Você está na página 1de 10

Aula 03 - Revisão de Potência

7- Potência aparente

Seja um circuito alimentado em sinal senoidal em regime permanente

𝑍̅ = R + j X = Z ∠𝜙

Os sinais de tensão/corrente são descritos pela função cosseno

𝑣(𝑡) = 𝑉𝑚 cos(𝜔𝑡 + 𝜃 )
𝑖(𝑡) = 𝐼𝑚 cos(𝜔𝑡 + 𝜃 )

A potência instantânea na carga é dada por :

p(t)  v(t) i(t)  Vm Im cos ωt   v  cosωt   i 


1 1
cos( A) cos( B )  cos  A  B   cos  A  B 
2 2
1
p(t)  Vm Im cos ( v   i )  cos [ 2 ω t   v   ( v   i )]
2
1 1
p(t)  Vm Im cos  1  cos 2 ω t   v   Vm Im sen sen 2 ω t   v 
2 2
1
sin(𝐴) sin(𝐵) = (cos(𝐴 − 𝐵) − cos(𝐴 + 𝐵))
2
1
cos(𝐴) cos(𝐵) = (cos(𝐴 − 𝐵) + cos(𝐴 + 𝐵))
2

cos(𝐴 − 𝐵) = sin(𝐴) sin(𝐵) + cos(𝐴) cos(𝐵)

cos 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) − (θ − 𝜃 ) = sin 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) sin(θ − 𝜃 ) + cos 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) cos(θ − 𝜃 )

1
𝑝(𝑡) = 𝑉𝑚 𝐼𝑚 cos(θ − 𝜃 ) + cos(θ − 𝜃 ) cos 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) +sin 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) sin(θ − 𝜃 )
2
1
𝑝(𝑡) = 𝑉𝑚 𝐼𝑚 cos(𝜙) + cos(𝜙) cos 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) +sin 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) sin(𝜙)
2
1 1
𝑝(𝑡) = 𝑉𝑚 𝐼𝑚 cos(𝜙) + cos(𝜙) cos 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) + 𝑉𝑚 𝐼𝑚 sin 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) sin(𝜙)
2 2
1 1
𝑝(𝑡) = 𝑉𝑚 𝐼𝑚 cos(𝜙) 1 + cos 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) + 𝑉𝑚 𝐼𝑚 sin 2(𝜔𝑡 + 𝜃 ) sin(𝜙)
2 2

onde

p(t) - A potência instantânea potência que flui no circuito

Primeira parcela : Este termo é composto por uma componente constante e de uma componente senoidal cuja
frequência é o dobro da frequência da tensão.

Segunda parcela : Este termo somente apresenta uma componente senoidal de frequência dupla.

A potência instantânea p(t) corresponde a uma forma de onda senoidal com frequência dupla somada com um
termo constante.

e ∅ = 𝜃 − 𝜃 ângulo da impedância

Se   0 (Resistor puro)
1
 p(t)  Vm Im cos  1  cos 2 ω t   v 
2
1
Pm  Vm Im (Potência média ou Ativa)
2

Neste caso toda a potência gerada no circuito é consumida na carga, mas o valor instantâneo varia no tempo. O
valor médio da potência fornecida pela fonte é constante.

π
Se    [capacitor ( ) ou reator( )]
2
1
 p(t)   Vm Im sen 2(t   v ) (Potência média nula)
2
A potência instantânea para o indutor assume valores positivos e negativos ao longo do tempo. No intervalo em
que a potência assume valores positivos o indutor recebe energia da fonte. No intervalo de tempo seguinte, em
que a potência assume valores negativos, o indutor fornece energia para a fonte. Assim o indutor é considerado
um elemento armazenador de energia no sentido em que a energia armazenada no seu campo magnético num
intervalo de tempo é totalmente devolvida ao circuito no intervalo de tempo seguinte. Na média nada é
convertido em trabalho.

O mesmo ocorre para a potência instantânea num circuito capacitivo, mas os intervalos de tempo são inversos
quando comparados aos de um circuito indutivo. Inicialmente a energia é armazenada no campo elétrico do
capacitor e é devolvida para o circuito no intervalo de tempo seguinte. O capacitor também é chamado de
elemento armazenador de energia (ele não consome energia – potência média nula).

