Você está na página 1de 14

MEDICAMENTOS DE

ALTA VIGILÂNCIA
Guia para Uso Seguro

SETOR DE FARMÁCIA
0
Hospital da Clinicas / UFPE
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares
Universidade Federal de Pernambuco
Hospital das Clínicas
Setor de Farmácia

MEDICAMENTOS
DE ALTA VIGILÂNCIA
Guia para Uso Seguro
1ª. Edição

Recife (PE), 2018


Hospital das Clinicas / UFPE
Setor de Farmácia
Endereço: Av. Professor Moraes Rego, nº 1235, Cidade Universitária,
Recife, Pernambuco, CEP 50670-901. Contato: Telefone 81.2126.3633;
Home-page: http://www.ebserh.gov.br/web/hc-ufpe.
Elaboração: Equipe do Setor de Farmácia HC/UFPE.
Coordenação e Organização: Farma. Eliane Leite de Sousa Magalhães
Revisão: José de Arimatea Rocha Filho
Elaboração: Ana Paula Bagetti, Carolina da Matta, Douglas
Albuquerque, Erika Barbosa, Felipe Souza, Ingrid Campos, Josimar Silva,
Regina Sousa, Valdemir De Paula.

Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial


ou total desta obra, desde que citada a fonte, e, que não seja
utilizada para venda ou qualquer fim comercial. A
responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens é
do Setor de Farmácia do Hospital das Clínicas da Universidade
Federal de Pernambuco.
Brasil. Ministério da Educação. Empresa Brasileira de Serviços
Hospitalares. Universidade Federal de Pernambuco. Hospital
das Clínicas. Setor de Farmácia. Medicamentos de Alta
Vigilância: Guia para Uso Seguro Clínica. 1ª Edição, Recife, 11
páginas.
Rossieli Soares da Silva
Ministro da Educação
Kleber de Melo Morais
Presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH)
Anísio Brasileiro de Freitas Dourado
Reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Frederico Jorge Ribeiro
Superintendente do Hospital das Clinicas da Universidade Federal de
Pernambuco (HC/UFPE)
Délia Tereza Duarte Borba
Gerente de Atenção à Saúde HC/UFPE
Célia Maria Machado Barbosa de Castro
Gerente de Ensino e Pesquisa do HC/UFPE
Marcos Antônio Viegas Filho
Gerente Administrativo e Financeiro do HC/UFPE
José de Arimatea Rocha Filho
Chefe do Setor de Farmácia (SeFar) HC/UFPE
Patrícia Magalhães Xavier Silva
Chefe da Unidade de Abastecimento Farmacêutico do SeFar HC/UFPE
Valdemir Cordeiro De Paula
Chefe da Unidade de Dispensação e Farmácia Clinica do SeFar HC/UFPE
Eliane Leite de Sousa Magalhães
Núcleo de Segurança do Paciente HC/UFPE
Sumário

1. INTRODUÇÃO....................................................................................... 04
2. OBJETIVO............................................................................................. 04
3. ABRANGÊNCIA..................................................................................... 04
4. CLASSES DE MEDICAMENTOS DE ALTA VIGILÂNCIA E CONDUTAS......... 05
5. PROCEDIMENTOS................................................................................. 06
6. RESPONSABILIDADES........................................................................... 09
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................ 10
8. APÊNDICES........................................................................................... 11
RELAÇÃO DOS MEDICAMENTOS DE ALTA VIGILÂNCIA .......................... 12
1. INTRODUÇÃO

Medicamentos potencialmente perigosos são aqueles que


apresentam risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes
em decorrência de falha no processo de utilização. São também denominados
medicamentos de alto risco ou medicamentos de alta vigilância.

Os erros que ocorrem com esses medicamentos podem não ser os


mais frequentes, porém suas consequências tendem a ser mais graves,
podendo ocasionar lesões permanentes ou à morte. Com isso, eles são
prioridade para a determinação das falhas, identificação de ações preventivas
e estabelecimento de práticas seguras.

Existem listas de medicamentos de Alta Vigilância em instituições


como a Organização de Saúde e o Instituto de Práticas Seguras e Medicação
(ISMP). Cabe a cada instituição de saúde estabelecer, de modo colaborativo,
divulgar e revisar continuamente a própria lista desse grupo de medicamentos
atuando na prevenção de erros.

2. OBJETIVO

Normatizar procedimentos para garantir a segurança de recebimento,


armazenamento, circulação e utilização de medicamentos de alta vigilância,
prevenindo o uso inadequado.

3. ABRANGÊNCIA

Todos os setores que utilizam medicamentos Potencialmente Perigosos no


Hospital das Clínicas/UFPE.

