Você está na página 1de 16

Neuroanatomia

Sistema Nervoso
É um conjunto de órgãos formado por fibras com a função de manter a conexão entre os outros 10 sistemas e transmitir as variações do meio e difundir
respostas adequadas para manter a homeostase. A parte central recebe, integra e analisa informações, a parte periférica carrega informações dos órgãos
sensoriais para a parte central e da parte central para os órgãos efetores (músculos e glândulas).

Sistema
Nervoso

Parte Divisão
Parte Central
Periférica Autônoma

Encéfalo Gânglios e
Gânglios e Parte Parte
Nervos Cranianos Nervos Espinais
Simpática Parassimpática

Cérebro Tronco Cerebelo


Encefálico Recebe
informações Recebe Provém da
do informações Provém da Medula
Telencéfalo Diencéfalo Medula
Mesencéfalo Telencéfalo e da medula Espinal ou do
Tronco espinal Espinal Tronco
Encefálico Encefálico
Hemisférios
Cerebrais Ponte
Tálamo

Medula
Corpo Caloso Hipotálamo Oblonga

Subtálamo

Epitálamo

Metatálamo

Vic – Turma XLVII


Medula Espinal
Está dentro do canal vertebral e se estende do forame magno até o
limite da segunda vértebra lombar. Com uma extensão média de
42 cm a 45 cm. O tecido nervoso dentro do canal vertebral pode
ser dividido em três partes: cervical, torácica e l ombar.
Medula significa o que está dentro e espinal (não espinhal = ponta)
é um canal dentro da coluna vertebral.
Apresenta duas intumescências e um cone medular (nível da L2),
que estende raízes até o cóccix (filamento terminal – ligamento
sacrococcígeo). No cone medular acaba o paralelismo e o
horizontalismo dos nervos espinais, formando a cauda eqüina
(confluência de nervos espinais oblíquos).
Sua morfologia conta com uma Fissura mediana anterior, dois
sulcos anterolaterais e dois sulcos posterolaterais. A partir dos
sulcos anterolaterais se exteriorizam radículas que formam a raiz
anterior, e dos sulcos posterolaterais, radículas formam a raiz
posterior. A raiz posterior forma o gânglio espinal, que se une
com a raiz anterior formando o nervo espinal.
Existem 31 pares de nervos espinais:
 8 Cervicais;
 12 Torácicos;
 5 Lombares;
 5 Sacrais;
 1 coccígeo.

É protegida por três membranas ou meninges:


 Pia Máter: delicada e totalmente aderida à medula espinal.
 Aracnóide Máter: trançada (teia) e não aderida à medula.
 Entre a Pia Máter e a Aracnóide Máter existe o espaço subaracnóideo, que contém o líquido cerebrospinal, produzido pelo encéfalo. Esse
líquido é coletado para o diagnóstico de tumores, infecções e hemorragias e é nele que é feita a raquianestesia (nível de L4, próxima às espinhas
ilíacas póstero-superiores, para não lesar a medula).
 Dura Máter: mais externa e resistente.
 Externa: plexo venoso e panículo adiposo formam o espaço extra-dural ou peridural, onde é realizada a anestesia peridural (não atravessa a Dura
Máter – pode ser feita a qualquer nível da medula).
 Interna: espaço subdural (colabado, virtual).

Vic – Turma XLVII


Secção transversal
O arco-reflexo é uma resposta a estímulos sensitivos que não depende do cérebro, apenas dos neurônios aferentes e eferentes.

