Você está na página 1de 38

II TALLER NACIONAL DE PROSPECTIVA TECNOLÓGICA

Método: Construção de Cenários: Teoria e Prática

Cláudio Chauke Nehme – chauke@cgee.org.br


Lélio Fellows Filho – lelio@cgee.org.br

Buenos Aires, 17 de novembro de 2011

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos


Ciência, Tecnologia e Inovação
Cenários Prospectivos

Godet (1993) define cenários como sendo a descrição de uma


situação futura e do encaminhamento dos acontecimentos que
permitem passar da situação atual para a situação futura, pois no seu
entendimento “o futuro não está escrito em parte alguma, está por
fazer”.

Na visão de Schwartz (2004) os “cenários são uma ferramenta para


ordenar as percepções de uma pessoa sobre ambientes futuros
alternativos nos quais as conseqüências de sua decisão vão
acontecer”.

GODET, Michel. M anual de prospectiva estratégica – da antecipação à ação. Lisboa; Dom Quixote, 1993.
SCHWARTZ, Peter. A arte da visão de longo prazo. São Paulo: Nova Cultural, 2004.
Por que pensar no futuro de forma estruturada?

• Para iluminar problemas potenciais e colocar foco nos


problemas futuros.
• Para explorar alternativas face a incertezas.
• Para compartilhar entendimentos e experiências.
• Para descobrir suposições e rigorosamente testa-las.
• Para identificar escolhas e tomar decisões.
Principais benefícios dos Cenários segundo Kees van der
Heidjen

• Melhor “percepção do futuro”´ por parte dos executivos e


técnicos envolvidos
• Melhor “percepção de risco” para tomada de decisões
• Decisões e projetos mais “robustos” definidos a partir de
futuros alternativos
• Melhora da percepção institucional em relação ao processo
de mudança e transformação do ambiente externo
• Melhora da qualidade dos projetos e das decisões
pertinentes
• Liderança pela antecipação
O que significa pensar no futuro de maneira estruturada?

Atores
O Que torna difícil pensar no futuro de maneira estruturada?

• Ignorância
Nosso entendimento é limitado.
• Surpresa
O inesperado e o novo.
• Vontade
As questões da escolha humana
O que cenários são…

“Scenarios are descriptions of journeys to possible futures. They


reflect different assumptions about how current trends will
unfold, how critical uncertainties will play out and what new
factors will come into play.” (UNEP, 2002)

UNEP: United Nations Environment Programme


O Que cenários não são…

“It is now generally accepted that scenarios do not predict.


Rather, they paint pictures of possible futures and explore the
differing outcomes that might result if basic assumptions are
changed.” (UNEP, 2002)
Por favor, não faça predições…
Alguns pensamentos relativos ao pensar sobre o futuro…

“Human beings are rarely passive witnesses of threatening situations.


Their responses to threats may be unwise, but they inevitably alter the
course of events and make mockery of any attempt to predict the future
from extrapolation of existing trends.”
René Dubos
“The only relevant discussions about the future are those where we
succeed in shifting the question from whether something will happen to
what would we do if it did happen”
Arie de Geus
“…is any purpose served by attempting long-term perspectives for a
region? Yes!!! I say this not because the forecasts will necessarily be
right, but because they may stimulate helpful actions – actions that may,
in fact, even render the forecasts wrong.”
Ramgopal Agarwala
Cenários & Predição

The claim that scenario analysis* is a non-predictive approach


to the future does not imply the lack of inclusion of conditional
predictions in the analysis. It does however require that the
general purpose of the analysis is not to predict the most likely
future state of the system but to assess the feasibility and
desirability of different outcomes. Though the analysis is based
on individual predictive calculations (e.g. the likely effect of a
change in population growth rates or in technological change),
the overall goal is to indicate something about the range of
possible outcomes and their consequences.
Robinson, 2003
(*backcasting in original)
Objetivos da análise de cenários

• Processo
– Síntese cuidadosa das percepções de especialistas.
– Síntese de um processo participativo e um estudo exploratório.
– Síntese da narrativa qualitativa e uma fundamentação consistente
quantitativa.
• Produto
– Consistente.
– Coerente.
– Integrado.
– Intelectualmente provocativo.
– Irresistível.
• Resultados
– Mapas mentais mais flexíveis.
– Insights relevantes.
Radar x Retrovisor

Olhar a frente
E se . . . ?

Olhar para trás


Como poderia ter sido . . . ?
Elaboração de cenário - um overview

Elementos
Elementoschave
chave Contornos
•Temas Contornos
•Temascentrais
centrais •Espacial
•Espacial
•Grandes
•Grandesquestões
questões •Temporal
•Temporal
Imagens
Imagens
Estórias
Estóriasdo
doPresente do
•Contexto
Presente doFuture
Future
•Contextohistórico
histórico
•Características
•Característicasimportantes
importantes
•Atores e eventos
•Atores e eventos
•Principais
•Principaistemas
temasaaserem
seremfocados
focados

