Você está na página 1de 5

Mobilização precoce na UTI

Movilización temprana en la Unidad de Cuidados Intensivos


Early mobilization in the ICU
*Pós-graduada em Fisioterapia Intensiva – IAPS – AM Edinangela Silva Oliveira*
**Doutoramento em Ciências da Saúde - Uminho/Portugal Daniel Salgado Xavier**
(Brasil) edinangelasilva@hotmail.com

Resumo
O imobilismo leva a efeitos adversos nos sistemas osteomioarticulares, cardiopulmonar, endócrino e metabólico. A mobilização precoce é fundamental na prevenção de
complicações decorrentes do repouso prolongado no leito reduzindo seus efeitos negativos adversos. Objetivos: Verificar na literatura e descrever a importância do
atendimento fisioterápico precoce no paciente em repouso prolongado na UTI. Métodos: Foi realizado uma análise da literatura por meio das bases de dados LILACS, SciELO,
MedLine bem como livros sobre a temática abordada. Resultados: A fisioterapia tem seu papel importante na prevenção de complicações em todos os órgãos e sistemas do
organismo humano decorrentes do imobilismo. Conclusão: A mobilização precoce minimiza e/ou elimina os riscos de complicações ocasionadas pela inatividade do indivíduo
acamado, além de favorecer o desmame da ventilação positiva e o retorno às suas AVD’s.
Unitermos: Fisioterapia. Serviço hospitalar de fisioterapia. Cuidados críticos. Unidades de Terapia Intensiva.

Abstract
The immobility leads to adverse effects on the musculoskeletal system, cardiopulmonary, endocrine and metabolic. Early mobilization is critical in preventing
complications of prolonged bed rest reducing the adverse negative effects. Purpose: To analyze the literature and describe the importance of early physiotherapy care to the
patient in prolonged rest in the ICU. Methods: We conducted a review of literature using the databases LILACS, SciELO, MedLine and books on the theme. Results: Physical
therapy has its important role in the prevention of complications in all organs and systems of the human body resulting from immobilization. Conclusion: Early mobilization
reduces and / or eliminates the risk of complications caused by the inactivity of bedridden individual and favors weaning from ventilation and positive return on their AVD’s.
Keywords: Physiotherapy. Nursing service. Physical therapy. Critical care. Intensive Care Units.

Presenteado em II Bioergonomics – International Congress of Biomechanics and Ergonomics do 4 ao 7 de junho em Manaus, Amazonas, Brasil.

Recepção: 08/06/2015 - Aceitação: 18/07/2015

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires - Año 20 - Nº 206 - Julio de 2015. http://www.efdeportes.com/

1/1

Introdução

Pacientes restrito ao leito por longos períodos ficam predispostos à fraqueza muscular e normalmente progride a perda de suas funções,
ainda, se associado ao uso de neurobloqueadores e corticóides podem levar a fraqueza generalizada e polineuropatia havendo piora no
quadro clínico. Além disso, o imobilismo relacionado ao paciente acamado acomete os sistemas osteomioarticular, vascular, cardiopulmonar,
neurológico, endócrino e metabólico (Araujo e Borges, 2010; Pires Neto et al., 2013; Dias e Marins, 2014).

A ausência da mobilidade faz com que os músculos são ativados com menor freqüência, por período pequeno de tempo e com cargas
menores quando comparados com a situação dita “normal”. Neste contexto, pode desenvolver fraqueza global pelo pouco uso da
musculatura esquelética, que ainda, pode apresentar com a definição de bilateral e simétrica dos membros levando a tetraparesia flácida com
diminuição ou ausência dos reflexos. Quando o doente se encontra internado na UTI por tempo prolongado, e, se associado ao uso de
neurobloqueadores musculares e corticóides fica mais sujeito a alterações como sepse, falência dos múltiplos órgãos e dificuldade no
desmame da ventilação mecânica (Dias e Marins, 2014).

O paciente crítico internado em UTI apresenta restrições motoras graves. O posicionamento adequado no leito e a mobilização precoce
podem significar as únicas possibilidades de interação do indivíduo com o ambiente e devem ser considerados como fonte de estimulação
sensório-motora e de prevenção de complicações secundárias ao imobilismo (Gosselink et al., 2008; Griffiths e Jones, 1999; Winkelman et al.,
2005).

Os efeitos negativos sucedido do imobilismo acometem mais os sistemas muscular e ósseo, podendo ocasionar osteopenia, osteoporose,
atrofias e contraturas. O aparelho respiratório também é acometido pelo período de internação prolongada, por isso tem-se a necessidade de
saber distinguir as disfunções desse sistema, que usualmente inicia com movimento diminuído do tórax em decúbito dorsal e do movimento
diafragmático e a posteriori perda da competência muscular (Araujo e Borges, 2010).

