Você está na página 1de 7

DICAS:

Ajuste a estrutura de ganho em um evento ao vivo

Texto, pesquisa e adaptações: Fernando José Peixoto Lopes


Técnico operador de áudio (27)9-9518-4850 Vivo e WhatsApp
fernando@masterdbsound.com.br
APOIO

HTTPS://www.facebook.com/masterdbsound/?ref=bookmarks
Algum tempo atrás, escrevi um artigo falando sobre conceitos fundamentais em som
ao vivo. Um desses conceitos foi a estrutura de ganho e os ajustes de nível
correspondentes em toda a nossa cadeia de áudio.

Este ajuste (em muitas ocasiões menosprezado) é algo tremendamente útil para ser
capaz de apertar nosso equipamento e, claro, também protegê-lo. Não faria sentido,
por exemplo, que o sinal deixasse nosso mixer em bom nível e sem distorção, e que
ao inserir esse sinal em um amplificador, tivéssemos distorção (isso seria um exemplo
de um mau ajuste da estrutura de ganho).

Ter uma estrutura de ganho bem ajustada também nos ajudará a fazer nosso trabalho
de mixagem, e devemos sempre prestar muita atenção.

No artigo de hoje, vamos discutir como realizar um ajuste de estrutura de ganho em


uma situação ao vivo.

É diretamente inspirado no artigo original do site Prosoundtraining "Uma maneira


rápida de configurar a estrutura de ganho do seu sistema".

O problema dos medidores

O principal problema que podemos encontrar ao ajustar nossa estrutura de ganho (isto
é, os níveis de nossa cadeia de áudio) é que cada elemento da cadeia pode ter um
tipo diferente de medidor.

Já escrevi um artigo sobre os medidores de nível em áudio, mas agora, sem ir muito
fundo no assunto, devemos saber que existem diferentes tipos de medidores. E o que
mais me marcou a diferença entre eles são seus tempos de resposta ou sua balística.

Um Vúmetro, por exemplo, tem uma balística lenta, porque sua intenção não é marcar
as pcos máximas e mínimas de um sinal, mas sim responder a níveis médios. Desta
forma, emula de certa forma a resposta do ouvido humano.

Um medidor True Peak marcará os níveis máximos do sinal, mesmo que sejam de curta
duração
Um Picometro PPM é algo intermediário: mais rápido que o medidor VU mas menor
que o pico verdadeiro. Ainda assim, existem diferentes tipos de balística dentro dos
picômetros.

Devemos sempre saber o que nossos medidores estão nos indicando: sinal de pico?

Nível RMS?

Algo intermediario?

Há muito mais possibilidades, diferentes escalas, metros de níveis RMS, calibrações


diferentes ... o que pode complicar o ajuste dos níveis dos diferentes elementos que
fazem parte da nossa cadeia de áudio. Se cada elemento tiver um medidor diferente,
precisamos encontrar uma maneira de ajustá-los de forma coerente e especialmente
rápida.

Sem ir mais longe, as versões mais recentes do Pro Tools oferecem uma ampla gama
de medidores, cada um com características diferentes ...

Alguns dos medidores que o Pro Tools permite que você selecione: O mesmo sinal
exibido de maneiras diferentes.
Pondo a prova os medidores com um sinal de teste

No momento da verdade, pode ser difícil investigar o tipo de medidor que nossa mesa
de mixagem ou nossos amplificadores carregam. Deveríamos ser capazes de encontrar
informações sobre isso nos manuais dos equipamentos, mas nem sempre é esse o caso
ou nem sempre temos acesso a eles quando precisamos.

Um bom método para verificar se o nosso medidor responde como um vúmetro, um


verdadeiro medidor de pico (true peak) ou um PPM é trabalhar com um sinal de teste
que nos permita, pelo menos, distinguir entre essas três hipóteses.

Para isso, eu uso um sinal de teste (baixado de prosoundtraining) que contém ruído
rosa, uma onda senoidal de 400Hz a um nível de -20dBFS e um pulso a 0dBFS. O ruído
rosa e senoidal (sinusoidal) tem o mesmo nível RMS, mas o ruído Senoidal (sinusoidal)
com um fator de crista de 3dB e o ruído rosa com cerca de 10dB. Isso faz com que o
ruído rosa tenha maior amplitude, embora tenha o mesmo nível de RMS que o senoidal
(sinusoidal).

