Você está na página 1de 87

Direito Administrativo Prof.

Robson Carvalho
o administrador público não dispense os preceitos
1 – PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS éticos que devem estar presentes em sua conduta.
 CONCEITO A Constituição Federal, ao consagrar o princípio da
Princípios administrativos são postulados moralidade administrativa como vetor da atuação da
fundamentais que inspiram a maneira de agir da Administração Pública, igualmente consagrou a
Administração Pública. O eminente administrativista necessidade de proteção à moralidade e
Celso Antônio Bandeira de Mello entende o princípio responsabilização do administrador público.
como um “mandamento nuclear de um sistema, Dessa forma, deve o Poder Judiciário, ao exercer o
verdadeiro alicerce dele, disposição fundamental que controle jurisdicional, não se restringir ao exame
se irradia sobre diferentes normas compondo-lhes o estrito a legalidade do ato administrativo, mas
espírito e servindo de critério para a sua exata entender por legalidade ou legitimidade não só a
compreensão e inteligência exatamente por definir a conformação do ato com a lei, como também com a
lógica e a racionalidade do sistema normativo, no que moral administrativa e com o interesse público.
lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico”.
A conduta do administrador público em desrespeito ao
 PRINCÍPIOS EXPRESSOS (ART. 37 DA CF/88) princípio da moralidade administrativa enquadra-se
i) Princípio da Legalidade nos denominados atos de improbidade, previstos no §
4º do art. 37 da Constituição Federal, e sancionados
Este princípio encontra-se inserido no inciso II do art. com a suspensão dos direitos políticos, a perda da
5º da Constituição Federal, sendo esta sua formulação função pública, a indisponibilidade dos bens e o
mais genérica, assim prevendo: “ninguém será ressarcimento ao erário, na forma e gradação
obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.
senão em virtude de lei”. Assim, enquanto para os
particulares a regra é a autonomia da vontade, para a iv) Princípio da Publicidade
administração a única vontade de que podemos O princípio da publicidade apresenta duplo sentido em
cogitar é a da lei, sendo irrelevante a vontade pessoal face do sistema decorrente da Constituição Federal.
do agente. No primeiro, refere-se à publicação oficial dos atos
No Direito Administrativo a legalidade traduz a idéia de administrativos a fim de que eles possam produzir
que a Administração, no exercício de suas funções, efeitos externos. Neste sentido, a publicidade faz-se
somente poderá agir conforme o estabelecido em lei. pela inserção do ato no Diário Oficial ou por edital
Inexistindo previsão legal para uma hipótese, não há afixado no lugar próprio para divulgação dos atos
possibilidade de atuação administrativa, pois a públicos, para conhecimento do público em geral e,
vontade da Administração é a vontade expressa na lei, consequentemente, início da produção de seus
sendo irrelevantes as opiniões e convicções pessoais efeitos.
de seus agentes. O segundo sentido inerente ao princípio da
ii) Princípio da Impessoalidade publicidade refere-se à exigência de transparência da
atividade administrativa como um todo. A regra da
Este princípio objetiva a igualdade de tratamento que transparência administrativa é reforçada pelo inciso
a Administração deve dispensar aos administrados XXXIII do art. 5º que declara o direito de receber
que se encontrem em idêntica situação jurídica informações dos órgãos públicos, e pelo inciso LXXII,
(isonomia), como é o caso, por exemplo, da exigência que prevê o habeas data como garantia do direito de
constitucional do concurso público para o ingresso em conhecer e retificar informações pessoais constantes
cargo ou emprego público. de entidades governamentais ou de caráter público.
Numa outra acepção deste princípio, deve a v) Princípio da Eficiência
Administração voltar-se exclusivamente para o
interesse público, e não para o privado, vedando-se Este princípio foi acrescentado ao texto constitucional
que sejam favorecidos alguns indivíduos em pela Emenda nº 19/98. O princípio da eficiência impõe
detrimento de outros e prejudicando alguns para ao agente público a obrigação de realizar suas
favorecimento de outros (finalidade pública). atribuições com presteza, perfeição e rendimento
funcional.
Em outro sentido, o princípio da impessoalidade tem
por objetivo proibir a vinculação de atividades da Para a Professora Maria Sylvia Di Pietro o princípio
Administração à pessoa dos administradores, evitando apresenta dois aspectos:
que estes utilizem a propaganda oficial para a sua 1. relativamente à forma de atuação do agente
promoção pessoal. público, se espera o melhor desempenho possível de
iii) Princípio da Moralidade suas atribuições, a fim de obter os melhores
resultados;
O princípio da moralidade torna jurídica a exigência de
atuação ética dos agentes da Administração. Para 2. quanto ao modo de organizar, estruturar e
atuar em respeito à moral administrativa não basta ao disciplinar a Administração Pública, exige-se que este
agente cumprir a lei na frieza de sua letra. É seja o mais racional possível, no intuito de alcançar
necessário que se atenda à letra e ao espírito da lei, melhores resultados na prestação dos serviços
que ao legal junte-se o ético. Este princípio impõe que públicos.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 1
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
O objetivo do princípio é assegurar que os serviços ix) Princípio da Continuidade dos Serviços
públicos sejam prestados com adequação às Públicos
necessidades da sociedade que os custeia.
Os serviços públicos são prestados no interesse da
 PRINCÍPIOS IMPLÍCITOS (RECONHECIDOS) coletividade. Por esse motivo sua prestação deve ser
adequada, não podendo sofrer interrupções. A
vi) Princípio da Supremacia do Interesse Público
interrupção de um serviço público prejudica toda a
Por força do regime democrático e do sistema coletividade, que dele depende para satisfação de
representativo, presume-se que a atuação do Estado seus interesses e necessidades.
sempre tenha por finalidade a tutela do interesse A aplicação desse princípio implica restrição a
público.
determinados direitos dos prestadores de serviços
O princípio da supremacia do interesse público públicos e dos agentes envolvidos em sua prestação.
informa todos os ramos do Direito Público e possibilita
É exemplo dessas limitações a restrição ao direito de
que, nas relações jurídicas nas quais figure o Estado
greve dos servidores públicos. A Constituição, em seu
como representante da sociedade, seus interesses art. 37, VII, estabelece que o direito de greve dos
prevaleçam contra interesses particulares. Exemplos:
servidores públicos seja exercido nos termos e limites
desapropriação; alteração unilateral dos contratos
definidos em lei específica.
administrativos, etc.
x) Princípio da Segurança Jurídica
A professora Maria Sylvia Zanella Di Pietro exata que
“esse princípio, também chamado de princípio da Este princípio enaltece a idéia de proteger o passado
finalidade pública, está presente tanto no momento da e tornar o futuro previsível, de modo a não infligir
elaboração da lei como no momento da sua execução surpresas desagradáveis ao administrado. Visa à
em concreto pela Administração Pública. Ele inspira o proteção da confiança e a garantia da certeza e
legislador e vincula a autoridade administrativa em estabilidade das relações jurídicas.
toda a sua atuação”.
A Lei nº 9.784/99 – lei de processo administrativo –
vii) Princípio da Indisponibilidade prevê a segurança jurídica como princípio da
Administração Pública, dispondo que nos processos
Na Administração Pública, os bens e os interesses
administrativos serão observados, entre outros, os
públicos não se acham entregues à livre disposição da critérios de interpretação da norma administrativa da
vontade do administrador. Assim, cabe ao
forma que melhor garanta o atendimento do fim
administrador o dever de protegê-los nos termos da
público a que se dirige, vedada aplicação retroativa de
finalidade legal a que estão adstritos. nova interpretação.
Este princípio parte da premissa de que todos os xi) Princípio da Motivação
cuidados exigidos para os bens e interesses públicos
trazem benefícios para a própria coletividade. Pelo princípio da motivação, a formalização dos atos
administrativos deverá trazer a narrativa escrita dos
viii) Princípio da Autotutela
fatos ensejadores de sua prática (motivos de fato),
O poder-dever de autotutela possibilita à suas razões jurídicas (motivos de direito) e a
Administração controlar seus próprios atos, demonstração de pertinência lógica entre os motivos,
apreciando-os quanto ao mérito e quanto à legalidade. de modo a garantir-se a plena possibilidade de
Todavia, o controle de legalidade efetuado pela controle, inclusive jurisdicional, de sua validade.
Administração sobre seus próprios atos,
A motivação é necessária em qualquer tipo de ato
evidentemente, não exclui a possibilidade de administrativo, vinculado ou discricionário, como
prestação desses pelo Poder Judiciário.
corolário dos demais princípios que regem a
O princípio da autotutela autoriza o controle, pela Administração Pública e para possibilitar total
Administração, dos atos por ela praticados, sob dois incidência do dispositivo constitucional que prevê a
aspectos: impossibilidade de exclusão do Poder Judiciário de
ameaça ou lesão a direito (CF, art. 5º, XXXV).
1) de legalidade, em que a Administração pode, de
ofício ou provocada, anular os seus atos ilegais; A Lei nº 9.784/99 – lei de processo administrativo –
obrigou de forma expressa o princípio da motivação
2) de mérito, em que examina a conveniência e como princípio da Administração Pública. Assim,
oportunidade de manter ou desfazer um ato legítimo, segundo a referida lei, nos processos administrativos
nesse último caso mediante a denominada serão observados, entre outros, os critérios de
revogação. indicação dos pressupostos de fato e de direito que
O princípio da autotutela está consagrado na Súmula determinarem a decisão.
nº 473 do STF, que assim dispõe: “A administração xii) Princípios da Razoabilidade e da
pode anular seus próprios atos quando eivados de Proporcionalidade
vícios que os tornem ilegais, porque deles não se
originam direitos; ou revogá-los, por motivo de O princípio da razoabilidade conduz às idéias de
conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adequação e de necessidade. Assim, não basta que o
adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a ato da Administração tenha uma finalidade legítima. É
apreciação judicial”. necessário que os meios empregados pela
Administração sejam adequados à consecução do fim

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 2
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
almejado e que sua utilização, especialmente quando administração pública a impor, mesmo sem previsão
se trata de medidas restritivas ou punitivas, seja no ordenamento jurídico, restrições aos direitos dos
realmente necessária. particulares em caso de conflito com os interesses de
toda a coletividade.
O princípio da proporcionalidade representa uma das
vertentes do princípio da razoabilidade. Isso porque a
razoabilidade exige, entre outros aspectos, que haja
03. (ESCRIVÃO DE POLÍCIA – PC/AL – 2012 –
proporcionalidade entre os meios utilizados pelo
CESPE) Acerca dos princípios da administração
administrador público e os fins que ele pretende
alcançar. Se o ato administrativo não guarda uma pública previstos na CF, julgue os itens seguintes.
proporção adequada entre os meios empregados e o 1. ( ) Ao servidor público deve ser dada a
fim almejado, será um ato desproporcional, excessivo possibilidade de decidir quanto ao que é legal ou
em relação a essa finalidade visada. ilegal, mas também quanto ao o que é justo ou injusto,
estabelecendo uma distinção entre o honesto e o
A Lei nº 9.784/99 – lei de processo administrativo –
explicitou os referidos princípios determinando que desonesto, de modo a respeitar o princípio da
moralidade.
nos processos administrativos serão observados,
entre outros, os critérios de adequação entre os meios 2. ( ) A legalidade do ato praticado pelo agente
e fins, vedada a imposição de obrigações, restrições e público pode subsistir ainda que não exista lei prévia
sanções em medida superior àquelas estritamente que autorize a sua prática.
necessárias ao atendimento do interesse público.
3. ( ) O princípio da publicidade, no direito
administrativo, relaciona-se à publicidade, diretamente
ligada à eficácia do ato, bem como à transparência,
EXERCÍCIOS – PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO derivada, por sua vez, do princípio da indisponibilidade
PÚBLICA do interesse público.
01. (ANALISTA LEGISLATIVO - TAQUÍGRAFO –
ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA - SP – 2012 – FCC) O
conceito de eficiência na atuação da Administração 04. (DEFENSOR PÚBLICO – ES – 2012 –
Pública CESPE/UNB) Julgue os itens a seguir, referentes aos
princípios do direito administrativo.
(A) restou consagrado como princípio constitucional, a
partir da edição da Emenda Constitucional no 19, de 1. ( ) A nomeação de cônjuge da autoridade
1998, que trata da reforma administrativa pautada pelo nomeante para o exercício de cargo em comissão não
modelo gerencial. afronta os princípios constitucionais.
(B) corresponde ao dever de atendimento ao cidadão, 2. ( ) Como o direito administrativo disciplina, além
com economia de recursos humanos e materiais, da atividade do Poder Executivo, as atividades
afastando, para a sua consecução, os demais administrativas do Poder Judiciário e do Poder
princípios aplicáveis à Administração Pública. Legislativo, os princípios que regem a administração
pública, previstos na CF, aplicam-se aos três poderes
(C) foi introduzido a partir da reforma administrativa da República.
consolidada pela Emenda Constitucional no 19, de
1998, dependendo, para sua implementação, da 3. ( ) De acordo com o princípio da publicidade, a
celebração de contratos de gestão para o administração deve divulgar informações de interesse
estabelecimento de metas e indicadores de resultado. público, sendo o sigilo dos atos administrativos
admitido apenas excepcionalmente e se
(D) determina que sejam estabelecidos, de acordo imprescindível à segurança da sociedade e do Estado.
com contratos de gestão firmados pelas entidades
integrantes da Administração direta e indireta,
indicadores e metas de melhoria de redução de
gastos. 05. (ASSESSOR JURÍDICO – TCE/PI – 2014 – FCC)
A Administração pública se sujeita a princípios na
(E) somente pode ser exigido em relação às entidades execução de suas funções, expressamente
públicas que atuam no domínio econômico, em regime consagrados na Constituição Federal ou implícitos no
de competição com a iniciativa privada. ordenamento jurídico. Dessa realidade se pode
depreender que

02. (ANALISTA – TCE/DF – 2013 – CESPE) Acerca (A) a violação aos princípios que regem a atuação da
do regime jurídico administrativo, julgue os próximos Administração pública dá lugar a tutela judicial dos
itens. interesses em questão, desde que também tenha
havido infração à legislação vigente.
1. ( ) Em razão do princípio da legalidade, a
administração pública está impedida de tomar (B) os princípios expressos na Constituição Federal
decisões fundamentadas nos costumes. são hierarquicamente superiores aos demais
princípios gerais de direito, ainda que previstos na
2. ( ) O princípio da supremacia do interesse legislação setorial, posto que estes possuem natureza
público sobre o interesse privado é um dos pilares do apenas opinativa para a atuação da Administração
regime jurídico administrativo e autoriza a pública.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 3
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(C) a violação a algum dos princípios constitucionais que possui formação superior na área de engenharia,
permite a tutela judicial para que sejam conformados para o cargo de secretário de estado de obras.
ou anulados os atos da Administração pública. Pressupondo-se que Aristóteles atenda a todos os
requisitos legais para a referida nomeação, conclui-se
(D) somente os princípios expressos na Constituição
que esta não vai de encontro ao posicionamento
Federal possuem coercibilidade para conformar a adotado em recente julgado do STF.
Administração pública ao atendimento de seu
conteúdo. 07. (JUIZ DE DIREITO – TJ/BA – 2012 –
(E) os princípios previstos na legislação CESPE/UNB) Após a edição da CF, havia
infraconstitucional são regras desprovidas de sanção controvérsia sobre a obrigatoriedade de concurso
pelo seu descumprimento, de modo que sua violação público para o provimento de cargos nas empresas
não se consubstancia em ilegalidade. públicas e sociedades de economia mista. A questão
foi pacificada pelo STF, no ano de 1993, em decisão
que confirmou a obrigatoriedade do concurso público.
06. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – 2012 – Posteriormente, avaliando contratações sem concurso
CESPE/UNB) Ora, um Estado funcionalmente público ocorridas no período entre 1988 e 1993, o STF
eficiente demanda um Direito Público que privilegie, assim decidiu: “(…) A existência de controvérsia, à
por sua vez, a funcionalidade. Um Direito Público época das contratações, quanto à exigência de
orientado por uma teoria funcional da eficiência. concurso público no âmbito das empresas públicas e
sociedades de economia mista, questão dirimida
(...) A administração privada é sabidamente livre para somente após a concretização dos contratos, não tem
perseguir as respectivas finalidades a que se o condão de afastar a legitimidade dos provimentos,
proponha e, assim, a falta de resultados não traz realizados em conformidade com a legislação então
repercussões outras que as decorrentes das avenças vigente.” Nessa decisão, fica evidenciada a aplicação
privadas, como ocorre, por exemplo, nas relações do princípio da
societárias. Distintamente, a administração pública
está necessariamente vinculada ao cumprimento da A) juridicidade.
Constituição e, por isso, os resultados devem ser B) recepção.
alcançados, de modo que se não o forem, salvo cabal
motivação da impossibilidade superveniente, está-se C) segurança jurídica.
diante de uma violação praticada pelo gestor público,
D) continuidade do serviço público.
pois aqui existe relevância política a ser considerada.
E) supremacia do interesse público.
Diogo de Figueiredo Moreira Neto. Quatro paradigmas do
direito administrativo pós-moderno. Belo Horizonte: Ed.
Fórum, 2008, p. 110-11 (com adaptações). Considerando o
08. (ANAL. JUD. – EXECUÇÃO DE MANDADOS –
texto acima e com base nos princípios que regem a
TJ/RJ – 2012 - FCC) O Poder Público contratou, na
administração pública, julgue os próximos itens.
forma da lei, a prestação de serviços de transporte
1. ( ) Com base no princípio da eficiência e em urbano à população. A empresa contratada
outros fundamentos constitucionais, o STF entende providenciou todos os bens e materiais necessários à
que viola a Constituição a nomeação de cônjuge, prestação do serviço, mas em determinado momento,
companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por interrompeu as atividades. O Poder Público assumiu a
afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade prestação do serviço, utilizando-se, na forma da lei,
nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica dos bens materiais de titularidade da empresa. A
investido em cargo de direção, chefia ou atuação do poder público consubstanciou-se em
assessoramento, para o exercício de cargo em expressão do princípio da
comissão ou de confiança ou, ainda, de função
A) continuidade do serviço público.
gratificada na administração pública direta e indireta
em qualquer dos poderes da União, dos estados, do B) eficiência.
Distrito Federal e dos municípios, compreendido o
ajuste mediante designações recíprocas. C) segurança jurídica.

2. ( ) Segundo o STF, a falta de defesa técnica D) boa-fé.


por advogado, no âmbito de processo administrativo E) indisponibilidade do interesse público.
disciplinar, não ofende a CF. Da mesma forma, não há
ilegalidade na ampliação da acusação a servidor
público, se, durante o processo administrativo, forem 09. (ANALISTA AMBIENTAL – IBAMA – 2012 –
apurados fatos novos que constituam infração CESPE) Considerando os princípios que regem a
disciplinar, desde que rigorosamente observados os administração pública e sua organização, julgue os
princípios do contraditório e da ampla defesa. O itens subsequentes.
referido tribunal entende, também, que a autoridade
julgadora não está vinculada às conclusões da 1. ( ) De acordo com o princípio da autotutela, o
comissão de processo administrativo disciplinar. ato administrativo discricionário não é passível de
controle pelo Poder Judiciário.
3. ( ) Considere que Platão, governador de estado
da Federação, tenha nomeado seu irmão, Aristóteles, 2. ( ) O princípio da moralidade e o da eficiência
estão expressamente previstos na CF, ao passo que o
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 4
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
da proporcionalidade constitui princípio implícito, não e observando o conteúdo rigidamente estabelecido na
positivado no texto constitucional. lei.
ii) Poder Discricionário
10. (ANAL. JUD. – JUDICIÁRIA – TJ/AL – 2012 – Poder discricionário é o privilégio concedido aos
CESPE/UNB) Acerca dos princípios que regem a agentes administrativos de elegerem, entre várias
administração pública, assinale a opção correta. condutas possíveis, a que traduz maior conveniência e
oportunidade para o interesse público.
A) Ao deliberar pela prática ou não de ato vinculado, o
servidor deve observar o princípio da supremacia do Conveniência indica em que condições vai se conduzir
interesse público, sob pena de se caracterizar o desvio o agente; já a oportunidade diz respeito ao momento
de finalidade, se o ato favorecer particular específico. em que a atividade deve ser produzida.
B) Ao ser promulgada, a CF inovou ao incluir o A liberdade da escolha dos critérios de conveniência e
princípio da eficiência entre os princípios que regem a oportunidade não se coaduna com a atuação fora dos
administração pública. limites da lei. Enquanto atua nos limites da lei, que
admite a escolha segundo aqueles critérios, o agente
C) Em decorrência dos princípios da impessoalidade e
exerce a sua função com discricionariedade, e sua
da boa-fé, reconhecem-se como válidos os atos
conduta se caracteriza como inteiramente legítima.
praticados por agente de fato, ainda que este tivesse
ciência do ilícito praticado. iii) Poder Regulamentar
D) O princípio da presunção de legalidade gera para o Poder regulamentar é a prerrogativa conferida à
prejudicado o ônus de provar a ilegalidade do ato Administração Pública de editar atos gerais para
administrativo, tendo em vista a natureza jure et de complementar as leis e permitir a sua efetiva
jure da presunção formada. aplicação. A prerrogativa é apenas para complementar
a lei, não podendo a Administração alterá-la a pretexto
E) A despeito de não ser positivado na legislação
de estar regulamentando e, se o fizer, cometerá
brasileira, o princípio da segurança jurídica
abuso de poder regulamentar, invadindo a
reconhecidamente aplica-se no âmbito do direito
competência do Legislativo.
administrativo.
Sob o enfoque de que os atos podem ser originários e
derivados, o poder regulamentar é de natureza
GABARITO derivada ou secundária, pois somente é exercido à
luz de lei preexistente. As leis constituem atos de
01 - A 02 - EE 03 - CEC 04 - ECE 05 - C natureza originária ou primária, originando diretamente
da Constituição.
06 - CCC 07 - C 08 - A 09 - CE 10 - C A formalização do poder regulamentar se processa,
em regra, por decretos e regulamentos, também
considerados atos de regulamentação de primeiro
grau.
Há também atos normativos que, editados por outras
2 – PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA autoridades administrativas, podem caracterizar-se
 Conceito como inseridos no poder regulamentar. São os
chamados atos de regulamentação de segundo
Pode-se conceituar poderes administrativos como o grau. É o caso das instruções normativas, resoluções,
conjunto de prerrogativas de direito público que a portarias etc.
ordem jurídica confere aos agentes administrativos
para o fim de permitir que o Estado alcance seus fins. iv) Poder Disciplinar

Os poderes administrativos são inerentes aos Poder disciplinar é o que cabe à Administração
exercício da atividade administrativa da União, Pública para apurar infrações e aplicar penalidades
Estados, Distrito Federal e Municípios, em aos servidores públicos e demais pessoas sujeitas à
observância a suas competências constitucionais, e disciplina administrativa; é o caso das que com ela
somente podem ser exercidos nos limites da lei. contratam.

 Modalidades Note-se que não abrange as sanções impostas a


particulares não sujeitos à disciplina interna da
i) Poder Vinculado Administração, porque, nesse caso, as medidas
punitivas encontram seu fundamento no poder de
O denominado poder vinculado é aquele de que
polícia do Estado.
dispõe a Administração para a prática de atos
administrativos em que é mínima ou inexistente sua No que diz respeito aos servidores públicos, o poder
liberdade de atuação, ou seja, é o poder de que se disciplinar é uma decorrência da hierarquia; mesmo no
utiliza a Administração quando pratica atos vinculados. Poder Judiciário e no Ministério Público, onde não há
hierarquia quanto ao exercício de suas funções
O poder vinculado apenas possibilita à Administração
institucionais, ela existe quanto ao aspecto funcional
executar o ato vinculado nas estritas hipóteses legais

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 5
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
da relação de trabalho, ficando os seus membros preservação da ordem pública e do estabelecimento
sujeitos à disciplina interna da instituição. de regras de conduta necessárias e suficientes para
evitar conflitos e compatibilizar direitos.
O poder disciplinar é discricionário, o que deve ser
entendido em seus devidos termos. A Administração O fundamento do poder de polícia é o princípio da
não tem liberdade de escolha entre punir e não punir, predominância do interesse público sobre o particular,
pois, tendo conhecimento de falta praticada por que dá à Administração posição de supremacia sobre
servidor, tem necessariamente que instaurar o os administrados.
procedimento adequado para sua apuração e, se for o
caso, aplicar a pena cabível. Esse interesse público diz respeito aos mais variados
setores da sociedade, tais como segurança, moral,
v) Poder Hierárquico saúde, meio ambiente, defesa do consumidor,
patrimônio cultural, propriedade. Daí a divisão da
Hierarquia “é o escalonamento em plano vertical dos
polícia administrativa em vários ramos: polícia de
órgãos e agentes da Administração que tem como
segurança, das florestas, das águas, de trânsito,
objetivo a organização da função administrativa”. sanitária etc.
Tantas são as atividades a cargo da Administração
Pública que não se poderia conceber sua normal No direito brasileiro, o conceito legal de poder de
realização sem a organização, em escalas, dos polícia está previsto no artigo 78 do Código Tributário
agentes e dos órgãos públicos. Nacional. A razão de o CTN dar o conceito de poder
de polícia decorre do fato de constituir o exercício
A organização administrativa é baseada em dois desse poder um dos fatos geradores da taxa (CF, art.
pressupostos fundamentais: a distribuição de
145, II e art. 77 do CTN).
competência e a hierarquia. O direito positivo define as
atribuições dos vários órgãos administrativos, cargos e a) Polícia Administrativa e Judiciária
funções e, para que haja harmonia e unidade de
O poder de polícia que o Estado exerce pode incidir
direção, ainda estabelece uma relação de
em duas áreas de atuação estatal: na administrativa e
coordenação e subordinação entre os vários órgãos
na judiciária.
que integram a Administração Pública, ou seja,
estabelece hierarquia. A principal diferença em se acostuma apontar entre as
duas está no caráter preventivo (impedir as ações
Mesmo quando depende de lei, pode-se dizer que da
anti-sociais) da polícia administrativa e no repressivo
organização administrativa decorrem para a
(punir os infratores da lei penal) da polícia judiciária.
Administração Pública diversos poderes:
1. o de editar atos normativos (resoluções, portarias, A diferença não é, no entanto, absoluta, pois a polícia
administrativa tanto pode agir preventivamente (ex.:
instruções), com o objetivo de ordenar a atuação dos
órgãos subordinados; proibindo porte de arma ou a direção de veículos
automotores), como pode agir repressivamente (ex.:
2. o de dar ordens aos subordinados, que implica o quando apreende arma usada indevidamente ou a
dever de obediência, para estes últimos, salvo para as licença do motorista). Contudo, pode-se dizer que, nas
ordens manifestamente ilegais; duas hipóteses, ela está tentando impedir que o
comportamento individual cause prejuízos maiores à
3. o de controlar a atividade dos órgãos inferiores;
coletividade; nesse sentido, é certo dizer que a polícia
4. o de rever atos dos subordinados, que se configura administrativa é preventiva.
na faculdade que permite ao superior hierárquico
A polícia administrativa se rege pelo Direito
alterar total ou parcialmente decisões dos Administrativa, incidindo sobre bens, direitos ou
subordinados; atividades; já a polícia judiciária é regida pelo Direito
5. o de decidir conflitos de competência entre os Processual Penal, incidindo sobre pessoas.
subordinados; A polícia judiciária é privativa de corporações
6. o de avocar atribuições, desde que estas não especializadas (polícia civil e polícia federal), enquanto
sejam da competência privativa do órgão subordinado; a polícia administrativa se reparte entre diversos
órgãos da Administração, incluindo, além da própria
7. o de delegar atribuições que não lhe sejam polícia militar, os vários órgãos de fiscalização aos
exclusivas. quais a lei atribui esse exercício, como os que atuam
Há de se observar que a relação hierárquica é na área de saúde, educação, trabalho, previdência e
acessória da organização administrativa. Pode haver assistência.
distribuição de competências dentro da organização b) Características
administrativa, excluindo-se a relação hierárquica com
relação a determinadas atividades. 1. Discricionariedade – Embora esteja presente na
maior parte das medidas de polícia, nem sempre isso
vi) Poder de Polícia ocorre. Às vezes, a lei deixa certa margem de
O poder de polícia é a atividade do Estado consistente liberdade de apreciação quanto a determinados
em limitar o exercício dos direitos individuais em elementos, como o motivo e o objeto, mesmo porque
benefício do interesse público ou do próprio Estado, ao legislador não é dado prever todas as hipóteses
restringindo e condicionando o uso e gozo de bens, possíveis a exigir a atuação de polícia. Como exemplo
direitos individuais e atividades, em busca da temos a autorização para porte de arma, autorização

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 6
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
para circulação de veículos com peso ou altura 2. ação do agente, embora dentro de sua
excessivos etc. competência, afasta-se do interesse público (desvio
de poder ou de finalidade).
2. Auto-executoriedade – É a possibilidade que tem a
Administração de, com os próprios meios, pôr em a) Excesso de Poder
execução as suas decisões, sem recorrer previamente
ao Poder Judiciário. Pelo atributo da auto- Ocorre excesso de poder quando o agente age fora
dos limites de sua competência administrativa,
executoriedade, a Administração compele
invadindo competência de outros agentes ou
materialmente o administrado, usando meios diretos
de coação. Por exemplo, ela apreende mercadorias, praticando atividades que a lei não lhe conferiu. A
autoridade, embora competente para praticar o ato, vai
interdita uma fábrica etc. Esse atributo não existe em
todas as medidas de polícia. além do que lhe permitiu a lei, exorbitando no uso de
sua competência.
3. Coercibilidade – O ato de polícia só é auto-
Nesse caso, há violação do requisito competência,
executório porque dotado de força coercitiva. Hely
Lopes Meirelles define coercibilidade como sendo “a tornando o ato administrativo arbitrário, ilícito e nulo.
imposição coativa das medidas adotadas pela b) Desvio de Poder ou de Finalidade
Administração”.
Ocorre desvio de poder ou desvio de finalidade
c) Campo de atuação quando o administrador pratica o ato buscando
alcançar fim diverso daquele que lhe foi determinado
Dentre os inúmeros campos de atuação do poder de
pela lei. Nesse caso, embora atue nos limites de sua
polícia podem ser lembrados os seguintes: direito de
competência, o agente pratica o ato por motivos ou
construir, localização e funcionamento de atividades
com fins diversos daqueles estabelecidos na lei ou
no território de um Município; condições sanitárias de
exigidos pelo interesse público.
alimentos, elaborados ou não, vendidos à população;
medicamentos; exercício de profissões; poluição Diversamente do excesso de poder, que decorre de
sonora, visual, atmosférica, dos rios; preços; trânsito. violação ao requisito competência, o desvio de
d) Limites finalidade deriva de ofensa ao requisito finalidade.
A forma clássica de ofensa ao elemento finalidade é a
Como todo ato administrativo, a medida de polícia,
ainda que seja discricionária, sempre esbarra em prática de atos não dirigidos à satisfação do interesse
público, como, por exemplo, a concessão de
algumas limitações impostas pela lei. Alguns autores
vantagens apenas a servidores apaniguados
indicam regras a serem observadas pela polícia
(protegidos).
administrativa, com o fim de não eliminar os direitos
individuais: Há, ainda, outro sentido em que pode ser violado o
a) a da necessidade, em consonância com a qual a requisito finalidade, que é o desatendimento da
finalidade específica, prevista em lei, na prática de
medida de polícia só deve ser adotada para evitar
determinado ato. Exemplo típico é a remoção ex officio
ameaças reais ou prováveis de pertubações ao
de servidor, como forma de punição.
interesse público;
b) a da proporcionalidade que significa a existência
de uma relação necessária entre a limitação ao direito EXERCÍCIOS – PODERES ADMINISTRATIVOS
individual e o prejuízo a ser evitado;
01. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 15ª R – 2013 –
c) a da eficácia, no sentido de que a medida deve ser FCC) Sobre os poderes disciplinar, hierárquico e
adequada para impedir o dano ao interesse público. regulamentar, suas características, alcance e
 Abuso de Poder elementos, é correto afirmar que o poder
Hely Lopes Meirelles ensina: “O abuso de poder (A) disciplinar possui alcance geral e abstrato,
ocorre quando a autoridade, embora competente para atingindo aqueles não abrangidos pelo poder
praticar o ato, ultrapassa os limites de suas atribuições hierárquico.
ou se desvia das finalidades administrativas”. (B) disciplinar destina-se àqueles sujeitos a disciplina
Preconiza, ainda, o citado autor: “O abuso do poder interna da Administração pública, enquanto o poder
tanto pode revestir a forma comissiva como omissiva, hierárquico atinge todas as relações jurídicas mantidas
porque ambas são capazes de afrontar a lei e causar com a Administração pública.
lesão a direito individual do administrado. Assim, a (C) hierárquico pressupõe vínculo de subordinação,
inércia da autoridade administrativa, deixando de com atribuições de revisão e fiscalização, enquanto o
executar determinada prestação de serviço a que por poder disciplinar também abrange relações travadas
lei está obrigada, lesa o patrimônio jurídico individual. sem vínculo daquela natureza.
É forma omissiva de abuso de poder, quer o ato seja
doloso ou culposo”. (D) regulamentar pressupõe competência de
fiscalização, podendo ou não envolver vínculo de
O abuso de poder pode decorrer de duas causas: subordinação, assim como o poder disciplinar, que
1. ação do agente fora dos limites de sua competência admite interferência em relações jurídicas de natureza
(excesso de poder); distinta, tais como contratos e relação de custódia.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 7
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(E) regulamentar possui alcance geral, abstrato e (D) prerrogativa conferida a todos os Poderes para
autônomo, enquanto o poder disciplinar pressupõe disciplinar seus assuntos interna corporis.
alcance específico, decorrente de subordinação.
(E) atividade normativa excepcional, conferida ao
Conselho de Defesa Nacional, na vigência de estado
de defesa ou estado de sítio.
02. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 –
FCC) Durante regular fiscalização, fiscais de
determinada municipalidade identificaram que um
05. (JUIZ DO TRABALHO – TRT 1ª R – 2012 – FCC)
estabelecimento comercial do setor de bares e
restaurantes estava utilizando indevidamente a A respeito dos poderes da Administração, é correto
afirmar que o poder
calçada para instalação de mesas e cadeiras. Os
agentes municipais, considerando que estavam (A) regulamentar fundamenta a edição, pelo Chefe do
Executivo, de normas gerais destinadas à coletividade,
devidamente autorizados pela lei, no correto
disciplinadoras de atividades individuais.
desempenho de suas funções,
(A) apreenderam as mesas e cadeiras e multaram o (B) hierárquico autoriza a avocação, pelo Ministério
supervisor, de matérias inseridas na competência das
estabelecimento, no exercício de seu poder disciplinar.
autarquias a ele vinculadas.
(B) interditaram o estabelecimento, no exercício de
(C) disciplinar autoriza a Administração a apurar
seu poder de tutela administrativa.
infrações e aplicar penalidades aos servidores
(C) apreenderam as mesas e cadeiras irregulares e públicos, não alcançando as sanções impostas a
multaram o estabelecimento, no exercício do poder de particulares não sujeitos à disciplina interna da
polícia. Administração.
(D) multaram o estabelecimento e determinaram a (D) normativo autoriza a edição, pelo Chefe do Poder
instauração de processo de interdição do Executivo, de decretos em matéria de organização
estabelecimento, como expressão de seu poder administrativa, tais como a criação de órgãos e cargos
hierárquico. públicos.
(E) interditaram o estabelecimento e apreenderam (E) hierárquico é aquele conferido aos agentes
todo o mobiliário da calçada, como expressão de seu públicos para proferir ordens e aplicar sanções a seus
poder de autotutela. subordinados, com vistas ao bom desempenho do
serviço público.

03. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 –


FCC) O poder regulamentar da Administração pública 06. (JUIZ DO TRABALHO – TRT 18ª R – 2014 –
consiste em FGV) É tradicional a distinção entre polícia judiciária e
polícia administrativa. Dentre os critérios que permitem
(A) impor restrições à atuação de particulares, em
distinguir as duas modalidades de exercício do poder
benefício da coletividade, nos limites da lei.
estatal por agentes públicos, é correto afirmar que a
(B) controlar a atividade de órgãos inferiores, dando polícia judiciária
ordem a subordinados e verificando a legalidade dos
(A) age somente repressivamente e a polícia
atos praticados.
administrativa age somente preventivamente.
(C) editar normas complementares à lei, para a sua fiel
(B) age sempre de maneira vinculada e a polícia
execução.
administrativa atua sempre de maneira discricionária.
(D) organizar a atividade administrativa, inclusive com (C) é privativa de corporações especializadas e a
a avocação de competências e criação de órgãos.
polícia administrativa é exercida por vários órgãos
(E) apurar infrações e aplicar penalidades aos administrativos.
servidores públicos e particulares que contratam com (D) é exercida com autoexecutoriedade e a polícia
a Administração.
administrativa é exercida com coercibilidade.
(E) atua exclusivamente com base no princípio da
04. (PROCURADOR – ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA - tipicidade e a polícia administrativa atua
PB – 2013 – FCC) O chamado poder regulamentar exclusivamente com base no princípio da atipicidade.
autônomo, trata-se de
(A) exercício de atividade normativa pelo Executivo, 07. (DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL – AC – 2008 –
disciplinando matéria não regulada em lei, de CESPE/UNB) Acerca do direito administrativo, julgue
controversa existência no direito nacional. os itens subseqüentes.
(B) poder conferido aos entes federados para legislar 1. ( ) Considere que uma lei federal tenha
em matéria administrativa de seu próprio interesse. determinado a proibição da venda de bebidas
alcoólicas em postos e bares localizados às margens
(C) atividade normativa exercida pelas agências de rodovias federais. Nessa situação, a fiscalização do
reguladoras, nos setores sob sua responsabilidade. cumprimento dessa determinação configura exercício
de poder de polícia administrativa.
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 8
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
2. ( ) Considere que a Constituição da República dos cidadãos. Poder de polícia delegado é aquele
determina que as polícias civis sejam dirigidas por outorgado a pessoa jurídica de direito privado,
delegados de polícia de carreira. Essa determinação desprovida de vinculação oficial com os entes
confere aos delegados poder hierárquico e poder públicos.
disciplinar sobre os servidores da polícia civil que lhes
são subordinados. C) No exercício da atividade de polícia, a
administração só atua por meio de atos concretos
08. (PROCURADOR FEDERAL - AGU – 2012 – previamente definidos em lei. Esses atos devem ser
CESPE/UNB) No que se refere aos poderes da praticados sob o enfoque da proporcionalidade, de
forma a evitar a prática de um ato mais intenso e
administração pública, julgue os itens a seguir.
extenso do que o necessário para limitar a liberdade e
1. ( ) O prazo prescricional para que a a propriedade no caso concreto.
administração pública federal, direta e indireta, no
D) Os atos de polícia podem constituir-se em
exercício do poder de polícia, inicie ação punitiva, cujo
objetivo seja apurar infração à legislação em vigor, é consentimentos, ou seja, quando a administração
responde afirmativamente a um pedido para o
de cinco anos, contados da data em que o ato se
exercício de atividade econômica em via pública, está
tornou conhecido pela administração, salvo se se
praticando um ato de polícia. Nesse caso, apesar de
tratar de infração dita permanente ou continuada, pois,
consentir, o Estado impõe condicionantes de forma a
nesse caso, o termo inicial ocorre no dia em que cessa
a infração. limitar a liberdade do agente econômico.
E) A coercibilidade é a característica do poder de
2. ( ) Atos administrativos decorrentes do poder
polícia que possibilita à administração praticar atos,
de polícia gozam, em regra, do atributo da
modificando imediatamente a ordem jurídica.
autoexecutoriedade, haja vista a administração não
depender da intervenção do Poder Judiciário para
torná-los efetivos. Entretanto, alguns desses atos 10. (ANALISTA DE CONTROLE INTERNO –
importam exceção à regra, como, por exemplo, no PREFEITURA DO RECIFE – 2014 – FGV) Acerca do
caso de se impor ao administrado que este construa Poder Hierárquico, assinale a opção correta.
uma calçada. A exceção ocorre porque tal atributo se
desdobra em dois, exigibilidade e executoriedade, e, (A) Fundamenta a imposição de sanção disciplinar a
nesse caso, falta a executoriedade. agente público subordinado.
(B) Permite a interposição de recurso hierárquico
impróprio.
09. (PROCURADOR DO ESTADO – PGE/AL – 2010
– CESPE/UNB) A doutrina nacional e internacional do (C) Fundamenta ato de avocação.
direito administrativo muito critica a expressão poder (D) Permite a edição de ato normativo de estruturação
de polícia. de órgãos.
Trata-se de designativo manifestamente infeliz. (E) Permite a constrição de bens de particulares.
Engloba, sob um único nome, coisas radicalmente
distintas, submetidas a regimes de inconciliável
diversidade: leis e atos administrativos; isto é, 11. (ANALISTA DE APOIO À ASSISTÊNCIA
disposições superiores e providências subalternas. JUDICIÁRIA – ÁREA JURÍDICA – DEFENSORIA
Celso Antônio Bandeira de Mello. Curso de direito PÚBLICA/DF – 2014 – FGV) José é proprietário de
administrativo. 13.ª ed. São Paulo: Malheiros Editores, p. um terreno localizado em zona urbana e resolveu
687 (com adaptações). edificar seu imóvel, iniciando a obra invadindo,
Ao incluir as convenções de direitos humanos na inclusive, parte da calçada, sem previamente solicitar
constituição da Argentina, os juristas não podem partir ou obter qualquer alvará de licença para construção. O
do poder do Estado como noção fundamental de um poder público, por meio da autarquia Agência de
sistema. Devem partir das liberdades públicas e dos Fiscalização do Distrito Federal, alegando o
direitos individuais. Poderá haver limitações a tais descumprimento do Art. 51 da Lei Distrital n . / Código
direitos, mas aquele que explica e analisa o sistema de Edificações do Distrito Federal , determinou a
jurídico administrativo não pode partir da limitação demolição da construção, logo no início da obra, por
para, somente depois, entrar nas limitações das se tratar de construção sem licença e em desacordo
limitações. com a legislação, não sendo passível a alteração do
Augustín Gordillo. Tratado de derecho administrativo. 8.ª projeto arquitetônico para adequação à legislação
ed. Buenos Aires: F.D.A., 2006, cap. V, p. 2-3 (com vigente. Em relação à postura da autarquia, é correto
adaptações). afirmar que:
Acerca do poder de polícia, assunto tratado nos textos (A) o poder público agiu corretamente, no regular uso
acima, assinale a opção correta. do poder de polícia, independentemente de se
A) Nenhum dos aspectos do poder de polícia pode ser encontrar o bem localizado em área pública ou
exercido por agente público sujeito ao regime celetista. particular, pois o direito de construir é relativo,
devendo respeitar os limites legais, como a ordem
B) Diz-se originário o poder de polícia conferido às urbanística, em benefício do interesse público.
pessoas políticas da Federação que detêm o poder de
editar as leis limitativas da liberdade e da propriedade

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 9
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(B) o poder público agiu corretamente no regular uso 3 - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
do poder de polícia, independentemente de se
encontrar o bem localizado em área pública ou  Administração Pública em sentido formal,
particular, porque a licença para construir é ato subjetivo ou orgânico
administrativo discricionário, sendo concedida de Em sentido formal, conceitua-se como o conjunto de
acordo com a oportunidade e a conveniência, podendo agentes, órgãos e pessoas jurídicas destinadas à
ser revogada a qualquer tempo. execução das atividades administrativas.
(C) apesar de o poder público ter o poder de polícia, Nessa concepção, a expressão Administração Pública
fato que legitima a fiscalização, no caso em tela houve engloba todos os órgãos e agentes que, em qualquer
abuso de poder, pois o imóvel estava localizado em dos Poderes do Estado (Legislativo, Executivo ou
área particular, razão pela qual é cabível indenização Judiciário), em qualquer das esferas políticas (União,
a João pelos prejuízos sofridos. Estados, Distrito Federal ou Municípios), estejam
(D) apesar de o poder público ter o poder de polícia, exercendo função administrativa.
fato que legitima a fiscalização, no caso em tela houve  Administração Pública em sentido material,
abuso de poder, pois qualquer determinação objetivo ou funcional
demolitória deve ser precedida de regular processo
administrativo ou processo judicial, assegurados o Em sentido objetivo, a Administração Pública” pode
contraditório e ampla defesa. ser definida como a atividade concreta e imediata que
(E) apesar de o poder público ter o poder de polícia, o Estado desenvolve para a consecução dos
fato que legitima a fiscalização, no caso em tela houve interesses coletivos.
abuso de poder, pois qualquer determinação
A administração pública neste sentido abrange as
demolitória deve ser precedida do devido processo
seguintes atividades administrativas: o fomento, a
legal judicial, pelo princípio da inafastabilidade do
polícia administrativa, o serviço público e a
controle jurisdicional, assegurados o contraditório e
intervenção administrativa.
ampla defesa.
 ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO
12. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 15ª R – 2013 – Centralização, Descentralização e
FCC) Sobre os poderes disciplinar, hierárquico e Desconcentração
regulamentar, suas características, alcance e Ocorre a chamada centralização administrativa
elementos, é correto afirmar que o poder quando o Estado executa suas tarefas diretamente,
(A) disciplinar possui alcance geral e abstrato, por meio dos órgãos e agentes integrantes da
atingindo aqueles não abrangidos pelo poder Administração Direta. Nesse caso, os serviços são
hierárquico. prestados diretamente pelos órgãos do Estado,
despersonalizados, integrantes de uma mesma
(B) disciplinar destina-se àqueles sujeitos a pessoa política (União, DF, Estados ou Municípios).
disciplina interna da Administração pública,
Ocorre a chamada descentralização administrativa
enquanto o poder hierárquico atinge todas as
quando a entidade estatal (União, DF, Estados ou
relações jurídicas mantidas com a Administração Municípios) desempenha a atividade administrativa,
pública. não diretamente, mas de forma indireta ou
(C) hierárquico pressupõe vínculo de subordinação, descentralizada.
com atribuições de revisão e fiscalização, enquanto A descentralização será efetivada por meio de
o poder disciplinar também abrange relações outorga (ou por serviço ou funcional) quando o
travadas sem vínculo daquela natureza. Estado cria uma entidade administrativa, com
(D) regulamentar pressupõe competência de personalidade jurídica própria, e a ela transfere, por
lei, determinado serviço público ou atividade para
fiscalização, podendo ou não envolver vínculo de
exercer em caráter específico. A outorga normalmente
subordinação, assim como o poder disciplinar, que
é conferida por prazo indeterminado. É o que ocorre
admite interferência em relações jurídicas de relativamente às entidades da Administração
natureza distinta, tais como contratos e relação de Indireta (autarquias, fundações públicas, empresas
custódia. públicas, sociedades de economia mista e consórcios
(E) regulamentar possui alcance geral, abstrato e públicos).
autônomo, enquanto o poder disciplinar pressupõe A descentralização será efetivada por meio de
alcance específico, decorrente de subordinação. delegação (ou por colaboração) quando o Estado
transfere, por contrato ou ato unilateral, unicamente a
execução do serviço, para que o ente delegado o
GABARITO preste ao público em seu próprio nome e por sua
01 - C 02 - C 03 - C 04 - A 05 - C 06 - C conta e risco, sob fiscalização do Estado. Há
07 - 08 - 09 - D 10 - C 11 - A 12 - B delegação, por exemplo, nos contratos de concessão
CE EC ou nos atos de permissão de serviços públicos.
Já a desconcentração é simples técnica
administrativa, e é utilizada, tanto na Administração

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 10
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Direta, quanto na Indireta. Ocorre a chama da c) são resultado da desconcentração;
desconcentração quando a entidade da
d) alguns possuem autonomia gerencial,
Administração, encarregada de executar um ou mais
orçamentária e financeira;
serviços, distribui competências, no âmbito de sua
própria estrutura, a fim de tornar mais ágil e eficiente a e) podem firmar, por meio de seus
prestação dos serviços. A desconcentração administradores, contratos de gestão com
pressupõe, obrigatoriamente, a existência de uma só outros órgãos ou com pessoas jurídicas (CF,
pessoa jurídica. art. 37, § 8º);
 ADMINISTRAÇÃO DIRETA f) não têm capacidade para representar em
juízo a pessoa jurídica que integram;
A administração Direta ou Centralizada é aquela
constituída a partir de um conjunto de órgãos públicos, g) alguns têm capacidade processual para
através dos quais o Estado desempenha diretamente defesa em juízo de suas prerrogativas
a atividade administrativa. funcionais;
Segundo o art. 4º, inciso I, do Decreto-Lei nº 200/67, a h) não possuem patrimônio próprio.
Administração Direta da União se constitui dos
serviços integrados na estrutura administrativa da iv) Classificação
Presidência da República e dos Ministérios. 1. Quanto a sua estrutura, os órgãos podem ser:
 Órgãos Públicos a) Órgãos Simples – são constituídos por um só centro
i) Conceito de órgão público de competência. Estes órgãos não são subdivididos
em sua estrutura interna, isto é, inexiste outro órgão
Hely Lopes Meirelles define órgãos públicos como compondo-o.
“centros de competência instituídos para o
desempenho de funções estatais, através de seus b) Órgãos Compostos – reúnem em sua estrutura
agentes, cuja atuação é imputada à pessoa jurídica a diversos órgãos, como resultado da desconcentração
que pertencem”. administrativa. Exemplo: os Ministérios e as
Secretarias.
Na Administração Direta Federal somente a União
possui personalidade jurídica. Os Ministérios, por 2. Quanto a sua composição ou atuação funcional,
exemplo, órgãos da Administração Direta Federal, são os órgãos podem ser:
centros de competência despersonalizados, cuja a) Órgãos Singulares – também denominados
atuação é imputada à União. unipessoais, são os órgãos em que a atuação ou as
A Lei Federal nº 9.784/99, que dispõe sobre o decisões são atribuição de um único agente, seu chefe
processo administrativo no âmbito da Administração e representante. Exemplo: a Presidência da
Pública Federal, conceitua órgão público como “a República.
unidade de atuação integrante da estrutura da b) Órgãos Colegiados – também denominados
Administração direta e da estrutura da Administração pluripessoais, são caracterizados por atuar e decidir
indireta”. mediante obrigatória manifestação conjunta de seus
ii) Teoria do Órgão membros. Os atos e decisões são tomados após
deliberação e aprovação pelos membros integrantes
Para doutrina e jurisprudência, presume-se que a do órgão, conforme as regras regimentais pertinentes
pessoa jurídica manifesta sua vontade por meio dos a quorum de instalação, de deliberação, de aprovação
órgãos, que são partes integrantes da própria etc. Exemplo: o Congresso Nacional e os tribunais.
estrutura da pessoa jurídica, de tal modo que, quando
os agentes que atuam nestes órgãos manifestam sua 3. Quanto à posição estatal, os órgãos podem ser:
vontade, considera-se que esta foi manifestada pelo a) Órgãos Independentes – são os diretamente
próprio Estado. Neste caso, fala-se em imputação da previstos no texto constitucional, representando os
atuação do agente, pessoa natural, à pessoa jurídica. três Poderes. São órgãos sem qualquer subordinação
Cuida-se da denominada Teoria do Órgão. Assim, hierárquica ou funcional. As atribuições desses órgãos
para que possa haver a imputação, a pessoa que são exercidas por agentes políticos. Ex.: Câmara dos
pratica o ato administrativo deve fazê-lo em situação Deputados, Senado Federal, STF, STJ e demais
tal que leve o cidadão comum a presumir regular sua tribunais.
atenção. Entretanto, outras teorias tentaram, sem
êxito, explicar essa relação, tais como a Teoria do b) Órgãos Autônomos – situam-se na cúpula da
Mandato e a Teoria da Representação. Administração, hierarquicamente logo abaixo dos
órgãos independentes. Possuem ampla autonomia
iii) Características dos órgãos públicos administrativa, financeira e técnica, caracterizando-se
De modo geral, os autores apontam como como órgãos diretivos. Ex.: os Ministérios, as
características dos órgãos (algumas não presentes em Secretarias de Estado, a Advocacia Geral da União
todos): etc.