Tronco Encefálico
Na região superior à medula espinal, a partir do forame magno, a medula espinal se transforma em uma medula alargada (oblonga).
A fissura mediana anterior vai da medula espinal até o fim da medula oblonga e é perpendicular e superior ao sulco bulbo pontino. Nesse encontro há o forame
cego da medula oblonga.
Existem quatro elevações na medula oblonga, que formam as pirâmides da medula oblonga (mediais) e as olivas (laterais). As olivas são cercadas por
sulcos, medialmente o sulco pré olivar e, lateralmente, o sulco retro olivar. O sulco retro-olivar é dividido em três terços: do terço superior, saem os nervos do
IX par craniano, do terço médio, saem os nervos do X par craniano e do terço inferior, saem os nervos do XI par craniano. O sulco pré-olivar abriga o XII par.
 IX par: nervo glossofaríngeo – tem as funções de sensibilidade, motricidade faríngea, gustação (no terço posterior da língua) e secreções parotídeas.
Alterações na região do nervo glossofaríngeo causam disgeogia (gosto), odinofagia (dor ao engolir), xerostomia e disfagia.
 X par: nervo vago (errante) - responsável por sensibilidade, motricidade faríngea, laríngea e de vísceras toracoabdominais (respiração, digestão e
circulação). Os sintomas de quem tem disfunções na região do nervo vago são disfagia, reflexo do vômito, odinofagia, diarréia, rouquidão alterações do
ritmo cardíaco.
 XI par: n. acessório - tem funções de movimentação da faringe e inervação do músculo trapézio (levantamento dos ombros) e esternocleidomastoideo
(movimentação da cabeça).
 XII par: n. hipoglosso – tem a função de motilidade da língua
Vic – Turma XLVII
Ponte: possui dois pedúnculos que vão até o cerebelo (pedúnculos cerebelares médios) e um sulco basilar, que une o forame cego aos dois pedúnculos.
 Pedúnculos cerebelares médios
 V par: nervo trigêmeo - tem funções de sensibilidade da face e da metade anterior do crânio e
inervação dos músculos da mastigação. A neurite trigeminal causa dor insuportável e dor na
mastigação. Têm três ramos: oftálmico, maxilar e mandibularn .
 Sulco Bulbo-pontino
 O VI par (nervo abducente) sai do sulco bulbo-pontino na região mais medial, próxima do
forame cego da medula oblonga. Sua função é abdução do bulbo ocular e sua disfunção causa
estrabismo convergente. Controla o músculo reto lateral.
 O VII par (nervo facial) é mais lateral em relação ao VI, e tem funções de inervar o músculo
da mímica, secreções salivares (submandibular e sublingual) e lacrimais, abaixamento da
pálpebra superior e gustação dos 2/3 anteriores da língua. Sua disfunção causa a paralisia
facial periférica (xeroftalmia, xerostomia, desvio da comissura labial, disfagia).
 O VIII par é mais lateral (nervo vestibulococlear) com funções de audição (n. coclear) e
equilíbrio (n. vestibular).

Mesencéfalo: apresenta pedúnculos cerebrais (verticais), que sustentam o diencéfalo e o telencéfalo. A fossa
interpeduncular é central e abriga o III par, já o IV par é mais lateral.
 III par (óculo-motor): principal agente da movimentação ocular. Promove o levantamento da
pálpebra superior, a miose (fechamento da pupila); adução, levantamento, abaixamento e rotação
ínfero-lateral do globo ocular. Sua disfunção causa midríase (pupila dilatada), ptose palpebral
(pálpebra caída), estrabismo divergente (visão dupla) e diplopia. Age nos múcsculos oblíquo infeior,
reto medial, superior e inferior e levantador da pálpebra.
 IV par (troclear): promove a rotação súpero-medial do globo ocular (músculo oblíquo superior).
1 - Vista Posterior do Tronco Encefálico

Cerebelo (equilíbrio - vestibular, movimento - cortical e postura-reticular)


