Você está na página 1de 3
A IMPORTÂNCIA DO PSICÓLOGO O TRATAMENTO HEMODIALÍTICO E O PAPEL DO PSICÓLOGO O papel do
A IMPORTÂNCIA DO PSICÓLOGO
O TRATAMENTO HEMODIALÍTICO E O PAPEL DO PSICÓLOGO
O papel do psicólogo é de extrema importância no que diz respeito à melhoria do bem-estar
do paciente, na sua adaptação a novas rotinas e novos objetivos de vida e ainda na
identificação e consciencialização das suas emoções e sentimentos.

A IMPORTÂNCIA DO PSICÓLOGO

FALTAM

   

CUIDADOS

NA

 

O

TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

GESTÃO

 

E

O PAPEL DO PSICÓLOGO

DO

 
 

HUMOR

 

A

insuficiência

renal

Quem sou eu?

crônica é considerada

Chamo-me Ricardo Cardoso sou psicólogo há mais de dez anos, tendo trabalhado em várias áreas da psicologia, tanto com adultos como com crianças e famílias, nos últimos anos tenho-me especializado na educação e na terapia com foco nas emoções.

um

grave problema de

saúde

pública

no

mundo. Esta doença

Acreditando que este método é uma excelente intervenção em doentes hemodialisados.

tem

um

 

grande

impacto na qualidade

de

vida

e

na

O que proponho fazer?

 

regulação

do

humor

De acordo com ADAM e HERZLICH (2001), a doença não é somente um conjunto de sintomas; ela é um fenômeno significativo, constitui um transtorno que pode vir a ameaçar ou a alterar completamente a vida do doente. O conceito de saúde é elaborado a partir do

sentimento de bem-estar físico e psicológico, da possibilidade de realizar atividades e de um relacionamento harmônico com os outros; ou seja, sempre baseado nas relações da pessoa com seu meio social. Nesse sentido parece-me importante o apoio psicológico na questão da aceitação e reformulação de objetivos para esta nova vida, tal como na identificação e reconhecimento das emoções e dos sentimentos.

do paciente.

No

entanto

poucas

sãos

as

instituições

vocacionadas para o

tratamento

 

desta

doença que têm isso

em atenção.

 

RUSSO (2006) chama a atenção para a doença nessa dimensão social e cita também a existência de uma “causa moral”. Para a autora, há outro tipo de sofrimento do paciente devido a muitas doenças estarem associadas a uma “falta de moral”–, desleixo com a saúde, excessos, modo de vida desregrado, vida sedentária , comportamentos passíveis de condenação moral por assumirem um caráter de responsabilidade pela doença. Esses fatores podem levar o paciente a se sentir culpado por ter a doença. É fundamental

 
   
 

1

trabalhar o sentimento de culpa, procurando construir uma maior valorização do paciente e da sua vida.

De acordo com a pesquisa de REIS, GUIRARDELLO & CAMPOS (2008), entre as reclamações do paciente em hemodiálise aparecem em grande evidência a uma ausência de perspetiva quanto ao futuro e uma visão da morte como sendo uma possibilidade iminente pensamentos que podem interferir na procura de uma melhor qualidade de vida. Trabalhar os pensamentos negativos, mostrando uma formula, para os identificar, racionalizar e projeta-los em novos pensamentos mais positivos é um trabalho extremamente importante.

Para o paciente renal, a depressão pode significar a perda da confiança na eficácia do tratamento e, mais gravemente, levar o paciente a não aceitar viver nas condições impostas pelo tratamento acabando por abandoná-lo, o que pode levar ao suicídio. É mais que evidente a importância da identificação de casos de doentes depressivos construindo protocolos de intervenção e aconselhamento terapêutico.

Numa clínica é o modelo médico que influencia a conduta dos profissionais que formam a equipa de saúde. Nesse modelo, o paciente, de acordo com RUSSO (2007), é despido de tudo aquilo que marca a sua singularidade para ser examinado e tratado. Aborda-se o orgânico, a doença; porém, o que o paciente sente e pensa a respeito do tratamento é deixado para segundo plano ou muitas vezes nem mesmo é considerado relevante. No entanto são muitas as pesquisas que afirmam a importância desse trabalho que é realizado pelo psicólogo, trabalhar os pensamentos, os sentimentos, as emoções, não só melhoram os comportamentos como provocam melhores resultados no tratamento do doente.

O papel do psicólogo como parte integrante da equipa de saúde é, primeiramente, o de identificar o indivíduo por de trás dos sintomas - entendê-lo nas suas vivências, medos e ansiedades, no seu contexto de vida, na sua perceção de si mesmo e da doença.

Como proponho executar?

Proponho executar todos estes objetivos, através de reuniões de grupo, enquanto os doentes estão em tratamento.

Avaliações individuais, quando assim existam alguns sintomas de alarme.

Preenchimento de questionários de rasteio de doenças ou transtornos psíquicos.

Sessões terapêuticas individuais.

Construção de mapas e tabelas de intervenção.

2