Você está na página 1de 9

ISSN 1983 1501

REA – Revista de estudos ambientais (Online)


v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE POLÍMERO NATURAL EXTRAÍDO DO


CACTO MANDACARU (Cereus jamacaru) COMO AUXILIAR NOS
PROCESSOS DE COAGULAÇÃO E FLOCULAÇÃO NO
TRATAMENTO DE ÁGUA

Ricardo Fiori Zara1, Maria Helena Thomazini2 e Guilherme Felipe Lenz3

_______________________________________________________________________________
Resumo: Apesar da reconhecida eficácia de coagulantes químicos no tratamento de água, há desvantagens
associadas ao uso desses produtos, como a sua ineficácia em baixa temperatura, custos de aquisição
relativamente altos, produção de grande volume de lodo, ação significativa sobre o pH da água tratada e
efeitos prejudiciais sobre a saúde humana. O polímero natural extraído do cacto Mandacaru (Cereus
jamacaru) foi estudado para ser utilizado como auxiliar do sulfato de alumínio nos processos de coagulação e
floculação através de ensaios realizados em Jar-Test. Os extratos do cacto foram preparados com água
-1 -1
destilada e com soluções de ácido clorídrico 0,1 mol L , de hidróxido de sódio 0,01 e 0,1 mol L e de cloreto
de sódio 1%. A remoção de turbidez utilizando os polímeros associado ao sulfato de alumínio foi superior a
obtida somente com o sal. A formação de flocos maiores e volumosos refletiu no aumento da velocidade de
decantação. Os polímeros não causaram uma variação considerável na alcalinidade e pH final da água
remanescente dos ensaios. Assim, os polímeros do cacto Mandacaru se mostraram eficientes como
auxiliares de coagulação/floculação, sendo uma alternativa para o tratamento de água, principalmente na
região semiárida brasileira, onde é abundante.

Palavras-chave: Extrato de cacto. Remoção de turbidez. Auxiliar de coagulação.


_______________________________________________________________________________________

1 Introdução BERNARDO; CENTURIONE FILHO, 2002).


Para o fornecimento de água de
A água é o componente inorgânico qualidade à população e suas atividades
mais abundante na matéria viva da superfície cotidianas, existe o tratamento de água. Este
da Terra, na qual ocupa 75% do volume. consiste numa série de operações unitárias,
Deste montante, 97% representam os dentre as quais se destaca a coagulação, um
oceanos, mares e lagos salgados. Da processo que envolve a aplicação de
parcela de água doce remanescente, 72% produtos químicos que possibilitem a
encontram-se em manancial subterrâneo, remoção de compostos em solução e a
27% formam as geleiras e o restante é desestabilização de suspensões coloidais e
dividido entre a atmosfera (5,5%), cursos sólidos que não podem ser removidos por
d’água (0,5%), umidade do solo (33%), sedimentação ou filtração. Intimamente
reservatórios (2%) e lagos (59%) (LIBÂNIO, ligada à coagulação está a floculação,
2008). durante a qual as partículas desestabilizadas
Embora essencial para a vida, a pelo coagulante metálico aglutinam-se e
água pode conter substâncias, elementos formam flocos passíveis de decantação
químicos e micro-organismos que devem ser (RICHTER, 2009).
reduzidos em concentração ou eliminados Segundo Libânio (2008), para ser
para que não sejam nocivos à saúde empregado no tratamento de água, o
humana. Em países em desenvolvimento, coagulante metálico necessita, em solução
diversas doenças provêm da má qualidade aquosa, passar por um processo chamado
da água de consumo. No Brasil, estima-se hidrólise, no qual os seus cátions formam
que 60% dos problemas de saúde estejam fortes ligações com o oxigênio, podendo se
relacionados com saneamento básico coordenar com até seis moléculas de água,
+
ineficiente, refletindo sobre a qualidade de liberando íons H e reduzindo o pH do meio.
vida da população (DI BERNARDO; DI Desta maneira, forma-se um precipitado das
____________________
1
E-mail: ricardozara@utfpr.edu.br
Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Toledo, Rua Cristo Rei, 19, CEP 85902-409.
2
E-mail: mhelenathomazini@hotmail.com
3
E-mail: guilherme_flenz@hotmail.com
76
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

