOLÓGICOS, EPIDEMIOLÓGICOS E PREVENTIVOS

3.1. O Benzeno (C6 H6) : Características e Fontes

3.1.1. Características

O benzeno é um hidrocarboneto aromático que se apresenta em estado líquido, incolor e


estável, à temperatura ambiente e pressão atmosférica normal, com odor característico
dos aromáticos. É lipossolúvel, pouco solúvel em água, mas mistura-se bem com a
maioria dos solventes orgânicos (álcool, clorofórmio, éter e acetona) .

3.1.2. Utilização/Fontes do benzeno

O benzeno é um solvente orgânico que foi largamente utilizado no processo produtivo


no Brasil, até a década passada, tendo alcançado o seu pico de produção industrial no
início dos anos 80. A implantação dos polos petroquímicos, principalmente a partir dos
anos 70, resultou no aumento substantivo da produção de benzeno de origem
petroquímica, originário da síntese dos alcanos do petróleo, provocando diminuição na
utilização industrial do benzeno carboquímico, proveniente da cocção do carvão mineral,
nas coquerias das siderurgias.

O benzeno hoje em dia é utilizado como matéria-prima dentro da própria indústria


petroquímica, na síntese de substâncias químicas básicas que são utilizadas, por sua
vez, em vasta quantidade de produtos industriais. O benzeno carboquímico, cuja
utilização industrial é cada vez menor, está presente na composição do gás de coqueria,
denominado BTX (benzeno, tolueno, xileno) que é utilizado como fonte energética na
siderurgia.

No setor sucroalcooleiro, o benzeno é utilizado para a produção do álcool anidro. As


destilarias de álcool anidro são responsáveis pelo maior consumo identificável de
benzeno, excluindo-se as atividades de síntese acima referidas ( ).

Há a possibilidade de se encontrar benzeno em concentrações acima do permitido por lei


em solventes e produtos formulados utilizados em indústrias gráficas, de calçados e
couros, de tintas e vernizes, em oficinas mecânicas e serviços de pintura( ).

Finalmente, o benzeno também pode ser encontrado na gasolina automotiva e em


outros combustíveis como impureza ou componente de misturas carburantes, ampliando
o espectro de exposições ocupacionais e não-ocupacionais.
3.2. Toxicologia

Nas exposições ao agente, a principal via de absorção é a respiratória, podendo também


ocorrer penetração no organismo por via cutânea. Uma vez absorvido, é eliminado em
cerca de 50% pelos pulmões, mas uma parte é metabolizada ou acumulada
principalmente em tecidos com alto teor de lipídios.

O metabolismo do benzeno ocorre predominantemente no fígado. Os principais


metabólitos do benzeno no homem são o fenol, o catecol e a hidroxiquinona, que são
normalmente eliminados na urina. Estudos sugerem efeitos interativos entre metabólitos
do benzeno formados no fígado e a medula óssea.

3.2.1 Indicadores biológicos de exposição ao benzeno

Os produtos de biotransformação que podem ser utilizados como indicadores biológicos


de exposição ao benzeno, observadas as suas especificidades para interpretação dos
resultados, são:

a) Fenol

Os estudos sobre as possibilidades de utilização do fenol e de seus conjugados,


glicurônico e sulfato, na avaliação dos níveis de exposição ao benzeno, foram indicados
na década de 50. Isso porque o fenol é quantitativamente o principal produto de
biotransformação do benzeno (cerca de 13%). Determinação do fenol na urina é pouco
específica e está em condições de selecionar somente grupos de indivíduos expostos a
valores de concentração média ambiental de benzeno em torno de 10 ppm ou
superiores.

Pode ser empregado quando se quer avaliar o nível de absorção em trabalhadores que
se expuseram acidentalmente a altas concentrações de benzeno (OSHA/1991). Estima-
se que no trabalhador exposto ao benzeno na concentração de 10 ppm no ar por oito
horas, a urina poderia apresentar um nível de fenol entre 45 a 50 mg/ml quando usada
a cromatografia de fase gasosa observada a correção por grama de creatinina.

Deve-se ter em mente que a ingestão de determinadas substâncias como salicilatos,


álcool e certos alimentos como aspargos, tubérculos ou certas condições que favorecem
o aparecimento de degradação bacteriana intesti-
nal, proporcionam um aumento na excreção de fenol na urina. Portanto, em baixas
concentrações, o fenol revela-se pouco sensível e inespecífico para indicar a exposição
ao benzeno.

b) Catecol, quinol e triidroxibenzeno

O triidroxibenzeno (1, 2, 4 benzenotriol) é um produto de biotransformação secundário


(cerca de 0,5%) e se mostra mais específico que o catecol ou o quinol. A exposição ao
tolueno interfere na excreção do quinol e do triidroxibenzeno, enquanto o catecol é
menos influenciado.
c) Ácido trans-transmucônico

Na biotransformação do benzeno, cerca de 19% do anel benzênico sofre processo de


abertura, dando origem ao ácido trans-transmucônico precedido pela transformação do
muconaldeído. É um produto muito ativo com potencialidade mutagênica e em
condições de dar origem a um ou mais diepóxidos análogos ao diepoxibutano.

Algumas pessoas consideradas não expostas, além dos fumantes, apresentam ácido
trans-transmucônico na urina em níveis comparáveis às pessoas expostas entre 1,6 a
2,5 ppm de benzeno.

Acredita-se, contudo, que a determinação do ácido trans-transmucônico pode avaliar


exposição de benzeno em concentrações abaixo de 1 ppm.

Este método é considerado de boa sensibilidade, especificidade e de simples execução. É


o que está sendo empregado na Alemanha e entre nós em algumas empresas
produtoras de benzeno.

d) Ácido fenilmercapitúrico

Este ácido é formado a partir do benzeno epóxido e sua eliminação urinária é em torno
de 2%. É um indicador biológico promissor para exposição a baixas concentrações de
benzeno, mas requer estudos mais aprofundados.

e) Fenilguanidina

A utilização da fenilguanidina na urina está baseada na premissa de que este indicador


possa estimar o risco carcinogênico do benzeno no homem. São necessários estudos
mais minuciosos.

f) Pesquisa do próprio benzeno

f.1) Benzeno no ar expirado: é um dos indicadores propostos pela American Conference


of Governmental Industrial Hygienists (ACGIH) e tem valores médios já estabelecidos
para o ar expirado (0,08 ppm) e para o ar alveolar (0,12 ppm) coletados antes do
próximo turno de trabalho (relativo ao nível de contaminação de 10 ppm de benzeno).
Fumantes que consomem cerca de 20 cigarros por dia eliminam cerca de seis vezes
mais benzeno que indivíduos não expostos ao agente - benzeno. Isso pode interferir nos
resultados.

f.2) Benzeno no sangue: as técnicas disponíveis são sensíveis. São utilizadas em alguns
países europeus. Há que se tomar cuidado com a rápida eliminação do benzeno.

f.3) Benzeno na urina: é um indicador de exposição recente, usado para baixa


concentração de exposição ( < ou = a 1ppm).

No presente, apenas o ácido trans-transmucônico e fenilmercapitúrico são utilizados


como indicadores biológicos de exposição ao benzeno.
Até o momento em nosso meio, não se dispõe de indicador adequado para avaliar a
dose absorvida de benzeno em indivíduos expostos a baixas concentrações
ocupacionais.

3.2.2. Efeitos do benzeno à saúde:

O efeito mais grave do benzeno sobre a medula é a sua depressão generalizada, que se
manifesta como redução de eritrócitos, granulócitos, trombócitos, linfócitos e monócitos.
Por outro lado, há relação causal comprovada entre a exposição ao benzeno e a
ocorrência de leucemia. A mais comum é a leucemia mielóide aguda e suas variações,
entre elas a eritroleucemia e a leucemia mielomonocítica. Não se sabe ao certo se há
relação entre este quadro e o de aplasia da medula decorrente da exposição ao
benzeno. Os principais efeitos do benzeno podem ser enumerados a seguir.