4
4. CLASSES DE MEDICAMENTOS DE ALTA VIGILÂNCIA E CONDUTAS

Existem algumas classes terapêuticas que apresentam características


especificas que fazem com que todos os medicamentos nela pertencentes
sejam considerados perigosos. Por isso, esses medicamentos são incluídos
como “classe” nas listas que relacionam os medicamentos potencialmente
perigosos. Outras classes contêm apenas um ou alguns medicamentos
considerados perigosos, seja por suas características intrínsecas de risco, por
serem medicamentos que aparecem com elevado registro de erros nos bancos
de notificação, ou por levarem a erros com elevado risco de ocasionar danos
sérios aos pacientes; esses entram nas listas como medicamentos específicos.

 Drogas vasoativas endovenosas (Nitroglicerina, Nitroprussiato de


Sódio, Norepinefrina, Vasopressina, Epinefrina, Dopamina e
Dobutamina);
 Analgésicos opióides endovenosos (Fentanila e Morfina);
 Antiarrítmicos endovenosos (Amiodarona);
 Eletrólitos endovenosos (Cloreto de potássio concentrado 19,1%;
cloreto de sódio hipertônico 20%; Bicarbonato de Sódio 8,4%,
Fosfato de Potassio 19,1%, sulfato de magnésio 50% e glicose
50%);
 Sedativos endovenosos (Dexmedetomidina, Midazolan e
Propofol);
 Bloqueadores neuromusculares endovenosos (Succinilcolina,
Suxametônio, Pancurônio, Cisatracúrio e Rocurônio);
 Nutrição parenteral;
 Quimioterápicos antineoplásicos de uso oral e parenteral;
 Insulinas subcutâneas e endovenosa (NPH - Insulina Humana
Recombinante e regular);

A Instituição padronizou um grupo de medicamentos como sendo de


alta vigilância os quais devem ser utilizados com maior critério, por oferecerem

5
maior risco aos pacientes, se utilizados incorretamente de acordo com o
Apêndices 1(Lista de Medicamentos de Alta Vigilância).
Foram adotadas barreiras de segurança visando aumentar a
segurança no processo de utilização, como a cor diferenciada (vermelha)
através de etiquetas/embalagens como padrão de identificação dos
medicamentos de alta vigilância.
Os medicamentos quimioterápicos, sedativos, analgésicas e as
nutrições parenterais foram incluídos como medicamentos de atenção
especial, por serem classificadas na literatura como medicamentos de alta-
vigilância, no entanto, apenas para os processos de preparo e de
administração foram mantidas as mesmas orientações dos medicamentos de
Alta Vigilância.

5. PROCEDIMENTOS

4.1 Abastecimento, recepção, Preparação Pela Central de Abastecimento


Farmacêutico (CAF)
 Receber no CAF, de acordo com os procedimentos de recebimento padrão
e armazenar em local reservado para este tipo de medicamento;
 Encaminhar para o Fracionamento realizar a identificação como
medicamento de Alta Vigilância;

 Os Medicamentos que podem ser reembalados na máquina OPUS PAC


receberá uma embalagem com a tarja vermelha de acordo com a Figura 01;

 Para os demais medicamentos serão identificados com etiquetas


vermelhas com dizeres em branco “ALTA VIGILÂNCIA” Figura 2;

 Após o fracionamento os medicamentos deveram ser armazenados no CAF


em locais sinalizados com Alta Vigilância;

6
 As Farmácia (Dispensação para internos, Serviços, Bloco Cirúrgicos,
Oncológica e Ambulatorial) solicitam ao CAF semanalmente conforme POP
(Procedimentos Operacionais Padrão) – Abastecimento de medicamentos;
Figura 1- Medicamentos reembalados na máquina OPUS PAC com a tarja
de alta vigilância

Figura 2- Medicamentos etiquetados com etiquetas de alta vigilância

7
4.2 Armazenamento e dispensação de medicamentos de Alta Vigilância pelas
Farmácias
 As farmácias irão receber os medicamentos de ALTA VIGILÂNCIA e
armazenar em locais específicos identificados e de fácil visualização. Os
eletrólitos deverão ser armazenados em locais separados dos demais e
sinalizados;
 Dispensar os medicamentos de Alta Vigilância por conta mínima pré-
estabelecida para as enfermarias apenas os eletrólitos, insulinas e heparina
sódica 5000UI. Os pedidos deverão ser realizados juntamente com os pedidos
de setores;
 Os medicamentos de ALTA VIGILÂNCIA prescritos deverão ser dispensados
na dose individual para 24 horas;

4.3 Armazenamento dos Medicamentos de alta vigilância fora das Farmácias

 Os medicamentos dispensados por paciente ficarão no gaveteiro de cada


paciente;
 Os setores que possuam cota de medicamentos de Alta Vigilância onde sua
utilização é clinicamente necessária como na UTI, Emergências e carrinhos de
emergência distribuídos pelas diversas unidades do hospital, serão
armazenados em locais sinalizados em vermelhos;

4.4 Da prescrição Médica


Prescrever de acordo com a Portaria 050, de 22 de março de 2017 deste
hospital:
 Conter nome completo do paciente, registro e o leito do paciente;

