Você está na página 1de 112

Arqueologia

do Mundo Bíblico
Arqueologia
do Mundo Bíblico
Acir Raymann
Conselho Editorial EAD
Dóris Cristina Gedrat (coordenadora) Andrea Eick
Mara Lúcia Machado André Loureiro Chaves
José Édil de Lima Alves Cátia Duizith
Astomiro Romais

Obra organizada pela Universidade Luterana do Brasil. Informamos que é de


inteira responsabilidade dos autores a emissão de conceitos.
Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio ou
forma sem a prévia autorização da Editora da ULBRA.
A violação dos direitos autorais é crime estabelecido na Lei nº .610/98 e punido
pelo Artigo 184 do Código Penal.

Acir Raymann possui graduação em Pedagogia pela Faculdade Porto-Alegrense


de Educação, Ciências e Letras (1972), graduação em Teologia pelo Seminário
Concórdia (1970), Mestrado em Teologia pelo Concordia Seminary (1974) e
Doutorado em Teologia pelo Concordia Seminary (1999). Atualmente, é professor
adjunto da Universidade Luterana do Brasil e professor titular do Seminário
Concórdia. Tem experiência na área de Teologia, com ênfase em Teologia do
Antigo Testamento, atuando principalmente nos seguintes temas: hebraico bíblico,
Antigo Testamento, exegese, hermenêutica e arqueologia bíblica.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

R267a Raymann, Acir


Arqueologia do mundo bíblico / Acir Raymann. – Canoas : Ed. ULBRA,
2010.
112 p.

1. Arqueologia bíblica. 2. Religião. I. Título.

CDU 22:902

Setor de Processamento Técnico da Biblioteca Martinho Lutero - ULBRA/Canoas

ISBN 978-85-7528-323-3
Projeto Gráfico: Humberto G. Schwert Dados técnicos do livro
Editoração: Rodrigo Saldanha de Abreu Fontes: Minion Pro, Officina Sans
Capa: Juliano Dall’ Agnol Papel: offset 90g (miolo) e supremo 240g (capa)
Medidas: 15x22cm
Coordenação de Prod. Gráfica: Edison Wolf
Impressão: Gráfica da ULBRA
Setembro/2010
Sumário

Apresentação............................................................... 7

1 | Arqueologia: definição e natureza................................. 11

2 | Breve história da arqueologia na Palestina..................... 17

3 | Métodos de escavação................................................. 27

4 | Os períodos arqueológicos da Palestina.......................... 35

5 | Período do Bronze...................................................... 43

6 | Período do Ferro (1.200 a.C.-722) –

Período Israelita: a Conquista....................................... 55

7 | Período Persa (587 a.C.).............................................. 73

8 | Período Romano (63 a.C.)............................................ 83

9 | Arqueologia e o Novo Testamento................................. 91

10 | Arqueologia e Jesus.................................................... 95

Referências..............................................................107
Apresentação
Independente da razão que leva você a ler ou estudar a Bíblia, logo vai se
dar conta de que não precisa ir muito longe, tanto no Antigo quanto no Novo
Testamento, para querer saber mais a respeito do seu pano de fundo.
A mensagem bíblica em si é clara no seu propósito de mostrar o caminho
da salvação revelado em Jesus Cristo. Do ponto de vista teológico, as Escrituras
Sagradas não dependem de fatores externos a ela para trazer pessoas ao
conhecimento de Deus pela fé. As Escrituras têm uma confiabilidade intrínseca,
própria, exatamente porque são a Palavra inspirada de Deus. Mas, independente
desse fato, devemos olhar para a Escritura como um livro histórico e escrito
por homens – homens que viveram num determinado tempo e espaço. E a
arqueologia, neste particular, pode tornar mais concretas e vivas as circunstâncias
nas quais o texto bíblico se desenvolveu.
Nas últimas décadas, a arqueologia – especialmente a bíblica – tem se tornado
bastante popular. Cada vez mais pessoas se interessam e se fascinam pelas
descobertas, algumas comprovando o relato bíblico, outras deliberadamente
sendo expostas com o fim de questionar a autoridade da Palavra. É difícil passar
uma semana sem que assuntos relacionados à arqueologia sejam lançados em
televisão, revistas e em sites da internet.
8 Apresentação

O estudante de teologia hoje possui inúmeros recursos para deles se


beneficiar no esclarecimento e na elucidação do texto bíblico. Muitas vezes se
pensa como pastores, teólogos e leigos do passado podiam compreender certos
aspectos da Bíblia sem o assessoramento instrumental de que hoje dispomos. O
próprio Dr. Martinho Lutero, no prefácio do seu comentário a Isaías, orienta os
leitores do profeta dizendo que “seria bom saber como os territórios [bíblicos]
se situavam uns em relação aos outros, com a finalidade de que as palavras e os
nomes estrangeiros e desconhecidos não causem desprazer na leitura, criando,
outrossim, obscuridade ou impedimento à compreensão”. E nesse sentido ele
próprio descreve as regiões, cidades e geografia dos locais para ajudar seus
leitores na compreensão do que Deus está a dizer por intermédio de Isaías
(LUTERO, Martinho. Obras Selecionadas. V. 8. São Leopoldo/Porto Alegre:
Sinodal/Concórdia, 2003, p. 47).
Por mais de um século a arqueologia vem desenterrando informações
que têm ajudado a melhor compreender a história dos templos bíblicos, seus
povos, lugares, culturas, ambientes, pensamentos e ações. Se de um lado isso
é verdade, de outro há a desconfiança e o preconceito quanto à aceitação de
dados fornecidos e interpretados pelos arqueólogos, especialmente por parte
do moderno criticismo. Para alguns intérpretes liberais do texto bíblico a
arqueologia provoca coceira nos ouvidos. Quando Julius Wellhausen, ainda
no século XIX, configurava a Hipótese Documentária com a sua teoria das
fontes, foi-lhe oferecida uma viagem à Palestina para atestar in loco descobertas
arqueológicas que questionavam sua teoria, mas ele não aceitou. Embora não seja
este o propósito deste livro, é importante que se diga que em alguns momentos a
arqueologia do mundo bíblico tem trazido evidências diretas que destemperam
críticas exacerbadas contra a historicidade tanto do Primeiro quanto do Segundo
Testamento.
O objetivo maior deste livro é oportunizar a que o estudante de teologia
se familiarize um pouco mais com a história, a metodologia e os períodos
arqueológicos englobados na narrativa bíblica desde o seu início até ao tempo
de Jesus. O texto bíblico na verdade é como um palco e nele estão o mundo e os
personagens bíblicos – e Deus como seu protagonista. Este livro não terá outra
Apresentação 9

função senão a de oferecer, tanto quanto possível, e num pequeno espaço, o


pano de fundo desse palco para trazer ao estudante da Bíblia maior iluminação
para a compreensão e o apreço da mensagem salvadora.

