Você está na página 1de 5

Lista L2 – TOESSO VI - Vasos de pressão - Prof. Evandro G.

Betini
Lista de exercícios – 2019/1

1) Cite os principais materiais metálicos e não metálicos utilizados para vasos,


tampos de pressão, suportes peças internas e externas.

Materiais metálicos ferrosos: aços carbonos; Aços ligas; aços inoxidáveis

Materiais não metálicos não ferrosos: Alumínio e ligas; Níquel e ligas; Titânio e
ligas.
2) Cite os principais materiais ferrosos e não ferrosos utilizados para tubos de
troca de calor e espelhos.
Materiais ferrosos: Aços carbonos; Aços ligas; Aços Inoxidáveis
Materiais não ferrosos: cobre e ligas (Latões bronzes; cobre- níquel; níquel e ligas;
metal móvel) titânio e ligas.

3) Cite os principais materiais metálicos e não metálicos utilizados para


revestimentos internos.

Materiais metálicos ferrosos: aços Inoxidáveis; ligas de Níquel; Titânio e Ligas;


Chumbo.

Materiais metálicos não ferrosos: Materiais Plástico; (Termoplástico ou


termoestáveis; Borrachas; Cerâmicas; Grafite; vidro; porcelana; concretos.

4) Especifique os tipos de materiais utilizados para vasos ou parte de vasos com


temperatura de operação de até 450 °C e acima de 450 °C

Vasos ou partes de vasos com a temperatura de operação até 450 °C


Partes não soldadas: qualquer aço inoxidável austenítico pode ser usado
Partes soldadas meios corrosivos não capazes de causa corrosão intergranular: qual aço
inoxidável austenítico pode ser usado.
Idem capazes de causar corrosão intergranular: preferir os aços de baixo carbono. Os
aços estabilizados podem ser usados para partes muito tensionadas.
Idem, idem, com temperatura de operação acima de 450°C
Meios corrosivos não capazes de causar corrosão intergranular: qualquer aço inoxidável
austenítico pode ser usado.
Idem, capazes de causar corrosão intergranular: recomenda-se o emprego de aços
estabilizados.
Descreve a importância da escolha desses materiais quanto a resistência a corrosão.
Melhor resistência à corrosão
● Mais caros
● Menor resistência mecânica
● Menor resistência à altas temperaturas
● Melhor comportamento à baixas temperaturas

5) Aponte os fatores determinantes que o projetista deve levar em conta para


especificação de materiais para vasos de pressão. Existe algum fator com
maior ordem de importância que o outro? Como o projetista deve avaliar
esses fatores de seleção de materiais?
O projetista de vasos de pressão para cada caso depende de inúmeros fatores e
cabe ao projetista decidir, quais os fatores predominantes e quais devem
prevalecer quando houver conflito. Seguem abaixo a lista dos materiais:
a) Fluido contido
b) Condições de serviços (pressão e temperatura de operação
c) Nível de tensões do material
d) Natureza dos espaços mecânicos
e) Segurança
f) Custo do material
g) Forma de apresentação de material
h) Facilidade de fabricação e montagem
i) Tempo de vida prevista
j) Experiência previa
k) Facilidade de obtenção do material
l) Variações tolerados de forma ou de dimensões da peça.

6) Explique a diferença entre a divisão I e II da seção VIII do código ASME

A divisão I tem como critério de projeto a máxima tensão de ruptura, a divisão II tem como
critério a máxima tensão de cisalhamento (TRESCA), a divisão III também utiliza o critério de
Tresca, porém a avaliação de fadiga é mais rigorosa e a utilização de materiais é mais
restrita basicamente a divisão II e III permitem uma espessura mais fina do que a divisão I,
porém os critérios de fabricação e inspeção são mais rigorosos.

ASME VIII Div. I (Regras para construção de vasos de pressão);

ASME VIII Div. II (Regras para construção de vasos de pressão - Regras alternativas);

ASME VIII Div. III (Regras para construção de vasos de pressão – Regras alternativas para
vasos de alta pressão).

.
7) Cite pelo menos 5 principais fatores que fazem do aço carbono o mais utilizado
em projetos de vasos de pressão

● Boa conformabilidade
●Boa soldabilidade
● Fácil de encontrar e obter
● Menor relação preço/resistência
● Pode ser adaptado através de tratamentos térmicos ou de superfície.

8) Aponte as limitações da utilização do aço carbono para projetos de vasos de


pressão.

● Limite de uso: temperaturas de -45 ºC


● Sofrem fluência em temperaturas a partir de 370ºC
● Acima de 530 ºC sofre intensa oxidação
● Limites de temperatura recomendados: – 450 ºC para partes sujeitas a esforços principais,
continuamente

9) Quais as características mais importância para utilização dos aços liga e aços
inoxidáveis.
Aços inoxidáveis são aços de alta liga com um teor de cromo acima de 12% na sua
composição química, o que lhes conferem uma melhora nas propriedades mecânicas
em temperaturas entre 400 e 650ºC e excelente resistência a corrosão em meios
oxidantes até 1100ºC, proporcional aos teores de cromo e níquel presentes na liga.

10) Segundo a seção VIII do código ASME, quais são os tipos de juntas mais
comuns em soldagem de vasos de pressão.
JUNTAS DE TOPO
De maneira geral, é o tipo de junta mais usual quando a principal
necessidade é resistência mecânica.
Entretanto, exigem maior deposição de metal, o que pode acarretar
maiores problemas devido as tensões de contração, bem como, maior
custo.
JUNTAS SOBREPOSTAS
As juntas sobrepostas são unidas por soldas de filete e/ou, soldas "plug",
por isso tem menor volume de metal depositado do que as juntas de
topo. Assim, são preferidas por motivos econômicos e de facilidade de
preparação, quando e onde o código utilizado permitir.