3.2.2.1. Efeito mielotóxico: são referidos três mecanismos fundamentais de


mielotoxicidade do benzeno ( ) :

a) depressão das células progenitoras primitivas e indiferenciadas (steam cells);

b) lesão do tecido da medula óssea;

c) formação clonal de células primitivas afetadas, decorrente de danos cromossômicos


dessas células.

3.2.2.2. Efeito imunotóxico: as manifestações imunológicas da toxicidade do benzeno


estão relacionadas aos efeitos na medula óssea, que provocam alterações na imunidade
humoral e celular.

3.2.2.3 Efeito carcinogênico: o fato de o benzeno ser um agente leucemogênico para o


ser humano está bem estabelecido por estudos epidemiológicos, a maioria deles
relacionada com exposição industrial. A International Agency for Research on Cancer -
IARC (Agência Internacional de Pesquisa de Câncer, da Organização Mundial da Saúde,
com sede em Lyon, França) e a National Institute for Occupational Safety and Health -
NIOSH (Agência Norte-Americana de Saúde e Segurança Ocupacional) o incluem em
suas listas de produtos cancerígenos. Dentre os cânceres, as leucemias são as mais
freqüentes e dentre elas as mais comuns são as agudas. Há estudos correlacionando
diversos tipos de leucemia com intoxicação crônica por benzeno: leucemia mielóide
aguda, leucemia linfóide aguda, pré-leucemia, eritroleucemia aguda, leucemia
indiferenciada aguda e leucemia pré-mielocítica. Há também estudos relacionando as
leucemias mielóide e linfóide crônica, bem como o mieloma múltiplo e o linfoma de
Hodgkin com exposição ao benzeno.

Também no Brasil, a ação cancerígena do benzeno foi reconhecida oficialmente a partir


de 1994, pela Portaria SSST Nº 3, de 10 de março de 1994. A sua capacidade de
provocar danos cromossômicos e à medula óssea já foram amplamente demonstrados
em humanos e animais. Foram observadas alterações cromossômicas numéricas e
estruturais em linfócitos e células da medula óssea de trabalhadores expostos ao
benzeno. É possível fazer uma avaliação de danos cromossômicos através de técnicas
citogenéticas. As principais alterações descritas são:

a) alterações numéricas: trissomia, monossomia e poliploidia;

b) alterações estruturais: cromossomos dicêntricos e fragmentos acêntricos.

c) aumento de intercâmbio entre segmentos de cromátides irmãs (ISC);

d) aumento do número de cromossomos do grupo C;

e) perda de material cromossômico (clastogênese);

f) cariótipo pseudodiplóide.

No entanto, não foi ainda possível acompanhar os vários estágios da carcinogênese que
permitiriam revelar o seu mecanismo de ação.

3.3. Epidemiologia

O registro de casos de intoxicação por benzeno no País é relativamente baixo e


localizado. Entre os fatores que influenciam esses dados, destacam-se as dificuldades
diagnósticas, a subnotificação e o sub-registro de casos, bem como a fragmentação e a
dispersão dos serviços de saúde responsáveis pelo diagnóstico e pela investigação em
trabalhadores suspeitos de exposição.

4. QUADRO CLÍNICO

4.1. Intoxicação Aguda

Os casos de intoxicação aguda por benzeno apresentam correlação importante entre a


intensidade da exposição e a gravidade do caso. Exposições a doses significativas de
benzeno podem levar à morte. São referidos casos de suicídio por ingestão oral de
aproximadamente 20g de benzeno, bem como casos fatais em exposições com
concentrações ambientais em torno de 20.000 ppm. durante aproximadamente cinco
minutos.

Altas concentrações de benzeno podem provocar estímulos iniciais no Sistema Nervoso


Central (SNC) com quadros importantes de excitação nervosa, náuseas e cefaléia,
seguidos de depressão, fadiga e vertigem. Em casos graves pode ocorrer a perda da
consciência, convulsões, arritmia cardíaca e parada respiratória, que podem ser fatais.
Se a vítima sobrevive, após a crise aparecem a cefaléia, zumbido, nistagmo, dispnéia e
sinais gerais de fraqueza e mal-estar. Autopsias de casos fatais têm mostrado
hemorragia massiva em todos os órgãos, além da presença generalizada do benzeno,
principalmente no tecido gorduroso e cérebro. As intoxicações leves são rapidamente
reversíveis, não havendo evidência de seqüelas.

4.2. Intoxicação Crônica

Os principais efeitos da exposição crônica ao benzeno estão relacionados à sua ação


hematotóxica e carcinogênica. São também importantes as alterações equivalentes às
provocadas por exposição a solventes em geral, em especial os efeitos sobre o SNC, que
podem se manifestar através de achados variáveis, vagos e inespecíficos, como fadiga
intensa, sonolencia, cefaléia, tontura, vômitos, perda de apetite, lesões dermatológicas
e gastrointestinais de difícil caracterização.

4.2.1. Alterações hematológicas e depressão de medula

As alterações hematológicas são variáveis e dificilmente seguem um mesmo padrão,


sendo o efeito principal a supressão de um ou mais elementos do sistema
hematopoiético.

A depressão da medula óssea conseqüente à hematoxicidade do benzeno pode provocar


um amplo espectro de discrasias sangüíneas, que incluem: granulocitopenia,
trombocitopenia, pancitopenia, linfocitopenia e anemia. É usual a instalação inicial de
um quadro de anemia, leucopenia ou trombocitopenia, seguido de pancitopenia e, em
casos extremos, de anemia aplástica.

As alterações são do tipo quantitativo e qualitativo e podem ocorrer em uma ou mais


séries. Na experiência brasileira, a leucopenia e a neutropenia têm sido as alterações
mais observadas.

4.2.2. Ação cancerígena do benzeno

O benzeno é um agente leucemogênico bem estabelecido. Dentre os cânceres, as


leucemias são as mais freqüentes e dentre elas as mais comuns são as agudas. Há
estudos correlacionando diversos tipos de leucemia com intoxicação crônica por
benzeno, conforme ítem 3.2.2.3.
5. DIAGNÓSTICO

Quanto ao diagnóstico da intoxicação crônica por benzeno, deve-se considerar que:

a) o benzeno é um mielotóxico regular, leucemogênico e cancerígeno;

b) existe ação pouco conhecida sobre diversos sistemas (ex: endocrinológico,


imunológico, etc.);

c) não existem sinais ou sintomas patognomônicos da intoxicação crônica;

d) não existe um "padrão de normalidade" hematimétrico para grupos expostos. O


"padrão normal" é o do próprio indivíduo;

e) para efeito de screening (investigação populacional ou epidemiológica) e diagnóstico,


o hemograma completo (com contagem de plaquetas) é o exame complementar
disponível, porém de baixa especificidade.

5.1. Investigação para o diagnóstico

O protocolo de investigação e determinação do dano em expostos ao benzeno deve


conter as seguintes informações e procedimentos:

a) confirmação da exposição do trabalhador ao benzeno, através de:

a.1) história ocupacional;

a.2) vistoria ao local de trabalho suspeito;

a.3) levantamento das concentrações de benzeno nos locais de trabalho;

a.4) relato de outros casos semelhantes.

As informações devem detalhar a forma, a concentração do agente e o tempo de


exposição do trabalhador;

b) história clínica atual e pregressa, interrogatório dos diversos aparelhos e exame físico
completo, incluindo a história do uso de medicamentos potencialmente mielotóxicos, tais
como cloranfenicol, dipirona, fenilbutazona, antidepressivos e outros, bem como o
levantamento de antecedentes pessoais e familiares ( por exemplo, alcoolismo,
tabagismo, hereditariedade, etc.);

c) levantamento dos dados hematológicos de que dispõe o trabalhador, que servirão


como base para comparação;

d) exames laboratoriais de rotina:

d.1) hemograma completo, com análise quantitativa e qualitativa das três séries
sanguíneas e contagem de reticulócitos e velocidade de hemosedimentação (VHS);

d.2) na ausência da série histórica, realizar três hemogramas com intervalos de 30 dias;

d.3) enzimas hepáticas: transaminase oxaloacética (TGO), transaminase pirúvica (TGP),


gama glutamil transferase (g GT) e bilirrubinas;

A Biópsia de Medula Óssea - BMO é um exame sensível e especializado. A sua indicação


é precisa e deve limitar-se aos casos em que concorram diversas causas possíveis, com
a finalidade precípua de esclarecer o quadro clínico, ou na presença de manifestações de
evolução desfavorável.