Acir Raymann
1

Arqueologia: definição e natureza


Há um episódio contado pela escritora inglesa Agatha Christie, que era
casada em segundas núpcias com o importante arqueólogo Max Edgar Lucien
Mallowan. Dizia ela: “A maior vantagem de ser casada com um arqueólogo é
que, quanto mais velha fico, mais ele gosta de mim”.1
Arqueologia pode ser isso, gostar, apreciar e interessar-se por coisas antigas.
Mas o conceito de Arqueologia é bem mais amplo. Vai além do simples ver e
apreciar. Ela abrange o tempo desconhecido, os valores escondidos, as culturas
enterradas por milênios.
O termo “arqueologia” deriva de dois termos gregos: archê, que quer dizer
antigo, princípio (o mesmo termo que aparece em João 1.1), e logia, que significa
palavra. Etimologicamente, portanto, arqueologia diz respeito ao estudo da
realidade antiga. O termo não é novo. Tucídides, por exemplo, na sua História
da Guerra do Peloponeso, faz um resumo da história da Grécia sob o título
“Arqueologia”. Na definição de Roland DeVaux, arqueologia envolve tudo que
exiba traços da presença ou atividade humana no passado. Como tal, ela tem
como objetivo a busca, a observação, o resgate e a preservação de fragmentos
que enterram o passado. Nesse sentido, a Arqueologia é uma ciência; mas não é
uma ciência exata como Física, Matemática, mas sim uma ciência que, aliada à
História e à Antropologia, fornece elementos que ajudam a conhecer mais sobre

|| 1 FEILER, Bruce. Pelos caminhos da Bíblia: uma viagem através do Antigo Testamento. Maria Luiza Newlands
Silveira e Fernanda Rangel de Paiva Abreu, trad. Rio de Janeiro: Sextante, 2002, p. 122.
12 Arqueologia: definição e natureza

culturas e civilizações passadas ao mesmo tempo em que nos faz refletir sobre
a nossa própria história. Nesse sentido, a Arqueologia nos ajuda e identificar
de onde viemos, por quais estágios de desenvolvimento cultural e tecnológicos
passamos e, a partir daí, como podemos delinear o nosso futuro.

1.1 Arqueologia e interdisciplinaridade


A Arqueologia está relacionada a outras disciplinas do saber. Em vez de
uma oposição, há uma interação entre elas. Embora diferentes no seu escopo,
Arqueologia e História, por exemplo, trabalham irmanadas. A História, para
desempenhar o seu papel dentro das ciências, depende de registros e elementos
escritos. A ausência do testemunho escrito cria um hiato no processo descritivo
e analítico da História. E é nesse hiato que entra em ação a Arqueologia. Como
diria proeminente arqueólogo, “a importância da arqueologia diminui à medida
que registros escritos se tornam mais abundantes”.2
Assim como entendemos que a Filosofia é uma auxiliar da Teologia, da
mesma forma pode-se dizer que a Arqueologia é uma ciência auxiliar da História
e da própria Teologia. A palavra “auxiliar” pode implicar certa inferioridade nessa
relação. Entretanto, não é esse o sentido, e especialmente entre os arqueólogos,
que acreditam estar hoje em contato mais direto com a realidade do que os
historiadores ou, em termos modernos, que são mais científicos.3 Enquanto a
História talvez possa ser escrita de uma perspectiva tendenciosa, a Arqueologia,
por outro lado, revela como viviam as pessoas nas suas diferentes atividades,
sem distinção de classes ou pessoas. A Arqueologia não faz qualquer tipo de
discriminação, seja ela racial, social ou econômica. Visto que a Arqueologia
revela surpresas, o pesquisador pode se deparar, e realmente o faz, com a casa
pobre e simples do trabalhador rural e ao mesmo tempo com o palácio rico e
sofisticado do monarca da cidade.
Caracterizar arqueologia não é tarefa das mais simples. Ela é uma disciplina
bastante ampla. Por isso mesmo, o contingente de especialistas que atuam
em conjunto dá uma ideia da sua abrangência. Por natureza da sua função, a
arqueologia moderna se fundamenta em uma abordagem interdisciplinar. Ela

|| 2 AVI-YONAH, Michael. Archaeology. Jerusalem: Keter, 1974, p. 1.


|| 3 CHARLES-PICARD, Gilbert. Encyclopedia of Archaeology. New York: Larousse and Co., Inc., 1984, p. 9.
Arqueologia: definição e natureza 13

envolve paleontólogos, antropólogos, filólogos, botânicos, osteólogos, geólogos,


especialistas em ceramografia, historiadores, programadores de computadores,
estatísticos. Estes e outros profissionais estão unidos no único propósito de
decifrar, analisar, catalogar e interpretar uma cultura, um sítio, um artefato.
Alguns episódios descritos no texto bíblico podem ser em parte esclarecidos
e recriados – e efetivamente o são – por evidências materiais; mas, na maioria
dos casos, isso não é possível. Ao se falar sobre arqueologia bíblica, portanto,
deve-se levar em conta que o papel da arqueologia é limitado e, por isso, incapaz
de recriar as experiências pessoais dos indivíduos com o Deus das Escrituras
Sagradas. A arqueologia está atrelada a fatos. Se quisermos saber o que aconteceu
quando Deus entregou a sua Lei a Moisés no monte Sinai, ou o que se passou
no túmulo de Jesus, precisamos confiar no registro bíblico, pois não há outro
recurso disponível.
Qualquer debate sobre arqueologia deve começar por se desconstruir noções
populares sobre o assunto. No filme Indiana Jones e a Última Cruzada, o professor
Jones, vivido por Harrison Ford, informa seu colega de que “arqueologia é a
busca pelo fato, não pela verdade. Se for verdade o que você procura, a aula de
filosofia é ali no fim do corredor”. Sem dúvida que arqueologia é a busca por
fatos, embora haja algo de romântico sobre a busca pela verdade.
De certa forma, a arqueologia bíblica começou com a busca pela verdade.
No início do século XIX, a Bíblia ocupava o centro da atividade intelectual do
Ocidente. O surgimento da consciência científica, entretanto, levantou dúvidas
sobre a compreensão tradicional da Bíblia. Como contraponto a esta posição
moderna – e talvez em resposta a ela – é que exploradores, tais como Edward
Robinson, iniciaram na Palestina a procura por lugares bíblicos mencionados
nas fontes que agora passavam a ser questionadas.4
Organizações, como o próprio Fundo para a Exploração da Palestina, como
veremos adiante, apelavam por recursos, declarando que “aqueles que valorizam
a remoção de dificuldades para a correta compreensão do texto sagrado devem
ser os primeiros em ajudar a organização que não tem outro objetivo senão o de

|| 4 DAVIS, Thomas W. Shifting Sands: The Rise and Fall of Biblical Archaeology. New York: Oxford University Press,
2004, p. 10.
14 Arqueologia: definição e natureza

removê-las”.5 Não há como negar que a arqueologia bíblica começou com um


interesse e uma busca pela verdade.

