Você está na página 1de 7

12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

CRONOGRAMA DE ARIANE

ANEXO 7
O sistema de lançamento duplo Ariane 1, 2 e 3
O Ariane, na sua versão Ariane 1 permite a colocação em transferência orbitam uma massa de 1700 kg, uma
carga de cerca de uma tonelada em órbita geoestacionária. Esse tipo de missão é ideal para o mercado de
satélites pesados. Para satélites classe Delta ou meio Ariane (500-600 kg em órbita geoestacionária) que
abordam muitas das tarefas estabelecidas na década de 1980 para 1990: ECS, METEOSAT MARECS
TELECOMUNICAÇÕES I. ARABSAT, para citar apenas alguns, a Ariane oferece com o SYLDA, o sistema de
lançamento duplo, uma maneira de colocar dois satélites simultaneamente em órbita de transferência.

Ambos os clientes compartilham o custo do lançamento, o que torna a Ariane competitiva com seus sistemas
de lançamento competitivos. o Sylda é inicialmente adequados para o Ariane uma versão Sylda 3900.
aparafusada directamente para o compartimento de equipamento para um lugar do adaptador padrão, que
permite o transporte de um tipo de satélite STS / PAM montado a parte superior de sua estrutura e um satélite
do tipo MARECS montado dentro de uma estrutura de rolamento cônico.
No Ariane Versão 3, o volume por baixo da capa é aumentada, o Sylda sofrido as modificações necessárias
para permitir o transporte de dois satélites do mesmo tipo STS / PAM, uma carga total de 2260 kg.

SYLDA é desenvolvido e produzido em nome da Agência Espacial Europeia pela Companhia Aeroespacial, na
sua criação de Les Mureaux. O desenvolvimento de sistemas de separação é terceirizado para a empresa sueca
SAAB. O desenvolvimento do SYLDA começou em maio de 1978, após uma convocação de propostas de várias
empresas européias. O montante total do contrato de desenvolvimento é da ordem de 20 MF, cobrindo um
período de cerca de dois anos e culminando, após testes em um modelo mecânico, a entrega de um primeiro
modelo de voo.
O SYLDA representa um verdadeiro feito técnico. É a maior estrutura de favo de mel de fibra de carbono já
fabricada na Europa. De fato, somente o carbono atinge o desempenho de leveza e rigidez necessário para tal
missão. O primeiro voo SYLDA ocorreu durante o 5º lançamento do Ariane, com os satélites SIRIO 2 e MARECS
B como seus primeiros passageiros.

O SYLDA é constituído por um casco feito de materiais laminados constituídos por uma película de carbono de
várias camadas (4 a 8, dependendo das zonas) colada num núcleo de favo de mel quente (A-G5) de 10 mm de
espessura. espessura. As peles são feitas de carbofórmio HMS código 87-100 micrômetro (Fothergill), por
drapejar quase isotrópico. Os reforços locais são feitos de tecido (G 814 / DX 210). As peles são polimerizadas
sob vácuo a 170 ° C após o drapejamento. As estruturas de separação e de conexão são feitas de metal, obtidas
por usinagem de peças forjadas de liga leve (A-Z5G T65 1).
A utilização desta tecnologia avançada para SYLDA garante totalmente o desempenho necessário: alta rigidez,
massa mínima, alta capacidade de carga, flexibilidade na adaptação da configuração aos requisitos específicos
do cliente, compatibilidade com os padrões de limpeza para satélites da classe 100000.

https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 1/7
12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

Os quadros de montagem e os sistemas de separação dos satélites alto e baixo são, em princípio, idênticos e
as interfaces nos locais correspondem àquelas do PAM-D. Ambos os satélites não possuem interfaces
mecânicas ou elétricas. A injeção em órbita e a liberação dos dois satélites é feita da seguinte maneira:
depois de parar o motor do terceiro estágio, ele é orientado na direção planejada para uma missão em questão,
então - geralmente - girado até 10 revoluções por minuto no máximo. O terceiro sistema de controle de atitude
está então inibido. O satélite superior é separado liberando uma correia obtida cortando dois parafusos. A
velocidade de separação é criada por quatro molas pressionando o satélite. Após a separação da parte superior
da estrutura do transportador, o satélite baixo é separado da mesma maneira que o satélite alto. As ordens para
as três separações vêm da caixa do equipamento do lançador. Os microinterruptores incluídos no equipamento
SYLDA fornecem sinais de confirmação de telemetria para separações. Durante o vôo, o
As velocidades relativas necessárias para uma separação são determinadas individualmente para cada missão
com base nas características do satélite para evitar colisões de médio e longo prazo.