a) integram a estrutura de uma pessoa jurídica; c) Órgãos Superiores – são os que possuem
atribuições de direção, controle e decisão, mas que
b) não possuem personalidade jurídica; sempre estão sujeitos ao controle hierárquico de uma
chefia mais alta. Não têm autonomia administrativa
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 11
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
nem financeira. Ex.: as Procuradorias, não atividades industriais ou econômicas, ainda que
Coordenadorias, Gabinetes etc. essas últimas sejam de interesse coletivo.
d) Órgãos Subalternos – são todos os órgãos que As autarquias somente podem ser criadas por meio de
exercem atribuições de mera execução, sempre lei específica, consoante o disposto no art. 37, inciso
subordinados a vários níveis hierárquicos superiores. XIX, da Constituição Federal, com redação dada pela
Têm reduzido poder decisório. Exemplos: seções de Emenda Constitucional nº 19/1998.
expediente, de pessoal de material, de portaria etc.
Por desempenharem atividades típicas da
4. Quanto à esfera de atuação, os órgãos podem ser: Administração Pública, as prerrogativas
administrativas do Estado transmitem-se às
a) Órgãos Centrais – são os que têm atuação
autarquias, valendo lembrar que elas gozam de
coincidente com o domínio político da entidade estatal imunidade tributária recíproca no que respeita aos
a que pertencem. Assim, por exemplo, são órgãos
impostos sobre o patrimônio, a renda e os serviços
centrais os órgãos públicos federais, que integram a
vinculados a suas finalidades essenciais (CF, art. 150,
administração direta da União, e têm atuação em todo § 2º). Os privilégios processuais conferidos à Fazenda
território nacional, a exemplo dos Ministérios.
Pública também se estendem às autarquias,
b) Órgãos Locais - são os que têm atuação somente especialmente o prazo em quádruplo para contestar e
em parte do território federal, estadual e municipal, no em dobro para recorrer (Código de Processo Civil art.
domínio político da União, dos Estados e dos 188). As autarquias estão sujeitas ao controle da
Municípios, respectivamente. Exemplo: as Delegacias entidade estatal a que pertencem (Controle finalístico,
Regionais do Trabalho e da Receita Federal, no nos termos da lei, no âmbito da chamada supervisão
âmbito da União. ministerial).
 ADMINISTRAÇÃO INDIRETA A obrigatoriedade de regime jurídico único foi extinta
pela Emenda Constitucional nº 19/1998, retornando tal
A Administração Indireta é constituída a partir de um obrigatoriedade por força da decisão do STF na ADIn
conjunto de entidades, dotadas de personalidade 2135, de agosto de 2007. Assim, tanto no âmbito da
jurídica, responsáveis pelo exercício, em caráter União, como no âmbito do Estado de Pernambuco, o
especializado e descentralizado, de certa e regime jurídico único voltou a ser obrigatório, o que
determinada atividade administrativa, por outorga legal implica afirmar que o regime de contratação a ser
da entidade estatal. Consiste na criação de pessoas adotado pelas autarquias é o estatutário.
jurídicas de direito público ou de direito privado para
exercerem parte da competência administrativa do As autarquias gozam da chamada imunidade tributária
ente político que a criou e com o qual não se recíproca, que veda a instituição de impostos sobre o
confunde. Segundo o art. 4º, inciso II do Decreto-Lei nº patrimônio, a renda e os serviços das autarquias,
200/67, integram a Administração Indireta: as desde que vinculados a suas finalidades essenciais ou
autarquias, as fundações públicas, as empresas às que delas decorram (CF, art. 150, § 2º).
públicas e as sociedades de economia mista.
Não há subordinação hierárquica da autarquia para
Contudo, em razão da edição da Lei nº 11.107/2005,
com a entidade estatal a que pertence (entre uma
que dispôs sobre as normas gerais para a União, os
autarquia federal e a União, por exemplo), mas sim
Estados, o Distrito Federal e os Municípios
mera vinculação.
contratarem Consórcios Públicos para a realização de
objetivos de interesse comum, foi prevista a A entidade estatal que cria uma autarquia exerce
possibilidade de mais uma entidade da Administração sobre ela o chamado controle finalístico, que visa a
Indireta: as associações públicas, que são entidades mantê-la no estrito cumprimento de suas finalidades,
formadas por consórcios públicos celebrados entre previstas na lei instituidora e no seu regulamento ou
entidades da Federação com natureza de pessoa estatuto.
jurídica de direito público. Assim, o consórcio público
A doutrina conceitua as autarquias de regime especial
com personalidade jurídica de direito público integra a
administração indireta de todos os entes da Federação como aquelas que receberam da lei instituidora
privilégios específicos, a fim de aumentar sua
consorciados.
autonomia comparativamente com as autarquias
i) Autarquias comuns. São consideradas autarquias de regime
especial o Banco Central do Brasil – BACEN, a
A professora Maria Sylvia Di Pietro conceitua a
Comissão Nacional de Energia Nuclear – CNEN, a
autarquia como a pessoa jurídica de direito público, Universidade de São Paulo – USP, os Conselhos
criada por lei, com capacidade de auto-administração,
(CREA, CREFITO, CRP, CRO) e outras. As atuais
para o desempenho de serviço público
agências reguladoras (ANATEL, ANEEL, ANP, ANA
descentralizado, mediante controle administrativo
etc.) têm sido, todas elas, instituídas sob a forma de
exercido nos limites da lei.
autarquias em regime especial.
As autarquias integram a Administração Indireta, ii) Fundações Públicas
representando uma forma de descentralização
administrativa mediante a personificação de um As fundações públicas são entidades integrantes da
serviço retirado da Administração centralizada. Por Administração Indireta, voltadas para o desempenho
esse motivo, como regra geral, somente devem ser de atividades de caráter social, como assistência
outorgados serviços públicos típicos às autarquias, e social, assistência médica e hospitalar, educação e

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 12
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
ensino, pesquisa, atividades culturais etc. Essas São exemplos de sociedades de economia mista:
entidades não deverão ser criadas para a exploração Banco do Brasil S/A (BB); Banco da Amazônica S/A
de atividade econômica, de cunho lucrativo, pois para (BASA); Petróleo Brasileiro S/A (PETROBRAS) etc.
esse fim existem as empresas públicas e as
As empresas públicas e as sociedades de economia
sociedades de economia mista.
mista são entidades com personalidade jurídica de
São exemplos de fundação pública: Fundação direito privado, voltadas para a exploração de
Nacional do Índio; Fundação Instituto Brasileiro de atividade econômica ou para a prestação de serviços
Geografia e Estatística - IBGE; Fundação Nacional da públicos.
Saúde; o HEMOPE; a FUNAPE, a FUNASE, etc.
A criação de empresas públicas e sociedades de
Atualmente, em decorrência das alterações trazidas economia mista depende de lei específica autorizativa,
pela EC nº 19/1998, a posição mais adotada pela nos termos do art. 37, XIX, da Constituição Federal.A
doutrina é a admissão da existência de duas espécies lei específica autoriza o Poder Executivo a, por ato
distintas de fundações públicas na Administração próprio (um decreto), proceder à instituição da
Indireta: fundações públicas com personalidade entidade. O Poder Executivo deverá providenciar o
jurídica de direito público (espécie do gênero registro dos estatutos da entidade no registro
autarquias) e fundações públicas com personalidade competente, uma vez que é esse registro que dará
jurídica de direto privado. nascimento à pessoa jurídica, e não a edição da lei
autorizativa.
iii) Agências Reguladoras
As empresas públicas e as sociedades de economia
São autarquias em regime especial, criadas para
mista são criadas com o objetivo precípuo de permitir
exercerem a disciplina e o controle administrativo
ao Estado a exploração de atividades de caráter
sobre os atos e contratos que dizem respeito à
econômico.
prestação de um serviço público específico ou a
determinada atividade econômica. A elas são As empresas públicas e sociedades de economia
conferidas maior estabilidade e independência em mista são entidades de natureza híbrida.
relação ao ente que as criou. Seus dirigentes se Formalmente, são pessoas jurídicas de direito privado.
submetem a investidura especial (são nomeados pelo Entretanto, nenhuma dessas entidades atua
Presidente da República após aprovação do Senado) integralmente sob regência do Direito Privado. As
e exercem mandatos fixos, somente podendo perdê- empresas públicas e sociedades de economia mista
los em caso de renúncia, de condenação judicial têm seu regime jurídico determinado, essencialmente,
transitada em julgado ou de processo administrativo pela natureza de seu objeto, de suas atividades.
disciplinar (Lei nº 9.986/2000).
As empresas públicas e sociedades de economia
iv) Agências Executivas mista que atuam na exploração de atividades
econômicas propriamente ditas (de produção ou
A agência executiva é um status, um título jurídico,
comercialização de bens ou de prestação de serviços
uma qualificação que uma autarquia ou fundação
de natureza econômica) são as entidades que,
pública que já existe recebe, em razão do contrato de
embora integrantes da Administração Pública em
gestão que celebra com o órgão da Administração
sentido formal, mais se aproximam das pessoas
Pública Direta a que se acha vinculada, para uma
jurídicas privadas. Somente se submetem a normas
maior eficiência e redução de custos.
de Direito Público naquilo em que a Constituição
v) Empresas Públicas e Sociedades de Economia expressamente determine, ou quando houver
Mista disposição legal específica, mesmo assim se a lei não
contrariar normas e princípios constitucionais
Empresas públicas são pessoas jurídicas de direito concernentes à atuação do Estado na economia.
privado, integrantes da Administração Indireta,
instituídas pelo Poder Público mediante autorização de As empresas públicas e sociedades de economia
lei específica, sob qualquer forma jurídica (Ltda., S/A mista prestadoras de serviços públicos, embora sejam,
etc.) e com capital exclusivamente público, para a também pessoas jurídicas de direito privado, estão
exploração de atividades de natureza econômica ou sujeitas a diversas normas e princípios de Direito
execução de serviços públicos. Público, especialmente em razão do princípio da
continuidade dos serviços públicos.
São exemplos de empresas públicas: Empresa
Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT; Serviço O regime de pessoal das empresas públicas e das
Federal de Processamento de Dados – SERPRO; sociedades de economia mista é o previsto na
Caixa Econômica Federal – CEF etc. legislação trabalhista (Consolidação das Leis do
Trabalho – CLT). Esses empregados, porém, são
Sociedades de economia mista são pessoas equiparados a funcionários públicos para fins penais
jurídicas de direito privado, integrantes da (Código Penal, art. 327, § 1º), bem assim
Administração Indireta, instituídas pelo Poder Público, considerados agentes públicos para os fins de
mediante autorização legal, sob a forma de sociedade incidência das diversas sanções cominadas para a
anônima e com capitais públicos e privados, para a prática de atos de improbidade administrativa (Lei nº
exploração de atividades de natureza econômica ou 8.429/1992).
execução de serviços públicos.
Os conflitos decorrentes da relação de trabalho,
envolvendo os empregados públicos e as empresas

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 13
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
públicas e sociedades de economia mista, são EXERCÍCIOS – ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA
julgados pela Justiça do Trabalho (CF, art. 114).
01. (ANAL. JUD. – ADMINISTRATIVA – TRE/PR –
As empresas públicas e as sociedades de economia 2012 – FCC) Em princípio, órgãos públicos, como
mista são alcançadas pela regra constitucional que ministérios, não têm personalidade jurídica, no
exige a realização de concurso público para entanto,
contratação de seus empregados públicos (CF, art. 37,
II), bem assim pela vedação de acumulação de A) têm capacidade de adquirir direitos e contrair
cargos, empregos e funções públicos (CF, art. 37, obrigações em nome próprio.
XVII). B) podem ter representação própria e ingressar em
São três as principais diferenças entre a empresa juízo, na defesa de suas prerrogativas, contra outros
pública e a sociedade de economia mista, a saber: órgãos públicos.
a) a forma jurídica - As sociedades de economia mista C) podem receber de outro órgão público a titularidade
devem ter a forma de Sociedade Anônima (S/A), de determinada competência.
sendo reguladas, basicamente, pela lei das D) podem criar entidades, a exemplo das autarquias e
Sociedades por Ações (Lei nº 6.404/1976). As fundações públicas.
empresas públicas podem revestir-se de qualquer das
formas admitidas em direito (Sociedades Civis ou E) têm capacidade legislativa, dentro das
Sociedades Comerciais). competências a eles delegadas.
b) a composição do capital - O capital das sociedades
de economia mista é formado pela conjugação de
02. (ANALISTA LEGISLATIVO – ASSEMBLÉIA
recursos públicos e de recursos privados. As ações,
LEGISLATIVA - PB – 2013 – FCC) Os órgãos
representativas do capital, são divididas entre a
públicos, quanto à posição estatal, classificam-se em
entidade governamental e a iniciativa privada. Exige a
independentes, autônomos, superiores e subalternos.
lei, porém, que nas sociedades de economia mista
Desta feita, as Secretarias de Estado e as Casas
federais a maioria das ações com direito a voto
Legislativas são classificadas, respectivamente, em
pertençam à União ou a entidade da Administração
órgãos públicos:
Indireta federal (Decreto-Lei nº 200/67, art. 5º, III), ou
seja, o controle acionário dessas companhias é do (A) superiores e superiores.
Estado.
(B) independentes e autônomos.
O capital das empresas públicas é integralmente
(C) independentes e superiores.
público, isto é, oriundo de pessoas integrantes da
Administração Pública. Não há possibilidade de (D) superiores e autônomos.
participação de recursos de particulares na formação
do capital das empresas públicas. (E) autônomos e independentes.

c) o foro processual (somente para as entidades 03. (ANALISTA LEGISLATIVO – ASSEMBLÉIA


federais) - As causas em que as empresas públicas LEGISLATIVA - RN – 2013 – FCC) Considere as
federais forem interessadas na condição de autoras, seguintes assertivas:
rés, assistentes ou opoentes, exceto as de falência, as I. A desconcentração está relacionada ao tema
de acidente de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral “hierarquia”.
e à Justiça do Trabalho, serão processadas e julgadas
pela Justiça Federal (CF, art. 109, I). As empresas II. Na desconcentração, há uma distribuição de
públicas estaduais e municipais terão suas causas competências dentro da mesma pessoa jurídica.
processadas e julgadas na Justiça Estadual. III. Quando, por exemplo, o poder público (União,
As sociedades de economia mista federais não foram Estados e Municípios) cria uma pessoa jurídica de
contempladas com o foro processual da Justiça direito público, como a autarquia, e a ela atribui a
Federal, sendo suas causas processadas e julgadas titularidade e a execução de determinado serviço
na Justiça Estadual. As sociedades de economia mista público, ocorre a chamada desconcentração.
estaduais e municipais terão, da mesma forma, suas IV. Quando, por exemplo, a execução do serviço
causas processadas e julgadas na Justiça Estadual. público é transferida para um particular, por meio de
concessão ou permissão, ocorre a chamada
descentralização.
Está correto o que se afirma APENAS em
(A) II.
(B) II, III e IV.
(C) I e III.
(D) I, II e IV.
(E) III e IV.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 14
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
04. (ASSESSOR TEC. CONTROLE – ASSEMBLÉIA 1. ( ) Os municípios, assim como os estados-
LEGISLATIVA - RN – 2013 – FCC) Constitui membros, poderão ter sua administração indireta, em
característica das autarquias: razão da autonomia a eles conferida pela CF.
(A) impenhorabilidade de seus bens. 2. ( ) Ao contrário das empresas públicas, em que
o regime de pessoal é híbrido, sendo permitida a
(B) desempenho de atividade de natureza econômica. vinculação de agentes tanto sob o regime celetista
(C) personalidade jurídica de direito privado. quanto sob o estatutário, nas sociedades de economia
mista, o vínculo jurídico que se firma é exclusivamente
(D) não sujeição a controle ou tutela. contratual, sob a égide da Consolidação das Leis do
(E) sujeição a regime falimentar. Trabalho.
3. ( ) O Serviço Social do Comércio, exemplo de
entidade de direito privado que atua em colaboração
05. (PROCURADOR – ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA - com o Estado, apesar de ter sido criado por lei, não
PB – 2013 – FCC) É característica do regime jurídico integra a administração indireta.
das entidades da Administração Indireta
4. ( ) Configura hipótese de descentralização
(A) a existência de entidades de direito público, como administrativa a criação de uma eventual Secretaria de
as autarquias e empresas públicas, dotadas de Estado de Aquisições do DF.
prerrogativas semelhantes às dos entes políticos.
(B) a ausência de subordinação hierárquica entre as
pessoas administrativas descentralizadas e os órgãos 08. (DELEGADO – POLÍCIA CIVIL/SP – 2014 –
da Administração Direta responsáveis pela sua VUNESP) A Administração Pública, em sentido
supervisão. (A) objetivo, material ou funcional, designa os entes
que exercem a atividade administrativa.
(C) a obrigatoriedade de contratação de pessoal das
entidades descentralizadas por meio do regime (B) amplo, objetivamente considerada, compreende a
celetista. função política e a função administrativa.
(D) que a existência legal das entidades (C) estrito, subjetivamente considerada, compreende
descentralizadas decorra diretamente da promulgação tanto os órgãos governamentais, supremos,
de lei instituidora. constitucionais, como também os órgãos
administrativos, subordinados e dependentes, aos
(E) a obediência de todas as entidades quais incumbe executar os planos governamentais.
descentralizadas à Lei Complementar no 101/2000
(Lei de Responsabilidade Fiscal). (D) estrito, objetivamente considerada, compreende a
função política e a função administrativa.
(E) subjetivo, formal ou orgânico, compreende a
06. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 – própria função administrativa que incumbe,
FCC) A respeito das entidades integrantes da predominantemente, ao Poder Executivo.
Administração indireta, é correto afirmar que
(A) se submetem, todas, ao regime jurídico de direito 09. (ANALISTA TÉCNICO – CIÊNCIAS JURÍDICAS –
público, com observância aos princípios SUDENE – 2013 – FGV) As entidades da
constitucionais e às demais regras aplicáveis à administração pública podem ser criadas e
Administração pública. subordinadas ao regime jurídico de direito público ou
ao regime jurídico de direito privado. No entanto
(B) as empresas públicas e sociedades de economia mesmo quando sujeitas ao regime jurídico de direito
mista que explorem atividade econômica submetem- privado se subordinam a certas regras impostas a toda
se ao regime tributário próprio das empresas privadas. a administração.
(C) as autarquias regem-se pelo princípio da Tendo em vista essas peculiaridades, assinale a
especialização e submetem-se ao regime jurídico de afirmativa correta.
direito público, gozando de capacidade política.
(A) As entidades da administração pública que se
(D) apenas as empresas públicas podem explorar constituem como empresas públicas são criadas
atividade econômica e sempre em caráter supletivo à diretamente por meio de lei.
iniciativa privada, submetidas ao regime próprio das
empresas privadas, salvo em matéria tributária. (B) Apenas as autarquias sujeitas ao regime jurídico
de direito público necessitam de lei autorizando sua
(E) apenas as sociedades de economia mista criação.
sujeitam-se ao regime de direito privado, podendo
orientar suas atividades para a obtenção de lucro. (C) As autarquias entidades de direito público são
criadas por lei, enquanto as empresas públicas e as
sociedades de economia mista tem sua criação
07. (TÉCNICO – TCE/DF – 2013 – CESPE) A respeito autorizada em lei.
da organização administrativa, julgue os próximos (D) A lei não cria diretamente nenhuma entidade,
itens. apenas autoriza a sua criação.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 15
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(E) As empresas públicas e as sociedades de 4. ( ) As empresas públicas e as sociedades de
economia mista, pessoas jurídicas de direito privado economia mista, dadas as suas especificidades,
integrantes da Administração Pública, podem ser beneficiam-se de determinados privilégios fiscais não
criadas independentemente de autorização em lei. atribuídos às empresas privadas.

10. (DELEGADO – BA – 2013 – CESPE) A respeito


de administração pública, julgue os itens seguintes. 14. (JUIZ DO TRABALHO – TRT 18ª R – 2014 –
1. ( ) Entidades paraestatais são pessoas jurídicas FGV) O status de “agência executiva” constitui uma
privadas que colaboram com o Estado no qualificação criada pela chamada “reforma gerencial”
desempenho de atividades não lucrativas, mas não da Administração pública federal. NÃO é característica
integram a estrutura da administração pública. típica de tal figura jurídica,
(A) a necessidade de elaboração de um plano
2. ( ) A criação de nova secretaria por governador
estratégico de reestruturação e de desenvolvimento
de estado caracteriza exemplo de descentralização.
institucional, voltado para a melhoria da qualidade da
gestão e para a redução de custos da entidade
candidata à qualificação.
11. (DELEGADO – AL – 2012 – CESPE) A respeito
da administração pública, julgue os itens seguintes. (B) a ampliação da autonomia gerencial, orçamentária
1. ( ) As empresas públicas prestadoras de e financeira do órgão ou entidade assim qualificado.
serviços públicos, como não objetivam atividade
econômica, possuem personalidade jurídica de direito (C) a outorga de tal qualificação por decreto
público. presidencial.

2. ( ) Ocorre o fenômeno da desconcentração (D) a exigência de prévia celebração de contrato de


quando o Estado desempenha algumas de suas gestão com o respectivo Ministério supervisor, para
funções por meio de outras pessoas jurídicas. obtenção da qualificação.
(E) a previsão de mandato fixo aos seus dirigentes,
12. (PROMOTOR DE JUSTIÇA – MPE/PA – 2014 – vedada a sua exoneração ad nutum.
FCC) A doutrina e a jurisprudência nacional
reconhecem a existência de dois tipos de fundação
governamental: as de direito público e as de direito GABARITO
privado. NÃO faz parte dos traços comuns dessas
duas espécies 01 - 02 - 03 - 04 - 05 - 06 - B 07 -
B E D A B CECE
(A) a imunidade tributária no que se refere ao
patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados a suas 08 - 09 - 10 - 11 - 12 - 13 - 14 - E
finalidades essenciais ou às delas decorrentes. B C CE EE E ECEC
(B) a vedação de acumulação de cargos e empregos
públicos.
(C) a submissão às normas gerais de licitação
estabelecidas por lei federal. 4 - ATOS ADMINISTRATIVOS

(D) o controle pelos Tribunais de Contas.  Conceito

(E) a inexigibilidade de inscrição de seus atos O ato administrativo é toda manifestação unilateral
constitutivos no Registro Civil das Pessoas Jurídicas. de vontade da Administração Pública que, valendo-se
das prerrogativas próprias do Poder Público e na
13. (AGU – 2012 – CESPE) Julgue os itens que se função administrativa, tenha por fim declarar, adquirir,
seguem, a respeito da administração indireta. resguardar, transferir, modificar e extinguir direitos, ou
1. ( ) As relações de trabalho nas agências impor obrigações aos administrados ou a si própria.
reguladoras são regidas pela CLT e pela legislação O eminente professor Celso Antônio Bandeira de
trabalhista correlata, em regime de emprego público. Mello define o ato administrativo como “declaração do
2. ( ) A qualificação de agência executiva federal é Estado (ou de quem lhe faça as vezes – como, por
conferida, mediante ato discricionário do presidente da exemplo, um concessionário de serviço público) no
República, a autarquia ou fundação que apresente exercício de prerrogativas públicas, manifestada
plano estratégico de reestruturação e de mediante providências jurídicas complementares da lei
desenvolvimento institucional em andamento e celebre a título de lhe dar cumprimento, e sujeitas a controle
contrato de gestão com o ministério supervisor de legitimidade por órgão jurisdicional”.
respectivo. O ato administrativo tem como condição a atuação da
3. ( ) As empresas públicas e as sociedades de Administração em posição de supremacia, no uso do
economia mista não se sujeitam à falência e, ao Poder Público. O ato administrativo deve estar apto a
contrário destas, aquelas podem obter do Estado produzir efeitos jurídicos imediatos para os
imunidade tributária e de impostos sobre patrimônio, administrados, para a administração e seus servidores
renda e serviços vinculados às suas finalidades e para produzir tais efeitos o ato deve ser proveniente
essenciais ou delas decorrentes. de autoridade pública competente.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 16
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
 Atributos dos atos administrativos decreto que é ato sempre emanado do Chefe do
Executivo.
São atributos do ato administrativo:
d) Motivo
a) Presunção de legitimidade: refere-se à
conformidade do ato com a lei; em decorrência É o pressuposto de fato (acontecimentos) e de direito
desse atributo, presumem-se, até prova em contrário, (dispositivo legal) que provocam e precedem a edição
que os atos administrativos foram emitidos com do ato administrativo.
observância da lei.
Exemplos: no ato de punição do funcionário, o motivo
b) Imperatividade: os atos administrativos se é a infração que ele praticou.
impõem a terceiros, independentemente se sua
A ausência de motivo ou a indicação de motivo falso
concordância, obriga-o a obedecê-lo.
invalidam o ato administrativo.
c) Auto-executoriedade: o ato administrativo pode
Não se confundem Motivo e Motivação do ato.
ser posto em execução pela própria Administração
Motivação é a exposição dos motivos, ou seja, é a
Pública, sem necessidade de autorização/intervenção
do Poder Judiciário. Esse atributo também não existe demonstração, por escrito, de que os pressupostos ou
circunstâncias de fato realmente existiram.
em todos os atos administrativos, mas a auto-
executoriedade só é possível: quando expressamente Nesse ínterim, convém observar a chamada Teoria
prevista em lei e quando se tratar de medida urgente. dos Motivos Determinantes. Segundo essa teoria,
d) Exigibilidde: é o atributo do ato administrativo que quando a Administração declara o motivo que
confere à Administração a possibilidade de, utilizando- determinou a prática de um ato discricionário que, em
princípio, dispensaria a motivação expressa, fica
se de meios indiretos, exigir o cumprimento de
vinculada à existência do motivo pela Administração
determinado ato pelos administrados, sob pena de
declarado. Havendo desconformidade entre a
aplicação de penalidades, no caso de sua não
realidade e o motivo declarado ou não sendo ele
observância.
causa justificável, torna-se possível a declaração da
e) Tipicidade: o ato administrativo deve corresponder invalidade do ato pelo Poder Judiciário.
a figuras definidas previamente pela lei como aptas a
e) Objeto
produzir determinados resultados.
 Elementos ou Requisitos dos Atos É o efeito jurídico prático que o ato produz ou a
modificação por ele trazida ao ordenamento jurídico.
Administrativos
Assim, por exemplo, num ato de nomeação o
Para o ato administrativo ser válido é necessária a resultado pretendido é investir uma pessoa nas
presença dos seguintes requisitos: funções de um cargo; no ato de concessão de um
alvará a própria concessão do alvará.
a) Competência
 Classificação dos Atos Administrativos
Diz respeito ao sujeito, ou seja, ao representante do
poder público a quem o texto legal confere atribuições I) Quanto aos Destinatários
que o tornam capaz de editar determinados atos
a) Atos Gerais - atingem todas as pessoas que se
administrativos. Nenhum ato administrativo pode ser
encontram na mesma situação. Não possuem
praticado validamente sem que o agente disponha de
destinatários determinados. Ex: os decretos
poderes legais a ele atribuídos.
regulamentares, as instruções normativas, as
Inexistindo impedimento legal ou atribuições privativas circulares normativas, etc.
ao cargo ou função, o agente poderá transferir
atribuições a outros agentes (delegação de b) Atos Individuais - são aqueles que possuem
competência) ou chamar a si atribuições de outros destinatários determinados ou determináveis,
constituindo ou declarando situação jurídica particular.
agentes (avocação).
Ex: a nomeação, a exoneração, uma autorização.
b) Finalidade
II) Quanto às prerrogativas com que atua a
É o resultado que a Administração quer alcançar com Administração
a prática do ato. Todo ato administrativo deve ter um
a) Atos de Império - são aqueles que a Administração
interesse público a atingir.
impõe coercitivamente aos administrados. Ex: os
O interesse público é o fim a ser atingido mediante o procedimentos de desapropriação, de interdição de
ato administrativo. Se o ato se desviar da finalidade atividades, de apreensão de mercadorias, etc.
legal, será ilegal por desvio de poder ou de finalidade.
b) Atos de Gestão - são praticados sem que a
c) Forma Administração utilize sua supremacia sobre os
particulares. Ex: a alienação ou aquisição de bens
É o revestimento externo dos atos. Em regra, é escrita
pela Administração, o aluguel de imóvel de
e excepcionalmente existem atos verbais ou
propriedade de uma autarquia, etc.
simbólicos, como por exemplo, os sinais de trânsito.
No entanto existem várias espécies de formas c) Atos de Expediente – são os que se destinam a
escritas, como: Decreto, instruções, circulares, dar andamento aos processos e papéis que tramitam
portarias. Existem casos em que a forma está pelas repartições públicas.
associada a um determinado tipo de ato, é o caso do
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 17
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
III) Quanto à formação de vontade c) Ato Enunciativo - é aquele pelo qual a
Administração apenas atesta ou reconhece
a) Atos Simples - decorrem da manifestação de
determinada situação de fato ou de direito. Ex: as
vontade de um único órgão, unipessoal ou colegiado.
certidões, atestados, informações, pareceres.
Assim, por exemplo, é simples o ato de exoneração de
Encerram juízo, conhecimento ou opinião e não
um servidor comissionado. como a decisão manifestação de vontade produtora de efeitos
administrativa proferida pela Junta de Recursos da
jurídicos.
Previdência Social.
VI) Quanto à liberdade de atuação do legislador
b) Atos Complexos - é o que necessita, para sua
formação, da manifestação de vontade de dois ou a) Atos Vinculados - é aquele em que a lei
mais órgãos diferentes, sejam eles singulares ou estabelece todos os requisitos e condições de sua
colegiados, cuja vontade se funde para formar um ato realização, sem deixar qualquer margem de liberdade
único, ou seja, isoladamente nenhum dos órgãos é ao administrador, ou seja, todos os elementos do ato
suficiente para dar existência ao ato. estão vinculados ao disposto na lei. Não cabe ao
administrador apreciar a oportunidade ou a
Os professores Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino
conveniência administrativa da prática do ato.
dão os seguintes exemplos: a redução de alíquotas de
IPI para alguns refrigerantes depende de aprovação Exemplo: concessão de licença à gestante ou da
integrada do Ministério da Agricultura e da Secretaria licença paternidade, como reguladas na Lei 8.112/90.
da Receita Federal, ou seja, o regime especial de Configurada a hipótese legal, somente uma atitude é
redução de alíquotas somente passa a existir quando admissível: a edição do ato concessivo, sem espaço
presentes ambas manifestações; também alguns para juízo de oportunidade ou conveniência
regimes especiais relativos a documentos fiscais administrativa.
somente se aperfeiçoam com a edição de um ato
b) Atos Discricionários - é aquele que a
concessivo da Fazenda Estadual e outro da Receita
Administração pode praticar com certa liberdade de
Federal, ambos integrantes e indispensáveis à
escolha, nos termos e limites da lei, quanto ao seu
existência do regime.
conteúdo, seu modo de realização, sua oportunidade e
c) Atos Compostos - é o que resulta da manifestação sua conveniência administrativa.
de vontade de dois ou mais órgãos, em que a vontade
 Atos Administrativos em espécie
de um é instrumental em relação a de outro, que dita o
principal. Enquanto no ato complexo fundem-se a) Atos Normativos: São utilizados para possibilitar a
vontades para praticar um ato só, no ato composto, fiel execução das leis pela Administração. Servem
praticam-se dois atos, um principal e outro acessório. para regulamentar as leis. Ex: os decretos; os
Ex: a nomeação do Procurador Geral da República regimentos; as instruções normativas.
depende de prévia aprovação pelo Senado; a
nomeação é ato principal, sendo a aprovação prévia o b) Atos Ordinatórios: são atos internos, endereçados
ato acessório. aos servidores públicos, que veiculam determinações
atinentes ao adequado desempenho de suas funções.
IV) Quanto à exeqüibilidade: capacidade de produzir Ex: as circulares internas, os avisos, as portarias, as
efeitos jurídicos. ordens de serviços e os ofícios.
a) Ato Perfeito - é aquele que está em condições de c) Atos Negociais: são atos editados em situações
produzir efeitos jurídicos, porque já completou todo o nas quais uma determinada pretensão do particular
seu ciclo de formação. Não se confunde com a coincide com a manifestação de vontade da
validade do ato, esta diz respeito à conformidade do Administração, ainda que o interesse da
ato com a lei. Administração naquela situação seja apenas indireto.
b) Ato Pendente - é o que está sujeito a condição ou Ex: licença; autorização; permissão.
termo para que comece a produzir efeitos. d) Atos Enunciativos: não contêm uma manifestação
d) Ato Consumado - é o que já exauriu os seus de vontade da administração. São, portanto,
efeitos, que já produziu todos os seus efeitos. Não considerados atos administrativos apenas em sentido
formal. Eles declaram, a pedido do interessado, uma
podendo ser impugnado na via administrativa ou até
mesmo na via judicial. situação jurídica preexistente relativa a um particular.
Ex: certidão; atestado, parecer.
V) Quanto aos efeitos
e) Atos Punitivos: são os meios pelos quais a
a) Ato Constitutivo - é aquele pelo qual a Administração pode impor diretamente sanções a seus
Administração cria, modifica ou extingue um direito ou servidores ou aos administrados. Encontra
uma situação do Administrado. Ex: é o caso da fundamento no Poder de Império da administração,
permissão, autorização, revogação, aplicação de uma relativamente aos particulares (Ex: atividade de
penalidade. polícia administrativa, como aplicação de multa; a
interdição de atividades), ou no Poder Disciplinar, no
b) Ato Declaratório - é aquele que a Administração
que se refere aos servidores públicos (Ex: as
apenas reconhece um direito que já existia antes do
penalidades disciplinares, como a advertência, a
ato. Ex: a admissão, licença, homologação, isenção,
suspensão ou a demissão).
anulação.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 18
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
 Extinção dos Atos Administrativos-
Modalidades
5 - PROCESSO ADMINISTRATIVO FEDERAL – LEI
Um ato administrativo se extingue por: Nº 9.784/99
a) revogação: é a retirada do ato pela própria
Administração por razões de conveniência e
oportunidade. Os efeitos da revogação LEI Nº 9.784 , DE 29 DE JANEIRO DE 1999.
operam a partir da decisão da Administração, Regula o processo administrativo no âmbito da
porque desfazem atos dotados de legalidade, Administração Pública Federal.
ou seja, os efeitos são ex nunc.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber
b) invalidação/anulação: consiste no que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a
desfazimento do ato administrativo por motivo seguinte Lei:
de ilegalidade (vício), efetuada pela própria
Administração Pública que o editou ou CAPÍTULO I
determinado pelo Poder Judiciário. A DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
anulação efetuada por agente administrativo
Art. 1o Esta Lei estabelece normas básicas sobre
ou pronunciada pelo Poder Judiciário produz
o processo administrativo no âmbito da Administração
efeitos ex tunc, isto é, efeitos retroativos à
Federal direta e indireta, visando, em especial, à
data da edição do ato.
proteção dos direitos dos administrados e ao melhor
c) cassação: é o desfazimento do ato cumprimento dos fins da Administração.
administrativo quando o seu beneficiário
§ 1o Os preceitos desta Lei também se aplicam
descumpre os requisitos que permitem a
aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário da
manutenção do ato e seus efeitos. Ex:
União, quando no desempenho de função
cassação de uma licença para construir.,
administrativa.
concedida pelo Poder Público sob
determinadas condições previstas em lei, se o § 2o Para os fins desta Lei, consideram-se:
particular vir a descumprir tais condições.
I - órgão - a unidade de atuação integrante da
d) caducidade: ocorre quando uma nova estrutura da Administração direta e da estrutura da
legislação impede a permanência da situação Administração indireta;
anteriormente consentida pelo Poder Público.
Ex: a caducidade de permissão para explorar II - entidade - a unidade de atuação dotada de
personalidade jurídica;
parque de diversões em local que, em face da
nova lei de zoneamento, tornou-se III - autoridade - o servidor ou agente público
incompatível com aquele tipo de uso. dotado de poder de decisão.
 Convalidação Art. 2o A Administração Pública obedecerá,
Convalidação ou saneamento é o ato administrativo dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade,
pelo qual é suprido o vício existente em um ato motivação, razoabilidade, proporcionalidade,
ilegal, com efeitos retroativos à data em que este foi moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança
praticado. jurídica, interesse público e eficiência.
Parágrafo único. Nos processos administrativos
A lei 9.784/99 (Lei do Processo Administrativo
Federal) em seu art. 55 estabelece que: “em decisão serão observados, entre outros, os critérios de:
na qual se evidencie não acarretarem lesão ao I - atuação conforme a lei e o Direito;
interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos
que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser II - atendimento a fins de interesse geral, vedada
convalidados pela própria Administração.” a renúncia total ou parcial de poderes ou
competências, salvo autorização em lei;
A convalidação aparece como faculdade da
Administração, portanto como ato discricionário, III - objetividade no atendimento do interesse
somente possível quando os atos inválidos não público, vedada a promoção pessoal de agentes ou
acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a autoridades;
terceiros; em caso contrário, tem-se que entender que IV - atuação segundo padrões éticos de
a Administração está obrigada a anular o ato, ao invés probidade, decoro e boa-fé;
de convalidá-lo.
V - divulgação oficial dos atos administrativos,
Além disso, nem sempre é possível a convalidação. ressalvadas as hipóteses de sigilo previstas na
Depende do tipo de vício que atinge o ato. O exame Constituição;
do assunto tem que ser feito a partir da análise dos
cinco elementos do ato administrativo: competência, VI - adequação entre meios e fins, vedada a
finalidade, forma, motivo e objeto. Assim, a imposição de obrigações, restrições e sanções em
convalidação somente será possível quando se tratar medida superior àquelas estritamente necessárias ao
de vício sanável de competência e forma, sendo atendimento do interesse público;
incabível a convalidação quanto ao vício de finalidade, VII - indicação dos pressupostos de fato e de
motivo e objeto. direito que determinarem a decisão;
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 19
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
VIII – observância das formalidades essenciais à Art. 6o O requerimento inicial do interessado,
garantia dos direitos dos administrados; salvo casos em que for admitida solicitação oral, deve
ser formulado por escrito e conter os seguintes dados:
IX - adoção de formas simples, suficientes para
propiciar adequado grau de certeza, segurança e I - órgão ou autoridade administrativa a que se
respeito aos direitos dos administrados; dirige;
X - garantia dos direitos à comunicação, à II - identificação do interessado ou de quem o
apresentação de alegações finais, à produção de represente;
provas e à interposição de recursos, nos processos de
que possam resultar sanções e nas situações de III - domicílio do requerente ou local para
recebimento de comunicações;
litígio;
XI - proibição de cobrança de despesas IV - formulação do pedido, com exposição dos
fatos e de seus fundamentos;
processuais, ressalvadas as previstas em lei;
V - data e assinatura do requerente ou de seu
XII - impulsão, de ofício, do processo
administrativo, sem prejuízo da atuação dos representante.
interessados; Parágrafo único. É vedada à Administração a
recusa imotivada de recebimento de documentos,
XIII - interpretação da norma administrativa da
devendo o servidor orientar o interessado quanto ao
forma que melhor garanta o atendimento do fim
suprimento de eventuais falhas.
público a que se dirige, vedada aplicação retroativa de
nova interpretação. Art. 7o Os órgãos e entidades administrativas
deverão elaborar modelos ou formulários
CAPÍTULO II
padronizados para assuntos que importem pretensões
DOS DIREITOS DOS ADMINISTRADOS
equivalentes.
Art. 3o O administrado tem os seguintes direitos
Art. 8o Quando os pedidos de uma pluralidade de
perante a Administração, sem prejuízo de outros que
interessados tiverem conteúdo e fundamentos
lhe sejam assegurados:
idênticos, poderão ser formulados em um único
I - ser tratado com respeito pelas autoridades e requerimento, salvo preceito legal em contrário.
servidores, que deverão facilitar o exercício de seus
CAPÍTULO V
direitos e o cumprimento de suas obrigações;
DOS INTERESSADOS
II - ter ciência da tramitação dos processos
Art. 9o São legitimados como interessados no
administrativos em que tenha a condição de
processo administrativo:
interessado, ter vista dos autos, obter cópias de
documentos neles contidos e conhecer as decisões I - pessoas físicas ou jurídicas que o iniciem
proferidas; como titulares de direitos ou interesses individuais ou
no exercício do direito de representação;
III - formular alegações e apresentar documentos
antes da decisão, os quais serão objeto de II - aqueles que, sem terem iniciado o processo,
consideração pelo órgão competente; têm direitos ou interesses que possam ser afetados
pela decisão a ser adotada;
IV - fazer-se assistir, facultativamente, por
advogado, salvo quando obrigatória a representação, III - as organizações e associações
por força de lei. representativas, no tocante a direitos e interesses
CAPÍTULO III coletivos;
DOS DEVERES DO ADMINISTRADO IV - as pessoas ou as associações legalmente
o
Art. 4 São deveres do administrado perante a constituídas quanto a direitos ou interesses difusos.
Administração, sem prejuízo de outros previstos em Art. 10. São capazes, para fins de processo
ato normativo: administrativo, os maiores de dezoito anos, ressalvada
previsão especial em ato normativo próprio.
I - expor os fatos conforme a verdade;
CAPÍTULO VI
II - proceder com lealdade, urbanidade e boa-fé;
DA COMPETÊNCIA
III - não agir de modo temerário;
Art. 11. A competência é irrenunciável e se
IV - prestar as informações que lhe forem exerce pelos órgãos administrativos a que foi atribuída
solicitadas e colaborar para o esclarecimento dos como própria, salvo os casos de delegação e
fatos. avocação legalmente admitidos.
CAPÍTULO IV Art. 12. Um órgão administrativo e seu titular
DO INÍCIO DO PROCESSO poderão, se não houver impedimento legal, delegar
parte da sua competência a outros órgãos ou titulares,
Art. 5o O processo administrativo pode iniciar-se
ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente
de ofício ou a pedido de interessado. subordinados, quando for conveniente, em razão de
circunstâncias de índole técnica, social, econômica,
jurídica ou territorial.
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 20
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Parágrafo único. O disposto no caput deste Art. 21. O indeferimento de alegação de
artigo aplica-se à delegação de competência dos suspeição poderá ser objeto de recurso, sem efeito
órgãos colegiados aos respectivos presidentes. suspensivo.
Art. 13. Não podem ser objeto de delegação: CAPÍTULO VIII
DA FORMA, TEMPO E LUGAR DOS ATOS DO
I - a edição de atos de caráter normativo; PROCESSO
II - a decisão de recursos administrativos; Art. 22. Os atos do processo administrativo não
III - as matérias de competência exclusiva do dependem de forma determinada senão quando a lei
órgão ou autoridade. expressamente a exigir.
Art. 14. O ato de delegação e sua revogação § 1o Os atos do processo devem ser produzidos
deverão ser publicados no meio oficial. por escrito, em vernáculo, com a data e o local de sua
realização e a assinatura da autoridade responsável.
§ 1o O ato de delegação especificará as matérias
e poderes transferidos, os limites da atuação do § 2o Salvo imposição legal, o reconhecimento de
delegado, a duração e os objetivos da delegação e o firma somente será exigido quando houver dúvida de
recurso cabível, podendo conter ressalva de exercício autenticidade.
da atribuição delegada.
§ 3o A autenticação de documentos exigidos em
o
§ 2 O ato de delegação é revogável a qualquer cópia poderá ser feita pelo órgão administrativo.
tempo pela autoridade delegante.
§ 4o O processo deverá ter suas páginas
o
§ 3 As decisões adotadas por delegação devem numeradas seqüencialmente e rubricadas.
mencionar explicitamente esta qualidade e considerar-
Art. 23. Os atos do processo devem realizar-se
se-ão editadas pelo delegado.
em dias úteis, no horário normal de funcionamento da
Art. 15. Será permitida, em caráter excepcional e repartição na qual tramitar o processo.
por motivos relevantes devidamente justificados, a
Parágrafo único. Serão concluídos depois do
avocação temporária de competência atribuída a
horário normal os atos já iniciados, cujo adiamento
órgão hierarquicamente inferior.
prejudique o curso regular do procedimento ou cause
Art. 16. Os órgãos e entidades administrativas dano ao interessado ou à Administração.
divulgarão publicamente os locais das respectivas Art. 24. Inexistindo disposição específica, os atos
sedes e, quando conveniente, a unidade fundacional
do órgão ou autoridade responsável pelo processo e
competente em matéria de interesse especial.
dos administrados que dele participem devem ser
Art. 17. Inexistindo competência legal específica, praticados no prazo de cinco dias, salvo motivo de
o processo administrativo deverá ser iniciado perante força maior.
a autoridade de menor grau hierárquico para decidir. Parágrafo único. O prazo previsto neste artigo
CAPÍTULO VII pode ser dilatado até o dobro, mediante comprovada
DOS IMPEDIMENTOS E DA SUSPEIÇÃO justificação.
Art. 18. É impedido de atuar em processo Art. 25. Os atos do processo devem realizar-se
administrativo o servidor ou autoridade que: preferencialmente na sede do órgão, cientificando-se o
interessado se outro for o local de realização.
I - tenha interesse direto ou indireto na matéria;
CAPÍTULO IX
II - tenha participado ou venha a participar como DA COMUNICAÇÃO DOS ATOS
perito, testemunha ou representante, ou se tais
situações ocorrem quanto ao cônjuge, companheiro ou Art. 26. O órgão competente perante o qual
parente e afins até o terceiro grau; tramita o processo administrativo determinará a
intimação do interessado para ciência de decisão ou a
III - esteja litigando judicial ou efetivação de diligências.
administrativamente com o interessado ou respectivo
cônjuge ou companheiro. § 1o A intimação deverá conter:
Art. 19. A autoridade ou servidor que incorrer em I - identificação do intimado e nome do órgão ou
impedimento deve comunicar o fato à autoridade entidade administrativa;
competente, abstendo-se de atuar.
II - finalidade da intimação;
Parágrafo único. A omissão do dever de
III - data, hora e local em que deve comparecer;
comunicar o impedimento constitui falta grave, para
efeitos disciplinares. IV - se o intimado deve comparecer
pessoalmente, ou fazer-se representar;
Art. 20. Pode ser argüida a suspeição de
autoridade ou servidor que tenha amizade íntima ou V - informação da continuidade do processo
inimizade notória com algum dos interessados ou com independentemente do seu comparecimento;
os respectivos cônjuges, companheiros, parentes e
afins até o terceiro grau. VI - indicação dos fatos e fundamentos legais
pertinentes.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 21
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
§ 2o A intimação observará a antecedência Art. 32. Antes da tomada de decisão, a juízo da
mínima de três dias úteis quanto à data de autoridade, diante da relevância da questão, poderá
comparecimento. ser realizada audiência pública para debates sobre a
matéria do processo.
§ 3o A intimação pode ser efetuada por ciência no
processo, por via postal com aviso de recebimento, Art. 33. Os órgãos e entidades administrativas,
por telegrama ou outro meio que assegure a certeza em matéria relevante, poderão estabelecer outros
da ciência do interessado. meios de participação de administrados, diretamente
ou por meio de organizações e associações
§ 4o No caso de interessados indeterminados, legalmente reconhecidas.
desconhecidos ou com domicílio indefinido, a
intimação deve ser efetuada por meio de publicação Art. 34. Os resultados da consulta e audiência
oficial. pública e de outros meios de participação de
administrados deverão ser apresentados com a
§ 5o As intimações serão nulas quando feitas sem
indicação do procedimento adotado.
observância das prescrições legais, mas o
comparecimento do administrado supre sua falta ou Art. 35. Quando necessária à instrução do
irregularidade. processo, a audiência de outros órgãos ou entidades
administrativas poderá ser realizada em reunião
Art. 27. O desatendimento da intimação não
conjunta, com a participação de titulares ou
importa o reconhecimento da verdade dos fatos, nem
representantes dos órgãos competentes, lavrando-se
a renúncia a direito pelo administrado. a respectiva ata, a ser juntada aos autos.
Parágrafo único. No prosseguimento do
Art. 36. Cabe ao interessado a prova dos fatos
processo, será garantido direito de ampla defesa ao
que tenha alegado, sem prejuízo do dever atribuído ao
interessado.
órgão competente para a instrução e do disposto no
Art. 28. Devem ser objeto de intimação os atos art. 37 desta Lei.
do processo que resultem para o interessado em
Art. 37. Quando o interessado declarar que fatos
imposição de deveres, ônus, sanções ou restrição ao
e dados estão registrados em documentos existentes
exercício de direitos e atividades e os atos de outra
na própria Administração responsável pelo processo
natureza, de seu interesse. ou em outro órgão administrativo, o órgão competente
CAPÍTULO X para a instrução proverá, de ofício, à obtenção dos
DA INSTRUÇÃO documentos ou das respectivas cópias.
Art. 29. As atividades de instrução destinadas a Art. 38. O interessado poderá, na fase instrutória
averiguar e comprovar os dados necessários à tomada e antes da tomada da decisão, juntar documentos e
de decisão realizam-se de ofício ou mediante impulsão pareceres, requerer diligências e perícias, bem como
do órgão responsável pelo processo, sem prejuízo do aduzir alegações referentes à matéria objeto do
direito dos interessados de propor atuações processo.
probatórias.
§ 1o Os elementos probatórios deverão ser
o
§ 1 O órgão competente para a instrução fará considerados na motivação do relatório e da decisão.
constar dos autos os dados necessários à decisão do
§ 2o Somente poderão ser recusadas, mediante
processo. decisão fundamentada, as provas propostas pelos
§ 2o Os atos de instrução que exijam a atuação interessados quando sejam ilícitas, impertinentes,
dos interessados devem realizar-se do modo menos desnecessárias ou protelatórias.
oneroso para estes. Art. 39. Quando for necessária a prestação de
Art. 30. São inadmissíveis no processo informações ou a apresentação de provas pelos
administrativo as provas obtidas por meios ilícitos. interessados ou terceiros, serão expedidas intimações
para esse fim, mencionando-se data, prazo, forma e
Art. 31. Quando a matéria do processo envolver condições de atendimento.
assunto de interesse geral, o órgão competente
poderá, mediante despacho motivado, abrir período de Parágrafo único. Não sendo atendida a
consulta pública para manifestação de terceiros, antes intimação, poderá o órgão competente, se entender
da decisão do pedido, se não houver prejuízo para a relevante a matéria, suprir de ofício a omissão, não se
parte interessada. eximindo de proferir a decisão.
§ 1o A abertura da consulta pública será objeto de Art. 40. Quando dados, atuações ou documentos
divulgação pelos meios oficiais, a fim de que pessoas solicitados ao interessado forem necessários à
físicas ou jurídicas possam examinar os autos, apreciação de pedido formulado, o não atendimento
fixando-se prazo para oferecimento de alegações no prazo fixado pela Administração para a respectiva
escritas. apresentação implicará arquivamento do processo.
§ 2o O comparecimento à consulta pública não Art. 41. Os interessados serão intimados de
confere, por si, a condição de interessado do prova ou diligência ordenada, com antecedência
processo, mas confere o direito de obter da mínima de três dias úteis, mencionando-se data, hora
Administração resposta fundamentada, que poderá ser e local de realização.
comum a todas as alegações substancialmente iguais.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 22
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Art. 42. Quando deva ser obrigatoriamente III - decidam processos administrativos de
ouvido um órgão consultivo, o parecer deverá ser concurso ou seleção pública;
emitido no prazo máximo de quinze dias, salvo norma
IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de
especial ou comprovada necessidade de maior prazo.
processo licitatório;
§ 1o Se um parecer obrigatório e vinculante deixar
de ser emitido no prazo fixado, o processo não terá V - decidam recursos administrativos;
seguimento até a respectiva apresentação, VI - decorram de reexame de ofício;
responsabilizando-se quem der causa ao atraso.
VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada
§ 2o Se um parecer obrigatório e não vinculante sobre a questão ou discrepem de pareceres, laudos,
deixar de ser emitido no prazo fixado, o processo propostas e relatórios oficiais;
poderá ter prosseguimento e ser decidido com sua
dispensa, sem prejuízo da responsabilidade de quem VIII - importem anulação, revogação, suspensão
se omitiu no atendimento. ou convalidação de ato administrativo.