formas hidrolisadas do metal. Com o filtros. Os polímeros também diminuem o


processo de mistura rápida, as espécies volume de lodo formado e melhoram as
hidrolisadas entram em contato com as condições de desidratação do mesmo
impurezas em suspensão, desestabilizando- (RICHTER, 2009; LIBÂNIO, 2008).
as. Com a posterior colisão destas partículas Além disso, permitem aumentar a
ocorre a floculação. produção de água tratada e a redução da
O sulfato de alumínio é um dimensão de unidades de floculação e
coagulante químico com grande decantação em uma Estação de Tratamento
disponibilidade, sendo o mais empregado em de Água (ETA); conter a dosagem de
estações de tratamento de água brasileiras, coagulantes metálicos empregados no
e apresenta baixo custo. Ao ser adicionado a tratamento de água e seus respectivos
água, quase instantaneamente e de modo inconvenientes, como a redução de gastos
complexo, ocorrem reações de polimerização com alcalinizante para a correção do pH final
e hidrólise, que se combinam e formam da água, uma vez que menores dosagens de
espécies polinucleares de alumínio, como coagulante metálico minimizam quedas de
3+ 4+
Al6(OH)15 , Al7(OH)17 , e sucessivamente pH de coagulação (RICHTER, 2009;
5+
até Al13(OH)34 . Essas espécies são LIBÂNIO, 2008).
responsáveis por promover a No Brasil, além da demanda de água
desestabilização dos coloides (LIBÂNIO, de qualidade, a escassez de recursos
2008; RICHTER, 2009). financeiros para os sistemas de saneamento
Apesar de reconhecida a eficácia de básico tem estimulado pesquisas que
coagulantes químicos utilizados no aperfeiçoem os processos de coagulação e
tratamento de água, há desvantagens floculação, assim como o emprego de
associadas com o uso desses produtos, polímeros no tratamento de água (RICHTER,
como a ineficácia em baixa temperatura da 2009).
água, os custos de aquisição relativamente Os polímeros, quando obtidos de
altos, a produção de grande volume de lodo, fontes naturais, são produtivos, altamente
ação significativa sobre o pH da água tratada biodegradáveis e suscetíveis de fornecer
e efeitos prejudiciais sobre a saúde humana, água tratada sem alteração de pH. Tendo em
como indícios do alumínio estar ligado ao vista o esgotamento dos recursos naturais da
desenvolvimento do Mal de Alzheimer (YIN, Terra e a degradação ambiental, se a planta
2010). da qual é extraído o coagulante é de região
Polímeros sintéticos são utilizados extrativista ou de comunidade rural, pode-se
como coagulantes primários ou auxiliares de tornar uma iniciativa de desenvolvimento
coagulação a mais de 30 anos, devido ao sustentável (RICHTER, 2009; YIN, 2010).
fato de melhorar a eficiência da floculação e A aplicação de espécies de cactos
a desidratação do lodo gerado. Quando para tratamento de água é bastante recente
empregados na coagulação, os polímeros em comparação com outros coagulantes
atuam permitindo a formação de pontes naturais, tais como nirmali e a Moringa
químicas, através de ligações de hidrogênio oleifera (YIN, 2010). De acordo com Zhang
ou forças de van der Walls, quando as et al. (2006), cactáceos têm recebido grande
partículas coloidais são adsorvidas na cadeia atenção nos últimos anos devido à sua
do composto, que deve ser longa, a fim de composição química e estrutural, de
evitar o efeito repulsivo da dupla camada e componentes nutritivos e médicos, como
permitir a adsorção em sua superfície. proteínas, amilose, ácido málico, resina,
Porém, uma dose excessiva de polímero vitaminas e celulose. Os gêneros de cactos
evitará a formação destas ligações devido à mais estudados para tratamento de água são
ausência de sítios ionizáveis disponíveis Opuntia, devido às suas propriedades
(LIBÂNIO, 2008; RICHTER, 2009). medicinais e fonte de alimento, e Latifaria,
O uso de polímeros como auxiliares que também tem sido utilizado com sucesso
de coagulação e floculação oferece como coagulante natural (YIN, 2010).
vantagens, como o acréscimo de tamanho, O cacto Mandacaru (Cereus
densidade e resistência da matéria floculada, jamacaru De Candolle) é uma planta típica
o que pode elevar a velocidade de do Brasil que pode atingir 10 metros de
decantação dos flocos e aumentar a altura, como ilustrado na Figura 1a, possui
resistência destes ao efeito de cisalhamento, tronco lenhoso que pode chegar a 60 cm de
causado por forças hidrodinâmicas do diâmetro, muitas hastes eretas, destacados
escoamento através dos interstícios do meio na Figura 1b, formando topo compacto. É
filtrante, aumentando, assim, a vida útil dos abundante na região nordeste do Brasil, mas
77
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