O SYLDA permite que dois satélites sejam ejetados em órbita comum, cada um com propriedades que variam
de limites amplos. A tabela abaixo fornece, como uma indicação, os valores extremos entre os quais qualquer
combinação de características pode ser aceita.
Propriedades do SYLDA:

SYLDA 3900 Ariane1 SYLDA 4400 Ariane 2 e 3


massa 180 kg 200 kg
altura 3,9 m 4,4 m
Diâmetro máximo 2,8 m 2,8 m
Propriedades de satélite transmitidas:
Massa (respeitando a limitação de
600 a 1020 kg 800 a 1400 kg
massa global de Ariane)
Altura do centro de gravidade
<0,85 m <1,3 m
acima do plano de separação

Desses valores, a viabilidade de um lançamento duplo deve ser considerada caso a caso e depende da
combinação de características de cada satélite e, em menor grau, da combinação de características de ambos.

As interfaces mecânicas entre os satélites superior e inferior e o SYLDA (em ambas as versões) são idênticas.
Cada um dos satélites repousa sobre um quadro cujo diâmetro de centragem é de 937,62 mm no plano de
separação.

https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 2/7
12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

As estruturas SYLDA têm suporte para receber os soquetes umbilicais - 2 soquetes de 27 pinos. Em caso de
necessidade, 19 ou 36 pinos podem ser montados.

O SYLDA é implementado no Centro Espacial da Guiana na instalação projetada para integrar cargas úteis. O
satélite inferior é primeiro ligado à porção troncocónica interna do SYLDA que é então montado dentro da
seção inferior. Em paralelo, o satélite superior é conectado à estrutura de suporte no topo de uma seção alta do
SYLDA. Finalmente, a seção superior / montagem satélite superior é colocada na seção inferior / montagem
satélite inferior, e o SYLDA é fechado. A carga útil dupla é então colocada no contêiner de carga e transferida
para a torre de lançamento para integração no lançador. Na torre de lançamento, o acesso ao satélite, interior é
através das aberturas que podem ser fornecidas no SYLDA para este fim.

ARIANE 4
Para o Ariane 4, é mais rentável, em termos de massa, fornecer uma tampa compartimentada do que introduzir
uma estrutura interna de suporte, como o SYLDA do Ariane 1 e 3. A parte inferior da tampa que inclui o satélite
do fundo é chamado SPELDA (para estrutura de portadora de lançamento externo duplo Ariane).

O Spelda consiste de duas peças feitas de alumínio de liga de abelhas do ninho com um revestimento de fibras
de carbono.
A parte inferior é um cilindro de 4 m de diâmetro exterior e 2 m de altura; que está fixada à parte superior do
equipamento de VEB caixa por meio de parafusos 180.
A parte superior é um cilindro de 0,80 m ou 1,80 m de altura, dependendo da configuração de 4 m de diâmetro
exterior terminada por um cone truncado de um metro de altura com um diâmetro de 1,92 m com uma interface
https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 3/7
12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

a maior carga útil.


Essas duas partes são conectadas por um dispositivo pirotécnico e molas montadas dentro da parte inferior
para imprimir uma velocidade de separação no topo.

O Spelda está disponível em quatro versões:


_ O Spelda mini 320 kg com a parte alta cilíndrica de 1,8 m (altura total 2,8 m);
_ O Spelda mini 350 kg "expandido" com a parte cilíndrica limitada a 2,1 m (altura total de 3,1 m);
_ O Spelda curto (altura total de 3,8 m);
_ O longo spelda (altura total de 4,78 m), no longo SPELDA, é possível montar apenas a tampa curta;

O limite está disponível em 6 configurações avançadas que podem ser oferecidas aos clientes. Em primeiro
lugar, no caso de um único satélite, não há SPELDA, mas apenas uma touca. Três comprimentos de tampa são
utilizáveis a uma curta de 8,62 metros, a média de 9,62 metros e o comprimento de 11,1 metros pesando 900 a
1000 kg.

As meias tampas são conectadas por rebites que são cortados por um cabo pirotécnico no momento da
separação. Eles estão ligados à parte superior do VEB ou SPELDA por uma cinta de aço de duas peças
esticada por dois parafusos pirotécnicos.

As massas do conjunto e tampa possíveis SPELDA variam de acordo com as configurações de 725 a 1130 kg.
Os copings Ariane 4 têm um peso de medidor cúbico melhorado de 50% em comparação com os copings
Ariane 1 a 3. Esse desempenho é obtido por meio do uso de materiais compostos.

SEQUÊNCIA larguage Spelda BREVE


A e B: Orientação do composto (3 andar + CU) com o
sistema de atitude e rolo (SCAR) Controlo C: spin-se
na ordem SCAR D: A separação da carga superior. E:
A parte superior do SPELDA é ejetada. Reorientação
do piso. F: Rotação e separação do payload do palco.
G: Manobras do terceiro estágio (fiação, distância,
abertura das válvulas LO2). Nota: A separação de CU
também pode ser executada na configuração de
"estabilização de três eixos".