Art. 43. Quando por disposição de ato normativo § 1o A motivação deve ser explícita, clara e
devam ser previamente obtidos laudos técnicos de congruente, podendo consistir em declaração de
órgãos administrativos e estes não cumprirem o concordância com fundamentos de anteriores
encargo no prazo assinalado, o órgão responsável pareceres, informações, decisões ou propostas, que,
pela instrução deverá solicitar laudo técnico de outro neste caso, serão parte integrante do ato.
órgão dotado de qualificação e capacidade técnica § 2o Na solução de vários assuntos da mesma
equivalentes. natureza, pode ser utilizado meio mecânico que
Art. 44. Encerrada a instrução, o interessado terá reproduza os fundamentos das decisões, desde que
o direito de manifestar-se no prazo máximo de dez não prejudique direito ou garantia dos interessados.
dias, salvo se outro prazo for legalmente fixado. § 3o A motivação das decisões de órgãos
Art. 45. Em caso de risco iminente, a colegiados e comissões ou de decisões orais constará
Administração Pública poderá motivadamente adotar da respectiva ata ou de termo escrito.
providências acauteladoras sem a prévia manifestação CAPÍTULO XIII
do interessado. DA DESISTÊNCIA E OUTROS CASOS DE
Art. 46. Os interessados têm direito à vista do EXTINÇÃO DO PROCESSO
processo e a obter certidões ou cópias reprográficas Art. 51. O interessado poderá, mediante
dos dados e documentos que o integram, ressalvados manifestação escrita, desistir total ou parcialmente do
os dados e documentos de terceiros protegidos por pedido formulado ou, ainda, renunciar a direitos
sigilo ou pelo direito à privacidade, à honra e à disponíveis.
imagem.
§ 1o Havendo vários interessados, a desistência
Art. 47. O órgão de instrução que não for ou renúncia atinge somente quem a tenha formulado.
competente para emitir a decisão final elaborará
relatório indicando o pedido inicial, o conteúdo das § 2o A desistência ou renúncia do interessado,
fases do procedimento e formulará proposta de conforme o caso, não prejudica o prosseguimento do
decisão, objetivamente justificada, encaminhando o processo, se a Administração considerar que o
processo à autoridade competente. interesse público assim o exige.

CAPÍTULO XI Art. 52. O órgão competente poderá declarar


DO DEVER DE DECIDIR extinto o processo quando exaurida sua finalidade ou
o objeto da decisão se tornar impossível, inútil ou
Art. 48. A Administração tem o dever de prejudicado por fato superveniente.
explicitamente emitir decisão nos processos
administrativos e sobre solicitações ou reclamações, CAPÍTULO XIV
em matéria de sua competência. DA ANULAÇÃO, REVOGAÇÃO E CONVALIDAÇÃO

Art. 49. Concluída a instrução de processo Art. 53. A Administração deve anular seus
administrativo, a Administração tem o prazo de até próprios atos, quando eivados de vício de legalidade,
trinta dias para decidir, salvo prorrogação por igual e pode revogá-los por motivo de conveniência ou
período expressamente motivada. oportunidade, respeitados os direitos adquiridos.

CAPÍTULO XII Art. 54. O direito da Administração de anular os


DA MOTIVAÇÃO atos administrativos de que decorram efeitos
favoráveis para os destinatários decai em cinco anos,
Art. 50. Os atos administrativos deverão ser contados da data em que foram praticados, salvo
motivados, com indicação dos fatos e dos comprovada má-fé.
fundamentos jurídicos, quando:
§ 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o
I - neguem, limitem ou afetem direitos ou prazo de decadência contar-se-á da percepção do
interesses; primeiro pagamento.
II - imponham ou agravem deveres, encargos ou
sanções;

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 23
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
§ 2o Considera-se exercício do direito de anular Parágrafo único. Havendo justo receio de
qualquer medida de autoridade administrativa que prejuízo de difícil ou incerta reparação decorrente da
importe impugnação à validade do ato. execução, a autoridade recorrida ou a imediatamente
superior poderá, de ofício ou a pedido, dar efeito
Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não
suspensivo ao recurso.
acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a
terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis Art. 62. Interposto o recurso, o órgão competente
poderão ser convalidados pela própria Administração. para dele conhecer deverá intimar os demais
interessados para que, no prazo de cinco dias úteis,
CAPÍTULO XV
apresentem alegações.
DO RECURSO ADMINISTRATIVO E DA REVISÃO
Art. 63. O recurso não será conhecido quando
Art. 56. Das decisões administrativas cabe
interposto:
recurso, em face de razões de legalidade e de mérito.
I - fora do prazo;
§ 1o O recurso será dirigido à autoridade que
proferiu a decisão, a qual, se não a reconsiderar no II - perante órgão incompetente;
prazo de cinco dias, o encaminhará à autoridade
III - por quem não seja legitimado;
superior.
IV - após exaurida a esfera administrativa.
§ 2o Salvo exigência legal, a interposição de
recurso administrativo independe de caução. § 1o Na hipótese do inciso II, será indicada ao
recorrente a autoridade competente, sendo-lhe
§ 3o Se o recorrente alegar que a decisão
administrativa contraria enunciado da súmula devolvido o prazo para recurso.
vinculante, caberá à autoridade prolatora da decisão § 2o O não conhecimento do recurso não impede
impugnada, se não a reconsiderar, explicitar, antes de a Administração de rever de ofício o ato ilegal, desde
encaminhar o recurso à autoridade superior, as razões que não ocorrida preclusão administrativa.
da aplicabilidade ou inaplicabilidade da súmula,
conforme o caso. (Acrescentado pela Lei nº Art. 64. O órgão competente para decidir o
11.417/2006) recurso poderá confirmar, modificar, anular ou
revogar, total ou parcialmente, a decisão recorrida, se
Art. 57. O recurso administrativo tramitará no a matéria for de sua competência.
máximo por três instâncias administrativas, salvo
disposição legal diversa. Art. 64-A. Se o recorrente alegar violação de
enunciado da súmula vinculante, o órgão competente
Art. 58. Têm legitimidade para interpor recurso para decidir o recurso explicitará as razões da
administrativo: aplicabilidade ou inaplicabilidade da súmula, conforme
o caso. (Acrescentado pela Lei nº 11.417/2006)
I - os titulares de direitos e interesses que forem
parte no processo; Art. 64-B. Acolhida pelo Supremo Tribunal
Federal a reclamação fundada em violação de
II - aqueles cujos direitos ou interesses forem
enunciado da súmula vinculante, dar-se-á ciência à
indiretamente afetados pela decisão recorrida;
autoridade prolatora e ao órgão competente para o
III - as organizações e associações julgamento do recurso, que deverão adequar as
representativas, no tocante a direitos e interesses futuras decisões administrativas em casos
coletivos; semelhantes, sob pena de responsabilização pessoal
nas esferas cível, administrativa e penal.
IV - os cidadãos ou associações, quanto a (Acrescentado pela Lei nº 11.417/2006)
direitos ou interesses difusos.
Parágrafo único. Se da aplicação do disposto
Art. 59. Salvo disposição legal específica, é de
neste artigo puder decorrer gravame à situação do
dez dias o prazo para interposição de recurso
recorrente, este deverá ser cientificado para que
administrativo, contado a partir da ciência ou formule suas alegações antes da decisão.
divulgação oficial da decisão recorrida.
Art. 65. Os processos administrativos de que
§ 1o Quando a lei não fixar prazo diferente, o
resultem sanções poderão ser revistos, a qualquer
recurso administrativo deverá ser decidido no prazo
tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos
máximo de trinta dias, a partir do recebimento dos
novos ou circunstâncias relevantes suscetíveis de
autos pelo órgão competente. justificar a inadequação da sanção aplicada.
§ 2o O prazo mencionado no parágrafo anterior Parágrafo único. Da revisão do processo não
poderá ser prorrogado por igual período, ante
poderá resultar agravamento da sanção.
justificativa explícita.
CAPÍTULO XVI
Art. 60. O recurso interpõe-se por meio de
DOS PRAZOS
requerimento no qual o recorrente deverá expor os
fundamentos do pedido de reexame, podendo juntar Art. 66. Os prazos começam a correr a partir da
os documentos que julgar convenientes. data da cientificação oficial, excluindo-se da contagem
o dia do começo e incluindo-se o do vencimento.
Art. 61. Salvo disposição legal em contrário, o
recurso não tem efeito suspensivo.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 24
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
§ 1o Considera-se prorrogado o prazo até o § 3o (VETADO) (Incluído pela Lei nº 12.008, de
primeiro dia útil seguinte se o vencimento cair em dia 2009).
em que não houver expediente ou este for encerrado
§ 4o (VETADO) (Incluído pela Lei nº 12.008, de
antes da hora normal.
2009).
§ 2o Os prazos expressos em dias contam-se de
Art. 70. Esta Lei entra em vigor na data de sua
modo contínuo.
publicação.
§ 3o Os prazos fixados em meses ou anos
Brasília 29 de janeiro de 1999; 178o da
contam-se de data a data. Se no mês do vencimento
não houver o dia equivalente àquele do início do Independência e 111o da República.
prazo, tem-se como termo o último dia do mês.
Art. 67. Salvo motivo de força maior devidamente FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
comprovado, os prazos processuais não se Renan Calheiros
suspendem. Paulo Paiva
CAPÍTULO XVII
DAS SANÇÕES
EXERCÍCIOS – ATOS ADMINISTRATIVOS E LEI Nº
Art. 68. As sanções, a serem aplicadas por 9.784/99
autoridade competente, terão natureza pecuniária ou
consistirão em obrigação de fazer ou de não fazer, 01. (ADVOGADO – FUNDAÇÃO PRÓ-SANGUE/SP –
assegurado sempre o direito de defesa. 2013 – FGV) Com relação ao ato administrativo,
analise as afirmativas a seguir.
CAPÍTULO XVIII
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS I. Ato administrativo e ato da administração pública
são sinônimos.
Art. 69. Os processos administrativos específicos
continuarão a reger-se por lei própria, aplicando-se- II. O ato administrativo, necessariamente, é
lhes apenas subsidiariamente os preceitos desta Lei. disciplinado pelo regime jurídico de direito público.
Art. 69-A. Terão prioridade na tramitação, em III. O ato administrativo poderá ser típico ou atípico.
qualquer órgão ou instância, os procedimentos
Assinale:
administrativos em que figure como parte ou
interessado: (Incluído pela Lei nº 12.008, de 2009). (A) se somente a afirmativa I estiver correta.
I - pessoa com idade igual ou superior a 60 (B) se somente a afirmativa III estiver correta.
(sessenta) anos; (Incluído pela Lei nº 12.008, de
2009). (C) se somente a afirmativa II estiver correta.

II - pessoa portadora de deficiência, física ou (D) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.


mental; (Incluído pela Lei nº 12.008, de 2009). (E) se todas as afirmativas estiverem corretas.
III – (VETADO) (Incluído pela Lei nº 12.008, de
2009).
02. (DELEGADO – POLÍCIA CIVIL/MA – 2012 – FGV)
IV - pessoa portadora de tuberculose ativa, A respeito da autoexecutoriedade dos atos da
esclerose múltipla, neoplasia maligna, hanseníase, Administração Pública, analise as afirmativas a seguir.
paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave,
doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, I. É vedada a autoexecutoriedade dos atos
nefropatia grave, hepatopatia grave, estados administrativos que imponham ao particular a
avançados da doença de Paget (osteíte deformante), obrigação de pagar dinheiro, devendo a Administração
contaminação por radiação, síndrome de valer-se da via judicial para a cobrança.
imunodeficiência adquirida, ou outra doença grave, II. A remoção de construções de áreas de risco
com base em conclusão da medicina especializada, iminente de desabamento somente pode ser feita após
mesmo que a doença tenha sido contraída após o autorização judicial.
início do processo. (Incluído pela Lei nº 12.008, de
2009). III. Admite-se, excepcionalmente, que a Administração
execute seus atos, assegurando o exercício do
§ 1o A pessoa interessada na obtenção do contraditório e da ampla defesa apenas
benefício, juntando prova de sua condição, deverá posteriormente.
requerê-lo à autoridade administrativa competente,
que determinará as providências a serem cumpridas. Assinale:
(Incluído pela Lei nº 12.008, de 2009). (A) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
§ 2o Deferida a prioridade, os autos receberão (B) se somente as afirmativas I e III estiverem
identificação própria que evidencie o regime de corretas.
tramitação prioritária. (Incluído pela Lei nº 12.008, de
2009). (C) se somente as afirmativas II e III estiverem
corretas.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 25
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(D) se somente a afirmativa II estiver correta. (C) discricionário, bilateral e precário, sendo possível a
revogação pelo Município ou pelo Poder Judiciário,
(E) se somente a afirmativa III estiver correta.
que têm liberdade para agir com oportunidade e
conveniência, desde que atendido o interesse público.
03. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TJ/AM – 2013 – FGV) (D) discricionário, unilateral e precário, sendo possível
Com relação à exequibilidade do Ato Administrativo, a revogação pelo Município, que tem liberdade para
assinale a afirmativa correta. agir com oportunidade e conveniência, desde que
atendido o interesse público, não sendo possível o
(A) O ato pode ser pendente e eficaz. mesmo pelo Poder Judiciário, que apenas analisa,
(B) O ato pode ser perfeito e ineficaz. quando provocado, a legalidade da medida.
(C) O ato pode ser imperfeito e pendente. (E) discricionário, bilateral e precário, podendo o poder
público municipal revogar o ato de acordo com o
(D) O ato pode ser imperfeito e exaurido. interesse público, desde que promova a devida e
(E) O ato pode ser pendente e exaurido. prévia indenização, cabendo ao Poder Judiciário,
quando provocado, analisar tão somente a legalidade
da medida.
04. (PROCURADOR – ASSEMBLEIA
LEGISLATIVA/MT – 2013 – FGV) A respeito dos atos
administrativos no ordenamento brasileiro, assinale a 06. (ANALISTA DE CONTROLE INTERNO –
afirmativa incorreta. PREFEITURA DO RECIFE – 2014 – FGV) A Teoria
dos Motivos Determinantes apregoa que
(A) O Poder Judiciário pode exercer controle sobre os
atos administrativos praticados pelos demais Poderes. (A) todo e qualquer ato administrativo demanda,
sempre, motivação expressa.
(B) O pronunciamento de invalidade de um ato
administrativo pela própria Administração, em geral, (B) o ato administrativo que contar com motivação
opera efeitos ex tunc. expressa passa a ter sua validade aferida com base
nesse motivo, além dos demais elementos de sua
(C) A anulação de um ato administrativo pelo Poder formação.
Judiciário, em geral, tem eficácia retroativa, com a
desconstituição dos efeitos havidos daquele ato. (C) a motivação inválida de um ato administrativo não
torna o próprio ato inválido.
(D) A validade do ato administrativo, ainda que
discricionário, está condicionada à veracidade dos (D) o motivo de um ato administrativo não pode ser
motivos indicados como seu fundamento, quando se definido pela autoridade que o produziu, pois é
aplica a teoria dos motivos determinantes. determinado em lei.

(E) O Poder Judiciário deve invalidar os atos (E) não existe ato sem motivo expresso: é
administrativos nulos e pode revogar os atos determinante, para a formação do ato administrativo, a
administrativos inconvenientes ou inoportunos, descrição expressa de seu motivo.
praticados pelos demais Poderes.

07. (TÉCNICO – BACEN – 2013 – CESPE) No que diz


05. (TÉCNICO SUPERIOR JURÍDICO – DPE/RJ – respeito a atos administrativos, julgue os itens
2014 – FGV) Rodrigo obteve, de um Município da seguintes.
Região dos Lagos, autorização de uso para instalar 1. ( ) O desrespeito ao elemento finalidade conduz
seu quiosque particular em espaço público, para ao vício conhecido como abuso de poder.
venda de lanches, sem prazo determinado. Um ano
depois, a municipalidade revogou o ato, porque 2. ( ) O Poder Judiciário pode apreciar a validade
resolveu construir no local uma pista para ciclistas. do ato ainda que inexista pedido expresso da pessoa
Inconformado, Rodrigo buscou assistência jurídica, interessada.
ocasião em que foi informado de que a autorização de 3. ( ) A autoexecutoriedade é um atributo presente
uso é ato administrativo em todos os atos administrativos.
(A) vinculado, não podendo o poder público municipal 4. ( ) Define-se o requisito denominado motivação
revogar o ato, exceto por vício de legalidade, cuja como o poder legal conferido ao agente público para o
análise pode ser feita tanto pelo Administrador como desempenho específico das atribuições de seu cargo.
pelo Poder Judiciário.
(B) vinculado e precário, podendo o poder público
municipal revogar o ato de acordo com o interesse 08. (TÉCNICO – TCE/DF – 2013 – CESPE) No que se
público, desde que promova a devida indenização, refere ao ato administrativo, julgue os itens que se
não sendo possível o mesmo pelo Poder Judiciário, seguem.
que apenas analisa, quando provocado, a legalidade
1. ( ) Caso determinado servidor, no exercício de
da medida. sua competência delegada, edite ato com vício
sanável, a autoridade delegante poderá avocar a

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 26
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
competência e convalidar o ato administrativo, 11. (PROCURADOR – ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA -
independentemente da edição de novo ato normativo. PB – 2013 – FCC) Em razão de nulidade constatada
em concurso público, diversos servidores que
2. ( ) Ato administrativo de manifesto conteúdo
trabalhavam com a expedição de certidões em
discriminatório editado por ministério poderá ser
repartição estadual tiveram suas nomeações e
invalidado, com efeitos retroativos, tanto pela respectivos atos de posse anulados, embora não
administração como pelo Poder Judiciário,
tivessem dado causa à nulidade do certame. Em vista
ressalvados os direitos de terceiros de boa-fé.
dessa situação, as certidões por eles emitidas
3. ( ) O aluguel, pelo TCDF, de espaço para (A) não podem ser atribuídas ao ente estatal, sendo
ministrar cursos de especialização aos seus
nulas de pleno efeito, em face da teoria da usurpação
servidores constitui ato administrativo, ainda que de poder.
regido pelo direito privado.
(B) são consideradas válidas, ressalvada a existência
de outros vícios na sua produção, o que se explica
09. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRE/CE – 2013 – pela teoria do órgão ou da imputação.
FCC) Os atos administrativos denominados
(C) são anuláveis, desde que os interessados exerçam
"negociais"
a faculdade de impugná-las.
(A) embora unilaterais, encerram conteúdo tipicamente
(D) são consideradas inválidas, o que se explica pela
negocial, de interesse recíproco da Administração e do
teoria dos motivos determinantes.
administrado.
(E) são consideradas inexistentes, visto que sua
(B) encerram um mandamento geral da Administração
produção se deu sem um dos elementos essenciais do
Pública.
ato administrativo, a saber, o agente competente.
(C) são sempre discricionários por serem de interesse
único da Administração.
12. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 –
(D) operam efeitos jurídicos entre as partes
FCC) O particular requereu a emissão de determinada
(Administração e administrado), passando, portanto, à
licença. O pedido foi apreciado por autoridade
categoria de contratos administrativos.
incompetente. Esta, no entanto, verificou que estavam
(E) não produzem efeitos à Administração Pública que presentes os requisitos para edição do ato vinculado,
os expede, tendo em vista a supremacia do ente emitindo assim a licença. A autoridade competente,
público. instada a tanto,
(A) deve convalidar o ato, porque estava diante de ato
vinculado e desde que não se trate de competência
10. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRE/CE – 2013 – FCC) exclusiva.
Analise as assertivas abaixo atinentes aos atos
administrativos denominados "gerais ou normativos". (B) pode convalidar o ato, mediante análise de
conveniência e oportunidade, porque se tratava de ato
I. São atos administrativos com finalidade normativa, vinculado.
alcançando todos os sujeitos que se encontrem na
mesma situação de fato abrangida por seus preceitos. (C) deve convalidar o ato, mediante análise de
conveniência e oportunidade, independentemente do
II. Expressam em minúcias o mandamento abstrato da vício de competência incorrido.
lei, embora sejam manifestações tipicamente
administrativas. (D) não pode convalidar o ato, porque essa
convalidação só é admissível quanto a vícios
III. A essa categoria pertencem, dentre outros, os referentes a forma.
decretos regulamentares e os regimentos.
(E) não pode convalidar o ato, pois somente os atos
IV. Embora estabeleçam regras gerais e abstratas de discricionários admitem a convalidação.
conduta, não são leis em sentido formal; logo, não
estão necessariamente subordinados aos limites
jurídicos definidos na lei formal.
13. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 15ª R – 2013 –
FCC) Dentre os critérios a serem observados no
processo administrativo, segundo a Lei nº 9.784/99,
Está correto o que se afirma APENAS em NÃO se inclui
(A) I, II e III. (A) divulgação oficial dos atos administrativos,
(B) II, III e IV. ressalvadas as hipóteses de sigilo previstas na
Constituição.
(C) I e IV.
(B) objetividade no atendimento do interesse público,
(D) II e III. vedada a promoção pessoal de agentes ou
(E) I, II e IV. autoridades.
(C) impulsão, de ofício, do processo administrativo,
com prejuízo da atuação dos interessados.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 27
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(D) proibição de cobrança de despesas processuais, (E) não confere, por si, a condição de interessado do
ressalvadas as previstas em lei. processo, nem confere o direito de obter da
Administração resposta fundamentada, uma vez que
(E) adoção de formas simples, suficientes para
são apenas terceiros ao processo.
propiciar adequado grau de certeza, segurança e
respeito aos direitos dos administrados.
16. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 –
FCC) Em processo administrativo, tendo por objeto
14. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRF 2ª R – 2012 –
reconhecimento de pretensão de administrado em
FCC) Acerca dos direitos e deveres dos administrados
face de órgão da Administração pública federal, foi
previstos na Lei nº 9.784/1999, que regula os
proferida decisão negando o pleito. O interessado
processos administrativos no âmbito da Administração apresentou recurso, tempestivamente, porém o fez
Pública Federal, considere:
perante autoridade incompetente. De acordo com as
I. O administrado tem o dever de prestar as disposições da Lei nº 9.784/99, o recurso
informações que lhe forem solicitadas. (A) deverá ser recebido e conhecido, em face do
II. É direito do administrado formular alegações e princípio da economia processual.
apresentar documentos antes da decisão.
(B) não poderá ser recebido, vedada a possibilidade
III. O administrado tem o direito de ser tratado com de a Administração rever o ato de ofício, ainda que
respeito pelas autoridades e servidores, que deverão não operada a preclusão administrativa.
facilitar o exercício de seus direitos e o cumprimento (C) deverá ser recebido, porém não conhecido,
de suas obrigações.
cabendo à autoridade à qual o mesmo foi endereçado
IV. O administrado deve fazer-se assistir, encaminhá-lo à autoridade competente para seu
obrigatoriamente, por advogado. julgamento.
Está correto o que consta APENAS em (D) não será conhecido, salvo se a Administração
considerar que as razões de fato e de direito são
A) I, II e III. suficientes para justificar a modificação da decisão.
B) I e II. (E) não será conhecido, sendo indicado ao recorrente
C) II e III. a autoridade competente e devolvido o prazo para
apresentar o recurso.
D) I, III e IV.
E) III e IV.
GABARITO

15. (ASSESSOR TÉCNICO LEGISLATIVO – 01 - 02 - 03 - 04 - 05 - 06 - 07 - 08 -


ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA - PB – 2013 – FCC) C B B E D B CEEE CCE
Segundo a Lei nº 9.784/99, que trata do Processo
Administrativo no âmbito da Administração Pública 09 - 10 - 11 - 12 - 13 - 14 - 15 - B 16 -
Federal, quando a matéria do processo envolver A A B A C A E
assunto de interesse geral, o órgão competente
poderá, mediante despacho motivado, abrir período de
consulta pública para manifestação de terceiros. O
comparecimento à consulta pública 6 – SERVIDORES PÚBLICOS
(A) confere, por si, a condição de interessado do  CONCEITO
processo e, portanto, garante o direito de obter da
Administração resposta fundamentada, que deverá ser Considera-se agente público todo aquele que exerce,
ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por
individualizada a cada uma das alegações.
eleição, nomeação, designação, contratação ou
(B) não confere, por si, a condição de interessado do qualquer forma de investidura ou vínculo, mandato,
processo, mas confere o direito de obter da cargo, emprego ou função pública.
Administração resposta fundamentada, que poderá ser
A expressão “agente público” tem sentido amplo,
comum a todas as alegações substancialmente iguais.
alcançando todas as pessoas que, a qualquer título,
(C) não confere, por si, a condição de interessado do exercem uma função pública, remunerada ou gratuita,
processo, mas confere o direito de obter da definitiva ou transitória, política ou jurídica, como
Administração resposta fundamentada, que não preposto do Estado. O agente público é a pessoa
poderá ser comum a todas as alegações, ainda que natural mediante a qual o Estado se faz presente.
substancialmente iguais.
 Espécies de Agentes Públicos
(D) confere, por si, a condição de interessado do
AGENTES POLÍTICOS – Que são os componentes do
processo e, portanto, garante o direito de obter da
Governo nos primeiros escalões, investidos em
Administração resposta fundamentada, que poderá ser
comum a todas as alegações substancialmente iguais. cargos, funções, mandatos e comissões, por
nomeação, eleição, designação para o exercício de

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 28
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
atribuições constitucionais. Ex.: Presidente, Prefeito, a) a criação, transformação e extinção de cargos,
Deputado, Senador, Membros do Tribunal de Contas, empregos e funções públicas é competência do
membros do Ministério Público. Existe ainda o agente Congresso Nacional, exercida por meio de lei, que
político especial que é o chefe da representação será de iniciativa privativa do Presidente da República
diplomática no exterior, que é nomeado pelo quando se tratar de cargos, funções ou empregos
Presidente da República. públicos na Administração Direta e autárquica (CF/88,
art. 61, § 1º).
AGENTES ADMINISTRATIVOS – Que são todos
aqueles que se vinculam ao Estado ou às suas b) a extinção de funções ou cargos públicos vagos é
entidades autárquicas e fundacionais por relações de competência privativa do Presidente da República,
profissionais, sujeitos à hierarquia funcional e ao exercida por meio de decreto autônomo (CF/88, art.
regime jurídico da entidade estatal a que servem. Ex.: 84, VI, “b”).
servidores públicos efetivos, em comissão e os
c) a criação e extinção de ministérios e órgãos da
contratados temporariamente; e os dirigentes das
entidades paraestatais. Administração Pública é competência do Congresso
Nacional, exercida por meio de lei de iniciativa
AGENTES HONORÍFICOS – São cidadãos privativa do Presidente da República (CF/88, art. 48,
convocados, designados ou nomeados para prestar, XI).
transitoriamente determinados serviços ao Estado, em
d) a organização e funcionamento da Administração
razão de sua condição cívica, honorabilidade ou
notória capacidade profissional. É um múnus (dever) Federal, quando não implicar aumento de despesa
nem criação ou extinção de órgãos públicos é de
público. Ex: mesário, jurado. Não são servidores
competência privativa do Presidente da República,
públicos, mas momentaneamente exercem função
exercida por meio de decreto autônomo (CF/88, art.
pública, sem problema de acumulação de cargo.
84, VI, “b”).
AGENTES DELEGADOS - São particulares que
 Requisitos para o acesso a cargos ou
recebem a incumbência da execução de determinada
empregos públicos
atividade de obra ou serviço público e o realizam em
nome próprio, por sua conta e risco, mas segundo as O inciso I do art. 37 veda o estabelecimento de
normas do Estado e sob permanente fiscalização do exigências ou condições pelos editais de concursos
delegante. Ex: Permissionários e concessionários, públicos que não possuam amparo legal. Embora os
serventuários de cartórios extra-judiciais, oficiais, editais de concursos públicos para provimento de
leiloeiros. cargos ou empregos públicos sejam elaborados pelas
Administrações encarregadas da contratação, estas
AGENTES CREDENCIADOS – São os que recebem a
incumbência da Administração de representá-la em não podem prever condições para a participação no
certame, e menos ainda para o ulterior ingresso dos
determinado ato ou praticar certa atividade específica,
aprovados, com base exclusiva em atos normativos
mediante remuneração do Poder Público
infralegais.
credenciante. Não possuem vinculação estatutária ou
celetista com a Administração, podendo ser Além disso, o princípio da isonomia (igualdade),
cooperativados ou não. previsto no art. 5º da Constituição, impede que,
 DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS GERAIS mesmo a lei, estabeleça quaisquer outras restrições
discriminatórias, como, por exemplo, restrições
RELATIVAS AOS AGENTES PÚBLICOS
relativas à origem, religião, raça etc. Os requisitos a
 Acesso a funções, cargos e empregos que se refere este inciso I do art. 37 devem,
públicos obrigatoriamente, mostrar-se necessários ao
adequado desempenho da função pública
Prevê o inciso I do art. 37 da CF/88: correspondente.
“I – os cargos, empregos e funções  Exigência de concurso público
públicas são acessíveis aos brasileiros
que preencham os requisitos Prevê o inciso II do art. 37 da CF/88:
estabelecidos em lei, assim como aos
“II – a investidura em cargo ou emprego
estrangeiros, na forma da lei”.
público depende de aprovação prévia em
Entretanto, existe restrição constitucional concurso público de provas ou de provas
relativamente aos cargos privativos de brasileiro nato, e títulos, de acordo com a natureza e a
enumerados no art. 12, § 3º, da Constituição Federal complexidade do cargo ou emprego, na
(Presidente e Vice-Presidente da República; forma prevista em lei, ressalvadas as
Presidente da Câmara dos Deputados; Presidente do nomeações para cargo em comissão
Senado Federal; Ministro do Supremo Tribunal declarado em lei de livre nomeação e
Federal; carreira diplomática; oficial das Forças exoneração”.
Armadas; Ministro de Estado da Defesa).
A exigência de concurso público aplica-se à nomeação
 Criação, transformação e extinção de cargos, para cargos ou empregos públicos de provimento
empregos e funções públicas efetivo. Não abrange a nomeação para cargos em
comissão, os quais, por definição, são de livre
Somente por lei podem ser criados cargos, empregos
nomeação e exoneração com base exclusiva em
e funções públicas. Assim temos:
critérios subjetivos de confiança da autoridade
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 29
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
competente. Não abrange também os casos de em princípio qualquer pessoa, mesmo que não seja
contratação temporária previstos no inciso IX do art. servidor público de qualquer Poder ou esfera da
37. Federação, pode ser nomeada para exercer um cargo
em comissão. A mesma autoridade competente para
 Prazo de validade do concurso
nomear é competente para, a seu critério, exonerar o
O inciso III do art. 37 da Constituição assim dispõe: servidor ocupante do cargo comissionado.

“III – o prazo de validade do concurso A exoneração não possui caráter punitivo. É ato
público será de até dois anos, administrativo amplamente discricionário.
prorrogável uma vez, por igual período”. O servidor de carreira exonerado de cargo em
Entende-se por prazo de validade do concurso o comissão retorna automaticamente para seu cargo
período durante o qual a Administração poderá efetivo e volta a exercer, normalmente, as funções a
nomear ou contratar os aprovados para o provimento ele correspondentes. Já o servidor nomeado para o
ou preenchimento do cargo ou emprego público a que cargo em comissão que não possua vínculo efetivo
se destinava o concurso. O prazo de validade é com o serviço público evidentemente perde toda e
contado da homologação do concurso. qualquer relação com a Administração quando é
exonerado.
 Prioridade na nomeação
No caso de função de confiança ou gratificada, a
Prevê o inciso IV do art. 37 da CF/88: designação para seu exercício deve recair,
obrigatoriamente, sobre servidor ocupante de cargo
“IV – durante o prazo improrrogável efetivo.
previsto no edital de convocação, aquele
aprovado em concurso público de provas  Contratação temporária
ou de provas e títulos será convocado
O inciso IX do art. 37 da CF/88 prevê a contratação
com prioridade sobre novos concursados
por tempo determinado, para atender necessidade
para assumir cargo ou emprego, na
temporária de excepcional interesse público, nos
carreira”.
seguintes termos:
Pela dicção do dispositivo em apreço, “prazo
“IX – a lei estabelecerá os casos de
improrrogável” seria somente o período de
contratação por tempo determinado para
prorrogação, porque findo este, não pode haver outro.
atender a necessidade temporária de
A Constituição de 1988 não veda a realização, pela
excepcional interesse público;”
mesma Administração, de um novo concurso para o
mesmo cargo ou emprego enquanto ainda válido um Na esfera federal, a contratação por prazo
concurso anteriormente efetuado, mesmo que ainda determinado encontra-se disciplinada pela Lei nº
haja candidatos aprovados neste concurso anterior. 8.745/1993 e alterações. Seu âmbito de aplicação
 Reserva de percentual de cargos e empregos restringe-se aos órgãos da Administração Direta
aos portadores de deficiências federal, às autarquias e às fundações públicas
federais. O pessoal contratado com base nessa lei não
O inciso VIII do art. 37 da CF/88 assim disciplina: pode ser considerado estatutário (pois o regime
jurídico trabalhista a que se submetem é contratual),
“VIII – a lei reservará percentual dos nem celetista (não são regidos pela CLT). Não
cargos e empregos públicos para as ocupam cargos na Administração Pública. O regime
pessoas portadoras de deficiência e de previdência social a que estão sujeitos é o regime
definirá os critérios de sua admissão”. geral de previdência social - RGPS, aplicável a todos
 Funções de confiança e cargos em comissão trabalhadores civis, com exceção dos ocupantes de
cargos públicos efetivos. Os contratados por prazo
O inciso V do art. 37 da CF/88 assim disciplina: determinado exercem função pública remunerada
temporária para determinado órgão ou entidade da
“V – as funções de confiança, exercidas
Administração.
exclusivamente por servidores
ocupantes de cargo efetivo, e os cargos A contratação temporária não é feita mediante
em comissão, a serem preenchidos por concurso público, mas sim por meio de processo
servidores de carreira nos casos, seletivo simplificado sujeito a ampla divulgação,
condições e percentuais mínimos inclusive através do Diário Oficial, sendo dispensado
previstos em lei, destinam-se apenas às processo seletivo na hipótese de contratação para
atribuições de direção, chefia e atender às necessidades decorrentes de calamidade
assessoramento”. pública.
Segundo Hely Lopes Meirelles, o cargo, seja ele de  Direito de greve dos servidores públicos civis
provimento efetivo ou em comissão, é um lugar na
O inciso VII do art. 37 concede aos servidores públicos
estrutura organizacional da Administração, com civis o direito de greve. A norma, entretanto, insere-se
denominação própria, atribuições e responsabilidades na categoria das normas constitucionais de eficácia
específicas e remuneração correspondente. limitada. Significa que o referido dispositivo não é
Os cargos em comissão são declarados em lei como auto-aplicável, ou seja, o direito de greve do servidor
de livre nomeação e exoneração. Significa isso que público civil não pode ser considerado
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 30
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
automaticamente exercitável com a simples  Limites de remuneração dos servidores
promulgação da CF/88, pois é necessária a edição de públicos (teto constitucional)
lei ordinária específica. Assim, a priori, enquanto não
O inciso XI do art. 37 estabelece a regra conhecida
editada essa lei específica regulamentadora, qualquer
como teto constitucional de remuneração dos
movimento paredista dos servidores públicos é
ilegítimo, sujeitando-os à aplicação de penalidades por servidores públicos. A EC nº 41/2003 modificou o
dispositivo em análise.
parte da Administração.
As principais observações acerca dos tetos de
Entretanto, por decisão do STF nos Mandados de
Injunção nº 670; 708 e 712, enquanto não for editada a remuneração previstos no texto constitucional após a
EC nº 41/2003 são as seguintes:
lei que regulamenta o direito de greve para os
servidores públicos, aplicar-se-á, no que couber, a lei a) Há um teto absoluto, correspondente ao subsídio
de greve dos trabalhadores privados (Lei nº 7.783/89). dos Ministros do STF, a ser fixado em lei de iniciativa
do STF, estando o projeto de lei resultante, como
Vale lembrar que o direito de greve é vedado aos
militares, sem nenhuma exceção, nos termos do art. qualquer outro projeto de lei, sujeito à sanção ou veto
do Presidente da República.
142, IV, da CF/88.
b) Além do limite absoluto representado pelo subsídio
Finalmente, essa restrição ao direito de greve dos
dos Ministros do STF, o texto constitucional
servidores públicos civis não se aplica aos
estabelece limites para os Estados, o DF e os
empregados públicos.
Municípios, a saber: (1) nos Municípios, o teto é o
 Fixação da remuneração e revisão geral subsídio percebido pelo Prefeito; (2) nos Estados e no
DF há um limite diferenciado por Poder,
O inciso X do art. 37 da CF/88 disciplina:
correspondendo ao subsídio dos deputados estaduais
“X – a remuneração dos servidores e distritais, no Poder Legislativo, e ao subsídio dos
públicos e o subsídio de que trata o § 4º desembargadores do Tribunal de Justiça, no âmbito
do art. 39 somente poderão ser fixados do Poder Judiciário.
ou alterados por lei específica, c) Os subsídios dos desembargadores do Tribunal de
observada a iniciativa privativa em cada Justiça não podem ser superiores a 90,25% do
caso, assegurada revisão geral anual, subsídio dos Ministros do Supremo Tribunal Federal e
sempre na mesma data e sem distinção servem de limite, também, aos membros do Ministério
de índices”. Público estadual, aos procuradores estaduais e aos
A mais importante alteração introduzida pela Emenda defensores públicos estaduais.
Constitucional nº 19/98 diz respeito à exigência de lei d) Os subsídios dos Governadores e dos Prefeitos não
ordinária específica para que se fixe ou altere a podem ser superiores ao subsídio dos Ministros do
remuneração dos servidores públicos. STF, mas nada impede que sejam iguais a este.
Após a EC nº 19/98, o sistema remuneratório dos e) Os limites incluem todas as espécies
agentes públicos em geral passou a ser composto por remuneratórias e todas as parcelas integrantes do
três distintas categorias jurídicas, a saber: valor total percebido, incluídas as vantagens pessoais
a) subsídio: caracteriza-se por ser um estipêndio ou quaisquer outras.
(salário) fixado em parcela única, vedado o acréscimo f) Os limites abrangem os valores resultantes de
de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, acumulação de remunerações ou subsídios, ou de
verba de representação ou outra espécie remunerações ou subsídios com proventos, pensões
remuneratória. É modalidade de remuneração (em ou qualquer outra espécie remuneratória, seja ou não
sentido amplo): lícita à acumulação.
b) vencimentos ou remuneração: são percebidos por g) Relativamente ao salário dos empregados públicos
servidores públicos submetidos a regime jurídico das empresas públicas e das sociedades de economia
estatutário. Os vencimentos são compostos pelo mista, e suas subsidiárias, os tetos somente se
vencimento (no singular) básico do cargo + as aplicam àquelas que receberem recursos da União,
vantagens pecuniárias estabelecidas em lei dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios
(gratificações e adicionais). para pagamento de despesas de pessoal ou de
c) salário: é a contraprestação pecuniária paga aos custeio em geral (CF/88, art. 37, § 9º).
empregados públicos, contratados sob o regime  Vedação de vinculações e equiparações
jurídico da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT,
das pessoas jurídicas de direito privado da O inciso XIII do art. 37 traz regra proibindo o
Administração Indireta, ou, ainda, aos empregados estabelecimento de vinculações e equiparações entre
públicos contratados pela Administração Direta as remunerações pagas no serviço público. O inciso
Federal. XIII do art. 37 da CF/88 assim disciplina:

A parte final do inciso X do art. 37 assegura revisão “XIII – é vedada a vinculação ou


geral anual da remuneração e do subsídio dos equiparação de quaisquer espécies
servidores públicos sempre na mesma data e sem remuneratórias para o efeito de
distinção de índices. remuneração de pessoal do serviço
público;”
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 31
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Equiparar significa prever, em lei, para um 2) a permissão para os juízes exercerem o magistério,
determinado cargo, remuneração igual à de um outro conforme o art. 95, parágrafo único, I;
cargo. Não há equiparação quando duas leis distintas
3) a permissão para os membros do Ministério Público
estabelecem, cada uma, remuneração idêntica para os
exercerem o magistério, estabelecida no art. 128, § 5º,
servidores por cada uma abrangidos, contanto que
não se crie vinculação automática entre as II, “d”.
remunerações. Merece ainda destaque o tratamento dado à
percepção simultânea de remuneração e de proventos
Já a vinculação é a utilização, pela lei, de índices ou
critérios automáticos de reajustamento da de aposentadoria. O assunto encontra-se disciplinado
pela EC nº 20/98, que acrescentou o § 10 ao art. 37 da
remuneração, como o salário mínimo, determinado
índice de inflação, a arrecadação orçamentária etc. Constituição, expressamente estendendo a proibição
de acumulação aos proventos, como abaixo se lê:
 Base de incidência de acréscimos pecuniários
“§ 10 – É vedada a percepção
O inciso XIV do art. 37 estabelece: simultânea de proventos de
aposentadoria decorrentes do art. 40 ou
“XIV- os acréscimos pecuniários dos arts. 42 e 142 com a remuneração
percebidos por servidor público não
de cargo, emprego ou função pública,
serão computados nem acumulados
ressalvados os cargos acumuláveis na
para fins de concessão de acréscimos forma desta Constituição, os cargos
ulteriores;” eletivos e os cargos em comissão
A aplicação da regra transcrita é bastante clara: declarados em lei de livre nomeação e
qualquer vantagem pecuniária – adicionais ou exoneração.”
gratificações – somente pode incidir sobre o
Entretanto, convém esclarecer que escapam dessa
vencimento básico. Não é admissível a incidência de
proibição de acumulação:
um acréscimo sobre um adicional ou uma gratificação
anterior. a) os proventos relativos a cargos que seriam
acumuláveis se o servidor estivessem em atividade;
 Vedação à Acumulação de Cargos, Empregos
e Funções Públicos b) o exercício de cargos em comissão cumulado com
proventos de aposentadorias; e
Os incisos XVI e XVII do art. 37 da CF/88 prevêem a
vedação à acumulação de cargos, empregos e c) a acumulação de remuneração ou proventos
funções públicos remunerados. Assim, somente nas atinentes a cargos eletivos.
hipóteses expressamente previstas na Constituição da
 Servidores em exercício de Mandato Eletivo
República será ela lícita, mesmo assim, quando
houver compatibilidade de horários. O art. 38 da CF/88 dispõe:
É a seguinte a redação dos referidos dispositivos: a) o servidor público que seja eleito para qualquer
cargo, do Executivo ou do Legislativo, federal,
“XVI- é vedada a acumulação estadual ou distrital (Presidente da República,
remunerada de cargos públicos, exceto, Governador, Deputado Federal ou Estadual) será,
quando houver compatibilidade de
obrigatoriamente, afastado do seu cargo (efetivo ou
horários, observado em qualquer caso
comissionado) emprego ou função públicos. A
os disposto no inciso XI: remuneração percebida será, obrigatoriamente, a do
a) a de dois cargos de professor; cargo eletivo.
b) a de um cargo de professor com b) o servidor público investido no mandato de prefeito
outro, técnico ou científico; será, obrigatoriamente, afastado de seu cargo,
emprego ou funções públicos. Neste caso, o servidor
c) a de dois cargos ou empregos poderá optar entre a remuneração do cargo de prefeito
privativos de profissionais de saúde, com e a remuneração do cargo, emprego ou função de que
profissões regulamentas; foi afastado.
XVII – a proibição de acumular estende- c) o servidor eleito para o cargo de vereador poderá,
se a empregos e funções e abrange caso haja compatibilidade de horário, acumular o
autarquias, fundações, empresas exercício da vereança com o de seu cargo, emprego
públicas, sociedades de economia mista, ou função públicos. Nessa hipótese, o servidor
suas subsidiárias, e sociedades receberá as duas remunerações; a de vereador e a de
controladas, direta ou indiretamente, seu outro cargo, emprego ou função públicos,
pelo poder público”. obedecidos, evidentemente, os limites de
Contudo, é de se observar que o texto constitucional remuneração do anteriormente comentado inciso XI do
elenca algumas hipóteses em que é lícita a art. 37 da Constituição.
acumulação remunerada, sendo elas:  Regime Jurídico Único
1) a permissão de acumulação para os vereadores, A EC nº 19/98 alterou o caput do art. 39 com o objetivo
prevista no art. 38, III; de eliminar a obrigatoriedade de adoção, pelas

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 32
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
pessoas políticas de um regime jurídico unificado para autárquica e fundacional. Como agora só cabe um
seus agentes atuantes na Administração direta, regime, único, o estatutário, não será mais possível a
autarquias e fundações públicas. Assim, simplesmente existência de novos empregos públicos no âmbito da
passou a ser possível a existência de agentes públicos Administração federal direta, autárquica e fundacional.
sujeitos a diferentes regimes jurídicos na mesma Aqueles contratados sob esse regime antes da
Administração, isto é, regime estatutário e celetista. decisão do STF seguem em seus empregos, já que,
como se disse, a decisão cautelar teve efeito ex nunc.”
Contudo, “esse cenário alterou-se profundamente com (Texto do Profº Leandro Cadenas – Ponto dos
o julgamento pelo STF, ainda em sede cautelar, da Concursos)
ADI 2.135 (relator Ministro Néri da Silveira, julgamento
em 02/08/2007), onde se discute a constitucionalidade  Direitos e Garantias dos Trabalhadores em
da EC nº 19/98, em especial no que concerne à Geral aplicáveis aos Servidores Públicos
alteração do art. 39, caput, CF/88.
O § 3º do art. 39 faz remissão a uma série de
Ocorre que, quando das votações na Câmara dos garantias e direitos fundamentais dos trabalhadores
Deputados, em primeiro turno, a proposta de alteração em geral aplicáveis, também, aos servidores públicos.
do caput do art. 39, CF/88, não foi aprovada pela
Os direitos assegurados aos servidores públicos pelo
maioria qualificada constitucionalmente exigida (art.
§ 3º do art. 39 encontram-se enumerados em alguns
60, § 2º, CF/88). Ao elaborar o texto enviado para
dos incisos do art. 7º da CF/88, sendo eles:
votação, em segundo turno, a comissão especial de
redação da Câmara dos Deputados teria deslocado o a) salário mínimo;
§ 2º do art. 39 – que havia sido aprovado, para o lugar
do caput do artigo 39, cuja proposta de alteração havia b) garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para
sido rejeitada no primeiro turno. Com essa os que percebem remuneração variável;
substituição, a redação original do caput do artigo 39 c) décimo terceiro;
simplesmente desapareceu. Naturalmente que essa
transposição não pode ser tida por mera emenda d) remuneração do trabalho noturno superior à do
redacional, de acordo com o art. 118 do Regimento diurno;
Interno da Câmara dos Deputados. Havia e) salário-família;
necessidade, então, de nova votação, para
cumprimento da exigência de aprovação por dois f) duração do trabalho normal não superior a 08 horas
turnos em cada uma das Casas legislativas do diárias e 44 semanais;
Congresso Nacional (art. 60, § 2º, CF/88). g) repouso semanal remunerado;
Com isso, haveria inconstitucionalidade formal. Nesse h) remuneração do serviço extraordinário superior, no
julgamento afastou-se, em sede cautelar, a nova mínimo, em 50% à do normal;
redação do caput desse art. 39, retomando-se a
redação original do texto constitucional. i) férias anuais remuneradas com, pelo menos, 1/3 a
mais do que a remuneração normal;
Para que fique claro, compare-se a redação original e
a alterada pela EC nº 19/98: j) licença à gestante com duração de 120 dias;
Texto original da CF/88: k) licença-paternidade;
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os l) proteção do mercado de trabalho da mulher,
Municípios instituirão, no âmbito de sua competência, mediante incentivos específicos, nos termos da lei;
regime jurídico único e planos de carreira para os
m) redução dos riscos inerentes ao trabalho por meio
servidores da administração pública direta, das
de normas de saúde, higiene e segurança;
autarquias e das fundações públicas.
n) proibição de diferença de salários de exercício de
Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
funções e de critério de admissão por motivo de sexo,
1998:
idade, cor ou estado civil.
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
 Estabilidade
Municípios instituirão conselho de política de
administração e remuneração de pessoal, integrado A Constituição de 1988 tratou da estabilidade em seu
por servidores designados pelos respectivos Poderes. art. 41. Pelo texto original a estabilidade foi conferida
aos servidores nomeados em virtude de concurso
À decisão foi dado efeito ex nunc, é dizer, irretroativo,
público após 02 anos de efetivo exercício e, uma vez
não atingindo as situações jurídicas havidas entre a
adquirida a estabilidade, não existia qualquer hipótese
promulgação da EC nº 19/98 e a decisão do STF.
de exoneração do servidor por iniciativa da
A partir de então, repise-se, retorna a regra da Administração, entendida exoneração como
exigência de um Regime Jurídico Único, sendo rompimento do vínculo entre o servidor e a
incabível, hoje, contratação pelo regime da CLT, no Administração sem caráter punitivo.
âmbito federal.
A partir da EC nº 19/98, a estabilidade passou a ser
Como efeito imediato, tem-se a inaplicabilidade da Lei conferida somente após três anos de efetivo
nº 9.962/2000, que disciplinou o regime de emprego exercício. Embora o caput do art. 41, após a referida
público do pessoal da Administração federal direta, Emenda, tenha passado a explicitar que somente os