pode ser encontrado até Santa Catarina. Na alimento para o gado pela capacidade de
região semiárida do Brasil, em anos de seca, armazenar grande quantidade de água
são queimados os espinhos para que as (DAVET, 2005).
hastes de Mandacaru sejam utilizadas como

Figura 1 – (a) Cacto Mandacaru (Cereus jamacaru D.C.), (b) Detalhe do caule.

(a) (b)
Fonte: Garrido (2007).

O uso medicinal do cacto Mandacaru Toledo, região oeste do estado do Paraná.


é pouco difundido, mas popularmente se Os ensaios foram realizados nos laboratórios
atribui às raízes e ao caule ação diurética e de Química e Processos Químicos da
benéfica aos males do coração, doenças Universidade Tecnológica Federal do
respiratórias e renais. Toda a planta é usada Paraná, câmpus Toledo. Todos os reagentes
no combate ao escorbuto e nas afecções do utilizados possuíam pureza analítica.
aparelho respiratório (bronquites, tosse, Para a extração do polímero do
catarro). Dentre as substâncias químicas cacto Mandacaru foram adotadas duas
identificadas no Mandacaru está a tiramina, etapas: (i) preparação - limpeza e retirada
conhecida por sua atividade dos espinhos, corte e maceração no graal
simpatomimética e provável responsável com pistilo; (ii) extração - as soluções de
pela atividade cardiotônica (DAVET et al., extração foram água destilada e soluções de
2009). cloreto de sódio 1%, ácido clorídrico 0,10 mol
-1 -1
Neste contexto, este trabalho teve L e hidróxido de sódio 0,10 e 0,01 mol L .
por objetivo o estudo da eficiência do Utilizou-se a relação de 1 g de cacto
polímero natural, de baixo custo, extraído do preparado para 2,5 mL da solução de
cacto Mandacaru (Cereus jamacaru), na extração. A mistura foi homogeneizada em
remoção de turbidez como auxiliar de agitador magnético marca Nova Ética,
coagulação e floculação no tratamento de modelo 114, durante 40 minutos, sendo
água, bem como de sua ação sobre as posteriormente filtrada com peneiras de
características físico-químicas da água plástico. O complexo viscoso resultante foi
clarificada: pH e alcalinidade total. acondicionado em frasco âmbar, e
armazenado sobre refrigeração à 5ºC até a
realização dos ensaios no equipamento Jar-
2 Metodologia Test.