SEQUENCE LARGUAGE MINI SPELDA


A e B: Orientação do composto (3º estágio + CU) com o
sistema de controle de atitude e rotação (SCAR) C:
girando por ordem do SCAR D: Separação da carga
superior. E: A parte superior do SPELDA é ejetada.
Reorientação do piso. F: Rotação e separação do
payload do palco. G: Manobras do terceiro estágio
(fiação, distância, abertura das válvulas LO2). Nota: A
separação de CU também pode ser executada na
configuração de "estabilização de três eixos".

SYLDA 4400

https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 4/7
12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

SEQUÊNCIA DE LARGUAGEM DA SÉRIE


A e B: Orientação do compósito (3ª etapa + CU) com o
sistema de controle de atitude e rotação (SCAR) C:
fiação por ordem da SCAR D: Separação da carga
superior. E: A parte superior do SYLDA é ejetada.
Reorientação do piso. F: Rotação e separação do
payload do palco. G: Manobras do terceiro estágio
(fiação, distância, abertura das válvulas LO2). Nota: A
separação de CU também pode ser executada na
configuração de "estabilização de três eixos".

ARIANE 5
Tal como o seu antecessor, o novo lançador permite transportar dois satélites por lançamento. O Ariane 5 pode
ser equipado com o sistema SPELTRA e SYLDA 5.

https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 5/7
12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

O SPELTRA está posicionado entre o piso superior e a tampa. Um satélite é colocado no SPELTRA enquanto o
outro é montado no SPELTRA, na tampa.
O Speltra pesa na versão longa 820 kg e na versão curta 704 kg, cada um capaz de abrigar um satélite de 4500
kg. O Speltra é cônico no seu fundo e cilíndrico no topo. O diâmetro máximo é de 5,4 m como o estágio
principal do lançador com uma parte alta cilíndrica de 4,1 e 5,6 m na versão curta e longa e na parte superior
troncocónica de 1,3 m de altura e 2, 6 m de diâmetro. Esta parte permite adaptar a interface para o segundo
satélite.
Além do transporte por satélite, a Speltra protege as cargas antes do lançamento. Como resultado, recebe
constantemente ar seco através de uma linha umbilical para manter os satélites "frios" até a decolagem. Os
painéis fornecem acesso aos satélites em toda a circunferência da estrutura.
O Speltra é feito de fibra de carbono pela DASA Dornier em Friedrichschafen, Alemanha. Foi utilizado apenas
nos dois primeiros voos do Ariane 5.

https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 6/7
12/09/2018 Apêndice 7 o SYLDA

O SYLDA 5 está dentro da tampa do Ariane 5. Permite abrigar duas cargas na mesma tampa. No final do voo, os
satélites de topo são largados primeiro. A Sylda é cortada em dois por cargas pirotécnicas para liberar a
segunda fonte de satélites.
O Sylda 5 é uma estrutura cilíndrica e cônica feita de favo de mel de carbono com uma estrutura de alumínio
rebitada de 440 kg. Tem 3,2 a 4,9 m de altura e 4,5 m de diâmetro e encaixa um cone na sua base de 59 cm e 5,4
m de diâmetro no topo da Speltra. O cone superior, com 1 m de altura e 2,6 m de diâmetro, possibilita a
adaptação da carga útil superior. O Sylda 5 está disponível em 6 versões para transportar cargas elevadas de
2,9 a 4,4 m. O desenvolvimento de Sylda-5 terminou em outubro de 1999 e voou sobre o Ariane-505. Desde que
ele voa em quase todos os vôos.

Como parte de um lançamento simples, o satélite é colocado no EPS, opcionalmente com um adaptador de
carga útil. Como parte de um lançamento duplo, um satélite é colocado sob o sino formado por Speltra ou
Sylda-5. Então, o segundo satélite é colocado na estrutura de suporte, sempre opcionalmente com um
adaptador.

O adaptador de carga útil da ACU tem 2,6 m de diâmetro. Se um satélite pode usar esse diâmetro, não é
necessário adaptador. No entanto, para satisfazer o maior número, desenvolvemos 3 adaptadores para
diferentes interfaces.
_ Interface de 1666V5 para uma interface de 1,666 m de diâmetro, pesando 120 kg
_ interface de 1194V5 para a interface de 1,194 m de diâmetro e pesando 130 kg
_ interface 937VB5 e 937V5 para uma interface de 93,7 cm de diâmetro e de 120 a 130 kg.

Esses adaptadores podem suportar cargas de 2 a 4,5 toneladas. Eles incluem um sistema de fixação
aparafusado, um sistema de separação de molas e um sistema de fornecimento de energia para o satélite
transportado.

https://www.capcomespace.net/dossiers/espace_europeen/ariane/annexes/annexe7_SYLDA.htm 7/7