Podemos ver isso mais claramente se olharmos para a representação gráfica do sinal:

Primeiro temos o ruído rosa, depois a onda senoidal e depois os pulsos aparecem.

A ideia é a seguinte:

- Se tivermos verdadeiros medidores de pico (True Peak), eles marcarão cerca de 20dB
de diferença entre o senoidal e os pulsos.

- Se tivermos medidores tipo vúmetro, não marcaremos diferentes níveis entre o ruído
senoidal e o rosa, já que eles têm o mesmo nível RMS.

- Medidores do tipo Veter são testados, não marcaremos níveis diferentes entre o ruído
senoidal ou rosa, já que eles são o mesmo ou o mesmo nível RMS.

- Se entre o ruído rosa e sinusoidal, o medidor mostra uma diferença de cerca de 6 dB,
teremos um medidor de PPM.
É assim que os principais tipos de medidores respondem.

Ajustando a estrutura de ganho

Os medidores de equipamentos são usados para indicar em qual parte da faixa dinâmica
do equipamento que estamos trabalhando (o nível nominal é o nível ótimo
recomendado pelo fabricante). Ao usar este sinal de teste, podemos calibrar todos os
equipamentos em nossa cadeia de áudio, independentemente do tipo de medidor que
eles carregam.

O procedimento para ajustar a estrutura de ganho em uma típica corrente amplificadora


de mixer> processador> seria o seguinte:

1. Começamos com todo o equipamento desligado, exceto pela mesa de som. Nós
inserimos o sinal de teste em um canal do nosso mixer. Nós ajustamos o fader do canal
para 0 dB e o master de saída da mesa de som também para 0 dB. Ajustamos o ganho
de entrada do canal para que o ruído rosa marque 0 Vu em um medidor, + 6 dB em
um PPM ou aproximadamente -14 dBFS em um medidor em escala digital
(normalmente, as luzes do medidor ficarão amarelas neste ponto).

Desta forma, estamos em um ótimo nível de trabalho no mixer, com altura suficiente
antes de distorcer.

2. Ligamos o processador e ajustamos seu ganho de entrada para que o pulso mostre
uma leitura real no medidor de pico. Ou seja, toda vez que o pulso soar, você deve
marcar o nível máximo no medidor. Se houver apenas um LED para avisar da
saturação, ele deverá acender toda vez que o pulso for tocado.

3. Agora baixamos os potenciômetros de ajuste de sensibilidade da entrada do


amplificador e o ligamos. Vamos aumentando gradualmente os potenciômetros até que
o pulso do sinal de teste acenda a luz de distorção do medidor do amplificador. Uma
vez atingido esse ponto, esse será o nível máximo de saída do amplificador e nossa
estrutura de ganho será ajustada.

Pode não ser tão alto quanto esperávamos, mas devemos ter em mente que estamos
deixando 20 dB de headroom no amplificador acima da voltagem RMS gerada pelo ruído
rosa e pelo ruído senoidal.

Para um evento ao vivo, 20 dB parece um headroom adequado, mas é verdade que às


vezes, dependendo do equipamento de som que temos, podemos precisar nos apressar
um pouco mais e reduzir essa margem. Se precisarmos fazer isso, simplesmente
aumentaremos um pouco mais os controles de ajuste de nível de entrada do
amplificador até obtermos o nível de SPL necessário com o sinal de ruído rosa, mas
garantindo que ele não consiga marcar a distorção.

Desta forma teremos menos headroom antes da distorção, mas maior nível de pressão
sonora. Alguns picos de sinal podem distorcer o amplificador, mas se eles são curtos e
em um nível moderado, eles não precisam ser audíveis.

Acredito que este artigo parece ser deveras interessante, eu agradeceria se você
pudesse repassar estas dicas para as pessoas que poderiam estar interessadas. Eu

aprecio muito todos os tipos de comentários no grupo.

