Você está na página 1de 34

CURSO FÍSICA BALA

Professor: Roberto Bahiense

ELETROSTÁTICA Obs.:
- Nos corpos condutores, eletrizados, as cargas elétricas
INTRODUÇÃO em excesso se distribuem pela superfície externa,
A eletrostática estuda os fenômenos que ocorrem quando como explica o princípio da atração e repulsão.
as cargas estão em repouso em relação a um sistema - Nos isolantes as cargas não têm facilidade de
inercial de referência. locomoção, sendo, portanto mais fácil mantê-lo
eletrizado, ao contrário dos condutores, que podem
Carga elementar:
-19
e = 1,6.10 C perder cargas para o meio ambiente.

A medida de carga elétrica de um corpo é chamada de CONDUTORES E ISOLANTES


Coulomb (C), em unidade do Sistema Internacional. Um corpo é dito isolante quando as cargas elétricas, que
nele surgem, ficam na mesma região. As cargas não têm
Submúltiplos do Coulomb: liberdade para se deslocar na superfície do corpo.

milicoulomb mC Um condutor permite o espalhamento das cargas


elétricas por toda a superfície, devido ao alto grau de
microcoulomb µC liberdade de suas cargas.

nanocoulomb nC Na prática não existem condutores e isolantes perfeitos, e


sim bons condutores e bons isolantes.
picocoulomb pC
2. MÉTODOS DE ELETRIZAÇÃO
Normalmente, um corpo qualquer, condutor ou isolante,
apresenta número de prótons igual ao número de 2.1 ELETRIZAÇÃO POR ATRITO
elétrons, e, portanto ele é neutro. O atritarmos dois corpos de materiais diferentes, um deles
Quando o número de elétrons é diferente o número de cede elétrons para o outro, tendo, ao final, os dois
prótons, o corpo está carregado. Como quem se adquirido carga elétrica, de sinais opostos.
movimenta é o elétron, corpo com excesso de elétrons
estará carregado negativamente e o corpo com falta de O sinal que o corpo adquire depende de seu material.
elétrons estará carregado positivamente. Para sabermos o sinal, recorremos à série triboelétrica
que é uma relação dos materiais como mostramos abaixo:
Q=± n.e
Vidro, mica, lã, seda, algodão, ebonite, cobre, enxofre
1. PRINCÍPIOS DA ELETROSTÁTICA + -

1.1 PRINCÍPIO DA ATRAÇÃO E REPULSÃO


2.2 ELETRIZAÇÃO POR CONTATO
Cargas elétricas de mesmo + +
sinal repelem-se e cargas Colocando-se um corpo neutro (A) em contato com um
elétricas de sinais contrários corpo eletrizado (B), verifica-se que A se eletriza com
atraem-se. - - carga de igual sinal ao de B.
e
A B A B A B
+ -
Se o corpo B for positivo, ele irá “puxar” elétrons de A e
1.2 PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA CARGA ambos ficarão carregados positivamente.
Num sistema isolado, a soma + -
É bom lembrar que o princípio da conservação da carga é
+ +
algébrica das cargas positivas + A + - B -
aplicado ao processo.
e negativas é sempre + + + -
constante. Q1 = + 8 Q2 = - 4 Obs.:
Antes - Se os corpos forem de mesmo material e mesmas
dimensões, as novas cargas serão a média aritmética
do total de cargas, ou seja, soma-se as cargas de todos
+ A + + B +
os corpos e divide-se pelo número de corpos em
Q’1 = + 2 Q’2 = + 2 contato.
Depois

1
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

2.3 ELETRIZAÇÃO POR INDUÇÃO


Quando aproximamos um corpo carregado de outro
neutro, provocamos uma separação nas cargas deste.
Esse processo é denominado de indução. O corpo
carregado é chamado de indutor e o corpo onde ocorreu
a separação das cargas (polarização) é chamado de
induzido.

Acompanhe o processo esquematizado abaixo:


O que ocorre com o eletroscópio de folhas, é explicado
pelo fenômeno da indução eletrostática.
Lembrando que quem se movimenta são as cargas
negativas.
Induzido Indutor

3.2 PÊNDULO ELETROSTÁTICO


É constituído de uma esfera, feita de Fio de
Induzido Indutor material condutor extremamente leve e por náilon
ligado à um fio isolante. Seu funcionamento também
Trra
se baseia na indução. Acompanhe o
Fio-terra esquema: Esfera pendular
(casca de alumínio)

Na hora de retirar o fio-terra, o indutor ainda tem que estar


presente. Só afastamos o indutor após desfazer a
conexão com a Terra.
Para este caso demonstrado, como o induzido recebeu
elétrons da Terra, ele ficará carregado negativamente,
carga contrária à do indutor.
Caso o indutor estivesse carregado negativamente, o
induzido iria perder elétrons para a Terra e ficaria
carregado positivamente.

Obs.:
- Observe que o fenômeno da indução magnética mostra
TESTES DE SALA
que há uma força eletrostática entre corpos
carregados e copos neutros, devido à polarização 01. Considere as afirmativas:
provocada no corpo neutro. I. Na eletrização por atrito, os corpos friccionados
entre si adquirem cargas de sinais contrários.
3. ELETROSCÓPIOS II. Na eletrização por contato, o corpo neutro adquire
Aparelho utilizado par saber se um corpo está ou não carga de mesmo sinal que o eletrizado.
eletrizado. Ele não diz, diretamente, qual o sinal da carga III. Na eletrização por atrito, pelo menos um dos corpos
do corpo. deve estar inicialmente eletrizado.
A alternativa contendo afirmativa(s) verdadeira(s) é:
a) Somente I.
3.1 ELETROSCÓPIO DE FOLHAS b) Somente II.
O eletroscópio de folhas mostrado abaixo está neutro. c) Somente III.
d) I e II.
e) II e III.
Esfera
de cobre
02. Dispõe-se de três esferas metálicas idênticas e
Fio de cobre
isoladas uma da outra. Duas delas, A e B, estão
neutras, enquanto a esfera C contém carga elétrica Q.
Faz-se a esfera C tocar primeiro a esfera A e depois a
Folha de esfera B. Calcule as cargas das três esferas ao final
cobre
do processo.

Ao aproximarmos um corpo carregado, observamos que


as folhas se abrem, independente da carga desse corpo.

2
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

03. Com relação á eletrização por indução, afirma-se: 02. (Bahiana) Três cargas puntiformes, positivas e
I. Um corpo neutro pode ser atraído por um alinhadas, estão distribuídas conforme a figura. Se a
eletrizado. intensidade da força resultante sobre a carga central
II. Só os corpos eletrizados podem sofrer atração +q é zero, a relação Y/X entre as distâncias será?
elétrica.
III.Um corpo neutro só é atraído por um corpo 4 3 X Y
eletrizado se estiver ligado à Terra. a) d)
9 2 +2q +q +3q
Dessas afirmações pode-se dizer que é (são)
2 9
correta(s)? b) e)
a) Somente I. 3 4
b) Somente II. 3
c) Somente III. c)
d) I e II. 2
e) II e III.

4. FORÇA ELÉTRICA
“A intensidade da força de interação entre duas cargas
puntiformes é diretamente proporcional
ao produto dos módulos das cargas e F = k ⋅ q ⋅ Q 5. CAMPO ELÉTRICO
inversamente proporcional ao quadrado 2 Região do espaço em torno de uma carga ou superfície
d carregada (Q), onde qualquer corpo eletrizado fica sujeito
da distância que as separa”.
à ação de uma força de origem elétrica.
-F d F
Cargas de
r
q sinais iguais Q 5.1 VETOR CAMPO ELÉTRICO ( E )

De forma análoga ao campo gravitacional terrestre,


F d -F podemos definir o vetor campo elétrico da seguinte forma:
r
r F r r
q Cargas de
sinais opostos
Q E = ou F = q ⋅ E
q
Onde K é a constante de proporcionalidade, denominada
constante eletrostática. Para o vácuo, o valor determinado Conclusão: r r
9
empiricamente é: K0 = 9,0.10 N.m²/C². • Se q > 0 ⇒ F e E têm o mesmo sentido;
r r
• Se q < 0 ⇒ F e E têm sentidos
Obs.: opostos. F
- Como a força varia com o F
A intensidade do campo elétrico é dada por: E=
inverso do quadrado da q
distância, o gráfico F x d tem No SI, a unidade de medida de campo elétrico é o N/C
esse aspecto: (Newton/Coulomb).

d
5.2 CAMPO ELÉTRICO DE UMA CARGA PUNTIFORME
TESTES DE SALA Seja uma carga central, fixa, Q, puntiforme, e uma carga
01. Duas esferas, de tamanhos desprezíveis, com cargas de prova q, mergulhada no campo elétrico de Q.
3Q e Q, encontram-se no vácuo, separadas de uma
r
distância d. Sobre cada uma delas age uma força F , Q>0 Q<0
de interação eletrostática. Colocam-se as duas
esferas em contato até atingirem o equilíbrio
r
eletrostático. Calcule a intensidade da força F' que q q
age sobre as duas esferas quando separadas de uma
r q>0
distância d, em relação à intensidade de F . Q Q

3
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

Q>0 Q<0 7. LINHAS DE FORÇA


Linhas imaginárias, tangentes aos vetores campo elétrico
em cada ponto do espaço sob influência elétrica e no
mesmo sentido dos vetores campo elétrico.
q q EC
q<0 - As linhas de força nunca
Q Q
se cruzam. C
EB
- Elas “nascem” nas cargas
positivas e “morrem” nas B
cargas negativas. EA
A

Podemos concluir, através da figura, que:


r r
Se Q > 0, o vetor E é de Se Q < 0, o vetor E é de
afastamento (divergente): aproximação (converge):

E E

A intensidade desse campo, gerado pela carga


puntiforme, é facilmente demonstrada e dada por:

K⋅ Q
E=
d2
E
Assim como a força eletrostática,
o gráfico E x d, tem o seguinte
aspecto:

Obs.:
d
- Quanto mais próximas estiverem as linhas de força,
mais intenso será o campo nesta região.
6. CAMPO ELÉTRICO DE VÁRIAS CARGAS
PUNTIFORMES TESTES DE SALA
01. (Baiana/2003.1) Duas cargas elétricas puntiformes
O campo elétrico gerado num ponto devido a presença de estacionárias, Q1 > 0 e Q2 < 0, estão colocadas no
várias cargas é, naturalmente, uma soma vetorial de todos vácuo conforme disposição apresentada na figura.
os campos gerados por cada carga individualmente. Sendo Q1 > Q2 , o ponto onde pode ser nulo o
r
campo elétrico E devido apenas às duas cargas é:
E1 r r r r r
Q2 ER = E1 + E2 + E3 + .... + En
E2 N L P K M
a) M
E3
b) K
Q3
c) P
Q1 d) N
e) L

4
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

02. Em pontos A e B, separados de 3,0 m, como mostra a 9.1 POTENCIAL CRIADO POR UMA CARGA PONTUAL
figura, fixam-se duas cargas elétricas puntiformes de 8 Através de cálculos matemáticos de nível superior, pode-
µC e 2 µC em A e B, respectivamente. Determine, em se demonstrar que a energia potencial elétrica adquirida
que posição, sobre a reta AB, o vetor campo elétrico é por uma carga de prova (q) imersa num campo elétrico
nulo. Considere o meio sendo o vácuo. gerado por uma carga Q, é calculado por:
k ⋅Q⋅q
Substituindo esta expressão na anterior, E Pot =
A B chegamos a: d
3,0 m
Q
VP = K ⋅
P d
d
Que é o potencial num
Q ponto P, numa região do
espaço que contém um
campo elétrico gerado por
uma carga puntiforme.
8. CAMPO ELÉTRICO UNIFORME (CEU)
Construindo-se o gráfico v x d:
E
É o campo cujo vetor campo
elétrico é constante em qualquer V V
ponto. Q>0
Sendo assim, as linhas de força d
têm que estar igualmente
distanciadas umas das outras.
Q<0
Como mostra a figura acima, podemos fazer um campo d
elétrico uniforme com placas paralelas entre si e
carregadas com cargas de mesmo módulo, mas de sinais Obs.:
opostos. - Se a carga que gera o potencial elétrico for positiva, ao
se afastar da carga central, o potencial elétrico
TESTES DE SALA diminui.
-9
01. Uma gota de água de massa m = 10 kg, eletrizada - Se a carga central que gera o potencial elétrico for
com carga q = 10-9 C, encontra-se em equilíbrio dentro negativa, ao se afastar, o potencial elétrico aumenta.
de um campo elétrico uniforme e vertical. Nessas - Ou seja, caminhando-se no mesmo sentido das linhas
circunstâncias, determine a intensidade e o sentido do de força, o potencial diminui e caminhando-se no
campo elétrico uniforme. Dado: g = 10 m/s². sentido oposto das linhas de força, o potencial aumenta.
- Perceba que as cargas positivas abandonadas em
repouso num campo elétrico deslocam-se,
espontaneamente para um ponto de menor potencial.
O oposto ocorre com as negativas que se deslocam pra
pontos de maior potencial.