2.1 Extração do polímero do cacto


mancadaru 2.2 Ensaios de coagulação/floculação

O cacto Mandacaru (Cereus Os ensaios de coagulação e


jamacaru) foi coletado no município de floculação foram realizados em reator
78
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

estático Jar-test, marca Nova Ética, modelo sal de alumínio.


218-8 LDB, com seis jarros. A água bruta Para a mistura rápida, empregou-se
utilizada foi proveniente do rio Toledo, rotação de 150 rpm, durante tempo de 2
município de Toledo, Paraná, coletada no dia minutos, após a dispersão do coagulante
da realização do teste no ponto de captação metálico. Posteriormente a mistura rápida
de água para tratamento da Sanepar prosseguiu-se à floculação, quando a
(Companhia de Saneamento do Paraná), rotação foi reduzida para 30 rpm, durante 15
unidade Toledo. A água foi coletada em uma minutos. Na decantação, empregou-se
época com precipitações dentro da tempo de 15 minutos, com a rotação
normalidade para os padrões anuais, desligada.
mantendo condições de turbidez constantes Com a dosagem ideal do sulfato de
durante o período. alumínio pré-estabelecida, procedeu-se ao
A água bruta e clarificada nos teste de eficiência do polímero de cacto
ensaios foi caracterizada, medindo-se a Mandacaru como auxiliar de
turbidez com aparelho turbidímetro marca coagulação/floculação. Foi adicionado 1 mL
Nova Orgânica, modelo TB 1000, e pH com de extrato de cacto, após 30 segundos da
equipamento pHmetro marca Policontrol, aplicação do coagulante metálico.
modelo 250. A alcalinidade total foi Para a mistura rápida, floculação e
determinada pelo método titulométrico decantação do ensaio dos polímeros
th
baseado no 20 Standard Methods for the empregaram-se os mesmos parâmetros do
Examination of Water and Wastewater ensaio com os coagulantes metálicos.
(APHA; AWWA; 1999).
Nos ensaios de
coagulação/floculação, utilizou-se 1,5 litros 3 Resultados e discussão
de água bruta, adicionada nos jarros do
equipamento de modo a garantir a A água bruta utilizada nos testes
homogeneidade da amostra. apresentou pH inicial de 6,2 e alcalinidade
-1
Inicialmente foi determinada a total de 15,0 mg L em CaCO3. Segundo
dosagem de coagulante metálico sulfato de Richter (2009), o sulfato de alumínio,
alumínio 1% que apresentasse a melhor adicionado à água, sofre a reação de
remoção de turbidez. Para tal, foram hidrólise descrita na equação 1, que dura
+
adicionados volumes variados de 0,5 mL (3,3 entre 5 a 7 segundos. Assim, libera íons H
-1 -1
mg L ), 1,0 mL (6,7 mg L ), 1,5 mL (10,0 mg ao meio, reduzindo o pH.
-1 -1 -
L ), 2,0 mL (13,3 mg L ), 2,5 mL (16,7 mg L Quando em alcalinidade natural
1 -1
) e 3,0 mL (20,0 mg L ), e uma quantidade suficiente, ocorrem as reações das equações
de hidróxido de cálcio 1% a fim de adequar a 2 e 3.
alcalinidade da água bruta ao requerido pelo
+ 2-
Al2(SO4)3 + 6 H2O → 2 Al(OH)3↓ + 6 H + 3 SO4 (1)
- +
HCO3 + H ↔ H2CO3 (2)

Al2(SO4)3.14 H2O + 3 Ca(HCO3)2 → 2 Al(OH)3↓ + 3 CaSO4 + 6 H2CO3 + 14 H2O (3)

Devido ao baixo valor de alcalinidade fornecer ânions hidróxido à reação de


da água bruta, foi necessária a adição do hidrólise, como observado na reação da
alcalinizante hidróxido de cálcio, para equação 4.