As alterações nos sistemas muscular, ósseo e articular, além da imobilidade, a ociosidade são efeitos negativos comuns pela permanência e
as limitações em um leito hospitalar, fatos estes, levam a predisposição a polineuromiopatias aumentado de duas a cinco vezes a
dependência de VM dificultando o processo de desmame da ventilação positiva. A mobilização prematura restabelece a funcionalidade do
indivíduo e minimiza o tempo de internação (Feitosa et al., 2014).
Aproximadamente, entre 25 a 60% dos enfermos submetidos à ventilação invasiva sofre de astenia que conseqüentemente pode prorrogar
o tempo de internação bem como reduzir a qualidade de vida. Mobilização utilizada previamente previne dos efeitos deletérios ocasionados
pelo imobilismo, e é recomendado desde 2008 pela Sociedade Européia de Medicina Intensiva (Dias e Marins, 2014).

O desenvolvimento de fraqueza generalizada relacionada ao paciente crítico é uma complicação importante e comum em muitos pacientes
admitidos em uma unidade de terapia intensiva (Ali et al., 2008). Tendo incidência entre 30% a 60% dos pacientes internados nesse campo
hospitalar (Maramattom e Wijdicks, 2008). Além de suas condições prévias, vários são os fatores que podem contribuir para ocorrência desta
fraqueza, incluindo: inflamações sistêmicas, uso de alguns medicamentos como corticóides, sedativos e bloqueadores neuromusculares,
descontrole glicêmico, desnutrição, hiperosmolaridade, nutrição parenteral, duração da ventilação mecânica e a inatividade (Schweickert e
Hall, 2007).

Intervenções precoces são necessárias para prevenir problemas físicos e psicológicos. A atividade terapêutica deve ser iniciada
precocemente, para evitar os riscos da hospitalização prolongada e imobilidade associada, podendo ser uma das chaves para a recuperação
do paciente (Griffiths e Jones, 1999). A atuação do fisioterapeuta intensivista reduz o tempo de internação na unidade hospitalar, do suporte
ventilatório, na prevenção dos efeitos ocasionados pelo imobilismo, assim como melhora no quadro funcional do enfermo. É bem comum
durante a execução de exercícios fisioterápicos na UTI ocorrer alterações hemodinâmicas, fato este que não impede sua realização por ser
considerados seguro (Pires Neto et al., 2013).

Uma equipe multiprofissional tem em sua composição o profissional fisioterapeuta. A fisioterapia é uma ciência capaz de prevenir, tratar e
de restabelecer a função de órgãos e sistemas do organismo humano por meio da locomobilidade prematura. Tais exercícios podem ser
realizados de maneira ativa, ativo-assistido ou passivamente. Dentre outros, temos a mudança de decúbito dorsal para sedestação até a
pedestação, progredindo para caminhada gradativa. Isto acarretará numa melhor qualidade de vida após alta hospitalar (Carvalho et al.,
2013; Silva, 2014).

Estágios da mobilização

1. Estágio I

O movimento humano em seu desenvolvimento normal se faz de próximo para distal. Diante da neurofisiologia do
desenvolvimento motor, sugerimos iniciar a terapêutica em membros superiores (MMSS) a partir de movimentos rotacionais de
cíngulo escapular e a partir desse momento intervir sobre os MMSS; da mesma maneira em membros inferiores (MMII),
sugerimos o início da terapêutica a partir da mobilização de cintura pélvica e posteriormente os membros inferiores.

Preferencialmente, segundo as características neurofisiológicas da FNP- Facilitação Neuro Proprioceptiva, as diagonais


funcionais de Kabatt, otimizam a manipulação dos paciente criticamente enfermos e sedados uma vez que atuam diretamente
sobre os três eixos e três planos do movimento, tornando-se sempre que possível a técnica manipulativa de escolha.

2. Estágio II

Quando o paciente obedecer a comandos para abrir os olhos, direcionar o olhar, abrir a boca, ele poderá ser classificado
como passível de interação. O avanço para o nível II também exige do paciente um grau de força 2 para MMSS (Guimarães e
Martins, 2010).

Neste nível, além das mobilizações realizadas no estágio I, poderemos iniciar os exercícios ativo-assistidos e ativos livres nas
mesmas articulações e no mesmo padrão de movimento citado anteriormente. Também poderemos exigir do paciente a
manutenção na posição sentada por 20 minutos, duas vezes ao dia.