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 33
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
servidores ocupantes de cargos de provimento na forma da lei; (Redação dada pela Emenda
efetivo nomeados em virtude de concurso público Constitucional nº 41, 19.12.2003)
podem adquirir estabilidade, sempre foi entendimento
II - compulsoriamente, aos setenta anos de idade,
pacífico da doutrina e da jurisprudência de que nem
com proventos proporcionais ao tempo de
os empregos públicos (regime da CLT) e muito
menos os cargos em comissão geram direito à contribuição; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 20, de 15/12/98)
estabilidade.
III - voluntariamente, desde que cumprido tempo
A aquisição da estabilidade, a partir da EC nº 19/98,
passou a ter regramento distinto para os servidores já mínimo de dez anos de efetivo exercício no serviço
público e cinco anos no cargo efetivo em que se dará
em exercício na data de sua promulgação e para
aqueles que ingressaram depois: a aposentadoria, observadas as seguintes condições:
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de
a) para os primeiros foi expressamente garantida pelo 15/12/98)
art. 28 da citada emenda, a aquisição em 02 anos de
efetivo exercício; a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de
contribuição, se homem, e cinqüenta e cinco anos de
b) para os que entraram em exercício após a idade e trinta de contribuição, se mulher; (Redação
alteração, 03 anos são necessários. dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
Outro aspecto a ser salientado é que o § 4º do art. 41 b) sessenta e cinco anos de idade, se homem, e
passou a estabelecer como condição para a aquisição sessenta anos de idade, se mulher, com proventos
da estabilidade a submissão do servidor a uma proporcionais ao tempo de contribuição. (Redação
avaliação especial de desempenho feita por dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
comissão instituída para esse fim.
§ 2º - Os proventos de aposentadoria e as
Desse modo pode-se afirmar que, nos exatos termos pensões, por ocasião de sua concessão, não poderão
do texto constitucional, a EC nº 19/98 terminou com a exceder a remuneração do respectivo servidor, no
possibilidade de aquisição de estabilidade por mero cargo efetivo em que se deu a aposentadoria ou que
decurso de prazo, como anteriormente era a regra. serviu de referência para a concessão da pensão.
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de
No que diz respeito à perda do cargo, verifica-se que 15/12/98)
passam a ser quatro as hipóteses de rompimento do
vínculo funcional com o servidor estável, por iniciativa § 3º Para o cálculo dos proventos de
da Administração: aposentadoria, por ocasião da sua concessão, serão
consideradas as remunerações utilizadas como base
1) sentença judicial transitada em julgado;
para as contribuições do servidor aos regimes de
2) processo administrativo com ampla defesa; previdência de que tratam este artigo e o art. 201, na
forma da lei. (Redação dada pela Emenda
3) insuficiência de desempenho, por meio de avaliação Constitucional nº 41, 19.12.2003)
periódica, na forma da Lei Complementar, assegurada
ampla defesa: § 4º É vedada a adoção de requisitos e critérios
diferenciados para a concessão de aposentadoria aos
4) excesso de despesa com pessoal nos termos do abrangidos pelo regime de que trata este artigo,
art. 169, § 4º. ressalvados, nos termos definidos em leis
 REGIME PREVIDENCIÁRIO DOS SERVIDORES complementares, os casos de servidores: (Redação
PÚBLICOS dada pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)

Art. 40. Aos servidores titulares de cargos efetivos I portadores de deficiência; (Incluído pela Emenda
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Constitucional nº 47, de 2005)
Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, é II que exerçam atividades de risco; (Incluído pela
assegurado regime de previdência de caráter Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
contributivo e solidário, mediante contribuição do
respectivo ente público, dos servidores ativos e III cujas atividades sejam exercidas sob condições
inativos e dos pensionistas, observados critérios que especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade
preservem o equilíbrio financeiro e atuarial e o física. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de
disposto neste artigo. (Redação dada pela Emenda 2005)
Constitucional nº 41, 19.12.2003) § 5º - Os requisitos de idade e de tempo de
§ 1º Os servidores abrangidos pelo regime de contribuição serão reduzidos em cinco anos, em
previdência de que trata este artigo serão relação ao disposto no § 1º, III, "a", para o professor
aposentados, calculados os seus proventos a partir que comprove exclusivamente tempo de efetivo
dos valores fixados na forma dos §§ 3º e 17: (Redação exercício das funções de magistério na educação
dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003) infantil e no ensino fundamental e médio. (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
I - por invalidez permanente, sendo os proventos
proporcionais ao tempo de contribuição, exceto se § 6º - Ressalvadas as aposentadorias
decorrente de acidente em serviço, moléstia decorrentes dos cargos acumuláveis na forma desta
profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, Constituição, é vedada a percepção de mais de uma
aposentadoria à conta do regime de previdência

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 34
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
previsto neste artigo. (Redação dada pela Emenda servidores titulares de cargo efetivo, poderão fixar,
Constitucional nº 20, de 15/12/98) para o valor das aposentadorias e pensões a serem
concedidas pelo regime de que trata este artigo, o
§ 7º Lei disporá sobre a concessão do benefício
limite máximo estabelecido para os benefícios do
de pensão por morte, que será igual: (Redação dada
regime geral de previdência social de que trata o art.
pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003) 201. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de
I - ao valor da totalidade dos proventos do 15/12/98)
servidor falecido, até o limite máximo estabelecido
§ 15. O regime de previdência complementar de
para os benefícios do regime geral de previdência que trata o § 14 será instituído por lei de iniciativa do
social de que trata o art. 201, acrescido de setenta por
respectivo Poder Executivo, observado o disposto no
cento da parcela excedente a este limite, caso art. 202 e seus parágrafos, no que couber, por
aposentado à data do óbito; ou (Incluído pela Emenda
intermédio de entidades fechadas de previdência
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
complementar, de natureza pública, que oferecerão
II - ao valor da totalidade da remuneração do aos respectivos participantes planos de benefícios
servidor no cargo efetivo em que se deu o falecimento, somente na modalidade de contribuição definida.
até o limite máximo estabelecido para os benefícios do (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41,
regime geral de previdência social de que trata o art. 19.12.2003)
201, acrescido de setenta por cento da parcela
§ 16 - Somente mediante sua prévia e expressa
excedente a este limite, caso em atividade na data do opção, o disposto nos §§ 14 e 15 poderá ser aplicado
óbito. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41,
ao servidor que tiver ingressado no serviço público até
19.12.2003)
a data da publicação do ato de instituição do
§ 8º É assegurado o reajustamento dos correspondente regime de previdência complementar.
benefícios para preservar-lhes, em caráter (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de
permanente, o valor real, conforme critérios 15/12/98)
estabelecidos em lei. (Redação dada pela Emenda
§ 17. Todos os valores de remuneração
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
considerados para o cálculo do benefício previsto no §
§ 9º - O tempo de contribuição federal, estadual 3° serão devidamente atualizados, na forma da lei.
ou municipal será contado para efeito de (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41,
aposentadoria e o tempo de serviço correspondente 19.12.2003)
para efeito de disponibilidade. (Incluído pela Emenda
§ 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de
Constitucional nº 20, de 15/12/98)
aposentadorias e pensões concedidas pelo regime de
§ 10 - A lei não poderá estabelecer qualquer que trata este artigo que superem o limite máximo
forma de contagem de tempo de contribuição fictício. estabelecido para os benefícios do regime geral de
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de previdência social de que trata o art. 201, com
15/12/98) percentual igual ao estabelecido para os servidores
titulares de cargos efetivos. (Incluído pela Emenda
§ 11 - Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à Constitucional nº 41, 19.12.2003)
soma total dos proventos de inatividade, inclusive
quando decorrentes da acumulação de cargos ou § 19. O servidor de que trata este artigo que
empregos públicos, bem como de outras atividades tenha completado as exigências para aposentadoria
sujeitas a contribuição para o regime geral de voluntária estabelecidas no § 1º, III, a, e que opte por
previdência social, e ao montante resultante da adição permanecer em atividade fará jus a um abono de
de proventos de inatividade com remuneração de permanência equivalente ao valor da sua contribuição
cargo acumulável na forma desta Constituição, cargo previdenciária até completar as exigências para
em comissão declarado em lei de livre nomeação e aposentadoria compulsória contidas no § 1º, II.
exoneração, e de cargo eletivo. (Incluído pela Emenda (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41,
Constitucional nº 20, de 15/12/98) 19.12.2003)
§ 12 - Além do disposto neste artigo, o regime de § 20. Fica vedada a existência de mais de um
previdência dos servidores públicos titulares de cargo regime próprio de previdência social para os
efetivo observará, no que couber, os requisitos e servidores titulares de cargos efetivos, e de mais de
critérios fixados para o regime geral de previdência uma unidade gestora do respectivo regime em cada
social. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de ente estatal, ressalvado o disposto no art. 142, § 3º, X.
15/12/98) (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41,
19.12.2003)
§ 13 - Ao servidor ocupante, exclusivamente, de
cargo em comissão declarado em lei de livre § 21. A contribuição prevista no § 18 deste artigo
nomeação e exoneração bem como de outro cargo incidirá apenas sobre as parcelas de proventos de
temporário ou de emprego público, aplica-se o regime aposentadoria e de pensão que superem o dobro do
geral de previdência social. (Incluído pela Emenda limite máximo estabelecido para os benefícios do
Constitucional nº 20, de 15/12/98) regime geral de previdência social de que trata o art.
201 desta Constituição, quando o beneficiário, na
§ 14 - A União, os Estados, o Distrito Federal e forma da lei, for portador de doença incapacitante.
os Municípios, desde que instituam regime de (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
previdência complementar para os seus respectivos

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 35
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
 DISPOSIÇÕES LEGAIS RELATIVAS AOS Não o fazendo no prazo previsto, o nomeado não
SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS FEDERAIS chega a aperfeiçoar o vínculo com a Administração, e
(ESTATUTÁRIOS) o ato de provimento é tornado sem efeito.
As disposições legais reguladoras das relações  Posse
jurídicas entre os servidores públicos civis e a
Administração Federal encontram-se na Lei nº 8.112, O art. 7º da Lei nº 8.112/90 estabelece que a
investidura no cargo público ocorre com a posse. Só
de 11/12/1990.
há posse nos casos de provimento de cargo por
 Provimento nomeação. Enquanto a nomeação é um ato unilateral
da autoridade competente, mediante o qual é dado
Provimento é o ato administrativo por meio do qual é
provimento a um cargo público, a posse é um ato
preenchido cargo público, com a designação do seu bilateral por meio do qual o servidor investe-se das
titular. Os cargos públicos podem ser de provimento
atribuições e responsabilidades inerentes a seu cargo.
efetivo ou de provimento em comissão (cargos de
confiança). Na verdade, antes da posse, não se pode falar em
servidor, pois ainda não se aperfeiçoou o vínculo entre
A Lei nº 8.112/90 apresenta, em seu art. 8º, as formas
o nomeado e a Administração. Este vínculo configura-
de provimento de cargo público, sendo elas:
se justamente por meio da posse. Com a posse o
nomeação, promoção, readaptação, reversão,
nomeado torna-se servidor, aceitando as regras legais
aproveitamento¸ reintegração e recondução.
de regência de sua relação jurídica com a
 Provimento originário e provimento derivado Administração decorrentes do cargo que passa a estar
apto a exercer.
As formas de provimento em cargo público são
tradicionalmente classificadas em: O prazo para o nomeado tomar posse é de trinta dias,
improrrogáveis, contados da nomeação ou, no caso de
a) provimento originário é o preenchimento de servidor que se encontre em licença nesta data, do
classe inicial de cargo não decorrente de qualquer término de seu impedimento. Se o nomeado não toma
vínculo anterior entre o servidor e a Administração. A posse no prazo previsto, não chega a completar-se o
única forma de provimento originário atualmente vínculo jurídico funcional entre ele a Administração.
compatível com a Constituição é a nomeação. Não há, portanto, como se falar em exoneração. A
b) provimento derivado é o preenchimento de cargo hipótese será simplesmente de se tornar sem efeito o
decorrente de vínculo anterior entre o servidor e a ato de nomeação (art. 13, § 6º).
Administração. As formas de provimento derivado  Exercício
enumeradas no art. 8º da Lei nº 8.112/90 são a
promoção, a readaptação, a reversão, o Exercício é o efetivo desempenho das atribuições do
aproveitamento, a reintegração e a recondução. cargo público ou da função de confiança (art. 15).
 Formas de provimento dos cargos públicos O servidor tem o prazo de quinze dias, improrrogáveis,
contados da data da posse, para entrar em exercício.
1ª - Nomeação
No caso de designação para função de confiança a
A nomeação pode dar-se em caráter efetivo ou em regra é diversa: o início do exercício de função de
comissão, para cargos de confiança, esta última não confiança deve coincidir com a data de publicação do
exigindo concurso público, podendo tanto recair sobre ato de designação, salvo quando o servidor estiver em
quem já seja integrante da Administração Pública (o licença ou afastado por qualquer outro motivo legal,
que não descaracteriza o provimento como originário, hipótese em que recairá no primeiro dia útil após o
já que a causa da nomeação em comissão não é a término do impedimento, que não poderá exceder a
relação existente entre o servidor e a Administração) trinta dias da publicação (art. 15, § 4º). A designação
ou sobre pessoa sem qualquer vínculo anterior com a para função de confiança será tornada sem efeito
Administração. quando o servidor não entrar em exercício no prazo
A nomeação é ato administrativo unilateral que não legal.
gera, por si só, qualquer obrigação para o servidor, Embora o agente torne-se servidor público a partir da
mas sim o direito subjetivo para que ele formalize seu posse, somente com o exercício formar-se-ão as
vínculo com a Administração, por meio da posse. relações jurídicas entre ele e a Administração que
A posse, que só ocorre em caso de provimento por tenham por base o tempo de efetivo desempenho das
nomeação, esta sim é ato jurídico bilateral, em que o atribuições do cargo.
servidor é investido das atribuições e Como o nomeado passa a ser servidor a partir da
responsabilidades inerentes ao cargo. O nomeado posse, na hipótese de ele não entrar em exercício
somente se torna servidor com a posse. dentro do prazo legal, ocorrerá sua exoneração, ou
O nomeado tem o prazo de 30 dias, contados da seja, será desfeito o vínculo jurídico formado entre ele
nomeação para tomar posse, salvo nos casos de e a Administração por ocasião da posse.
licença ou afastamento, hipótese em que se inicia a A jornada de trabalho dos servidores federais deverá
contagem a partir do término do impedimento. respeitar a duração máxima semanal de quarenta
horas, observados os limites mínimo e máximo de seis
horas e oito horas diárias. Estes limites não são

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 36
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
aplicáveis à duração de trabalho estabelecida em leis É forma de provimento derivado não explicitado na
especiais (servidores que trabalham em regime de CF/88. Sua definição encontra-se prevista no art. 25
plantão, que exercem atividades especialmente da Lei nº 8.112/90, assim dispondo:
penosas ou insalubres etc.).
“Art. 25 – Reversão é o retorno à atividade do servidor
2ª - Readaptação aposentado:
Readaptação é a primeira forma de provimento I – por invalidez, quando junta médica oficial declarar
derivado. Ocorre a readaptação quando o servidor, insubsistentes os motivos da aposentadoria; ou
estável ou não, havendo sofrido uma limitação física
II – no interesse da Administração, desde que:
ou mental em suas habilidades, torna-se inapto ao
exercício do cargo que ocupa, mas, por não ser caso a) tenha solicitado a reversão;
de invalidez permanente, pode ainda exercer outro
cargo para o qual a limitação sofrida não o inabilita. b) a aposentadoria tenha sido voluntária;

O cargo provido por readaptação deverá ser c) estável quando na atividade;


atribuições afins às do anterior. Tem que ser d) a aposentadoria tenha ocorrido nos cinco anos
respeitada a habilitação exigida, o nível de anteriores à solicitação;
escolaridade e a equivalência de vencimentos. Na
hipótese de inexistência de cargo vago, o servidor e) haja cargo vago.
exercerá suas atribuições como excedente, até a § 1º - A reversão far-se-á no mesmo cargo ou no
ocorrência de vaga. cargo resultante de sua transformação.
3ª - Reintegração § 2º - O tempo em que o servidor estiver em exercício
A reintegração é forma de provimento derivado será considerado para concessão da aposentadoria.
expressamente prevista na Constituição (art. 41, § 2º). § 3º - No caso do inciso I, encontrando-se provido o
Ocorre a reintegração quando o servidor estável, cargo, o servidor exercerá suas atribuições como
anteriormente demitido, tem a decisão administrativa excedente, até a ocorrência de vaga.
ou judicial que determinou sua demissão invalidada. O § 4º - O servidor que retornar à atividade por interesse
irregularmente demitido retornará ao cargo de origem, da Administração perceberá, em substituição aos
com ressarcimento de todas as vantagens de que teria proventos da aposentadoria, a remuneração do cargo
direito durante o período de seu afastamento ilegal, que voltar a exercer, inclusive com as vantagens de
inclusive às promoções por antiguidade que teria natureza pessoal que percebia anteriormente à
obtido nesse intervalo de tempo. aposentadoria.
Na hipótese de o cargo ter sido extinto, o servidor § 5º - O servidor de que trata o inciso II somente terá
ficará em disponibilidade, até seu adequado os proventos calculados com base nas regras atuais
aproveitamento. se permanecer pelo menos cinco anos no cargo.
Encontrando-se provido o cargo, o seu eventual § 6º - O Poder Executivo regulamentará o disposto
ocupante, se estável, será reconduzido ao cargo de neste artigo.”
origem, sem direito a indenização, ou aproveitado em
outro cargo, ou, ainda, posto em disponibilidade 7ª - Recondução
(nesse caso com remuneração proporcional). Se não A recondução, nos termos do art. 29 da Lei nº
estável deverá ser exonerado. 8.112/90, é o retorno do servidor estável ao cargo
4ª - Aproveitamento anteriormente ocupado, podendo decorrer de:
Trata-se do retorno do servidor estável posto em 1) inabilitação em estágio probatório relativo a outro
disponibilidade a cargo de atribuições e vencimentos cargo; ou
compatíveis com o anteriormente ocupado (o qual foi 2) reintegração do anterior ocupante.
extinto ou declarado desnecessário) – art. 41, § 3º da
CF/88. O legislador garante ao servidor estável sua
permanência no serviço público na hipótese de ser
Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada a considerado pela Administração não apto ao exercício
disponibilidade se o servidor não entrar em exercício do novo cargo para o qual foi aprovado em concurso
no prazo legal (15 dias). público.
5ª - Promoção Esta previsão decorre do fato de ser a estabilidade
É forma de provimento derivado, nas carreiras em que atributo do servidor, após o preenchimento dos
o desenvolvimento do servidor ocorre por provimento requisitos constitucionais e legais. O servidor não é
de cargos sucessivos e ascendentes. Não se aplica estável em determinado cargo, mas sim no serviço
aos cargos isolados, somente aos escalonados em público. Prova disso é que pode o cargo ocupado pelo
carreira e sempre se referem ao progresso dentro da servidor ser extinto sem que ele perca sua condição
mesma carreira, nunca à passagem de uma carreira à de estável, sendo, então, posto em disponibilidade
outra, o que seria impossível por provimento derivado. remunerada (proporcionalmente) ou aproveitado em
outro cargo compatível com o extinto.
6ª - Reversão

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 37
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
O estágio probatório é que visa avaliar a aptidão e inabilitação em estágio probatório, proceder-se-á à
capacidade do servidor para o desempenho de recondução desse servidor, hipótese em que ocorrerá
determinado cargo. Por isso, cada vez que um o provimento, por ele, do cargo anteriormente
servidor seja nomeado para um cargo, necessita ocupado, salvo se esse cargo encontrar-se provido,
cumprir todo o período de estágio probatório a fim de caso em que o servidor ficará em disponibilidade até
ser considerado apto ao exercício daquele cargo. seu ulterior aproveitamento.
Caso já cumprido o estágio probatório em cargo
Ainda sobre a exoneração, a lei arrola as seguintes
anterior e adquirida, pelo servidor, a estabilidade no
serviço público nos termos do art. 41 da CF/1988, possibilidades de que ela ocorra:
pode ocorrer que o servidor seja considerado inapto a) para o servidor ocupante de cargo efetivo poderá
para o exercício de novo cargo no qual tenha sido ser:
nomeado.
1) a pedido;
Nesse caso, de inabilitação do servidor estável no
estágio probatório do novo cargo, será ele 2) de ofício, em decorrência de:
reconduzido ao cargo anteriormente ocupado, cargo 2.1) inabilitação em estágio probatório;
este em que fora considerado apto por ocasião da
conclusão do estágio probatório anterior. 2.2) o servidor não entrar em exercício no prazo
legal após a posse.
Nos termos da jurisprudência do STF, é possível ao
servidor estável aprovado para outro cargo, dentro do b) para o servidor em cargo comissionado poderá ser:
período de estágio probatório, optar pelo retorno ao 1) a pedido;
antigo cargo, se assim desejar.
2) de ofício, livremente, a juízo da autoridade
Em face dessa orientação do Tribunal Maior, a competente (exoneração ad nutum).
Administração Pública federal terminou por editar a
Súmula Administrativa AGU nº 16, de 19/06/2002, de Embora a Lei não mencione, haverá, também,
observância obrigatória por toda Administração exoneração:
federal, cujo teor é o seguinte: 1) quando for extinto o cargo do servidor em estágio
“O servidor estável investido em cargo público federal, probatório;
em virtude de habilitação em concurso público, poderá 2) na hipótese de reintegração, quando o cargo em
desistir do estágio probatório a que é submetido com que deve ser reintegrado o servidor encontrar-se
apoio no art. 20 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro ocupado por servidor não estável.
de 1990, e ser reconduzido ao cargo inacumulável de
que foi exonerado, a pedido. Não se interporá recurso 3) por insuficiência de desempenho (é hipótese de
de decisão judicial que reconhecer esse direito.” exoneração de servidor estável, prevista no art. 41, §
1º, III, da CF/88);
 Vacância
4) por excesso de despesa com pessoal (é a outra
A Lei nº 8.112/90 refere-se à vacância como as hipótese de exoneração de ofício de servidor estável,
hipóteses em que o servidor desocupa o seu cargo, plasmada no art. 169, § 4º, da CF/88).
tornando-o passível de ser preenchido por outra
pessoa. A vacância pode acarretar rompimento  Remoção
definitivo do vínculo jurídico entre o servidor e a
Remoção é o deslocamento do servidor, a pedido ou
Administração, como ocorre nas hipóteses de
de ofício, no âmbito do mesmo quadro, com ou sem
exoneração, demissão e falecimento, ou pode
mudança de sede. São modalidades de remoção:
simplesmente alterar esse vínculo ou fazer surgir um
novo, de diversa natureza ou sob novo fundamento, I - de ofício, no interesse da Administração;
como ocorre nas hipóteses de promoção,
readaptação, aposentadoria, posse em outro cargo II - a pedido, a critério da Administração; e
inacumulável. III - a pedido, para outra localidade,
As hipóteses de vacância enumeradas na Lei nº independentemente do interesse da Administração:
8.112/90 encontram-se nos incisos do art. 33 e são as a) para acompanhar cônjuge ou companheiro,
seguintes: exoneração, demissão, promoção, também servidor público civil ou militar, de qualquer
readaptação, aposentadoria, posse em outro cargo dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
inacumulável, falecimento. Federal e dos Municípios, que foi deslocado no
Como podemos observar, há hipóteses de vacância interesse da Administração;
que implicam, simultaneamente, o provimento de novo b) por motivo de saúde do servidor, cônjuge,
cargo pelo servidor e há hipóteses que não se companheiro ou dependente que viva às suas
relacionam a provimento d outro cargo. expensas e conste do seu assentamento funcional,
Ocorre simultaneamente vacância e provimento nos condicionada à comprovação por junta médica oficial;
casos de promoção, readaptação e posse em outro c) em virtude de processo seletivo promovido, na
cargo inacumulável. Nas demais hipóteses ocorre hipótese em que o número de interessados for
apenas vacância cabe, ainda, observarmos que, se a superior ao número de vagas, de acordo com normas
exoneração for de servidor estável, em razão de

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 38
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
preestabelecidas pelo órgão ou entidade em que b) a parcela de remuneração diária, proporcional aos
aqueles estejam lotados. atrasos, ausências justificadas, ressalvadas as
concessões de que trata o art. 97, e saídas
 Redistribuição
antecipadas, salvo na hipótese de compensação de
Redistribuição é definida no art. 37 da Lei nº 8.112/90 horário, até o mês subseqüente ao da ocorrência, a
como “o deslocamento de cargo de provimento efetivo, ser estabelecida pela chefia imediata.
ocupado ou vago no âmbito do quadro geral de
As faltas justificadas decorrentes de caso fortuito ou
pessoal, para outro órgão ou entidade do mesmo
de força maior poderão ser compensadas a critério da
Poder”. Como vemos, redistribuição também não é
chefia imediata, sendo assim consideradas como
forma de provimento. Ocorre deslocamento do cargo,
efetivo exercício.
esteja ou não ocupado, para outro órgão ou entidade,
e não preenchimento de um cargo preexistente nesse As reposições e indenizações ao erário serão
órgão ou entidade. Deve-se observar, também, que, previamente comunicadas ao servidor ativo,
no caso de redistribuição de cargo ocupado, não é aposentado ou ao pensionista, para pagamento, no
necessário que o servidor ocupante seja estável. prazo máximo de trinta dias, podendo ser parceladas,
a pedido do interessado. O valor de cada parcela não
A redistribuição deve ser previamente apreciada pelo
poderá ser inferior ao correspondente a dez por cento
órgão central do Sistema de Pessoal Civil (SIPEC) e
da remuneração, provento ou pensão. Quando o
possui os seguintes pressupostos:
pagamento indevido houver ocorrido no mês anterior
I – interesse da administração; ao do processamento da folha, a reposição será feita
imediatamente, em uma única parcela.
II – equivalência de vencimentos;
O servidor em débito com o erário, que for demitido,
III – manutenção da essência das atribuições do exonerado ou que tiver sua aposentadoria ou
cargo; disponibilidade cassada, terá o prazo de sessenta dias
IV – vinculação entre os graus de responsabilidade e para quitar o débito. A não quitação do débito no prazo
complexidade das atividades; previsto implicará sua inscrição em dívida ativa.
V – mesmo nível de escolaridade, especialidade ou O vencimento, a remuneração e o provento não serão
habilitação profissional; objeto de arresto, seqüestro ou penhora, exceto nos
casos de prestação de alimentos resultante de decisão
VI – compatibilidade entre as atribuições do cargo e as judicial.
finalidades institucionais do órgão ou entidade.
 Vantagens
É importante notar que a redistribuição somente existe
ex officio. A Lei nº 8.112/90 denomina vantagens, de forma
genérica, qualquer valor recebido pelo servidor que
 Direitos e Vantagens dos Servidores Públicos não se enquadre na definição de vencimento. As
Civis Federais denominadas vantagens podem ou não integrar o
 Vencimento e remuneração conceito de remuneração. Assim, integram a
remuneração as vantagens pecuniárias permanentes
A percepção de remuneração como contraprestação estabelecidas em lei.
dos serviços prestados à Administração é um direito
dos servidores públicos. A Lei nº 8.112/90, em seu art. Conforme o art. 49 da Lei 8.112/90, as vantagens
4º, proíbe a prestação de serviços gratuitos à dividem-se em:
Administração, salvo na hipótese de expressa 1) indenizações;
previsão legal.
2) gratificações; e
O art. 40 da Lei nº 8.112/90 define vencimento como a
retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público, 3) adicionais.
com valor fixado em lei. O vencimento do cargo As indenizações, em nenhuma hipótese, integram o
efetivo, acrescido das vantagens de caráter conceito de remuneração. Já os adicionais e as
permanente, é irredutível. gratificações podem, ou não, fazer parte da
Por sua vez, o art. 41 conceitua remuneração como a remuneração. São remuneração as vantagens que
soma do vencimento com as vantagens pecuniárias forem permanentes.
permanentes estabelecidas em lei. A remuneração do As indenizações não se incorporam ao vencimento ou
servidor não poderá ser inferior ao salário mínimo. provento para qualquer efeito. As gratificações e os
Vale salientar que a lei confere grande proteção à adicionais podem incorporar-se ao vencimento ou
remuneração e aos proventos, em razão do caráter provento, nos casos e condições indicados em lei.
alimentício que possuem. Por esse motivo, veda a  Indenizações
incidência de quaisquer descontos sobre a
remuneração, a menos que estejam previstos em lei As indenizações estão enumeradas no art. 51 da Lei
ou decorram de mandado judicial (art. 45). nº 8.112/90. As indenizações não fazem parte da
remuneração, conforme definida nessa lei. As
O servidor perderá: indenizações geralmente possuem caráter eventual e
a) a remuneração do dia em que faltar ao serviço, sem são devidas ao servidor em situações nas quais ele
motivo justificado; necessitou efetuar alguma despesa para

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 39
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
desempenhar suas atribuições. As indenizações, por Conceder-se-á auxílio-moradia ao servidor se
iss, visam a recompor o patrimônio do servidor que atendidos os seguintes requisitos: não exista imóvel
sofreu uma redução em decorrência do regular funcional disponível para uso pelo servidor; o cônjuge
exercício de suas funções. ou companheiro do servidor não ocupe imóvel
funcional; o servidor ou seu cônjuge ou companheiro
A Lei nº 8.112/90 arrola três espécies de indenizações: não seja ou tenha sido proprietário, promitente
a) Ajuda de custo (arts. 53 a 57) comprador, cessionário ou promitente cessionário de
imóvel no Município aonde for exercer o cargo,
A ajuda de custo destina-se a compensar as despesas incluída a hipótese de lote edificado sem averbação de
de instalação do servidor que, no interesse do construção, nos doze meses que antecederem a sua
serviço, passar a ter exercício em nova sede, com nomeação; nenhuma outra pessoa que resida com o
mudança de domicílio em caráter permanente. Além servidor receba auxílio-moradia; o servidor tenha se
do valor pago a título de ajuda de custo decorrente da mudado do local de residência para ocupar cargo em
mudança do servidor para um novo domicílio, a comissão ou função de confiança do Grupo-Direção e
Administração assume as despesas de transporte do Assessoramento Superiores - DAS, níveis 4, 5 e 6, de
servidor e de sua família, compreendendo passagem, Natureza Especial, de Ministro de Estado ou
bagagens e bens pessoais. equivalentes; o Município no qual assuma o cargo em
O valor pago a título de ajuda de custo é calculado comissão ou função de confiança não se enquadre
sobre a remuneração do servidor não podendo nas hipóteses do art. 58, § 3o, em relação ao local de
exceder a importância correspondente a 3 meses de residência ou domicílio do servidor; o servidor não
remuneração. O servidor ficará obrigado a restituir a tenha sido domiciliado ou tenha residido no Município,
ajuda de custo quando, injustificadamente, não se nos últimos doze meses, aonde for exercer o cargo em
apresentar na nova sede no prazo de 30 dias. comissão ou função de confiança, desconsiderando-se
prazo inferior a sessenta dias dentro desse período; e
b) Diárias (arts. 58 a 59) o deslocamento não tenha sido por força de alteração
O servidor que, a serviço, afastar-se da sede em de lotação ou nomeação para cargo efetivo.
caráter eventual ou transitório para outro ponto do O auxílio-moradia não será concedido por prazo
território nacional ou para o exterior, fará jus a superior a 08 (oito) anos dentro de cada período de 12
passagens e diárias destinadas a indenizar as (doze) anos, ainda que o servidor mude de cargo ou
parcelas de despesas extraordinárias com pousada, de Município de exercício do cargo.
alimentação e locomoção urbana.
O valor do auxílio-moradia é limitado a vinte e cinco
É importante notar que as diárias somente são por cento do valor do cargo em comissão ocupado
devidas ao servidor quando o deslocamento é de pelo servidor e, em qualquer hipótese, não poderá ser
caráter eventual. O § 2º do art. 58 deixa claro que nos superior ao auxílio-moradia recebido por Ministro de
casos em que o deslocamento da sede constituir Estado.
exigência permanente do cargo, o servidor não fará
jus a diárias. No caso de falecimento, exoneração, colocação de
imóvel funcional à disposição do servidor ou aquisição
O servidor que receber diárias e não se afastar da de imóvel, o auxílio-moradia continuará sendo pago
sede, por qualquer motivo, fica obrigado a restituí-las por um mês.
integralmente, no prazo de 5 dias. Se o afastamento
do servidor durar menos tempo do que o originalmente  Gratificações e Adicionais
previsto, ele deverá restituir as diárias recebidas em As gratificações e adicionais a que fazem jus os
excesso, no prazo de 5 dias. servidores públicos civis federais estão enumerados
c) Indenização de transporte (art. 60) no art. 61 da Lei nº 8.112/90. a lista não é taxativa
(numerus clausus), isto é, existem outras gratificações
A indenização de transporte é devida ao servidor que e adicionais, previstos em lei, além dos arrolados no
realiza serviços externos utilizando meio de transporte referido dispositivo. São as seguintes as gratificações
próprio. As despesas que o servidor efetua para e adicionais disciplinadas na Lei nº 8.112/90:
deslocar-se no exercício de suas atribuições são a ele
ressarcidas por meio dessa indenização, que a) retribuição pelo exercício de função de direção,
geralmente é paga por dia de deslocamento. Dá chefia e assessoramento
ensejo a essa indenização, por exemplo, a realização A lei determina que o servidor ocupante de cargo
de visita a estabelecimentos comerciais realizada por efetivo investido em função de direção, chefia ou
fiscais de tributos em que eles utilizem seus próprios assessoramento, cargo de provimento em comissão
veículos para transportar-se. ou de natureza especial receba uma retribuição pelo
d) Auxílio-moradia (art. 60-A a 60-E) seu exercício. Portanto, o servidor ocupante de cargo
efetivo, nomeado para cargo em comissão, ficará
O auxílio-moradia consiste no ressarcimento das afastado de seu cargo efetivo, mas receberá, além da
despesas comprovadamente realizadas pelo servidor remuneração deste, uma retribuição pelo desempenho
com aluguel de moradia ou com meio de hospedagem do cargo comissionado. A remuneração dos cargos
administrado por empresa hoteleira, no prazo de um em comissão deve ser estabelecida em lei específica.
mês após a comprovação da despesa pelo servidor.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 40
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
b) gratificação natalina a remuneração já aumentada em 50%
correspondentes ao adicional por serviço
A gratificação natalina equivale ao décimo terceiro
extraordinário.
salário dos trabalhadores regidos pela CLT. A
gratificação natalina corresponde a 1/12 (um doze f) adicional de férias
avos) da remuneração a que o servidor fizer jus no
mês de dezembro, por mês de exercício no respectivo O adicional de férias está disciplinado no art. 76 da Lei
nº 8.112/90. Sua base é constitucional, estando
ano, sendo fração igual ou superior a 15 (quinze) dias
previsto no art. 7º, XVII, da Carta Política. O adicional
considerada como mês integral para efeito de cálculo
(art. 63). corresponde a 1/3 (um terço) da remuneração do
período das férias. No caso de o servidor exercer
c) adicional pelo exercício de atividades função de direção, chefia ou assessoramento, ou
insalubres, perigosas ou penosas; ocupar cargo em comissão, a respectiva vantagem
será considerada no cálculo do adicional.
O adicional de insalubridade é devido ao servidor
que, em razão de suas funções, está em constante g) gratificação por encargo de curso ou concurso.
contato com substâncias ou elementos que podem,
Essa gratificação está prevista no art. 76-A da Lei nº
em longo prazo, provocar deterioração de sua saúde,
8.112/90. É devida ao servidor que, em caráter
como, por exemplo, o servidor que trabalha com raios
eventual:
X.
O adicional de periculosidade é pago ao servidor que I – atuar como instrutor em curso de formação, de
desenvolvimento ou de treinamento regularmente
coloca em risco sua integridade física em razão do
instituído no âmbito da administração pública federal;
exercício de suas funções, como, por exemplo, o
ou
trabalhador que trabalha em redes de alta tensão.
II – participar de banca examinadora ou de comissão
Os adicionais de insalubridade e de periculosidade
de análise de currículos, fiscalizar ou avaliar provas de
não podem ser recebidos cumulativamente. O § 1º do
exame vestibular ou de concurso público, ou
art. 68 da Lei nº 8.112/90 determina que o servidor
supervisionar essas atividades.
que fizer jus a ambos os adicionais deverá optar por
um deles. A gratificação será paga se as atividades referidas
O adicional de penosidade está relacionado à forem exercidas sem prejuízo das atribuições do cargo
de que o servidor for titular, devendo ser objeto de
localidade em que o servidor é lotado. O art. 71 da lei
compensação de carga horária quando
determina o pagamento desse adicional aos
desempenhadas durante a jornada de trabalho.
servidores em exercício em zonas de fronteira ou em
localidades cujas condições de vida (penosas) o  Férias
justifiquem.
O gozo de férias remuneradas é um direito previsto no
d) adicional pela prestação de serviço art. 7º, inciso XVII, da Constituição de 1988. a Lei nº
extraordinário; 8.112/90 trata das férias dos servidores públicos civis
em seus arts. 77 a 80.
O serviço extraordinário é aquele exercido além da
jornada normal de trabalho (hora extra). A lei nº O servidor faz jus a trinta dias de férias anuais. As
8.112/90 determina que o serviço extraordinário seja férias poderão ser parceladas em até três etapas,
remunerado com acréscimo de 50% em relação à hora desde que assim requeridas pelo servidor. O
normal de trabalho (art. 73). Para evitar que o parcelamento, entretanto, é ato discricionário da
exercício de serviço extraordinário acabe constituindo Administração, que deferirá o requerimento do
uma forma de o servidor aumentar sua remuneração, servidor conforme sua avaliação de oportunidade e de
a lei estabelece que ele somente será admitido para conveniência para o serviço. Em caso de
atender a situações excepcionais e temporárias. Além parcelamento, o servidor receberá o valor do adicional
disso, o limite máximo de horas extras permitidos é de de férias por ocasião da fruição do primeiro período.
2 horas por jornada (art. 74).
As férias podem ser acumuladas, até o máximo de
e) adicional noturno (art. 75); dois períodos, no caso de necessidade do serviço,
como se vê, a regra é a fruição das férias no próprio
O adicional noturno é devido pela prestação de serviço
no horário compreendido entre 22 horas de um dia e 5 exercício a que se refiram. Somente por necessidade
do serviço poderão ser acumuladas, até o máximo de
horas da manhã do dia seguinte. O servidor que
dois períodos. Acumulando o servidor mais de dois
presta serviço noturno recebe, a título de adicional
noturno, 25% de acréscimo sobre o valor da hora paga períodos de férias, perderá o direito àqueles
excedentes.
pelo mesmo serviço exercido em horário diurno. Além
disso, considera-se uma hora de serviço noturno o Para o primeiro período aquisitivo de férias serão 12
período de cinqüenta e dois minutos e trinta segundos. meses de exercício (art. 77, § 1º), vedando a lei que
se leve à conta de férias qualquer falta ao serviço (art.
O adicional de serviço noturno é calculado
cumulativamente com o adicional de serviço 77, § 2º). A partir do segundo período, as férias
passam a ser concedidas por exercício (não se
extraordinário. Assim, se o serviço noturno for
exigindo mais o cumprimento de período de 12 meses
extraordinário (estiver além da jornada diária normal
para a sua fruição).
do servidor), o acréscimo de 25% será calculado sobre

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 41
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
O pagamento da remuneração das férias será deslocado para outro ponto do território nacional, para
efetuado até 02 dias antes do início do respectivo o exterior ou para o exercício de mandato eletivo dos
período (art. 78). Poderes Executivo e Legislativo.
Caso o servidor seja exonerado do cargo efetivo, ou A licença será por prazo indeterminado e sem
em comissão, fará jus à percepção de indenização remuneração e o período de fruição não é computado
relativa ao período das férias a que tiver direito (férias como tempo de serviço para qualquer efeito.
vencidas) e ao incompleto (férias proporcionais), na
c) Licença para o Serviço Militar
proporção de um doze avos por mês de efetivo
exercício, ou fração superior a quatorze dias. Essa Ao servidor convocado para o serviço militar será
indenização será calculada com base na remuneração concedida licença, na forma e condições previstas na
do mês em que for publicado o ato exoneratório. legislação específica. Concluído o serviço militar, o
servidor terá até 30 dias, sem remuneração, para
As férias somente poderão ser interrompidas por
reassumir o exercício do cargo. O período de licença é
motivo de calamidade pública, comoção interna,
convocação para júri, serviço militar ou eleitoral, ou considerado como de efetivo exercício (art. 102, VIII,
“f”).
por necessidade do serviço declarada pela autoridade
máxima do órgão ou entidade (art. 80). d) Licença para Atividade Política
 Licenças A licença para atividade política é concedida ao
a) Licença por Motivo de Doença em Pessoa da servidor nas seguintes condições:
Família 1) sem remuneração, durante o período que mediar
entre a sua escolha em convenção partidária, como
O art. 83 da Lei nº 8.112/90 prevê a concessão de
candidato a cargo eletivo, e a véspera do registro de
licença ao servidor por motivo de doença, mediante
sua candidatura perante a Justiça Eleitoral. Esse
comprovação por junta médica oficial, que acometa
período não é computado como tempo de serviço.
seu(s): cônjuge ou companheiro, pais, filhos, padrasto
ou madrasta e enteado, bem como dependente que 2) com a remuneração do cargo efetivo, a partir do
viva às expensas do servidor e conste do seu registro da candidatura e até o décimo dia seguinte ao
assentamento funcional, mediante comprovação por da eleição. A remuneração somente será paga pelo
perícia médica oficial. período de 03 (três) meses. Esse período de licença
será computado como tempo de serviço apenas para
A licença somente será concedida se o servidor
efeito de aposentadoria e disponibilidade (art. 103, III).
comprovar ser indispensável sua assistência direta e
essa não puder ser prestada simultaneamente com o e) Licença para Capacitação
exercício do cargo ou mediante compensação de
horário. É vedado ao servidor o exercício de atividade Após cada cinco anos de efetivo exercício, não
remunerada durante o período da licença. cumuláveis, o servidor poderá, no interesse da
Administração, afastar-se do exercício do cargo
A licença por motivo de doença em pessoa da família, eletivo, com a respectiva remuneração, por até três
incluídas as prorrogações, poderá ser concedida a meses, para participar de curso de capacitação
cada período de doze meses nas seguintes condições: profissional.
a) por até 60 (sessenta) dias, consecutivos ou não, A concessão dessa licença é ato discricionário da
mantida a remuneração do servidor; e Administração. Como os períodos não são
acumuláveis, não é possível, por exemplo, o servidor,
b) por até 90 (noventa) dias, consecutivos ou não, sem
remuneração. após dez anos de exercício, realizar um curso de seis
meses.
O início do interstício de doze meses será contado a
Pode-se afirmar que essa licença veio, de certa forma,
partir da data do deferimento da primeira licença
concedida. substituir a licença-prêmio por assiduidade, não mais
existente para os servidores regidos pela Lei nº
A soma das licenças remuneradas e das licenças não 8.112/90.
remuneradas, incluídas as respectivas prorrogações,
O período de licença para capacitação é considerado
concedidas em um mesmo período de doze meses
como de efetivo exercício para efeito de contagem do
não poderá ultrapassar os limites estabelecidos na lei,
ou seja, 60 dias (com remuneração) e 90 dias (sem tempo de serviço, nos termos do art. 102, VIII, “e”, da
Lei nº 8.112/90.
remuneração).
f) Licença para tratar de Interesses Particulares
O período de licença remunerada que exceder a 30
(trinta) dias em período de doze meses é contado Ao servidor ocupante de cargo efetivo, que não esteja
como tempo de serviço apenas para efeito de em estágio probatório, poderá ser concedida licença
aposentadoria e disponibilidade (art. 103, II). O não remunerada para tratar de assuntos particulares.
período de licença não remunerada não é contado A licença poderá durar até três anos e pode ser
como tempo de serviço. interrompida a qualquer tempo, a pedido do servidor
b) Licença por Motivo de Afastamento do Cônjuge ou no interesse do serviço.
A concessão dessa licença é ato inteiramente
Poderá ser concedida licença ao servidor para
discricionário, podendo, mesmo após concedida, ser
acompanhar cônjuge ou companheiro que foi

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 42
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
interrompida no interesse da Administração. O período 4) economia e conservação do patrimônio;
de licença, evidentemente, não é computado como
5) assiduidade e pontualidade;
tempo de serviço para qualquer efeito.
g) Licença para Tratamento de Saúde 6) conduta condizente com a moralidade
administrativa;
Essa licença será concedida ao servidor, a pedido ou
de ofício, com base em perícia médica, sem prejuízo 7) atender com presteza e cordialidade o público em
geral etc.
da remuneração a que tiver direito.
 Proibições
Findo o prazo da licença, o servidor será submetido a
nova inspeção médica, que concluirá pela volta ao As proibições estão enumeradas no art. 117 da Lei nº
serviço, pela prorrogação da licença ou pela 8.112/90. Diferentemente dos deveres, que possuem
aposentadoria. um caráter de generalidade, as proibições são
determinações específicas que, uma vez infringidas,
O prazo máximo contínuo de licença para tratamento
acarretam para o servidor penalidades determinadas.
de saúde é de 24 (vinte e quatro) meses. Ao fim de 24
meses, se o servidor não estiver em condições de A lei estabelece para cada infração a uma de suas
proibições uma certa penalidade, estabelecendo,
reassumir o cargo ou de ser readaptado, será
implicitamente, uma hierarquia entre as infrações pela
aposentado por invalidez permanente.
inobservância das proibições, que poderiam ser
h) Licença para o Desempenho de Mandato classificadas em infrações graves, médias ou leves.
Classista
As proibições enumeradas no art. 117 da Lei nº
É assegurado ao servidor o direito à licença sem 8.112/90 são as seguintes:
remuneração para o desempenho de mandato em
1) Proibições cuja infração acarreta a penalidade de
confederação, federação, associação de classe de
advertência (salvo se o servidor for reincidente,
âmbito nacional, sindicato representativo da categoria
hipótese em que poderá ser suspenso):
ou entidade fiscalizadora da profissão ou, ainda, para
participar de gerência ou administração em sociedade a) ausentar-se do serviço durante o expediente, sem
cooperativa constituída por servidores públicos para prévia autorização do chefe imediato;
prestar serviços a seus membros, conforme disposto
em regulamento e observados os seguintes limites: b) retirar, sem prévia anuência da autoridade
competente, qualquer documento ou objeto da
I - para entidades com até 5.000 associados, um repartição;
servidor;
c) recusar fé a documentos públicos;
II - para entidades com 5.001 a 30.000 associados,
dois servidores; d) opor resistência injustificada ao andamento de
documento e processo ou execução de serviço;
III - para entidades com mais de 30.000 associados,
três servidores. e) promover manifestação de apreço ou desapreço no
recinto da repartição;
Somente poderão ser licenciados servidores eleitos
para cargos de direção ou representação nas referidas f) cometer a pessoa estranha à repartição, fora dos
entidades, desde que cadastradas no Ministério da casos previstos e lei, o desempenho de atribuição que
Administração Federal e Reforma do Estado. seja de sua responsabilidade ou de seu subordinado;

A licença terá duração igual à do mandato, podendo g) coagir ou aliciar subordinados no sentido de
ser prorrogada, no caso de reeleição, e por uma única filiarem-se a associação profissional ou sindical, ou a
vez. partido político;

 Regime Disciplinar h) manter sob sua chefia imediata, em cargo ou


função de confiança, cônjuge, companheiro ou parente
O regime disciplinar a que estão submetidos os até o segundo grau civil;
servidores públicos civis federais está tratado nos arts.
116 a 142 da Lei nº 8.112/90. Esses artigos versam i) recusar-se a atualizar seus dados cadastrais quando
sobre os deveres, as proibições, as penalidades e as solicitado.
responsabilidades dos servidores referentes ao 2) Proibições cuja infração acarreta a penalidade de
exercício de seus cargos. suspensão (além da hipótese de reincidência nas
 Deveres infrações do grupo anterior):

Os deveres dos servidores públicos civis federais a) cometer a outro servidor atribuições estranhas ao
encontram-se enumerados no art. 116 da Lei nº cargo que ocupa, exceto em situações de emergência
8.112/90. Pode-se observar que os deveres ali e transitórias;
enumerados são deveres genéricos dos servidores, b) exercer quaisquer atividades que sejam
sendo alguns deles: incompatíveis com o exercício do cargo ou função e
1) exercer o cargo com zelo e dedicação; com o horário de trabalho.