1.2 Relevância da arqueologia bíblica


Deve ficar claro que a arqueologia não tem como objetivo principal provar a
veracidade do texto bíblico. A verdade metafísica da Bíblia não pode ser provada
por meios puramente físicos. Por outro, de forma alguma se deve negar o refrão
“a arqueologia prova que a Bíblia é verdadeira”. Não são poucas as vezes em que
isso acontece. A relevância da arqueologia com relação ao texto bíblico pode ser
observada em pelo menos quatro aspectos:

a. A arqueologia fornece o pano de fundo para a Escritura. Os personagens


do texto bíblico viveram num ambiente real e humano.
b. A arqueologia serve como subsídio complementar à Escritura. A Escritura
nem sempre, ou raramente, fornece dados completos. Por exemplo: o texto
fala que Davi entrou em Jerusalém de uma forma inusitada; a arqueologia
mostra que a fonte de Giom foi estratégica nessa aventura. A Bíblia trata
do rei Onri em apenas 6 versículos, mas a arqueologia mostra que ele foi
um grande construtor e que até lutou contra assírios e moabitas. Pela
arqueologia sabemos que o rei Acabe também lutou contra os assírios,
detalhe que a Escritura não menciona.
c. A arqueologia é auxílio na tradução e interpretação da Escritura. Por
exemplo: no texto hebraico, quando aparecia a palavra tel, os tradutores
tinham certa dificuldade em como traduzi-la; com o advento da
arqueologia, a tradução ficou mais precisa.
d. A arqueologia serve como instrumento corretivo de falsos pressupostos.
Exemplo: nos capítulos 4 e 5 de Daniel se diz que o rei Belsazar sucede
ao rei Nabucodonosor. Como os registros babilônicos não mencionam o rei
Belsazar, a crítica acusava de erro o texto bíblico. Finalmente, em 1853,
em escavações em Ur, aparece inscrição onde se menciona que Belsazar
era corregente com seu pai Nabonido.

|| 5 GROVE, C. Quarterly Statement of Progress. Palestine Exploration Quarterly 1 (1869): 9.


Arqueologia: definição e natureza 15

Detalhes destes aspectos veremos mais adiante neste livro, mas é importante
salientar que equilíbrio e bom senso são importantes ao se relacionar a verdade
metafísica da Bíblia com os meios puramente físicos.

Atividade
A partir da afirmação do professor Jones, neste capítulo, explique em que
sentido a arqueologia se relaciona com “fato” e não com “verdade”. É possível
integrar esses dois conceitos com a disciplina que estamos estudando?
2

Breve história da arqueologia


na Palestina
A Arqueologia Bíblica é uma disciplina recente. Até o início do século
XVIII, a Bíblia era praticamente o único testemunho a respeito dela própria.
Evidentemente, havia algumas fontes da literatura antiga de escritores gregos
e romanos como Homero, Heródoto, Virgílio e Tácito e as especulações não
fundamentadas de alguns filósofos. Do ponto de vista da história, havia a obra
abalizada do judeu Flávio Josefo e do historiador cristão Eusébio de Cesareia
– mas o estudo deles estava praticamente restrito a pessoas familiarizadas com
a literatura clássica.

2.1 Primeiros “arqueólogos”


Os primeiros arqueólogos, se é que podemos chamá-los dessa forma, foram
os ladrões de tumbas antigas. Estes pilhavam os mausoléus e sepulcros, mesmo
correndo o risco de ficarem presos com os tesouros pelo desabamento da
estrutura da tumba ou de serem mortos quando aprisionados. Mesmo que o
crime também nesse setor não compense, a cobiça sempre desafiou os perigos, e
os saques a túmulos e a sítios arqueológicos continuam até nossos dias. Apenas
para mencionar um exemplo recente, no Iraque os saques aos lugares históricos
são frequentes e à luz do dia. Escavações clandestinas são parte da rotina naquele
18 Breve história da arqueologia na Palestina

país e, segundo H. Shanks, “saqueadores organizados carregam milhares de


tabletes cuneiformes a cada semana”.6
Deixando de lado esse aspecto interesseiro e lúgubre, pode-se dizer que
a preocupação pela preservação de artefatos também acontece por motivos
mais elevados. Um dos primeiros arqueólogos nesse sentido foi o rei assírio
Assurbanipal (668-629). Ele foi o último dos grandes reis da Assíria. As
iniciativas de Assurbanipal não se restringiam apenas às suas conquistas
militares. Demonstrou interesse também no arquivamento de informações
obtidas nos vários campos da atividade humana. Esta iniciativa resultou na
construção da biblioteca de Nínive, onde armazenou, quem sabe, uma infinidade
de documentos em papiro, pergaminho e, com certeza, tabletes de argila. Nela
foram guardados desde narrativas míticas e decretos oficiais a enormes tratados
de medicina e listas de componentes da flora e da fauna. Um incêndio em Nínive
em 612 a.C. incinerou os materiais frágeis, conservando-se para a história apenas
o conteúdo dos tabletes em argila, ainda mais fortalecidos pelo fogo.

2.2 A “moderna” arqueologia científica


A “moderna” arqueologia científica no Antigo Oriente Próximo (AOP)
começou com Napoleão Bonaparte. Em 1798, Napoleão invadiu o Egito levando
consigo um grupo de cientistas com o propósito de estudar a cultura e a religião
do Egito. Anos mais tarde, foi publicada a obra em francês Descrição do Egito,
que se tornou a janela pela qual a Europa começou a se fascinar pela arqueologia
no Antigo Oriente Próximo.
A descoberta mais importante foi uma pedra encontrada acidentalmente na
cidade de Roseta, no Delta do Nilo. A Pedra de Roseta tinha cerca de 7 metros
de altura, quase um metro e meio de largura e 33 centímetros de espessura,
pesando aproximadamente 760 quilos. Compunha-se de três faixas de inscrições,
em três línguas diferentes, sendo uma delas o grego coiné, a mesma do texto do
Novo Testamento. Como o grego era conhecido, ficou fácil decifrar o que estava
escrito. O texto grego dizia que a pedra havia sido erigida em 196 a.C. e continha

|| 6 SHANKS, Hershel. Roundup of Annual Meetings. Biblical Archaeology Review 31 (March/April 2005): 48.
Breve história da arqueologia na Palestina 19

