Você está na página 1de 9

ESTUDO DIRIGIDO

Aluno (a): ____________________________________ Turma: ______

Professor: Tamires Celi Disciplina: História do Brasil Data: 2019


Brasil Colonial

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

1) (UFMG) Leia o texto. E aproximava-se o tempo da chegada das notícias


de Portugal sobre a vinda das suas caravelas, e esperava-se essa notícia com muito
medo e apreensão; e por causa disso não havia transações, nem de um ducado [...]
a feira alemã de Veneza não há muitos negócios. E isto porque os Alemães não
querem comprar pelos altos preços correntes, e os mercadores venezianos
não querem baixar os preços [...] E na verdade são as trocas tão poucas como se não
poderia prever. DIÁRIO dum mercador veneziano, 1508

O quadro descrito nesse texto pode ser relacionado à

A) comercialização das drogas do sertão e produtos tropicais da colônia do Brasil.

B) distribuição, na Europa, da produção açucareira do Nordeste brasileiro.

C) importação, pelos portugueses, das especiarias das Índias Orientais.

D) participação dos portugueses no tráfico de escravos da Guiné e de Moçambique.

2) (UNESP-SP–2010) A propósito da Expansão Marítimo-comercial europeia dos


séculos XV e XVI, pode-se afirmar que

A) a Igreja Católica foi contrária à Expansão e não participou da colonização das


novas terras.

B) os altos custos das navegações empobreceram a burguesia mercantil dos países


ibéricos.

C) a centralização política fortaleceu-se com o descobrimento das novas terras.

D) os europeus pretendiam absorver os princípios religiosos dos povos americanos.


E) os descobrimentos intensificaram o comércio de especiarias no Mar Mediterrâneo.

3) (PUC Minas–2008) A História e a Literatura têm trazido contribuições importantes


para compreensão do desenvolvimento das civilizações. Leia o poema “Mar
Português”, de Fernando Pessoa, e assinale a afirmativa CORRETA de acordo com
o texto.

“Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de


Portugal!

Por te cruzarmos quantas mães choraram,

Quantos flhos em vão rezaram!

Quantas noivas fcaram por casar

Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena

Se a alma não é pequena.


Quem quer passar além do Bojador

Tem que passar além da dor.

Deus ao mar o perigo e o abismo deu,

Mas nele é que espelhou o céu

A) Refere-se à Expansão Marítima portuguesa durante os séculos XV e XVI,


ampliando a esfera política e geográfica do mundo conhecido.

B) Explica o mito fundador da colonização do Novo Mundo a partir da imposição da


Coroa portuguesa e de seus aliados espanhóis.

C) Trata-se de uma interpretação idealista da Expansão Marítima portuguesa, criada


a partir das ideias mercantilistas inglesas e francesas do século XIX.

D) Critica o modelo histórico que explica o processo de colonização portuguesa em


função da mudança do eixo Atlântico para o Mediterrâneo
4) (UFMG) Sabe-se que Cristóvão Colombo não descobre a América, pois imagina
estar chegando à Ásia, à ilha de Cipango [o Japão], perto da costa da China e da corte
do Grão-Cã. O que procurava? As “Ilhas Douradas”, Tarsis e Ofr, de onde saíam as
fabulosas riquezas que o rei Salomão explorara [...] Aliás, o almirante era um
homem obstinado. Convencido de ter chegado ao continente asiático quando
desembarcou em Cuba, ele obrigou seus partidários a partilharem de sua ideia
fixa. GRUZINSKI, Serge. A passagem do século. 1480-1520: as origens da
globalização. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 21.

Considerando-se as informações desse texto, é correto afirmar que:

A) a obstinação de Colombo o levou a atingir as remotas regiões do Japão e da


China, onde estariam as riquezas que – dizia-se – haviam sido exploradas pelo rei
Salomão e pelo Grande Cã.

B) a busca das maravilhas relatadas em livros de viagens, desde os tempos


medievais, se constituiu em um dos fatores que incentivaram as Grandes Navegações
no início dos tempos modernos.

C) o desembarque de Colombo em Cuba, na sua segunda viagem, acabou por


convencê-lo e a sua frota de que eles haviam chegado a uma terra ainda por
descobrir – possivelmente as famosas “Ilhas Douradas”.

