Você está na página 1de 2

CAPÍTULO 10

INTRODUÇÃO
- Carnavais, malandros e heróis - Para uma sociologia do dilema brasileiro de
Roberto DaMatta: distingue pessoa de indivíduo e analisa o “jeitinho brasileiro” e suas
implicações sociais.
- Demonstra que os ritos destacam relações de igualdade e de hierarquia
(carnaval, procissão católica e parada militar).
- Indivíduo: impessoal, público, anônimo e universal. Submetido às leis e
regras que regem as massas e sem relações.
- Pessoa: pessoal, privado, conhecido e biográfico. Tem posição social
definida e uma rede de relações sociais que lhe dá suporte.
- “Você sabe com quem está falando?”: rito de autoridade e hierarquização, o
qual estabelece a localização das pessoas na estrutura social. Cria distância entre a pessoa que
indaga e a indagada.
- Antropologia Ritual: segundo DaMatta o ritual serve para promover a
identidade social e construir seu caráter. São representações eternizadas das cristalizações
sociais que a sociedade quer rememorar. O comum nas definições de rituais orbitam sobre os
conceitos de regularidade, padronização, caráter formal e rigidez das ações, ainda a uma
concordância quanto ao âmbito do sagrado, místico, não restringindo-se à esfera religiosa. O
ritual expressa algo, produz sentimentos. (DaMatta, Vogel, Peirano e Cavalcanti)
- Antropologia Jurídica, do Direito e da Violência: estudo das dimensões
hierárquicas da vida social. Abrange as relações sociais entre os poderes policiais e os civis
comuns, constituição de novos sujeitos de direitos, regra e valores que produzem o direito
como dimensão específica. Ainda, criação e aplicação das leis, diferença entre teoria e prática
jurídica, segurança pública e justiça criminal. Bem como, como a ordem é mantida e como se
dá a justiça em locais onde esta oficialmente não se encontra presente. (Kant e Misse).
- Antropologia Urbana: estudo dos grupos e instituições sociais, processos
culturais e dinâmica espacial no contexto urbano. Identificar o uso e acesso do espaço urbano.
* Antropologia do Consumo: estudo do comportamento dos indivíduos frente
ao mercado consumidor. (Mello, Magnani e Velho).
- Antropologia da pesca e das comunidades pesqueiras: estudo das
transformações. As relações sociais, relação homem e natureza. (Mussolini).
- Antropologia dos cultos afro-brasileiros e das populações afro-brasileiras:
compreensão dos processos socioculturais vivenciados pela população negra brasileira, com
destaque para as relações raciais, religiões afro-brasileiras e estudo da identidade étnica. (Fry
e Maggie).
- Etnologia indígena: analisa a organização social e parentesco, história,
cosmologia, ritual, relações de poder, relações sociais exógenas e endógenas. Também estuda
a relação do Estado com o índio.
- Antropologia do corpo, conjugalidades e gênero: estudo das construções
sociais do homem e da mulher e de outras concepções sexuais, o estudo do casamento, das
conjugalidades nas diversas faixas etárias.