A realização da BMO e a interpretação dos achados hemohistocitológicos devem ser


feitas por profissional capacitado, treinado para o estabelecimento de diagnóstico
diferencial. A sua realização depende da aprovação do paciente. Não deve ser
compulsoriamente solicitada para efeitos legais, sendo um exame complementar ao
raciocínio clínico do médico assistente.

e) outros exames como testes de mutagenicidade, imunológicos e


neurocomportamentais podem ser solicitados a critério do médico assistente.

5.2. Parâmetros Clínicos e Laboratoriais

Antes das considerações que se seguem, é importante frisar que não existem sinais
patognomônicos da intoxicação crônica pelo benzeno. As alterações apontadas a seguir
são encontradas em indivíduos cronicamente expostos ao benzeno, não significando,
porém, em hipótese alguma, que o seu achado seja indicativo de tal diagnóstico.

5.2.1. As alterações quantitativas como as citopenias isoladas (anemia, leucopenia,


neutropenia) e as citopenias combinadas, as pancitopenias e a leucocitose podem ser
consideradas sinais hematológicos periféricos de efeito da exposição ao benzeno.

5.2.2. As alterações qualitativas como a macrocitose, o pontilhado basófilo, a


hiposegmentação dos neutrófilos (anomalia de Pelger) e a presença de macroplaquetas
também podem aparecer como sinais precoces de tais efeitos.

5.2.3. O aumento do volume corpuscular médio e a diminuição dos linfócitos podem


aparecer como alterações precoces na intoxicação crônica pelo benzeno. Estas
alterações podem ser mascaradas por problemas técnicos de análise hematimétrica ou
por outras intercorrências clínicas comuns na população trabalhadora, o que merece
uma investigação de diagnóstico diferencial para sua melhor interpretação.

5.2.4. A neutropenia periférica tem sido o sinal de efeito observado com maior
freqüência entre os trabalhadores expostos ao benzeno.

5.2.5. O hemograma não é um exame próprio para a detecção de alterações precoces. É


um instrumento laboratorial que pode sugerir alterações de hematopoiese em casos de
intoxicação crônica por benzeno. O valor de normalidade para fins de comparação deve
ser o do próprio indivíduo em período anterior ao do trabalho em atividades que o
exponha a agentes mielotóxicos e, na ausência deste dado, será considerado o valor do
exame admissional . Estes valores devem ser considerados como referência de
normalidade, sendo que na falta dos mesmos, recomendam-se os valores mais
preventivos segundo Wintrobe’s (Clinical Hematology; 9th editions; 1993) .

5.2.6. Os hemogramas são instrumentos auxiliares no diagóstico, devendo ser


relacionados com o quadro clínico e anamnese ocupacional. Sua utilização para o
diagnóstico da intoxicação crônica por benzeno deve estar sempre associada a esses
dados.

5.2.7. As possíveis variações nos hemogramas devem ser levadas em consideração,


assim como as características individuais de cada trabalhador. Para tanto, a série
histórica de hemogramas de cada indivíduo deve ser valorizada como referência
principal.

5.2.8. A ação do benzeno sobre a medula óssea pode afetar qualquer uma das
linhagens, quantitativa e qualitativamente. As alterações observadas no sangue
periférico dependerão do complexo sistema de hematopoese e da reserva funcional da
medula óssea, até um limite cuja compensação não seja mais possível. Trabalhadores
expostos ao benzeno e com neutropenia periférica podem apresentar alterações
medulares, tanto quantitativas como qualitativas, em especial a presença de
hipocelularidade no setor granulocítico.

Na fase precoce da intoxicação, não há relação direta da intensidade das alterações


observadas na medula óssea e a expressão hematimétrica do sangue periférico.

Como alteração quantitativa no tecido hematopoéitico pode-se encontrar a


hipocelularidade granulocítica e como alterações qualitativas as atipias megacariocíticas.
Dada a ação mielodisplásica do benzeno, devem ser observadas as alterações seletivas :

Síndrome mielodisplásica(MDS);

Síndrome mielodisplásica trilinear (MDST);

População de células imaturas na medula óssea (ALIP).

A presença de necrose, edema, hemorragia intersticial, fibrose e aumento de células


inflamatórias e fibras de reticulina na medula óssea constituem sinais que devem ser
valorizados.

5.3. Diagnóstico Diferencial

O diagnóstico diferencial das discrasias sanguíneas induzidas pela intoxicação pelo


benzeno deve incluir::

a) pesquisa de outras causas de anemia, sendo a ferropriva a mais comum;

Nas anemias megaloblásticas por deficiência de ácido fólico e vitamina B12, a


neutropenia também podem ser observada.

b) doenças auto-imunes como, por exemplo, o lupus eritematoso sistêmico, onde é


comum a neutropenia;

c) doenças que produzem esplenomegalia congestiva e hiperesplenismo, sendo a


esquistossomose mansônica a mais freqüente em nosso meio;

d) uso/abuso de medicamentos em indivíduos predispostos. Neste caso, a lista de


drogas implicadas é extensa e inclui analgésicos, fenotiazinas, antitireoidianos,
anticonvulsivantes, antidiabéticos, sulfonamidas, anti-histamí-nicos, antibióticos,
tranqüilizantes, uso de colchicina, além de outros. Isto depende da sensibilidade
individual;

e) alcoolismo;

f) síndromes neutropênicos idiopáticos familiares e raciais;

g) outras mielodisplasias.

As leucopenias e neutropenias devem ser interpretadas como indicadores da


necessidade de pesquisa e de acompanhamento do indivíduo.
É claro que o achado de sinais periféricos de depressão medular deve estar condicionado
à exposição ao benzeno para que o nexo causal seja estabelecido, porém, deve-se ter
em mente a possibilidade de ocorrência de doenças concomitantes.

6. TRATAMENTO E CONDUTA

Não existe tratamento medicamentoso específico para os casos de intoxicação crônica


pelo benzeno. Em casos de suspeita ou confirmação da intoxicação, o afastamento da
exposição deve ser imediato. As intercorrências clínicas devem ser tratadas com
precocidade. As perturbações de ordem psíquica e sociais causadas ao indivíduo devem
merecer atenção especializada.

7. PROGNÓSTICO

7.1. É possível a reversão do quadro hematológico periférico que pode ocorrer após um
período longo do afastamento da exposição. De acordo com a experiência nacional, o
tempo mediano encontrado em estudo de coorte em casuística de Cubatão foi de cinco
anos (Augusto, L.G.S., 1991). Todas as pessoas expostas e que manifestaram
alterações hematológicas devem ter acompanhamento médico e devem ser
consideradas suscetíveis, não se permitindo, portanto, a sua reexposição.

7.2. A reversão das alterações periféricas para níveis hematimétricos normais não exclui
a possibilidade de evolução para o agravamento, como a manifestação de hemopatias
malignas ou anemias aplásticas tardias.

7.3. Mesmo após a remissão das alterações hematológicas periféricas ou de outras


manifestações clínicas, os casos deverão ser acompanhados clínica e laboratorialmente
de forma permanente, através de serviços competentes (assistencial e preventivo).

8. PREVENÇÃO

Considerando-se as características do produto como toxicidade e carcinogenicidade, as


ações preventivas são as que se apresentam como sendo de maior relevância na
proteção da saúde. Assim, o ambiente e o processo de trabalho devem assegurar
sempre a menor exposição ocupacional possível.

Medidas de proteção coletiva adotadas no processo de trabalho, minimizando ou


extinguindo o agente, e medidas de proteção individual contribuem decididamente na
prevenção da intoxicação.