Al2(SO4)3.14 H2O + 3 Ca(OH)2 → 2 Al(OH)3↓ + 3 CaSO4 + 6 H2CO3 + 14 H2O (4)

Os valores contidos na Tabela 1, agente alcalinizante em quantidade


derivados do proposto por Richter (2009), proporcional a requerida para as reações de
-1
indicam que cada mg L de Al2(SO4)3 hidrólise de sulfato de alumínio. As dosagens
-1
adicionado a água consome 0,45 mg L de de alcalinizante consideraram que para cada
-1
alcalinidade do meio. Por isso, foi adicionada mg L de cal hidratada, adiciona-se 1,35 mg
-1
solução de hidróxido de cálcio 1% como L de alcalinidade a água.
79
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

Tabela 1 – Adição de alcalinizante aos ensaios, de acordo com a necessidade do coagulante metálico.
Dosagem de Equivalente Al2(SO4)3 Alcalinidade consumida pelo Volume de Ca(OH)2
-1 -1
Al2(SO4)3 (mL) (mg L ) alcalinizante (mg L ) adicionado (mL)
0,5 3,3 1,5 0,2
1,0 6,7 3,0 0,4
1,5 10,0 4,5 0,7
2,0 13,3 6,0 0,9
2,5 16,7 7,5 1,1
3,0 20,0 9,0 1,3

-1
A Figura 2 mostra a porcentagem de 3,0 mL (20,0 mg L ) de sulfato de alumínio e
-1
remoção de turbidez, no ensaio de 1,3 mL (8,9 mg L ) de hidróxido de cálcio,
coagulação/floculação, conforme a dosagem obtendo remoção de 88,0% da turbidez
de sulfato de alumínio adicionado. A turbidez inicial. Tais dosagens foram utilizadas no
da água bruta utilizada no teste foi 17,9 UNT. ensaio dos polímeros de cacto Mandacaru,
A maior eficiência de remoção de como auxiliares de coagulação e floculação.
turbidez foi observada para a dosagem de

Figura 2 - Remoção de turbidez em função da dosagem de sulfato de alumínio.

A eficiência, em termos de remoção água destilada, justificando a baixa eficiência


de turbidez de 20,3 UNT da água bruta, para obtida pela aplicação do extrato aquoso no
os extratos de cacto Mandacaru, pode ser ensaio.
observada na Figura 3. Observa-se que o No processo de floculação, foi
polímero de cacto em conjunto com os observada a formação e as características
diferentes auxiliares de coagulação e dos flocos gerados. Com o emprego do
floculação utilizados possibilitou o aumento sulfato de alumínio, sem o uso dos
da remoção de turbidez, acima do obtido polímeros, ocorre a formação de flocos
pela aplicação do coagulante metálico sem pequenos, mas em grande número. Com o
os extratos. decorrer do tempo de mistura lenta, os flocos
A turbidez remanescente dos se agregam e ficam maiores. Com a adição
ensaios realizados com o uso do polímero dos polímeros de cacto, como auxiliares de
extraído do cacto, com as soluções de HCl coagulação/floculação, ao coagulante
-1 -1
0,01 mol L , HCl 0,10 mol L , NaOH 0,10 metálico, além de aumentar a remoção de
-1
mol L e NaCl 1% foram respectivamente de turbidez da água bruta, pôde-se observar a
1,8 UNT, 2,4 UNT, 1,3 UNT e 1,9 UNT. O formação, em menor número, de flocos
extrato preparado com água destilada não grandes e filamentosos. Após decorrer o
apresentou efeito satisfatório, resultando tempo de mistura lenta, também se
numa turbidez remanescente de 14,6 UNT. formaram agregados maiores e mais densos.
Acredita-se que as soluções de HCl, NaOH e Na decantação, pôde-se verificar que o
NaCl, devido a força iônica, sejam mais emprego dos polímeros de cacto tornou a
eficientes na extração do polímero do que a sedimentação dos flocos mais rápida,
80
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

quando comparado ao caso de uso do água tratada após o experimento de


sulfato de alumínio sem a adição dos coagulação/floculação com o sulfato de
auxiliares de coagulação e floculação. alumínio são apresentadas na Tabela 2.
As características físico-químicas da

Figura 3 - Eficiência dos polímeros de cacto em termos de remoção de turbidez da água bruta.