9.2 POTENCIAL CRIADO NO CAMPO DE VÁRIAS


CARGAS
Como o potencial é uma grandeza escalar, o potencial
elétrico no ponto P do campo é a soma algébrica dos
potenciais elétricos em P, gerados individualmente pelas
cargas Q1, Q2, Q3,..., Qn.
9. POTENCIAL ELÉTRICO (V) Q2 d2
Conceito relacionado à medida da quantidade de energia
potencial (EPot) – de natureza elétrica – adquirida por
unidade de carga, quando um corpo eletrizado é imerso d3
VP = V1 + V2 + V3 + .... + Vn d1
num campo elétrico. É uma grandeza escalar. Q3
E Pot
V= A unidade de medida, no SI, é o J/C. 1J/C = 1 Q1
q Volt (V). Obs.: Se o potencial for nulo num ponto, não significa que
o campo elétrico também o seja.

5
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

TESTES DE SALA TESTES DE SALA


-6
01. Duas cargas pontuais, de valores qA = 10 C e qB = – 01. As quatro distâncias AB, BC, CD e DE são iguais. Nos
-6
2.10 C, estão separadas de uma distância de 1 m, pontos B e E, temos duas cargas q iguais e positivas.
conforme a figura. Sabe-se que em P, o potencial Então, comparando-se os potenciais resultantes nos
elétrico resultante das duas cargas é nulo. Determinar pontos A, C e D, podemos dizer que:
a que distância da carga positiva encontra-se o ponto
P. A B C D E
qA P qB
+q +q

a) VD é menor que VA.


b) VD é igual a VA.
c) VD é menor que VC.
d) VD é igual a VC.
e) VA é maior que VC.

02. Duas cargas elétricas de mesmo módulo e de sinais 02. Analise as afirmativas abaixo e indique as
opostos são colocadas a uma determinada distância. verdadeiras:
No ponto médio da reta que une as duas cargas, I. Percorrendo-se uma linha de força no seu sentido,
teremos: o potencial elétrico, ao longo de seus pontos,
a) O campo elétrico é nulo e o potencial elétrico não. aumenta.
b) O campo e o potencial elétrico são nulos. II. As linhas de força são paralelas às superfícies
c) O potencial elétrico é nulo e o campo não. equipotenciais.
d) O potencial elétrico é numericamente duas vezes III. Num campo elétrico uniforme, as superfícies
maior que a intensidade do campo elétrico. equipotenciais são esféricas e concêntricas.
e) O campo e o potencial elétrico não são nulos.

10. TRABALHO DA FORÇA ELÉTRICA


9.3 SUPERFÍCIE EQUIPOTENCIAL
Lugar geométrico de todos os pontos do espaço, que têm Não é difícil mostrar que o campo elétrico é conservativo e
o mesmo potencial elétrico. que, portanto, o trabalho da força elétrica não depende da
trajetória.
Sendo assim, o trabalho da força gerada pelo campo pode
Linhas de ser calculado pela diferença entre as energias potenciais
força adquiridas pelo corpo entre os pontos onde ocorre o
A movimento. Então, ao levarmos uma carga entre dois
pontos A e B de um campo:
VA = VB = VC < VD
B τ AB = EPOTA − EPOTB
D
EPot
C Superfície Mas já sabemos que: V = ⇒ EPOT = V ⋅ q
equipotencial q

Substituindo na expressão anterior τ AB = q(V A − VB )


encontramos:

Onde VA – VB = U (d.d.p. ⇒ diferença de potencial)


A B C VA > VB = VD > VC
E Obs.:
D - O potencial elétrico expressa o trabalho que se realiza
para se levar uma carga unitária positiva de um ponto
do campo para o infinito.
- Esta expressão encontrada acima pode ser aplicada a
qualquer campo, seja uniforme ou não.

6
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

TESTES DE SALA Ao igualarmos as expressões, chegamos a: U = E . d


01. A figura representa algumas superfícies equipotenciais
de um campo eletrostático e os valores dos potenciais Observe que esta relação só é válida no campo elétrico
correspondentes. Qual o trabalho realizado pelo uniforme.
-6
campo para levar uma carga q, de 2.10 C, do ponto Ela nos mostra ainda, que além da unidade de campo
A ao ponto B? N/C, temos V/m, ou seja, essas unidades se equivalem.
20 V 10 V 0 - 10 V - 20 V
TESTES DE SALA
A 01. Com relação ao trabalho realizado pelo campo
elétrico, quando abandonamos uma carga elétrica em
repouso nesse campo, ele:
a) Será sempre positivo.
b) Será sempre negativo.
B
c) Será sempre nulo.
d) Será sempre negativo, se a carga abandonada for
negativa.
e) Será nulo, se a carga for abandonada sobre uma
02. Na figura abaixo, Q = 20 µC e q = 1,5 A linha equipotencial.
µC são cargas puntiformes no vácuo.
9 10 cm
Dado: Ko = 9.10 N.m²/C². Qual é o Q 02. O campo elétrico em uma dada região é constante e
trabalho realizado pela força elétrica uniforme e tem módulo E = 100 N/C, como mostra a
para levar a carga q do ponto A ao figura. Determine o trabalho da força elétrica no
30 cm -6
ponto B? deslocamento da carga pontual q = 1.10 C de A para
B e de A para C.
B 0,1 m
A B

0,05 m
E
C

11. CONDUTOR EM EQUILÍBRIO ELETROSTÁTICO


10.1 RELAÇÃO ENTRE “E” E “U” NO CEU
d
Um condutor está em equilíbrio eletrostático quando não
A B há fluxo ordenado de elétrons livres em seu interior.
q F

E
11.1 CAMPO E POTENCIAL ELÉTRICOS DE UM
CONDUTOR ESFÉRICO EM EQUILÍBRIO
ELETROSTÁTICO
Como no campo elétrico uniforme a força elétrica é Q
constante, podemos calcular o trabalho para levar uma
carga de A até B, pela expressão: R
d P
τ AB = F.d , onde: F = q.E, e temos então:

τ AB = q . E . d
Mas, como vimos antes, o trabalho da força elétrica pode
ser calculado através de: Para pontos externos ao condutor esférico em equilíbrio
eletrostático, o campo elétrico e o potencial são
τ AB = q(VA − VB ) calculados como se a carga fosse puntiforme e
concentrada no centro da esfera. (Teorema de Newton).

7
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

Cálculo do potencial: 12. DENSIDADE SUPERFICIAL DE CARGAS


• Ponto externo ao condutor ⇒ d > R K ⋅Q – PODER DAS PONTAS –
Vext =
d
Considere um condutor Q
• Ponto interno ou na superfície do K ⋅ Q eletrizado com carga Q. Sendo +++++++++++++ A
condutor ⇒ d ≤ R Vsup = Vint = sua superfície de área A, a ++++++++++++++
++++++++++++++
R densidade superficial de ++++++++++++++
++++++++++++++
++++++++++++++
Assim, se o condutor está carregado, o potencial no seu carga, σ, medida em C/m², é
interior é constante até a superfície. A partir daí ele dada por:
diminui com o inverso da distância ao centro. Q
V σ=
A
VInt = VSup
Q>0
Se o condutor eletrizado é esférico, a distribuição de
cargas é uniforme, mas, se sua forma geométrica é
variável haverá maior concentração de cargas em regiões
pontiagudas.
R d
Quando um condutor eletrizado pontiagudo está imerso
Q<0
no ar, normalmente isolante, os átomos que existem na
atmosfera são polarizados pelo campo elétrico nas
VInt = VSup proximidades das pontas. Se houver aumento significativo
do campo elétrico, íons atraídos ou repelidos colidirão
com outros átomos, produzindo mais íons, tornando o ar,
Cálculo do campo elétrico: nas proximidades das pontas, condutor. Tal fenômeno é
• Ponto externo ao condutor ⇒ d > R K⋅ Q conhecido como Poder das pontas e tem aplicação nos
E ext = para-raios.
d2

K⋅ Q
• Ponto infinitamente próximo ⇒ Eext = 13. BLINDAGEM ELETROSTÁTICA
R2 – A Gaiola de Faraday –
Como você viu, o campo elétrico no interior de um
condutor em equilíbrio eletrostático é nulo. Uma aplicação
1 K⋅ Q dessa propriedade é a blindagem eletrostática.
• Ponto na superfície ⇒ Esup = ⋅
Constitui-se, basicamente, de uma capa ou rede de metal
2 R2
que envolve o aparelho que se quer proteger.
Michael Faraday, originário de uma família humilde,
estudou sozinho e com grande dificuldade, mas se tornou,
• Ponto interno⇒ Eint = 0
mercê de seu esforço e dedicação, um notável cientista. A
ele a Eletricidade deve uma grande parte de seu
desenvolvimento.
Dentre muitas experiências e realizações de Faraday,
Observe o gráfico: destaca-se a construção de uma gaiola metálica para
E
demonstrar que condutores eletrizados eletrizam-se
EPróx apenas em sua superfície externa. O próprio Faraday
entrou na gaiola, grande o suficiente para abriga-lo, e fez
ESup com que seus assistentes a eletrizassem intensamente.
Da gaiola, mantida sobre suportes isolantes, chegaram a
sair faíscas, mas o cientista no seu interior não sofreu
EInt
nenhum efeito elétrico. Foi a partir de então que se
R d começou a utilização de blindagens eletrostáticas na
proteção de aparelhos sensíveis a interferências elétricas.

8
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

TESTES DE SALA 14.2 ENERGIA POTENCIAL ELÉTRICA (EPOT)


01. Quando um condutor está em equilíbrio eletrostático, Considere um condutor isolado, em equilíbrio
podemos dizer sempre que: eletrostático, de capacidade C, quantidade de carga Q e
a) A soma das cargas do condutor é igual a zero. potencial V. A energia potencial elétrica do condutor é
b) As cargas se distribuem uniformemente em seu calculada por:
volume. Q2
c) As cargas se distribuem uniformemente na sua EPOT =
superfície. 2C
d) O campo elétrico no interior do condutor é nulo.
e) O potencial no interior do condutor é nulo. Sendo Q = C.V ou C = Q/V,pode-se escrever:

02. O gráfico abaixo representa a variação da intensidade C⋅ V2 Q⋅V


do campo elétrico em um condutor esférico E POT = e EPOT =
2 2
uniformemente eletrizado. Qual a quantidade de carga
elétrica distribuída na superfície da esfera?
E(N/C)
14.3 EQUILÍBRIO ELÉTRICO DE CONDUTORES
Vários condutores estão em equilíbrio elétrico quando
possuem o mesmo potencial elétrico.
4
4,5.10 Utilizando o princípio da conservação de carga,
encontramos:
0 1 d(cm)
C1 C2 C3
Q1 Q2 Q3
V1 V2 V3

C1 C2 C3
Q’1 Q’2 Q’3
V V V

14. CAPACITÂNCIA
C ⋅ V + C2 ⋅ V2 + C3 ⋅ V3 Q + Q 2 + Q3
Experimentalmente verifica-se que o potencial adquirido V= 1 1 ou V = 1
por um condutor eletrizado é diretamente proporcional à C1 + C 2 + C 3 C1 + C2 + C3
sua carga elétrica. Assim, se um condutor eletrizado com
carga Q apresenta potencial V, ao adquirir carga 2Q, TESTES DE SALA
apresentará potencial 2V. 01. Analise as proposições seguintes:
A capacitância depende das características Q I. A capacitância de um condutor depende do
geométricas do condutor e também do meio C = V material de que ele é feito.
onde ele se encontra. II. Num condutor esférico, a capacitância é tanto
maior quanto maior é o seu raio.
No SI, a unidade de capacitância é o farad (F), nome III. Dois condutores esféricos, um de cobre e outro de
dado em homenagem ao cientista inglês Michael Faraday. alumínio, de mesmo raio e num mesmo meio
possuem capacitâncias iguais.

14.1 CAPACITÂNCIA DE UM CONDUTOR ESFÉRICO Responda de acordo com o código:


Para um condutor esférico de raio R, valem as relações: a) Se todas estiverem corretas.
b) Se apenas I estiver correta.
K ⋅Q Q c) Se apenas II e III estiverem corretas.
V= e C= d) Se apenas III estiver correta.
R V
e) Se todas estiverem erradas.
R
Substituindo uma na outra: C=
K

Observe que, a capacitância depende do meio que o


envolve (K) e é diretamente proporcional ao raio (R).