2) lealdade às instituições; 3) Proibições cuja infração acarreta a penalidade de


demissão:
3) respeito às normas;
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 43
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
a) participar de gerência ou administração de penalidade de demissão. O prazo máximo de
sociedade privada, personificada ou não suspensão é de 90 dias (art. 130). O servidor não
personificada, salvo a participação nos conselhos de recebe remuneração durante o período de suspensão,
administração e fiscal de empresas ou entidades em e o tempo de suspensão não é computado como
que a União detenha, direta ou indiretamente, tempo de serviço para qualquer efeito. A penalidade
participação no capital social ou em sociedade de suspensão terá seu registro cancelado após o
cooperativa constituída por servidores públicos para decurso de 05 (cinco) anos de efetivo exercício, se o
prestar serviços a seus membros, e exercer o servidor não houver, nesse período, praticado nova
comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou infração disciplinar.
comanditário;
Relativamente à demissão, a Lei nº 8.112/90 optou
b) receber propina, comissão, presente ou vantagem por estabelecer uma lista das infrações que acarretam
de qualquer espécie, em razão de suas atribuições; a aplicação dessa penalidade. As infrações estão
elencadas no artigo 132 da referida lei, sendo elas:
c) praticar usura (cobrar juros exorbitantes ou
agiotagem); a) crime contra a administração pública, ficando o
servidor impedido de retornar ao serviço público
d) proceder de forma desidiosa (preguiçosa ou
federal;
desleixada);
b) abandono de cargo, definido como a ausência
e) utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição
intencional do servidor ao serviço por mais de 30 dias
em serviços ou atividades particulares. consecutivos;
4) Proibições cuja infração acarreta a penalidade de
c) inassiduidade habitual, definida como a falta ao
demissão e incompatibiliza o ex-servidor para nova
serviço, sem causa justificada, por 60 dias,
investidura em cargo público federal, pelo prazo de 05
interpoladamente, durante o período de 12 meses;
(cinco) anos:
d) improbidade administrativa, ficando o servidor
a) valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de
impedido de retornar ao serviço público federal;
outrem, em detrimento da dignidade da função
pública; e) incontinência pública (falta de cumprimento de
deveres) e conduta escandalosa, na repartição;
b) atuar, como procurador ou intermediário, junto a
repartições públicas, salvo quando se tratar de f) insubordinação grave em serviço;
benefícios previdenciários ou assistenciais de
g) ofensa física, em serviço, a servidor ou a particular,
parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou
salvo em legítima defesa própria ou de outrem;
companheiro.
h) revelação de segredo do qual se apropriou em
 Penalidades
razão do cargo;
As penalidades disciplinares aplicáveis no âmbito
i) corrupção, ficando o servidor impedido de retornar
federal aos servidores civis estão enumeradas no art.
ao serviço público federal;
127 da Lei nº 8.112/90, sendo elas: advertência,
suspensão, demissão, cassação de aposentadoria j) acumulação ilegal de cargos, empregos ou funções
ou disponibilidade, destituição de cargo em públicas, se comprovada má-fé do servidor, etc.
comissão e destituição de função comissionada.
A cassação de aposentadoria ou disponibilidade será
Para a aplicação de uma penalidade deve sempre ser aplicada ao inativo que houver praticado, na atividade,
assegurado ao servidor o direito constitucional ao falta punível com a demissão (art. 134).
contraditório e à ampla defesa prévia, previsto no art.
5º, LV, da Constituição vigente, que expressamente A destituição de cargo em comissão exercido por não
menciona os acusados em processos administrativos. ocupante de cargo efetivo será aplicada nos casos de
infração sujeita às penalidades de suspensão e de
A aplicação de sanções disciplinares é, demissão (art. 135).
tradicionalmente, apontada pela doutrina como
hipótese de exercício do poder discricionário. Deve-se  Responsabilidades
atentar que, embora exista alguma discricionariedade As infrações cometidas pelo servidor público
na graduação das sanções, a margem de liberdade da acarretam, para ele, conforme o caso,
Administração é bastante reduzida, especialmente no responsabilização nas esferas administrativa
que concerne à aplicação da penalidade mais grave, (penalidades disciplinares), civil (reparação de danos
que é a demissão. patrimoniais) e criminal (sanções penais).
A penalidade de advertência é aplicada por escrito, O art. 125 da Lei nº 8.112/90 estabelece a regra geral,
nos casos de violação das proibições acima descritas segundo a qual as sanções civis, penais e
e de inobservância de dever funcional previsto em lei, administrativas poderão cumular-se, sendo
regulamento ou norma interna, que não justifique independentes entre si.
imposição de penalidade mais grave (art. 129).
Entretanto, quando a esfera penal está envolvida,
A suspensão é aplicada em caso de reincidência das pode ocorrer interferência do trânsito em julgado da
faltas punidas com advertência e de violação das sentença penal nas outras esferas, dependendo do
demais proibições que não tipifiquem infração sujeita a conteúdo ou dos fundamentos da sentença.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 44
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Assim, a condenação criminal do servidor, uma vez § 1o A Comissão terá como secretário servidor
transitada em julgado, implica interferência nas designado pelo seu presidente, podendo a indicação
esferas administrativa e civil, acarretando o recair em um de seus membros.
reconhecimento automático da responsabilidade
do servidor nessas duas esferas. § 2o Não poderá participar de comissão de
sindicância ou de inquérito, cônjuge, companheiro ou
A absolvição pela negativa de autoria ou parente do acusado, consangüíneo ou afim, em linha
inexistência de fato também interfere nas esferas reta ou colateral, até o terceiro grau.
administrativa e civil (art. 126). Isso porque, se a
jurisdição criminal, em que a apreciação das provas é Art. 150. A Comissão exercerá suas atividades
com independência e imparcialidade, assegurado o
muito mais ampla, categoricamente afirma que não foi
o agente autor do fato a ele imputado ou que sequer sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo
interesse da administração.
ocorreu o fato aventado, não há como sustentar o
contrário nas outras esferas. Parágrafo único. As reuniões e as audiências
Já a absolvição penal por mera insuficiência de provas das comissões terão caráter reservado.
ou por ausência de culpabilidade penal, ou, ainda, por Art. 151. O processo disciplinar se desenvolve
qualquer outro motivo, não interfere nas demais nas seguintes fases:
esferas.
I - instauração, com a publicação do ato que
 Apuração da Responsabilidade Administrativa constituir a comissão;
Para apuração da responsabilidade administrativa e II - inquérito administrativo, que compreende
aplicação da penalidade, faz-se necessária à abertura instrução, defesa e relatório;
de um processo administrativo disciplinar (PAD), com
garantia de ampla defesa. Pode ocorrer por meio da III - julgamento.
sindicância ou do processo administrativo, conforme Art. 152. O prazo para a conclusão do processo
regulamentação constante dos arts. 143 a 182 da Lei disciplinar não excederá 60 (sessenta) dias, contados
nº 8.112. da data de publicação do ato que constituir a
1 – Sindicância comissão, admitida a sua prorrogação por igual prazo,
quando as circunstâncias o exigirem.
É um meio mais célere de apurar irregularidades
praticadas pelos servidores, devendo ser concluída no § 1o Sempre que necessário, a comissão
prazo de 30 dias, podendo ser prorrogada por igual dedicará tempo integral aos seus trabalhos, ficando
período. Para a aplicação de advertência ou seus membros dispensados do ponto, até a entrega
suspensão por até 30 dias, basta a sindicância para do relatório final.
apurar a infração imputada ao servidor. Da conclusão § 2o As reuniões da comissão serão registradas
da sindicância pode resultar: em atas que deverão detalhar as deliberações
a) arquivamento do processo; adotadas.

b) aplicação direta das penalidades de advertência ou Seção I


de suspensão por até trinta dias; ou Do Inquérito
c) instauração de PAD, se for verificado tratar-se de Art. 153. O inquérito administrativo obedecerá ao
caso que enseje aplicação de penalidade mais grave. princípio do contraditório, assegurada ao acusado
Nessa hipótese, os autos da sindicância integrarão o ampla defesa, com a utilização dos meios e recursos
processo disciplinar, como peça informativa da admitidos em direito.
instrução.
Art. 154. Os autos da sindicância integrarão o
processo disciplinar, como peça informativa da
2 – Processo Administrativo Disciplinar - PAD instrução.

Art. 148. O processo disciplinar é o Parágrafo único. Na hipótese de o relatório da


instrumento destinado a apurar responsabilidade de sindicância concluir que a infração está capitulada
servidor por infração praticada no exercício de suas como ilícito penal, a autoridade competente
atribuições, ou que tenha relação com as atribuições encaminhará cópia dos autos ao Ministério Público,
do cargo em que se encontre investido. independentemente da imediata instauração do
processo disciplinar.
Art. 149. O processo disciplinar será conduzido
por comissão composta de três servidores estáveis Art. 155. Na fase do inquérito, a comissão
designados pela autoridade competente, observado o promoverá a tomada de depoimentos, acareações,
disposto no § 3o do art. 143, que indicará, dentre eles, investigações e diligências cabíveis, objetivando a
o seu presidente, que deverá ser ocupante de cargo coleta de prova, recorrendo, quando necessário, a
efetivo superior ou de mesmo nível, ou ter nível de técnicos e peritos, de modo a permitir a completa
escolaridade igual ou superior ao do indiciado. elucidação dos fatos.
(Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 156. É assegurado ao servidor o direito de
acompanhar o processo pessoalmente ou por
intermédio de procurador, arrolar e reinquirir

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 45
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
testemunhas, produzir provas e contraprovas e § 2o Havendo dois ou mais indiciados, o prazo
formular quesitos, quando se tratar de prova pericial. será comum e de 20 (vinte) dias.
§ 1o O presidente da comissão poderá denegar § 3o O prazo de defesa poderá ser prorrogado
pedidos considerados impertinentes, meramente pelo dobro, para diligências reputadas indispensáveis.
protelatórios, ou de nenhum interesse para o
esclarecimento dos fatos. § 4o No caso de recusa do indiciado em apor o
ciente na cópia da citação, o prazo para defesa contar-
§ 2o Será indeferido o pedido de prova pericial, se-á da data declarada, em termo próprio, pelo
quando a comprovação do fato independer de membro da comissão que fez a citação, com a
conhecimento especial de perito. assinatura de (2) duas testemunhas.
Art. 157. As testemunhas serão intimadas a Art. 162. O indiciado que mudar de residência
depor mediante mandado expedido pelo presidente da fica obrigado a comunicar à comissão o lugar onde
comissão, devendo a segunda via, com o ciente do poderá ser encontrado.
interessado, ser anexado aos autos.
Art. 163. Achando-se o indiciado em lugar incerto
Parágrafo único. Se a testemunha for servidor e não sabido, será citado por edital, publicado no
público, a expedição do mandado será imediatamente Diário Oficial da União e em jornal de grande
comunicada ao chefe da repartição onde serve, com a circulação na localidade do último domicílio conhecido,
indicação do dia e hora marcados para inquirição. para apresentar defesa.
Art. 158. O depoimento será prestado oralmente Parágrafo único. Na hipótese deste artigo, o
e reduzido a termo, não sendo lícito à testemunha prazo para defesa será de 15 (quinze) dias a partir da
trazê-lo por escrito. última publicação do edital.
§ 1o As testemunhas serão inquiridas Art. 164. Considerar-se-á revel o indiciado que,
separadamente. regularmente citado, não apresentar defesa no prazo
legal.
§ 2o Na hipótese de depoimentos contraditórios
ou que se infirmem, proceder-se-á à acareação entre § 1o A revelia será declarada, por termo, nos
os depoentes. autos do processo e devolverá o prazo para a defesa.
Art. 159. Concluída a inquirição das § 2o Para defender o indiciado revel, a
testemunhas, a comissão promoverá o interrogatório autoridade instauradora do processo designará um
do acusado, observados os procedimentos previstos servidor como defensor dativo, que deverá ser
nos arts. 157 e 158. ocupante de cargo efetivo superior ou de mesmo nível,
ou ter nível de escolaridade igual ou superior ao do
§ 1o No caso de mais de um acusado, cada um
indiciado. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de
deles será ouvido separadamente, e sempre que 10.12.97)
divergirem em suas declarações sobre fatos ou
circunstâncias, será promovida a acareação entre Art. 165. Apreciada a defesa, a comissão
eles. elaborará relatório minucioso, onde resumirá as peças
principais dos autos e mencionará as provas em que
§ 2o O procurador do acusado poderá assistir ao
se baseou para formar a sua convicção.
interrogatório, bem como à inquirição das
testemunhas, sendo-lhe vedado interferir nas § 1o O relatório será sempre conclusivo quanto à
perguntas e respostas, facultando-se-lhe, porém, inocência ou à responsabilidade do servidor.
reinquiri-las, por intermédio do presidente da
comissão. § 2o Reconhecida a responsabilidade do
servidor, a comissão indicará o dispositivo legal ou
Art. 160. Quando houver dúvida sobre a regulamentar transgredido, bem como as
sanidade mental do acusado, a comissão proporá à circunstâncias agravantes ou atenuantes.
autoridade competente que ele seja submetido a
Art. 166. O processo disciplinar, com o relatório
exame por junta médica oficial, da qual participe pelo
da comissão, será remetido à autoridade que
menos um médico psiquiatra.
determinou a sua instauração, para julgamento.
Parágrafo único. O incidente de sanidade mental
Seção II
será processado em auto apartado e apenso ao
processo principal, após a expedição do laudo pericial. Do Julgamento
Art. 161. Tipificada a infração disciplinar, será Art. 167. No prazo de 20 (vinte) dias, contados do
formulada a indiciação do servidor, com a recebimento do processo, a autoridade julgadora
especificação dos fatos a ele imputados e das proferirá a sua decisão.
respectivas provas.
§ 1o Se a penalidade a ser aplicada exceder a
§ 1o O indiciado será citado por mandado alçada da autoridade instauradora do processo, este
expedido pelo presidente da comissão para apresentar será encaminhado à autoridade competente, que
defesa escrita, no prazo de 10 (dez) dias, decidirá em igual prazo.
assegurando-se-lhe vista do processo na repartição.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 46
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
§ 2o Havendo mais de um indiciado e diversidade 3) Revisão do PAD
de sanções, o julgamento caberá à autoridade
Art. 174. O processo disciplinar poderá ser
competente para a imposição da pena mais grave.
revisto, a qualquer tempo, a pedido ou de ofício,
§ 3o Se a penalidade prevista for a demissão ou quando se aduzirem fatos novos ou circunstâncias
cassação de aposentadoria ou disponibilidade, o suscetíveis de justificar a inocência do punido ou a
julgamento caberá às autoridades de que trata o inciso inadequação da penalidade aplicada.
I do art. 141.
§ 1o Em caso de falecimento, ausência ou
§ 4o Reconhecida pela comissão a inocência do desaparecimento do servidor, qualquer pessoa da
servidor, a autoridade instauradora do processo família poderá requerer a revisão do processo.
determinará o seu arquivamento, salvo se
flagrantemente contrária à prova dos autos. (Incluído § 2o No caso de incapacidade mental do
servidor, a revisão será requerida pelo respectivo
pela Lei nº 9.527, de 10.12.97)
curador.
Art. 168. O julgamento acatará o relatório da
comissão, salvo quando contrário às provas dos autos. Art. 175. No processo revisional, o ônus da prova
cabe ao requerente.
Parágrafo único. Quando o relatório da comissão
Art. 176. A simples alegação de injustiça da
contrariar as provas dos autos, a autoridade julgadora
penalidade não constitui fundamento para a revisão,
poderá, motivadamente, agravar a penalidade
que requer elementos novos, ainda não apreciados no
proposta, abrandá-la ou isentar o servidor de
processo originário.
responsabilidade.
Art. 177. O requerimento de revisão do processo
Art. 169. Verificada a ocorrência de vício
será dirigido ao Ministro de Estado ou autoridade
insanável, a autoridade que determinou a instauração
equivalente, que, se autorizar a revisão, encaminhará
do processo ou outra de hierarquia superior declarará
o pedido ao dirigente do órgão ou entidade onde se
a sua nulidade, total ou parcial, e ordenará, no mesmo
originou o processo disciplinar.
ato, a constituição de outra comissão para instauração
de novo processo.(Redação dada pela Lei nº 9.527, de Parágrafo único. Deferida a petição, a autoridade
10.12.97) competente providenciará a constituição de comissão,
§ 1o O julgamento fora do prazo legal não implica na forma do art. 149.
nulidade do processo. Art. 178. A revisão correrá em apenso ao
o processo originário.
§ 2 A autoridade julgadora que der causa à
prescrição de que trata o art. 142, § 2o, será Parágrafo único. Na petição inicial, o requerente
responsabilizada na forma do Capítulo IV do Título IV. pedirá dia e hora para a produção de provas e
Art. 170. Extinta a punibilidade pela prescrição, a inquirição das testemunhas que arrolar.
autoridade julgadora determinará o registro do fato nos Art. 179. A comissão revisora terá 60 (sessenta)
assentamentos individuais do servidor. dias para a conclusão dos trabalhos.
Art. 171. Quando a infração estiver capitulada Art. 180. Aplicam-se aos trabalhos da comissão
como crime, o processo disciplinar será remetido ao revisora, no que couber, as normas e procedimentos
Ministério Público para instauração da ação penal, próprios da comissão do processo disciplinar.
ficando trasladado na repartição.
Art. 181. O julgamento caberá à autoridade que
Art. 172. O servidor que responder a processo aplicou a penalidade, nos termos do art. 141.
disciplinar só poderá ser exonerado a pedido, ou
aposentado voluntariamente, após a conclusão do Parágrafo único. O prazo para julgamento será
processo e o cumprimento da penalidade, acaso de 20 (vinte) dias, contados do recebimento do
aplicada. processo, no curso do qual a autoridade julgadora
poderá determinar diligências.
Parágrafo único. Ocorrida a exoneração de que
trata o parágrafo único, inciso I do art. 34, o ato será Art. 182. Julgada procedente a revisão, será
convertido em demissão, se for o caso. declarada sem efeito a penalidade aplicada,
restabelecendo-se todos os direitos do servidor,
Art. 173. Serão assegurados transporte e diárias: exceto em relação à destituição do cargo em
I - ao servidor convocado para prestar comissão, que será convertida em exoneração.
depoimento fora da sede de sua repartição, na Parágrafo único. Da revisão do processo não
condição de testemunha, denunciado ou indiciado; poderá resultar agravamento de penalidade.
II - aos membros da comissão e ao secretário,
quando obrigados a se deslocarem da sede dos
trabalhos para a realização de missão essencial ao
esclarecimento dos fatos.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 47
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
EXERCÍCIOS – SERVIDORES PÚBLICOS E A LEI Nº condições e percentuais mínimos previstos em lei,
8.112/90 destinando-se apenas às atribuições de direção,
chefia e assessoramento.
01. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 –
FCC) Em sua redação original, previa o artigo 39, (C) constitucional, uma vez que, de acordo com a
caput, da Constituição da República: Constituição Federal, os cargos em comissão somente
podem ser preenchidos por servidores de carreira e
“A União, os Estados, o Distrito Federal e os devem destinar-se apenas às atribuições de direção,
Municípios instituirão, no âmbito de sua competência, chefia e assessoramento.
regime jurídico único e planos de carreira para os
servidores da administração pública direta, das (D) constitucional, uma vez que a Constituição Federal
autarquias e das fundações públicas.” estabelece os mesmos requisitos para o
preenchimento dos cargos em comissão e para o
A Emenda Constitucional no 19, de 4 de junho de exercício das funções de confiança.
1998, alterou a redação do referido dispositivo, que
assim passou a dispor: (E) inconstitucional, uma vez que a Constituição
Federal veda a criação de cargos em comissão,
“A União, os Estados, o Distrito Federal e os permitindo apenas as funções de confiança exercidas
Municípios instituirão conselho de política de por servidores ocupantes de cargos efetivos.
administração e remuneração de pessoal, integrado
por servidores designados pelos respectivos Poderes.”
Em virtude de medida cautelar concedida em sede de 03. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 –
Ação Direta de Inconstitucionalidade, conforme FCC) Considere as seguintes afirmações em relação
decisão publicada em março de 2008, o Supremo ao regime jurídico dos servidores públicos, à luz da
Tribunal Federal (STF) suspendeu a eficácia do artigo Constituição da República e da jurisprudência do
39, caput, da Constituição, com a redação da Emenda Supremo Tribunal Federal sobre a matéria:
Constitucional no 19, produzindo a decisão, no caso I. Dentro do prazo de validade de concurso público, a
em tela, os efeitos regulares previstos em lei. Administração poderá escolher o momento no qual se
Diante disso, é correto afirmar que referida decisão do realizará a nomeação, mas não poderá dispor sobre a
STF é dotada de eficácia própria nomeação, estando obrigada a nomear os
aprovados dentro do número de vagas previsto no
(A) contra todos, foi concedida com efeito ex nunc e edital, ressalvadas situações excepcionalíssimas que
tornou insubsistentes os atos praticados com base na justifiquem soluções diferenciadas, devidamente
legislação aprovada sob a vigência da emenda motivadas de acordo com o interesse público.
declarada suspensa.
II. Salvo nos casos previstos na Constituição, o salário
(B) inter partes, foi concedida com efeito ex nunc e mínimo não pode ser usado como indexador de base
tornou aplicável a legislação existente anteriormente à de cálculo de vantagem de servidor público, nem ser
emenda constitucional declarada suspensa. substituído por decisão judicial.
(C) contra todos, foi concedida com efeito ex tunc e III. Até que sobrevenha lei específica para
tornou insubsistentes os atos praticados com base na regulamentar o exercício do direito de greve pelos
legislação aprovada sob a vigência da emenda servidores públicos civis, aplica-se-lhes, no que
declarada suspensa. couber, a lei que disciplina o exercício do direito de
(D) inter partes, foi concedida com efeito ex tunc e greve dos trabalhadores em geral.
tornou aplicável a legislação existente anteriormente à Está correto o que se afirma em
emenda constitucional declarada suspensa.
(A) I e II, apenas.
(E) contra todos, foi concedida com efeito ex nunc e
tornou aplicável a legislação existente anteriormente à (B) I e III, apenas.
emenda constitucional declarada suspensa. (C) II e III, apenas.
(D) I, II e III.
02. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT 1ª R – 2013 – (E) I, apenas.
FCC) Suponha que lei federal tenha criado diversos
cargos em comissão, para o exercício de atribuições
de chefe de unidade e de assessor, a serem 04. (TÉCNICO – BACEN – 2013 – CESPE) Julgue os
preenchidos necessariamente por servidores de seguintes itens, acerca do servidor público.
carreira. Essa lei é
1. ( ) A investidura em cargo público ocorre no ato
(A) inconstitucional, uma vez que, de acordo com a da posse do indivíduo.
Constituição Federal, cargos em comissão apenas
podem ser preenchidos por servidores que não sejam 2. ( ) Se uma pessoa que foi nomeada para
de carreira. determinado cargo tomar posse desse cargo, mas não
entrar em exercício dentro do prazo legal, ela deverá
(B) constitucional, uma vez que, de acordo com a ser exonerada de ofício.
Constituição Federal, os cargos em comissão deverão
ser preenchidos por servidores de carreira nos casos,

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 48
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
3. ( ) Caso a aposentadoria de um servidor em dois cargos ou empregos privativos de profissionais de
débito com o erário seja cassada, referido débito será saúde, com profissões regulamentadas, quando
automaticamente extinto. houver compatibilidade de horários.
4. ( ) Um servidor poderá ser punido nas esferas ( ) Com a demissão do servidor estável invalidada
administrativa, civil e criminal, de forma cumulativa. por sentença judicial, será ele reintegrado, e o
eventual ocupante da vaga, se estável, reconduzido
5. ( ) Servidor é toda pessoa legalmente investida
ao cargo de origem, sem direito a indenização,
em cargo público.
aproveitado em outro cargo ou posto em
disponibilidade com remuneração proporcional ao
tempo de serviço.
05. (AGENTE – POLÍCIA FEDERAL – 2014 –
CESPE) No que se refere a organização As afirmativas são, respectivamente,
administrativa e a agentes públicos, julgue os itens a
(A) V, F e F.
seguir.
(B) V, V e F.
1. ( ) Conforme entendimento do Supremo
Tribunal Federal, se determinado concurso público (C) V, F e V.
destinar-se ao provimento de duas vagas, não será
(D) F, F e V.
possível que uma dessas vagas seja destinada
exclusivamente a pessoa portadora de necessidades (E) F, V e F.
especiais.
2. ( ) O cargo de dirigente de empresa pública e
de sociedade de economia mista é regido pela 08. (PROCURADOR – ASSEMBLEIA
Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). LEGISLATIVA/MT – 2013 – FGV) Com relação à
disciplina constitucional acerca dos servidores
públicos, analise as afirmativas a seguir.
06. (ANALISTA – TCE/DF – 2013 – CESPE) Suponha I. O detentor de mandato eletivo e o membro de Poder
que um servidor público fiscal de obras do DF, no serão remunerados exclusivamente por subsídio,
intuito de prejudicar o governo, tenha determinado o fixado em parcela única, vedada a percepção de
embargo de uma obra de canalização de águas gratificação, adicional, abono, ou outra espécie
pluviais, sem que houvesse nenhuma irregularidade. remuneratória.
Em razão da paralisação, houve atraso na conclusão
da obra, o que causou muitos prejuízos à população. II. A investidura em cargo ou emprego público exige
Com base nessa situação hipotética, julgue os itens prévia aprovação em concurso público, mas a
que se seguem. exigência não alcança as empresas estatais não
dependentes.
1. ( ) A ausência de advogado para auxiliar o
servidor em sua defesa não é causa de nulidade do III. O servidor vitalício somente perderá o cargo por
processo administrativo disciplinar. sentença judicial transitada em julgado.

2. ( ) O ato de embargo da obra atenta contra os Assinale:


princípios da legalidade, da impessoalidade e da (A) se somente a afirmativa I estiver correta.
moralidade.
(B) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
3. ( ) A autoridade competente do órgão de
fiscalização tem a prerrogativa discricionária de (C) se somente a afirmativa III estiver correta.
instaurar processo administrativo para apurar a (D) se somente as afirmativas I e III estiverem
infração cometida pelo servidor. corretas.
4. ( ) Uma vez instaurado o processo (E) se todas as afirmativas estiverem corretas.
administrativo disciplinar para apuração da infração, o
servidor poderá ser afastado de suas funções, por até
sessenta dias, sem direito à remuneração do cargo. 09. (PROCURADOR – ASSEMBLEIA
LEGISLATIVA/MT – 2013 – FGV) Com relação à
disciplina constitucional acerca dos servidores
07. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – públicos, analise as afirmativas a seguir.
TCE/BA – 2013 – FGV) A respeito dos servidores
públicos, assinale V para a afirmativa verdade e F I. O detentor de mandato eletivo e o membro de Poder
para a falsa. serão remunerados exclusivamente por subsídio,
fixado em parcela única, vedada a percepção de
( ) O servidor público eleito para o cargo de gratificação, adicional, abono, ou outra espécie
deputado federal, deputado estadual e vereador remuneratória.
deverá ficar afastado de seu cargo, emprego ou
função. II. A investidura em cargo ou emprego público exige
prévia aprovação em concurso público, mas a
( ) A Constituição da República veda ao servidor a exigência não alcança as empresas estatais não
acumulação remunerada de cargos públicos, dependentes.
excetuando apenas a possibilidade de acumulação de
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 49
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
III. O servidor vitalício somente perderá o cargo por C) posto em disponibilidade remunerada, com
sentença judicial transitada em julgado. indenização a critério da administração.
Assinale: D) removido ao cargo de origem ou para outro cargo,
vedada qualquer indenização.
(A) se somente a afirmativa I estiver correta.
E) redistribuído a outro cargo de provimento efetivo de
(B) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. maior remuneração.
(C) se somente a afirmativa III estiver correta.
(D) se somente as afirmativas I e III estiverem 13. (ANAL. JUD. – ADMINISTRATIVA – TRT 11ª R –
corretas. 2012 – FCC) Nos termos da Lei nº 8.112/1990, no que
(E) se todas as afirmativas estiverem corretas. diz respeito ao auxílio-moradia, é correto afirmar:
A) O valor do auxílio-moradia poderá superar 25%
(vinte e cinco por cento) da remuneração de Ministro
10. (ESCRIVÃO DE POLÍCIA – PC/BA – 2013 – de Estado.
CESPE) No que se refere ao que dispõe a Lei n.º
8.112/1990 e aos princípios que regem a B) Será possível a concessão da vantagem, ainda que
administração pública, julgue os itens subsecutivos. a pessoa que resida com o servidor também receba
auxílio-moradia.
1. ( ) As empresas públicas são submetidas ao
regime jurídico instituído pela Lei n.º 8.112/1990. C) No caso de falecimento, exoneração, colocação de
imóvel funcional à disposição do servidor ou aquisição
2. ( ) É vedado à candidata gestante inscrita em de imóvel, o auxílio-moradia continuará sendo pago
concurso público o requerimento de nova data para a por um mês.
realização de teste de aptidão física, pois, conforme o
princípio da igualdade e da isonomia, não se pode D) Conceder-se-á a vantagem ao servidor desde que,
dispensar tratamento diferenciado a candidato em dentre outros requisitos legais, o deslocamento tenha
razão de alterações fisiológicas temporárias. sido por força de alteração de lotação ou nomeação
para cargo efetivo.
3. ( ) Na composição de comissão de processo
disciplinar, é possível a designação de servidores E) Será possível a concessão da vantagem, ainda que
lotados em unidade da Federação diversa daquela em o cônjuge ou companheiro do servidor ocupe imóvel
que atua o servidor investigado. funcional.

11. (ANALISTA ADMINISTRATIVO – ANAC – 2012 – 14. (ANAL. JUD. – JUDICIÁRIA – TRT 6ª R – 2012 –
CESPE) Considerando os fundamentos da gestão de FCC) João, servidor público da Administração direta
pessoas no setor público, julgue os itens que se federal, teve indeferido por seu superior hierárquico
seguem, com base no que dispõe a Lei n.º pedido de licença para tratamento de saúde. Diante do
8.112/1990. que considerou um ato arbitrário e entendendo
estarem presentes os pressupostos legais para a
1. ( ) Recondução consiste no retorno do servidor concessão da licença, com base na Lei nº 8.112/90,
estável ao cargo anteriormente ocupado.
(A) deverá impugnar o ato judicialmente, observado o
2. ( ) A redistribuição de um servidor público do prazo prescricional de 120 dias, eis que descabe
poder executivo para o poder judiciário ocorrerá recurso administrativo para a situação em questão.
sempre que houver interesse da administração
pública. (B) poderá interpor recurso diretamente perante a
autoridade superior àquela que praticou o ato, no
3. ( ) Reintegração consiste na reinvestidura do prazo de 30 dias, a contar da publicação ou ciência da
servidor estável no cargo anteriormente ocupado ou decisão, descabendo pedido de reconsideração.
no cargo resultante de sua transformação.
(C) poderá solicitar a reconsideração do ato pela
4. ( ) A investidura do servidor em cargo de autoridade que o praticou, no prazo de 30 dias, a
atribuições e responsabilidades compatíveis é contar da publicação ou ciência da decisão.
denominada reversão.
(D) poderá apresentar pedido de reconsideração
perante a autoridade que praticou o ato, no prazo de
12. (TÉC. JUD. – ADMINISTRATIVA – TRE/SP – 15 dias, a contar da publicação ou ciência da decisão,
2012 – FCC) Cecília, servidora pública federal, foi apenas se apresentar novas razões de fato ou de
reintegrada no cargo anteriormente ocupado. Porém, direito para sustentar o pleito.
referido cargo estava provido por Francisco. Nesse (E) poderá impugnar o ato administrativa ou
caso, Francisco será, dentre outras alternativas, judicialmente, neste último caso apenas na hipótese
A) reconduzido ao cargo de origem, sem direito à de esgotar as instâncias administrativas e observado o
indenização. prazo prescricional de 5 anos.
B) revertido ao cargo de origem, com direito à
indenização.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 50
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
15. (TEC. JUD. – ADMINISTRATIVA – TJ/AL – 2012 empresas públicas e sociedades de economia
– CESPE/UNB) Considere que a determinado servidor mista, nos termos do art. 173, § 1º, III”.
público estatutário tenha sido concedida licença sem
Afora esse dispositivo, a CF/88 aborda o tema nos
remuneração e por prazo indeterminado. Nesse caso,
artigos 37, inciso XXI; 71, incisos II e VI; e no art. 173,
conclui-se ao servidor foi concedida licença
§ 1º.
A) para atividade política.
 Disciplina Legal
B) para serviço militar.
A disciplina legal reguladora das licitações públicas é a
C) por motivo de afastamento do cônjuge. Lei Federal nº 8.666, de 21/06/1993 – Lei de
Licitações e Contratos Administrativos – já tendo
D) por motivo de doença em pessoa da família.
sofrida algumas alterações advindas das Leis nº
E) de capacitação profissional. 8.883/94, nº 9.648/98, nº 9.854/99, nº Lei nº
11.079/2004 e nº 11.107/2005.
Merece destacar que o art. 22, XXVII da CF/88
disciplina que é de competência privativa da União
GABARITO legislar sobre normas gerais de licitações e contratos,
e aos Estados, Distrito Federal e Municípios é lícito
01 02 - 03 - D 04 - 05 06 - 07 08 - legislar sobre normas específicas.
- B CECC - CCEE - D Além do estatuto geral das licitações – Lei nº 8.666/93
E CE D – foi editada em 2002 a Lei nº 10.520, de 17/07/2002,
que trata da nova modalidade de licitação denominada
09 10 - 11 - 12 - A 13 14 - C 15 ----- pregão.
- EEC CECE -C -
A C  Objeto
O objeto imediato do procedimento licitatório é a
seleção da proposta que melhor atenda aos interesses
da Administração Pública. Já o objeto mediato
consiste na obtenção de determinada obra, serviço,
7 – LICITAÇÃO compra, alienação, locação ou prestação de serviço
público, a serem produzidos por particular através da
 Conceito contratação formal.
O eminente Professor José dos Santos Carvalho Filho Assim, a contratação é o objetivo normalmente
conceitua a licitação como sendo “o procedimento perseguido pela Administração. O certame licitatório
administrativo vinculado por meio do qual os entes busca também selecionar a melhor proposta de
da Administração Pública e aqueles por ela trabalhos científicos, técnicos ou artísticos.
controlados selecionam a melhor proposta entre
as oferecidas pelos vários interessados, com dois  Princípios
objetivos – a celebração de contrato, ou a O art. 3º da Lei nº 8.666/93 disciplina que as licitações
obtenção do melhor trabalho técnico, artístico ou destinam-se a garantir a observância do princípio
científico”. constitucional da isonomia, selecionar a proposta
 Natureza jurídica mais vantajosa para a Administração e a promoção
do desenvolvimento nacional sustentável. Esse
A natureza jurídica da licitação é a de procedimento artigo enumera os princípios básicos que regem o
administrativo com fim seletivo. Registre-se que o procedimento licitatório, sendo eles: legalidade,
procedimento constitui um “conjunto ordenado de impessoalidade, moralidade, igualdade,
documentos e atuações que servem de antecedente e publicidade, probidade administrativa, vinculação
fundamento a uma decisão administrativa, assim como ao instrumento convocatório e julgamento
às providências para executá-la”. objetivo.
É preciso que a Administração divulgue o que Entre os princípios elencados, são específicos às
pretende selecionar e contratar; que os interessados licitações, e não à generalidade de atuação
apresentem documentos e propostas; que se obedeça administrativa, os princípios da vinculação ao
a um processo formal de escolha etc. instrumento convocatório e o do julgamento
 Disciplina Constitucional objetivo. A doutrina enumera, ainda, como princípios
implícitos específicos o da competitividade, o do
A Constituição vigente refere-se expressamente à procedimento formal, o do sigilo das propostas e o
licitação, estabelecendo, no art. 22, inciso XXVII, ser da adjudicação compulsória.
de competência privativa da União Federal legislar
1 – Princípio da legalidade
sobre “normas gerais de licitação e contratação,
em todas as modalidades, para as administrações O princípio da legalidade é basilar de toda atividade
públicas diretas, autárquicas e fundacionais da administrativa, logo, o administrador não pode fazer
União, Estados, Distrito Federal e Municípios, prevalecer sua vontade pessoal, pois sua atuação tem
obedecido o disposto no art. 37, XXI, e para as que seguir estritamente ao que impõe a lei.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 51
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Na órbita das licitações, o princípio da legalidade 3º - produzidos ou prestados por empresas que
impõe que o administrador observe as regras que a lei invistam em pesquisa e no desenvolvimento de
traçou para o procedimento. Trata-se da aplicação do tecnologia no País.
devido processo legal, segundo o qual se exige que
5 – Princípio da publicidade
a Administração escolha a modalidade certa; que seja
bem clara quanto aos critérios seletivos; que só deixe Este princípio visa a garantir a qualquer interessado as
de realizar a licitação nos casos permitidos na lei; que faculdades de participação e de fiscalização dos atos
verifique, com cuidado, os requisitos de habilitação da licitação.
dos candidatos, e, finalmente, que se disponha a
alcançar os objetivos colimados, seguindo os passos A publicidade desempenha duas funções. Na primeira,
dos ditames legais. objetiva permitir o amplo acesso dos interessados ao
certame. Refere-se, nesse aspecto, à universalidade
2 – Princípio da impessoalidade da participação no processo licitatório. Na segunda
função, a publicidade orienta-se a facultar a
A impessoalidade provém da igualdade ou isonomia,
da vinculação à lei e ao ato convocatório e da verificação da regularidade dos atos praticados.
moralidade. Indica vedação a distinções fundadas em A ausência de publicidade somente é admitida quando
caracteres pessoais dos interessados. Exclui o outros interesses públicos possam ser concretamente
subjetivismo do agente administrativo. ofendidos.
Assim, por este princípio, todos os licitantes devem ser 6 – Princípio da vinculação ao instrumento
tratados igualmente, em termos de direitos e convocatório
obrigações, devendo a Administração, em suas
decisões, pautar-se em critérios objetivos, sem levar A vinculação ao instrumento convocatório é garantia
em consideração as condições pessoais do licitante ou do administrador e dos administrados. Significa que as
as vantagens por ele oferecidas. regras traçadas para o procedimento devem ser
fielmente observadas por todos. Se a regra fixada não
3 – Princípio da moralidade e da probidade é respeitada, o procedimento se torna inválido e
suscetível de correção na via administrativa ou judicial.
É obrigatório o respeito à probidade administrativa e à
moralidade, pois o direito reprova condutas Se o instrumento de convocação, normalmente o
incompatíveis com valores jurídicos. Em hipótese edital, tiver falha, pode ser corrigido, desde que ainda
alguma a conduta adotada pela Administração ou pelo oportunamente, mas os licitantes deverão ter
particular poderá ofender os valores fundamentais conhecimento da alteração e a possibilidade de se
consagrados pelo sistema jurídico. amoldarem a ela.
Na licitação, a conduta moralmente reprovável O Professor Hely Lopes Meirelles ensina que o edital é
acarreta a nulidade do ato ou do procedimento. A “a lei interna da licitação” e, como tal, vincula aos
conduta do administrador público deve atentar para o seus termos tanto os licitantes como a
disposto na regra legal e nas condições do ato Administração que o expediu.
convocatório.
7 – Princípio do julgamento objetivo
4 – Princípio da igualdade
Este princípio está consagrado, de modo expresso, no
Por tal princípio, veda-se o estabelecimento de artigo 45 da Lei nº 8.666/93, nos seguintes termos: “O
condições que impliquem preferência em favor de julgamento das propostas será objetivo, devendo a
determinados licitantes em detrimento dos demais. Comissão de licitação ou responsável pelo convite
realizá-lo em conformidade com os tipos de
O § 1º do art. 3º da Lei nº 8.666/93 veda
licitação, os critérios previamente estabelecidos
expressamente aos agentes públicos qualquer ato
no ato convocatório e de acordo com os fatores
capaz de ferir a igualdade e a competitividade entre os
exclusivamente nele referidos, de maneira a
participantes da licitação. O mesmo dispositivo legal
possibilitar sua aferição pelos licitantes e pelo
também proíbe que se estabeleça tratamento
órgão de controle”.
diferenciado de natureza comercial, legal,
previdenciária ou qualquer outra entre empresas A noção de critério objetivo de julgamento vincula-se
brasileiras e estrangeiras. ao conceito de tipo de licitação. Os tipos de licitação,
Contudo, a própria Lei, no § 2º do mesmo art. 3º, aplicáveis a todas as modalidades de licitação, exceto
as modalidades do concurso e do pregão, estão
estabelece distinção entre os participantes, em
previstos no § 1º do art. 45 da Lei. São tipos de
hipótese de empate. Se as condições oferecidas pelos
licitação: a de menor preço; a de melhor técnica; a
proponentes forem iguais, como critério de desempate
de técnica e preço; e a de maior lance ou oferta.
será dada preferência, sucessivamente, aos bens e
serviços: 8 – Princípio da competitividade
1º - produzidos no País; É correlato ao princípio da igualdade. Significa que a
Administração não pode adotar medidas ou criar
2º - produzidos ou prestados por empresas brasileiras;
e regras que comprometam, restrinjam ou frustrem o
caráter competitivo da licitação, isto é, deve o
procedimento possibilitar a disputa e o confronto entre

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 52
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
os licitantes, para que a seleção se faça da melhor Em contrapartida, a não convocação para a
forma possível. contratação, pela Administração, decorridos 60
(sessenta) dias da data da entrega das propostas,
9 – Princípio do formalismo procedimental
libera os licitantes dos compromissos assumidos.
O procedimento administrativo da licitação é sempre
 Obrigatoriedade de licitação
um procedimento formal, especialmente em razão de
preceder contratações que implicarão dispêndio de A CF/88 exige licitação para os contratos de obras,
recursos públicos. serviços, compras e alienações (art. 37, XXI), bem
como para a concessão e a permissão de serviços
Tal princípio passa a noção de que as regras do públicos (art. 175).
procedimento adotadas para a licitação devem seguir
parâmetros estabelecidos na lei, não sendo lícito aos A Lei nº 8.666/93 exige licitação para as obras,
administradores subvertê-los a seu juízo. serviços, inclusive de publicidade, compras,
alienações, concessões, permissões e locações (art.
10 – Princípio do sigilo das propostas
2º).
Este princípio decorre da própria lógica do Estão obrigados à licitação todos os órgãos da
procedimento e encontra-se enunciado, embora
Administração Pública direta, os fundos especiais, as
indiretamente, no § 3º do art. 3º, que, ao propugnar a
autarquias, as fundações públicas, as empresas
publicidade das licitações, declara “públicos e
públicas, as sociedades de economia mista e demais
acessíveis ao público os atos de seu procedimento,
entidades controladas direta ou indiretamente pela
salvo quanto ao conteúdo das propostas, até a
União, Estados, Distrito Federal e Municípios (art. 1º,
respectiva abertura”.
parágrafo único).
É em razão disso que as propostas devem vir lacradas
 Dispensa de licitação
e só devem ser abertas em sessão pública
previamente marcada. A violação do sigilo das O princípio da obrigatoriedade da licitação impõe que
propostas constitui crime e confere ao infrator a pena todos os destinatários previstos na Lei nº 8.666/93 e
de detenção, de 2 a 3 anos, e multa. na própria CF/88 façam realizar o procedimento antes
de contratarem obras e serviços. Todavia, a lei não
11 – Princípio da adjudicação compulsória
poderia deixar de ressalvar algumas hipóteses que,
O princípio da adjudicação compulsória ao vencedor pela sua peculiaridade, não se compatibilizam com o
impede que a Administração, concluído o rito e a demora do processo licitatório.
procedimento licitatório, atribua seu objeto a outrem
A dispensa de licitação, devidamente prevista no art.
que não o legítimo vencedor. Esse princípio também
24 da Lei nº 8.666/93, caracteriza-se pelo fato de que,
veda que se abra nova licitação enquanto válida a
a priori, poderia o procedimento ser realizado, mas
adjudicação anterior. que, pela particularidade do caso, decidiu o legislador
Não se deve confundir adjudicação com a não torná-lo obrigatório. Diversamente acontece na
celebração do contrato. A adjudicação apenas inexigibilidade, pois nessa hipótese sequer é viável a
garante ao vencedor que, quando a Administração for realização da licitação.
celebrar o contrato relativo ao objeto da licitação, ela o
A dispensa de licitação trata-se de situação
fará com o vencedor. Todavia, o contrato pode não ser
excepcional prevista na Lei, uma vez que as
celebrado, por motivos como anulação do hipóteses previstas no art. 24 traduzem situações que
procedimento, ou que tenha sua celebração adiada
fogem à regra geral. Outro aspecto relevante diz
por motivo que justifique tal procedimento (interesse respeito à taxatividade, o que significa dizer que as
público, por exemplo).
hipóteses elencadas no art. 24 não podem ser
A administração deverá convocar regularmente o ampliadas pelo administrador.
interessado para assinar o contrato dentro do prazo e  Licitação dispensável
condições estabelecidos. O prazo de convocação
poderá ser prorrogado uma vez, por igual período, Trata-se de hipótese em que a Lei autoriza a não
quando solicitado pela parte durante o seu transcurso realização do certame licitatório. Nesse caso a
e desde que ocorra motivo justificado aceito pela competição é possível, mas a lei autoriza a
Administração. Caso o adjudicatário deixe de firmar o Administração a, segundo critério de oportunidade e
contrato no prazo estabelecido, decairá de seu direito conveniência, dispensar sua realização.
à contratação e ficará caracterizado o descumprimento
Vejamos as hipóteses de licitação dispensável,
total da obrigação, assumida, sujeitando-se às
penalidades legalmente estabelecidas. enumeradas no art. 24 da Lei nº 8.666/93:
1) para obras e serviços de engenharia de valor até
Quando o convocado não assinar o termo de contrato
R$ 15.000,00 (quinze mil reais), desde que não se
no prazo e condições estabelecidos, a Administração
refiram a parcelas de uma mesma obra ou serviço ou
poderá convocar os licitantes remanescentes, na
ainda para obras e serviços de mesma natureza e no
ordem de classificação, para fazê-lo em igual prazo e
nas mesmas condições propostas pelo primeiro mesmo local que possam ser realizadas conjunta e
concomitantemente. Para obras e serviços
classificado, inclusive quanto aos preços atualizados
contratados por consórcios públicos, sociedade de
de conformidade com o ato convocatório. É facultado
economia mista e empresa pública, bem assim por
à Administração, alternativamente, revogar a licitação.
autarquia e fundação qualificadas como Agências

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 53
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Executivas, os limites são o dobro, ou seja, até R$ decreto do Presidente da República, ouvido o
30.000,00 (trinta mil reais); Conselho de Defesa Nacional;
2) para outros serviços e compras de valor até R$ 10) para a compra ou locação de imóvel destinado ao
8.000,00 (oito mil reais) e para alienações, nos casos atendimento das finalidades precípuas da
previstos na Lei, desde que não se refiram a parcelas administração, cujas necessidades de instalação e
de um mesmo serviço, compra ou alienação de maior localização condicionem a sua escolha, desde que o
vulto que possa ser realizada de uma só vez. Para preço seja compatível com o valor de mercado,
serviços e compras contratados por consórcios segundo avaliação prévia;
públicos, sociedade de economia mista e empresa
11) na contratação de remanescente de obra, serviço
pública, bem assim por autarquia e fundação
qualificadas como Agências Executivas, os limites são ou fornecimento, em conseqüência de rescisão
o dobro, ou seja, até R$ 16.000,00 (dezesseis mil contratual, desde que atendida a ordem de
classificação da licitação anterior e aceitas as mesmas
reais);
condições oferecidas pelo licitante vencedor, inclusive
3) nos casos de guerra ou grave perturbação da quanto ao preço, devidamente corrigido;
ordem;
12) nas compras de hortifrutigranjeiros, pão e outros
4) nos casos de emergência ou de calamidade gêneros perecíveis, no tempo necessário para a
pública, quando caracterizada urgência de realização dos processos licitatórios correspondentes,
atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo realizadas diretamente com base no preço do dia;
ou comprometer a segurança de pessoas, obras,
13) na contratação de instituição brasileira incumbida
serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou
regimental ou estatutariamente da pesquisa, do ensino
particulares, e somente para os bens necessários ao
ou do desenvolvimento institucional, ou de instituição
atendimento da situação emergencial ou calamitosa e
dedicada à recuperação social do preso, desde que a
para as parcelas de obras e serviços que possam ser
contratada detenha inquestionável reputação ético-
concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta)
profissional e não tenha fins lucrativos;
dias consecutivos e ininterruptos, contados da
ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a 14) para a aquisição de bens ou serviços nos termos
prorrogação dos respectivos contratos; de acordo internacional específico aprovado pelo
Congresso nacional, quando as condições ofertadas
5) quando não acudirem interessados à licitação
manifestamente vantajosas para o Poder Público;
anterior (a chamada “licitação deserda”) e esta,
justificadamente, não puder ser repetida sem prejuízos 15) para a aquisição ou restauração de obras de arte e
para a Administração, mantidas, neste caso, todas as objetos históricos, de autenticidade certificada, desde
condições preestabelecidas; que compatíveis ou inerentes às finalidades do órgão
ou entidade;
6) quando a União tiver que intervir no domínio
econômico para regular preços ou normalizar o 16) para a impressão dos diários oficiais, de
abastecimento; formulários padronizados de uso da administração, e
de edições técnicas oficiais, bem como para prestação
7) quando as propostas apresentadas consignarem
de serviços de informática a pessoa jurídica de direito
preços manifestamente superiores aos praticados no
público interno, por órgãos ou entidades que integrem
mercado nacional, ou forem incompatíveis com os
a Administração Pública, criados para esse fim
fixados pelos órgãos oficiais competentes, casos em
que será admitida a adjudicação direta dos bens ou específico;
serviços, por valor não superior ao constante do 17) para a aquisição de componentes ou peças de
registro de preços, ou de serviços, observada a regra origem nacional ou estrangeira, necessários à
do art. 48, a seguir comentada; manutenção de equipamentos durante o período de
garantia técnica, junto ao fornecedor original desses
Nessa hipótese, diante da inabilitação de todos os
equipamentos, quando tal condição de exclusividade
licitantes ou da desclassificação de todas as
propostas, a Administração poderá fixar aos licitantes for indispensável para a vigência da garantia;
o prazo de oito dias úteis para a apresentação de nova 18) nas compras ou contratações de serviços para o
documentação ou de outras propostas escoimadas abastecimento de navios, embarcações, unidades
das irregularidades apresentadas, facultada, no caso aéreas ou tropas e seus meios de deslocamento
de convite, a redução desse prazo para três dias úteis quando em estrada eventual de curta duração em
(art. 48, § 3º); portos, aeroportos ou localidades diferentes de suas
sedes, por motivo de movimentação operacional ou de
8) para a aquisição, por pessoa jurídica de direito
adestramento, quando a exigüidade dos prazos legais
público interno, de bens produzidos ou serviços
puder comprometer a normalidade e os propósitos das
prestados por órgãos ou entidade que integre a
operações e desde que seu valor não exceda R$
Administração Pública e que tenha sido criado para
esse fim específico em data anterior à vigência da Lei 80.000,00 (oitenta mil reais);
nº 8.666/1993, desde que o preço contratado seja 19) para as compras de material de uso pelas Forças
compatível com o praticado no mercado; Armadas, com exceção de materiais de uso pessoal e
9) quando houver possibilidade de comprometimento administrativo, quando houver necessidade de manter
a padronização requerida pela estrutura de apoio
da segurança nacional, nos casos estabelecidos em