A avaliação quantitativa do nível de benzeno no ar, associada à dosimetria individual de


exposição e a análise do Índice Biológico de Exposição (IBE) em grupos homogênios de
risco de exposição são ferramentas importantes quando se objetiva o controle da
exposição.

Muitas das metodologias para tais propósitos estão na Portaria 14, de 20 de dezembro
de 1995, da Secretaria de Segurança e Saúde do Trabalho-SSST/MTb, em seu Anexo
13. A e na Instrução Normativa - IN-01, as quais, juntamente com a IN-02, auxiliam no
controle, prevenção e detecção precoce de agravos à saúde causados pela exposição
ocupacional ao benzeno.

Sendo detectadas alterações hematológicas qualitativas ou quantitativas, conforme ítens


5.2.1 e 5.2.2, o trabalhador deve ser necessariamente afastado do risco e reavaliado
pelo Programa de Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno - PPEOB, mesmo
não se firmando o diagnóstico de Benzenismo.

9. A NOTIFICAÇÃO

A notificação tem por objetivo o registro dos casos de Benzenismo.

Sendo confirmado o diagnóstico de Benzenismo, deve ser emitida a Comunicação de


Acidente do Trabalho (CAT), mesmo nos casos que não acarrete incapacidade
laborativa, para fins de registro e não necessariamente para o afastamento do trabalho.

10. SUGESTÕES - RECOMENDAÇÕES

Levando-se em consideração a complexidade e a importância do problema, seria


desejável a abordagem do mesmo através de ações coletivas de todos os agentes
envolvidos, desde o próprio segurado, a empresa, instituições e sindicatos, dentro de
suas atribuiç;ões tais como:

a) Pela empresa, médico do trabalho ou médico responsável pelo Programa de Controle


Médico de Saúde Ocupacional-P.C.M.S.O. (Portaria 14, de dezembro de 1.994 do MTb):

Considerando que são os responsáveis diretos pela saúde do trabalhador no aspecto


preventivo e as particularidades que envolvem a presente doença, requerendo uma
pronta intervenção com a identificação do risco, às primeiras exposições e às primeiras
alterações e sintomatologias:

a.1) identificar as áreas de risco da empresa, com descrição detalhada dos postos de
trabalho com as tarefas pertinentes a cada função, incluindo a descrição detalhada das
ferramentas e ciclos do trabalho, tomando por base o Código Brasileiro de Ocupações-
CBO, informar os responsáveis e, lembrando o perfil epidemiológico da doença e,
sobretudo, do disposto na NR5 ( CIPA/ Mapa de Risco ), NR7(PCMSO), NR 09(PPRA) e
NR15;

a.2) acompanhar cuidadosamente os trabalhadores submetidos ao risco de exposição ao


benzeno: sendo detectada a exposição, afastar de imediato do risco, procurando
minimizar ou eliminar tal condição, através do PPEOB;

a.3) sendo confirmado diagnóstico de benzenismo, deve ser emitida a Comunicação de


Acidente de Trabalho-CAT

a.4) com o diagnóstico de benzenismo, mesmo não acarretando incapacidade para o


trabalho, o trabalhador deve ter a sua CAT emitida e registrada e afastado do risco de
esposição, não necessariamente afastado de suas funções laborativas; o ambiente de
trabalho e o risco de exposição ao benzeno devem ser controlados de modo que o
trabalhador possa dar continuidade às suas funções sem prejuízo adicional a sua saúde,
até mesmo com o seu afastamento do risco de exposição, o que não significa
afastamento do trabalho;

a.5) quando da emissão da CAT, o Laudo do Exame Médico (LEM) deve ser preenchido
detalhadamente pelo médico que firmou o diagnóstico, com informações úteis para a
caracterização do benzenismo;

a.6) a minimização e a solução do problema serão obtidas pela prática de medidas


preventivas nos locais e postos de trabalho, que é de responsabilidade da empresa;

a.7) o médico do trabalho deverá manter atualizados os dados referentes às condições


de saúde do empregado, principalmente no que tange às patologias ocupacionais;

Tal procedimento protelará a instalação do quadro inicial, podendo levar, em futuro


próximo a uma diminuição substancial da incidência e prevalência de tal doença,
comprovando uma ação profissional e ética dos agentes envolvidos e isentando-os de
possíveis repercussões no âmbito das responsabilidades legais.

b) Pela Delegacia Regional do Trabalho-DRT (D.O.U.)

Considerando a intoxicação crônica pelo benzeno como resultado do desajuste no


sistema homem/trabalho, a atuação preventiva das DRT, fiscalizando o cumprimento
dos dispositivos legais, identificando, propondo soluções e aplicando penalizações, tem
importância fundamental na abordagem preventiva e interinstitucional da questão.

São suas atribuições:

b.1) coordenar a execução das atividades relacionadas com a segurança, higiene e


medicina do trabalho e prevenção de acidentes nas áreas urbanas e rurais, em âmbito
estadual;

b.2) proporcionar as condições necessárias para os trabalhos de pesquisas regionais, na


área de segurança e saúde do trabalho, nas empresas que mais contribuem com os
índices de acidentes do trabalho;

b.3) designar engenheiro ou médico do trabalho mediante solicitação do Serviço de


Relações do Trabalho, para participar das negociações;

b.4) programar as atividades de inspeção de segurança e saúde do trabalho;

b.5) propor intercâmbio com os órgãos do poder público, entidades privadas, em nível
estadual e municipal, objetivando a elaboração dos programas de segurança e saúde do
trabalho;

b.6) promover métodos capazes de integrar as ações de inspeção de segurança e saúde


do trabalho, no âmbito estadual;

b.7) permutar informações sobre métodos, técnicas e processos utilizados em matéria


de higiene, segurança e saúde do trabalho;

b.8) fornecer dados para a elaboração de normas urbana e rural sobre higiene,
segurança e medicina do trabalho;

b.9) inspecionar o cumprimento das normas regulamentadoras do Ministério do


Trabalho;

b.10) orientar e supervisionar a alimentação do trabalhador, bem como levantar as


condições de alimentação nos estabelecimentos;

b.11) realizar o cadastramento das empresas inspecionadas, com anotações das


notificações, infrações e perícias, bem como elaborar quadros estatísticos;

b.12) acompanhar as atividades de inspeção de segurança e saúde do trabalho.

b.13) analisar e registrar a documentação referente às normas relativas à higiene,


segurança e saúde do trabalho;

b.14) colaborar nas Campanhas de Prevenção de Acidentes do Trabalho;

b.15) propor adequação dos procedimentos administrativos, segundo critérios de


funcionalidade, simplificação e produtividade;

b.16) cadastrar as CIPA’s, SESMT’s, caldeiras e cursos de treinamento referentes à


higiene, à segurança e à saúde do trabalho colaborando efetivamente na melhoria das
relações homem/trabalho;

c) Pelo segurado:

Considerando o segurado como centro de atenção em matéria da relação


indivíduo/trabalho e principal interessado na manutenção da saúde do trabalhador, este
deverá:

c.1) procurar imediata atenção médica ao sentir qualquer sintoma de anormalidade em


sua saúde;

c.2) cumprir o tratamento clínico prescrito e atender com presteza às solicitações do


médico assistente;

c.3) sabendo do risco inerente à sua atividade, evitar outras exposições concomitantes e
horas-extras, obedecendo às determinações emanadas de acordos coletivos e/ou
dissídios, quanto ao seu limite de horário e cumprir as normas de segurança da
empresa;

c.4) descrever com detalhes e precisão suas atividades na empresa e fora dela;

c.5) acatar todas as determinações do INSS, para fins de benefícios previdenciários;

c.6) manter os trabalhadores em atividades/condições de risco de exposição ao


benzeno, em qualquer das formas (substância pura ou em misturas (por exemplo, BTX),
no estado líquido ou gasoso), informados do risco decorrente da exposição em qualquer
quantidade, haja vista a toxidade da substância, e dos cuidados a serem observados nas
atividades e a observância das medidas de prevenção e controle;