Apresenta três pedúculos: superior (mesencéfalo), inferior (bulbo- trato olivar inferior) e médio (ponte – trato piramidal e fibras do trato corticospinal);
Filogeneticamente, surgem primeiro os nódulos cerebelares juntamente com os flóculos cerebelares. A segunda parte a se formar são os lóbulos anteriores, o
verme adjacente e as tonsilas cerebelares. A última parte a se formar é composta por lobo posterior e verme adjacente.
 Lóbulo Flóculo nodular do Cerebelo ou Arquecerebelo: responsável por tônus muscular do tronco, tônus muscular proximal dos membros superiores
e inferiores, equilíbrio estático e equilíbrio dinâmico. Uma lesão nessa região causa a síndrome do arquecerebelo com sintomatologia de inclinação
ipsilateral (para o lado da lesão), hipotonia muscular do tronco, hipotonia muscular proximal do membro superior do mesmo lado da lesão e marcha
titubeante e larga do membro inferior do mesmo lado (ataxia). Perceptível por análises clínicas como a manobra dos braços estendidos, o abdominal.
Tumores ou infartos ocorrem ou nos nódulos cerebelares ou nos flóculos.
 Lobo anterior (língula e central), Verme Adjacente e Tonsilas cerebelares ou Paleocerebelo: postura, tônus muscular distal dos membros
superiores e inferiores. Caso haja lesão, o paciente apresenta ataxia, hipotonia distal do membro superior do mesmo lado, déficit postural (Purkinje).
Vic – Turma XLVII
 Lobo posterior (culmen, declive, folium, tuber, pirâmide, úvula e nódulo),
Verme Adjacente ou Neocerebelo (demora mais para desenvolver): não inicia o
movimento voluntário do pescoço para baixo, mas os mantêm, planeja e modula
(força, velocidade e trajetória). É responsável pela coordenação motora. A
avaliação ocorre com o teste índex-nariz e índex-índex para perceber a
normometria, a composição articular (harmonia de coordenação entre as
articulações – pede para o paciente levar algo a boca); o exame sinal do rechaço
negativo (normal) em que o médico faz força contrária à flexão do membro
superior, avaliando o equilíbrio e coordenação motora após a soltura do membro
(agonismo e antagonismo); avaliação da diadococinesia (alternância oposta entre
os membros). Uma pessoa com deficiência apresenta dismetria, decomposição
articular, disdiadococinesia, sinal de rechaço positivo e ataxia de marcha.
Núcleos cerebelares: fastígio, globoso, emboliforme e denteado.
Conclusões:
 Lesão cerebelar causa clinica ipsilateral: o lado lesionado é o lado com problemas
 Funções gerais: equilíbrio, tônus muscular, postura e coordenação motora
 Ataxia de marcha e hipotonia muscular são altamente sugestivos de lesão cerebelar

Diencéfalo e Telencéfalo
O Diencéfalo e o Telencéfalo formam o Cérebro, a porção mais desenvolvida do encéfalo que ocupa 80% do
volume craniano. O Diencéfalo está na base do corpo caloso, onde há a implantação do nervo oculomotor (3º
par – mesencéfalo) e compreende tálamo, hipotálamo, epitálamo, subtálamo e III ventrículo. O terceiro
ventrículo é uma estreita fenda ímpar e mediana que se comunica com o IV ventrículo pelo aqueduto cerebral
e com os ventrículos laterais pelos respectivos forames interventriculares. O sulco hipotalâmico estende-se do
aqueduto cerebral até o forame interventricular. Anteriormente ao sulco hipotalâmico está o hipotálamo e
posteriormente, o tálamo.
Vic – Turma XLVII
O hipotálamo é constituído de corpos mamilares (controle
emocional), hipófise e quiasma óptico (estrutura em x dos nervos
ópticos).
Os tálamos são um par de estruturas arredondadas posteriores ao
sulco hipotalâmico e formados por cerca de 70 núcleos.
A região mais anterior é denominada metatálamo e a região
posterior é o epitálamo, região da glândula pineal, que regula o ciclo
circadiano. Entre os tálamos está o terceiro ventrículo, que se liga ao
quarto ventrículo pelo aqueduto do mesencéfalo, em cima do corpo
caloso estão os ventrículos laterais, cheios de plexos corióides.
Essas cavidades estão preenchidas com líquido cerebrospinal.
Uma secção transversal no nível do hipotálamo permite a
observação inferior de quatro estruturas (núcleo caudado, putame,
globo pálido medial e globo pálido lateral), que compõem o corpo
estriado, e inibem/facilitam a atividade motora voluntária
automática e controlam o tônus muscular em conjunto com o
cerebelo. Hemibalismo, distonia de torção, bradicinesias
(movimentos lentos), tremor, hipotonia são evidencias de doenças
nos núcleos da base, como ocorre com a doença de Parkinson. A
cápsula interna é um conjunto de fibras aferentes e eferentes que
chegam a várias regiões do Telencéfalo e da medula espinal entre o
putame e o núcleo caudado, putame e tálamo e terminam entre globo
pálido medial e tálamo. O Telencéfalo é formado por dois hemisférios cerebrais unidos por um corpo caloso.