Pedra de Roseta: aqui a arqueologia começa a fazer sentido

decretos de rotina. O inusitado é que a mesma coisa estava escrita nas outras duas
versões: numa escrita conhecida como demótica e, o mais impressionante, em
hieróglifos egípcios, a até então indecifrável escrita dos faraós. Quem conseguisse
traduzi-los teria acesso a quase três milênios de história. A partir do grego, o
francês Jean-François Champollion e o britânico Thomas Young propuseram
que os caracteres cercados por cartuchos7 seriam nomes de faraós e com isso se
identificou o nome de Ptolomeu V Epifanes, que governou o Egito de 205 a 180
a.C., e sua rainha. A partir de então os hieróglifos deixam de ser um mistério,
marcando um passo significativo no conhecimento da cultura egípcia e dando
início a encantos pela arqueologia.
Deixando o Egito e passando sobre a Palestina, vamos até o outro lado do
assim chamado Crescente Fértil,8 a região da Mesopotâmia. Diferente do Egito,
poucos monumentos sobreviveram nessa extensa planície entre os rios Tigre
e Eufrates. Mesmo assim, achados esporádicos e relatos feitos por visitantes

|| 7 Moldura decorativa que envolvia caracteres hieróglifos.


|| 8 A expressão “Crescente Fértil” vem da forma que a Lua ocupa quando está em forma crescente. Em direção ao
ocidente, este crescente toca o mar Mediterrâneo. Ao norte e a leste ele é cercado por montanhas elevadas,
quase intransponíveis, as cordilheiras Tauros, Ararate e Zagros. No vazio do Crescente Fértil fica o deserto
sírio-arábico, que se estende desde o oeste para o deserto de Parã, na Península do Sinai.
20 Breve história da arqueologia na Palestina

na área estimularam a curiosidade de alguns pesquisadores. Em 1842, Paul-


Émile Botta, vice-cônsul da embaixada francesa em Mosul, na Mesopotâmia,
escavou num lugar que depois se descobriu ser Korsabab, a capital do rei
assírio Sargão II.
Tentando seguir os passos de Botta, o inglês Austen Henry Layard
procurou pela cidade de Nimrode, que levava o nome de um personagem
bíblico de mesmo nome (Gênesis 10.8-9). Layard escavou Nimrode por
seis anos, quando descobriu que Nimrode era, na verdade, a cidade de
Calá, capital dos assírios no século IX a.C. Em 1849, quando chefiava uma
expedição arqueológica na margem leste do rio Tigre, Layard finalmente
se deparou com a antiga Nínive. Dentre as inúmeras obras de arte, sua
mais importante descoberta foi a biblioteca de Assurbanipal, um acervo
composto de milhares de tabletes de argila do século VII a.C., com inscrições
cuneiformes.9 Nessa empreitada, inúmeras esculturas, relevos e tabletes
emergiram e o interesse de museus por tais artefatos cresceu muito. Embora
por vezes tais explorações iniciais não se distinguissem de uma caça a
tesouros e terem sido altamente destrutivas em seus métodos, elas chamaram
a atenção de estudiosos em toda a Europa.
Como Terra Santa, a Palestina sempre atraiu peregrinos e cruzados, mas
seu interesse pelos lugares antigos era, acima de tudo, um interesse piedoso.
O primeiro a vir à Palestina com olhos bem abertos para a pesquisa científica
foi Edward Robinson. Junto com Eli Smith, missionário radicado em Beirute,
Robinson fez duas viagens de exploração que marcaram época: uma em 1838 e a
outra em 1852. Sua principal contribuição foi fazer um mapeamento de mais de
200 locais bíblicos antigos e formular uma descrição sistemática de sua geografia
e topografia. Para atingir seu propósito, Robinson seguiu dois princípios básicos:
(1) Partindo dos nomes bíblicos, visitava a população árabe nativa relacionando
o nome moderno dos locais com o nome antigo. Foi por meio dessa dica que
ele conseguiu identificar corretamente a cidade bíblica de Gibeão, que os árabes
chamavam de “el-Jib”. (2) Munido de bússola, telescópio, termômetro e trena,
abandona as trilhas já exploradas e se aventura por rotas desconhecidas sempre

|| 9 Escrita surgida na região da Mesopotâmia que tem os caracteres em forma de cunha, daí o termo
cuneiforme.
Breve história da arqueologia na Palestina 21

as descrevendo em detalhes. Devido à sua contribuição, até hoje úteis, Robinson


é chamado de “pai da geografia da Palestina”.10
Aos poucos, iniciativas individuais foram dando lugar a sociedades que
se formaram para realizar exploração no Antigo Oriente Próximo (AOP). A
primeira delas foi a Palestine Exploration Fund, ou seja, Fundo para a Exploração
da Palestina (PEF), fundada em 1865. Esta sociedade patrocinou Claude Conder
e H. H. Kitchner para fazerem um mapeamento completo na área a oeste do rio
Jordão, ou seja, na Cisjordânia. A pesquisa aconteceu em 1871 e cobriu quase
10.000km2. O resultado foi publicado em quatro volumes em 1880, englobando
os dados sobre topografia, demografia, geologia e ruínas.

2.3 Gênios da arqueologia


O primeiro gênio da arqueologia antes da Primeira Guerra foi o alemão
Heinrich Schliemann. Era filho de pastor protestante e modéstia não era o seu
ponto forte. Pediu que, quando morresse, o seu epitáfio fosse: heroi schlimannoi,
“ao herói Schliemann”, em grego arcaico. Ao ler Homero no original grego,
Schliemann convenceu-se de que a cidade de Troia era mais do que um mito.
Tal convicção o levou a uma obsessão: escavar a cidade de Troia. Schliemann
descobriu que o terreno onde estava a antiga cidade de Troia era um cômoro
que representava uma série de camadas ocupacionais sobrepostas. Em geral,
cada camada da colina incluía uma cidade em ruínas que havia sido construída
sobre outra cidade previamente destruída.
William M. Flinders Petrie apropriou-se desse conceito desenvolvido por
Schliemann denominado estratigrafia e o aplicou nas suas escavações em
Tell el-Hesi, a bíblica cidade de Eglom, na Palestina. Ele chegou ao local em
1890 e conduziu uma escavação que durou seis semanas. Tell el-Hesi ficava a
uns três dias distante de qualquer local mais confortável, e para se locomover
Petrie dependia apenas de cavalo ou camelo. Por dificuldades com os árabes,
que não o aceitavam, ele teve de alimentar-se da comida local e beber água
insalubre. O resultado é que Petrie passou a maior parte do tempo doente.
Além de tudo, o cômoro estava sendo ocupado por plantações de um colono

|| 10 VARDAMAN, Jerry. La Arqueologia y La Palabra Viva. 2. ed. F. Benlliure, trad. (s. l.).: Casa Bautista de
Publicaciones, 1977, p. 11.
22 Breve história da arqueologia na Palestina

local, que não permitiu que Petrie escavasse a área. Mesmo assim, conseguiu
atingir seus objetivos básicos. Petrie cortou secções verticais na encosta
do cômoro, desvendando 18 metros de ocupação sobreposta, uma camada
cobrindo a outra. Ele deduziu que tinham existido onze cidades durante a
história de Tell el-Hesi, num período de cerca de 3 mil anos. Atestou que cada
camada do cômoro tinha objetos característicos. Sua conclusão foi de que se
pode datar os diferentes níveis do local pelos tipos de cerâmica encontrados.
Esse método revolucionou a arqueologia na Palestina. Em razão disso, Petrie
pode ser considerado o segundo gênio da arqueologia e, de forma mais afetiva,
como o “pai da arqueologia palestina”.11