Para qualquer valor de 

A potência instantânea assume valores positivos e negativos e o valor médio da potência fornecida para o
circuito corresponde ao termo constante.

𝑃 = Vm Im cos ∅ ou 𝑃 = 𝑉 I cos ∅ [W]

Potência ativa = Potência média (esta parcela está associada à energia que é convertida em trabalho)

A carga irá devolver energia para a fonte em função da presença de elementos armazenadores de energia
(indutor/capacitor)

Potência reativa = Valor máximo do termo associado às cargas reativas (parcela associada à energia necessária
para formar os campos elétricos e magnéticos nos capacitores e indutores)

𝑄 = Vm Im sin ∅ ou 𝑄 = 𝑉 I sin ∅ [Var]

Pausa para mais um conceito::::::


Valor eficaz:
A Figura abaixo corresponde a um circuito em que uma lâmpada pode ser conectada a uma fonte de
corrente contínua (fechando-se a chave ch1) ou a uma fonte de corrente alternada (fechando-se a chave
ch2). A tensão da fonte c.c. é igual a Ucc e a da fonte c.a. é senoidal e igual a:
𝑢(𝑡) = 𝑈 sin(𝜔𝑡)

ch1 ch2

- Ucc ~ u(t) lâmpada

Alimentação CC

Com a chave ch1 fechada, circula pela lâmpada uma corrente contínua de valor Icc . A potência entregue a
ela corresponde a:
𝑃 = 𝑈 𝐼 = (𝑅𝐼 )𝐼 = 𝑅𝐼 [𝑊] cc

em que R é a resistência do filamento da lâmpada (desconsiderar a sua variação com a temperatura).


Tomando como referência um instante de tempo t0, a energia consumida pela lâmpada em um intervalo de
tempo T vale:

𝐸 = 𝑃 𝑑𝑡 = 𝑅𝐼 𝑑𝑡 → 𝐸 = 𝑃 𝑑𝑡 = 𝑅𝐼 𝑇 [𝑊ℎ]

Alimentação CA

Com a chave ch2 fechada, circula pela lâmpada uma corrente alternada do tipo:
𝑢(𝑡)
𝑖(𝑡) = = 𝐼 sin(𝜔𝑡) [𝐴]
𝑅
Neste caso, a potência entregue à lâmpada é variável no tempo, pois resulta do produto de uma tensão
por uma corrente, ambas variáveis no tempo.
𝑢(𝑡)
𝑝(𝑡) = = 𝑖 (𝑡)[𝑊]
𝑅
A energia consumida pela lâmpada em um intervalo de tempo T a partir de t0 é dada por:

𝐸 = 𝑝(𝑡) 𝑑𝑡 = 𝑅 𝑖 (𝑡)𝑑𝑡 [𝑊ℎ]

Impondo-se a condição de que a energia consumida pela lâmpada nos dois casos seja a mesma, tem-se:
𝐸 =𝐸 → 𝑅𝐼 𝑇=𝑅 𝑖 (𝑡)𝑑𝑡

1
𝐼 = 𝑖 (𝑡)𝑑𝑡 [𝐴]
𝑇
Sendo T o período da corrente i(t), o termo do lado direito da expressão anterior é denominado valor eficaz
da corrente alternada i(t), ou seja:

1
𝐼 = 𝑖 (𝑡)𝑑𝑡 [𝐴]
𝑇

Assim, se a fonte de corrente contínua é ajustada de tal forma que a corrente que circula pela lâmpada, Icc, é
igual ao valor eficaz Ief da corrente alternada i(t), a energia consumida pela lâmpada nos dois casos é a
mesma. O valor eficaz de uma forma de onda é também conhecido como valor RMS (root-mean-square).

O valor eficaz ou RMS (root mean square) de um sinal periódico qualquer é definido em função da potência
média fornecida por esse sinal a um resistor unitário. Para se medir o valor eficaz da onda de tensão ou de
corrente, recorre-se à expressão geral que resulta dessa definição, ou seja:

1 T
Vef =
T 
0
v 2 (t )dt

1 T
I ef =
T 
0
i 2 (t )dt

em que T corresponde ao período da onda.