Vic – Turma XLVII


Vic – Turma XLVII
Lobos Funções Giros Sulcos
Motricidade, intelecto, Pré-central Frontal Superior
personalidade, palavra falada (giro Frontal Superior Frontal Inferior
opercular), palavra escrita (G.F Frontal Médio Olfatório
Médio), olfato (giro triangular), Frontal Inferior (Brocá) Orbitário
Lobo Frontal área motora primária.  Orbital
 Opercular
 Triangular
Reto
Audição (Wernicke), epilepsia, Temporal Superior Temporal Superior
olfação. Temporal Médio Temporal Inferior
Temporal Inferior Colateral
Para-hipocampal Occipto-temporal
Lobo Temporal Uncus Hipocampal
Occipto-temporal lateral Calcarino
Occipto-temporal medial
Da língula
Fusiforme
Leitura (G. angular), relações Lóbulo Parietal Superior Intraparietal
espaciais (propriocepção – G. Lóbulo Parietal Inferior Parieto-occipital
supramarginal), área somestésica Supra-marginal Corpo Caloso
primária, paladar, área sensitiva Angular Cíngulo
Lobo Parietal primária. Pós-central, Paracentral, Cíngulo, Pré-Cúneos. Paracentral
Visão e equilíbrio. Cúneos Parieto-occipital
Occipto-temporal medial Calcarino
Semilunar
Occipital Transverso
Lobo Occipital
Emoção, Gustação emotiva. Longo (anterior) Central
Curto (posterior) Circular
Opérculos fronto-parietal, frontal e orbital
Lobo da Ínsula
Memória, emoções, Cíngulo
comportamento sexual Hipocampo
Denteado
Lobo Límbico

Vic – Turma XLVII


Corpo Caloso, Fórnix e Hipocampo
Corpo Caloso: é a maior das comissuras inter-hemisféricas. É formado por um
grande número de fibras mielínicas que cruzam o plano sagital mediano e penetram
de cada lado no centro branco medular do cérebro, unindo áreas simétricas do
córtex de cada hemisfério. É composto por tronco, esplênio, joelho, rostro e
comissura anterior.
Fórnix: emergindo abaixo do esplênio do corpo caloso e arqueando-se em direção
à comissura anterior, está o fórnix, feixe complexo de fibras que, entretanto, não
pode ser visto em toda a sua extensão em um corte sagital do cérebro. É constituído
por duas metades laterais e simétricas afastadas nas extremidades e unidas entre si
no trajeto do corpo caloso. A porção intermédia em que as duas metades se unem
constitui o corpo do fórnix e as extremidades que se afastam são, respectivamente,
as colunas do fórnix (anteriores) e os ramos do fórnix (posteriores). As colunas do
fórnix terminam no corpo mamilar correspondente cruzando a parede lateral do III
ventrículo. Os ramos do fórnix divergem e penetram de cada lado no corno inferior
do ventrículo lateral, onde se ligam ao hipocampo. No ponto em que as pernas do
fórnix se separam, algumas fibras passam de um lado para o outro, formando
a comissura do fórnix.
Septo Pelúcido: entre o corpo caloso e o fórnix estende-se o septo pelúcido,
constituído por duas delgadas lâminas de tecido nervoso que delimitam uma
cavidade muito estreita, a cavidade do septo pelúcido. O septo pelúcido separa os dois ventrículos laterais.

