Você está na página 1de 9

CAMPO ELÉTRICO E POTENCIAL

ELETROSTÁTICO E DIFERENÇA DE
POTENCIAL ELÉTRICO
16 (FUVEST 2017) Os primeiros astronautas a pousar 17 (UFJF 2017) Duas cargas elétricas, q1 = 1μC e q2
na Lua observaram a existência de finas camadas de = -4μC, estão no vácuo, fixas nos pontos 1 e 2, e
poeira pairando acima da superfície lunar. Como não separadas por uma distância d = 60 cm, como mostra
há vento na Lua, foi entendido que esse fenômeno a figura abaixo.
estava ligado ao efeito fotoelétrico causado pela
luz solar: elétrons são extraídos dos grãos de poeira
do solo lunar ao receberem energia da radiação
eletromagnética proveniente do Sol e, assim, os
grãos tornam-se positivamente carregados. O mesmo
processo também arranca elétrons da superfície lunar, Como base nas informações, determine:
contribuindo para a carga positiva do lado iluminado a A intensidade, a direção e o sentido do vetor
da superfície da Lua. A altura de equilíbrio acima da campo elétrico resultante no ponto médio da
superfície lunar dessas camadas depende da massa linha reta que une as duas cargas.
EXERCÍCIOS APROFUNDADOS

b O ponto em que o campo elétrico resultante é


e da carga dos grãos. A partir dessas informações,
nulo à esquerda de q1.
determine
a o módulo F da força eletrostática que age sobre
e
cada grão em equilíbrio da camada, sabendo que TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:
um grão de poeira tem massa m = 1,2x10-14 kg e
que a aceleração da gravidade nas proximidades Dados:
da superfície da Lua é gL = 1,6 m/s2;
b o módulo E do campo elétrico na posição dessa Aceleração da gravidade: 10 m/s2
camada de poeira, sabendo que a carga adquirida
por um grão é Q = 1,9x10-15 C. Densidade do mercúrio: 13,6 g/cm3
Uma característica do efeito fotoelétrico é a Pressão atmosférica: 1,0.105 N/m2
necessidade de os fótons da luz incidente terem
uma energia mínima, abaixo da qual nenhum Constante eletrostática: k0 = 1/4 πε0 = 9,0.109 N.m2/
elétron é arrancado do material. Essa energia C2
mínima está relacionada à estrutura do material
e, no caso dos grãos de poeira da superfície lunar,
é igual a 8x10-19J
c Determine a frequência mínima f dos fótons da 18 (UFPE 2012) Três cargas elétricas, q1 = - 1,6μC, q2 =
luz solar capazes de extrair elétrons dos grãos de +1,0μC e q3 = -4,0μC, são mantidas fixas no vácuo
poeira. e alinhadas, como mostrado na figura. A distância
Na superfície da Lua, 5x105 é o número de fótons d = 1,0 cm. Calcule o módulo do campo elétrico
por segundo incidindo sobre cada grão de poeira
e produzindo emissão de elétrons. produzido na posição da carga q2, em V/m.
d Determine a carga q emitida em 2 s por um
grão de poeira, devido ao efeito fotoelétrico,
considerando que cada fóton arranque apenas
um elétron do grão.
Note e adote:
Carga do elétron: -1,6x10-19C
Energia do fóton: ε = hf; f é a frequência e h ≈
6x10-34 J.s é a constante de Planck.
Desconsidere as interações entre os grãos e a
influência eletrostática dos elétrons liberados.

19 (UFPE 2010) Nos vértices de um triângulo isósceles


são fixadas três cargas puntiformes iguais a Q1 =
+1,0 × 10-6 C; Q2 = - 2,0 × 10-6 C; e Q3 = +4,0 × 10-6
C. O triângulo tem altura h = 3,0 mm e base D = 6,0

10
mm. Determine o módulo do campo elétrico no ponto
médio M, da base, em unidades de 109 V/m.

Com base na análise da figura, responda aos itens a


seguir.
a Quais são os sinais das cargas A e B? Justifique.
b Crie uma relação entre os módulos das cargas A
e B. Justifique.
20 (UEG 2009) Sobre os conceitos de campos escalares c Seria possível às linhas de campo elétrico se
e campos vetoriais, responda ao que se pede. cruzarem? Justifique.
a Um objeto de massa m e carga q em repouso,
gera qual(ais) campo(s)? Justifique.
b Um objeto de massa m e carga q em movimento,
gera qual(ais) campo(s)? Esse(s) campo(s) é(são)
vetorial(ais) ou escalar(es)? Justifique.