9
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

02. Dois condutores A e B, se capacitâncias CA = 1,0 nF e 03. (Acafe 2015) Utilizado nos laboratórios didáticos de
CB = 4,0 nF, estão eletrizados com cargas QA = 6,0 µC física, os eletroscópios são aparelhos geralmente
e QB = 4,0 µC. Colocam-se os dois em contato, usados para detectar se um corpo possui carga elétrica
isolando-os após a separação. Determine: ou não.
a) O potencial de cada condutor, antes do contato; Considerando o eletroscópio da
b) O potencial comum, após o contato; figura, carregado positivamente,
c) As cargas existentes em cada condutor, após o assinale a alternativa correta
contato. que completa a lacuna da frase a
seguir.
Tocando-se o dedo na esfera,
verifica-se que as lâminas se
fecham, porque o eletroscópio
_______.
a) perde elétrons
b) ganha elétrons
c) ganha prótons
d) perde prótons

04. (PUC-SP) Os corpos eletrizados por atrito, contato e


indução ficam carregados respectivamente com cargas
de sinais:
a) Iguais, iguais e iguais.
b) Iguais, iguais e contrários.
c) Contrários, contrários e iguais.
TESTES DE CASA d) Contrários, iguais e iguais.
01. Quatro corpos – F, G, H e P – estão eletrizados. O e) Contrários, iguais e contrários.
corpo P tem carga elétrica positiva. Feitos alguns
experimentos, verificou-se que: F repele G e atrai H; G 05. (FCMSC-SP) Uma esfera metálica positivamente
atrai P. Dessa forma, podemos afirmar que as cargas carregada é aproximada, sem encostar, da esfera do
elétricas de F, G e H são, respectivamente: eletroscópio. Em qual das seguintes alternativas
a) Positiva, positiva e negativa. melhor se representa a configuração das folhas do
b) Negativa, negativa e positiva. eletroscópio, e suas cargas, enquanto a esfera positiva
c) Positiva, negativa e positiva. estiver perto de sua esfera?
d) Positiva, negativa e negativa. a) b) c) d) e)

e) Negativa, negativa e negativa.

02. Considere um eletroscópio de folhas


como o da figura ao lado. Um
estudante descuidado encostou um
bastão metálico, fortemente 06. (ifsp 2013) Raios são descargas elétricas de grande
eletrizado com cargas positivas, em intensidade que conectam as nuvens de tempestade
sua esfera superior. Como ficaram na atmosfera e o solo. A intensidade típica de um raio
distribuídas as cargas? Assinale a é de 30 mil amperes, cerca de mil vezes a intensidade
melhor opção. de um chuveiro elétrico, e eles percorrem distâncias da
ordem de 5 km.
a) b) c) (www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.res
postas.php. Acesso em: 30.10.2012.)
Durante uma tempestade, uma nuvem carregada
positivamente se
--- ---- ++ +++ ++ +++ aproxima de um
--- - ++ + ++ + edifício que
d) e) possui um para-
raios, conforme a
figura a seguir.
De acordo com o
--- ---- -- +
+ enunciado pode-
--- - -- +
+ se afirmar que, ao se estabelecer uma descarga
elétrica no para-raios,

10
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

a) prótons passam da nuvem para o para-raios. 12. (UF-ES) A força que as cargas +q e –q produzem
b) prótons passam do para-raios para a nuvem sobre uma carga positiva situada em P pode ser
c) elétrons passam da nuvem para o para-raios. representada pelo vetor:
r
d) elétrons passam do para-raios para a nuvem. a) A -q
e) elétrons e prótons se transferem de um corpo a r
b) B D
outro. r C
c) C
r A
d) D B
07. Duas esferas igualmente carregadas, no vácuo, e) Nulo. +q
repelem-se mutuamente quando separadas a uma
certa distância. Triplicando-se a distância entre as 13. No sistema abaixo, q = 1,0.10-6 C e as cargas elétricas
esferas, a força de repulsão entre elas torna-se: puntiformes extremas estão fixas. Determine a
a) 3 vezes menor. d) 12 vezes menor. intensidade da força elétrica resultante sobre a carga
b) 6 vezes menor. e) 9 vezes maior. elétrica puntiforme –q. O meio é o vácuo, cuja
c) 9 vezes menor. 9
constante eletrostática é K = 9.10 N.m²/C².

10cm 20cm
08. (Pucrj 2015) Dois bastões metálicos idênticos estão
carregados com a carga de 9,0µC Eles são colocados
em contato com um terceiro bastão, também idêntico +q -q +4q
aos outros dois, mas cuja carga líquida é zero. Após o
contato entre eles ser estabelecido, afastam-se os três
bastões. 14. Três objetos puntiformes com cargas elétricas iguais
Qual é a carga líquida resultante, em µC no terceiro estão localizados como mostra a figura abaixo. A
bastão? intensidade da força elétrica exercida por R sobre Q é
-5
a) 3,0 d) 9,0 de 8.10 N. Qual a intensidade da força elétrica
b) 4,5 e) 18 exercida por P sobre Q?
-5 P Q R
c) 6,0 a) 2,0.10 N. 2d d
-5
b) 4,0.10 N.
-5
c) 8,0.10 N.
-5
09. (UF-RS) O afastamento entre duas cargas elétricas d) 16.10 N.
-5
idênticas é D. Nestas condições, F é o módulo da força e) 64.10 N.
elétrica. Se dobrarmos as cargas e dobrarmos o
afastamento, o módulo da força de repulsão será: 15. (Fuvest-SP) Um objeto A com carga elétrica +q e
a) F/4 d) 2F dimensões desprezíveis, fica sujeito a uma força de
-6
b) F/2 e) 4F 20.10 N,quando colocado em presença de um objeto
c) F idêntico, à distância de 1,0 m. Se for colocado na
presença de dois objetos idênticos, como indica a
figura, fica sujeito a uma força de, aproximadamente:
a) 4,0 .10-6 N. A
10. (UF-PE) Duas pequenas esferas metálicas de mesmo -6 2,0 m
-8 -8 b) 10 .10 N.
raio e cargas Q1 = 2.10 C e Q2 = 4.10 C são postas -6
c) 7,1 .10 N.
em contato. Elas são, em seguida, separadas, de -6
d) 5,0 .10 N. 2,0 m
modo que a distância entre seus centros venha a ser 3 -6
e) 14,1 .10 N.
cm. Qual a intensidade, em milésimos de Newton, da
força entre as cargas?

16. (ifsul 2015) Considere duas cargas elétricas pontuais,


11. Três cargas elétricas puntiformes, Q1, Q2 e Q3, estão
sendo uma delas Q1, localizada na origem de um eixo
alinhadas como mostra a figura. A ação de Q1 sobre
x e a outra Q2, localizada em x = L Uma terceira carga
Q3 se manifesta com uma força de atração de
pontual, Q3, é colocada em x = 0,4L.
intensidade 4,0 N. Sabemos que Q2 e Q3 têm o
Considerando apenas a interação entre as três cargas
mesmo sinal e que Q1 = Q 2 . Determine: pontuais e sabendo que todas elas possuem o mesmo
a) A intensidade da força de interação entre Q2 e Q3; sinal, qual é a razão Q2/Q1 para que Q3 fique
b) A intensidade da força Q1 Q2 d Q3 submetida a uma força resultante nula?
d
resultante em Q3. a) 0,44 c) 1,5
b) 1,0 d) 2,25

11
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

17. (FEI-SP) Cargas elétricas equilíbrio envolvendo as esferas A e C e a intensidade


puntiformes devem ser colocadas R S da força de interação elétrica entre elas.
nos vértices R, S, T e U do a) d)
quadrado ao lado. Uma carga
elétrica puntiforme q está no centro
+q
do quadrado. Essa carga ficará em
equilíbrio quando nos vértices
forem colocadas as cargas: U T

R S T U b) e)
a) +Q +Q -Q -Q
b) -Q -Q +Q +Q
c) +Q -Q +Q -Q
d) +Q -Q -Q +Q
e) -Q +Q +Q -Q
c)
18. (Unicamp 2014) A atração e a repulsão entre partículas
carregadas têm inúmeras aplicações industriais, tal
como a pintura eletrostática. As figuras abaixo
mostram um mesmo conjunto de partículas
carregadas, nos vértices de um quadrado de lado a,
que exercem forças eletrostáticas sobre a carga A no
centro desse quadrado. Na situação apresentada, o
vetor que melhor representa a força resultante agindo 20. (Ufpr 2015) Uma esfera condutora, indicada pelo
sobre a carga A se encontra na figura número 1 na figura, tem massa m = 20 g e carga
a) b) negativa –q. Ela está pendurada por um fio isolante de
massa desprezível e inextensível. Uma segunda esfera
condutora, indicada pelo número 2 na figura, com
massa M = 200 g e carga positiva Q = 3 µC, está
sustentada por uma haste isolante. Ao aproximar a
esfera 2 da esfera 1 ocorre atração. Na situação de
equilíbrio estático, o fio que
sustenta a esfera 1 forma um
ângulo θ = 27° com a vertical
c) d)
e a distância entre os centros
das esferas é de 10 cm
Calcule a carga –q da esfera
1.
Para a resolução deste
problema considere g = 10
9 2 2
m/s² k = 9,0x10 N.m /C e
tan 27° = 0,5.

19. (Unesp 2015) Em um experimento de eletrostática, um 21. (Unicamp 2013) Em 2012 foi comemorado o centenário
estudante dispunha de três esferas metálicas idênticas, da descoberta dos raios cósmicos, que são partículas
A, B e C, eletrizadas, no ar, com cargas elétricas 5Q, provenientes do espaço.
3Q e – 2Q, respectivamente. a) Os neutrinos são partículas que atingem a Terra,
provenientes em sua maioria do Sol. Sabendo-se
que a distância do Sol à Terra é igual a 1,5 × 10 m,
11

e considerando a velocidade dos neutrinos igual a


3,0 × 10 m/s , calcule o tempo de viagem de um
Utilizando luvas de borracha, o estudante coloca as 8

três esferas simultaneamente em contato e, depois de neutrino solar até a Terra.


separá-las, suspende A e C por fios de seda, b) As partículas ionizam o ar e um instrumento usado
mantendo-as próximas. Verifica, então, que elas para medir esta ionização é o eletroscópio. Ele
interagem eletricamente, permanecendo em equilíbrio consiste em duas hastes metálicas que se repelem
estático a uma distância d uma da outra. Sendo k a quando carregadas. De forma simplificada, as
constante eletrostática do ar, assinale a alternativa que hastes podem ser tratadas como dois pêndulos
contém a correta representação da configuração de simples de mesma massa m e mesma carga q
localizadas nas suas extremidades. O módulo da

12
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

q2 Considerando-se a constante eletrostática do meio e o


força elétrica entre as cargas é dado por Fe = k , módulo da aceleração da gravidade iguais a
d2 9,0.109N.m2/C2 e 10,0m/s2, respectivamente, e
9 2 2
sendo k = 9,0x10 N.m /C . Para a situação sabendo-sese que a massa de cada esfera é de 0,60g, o
ilustrada na figura abaixo, qual é a carga q, se m = valor da carga Q, em μC,
μC, era de, aproximadamente,
0,004 g? a) 1,2
b) 1.7
c) 2.4
d) 3,0
e) 3,6

25. (UEFS-2010.1)
2010.1) O átomo de hidrogênio tem um próton
em seu núcleo e um elétron em sua órbita. Cada uma
-
dessas partículas possui carga de módulo q = 1,6.10
19 -31
C e o elétron tem uma massa m = 9.10 kg.
22. (Ufpe 2011) Considerando que as três cargas da figura
Sabendo-sese que a constante eletrostática do meio é
estão em equilíbrio, determine qual o valor da carga Q1 9 2 2
-9 -9 igual a 9.10 N.m /C , a órbita do elétron é circular e
em unidades de 10 C. Considere Q3 = -3.10 C.
que a distância entre as partículas d=9,0.10-10m, é
correto afirmar que a velocidade linear do elétron , em
6
10 m/s, é, aproximadamente, igual a
a) 0,27 d) 0,53
b) 0,38 e) 0,61
c) 0,49

26. A figura representa as linhas de força do campo


elétrico que existe em certa região do espaço. Sobre
23. (UEFS-2015.1) Os experimentos de Coulomb
uma carga de prova positiva colocada em P agirá uma
generalizaram as propriedades da força eletrostática
força:
entre duas partículas carregadas estacionarias.
a) Dirigida para A.
A figura mostra três partículas carregados e A
b) Dirigida para B.
localizadass nos vértices de um quadrado de lado I. P C
c) Dirigida para C. B
A intensidade da força elétrica resultante sobre a carga D
d) Dirigida para D.
q é dada por
2
e) Nula.
3k 0 q
a)
l2
2 27. Considere as três figuras abaixo. Nelas, temos:
5k 0 q Q: carga elétrica puntiforme geradora do campo
b)
l2 elétrico.
2 q: carga elétrica de prova.
k 0q r
c) F : força elétrica sobre a carga de prova.
l2 r
E : vetor campo elétrico gerado pela carga fonte Q.
2
k 0q
d) Q
3l
2
F q
E
2
k 0q
e) (a)
2
2l Q q
F E

(b)
Q q F
2012.1) Duas esferas condutoras idênticas
24. (UEFS-2012.1) E
se dois fios isolantes de
foram suspensas utilizando-se
as, eletrizou
peso desprezível. Separando-as, eletrizou-se uma com (c)
carga Q, positiva, mantendo a outra neutra. Após o
contato entre elas, foram abandonadas e se Analise cada figura e descubra o sinal das cargas
equilibraram na posição mostrada na figura. elétricas q e Q.
13
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

