Você está na página 1de 3

Witzel inclui Harvard em

currículo sem nunca ter


estudado na universidade
Governador do Rio nega intenção de se vangloriar e diz que
estudo nos EUA era uma intenção

22.mai.2019 às 15h00
Atualizado: 22.mai.2019 às 17h02

RIO DE JANEIRO O ex-juiz federal e atual governador do Rio de


Janeiro, Wilson Witzel (PSC) (https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/04/witzel-tenta-
suavizar-imagem-ao-completar-100-dias-de-gestao-no-rj.shtml), adicionou ao currículo

Lattes, plataforma acadêmica, um período na Universidade


Harvard, nos Estados Unidos, uma das mais reconhecidas do
mundo. No entanto, ele nunca foi aluno da faculdade norte-
americana.

A informação foi revelada nesta quarta-feira (22) pelo jornal O


Globo.

A bolsa-sanduíche, que ele menciona no currículo, proporciona que


o aluno de doutorado complete parte do curso em uma
universidade parceira no exterior.

Witzel é estudante de doutorado no departamento de Ciência


Política da UFF (Universidade Federal Fluminense), com um projeto
sobre a judicialização da política.

Ao escrever sobre esta formação, que ele diz estar em andamento,


Witzel acrescentou: "com período sanduíche em Harvard University
(orientador: Mark Tushnet)".

Tushnet é um reconhecido estudioso do direito nos Estados Unidos,


com quem o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís
Roberto Barroso já fez uma apresentação sobre constitucionalismo
e democracia. 

A assessoria de imprensa do governador nega que ele tenha dado a


informação para se vangloriar e argumenta que Witzel incluiu em
seu currículo que o doutorado estava em andamento, e não
concluído.

Segundo a assessoria, o ex-juiz adicionou o período sanduíche em


Harvard como uma intenção para ser cumprida durante os estudos.
Essa edição teria sido feita em 2015, ano em que o agora governador
ingressou na UFF.

Em meio à campanha eleitoral de 2018, no entanto, Witzel não teria


conseguido encaixar o período sanduíche. Ele pretende apresentar
sua tese até agosto para receber o título de doutor pela UFF. 

"Em seu projeto inicial de doutorado, ele incluiu a possibilidade de


aprofundar os estudos em Harvard, projeto interrompido pela
campanha ao governo do Estado, em 2018, quando se encerram as
inscrições para a universidade norte-americana", diz nota da
assessoria.
"Quando o governador iniciou o doutorado atuava como juiz federal
e não tinha como prever que o projeto de estudar em Harvard
poderia ser adiado em razão da eleição."

Para obter a bolsa-sanduíche, o aluno precisa passar por uma


seleção. Periodicamente, as universidades divulgam os editais para
que os alunos se inscrevam. A assessoria de imprensa da UFF
confirmou que Witzel não se candidatou ao programa.

Na semana passada, a química e professora Joana D'Arc Félix


(https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2019/05/professora-que-mentiu-sobre-harvard-pede-desculpas-

mas-nao-explica-motivacao.shtml) passou por contestação semelhante. Ela


também citou em seu currículo acadêmico que estudou em
Harvard, o que acabou desmentido. Posteriormente, pediu
desculpas. 

ENDEREÇO DA PÁGINA

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/05/witzel-adicionou-ao-
curriculo-passagem-por-harvard-mas-nao-estudou-na-
universidade.shtml