2.4 Escavações anteriores à Primeira Guerra


Petrie foi seguido por diversos arqueólogos que realizaram escavações em
cômoros importantes antes da deflagração da Primeira Guerra Mundial. Destas
escavações, as mais renomadas foram realizadas pelo irlandês R. A. S. Macalister,
em Gezer (1902-1909); pelos alemães G. Schumacher e C. Watzinger, em Megido
(1903-1905); pelos norte-americanos G. A. Reisner e C. S. Fischer, em Samaria
(1908-1911); pelo austríaco E. Sellin, em Tanaque (1902-1904); e por Sellin e
Watzinger, em Jericó (1907-1908).
Nesse período, pelo menos duas outras sociedades foram fundadas para
fomentar as pesquisas arqueológicas na Palestina. Entre os alemães surge a
Deutsches Evangelisches Institute [Instituto Evangélico Alemão], fundada por
Gustav Dalmann; e entre os norte-americanos, a American Society for Oriental
Research [Sociedade Americana para Pesquisa Oriental] (ASOR). As pesquisas
em Samaria realizadas por Reisner e Fischer foram as primeiras a serem
patrocinadas por esta sociedade.

2.5 Escavações entre as duas grandes guerras


Os vinte anos entre as duas grandes guerras mundiais foram bastante
produtivos para a arqueologia na Palestina. Expedições arqueológicas em

|| 11 WISEMANN, Donald J. e YAMAUCHI, Edwin. Archaeology and the Bible: An Introductory Study. Grand Rapids,
Michigan: Zondervan Publishing House, 1979, p. 7.
Breve história da arqueologia na Palestina 23

grande escala caracterizam esse período intermediário. Entre elas se destacam


as escavações norte-americanas dirigidas por C. S. Fischer em Bete-Sã (1921 e
1933) e em Megido (1925 e 1939).
Mas destaque deve ser dado a um que podemos chamar de o terceiro gênio
em arqueologia, a saber, William Foxwell Albright. Ainda como professor
da Universidade John Hopkins em Baltimore, Albright foi diretor da ASOR
entre os anos 1920 e início dos anos 1930. Era um estudioso enciclopédico.
Escreveu sua tese de doutorado sobre a língua sumeriana. Fez escavações em
Tell el-Fûl (1922-1923, 1933), Betel (1927) e Tell Beit Mirsim, a cidade bíblica
de Debir (1926-1932). Albright foi uma figura contraditória mas que conferiu
à arqueologia bíblica o caráter de uma disciplina formal. Distinguiu-se por
promover um estudo comparativo da cerâmica e a observação estratigráfica.
Sua principal contribuição foi na integração do trabalho de campo com a
Bíblia, a geografia e narrativas do AOP. Ele foi um dos estudiosos que, como
filho de missionário norte-americano, parece ter assumido uma missão no
mundo: com uma mão segurava a picareta e com outra a Bíblia. Sua atividade
era uma resposta direta a Julius Wellhausen que com sua teoria questionava
verdades históricas da Bíblia.
Dentre os britânicos, os que se distinguiram nesse período estão L. W.
Crowfoot, em Samaria (1930, 1935); J. Garstang, em Jericó (1930-1936); J.
L. Starkey, em Laquis (1932-1938) e do rabino Nelson Glueck, que fez um
levantamento amplo de superfície na região da Transjordânia e na região do
Neguebe (1948).

2.6 Escavações após a Segunda Guerra,


antes de 1967
Após a Segunda Guerra, as pesquisas arqueológicas na Palestina foram
retomadas de maneira bastante lenta. O clima político em Israel era tenso e
hostil. Apenas depois da guerra de Independência de Israel, ocorrida em 1948
– quando a Palestina foi dividida em dois estados, Israel e Jordânia –, houve
avanços nas empreitadas arqueológicas. A arqueóloga britânica Kathleen
Kenyon faz escavações em Jericó (1952-1958) e em Jerusalém (1961-1967),
24 Breve história da arqueologia na Palestina

introduzindo o método estratigráfico desenvolvido com M. Wheeler.12 Para


antecipar, esse método consistia em escavar horizontalmente em quadrículas
de 5x5m, deixando-se uma faixa de 0.5m entre as quadrículas, formando uma
espécie de grade.
Antes da utilização deste método estratigráfico, o método arquitetônico era
o mais largamente usado. O método arquitetônico privilegiava a exposição
em larga escala de grandes construções e monumentos. Tanto o sistema
arquitetônico quanto o estratigráfico concorreram lado a lado. O exercício
dos dois métodos tem proporcionado um bom equilíbrio nas escavações
na Palestina.
Os norte-americanos, sob a orientação de G. Ernst Wright, escavam em
Siquém (1956-1966), inclinando-se para a adoção da proposta de Kenyon. Esses
dez anos de atividade e aplicação do novo método nesse sítio arqueológico
serviram para treinar uma nova geração de arqueólogos. Ampliando a lista de
participação norte-americana estão Paul Lapp, em Tanaque; W. G. Dever e H.
D. Lance, em Gezer; e J. Pritchard, em Gibeão.

2.7 Escavações após 1967


Embora algumas iniciativas tivessem sido tomadas por alguns entre 1955
e 1958, como Y. Yadin, em Hazor, e R. Amiran e Y. Aharoni, em Asdode, a
atividade arqueológica entre os israelenses teve grande impulso após a guerra
entre Israel e Egito em 1967. Os empreendimentos arqueológicos, a partir daí,
assumiram maior reconhecimento especialmente pelo impulso e o emprego
do uso das ciências na arqueologia. Em Israel, propriamente, são estabelecidos
institutos arqueológicos sob a égide de universidades patrocinadoras como
a Universidade Hebraica, com Y. Yadin, e a Universidade de Tel Aviv, sob o
comando de Y. Aharoni.
Os arqueólogos B. Mazar e N. Avigad associaram-se a R. Amiran na escavação
em Jerusalém. Mais recentemente, nomes como Rony Reich e David Ussishkin
se empenham pela continuidade das pesquisas na “cidade santa”, que passou a

|| 12 KENYON, Kathleen M. Archaeology in the Holy Land. 3. ed. New York: Praeger Publishers, 1971.
Breve história da arqueologia na Palestina 25

ser o local das mais cobiçadas e, por vezes, polêmicas pesquisas arqueológicas
até hoje na Palestina.