D) a descoberta da América foi feita por Américo Vespúcio, uma vez que Colombo, de
acordo com novos estudos, atingiu, na sua primeira viagem, o continente asiático,
onde foram fundadas feitorias.

5) (UFPR–2008) Observe a imagem do mapa de Waldseemüller e leia o texto a seguir


Este mapa é de fundamental signifcação na história da cartografa. Sintetizou a
revolução dos vinte anos precedentes na geografa e ampliou a imagem
contemporânea do mundo, proporcionando uma visão essencialmente nova
do mesmo. [...] Seu histórico é conhecido indubitavelmente a partir do tratado
geográfco ‘Cosmographiae Introductio’ que acompanhou sua publicação em 1507. [...]
Este mapa tem uma importância histórica única. Nele, o Novo Mundo recebe o nome
de América pela primeira vez. Colombo aparentemente nunca abandonou sua
convicção de que as ilhas das Índias Ocidentais que descobriu eram próximas à costa
leste da Ásia. Vespúcio, entretanto, descobriu a verdade, ou seja, que era um novo
mundo. Waldseemüller aceitou esta visão e propôs – para honrar Vespúcio
– conceder seu nome à nova terra. WHITFIELD, Peter. The image of the world: 20
Centuries of World Maps. San Francisco: Pomegranate Artbooks & British Library,
1994. p. 48-49. Com base no mapa, no texto e nos conhecimentos sobre a epopeia
dos descobrimentos na época moderna, é correto afrmar:

A) O mapa de Waldseemüller foi elaborado para reforçar a concepção bastante


difundida durante a Idade Média de que a Terra era plana, contribuindo assim
para afrmar a tese da impossibilidade de atingir o Oriente navegando para o
Ocidente.

B) O uso da expressão “descoberta da América”, para designar o ocorrido em 1492,


revela uma construção a posteriori da historiografa, que assim estabelece uma
representação simbólica da presença europeia no continente pela primeira vez na Era
Moderna.

C) Afrmar que Vespúcio foi o responsável pela “descoberta do Novo Mundo” signifca
evidenciar um traço da mentalidade greco-romana da Antiguidade, que prescrevia a
experimentação científca como método para obter o conhecimento da verdade das
coisas.

D) A verifcação empírica da verdade dos “descobrimentos” possibilitou, ao longo do


século XVI, uma nova epistemologia para as ciências humanas, que passou a fundar-
se no testemunho direto dos acontecimentos como critério para o estabelecimento dos
fatos.

E) Pelo relato sobre os “descobrimentos”, explicitado no texto, fica evidente que havia,
no período da publicação do mapa de Waldseemüller, uma nítida separação entre a
perspectiva de análise geográfco-cartográfca e a abordagem histórica dos eventos da
Expansão Marítima.

6) (UFMG) Leia este trecho de documento: [...] pois o Brasil, e não todo ele, senão
três capitanias que são a de Pernambuco, a de Tamaracá e a da Paraíba, que ocupam
pouco mais ou menos, no que delas está povoado, cinquenta ou sessenta léguas de
costa, as quais habitam seus moradores, com se não alargarem para o sertão dez
léguas, e somente neste espaço de terra, sem adjutório de nação estrangeira, nem de
outra parte, lavram e tiram os portugueses das entranhas dela, à custa de seu trabalho
e indústria, tanto açúcar que basta para carregar, todos os anos, cento e trinta ou
cento e quarenta naus [...] DIÁLOGOS das grandezas do Brasil. Texto anônimo
escrito por volta de 1613-1618. Com base na leitura desse trecho, é CORRETO afrmar
que o sistema de exploração econômica implantado no Brasil nos primeiros séculos
de colonização caracterizou-se por
A) concentrar, nos incipientes meios urbanos, toda a estrutura de controle e
comercialização da cana-de-açúcar, produto, em geral, comercializado em estado
bruto.

B) distribuir contingentes populacionais ao longo de toda a costa brasileira e


desenvolver, sobretudo, o extrativismo vegetal da espécie conhecida como pau-
brasil.

C) favorecer o desenvolvimento da agricultura baseada na exploração da cana-de-


açúcar, estimulando a fixação populacional, inicialmente, na faixa da
mata nordestina.