Suturas do crânio
O crânio apresenta locais de junção, onde o osso se consolida algum tempo após o nascimento e possibilita que o crânio do recém nascido passe pelo canal do
parto. Tais suturas denominam-se coronal, sagital e lambdóide. Além das suturas, o crânio apresenta outros acidentes ósseos notáveis, tais como o osso
zigomático (arco zigomático), o etmóide, o esfenóide, o forame magno (inserção do dura-máter), o forame oval e a fossa supra-orbitária (giro frontal médio).

Após a craniotomia, pode-se perceber, de fora para dentro, o espaço extradural, a dura-máter, o espaço subdural, o líquor (produzido pelo plexo coróide realiza
o amortecimento hidráulico e a troca bioquímica de substâncias), a aracnóide-máter, a pia máter e o encéfalo.

Rinencéfalo
O bulbo olfatório é uma dilatação ovóide e achatada de substância cinzenta que continua posteriormente com o tracto olfatório, ambos alojados no sulco
olfatório. O bulbo olfatório recebe filamentos que constituem o nervo olfatório. Posteriormente, o tracto olfatório se bifurca formando as estrias olfatórias
lateral e medial, que delimitam uma área triangular, o trígono olfatório. Através do trígono olfatório e adiante do tracto óptico localiza-se uma área contendo
uma série de pequenos orifícios para passagem de vasos, a substância perfurada do anterior.

Vic – Turma XLVII


Artérias do Encéfalo
Tem três partes: cérebro (telencéfalo e diencéfalo), cerebelo e tronco encefálico.
A artéria carótida comum é bilateral, porque existe tanto do lado direito como do lado
esquerdo. Ela se divide na luz do pescoço em artéria carótida comum interna e artéria carótida
comum externa (metade anterior do crânio – face). A artéria carótida comum interna sobe
anterior ao tronco encefálico e passa no hipotálamo, onde se divide em a artéria cerebral
anterior e artéria cerebral média, que irrigam o telencéfalo e diencéfalo. A figura que segue é
um encéfalo em secção sagital mediana (visão lateral esquerda):

O Grupo arterial carotídeo é formado por:


 Artéria carótida interna;
 Artéria cerebral anterior;
 Artéria cerebral média.
Vic – Turma XLVII
A artéria carótida interna é bilateral, por isso, ela se apresenta em artéria carótida interna direita e artéria carótida interna esquerda, assim como as artérias
cerebrais. Esse grupo irriga a parte anterior e média do cérebro.

Atrás do grupo arterial carotídeo existe outro grupo arterial, que é ímpar, o grupo arterial vértebro-basilar formado por:
 Artérias vertebrais esquerda e direita (medula oblonga);
 Artéria basilar (ponte e sulco basilar);
 Artéria cerebral posterior direita e artéria cerebral posterior esquerda (mesencéfalo alto).

Existem anastomoses entre o grupo arterial carotídeo e o grupo vértebro-basilar por meio de anastomoses:
 Artéria comunicante anterior: une artérias cerebrais anteriores.
 Artéria comunicante posterior: une as artérias cerebrais posteriores direita e esquerda às artérias carótidas internas (direita e esquerda).

Vic – Turma XLVII


Thomas Willis observou uma conformação poligonal que se mantinha com a união dos grupos arteriais. Essa conformação é denominada polígono de Willis ou
círculo arterial do cérebro (polígono arterial do encéfalo). O polígono é uma referência para diagnosticar aneurismas intracranianos e má formações
arteriovenosas intracranianas.