3. Estágio III

Com a melhora do grau de força muscular dos MMSS acima de 3, os pacientes podem realizar os mesmos exercícios do nível
anterior, sendo primeiro contra a gravidade e segundo com o auxílio de peso ou halteres. Pode também ser realizada a
transferência para a beira do leito e cicloergometria para membros inferiores por 3, 5 e 10 minutos (Guimarães e Martins,
2010).

4. Estágio IV
No penúltimo estágio do programa de mobilização, caso o paciente possa realizar a flexão de quadril e extensão de joelho
contra gravidade, ou seja, apresentar grau de força muscular para o quadríceps maior ou igual a 3, ele poderá ser transferido
do leito para a cadeira e se manter em ortostatismo.

5. Estágio V

No último estágio, o paciente pode ficar na postura ortostática e realizar os mesmos exercícios do nível IV com adição de
exercícios de equilíbrio, transferência de peso para os lados, para frente e a deambulação assistida.

Na UTI o uso de métodos baseados em evidências científicas unifica e aperfeiçoa no atendimento do enfermo. O uso em
excesso de sedativos nos internados em UTI dificulta a mobilidade prematura. O desligamento da sedação de forma rotineira
conhecida como “o despertar diário” para avaliar o nível de consciência deve ser usado para que o paciente interaja com a
fisioterapia. Uma boa reavaliação deve ser feita antes de qualquer atuação para verificar se o paciente está apto a receber os
procedimentos propostos e poder aplicá-los. Devendo está estável hemodinamicamente, função respiratória e neurológica
estabilizada. A maioria dos estudos preconiza a não realização em casos de:

• Pressão arterial média: < 65 ou > 120mmHg;

• Freqüência cardíaca: < 50 ou > 140bpm;

• Uso de drogas vasoativas;

• FiO2 > 60% com PaO2 < 70mmHg;

• PEEP > 8-10cmH2O e SpO2 < 85%;

• Freqüência respiratória > 35ipm;

• Temperatura > 38-39ºC e Instabilidade clínica;

• Sonolência, não cooperativo e que não responde a comandos.

• Em casos de queda na transferência para cadeira ou deambulação;

• Em situações de palidez, sudorese fria, quadros hemorrágicos ou mesmo na presença de alguns desconfortos;

• Na presença de dor torácica;

• Baixa hemoglobina (< 7g/dl), baixo nível de plaquetas (entre 25.000 a 50.00) e glicemia baixa;

Em qualquer circunstância desses fatores apresentado pelo paciente o procedimento deve ser debatido com a equipe
multiprofissional (Dias e Marins, 2014).

Procedimentos metodológicos

Esta revisão de literatura foi conduzida por meio de um levantamento bibliográfico nas bases de dados eletrônicos Medline, Scielo, Lilacs,
Cochrane, Google Acadêmico, Pubmed bem como em livros sobre a temática abordada. As palavras-chave utilizadas foram: unidade de
terapia intensiva, mobilização precoce, fisioterapia motora, fisioterapia hospitalar e cuidados intensivos. Como critério de exclusão não foram
utilizado referências que não tinham relevância com a área de estudo em questão.

Resultados

A literatura pesquisada mostra a eficácia da fisioterapia precoce em um paciente em repouso prolongado, pois, atua na prevenção de
complicações em todos os órgãos e sistemas do organismo humano decorrentes do imobilismo.

Os exercícios passivos também produzem efeitos benéficos ao doente reduzindo os efeitos colaterais que a ausência de mobilidade
ocasiona, e é recomendação D do III Consenso Brasileiro em Ventilação Mecânica (Jerre et al., 2007).

Esse estudo vai ao encontro do realizado por Luque e Gimenes (2013), que descreveram que o imobilismo leva a diversas disfunções nos
órgãos e sistemas do corpo humano. Tal situação é beneficiada pela atuação fisioterápica precocemente. Assim, o paciente se restabelece
prematuramente com melhora do quadro clínico, da qualidade de vida, como também, redução dos gastos e do tempo submetido à
ventilação por pressão positiva.

A Intervenção precoce atua na prevenção, manutenção e reabilitação através de movimentos ativos, ativos-assistidos ou passivos
representando uma melhora na qualidade de vida além de aumentar a sua funcionalidade reduzindo então os efeitos ocasionados pelo
repouso prolongado no leito (Carvalho et al., 2013).

Conclusão

As desordens ocorridas pela inatividade do repouso prolongado são minimizadas pela mobilização prematura, pois reduz ou até mesmo
suprime as complicações decorrentes do imobilismo, minimizando os riscos de infecções adquiridas no âmbito hospitalar, bem como, o tempo
de internação, e conseqüentemente, os custos com o tratamento (Castro Junior). Assim, o desmame do indivíduo submetido à ventilação
mecânica invasiva é bem mais eficaz, além de melhorar a qualidade de vida e o retorno às suas AVDs.