EXERCÍCIOS APROFUNDADOS
23 (FUVEST 2015) A região entre duas placas metálicas,
planas e paralelas está esquematizada na figura
abaixo. As linhas tracejadas representam o campo
elétrico uniforme existente entre as placas. A distância
21 (UFRJ 2008) Duas cargas puntiformes q1 = 2,0 entre as placas é 5 mm e a diferença de potencial
× 10-6 C e q2 = 1,0 × 10-6 C estão fixas num plano entre elas é 300 V. As coordenadas dos pontos A, B e
nas posições dadas pelas coordenadas cartesianas C são mostradas na figura. Determine
indicadas a seguir. Considere K = 1/(4πε0) = 9,0 ×
109 NC-2 m2.

a os módulos EA, EB e EC do campo elétrico nos


pontos A, B e C, respectivamente;
Calcule o vetor campo elétrico na posição A indicada b as diferenças de potencial VAB e VBC entre os pontos
na figura, explicitando seu módulo, sua direção e seu A e B e entre os pontos B e C, respectivamente;
sentido. c o trabalho τ realizado pela força elétrica sobre
um elétron que se desloca do ponto C ao ponto A.
Note e adote:
O sistema está em vácuo.
Carga do elétron = -1,6x10-19 C.

22 (UEG 2008) A figura a seguir representa as linhas de


campo elétrico de duas cargas puntiformes.

www.biologiatotal.com.br 11
24 (PUCRJ 2016) Duas partículas com cargas Q e -Q encontra-se distante de outra esfera condutora, de
têm posições iniciais (x, y, z) = (0, 0, R) e (0, 0, 0), raio R2 = 10,0 cm, carregada com carga elétrica Q =
respectivamente. A carga -Q está fixa enquanto uma 3,0μC (potencial elétrico não nulo), também isolada.
força (variável) leva a carga Q, em velocidade muito
baixa e constante, até a nova posição (0, 0, 2R).
Considere a constante eletrostática k conhecida.
Calcule a diferença de energia potencial do sistema
entre a posição final e a posição inicial.
Em seguida, liga-se uma esfera à outra, por meio
O trabalho total realizado pelas forças eletrostáticas de um fio condutor longo, até que se estabeleça o
nas cargas Q e -Q, ao longo do processo descrito no equilíbrio eletrostático entre elas. Nesse processo, a
item anterior, é positivo, nulo ou negativo? Justifique. carga elétrica total é conservada e o potencial elétrico
em cada condutor esférico isolado descrito pela
equação V = k.q/r, onde k é a constante de Coulomb,
q é a sua carga elétrica e r o seu raio.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:


EXERCÍCIOS APROFUNDADOS

Dados:
Aceleração da gravidade: 10 m/s2
Supondo que nenhuma carga elétrica se acumule no
Densidade do mercúrio: 13,6 g/cm3 fio condutor, determine a carga elétrica final em cada
Pressão atmosférica: 1,0.105 N/m2 uma das esferas.
Constante eletrostática: k0 = 1/4 πε0 = 9,0.109 N.m2/
C2.

25 (UFPE 2012) O gráfico mostra a dependência do


potencial elétrico criado por uma carga pontual, no
vácuo, em função da distância à carga. Determine
o valor da carga elétrica. Dê a sua resposta em
unidades de 10-9C.
27 (UERJ 2011) Em um laboratório, um pesquisador
colocou uma esfera eletricamente carregada em uma
câmara na qual foi feito vácuo.
O potencial e o módulo do campo elétrico medidos a
certa distância dessa esfera valem, respectivamente,
600 V e 200 V/m.
Determine o valor da carga elétrica da esfera.

28 (UFG 2010) Uma carga puntiforme Q gera uma


superfície equipotencial de 2,0V a uma distância
26 (UNESP 2011) Uma esfera condutora descarregada de 1,0m de sua posição. Tendo em vista o exposto,
(potencial elétrico nulo), de raio R1 = 5,0 cm, isolada,

12
calcule a distância entre as superfícies equipotenciais 31 (UNICAMP 2018) Geradores de Van de Graaff têm a
que diferem dessa por 1,0V finalidade de produzir altas diferenças de potencial.
Consistem em uma esfera metálica onde é acumulada
a carga proveniente de uma correia em movimento.
A carga é inicialmente depositada na parte inferior
da correia, que está aterrada (potencial V = 0, ver
figura), e é extraída da correia quando atinge a parte
superior, que está no potencial V0 fluindo para a
esfera metálica. O movimento da correia é mantido
por um pequeno motor.