Estórias
Estórias
~~~~~~~
~~~~~~~
~~~~~~~
~~~~~~~
Driving ~~~~~~~
~~~~~~~
DrivingForces
Forces ~~~~~~~
•Tendências
•Tendências ~~~~~~~
•Processos
•Processos
Incertezas
IncertezasCriticas
Criticas
•Resoluoções
•Resoluoçõesque
quealteram
alteramoocurso
cursode
deevents
events
Exemplos de Driving Forces e Temas

Demográfico
Tecnológico
• No. de pessoas.
• Avanço
• Distribuição espacial
• Penetração
• Estrutura do sistema etário.
Meio Ambiente
Econômico
• Retroalimentação ecológica
• Tamanho
• Estrutura Governança
• Integração espacial • Evolução de instituições globais
• Evolução de instituições nacionais
Social • Propósitos para a sociedade civil no
• Distribuição de bens processo decisório

Cultural
• Valores: consumismo,
individualismo, coletivismo.
• Étnico e impulsos nacionalistas
Timeline – Setor Automotivo

Automóveis: 3,5 Milhões de veículos "limpos" Combustíveis: Alternativas para REFERÊNCIAS

em circulação (NAE) combustíveis à base de carbono, EIU: Economist Intelligence Unit

fornecem 30% de toda a energia EPE: Empresa de Pesquisa Energética


Automóveis: Carros elétricos representam Holt-Giménez
utilizada no mundo (TC) HG:
5% da frota americana, mediante grande NAE: Núcleo de Assuntos Estratégicos
incentivo fiscal (WFS) RH: Ray Hammond
RK: Ray Kurzweil
Combustíveis: Etanol de milho gera pequena
OCDE: Organização para a Cooperação e
porcentagem de combustível nos EUA, apesar Desenvolvimento Econômico
da estratégia de incentivo naquele país (WFS) ONU: Organização das Nações Unidas
TC: TechCast
Combustíveis: Mercado global de etanol: 66 WFS: Word Future Society
bilhões de litros (CGEE) Combustíveis: Consumo de
etanol alcança 88,6 bilhões de
litros (CGEE)
Energia Elétrica: Consumo
Combustíveis: Utilização em global de energia elétrica:
grande escala da tecnologia 941TWh (EPE)
de etanol à base de celulose,
gerando conflito com a Usinas nucleares: 1000
indústria do petróleo (WFS) usinas nucleares operam em
todo mundo (WFS)

Automóveis: Carros híbridos


correspondem a 30% do mercado
mundial de automóveis (TC) Automóveis: China atinge 120 milhões de automóveis (EIU)
Automóveis: 100 milhões de carros vendidos no mundo, Automóveis: Veículos viajam
Automóveis: Redução do custo de nas principais estradas sob o
carros elétricos aumenta competição 40% das vendas na Ásia (EIU)
controle de sistemas (RH)
com carros movidos a gasolina (WFS) Automóveis: Veículos comercializados no mundo: Híbridos
(32%); Gasolina (26%); Biocombustível (19%); Eletricidade Combustíveis: Demanda
(15%); Hidrogênio (9%) (ONU) mundial por petróleo aumenta
40% em relação a 2006,
Combustíveis: Combustíveis renováveis representam 10% principalmente na indústria de
Combustíveis: China é o de todo combustível de transporte na Europa (HG) avaliação
novo centro petroquímico
mundial (CGEE) Combustíveis: Demanda de petróleo dos países em População: Número de pessoas
desenvolvimento representa 41% (EIU) com mais de 65 anos passam de
China: China é a primeira
Combustíveis: Biodiesel substitui 20% do diesel usado para 1 bilhão (RK)
economia mundial (OCDE)
transportes na União Européia (NAE) População: População mundial:
Emissões: Mercado de emissão de carbono nos EUA 8,2 bilhões de habitantes (ONU)
excede US$1 trilhão

2010 2015 2020 2025 2030 2035


Arcabouço lógico para elaboração de cenários

Nakicenovic, et al (2000)
Análise Prospectiva e Cenários

Dinâmica da Prospectiva
AÇÃO
Vontade Estratégica
ANTECIPAÇÃO
Pensamento
prospectivo

APROPRIAÇÃO
Mobilização
Coletiva
Análise Prospectiva e Cenários
Concepção do Futuro

Fatores críticos e forças propulsoras/restritivas


Arcabouço lógico para Cenários
Mont Fleur

Fonte: Rothman, D. S. EU Advanced Summer School in Integrated Assessment Methodology. Macaulay Institute. 1-12/09/ 2003
Mont Fleur – South Africa
Background

• What will South Africa be like in the year 2002?


What will the path look like between 1992 and 2002?

• Organized by Pieter le Roux, director of the Institute for Social Development


at the University of the Western Cape (UWC) in South Africa

• The project brought together a diverse group of 22 prominent South


Africans—politicians, activists, academics, and businessmen, from across
the ideological spectrum.

• It took place in 1991-2, during the period between February 1990, when
Nelson Mandela was released from prison, and the African National
Congress (ANC), Pan African Congress (PAC), South African Communist
Party (SACP), and other organizations were legalized, and April 1994, when
the first all-race elections were held.

Fonte: Rothman, D. S. EU Advanced Summer School in Integrated Assessment Methodology. Macaulay Institute. 1-12/09/ 2003
Mont Fleur – South Africa
The Scenarios

1. Ostrich
in which a negotiated settlement to the crisis in South Africa is not achieved, and the country’s
government continues to be non-representative

2. Lame Duck
in which a settlement is achieved but the transition to a new dispensation is slow and indecisive

3. Icarus
in which transition is rapid but the new government unwisely pursues unsustainable, populist
economic policies

4. Flight of the Flamingos


in which the government’s policies are sustainable and the country takes a path of inclusive
growth and democracy.

Fonte: Rothman, D. S. EU Advanced Summer School in Integrated Assessment Methodology. Macaulay Institute. 1-12/09/ 2003
Mont Fleur – South Africa
Representation

Fonte: Rothman, D. S. EU Advanced Summer School in Integrated Assessment Methodology. Macaulay Institute. 1-12/09/ 2003
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Exercício
Fonte: Adam Gordon, WFS 2010
Debates e conclusões