I. Na figura a: Q>0 e q>0. 33. (UEFS-2013.2)


2013.2) Considere um modelo teórico no qual
II. Na figura b: Q<0 e q>0. uma partícula, de massa 2,0mg e eletrizada com carga
III. Na figura c: Q<0 e q<0. 4,0μC,
C, ao ser abandonada a partir do repouso nas
IV. Em todas as figuras: q>0. proximidades de uma placa condutora eletrizadaelet
Sobre as alternativas acima, é coreto dizer que: positivamente, realiza movimento ascendente e, ao
a) Todas são verdadeiras. percorrer a distância de 20,0cm, atinge a velocidade de
b) Apenas I, II e IV são verdadeiras. módulo 2,0m/s, conforme a figura.
c) Apenas I e III são verdadeiras. Desprezando-se se a resistência do ar e considerando-se
considerando
d) Apenas II é verdadeira. o módulo da aceleração da gravidade local igual a
2
e) Nenhuma é verdadeira. 10,0m/s e que o campo elétrico gerado por essa placa
seja uniforme, é correto afirmar que o módulo do
r
SP) O campo elétrico E1 de uma carga
28. (Mackenzie-SP) campo elétrico é igual, em N/C, a
a) 10.0
puntiforme Q, a uma distância d, tem intensidade X. b) 25.0
r
Portanto, o campo elétrico E 2 , de outra carga elétrica c) 50.0
4Q, a uma distância 2d, tem intensidade: d) 65.0
a) X/4 d) 2X e) 84.0
b) X/2 e) 4X
c) X 34. (UEFS-2010.2)
2010.2) A figura representa uma linha de força,
LF, de um campo eletrostático gerado por cargas
29. (UFBA) Uma carga puntiforme Q cria um campo elétricas em repouso.
elétrico E num ponto situado a uma distância d. Para Durante o deslocamento de uma partícula eletrizada
que a intensidade do campo seja quatro vezes maior, a com carga positiva q do ponto 1 para o ponto 2, é
distância à carga deve ser igual a: correto afirmar:
a) (1/4)d d) 2 d
b) (1/2)d e) 2d
2
c) d
2
a) O potencial elétrico é decrescente no sentido da
30. (UEFS-2014.2)
2014.2) Três partículas com a mesma carga linha de força.
positiva Q = 3μC formam um triângulo
ângulo equilátero de b) A força elétrica resultante F, em cada ponto da
lado l = 20cm. trajetória, que age sobre q, tem direção
O módulo do campo elétrico produzido pelas partículas perpendicular à linha.
no ponto médio de um dos lados é igual, em 105N/C, a c) A força resultante sobre a carga é nula.
a) 10 d) 7 d) As linhas de força de um campo elétrico, gerado por
b) 9 e) 6 cargas elétricas em repouso, podem ser linhas
c) 8 fechadas.
e) O trabalho da força elétrica dura
durante o deslocamento
31. Três partículas A, B e C são lançadas entre as placas da carga q sobre uma superfície equipotencial é
α e β da figura abaixo. Entre as placas há um campo sempre positivo.
elétrico uniforme. Desprezando o campo de gravidade,
podemos afirmar que A, B e C possuem cargas 35. Uma carga elétrica puntiforme q foi
1 E
elétricas, respectivamente: deslocada de A paras B, no interior
a) Positiva, negativa e neutra. α
B do campo elétrico da figura abaixo. 2
β
b) Negativa, positiva e negativa. No primeiro deslocamento, ela A B
A C
c) Neutra, positiva e negativa. seguiu a trajetória 1, sobre a linha 3
d) Positiva, neutra e negativa. de força. No segundo
e) Negativa, neutra e positiva. deslocamento, ela seguiuguiu a trajetória 2 e, no terceiro, a
trajetória 3. Com relação ao trabalho da força elétrica
Vo
sobre essa partícula, podemos afirmar que:
a) Foi menor no primeiro deslocamento.
PR) Uma pequena esfera de peso P = 3 .10 −5 N
32. (UF-PR) b) Foi maior no segundo deslocamento.
e carga elétrica q = -2,0µC, C, está fixa a uma c) Os valores da trajet
trajetória 1, da trajetória 2 e da
extremidade de um fio, como trajetória 3 estão em ordem crescente.
mostra a figura. Na região existe E E d) Os valores trajetória 3, da trajetória 2 e da trajetória
r 1 estão em ordem crescente.
um campo elétrico uniforme E . 30°
Determine a intensidade desse g e) Em qualquer uma das trajetórias, o trabalho foi
campo. Considere g = 10 m/s². sempre o mesmo, pois o campo elétrico é
q
conservativo.
14
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

36. A diferença de potencial entre os pontos A e C vale 41. (ENEM-2010) Duas irmãs que dividem o mesmo quarto
90V. de estudos combinaram de comprar duas caixas com
a) Determine a diferença de
A B C tampas para guardarem seus pertences dentro de suas
potencial entre os pontos caixas, evitando, assim, a bagunça sobre a mesa de
A e B. estudos. Uma delas comprou uma metálica, e a outra,
b) Se o potencial do ponto B uma caixa de madeira de área e espessura lateral
for igual a 10 V, qual será 2d d diferentes, para facilitar a identificação.
o potencial dos pontos A e C? Um dia foram estudar para a prova de Física e, ao se
acomodarem na mesa de estudos, guardaram seus
37. Uma partícula com carga elétrica q = +4,5 pC e massa celulares ligados dentro de suas caixas. Ao longo
m = 1,0 mg é abandonada em repouso no ponto A, desse dia, uma delas recebeu ligações telefônicas,
numa região onde há um campo elétrico uniforme, enquanto os amigos da outra tentavam ligar e
conforme representado abaixo. Determine a velocidade recebiam a mensagem de que o celular estava fora da
escalar da partícula ao passar por B. Considere área de cobertura ou desligado.
desprezível a ação do campo gravitacional. Para explicar essa situação, um físico deveria afirmar
que o material da caixa, cujo telefone celular não
E recebeu as ligações é de
A B
a) madeira, e o telefone não funcionava porque a
madeira não é um bom condutor de eletricidade.
5,0.10² V 4,0.10² V b) metal, e o telefone não funcionava devido à
blindagem eletrostática que o metal proporcionava.
38. Uma partícula eletrizada é colocada em repouso numa c) metal, e o telefone não funcionava porque o metal
região onde há um campo elétrico. Desprezam-se as refletia todo tipo de radiação que nele incidia.
ações gravitacionais. Podemos afirmar que essa d) metal, e o telefone não funcionava porque a área
partícula vai se deslocar: lateral da caixa de metal era maior.
a) No mesmo sentido da linha de força do campo. e) madeira, e o telefone não funcionava porque a
b) Em movimento retilíneo e uniforme. espessura desta caixa era maior que a espessura
c) De modo a aumentar sua energia mecânica. da caixa de metal.
d) Na direção de uma linha equipotencial.
e) De modo a diminuir sua energia potencial e 42. (UEFS-2015.1) Capacitores são comumente
aumentar a sua energia cinética. utilizados em uma variedade de circuitos elétricos,
como, por exemplo, ajustar a frequência de rádios,
39. Numa região há um campo elétrico originado por duas
filtros de Fonte de alimentação ou dispositivos de
cargas elétricas puntiformes Q1 = 2,0 µC e Q2 = -
armazenagem de energia em flash eletrônico, entre
2,0µC, situadas a uma B outras aplicações.
distância de 30 cm, conforme Considere um capacitor de capacidade C = 2,0µF
figura abaixo. Considere os 40 cm
conectado a uma bateria de 8,0V. Após ser carregado,
pontos A e B do campo, esse capacitor apresentara uma energia elétrica, em
30 cm
sendo A o ponto médio do µJ, igual a
segmento que une as cargas Q1 A Q2
9 a) 30 d) 55
Q1 e Q2. Dado: K0 = 9.10 N.m²/C². b) 35 e) 64
a) Calcule o potencial elétrico resultante em A e B; c) 46
b) Uma partícula eletrizada com carga q = 2,0 µC é
transportada de A até B. Qual o trabalho que a força 43. (ENEM-2010) Atualmente, existem inúmeras opções
elétrica resultante, que age em q, realiza nesse de celulares com telas sensíveis ao toque
deslocamento? (touchscreen). Para decidir qual escolher, é bom
conhecer as diferenças entre os principais tipos de
40. (UCS-RS) Uma esfera metálica (e1) de raio 2R e carga telas sensíveis ao toque existentes no mercado.
q é conectada através de um fio condutor a outra Existem dois sistemas básicos usados para reconhecer
esfera metálica (e2) de raio R e inicialmente o toque de uma pessoa:
descarregada. Após um tempo suficientemente grande, • O primeiro sistema consiste de um painel de vidro
podemos afirmar que: normal, recoberto por duas camadas afastadas por
a) A carga de cada esfera fica igual a q/2. espaçadores. Uma camada resistente a riscos é
b) O potencial elétrico na superfície de e1 é igual ao colocada por cima de todo o conjunto. Uma corrente
potencial elétrico na superfície de e2. elétrica passa através das duas camadas enquanto a
c) A carga de e1 é a metade da carga de e2. tela está operacional. Quando um usuário toca a tela,
d) O potencial elétrico na superfície de e1 é o dobro do as duas camadas fazem contato exatamente naquele
potencial elétrico na superfície de e2. ponto. A mudança no campo elétrico é percebida, e
e) Toda a carga vai para a esfera e2. as coordenadas do ponto de contato são calculadas
pelo computador.
15
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

• No segundo sistema, uma camada que armazena ELETRODINÂMICA – PARTE 01


carga elétrica é colocada no painel de vidro do A Eletrodinâmica é o estudo das correntes elétricas, suas
monitor. Quando um usuário toca o monitor com seu causas e os efeitos que produzem o “caminho” por onde
dedo, parte da carga elétrica é transferida para o passam os portadores de cargas elétricas livres.
usuário, de modo que a carga na comanda que a
armazena diminui. Está redução é medida nos 1. CORRENTE ELÉTRICA
circuitos localizados em cada canto do monitor. Movimento ordenado de elétrons livres no interior de um
Considerando as diferenças relativas de carga em condutor metálico.
cada canto, o computador calcula exatamente onde VA VB
ocorreu o toque.
O elemento de armazenamento de carga análogo ao
exposto no segundo sistema e a aplicação cotidiana r r
correspondente são, respectivamente, Condutor em equilíbrio E = 0 ⇒ VA = VB = constante.
a) receptores - televisor. Elétrons em movimento desordenado.
b) resistores - chuveiro elétrico,
VA E VB
c) geradores - telefone celular.
d) fusíveis - caixa de força residencial.
e) capacitores - flash de máquina fotográfica.
r r
Condutor sob d.d.p.: E ≠ 0 ⇒ VA − VB = constante ≠ 0.

1.1 INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA (i)


Pode ser entendida como o fluxo de carga
através de uma secção reta de um condutor. Ou q
seja, é a razão entre a quantidade de carga q i = Δt
que passa pela secção num determinado
intervalo de tempo.

Unidade de medida
No SI, a intensidade da corrente é o 1C
ampère (A). 1A =
1seg
GABARITO
21. a) 5x10² s Alguns submúltiplos são bastante utilizados: o miliampère
01. b b) 2x10-9 C
02. b 22. 12 (mA) e o microampère (µA).
-3 -6
03. b 23. b 1mA = 10 A e 1µA = 10 A
04. e 24. b
05. c 25. d Obs.:
06. d 26. b - Convencionou-se que o sentido da corrente elétrica é
07. c 27. c
contrário ao do movimento real dos elétrons livres, ou
08. c 28. c
09. c 29. b seja, coincide com o sentido do vetor campo elétrico no
10. 9 30. b interior do condutor.
11. a) 16 N 31. e
b) 12N 32. 5 N/C 1.2 TIPOS DE CORRENTE ELÉTRICA
12. d 33. a
13. zero 34. a a) Corrente contínua (CC): quando o i
14. a 35. e vetor campo elétrico é constante
15. c 36. a) 60 V no decorrer do tempo.
16. d b)VB = 70 V e VC = -20 V i
Um bom exemplo é a pilha
17. c 37. 3.10-2 m/s
18. d 38. e utilizada em rádios, lanternas e
19. b 39. a) VA = 0 V e VB = 9.103 V etc. t
20. 37 nC b) 18.10-3 J i
40. b
b) Corrente alternada (CA):
41. b
42. e Quando o campo elétrico varia
43. e senoidalmente com o decorrer
do tempo. t
As tomadas das residências no
Brasil alternam com frequência
de 60 Hz

16
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

EFEITOS DA CORENTE ELÉTRICA TESTES DE SALA


• EFEITO TÉRMICO – Constitui no aquecimento do 01. No vidro de uma lâmpada está gravado: (60 W – 120
condutor, pela colisão dos elétrons livres com os V). Estando a lâmpada ligada de acordo com as
átomos. Tal efeito tem aplicações em aparelhos que especificações, determine a intensidade da corrente
produzem calor tais como aquecedores, chuveiros, que percorre a mesma e o consumo dessa lâmpada
ferros elétricos, torradeiras, etc. em 20 horas (em kWh).
• EFEITO MAGNÉTICO – Constitui no surgimento de
um campo magnético em volta do conduto quando este
é percorrido por uma corrente elétrica. Tal efeito será
estudado no curso de Eletromagnetismo.
• EFEITO LUMINOSO – Ocorre quando a corrente
elétrica atravessa um gás, sob baixa pressão.Tal efeito
é aplicado em lapadas fluorescentes e lâmpadas de
vapor de sódio.
• EFEITO QUÍMICO – Quando uma corrente elétrica 2. RESISTOR
atravessa uma solução iônica ocorre eletrólise, Todo condutor que tem exclusivamente a função de
ocasionando o movimento de íons negativos e converter energia elétrica em energia térmica (efeito
positivos, respectivamente, para o ânodo e o cátodo. Joule).
Tal efeito pode ser aplicado na galvanização de
metais. 2.1 RESISTÊNCIA ELÉTRICA (R)