Se o sinal for senoidal, este valor eficaz pode ser explicitado em função da amplitude da onda, resultando:

Vp
Vef   0,707 V p
2

onde Vp corresponde ao valor de pico da onda senoidal.

Vamos voltar para potência no circuito CA

Descrevendo a potência em termos dos fasores de tensão e corrente, onde:

𝑉̇ = 𝑉 ∠0
𝐼̇ = 𝐼 ∠ − ∅
𝑆̅ = 𝑃 + 𝑗 𝑄 = 𝑉̇ 𝐼 ∗̇
𝑆̅ = 𝑉 I cos ∅ + 𝑗 𝑉 I sin ∅
Para ∅ = 0 elemento resistivo => 𝑆̅ = 𝑃 (potência reativa nula)

Para ∅ = ± elemento reativo => 𝑆̅ = 𝑄 (potência ativa nula)

S - potência aparente [VA] - número complexo (grandeza utilizada para dimensionar as instalações e
equipamentos em geral)

P - potência ativa [W]

Q - potência reativa [Var]

Abaixo o triângulo das potências

circuito indutivo : carga consome reativo 𝑄>0

circuito capacitivo : carga gera reativo 𝑄<0



𝑉̇ |𝑉|
𝑆̅ = 𝑉̇ 𝐼 ∗̇ = 𝑉̇ . =
𝑍̅ 𝑍̅ ∗

Exercício

Calcule a potência consumida pelas cargas abaixo. Desenhe o triângulo das potências.

½

10 cos 8t
1 2

Circuito fasorial

j4

7,070
1 2

 = 8 rad/s

7,07
𝑆 = = 50 𝑉𝐴 => 𝑃 = 50 𝑊 𝑓𝑝 = 1
1
7,07
𝑆 = = 5 + 𝑗 10 𝑉𝐴 => 𝑃 = 5 𝑊 ; 𝑄 = 10 𝑉𝑎𝑟; 𝑓𝑝 = 0,447 𝑖𝑛𝑑 𝑜𝑢 𝑎𝑡𝑟𝑎𝑠
2 − 𝑗4
𝑆 = 55 + 𝑗 10 𝑉𝐴 => 𝑃 = 55 𝑊; 𝑄 = 10 𝑉𝑎𝑟 ; 𝑓𝑝 = 0,984 𝑖𝑛𝑑

Repita o exercício para o circuito abaixo

½H
3 1H

¼F
½F 1

5√2 cos 2t

Q=4 Var
j
3 j2

P=7 W P=6 W
Q=1 Var Q=4 Var -j 2 
-j  1
Q=-2 Var
5 0 V
Q=-5Var P=1 W
 = 2 rad/s
Verificar quem gera e quem consome potência reativa;

Desenhar o triângulo das potências

FATOR DE POTÊNCIA

O fator de potência é a razão entre a potência ativa e a potência aparente de uma determinada carga, ou seja:

𝑃
𝑓. 𝑝. = = cos(∅)
𝑆

Isto significa que o fator de potência indica a fração da potência aparente que pode ser dissipada ou
transformada em trabalho .

O fator de potência varia entre 0 ≤ 𝑓𝑝 ≤ 1, nunca sendo negativo. Um elemento indutivo consome potência
reativa e um elemento capacitivo gera potência reativa.

O fator de potência é dito indutivo ou atrasado quando a carga é indutiva. Neste caso a corrente encontra-se
atrasada em relação à tensão, sendo por isto denominado fp atrasado.

O fator de potência é dito capacitivo ou adiantado quando a carga é capacitivo. Neste caso a corrente encontra-
se adiantada em relação à tensão, sendo por isto denominado fp adiantado.

9 - CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

A potência ativa é gerada somente nas fontes, mas a potência reativa pode ser gerada por um capacitor (Q < 0).
A potência que se deseja transmitir é a potência ativa, mas a potência reativa é consumida pelas diversas cargas
do sistema elétrico, como nos motores, não sendo possível eliminá-la. É desejável que a potência reativa seja
atendida localmente, de modo a reduzir o fluxo de potência reativa pelos condutores. Ao se reduzir o fluxo de Q
se reduz a corrente total do circuito, permitindo que condutores menores sejam utilizados. Além disto reduz-se
a perda nos condutores (𝑅. 𝐼 ).
A injeção ou o consumo de potência reativa também controla a tensão num sistema elétrico, sendo o capacitor
e o reator utilizados para elevar e reduzir a tensão do circuito, respectivamente.