8
 Ser individual, escrita em caligrafia legível, à tinta ou digitada, sem rasuras
e/ou emendas, observadas a nomenclatura e o sistema de pesos e medidas
oficiais, indicando a forma farmacêutica, a concentração, a dose, diluente,
o modo de usar( via de administração e vazão), e a duração do tratamento.
Registrar também o método de infusão do medicamento (bomba de
infusão; equipo de micro ou macrogotas; bomba de seringa e seringa);
 Os medicamentos devem ser prescritos pela a denominação genérica do
medicamento, sendo vedado o uso de abreviaturas ou códigos;
 Conter a data de sua emissão, identificação (nome completo e número do
registro no conselho de classe correspondente, impresso ou de próprio
punho) e assinatura do prescritor;

4.5 Administração dos medicamentos de Alta Vigilância


 Identificar na prescrição os medicamentos prescritos de ALTA VIGILÂNCIA;
 Conferir as informações do paciente nome e registro no momento do
preparo e da administração;
 Realizar a dupla checagem por dois profissionais da unidade assistencial
nos momentos do preparo cálculos de diluição e administração, podendo ser
o enfermeiro, o farmacêutico, o médico ou o técnico/auxiliar em enfermagem;

5 RESPONSABILIDADES

 Enfermeiro;
 Farmacêutico;
 Médico;
 Técnico/auxiliar de Enfermagem;
 Técnico de Farmácia;

9
6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

5 Million Lives Campaign. Getting Started Kit: Prevent Pressure Ulcers


How-to Guide. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement;
2008. (Available at www.ihi.org)

FARMÁCIA HOSPITALAR. Erros de medicamentos. Pharmacia Brasileira -


Janeiro/Fevereiro 2010

FERRACINI, F. T. & BORGES FILHO, W. M.; Farmácia Clínica: Segurança na


pratica hospitalar. São Paulo, editora Atheneu, 2011.

INSTITUTO PARA PRÁTICAS SEGURAS NO USO DE MEDICAMENTOS.


Medicamentos potencialmente perigosos de uso hospitalar e
ambulatorial. Boletim IMSP Brasil. 2015; 4(3):1-8.

JOINT COMMISSION INTERNATIONAL. Padrões de Acreditação da Joint


Commission International para Hospitais. Editado por Consórcio Brasileiro
de Acreditação de Sistemas e Serviços de Saúde. 01p. Rio de Janeiro, 2011.

10
7 APÊNDICES

7.1 RELAÇÃO DOS MEDICAMENTOS DE ALTA VIGILÂNCIA


Alteplase 50 mg, pó para solução injetável em frasco-ampola com 50 mL
Anfotericina B 50 mg,lipossomas para suspensão injetável em frasco-ampola
Anfotericina B 50 mg, pó para a solução injetável em frasco-ampola
Anfotericina B 100 mg, complexo lipídico injetável em frasco-ampola
Amiodarona 50 mg/mL, solução injetável ampola 3 mL
Antracurio, bensilato 10 mg/mL, solução injetável em ampola 5 mL
Etilefrina (cloridrato) 10 mg, solução injetável em ampola 1 mL
Efedrina (sulfato) 50 mg, solução injetável em ampola 1 mL
Epinefrina 1 mg, solução injetável em ampola 1 mL
Dobutamina 12,5mg/mL, solução injetável em ampola 20mL
Dopamina 5mg/mL solução injetável em ampola 10mL
Enoxaparina Sódica 40mg seringa pré-enchida 0,4mL
Enoxaparina Sódica 60mg seringa pré-enchida 0,6mL
Enoxaparina Sódica 80mg seringa pré-enchida 0,8mL
Heparina Sódica 5000 UI/0,25mL, subcutânea, solução injetável 0,25mL
Heparina Sódica 5000 UI/mL, solução injetável, 5mL
Insulina Humana NPH 100 UI/mL, suspensão subcutânea 10mL
Insulina Humana R 100 UI/mL, solução subcutânea e intravenoso 10mL
Nitroprussiato de sódio 25mg/ml solução injetável, 2mL
Nitroglicerina 5mg/mL solução injetável 10mL
Norepinefrina 2mg/mL solução injetável, 4mL
Pancurônio 2mg/mL solução injetável ampola 2mL
Rocurônio 10mg/mL solução injetável frasco ampola 5mL
Suxametônio 100mg pó para solução injetável 2 a 10mL
Vasopressina 20U solução injetável em ampola 1mL
Varfanina Sódica 5mg comprimido
ELETRÓLITOS
Bicarbonato de Sódio 8,4% ampola 10mL
Bicarbonato de Sódio 8,4% bolsa 250mL
Cloreto de Potássio 19,1 % ampola 10mL
Cloreto de Sódio 20 % ampola 10mL
Fosfato de Potássio (monobásico + dibásico) 2 mEq/ml ampola 10 mL
Glicose 50 % ampola 10mL
Gluconato de Cálcio 10% ampola 10mL
Sulfato de magnésio 50% ampola 10mL
11
12