29 (ITA 2009) Três esferas condutoras, de raio a e carga


Q, ocupam os vértices de um triângulo equilátero de
lado b > a, conforme mostra a figura (1). Considere
as figuras (2), (3) e (4), em que, respectivamente,
cada uma das esferas se liga e desliga da Terra, uma
de cada vez. Determine, nas situações (2), (3) e (4),
a carga das esferas Q1, Q2 e Q3, respectivamente, em
função de a, b e Q.

EXERCÍCIOS APROFUNDADOS
a Em um gerador em operação, a carga transportada
por unidade de comprimento da correia é igual a
λ = 1,25 X 10-7 C/m. Se a taxa com que essa carga
é transferida para a esfera metálica é dada por
i = 5,0 x 10-9 C/s, qual é a velocidade da correia?
b Um fenômeno muito atraente que ocorre em
pequenos geradores usados em feiras de ciências
é a produção de faísca, decorrente de uma
descarga elétrica, quando um bastão metálico
aterrado é aproximado da esfera carregada do
gerador. A descarga elétrica ocorre quando o
módulo do campo elétrico na região entre a
esfera e o bastão torna-se maior que a rigidez
dielétrica do ar, que vale Erd = 3,0 x 106 V/m. Para
simplificar, considere que a esfera de um gerador
e a extremidade do bastão equivalem a duas
placas metálicas paralelas com uma diferença de
potencial de V = 7,5 x 104 V. Calcule a distância
entre elas para que a descarga ocorra.

30 (UFPE 2008) Duas cargas elétricas puntiformes, de


mesmo módulo Q e sinais opostos, são fixadas à
distância de 3,0 cm entre si. Determine o potencial
elétrico no ponto A, em volts, considerando que o
potencial no ponto B é 60 volts.

32 (FUVEST 2019) Duas placas metálicas planas e


circulares, de raio R, separadas por uma distância d
<< R, estão dispostas na direção horizontal. Entre
elas, é aplicada uma diferença de potencial V, de
modo que a placa de cima fica com carga negativa
e a de baixo, positiva. No centro da placa superior,
está afixado um fio isolante de comprimento L <
d com uma pequena esfera metálica presa em sua
extremidade, como mostra a figura. Essa esfera tem
massa m e está carregada com carga negativa -q. O

www.biologiatotal.com.br 13
fio é afastado da posição de equilíbrio de um ângulo Note e adote:
θ, e a esfera é posta em movimento circular uniforme A aceleração da gravidade é g.
com o fio mantendo o ângulo θ com a vertical. Forças dissipativas devem ser ignoradas.

Determine
a O módulo E do campo elétrico entre as placas;
b Os módulos T e F respectivamente, da tração no
fio e da força resultante na esfera;
c A velocidade angular ω da esfera.

ANOTAÇÕES
EXERCÍCIOS APROFUNDADOS

14
GABARITO DJOW
CAMPO ELÉTRICO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO
E DIFERENÇA DE POTENCIAL ELÉTRICO

16: a) Na situação de equilíbrio, a força eletrostática tem mesma


intensidade do peso da partícula. k 0 . | q1 | k 0 .16ìμ k0
Eq= → Eq= → Eq= 4ìμ.
2 2
Fe =P =m g =1,2 × 10−14 ⋅ 1,6 ⇒ Fe =1,92 × 10−14 N.
1
(2.d) 1
4.d 1
d2
(horizontal para a esquerda)
Fe 1,92 × 10−14 - Campo elétrico produzido pela carga q2 na posição da carga q2:
b) Fe = q E ⇒ E = = ⇒ E ≅ 10 N C.
k 0 . | q2 |
q 1,9 × 10−15
E=q2 → E=
q2 0
(0)2
c) Substituindo os dados na expressão fornecida no enunciado:
- Campo elétrico produzido pela carga q3 na posição da carga q2:
εå 8 × 10−19
εå = h f ⇒ f = = ⇒ f = 1,33 × 1015 Hz.
h 6 × 10−34
d) Se cada fóton arranca 1 elétron em 2s são arrancados n
elétrons. Assim:
n = 5 × 105 ⋅ 2 ⇒ n = 106 elétrons.