Importante:

A melhor maneira de descobrir o tipo de medidor é testá-lo com o sinal de teste, como
explicado no ponto 2 do artigo. Em qualquer caso, o mais frequente nas mesas digitais
é encontrar medidores do tipo PPM

Essa questão de estrutura de ganho, para ajustar-mos a estrutura para a entrada do


processador ... e a saída ?? se alguém tem duas saídas para graves e agudos ... na
saída a estrutura não é feita antes de ir para o amplificador ... e se for feito, como é
feito antes de limitar, então .... e outra pergunta é ... e se eu quiser parar a
sensibilidade do amplificador ... ou seja, aumentar todo o potenciômetro ...

Bem, se você já sabe com que nível você entrou, você saberá com que nível você sai.
Ou seja, se em um processador você modificar os níveis das diferentes saídas, você
saberá perfeitamente a variação que existe (± 1dB, ± 2dB ...). Enfim, o ajuste para a
entrada do amplificador no exemplo que eu coloquei é com o nível de saída que você
tem no processador, e nos processadores usualmente temos medidores do nível de
saída.

Em relação ao amplificador, se você quiser parar a sensibilidade do amplificador seja


qual for o sinal que entra nele, faça-o. Mas pode ser uma decisão incorreta de acordo
com o sinal que está entrando. E, claro, você não terá uma estrutura de ganho ajustada
(ou talvez sim, mas seria um acaso).

Coloque um sinal para a mesa de som, aí você conserta e passa para o processador de
audio e sobe o nível da entrada para que marque o clip, passamos para o amplificador
e fazemos o mesmo, desta maneira assim quando a mesa de som esta marcando 0 nos
estamos no máximo do equipamento, mas então você nos diz que você tem 20 db de
headroon, quando na verdade você não os tem porque toda vez que você passa de 0
clipara o equipamento, a menos que você esteja falando de mesas de som digitais.
No artigo indico que ao passar o sinal de teste pela mesa de som colocamos o fader do
canal e o mastere na posição 0 dB. Isso é o que é chamado de "ganho unitário", ou
seja, não atenuamos ou amplificamos o sinal.

A chave está no sinal de teste marque 0 dB no ruído rosa ou na onda senoidal


(sinusoidal), e faça um clip com o pulso de 20 dB de headrom. Assim então,
efetivamente, estamos deixando 20 dB de headroom se ajustarmos a estrutura de
ganho dessa maneira (obviamente se você usar um sinal de teste diferente não
funcionará para você).

É correto usar os controles de ganho do amplificador sempre até o topo ou está


totalmente voltado para a direita?

A melhor coisa para isso é conhecer bem o seu amplificador:

Uma pequena explicação sobre o controle de ganho (ganho). que é um potenciômetro


que determina o nível na tensão de entrada do sinal que vai para o amplificador, com
isso, você obtém a faixa de tensão na qual você irá trabalhar.

Como nem todos os processadores trabalham com a mesma faixa de tensão de saída.

Exemplo: se você tem um processador que diz que tem 3 volts em sua saída, essa
será a tensão máxima que terá na saída com o volume máximo. Então, nós sempre
trabalhamos uma faixa de voltagem, nunca uma voltagem única, é por isso que o
potenciômetro variável (ganho).

O que faz um ganho é definir um parâmetro para que o processador (e seu controle
de volume) seja sincronizado com a potência que o amplificador pode desenvolver.
Ajustar o volume do amplificador ao máximo equivale a colocar o amplificador para
funcionar na sua potência máxima.

Digamos que não seja um controle de volume, porque você realmente não vai ganhar
nada por tê-lo mais alto do que deveria, seu amplificador irá cortar (distorcer) muito
mais cedo na escala da sua unidade principal do que se ela estiver ajustada
corretamente. Um ganho bem ajustado envolverá um sistema com baixo nível de
ruído e uma lógica visual por trás da leitura de volume de sua unidade principal. O
que é o uso de aumentar todo o ganho se em uma unidade que vai de 0 a 60 no visor
a partir de 20 começa a distorcer, é melhor calibrar o ganho de saída do seu
processador com o ganho de entrada do seu amplificador.

“DEUS SEJA LOUVADO”!