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 54
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
logístico dos meios navais, aéreos e terrestres, 30) na contratação de instituição ou organização,
mediante parecer de comissão instituída por decreto; pública ou privada, com ou sem fins lucrativos, para a
prestação de serviços de assistência técnica e
20) na contratação de associação de portadores de
extensão rural no âmbito do Programa Nacional de
deficiência física, sem fins lucrativos e de comprovada
Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura
idoneidade, por órgãos ou entidades da Administração Familiar e na Reforma Agrária, instituído por lei
Pública, para a prestação de serviço ou fornecimento
federal; e
de mão-de-obra, desde que o preço contratado seja
compatível com o praticado no mercado; 31) Nas contratações visando ao cumprimento do
disposto nos arts. 3º, 4º, 5º e 20 da Lei nº 10.973, de 2
21) para a aquisição de bens destinados
de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à
exclusivamente a pesquisa científica e tecnológica inovação e à pesquisa científica e tecnológica no
com recursos concedidos pela CAPES, FINEP, CNPq
ambiente produtivo.
ou outras instituições de fomento a pesquisa
credenciadas pelo CNPq para esse fim específico; 32) na contratação em que houver transferência de
tecnologia de produtos estratégicos para o Sistema
22) na contratação de fornecimento ou suprimento de
Único de Saúde - SUS, no âmbito da Lei no 8.080, de
energia elétrica e gás natural com concessionário,
19 de setembro de 1990, conforme elencados em ato
permissionário ou autorizado, segundo as normas da
da direção nacional do SUS, inclusive por ocasião da
legislação específica;
aquisição destes produtos durante as etapas de
23) na contratação realizada por empresa pública ou absorção tecnológica.
sociedade de economia mista com suas subsidiárias e
33) na contratação de entidades privadas sem fins
controladas, para a aquisição ou alienação de bens,
lucrativos, para a implementação de cisternas ou
prestação ou obtenção de serviços, desde que o preço
outras tecnologias sociais de acesso à água para
contratado seja compatível com o praticado no
consumo humano e produção de alimentos, para
mercado;
beneficiar as famílias rurais de baixa renda atingidas
24) para a celebração de contratos de prestação de pela seca ou falta regular de água.
serviços com as organizações sociais, qualificadas no
 Licitação dispensada
âmbito das respectivas esferas de governo, para
atividades contempladas no contrato de gestão; Trata-se de hipótese em que a própria Lei de
Licitações, diretamente, dispensa a realização da
25) na contratação realizada por Instituição Científica
licitação.
e Tecnológica (ICT) ou por agência de fomento para a
transferência de tecnologia e para o licenciamento de Enquanto nas hipóteses de licitação dispensável o
direito de uso ou de exploração de criação protegida; procedimento licitatório poderá, ou não, ocorrer, a
critério do administrador, em razão do caso concreto,
26) na celebração de contrato de programa com ente
nas situações descritas como de licitação
da Federação ou com entidade de sua administração
dispensada não poderá o administrador realizar a
indireta, para a prestação de serviços públicos de
licitação, uma vez que a lei dispensou-a.
forma associada nos termos do autorizado em
contrato de consórcio público ou em convênio de As hipóteses de licitação dispensada encontram-se no
cooperação; art. 17 da Lei nº 8.666/93. Todas as situações de
licitação dispensada referem-se à alienação de bens
27) na contratação da coleta, processamento e
imóveis e móveis pela Administração.
comercialização de resíduos sólidos urbanos
recicláveis ou reutilizáveis, em áreas com sistema de A alienação de bens imóveis da Administração
coleta seletiva de lixo, efetuados por associações ou Pública é subordinada à existência de interesse
cooperativas formadas exclusivamente por pessoas público devidamente justificado pela autoridade
físicas de baixa renda reconhecidas pelo poder público administrativa. A alienação depende de autorização
como catadores de materiais recicláveis, com o uso de legislativa para órgãos da Administração direta e
equipamentos compatíveis com as normas técnicas, entidades autárquicas e fundacionais, e, para todos,
ambientais e de saúde pública; inclusive as empresas públicas e sociedades de
economia mista, depende de avaliação prévia e de
28) para o fornecimento de bens e serviços, licitação na modalidade de concorrência, exceto da
produzidos ou prestados no País, que envolvam,
hipótese do parágrafo seguinte.
cumulativamente, alta complexidade tecnológica e
defesa nacional, mediante parecer de comissão A alienação de bens imóveis da Administração
especialmente designada pela autoridade máxima do Pública, cuja aquisição haja derivado de procedimento
órgão; judicial ou de dação em pagamento, poderá ser feita
por ato da autoridade competente, após avaliação e
29) na aquisição de bens e contratação de serviços
comprovação da necessidade ou utilidade da
para atender aos contingentes militares das Forças
alienação. Nesta hipótese, os bens imóveis poderão
Singulares brasileiras empregadas em operações de ser alienados mediante licitação nas modalidades
paz no exterior, necessariamente justificadas quanto
concorrência ou leilão.
ao preço e à escolha do fornecedor ou executante e
ratificadas pelo Comandante da Força; Na concorrência para a venda de bens imóveis, a fase
de habilitação limitar-se-á à comprovação do

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 55
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
recolhimento de quantia correspondente a 5% da 5) venda de bens produzidos ou comercializados por
avaliação. órgãos ou entidades da Administração Pública, em
virtude de suas finalidades;
A licitação será dispensada nos seguintes casos de
alienação de bens imóveis: 6) venda de materiais e equipamentos para outros
órgãos ou entidades da Administração Pública, sem
1) dação em pagamento;
utilização previsível por quem deles dispõe.
2) doação, permitida exclusivamente para outro órgão
 Inexigibilidade
ou entidade da Administração Pública, de qualquer
esfera de governo. Cessadas as razões que A inexigibilidade de licitação se verifica sempre que
justificaram a doação do imóvel, ele reverterá ao houver impossibilidade jurídica de competição.
patrimônio da pessoa jurídica doadora, vedada a sua
Na dispensa, a licitação é materialmente possível,
alienação pelo beneficiário;
mas em regra inconveniente; na inexigibilidade, é
3) permuta, por ouro imóvel destinado ao atendimento inviável a competição.
das finalidades precípuas da Administração, cujas
necessidades de instalação e localização condicionem A inexigibilidade de licitação está disciplinada no art.
25 da Lei nº 8.666/93, que abaixo transcrevemos:
a sua escolha;
“Art. 25 – É inexigível a licitação quando houver
4) investidura;
inviabilidade de competição, em especial:
5) venda a outro órgão ou entidade da Administração
I – para aquisição de materiais, equipamentos, ou
Pública, de qualquer esfera de governo;
gêneros que só possam ser fornecidos por produtor,
6) alienação gratuita ou onerosa, aforamento, empresa ou representante comercial exclusivo,
concessão de direito real de uso, locação ou vedada a preferência de marca, devendo a
permissão de uso de bens imóveis residenciais comprovação de exclusividade ser feita através de
construídos, destinados ou efetivamente utilizados no atestado fornecido pelo órgão de registro do comércio
âmbito de programas habitacionais ou de do local em que se realizaria a licitação ou a obra ou o
regularização fundiária de interesse social serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação
desenvolvidos por órgãos ou entidades da Patronal, ou, ainda, pelas entidades equivalentes;
administração pública;
II – para a contratação de serviços técnicos
7) concessão de direito real de uso, quando o uso se enumerados no art. 13 desta Lei, de natureza singular,
destina a outro órgão ou entidade da Administração com profissionais ou empresas de notória
Pública; especialização, vedada a inexigibilidade para
serviços de publicidade e divulgação;
8) procedimentos de regularização fundiária de que
trata o art. 29 da Lei no 6.383, de 7 de dezembro de III – para contratação de profissional de qualquer setor
1976; artístico, diretamente ou através de empresário
exclusivo, desde que consagrado pela crítica
9) alienação e concessão de direito real de uso,
especializada ou pela opinião pública.
gratuita ou onerosa, de terras públicas rurais da União
na Amazônia Legal onde incidam ocupações até o § 1º - considera-se de notória especialização o
limite de quinze módulos fiscais ou mil e quinhentos profissional ou empresa cujo conceito no campo de
hectares, para fins de regularização fundiária, sua especialidade, decorrente de desempenho
atendidos os requisitos legais. anterior, estudos, experiências, publicações,
organização, aparelhamento, equipe técnica, ou de
A alienação de bens móveis da Administração outros requisitos relacionados com suas atividades,
Pública também é subordinada à existência de permita inferir que o seu trabalho é essencial e
interesse público devidamente justificado. Os bens indiscutivelmente o mais adequado à plena satisfação
móveis devem ser previamente avaliados e alienados do objeto do contrato.
após a realização de licitação.
§ 2º - na hipótese deste artigo e em qualquer dos
A licitação para a alienação de bens móveis é
casos de dispensa, se comprovado superfaturamento,
dispensada nas seguintes situações: respondem solidariamente pelo dano causado à
1) doação, permitida exclusivamente para fins e uso Fazenda Pública o fornecedor ou o prestador de
de interesse social, após avaliação de sua serviços e o agente público responsável, sem prejuízo
oportunidade e conveniência sócio-econômica, de outras sanções legais cabíveis.”
relativamente à escolha de outra forma de alienação;
Essencialmente, os casos exemplificados nos incisos
2) permuta, permitida exclusivamente entre órgãos ou do art. 25 acima descrito, dizem respeito a: a)
entidades da Administração Pública; fornecedor exclusivo, vedada a preferência de marca;
b) contratação de serviços técnicos profissionais
3) venda de ações, que poderão ser negociadas em especializados, de natureza singular, vedada a
bolsa, observada a legislação específica; inexigibilidade para serviços de publicidade; c)
4) venda de títulos, na forma da legislação pertinente; contratação de artistas consagrados pela crítica ou
pelo público.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 56
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
O art. 13 da Lei nº 8.666/93 elenca os serviços Duas são as características mais marcantes da
conceituados como técnicos especializados dentre os concorrência. A primeira delas é o formalismo mais
quais não se incluem os de publicidade. acentuado, razão por que é sempre exigível uma fase
inicial de habilitação preliminar, na qual são aferidas
Quanto à natureza singular, diz respeito ao serviço
as condições de cada participante.
que seja visivelmente diferenciado em relação aos
serviços da mesma natureza prestados por outros A segunda é a publicidade mais ampla, o que se
profissionais do ramo, e que seja prestado por traduz na necessidade de participação de todos
profissional ou empresa de notória especialização. quantos estiverem interessados na contratação. Tanto
é verdadeiro o fato que os avisos resumidos dos
A inexigibilidade de licitação bem como a dispensa
editais de concorrência têm prazos mais longos que os
devem ser expressamente motivadas, com das demais espécies.
apontamento das causas que levaram à Administração
a concluir pela impossibilidade jurídica de competição 2 – Tomada de Preços
ou pela dispensa.
O art. 22, § 2º da lei nº 8.666, define a tomada de
 Modalidades preços como “a modalidade de licitação entre
interessados devidamente cadastrados ou que
São cinco as modalidades de licitação. Entretanto, são
atenderem a todas as condições exigidas para
apenas três os fins a que se destinam, e isso porque cadastramento até o 3º dia anterior à data do
as três primeiras modalidades – a concorrência, a recebimento das propostas, observada a necessária
tomada de preços e o convite – têm o mesmo objetivo: qualificação”.
a contratação de obras, serviços e fornecimento,
enquanto o concurso e o leilão têm objetivos próprios A tomada de preços presta-se à celebração de
e diferenciados. contratos relativos a obras e serviços de engenharia
(contratações até R$ 1.500.000,00); serviços e
Essas modalidades são expressas na Lei. Nenhuma
compras de menor vulto do que os que exigem a
outra, além delas, pode ser criada pela Administração.
concorrência (contratações até R$ 650.000,00) - Art.
Entretanto, a Lei nº 10.520/02 expressamente criou
23, I, “b” e II, “b”. Fora esta característica, o
uma nova modalidade de licitação, denominada
procedimento, inclusive quanto ao julgamento por
pregão, e estendeu a todas as esferas da Federação,
comissão de três membros, é o mesmo da
aplicável a contratos para aquisição de bens e
concorrência.
serviços comuns.
O que realmente distingue a tomada de preço é a
1 – Concorrência existência da habilitação prévia à abertura do
Concorrência é a modalidade de licitação adequada a procedimento, mediante o cadastramento dos
contratações de grande vulto. O Estatuto estabelece interessados nos registros cadastrais da
duas faixas de valor: uma, para obras e serviços de Administração.
engenharia (contratações acima de R$
De qualquer forma, mesmo os não previamente
1.500.000,00), e outra para compras e serviços
cadastrados têm garantia a possibilidade, tendo em
(contratações acima de R$ 650.000,00) - Art. 23, I,
vista o princípio da competitividade, de se inscreverem
“c” e II, “c”. A partir de tais limites, a contratação
até o 3º dia anterior à data do recebimento das
exigirá a concorrência.
propostas, contanto que satisfaçam as condições de
Exatamente porque os recursos financeiros a serem qualificação exigidas.
empregados pela Administração são mais elevados, É admitida a tomada de preços para licitações
essa modalidade é a que apresenta, em seu
internacionais, quando o órgão ou entidade dispuser
procedimento, maior rigor formal e exige mais ampla
de cadastro internacional de fornecedores e desde
divulgação. Por isso, dela podem participar quaisquer que o contrato a ser celebrado esteja dentro dos
interessados que demonstrem possuir os requisitos
limites de valor estabelecidos na Lei.
mínimos de qualificação fixados no edital.
3 – Convite
No entanto, a lei exige a concorrência em algumas
situações em que não se considera o valor, mas a A modalidade de convite é que comporta menor
natureza do contrato a ser celebrado. É o caso em formalismo, e isso porque se destina a contratações
que a Administração pretende adquirir ou alienar bens de menor vulto: a) para obras e serviços de
imóveis; quando o certame tem cunho internacional; e engenharia (contratações até R$ 150.000,00); e para
quando pretende celebrar contrato de concessão de compras e serviços (contratações até R$ 80.000,00)
direito real de uso. - Art. 23, I, “a”, e II, “a”.
Há dois tipos básicos de concorrência: a nacional e a Nessa modalidade, não há edital. O instrumento
internacional. A primeira é a realizada para as convocatório denomina-se carta-convite, e é nesta
empresas nacionais dentro do território do país. A que são colocadas, sucintamente, as regras da
internacional é aquela da qual podem participar licitação. As cartas-convite são remetidas, no mínimo,
empresas estrangeiras. a três interessados no ramo a que pertence o objeto
do contrato, os quais são livremente escolhidos pelo
Mesmo sendo internacional a concorrência, a
administrador, entre empresas cadastradas ou não.
Administração deve obedecer fielmente ao princípio da
igualdade.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 57
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
A Lei nº 8.666/93 admite a participação de móvel dotado de movimento próprio (como os
interessados não convidados diretamente, mas animais), ao lado de outra modalidade que não tem
cadastrados junto aos órgãos administrativos. Para essa característica.
possibilitar sua participação, a mesma lei impôs a
6 – Pregão
obrigação de afixar-se, em local adequado, cópia do
instrumento convocatório (art.22, § 3º). O pregão é uma sexta modalidade de licitação,
instituída a par das cinco arroladas no art. 22 da Lei nº
O formalismo é diminuto no convite: não só é bastante
8.666/93, pela MP nº 2.026/2000.
suave a exigência documental para a habilitação,
como também basta o prazo mínimo de cinco dias A Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002,
entre a expedição da carta-convite e o recebimento expressamente estendeu o pregão a todas as esferas
das propostas ou a realização do evento. da Federação, passando ele a ser modalidade
aplicável no âmbito da União, Estados, DF e
Há ainda duas regras importantes a serem observadas
Municípios.
nesta modalidade de licitação. A primeira diz respeito
ao desinteresse dos convidados ou à limitação do O pregão destina-se à aquisição de bens e serviços
mercado. Nessas situações, pode ser que a comuns, assim entendidos aqueles cujos padrões de
Administração não consiga o afluxo do número mínimo desempenho e qualidade possam ser objetivamente
de três, exigido para o convite. Se isso ocorrer, a lei definidos pelo edital, por meio de especificações
considera válido realizar o confronto entre apenas usuais no mercado (art. 1º, parágrafo único).
duas propostas, ou, se uma só for apresentada,
celebrar diretamente o contrato. Para tanto, deverá o O pregão pode ser utilizado para qualquer valor de
órgão administrativo justificar minuciosamente o fato e contrato.
aquelas circunstâncias especiais; se não o fizer, o Apesar de vetado o caput do art. 2º da Lei nº
convite terá que ser repetido (art.22, § 7º). 10.520/2002, permanece não existindo qualquer limite
Quando existirem na praça mais de três interessados, de valor à contratação mediante pregão. Da mesma
não podem ser sempre os mesmos e apenas eles, os forma, continua inteiramente aplicável, para efeito
convidados. Dessa maneira, realizando-se novo doutrinário, a definição dessa modalidade de licitação,
convite para objeto idêntico ou assemelhado, é a saber:
obrigatório o chamamento de, no mínimo, mais um “Pregão é a modalidade de licitação para aquisição
interessado, enquanto houver cadastrados não de bens e serviços comuns pela União, Estados,
convidados nas últimas licitações (art. 22, § 6º). O Distrito Federal e Municípios, conforme disposto
legislador tentou, com tal dispositivo, evitar o em regulamento, qualquer que seja o valor
favorecimento de somente algumas empresas e estimado da contratação e lances em sessão
permitir que outras, já cadastradas, tenham a chance pública”.
de também participar do certame.
Algumas importantes características do pregão, que
4 – Concurso têm permitido a redução do preço das contratações,
Concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer com sensível vantagem para o Erário, são a
interessados para escolha de trabalho técnico, possibilidade de redução de preço das propostas
científico ou artístico, mediante a instituição de prêmio iniciais por meio de lances verbais dos
ou remuneração aos vencedores (art. 22, § 4º). participantes e a não exigência de habilitação
prévia ou de garantias, com o conseqüente aumento
A publicidade é assegurada por meio de publicação do do número de concorrentes e da competitividade. O
edital, consoante estabelece o mesmo artigo 22, § 4º, legislador abriu mão da exigência de habilitações
com, pelo menos, 45 dias de antecedência; esse prévias e garantias, optando por, em vez disso, impor
prazo é previsto também no artigo 21, § 2º, inciso, I, a. rigorosas sanções àqueles que, vencendo a licitação,
deixem de adimplir o contrato ou o executem
5 – Leilão
inadequadamente. A Lei prevê sanções como a
Leilão é a modalidade de licitação entre quaisquer imposição de multas e o impedimento de licitar e
interessados para a venda de bens móveis contratar com o ente federando licitante pelo prazo de
inservíveis para a Administração ou de produtos até cinco anos.
legalmente apreendidos ou penhorados, ou para a
alienação de bens imóveis cuja aquisição haja Outro ponto importante é que, no pregão, não se leva
em consideração o vulto do contrato (valor da
derivado de procedimentos judiciais ou de dação em
pagamento (art. 19), a quem possa oferecer o maior contratação), mas sim as características dos bens ou
serviços, que devem ser comuns, ou seja, simples,
lance, igual ou superior ao da avaliação (art. 22, § 5º).
rotineiros. Por esse motivo, também, o tipo de
Quando se tratar de bens imóveis, a modalidade de licitação, no pregão, é sempre o de menor preço não
licitação obrigatória é a concorrência (art. 17, I, e art. se exige capacitação técnica especializada para o
23, § 3º), com ressalva para as hipóteses do art. 19. fornecimento dos bens ou prestação dos serviços
Nada diz a lei sobre bens semoventes. Na Lei nº objeto do pregão.
8.666/93 nada se diz quanto a esse tipo de bem,
São princípios norteadores do pregão, ao lado dos já
podendo, no entanto, ser-lhe aplicada a mesma regra
estudados princípios da legalidade, da
que se refere aos bens móveis, já que os semoventes
impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da
são, em regra, considerados uma espécie de bem
publicidade, da probidade administrativa, da

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 58
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
vinculação ao instrumento convocatório e do superiores ao custo de sua reprodução gráfica, e aos
julgamento objetivo, outros princípios correlatos, como custos de utilização de recursos de tecnologia da
o da celeridade, finalidade, razoabilidade, informação, quando for o caso.
proporcionalidade, competitividade, justo preço,
seletividade e comparação objetiva das propostas. É importante registrar que as normas da Lei nº
8.666/1993 aplicam-se subsidiariamente à essa
O pregão é realizado mediante propostas e lances em modalidade de licitação.
sessão pública. O autor da oferta de valor mais baixo
Finalmente, é interessante registrar que § 1º do art. 2º
e os das ofertas com preços até dez por cento
superiores a ela poderão fazer novos lances verbais e da Lei nº 10.520/2002 prevê a possibilidade de “ser
realizado o pregão por meio da utilização de recursos
sucessivos, até a proclamação do vencedor, sempre
pelo critério menor preço. Não havendo pelo menos de tecnologia da informação, nos termos de
regulamentação específica”, trata-se do chamado
três ofertas com diferença de até dez por cento em
“Pregão Eletrônico”. O pregão eletrônico é realizado
relação à mais baixa, poderão os autores das
melhores propostas, até o máximo de três, oferecer em sessão pública, por meio de sistema eletrônico que
promova a comunicação pela Internet.
novos lances verbais e sucessivos, quaisquer que
sejam os preços oferecidos. Examinada a proposta  Procedimentos: as fases da licitação
classificada em primeiro lugar, quanto ao objeto e
valor, caberá ao pregoeiro decidir motivadamente a A licitação, em se tratando de um procedimento
respeito da sua aceitabilidade. administrativo, compreende uma série de atividades e
a prática de um conjunto de atos tendentes a alcançar
Encerrada a etapa e ordenadas as ofertas, o pregoeiro um só resultado, isto é, a escolha da melhor proposta
procederá à abertura do envelope contendo os para o contrato.
documentos de habilitação do licitante que apresentou
a melhor proposta, para verificação das condições O art. 43 da lei nº 8.666/1993 faz uma breve síntese
fixadas no edital. das principais fases de andamento e julgamento da
licitação, que muito auxilia na visão sistemática de
A habilitação far-se-á com a verificação de que o todo o procedimento licitatório, quais sejam:
licitante está em situação regular perante a Fazenda
Nacional, a Seguridade Social e o Fundo de Garantia I - abertura dos envelopes contendo a documentação
do Tempo de Serviço- FGTS, e as Fazendas relativa à habilitação dos concorrentes, e sua
Estaduais e Municipais, quando for o caso, com a apreciação;
comprovação de que atende às exigências do edital II - devolução dos envelopes fechados aos
quanto à habilitação jurídica e qualificações técnicas e concorrentes inabilitados, contendo as respectivas
econômico-financeira. propostas, desde que não tenha havido recurso ou
Provavelmente o aspecto que mais distingue essa após sua denegação;
modalidade de licitação daquelas reguladas pela Lei nº III - abertura dos envelopes contendo as propostas
8.666/1993 é a inversão que ocorre nas fases de dos concorrentes habilitados, desde que transcorrido o
habilitação e julgamento das propostas. Enquanto prazo sem interposição de recurso, ou tenha havido
naquelas modalidades a habilitação é sempre anterior desistência expressa, ou após o julgamento dos
à abertura e julgamento propostas (sequer sendo recursos interpostos;
abertas as propostas dos licitantes inabilitados), no
pregão ocorre o contrário: a habilitação dos licitantes é IV - verificação da conformidade de cada proposta
fase posterior. com os requisitos do edital e, conforme o caso, com os
preços correntes no mercado ou fixados por órgão
Verificado o atendimento das exigências fixadas no oficial competente, ou ainda com os constantes do
edital, o licitante será declarado vencedor. sistema de registro de preços, os quais deverão ser
Homologada a licitação pela autoridade competente, o devidamente registrados na ata de julgamento,
adjudicatário (licitante vencedor) será convocado para promovendo-se a desclassificação das propostas
assinar o contrato no prazo definido em edital. Se o desconformes ou incompatíveis;
licitante vencedor, convocado dentro do prazo de
validade da sua proposta (o prazo de validade das V - julgamento e classificação das propostas de
propostas será de sessenta dias, se outro não estiver acordo com os critérios de avaliação constantes do
fixado no edital), não celebrar o contrato, este será edital;
celebrado com o colocado seguinte que atenda às VI - deliberação da autoridade competente quanto à
exigências de habilitação e demais estabelecidos no homologação e adjudicação do objeto da licitação.
edital.
 Audiência Pública
Nesta modalidade de licitação é vedada a exigência
de: A fim de ampliar o acesso às informações relativas ao
contrato a ser firmado com a Administração, a Lei nº
I - garantia de proposta; 8.666/1993, em seu art. 39, estabelece a
II - aquisição do edital pelos licitantes, como obrigatoriedade de realização de uma audiência
condição para participação no certame; e pública prévia à publicação do edital nas licitações de
valores mais elevados.
III - pagamento de taxas e emolumentos, salvo os
referentes a fornecimento do edital, que não serão O referido artigo 39 prevê a realização da audiência
pública, com antecedência mínima de 15 dias úteis

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 59
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
da data prevista para a publicação do edital, e ao Tribunal de Contas respectivo, órgão incumbido do
divulgada, com a antecedência mínima de 10 dias controle financeiro da Administração. (art. 113, § 1º).
úteis de sua realização, sempre que o valor estimado
Além do cidadão, a lei assegurou também ao licitante
para uma licitação ou para um conjunto de licitações
a faculdade de impugnação aos termos do edital. Seu
simultâneas ou sucessivas for superior a R$
150.000.000,00 (cento e cinqüenta milhões de reais). prazo, porém, é menor do que o conferido ao cidadão:
até o segundo dia útil que anteceder a abertura dos
O parágrafo único do art. 39 define como licitações envelopes da habilitação (na concorrência), dos
simultâneas aquelas com objetos similares e com envelopes com as propostas (no convite, tomada de
realização prevista para intervalos não superiores a preços ou concurso) ou da realização do leilão (art. 41,
trinta dias. Consideram-se sucessivas duas ou mais § 2º). Se não o fizer nesse prazo, decai do direito à
licitações quando, sendo similares seus objetos, o impugnação perante a Administração. Para evitar
edital da segunda publicado antes de cento e qualquer retaliação contra o licitante que fez a
vinte dias após o término do contrato resultante da impugnação, é a ele garantida a participação no
primeira licitação e assim por diante. certame até a decisão final sobre o que suscitou na
representação. Advirta-se, porém, que nada impede
 Edital
que a Administração exerça seu poder de autoridade,
Edital é o ato pelo qual a Administração divulga as corrigindo de ofício a regra ilícita.
regras a serem aplicadas em determinado
 Antecedência mínima do edital
procedimento de licitação. O edital é a lei interna da
licitação. O edital traduz uma verdadeira lei porque A antecedência mínima a ser observada encontra-se
subordina administradores e administrados às regras disciplinada no art. 21 da Lei e, no caso da
que estabelece. modalidade pregão, no art. 4º, V, da Lei nº
10.520/2002 (deve-se observar que apenas os prazos
Para a Administração, o edital é ato vinculado e não
relativos às modalidades convite e pregão são
pode ser desrespeitado por seus agentes. Nesse contados em dias úteis):
sentido, é expresso o art. 41 da Lei nº 8.666/93: “A
Administração não pode descumprir as normas e A partir da última publicação do edital resumido ou da
as condições do edital, ao qual se acha expedição do convite, ou ainda da efetiva
estritamente vinculada”. Se houver modificação disponibilidade do edital ou do convite e respectivos
superveniente do edital, a Administração tem duas anexos (prevalecendo a data que ocorrer mais tarde),
obrigações: o prazo mínimo a ser observado para o recebimento
das propostas ou a realização do evento será de:
1) divulgar a modificação pela mesma forma em
que se deu o texto original; e 1) quarenta e cinco dias para as modalidades:
2) reabrir o prazo estabelecido no início, salvo a) concurso;
quando a alteração não afetar a formulação
b) concorrência, quando o contrato a ser celebrado
da proposta.
contemplar o regime de empreitada integral ou quando
O edital é uma das espécies de instrumento a licitação for do tipo melhor técnica ou técnica e
convocatório. Não é utilizado na modalidade de preço;
convite, porque nesta o instrumento é a carta-convite,
2) trinta dias para as modalidades:
que, na verdade, faz as vezes do edital, porque fixa,
ainda que sumariamente, algumas normas e a) concorrência, nos casos não especificados na letra
condições que devem vigorar no convite. “b” acima;
Vários dados devem figurar no edital, como o objeto b) tomada de preços, quando a licitação for do tipo
da licitação, o preço e as condições de reajuste, o melhor técnica ou técnica e preços;
prazo, o critério de julgamento etc. (art. 40). O edital
deve ser divulgado através de aviso resumido 3) quinze dias para as modalidades:
(extrato), publicado no Diário Oficial, sendo indicado o a) tomada de preços, nos casos não
local onde pode ser conseguido o inteiro teor do ato. O especificados na letra “b” acima;
edital deve obrigatoriamente ter alguns anexos: a
minuta do contrato a ser firmado; o orçamento b) leilão;
estimado em planilhas de quantitativos e preços 4) cinco dias úteis para a modalidade convite;
unitários; o projeto básico e, se for o caso, o projeto
executivo; e as especificações complementares e as 5) oito dias úteis para a modalidade pregão,
normas de execução. contados a partir da publicação do aviso.
Se o edital tiver alguma irregularidade, é assegurado a Qualquer modificação no edital exige divulgação pela
qualquer cidadão impugná-lo, protocolando o pedido mesma forma que seu o texto original, reabrindo-se o
até cinco dias úteis antes da data designada para a prazo inicialmente estabelecido para a apresentação
abertura dos envelopes de habilitação. Oferecida a das propostas, exceto quando, inquestionavelmente, a
impugnação, cabe à Administração decidi-la no prazo alteração não afetar a formulação das propostas.
de três dias (art. 41, § 1º). O direito assegurado na Lei  Habilitação dos licitantes
de Licitação, entretanto, não exclui o de representação
Hely Lopes Meirelles define a fase de habilitação
como aquela em que se procede à verificação da
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 60
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
documentação e de requisitos pessoais dos licitantes, funcionamento expedido pelo órgão competente,
habilitando-os ou inabilitando-os. É etapa relacionada quando a atividade assim o exigir.
às qualidades pessoais dos interessados em licitar.
A documentação relativa à qualificação técnica
Ocorre previamente à análise das propostas.
limitar-se-á a:
A habilitação tem por finalidade garantir que o licitante,
na hipótese de ser o vencedor do certame, tenha I - registro ou inscrição na entidade profissional
competente;
condições técnicas, financeiras e idoneidade para
adequadamente cumprir o contrato objeto da licitação. II - comprovação de aptidão para desempenho de
Somente poderá ser exigida dos interessados, para atividade pertinente e compatível em características,
habilitação nas licitações, documentação relativa a: quantidades e prazos com o objeto da licitação, e
1) habilitação jurídica; indicação das instalações e do aparelhamento e do
pessoal técnico adequados e disponíveis para a
2) qualificação técnica; realização do objeto da licitação, bem como da
qualificação de cada um dos membros da equipe
3) qualificação econômico-financeira; técnica que se responsabilizará pelos trabalhos;
4) regularidade fiscal e trabalhista.
III - comprovação, fornecida pelo órgão licitante, de
A documentação para habilitação poderá ser que recebeu os documentos, e, quando exigido, de
dispensada, no todo ou em parte, nos casos de que tomou conhecimento de todas as informações e
convite, concurso, fornecimento de bens para pronta das condições locais para o cumprimento das
entrega e leilão. obrigações objeto da licitação;
A documentação relativa à regularidade fiscal e IV - prova de atendimento de requisitos previstos em
trabalhista, conforme o caso, consistirá em: lei especial, quando for o caso.
I - prova de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas A documentação relativa à qualificação econômico-
(CPF) ou no Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas financeira limitar-se-á a:
(CNPJ);
I - balanço patrimonial e demonstrações contábeis do
II - prova de inscrição no cadastro de contribuintes último exercício social, já exigíveis e apresentados na
estadual ou municipal, se houver, relativo ao domicílio forma da lei, que comprovem a boa situação financeira
ou sede do licitante, pertinente ao seu ramo de da empresa, vedada a sua substituição por balancetes
atividade e compatível com o objeto contratual; ou balanços provisórios, podendo ser atualizados por
índices oficiais quando encerrado há mais de 3
III - prova de regularidade para com a Fazenda (três) meses da data de apresentação da proposta;
Federal, Estadual e Municipal do domicílio ou sede do
licitante, ou outra equivalente, na forma da lei; II - certidão negativa de falência ou concordata
expedida pelo distribuidor da sede da pessoa jurídica,
IV - prova de regularidade relativa à Seguridade Social ou de execução patrimonial, expedida no domicílio da
e ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço pessoa física;
(FGTS), demonstrando situação regular no
cumprimento dos encargos sociais instituídos por lei; e III - garantia, nas mesmas modalidades e critérios
previstos no caput e § 1o do art. 56 desta Lei, limitada
V - prova de inexistência de débitos inadimplidos a 1% (um por cento) do valor estimado do objeto da
perante a Justiça do Trabalho, mediante a contratação.
apresentação de certidão negativa, nos termos do
Título VII-A da Consolidação das Leis do Trabalho, A inabilitação implica exclusão do interessado do
aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de procedimento licitatório. O art. 41, § 4º, estabelece que
1943. “a inabilitação do licitante importa preclusão do seu
direito de participar das fases subseqüentes”. Por esse
A documentação relativa à habilitação jurídica, motivo, o recurso contra a inabilitação tem efeito
conforme o caso, consistirá em: suspensivo (art. 109, § 2º).
I - cédula de identidade; Ultrapassada a fase de habilitação dos concorrentes e
II - registro comercial, no caso de empresa individual; abertas as propostas, não cabe desclassificá-los por
motivo relacionado com a habilitação, salvo em razão
III - ato constitutivo, estatuto ou contrato social em de fatos supervenientes ou só conhecidos após o
vigor, devidamente registrado, em se tratando de julgamento. (art. 43, § 5º).
sociedades comerciais, e, no caso de sociedades por
ações, acompanhado de documentos de eleição de Após a fase de habilitação, o licitante não poderá mais
seus administradores; desistir da proposta apresentada, salvo por motivo
justo decorrente de fato superveniente e aceito
IV - inscrição do ato constitutivo, no caso de pela Comissão. (art. 43, § 6º).
sociedades civis, acompanhada de prova de diretoria
em exercício;  Julgamento da habilitação

V - decreto de autorização, em se tratando de Antes de examinar as propostas oferecidas, cabe à


empresa ou sociedade estrangeira em funcionamento Comissão analisar os documentos necessários à
no País, e ato de registro ou autorização para habilitação dos candidatos. Os candidatos devem
fornecer dois envelopes, um contendo os documentos

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 61
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
necessários à habilitação, e outro, com as propostas. exemplos de fatores os relativos à qualidade,
Por isso, a primeira providência na sessão é a rendimento, preço, prazo e outros do gênero.
abertura dos envelopes contendo os documentos para
Diferente de fatores são os critérios de julgamento.
a habilitação; nesse momento, ainda não se abrem os
Estes traduzem a conjugação dos fatores computados
envelopes das propostas.
pela comissão para chegar à proposta mais vantajosa.
Examinando-se o primeiro envelope, separam-se os O preço de uma proposta pode ser menor, mas não
candidatos que atenderam aos requisitos da ser o melhor quando conjugado com outros fatores,
habilitação, Estes são os habilitados. Formam outro como o prazo, ou a qualidade, por exemplo.
grupo os que não conseguiram apresentar a
Por outro lado, o critério a ser adotado pela
documentação necessária à habilitação: são os
inabilitados. A estes a Comissão devolve, fechados, Administração deve estar previamente fixado no edital
ou na carta-convite, em obediência, aliás, ao princípio
os envelopes das propostas, e isso porque ficam
do julgamento objetivo e da vinculação ao edital (art.
desobrigados da competição (art. 43, I e II). Outro
aspecto importante é o relativo aos recursos: para que 3º).
a sessão prossiga com vistas a julgar as propostas, é  Homologação e adjudicação
preciso que os inabilitados desistam expressamente
de interpor recurso; não havendo esta desistência, a O artigo 43, inciso VI, da Lei nº 8.666/93 prevê, como
sessão só deverá continuar após o julgamento do ato final do procedimento, a “ deliberação da
recurso, ou após transcorrido o prazo recursal (art. autoridade competente quanto à homologação e
43., III). adjudicação do objeto da licitação”.

O ato que considera habilitados os candidatos tem Note-se que os dois atos ficam fora da atuação da
dois efeitos importantes. O primeiro reside em que não Comissão e passam a ser de competência da
mais caberá desistência da proposta, salvo, autoridade superior (um ministro de Estado ou um
excepcionalmente, por motivo justo derivado de fato presidente de uma autarquia, por exemplo).
superveniente, aceito pela Comissão. O segundo é A homologação equivale à aprovação do
que, ao ser ultrapassada a fase de habilitação, e procedimento; ela é precedida do exame dos atos que
sendo abertos os envelopes das propostas, não mais o integram pela autoridade competente, a qual, se
pode haver desclassificação calcada em motivo verificar algum vício de ilegalidade, anulará o
relativo à habilitação, a não ser que os fatos tenham procedimento ou determinará seu saneamento, se
ocorrido superveniente ou só tenham sido conhecidos cabível. Se o procedimento estiver em ordem, ela o
após o julgamento. (art. 43, §§ 5º e 6º). homologará. A mesma autoridade pode, por razões de
 Julgamento das propostas interesse público devidamente demonstradas, revogar
a licitação.
O julgamento das propostas é a fase em que a
Administração procede efetivamente à seleção A adjudicação é o ato pelo qual a Administração, pela
daquela proposta que se afigura mais vantajosa para o mesma autoridade competente para homologar, atribui
futuro contrato. É a fase mais relevante, porque define ao vencedor o objeto da licitação. É o ato final do
o destino dos participantes, indicando qual deles procedimento.
conquistará a vitória na competição. Trata-se de ato declaratório que não se confunde com
Entretanto, nessa fase, é sempre necessário verificar a celebração do contrato, pois, por meio dele, a
dois aspectos: Administração proclama que o objeto da licitação é
entregue ao vencedor. Depois de praticado esse ato é
1) a razoabilidade dos preços; e que a Administração vai convocá-lo para assinar o
contrato.
2) a compatibilidade das propostas com as
exigências do edital. Trata-se de ato vinculado, já que as únicas hipóteses
em que a Administração pode deixar de efetuar a
Após essa verificação, agrupam-se, de um lado, os
adjudicação são as de anulação ou revogação do
classificados, e, de outro, os desclassificados.
procedimento, conforme previsto no art. 49 da Lei nº
O que importa é que, colocadas lado a lado as 8.666/93.
propostas dos classificados, cumpre selecionar aquela
que é mais vantajosa para a Administração, segundo o Embora a adjudicação seja ato meramente
declaratório, ela já produz alguns efeitos, assim
que o instrumento convocatório estabelecer. Essa vai
referidos por Hely Lopes Meirelles: “a) a aquisição do
ser a proposta vitoriosa, permitindo o futuro vínculo
obrigacional com a Administração. direito de contratar com a Administração nos termos
em que o adjudicatário venceu a licitação; b) a
O Estatuto reza que no julgamento, que deve ser vinculação do adjudicatário a todos os encargos
objetivo, o órgão administrativo deve levar em conta estabelecidos no edital e aos prometidos na sua
os fatores referidos no instrumento convocatório (art. proposta; c) a sujeição do adjudicatário às penalidades
45). Fatores são, pois, os elementos que a comissão previstas no edital e a perda de eventuais garantias
julgadora pode considerar para a escolha. E é oferecidas, se não assinar o contrato no prazo e
razoável que seja assim, porque não rara vezes não é condições estabelecidas; d) o impedimento de a
o preço como fator isolado que deve prevalecer, mas Administração contratar o objeto licitado com qualquer
sim o preço em conjunto com outros fatores. São outro que não seja o adjudicatário; e) a liberação dos
licitantes vencidos dos encargos da licitação”.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 62
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Feita a adjudicação, a Administração convocará o média ponderada das valorizações das propostas
adjudicatário para assinar o contrato, devendo faze-lo técnicas e de preço, de acordo com os pesos
no prazo de 60 (sessenta) dias da data da entrega das preestabelecidos no instrumento convocatório (art. 46,
propostas; ultrapassando esse prazo, ficam os § 2º, I e II). Aqui o grande cuidado de administrador
licitantes liberados dos compromissos assumidos (art. reside na confecção do instrumento convocatório. Pela
64, § 3º). grande complexidade de certas contratações, os
administradores freqüentemente se valem da
Se o interessado não atender à convocação no prazo
experiência e do conhecimento de técnicas para a
estabelecido pela Administração, perderá o direito à elaboração do edital, que terá que conter fundo
contratação e ficará sujeito às penalidades previstas
detalhamento para possibilitar a seleção da melhor
no artigo 87; o prazo de convocação poderá ser
proposta.
prorrogado uma vez, por igual período, quando
solicitado pela parte durante o seu transcurso e desde  Carta-Convite
que ocorra motivo justificado aceito pela
Administração (art. 64, § 1º). A carta-convite é o instrumento convocatório utilizado
para chamar os interessados a participar da licitação
Caso o interessado não atenda à convocação, a quando adotada a modalidade convite. A carta-convite
Administração poderá convocar os licitantes é enviada diretamente aos interessados e não precisa
remanescentes, pela ordem de classificação, para ser publicada, devendo, entretanto, ser fixada cópia
fazê-lo em igual prazo e nas mesmas condições em local apropriado (art. 22, § 3º). Aplicam-se à carta-
propostas pelo primeiro classificado, inclusive quanto convite, no que for cabível, as disposições relativas ao
aos preços atualizados de conformidade com o ato edital, especialmente, quanto à identificação do objeto
convocatório; ou pode revogar a licitação, sem da licitação, critério de julgamento e demais condições
prejuízo da sanção prevista no artigo 87 (art. 64, § 2º). cujo conhecimento seja indispensável.
Os licitantes remanescentes, porém, não são  Comissão de Licitação
obrigados a aceitar o contrato, já que, se o fizerem,
As etapas de habilitação dos licitantes e julgamento
terão que sujeitar-se às condições propostas pelo
das propostas são efetivadas por uma comissão,
vencedor; assim, não ficam sujeitos às penalidades
administrativas, conforme determina o artigo 81, denominada comissão de licitação ou comissão
julgadora.
parágrafo único.
Os órgãos ou entidades da Administração poderão
 Tipos de Licitação
possuir comissões permanentes ou constituir
Além dos fatores e dos critérios de julgamento, são comissões especiais. As comissões serão integradas
apontados no estatuto os tipos de licitação: a de por no mínimo, 3 (três) membros, sendo pelo menos 2
menor preço, a de melhor técnica, a de técnica e (dois) deles servidores qualificados pertencentes aos
preço e a de maior lance ou oferta, este último quadros permanentes dos órgãos da Administração
adotado para alienação de bens ou concessão de responsáveis pela licitação.
direito real de uso de bens públicos. Nos três
No caso de licitação na modalidade convite, a
primeiros, como o próprio nome indica, leva-se em
comissão de licitação, excepcionalmente, nas
conta o fator pertinente, embora, possam ser
pequenas unidades administrativas e em face da
considerados outros para a fixação do critério.
exigüidade de pessoal disponível, poderá ser
O menor preço é resultado que decorre de verificação substituída por servidor formalmente designado pela
objetiva. Diz a lei que esse tipo ocorre quando o autoridade competente. (art. 51, § 1º).
instrumento convocatório determina que a proposta
Os membros das comissões de licitação responderão
mais vantajosa será aquela que se apresentar de
acordo com as especificações do edital e ofertar o solidariamente por todos os atos praticados pela
comissão, salvo se posição individual divergente
menor preço.
estiver devidamente fundamentada e registrada em
O de melhor técnica, por exemplo, tem duas etapas: ata lavrada na reunião em que tiver sido tomada a
uma, em que os candidatos se submetem a uma decisão.(art. 51, § 3º).
valorização de suas propostas; se a proposta não
alcançar essa valorização mínima, está fora do
certame. A outra é a fase da negociação: o candidato 8 – CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
que ofereceu a proposta vitoriosa sob o critério técnico
só celebra o contrato se aceitar a execução do objeto  Introdução
ajustado pelo preço mínimo oferecido pelos
As relações jurídicas ajustadas pela Administração
participantes (art. 46, I e II). Se recusar reduzir seu
Pública com terceiros decorrem de atos unilaterais
preço, será chamado o candidato que ficou em
(atos administrativos) e de atos plurilaterais
segundo lugar, e assim sucessivamente. Ora, é
(contratos). As avenças disciplinadas pelo Direito
evidente a incoerência desse tipo de processo, porque
Administrativo são denominadas contratos
dificilmente o candidato de melhor técnica vai
administrativos, e como tais a doutrina tem
submeter-se a um preço oferecido por candidato de
considerado os que : a) recebem da lei essa
técnica inferior.
denominação; b) tem por objeto o uso de bem público
O tipo de técnica e preço caracteriza-se pelo fato de e a prestação de serviço público; c) contêm cláusulas
que o resultado do certame se faz de acordo com a exorbitantes.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 63
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
 Contratos da Administração limite consentido, em cada caso, pela Administração,
isso sem prejuízo de sua responsabilidade legal e
Toda vez que a Administração Pública celebra
contratual (art. 72 do Estatuto);
compromissos recíprocos com terceiros, firma um
contrato. São esses contratos que se convencionou 4 - bilateralidade, indicativa de que o contrato
denominar de contratos da Administração, administrativo sempre há de traduzir obrigações para
caracterizado pelo fato de que a Administração ambas as partes.
Pública figura num dos pólos da relação contratual.
II – Posição Preponderante da Administração
 Contratos Privados da Administração
Os contratos privados em geral traduzem um conjunto
Trata-se de uma das espécies de contratos da de direitos e obrigações em relação aos quais as
Administração, regulados pelo Direito Civil e partes se situam no mesmo plano jurídico. Não há
Comercial. Assim, quando a Administração firma supremacia de uma sobre a outra, e esse nivelamento
contratos regulados pelo direito privado, situa-se no está presente durante todo o curso do ajuste.
mesmo plano jurídico da outra parte, não lhe sendo
atribuída, como regra, qualquer vantagem especial O mesmo não se passa com os contratos
administrativo, e isso é explicável pelo fato de que eles
que lhe garanta às linhas do sistema contratual
visam a alcançar um fim útil para a coletividade, e,
comum.
além disso, deles participa a própria Administração. É
São exemplos de contratos de direito privado da lógico, então, que no conflito entre os interesses do
Administração a compra e venda, a doação, a particular contratado e o Estado contratante tenham
locação etc. que prevalecer os pertencentes a este último.
 Contratos Administrativos Não se pode deixar de reconhecer, em conseqüência,
uma certa desigualdade entre as partes contratantes,
Os contratos administrativos também constituem
fato que confere à Administração posição de
espécie do gênero contratos da Administração, mas
supremacia em relação ao contratado. O mesmo se
têm normas reguladoras diversas das que disciplinam
pode dizer dos tradicionais princípios romanos da
os contratos privados firmados pelo Estado.
imutabilidade unilateral dos contratos (lex inter partes
Sendo contratos típicos da Administração, sofrem a e pacta sunt servanda), que sofrem notória mitigação
incidência de normas especiais de direito público, só quando se trata de contratos administrativos, como
lhes aplicando supletivamente as normas de direito será visto oportunamente.
privado.
Essa situação de preponderância em favor da
 Conceito Administração está dispersa em vários dispositivos do
Estatuto, a começar pelo art. 54, verdadeiro princípio
Para o Professor José dos Santos Carvalho Filho norteador de várias outras regras da mesma natureza.
contrato administrativo é “o ajuste firmado entre a
Administração Pública e um particular, regulado III – Finalidade Pública
basicamente pelo direito público, e tendo por
Esta característica está presente em todos os atos e
objeto uma atividade que, de alguma forma,
contratos da Administração Pública, ainda que regidos
traduza interesse público”.
pelo direito privado; às vezes, pode ocorrer que a
Já o Professor Hely Lopes Meirelles conceitua utilidade direta seja usufruída apenas pelo particular,
contratos administrativos como “o ajuste que a como ocorre concessão de uso de sepultura, mas,
Administração Pública, agindo nessa qualidade, indiretamente, é sempre o interesse público que a
firma com particular ou outra entidade Administração tem que ter em vista, sob pena de
administrativa para a consecução de objetivos de desvio de poder. No exemplo citado, o sepultamento
interesse público, nas condições estabelecidas adequado, nos termos da lei, é do interesse de todos
pela própria Administração”. e, por isso mesmo, colocado sob tutela do Poder
Público.
 Características dos contratos administrativos
IV – Formalismo
I – Relação Contratual
Os contratos administrativos são em regra formais e
Possui a relação jurídica do contrato administrativo escritos e sempre consensuais.
algumas peculiaridades próprias de sua natureza,
apresentado as seguintes características: É nulo e de nenhum efeito o contrato verbal com a
Administração, salvo o de pequenas compras de
1 - formalismo, porque não basta o consenso das pronto pagamento, assim entendidas aquelas de
partes, mas, ao contrário, é necessário que se valor não superior a R$ 4.000,00 (quatro mil reais),
observem certos requisitos externos e internos; feitas em regime de adiantamento (art. 60, parágrafo
2 - comutatividade, já que existe equivalência entre único).
as obrigações, previamente ajustadas e conhecidas; Todo contrato deve mencionar os nomes das partes e
3 - confiança recíproca (intuitu personae), porque o os de seus representantes, a finalidade, o ato que
contratado é, em tese, o que melhor comprovou autorizou a sua celebração, o número do processo da
condições de contratar com a Administração, fato que, licitação, da dispensa ou da inexigibilidade, a sujeição
inclusive, levou o legislador a só admitir a dos contratantes às normas da Lei nº 8.666 e às
subcontratação de obra, serviço ou fornecimento até o cláusulas contratuais (art. 61).