Conscientizando-se de que a manutenção e a recuperação de sua saúde dependem de


sua efetiva colaboração em todos os níveis de atenção à saúde do trabalhador.

d) Pelo INSS:

Considerando a necessidade de atender prontamente à concessão de benefício por


incapacidade laborativa, quando justa, e a necessária preocupação com os aspectos
preventivos:

d.1) capacitar e conscientizar a Perícia Médica para o estabelecimento de critérios


uniformes para reconhecimento de doençass ocupacionais e avaliação das incapacidades
laborativas;

d.2) agilizar as medidas necessárias para recuperação e/ou reabilitação profissional nos
casos pertinentes, evitando a evolução das lesões, com ônus desnecessários ao sistema
previdenciário e seus segurados;

d.3) reconhecer que um dos principais fatores contributivos para o aparecimento dessa
doenças é a inadequação do sistema e dos métodos de trabalho, podendo ser
decorrentes do descumprimento das determinações contidas na NR-7, NR-9 e NR-15, e
fazer gestões para reverter tal situação;

d.4) orientar o segurado e a empresa quanto às suas responsabilidades decorrentes de


benefícios indevidos, motivados por fatores extra-doença incapacitante;

d.5) evitar o ônus decorrente de diagnósticos imprecisos e mal conduzidos que levam a
extensão do benefício acidentário para doenças que fogem à natureza desta questão;

d.6) exigir o correto preenchimento das documentações encaminhadas para o Instituto,


especialmente o campo referente às informações médicas do LEM ou relatório médico
circunstanciado;

d.7) estabelecer gestões para corrigir distorções existentes no fluxo dos


encaminhamentos de segurados para o sistema;

d.8) garantir o direito a recurso dentro dos prazos legais estabelecidos;

d.9) fiscalizar o cumprimento das medidas preventivas recomendadas;

d.10) realizar as ações regressivas pertinentes;

Contribuindo de forma efetiva à integração dos agentes e instituições envolvidos na


saúde do trabalhador.

e) Pelo sindicato da categoria (Contituição Federal, C.L.T.):

É importante a presença atuante da representação sindical em defesa de seus


associados, para o aprimoramento das relações capital/trabalho, priorizando o bem-
estar e integridade do seu elemento mais nobre, o ser humano, por meio das melhorias
nas condições de trabalho.

e.1) ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos e individuais da


categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas;

e.2) é assegurada a participação dos trabalhadores e empregadores nos colegiados dos


órgãos públicos em que seus interesses profissionais ou previdenciários sejam objeto de
discussão e deliberação;

Atuando mais efetivamente nos aspectos voltados ao cumprimento de medidas


preventivas pelas empresas na questão da saúde do trabalhados, colaborando na
mudança das relações homem/trabalho.

f) Pelo Sistema Único de Saúde (SUS) (Lei 8.080/90):

Considerando a natureza e a importância dos aspectos de vigilância e controle em


matéria de saúde no trabalho e o pronto atendimento nos casos acometidos pela
doença, e em busca do restabelecimento, o mais breve possível, das condições de saúde
do trabalhador:
À Direção Nacional do Sistema de Saúde - SUS compete:

participar na formulação e na implementação de políticas:

de controle das agressões ao meio ambiente;

de saneamento básico;

relativas às condições e ambientes do trabalho.

definir e coordenar os sistemas:

de vigilância epidemiológica;

vigilância sanitária

participar das definições das normas e mecanismos de controle, com órgãos afins, de
agravo sobre o meio ambiente ou dele decorrentes, que tenham repercussão na saúde
humana;

participar da definição de normas, critérios e padrões para o controle das condições e


dos ambientes de trabalho e coordenar a política de saúde do trabalhador;

coordenar e participar na execução das ações de vigilância epidemiológica;

promover articulação com os órgãos educacionais e de fiscalização do exercício


profissional, bem como com entidades representativas de formação de recursos
humanos na área de saúde;

prestar cooperação técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios
para o aperfeiçoamento de sua atuação institucional

promover a descentralização para as Unidades Federadas e para Municípios, de serviços


e ações de saúde, respectivamente, de abrangência estadual e municipal;

acompanhar, controlar e avaliar as ações e os serviços de saúde, respeitadas as


competências estaduais e municipais.

elaborar o Planejamento Estratégico Nacional no âmbito do SUS, em cooperação técnica


com os Estados, Municípios e Distrito Federal.

BIBLIOGRAFIA

BENZENISMO - Norma Técnica sobre Intoxicação ao Benzeno - Coordenação-Geral de


Serviços Previdenciários Divisão de Perícias Médicas do INSS, Brasília, DF, 1993.

ACORDO e Legislação sobre Benzeno - Ministério do Trabalho -Fundacentro, São Paulo -


1996.

AKSOY, M: Benzene as leukemogenic and carciogenic agent. Am. Journal of Industrial


Medicine, 8: 9-20, 1985.

AKSOY, M: Leukaemia in workers due to occupational exposure to benzene. New


Istanbul Contr. Clin. Sci., 12: 3-14,1977.

AUGUSTO, L.G.S.: Benzolinismo em uma siderúrgica. Rev. Bras. de Saúde OCC. Seg.,
10: 153-187, 1996.

AUGUSTO, L.G.S.: Estudo longitudinal e morfológico (medula óssea) em pacientes com


neutropenia secundária à exposição ocupacional crônica ao benzeno. Dissertação de
Mestrado em Medicina. Unicamp, 1991.

BROWING, K : Toxicity and metabolism of industrial solvents. Elsevier, 1995.

BUSCHINELLI, J.T.P. e Sato, M: Monitoramento biológico da exposição a agentes


químicos. São Paulo, Fundacentro, 1989.

CODY, R.P. : Strauderm, W.W.; Kipen, H.M.: Hematologic effects of Benzene. J. Occup.
Med, 33: 776-82, 1993.

CONCAWE - The oil companies - European Organization for Enviromental and Health
Protection. CONCAWE, 1990, annual report. Rep nº 1. Brussels. 1991.

DANKAWART, R; Scherer,G.; Schaller, K.H.: Trans-Trans-Muconic acid as a biomaker for


an occupacionally and environmentally caused benzene exposure in 24 tH Internacional
Congress on Occupational Health. Nice, 1993.

DELORE, P e Borgomano, C: Leucemie aigue au cours de l’intoxication benzénique sur


l’origine toxiquide certaines leucémies aigues et leurs relatioons avec les anémies
graves. J. Med Liyon 9; 227-33; 1928.

DRUMOND, L e cols; Biological monitoring of workers exposed to benzene in the coke


oven industry. Br. J. Industrial Medicine 45; 256-61; 1986.

IARC - International Association for Research in Cancer Benzene. Monographs on the


evaluation of carcinogenic risk of chemicals to humans. Vol 29. IARC. Lyon; 1982.

IPCS - International Programme on Chemical Safety - Envirnmental Health Criteria 150 -


Benzene; WHO-OIT-UNEP-1993.

JOHNSON, E.S e Lucier, G: Perspectives on risk assessement impact of recent reports


on benzene; Am. J. Med., 21; 749-57, 1992.
MTb e MS. Ministério do Trabalho e Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 03,
de 28/04/82.

OSHA - Occupational Exposure to Benzene: Final Rule, 29 CFR Part 1910-Set 1987.

PATTY’S Industrial Hygiene and Toxicology; Wiley-Interscience Publications - 1978.

RUIZ, M.A – Estudo morfológico da medula óssea em pacientes neutropênicos da


indústria.

SIDERÚRGICA de Cubatão. Tese de doutoramento Unicamp - Campinas 1989.

SIMPÓSIO "Leucopenia" - Relatório e Conclusões. Bol. da Soc. Bras. de Hematologia.


1987.

SECRETARIA de Segurança e Medicina do Trabalho do MTb: Instruções Normativas nº 1


e nº 2 de 20/12/1995. Manual de Legislação. Atlas 33ª ed.

SOUTO, D.F e Lopes Netto, A : Embasamentos técnicos Vol II; Estudo sobre condições
de trabalho na Nitrocarbono - 55 págs. Camaçari; 1994.