Tabela 2 – Características físico-químicas da água remanescente do ensaio com o coagulante


metálico.
-1
Dosagem de Al2(SO4)3 (mL) pH final Alcalinidade total final (mg L CaCO3)
0,5 6,2 18,0
1,0 6,2 14,0
1,5 6,6 17,0
2,0 6,8 14,0
2,5 6,7 19,0
3,0 6,4 10,0

-1
O pH e a alcalinidade total da água (1,3 mL – 8,9 mg L ). Os resultados de pH
remanescente do ensaio com os polímeros obtidos com o uso dos polímeros de cacto e
são apresentados na Tabela 3. Os polímeros o pH resultante apenas pelo uso do
foram adicionados como auxiliares de coagulante metálico na sua dosagem ideal,
coagulação/floculação segundo dosagem não apresentaram variação significativa entre
ideal pré estabelecida de sulfato de alumínio os processos.
-1
(3,0 mL – 20 mg L ) e hidróxido de cálcio

Tabela 3 – Características físico-químicas da água remanescente dos ensaios com polímeros de


cacto.
-1
Extrato de cacto preparado com pH final Alcalinidade total final (mg L CaCO3)
-1
HCl (0,01 mol L ) 6,3 12,0
-1
HCl (0,10 mol L ) 6,2 15,0
-1
NaOH (0,10 mol L ) 6,5 15,0
NaCl (1%) 6,6 10,0
Água destilada 7,1 15,0

A adição do extrato de cacto encontrado quando se adicionou apenas o


preparado com HCl causou pequena sulfato de alumínio. Os extratos de NaOH e
redução de pH em relação ao valor NaCl, por outro lado, aumentaram em
81
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