1.3 ENERGIA E POTÊNCIA ELÉTRICA (EPOT) A resistência elétrica é representada nos circuitos da
Considere um condutor de extremos seguinte forma:
Gerador
A e B, submetido a uma ddp obtida + -
a partir de um gerador. ou
Entre A e B flui uma quantidade de R R
carga Q em um intervalo de tempo Condutor
A B São exemplos de resistores: Lâmpadas incandescentes,
∆t, produzindo assim uma corrente VA >VB
elétrica i. chuveiro elétrico, ferro elétrico e etc. Esses aparelhos
aproveitam o efeito Joule e, portanto têm alta resistência
O trabalho realizado pela foca elétrica. Os fios condutores de energia devem ter baixa
elétrica para movimentar as cargas τ
A,B = q ⋅ (VA − VB )
resistência para evitar perdas por efeito Joule.
entre A e B será expresso por:
Onde VA - VB = U, é a diferença de potencial entre os 2.2 PRIMEIRA LEI DE OHM
pontos A e B do condutor.
R
τ A,B = q ⋅ VA − q ⋅ VB τ AB = E PA − E PB A i B
⇒ U = R ⋅i
Pela definição de potência:
Pot =
τ τ = q ⋅ U U
 q q
Δt i = ⇒ Δt =
 Δt i Essa é a 1ª Lei de Ohm, onde R é a constante da
Pot = U . i proporcionalidade, característica do resistor, e
denominada resistência elétrica.
No Sistema Internacional (SI): 1W = 1V.1A Se o resistor for ôhmico ele obedece à seguinte curva
característica:
Obs.: U
- Todos os dispositivos que consomem energia elétrica
devem ter gravados, em algum lugar, os seus valores U2 Note que a tgα = R.
nominais, isto é, a potência elétrica que vão consumir,
além da ddp em que devem ser ligados. U1
Por exemplo, se a lâmpada comum tem gravado o vidro: α

100 W – 127 V, então esta lâmpada deve ser ligada a 0 i1 i2 i


uma ddp de 127 V para consumir 100 W de potência.
Unidade de resistência elétrica:
- A unidade de energia elétrica utilizada no cotidiano é o No SI, a unidade é o ohm (Ω).
6
kWh (quilowatt-hora). 1kWh = 3,6.10 J. Obs. 1V
1Ω =
1A

17
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

- Denominam-se reostatos os 2.4 EFEITO JOULE


resistores que possuem O aquecimento que ocorre num resistor devido à
resistências elétricas passagem de corrente elétrica é chamado de efeito Joule
variáveis. Pela 1ª Lei de Como vimos anteriormente, ao se aplicar uma ddp entre
Ohm, aumentando-se a dois pontos A e B de um resistor, o trabalho realizado
resistência do resistor, sob pela força elétrica para levar uma quantidade de carga q
ddp constante, ocorre uma entre os pontos A e B é dado por:
diminuição da intensidade τ AB = q(V A − VB )
da corrente e vice-versa. Dividindo-se ambos os membros
por ∆t, encontramos a potência dissipada (consumida) o
resistor:
2.3 RESISTIVIDADE (ρ) – SEGUNDA LEI DE OHM P = U⋅ i
A resistividade é uma característica do material de que é
feito o resistor e também da sua temperatura. Utilizando-se a 1ª Lei de Ohm, U2
Área A P= P = R⋅ i2
encontra-se ainda: R
L Unidade de potência:
L ⇒ R=ρ
A No SI, a unidade de potência é o Watt (W).
Onde: Obs.
- L é o comprimento do resistor. - No dia-a-dia, utiliza-se uma unidade de energia
- A é a área de secção transversal. diferente do Joule. Essa unidade é o quilowatt-hora
kWh.
Unidade de medida:
No SI, a unidade é o Ω.m. Lei de Joule
Obs. Permite calcular a energia elétrica convertida em calor
- A resistividade varia com a num intervalo de tempo.
ρ = ρ 0 [1 + α (θ − θ 0 )]
temperatura de acordo com a
expressa ao lado:
τ = R ⋅ i2 ⋅ Δt
TESTE DE SALA
- Sendo assim, a resistência R = R 0 [1 + α (θ − θ 0 )] 01. No diagrama a seguir está representada a curva
também se altera, da seguinte
característica de um resistor mantido em temperatura
forma:
constante. Analise as seguintes afirmações:
I. O resistor em questão é ôhmico.
- Portanto a resistência aumenta com o aumento da
II. A resistência elétrica do resistor é igual a 5 Ω e
temperatura devido ao maior número de colisões entre
isto significa que são necessários 5 volts para
os átomos no interior do condutor.
produzir nele 1 ampère de corrente.
TESTES DE SALA III. A intensidade de corrente i2 indicada no diagrama
é iguala 6 A.
01. O valor da resistência elétrica de um condutor ôhmico
IV. Se esse resistor for percorrido por uma corrente
NÃO varia se mudarmos somente:
de 2 A durante 2,0 s, consumirá 440 J de energia.
a) O material de que ele é feito.
São corretas as seguintes afirmações:
b) O seu comprimento.
a) Apenas I, II e III. U(V)
c) A ddp a que ele é submetido.
b) Apenas I e IV.
d) A área de sua secção reta. 30
c) Apenas I, II e IV.
e) A sua resistividade.
d) Apenas I e II.
10
02. Aplica-se uma ddp de 220V nas extremidades de um e) Todas.
fio condutor de 10m de comprimento e secção 0 2 i2 i(A)
transversal de área 2,5mm². Sabe-se que a corrente
elétrica que circula no fio tem intensidade de 11A.
Qual a resistividade do material de que é feito o fio?

18
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

02. Um resistor sob, sob ddp de 220 V, dissipa uma 3.2 ASSOCIAÇÃO EM PARALELO
potência de 1000 W. Calcule a sua resistência elétrica
e a potência dissipada, ao ser ligado a uma ddp de R1
110 V.
i1 i1
A i i2 R2 i2 i B

i3 i3
R3

U
Podemos substituir a associação acima por um resistor
3. ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES apenas, chamado de resistor equivalente (Req).
3.1 ASSOCIAÇÃO EM SÉRIE
R1 R2 R3 A i R eq B
A i1 i2 i3 B

U1 U2 U3 U
U Demonstra-se que a resistência
1 1 1 1
Podemos substituir a associação acima por um resistor equivalente é calculada pela = + +
apenas, chamado de resistor equivalente (Req). expressão: R eq R 1 R 2 R 3
A i R eq B
Obs.:

U - Quando n resistores iguais, de resistência


Demonstra-se que a resistência R
R eq = R 1 + R 2 + R 3 R cada, estiverem ligados em paralelo, a R eq =
equivalente é calculada pela resistência equivalente será: n
expressão:
- Quando dois resistores, de
TESTES DE SALA resistências R1 e R2, estiverem R1 ⋅ R 2
01. Dada a associação, determine: R eq =
associados em paralelo, a resistência R1 + R 2
a) A resistência equivalente da associação; equivalente será:
b) A intensidade da corrente na associação;
c) A ddp em cada resistor da associação.
A 20Ω 10Ω 50Ω B

U = 240 V
4. CURTO-CIRCUITO

Um resistor, ou um trecho de
determinado circuito, se R=0
encontra em curto circuito i
quando suas extremidades
02. A potência elétrica total dissipada pela associação são ligadas em paralelo a um A R B
esquematizada vale 480 W. Sabendo-se que entre os condutor de resistência nula.
terminais A e B está aplicada uma ddp de 120 V,
calcule: Desse modo, os potenciais R
a) A intensidade da corrente na associação; elétricos em A e B são iguais,
b) A resistência equivalente da associação; fazendo com que a corrente
c) O valor da resistência de cada resistor. não passe pelo resistor.
i i
A R 2R B
A=B

19
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

TESTES DE SALA c)
01. No circuito esquematizado, analise as afirmativas que 1Ω 20Ω
A
seguem:
12 Ω 5Ω 10Ω
i1 B
A i i2 20 Ω B 5Ω 15Ω

i3 30 Ω

120 V

( ) A resistência equivalente da associação é de 6Ω


( ) i1 = 10 A.
( ) I2 = 6 A.
( ) I3 = 4 A.
( ) i = 10 A. 03. Duas lâmpadas, uma (L1) 10W – 110V e outra
( ) O resistor R3 é o que dissipa maior potência. (L2)100W – 110V, são ligadas em série a uma tomada
de 220 V. Observe o circuito abaixo.

L1 L2
A B
220V
É correto afirmar:
( ) A resistência de L1 é de 11Ω.
( ) A resistência de L2 é de 121Ω.
( ) A corrente que passa em L1 é maior que a que
passa em L2.
( ) A ddp em L2 é de 20 V.
02. Nas associações abaixo, determine a resistência ( ) L1 não suporta a corrente e queima.
equivalente:
a)
3Ω

6Ω
A B
3Ω 2Ω 12 Ω
3Ω

b)
2Ω
A

4Ω 4 Ω
2Ω
B

20
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

TESTES DE CASA 08. (UEFS) Em uma aula de laboratório de Física,


01. (FEI-SP) Na associação da figura abaixo, a resistência mantém-se ligados, por 2 horas, 20 resistores de
equivalente, entre os pontos A e B, é: 500Ω percorridos por uma corrente de 0,1A, 10
a) 4Ω 0,5Ω 1Ω lâmpadas de 10 W e 4 aquecedores elétricos de 100
A
b) 7Ω W. O consumo de energia elétrica, em kWh durante a
c) 2Ω 3Ω 1Ω aula vale:
d) 3Ω a) 0,2 d) 1,0
0,5Ω 1 Ω b) 0,4 e) 1,2
e) N.d.a. B
c) 0,8
02. A resistência equivalente à associação da figura é:
R R 09. (CENTEC) Em uma residência são ligados em
a) 5R
paralelo, simultaneamente, 10 lâmpadas de 60 W, um
b) 3R
ferro elétrico de 600 W, um chuveiro de 1800 W e um
c) 2,5R
rádio de 360 W. A ddp é de 120 V. A intensidade de
d) 1,2R
R R corrente que, nessas condições, passa pelo fusível
e) 0,8R
que protege o circuito é:
R a) 23 A d) 28 A
b) 25 A e) 35 A
03. A resistência equivalente da associação do esquema c) 26 A
vale:
a) 2R R 10. (Ucsal) Uma pessoa substituiu uma lâmpada
b) R incandescente de 100 W por outra de 60 W com o
R
c) R/2 objetivo de economizar energia elétrica. Se essa
R
d) R/3 lâmpada fica ligada 4 h por dia, durante um mês de
R
e) R/4 R trinta dias, a economia de energia foi, em kWh, de:
a) 1,2 d) 7,2
b) 2,4 e) 12
04. (Ucsal) A corrente elétrica existente no filamento de c) 4,8
uma lâmpada é igual a 200 mA. O número de elétrons
que passa pelo filamento dessa lâmpada, em uma 11. (UNEB-2015) Considere uma lâmpada LED de 16,0W
hora, é igual a: que opera sob tensão de 110,0V e com vida útil média
19 21 23
a) 4,5.10 . c) 4,5.10 . e) 4,5.10 . de 35.000 horas de uso.
20 22
b) 4,5.10 . d) 4,5.10 . Desprezando-se a energia dissipada na forma de
energia térmica, conclui-se que a ordem de grandeza
da energia elétrica convertida em energia luminosa ao
05. (F.C. CHAGAS-BA) Um fio de resistência elétrica igual longo do uso, em J, é , aproximadamente, de
a 50 Ω é submetido a uma diferença de potencial de a) 10
15
d) 10
9
13
20 V. Qual a energia dissipada no fio em um minuto? b) 10 e) 108
11
a) 2,5 J c) 8,0 J e) 1000 J c) 10
b) 4,8 J d) 480 J

06. (Ucsal) Ao aplicarmos uma diferença de potencial U 12. (Ucsal) O esquema a seguir mostra um circuito
aos terminais de um resistor de resistência R, nele flui composto por quatro resistores iguais, cada um de
uma corrente elétrica I, dissipando uma potência P resistência R, e uma bateria ideal F. Sendo a
calculada pela relação: intensidade da corrente elétrica no ponto A igual a 800
a) P=R/I² c) P=U.I² e) P=U².I mA, a intensidade da corrente no ponto B será, em
b) P=U²/R d) P=R².I mA, igual a:
a) 100 A
b) 200 R
07. (Ucsal) Em uma residência, durante 30 minutos, c) 400 R R
ficaram ligadas cinco lâmpadas de 100 W, um ferro d) 600 F
elétrico de 1500 W e um chuveiro elétrico de 3000 W. e) 800 B R
a energia dissipada, durante os 30 minutos é, em
kWh, igual a:
a) 0,50 c) 2,00 e) 5,00
b) 1,00 d) 2,50

21
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

13. (PUC-Campinas-SP) SP) Um circuito é constituído por uma 17. No circuito representado na
fonte de tensão E e dois resistores R1 = 10 Ω e R2 = 15 figura ao lado, se VAB = 18V,
Ω, conforme o esquema qual é a intensidade de
abaixo. corrente elétrica que
Sabendo que a atravessa o resistor de 6 Ω?
intensidade i1 da
corrente em R1 vale
0,60 A, as correntes no
gerador e no resistor R2
têm intensidades, em 18. (Fatec-SP)
SP) Para o trecho de
ampères, respectivamente de: circuito a seguir, calcule:
a) 0,80 e 0,20 d) 1,6 e 1,0 a) a ddp entre os pontos A e B;
b) 1,0 e 0,40 e) 2,0 e 1,4 b) a potência elétrica dissipada
c) 1,2 e 0,60 no resistor de 7 Ω.