SOUTO, D.F e Lopes Netto, A: Estudo sobre condições de trabalho no Estireno. Vol. I
págs. Cubatão; 1995.

SOUTO, D.F., Ferreira, N. S. e Lopes Netto, A: Trabalho sobre Benzenismo com


Promoção da ABMT, por solicitação da Divisão de Perícia Médica do INSS, novembro,
1996.

SEÇÃO II

NORMA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA INCAPACIDADE LABORATIVA

Procedimentos Administrativos e Periciais em Intoxicação Ocupacional pelo Benzeno

1. INTRODUÇÃO

1.1. Considerações Gerais


A presente atualização da Norma Técnica sobre Intoxicação Ocupacional pelo Benzeno
(Benzenismo), objetiva simplificar, uniformizar e adequar o trabalho do perito ao atual
nível de conhecimento da entidade e dar ao benzenismo a devida interpretação para fins
de benefício por incapacidade laborativa.

Lembramos que os benefícios por incapacidade são concedidos somente quando a


doença relacionada ao trabalho acarreta real incapacidade laborativa, ou redução da
capacidade laborativa do segurado em relação à sua atividade profissional habitual, ou
seja, não basta o diagnóstico de uma doença. É matéria do Seguro Social (INSS) a
repercussão da doença na capacidade laborativa (de auferir rendimentos por parte do
segurado); enquanto que a repercussão das condições do trabalho na saúde do
trabalhador é matéria perrtinente à Segurança e Saúde no Trabalho (Ministério do
Trabalho) e SUS (Ministério da Saúde).

São funções básicas da perícia médica tanto a avaliação da incapacidade laborativa


decorrente da doença de base, quanto a caracterização do nexo técnico para fins de
concessão de benefícios por incapacidade. O diagnóstico da doença de base, tratamento
e a prevenção cabem a outras entidades e serviços.

Nas várias doenças ocupacionais, o perito deve sempre ter em mente riscos ambientais
de trabalho, insuficiencia das ações preventivas nas empresas e, ocasionalmente,
inadequação dos cuidados com a saúde e dos sistemas de diagnósticos. Em vários casos
registrados no passado como benzenismo, não ficou bem esclarecido o nexo causal, pois
o critério utilizado foi, simplesmente, a existência de leucopenia ou neutropenia,
independentemente da consideração das séries históricas dos hemogramas.

1.2. Objetivos e Fundamentos

A necessidade de se estabeleceram critérios periciais com bases seguras para se colocar


o benzenismo no devido espaço das doenças ocupacionais e deslocar o enfoque
equivocado, que em passado recente levou os seus portadores a situações socialmente
indesejáveis, ensejou a procura pela atualização da norma técnica.

É oportuno lembrar que o bem jurídico no qual se centra a atenção do regime


reparatório dos acidentes e doenças ocupacionais não é tanto a integridade física ou
funcional, mas a integridade produtiva, isto é, o indivíduo enquanto portador de uma
determinada potencialidade de trabalho (rendimento); não basta, voltamos a repetir, a
existência da doença, mas sim a repercussão da doença em sua capacidade laborativa,
sendo esta a base da concessão dos benefícios por incapacidade do INSS, para a qual é
necessária uma atuação responsável e justa da Perícia Médica.

Para o profissional que se propõe a realizar o diagnóstico etiológico do benzenismo,


assume importância capital considerar a intensidade e a qualidade do agente, bem como
o modo de exposição e os critérios estabelecidos nesta atualização. Exposição não
significa apenas o simples contato com o agente e o hospedeiro. Em saúde ocupacional,
para que haja exposição, o contato deve acontecer de modo, tempo e intensidades
suficientes, sem proteção adequada. Este fato deve ser constatado, in loco, por quem
vai estabelecer o nexo causal, portanto o diagnóstico da doença ocupacional.

As situações de doentes sem manifestações clínicas incapacitantes e dos afastados do


risco de exposição preventivamente representam casos de redução de função orgânica e
não de incapacidade laborativa, ficando claro que não se enquadram nos requisitos de
concessão de benefícios por incapacidade laborativa.

É necessário resgatar a implícita responsabilidade médica na promoção da saúde, ou


seja, ao perito não basta o simples enquadramento ou não de um caso às normas legais
do INSS, no interesse do trabalhador, do INSS e da própria sociedade. O papel do
médico como perito está sendo ampliado, no âmbito da Previdência Social, ao participar
das ações preventivas e integradas relativas às demais instituições envolvidas com a
saúde do trabalhador.

2. PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E PERICIAIS

2.1. Emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT

2.1.1. Todos os casos com diagnóstico firmado de benzenismo devem ser objeto de
emissão de CAT pelo empregador, com o devido preenchimento do Laudo do Exame
Médico (LEM) ou relatório médico equivalente pelo médico do trabalho da empresa,
médico assistente (Serviço de Saúde Público ou Privado) ou médico responsável pelo
PCMSO, com descrição da atividade e posto de trabalho para fundamentar o nexo causal
e técnico.

Na falta de comunicação por parte do empregador, podem formalizá-la o próprio


acidentado, seus dependentes, a entidade sindical competente, o médico que a ele
assistiu ou qualquer autoridade pública, não prevalecendo, nestes casos, os prazos
legais.

Considerando a possibilidade de evolução natural da doença para um agravamento,


recidiva de sintomatologias incapacitantes, ou superveniência de complicações, o
empregador, nestas condições, deve emitir nova CAT em reabertura.

2.1.2. Encaminhar a CAT/LEM para o INSS:

Até o primeiro dia útil após a data do início da incapacidade;


b) Até o primeiro dia útil após a data em que for realizado o diagnóstico.

2.1.3. Recebendo a CAT, o Setor de Benefícios do INSS fará o registro e a


caracterização do nexo administrativo, devendo exigir o completo preenchimento de
todos os campos da CAT/LEM, sem prejuízo da conclusão posterior da Perícia Médica.

2.1.3.1. O nexo técnico só será estabelecido caso a previsão de afastamento, no Laudo


do Exame Médico, for maior que 15 dias (E-91), caso contrário, haverá apenas registro
(E-90: sem afastamento do trabalho ou E-99: com afastamento do trabalho até 15
dias).

A sugestão do tempo de afastamento deverá estar descrita no Laudo de Exame Médico,


e de modo algum vinculará a decisão pericial quanto ao período de benefício.

Nota: Os casos de simples registro de benzenismo, sem benefício de auxílio-doença


(E91), não implicará anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social ou Carteira
Profissional do segurado.

2.1.3.2. Caso haja recomendação de afastamento do trabalho por um período superior a


15 dias, o Setor de Benefícios do INSS encaminhará o segurado ao Setor de Perícias
Médicas para realização de exame pericial, a partir do 16º dia de afastamento.

2.1.4. Os trabalhadores avulsos, segurados especiais e médicos residentes deverão ser


encaminhados para realização de exame médico pericial a partir do primeiro dia útil do
afastamento do trabalho.

2.2. Conduta Pericial

O exame pericial é uma etapa fundamental no processo de concessão de benefícios por


incapacidade e da avaliação das seqüelas que podem decorrer do benzenismo.

O perito deve desempenhar suas atividades com ética, competência, boa técnica e
respeito aos dispositivos legais e administrativos, concedendo o que for de direito e
negando toda pretensão injusta e/ou descabida.

Deve-se atentar que a investigação diagnóstica nos casos de alterações hematológicas


precede a emissão da CAT/LEM, e que esta será conseqüência do diagnóstico firmado de
Benzenismo que se manifesta, por exemplo, como displasia medular e sua possível
expressão periférica (diagnóstico da patologia de base) devido à exposição crônica ao
Benzeno (caracterizando Benzenismo), estabelecendo-se aí o nexo causal entre a lesão
e o agente - Benzeno. E para fins de benefícios previdenciários por incapacidade, a
Perícia Médica deve estabelecer um segundo nexo de causa e efeito entre a doença
(Benzenismo) e o trabalho, denominado nexo técnico, isto é, se a fonte de Benzeno é do
trabalho do segurado, atual ou pregresso.