pequena escala o valor de pH do meio. de cactáceos no tratamento de água também


A alcalinidade total da água tratada têm obtido bons resultados. Neste contexto,
resultante do experimento com adição dos Diaz et al. (1999) utilizaram o cacto latifaria
polímeros também se manteve próxima como coagulante primário para a remoção de
daquela determinada na água tratada no turbidez de água sintética, obtendo
ensaio contendo apenas o coagulante resultados satisfatórios. Neste estudo, os
metálico na sua dosagem ideal, indicando autores fizeram um comparativo do uso da
pouca variação deste parâmetro com o uso moringa, prosopis juliflora com o uso de
dos extratos de cacto. sulfato de alumínio com o polímero de cacto,
Os resultados obtidos enaltecem as obtendo este os melhores efeitos.
características apresentadas por Richter Zhang et al. (2006), utilizando
(2009) a respeito do uso de polímeros no polímero extraído do cacto opuntia como
tratamento de água, sendo que, com coagulante primário, concluíram que a
exceção do polímero extraído com água grande eficiência na remoção de turbidez,
destilada, todos os demais extratos pode ser comparada a ação da moringa,
possibilitaram uma remoção de turbidez como coagulante. Comparando-se o uso do
acima do verificado para o caso do uso do coagulante metálico cloreto de alumínio com
sulfato de alumínio sem adição de auxiliares, a mesma dosagem de polímero de cacto, os
tornando o processo de clarificação da água autores obtiveram resultados melhores de
mais eficiente. remoção de turbidez e carbono orgânico total
Pôde-se observar também que os com o polímero de cacto. Os autores
polímeros formam flocos de maior tamanho sugerem, então, o cacto como substituto do
do que os desenvolvidos pelo coagulante cloreto de alumínio no processo de
metálico e, consequentemente, a velocidade tratamento de água, e indicam o potencial de
de decantação dos mesmos é superior, aplicação em grande escala, embora o seu
podendo aumentar a produção das estações desenvolvimento ainda se limite a escala
de tratamento existentes sem ampliação do laboratorial.
seu espaço físico. A Portaria 2914/2011 do Ministério da
Os polímeros, além de facilitarem a Saúde (BRASIL, 2011) estabelece que a
desidratação do lodo gerado na estação, água de abastecimento público apresente,
possibilitam a redução da dosagem de em qualquer ponto do sistema de
sulfato de alumínio como agente coagulante, distribuição, turbidez abaixo de 5 UNT. Nos
podendo assim diminuir o residual do ensaios realizados com os polímeros de
elemento no lodo gerado na estação e cacto Mandacaru, obtiveram-se valores de
possibilitar o reuso deste. turbidez final abaixo deste valor, em água
Pesquisas realizadas com polímeros não filtrada.
naturais empregados como coagulantes
primários ou auxiliares de coagulação e
floculação também têm apresentado 4 Conclusões
resultados satisfatórios. Cardoso et al. (2008)
empregaram a Moringa oleifera como É possível inferir que os polímeros
coagulante primário, e atingiram remoção de extraídos do cacto Mandacaru (Cereus
turbidez da água bruta em valores superiores jamacaru) possuem aplicação viável como
a 80%. auxiliares de coagulação e floculação para o
Ozacar e Sengil (2003) estudaram a sulfato de alumínio, em ensaios realizados
aplicação de polímero aniônico tanino, sendo em Jar-Test, apresentando boa eficiência em
que este, em conjunto com o sulfato de termos de remoção de turbidez da água
alumínio, apresentou maior remoção de bruta, acima da obtida pelo coagulante
turbidez do que o coagulante metálico sem o metálico sem aplicação do polímero. Logo, a
polímero. Desta maneira o tanino possibilitou sua aplicação em escala maior em Estação
a redução da dosagem de sulfato de de Tratamento de Água pode ser realizada
alumínio aplicada no processo, além de com sucesso.
favorecer a formação de flocos volumosos e Em relação às características físico-
de lodo com filtração facilitada. Já Sciban et químicas da água clarificada, pH e
al. (2009) utilizaram castanhas e carvalho alcalinidade total, o uso dos polímeros não
para a clarificação da água turva de baixa causou variação significativa quando
turbidez, obtendo uma eficiência de 80% e comparado somente ao uso do coagulante
70% respectivamente. metálico. Pequenas variações decorreram da
Estudos realizados com aplicações solução utilizada na extração do polímero.
82
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

O uso dos polímeros naturais do país pode apresentar maior valor agregado,
cacto Mandacaru possibilitou a formação de tornado viável a sua produção e aplicação no
flocos de tamanho maior do que aqueles que tratamento de água, reduzindo o custo do
se formaram quando do uso do sulfato de produto fornecido ao consumidor.
alumínio, aumentando a velocidade de O desenvolvimento deste produto
decantação da matéria floculada. Portanto, o pode gerar impactos socioeconômicos, como
tempo de floculação e decantação em uma a geração de renda para o pequeno produtor
estação de tratamento de água pode ser e a alternativa de plantio na região semiárida
reduzido, tornando o processo mais rápido e brasileira, podendo se cultivar e colher o
a produção de água tratada maior. cacto Mandacaru de modo sustentável,
O polímero desenvolvido a partir de minimizando a agressão ao meio ambiente.
uma fonte natural barata e abundante no

_______________________________________________________________________________
5 Study of the efficiency of a natural polymer extracted from the Mandacaru cactus (Cereus
jamacaru) as an adjuvant in the coagulation and flocculation process in water treatment