Atividade
As bibliotecas têm seu início em períodos bastante antigos. Proceda da
seguinte forma:
Entre no site: http://bibfam.no.sapo.pt/espaco%20crianca/para_que_
serve_a_biblioteca.htm
A partir dele responda as seguintes perguntas:
a) Qual é a etimologia do termo “biblioteca”?
b) Quem ficou conhecido como o “Pai da Imprensa”?
c) Qual foi o primeiro livro impresso que deu início à produção de “livros em
escala industrial”?
3

Métodos de escavação
Muito diferente do que em tempos passados, a arqueologia na Palestina hoje
segue métodos comumente bem mais determinados. Os propósitos de uma
expedição hoje se caracterizam por serem científicos e históricos. Num primeiro
momento, a escavação procura reconstruir, dentro do possível, a vida e a civilização
do povo cujas ruínas examina. Posteriormente, a escavação busca interpretar os
processos técnicos da arte, estruturas e arquitetura com as quais ela se defronta.
O interesse primordial de uma escavação é a análise da evolução social de
determinado sítio. Nesse sentido, para um arqueólogo um caco de cerâmica pode
se mostrar tão ou até mais importante do que um grande monumento.

3.1 O Tel
As condições indispensáveis para o assentamento de seres humanos implicam
disponibilidade de fonte de água permanente, terra suficiente para plantio,
rotas comerciais e defesa natural. Tais condições limitavam bastante as áreas,
especialmente numa região como a Palestina, onde água, talvez o pré-requisito
mais importante para a escolha do local, é elemento relativamente escasso. Não é
sem razão que as mais antigas habitações humanas na Palestina se concentraram
no vale do Jordão e nas proximidades do mar da Galileia.
Outro fator importante era a disponibilidade de terra fértil para a
sobrevivência da população por meio da agricultura. As circunstâncias não
28 Métodos de escavação

permitiam que plantações fossem feitas dentro das cidades ou vilas. Elas
necessitavam de espaço adequado, fora dos muros, ao mesmo tempo em que
requeriam vigilância contínua contra invasores, homens ou animais.
Mesmo com uma boa agricultura, as pessoas dependem também do comércio
de outros produtos, e por isso a necessidade de se estar localizado próximo a
uma rota comercial com outros povoamentos.
Um último aspecto crucial nos inícios de um assentamento era o sistema
de defesa. As condições topográficas da Palestina nesse sentido eram bastante
favoráveis quando comparadas a outras nações como a Mesopotâmia, cujas
enormes planícies obrigavam os povoamentos a se estabelecerem ao nível do
solo. Inúmeros montes e montanhas rochosas proporcionavam uma boa defesa
natural. Além de servir como proteção contra enchentes, a combinação da
elevação natural e do sistema de defesa aprimorado pelos habitantes do local
fez com que os núcleos habitacionais se tornassem bastante seguros.
Uma vez escolhido o local, as subsequentes ocupações nesse mesmo espaço
criavam uma colina artificial conhecida como tell.13 O termo é empregado
várias vezes no texto hebraico do Antigo Testamento para se referir a cidades
construídas umas sobre as outras. Por exemplo, em Josué 11.13, se lê: “Tão
somente não queimaram os israelitas as cidades que estavam sobre os outeiros
[pl. da palavra tel, em hebraico], exceto Hazor, a qual Josué queimou”. O mesmo
termo é empregado pelo profeta Jeremias ao anunciar as boas-novas do retorno
do cativeiro babilônico à cidade de Jerusalém: “Assim diz o SENHOR: Eis que
restaurarei a sorte das tendas de Jacó e me compadecerei das suas moradas; a
cidade será reedificada sobre o seu montão de ruínas” [tel] (30.18). Este fenômeno
é fundamental para a arqueologia no Antigo Oriente Próximo (AOP).
Até ao tempo de Alexandre Magno, por exemplo, a maioria das vilas e cidades
na Palestina pode ser encontrada nesses tell. A área de um tell varia bastante,
abrangendo 28 mil a 80 mil metros quadrados. Até o momento, a maior que
se conhece é Hazor, ao norte da Galileia, que mede cerca de 800 mil metros
quadrados.14 Comparados aos tell de outras regiões do AOP, os da Palestina eram

|| 13 A palavra tell é usada tanto em hebraico quanto em árabe. A transliteração do hebraico é grafada como tel,
como em Tel Aviv, ao passo que a forma árabe é tell.
|| 14 DEVER, William. G. “Syro-Palestinian and Biblical Archaeology”. In KNIGHT, Douglas A. and TUCKER, Gene
M., org. The Hebrew Bible and its modern interpreters. Philadelphia: Fortress Press, 1985, p. 31-74.
Métodos de escavação 29

relativamente pequenos. A cidade de Nínive, capital da Assíria, foi construída


sobre tell gêmeos que englobavam uma circunferência de 12 quilômetros.
Mas, grande ou pequeno, um tell não durava para sempre. Cedo ou tarde ele
passava por um processo destrutivo, seja por causas naturais, como terremotos,
enchentes, estiagem, ou por causas circunstanciais como incêndio, epidemias
ou guerras.
A reocupação do espaço acontecia pelos mesmos motivos originais, a saber,
terra fértil, água, comércio e defesa natural. Os novos ocupantes não se desfaziam
dos escombros. Ao contrário, aproveitavam-nos aplainando a superfície e
aproveitando o entulho para enchimento para porões ou sepulturas. Em função
disso, a nova ocupação ficava mais alta do que a ocupação anterior, dando a seus
habitantes um sentimento de maior prestígio e segurança.

3.2 A estratigrafia
Este ciclo de ocupação-desocupação-reocupação podia se repetir por várias
vezes na história de um determinado local. A cidade de Megido, na cordilheira
Central ao norte, por exemplo, possuía mais de 20 níveis de ocupação. Cada
uma das sucessivas camadas de ocupação de uma elevação artificial é chamada
de estrato (do latim stratum, pl. strata). Uma sequência desses estratos, um
sobreposto ao outro, resulta numa elevação que para alguns se parece com um
chapéu de homem, para outros como um bolo feito de várias camadas.
Uma maneira de se verificar de quantas camadas aproximadas um tel
é formado é fazendo um corte vertical nas suas escarpas. Este processo
se denomina tecnicamente de trincheira. A trincheira tem a finalidade de
determinar a estratificação do tel anteriormente à escavação completa. Isso
proporciona uma visão antecipada das camadas do solo que será encontrado
mais adiante. Esta, por exemplo, foi a maneira que William Flinders Petrie
encontrou para identificar as camadas sobrepostas nos 18 metros de altura de
Tell el-Hesi. Por meio da trincheira ele atestou que a história de ocupação de
Tell el-Hesi (Eglom) escondia onze cidades que atravessavam um período de
cerca de 3 mil anos.
Quando uma cidade era destruída, seja por fenômenos naturais ou fatores
circunstanciais, outra cidade era reconstruída no topo da anterior. A partir de
30 Métodos de escavação