11) Cite os fatores para escolha da junta soldada a ser usada na fabricação ou
montagem de um vaso de pressão.
Resistência mecânica, Condições operacionais, Grau de restrição, Facilidade
de soldagem, Dimensões do metal soldado, Tipo de carregamento. Esses
fatores apresentados acima, são suficientes para mostrar a
responsabilidade e a dificuldade na escolha do tipo de junta.

12) Quais fatores podem interferir sobre a resistência mecânica de uma junta
soldada?

Entretanto, exigem maior deposição de metal, o que pode acarretar maiores


problemas devido as tensões de contração, bem como, maior custo.

13) Como é definida a eficiência de junta soldada?

A eficiência de uma junta soldada fica definida basicamente por:


Procedimento de soldagem utilizado;
Extensão do exame radiográfico.
Nível de tensões numa junta soldada
Toda junta soldada está sujeita a um estado de tensões que pode ser considerado como a
soma das tensões introduzidas pelo processo e variáveis de soldagem utilizados, peso
próprio, carga do vento e condições operacionais. Considerando que, com exceção
desta última citada, as demais tensões são aproximadamente iguais em todas as
juntas soldadas, podemos concluir que as soldas mais solicitadas serão as
longitudinais, pois quando o vaso estiver pressurizado as tensões circunferenciais
serão aproximadamente o dobro das longitudinais.

14) Conforme o parágrafo UW-2 da seção VIII do código ASME, há uma correlação
especial entre categoria de junta, tipo de junta e grau de inspeção. Cite quais
casos são esses?
Vasos que operam com substâncias letais;
Vasos que operam com temperaturas abaixo de -30º C;
Caldeiras não sujeitas a chama, com pressão de projeto acima de 345 KPa;
Vasos sujeitos ao fogo direto.

15) Determine a correlação entre a categoria de junta, tipo de junta e resistência


mecânica desejada.

O termo categoria de junta é usado pelo código ASME para agrupar as soldas de um
vaso de pressão que estarão sujeitas a níveis de tensões similares, quando em
operação, levando em consideração apenas a localização da junta Deve ser
ressaltado, que juntas de mesma categoria podem ser de tipos diferentes, bem
como ter requisitos de radiografia diferentes, pois estas variáveis depende mais
de outros fatores do que da localização da junta no vaso.

16) Sobre as principais técnicas de inspeção de vasos de pressão, descreva o que


são:
a) Teste de pressão: Ao término dos serviços de inspeção e de manutenção, onde
são recomendados e executados reparos que podem ter afetado a estrutura do
vaso, torna-se necessário realizar testes de pressão que poderão ser feitos com
água, ar e vapor.

b) Teste de estanqueidade: Bocas de visita, bondejas de torres de destilação,


chapas de reforço, pressurizada P entre 0,7 e 1,0 Kg/Cm²

c) Teste hidrostático: Baseada na PMTA do vaso, o maior valor de pressão obtida é


chamado “pressão de teste hidrostático”

Ptp= 1, 5.PMA. (Sf/Sq), onde:

PTMA – pressão máxima admissível de trabalho;


SF – Tensão admissível do material a temperatura do teste;
Sq – Tensão do material na temperatura do projeto.

d) Teste pneumático: O teste pneumático é realizado com ar comprimido e alta pressão


pode provocar pequenas fissuras por se tratar de um fluido com estrutura molecular
menor que a da água, podendo ocorrer explosão com maior frequência nesses tipos de
teste.

17) Cite as principais razões pelas quais os vasos de pressão não sujeitos a chama
devem ser inspecionados.
O componente deve estar sempre contemplado no planejamento da inspeção externa.
Alguns pontos devem ser verificados com mais cuidados, como a saída dos vasos
verticais na junção com o corpo, região sujeita a processos corrosivos localizados sob a
proteção contra chama.
18) Quais as principais causas de deterioração e avarias em um vaso de pressão.
A corrosão é a maior causa da deterioração dos equipamentos das indústrias de
petróleo e petroquímica. conceituamos corrosão a destruição dos metais metálicos
pela ação química ou eletroquímica no meio, podendo estar ou não associada à
ação física.

19) Descreva os principais pontos ligados a inspeção externa.


Condições de operação, Identificação e Instalação, Isolamento Térmico, Pintura e proteção e
empoleamentos.
20) Explique a equação para cálculo de vida residual.

Medição de espessura a cálculo da vida residual


É como as medições de espessuras coincidirem com as inspeções externas. o
procedimento de inspeção deve ser consultado quanto às épocas previstas e as
exigências de capacitação do pessoal executante e de calibração dos instrumentos de
medição.

21) Para inspeção interna, determine sua importância para integridade


dos vasos inspecionados.
A inspeção visual interna é de grande importância para a identificação de
mecanismos de danos internos, cujas características sejam de ataques não
uniformes e que seja difícil a sua localização por meio de ensaios não
destrutivos externos.

22) Explique o que significa uma inspeção baseada em risco.

A inspeção em risco é um método que é utiliza o risco com base para a priorização e
gerenciamento dos esforços de um programa de inspeção
O método define o risco de equipamento em operação como a combinação de dois
termos separados: a probabilidade de ocorrência da falha e a consequência da falha.