Um grande consumidor deve manter o fator de potência do seu consumo igual ou superior a 0,92. O fp é
monitorado continuamente, assim como a sua potência ativa. Normalmente um consumidor corrige o fp da sua
carga instalando um banco de capacitor na entrada da sua fábrica.

Suponha que a carga de uma fábrica alimentada em 127 V (60 Hz) é composta por uma iluminação de 100 W e
um motor de 265,883 VA com fp 0,786 ind. Calcule a potência total da carga e corrija o seu fp. Indique como isto
será feito.

𝑆 = 100 𝑉𝐴
𝑆 = 265,883∠38,17° 𝑉𝐴 = 209,032 + 𝑗 164,315 𝑉𝐴
𝑆 = 309,032 + 𝑗 164,315 𝑉𝐴 = 350 ∠28 ° 𝑉𝐴; 𝑓𝑝 = 0,8848 𝑖𝑛𝑑
309
cos (0,92) = 23,074° => 𝑆 = = 335,870 𝑉𝐴 =>
0,92
𝑄 = 335,87 sin(23,074) = 131,634 𝑉𝑎𝑟
𝑄𝑑𝑒𝑠 = 𝑄 + 𝑄𝑐𝑜𝑚𝑝 => 131,634 = 164,315 + 𝑄𝑐𝑜𝑚𝑝 => 𝑄𝑐𝑜𝑚𝑝 = −32,681 𝑉𝑎𝑟
𝑉 127
𝑄𝑐𝑜𝑚𝑝 = = = 32,681 𝑉𝑎𝑟 => 𝑋 = 493,528 Ω
𝑋 𝑋
1 1
X= => 𝐶 = = 5,3746 𝜇𝐹
𝜔𝐶 377 . 493,528

Exercício 2

Uma indústria alimentada em 220 V a 60 Hz tem as seguintes cargas monofásicas:

a. 4 motores de 2 HP operando com eficiência de 75 % e fp 0,85 atrasado;


b. Aquecedores resistivos com carga total de 0,5 kW;

Obtenha a potência aparente da fábrica, o seu fp e corrija o fp para atender à legislação de fp 0,92 se
necessário. (1 HP = 746 W)

a) 𝑃 = 2 . 746 = 1492 𝑊 ; 𝜂 = 0,75 => 𝑃𝑒𝑛𝑡𝑟 = ,


= 1989,333 𝑊
,
a)𝑆𝑒𝑛𝑡𝑟 = ,
= 2340,392 ∠31,788 ∘ 𝑉𝐴 ; 𝑄 = 1232,878 𝑉𝑎𝑟

b) 𝑃 = 500 𝑊
𝑆𝑡𝑜𝑡 = 8457,333 + 𝑗 4932,878 𝑉𝐴 = 9790,11∠30,25 ∘ 𝑉𝐴
𝑄𝑑𝑒𝑠 = 3602,81 𝑉𝑎𝑟
𝑄𝑐𝑜𝑚𝑝 = −1328,7 𝑉𝑎𝑟 => 𝑋𝑐𝑜𝑚𝑝 = −36,4265 Ω
𝐶 = 72,818 𝜇𝐹
10 - DESCREVER UMA CARGA PELA SUA POTÊNCIA

Normalmente uma carga é descrita por sua potência consumida (ou gerada), sempre lembrando que estamos
nos referindo à potência aparente ou complexa. Como visto no exercício anterior, tínhamos os motores dados
por sua potência (no caso HP) e as cargas resistivas (que poderiam ter sido de iluminação) dadas por sua
potência (W). A partir destas informações podemos construir o circuito elétrico e obter os parâmetros R Xl Xc
para calcular qual a potência do gerador, por exemplo.

Para isso devemos ter as seguintes informações das cargas:

a. potência;
b. fator de potência;
c. tensão de alimentação.

As cargas geralmente encontram-se alimentadas em um circuito em paralelo, com a tensão de alimentação


imposta a todas as cargas.