EXERCÍCIOS APROFUNDADOS
q= 106 ⋅ −1,6 × 10−19 ⇒
n qelét = ( ) q=−1,6 × 10−13 C.
Eq3 =
k 0 . | q3 |
→ Eq3 =
k 0 .4ìμ
→ Eq3 = 4ìμ.
k0
2
(d) d2 d2
17: a) Carga positiva gera campo de afastamento e carga (horizontal para a direita)
negativa gera campo de aproximação. Assim os dois campos são - Campo elétrico resultante:
de mesmo sentido, para a direita, como indicado na figura.    
E = Eq1 + Eq2 + Eq3

  
A intensidade do campo elétrico resultante é: Como :| Eq1=| | Eq3 |∴ E= 0

k q1 k q2 9 × 109 ⋅ 10−6 9 × 1099 ⋅ 4 ×−10 −6 E = 0.


E = E1 + E2 = + = 1095⋅ 4+×410
k q1 k q2 + 9 × 10 ⋅ 10 6 9 ×= 10 −6 5 ⇒
× 10
2 E = E2 + E =
d1 d21 2 0,3 +2 = (d )0,32
2 + ( ) = 105 + 4 × 105 ⇒
2 2 2
1 d2 ( 0,3 ) ( 0,3 ) 19: 05 V/m.
9 −6 9 −6
⋅ 10 9 × 10 ⋅ 4 × 10 E= 5 5 × 105 5N
C. E( horizontal para direita )
2
+ = 10 + 4 × 10 ⇒ = 5 × 105 N C. ( horizontal para direita ) Dados: r1 = r2 = D/2 = 3 mm = 3.10-3m; r3 = h = 6 mm = 6.10-3
3) ( 0,3 )2 m; k = 9.109N.m2/C2.
b) No ponto onde o vetor campo elétrico é nulo, os campos O vetor campo elétrico no ponto M resulta da superposição
ara direita ) dos campos produzidos por cada carga. Como carga positiva
dessas duas cargas devem ter mesma intensidade e sentidos
opostos, como indicado. cria campo de afastamento e carga negativa cria campo de
aproximação, temos os vetores apresentados na figura a seguir.

k q1 k q2 10−6 4 × 10−6 1 4
E1 =
= E2 = ⇒= ⇒
= ⇒
d2 ( 0,6 + d) 2
d2 ( 0,6 + d)2 d2 ( 0,6 + d)2
1 4 1 2
= ⇒ = ⇒ 2 d= 0,6 + d ⇒ d= 0,6 m= 60 cm.
d2 ( 0,6 + d)2 d 0,6 + d Aplicando a expressão do módulo do vetor campo elétrico em um
ponto distante r de uma carga fixa Q, considerando que o meio
Como esse ponto está a esquerda de q1 a abscissa desse ponto é: seja o vácuo:

 1,0 × 10−6
x = 60 − 60 ⇒ x = 0. 9 × 109
E1 = 1,0 × 109 V / m;
=
( )
2
 3,0 × 10−3



18: - Campo elétrico produzido pela carga q1 na posição da carga kQ  2,0 × 10−6
q2: 9 × 109
E = ⇒ E2 = 2,0 109 V / m;

r2
( )
2
 3,0 × 10−3



 4,0 × 10−6
9 × 109
E3 = =4,0 × 109 V / m.
( )
2
 3,0 × 10−3

www.biologiatotal.com.br 15
O módulo do vetor campo elétrico resultante é dado por: −19
τô =q VCA =−1,6 × 10 × ( −180 ) ⇒
(1× 109 + 2 × 109 ) + ( 4 × 109 )
2 2
E= (E1 + E2 )2 + E32 = ⇒
τô 2,88 × 10−17 J.
=
E= 5 × 109 V / m.

24: a) A Energia potencial é dada por:


20: a) De acordo com a lei de Newton da gravitação, toda massa
gera em torno de si um campo gravitacional. E de acordo com a k ⋅Q⋅q
Ep =
lei de Coulomb, toda carga elétrica gera em torno de si um campo d
elétrico. Em que:
b) Conforme a experiência de Oersted, quando uma partícula Ep = energia potencial elétrica;
eletrizada está em movimento, além dos campos gravitacional k = constante eletrostática no vácuo;
e elétrico, ela gera, também, campo magnético. Quando dois, ou
mais, desses campos de mesma natureza se superpõem, o campo Q = carga geradora do campo elétrico;
resultante depende da direção e do sentido de cada um. Portanto, q = carga de prova;
esses campos são grandezas vetoriais. d = distância entre as cargas
Obs: se a partícula eletrizada sofrer aceleração, há emissão Então a diferença de energia potencial é:
de onda eletromagnética, que é a propagação do campo
eletromagnético através do espaço. k ⋅Q⋅q k ⋅Q⋅q k ⋅Q⋅q
ÄEp =
Δ − ÄEp =
∴Δ
2R R 2R
21: Como as distâncias do ponto A a cada uma das cargas q1 e q2 b) O trabalho total realizado pelas forças eletrostáticas é zero,
são iguais, e q1 = 2q2 , podemos concluir que |E1| = 2 |E2| pois as cargas se afastam pela aplicação de uma força variável
externa que equilibra as forças eletrostáticas sendo a força
Utilizando a Lei de Coulomb, temos resultante nula, pois o deslocamento se dá em velocidade
|E2| = (kq2)/d22 = (9,0 x 109 x 1,0 x 10-6)/(1 x 10-2)2 = 9 × 107 N/C constante.
e |E1| = 18 × 107 N/C
Utilizando a regra do paralelogramo, obtemos:
EXERCÍCIOS APROFUNDADOS

25: O potencial elétrico criado por uma carga pontual é dado


|EA| = 9 √5 x 107 N/C por: V = k0.Q/r.
Direção: tgα = |E2|/|E1| = 1/2, onde α é o ângulo trigonométrico Do gráfico temos: V = 300 v e r = 0,15 m.
que EA faz com o eixo 0x.
Ou seja:
Sentido: de afastamento da origem, a partir do ponto A.
k 0 .Q 9.109.Q
V= → 300 =
r 0,15
22: a) Cargas positivas são fontes de E enquanto cargas
negativas são sorvedouros. Pela análise da figura, como as linhas Q = 5.10−9 C.
de campo elétrico saem de B e chegam em A, conclui-se que A é
negativa e B é positiva.
26: Após o contato, as esferas terão o mesmo potencial elétrico.
b) Da figura, percebemos que da carga B saem o dobro de linhas kQ1 kQ2 Q R 5 1
de campo que chegam na carga A, portanto: |QB| = 2 |QA| V1 =V2 → = → 1 = 1 = = → Q2 =2Q1 (01)
R1 R2 Q2 R2 10 2
c) Não. Pois caso fosse possível, haveria diferentes vetores E em
cada ponto de cruzamento das linhas de campo. A carga total não muda, portanto:
Q + Q2 = 3 (02)
1
23: a) Dados: V = 300 V; d = 5mm = 5x10-3 m.
A figura ilustra os dados. Substituindo 01 em 02, vem:
Q1 = 1ìμC
Q1 + 2Q1 =→
3 3Q1 =→
3 
Q2 = 2ìμC

27: Dados: V = 600 V; E = 200 V/m; k = 9 × 109 N.m2/C2.


Como o Potencial elétrico é positivo, a carga é positiva. Então,
abandonando os módulos, temos:
kQ
V=
r V kQ r 2 V 600
⇒ = × ⇒ =r ⇒ r = ⇒ r = 3 m.
kQ E r kQ E 200
Como se trata de campo elétrico uniforme, EA = EB = EC = E. E= 2
r
kQ
V=
V 300 V kQ3 r 2 V 600
E d =V ⇒ E = =r ⇒ =60=
× 10 × ⇒ ⇒
E =6 ×=
10 4
r ⇒V/m.
r= ⇒ r = 3 m.
d kQ5 × 10−3 E r kQ E 200
E=
b) Da figura: xA = r12 mm e xB = 4 mm.
Substituindo na expressão do Potencial:
VAB = E dAB = E ( xB − x A ) = 6 × 10 4
( 4 − 1) × 10 −3
⇒ VAB = 180 V. kQ r V 3 ( 600 )
V
= ⇒ Q= = = 200 × 10 −9 ⇒
r k 9 × 109
Como os pontos B e C estão na mesma superfície equipotencial: Q = 2 × 10–7 C.
VBC = 0 V.
28: A figura a seguir ilustra a situação.
c) Dado: q = -1,6 x 10 C. -19

Analisando a figura dada: VCA = VBA = -VAB = -180V.

