Você está na página 1de 13

Sobre Contato Apoio

Elaborado por
Artigo+Fausto
Me. Elisangela Lasta
Processo Considerações
Contextualização Cenário Midiatização Conceitos
Histórico Finais

Midiatização, prática
social – prática de
sentido
Antônio Fausto Neto
Sobre (contextualização)

• Discussão sobre o conceito de midiatização;

• Considerando dois desafios...


• 1º Um conceito em formação;
• 2º Um conceito pouco problematizado;

• Ou seja, os estudos sobre a midiatização estão em


processualidade.
Cenário da Midiatização

• Midiatização é algo maior do as que concepções de


funcionalidades e instrumentalidades;
Processo histórico

• Desenvolvimento das técnicas, dos processos e das práticas de


comunicação...
• A sociedade – é constituída por uma nova natureza sócio-
organizacional, passamos de...
• Estágios de linearidade para a descontinuidade;
• Noções de comunicação associadas a totalidades homogêneas para
fragmento e a heterogeneidades.
• Estrutura dinâmica; compressão espacial e temporal; novo tipo de
real; interações sociais se tecem de ligações sócio-técnicas;
socialidade dá lugar a informacialidade;
• Ocorrem mudanças nos modos através dos quais o capitalismo
organiza a vida social: estruturas e modos de agir dos atores,
ou seja, originando novas formas de mediação/intermediação – ao
invés de ato social, a rede; do vínculo ao fluxo e; do contrato
social a terceirização generalizada.
Midiatização: conceitos e
mecanismos de funcionamento

A midiatização pode ser:

• Uma categoria explicativa do tipo de sociedade em que


vivemos;

• Fenômeno que apresenta no interior questões que


remetem a sua complexidade;

• Determinados mecanismos do seu próprio funcionamento.


Os meios através dos campos

• Rodrigues (2000) – sociologia fenomenológica:


• Enfatiza em um primeiro momento os meios em si destacando as
suas funcionalidades;
• Atrela a essa dinâmica os campos sociais – em destaque – o
campo dos mídia.
• Porém, para Fausto Neto há dois problemas:
• 1º Noção de campo presa à uma visão de campo representacional
(reflete como num espelho);
• 2º Trabalho do campo num lugar de mediação (reconhece que o
campo dos mídias possui autonomia, porém estariam ainda em uma
posição representacional, ou seja, o controle da enunciação
estaria nos outros campos);
• Conceito que instala os meios num lugar de instrumentalidade-
meios a serviço de um fim (poder mediador e representacional).
Dos suportes aos atores

• Barbero – desloca a ênfase dos meios e situa a


problemática da comunicação numa esfera mais
complexa caracterizada pelas interações entre os
meios e outras formas de comunicação e de produção
de sentidos produzidos por outros campos/atores
sociais;
• Transformação dos papéis dos meios – de suportes a
atores;
• Meios ocupam uma centralidade na vida cotidiana
como:
• Fonte de informação; de entretenimento; construção
de imaginários.
Transcendência dos meios e
das mediações

• Sodré (2002) - meios deixam de ser apenas mediadores


– se convertem em: ambiente com suas operações;
• Verón (1997; 1998) – inserção das mídias no
funcionamento das instituições sociais –
midiatização transcende aos meios e as mediações;
• Diagrama de Verón (1997):
• Entender a midiatização e suas processualidades;
• Três campos: o das instituições; o das mídias e; dos
atores sociais;
• Os campos instituem relações e também são
influenciados por relações instituídas;
Esquema para a análise da
midiatização

• 4 Zonas de produção de processos de midiatização:


• C1 – relação dos meios com as instituições e vice-versa;
• C2 – relação dos meios com os indivíduos e vice-versa;
• C3 – relação das instituições com os indivíduos e vice-versa;
• C4 – a maneira que os meios afetam as relações entre as
instituições e os indivíduos e vice-versa;
Sugestões do diagrama

• a) Operações de midiatização afetam práticas institucionais


que se valem de suas lógicas e de suas operações para
produzir novas formas de reconhecimento nos mercados
discursivos;
• b) Agendas midiáticas afetam o mundo dos indivíduos, porém os
indivíduos produzem manifestações do que recebem;
• c) Relações entre instituições e usuários passam a ser
mediadas por protocolos que se apoiam nas lógicas da
midiatização;
• d) Campo dos mídia afeta as relações entre usuários e
instituições e vice-versa;
• e) Os mídias abandonam a clássica posição mediadora e passam
a produzir referencias sobre si próprio (auto-
referencialidade) - a mídia se remete á mídia.
Conclusão

• Relações transversais e relacionais tornam a


midiatização: uma prática social – prática de
sentido;

• Midiatização é: um lugar e também um dispositivo


que liga o social e a significação;

• Tanto técnica quanto linguagem são dispositivos


mais complexos agindo e construindo a própria vida
social;
Contato

Me. Elisangela Lasta


E-mail: elisangela.lasta@gmail.com
Twitter: @ElisangelaLasta
Facebook:Elisangela Lasta
Apoio