Organização interna do encéfalo


Cada hemisfério possui uma camada superficial de substância cinzenta, o córtex cerebral, que reveste um centro de substância branca, o centro medular do
cérebro, ou centro semioval. No interior dessa substância branca existem massas de substâncias cinzenta, os núcleos da base do cérebro.
Centro branco medular do cérebro: é formado por fibras mielínicas. Distinguem-se dois grupos de fibras: de projeção e de associação. As fibras de projeção
ligam o córtex cerebral a centros subcorticais; as fibras de associação unem áreas corticais situadas em pontos diferentes do cérebro.
As fibras de projeção se dispõem em dois feixes: o fórnix e a cápsula interna.
O fórnix une o córtex do hipocampo ao corpo mamilar e contribui um pouco para a formação do centro branco medular. Já foi melhor descrito anteriormente
nesta página.
A cápsula interna contém a grande maioria das fibras que saem ou entram no córtex cerebral. Estas fibras formam um feixe compacto que separa o núcleo
lentiforme, situado lateralmente, do núcleo caudado e tálamo, situados medialmente. Acima do nível destes núcleos, as fibras da cápsula interna passam a
constituir a coroa radiada. Distingue-se na cápsula interna um ramo anterior, situada entre a cabeça do núcleo caudado e o núcleo lentiforme, e um ramo
posterior, bem maior, situada entre o núcleo lentiforme e o tálamo. Estas duas porções da cápsula interna encontram-se formando um ângulo que constitui
o joelho da cápsula interna.
Vic – Turma XLVII
Dentre as fibras de
associação inter-
hemisféricas, ou seja,
aquelas que atravessam o
plano mediano para unir
áreas simétricas dos dois
hemisférios, encontramos
três comissuras
telencefálicas: corpo caloso,
comissura do fórnix e
comissura anterior.

Tratos ascendentes e descendentes

Vic – Turma XLVII


Vias Aferentes

Caminhos que levam os impulsos elétricos por meio de fascículos para dentro da parte Central do Sistema Nervoso (encéfalo e medula espinal). Também
conhecida como uma via “ascendente”, o que só é perceptível em posição anatômica.
As raízes posteriores são aferentes (sensitivas);
Existem três vias exclusivas (15 ao todo):
Condução de dor e temperatura: trato espinotalâmico lateral
O impulso sai das vias periféricas presente em todos os tecidos infracervicais menos as vísceras na forma de receptores sensoriais (somático), passa para o
axônio do primeiro neurônio (nervo espinal) sobe até a raiz posterior, passa pelas radículas posteriores, entra na substância branca (axônios) e faz sinapse com
um neurônio (segundo neurônio) que entra na substância cinzenta (corpo de neurônio). Sai da substância cinzenta, caminha pela substância branca no sentido
oposto, ultrapassando a fissura mediana, passa pelo tronco encefálico (lemnisco espinal) e sai na região lateral oposta e posterior, formando um núcleo ventral
póstero-lateral talâmico. Um terceiro neurônio faz sinapse no núcleo ventral póstero-lateral talâmico, passa pela cápsula interna e tem corpo no giro pós-central
do hemisfério oposto (onde iniciou).
Condução de tato protopático e pressão: trato espinotalâmico anterior
O neurônio sensitivo tem corpúsculos sensitivos na periferia, abaixo do pescoço exceto vísceras. Esse neurônio faz sinapse com um nervo espinal (primeiro
neurônio) que faz sinapse na substância branca. Quando o segundo neurônio sai da substância cinzenta, ele ultrapassa a linha mediana em uma região mais
medial do que o TETL e sobe para núcleo ventral póstero-lateral talâmico. Um terceiro neurônio faz sinapse nessa região, passa pela cápsula interna e tem
corpo no giro pós-central do hemisfério oposto (onde iniciou).

A síndrome de Brown-Séquard (hemisecção medular): causada por tumor, lesão, infarto ou traumas que causa perda da sensibilidade superficial (dor,
temperatura, pressão e tato protopático) contralateral a partir do nível da lesão para baixo e perda da sensibilidade profunda ipsilateral (estereognosia, tato
Vic – Turma XLVII
epicrítico, sensibilidade vibratória e propriocepção) a cima do pescoço. O cruzamento entre os segundos neurônios da dor, temperatura, pressão e tato ocorre
em todos os níveis da medula espinal a baixo do forame magno, enquanto o cruzamento dos quartos neurônios da estereognosia ocorrem a cima do forame
magno.
Lesões supra-bulbares (cápsula interna, tálamo, telencéfalo): perda da sensibilidade superficial contralateral (lado oposto) e perda da sensibilidade profunda
ipsilateral.