14. (Unesp) As instalações elétricas em nossas casas são


projetadas de forma que os aparelhos sejam sempre
conectados em paralelo. Dessa maneira, cada
aparelho opera de
forma 19. (UESC) Uma lâmpada incandescente dissipa 60 W de
independente. A potência, sob tensão de 120 V. Considerada como um
figura mostra três resistor ôhmico, de resistência R, é percorrida por uma
resistores intensidade de corrente i. Com base nessas
conectados em informações, os valores de i e R são, respectivamente,
paralelo. iguais a:
Desprezando-se a) 0,5 A e 60 Ω. d) 2 A e 240 Ω.
as resistências dos b) 0,5 A e 240 Ω. e) 2,5 a e 180 Ω.
fios de ligação, o c) 2 A e 60 Ω.
valor da corrente
em cada resistor é 20. (UNEB)) No circuito, os resistores ôhmicos R1 e R2 têm
resistência elétrica igual a 12 Ω cada. Nessas
a) I1 = 3 A, I2 = 6 A e I3 = 9 A. condições, considerando-se
considerando desprezível a resistência
b) I1 = 6 A, I2 = 3 A e I3 = 2 A. elétrica dos fios de ligação e sabendo
sabendo-se que a
c) I1 = 6 A, I2 = 6 A e I3 = 6 A. intensidade da corrente total do circuito é igual a 1 A,
d) I1 = 9 A, I2 = 6 A e I3 = 3 A. pode-se afirmar:
e) I1 = 15 A, I2 = 12 A e I3 = 9 A. 01) A resistência equivalente do circuito é 24 Ω.
02) A intensidade da corrente
corr em R1 é igual a 0,2 A.
15. No circuito 03) A diferença de potencial fornecida pela pilha é
representado na igual a 6,0 V.
figura, se a ddp 04) A potência dissipada por efeito Joule, no circuito, é
entre os pontos igual a 2 W.
A e B for igual a
24 V, qual será a R2
intensidade de R1
Pilha
corrente que
percorrerá o
resistor de 15 Ω?
Informação para as questões 21, 22 e 23:
16. (UFBA) A figura Suponha que uma árvore de natal é iluminada por 40
ilustra uma lâmpadas de resistência elétrica linear de 5 Ω, cada uma,
associação de associadas em série, estando o conjunto alimentado por
resistores. Sabendo uma diferença de potencial de 120 V.
que a corrente que 21. (UESB) Com base nessa informação, pode pode-se afirmar
passa pelo resistor de que a corrente elétrica, em miliampères, e a potência
4 Ω é de 2 A, dissipada, em Watts, em cada uma das lâmpadas, são
determine a ddp iguais, respectivamente, a:
aplicada entre os 01) 1200 e 1,2 04) 120 e 3,6
pontos A e B. 02) 600 e 1,8 05) 30 e 0,9
03) 300 e 9,0

22
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

22. (UESB) Se uma das lâmpadas queima, então: 27. (UNIT-2014.1)


01) As demais continuarão acesas e apresentarão o
mesmo brilho.
02) As demais continuarão acesas e apresentarão
menor brilho.
03) As demais continuarão acesas e apresentarão
maior brilho.
04) 20 continuarão acesas e 19 se apagarão. A figura representa um trecho AB do circuito
05) As demais se apagarão. constituído por uma associação de cinco resistores
idênticos, R1, R2, R3, R4e R5, cada um com resistência
23. (UESB)) Caso as lâmpadas fossem associadas em elétrica de 10,0Ω e o conjunto é submetido a uma
paralelo, considerando-sese que todas elas se tensão de 16,0V.
manteriam acesas, a corrente elétrica, em ampères, e Desprezando-se se a resistência elétrica dos fios de
a potência dissipada, em Watts, em cada uma delas, ligação, a intensidade e da corrente elétrica que percorre
seriam iguais respectivamente, a: o resistor R2 é igual, em A, a
01) 6 e 72 04) 24 e 2880 a) 1,0 d) 0,2
02) 9 e 144 05) 36 e 1440 b) 0,6 e) 0,1
03) 12 e 720 c) 0,4

05) Uma lâmpada traz as seguintes indicações 28. (UEFS-2013.1) O esquema do circuito elétrico utilizado
24. (Ucsal-05)
do fabricante: 120V; 60W. quando submetida à tensão para desembaçar o visor do capacete de um piloto,
de 96V,, a energia por ela dissipada em 10 segundos instalado na face interna do visor, para transformar a
vale, em joules, aproximadamente: energia elétrica de uma associação de resistores
a) 6,0.10². c) 4,8.10². e) 3,8.10² ôhmicos em energia térmica, está representado na
b) 5,4.10². d) 4,4.10² figura.
Desprezando-se se a resistência elétrica dos fios de
25. (ENEM-2013) O chuveiro elétrico é um dispositivo ligação, a potência dissipada na associação é
capaz de transformar energia elétrica em energia determinada pela relação
térmica, o que possibilita a elevação da temperatura da
água. Um chuveiro projetado para funcionar em 110 V
pode ser adaptado para funcionar em 220 V, de modo
a manter inalterada sua potência.
Uma das maneiras de fazer essa adaptação é trocar a
resistência do chuveiro por outra, de mesmo material e
com o (a)
a) dobro do comprimento do fio. 2 2
b) metade do comprimento do fio. a) U /6R d) 2u /3R
2 2
c) metade da área da seção o reta do fio. b) U /3R e) 3U /2R
2
d) quádruplo da área da seção o reta do fio. c) U /2R
e) quarta parte da área da seção o reta do fio.
29. (ENEM-2013)
2013) Um circuito em série é formado por uma
26. (UFBA) No circuito representado abaixo, os fios de pilha, uma lâmpada incandescente e uma chave
ligação são ideais, a diferença de potencial fornecida interruptora. Ao se ligar a chave, a lâmpada acende
pelo gerador G é igual a 20 V, e as resistências quase instantaneamente, irradiando calor e luz.
elétricas dos resistores ôhmicos R1, R2 e R3 são, Popularmente, associa-se se o fenômeno da irradi
irradiação de
respectivamente, 2Ω, 1Ω e 14Ω. Determine o número energia a um desgaste da corrente elétrica, el ao
de resistores de 2Ω que G atravessar o filamento da lâmpada, e à rapidez com
devem ser associados em que a lâmpada começa a brilhar. Essa explicação está
série, entre os pontos A e B, R1 em desacordo com o modelo clássico de corrente.
para que o resistor R1 dissipe A B De acordo com o modelo mencionado, o fato de a
uma potência igual a 18 W. lâmpada
âmpada acender quase instantaneamente está
R2 relacionado à rapidez com que
a) o fluido elétrico
trico se desloca no circuito.
R3 b) as cargas negativas móveis atravessam o circuito.
c) a bateria libera cargas m móveis para o filamento da
lâmpada.
d) o campo elétrico se estabelece em todos os pontos
do circuito.
e) as cargas positivas e negativas se chocam no
filamento da lâmpada.
mpada.
23
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

30. (ENEM-2010) Quando ocorre um curto-circuito em uma ELETRODINÂMICA – PARTE 02


instalação elétrica como na figura, a resistência elétrica 1. MEDIDAS ELÉTRICAS
total do circuito diminui muito, estabelecendo-se nele
uma corrente muito elevada. O superaquecimento da O aparelho usado para medidas elétricas é o
fiação, devido a esse aumento da corrente elétrica, GALVANÔMETRO, que é um aparelho capaz de detectar
pode ocasionar incêndios, que seriam evitados correntes elétricas de pequena intensidade. Observe a
instalando-se fusíveis e disjuntores que interrompem representação:
essa corrente, quando a mesma atinge um valor acima
do especificado nesses dispositivos de proteção. RG
Suponha que um chuveiro instalado em uma rede A iG B
G
elétrica de 110 V, em uma residência, possua três
posições de regulagem da temperatura da água. Na
posição verão utiliza 2 100 W, na posição primavera, 2 Onde RG é a resistência interna do galvanômetro e iG e a
400 W, e na posição inverno, 3200 W. intensidade da corrente que atravessa o galvanômetro.
Deseja-se que o chuveiro funcione em qualquer uma Para um galvanômetro, a máxima corrente que ele pode
das três posições de regulagem de temperatura, sem medir é chamada de fundo corrente de fundo de escala.
que haja riscos de incêndio. Qual deve ser o valor O galvanômetro funciona como um resistor para o circuito.
mínimo adequado do disjuntor a ser utilizado? Como o aparelho de medida não deve afetar o circuito,
a) 40 A d) 23 A corrige-se o problema de forma adequada para que ele
b) 30 A e) 20 A possa funcionar como um voltímetro ou amperímetro.
c) 25 A
1.1 AMPERÍMETRO
Aparelho destinado a medir intensidade de corrente
elétrica.
GABARITO Deve ser ligado em série com o ramo do circuito que
01. e 06. b 11. d 21. 02 25. e se quer medir a corrente elétrica.
02. d 07. d 12. d 22. 05 26. 03 Representação: A i B
03. c 08. e 13. b 23. 04 27. d A
04. c 09. d 14. b 24. e 28. e
05. d 10. c 15. 0,8A 29. d O amperímetro ideal tem resistência interna nula, de
16. 10V 30. b forma que não interfere na medida da corrente elétrica do
17. 2A circuito.
18. a) 60V
b) 112W 1.2 VOLTÍMETRO
19. b Aparelho destinado a medir diferença de potencial ou
20. 03 tensão elétrica.
Deve ser ligado em paralelo ao ramo do circuito que
se quer medir a ddp.
Representação: A i B
V

O voltímetro ideal tem resistência interna infinita, de forma


que não interfere na medida da ddp do circuito.

1.3 PONTE DE WHEATSTONE


Dispositivo utilizado para C
i4
determinar o valor de uma R1 ig RX
resistência elétrica. Um i1
gerador mantém uma ddp na i i
A G B
associação em que se quer
i2
medir a resistência Rx.
R2 R3
i3
D
Gerador

24
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

Ajustando-se o reostato Rx de modo a fazer com que o 2. GERADORES E RECEPTORES


galvanômetro indique zero (ig = 0), a ponte entrará em
equilíbrio e poderemos escrever: 2.1 GERADOR – FORÇA ELETROMOTRIZ
Qualquer aparelho capaz de transformar alguma forma de
R1.R3 = R2.Rx energia em energia elétrica. Como exemplos temos os
geradores das usinas hidrelétricas, pilha, etc. Observe o
desenho esquemático:
TESTES DE SALA PT PL
Gerador
01. A resistência interna de um amperímetro é de 45Ω e PT = PL + PD
sua corrente de fundo de escala é de 2A. Que PD
resistência deve-se associar internamente a esse
aparelho para que ele possa marcar 20A?
A força eletromotriz (ε) é definida como a grandeza que
representa a capacidade de transformar alguma forma de
energia em energia elétrica. Matematicamente, é o
trabalho realizado pela força de natureza não=elétrica
para transportar a unidade de carga elétrica entre seus
pólos.

τ
ε= No SI, a unidade de força eletromotriz é o volt
02. O circuito abaixo é submetido a uma ddp de 72V. q (V). 1V = 1J/1C
Considere a ponte em equilíbrio. Assinale V ou F nas
afirmativas abaixo: Observe no, esquema abaixo, a representação de um
gerador e seus elementos:
3Ω R ε r
A B
i
10 Ω

U
6Ω 12 Ω
AeB ⇒ Terminais do gerador.
72 V
⇒ Pólos do gerador.
r ⇒ Resistência interna do gerador.
( ) A corrente no resistor de 10Ω é diferente de ε ⇒ Força eletromotriz.
zero. U ⇒ ddp nos terminais do gerador.
( ) O resistor R é de 6Ω.
( ) A corrente que passa no resistor de 3Ω é quatro O gerador eleva o potencial elétrico das cargas para que
vezes maior que a que passa no resistor de elas atravessem o circuito elétrico.
12Ω.
( ) A ddp em r é de 48V. 2.2 EQUAÇÃO DO GERADOR
( ) O resistor de 10Ω dissipa uma potência de A partir da definição de força eletromotriz, podemos
120W. escrever que a potência total, de natureza não elétrica,
consumida pelo gerador será:
ε=
τ ⇒ P = ε ⋅i
T
q
A potência térmica dissipada internamente
pelo gerador é: PD = r ⋅ i2

A potência, de natureza elétrica, lançada


pelo gerador será: PL = U ⋅ i
Como sabemos que PT = PL + PD, substituindo as
expressões anteriores, encontramos:
U = ε − r ⋅i
Que representa a ddp lançada pelo gerador.