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 64
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Além desses requisitos, o resumo do instrumento de subcontratação total ou parcial do seu objeto, a
contrato, qualquer que seja seu valor (inclusive os associação do contratado com outrem, a cessão ou
contratos sem ônus), deve ser publicado na imprensa transferência, total ou parcial; essas medidas somente
oficial no prazo máximo de vinte dias, contados a partir são possíveis se expressamente previstas no edital da
do quinto dia útil do mês seguinte ao de sua licitação e no contrato. Além disso, é vedada a fusão,
assinatura. A publicação é condição indispensável cisão ou incorporação que afetem a boa execução do
para a eficácia do contrato. (art. 61, parágrafo único). contrato. Note-se que o artigo 72 permite a
subcontratação parcial nos limites admitidos pela
Conforme o art. 62 da Lei nº 8.666, o instrumento de
Administração; tem-se que conjugar essa norma com
contrato é obrigatório nos casos de concorrência e de
a do artigo 78, VI, para entender-se que a medida só é
tomada de preços, bem como nas dispensas e
possível se admitida no edital e no contrato.
inexigibilidades cujos preços estejam compreendidos
nos limites destas duas modalidades de licitação. Nos Todas essas medidas constituem motivo para rescisão
demais casos, o instrumento de contrato é facultativo. unilateral do contrato (art. 78, VI), sujeitando-se, ainda,
Não significa isso que o vínculo obrigacional seja o contratado, às sanções administrativas previstas no
verbal. A lei estabelece que, na hipótese de dispensar artigo 87 e às conseqüências assinaladas no artigo 80.
o uso do instrumento de contrato, a Administração
VII – Presença das Cláusulas Exorbitantes
deverá substituí-lo por outros instrumentos hábeis, tais
como carta-contrato, nota de empenho de despesa, Cláusulas exorbitantes ou cláusulas de privilégio são
autorização de compra ou ordem de execução de as prerrogativas especiais conferidas à Administração
serviço. na relação do contrato administrativo em virtude de
sua posição de supremacia em relação ao particular
A Lei permite, também, que a Administração dispense
contratado.
o "termo de contrato", facultando a substituição por
outros meios hábeis, como acima exemplificado, a seu A lei relaciona as seguintes cláusulas exorbitantes (art.
critério e independentemente de seu valor, nos casos 58 da Lei nº 8.666/93):
de compra com entrega imediata e integral dos bens
adquiridos, dos quais não resultem obrigações futuras, a) Exigência de garantia
inclusive assistência técnica (art. 62, § 4º). A faculdade de exigir garantia nos contratos de obras,
No intuito de assegurar a publicidade dos contratos serviços e compras está prevista no art. 56, § 1º, da
administrativos, dispõe a Lei que é permitido a Lei de Licitação, podendo abranger as seguintes
qualquer licitante o conhecimento dos termos do modalidades: caução em dinheiro ou títulos da dívida
contrato e do respectivo processo licitatório e, a pública; seguro-garantia e fiança bancária.
qualquer interessado, a obtenção de cópia Trata-se de uma prerrogativa da Administração que
autenticada, mediante o pagamento dos emolumentos objetiva assegurar a adequada execução do contrato,
devidos (art. 63). ou, na falta do contrato, ensejadora da aplicação de
V – Natureza de Contrato de Adesão multa, assegurar diretamente o recebimento dessa
multa pela Administração.
Todas as cláusulas dos contratos administrativos são
fixadas unilateralmente pela Administração. Em um A escolha da modalidade de garantia cabe ao
contrato de adesão, uma das partes propõe as contratado, não podendo ultrapassar o correspondente
cláusulas e a outra parte não pode propor alterações. a 5% do valor do contrato, salvo nos casos de obras,
serviços e fornecimentos de grande vulto envolvendo
Pelo instrumento convocatório (normalmente o edital) alta complexidade técnica e riscos financeiros
da licitação, o poder público faz uma oferta a todos os consideráveis, podendo o limite de garantia ser
interessados, fixando as condições em que pretende elevado para até 10% do valor do contrato.
contratar; a apresentação de propostas pelos licitantes
equivale à aceitação da oferta feita pela A garantia, quando exigida do contratado, é devolvida
Administração. após a execução do contrato.

O art. 55 da Lei nº 8.666/93 elenca as cláusulas que b) Alteração unilateral


obrigatoriamente deverão constar dos contratos Ao contrário do que ocorre nos contratos de direito
administrativos, tais como o objeto e seus elementos; privado, a alteração unilateral do contrato celebrado
o regime de execução ou a forma de fornecimento; o pela Administração é possível, conforme prevê o art.
preço e as condições de pagamento etc. 65 da Lei nº 8.666/93.
Importante registrar que a minuta do futuro contrato a A alteração dos contratos administrativos se dá em
ser celebrado entre o vencedor da licitação e a dois casos:
Administração integrará sempre o edital ou ato
convocatório do certame. 1) quando há modificação do projeto ou das
especificações, com vistas à melhor adequação
VI – Natureza “intuitu personae” (pessoalidade) técnica aos fins do contrato; e
Todos os contratos para os quais a lei exige licitação 2) quando é preciso modificar o valor em virtude do
são firmados intuitu personae, ou seja, em razão de aumento ou diminuição quantitativa do objeto
condições pessoais do contratado, apuradas no contratual.
procedimento da licitação. Não é por outra razão que a
Lei nº 8.666/93, no artigo 78, VI, veda a

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 65
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Se a alteração imposta aumentar os encargos do Administração pelos prejuízos resultantes e após
particular contratado, tem este direito a receber as decorrido o prazo da sanção aplicada com base no
diferenças respectivas; o mesmo ocorrendo se forem inciso anterior”.
criados tributos ou encargos legais após a celebração
A pena de multa pode ser aplicada juntamente com
do contrato, que tenham repercussão no preço.
qualquer uma das outras (art. 87, § 2º), ficando
Outra vantagem da Administração reside na vedada, em qualquer outra hipótese, a acumulação de
possibilidade de obrigar o contratado a aceitar, nas sanções administrativas.
mesmas condições, acréscimos ou supressões em
obras, serviços ou compras até 25% do valor originário Enquanto a pena de suspensão não pode ultrapassar
dois anos, a de declaração de inidoneidade não tem
do contrato, ou até 50% no caso de reforma de edifício
ou equipamento. um limite preciso definido na lei. Apesar da má
redação do inciso IV do artigo 87, deduz-se que o
c) Rescisão unilateral limite mínimo é de dois anos, já que a lei, na parte final
do dispositivo, emprega a expressão após decorrido o
A rescisão unilateral está prevista no art. 58, II, prazo da sanção aplicada com base no inciso anterior;
combinado com os arts. 79, I, e 78, incisos I a XII e
o limite máximo é a data em que ocorrer a reabilitação,
XVII, e ocorre nos seguintes casos:
ou seja, quando, após decorrido dois anos, o
1 – inadimplemento (incisos I a VIII do art. 78), interessado ressarcir os prejuízos causados à
abrangendo hipóteses como não-cumprimento ou Administração (art. 87, 3º).
cumprimento irregular das cláusulas contratuais, Da aplicação das penas de advertência, multa e
lentidão, atraso injustificado, paralisação,
suspensão temporária cabe recurso, no prazo de
subcontratação total ou parcial etc.
cinco dias úteis a contar da intimação do ato, dirigido
2 – situações que caracterizem desaparecimento do à autoridade superior, por intermédio daquela que
sujeito, sua insolvência ou comprometimento da aplicou a pena; esta tem o prazo de cinco dias úteis
execução do contrato (incisos IX a XI do art. 78): para reconsiderar a sua decisão ou, no mesmo prazo,
falência, dissolução da sociedade, falecimento do fazer subir o recurso à autoridade competente, que
contratado entre outras. deverá decidir também no prazo de cinco dias úteis,
contado do recebimento (art. 109, I, f, e § 4º).
3 – razões de interesse público (inciso XII do art. 78).
A esse recurso a autoridade administrativa poderá dar
4 – caso fortuito ou de força maior (inciso XVII do efeito suspensivo (art. 109, § 2º).
art. 78).
No caso de declaração de inidoneidade, cabe pedido
d) Fiscalização de reconsideração à autoridade que aplicou a pena,
Trata-se de prerrogativa do poder público, também no prazo de 10 dias úteis da intimação do ato (art.
prevista no artigo 58, III, e disciplinada mais 109, III).
especificamente no artigo 67, que exige seja a f) Anulação
execução do contrato acompanhada e fiscalizada por
um representante da Administração, especialmente A Administração Pública, estando sujeita ao princípio
designado, permitida a contratação de terceiros para da legalidade, tem que exercer constante controle
assisti-los e subsidia-lo de informações pertinentes a sobre seus próprios atos, cabendo-lhe o poder-dever
essa atribuição. de anular aqueles que contrariam a lei, é a
prerrogativa que alguns chamam de autotutela e que
O não-atendimento das determinações da autoridade não deixa de corresponder a um dos atributos dos
fiscalizadora enseja rescisão unilateral do contrato atos administrativos, que diz respeito à sua
(art. 78, VII), sem prejuízo das sanções cabíveis. executoriedade pela própria Administração.
e) Aplicação de penalidades Em se tratando de ilegalidade verificada nos contratos
A inexecução total ou parcial do contrato dá à de que é parte, a Administração tem também o poder
Administração a prerrogativa de aplicar sanções de de declarar a sua nulidade, com efeito retroativo,
natureza administrativa (art. 58, IV), dentre as impedindo os efeitos jurídicos que elas ordinariamente
indicadas no artigo 87, a saber: deveriam produzir, além de desconstituir os já
produzidos.
“I - advertência;
Há que se observar que a ilegalidade no procedimento
II - multa, na forma prevista no instrumento da licitação vicia também o próprio contrato, já que
convocatório ou no contrato; aquele procedimento é condição de validade deste; de
III - suspensão temporária de participação em licitação modo que, ainda que a ilegalidade da licitação seja
e impedimento de contratar com a Administração, por apurada depois de celebrado o contrato, este terá que
prazo não superior a 2 (dois) anos; ser anulado.

IV - declaração de inidoneidade para licitar ou g) Retomada do objeto


contratar com a Administração Pública, enquanto O artigo 80 da Lei nº 8.666/93 prevê, ainda, como
perdurarem os motivos determinantes da punição ou cláusula exorbitante, determinadas prerrogativas que
até que seja promovida a reabilitação, perante a têm por objetivo assegurar a continuidade da
própria autoridade que aplicou a penalidade, que será execução do contrato, sempre que a sua paralisação
concedida sempre que o contratado ressarcir a
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 66
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
possa ocasionar prejuízo ao interesse público e, b) revisão – deriva da ocorrência de uma fato
principalmente, ao andamento de serviço público superveniente, apenas suposto, porém não
essencial; trata-se, neste último caso, de aplicação do conhecido pelos contratantes quando celebraram o
princípio da continuidade do serviço público. contrato, como por exemplo, o aumento de impostos
sobre determinado produto.
Essas medidas, que somente são possíveis nos casos
de rescisão unilateral, são as seguintes:  Duração dos Contratos
“I - assunção imediata do objeto do contrato, no Os contratos administrativos devem ser celebrados
estado e local em que se encontrar, por ato próprio da por prazos determinados, sendo sua duração limitada
Administração; à vigência dos créditos orçamentários (art. 57).
II - ocupação e utilização do local, instalações, Considerando que os créditos orçamentários têm a
equipamentos, material e pessoal empregados na duração de um ano, os contratos deverão também,
execução do contrato, necessários à sua continuidade, como regra, ter sua duração em igual período. Tais
na forma do inciso V do art. 58 desta Lei; créditos vigoram durante cada exercício financeiro – 1º
de janeiro a 31 de dezembro.
III - execução da garantia contratual, para
ressarcimento da Administração, e dos valores das A lei de licitações prevê três exceções à regra geral;
multas e indenizações a ela devidos; nesses casos, os contratos podem ter duração mais
longa do que os créditos orçamentários de cada
IV - retenção dos créditos decorrentes do contrato até
exercício financeiro:
o limite dos prejuízos causados à Administração”.
1) os contratos relativos a projetos fixados no Plano
h) Restrições ao uso da “Exceptio Non Adimplenti
Plurianual;
Contractus”
2) os contratos que tenham por objeto a prestação de
No direito privado, quando uma das partes descumpre serviços a serem executados de forma contínua,
o contrato, a outra pode descumpri-lo também,
quando houver a previsão de preços e condições mais
socorrendo-se da exceptio non adimpleti contractus
vantajosas para a Administração, ficando a duração
(exceção do contrato não cumprido). limitada a 60 meses; e
No direito administrativo, o particular não pode 3) os contratos em que a Administração quer alugar
interromper a execução do contrato, em decorrência equipamentos e utilizar programas de informática,
dos princípios da continuidade do serviço público
caso em que a duração pode se estender pelo prazo
e da supremacia do interesse público sobre o
de até 48 meses após o início do ajuste.
particular; em regra, o que ele deve fazer é requerer,
administrativa ou judicialmente, a rescisão do contrato  Prorrogação dos Contratos
e pagamento de perdas e danos, dando continuidade
à sua execução, até que obtenha ordem da autoridade Como regra geral, a duração dos contratos
administrativos é limitada à vigência dos respectivos
competente (administrativa ou judicial) para paralisá-
créditos orçamentários. Escapam a essa limitação as
lo. Note-se que a Lei nº 8.666/93 só prevê a
possibilidade de rescisão unilateral por parte da três hipóteses elencadas no item anterior.
Administração (art. 79, I); em nenhum dispositivo A Lei enumera taxativamente as situações que
confere tal direito ao contratado. autorizam a prorrogação dos contratos no § 1º do seu
art. 57. Toda prorrogação de prazo deverá ser
 Equação Econômico-Financeira
justificada por escrito e previamente autorizada pela
Trata-se de adequação entre o objeto e o preço, que autoridade competente para celebrar o contrato. A
deve estar presente ao momento em que se firma o prorrogação é possível em razão da ocorrência de um
contrato. dos seguintes motivos, devidamente autuados em
processo:
A manutenção da equação econômico-financeira do
contrato objetiva propiciar às partes (Administração e I - alteração do projeto ou especificações, pela
contratado) “oportunidade de restabelecer o equilíbrio Administração;
toda vez que de alguma forma mais profunda for ele
II - superveniência de fato excepcional ou imprevisível,
rompido ou, quando impossível o restabelecimento,
estranho à vontade das partes, que altere
ensejar a própria rescisão do contrato”.
fundamentalmente as condições de execução do
As formas permitidas pela Lei nº 8.666/93 do contrato;
reequilíbrio são as seguintes:
III - interrupção da execução do contrato ou diminuição
a) reajuste – que se caracteriza por ser uma fórmula do ritmo de trabalho por ordem e no interesse da
preventiva normalmente usada pelas partes já ao Administração;
tempo do contrato, com vistas a preservar os
IV - aumento das quantidades inicialmente previstas
contratados dos efeitos de regime inflacionário.
no contrato, nos limites permitidos pela Lei nº 8.666;
Entre as cláusulas necessárias do contrato
administrativo encontram-se “o preço e as condições V - impedimento de execução do contrato por fato ou
de pagamento, e quando for o caso os critérios de ato de terceiro reconhecido pela Administração em
reajustamento” (art. 55, III). documento contemporâneo à sua ocorrência;

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 67
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
VI - omissão ou atraso de providências a cargo da extraordinário, que impeça, retarde ou torne
Administração, inclusive quanto aos pagamentos insuportavelmente onerosa a execução do contrato
previstos de que resulte, diretamente, impedimento ou como originalmente avençado.
retardamento na execução do contrato, sem prejuízo
a) Teoria da Imprevisão
das sanções legais aplicáveis aos responsáveis.
 Extinção dos Contratos Ocorre a teoria da imprevisão quando, no curso do
contrato, sobrevêm eventos excepcionais e
A extinção do contrato administrativo é o término do imprevisíveis ou, embora previsíveis, sejam de
vínculo obrigacional existente entre a Administração e conseqüências incalculáveis, que prejudiquem a
o contratado. A extinção pode ocorrer em virtude da equação econômico-financeira do pacto.
conclusão do objeto do contrato (término da obra ou
entrega do material de expediente comprado) ou O fundamento da teoria da imprevisão é o princípio da
término de seu prazo de duração (término de um cláusula rebus sic stantibus, segundo o qual o
contrato deve ser cumprido desde que presentes as
contrato de um ano de fornecimento de água mineral),
ou, ainda, por motivo de anulação ou de rescisão do mesmas condições existentes no cenário do qual foi o
pacto ajustado. Mudadas profundamente tais
contrato.
condições, rompe-se o equilíbrio contratual, e não se
Nas duas primeiras hipóteses – conclusão do objeto pode imputar qualquer culpa à parte inadimplente.
ou término de prazo de duração – houve o
O efeito da teoria da imprevisão firma-se em duas
adimplemento do contratado e o término do vínculo
contratual ocorre de pleno direito, isto é, sem vertentes. Se a parte prejudicada não puder cumprir,
de nenhum modo, as obrigações contratuais, dar-se-á
necessidade de intervenção do Judiciário.
a rescisão sem atribuição de culpa. Se o cumprimento
A anulação do contrato pode ser feita a qualquer for possível, mas acarretar ônus para a parte, terá esta
tempo, pela autoridade administrativa ou pelo Poder direito à revisão do preço para restaurar o equilíbrio
Judiciário, sempre por motivo de ilegalidade. rompido.
Já a rescisão do contrato implica sua extinção antes b) Fato do Príncipe
de concluído o seu objeto, antes do término do prazo
Corresponde a medidas de ordem geral, não
de sua duração. A rescisão pode se dar por culpa do
relacionadas diretamente com o contrato, mas que
contratado ou por culpa da Administração.
nele repercutem, provocando desequilíbrio
 Inexecução dos Contratos econômico-financeiro em detrimento do
contratado. Cite-se o exemplo de um tributo que
Caracteriza inadimplemento do contrato o
incida sobre matérias-primas necessárias ao
descumprimento total ou parcial de suas cláusulas por
cumprimento do contrato; ou medida de ordem geral
qualquer das partes, podendo ser com culpa ou sem que dificulte a importação dessas matérias-primas.
culpa da Administração ou do particular contratado.
No caso de medida geral, que atinja o contrato apenas
 Inexecução culposa
reflexamente, a responsabilidade é extracontratual; o
A inexecução culposa do contrato é caracterizada pelo dever de recompor o equilíbrio econômico do contrato
descumprimento ou cumprimento irregular das repousa na mesma idéia de eqüidade que serve de
cláusulas contratuais em razão da ação ou omissão fundamento à teoria da responsabilidade objetiva do
culposa ou dolosa da Administração ou do contratado. Estado.
A inexecução culposa do contrato pelo contratado No direito brasileiro, de regime federativo, a teoria do
acarreta a aplicação das sanções legais e contratuais. fato príncipe somente se aplica se a autoridade
responsável pelo fato príncipe for da mesma esfera de
A inexecução por culpa do contratado possibilita, governo em que se celebrou o contrato (União,
também, a rescisão unilateral do contrato pela Estados e Municípios); se for de outra esfera, aplica-
Administração. se a teoria da imprevisão.
A inexecução por culpa da Administração possibilita Na Lei nº 8.666/93 há expressa referência à teoria do
ao contratado pleitear a rescisão judicial ou por fato príncipe, no art. 65, II, d, com a redação dada pela
acordo. O contratado será ressarcido dos prejuízos Lei nº 8.883/94.
comprovados que houver sofrido, tendo ainda direito à
devolução da garantia, aos pagamentos devidos pela c) Caso Fortuito e Força Maior
execução do contrato até a data da rescisão e ao
Consoante as lições de Celso Antônio Bandeira de
pagamento do custo da desmobilização.
Mello e Maria Sylvia Di Pietro, a força maior ocorre
 Inexecução sem culpa quando estamos diante de um evento externo,
estranho a qualquer atuação da Administração ou do
A inexecução sem culpa pressupõe a existência de contratado, que, além disso, de ser imprevisível e
uma causa justificadora do inadimplemento e libera o irresistível ou inevitável, como por exemplo, um
inadimplente de responsabilidade, em razão da furacão, um terremoto, uma guerra etc.
aplicação da denominada Teoria da Imprevisão.
Já o caso fortuito seria sempre um evento interno, ou
Para que se caracterize uma causa justificadora de seja, decorrente de uma atuação da Administração ou
inadimplemento contratual é necessário que ocorra, do contratado, como ocorre, por exemplo, na greve de
após a celebração do ajuste, um evento imprevisível e servidores; no rompimento de uma adutora ou de um

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 68
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
cabo elétrico tornando excessivamente onerosa a destes, já recebidos ou executados, salvo em caso de
execução do contrato. Nesta hipótese (caso fortuito), calamidade pública, grave perturbação da ordem
todas as normas técnicas, cuidados com a segurança interna ou guerra, assegurado ao contratado o direito
e providências exigidas para a obtenção de um de optar pela suspensão do cumprimento de suas
determinado resultado foram adotadas, mas, não obrigações até que seja normalizada a situação;
obstante tamanha cautela, inexplicavelmente, o
XVI - a não-liberação, por parte da Administração, de
resultado ocorre de forma diversa do que previsto.
área, local ou objeto para execução de obra, serviço
Ocorrendo tais situações, rompe-se o equilíbrio ou fornecimento, nos prazos contratuais, bem como
contratual, porque uma das partes passa a sofrer um das fontes de materiais naturais especificadas no
encargo extremamente oneroso, não tendo dado projeto”.
causa para tanto.
 Principais Contratos Administrativos
Quanto ao efeito, dispõe o art. 393 do Código Civil,
1 - Contrato de Obra Pública
como regra, que “o devedor não responde pelos
prejuízos resultantes de caso fortuito ou força A Lei nº 8.666/93, em seu art. 6º, inciso I, define obra
maior”. como toda construção, reforma, fabricação,
recuperação ou ampliação, realizada por execução
A ocorrência daquelas situações contempladas na
direta ou indireta.
regra geral rende ensejo à rescisão do contrato sem
culpa do devedor inadimplente. A lei de licitações No tocante à forma de execução, as obras poder ser
prevê hipótese de rescisão contratual pela ocorrência executadas diretamente pela própria Administração
de caso fortuito ou força maior regularmente ou, indiretamente, quando a execução incumbe a
comprovados (inciso XVII do art. 78 da Lei nº terceiros contratados.
8.666/93), admitindo, inclusive, indenização ao
prejudicado pelos prejuízos causados, desde que, é Eis os casos de regime de execução, quando
lógico, não tenha havido culpa do inadimplente. indiretamente executados:

Tais situações, contudo, devem caracterizar-se pela a) empreitada por preço global – é fixado um preço
imprevisibilidade, inevitabilidade e impossibilidade total certo, que pode ser reajustável, para remunerar o
do cumprimento das obrigações. Fora daí, os fatos empreiteiro pela totalidade da obra.
estarão dentro da álea normal dos contratos. b) empreitada por preço unitário – ocorre quando se
d) Fato da Administração contrata a execução da obra ou do serviço por preço
certo de unidades determinadas.
Ocorre toda vez que uma ação ou omissão do Poder
Público, especificamente relacionada ao contrato, c) empreitada integral – se presta à realização de
impede ou retarda sua execução. Nesta especificidade obras de maior vulto e complexidade, abrangendo não
da ação ou omissão da Administração relativamente só as obras, mas também os serviços.
ao contrato reside a diferença entre esta causa d) tarefa – é caracterizada pela contratação de mão-
justificadora e o fato do príncipe, precedentemente de-obra para pequenos trabalhos por preço certo, com
analisado. ou sem fornecimento de materiais.
O fato da Administração pode ensejar a rescisão 2 – Contrato de Serviços
judicial ou amigável do contrato, ou, em alguns casos,
a paralisação de sua execução pelo contratado até a O art. 6º, inciso II, da Lei nº 8.666/93 define serviço
normalização da situação. como “toda atividade destinada a obter determinada
utilidade de interesse para a Administração, tais como:
As hipóteses de fatos da Administração estão demolição, conserto, instalação, montagem, operação,
previstas na Lei nº 8.666, art. 78, incisos XIV, XV e conservação, reparação, adaptação, manutenção,
XVI, transcritos: transporte, locação de bens, publicidade, seguro ou
“Art. 78. Constituem motivo para rescisão do contrato: trabalhos técnico-profissionais”.

XIV - a suspensão de sua execução, por ordem escrita 3 – Contrato de Fornecimento


da Administração, por prazo superior a 120 (cento e “É o contrato administrativo por meio do qual a
vinte) dias, salvo em caso de calamidade pública, Administração adquire coisas móveis, como material
grave perturbação da ordem interna ou guerra, ou hospitalar, material escolar, equipamentos, gêneros
ainda por repetidas suspensões que totalizem o alimentícios, necessários à realização e à manutenção
mesmo prazo, independentemente do pagamento de seus serviços”.
obrigatório de indenizações pelas sucessivas e
contratualmente imprevistas desmobilizações e O contrato pode ser de fornecimento integral,
mobilizações e outras previstas, assegurado ao semelhante à compra e venda, sendo o objeto
contratado, nesses casos, o direito de optar pela contratado entregue de uma só vez em sua totalidade;
suspensão do cumprimento das obrigações assumidas de fornecimento parcelado, em que a quantidade a ser
até que seja normalizada a situação; entregue é certa e determinada; e de fornecimento
contínuo, em que a entrega é sucessiva e prolonga-se
XV - o atraso superior a 90 (noventa) dias dos no tempo pelo período estipulado com de duração do
pagamentos devidos pela Administração decorrentes contrato.
de obras, serviços ou fornecimento, ou parcelas

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 69
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
4 – Contrato de Concessão 03. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 19ª R – 2014 –
FCC) Considere as seguintes assertivas, à luz da Lei
Trata-se de “ajuste pelo qual a Administração delega
no 8.666/93:
ao particular a execução remunerada de serviço ou de
obra pública ou lhe cede o uso de um bem público I. Na licitação modalidade convite, a Comissão de
(concessão de uso de bem público), para que o licitação, excepcionalmente, nas pequenas unidades
explore por sua conta e risco, pelo prazo e nas administrativas e em face da exiguidade de pessoal
condições legais e contratuais”. disponível, poderá ser substituída por servidor
formalmente designado pela autoridade competente.
Os contratos de concessão de uso podem ser
celebrados sob duas modalidades: II. Os membros das Comissões de licitação
responderão solidariamente por todos os atos
a) concessão administrativa de uso, que confere ao praticados pela Comissão, salvo se posição individual
particular um direito pessoal, intransferível; ou
divergente estiver devidamente fundamentada e
b) concessão de direito real de uso, atribuindo ao registrada em ata lavrada na reunião que tiver sido
particular um direito real (relacionado ao bem e não à tomada a decisão.
sua pessoa), por esse motivo alienável a terceiros.
III. A investidura dos membros das Comissões não
excederá a 1 (um) ano, vedada a recondução da
totalidade de seus membros para a mesma comissão
EXERCÍCIOS – LICITAÇÃO E CONTRATOS no período subsequente.
ADMINISTRATIVOS
IV. No caso de concurso, o julgamento será feito por
01. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT 19ª R – 2014 – uma comissão especial integrada por pessoas de
FCC) O Governo Federal, ao instituir a Política reputação ilibada e reconhecido conhecimento da
Nacional de Resíduos Sólidos, incluiu, entre seus matéria em exame, obrigatoriamente servidores
objetivos, a prioridade nas aquisições e contratações públicos.
governamentais, para: (a) produtos reciclados e
recicláveis; (b) bens, serviços e obras que considerem Está correto o que consta APENAS em
critérios compatíveis com padrões de consumo social (A) III e IV.
e ambientalmente sustentáveis. O tema em questão
está associado ao seguinte princípio relativo às (B) I e IV.
licitações públicas: (C) II.
(A) adjudicação compulsória. (D) I, III e IV.
(B) licitação sustentável. (E) I, II e III.
(C) julgamento objetivo.
04. (TEC. JUD. – ADMINISTRATIVA – TRF 5ªR –
(D) ampla defesa. 2012 – FCC) Acerca de Licitação considere:
(E) vinculação ao instrumento convocatório. I. Concurso é a modalidade de licitação entre
quaisquer interessados para escolha de trabalho
técnico, científico ou artístico, mediante a instituição
02. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT 19ª R – 2014 – de prêmios ou remuneração aos vencedores,
FCC) Em procedimento licitatório promovido pelo conforme critérios constantes de edital publicado na
Estado de Alagoas, não acudiram interessados no imprensa oficial com antecedência mínima de 45
certame. Se o mencionado procedimento licitatório, (quarenta e cinco) dias.
justificadamente, não puder ser repetido sem prejuízo II. O leilão destina-se, dentre outras hipóteses, à
para o Estado, e desde que mantidas, neste caso, venda de bens móveis inservíveis para a
todas as condições preestabelecidas, Administração ou de produtos legalmente apreendidos
(A) deve, obrigatoriamente, ser realizado outro ou penhorados.
certame licitatório com modalidade idêntica à do III. É inexigível a licitação quando houver inviabilidade
anterior. de competição, em especial para contratação de
(B) deve, obrigatoriamente, ser realizado outro profissional de qualquer setor artístico, diretamente ou
certame licitatório com modalidade diversa do anterior. através de empresário exclusivo, desde que
consagrado pela crítica especializada ou pela opinião
(C) é dispensável a licitação. pública.
(D) deve, necessariamente, ser prorrogado o certame. Está correto o que consta em
(E) é inexigível a licitação. (A) II e III, apenas.
(B) I, II e III.
(C) I e III, apenas.
(D) I e II, apenas.
(E) II, apenas.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 70
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
05. (ANALISTA MINISTERIAL – MPE/PE – 2012 – (C) possibilidade de escolha de mais de um vencedor,
FCC) O Estado de Pernambuco pretende realizar classificados pelo valor da proposta apresentada, para
licitação, na modalidade concorrência, para a subsequente análise da documentação pertinente à
execução de grande e importante obra pública. O valor habilitação.
estimado para a mencionada licitação é superior a R$
150.000.000,00 (cento e cinquenta milhões de reais). (D) possibilidade de análise conjunta de todas as
propostas e da documentação de habilitação dos
Nos termos da Lei nº 8.666/1993, o mencionado
licitantes, para definição do vencedor combinando-se
processo licitatório será iniciado, obrigatoriamente,
com uma audiência pública concedida pela autoridade critério de julgamento de preço e técnica.
responsável com uma antecedência mínima da data (E) preferência pelo pregão eletrônico ao presencial,
prevista para a publicação do edital. O prazo a que se com inversão de fases, quando se tratar de aquisição
refere o enunciado é de de bens cuja especificidade demande demonstração e
detalhamento técnico de maior complexidade.
(A) 10 dias úteis.
(B) 5 dias úteis.
08. (ANALISTA JUDICIÁRIO – CONTADOR - TRT
(C) 2 dias úteis.
19ª R – 2014 – FCC) A Administração pública, em
(D) 15 dias úteis. determinado pregão, fez as seguintes exigências:
(E) 30 dias úteis. I. Garantia de proposta.
II. Aquisição do edital pelos licitantes, como condição
para participação no certame.
06. (ASSESSOR LEGISLATIVO – ASSEMBLÉIA
LEGISLATIVA - PB – 2013 – FCC) Nos termos da Lei III. Cobrança de taxa referente ao fornecimento do
nº 10.520/02, que trata do Pregão, aberta a sessão, os edital, não superior ao custo de sua reprodução
interessados ou seus representantes apresentarão gráfica.
declaração dando ciência de que cumprem
Nos termos da Lei no 10.520/02, é vedada a exigência
plenamente os requisitos de habilitação e entregarão
do que consta em
os envelopes contendo a indicação do objeto e do
preço oferecidos, procedendo-se à sua imediata (A) III, apenas.
abertura e à verificação da conformidade das
(B) I, II e III.
propostas com os requisitos estabelecidos no
instrumento convocatório. No curso da sessão, o autor (C) I e II, apenas.
da oferta de valor mais baixo e os das ofertas com
preços até (D) I e III, apenas.

(A) 10% (dez por cento) superiores àquela poderão (E) II, apenas.
fazer novos lances verbais e sucessivos, até a
proclamação do vencedor.
09. (ADVOGADO – ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA/MA
(B) 20% (vinte por cento) superiores àquela poderão – 2013 – FGV) A obrigatoriedade da realização de
fazer novos lances verbais e sucessivos, até a licitação para as contratações da administração
proclamação do vencedor. pública é uma imposição constitucional. No entanto a
(C) 15% (quinze por cento) superiores àquela poderão constituição prevê também a possibilidade de essa
fazer novos lances escritos e sucessivos, até a obrigatoriedade ser excepcionada por lei. A Lei nº
proclamação do vencedor. 8.666/93 prevê algumas hipóteses em que as
contratações poderão ser feitas sem licitação.
(D) 15% (quinze por cento) superiores àquela poderão
fazer novos lances verbais e sucessivos, até a Com relação a essas hipóteses, assinale a afirmativa
proclamação do vencedor. correta.

(E) 20% (vinte por cento) superiores àquela poderão (A) A contratação de profissional do setor artístico
fazer novos lances escritos e sucessivos, até a poderá ser feita sem licitação por ser essa inexigível
proclamação do vencedor. na hipótese.
(B) A contratação em casos de guerra poderá ser feita
07. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 18ª R – 2013 – sem licitação por ser essa inexigível na hipótese.
FCC) Dentre os benefícios e vantagens advindos da
utilização da modalidade de pregão, destaca-se a (C) A contratação de serviços técnicos de natureza
singular com profissionais ou empresas de notória
(A) inversão de fases, com a análise da documentação especialização poderá ser feita sem licitação por ser
pertinente à habilitação antes da análise das pro essa dispensável na hipótese.
postas.
(D) A contratação nos casos de calamidade pública
(B) existência de uma sessão pública para julgamento poderá ser feita sem licitação por ser essa inexigível
e classificação das propostas, com imediata abertura na hipótese.
dos envelopes, com combinação de lances verbais.
(E) A aquisição de materiais, equipamentos, ou
gêneros que só possam ser fornecidos por produtor,

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 71
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
empresa ou representante comercial exclusivo poderá (D) O concurso é a modalidade de licitação que visa à
ser feita sem licitação por ser essa dispensável na contratação de pessoal para o exercício de cargos,
hipótese. empregos ou funções públicas.
(E) A tomada de preços é a modalidade de licitação
que somente pode ser utilizada para serviços e
10. (ANALISTA - DIREITO – MPE/MS – 2013 – FGV)
compras padronizadas.
Sobre a dispensa e a inexigibilidade de licitações,
assinale a afirmativa correta.
(A) A licitação deserta ocorre quando nenhum 13. (ANALISTA – TCE/DF – 2013 – CESPE) Com
interessado acudir ao certame e ele não puder ser base no disposto na Lei n.º 8.666/1993, julgue os itens
repetido sem prejuízo para a Administração. a seguir.
(B) A licitação é dispensável quanto não há viabilidade 1. ( ) A administração pode optar por contratar
de competição entre os interessados, devendo-se produto de empresa nacional em detrimento do bem
realizar a contratação direta. importado sob a justificativa, exclusiva de dar
preferência à industrial nacional.
(C) As hipóteses de inexigibilidade de licitação estão
previstas de forma taxativa na Lei de Licitações, não 2. ( ) Dado o princípio da publicidade, a ausência
se admitindo a sua interpretação extensiva. de regular comunicação aos licitantes acerca do
resultado do julgamento constitui vício irreparável que
(D) A licitação para contratação direta pode ser
acarreta a nulidade dos atos da licitação.
dispensada pelo Poder Público quando houver
profissionais com notória especialização, desde que 3. ( ) A administração pode definir expressamente
por preço de mercado. a localização geográfica da execução do contrato e
desclassificar propostas que não atestem a viabilidade
(E) A licitação diz-se frustrada quando, mesmo tendo
técnica para o cumprimento do contrato de acordo
acudido interessados, a mesma não se realiza por
com a tal definição.
motivos de caso fortuito ou força maior.

14. (TÉCNICO ADMINISTRATIVO – MPU – 2013 –


11. (PROCURADOR – ASSEMBLEIA
CESPE) Acerca de licitação, julgue os itens seguintes.
LEGISLATIVA/MT – 2013 – FGV) Com relação à
disciplina legal das licitações, é correto afirmar que 1. ( ) Concurso é a modalidade de licitação para a
escolha de trabalho técnico, científico ou artístico,
(A) não se admite, no julgamento da licitação,
mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos
qualquer preferência a empresas brasileiras.
vencedores, conforme critérios constantes de edital
(B) a contratação de serviços de publicidade deve ser publicado na imprensa oficial, com antecedência
precedida de licitação. mínima de quarenta dias.
(C) a alienação de bens da Administração Pública será 2. ( ) É dispensável a licitação para a aquisição,
sempre precedida de avaliação e licitação. com recursos concedidos pelo Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico, de bens
(D) as obras, serviços, compras e alienações destinados exclusivamente à pesquisa científica e
realizados pelos órgãos dos Poderes Legislativo e tecnológica.
Judiciário não são atingidos pela exigência de
licitação.
(E) a modalidade de licitação entre interessados 15. (TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR – DPRF – 2012
previamente cadastrados, convidados em número – CESPE) Tendo em vista que a Constituição Federal
mínimo de 3 (três) pela unidade administrativa, é de 1988 estabelece, como regra, o procedimento
denominada convite. licitatório para a aquisição de bens e serviços,
especialmente para garantir a observância do princípio
constitucional da isonomia e a seleção da proposta
12. (ANALISTA - DIREITO – MPE/MS – 2013 – FGV) mais vantajosa para a administração pública, em
Acerca das modalidades de licitação previstas na Lei estrita conformidade com os princípios da legalidade,
nº 8.666/93, assinale a afirmativa correta. da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da
publicidade e da probidade administrativa, entre
(A) A concorrência é a modalidade mais estrita, outros, julgue os itens subsequentes, acerca da
somente podendo ser utilizada nas grandes compras e licitação e do contrato administrativo.
obras da Administração Pública.
1. ( ) O contrato verbal realizado com a
(B) O convite é a modalidade que, no caso de administração pública será válido se decorrer de
compras, somente pode ser utilizada para valores circunstâncias emergenciais.
iguais ou inferiores a R$ 80.000,00.
2. ( ) A administração pública pode dispensar a
(C) O leilão somente pode ser utilizado para a venda licitação quando constatar não haver interessados
de bens móveis da Administração Pública pois, no antes da realização do evento licitatório.
caso de imóveis, se procede a praça.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 72
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
3. ( ) É dispensável a licitação para contratação (E) agiu corretamente o Estado de Alagoas, sendo a
de profissional de qualquer setor artístico, diretamente multa obrigatoriamente descontada dos pagamentos
ou por meio de empresário exclusivo, desde que esse ainda devidos à empresa contratada.
profissional seja consagrado pela crítica especializada
ou pela opinião pública.
18. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 18ª R – 2013 –
4. ( ) A administração pública pode rescindir o FCC) A mutabilidade que caracteriza o contrato
contrato com o particular por ato unilateral e escrito na
administrativo,
ocorrência de caso fortuito ou de força maior,
regularmente comprovada e impeditiva da execução (A) é ilimitada, desde que a fundamentação da
do contrato. alteração demonstre a necessidade de fazê-lo para
atendi mento do interesse público.
(B) é ilimitada no que se refere aos aspectos
16. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 18ª R – 2013 –
quantitativos do contrato, e limitada no que concerne
FCC) A Administração pública realizou, sem prévio
às alterações qualitativas, desde que fique
procedimento licitatório, contratação verbal para
demonstrada a necessidade de fazê-lo para
compra de gêneros alimentícios, com entrega
atendimento do interesse público.
imediata, no valor total de R$ 3.500,00. Nos termos da
Lei nº 8.666/93, a contratação em questão é (C) expressa-se no aspecto quantitativo com
limitações percentuais para acréscimos e supressões
(A) válida, pois se caracteriza como inexigibilidade de de obras, serviços ou compras, percentuais que não
licitação, sendo possível contrato verbal em razão do
se aplicam quando se trata de análise de viabilidade
valor e das características da contratação.
de alteração qualitativa.
(B) inválida, pois não existe possibilidade de
(D) expressa-se no aspecto qualitativo com limitações
realização de contratos verbais na Administração
percentuais, combinado com a obrigação de
pública.
restabelecimento do equilíbrio econômico-financeiro
(C) válida, pois se caracteriza como dispensa de por parte da Administração diante de majorações de
licitação, sendo possível contrato verbal em razão do custos da contratada.
valor e das características da contratação, feita em (E) limita-se à demonstração de necessidade da
regime de adiantamento.
alteração para adequação de critérios técnicos ou
(D) inválida, pois deveria ter sido realizada licitação na financeiros, vedadas mudanças que promovam
modalidade pregão, dada a natureza comum do objeto alteração qualitativa, em razão da impossibilidade de
e o contrato deveria ter sido feito por meio de nota de estabelecimento de majoração de custos da
empenho específica. Administração pública.
(E) válida, pois a aquisição de gêneros alimentícios 19. (ANALISTA JUDICIÁRIO - TRT 19ª R – 2014 –
sempre pode ser realizada mediante adiantamento, FCC) De acordo com o previsto na Lei nº 8.666/93, a
sem necessidade de prévia licitação e formalização inadequada execução do contrato administrativo dá
contratual. lugar à imposição de sanções, dentre elas, a
(A) declaração de inidoneidade para licitar ou contratar
17. (ANALISTA JUDICIÁRIO – CONTADOR - TRT com a Administração, penalidade que, dada a
19ª R – 2014 – FCC) O atraso injustificado na gravidade de sua natureza, absorve as demais
execução de determinado contrato administrativo fez sanções, excluindo a possibilidade de cumulação.
com que o Estado de Alagoas − ente contratante −
(B) suspensão temporária de participar de licitação,
aplicasse à empresa contratada multa de mora pelo que deve se limitar a prazo não superior a 3 (três)
descumprimento contratual, o que foi feito
anos, sob pena de ser obrigatória a imposição da
unilateralmente e sem prévio processo administrativo.
penalidade de declaração de inidoneidade para licitar.
A propósito do tema e de acordo com a Lei no
8.666/93, (C) multa pecuniária, que se presta a converter em
pecúnia todos os prejuízos apurados pela
(A) agiu corretamente o Estado de Alagoas, desde que Administração pública, não podendo, portanto, ser
tenha aplicado a multa nos moldes do quanto previsto
cumulada com outras sanções, com exceção da
no contrato administrativo.
declaração de inidoneidade para contratar.
(B) agiu corretamente o Estado de Alagoas, desde que (D) declaração de inidoneidade para licitar ou contratar
tenha aplicado a multa nos moldes do quanto previsto
com a Administração, que poderá cessar, mediante
no instrumento convocatório.
reabilitação, no caso de ressarcimento pelo contratado
(C) não agiu corretamente o Estado de Alagoas, haja pelos prejuízos resultantes da inadequada execução.
vista a inobservância do prévio processo
(E) advertência, que se impõe no caso de infrações
administrativo. leves e não gravosas, e, portanto, dispensa prévia
(D) não agiu corretamente o Estado de Alagoas, pois observância do direito de defesa do contratado.
não é cabível multa por inexecução do contrato, mas
sim, outras espécies de sanção.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 73
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
20. (TÉCNICO MINISTERIAL – MPE/PE – 2012 – cronológico dos seus autógrafos e registro sistemático
FCC) Nos termos da Lei nº 8.666/1993, a prestação de do seu extrato.
serviços a serem executados de forma contínua
poderão ter a sua duração prorrogada por iguais e
sucessivos períodos com vistas à obtenção de preços 23. (PROCURADOR – ASSEMBLEIA
e condições mais vantajosas para a Administração, LEGISLATIVA/MT – 2013 – FGV) A União celebrou
limitada a sessenta meses. No entanto, em caráter contrato de obra pública com a empresa X, vencedora
excepcional, devidamente justificado e mediante de concorrência, para a construção de uma rodovia de
autorização da autoridade superior, o prazo de 140 (cento e quarenta) km de extensão. O contrato foi
sessenta meses poderá ser prorrogado em até celebrado pelo prazo de 24 (vinte e quatro) meses. No
(A) sessenta meses. decorrer da obra, entretanto, a Administração verificou
a necessidade de alteração no projeto contratado, com
(B) vinte e quatro meses. o acréscimo de serviços e a prorrogação do prazo
contratual por mais 12 meses.
(C) seis meses.
Diante do exposto, é correto afirmar que
(D) doze meses.
(A) não é possível a alteração do objeto contratado,
(E) trinta e seis meses.
embora a prorrogação do prazo, em tese, seja
possível.
21. (ANALISTA - DIREITO – MPE/MS – 2013 – FGV) (B) é possível o acréscimo, na obra, até o limite de 25
As alternativas a seguir apresentam cláusulas % (vinte e cinco por cento) do valor inicial atualizado
exorbitantes dos contratos administrativos, à exceção do contrato, mas, por se tratar de contrato com prazo
de uma. Assinale‐a. superior a 12 (doze) meses, é impossível a sua
prorrogação.
(A) Rescisão unilateral do contrato.
(C) é possível o acréscimo, na obra, até o limite de 25
(B) Fiscalização unilateral da obra. % (vinte e cinco por cento) do valor inicial atualizado
(C) Alteração unilateral do preço. do contrato, bem como a prorrogação do contrato.

(D) Aplicação de sanções administrativas. (D) a alteração unilateral do contrato é permitida, mas
não por razão de alteração no projeto contratado.
(E) Inoponibilidade relativa da exceção do contrato
não cumprido. (E) desde que haja expressa concordância do
contratado, é possível o acréscimo na obra, qualquer
que seja o valor, bem como a prorrogação do contrato.
22. (DELEGADO – POLÍCIA CIVIL/MA – 2012 – FGV)
A respeito dos contratos administrativos, tendo em
vista as disposições da Lei n. 8.666/93, assinale a 24. (ANALISTA – TCE/DF – 2013 – CESPE) No que
afirmativa correta. se refere à elaboração e fiscalização de contratos,
julgue os itens subsecutivos.
(A) Os contratos administrativos podem ser alterados
unilateralmente pela Administração Pública em casos 1. ( ) Em decorrência do princípio constitucional
específicos, situações em que esta deverá da livre escolha dos representantes, a contratada pode
restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro inicial, indicar múltiplos prepostos para representá-la, bem
caso haja aumento dos encargos do contratado. como pode substituí-los a qualquer momento.

(B) Nos contratos administrativos, fica facultado à 2. ( ) Se não houver previsão de penalidade de
Administração inserir cláusula de reconhecimento dos multa no edital da licitação nem no instrumento
direitos da Administração, em caso de rescisão contratual, para o caso de atraso na execução do
administrativa decorrente de inexecução total ou contrato, a administração não poderá valer-se do
parcial do contrato. poder discricionário para aplicar a referida penalidade.

(C) O instrumento de contrato, em regra, é obrigatório 3. ( ) É imprescindível que haja previsão


apenas nos casos de concorrência, bem como nas orçamentária no plano plurianual para que sejam
dispensas e inexigibilidades cujos preços estejam realizados contratos de longo prazo, ou seja, contratos
compreendidos no limite desta modalidade de com prazo superior ao prazo de vigência do crédito
licitação. orçamentário.

