Você está na página 1de 4

Noções Juríticas Fundamentais - Professor José Henriques – Manual de Direito e Cidadaniab

Parte I O que é o Direito

1- A origem e a Necessidade do Direito


a. Ius rectum aquilo que é reto – aceção: aquilo que é justo
b. Conceito de Justiça: ideal que norteia a conduta dos homens; valor a presidir as sociedade humanas
c. Direito: sistema normativo regulador da vida humana em sociedade
i. Balizam as condutas individuais e a interação entre as pessoas
ii. Especificam os critérios de JUSTIÇA e SEGURANÇA JURÍDICA
d. Justiça: valor absoluto dificil de concretizar
i. Dirimir conflitos (interesses opostos)
ii. Relação controvertida
e. Objetivos do Direito: tornar compatíveis os diferentes interesses
f. Direito Estadual: função reguladora da vida em sociedade para coexistencia, ordem e paz social
i. Em favor do progresso e desenvolvimento economico, social e cultural de uma determinada
sociedade
g. Direto deve acompanhar a evolução dos tempos
i. Questões não disciplinadas – “vazio” suscetível de lesar os interesses dignos de tutela
h. Desafios: regulação das novas relações; novas formas de regulação normativa e de tutela das novas
relações sociais
i. Mutação das sociedade e dos interesses dos individuos
i. O direito esforça-se para acompanhar as transformações
j. Evoluções Tecnologicas, científicas e sociais ao longo do tempo é a uma das forças propulsoras para
que o Direito se adapte com rapidez e eficiência
2- Breves notas sobre a Gênese do Direito
a. O Direito, legado da Antiguidade Romana
i. Direito: mais relevante legado da civilização romana
1. Lei das 12 tábuas
2. 417 A.C.
3. Costumes e usos tradicionais
ii. Direito primitivo baseado em conceitos éticos, equidade, costume, dignidade
iii. Direito: junção de duas palavras “de” e “rectum” -De Rectum – muito reto, o mais reto; o
que não é torto; está no oposto ao lado esquerdo
iv. Ius naturale – direito natural
v. Ius gentium – direito comum
vi. Ius civile – direito civil
vii. Ius publicum – direito público
viii. Ius privatum – direito privado
b. O direito na idade média
i. Europa Medieval – direito Romano (romanização, difusão do latim)
ii. Aplicação das leis pelos Monarcas (falta de uniformidade)
iii. Monarcas detiam o poder deliberativo e jurisdicional
iv. Juiz de fora – magistrado
v. Advogados (defesa dos réus e testamentos)
vi. Senhor feudal – modelo de leis
vii. Séc. XII, o direito começa a ser ensinado nas Universidades
c. Direito Canonico e Concordatário
i. Codex Iuris Canonici; Codex Comonum Ecclesiarum
ii. Ensinar, santificar e governar (usos e costumes)
iii. Evolução para a codificação das normas
3- Direito Natural e Direito Positivo
a. “Que regras são aquelas que constituem como que uma instituição que cremos ter do que é
verdadeiramente Direito?”
i. “Regras que julgamos existir na consciência coletiva e cujo conhecimento nos é reveledo
com se de grandes princípios jurídicos se tratasse e que estarão acima da lei.”
ii. “Regras não escristas mas impressas nas nossas consciências e que nos permitem, a partir
delas, estabelcer critérios de valoração relativamente do Direito estabelecido pelo
legislador.”
b. Direito Positivo
i. Direito atual; conjunto de regras jurídicas que se encontram em vigor; são dotadas de
coercibilidade
ii. Disposições acatadas e com vigência efetiva
c. Direito Vigente
i. Normas que vigoram e um determinada época, sociedade;
ii. Lei é lei – dura lex, sed lex
d. Direito Natural
i. Regras jurídicas primárias, princípios de conduta, nas nossas consciências
ii. Estruturas básicas da natureza humana ou natureza das coisas em relação a JUSTIÇA
constitui o Direito Natural
iii. Princípios Éticos (orientadores e anteriores ao Direito Positivo)
iv. Princípios Gerais do Direito
v. Direitos Humanos expressão mais ampla dos Direitos Naturais
vi. São aqueles que correspondem ao homem pelo simples facto de existir
vii. Direito Natural: originário (inato); universal (para todos); imutável (não pode ser apagada)
viii. Declaração de Direitos(Virginia); Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão
ix. Pensamento Jusnaturalista – autoridade e ação política a serviço e perssecussão dos
objetivos, por natureza, inerentes ao gênero humano;
e. A questão do Jusnaturalismo e Juspositivismo – Direito Natural VS Direito Positivo
i. Direito Natural
1. São Principios Gerais
2. Aceitam a existência de princípios naturais, absolutos, imutáveis e universais
3. Primazia sobre as leis (válido para todas as civilizações e eras)
4. Direito suprapositivo; direito supraestatal
5. Supremacia aos direitos positivados
ii. Direito Positivo
1. Produzidas por uma sociedade para regular as suas relações
2. Só o que se aprende pode ser validado
3. Não há princípio imutável e universal
4. Princípios criados (individuais, coletivos ou sociais)
5. Regras de conduta e ideias
6. A Norma é criada por um processo lógico
7. Validar, regulamentar, impor regras de conduta humana
8. É a vontade do legislador
9. Legitimidade deriva da força
10. Relatividade
11. A justiça está nas leis criadas
4- O Direito e a Sociedade
a. Direito: fundamental a Vida em Sociedade
b. Homem ser político
c. Homem se distingue das demais espécies por ser portador de um conjunto de capacidades e
características
i. Atividade de abstração: raciocínio do simples para o complexo
ii. Atividade cognitiva: compreensão e relacionamento entre diferentes conceitos
iii. Livre arbítrio: capacidade de se autodeterminar
d. Conceitos de sociedade
i. Aristóteles: sociabilidade é uma característica inata e inscrita na natureza humana
ii. Rousseau: pacto ou “contrato social”pelo qual se submete a uma vontade geral ou coletiva
e. Sociedades Modernas
i. Regidas pelos sistemas políticos e economicos; garatem a manutenção de uma
interdependência economica entre os individuos
ii. Busca do interesse próprio
iii. Estado = mão invisível
f. Direito: conjunto de regras e princípios que conformam a vida do homem uns com os outros (em
sociedade) que fazem com que os homens atuem em conformidade uns com os outros.
5- Os códigos de Conduta
a. Atividade humana: regulações, coerência e significado, padrões de referência
b. As normas sociais reguladoras da atividade do homem em sociedade são o pilar fundamental
c. Funções Normativas: objetivos
i. Definir os papeis de cada individuo no grupo social a que pertence;
ii. Assegurar a cooperação ativa
iii. Garantir a coexistência pacífica, a ordem pública, segurança
iv. Fins comuns ou sociais
v. Previnir e dirimir conflitos
d. Códigos de Conduta específicos
i. Normas de higiene
ii. Normas de cortesia
iii. Normas de decoro
iv. Normas de etiqueta
v. Normas de protocolo
vi. Normas religiosas
vii. Normas morais
viii. Normas jurídicas
1. Relatibidade espácio-temporal
2. Usos e convenções sociais
e. Normas de Higiene
i. Bem estar físico e psiquico dos indivíduos; relações harmoniozas
ii. Higiene física
iii. Higiene mental
iv. Hifiene e ambiente – preservação dos meios naturais e dos ecossistemas
v. Incumprimento: reações sociais negativas; sanções legais
f. Normas de cortesia
i. Regras de convívio: afabilidade, o trato, a sociedade, a educação e a urbanidade
g. Normas de decoro
i. Conceito de decência, compostura, dignidade, vergonha e pundonor
h. Normas de etiqueta
i. Particular deferência com as pessoas; saber o que se deve dizer e fazer em momentos
precisos da vida
i. Normas de Protocolo
i. Determina cerimonias e atos públicos; relações entre os Estados
j. Normas de Religião
i. Relações entre o crente e seu Deus
ii. Violação acarreta sanções formais e externas, sanções de foro íntimo
k. Normas morais
i. Disciplinar a conduta da humanidade
ii. Consciência ética social
iii. Violações – sanções de foro íntimo e externas
iv. Verdadeiro imperativo categórico
l. Normas jurídicas
i. Dotar a sociedade de um conjutno de regras cujo o fim é disciplinar as relações sociais e as
condutas individuais e coletivas para garantir:
1. Ordem pública
2. A coexistencia pacífica
3. Prevenção e/ou resolução de conflitos
4. A realização do bem comun e dos fins sociais
ii. Conjunto de Normas – Ordenamento Jurídico de um Estado ou Direito