Você está na página 1de 9

Geografia

Situado na Região Centro-Oeste do Brasil, o Distrito Federal está totalmente encravado no


estado de Goiás, ocupando uma área de 5.787,784 quilômetros quadrados, o que
corresponde a aproximadamente 0,07% do território brasileiro.

O relevo do Distrito Federal possui altitude média de 1,1 mil metros. O terreno, situado no
Planalto Central Brasileiro, é marcado por um planalto de topografias suaves. O ponto mais
elevado é o pico do Roncador, localizado na serra do Sobradinho, com 1.341 metros acima do
nível do mar.

No Distrito Federal predomina o clima tropical de altitude, com duas estações bem definidas:
uma seca (de maio a setembro) e outra chuvosa (de outubro a abril). Durante o período de
estiagem, a umidade relativa do ar pode atingir menos de 20%, fato que provoca várias
doenças respiratórias, sobretudo nas crianças. A temperatura média anual é de 21 °C.

O cerrado é o principal bioma do Distrito Federal. Sua vegetação é marcada por pequenos
arbustos e árvores com troncos retorcidos, raízes profundas, cascas grossas e folhas
recobertas de pelugem. Existem, ainda, regiões de gramíneas e de árvores de grande porte
(cerradão).
Mapa Hidrológico - DF
Hidrografia
O Distrito Federal é caracterizado como um divisor de águas.

-Principais bacias hidrográficas da região:

•Bacia do Rio Descoberto (oeste): deságua na Bacia do Paraná. Fornece cerca de 60% da
água tratada consumida no Distrito Federal.
•Bacia do Preto (leste): deságua na Bacia do São Francisco.
•Bacia do São Bartolomeu (sul/sudeste): deságua na Bacia do Paraná.
•Bacia do Maranhão (norte): deságua na Bacia do Tocantins/Araguaia.

Atualmente essas bacias passam por um forte processo de degradação devido a dois
aspectos diretos: a utilização excessiva da agropecuária e a ocupação irregular do solo para
fins urbanos.
Lago Paranoá
Lago Paranoá
O Lago Paranoá é um lago artificial de Brasília, no Distrito Federal, no Brasil. Foi
concebido em 1894 pela Missão Cruls [1] e concretizado com a construção da cidade,
durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek.

O lago é formado pelas águas represadas do Rio Paranoá. Tem 48 quilômetros


quadrados de área, profundidade máxima de 38 metros e cerca de oitenta
quilômetros de perímetro, com algumas praias artificiais, como a "Prainha" e o
"Piscinão do Lago Norte". Localizado em Brasília, foi criado com o objetivo de
aumentar a umidade em suas proximidades.
O rio Paranoá, é formado pelos córregos Torto, Bananal, Fundo e Gama. O
represamento deste rio veio a formar um lago com 400 km² de área, no qual foi
construída a Hidrelétrica do Paranoá, responsável por parte da energia consumida
em Brasília.
Estação Ecológica de Águas Emendadas
A Estação Ecológica de Águas Emendadas é uma estação ecológica localizada no
planalto central brasileiro, no extremo nordeste do Distrito Federal, na região
administrativa de Planaltina, a uma distância de 50 km do centro de Brasília e a 5
km do centro de Planaltina . Com visitação controlada, a estação que está sob
responsabilidade do Instituto Brasília Ambiental - IBRAM, do Governo do Distrito
Federal, tem uma área de 10 mil 547 hectares e é destinada à proteção do
ambiente natural, realização de pesquisas básica e aplicada em ecologia e à
educação conservacionista. Em 1992 foi declarada pela UNESCO área nuclear da
Reserva da Biosfera do Cerrado.

O primeiro registro da região foi feito no Relatório da Comissão Exploradora do


Planalto Central, coordenada por Luís Cruls, em 1892
O Fenômeno da Águas Emendadas

A Estação ecológica tem esse nome por se tratar de um fenômeno


hidrográfico de dispersão de águas, fluindo a partir de um mesmo ponto
para lados opostos, formando a Bacia do Tocantins-Araguaia e a Bacia
platina. Para o norte, o córrego Vereda grande alimenta o Rio Maranhão,
que após desaguar na Lagoa da barragem de Serra da Mesa continua pelo
Rio Tocantins que, após se juntar ao Rio Araguaia, deságua no Oceano
Atlântico, na Baía do Marajó; para o sul, o Córrego Brejinho engrossa o
Córrego Fumal, que deságua no Rio Pipiripau e que, após confluir com o
Rio Mestre d'Armas, forma o Rio São Bartolomeu, que, por sua vez, corre
para o Rio Corumbá e deste para o Rio Paranaíba, formando então o Rio
Paraná, indo finalmente desaguar no estuário do Prata.