Você está na página 1de 6

Reator de conversão para produção de metanol

Mariana Michel – 87068


Nathália Fassbender – 87085
O processo de produção de metanol pode ser feito majoritariamente por duas rotas químicas:
a do gás natural e a do dióxido de carbono atmosférico.

A rota do dióxido de carbono atmosférico é caracterizada pela seguinte reação:

CO2 + 3H2 --> CH3OH + H2O ∆H = -12 kcal/mol

Uma grande desvantagem desta rota é o fato de que ela possui muitas reações paralelas que
consumirão o reagente limitante e irão formar monóxido de carbono (CO), metano (CH4) e
pequenos traços de etano (C2H6).

A rota do gás natural parte de um gás com composição 73% H2, 15% CO, 9% CO2 e 3% CH4. As
reações que podem ocorrer são:

CO2 + 3H2 --> CH3OH + H2O ∆H = -12 kcal/mol

CH4 + H2O --> CO + 3 H2 ΔH = + 49 kcal/mol

CO + 2 H2 --> CH3OH ΔH = - 22 kcal/mol

Nota-se que a existência da reação da primeira rota também neste caso, porém o objetivo
desse método é produzir metanol pela terceira reação, que devido à ausência de reações
paralelas nos gerará um maior rendimento.

Sendo assim no processo de produção do metanol, a rota química escolhida foi à rota a partir
do gás natural. Como o foco era a terceira reação partimos do pressuposto que somente ela
iria ocorrer neste devido reator, logo a reação do metano para geração de monóxido de
carbono foi considerada previamente realizada. Logo partimos do pressuposto que o CO e o
H2 já estariam puros para entrar no reator de conversão, porém sabe-se que em um processo
real uma etapa de purificação dos reagentes pode ser necessária. Também é conhecida a
existência de um inerte o nitrogênio atmosférico, porém para fins de entendimento da reação
desconsideramos sua entrada no processo.

A reação ocorre a altas pressões (10 a 35MPa) e temperaturas entre 200 a 350°C. Como
mostra o gráfico a seguir retirado da Kirk. Pode-se retirar também a conversão para
determinada temperatura e determinada pressão.
A escolha do pacote termodinâmico foi feita a partir da enciclopédia, onde a natureza dos
compostos foi determinante para a escolha do pacote Peng-Robinson ou SRK.

A partir da base de dados foi possível ver que industrialmente o processo de produção do
metano é feito com o uso de um catalisador de Zinco, Cobre e Alumina.

Como a reação de síntese é exotérmica, a conversão de equilíbrio dos óxidos de carbono em


metanol pela reação é favorecida em altas pressões e temperaturas consideradas baixas (200 a
350°C). Pra uma mistura pura de H2-CO, o monóxido de carbono é adsorvido na superfície do
cobre, onde é o hidrogenado em metanol. A porção de alumina do catalisador serve como
suporte.

Logo esse catalisador favorece a terceira reação e desfavorece a primeira reação.

O hidrogênio é considerado reagente limitante, já que reações paralelas com o CO2 podem
ocorrer, consumindo o hidrogênio.

Para realizar a análise do processo foi feito os graus de liberdade.


Sendo assim foi feito os graus de liberdade para o reator em questão:

 N° de variáveis: 20 (listadas no fluxograma)


 N° de equações: 3 (balanços de massa) e 1 (balanço de energia)
 N° de reações: 1 reação

Graus de liberdade: 20-4+1= 17

Para resolver o problema seguiram-se os passos abaixo. Vale ressaltar que o hidrogênio foi
considerado o reagente limitante.

Passo 1: Definir a composição das correntes de entrada. A corrente de monóxido só continha


monóxido, a corrente de Hidrogênio só continha hidrogênio e não existia metanol na
alimentação.

Sendo assim, foi definida uma alimentação estequiométrica e uma vazão molar de alimentação
(1000kmol/h na alimentação de monóxido). Sabendo essas informações é possível achar:

Alimentação corrente de Hidrogênio: 3 restrições (citadas abaixo)


Hidrogênio 1 (kmol/h)
Monóxido 1 (kmol/h)
Metanol 1 (kmol/h)

Alimentação corrente de Monóxido: 3 restrições (citadas abaixo)


Hidrogênio 2 (kmol/h)
Monóxido 2(kmol/h)
Metanol 2 (kmol/h)
Graus de liberdade: 17-6=11

Passo 2: Definir as pressões de entrada

P1= 30MPa e P2= 30MPa

Faz isso por que o reator de conversão possui volume variável. Logo a pressão tende a se
manter constante sendo assim a pressão de saída será igual à pressão de entrada.

P3=P1

P4=P1
Graus de liberdade= 11-4=7

Passo 3: Determinar duas temperaturas de entrada.

T1=250°C e T2= 250°C

Sabendo as temperaturas de entrada e através das equações do pacote termodinâmico


escolhido (Peng Robinson) é possível calcular as temperaturas de saída.

Graus de liberdade= 7-4= 3

Passo 4: Relações estequiométricas

Ao saber as relações estequiométricas tem-se 2 relações em relação ao reagente limitante.

Graus de liberdade= 3-2= 1

Sendo assim tem-se um grau de liberdade. Esse grau de liberdade será a nossa variável de
projeto que neste caso vai ser a conversão. Sendo assim através da literatura constatou-se que
para uma temperatura de 250°C e uma pressão de 30MPa a conversão será de 85%, sendo
esta baseada no reagente limitante que é o hidrogênio.

 Resolução no simulador

A tabela com os dados fornecidos e calculados pelo simulador pode ser vista abaixo.

A tabela da composição pode ser vista abaixo.


 Discussão

O pacote termodinâmico escolhido foi o Peng-Robinson já que o mesmo apresentou melhores


resultados para a conversão escolhida, ou seja, o valor teórico e o valor simulado foram mais
próximos.

Os produtos da reação estão na fase vapor, isso explica o porquê não existir vazão molar na
corrente de líquido. Já que nenhum líquido foi produzido no processo. Essa informação se
mostra coerente já que segundo a literatura o hidrogênio, o metanol e o monóxido de carbono
estarão em fase gasosa. Logo após a reação será necessário realizar uma etapa de separação
para separar o produto de interesse (metanol) dos reagentes não consumidos. Após essa etapa
os reagentes não consumidos devem voltar à entrada do reator e caso existisse a presença de
inerte o mesmo deverá ser purgado na corrente de reciclo.

Após a reação notou-se um aumento da temperatura que foi para 1215°C, logo se pode dizer
que a reação é exotérmica, liberando energia que poderá ser aproveitada através de uma
integração energética.

Pelos valores finais obtidos no reator pode-se verificar que a conversão foi próxima da
esperada de 85%.