D) incrementar o processo de colonização a partir do estímulo à vinda e fixação de


contingentes populacionais, que aqui se estabeleciam em pequenas propriedades
agrícolas.

7) (UFSM-RS) Diz-se geralmente que a negra corrompeu a vida sexual da sociedade


brasileira [...]. É absurdo responsabilizar-se o negro pelo que não foi obra sua [...], mas
do sistema social e econômico em que funcionaram passiva e mecanicamente. Não
há escravidão sem depravação sexual. É da essência mesma do regime. [...] Não era
o negro [...] o libertino: mas o escravo a serviço do interesse econômico e da
ociosidade voluptuosa dos senhores. Não era a ‘raça inferior’ a fonte de
corrupção, mas o abuso de uma raça por outra. FREYRE, Gilberto. Casa-Grande &
senzala. Rio de Janeiro: Record, 2001. p. 372 e 375. Considerando o texto, é
CORRETO afirmar que a degradação moral da sociedade açucareira do
Nordeste brasileiro tinha como eixo

A) a estrutura frágil da Igreja colonial e seu reduzido trabalho na disseminação dos


valores cristãos.

B) as relações de poder entre a metrópole e a colônia, desfavoráveis a essa última


quanto aos preços dos seus produtos.

C) a complexa formação étnica da sociedade açucareira, misturando raças em


detrimento dos costumes portugueses.
D) a natural corrupção do ser humano, que jamais encontra limites, seja na Igreja ou
polícia, para a expressão dos instintos.

E) as relações sociais de produção do engenho açucareiro, base da ordem social


colonial.

8) (Fatec-SP) O engenho foi um marco dentro do Brasil Colonial. Podemos dizer que
ele era o símbolo

A) do poderio dos senhores de terras e erguia-se como modelo de organização da


colônia.

B) da resistência negra, pois lá os negros se organizavam e realizavam seus


constantes levantes contra os brancos.

C) da luta contra a monarquia, uma vez que os senhores de terras desejavam o livre-
comércio, proibido pelos imperadores.

D) do movimento republicano, já que os senhores há muito tempo buscavam


liberdades, como o fm da escravidão e da monarquia.

E) do capitalismo colonial, uma vez que valorizava a mão de obra assalariada,


captada da corrente imigratória do século XIX

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

(UNESP) A cana-de-açúcar começou a ser cultivada igualmente em São Vicente e em


Pernambuco, estendendo-se depois à Bahia e ao Maranhão a sua cultura, que onde
logrou êxito – medíocre como em São Vicente ou máximo como em Pernambuco, no
Recôncavo e no Maranhão – trouxe em consequência uma sociedade e um gênero
de vida de tendências mais ou menos aristocráticas e escravocratas. FREYRE,
Gilberto. Casa-Grande e Senzala. Tendo por base as afirmações do autor,

A) CITE um motivo do maior sucesso da exploração da cana-de-açúcar em


Pernambuco do que em São Vicente.

B) EXPLIQUE por que o autor definiu “o gênero de vida” da sociedade constituída pela
cultura da cana-de-açúcar como apresentando “tendências mais ou menos
aristocráticas”.
(UERJ) Ao chegar a Calicute, em 1498, o navegador português Vasco da Gama
aguardou que embarcações locais se aproximassem das naus e mandou um membro
da tripulação para terra, o degredado João Nunes. Este encontrou no porto dois
comerciantes tunisinos, que sabiam falar castelhano e genovês, travando o seguinte
diálogo, registrado por um português anônimo: – Ao diabo que te dou; quem te trouxe
cá? E perguntaram-lhe o que vínhamos buscar tão longe. E ele respondeu: – Vimos
buscar cristãos e especiaria. VILLIERS, John. Vasco da Gama, o Preste João das
índias e os cristãos de São Tomé. In: Oceanos: Vasco da Gama. Lisboa, 1998
(Adaptação).

A) Justifique por que “buscar especiaria” foi uma importante motivação econômica
da Expansão Marítima portuguesa.

B) Identifique duas ações voltadas para a expansão da fé cristã, que tenham sido
empreendidas pelos portugueses nos seus domínios coloniais.

Você também pode gostar