Petrie, a estratigrafia passa a ser a coluna dorsal na arqueologia na Palestina,


tomando-se em consideração que o estrato (ou camada) que está na base do tell
deve ser cronologicamente anterior aos que estão cima dele.
Um tell pode guardar uma miscelânea quase infinita de achados que
retratam de maneira plástica, visível, a sua história. A variedade de achados
inclui remanescentes arquiteturais e funerais que contêm grandes quantidades
de cerâmica, objetos de metal e de pedra, bem como inscrições, selos, estatuetas
de cerâmica e metal, joias, objetos trabalhados em marfim, restos de plantas.
De todos esses mencionados, a cerâmica é o achado mais abundante nas
colinas anteriormente habitadas e, por isso, a melhor ferramenta para analisar
mudanças cronológicas regionais bem como relações exteriores. As análises
microscópicas de cacos de cerâmica antigos esclarecem a composição química
da argila, determinando o seu lugar de procedência. Estudos morfológicos,
tipológicos e comparativos de cerâmica aprimoram nosso conhecimento da
cronologia relativa da cerâmica em cada sítio, região e período. Aspectos da sua
produção, tais como manufatura, textura e decoração, são critérios importantes
para a datação dos estratos e dos sítios arqueológicos.

3.3 O preparo
Uma escavação arqueológica dá muito trabalho e é onerosa. Olhando-se de
longe, parece que pegar em picareta, enxada, pá, carrinhos de mão, baldes, colher
de pedreiro, prumo, fita métrica, pincel e outros instrumentos é divertimento
para figuras no mínimo esquisitas. Para um visitante desprevenido, arqueólogos
não passam de gente grande brincando na areia.
A escavação precisa ser feita com as mãos, no alto verão, quando praticamente
não chove e a temperatura fica bastante elevada. Escavar é mão de obra cara. O
elevado custo requer que se organizem consórcios para financiar a escavação.
Por isso, na maioria das vezes, o projeto se realiza sob a égide de governo, museu,
universidade, entidade científica ou até indivíduos. Atualmente, os governos do
Oriente Próximo não permitem pesquisas arqueológicas individuais.
Visto que a escavação hoje é interdisciplinar, especialistas de diferentes áreas
estão envolvidos no projeto. Uma equipe séria deve envolver alguns especialistas,
tais como:
Métodos de escavação 31

a) Arqueólogo-chefe: que responde pela organização, escolha dos supervisores,


local da escavação e pelos resultados oficiais.
b) Topógrafo: que responde pelo levantamento geográfico e topográfico da
área.
c) Químico: faz a análise das cinzas e das substâncias em decomposição para
determinar o material empregado em construções e eventuais restos de
tecido.
d) Antropólogo físico: identifica o sexo e a idade do esqueleto humano e seu
grau de miscigenação.
e) Botânico: classifica grãos armazenados em recipientes.
f) Zoólogo: identifica ossos de animais para determinar, se possível, pela
quantidade e variedade, seu uso e se eram domesticados ou não.
g) Geólogo: estuda o avanço ou recuo da costa marítima em relação ao
tell.
h) Meteorologista: verifica as mudanças climáticas e hidrográficas havidas
na área.

A interação entre estes e outros profissionais que integram a equipe bem


como a comparação do resultado de suas análises vão determinar o sucesso ou
não dos resultados finais.
Uma escavação na Palestina traz consigo inúmeras dificuldades técnicas. Por
isso, a escolha do local e a avaliação de tais dificuldades devem preceder qualquer
meta definitiva. Dentre as dificuldades, talvez as mais comuns sejam:

1. Muitos tell hoje estão sendo ocupados. Não são raras as vezes em que
importante área a ser escavada se encontre debaixo de construções
modernas de uma vila ou cidade. Um clássico exemplo é a própria cidade de
Jerusalém. Vez por outra, uma atividade envolvendo reforma de canalização
feita pela prefeitura se depara com relíquias históricas do passado – mas
dificilmente uma escavação mais ampla poderá ser levada a efeito.
2. Moradores das vilas adjacentes, especialmente muçulmanos, fazem uso
da colina como cemitérios.
32 Métodos de escavação

3. Vários sítios arqueológicos hoje são parte de propriedades particulares.


Megido, por exemplo, pertencia a quase 90 proprietários, e a desapropriação
dos locais demandou muito tempo, paciência e dinheiro.15
4. Vários sítios estão em áreas fronteiriças, e conflitos militares são comuns
e inesperados.
5. Toda vigilância é pouca e, mesmo assim, roubos acontecem no próprio
local da escavação.
6. O transporte dos achados por vezes é desastroso e provoca danos
permanentes e irreparáveis.16

3.4 A escavação
A decisão de escavar um tell é uma atitude no mínimo corajosa e dolorida. A ela
está atrelada uma determinação histórica. A pesquisa de campo é a coluna dorsal da
arqueologia, mas é fato que, ao reconstruir a história, ela destrói a história. Pode-se
dizer que “a arqueologia é uma ciência que destrói suas próprias evidências (sic)
no curso de desencavá-las. ... As escavações devem ser conduzidas num ritmo
controlado, pois a arqueologia é uma ciência que não repete seus experimentos”.17
Uma vez removidos, os resquícios já não podem mais ocupar o espaço que
antes ocupavam. A história daquele entulho, ou artefato in situ,18 afastado do
seu local ficará na memória e na palavra apenas do supervisor da área e quiçá
do arqueólogo-chefe. Por isso, quando a escavação estiver concluída, o que
permanece são os artefatos e materiais que foram guardados e armazenados,
os registros em papel ou em filmes e um buraco no solo. A menos que seja
possível reconstruir no papel a relação original do conjunto de materiais que foi
preservado, ele perde todo o valor para se tornar mera curiosidade histórica.

|| 15 Para um retrospecto e atualização das escavações feitas no local, confira FINKELSTEIN, Israel, USSISHKIN,
David. Back to Megiddo. Biblical Archaeology Review 20 (January/February 1994): 26-33.
|| 16 O ossuário descoberto por André Lemaire, com a inscrição “Tiago, filho de José, irmão de Jesus” e que pode
ser considerado um dos mais importantes achados arqueológicos depois dos manuscritos do mar Morto, teve
sua tampa rachada ao meio quando transportado de Tel Aviv para uma exposição em Nova York.
|| 17 SOTELO, Daniel. Arqueologia Bíblica: uma introdução aos conceitos e técnicas. São Paulo: Novo Século, 2003,
p. 31.
|| 18 Literalmente, vem do latim e significa “no lugar”. É expressão usada para designar o local preciso em que
originalmente foi encontrado um artefato.
Métodos de escavação 33