25
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

Observe que quando o gerador não é percorrido por uma Obs.: A resistência R pode ser uma resistência
corrente elétrica, U = ε (circuito aberto). equivalente a uma associação ligada ao gerador. Como
ε r mostra a figura abaixo:
ε r
Quando ligamos aos terminais A B A B
de um gerador um condutor de i
icc
resistência elétrica desprezível, U
dizemos que ele se encontra em icc U
curto circuito. R1 ⇒ ε = (Req + r).i
Req
R2 R3

Na figura acima VA = VB ⇒ U = 0, então: ε


icc =
TESTES DE SALA
r
Obs.: 01. (UNEB) Um gerador de f.e.m. 34V e resistência
• A icc é a máxima corrente que pode atravessar um interna 2Ω está ligado a um circuito externo. Sendo a
gerador. tensão entre os terminais do gerador de 30V, a
• A potência elétrica total gerada será dissipada intensidade da corrente que o atravessa é:
integralmente na resistência interna, causando 01) 5A
superaquecimento e possíveis danos ao gerador. 02) 4A
U(V)
03) 3A
Observe que termos uma reta se 04) 2A
construirmos o gráfico U x i para o ε 05) 1A
gerador (função do 1° grau).

0 icc i(A)

2.3 RENDIMENTO
Define-se rendimento elétrico como sendo o PL
quociente entre a potência elétrica lançada e a η=
potência total não-elétrica consumida pelo PT
gerador. 02. Um gerador de f.e.m. 100V e resistência interna 2Ω
U alimenta um resistor de resistência R. Sabendo-se que
Como PL = U.i e PT = ε.i, teremos: η=
ε a ddp entre os terminais do gerador é de 80V, calcule:
a) A intensidade da corrente no circuito;
Verifica-se que: 0 ≤ η ≤ 1. b) O valor de R;
c) O rendimento elétrico do gerador.
Para que η = 1, teremos um gerador ideal, ou seja, seu
rendimento é de 100%. Ele não tem resistência interna. ε = 100V
Sua representação é a seguinte: A r = 2Ω B
ε Como r = 0 ⇒ U = ε i

U = 80V
i
2.4 CIRCUITO SIMPLES – LEI DE OHM-POUILLET
Considere-se o circuito simples (fechado) constituído por R
um gerador e um resistor conforme a figura:

Como a ddp U é a mesma


ε r
A B
tanto para o gerador como i
para o resistor, pode-se
escrever: U
U = ε - r.i ⇒ equação do i
gerador R
U = R.i ⇒ primeira lei de
Ohm

ε = (R + r).i
Que é a lei de Ohm-Pouillet.

26
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

2.5 POTÊNCIA ELÉTRICA LANÇADA PELO GERADOR Pode-se ainda substituir a corrente de potência máxima
(PL)
i=
ε na lei de Ohm-Pouillet:
Considera-se um circuito simples constituído por um 2.r
gerador e um resistor. A potência elétrica que o gerador
lança ao resistor é expressa por PL = U.i. Portanto, ε = (R eq + r) ⋅ i ⇒ ε = (R eq + r) ⋅ ε
⇒ Req = r
tomando-se a equação do gerador e multiplicando-se 2.r
ambos os membros por i, encontramos a expressão da Então, temos que a resistência equivalente associada ao
potência elétrica lançada por um gerador. gerador é igual à sua resistência interna.
U = ε - r.i ⇒ U.i =(ε – r.i).i ⇒ U.i =ε.i – r.i²
TESTES DE SALA
01. (UEFS) Duas resistências de 12Ω e 5Ω estão
PL = ε.i – r.i²
associadas em série, e o conjunto está alimentado
PL com uma bateria de força eletromotriz de 18V e
Como se observa, é uma
função do 2° grau em i. Pmáx resistência interna de 1Ω, como mostra a figura.
Assim, pode-se afirmar que a ddp nos terminais da
Portanto, o gráfico P = f(i) é
bateria é igual a:
uma parábola com a r = 1Ω
a) 18V
concavidade voltada para
b) 17V
baixo. 0 icc /2 icc i
c) 16V ε = 18V
d) 15V
Note-se que para PL = 0, o gerador não lança potência ao 12Ω 5Ω
e) 14V
resistor. Verifica-se, então, que existem duas situações
para que isso ocorra:
0 = ε.i – r.i² ⇒ i.(ε - r.i) = 0, então: i = 0 ou (ε - r.i) = 0.
i.(ε - r.i) = 0 ⇒ i = ε/r que é a corrente de curto-circuito:
icc = ε/r
Na situação em que i = 0, o gerador está em circuito
aberto e, na situação em que i = icc, o gerador está em
curto-circuito.

2.6 POTÊNCIA MÁXIMA LANÇADA POR UM


GERADOR
02. O gerador de resistência interna 4Ω, indicado na
Observando-se o gráfico da potência, a potência máxima figura, está lançando a potência máxima no circuito.
lançada pelo gerador corresponde ao vértice da parábola Determine:
e, nesse ponto, a intensidade da corrente que o atravessa a) O valor da 4Ω
vale metade da corrente de curto-circuito. resistência R; V
b) As indicações do 12Ω R 20V

i=
i cc
=
ε ⇒ O gerador lança a sua máxima potência. voltímetro e do
amperímetro. A
2 2.r
Podemos assim, calcular a potência
máxima de um gerador, substituindo essa ε2
corrente na expressão da potência.
Pmáx =
4.r
Encontramos:

Podemos encontrar ainda, a ddp nos pólos do gerador no


momento em que ele está lançando a máxima
potência. Para isso basta substituir a corrente de U = ε
potência máxima na equação do gerador: 2

Calculemos ainda o rendimento de um gerador no


momento em que ele lança a potência máxima:
ε
U 1
η= ⇒η= 2 ⇒ ⇒ η = 0,5
ε ε 2
Ou seja, quando o gerador está lançando a potência
máxima, ele só rende 50%.

27
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

2.7 RECEPTORES – FORÇA CONTRA- Observe a curva característica do receptor:


ELETROMOTRIZ U(V)
Chama-se receptor a todo aparelho capaz de transforma
energia elétrica em qualquer modalidade de energia.
Podemos cita como exemplos de receptores os aparelhos ε
de um modo geral tais como ventiladores, televisores, etc.
Veja esquema de funcionamento do receptor:
PL PU 0 i(A)
Receptor

PD
Obs.:
• Nos motores elétricos, em geral, a potência mecânica é
obtida pela rotação do eixo. Impedindo-se a rotação do
A força contra eletromotriz (ε’) de um receptor é definida se eixo (eixo bloqueado) a energia elétrica será toda
como sendo o trabalho realizado pela foca elétrica para dissipada na forma de energia térmica, ao invés de
transportar a unidade de caga elétrica entre seus pólos. energia mecânica. Mantendo-se o eixo bloqueado
Ela é a grandeza que determina a quantidade τ pode-se queimar o motor que passaria a funcionar
de energia elétrica transformada em energia ε' = como simples resistor.
não-térmica (dissipada). q
No SI, a unidade de força contra eletromotriz
é o volt (V). 2.9 RENDIMENTO DO RECEPTOR
Observe no, esquema abaixo, a representação de um
receptor e seus elementos:
ε r’
Defini-se rendimento elétrico do receptor
como sendo o quociente entre a potência η=
PU
A B
não elétrica útil e a potência elétrica PL
i
consumida pelo receptor.
U Como PL = U.i e PU = ε’.i, teremos: η=
ε'
AeB ⇒ Terminais do receptor. U
⇒ Pólos do receptor.
Verifica-se que: 0 ≤ η ≤ 1.
R’ ⇒ Resistência interna do receptor.
ε’ ⇒ Força contra eletromotriz. Para que o rendimento seja igual a 100% (η = 1) ele
U ⇒ ddp nos terminais do receptor. consegue transformar toda a energia elétrica recebida em
O receptor diminui o potencial elétrico das cargas que o energia mecânica, não ocorrendo dissipação por
atravessam, retirando energia elétrica circuito. aquecimento. Esse seria o receptor ideal.

TESTES DE SALA
2.8 EQUAÇÃO DO RECEPTOR 01. Um motor elétrico, de resistência interna 2Ω, é ligado
a uma ddp de 100V. Constata-se que o motor é
Um receptor recebe uma potência P = U ⋅ i percorrido por uma corrente de 5A. Determine:
lançada pelo gerador que é: L a) A fcem do motor;
A potência térmica dissipada b) A potência dissipada internamente;
internamente pelo receptor é: P' = r' ⋅i2 D
c) O que acontece se impedirmos o eixo do motor de
girar.

A partir da definição de força contra eletromotriz, a


potência útil, de natureza não elétrica, no receptor será:
τ
ε' = ⇒ PU = ε'⋅i
q
Como sabemos que PL = PU + PD, substituindo as
expressões anteriores, encontramos:
Onde ε’ indica a ddp útil do receptor
U = ε'+r'⋅i

28
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

02. (UNEB) Na figura, ε1 = 20V, ε2 = 40V, r1 = 2Ω, r2 =3Ω e 3. CAPACITORES


R = 5Ω. A corrente que circula no circuito é igual a:
01) 8A r1 r2 3.1 CAPACITOR PLANO
02) 6A ε1 ε2
03) 4A Dispositivo capaz de armazenar cargas elétricas.
i
04) 2A R
Constituído por duas placas planas e paralelas, onde se
05) 1A verifica um campo elétrico uniforme, o capacitor é
representado como indicado abaixo:
+Q -Q

03. (UEFS) O gráfico representa as curvas características


para um gerador e para um motor elétrico. Com base
nessa informação, pode-se concluir que a soma das d
resistências internas do gerador e do receptor é igual A capacidade eletrostática de um capacitor plano é
a: diretamente proporcional à área A das armaduras e
a) 8Ω U(V) inversamente proporcional à distância d que as separam.
b) 7Ω Variam também com a natureza do dielétrico (isolante)
25 entre as placas.
c) 6Ω
20 Podemos escrever que a capacidade
d) 5Ω A
e) 4Ω eletrostática do capacitor será: C = ε⋅
5 d
0 5 i(A) ε ⇒ Permissividade elétrica do isolante.

Para o vácuo ⇒ ε0 = 8,8x10-12 F/m

Para se carregar um capacitor, +Q -Q


devemos estabelecer um ddp
entre suas armaduras:

04. (UEFS) Com base no circuito, pode-se afirmar que a


corrente é igual a:
a) 1A R2=20Ω R3=5Ω U
b) 2A ε
c) 3A
ε1=10V 2
=40V
A capacidade eletrostática do capacitor será: C =
Q
d) 4A U
R1=2 Ω R4=10Ω
e) 5A Entre as placas paralelas e eletrizadas de um capacitor
ε5=30V ε4=40V ε3=10V plano, existe um campo elétrico uniforme (CEU):

R6=3Ω R5=5Ω Q A
U = E.d onde U = e C = ε ⋅ ; então:
C d

Q σ
E= ou E=
ε⋅A ε

Q
Onde σ= que é a densidade superficial de carga
A

29
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

3.1.1 ENERGIA POTENCIAL NO CAPACITOR 3.1.2 ASSOCIAÇÃO DE CAPACITORES


Considere um gerador que carregue um capacitor como a) ASSOCIAÇÃO EM SÉRIE
indicado abaixo:
C C1;Q C2 ;Q C 3 ;Q
A B

U1 U2 U3
Chave

ε Gerador
U
Em cada instante a Q Num capacitor não existe corrente elétrica. Logo, os
carga do capacitor é capacitores possuirão a mesma carga Q induzida nas
diretamente placas.
proporcional à sua A ddp foi distribuída: U = U1 + U 2 + U 3
ddp:
O nosso objetivo é substituir o Ceq
0 U
conjunto por um capacitor que, Q
nas mesmas condições, sozinho,
Ao ser carregado, a energia acumulada no capacitor será tenha a mesma ddp e a mesma
dada pela área do gráfico QxU acima. Então: quantidade de carga. U

Q.U C.U2 Q2 A capacitância equivalente da 1 1 1 1


E Pot = ⇒ E Pot = ⇒ E Pot = associação é dada por: = + +
2 2 2.C C eq C1 C 2 C 3

C ⋅C
TESTES DE SALA Para dois capacitores: C eq = 1 2
01. Um gerador fornece a um capacitor uma ddp de 25V. C 1 + C2
Sendo a capacidade elétrica do capacitor iguala 2mF,
determinar: C
a) A quantidade de carga no capacitor; Para n capacitores iguais: C eq =
n
b) A energia potencial elétrica armazenada.

b) ASSOCIAÇÃO EM PARALELO
C 1 Q1

C2 Q2
A B

C3 Q3
02. Um capacitor plano, a vácuo, tem placa de área
0,01m², distanciadas entre si de 0,04m. O capacitor é
submetido a uma ddp de 100V. Determine: Gerador
a) A capacidade desse capacitor; U
b) A quantidade de carga elétrica desse capacitor; Nesta montagem distribuímos as cargas da bateria para
c) A intensidade do campo elétrico entre as os capacitores. Todos os capacitores terão a mesma ddp
armaduras; (U).
d) O que ocorre ao se introduzir, entre as armaduras, A carga da bateria foi distribuída:
um dielétrico de permissividade elétrica maior. Q = Q1 + Q 2 + Q 3
Dado: εo = 8,8x10 F/m.
-12

O capacitor equivalente será C eq = C 1 + C 2 + C 3


encontrado da seguinte maneira:

30
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

TESTES DE SALA TESTES DE CASA


01. Três capacitores são associados conforme a figura. 01. No circuito esquematizado ao
Determine: lado, os aparelhos são ideais.
a) A carga e a ddp de cada capacitor; Sabendo que o amperímetro A
b) A ddp da associação; marca 3,0A e o voltímetro R
c) A capacidade equivalente; marca 12V, qual o valor da
d) A energia potencial da associação. resistência R? V

C1=2 µF C2=6 µF C3=12µF 02. (Fuvest-SP) No circuito indicado, dispõe-se dos


A B
seguintes elementos: um amperímetro e um voltímetro
U1 = 12V ideais, que indicam 300mA e 1,5V, e uma lâmpada.
Os elementos simbolizados no circuito pelos números
1, 2 e 3 podem corresponder, respectivamente, a:
a) Amperímetro, lâmpada e
voltímetro. 2
1 ε
b) Voltímetro, lâmpada e 3
amperímetro.
c) Lâmpada, voltímetro e
amperímetro.
d) Lâmpada, amperímetro e
voltímetro.
e) Amperímetro, voltímetro e
lâmpada.