Bibliografia

• Ali, N.A., O'Brien, J.M. Jr, Hoffmann, S.P., Phillips, G., Garland, A., Finley, J.C. et al. (2008). Midwest Critical Care Consortium. Acquired
weakness, handgrip strength, and mortality in critically ill patients. Am J Respir Crit Care Med; 178(3):261-8.

• Araujo, Amaro Eduardo Tavares de; Borges, Flávio da Silva (2010). Atuação da fisioterapia motora no sistema músculo-esquelético e
na independência funcional dos pacientes em UTI. Brasília, DF, 28 dezembro.

• Carvalho, Taciana Guterres de Carvalho; Silva, Andréa Lucia Gonçalves; Santos, Maria Luiza; Schäfer, Janaína; Cunha, Laura Severo;
Santos, Laura Jurema (2013). Relação entre saída precoce do leito na unidade de terapia intensiva e funcionalidade pós-alta: um
estudo piloto. Rev Epidemiol Control Infect; 3(3):82-86.

• Carvalho, Taciana Guterres de; Silva, Andréa Lucia Gonçalves; Santos, Maria Luiza; Schäfer, Janaína; Cunha, Laura Severo; Santos,
Laura Jurema (2013). Relação entre saída precoce do leito na unidade de terapia intensiva e funcionalidade pós-alta: um estudo piloto.
Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção. ISSN 2238-3360, Ano III, Volume 3, Número 3, Jul/Set.

• Castro, Salvador José de (2013). A importância da mobilização precoce em pacientes internados na unidade de terapia intensiva (UTI):
revisão de literatura. Presp. online: biol. & saúde. Campos dos Goytacazes, 10 (3), 15-23.

• Dias, Cristina Márcia; Marins, Jocimar Avelar (2014). Programa de atualização – Profisio-Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto.
Editora Artmed, 4º ciclo, 3 vol. Assobrafir. Porto Alegre: Artmed/Panamericana.

• Feitoza, Carla Lima; Jesus, Pâmela Kaylane Santos de; Novais, Raquel de Oliveira; Gardenghi, Giulliano (2014). Eficácia da fisioterapia
motora em unidades de terapia intensiva, com ênfase na mobilização precoce. Volume 14, Número 01, ISSN 2238-4111.

• George, Jerre et al. (2007). III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. J Bras Pneumol; 33(Supl 2):S 142-S 150.

• Gosselink, R., Bott, J., Johnson, M., Dean, E., Nava, S., Norrenberg, M. et al. (2008). Physiotherapy for adult patients with critical
illness: recommendations of the European Respiratory Society and European Society of Intensive Cara Medicine Task Force on
Physiotherapy for Critically ill Patients. Intensive Care Med.; 34(7):1188-99.

• Griffiths, R.D., Jones, C. (1999). Recovery from intensive care. BMJ; 319(7207):427-9.

• Guimarães, F.S.; Martins J.A. (2010). Programa de atualização em fisioterapia em terapia intensiva adulto. Porto Alegre: Artmed/Pan-
americana.

• Maramattom, B.V., Wijdicks, E.F. (2006). Acute neuromuscular weakness in the intensive care unit. Crit Care Med; 34(11):2835-41.
Review.

• Pires-Neto, Ruy Camargo; Pereira, Ana Luiza; Parente, Camila; Sant’anna, Guadalupe Nery de; Esposito, Daniela Daguer; Kimura, Aline
et al. (2013). Caracterização do uso do cicloergômetro para auxiliar no atendimento fisioterapêutico em pacientes críticos Rev Bras Ter
Intensiva; 25(1):39-43.

• Schweickert, W.J-, Hall, J. (2007). ICU-acquired weakness. Chest; 131(5):1541-9.


• Silva, Vanessa Salgado; Pinto, Juliana Gonçalves; Martinez, Bruno Prata; Camelier, Fernanda Warken Rosa (2014). Mobilization in the
Intensive Care Unit: systematic review. Fisioter. Pesqui. [online], vol.21, n.4, pp. 398-404.

• Winkelman, C., Higgins, P.A., Chen, Y.J. (2005). Activity in the chronically critically ill. Dimens Crit Care Nurs; 24(6):281-90.

Outros artigos em Portugués

Recomienda este sitio

Buscar

Búsqueda personalizada
EFDeportes.com, Revista Digital · Año 20 · N° 206 | Buenos Aires, Julio de 2015
Lecturas: Educación Física y Deportes - ISSN 1514-3465 - © 1997-2015 Derechos reservados

Você também pode gostar