Estereognosia (estimar volume e peso utilizando as mãos), tato epicrítico (discriminar um toque sem olhar), sensibilidade vibratória (diapasão) e propriocepção
consciente (perceber o movimento muscular e articular): sensibilidade profunda. O nervo espinal tem uma sinapse no gânglio espinal, de onde sai o neurônio
que entra na substância branca da medula e não entra na substância cinzenta, mas, na região posterior da medula espinal, ele sobe para a medula oblonga, onde
estão os corpos desses neurônios (núcleo grácil e cuneiforme, trato grácil medial e cuneiforme lateral). Nesse local há uma sinapse e os neurônios sobem pelo
lemnisco medial com outra sinapse no núcleo ventral póstero-lateral talâmico, por onde outro neurônio ascende até o sulco pós-central.

Vias eferentes
São motoras e voluntárias na maioria. Responsáveis por conduzir o impulso nervoso para fora do encéfalo e medula espinal, por isso, também são conhecidas
como descendentes, porém esse termo só funciona em posição anatômica. Tipos de vias:
Piramidais: axônios do giro pré-central (área motora) passam pelo centro semi-oval da corona radiata e chegam ao segmento posterior da cápsula interna
(núcleos da base). As fibras continuam descendo até tornarem-se longitudinais nas pirâmides da medula oblonga, onde realizam conexões a núcleos pontinos.
Trato corticospinal: responsável por motricidade voluntária da maior parte do pescoço, todo o tronco (tórax, abdome, pelve) e todos os membros.
Trato corticonuclear: responsável pelo movimento voluntário do restante do pescoço e de toda a cabeça.
Trato corticorreticular: responsável pela vigília e atenção ao movimento.

Vic – Turma XLVII


O corpo celular desses milhares de neurônios está no giro pré-central, o axônio sai da cápsula interna, passa pelo diencéfalo, mesencéfalo (pedúnculos
cerebelares), medula oblonga (dentro ou fora das pirâmides). As fibras do trato corticospinal lateral (75 a 90 %) cruzam em um movimento de decussação
(anatomicamente visível) e as fibras do trato corticospinal anterior (25 a 10%) passam diretamente. Esses neurônios passam para a medula espinal e entram na
substância branca e, então, substância cinzenta. Nesse local, o neurônio motor sai na região anterior e vai inervar o corpo. A fissura mediana anterior é
interrompida no local de cruzamento (decussação).
O trato corticospinal lateral entra na medula espinal, passa pela substância cinzenta, onde faz uma sinapse com um interneurônio, segue para um corpo de
neurônio, que passa pela raiz anterior, depois pelo nervo espinal e direciona-se até um músculo dos membros e demais regiões do corpo.
A nível de medula espinal, todas as fibras estão cruzadas.
Extra-Piramidais: axônios não passam pela medula oblonga. Facilitam ou inibem movimentos voluntários automáticos e auxiliam no controle do tônus
muscular. São três vias: núcleos da base, núcleos do cerebelo e núcleos do tronco encefálico que formam os tratos vestibuloespinal, reticulospinal, olivospinal,
tetospinal e bulbospinal.

Síndrome de Brown-Séquard: perda de sensibilidade superficial contralateral, perda da sensibilidade profunda ipsilateral e hemiplegia ipsilateral.
Lesão supra-bulbar: perda da sensibilidade profunda, superficial e hemiplegia contralateral, porque o cruzamento ocorre abaixo da lesão.
Lesão medular: perda da sensibilidade profunda, perda da sensibilidade superficial e hemiplegia homolateral, porque o sinal não passa da lesão.
Síndrome de liberação extrapiramidal: maior motilidade VA e rigidez. É utilizado Plasil para o tratamento.

Vic – Turma XLVII

Você também pode gostar