16
V3 = 1 V
Q3 Qa  2a 
= 2− + 1
r3 a b2  b 
V2 = 2 V
Q3 Qa  2a 
= 3−
b2  b 
r2 = 1 m
a
V1 = 3 V
r1
Qa2  2a 
d =Q3 3−
b2  b 

30:
V2 = kQ/R2 (I)
V1 = kQ/R1 (II)
V3 = kQ/R3 (III)
Dividindo (II) por (I):
Denominando “d” a distância entre a carga –Q e o ponto B
V1 k Q r V1 r2 3 1
= × 2 ⇒ = ⇒ = podemos escrever:
V2 r1 k Q V2 r1 2 r1
d + 1 = 3 → d = 2,0cm
2
r1 = m = 0,67 m.

3 Lembre-se que o potencial gerado por uma carga puntiforme a
uma distância d é V = Kq/d
Dividindo (III) por (I):
Calculando o potencial em B, concluímos:
V3 k Q r V3 r2 1 1
= × 2 ⇒ = ⇒ = kQ kQ  Q −Q 
V2 r3 k Q V2 r3 2 r3 VB = + → 60 =9 × 109  + 9
 =9 × 10 × 50Q
d1 d2  0,01 0,02 
⇒ r3 = 2 m.
60 2
Q
= = × 10 −9 C

EXERCÍCIOS APROFUNDADOS
A distância d é:
450 × 109 15
d = r3 – r1 ⇒ d = 2 – 0,67 ⇒ d = 1,33 m.
Calculando o potencial em A, concluímos:
kQ kQ 1 1 2  1 1 
29: O ponto “aterrado” possui potencial nulo. VA = + =kQ  −  =× 9 109 x × 10 −9  − 
d1 d2  d1 d2  15  0,01 0,04 
Na figura 2 temos então
Vesf1 + V3,1 + V2,1 = 0 6
VA= (100 − 25)
= 90V
Q Q Q 5
k 1 +k +k =0
a b b
Q1 −2Q 31: a) Usando análise dimensional, nota-se que a velocidade
= pode ser dada pela expressão:
a b
Q1 =
−2Qa i 5,0 × 10−9  C s  C m
b v==  =0,04  ×  ⇒ 4 10−2 m s
v =×
λë 1,25 × 10  C m 
−7
 s C
Na figura 3, temos:
Vesf1 + V3,1 + V2,1 = 0
i 5,0 × 10−9  C s  C m
k
Q2
+k 1 +kv =
Q Q
0 =
=  =0,04  ×  ⇒ 4 10−2 m s.
v =×
a b b ë 1,25 × 10−7  C m   s C
Q2 Q1 Q
+ + =0
a b b b) Adotando a simplificação sugerida, a distância máxima para
Q2 Q1 Q ocorrer faísca pode ser calculada pela expressão:
= −
a b b
V 7,5 × 104
Substituindo-se a carga Q1: Erd dmáx =
V ⇒ dmáx = = 2,5 × 10−2 m ⇒
⇒ dmáx =
Erd 3 × 106
Q2 2Qa Q
=
+ 2 −
a b b V 7,5 × 104
Erd2admáx
Qa  V ⇒ dmáx = =
= 2,5 × 10−2 m ⇒
⇒ dmáx = 0 < d ≤ 2,5 cm.
=Q2
b  b
− 1

Erd 3 × 106
Na figura 4, temos
Vesf1 + V3,1 + V2,3 = 0 32: a) Dado que d << R podemos aproximar o campo como sendo
uniforme. Portanto:
Q3 Q Q
k +k 1 +k 2 = 0
a b b V= E ⋅ d
Q3 Q1 Q2
+ + = 0 V
a b b ∴E =
Q3 Q Q d
=− 1− 2
a b b
Usando-se as expressões de Q1 e Q2:
Q3 2Qa Qa  2a 
=2 − 2  − 1
a b b  b 

www.biologiatotal.com.br 17
b) Ilustrando as forças na esfera, temos: mgd + qV
=
Em senθ
x: F T= è ⋅ sen θ
è
dcos è
(mgd + qV ) è
∴F = tg θ
d

c) A força resultante atua como resultante centrípeta. Portanto:


Fcp = F

ω2 R =
2 (mgd + qV ) θ
mù tgè
d
Onde, R = Lsen. Sendo assim:

Fcp = F
qV
Onde, F= qE
= . Logo: ω (mgd + qV ) ⋅ sen èθ
ù 2 L sen θ
el 2
d m
= è
qV d cos èθ
θè mg +
Em y: T cos=
mgd + qV
d ∴ω
ù =
mgd + qV mdL cos èθ
∴T =
dcos θ
è
EXERCÍCIOS APROFUNDADOS

ANOTAÇÕES

18