É fundamental que o processo pericial se inicie pela verificação atenta da CAT/LEM.


Aqui, várias informações de interesse pericial devem ser analisadas, principalmente
quanto ao relato de exposição ao benzeno ao longo da atividade do segurado. Deve-se
enfatizar que o diagnóstico da mielodisplasia ou de outra patologia conseqüente à
exposição ao Benzeno deve ser feito pelo médico e bem fundamentado no LEM
(baseados em dados laboratoriais como, por exemplo, série de hemogramas ou até
mesmo biópsia medular, se realizada).

São três as etapas de sua avaliação:

a) identificar e caracterizar as lesões/alterações de funções orgâncias;

b) avaliar a incapacidade laborativa;

c) correlacioná-las ao trabalho (nexo técnico).

Ao receber segurados que reivindicam benefício por doença ocupacional, neste caso de
benzenismo, o médico perito deverá assumir a conduta que se sugere.

2.2.1. Análise da CAT

A CAT/LEM é o elemento que trará, para o perito, informações do médico responsável


acerca das condições clínicas do examinado, bem como os fundamentos pelos quais o
médico firmou o diagnóstico de benzenismo ou da incapacidade laborativa. A CAT/LEM
deve conter elementos que não deixem dúvidas acerca do diagnóstico da doença de
base.

Poderão/deverão ser solicitadas ao médico responsável da empresa, informações


adicionais como:

a) História Ocupacional:

exposição a substâncias químicas;

uso de Equipamento de Proteção Individual – EPI;

medidas de proteção coletiva – EPC;

Antecedentes:

uso de medicações (especialmente as mielotóxicas);

doenças prévias (especialmente relacionadas às hematológicas);

condições patológicas atuais associadas;


Avaliação clínico-laboratorial:

descrição qualitativa das alterações laboratoriais;

presença de sintomas associados;

outras queixas, especialmente àquelas relacionadas com a doença de base;

Exame específico:

exame admissional /periódicos/demissional;

série hematológica, se houver;

outros exames complementares realizados.

2.2.2. Exame médico-pericial

O papel do perito ao analisar um caso de benzenismo será o de verificar se há ou não


incapacidade laborativa, bem como de caracterizar ou não o nexo técnico. A análise da
incapacidade laborativa reside principalmente na avaliação clínica do periciando, e visa
identificar sinais e sintomas presentes e capazes de reduzir a capacidade laborativa, não
devendo ficar restrita à análise de exames laboratoriais, inclusive, corrigindo a confusão
conceitual, ocorrida no passado, entre leucopenia (resultado de exame laboratorial) e
incapacidade laborativa.

As informações contidas na CAT/LEM e o exame clínico podem assim ser resumidos:

história clínica e ocupacional com anamnese dirigida para forma de contato com o
benzeno, tipo de função, atividades desenvolvidas, tempo de exposição, uso de
medicamentos potencialmente mielotóxicos (cloranfenicol, dipirona, fenilbutazona, entre
outros) e queixas sugestivas de intoxicação;

levantamento dos dados hematológicos de que dispõe o trabalhador (se for empregado,
solicitar exames realizados na empresa);

vistoria ao local / posto de trabalho suspeito, para verificação dados de levantamento


das concentrações de Benzeno nos locais de trabalho.

Geralmente, o perito não necessita de requisições de exames laboratoriais, uma vez que
a investigação diagnóstica é anterior à emissão da CAT/LEM e esta emissão deve
decorrer do diagnóstico firmado de benzenismo. Portanto, o periciando deve ter os
exames laboratoriais que fundamentaram o diagnóstico da doença.

Caso necessário, o perito pode valer-se da requisição dos seguintes exames


laboratoriais:
a) hemograma completo com análise quantitativa e qualitativa das três séries
sangüíneas e contagem de reticulócitos;

b) dosagem de ferro sérico e ferritina;

c) na ausência da série histórica, realizar três hemogramas com intervalos de 30 dias;

d) provas de atividade reumática e/ou inflamatórias: VHS, ASLO, látex, proteína C


reativa e Waaler Rose;

e) provas de função hepática;

f) parasitológico de fezes (3 amostras) com pesquisa para ovos de Schistossoma


Mansoni.

Nota: Biópsia da medula óssea e/ou mielograma, embora seja exame sensível e
especializado, é exame ao qual o segurado não está obrigado a se sujeitar, para fins de
benefícios previdenciários.

A avaliação clínica do caso, no seu estágio atual, permite ao perito entender a


sintomatologia e sua repercussão na capacidade de trabalho do examinado. A
documentação clara e concisa do quadro clínico permite, na maioria das vezes, decidir
sobre a capacidade laboral.

2.2.3. Avaliação da incapacidade laborativa

De posse destas informações e do exame clínico realizado, o perito tem condições, na


maioria dos casos, de analisar a capacidade laborativa do segurado e decidir sobre a
caracterização do nexo técnico. A intoxicação aguda é sempre acompanhada de
sintomatologia clínica. Nestes casos, qualquer paciente que necessite de mais de 15 dias
de afastamento deve receber o benefício de auxílio-doença acidentário, caracterizando-
se acidente típico (tipo - fundamentação jurídica).

O principal aspecto da avaliação da incapacidade na intoxicação ocupacional pelo


benzeno é a análise das manifestações clínicas, caracterizadas por sintomas gerais,
neurológicos, digestivos, cardiovasculares e imunitários, e as repercussões destas
manifestações na capacidade laborativa do segurado e estando, portanto, estreitamente
relacionado ao tipo de trabalho executado pelo examinado.

Do exposto, observamos que não basta o diagnóstico de benzenismo, sendo necessário


que as manifestações clínicas da doença imponham um segundo diagnóstico que
caracterize a incapacidade laborativa (por exemplo, superveniência de uma
manifestação incapacitante, como doenças infecciosas/repercussão
hemodinâmica/manifestações neurológicas etc., em decorrência das repercussões
periféricas da displasia medular determinada pelo benzenismo).

É importante notar que o exame pericial e sua conclusão não se fundamentam em


tabelas: a conclusão deve sempre basear-se na relação entre a lesão com suas
manifestações clínicas e a efetiva repercussão na capacidade de trabalho de seu
portador, considerando-se a sua atividade/função. A incapacidade para o trabalho deve
ser verificada quanto ao tipo de atividade exercida e a sintomatologia presente, bem
como a sua evolução temporal, que na maioria das vezes não guarda relação com o
grau de alterações dos exames complementares. O nexo deve ser analisado à luz do
envolvimento do examinado e seu trabalho, o que deve ser muito bem esclarecido pelo
perito. Portanto, a conclusão pericial pela ausência da incapacidade laborativa não
descaracteriza a doença, significando que se trata, naquele momento, de caso de
doença sem repercussões clínicas (assintomático).

2.2.4. Estabelecimento do nexo técnico

O diagnóstico de benzenismo é estabelecido quando há uma relação de causa e efeito


nítida, isto é, nexo causal entre lesão e exposição ao agente, podendo se localizar com
certeza a fonte de exposição na história ocupacional do trabalhador.

Definida a existência da incapacidade e do nexo causal, impõe-se a necessidade de se


estabelecer o nexo técnico. Em relação ao nexo técnico, lembramos que o mesmo
refere-se à existência do agente (Benzeno) no ambiente de trabalho do segurado,
portanto há necessidade, preliminarmente, que haja manipulação, armazenamento ou
produção do agente no ciclo produtivo da empresa, e a atividade desenvolvida pelo
periciando tenha correlação com estes ambientes, estabelecendo-se o nexo técnico.
Assim, a perícia médica necessitará analisar o posto de trabalho do segurado, o que
poderá ser feito com base nas informações da própria empresa, através de seus serviços
especializados, incluindo aí o disposto nas NR-7, NR-9 e NR-15. Quando os elementos
fornecidos pela empresa forem insuficientes para uma correta correlação, justifica-se a
vistoria do local de trabalho.