(D) A Administração poderá, pela inexecução total ou 4. ( ) A regra de prorrogabilidade dos contratos
parcial do contrato, aplicar as sanções de advertência, poderá ser usada para assegurar compras de bens de
multa, suspensão temporária ou declaração de uso contínuo destinados a atender a necessidades
inidoneidade, independentemente de prévia oitiva da públicas permanentes.
parte contratada. 5. ( ) A administração não pode impor regras e
(E) Os contratos relativos a direitos reais sobre procedimentos mais rígidos para empresas que
imóveis deverão ser lavrados nas repartições possuam débitos fiscais — ainda que habilitadas no
interessadas, as quais deverão manter arquivo processo licitatório — como forma de assegurar o
cumprimento contratual.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 74
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
9 – RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO
25. (TÉC. DE CONTROLE EXTERNO – TCU – 2012 –  Conceito
CESPE) Julgue os itens a seguir, a respeito dos
contratos administrativos. A responsabilidade civil é aquela que decorre da
existência de um fato que atribui a determinado
1. ( ) Aplica-se ao contrato administrativo a teoria indivíduo o caráter de imputabilidade
das nulidades, segundo sua configuração tradicional (responsabilidade) dentro do direito privado.
do direito privado. Assim, a declaração de nulidade do
contrato administrativo opera retroativamente, O Novo Código Civil, em seu art. 186, trata a matéria
impedindo os efeitos jurídicos que ele deveria produzir nos seguintes termos: “Aquele que, por ação ou
e desconstituindo os já produzidos, o que isenta omissão voluntária, negligência ou imprudência,
inteiramente a administração pública do dever de violar direito e causar dano a outrem, ainda que
indenizar o contratado. exclusivamente moral, comete ilícito”. Em seu art.
927 ainda prevê: “Aquele que, por ato ilícito (arts.
2. ( ) A regra segundo a qual o prazo de vigência 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a
do contrato administrativo não pode ultrapassar os repará-lo”.
limites de vigência dos créditos orçamentários
correspondentes comporta exceções, como a que Trata-se, assim, de modalidade de obrigação
envolve os projetos de longo prazo previstos no plano extracontratual e para que ocorra são necessários,
plurianual, caso seja do interesse da administração como se depreende de sua definição, os seguintes
pública e desde que a prorrogação tenha sido prevista elementos:
no ato convocatório. 1. o fato lesivo causado pelo agente em decorrência
de culpa em sentido amplo, a qual abrange o dolo
(intenção) e a culpa em sentido estrito, que engloba a
26. (ANALISTA ADMINISTRATIVO – ANAC – 2013 – negligência, a imprudência e a imperícia;
CESPE) A respeito de contratos com a administração
pública, julgue os itens a seguir. 2. a ocorrência de um dano patrimonial ou moral; e
1. ( ) Em que pese não ser obrigatório nos 3. o nexo de causalidade entre o dano havido e o
contratos administrativos, o reajuste periódico de comportamento do agente, o que significa ser
preços é uma prática de mercado que também deve necessário que o dano efetivamente haja ocorrido,
ser seguida pela administração pública, de modo a direta ou indiretamente, da ação ou omissão indevida
trazer equilíbrio econômico-financeiro ao contrato. do agente.
2. ( ) Havendo inexecução culposa do contrato A professora Maria Sylvia Di Pietro assim define este
administrativo, poderá a administração contratante instituto jurídico: “a responsabilidade
rescindir, unilateralmente, o contrato administrativo. extracontratual do Estado corresponde à
obrigação de reparar danos causados a terceiros
3. ( ) Uma das peculiaridades atinentes ao em decorrência de comportamentos comissivos ou
contrato administrativo diz respeito à possibilidade de omissivos, materiais ou jurídicos, lícitos ou ilícitos,
a empresa vencedora do certame ser chamada para imputáveis aos agentes públicos”.
discutir as cláusulas do contrato, de modo a melhor
ajustá-lo aos interesses de ambas as partes. Assim, a responsabilidade civil do Estado, traduz-se
na obrigação de reparar economicamente danos
patrimoniais resultante de comportamento do
GABARITO Executivo, do Legislativo ou do Judiciário.
 Teorias sobre o tema
01 - B 02 - 03 - E 04 - 05 - 06 - 07 -
C B D A B 1ª - Teoria da Irresponsabilidade do Estado
Excluía a responsabilidade civil do Estado sob o
08 - C 09 - 10 - A 11 - 12 - 13 - 14 - fundamento da “soberania”, era própria dos Estados
A B B EEC EC absolutos (“o rei não erra”, “o rei não pode fazer mal”,
eram os seus princípios). Esta teoria foi adotada no
15 - 16 - 17 - C 18 - 19 - 20 - 21 - Brasil (Constituições de 1824 e 1891), mas jamais
EECC C C D D C significou a impossibilidade absoluta de reparação do
dano causado por atuação do Estado. Respondia pelo
22 - A 23 - 24 - 25 - 26 - ----- ----- prejuízo o servidor ou funcionário público e não o
C ECCC EC ECE Estado.
2ª - Teoria da Responsabilidade com Culpa ou
Teoria Civilista da Culpa (subjetiva)
Esta teoria pretendeu equiparar o Estado ao indivíduo,
sendo, portanto, obrigado a indenizar os danos
causados aos particulares nas mesmas hipóteses em
que existe tal obrigação para os indivíduos.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 75
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Assim, como o Estado atua por meio de seus agentes, que a teoria do risco integral é “injusta, absurda e
somente existia obrigação de indenizar quando estes, inadmissível no direito moderno”.
os agentes, tivessem agido com culpa ou dolo,
 Direito Brasileiro
cabendo, evidentemente, ao particular prejudicado o
ônus de demonstrar a existência desses elementos  O Código Civil
subjetivos.
O Código Civil Brasileiro assim disciplina a matéria em
3ª - Teoria da Culpa Administrativa seu art. 43: “As pessoas jurídicas de direito público
interno são civilmente responsáveis por atos dos
Pela teoria da culpa administrativa, o lesado não
precisaria identificar o agente estatal causador do seus agentes que nessa qualidade causem danos
a terceiros, ressalvado direito regressivo contra os
dano. Bastava-lhe comprovar o mau funcionamento do
serviço público, mesmo que fosse impossível apontar causadores do dano, se houver, por parte destes,
culpa ou dolo”.
o agente que o provocou. A doutrina passou a chamar
o fato como culpa anônima ou falta do serviço.  A Constituição Federal
A falta do serviço podia consumar-se de três A Constituição Federal acolheu a responsabilidade
maneiras: a inexistência do serviço, o mau objetiva do Estado, prevendo em seu art. 37, § 6º: “As
funcionamento do serviço ou o retardamento do pessoas jurídicas de direito público e as de direito
serviço. Cabe sempre ao particular prejudicado pela privado prestadoras de serviços públicos
falta comprovar sua ocorrência para fazer jus à responderão pelos danos que seus agentes, nessa
indenização. qualidade, causarem a terceiros, assegurado o
direito de regresso contra o responsável nos
4ª - Teoria do Risco Administrativo (Fundamento da
casos de dolo ou culpa”.
responsabilidade objetiva)
Esse dispositivo regula a responsabilidade objetiva da
Não há dúvida de que a responsabilidade objetiva
Administração, na modalidade risco administrativo,
resultou de acentuado processo evolutivo, passando a
pelos danos causados por atuação de seus agentes.
conferir maior benefício ao lesado, por estar
Não alcança os danos ocasionados por omissão da
dispensado de provar alguns elementos que dificultam
Administração, cuja indenização, se cabível, é
o surgimento do direito à reparação dos prejuízos,
como, por exemplo, a identificação do agente, a culpa regulada pela Teoria da Culpa Administrativa.
deste na conduta administrativa, a falta do serviço etc. Basta, portanto, a ocorrência do dano resultante da
atuação administrativa, independentemente de culpa.
Por esta teoria surge a obrigação econômica de
A norma constitucional é aplicável à Administração
reparar o dano sofrido injustamente pelo particular,
direta e indireta, bem assim às prestadoras de
independentemente da existência de falta do serviço e
muito menos de culpa do agente público. Basta que serviços públicos, ainda que constituídas sob os
domínios do direito privado.
exista o dano, sem que para ele tenha concorrido o
particular. Tem-se, pois, a responsabilidade civil do Estado:
Assim, existindo o fato do serviço e o nexo de 1) por atos e fatos administrativos praticados por
causalidade entre o fato e o dano ocorrido, presume- qualquer das pessoas jurídicas de direito público
se a culpa da Administração. Compete a esta, para (União, Estados, Distrito Federal, Municípios,
eximir-se da obrigação de indenizar, comprovar, se for autarquias e fundações) e por pessoas jurídicas de
o caso, a existência de culpa exclusiva do particular direito privado (empresas públicas e sociedades de
ou, se comprovar culpa concorrente, terá atenuada economia mista, que prestem serviços públicos), bem
sua obrigação. O que importa, em qualquer caso, é o assim por atos decorrentes de prestadores de serviços
ônus da prova de culpa do particular, se existente, públicos em regime de concessão ou permissão
cabe à Administração. (concessionários e permissionários).
5ª - Teoria do Risco Integral Os entes de cooperação ou paraestatais
(organizações sociais, serviços sociais autônomos –
A responsabilidade objetiva do Estado atinge o ápice
com a consagração da teoria do risco integral, que não SESI, SENAI) também respondem objetivamente por
danos que seus agentes causarem a terceiros, sempre
admite qualquer forma de exclusão, sempre que
verificado prejuízo causado a terceiros por atos ou que resultante do exercício de funções delegadas pelo
Poder Público.
fatos administrativos.
Empresas públicas e sociedades de economia que
Não há aceitação dessa teoria no direito brasileiro,
prevalecendo a tese de que seria inaplicável, explorem atividades econômicas estão sujeitas ao
mesmo regime aplicável ao setor privado (em regra, a
porquanto sempre será admissível a exclusão da
responsabilidade será contratual e subjetiva, regulada
responsabilidade civil.
pelas normas do Direito Civil e Comercial). No entanto,
Assim por exemplo, havendo um acidente entre um se tais entidades estatais celebram contratos privados
veículo conduzido por um agente público e um identificáveis como de consumo, responderão
particular, mesmo que ficasse comprovado haver objetivamente, em razão do que estatui o Código de
culpa exclusiva do condutor particular, a obrigação de Defesa do Consumidor e do Código Civil.
indenizar caberia à Administração. Por essa razão é
2) nos casos em que haja nexo de causalidade entre o
que o Prof. José dos Santos Carvalho Filho entende
ato ou fato administrativo executado e o dano dele

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 76
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
resultante. A responsabilidade da Administração fica São apontadas com causas excludentes da
excluída na hipótese de ser demonstrada culpa responsabilidade a força maior e a culpa da vítima.
exclusiva do particular que sofreu o dano. A prova,
Força maior é acontecimento imprevisível, inevitável
todavia, é ônus da Administração. Não sendo possível
e estranho à vontade das partes, como uma
provar culpa do particular, cabe ao Estado a
responsabilidade civil pelo dano. tempestade, um terremoto. Não sendo imputável à
Administração, não pode incidir a responsabilidade do
3) quando o dano tenha sido praticado por agente Estado; não há nexo de causalidade entre o dano e o
público – não se restringindo aos servidores públicos, comportamento da Administração.
agentes das pessoas jurídicas de direito público, mas
Na hipótese de caso fortuito, em que o dano seja
também aos empregados das entidades de direito
privado prestadoras de serviços públicos, integrantes decorrente de ato humano, de falha da Administração,
não ocorre a mesma exclusão; quando se rompe, por
ou não da Administração Pública -, no exercício de
exemplo, uma adutora ou um cabo elétrico, causando
suas funções. O que interessa para caracterizar a
responsabilidade da Administração é o fato de o dano a terceiros, não se pode falar em força maior.
agente prevalecer-se da condição de agente público No entanto, mesmo ocorrendo motivo de força maior,
para o cometimento do dano. a responsabilidade do Estado poderá ocorrer se,
aliada à força maior, ocorrer omissão do Poder Público
 Responsabilidade Subjetiva do Estado
na realização de um serviço.
A responsabilidade pelos danos causados por atos de
terceiros ou fenômenos da natureza é do tipo A mesma regra se aplica quando se trata de ato de
terceiros, como é o caso de danos causados por
subjetiva, não estando contemplada na Teoria do
multidão ou por delinqüentes; o Estado responderá se
Risco Administrativo prescrita no referido dispositivo
ficar caracterizada a sua omissão, a sua inércia, a
constitucional. Nessas hipóteses, há necessidade de
comprovação de omissão culposa – imprudência, falha na prestação do serviço público.
imperícia ou negligência – da Administração, para que Quando houver culpa da vítima, há que se distinguir
fique configurada a obrigatoriedade de indenização se é sua culpa exclusiva ou concorrente com a do
estatal. poder público; no primeiro caso, o Estado não
Esse entendimento não significa que a Administração responde; no segundo, atenua-se a sua
responsabilidade, que se reparte com a da vítima.
esteja isenta de responsabilidade em qualquer
hipótese em que o particular sofra um dano O dano causado a particulares por obras (fato da
ocasionado por omissão do Estado. Significa, obra) realizadas pelo Estado pode ensejar a aplicação
somente, que, não existindo conduta de agente da regra constitucional da responsabilidade objetiva,
público ou delegado, a responsabilidade do Estado assim como determinar a apuração da
será do tipo subjetiva, ou seja, terá que ser provada responsabilidade segundo os princípios da legislação
culpa na omissão da Administração. civil. É que em razão do fato da obra responde o
Estado; em razão da má execução da obra responde,
Caberá ao particular que sofreu o dano decorrente de
de início, o contratado, e a responsabilidade será
ato de terceiro (não agente público), ou de evento da
subjetiva (decorrente de imprudência, negligência e
natureza, provar que a atuação normal da
imperícia).
Administração teria sido suficiente para evitar o dano
por ele sofrido. Assim, para ensejar a  Responsabilidade do Estado por Atos
responsabilização, a pessoa que sofreu o dano deve Legislativos
provar que houve falta no serviço que o Estado
deveria ter prestado. A regra que prevalece em relação a atos legislativos é
a da irresponsabilidade, isto é, no caso de atos
Tem-se como exemplo: a hipótese de ocorrência de legislativos, deve sempre ser a de não ser atribuída a
uma enchente, se ficar comprovado que os serviços responsabilidade civil ao Estado, sobretudo porque a
prestados pela Administração foram ineficientes, edição de leis, por si só, não tem normalmente o
deverá ela ser responsabilizada (muito comum ocorrer condão de acarretar danos indenizáveis aos membros
quando as galerias pluviais e os bueiros de da coletividade.
escoamento das águas estavam entupidos ou sujos,
propiciando o acúmulo das águas e gerando prejuízos, Com relação às leis inconstitucionais, a tese da
inundando garagens, deixando os carros submersos). responsabilidade do Estado é aceita, entretanto, a
responsabilidade por leis inconstitucionais depende da
 Causas Excludentes e Atenuantes da prévia declaração do vício pelo Supremo Tribunal
Responsabilidade Federal.
Sendo a existência do nexo de causalidade o Observa-se que a regra é a mesma para atos
fundamento da responsabilidade civil do Estado, esta normativos editados pelo Poder Executivo
deixará de existir ou incidirá de forma atenuada (regulamentos, resoluções, portarias). Se reconhecida
quando o serviço público não for a causa do dano ou a sua inconstitucionalidade ou mesmo a sua
quando estiver aliado a outras circunstâncias, ou seja, ilegalidade, poderá ensejar a responsabilidade do
quando não for a causa única. Nem sempre os Estado, porque o dano é causado por ato emitido
tribunais aplicam a regra do risco integral, utilizando- contra a lei, portanto fora do exercício das
se, na maioria das vezes, da teoria da culpa competências constitucionais.
administrativa ou culpa anônima do serviço público.

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 77
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Contudo, vale destacar que a responsabilidade só se dever de reparar os prejuízos que causou, e só
consuma se o ato legislativo efetivamente produziu alcança suas condutas dolosas.
danos ao particular, pois que freqüentemente a
 Reparação do Dano
inconstitucionalidade da lei em nada afeta a órbita
jurídica patrimonial das pessoas. Além disso, é preciso A reparação de danos causados a terceiros pode ser
que a lei tenha sido declarada inconstitucional, visto feita no âmbito administrativo, desde que a
que milita em seu favor a presunção de Administração reconheça desde logo a sua
constitucionalidade, presunção esta desmentida responsabilidade e haja entendimento entre as partes
apenas quando o órgão judiciário expressamente quanto ao valor da indenização.
proclamar a inconstitucionalidade.
Caso contrário, o prejudicado deverá propor ação de
Com relação às leis de efeitos concretos (aquelas que indenização contra a pessoa jurídica que causou o
constituem verdadeiros atos administrativos, quanto dano.
ao conteúdo), que atingem pessoas determinadas,
incide a responsabilidade do Estado, porque, como Pelo artigo 37, § 6º, da Constituição Federal, quem
elas fogem às características da generalidade e responde perante o prejudicado é a pessoa jurídica
abstração inerentes aos atos normativos, acabam por causadora do dano, a qual tem o direito de regresso
acarretar ônus não suportado pelos demais membros contra o seu agente, desde que este tenha agido com
da coletividade. dolo ou culpa.

 Responsabilidade do Estado por Atos No tocante à prescrição, o direito do lesado à


Judiciais reparação dos prejuízos tem natureza pessoal e
obrigacional. Como ocorre com os direitos subjetivos
A jurisprudência brasileira não admite a em geral, não podem eles ser objeto de inércia de seu
responsabilidade civil do Estado em face dos atos titular, sob pena do surgimento da prescrição da ação
jurisdicionais praticados pelos magistrados. Assim que tenha por fim a tutela desses direitos.
como em relação aos atos legislativos, a regra é a
irresponsabilidade do Estado pelos atos jurisdicionais Se a pessoa responsável for entidade federativa
típicos (praticados pelo Juiz na sua função típica, que (União, DF, Estados e Municípios) ou autarquias e
é julgar, dizer o Direito, sentenciando). fundações, bem assim as pessoas jurídicas de direito
privado prestadoras de serviços públicos (empresas
Entretanto, alguns aspectos merecem destaque: públicas, sociedades de economia mista,
concessionários, permissionários e autorizatários de
1 – em relação aos atos não jurisdicionais (atos
serviços ou qualquer entidade privada que preste
administrativos) praticados pelo juiz e pelos demais
serviço público), consumar-se-á a prescrição em 05
órgãos do Poder Judiciário, não há o que se discutir:
sobre eles incide normalmente a responsabilidade (cinco) anos, contados a partir do fato danoso.
objetiva do Estado, na modalidade risco  Direito de Regresso
administrativo, porque se trata de meros atos
administrativos praticados pelo Poder Judiciário. Direito de regresso é o assegurado ao Estado no
sentido de dirigir sua pretensão indenizatória contra o
2 – em relação à área criminal, a própria CF/88 agente responsável pelo dano, quando tenha este
estabeleceu, como garantia individual, a regra de que agido com culpa ou dolo.
“o Estado indenizará o condenado por erros
judiciários, assim como o que ficar preso além do Destacamos que:
tempo fixado na sentença” (art. 5º, LXXV). Nessa 1 – a entidade pública, para voltar-se contra o agente,
hipótese, se o indivíduo é condenado na esfera penal deverá comprovar já ter indenizado a vítima, pois seu
em virtude de sentença que contenha erro judiciário, direito de regresso nasce a partir do pagamento;
inclusive decorrente de culpa, tem direito à reparação
do prejuízo em face do Estado. 2 – não se deve confundir a responsabilidade da
Administração em face do particular, com a
Então enfatizamos: a regra é a inexistência de responsabilidade do agente perante a Administração:
responsabilidade civil por atos jurisdicionais. aquela é do tipo objetiva, na modalidade do risco
Especificamente em relação ao erro judiciário, administrativo, que, conforme vimos, independe de
excepciona-se essa regra, devendo-se notar que o culpa ou dolo; esta, do agente perante a
erro judiciário de que trata a Constituição Federal, em Administração, só ocorre no caso de dolo ou culpa
seu art. 5º, LXXV, restringe-se a erro concernente à (responsabilidade subjetiva do agente).
esfera penal. Entenda-se bem, no caso de erro
judiciário cometido na esfera penal, o Estado pode ser Assim: o Estado indeniza a vítima,
condenado, esfera cível, a indenizar a vítima do erro. independentemente de dolo ou culpa
desta, e o agente ressarce a
Finalmente, há que se destacar a regra prevista no Administração, regressivamente, se
Código de Processo Civil, que disciplina a houver dolo ou culpa de sua parte,
responsabilidade civil do juiz quando proceder agente.
com dolo, inclusive fraude, bem como quando
recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, Para a Administração valer-se da ação regressiva é
providência que deva ordenar de ofício ou a necessário que já tenha ela sido condenada a
requerimento da parte. Nesse caso, a indenizar a vítima pelo dano e que tenha havido culpa
responsabilidade é pessoal do juiz, a quem cabe o

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 78
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
ou dolo por parte do agente por ocasião do ato comprovação dos prejuízos sofridos à honra objetiva
danoso. de empresa ou usuário afetado pela interrupção do
serviço.
Logo: a obrigação de o Estado indenizar
o particular independe de culpa da
Administração (responsabilidade objetiva, 04. (ANALISTA – ADVOCACIA – SERPRO – 2013 –
na modalidade do risco administrativo); a CESPE) Julgue os itens subsequentes, relativos à
obrigação de o agente ressarcir a responsabilidade da administração pública.
Administração depende da comprovação
da existência de culpa ou dolo deste 1. ( ) Segundo entendimento do STF, a
agente (responsabilidade subjetiva). responsabilidade civil das pessoas jurídicas de direito
privado prestadoras de serviço público é objetiva tanto
É preciso ainda destacar que: em relação aos usuários, quanto aos não usuários de
a) os efeitos da ação regressiva, sendo esta uma ação um serviço público.
de natureza civil, transmitem-se aos herdeiros e 2. ( ) Caso o poder público seja condenado em
sucessores do culpado. ação de responsabilidade civil pelos danos causados
b) por se tratar a ação regressiva de ação civil, pode por seu servidor a terceiro, caberá ação regressiva do
tal ação ser intentada mesmo depois de terminado o Estado contra o servidor, ação esta cujo prazo
vínculo entre o servidor e a Administração. prescricional será de três anos.

c) as ações de ressarcimento ao erário movidas pelo 3. ( ) Na teoria do risco administrativo, verifica-se


Estado contra agentes, servidores ou não, que tenham a necessidade de a vítima comprovar a culpa da
praticado ilícitos dos quais decorram prejuízos aos administração.
cofres públicos são imprescritíveis.
d) é inaplicável a denunciação da lide pela 05. (ANAL. TEC. ADMINISTRATIVO – MS – 2013 –
Administração a seus agentes, no caso da ação de CESPE) A respeito da responsabilidade civil da
reparação do dano. administração pública, julgue os itens que se seguem.
1. ( ) Considere que um paciente internado em
EXERCÍCIOS – RESPONSABILIDADE CIVIL DO hospital público tenha falecido após ter se jogado pela
ESTADO janela. Nessa situação, a responsabilidade do Estado
será objetiva, por omissão.
01. (AGENTE – POLÍCIA FEDERAL – 2014 –
CESPE) Acerca dos poderes administrativos e da 2. ( ) A responsabilidade do Estado será objetiva
responsabilidade civil do Estado, julgue os itens que caso um sargento da polícia militar estadual utilizando
se seguem. arma da corporação, em dia de folga, efetue disparos
contra um desafeto, gerando lesões graves, utilizando
1. ( ) Na hipótese de danos causados a
uma arma da corporação.
particulares por atos de multidões, o Estado somente
poderá ser responsabilizado caso seja comprovada 3. ( ) A responsabilidade civil das pessoas
sua participação culposa. jurídicas de direito privado prestadoras de serviço
público é objetiva relativamente a terceiros usuários e
2. ( ) A aplicação de sanção administrativa contra
não usuários do serviço prestado.
concessionária de serviço público decorre do exercício
do poder disciplinar.
06. (ANAL. JUD. – JUDICIÁRIA – TRF 5ªR – 2012 –
FCC) Determinado cidadão sofreu prejuízos em razão
02. (DEFENSOR PÚBLICO – ES – 2012 – CESPE)
da conduta de agente público federal atuando nessa
Julgue os itens subsecutivos, relativos à
qualidade. De acordo com a Constituição Federal e
responsabilidade civil do Estado. com a Lei nº 8.112/1990,
1. ( ) De acordo com a jurisprudência consolidada
(A) a União é obrigada a reparar o dano, podendo
do STF, a responsabilidade objetiva do Estado aplica-
exercer o direito de regresso em face do servidor
se a todos os atos do Poder Judiciário.
somente no caso de comprovada a conduta dolosa do
2. ( ) A responsabilidade civil da administração mesmo.
pública por atos comissivos é objetiva, embasada na (B) a União é obrigada a reparar o dano, respondendo
teoria do risco administrativo, isto é, independe da
o agente perante esta, em ação regressiva, caso
comprovação da culpa ou dolo.
comprovado ato comissivo ou omissivo, doloso ou
culposo.
03. (INVESTOGADOR DA POLÍCIA – PC/BA – 2013 (C) a União é obrigada a reparar o dano, desde que
– CESPE) Com relação à responsabilidade civil, julgue comprovada a conduta dolosa ou culposa do agente.
o item abaixo. (D) o servidor é obrigado a ressarcir a Fazenda
1. ( ) O corte de energia elétrica por parte da Pública, em ação regressiva, sempre que a União for
concessionária de serviço público presume a condenada a reparar o dano.
existência de dano moral, sendo desnecessária a
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 79
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(E) o servidor é obrigado a ressarcir a Fazenda (A) será responsabilizado com fundamento na
Pública, em ação regressiva, somente na hipótese de responsabilidade subjetiva do Estado.
comprovada conduta comissiva, dolosa ou culposa.
(B) será responsabilizado apenas se houver
comprovação da omissão dolosa dos agentes
carcerários.
07. (ANAL. JUD. – JUDICIÁRIA – TRE/SP – 2012 –
FCC) De acordo com a Constituição Federal brasileira, (C) não será responsabilizado, uma vez que o dano foi
as pessoas jurídicas de direito público e as de direito causado por pessoa física que não faz parte dos
privado prestadoras de serviço público respondem quadros funcionais do Estado.
pelos danos que seus agentes, nessa qualidade,
(D) não será responsabilizado, na medida em que
causarem a terceiros. Isso significa que a
responsabilidade extracontratual do Estado inexiste prova do nexo de causalidade entre a ação
estatal e o evento danoso.
(A) independe da comprovação de dolo ou culpa do
(E) será responsabilizado, independentemente da
agente, bastando a comprovação do nexo de
causalidade entre a ação do agente público e o dano e comprovação de sua culpa, com base na
responsabilidade objetiva do Estado.
a ausência de condições excludentes.
(B) depende da comprovação do dolo ou culpa do
agente público, caracterizadora da falha na prestação 10. (ANAL. JUD. – ASSISTENTE SOCIAL – TJ/PE –
do serviço público. 2012 – FCC) No que se refere à responsabilidade da
(C) independe da comprovação de dolo ou culpa do Administração Pública, é certo que
agente, o qual responde pelos danos causados (A) a doutrina moderna, distinguindo atos de jus
perante os terceiros, podendo exercer direito de imperii e de jus gestionis, admite responsabilidade
regresso em face da Administração na hipótese de objetiva da Administração somente quando o dano
causas excludentes da ilicitude da sua conduta. resulta de atos de gestão, excluindo-se os atos de
império.
(D) é de natureza objetiva, sendo afastada quando
comprovada a culpa ou dolo exclusivo do agente que, (B) o ato legislativo típico, a exemplo da lei ordinária,
em tal hipótese, responde diretamente perante o em qualquer situação, que cause prejuízo ao
particular. particular, é indenizável objetivamente pela
Administração Pública.
(E) é de natureza subjetiva, condicionada à
comprovação de culpa exclusiva do agente público. (C) o ato judicial típico, lesivo, não enseja
responsabilidade civil por parte da Administração
Pública e nem por parte do juiz individualmente, em
08. (TEC. JUD. – ADMINISTRATIVA – TRE/SP – qualquer hipótese.
2012 – FCC) Determinado cidadão sofreu danos em
(D) o dano causado por agentes da Administração
função de atendimento deficiente em unidade
Pública por atos de terceiros ou por fenômenos da
hospitalar pública. A responsabilidade civil da
natureza, também são indenizáveis objetivamente pela
Administração pelos danos em questão
Administração.
(A) é de natureza subjetiva, dependendo da
(E) os atos administrativos praticados por órgãos do
comprovação de dolo ou culpa dos agentes.
Poder Legislativo e Judiciário, equiparam-se aos
(B) é de natureza objetiva, cabendo direito de regresso demais atos da Administração e, se lesivos,
em face dos agentes responsáveis, no caso de dolo empenham a responsabilidade objetiva da Fazenda
ou culpa. Pública.
(C) é de natureza subjetiva, demandando a
comprovação da falha na prestação do serviço e culpa
de agente público.
(D) é afastada, caso comprovado dolo ou culpa
exclusiva do agente público. GABARITO
(E) independe de comprovação de dolo ou culpa do
agente e do nexo de causalidade entre o evento e o 01 - CC 02 - EC 03 - E 04 - CEE 05 -CCC
dano.
06 - B 07 - A 08 - B 09 - E 10 - E

09. (TEC. JUD. – ADMINISTRATIVA – TRE/PE –


2011 – FCC) José, preso provisório, atualmente detido
em uma Cadeia Pública na cidade de Recife mata a
golpes de arma branca um de seus oito companheiros
de cela. Neste caso, o Estado de Pernambuco, em
ação civil indenizatória movida pela viúva do falecido
detento,

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 80
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
11 - IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA - LEI Nº pelo inquérito representar ao Ministério Público, para a
8.429, DE 02 DE JUNHO DE 1992. indisponibilidade dos bens do indiciado.

Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes Parágrafo único. A indisponibilidade a que se
públicos nos casos de enriquecimento ilícito no refere o caput deste artigo recairá sobre bens que
exercício de mandato, cargo, emprego ou função na assegurem o integral ressarcimento do dano, ou sobre
administração pública direta, indireta ou fundacional e o acréscimo patrimonial resultante do enriquecimento
dá outras providências. ilícito.
Art. 8° O sucessor daquele que causar lesão ao
patrimônio público ou se enriquecer ilicitamente está
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o sujeito às cominações desta lei até o limite do valor da
Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte herança.
lei:
CAPÍTULO II
CAPÍTULO I Dos Atos de Improbidade Administrativa
Das Disposições Gerais
Seção I
Art. 1° Os atos de improbidade praticados por Dos Atos de Improbidade Administrativa que
qualquer agente público, servidor ou não, contra a Importam Enriquecimento Ilícito
administração direta, indireta ou fundacional de
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Art. 9° Constitui ato de improbidade
Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de administrativa importando enriquecimento ilícito auferir
empresa incorporada ao patrimônio público ou de qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em
entidade para cuja criação ou custeio o erário haja razão do exercício de cargo, mandato, função,
concorrido ou concorra com mais de cinqüenta por emprego ou atividade nas entidades mencionadas no
cento do patrimônio ou da receita anual, serão punidos art. 1° desta lei, e notadamente:
na forma desta lei. I - receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem
Parágrafo único. Estão também sujeitos às móvel ou imóvel, ou qualquer outra vantagem
penalidades desta lei os atos de improbidade econômica, direta ou indireta, a título de comissão,
praticados contra o patrimônio de entidade que receba percentagem, gratificação ou presente de quem tenha
subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, interesse, direto ou indireto, que possa ser atingido ou
de órgão público bem como daquelas para cuja amparado por ação ou omissão decorrente das
criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra atribuições do agente público;
com menos de cinqüenta por cento do patrimônio ou II - perceber vantagem econômica, direta ou
da receita anual, limitando-se, nestes casos, a sanção indireta, para facilitar a aquisição, permuta ou locação
patrimonial à repercussão do ilícito sobre a de bem móvel ou imóvel, ou a contratação de serviços
contribuição dos cofres públicos. pelas entidades referidas no art. 1° por preço superior
Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos ao valor de mercado;
desta lei, todo aquele que exerce, ainda que III - perceber vantagem econômica, direta ou
transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, indireta, para facilitar a alienação, permuta ou locação
nomeação, designação, contratação ou qualquer outra de bem público ou o fornecimento de serviço por ente
forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, estatal por preço inferior ao valor de mercado;
emprego ou função nas entidades mencionadas no
artigo anterior. IV - utilizar, em obra ou serviço particular,
veículos, máquinas, equipamentos ou material de
Art. 3° As disposições desta lei são aplicáveis, no qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de
que couber, àquele que, mesmo não sendo agente qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta
público, induza ou concorra para a prática do ato de lei, bem como o trabalho de servidores públicos,
improbidade ou dele se beneficie sob qualquer forma empregados ou terceiros contratados por essas
direta ou indireta. entidades;
Art. 4° Os agentes públicos de qualquer nível ou V - receber vantagem econômica de qualquer
hierarquia são obrigados a velar pela estrita natureza, direta ou indireta, para tolerar a exploração
observância dos princípios de legalidade, ou a prática de jogos de azar, de lenocínio, de
impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos narcotráfico, de contrabando, de usura ou de qualquer
assuntos que lhe são afetos. outra atividade ilícita, ou aceitar promessa de tal
Art. 5° Ocorrendo lesão ao patrimônio público por vantagem;
ação ou omissão, dolosa ou culposa, do agente ou de VI - receber vantagem econômica de qualquer
terceiro, dar-se-á o integral ressarcimento do dano. natureza, direta ou indireta, para fazer declaração
Art. 6° No caso de enriquecimento ilícito, perderá falsa sobre medição ou avaliação em obras públicas
o agente público ou terceiro beneficiário os bens ou ou qualquer outro serviço, ou sobre quantidade, peso,
valores acrescidos ao seu patrimônio. medida, qualidade ou característica de mercadorias ou
bens fornecidos a qualquer das entidades
Art. 7° Quando o ato de improbidade causar mencionadas no art. 1º desta lei;
lesão ao patrimônio público ou ensejar enriquecimento
ilícito, caberá a autoridade administrativa responsável
ESPAÇO HEBER VIEIRA
Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 81
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
VII - adquirir, para si ou para outrem, no exercício VI - realizar operação financeira sem observância
de mandato, cargo, emprego ou função pública, bens das normas legais e regulamentares ou aceitar
de qualquer natureza cujo valor seja desproporcional à garantia insuficiente ou inidônea;
evolução do patrimônio ou à renda do agente público;
VII - conceder benefício administrativo ou fiscal
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer sem a observância das formalidades legais ou
atividade de consultoria ou assessoramento para regulamentares aplicáveis à espécie;
pessoa física ou jurídica que tenha interesse
VIII - frustrar a licitude de processo licitatório ou
suscetível de ser atingido ou amparado por ação ou
omissão decorrente das atribuições do agente público, de processo seletivo para celebração de parcerias
com entidades sem fins lucrativos, ou dispensá-los
durante a atividade;
indevidamente;
IX - perceber vantagem econômica para
IX - ordenar ou permitir a realização de despesas
intermediar a liberação ou aplicação de verba pública
não autorizadas em lei ou regulamento;
de qualquer natureza;
X - receber vantagem econômica de qualquer X - agir negligentemente na arrecadação de
tributo ou renda, bem como no que diz respeito à
natureza, direta ou indiretamente, para omitir ato de
conservação do patrimônio público;
ofício, providência ou declaração a que esteja
obrigado; XI - liberar verba pública sem a estrita
observância das normas pertinentes ou influir de
XI - incorporar, por qualquer forma, ao seu
qualquer forma para a sua aplicação irregular;
patrimônio bens, rendas, verbas ou valores integrantes
do acervo patrimonial das entidades mencionadas no XII - permitir, facilitar ou concorrer para que
art. 1° desta lei; terceiro se enriqueça ilicitamente;
XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, XIII - permitir que se utilize, em obra ou serviço
verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial particular, veículos, máquinas, equipamentos ou
das entidades mencionadas no art. 1° desta lei. material de qualquer natureza, de propriedade ou à
Seção II disposição de qualquer das entidades mencionadas no
Dos Atos de Improbidade Administrativa que art. 1° desta lei, bem como o trabalho de servidor
Causam Prejuízo ao Erário público, empregados ou terceiros contratados por
essas entidades.
Art. 10. Constitui ato de improbidade
XIV – celebrar contrato ou outro instrumento que
administrativa que causa lesão ao erário qualquer
tenha por objeto a prestação de serviços públicos por
ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje
meio da gestão associada sem observar as
perda patrimonial, desvio, apropriação,
malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres formalidades previstas na lei; (Incluído pela Lei nº
11.107, de 2005)
das entidades referidas no art. 1º desta lei, e
notadamente: XV – celebrar contrato de rateio de consórcio
público sem suficiente e prévia dotação orçamentária,
I - facilitar ou concorrer por qualquer forma para a
ou sem observar as formalidades previstas na lei.
incorporação ao patrimônio particular, de pessoa física
(Incluído pela Lei nº 11.107, de 2005)
ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores
integrantes do acervo patrimonial das entidades XVI - facilitar ou concorrer, por qualquer forma,
mencionadas no art. 1º desta lei; para a incorporação, ao patrimônio particular de
II - permitir ou concorrer para que pessoa física pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou
valores públicos transferidos pela administração
ou jurídica privada utilize bens, rendas, verbas ou
pública a entidades privadas mediante celebração de
valores integrantes do acervo patrimonial das
entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem a parcerias, sem a observância das formalidades legais
ou regulamentares aplicáveis à espécie;
observância das formalidades legais ou
regulamentares aplicáveis à espécie; XVII - permitir ou concorrer para que pessoa
III - doar à pessoa física ou jurídica bem como ao física ou jurídica privada utilize bens, rendas, verbas
ou valores públicos transferidos pela administração
ente despersonalizado, ainda que de fins educativos
ou assistências, bens, rendas, verbas ou valores do pública a entidade privada mediante celebração de
parcerias, sem a observância das formalidades legais
patrimônio de qualquer das entidades mencionadas no
ou regulamentares aplicáveis à espécie;
art. 1º desta lei, sem observância das formalidades
legais e regulamentares aplicáveis à espécie; XVIII - celebrar parcerias da administração
pública com entidades privadas sem a observância
IV - permitir ou facilitar a alienação, permuta ou
das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis
locação de bem integrante do patrimônio de qualquer
à espécie;
das entidades referidas no art. 1º desta lei, ou ainda a
prestação de serviço por parte delas, por preço inferior XIX - frustrar a licitude de processo seletivo para
ao de mercado; celebração de parcerias da administração pública com
entidades privadas ou dispensá-lo indevidamente;
V - permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou
locação de bem ou serviço por preço superior ao de XX - agir negligentemente na celebração,
mercado; fiscalização e análise das prestações de contas de

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 82
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
parcerias firmadas pela administração pública com II - na hipótese do art. 10, ressarcimento integral
entidades privadas; do dano, perda dos bens ou valores acrescidos
ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta
XXI - liberar recursos de parcerias firmadas pela
circunstância, perda da função pública, suspensão dos
administração pública com entidades privadas sem a
direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de
estrita observância das normas pertinentes ou influir multa civil de até duas vezes o valor do dano e
de qualquer forma para a sua aplicação irregular.
proibição de contratar com o Poder Público ou receber
benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou
indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa
Seção III jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de
Dos Atos de Improbidade Administrativa que cinco anos;
Atentam Contra os Princípios da Administração
Pública III - na hipótese do art. 11, ressarcimento integral
do dano, se houver, perda da função pública,
Art. 11. Constitui ato de improbidade suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos,
administrativa que atenta contra os princípios da pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da
administração pública qualquer ação ou omissão que remuneração percebida pelo agente e proibição de
viole os deveres de honestidade, imparcialidade, contratar com o Poder Público ou receber benefícios
legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente: ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou
I - praticar ato visando fim proibido em lei ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa
regulamento ou diverso daquele previsto, na regra de jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de
competência; três anos.
II - retardar ou deixar de praticar, indevidamente, Parágrafo único. Na fixação das penas previstas
ato de ofício; nesta lei o juiz levará em conta a extensão do dano
causado, assim como o proveito patrimonial obtido
III - revelar fato ou circunstância de que tem pelo agente.
ciência em razão das atribuições e que deva
permanecer em segredo; CAPÍTULO IV
Da Declaração de Bens
IV - negar publicidade aos atos oficiais;
Art. 13. A posse e o exercício de agente público
V - frustrar a licitude de concurso público; ficam condicionados à apresentação de declaração
VI - deixar de prestar contas quando esteja dos bens e valores que compõem o seu patrimônio
obrigado a fazê-lo; privado, a fim de ser arquivada no serviço de pessoal
competente.
VII - revelar ou permitir que chegue ao
conhecimento de terceiro, antes da respectiva § 1° A declaração compreenderá imóveis,
divulgação oficial, teor de medida política ou móveis, semoventes, dinheiro, títulos, ações, e
econômica capaz de afetar o preço de mercadoria, qualquer outra espécie de bens e valores patrimoniais,
bem ou serviço; localizado no País ou no exterior, e, quando for o
caso, abrangerá os bens e valores patrimoniais do
VIII - descumprir as normas relativas à cônjuge ou companheiro, dos filhos e de outras
celebração, fiscalização e aprovação de contas de pessoas que vivam sob a dependência econômica do
parcerias firmadas pela administração pública com declarante, excluídos apenas os objetos e utensílios
entidades privadas. de uso doméstico.
CAPÍTULO III § 2º A declaração de bens será anualmente
Das Penas atualizada e na data em que o agente público deixar o
Art. 12. Independentemente das sanções penais, exercício do mandato, cargo, emprego ou função.
civis e administrativas previstas na legislação § 3º Será punido com a pena de demissão, a bem
específica, está o responsável pelo ato de do serviço público, sem prejuízo de outras sanções
improbidade sujeito às seguintes cominações, que cabíveis, o agente público que se recusar a prestar
podem ser aplicadas isolada ou cumulativamente, de declaração dos bens, dentro do prazo determinado, ou
acordo com a gravidade do fato: (Redação dada pela que a prestar falsa.
Lei nº 12.120, de 2009).
§ 4º O declarante, a seu critério, poderá entregar
I - na hipótese do art. 9°, perda dos bens ou cópia da declaração anual de bens apresentada à
valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, Delegacia da Receita Federal na conformidade da
ressarcimento integral do dano, quando houver, perda legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de
da função pública, suspensão dos direitos políticos de qualquer natureza, com as necessárias atualizações,
oito a dez anos, pagamento de multa civil de até três para suprir a exigência contida no caput e no § 2°
vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de deste artigo.
contratar com o Poder Público ou receber benefícios
ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou CAPÍTULO V
indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa Do Procedimento Administrativo e do Processo
jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de Judicial
dez anos;

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 83
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
Art. 14. Qualquer pessoa poderá representar à § 4º O Ministério Público, se não intervir no
autoridade administrativa competente para que seja processo como parte, atuará obrigatoriamente, como
instaurada investigação destinada a apurar a prática fiscal da lei, sob pena de nulidade.
de ato de improbidade.
§ 5o A propositura da ação prevenirá a jurisdição
§ 1º A representação, que será escrita ou do juízo para todas as ações posteriormente
reduzida a termo e assinada, conterá a qualificação do intentadas que possuam a mesma causa de pedir ou o
representante, as informações sobre o fato e sua mesmo objeto. (Incluído pela Medida provisória nº
autoria e a indicação das provas de que tenha 2.180-35, de 2001)
conhecimento.
§ 6º A ação será instruída com documentos ou
§ 2º A autoridade administrativa rejeitará a justificação que contenham indícios suficientes da
representação, em despacho fundamentado, se esta existência do ato de improbidade ou com razões
não contiver as formalidades estabelecidas no § 1º fundamentadas da impossibilidade de apresentação
deste artigo. A rejeição não impede a representação de qualquer dessas provas, observada a legislação
ao Ministério Público, nos termos do art. 22 desta lei. vigente, inclusive as disposições inscritas nos arts. 16
a 18 do Código de Processo Civil.
§ 3º Atendidos os requisitos da representação, a
autoridade determinará a imediata apuração dos fatos § 7º Estando a inicial em devida forma, o juiz
que, em se tratando de servidores federais, será mandará autuá-la e ordenará a notificação do
processada na forma prevista nos arts. 148 a 182 da requerido, para oferecer manifestação por escrito, que
Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 e, em se poderá ser instruída com documentos e justificações,
tratando de servidor militar, de acordo com os dentro do prazo de quinze dias.
respectivos regulamentos disciplinares.
§ 8º Recebida a manifestação, o juiz, no prazo de
Art. 15. A comissão processante dará trinta dias, em decisão fundamentada, rejeitará a ação,
conhecimento ao Ministério Público e ao Tribunal ou se convencido da inexistência do ato de improbidade,
Conselho de Contas da existência de procedimento da improcedência da ação ou da inadequação da via
administrativo para apurar a prática de ato de eleita.
improbidade.
§ 9º Recebida a petição inicial, será o réu citado
Parágrafo único. O Ministério Público ou para apresentar contestação.
Tribunal ou Conselho de Contas poderá, a
§ 10 Da decisão que receber a petição inicial,
requerimento, designar representante para
caberá agravo de instrumento.
acompanhar o procedimento administrativo.
§ 11 Em qualquer fase do processo, reconhecida
Art. 16. Havendo fundados indícios de
responsabilidade, a comissão representará ao a inadequação da ação de improbidade, o juiz
extinguirá o processo sem julgamento do mérito.
Ministério Público ou à procuradoria do órgão para que
requeira ao juízo competente a decretação do § 12 Aplica-se aos depoimentos ou inquirições
seqüestro dos bens do agente ou terceiro que tenha realizadas nos processos regidos por esta Lei o
enriquecido ilicitamente ou causado dano ao disposto no art. 221, caput e § 1o, do Código de
patrimônio público. Processo Penal.
§ 1º O pedido de seqüestro será processado de Art. 18. A sentença que julgar procedente ação
acordo com o disposto nos arts. 822 e 825 do Código civil de reparação de dano ou decretar a perda dos
de Processo Civil. bens havidos ilicitamente determinará o pagamento ou
§ 2° Quando for o caso, o pedido incluirá a a reversão dos bens, conforme o caso, em favor da
pessoa jurídica prejudicada pelo ilícito.
investigação, o exame e o bloqueio de bens, contas
bancárias e aplicações financeiras mantidas pelo CAPÍTULO VI
indiciado no exterior, nos termos da lei e dos tratados Das Disposições Penais
internacionais.
Art. 19. Constitui crime a representação por ato
Art. 17. A ação principal, que terá o rito ordinário, de improbidade contra agente público ou terceiro
será proposta pelo Ministério Público ou pela pessoa beneficiário, quando o autor da denúncia o sabe
jurídica interessada, dentro de trinta dias da efetivação inocente.
da medida cautelar.
Pena: detenção de seis a dez meses e multa.
§ 1º É vedada a transação, acordo ou conciliação
nas ações de que trata o caput. Parágrafo único. Além da sanção penal, o
denunciante está sujeito a indenizar o denunciado
§ 2º A Fazenda Pública, quando for o caso, pelos danos materiais, morais ou à imagem que
promoverá as ações necessárias à complementação houver provocado.
do ressarcimento do patrimônio público.
Art. 20. A perda da função pública e a suspensão
§ 3o No caso de a ação principal ter sido dos direitos políticos só se efetivam com o trânsito em
proposta pelo Ministério Público, aplica-se, no que julgado da sentença condenatória.
couber, o disposto no § 3o do art. 6o da Lei no 4.717,
de 29 de junho de 1965. (Redação dada pela Lei nº Parágrafo único. A autoridade judicial ou
9.366, de 1996) administrativa competente poderá determinar o

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 84
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
afastamento do agente público do exercício do cargo, (D) constitui ato ímprobo, na modalidade atentatória
emprego ou função, sem prejuízo da remuneração, aos princípios da Administração pública.
quando a medida se fizer necessária à instrução
(E) não constitui ato ímprobo, mas caracteriza falta
processual.
funcional passível de punição na seara administrativa.
Art. 21. A aplicação das sanções previstas nesta
lei independe: 02. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 19ª R – 2014 –
FCC) Francisco, servidor público federal, está sendo
I - da efetiva ocorrência de dano ao patrimônio
processado em ação de improbidade administrativa.
público, salvo quanto à pena de ressarcimento; Segundo o Ministério Público, autor da demanda,
(Redação dada pela Lei nº 12.120, de 2009).
Francisco teria ordenado a realização de despesas
II - da aprovação ou rejeição das contas pelo não autorizadas em lei. Para que Francisco seja
órgão de controle interno ou pelo Tribunal ou condenado pela Justiça, deve ficar provado que sua
Conselho de Contas. conduta foi
Art. 22. Para apurar qualquer ilícito previsto nesta (A) necessariamente dolosa, não sendo necessária a
lei, o Ministério Público, de ofício, a requerimento de prova de eventual dano ao erário.
autoridade administrativa ou mediante representação
(B) necessariamente culposa, não sendo necessária a
formulada de acordo com o disposto no art. 14, poderá
prova de eventual dano ao erário.
requisitar a instauração de inquérito policial ou
procedimento administrativo. (C) necessariamente dolosa e causadora de dano ao
erário.
CAPÍTULO VII
Da Prescrição (D) dolosa ou culposa, não sendo necessária a prova
de eventual dano ao erário.
Art. 23. As ações destinadas a levar a efeitos as
sanções previstas nesta lei podem ser propostas: (E) dolosa ou culposa e causadora de prejuízo ao
erário.
I - até cinco anos após o término do exercício de
mandato, de cargo em comissão ou de função de 03. (ASSESSOR LEGISLATIVO - ASSEMBLÉIA
confiança; LEGISLATIVA - RN – 2013 – FCC) Nos termos da Lei
II - dentro do prazo prescricional previsto em lei nº 8.429/1992, constitui ato de improbidade
específica para faltas disciplinares puníveis com administrativa que atenta contra os princípios da
demissão a bem do serviço público, nos casos de Administração pública:
exercício de cargo efetivo ou emprego.
(A) permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou
CAPÍTULO VIII locação de bem ou serviço por preço superior ao de
Das Disposições Finais mercado.
Art. 24. Esta lei entra em vigor na data de sua (B) frustrar a licitude de processo licitatório ou
publicação. dispensá-lo indevidamente.
Art. 25. Ficam revogadas as Leis n°s 3.164, de 1° (C) aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de
de junho de 1957, e 3.502, de 21 de dezembro de consultoria ou assessoramento para pessoa física ou
1958 e demais disposições em contrário. jurídica que tenha interesse suscetível de ser atingido
ou amparado por ação ou omissão decorrente das
Rio de Janeiro, 2 de junho de 1992; 171° da atribuições do agente público, durante a atividade.
Independência e 104° da República.
(D) perceber vantagem econômica para intermediar a
liberação ou aplicação de verba pública de qualquer
FERNANDO COLLOR natureza.
Célio Borja (E) frustrar a licitude de concurso público.

04. (ANALISTA LEGISLATIVO - ASSEMBLÉIA


EXERCÍCIOS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA LEGISLATIVA - PB – 2013 – FCC) Considere a
seguinte situação hipotética: o Ministério Público do
01. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRT 19ª R – 2014 – Estado da Paraíba ajuizou ação de improbidade
FCC) Mateus, agente público, recebeu vantagem administrativa contra o Governador do Estado e uma
econômica, diretamente de Bruno, para tolerar a determinada empresa, alegando a ocorrência de ato
exploração de jogo de azar por parte deste último. Nos ímprobo causador de lesão ao erário. Atribuiu à causa
termos da Lei nº 8.429/92, a conduta de Mateus o valor de dois milhões de reais, pleiteando, portanto,
(A) constitui ato ímprobo causador de prejuízo ao o ressarcimento desse montante aos cofres públicos.
erário. No curso da demanda, o Governador veio a falecer,
razão pela qual, seu único filho, João, passou a
(B) constitui ato ímprobo que importa enriquecimento integrar o polo passivo da ação. Saliente-se que o
ilícito. falecido era solteiro e tinha um patrimônio de um
(C) não constitui ato ímprobo, embora seja conduta milhão de reais. Caso a ação de improbidade seja
criminosa. julgada procedente, João

ESPAÇO HEBER VIEIRA


Rua Corredor do Bispo, 85, Boa Vista, Recife/PE Página 85
F.: 3314-4071 – www.espacohebervieira.com.br
Todos os direitos reservados © Copyright. Proibida a reprodução total ou parcial desta obra.
Direito Administrativo Prof. Robson Carvalho
(A) não responderá por qualquer condenação Emerson teria deixado de prestar contas quando
pecuniária, vez que a Lei de Improbidade não prevê tal estava obrigado a fazer. Em razão disso, o Ministério
hipótese. Público requereu a indisponibilidade de seus bens, o
que foi indeferido pelo juiz sob o fundamento de que o
(B) responderá pela condenação pecuniária até o
ato ímprobo em questão não causou prejuízo ao erário
montante de dois milhões de reais. ou mesmo enriquecimento ilícito. A propósito do tema
(C) responderá pela condenação pecuniária até o e nos termos da Lei nº 8.429/92,
montante de um milhão de reais.
(A) não está correta a decisão do juiz, pois o ato
(D) responderá pela condenação pecuniária até o ímprobo em questão comporta o pedido de
montante de quinhentos mil reais. indisponibilidade de bens, não importando se inexistiu
prejuízo ao erário ou enriquecimento ilícito.
(E) não responderá por qualquer condenação, vez que
o falecimento transfere a responsabilidade pelo ato (B) pela descrição da conduta, sequer existe ato
ímprobo ao outro corréu, no caso, a empresa. ímprobo, logo, o juiz deveria ter rejeitado de plano a
petição inicial.
(C) não está correta a decisão do juiz, pois a
05. (ADVOGADO – SABESP – 2014 – FCC) Em indisponibilidade de bens é cabível para qualquer ato
janeiro de 2005, José, vereador de determinado ímprobo e em qualquer circunstância, sempre visando
Município, praticou ato de improbidade administrativa, o interesse público.
previsto na Lei nº 8.429/92. Em dezembro de 2008,
deu-se o término do exercício do mandato de José e, (D) está correta a decisão do juiz, pois não é cabível,
em janeiro de 2012, o Ministério Público ajuizou a na hipótese narrada, a medida de indisponibilidade de
respectiva ação de improbidade administrativa. A bens.
propósito dos fatos narrados, a ação ajuizada pelo
(E) pela descrição do enunciado, foi praticada conduta
Ministério Público
expressamente prevista na lei como ato ímprobo que
(A) não é cabível, vez que José não é considerado importa enriquecimento ilícito; logo, o juiz deveria ter
sujeito ativo de improbidade administrativa. deferido a indisponibilidade de bens.
(B) está prescrita, pois deveria ser ajuizada até janeiro
de 2010. 08. (ANAL. JUD. – JUDICIÁRIA – TRF 2ª R – 2012 –
(C) está prescrita, pois deveria ser ajuizada até janeiro FCC) No que se refere ao processo judicial por atos
de 2011. de improbidade administrativa, a ação principal, que
terá o rito ordinário, será proposta
(D) não está prescrita, pois poderá ser ajuizada até
dezembro de 2015. (A) pela Defensoria Pública, dentro de quinze dias do
deferimento da tutela antecipada.
(E) não está prescrita, pois poderia ser ajuizada até
dezembro de 2013. (B) pela pessoa jurídica interessada, dentro de dez
dias do indeferimento da medida cautelar.
(C) pela pessoa física interessada, dentro de quinze
06. (ANALISTA JUDICIÁRIO – TRT 19ª R – 2014 – dias da efetivação da medida cautelar.
FCC) Antônio, agente público, foi processado e
condenado por improbidade administrativa. De acordo (D) pelo Ministério Público ou pela pessoa jurídica
com a sentença condenatória, Antônio frustrou a interessada, dentro de trinta dias da efetivação da
licitude de importante concurso público que ocorreu medida cautelar.
em Maceió. Nos termos da Lei no 8.429/92, NÃO (E) pelo Tribunal ou Conselho de Contas, dentro de
constitui sanção passível de ser aplicada a Antônio em
trinta dias do indeferimento da tutela antecipada.
razão do ato ímprobo cometido:
(A) Ressarcimento integral do dano, se houver.