02. Três capacitores estão associados conforme a figura. 03. No circuito esquematizado abaixo, a bateria, o
Determine: amperímetro A e o voltímetro V são ideais.
a)A carga e a ddp de a) Calcule a resistência do resistor equivalente aos
C1=2 µF C2=5 µF C3=10 µF
cada capacitor; U três resistores do 4Ω
b)A carga da Q1 Q2 Q3 circuito.
associação; b) Qual a marcação do V 24V
3Ω
c) A capacidade e a amperímetro?
energia potencial c) Qual a marcação do A
5Ω
elétrica da voltímetro?
associação.

04. No circuito esquematizado abaixo, os voltímetros (V1 e


V2) e a bateria são ideais. Sabe-se que o voltímetro V1
marca 24 volts.
a) Qual a intensidade da V1 V2
corrente no circuito?
8Ω 6Ω
b) Qual a marcação do
voltímetro V2?
c) Qual a força eletromotriz
da bateria?

05. A figura abaixo representa um circuito em que a


bateria é ideal e o fusível F tem resistência
desprezível. Sabendo que o
fusível suporta no máximo 90V
10 ampères (sem se 2Ω
queimar), qual é o menor
valor da resistência do Reostato F
reostato para que o fusível 3Ω
não queime?

31
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

06. Um amperímetro ideal A foi 1Ω 70V 09. No circuito visto na figura abaixo, a 24V
colocado em um circuito como bateria não tem resistência interna.
mostra a figura abaixo. Sabendo Determine, em volts, a diferença de 2Ω
2Ω 4Ω
que a bateria é ideal, qual é a 3Ω potencial UAB entre os pontos A e B.
B 10Ω A
marcação do amperímetro?
A
10. (PUC-SP)
SP) Considerando o circuito abaixo e sabendo
07. No circuito da figura abaixo, A é um amperímetro e V que a diferença de potencial através do resisto R é 4V,
um voltímetro, supostos ideais, cujas leituras são, determine o valo de R.
respectivamente: a) 2Ω
3Ω
a) 6,0 A e 0,5 V b) 8Ω 12V
1Ω 3Ω
b) 3,0 A e 1,0 V c) 4/3Ω
c) 2,0 A e 1,5 V 5Ω
V 6V d) 12Ω R
d) 1,0 A e 2,0 V 4Ω
A e) 4Ω
e) 0,5 A e 2,5 V
11. No circuito abaixo, as resistências R1 e R2 valem,
respectivamente, 20Ω e
08. (ENEM-2013) Um eletricista analisa o diagrama de V
10Ω. Determine o valor em R = 20Ω
uma instalação elétrica residencial para planejar 1
volts da força eletromotriz
medições de tensão e corrente em uma cozinha. a
R2= 10Ω b
ε, sabendo que, quando o
Nesse ambiente existem uma geladeira (G), uma
voltímetro ideal V é ligado
tomada (T) e uma lâmpada (L), conforme a figura. O
entre os pontos a e b, ε
eletricista deseja medir a tensão o elétrica
el aplicada à
acusa uma leitura de 5,0 V.
geladeira, a corrente total e a corrente na llâmpada.
Para isso, ele dispõe de um voltímetro (V) e dois
12. (U.F. Uberlândia) Considere o circuito representado na
amperímetros (A).
figura, onde uma fonte de
f.e.m. ε = 20V, com resistência r ε
interna r = 10Ω, alimenta duas
resistências R1 = 170Ω e R2 = R2
20Ω, calcule:
a) A intensidade da corrente no
circuito; R1
b) A potência fornecida pela
fonte.
Para realizar essas medidas, o esquema da ligação
desses instrumentos está representado em: 13. (Mackenzie-SP)SP) Quando os terminais de uma pilha de
a) d) f.e.m. 1,5V são conectados a um amperímetro de
resistência interna 4Ω, este indica 300mA. Calcule a
resistência interna da pilha.

14. A figura abaixo representa um circuito em que a


b) e)
bateria é ideal. Sabendo que não passa corrente pelo
galvanômetro G, calcule:
X
a)O valor de R;
b)A resistência equivalente 6Ω g i 12 Ω
entre A e B; 1 i

c) A intensidade de i
A G B
c) corrente i; 2 i

d)A ddp entre A e B; 12Ω R

e)As intensidades de
60V Y
corrente i1 e i2; 3Ω

f) A ddp entre X e Y.

32
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

15. No circuito abaixo, a corrente 20. (FCMS-SP) Quanto vale a ddp entre A e B na figura?
na resistência de 5,0Ω é nula. 1Ω
5Ω
2Ω a) Zero A B

a) Determine o valor da 12V b) 7V


resistência X; 3Ω X c) 8V
b) Qual a a corrente fornecida d) 9V r = 1Ω

pela bateria? e) 10V ε = 8V

16. (Mackenzie-SP) No circuito representado abaixo, a


ddp entre os pontos A e B é 78V. As intensidades das 21. Um gerador de força eletromotriz ε = 60V e resistência
correntes nos resistores de resistências 5Ω, 6Ω e 24Ω interna r = 2Ω é ligado a um resistor de resistência R =
são, respectivamente: 8Ω. Calcule:
a) Zero, zero e zero. 8Ω a) A potência total gerada pelo r ε
B
b) 2,0 A, 2,0 A e 2,0 A. gerador;
c) 2,0 A, zero e 6,0 A. 5Ω 6Ω b) A potência dissipada dentro dele;
24Ω
d) 6,0 A, 6,0 A e 6,0 A. c) A potência enviada por ele ao
e) 6,0 A, zero e 2,0 A. circuito externo;
A d) O rendimento do gerador. R
15 Ω
A
17. (Faap-SP) No circuito 22. No circuito esquematizado são
indicado na figura a 12 Ω 4Ω
dados: ε = 9V; R = 2Ω; r = 2,5Ω. R
intensidade da corrente no 6Ω ε
Determine então, a potência
D B
ramo AB e i1 = 5 A. Calcule a dissipada por efeito Joule no
tensão entre os terminais do ε r
9Ω 3Ω gerador.
gerador ideal.
C
23. (Mackenzie-SP) Uma bateria real está fornecendo
máxima potência a um circuito externo. O rendimento
18. (ENEM-2013) Medir temperatura é fundamental em da bateria, nessas condições, é:
muitas aplicações, e apresentar a leitura em a) 50% d) 100%
mostradores digitais é bastante prático. O seu b) 25% e) Diferente desses acima.
funcionamento é baseado na correspondência entre c) 75%
valores de temperatura e de diferença de potencial
elétrico. Por exemplo, podemos usar o circuito elétrico 24. (UERJ) No circuito abaixo, o gerador tem f.e.m. 20V e
apresentado, no qual o elemento sensor de resistência interna 4Ω. Para esse gerador lançar a
temperatura ocupa um dos braços do circuito (Rs) e a máxima potência ao circuito externo, a resistência R
dependência da resistência com a temperatura é do reostato deve ser igual a:
conhecida. ε = 20V r = 4Ω
a) 0
b) ∞
c) 1Ω 3Ω
1Ω
d) 4Ω
e) Diferente dos
anteriores R

25. Um motor elétrico, de força contra eletromotriz ε =


90V, é percorrido por uma corrente de 10 A ao ser
ligado a uma tomada de 110 V. Calcule a resistência
interna desse motor.
Para um valor de temperatura em que RS = 100 Ω, a
leitura apresentada pelo voltímetro será de
26. Um motor de resistência interna de 25Ω é percorrido
a) + 6.2 V. d) - 0,3 V.
por uma corrente de intensidade 800 mA quando
b) + 1.7 V. e) - 6,2 V.
ligado a uma tomada de 110 V. Calcule a força contra
c) + 0.3 V.
eletromotriz desse motor.
19. Um gerador de f.e.m. igual a 10V, quando percorrido
27. (Cesgranrio) Um motor M, de força contra eletromotriz
por uma corrente elétrica de 2,0 A, possui em seus
terminais uma ddp de 9,0V. Sua resistência interna igual a 54V e resistência interna 9Ω, é ligado a um
vale: gerador de força eletromotriz de 80V e resistência
a) Zero. c) 0,5Ω e) 1,3Ω interna 4 Ω. Nessas condições, a intensidade da
b) 0,3Ω d) 1,0Ω corrente elétrica estabelecida no circuito valerá, em
ampères:

33
CURSO FÍSICA BALA
Professor: Roberto Bahiense

a) 2,0 d) 6,0 b) e)
b) 3,4 e) 7,8
c) 5,2

28. No circuito abaixo, R1 = 10Ω; R2 = 30Ω; R3 = 40Ω; R4


= 20Ω; C = 50µF; ε = 24V. A carga no capacitor é:
a) Zero. R1 R2
c)
b) 150µC
c) 450µC C
d) 500µC R3 R4
e) 900µC
ε

29. (Enem-2011)
2011) Um curioso estudante, empolgado com a 31. (ENEM-2014) 2014) Um sistema de
aula de circuito elétrico que assistiu na escola, resolve iluminação foi construído com um
desmontar sua lanterna. Utilizando-sese da lâmpada e da circuito de três lâmpadas iguais
pilha, retiradas do equipamento, e de um fio com as conectadas a um gerador (G) de
extremidades descascadas, faz as seguintes ligações tensão constante. Esse gerador
com a intenção de acender a lâmpada: possui uma chave que pode ser
Tendo
do por base os esquemas mostrados, em quais ligada nas posições A ou B.
casos a lâmpada acendeu? Considerando o funcionamento do
circuito dado, a lâmpada 1 brilhará
mais quando a chave estiver na
posição
a) B, pois a corrente será maior
nesse caso.
b) B, pois a potência total será maior nesse caso.
c) A, pois a resistência equivalente será menor nesse
caso.
d) B, pois o gerador fornecerá uma maior tensão
nesse caso.
a) (1), (3), (6) d) (1), (3), (7) e) A, pois a potência dissipada pelo gerador será
b) (3), (4), (5) e) (1), (2), (5) menor nesse caso.
c) (1), (3), (5)
GABARITO
30. Para ligar ou desligar uma mesma lâmpada a partir de 01. 4Ω 15. a) 6Ω 26. 90V
dois interruptores, conectam-sese os interruptores para 02. B b) 4,5A 27. A
que a mudança de posição de um deles faça ligar ou 03. a) 12Ω 16. E 28. D
b) 2A 17. 35V 29. D
desligar a lâmpada, não importando qual a posição do
c) 6V 18. D 30. E
outro. Esta ligação é conhecida como interruptores 31. C
04. a) 3A 19. C
paralelos. Este interruptor é uma chave de duas b) 18V 20. C
posições constituída por um polo e dois terminais, c) 42V 21. a) 360W
conforme
nforme mostrado nas figuras de um mesmo 05. 4Ω b) 72W
interruptor. Na Posição I a chave conecta o polo ao 06. 10A c) 288W
terminal superior, e na Posição II a chave o conecta ao 07. E d) 80%
terminal inferior. 08. E 22. 10W
09. 20V 23. A
10. A 24. A
11. 15V 25. 2Ω
12. a) 0,1 A
b) 1,9 W
O circuito que cumpre a finalidade de funcionamento 13. 1Ω
descrita no texto é: 14. a) 24Ω
a) d) b) 12Ω
c) 4A
d) 48V
e) i1 = 8/3A e i2 = 4/3A
f) zero

34