Na ausência do cumprimento das normas de segurança e higiene do trabalho, este fato


deverá ser comunicado à DRT, para as providências cabíveis.

2.2.5. Conclusão médico-pericial

O fluxo para a conclusão pericial de um caso de benzenismo pode ser exemplificado


conforme o que se segue:

a) após análise da CAT e realização do exame clínico, verifica-se se há ou não


incapacidade laborativa;

b) não havendo incapacidade laborativa, é indeferida a solicitação de benefício;

c) havendo incapacidade laborativa, a próxima etapa é verificar se há ou não nexo


técnicos; são três as conclusões possíveis:
c.1) há nexo. Concede-se o benefício de auxílio-doença acidentário (E-91);

c.2) não há nexo. Concede-se o benefício auxílio-doença previdenciário (E-31), tendo


em vista que já foi verificada a incapacidade laboral previamente;

c.3) há dúvidas quanto a existência de nexo. Neste caso, concede-se um benefício de


auxílio-doença previdenciário (E-31), e passa-se à investigação, inclusive vistoriando-se
o local/posto de trabalho do examinado, concluindo-se:

c.3.1) não há nexo. Mantém-se o benefício de auxílio-doença previdenciário (E-31);

c.3.2) há nexo. Transforma-se o benefício de auxílio-doença previdenciário (E-31) em


seu homônimo acidentário
(E-91) desde o seu início;

d) a cessação do auxílio-doença acidentário (E-91) poderá ocorrer nas seguintes


situações:

d.1) constatada a remissão dos sinais e sintomas clínicos que fundamentaram a


existência da incapacidade laborativa, a conclusão pericial será pela cessação do auxílio-
doença, o que poderá ocorrer já no exame inicial, sem ou com seqüelas permanentes
que impliquem redução da capacidade para o trabalho que o segurado habitualmente
exercia;

Em todos os casos de cessação do auxílio-doença acidentário será necessário, além da


Comunicação de Resultado de Exame Médico – CREM, o encaminhamento de uma
notificação à empresa, com a recomendação de acompanhamento do segurado e que o
retorno ao trabalho deverá dar-se em ambiente e função adequados, sem risco de
reexposição, pois é da responsabilidade do empregador a tomada das medidas
preventivas necessárias, inclusive com readaptação de atividade/função, quando
necessária, uma vez que a remissão dos sintomas não garante que o trabalhador esteja
livre das complicações tardias que poderão advir.

Considerando a possibilidade de evolução desfavorável da doença ou por superveniência


de complicações, nestas condições o empregador deverá emitir nova CAT em
reabertura.

d.2) Por limite indefinido - aposentadoria por invalidez acidentária;

d.3) Por óbito.

2.3. Indeferimento de benefício de auxílio-doença acidentário (E-91)

O indeferimento do benefício pela perícia médica poderá ocorrer:


a) por inexistência de incapacidade laborativa;

b) por inexistência de nexo técnico.

2.4. Concessão do auxílio-acidente (E-94)

Enfatizamos para melhor entendimento que:

"O auxílio-acidente será concedido como indenização ao segurado quando, após


consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultar em
seqüelas que impliquem redução da capacidade para o trabalho que habitualmente
exercia."

Verificamos, então, que para o examinado fazer jus ao auxílio-acidente é necessário


que, quando da remissão dos sinais e sintomas que fundamentaram a concessão do
benefício por incapacidade (cessação do E-91), reste uma seqüela anátomo-funcional
com real prejuízo na capacidade laborativa, de forma permanente. O auxílio-acidente
será sempre precedido de um auxílio-doença, exceto nas concessões judiciais. Portanto,
voltamos a enfatizar que a alteração laboratorial não justifica, por si só, a concessão de
qualquer benefício, em especial do auxílio-acidente (E-94), havendo a necessidade da
coexistência de manifestações incapacitantes e irreversíveis.

Como já visto, para concessão do auxílio-acidente em caso de benzenismo, é necessário


que haja uma seqüela que reduza a capacidade laborativa para a atividade habitual.
Entende-se que a atividade habitual é o principal parâmetro para a decisão, se as
possíveis restrições clínicas, seqüelares e permanentes presentes reduzem a capacidade
laborativa deste examinado em particular. Como se observa, não é a alteração
laboratorial em si que determina a incapacidade ou o direito ao auxílio-acidente, por
isto, enfatiza-se que as tabelas são inúteis, devendo cada caso ser analisado
individualmente.

As situações de benzenismo diagnosticadas sem nenhuma repercussão clínica


(assintomáticas), portanto não incapacitantes, não se enquadram em nenhuma das
situações de concessão de benefícios (seja auxílio-doença ou auxílio-acidente).

É importante lembrar que a seqüela indenizável refere-se ao segurado, jamais cabendo


a concessão do auxílio-acidente pela inadequação do posto de trabalho cuja correção é
obrigação do empregador, devendo ocorrer, preventivamente, até mesmo a readaptação
funcional.

2.5. Aposentadoria acidentária (E-92 - APAT)


A concessão da aposentadoria por invalidez será devida ao segurado cuja gravidade da
seqüela da intoxicação ocupacional pelo benzeno impedir o retorno ao trabalho em
qualquer atividade/função, portanto para os casos com incapacidade total e permanente
para toda e qualquer atividade profissional(omniprofissional) e insuscetível de
reabilitação.

3. DO ENCAMINHAMENTO À REABILITAÇAO PROFISSIONAL(RP)

Todos os casos de concessão de benefícios por incapacidade laborativa deverão ser


encaminhados à RP, no exame inicial (Ax 1), através do preenchimento da Guia de
Encaminhamento à Reabilitação Profissional - GERP com todos os dados disponíveis
sobre o segurado, perfil profissiográfico e condições de trabalho, visando ao futuro
retorno e gestões junto à empresa, objetivando correção do posto de trabalho ou
readaptação de atividade (funcional), constituindo-se na análise inicial para um possível
e futuro programa de reabilitação, quando se fizer necessário.

O cumprimento de Programa de Reabilitação Profissional deverá obedecer àqueles casos


em que a perícia médica ratificar a sua necessidade devido a seqüelas com redução de
capacidade laborativa e exigência de mudança de profissão.

3.1. Do Retorno da Reabilitação Profissional.

3.1.1. Após conclusão da análise inicial pela nova sistemática da Reabilitação


Profissional, frente às doenças ocupacionais, o segurado retornará periodicamente à
perícia médica na Data de Cessação da Incapacidade(DCI) programada. A Perícia
Médica, de posse deste relatório, concluirá pela cessação do benefício em data oportuna,
o que poderá ocorrer com ou sem a ratificação da necessidade de cumprimento do
Programa de Reabilitação Profissional.

3.1.2. No caso de reabertura da CAT referente a segurado que já cumpriu programa


junto à RP, o caso deverá ser obrigatoriamente analisado pelo perito supervisor que
verificará, frente à função para a qual foi reabilitado, se existe justificativa para o
agravamento ou recidiva do quadro clínico incapacitante, concluindo o caso após vistoria
do posto de trabalho para fins de fiscalização do efetivo cumprimento das
recomendações constantes do benefício anterior, quando houver. Concluído o caso pela
reabertura do benefício por acidente de trabalho, deverá ter o encaminhamento de
rotina.
4. NOTIFICAÇÃO DOS CASOS PARA FINS DE FISCALIZAÇÃO

A perícia médica enviará mensalmente à DRT, para fins de prevenção e fiscalização,


relação dos segurados com diagnóstico de benzenismo concluído (casos iniciais e
recidivas) com as respectivas empresas e funções.

5. DAS AÇÕES REGRESSIVAS

Quando da ocorrência de reabertura do benefício devido à constatação de não


cumprimento das recomendações por ocasião da cessação do benefício ou reexposição
do segurado pela persistência dos riscos, ou constatado um posto de trabalho
conduzindo a reiterados casos de benzenismo, a Procuradoria do INSS será informada
por meio de relatório circunstanciado sobre a ocorrência para que se adote as
providências legais cabíveis.