Abstract: Despite the recognized efficacy of chemicals coagulants for water treatment, there are
disadvantages associated with the use of these products, as its ineffectiveness in low temperature, relatively
high acquisition costs, high volume production of sludge, significant action on the pH of the treated water and
harmful effects on human health. The natural polymer extracted from the Mandacaru cactus (Cereus
jamacaru) was studied for be used as an auxiliary to the aluminum sulphate in the processes of coagulation
and flocculation by tests performed in Jar-tests. The cactus extracts were prepared with distilled water and
-1 -1
with solutions of hydrochloric acid 0.1 mol L , sodium hydroxide 0.01 and 0.1 molL , and sodium chloride
1%. Removal of turbidity using polymers associated with aluminum sulfate was superior to that obtained using
only the salt. The formation of large and bulky flocs increased the settling speed. The polymer did not cause
considerable variation on the final pH and alkalinity of the remaining water of the tests. Thus, polymers
extracted from cactus Mandacaru proved to be efficient as auxiliaries in processes of coagulation/flocculation,
and an alternative for the treatment of water, especially in semiarid region of Brazil, where it is abundant.

Keywords: Cactus extract. Turbidity removal. Coagulation auxiliary.


_______________________________________________________________________________

6 Referências Cereus jamacaru DC, Cactaceae. Revista


Brasileira de Farmacognosia, v. 19, p. 561-564,
Abr./Jun. 2009.
AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION /
AMERICAN WORKS ASSOCIATION / WATER
ENVIRONMENT FEDERATION. Standard DI BERNARDO, Luiz; DI BERNARDO, Angela;
CENTURIONE FILHO, Paulo Lui (Autor). Ensaios
Methods for the Examination of Water and
th de tratabilidade de água e dos resíduos
Wastewater. 20 ed, Washington DC, USA, 1999.
gerados em estações de tratamento de água.
BRASIL. Portaria MS nº 2914/2011. Ministério da São Carlos: RiMa, 2002.
Saúde, Brasília, 2011.
DIAZ, A. et al. A preliminary evaluation of turbidity
removal by natural coagulants indigenous to
CARDOSO, K. C. et al. Otimização dos tempos de
Venezuela. ProcessBiochemistry, v. 35, p. 391–
mistura e decantação no processo de
395, 1999.
coagulação/floculação da água bruta por meio da
Moringa oleiferaLam. Periódicos UEM, Maringá,
GARRIDO, Jesus L. 2007. Cereus jamacaru.
v. 30, n. 2, p. 193-198, 2008.
Disponível em:
DAVET, Aline. Estudo Fitoquímico e biológico <www.suculentas.es/Taxonomia.php?Nodo=2126
do cacto – Cereus jamacaru de Candolle, >. Acesso em: 24 set. 2011.
Cactaceae. 2005. Dissertação de Mestrado,
LIBÂNIO, Marcelo. Fundamentos de qualidade e
Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.
tratamento de água. 2. ed. Campinas, SP:
Disponível em:
Átomo, 2008.
<http://www.farmaceuticas.ufpr.br/pdf/teses_resu
mos/Aline_Davet_dis.pdf>. Acesso em: 15 set.
OZACAR, M.; SENGIL, A. Evaluation of tannin
2011.
biopolymer as a coagulant aid for coagulation of
colloidal particles. Colloids and surfaces A:
DAVET, A. et al. Atividade antibacteriana de
83
REA – Revista de estudos ambientais (Online)
v. 14, n. 2esp, p. 75-83, 2012

Physicochem. Eng. Aspects, v. 229, p. 85-96, de tratamento. São Paulo: Edgard Blucher, 2009.
2003.
YIN, CHUN-YANG. Emerging usage of plant-
SCIBAN, M. et al. Removal of water turbidity by based coagulants for water and wastewater
natural coagulants obtained from chestnut and treatment. Process Biochemistry, 45, 2010.
acorn. Bioresource Technology, v. 100, p. 6639
– 6643, 2009. ZHANG, J. et al. A preliminary study on cactus as
coagulant in water treatment. Bioprocess
RICHTER, Carlos A. Água: métodos e tecnologia Chemistry, v. 41, p. 730-733, 2006.