3.5 Publicação
A última etapa no processo da escavação é a publicação dos dados, primeiramente
numa revista especializada e mais tarde em volumes específicos sobre o tell. Vários
podem ser os motivos, porque muitas vezes há demora ou omissão na publicação. Um
clássico exemplo e que causou – e ainda causa – bastante polêmica foi o retardamento
na publicação dos achados dos manuscritos do mar Morto.
Uma publicação abalizada requer análise e interpretação sistemáticas dos
vestígios de uma escavação. A escavação e a análise da estratigrafia, a seleção e
a organização dos dados e a interpretação deles – tudo deve ser formatado pela
perspicácia, o juízo e a intuição bem-informada do arqueólogo. Como diz H.
Darrel Lance, “os dados arqueológicos relevantes, uma vez publicados, adquirem
um grau de imortalidade”.19

Atividade
Consulte em sua própria Bíblia as passagens abaixo, verificando em quais
delas a palavra “ruína” está sendo empregada em sentido literal e em quais em
sentido metafórico.
As passagens são:

Josué 8.28
Salmo 54.7
Provérbios 10.14
Jeremias 10.19
Jeremias 49.2
Ezequiel 3.15

|| 19 LANCE, H. Darrel. The Old Testament and the Archaeologist. Philadelphia: Fortress Press, 1981, p. 56.
4

Os períodos arqueológicos
da Palestina
Os vários níveis ou períodos de ocupação são comumente designados pelos
arqueólogos, como consta na tabela abaixo. A terminologia empregada bem
como as datas dos períodos podem diferir de autor para autor. Os arqueólogos
classificam a história e a cultura da Palestina com um sistema de três períodos:
Pedra, Bronze e Ferro. São assim denominados em vista do suposto predomínio
de cada um desses elementos na vida cotidiana dos seus habitantes em
determinado período de tempo. A partir do período Persa, a identificação dos
períodos assume nomes políticos ou culturais.

4.1 Classificação dos períodos arqueológicos


Não há consenso entre os estudiosos a respeito das datas que limitam tais
períodos. Na tabela abaixo, as datas sublinhadas indicam o início aproximado
dos períodos.

I. Período da Pedra (“Pré-histórico”)


A. Paleolítico: Homem do monte Carmelo.
B. Mesolítico (Natufiano): 10000 a.C.
C. Neolítico
36 Os períodos arqueológicos da Palestina

1. Neolítico Pré-Cerâmico: 8000 a.C.


2. Neolítico Cerâmico: 5000 a.C.
II. Período Calcolítico (“Idade do Bronze-Pedra”) – Início do período
“histórico”. Invenção da escrita: 4000 a.C.
1. Esdrelom (?): 3200 a.C. – Período “cananita”.
III. Período do Bronze (3300-2300 a.C.)
A. Bronze Anterior (BA) – Primeiros grandes estados: Reino Antigo,
Suméria, Acade, Ur
1. BAI: 3.000 (3300) a.C.
2. BAII: 2900 a.C.
3. BAIII: 2700 a.C.
4. BAIV (ou B III): 2300 a.C.
B. Bronze Médio (BM) – Período patriarcal
1. BM I (ou BA-BM): 2100 a.C.
2. BM IIa 1900 a.C. (Amorreus)
3. BM IIb 1700 a.C. (Hicsos)
4. BM IIc 1600 a.C. (Hurrianos)
C. Bronze Posterior (BP) – Período de Amarna: domínio egípcio; Êxodo
1. BP I. 1500 a.C. (reerguimento do Egito)
2. BP IIa: 1400 a.C. (Período de Amarna)
3. BP IIb: 1300 a.C. (Povos do Mar: Idade das Trevas) (Êxodo: c.
1280 ou 1450 a.C.?)
IV. Período do Ferro
A. Ferro I (ou Ferro Anterior) – Período israelita: a Conquista da Terra
Prometida
1. Ferro Ia: 1200 a.C.
2. Ferro Ib: 1150 a.C.
3. Ferro Ic: 1025 a.C.
4. Ferro Id: 950 a.C.
B. Ferro II (ou Ferro Médio)
1. Ferro IIa: 922 a.C. (Divisão do Reino)
2. Ferro IIb: 800 a.C. (722 a.C. – Queda de Samaria, Reino do
Norte)
3. Ferro IIc: 700 a.C.
Os períodos arqueológicos da Palestina 37

V. Persa (Ferro III ou Ferro Posterior): 587 a.C. (Queda de Jerusalém). Exílio:
587-538 a.C.
VI. Helenista: 330 a.C. (Alexandre, o Grande)
1. Ptolomaico: 300 a.C.
2. Selêucida: 200 a.C.
VII. Romano: 63 (Pompeu) – Período do Novo Testamento
VIII. Bizantino: 330 d.C. (Constantino)
IX. Islâmico: (Arábico; Moderno): 700 d.C.

4.2 Período “Pré-histórico”


O período Pré-histórico na Palestina não apresenta muita documentação. A
datação é relativa. Há umas poucas evidências de remanescentes paleolíticos nas
cavernas do monte Carmelo. Há presença de algumas ossadas. A interpretação
é difícil. Vestígios esparsos que se estendem até o Mesolítico indicam a coleta
de alimentos e cultivo de grãos. Há indícios de pequenos assentamentos e
domesticação de animais. Sítios do período Neolítico se acham em Jarmuque,
na Galileia, e Jarmo, no vale do rio Tigre.
Talvez a grande vedete do período Neolítico na Palestina seja Jericó. Kathleen
Kenyon realizou um extenso trabalho em Jericó. Jericó possui uma nascente
perene, e isso explica a sua longa história. Os arqueólogos afirmam ser Jericó a
cidade mais antiga do mundo, tendo sua origem por volta de 5000 a.C. Os níveis
estão espalhados por cerca de 30 mil metros quadrados da colina a oeste dessa
nascente. Kenyon descobriu vários muros protetores maciços.
Um grande enigma para os arqueólogos é a existência de uma torre circular
construída do lado de dentro de um dos muros. Essa torre media 8,5 metros de
diâmetro e está preservada até uma altura de 7,7 metros. Foi construída com
um núcleo de pedra sólida e uma escadaria íngreme levava até uma abertura no
topo.20 A grande pergunta é: Por que uma torre? Por que dentro do muro?
Em Jericó foram encontrados crânios que eram mantidos dentro de casa,
enquanto os corpos eram enterrados, em geral, sob o piso da casa. Em vários

|| 20 KENYON, Kathleen. Digging up Jericho. New York: Prager, 1957, p. 51-76.


38 Os períodos arqueológicos da Palestina

casos os crânios eram modelados com emplastro e conchas demarcavam os


olhos, como que para dar-lhes uma aparência de vida.
No final do período Neolítico, a inovação mais importante foi a cerâmica.
A cerâmica desse período está representada em vasos simples e rústicos, feitos
à mão, confeccionados sobre esteiras e cozidos em baixa temperatura.
A cerâmica também está representada nesse período em estatueta feminina,
provavelmente representando a deusa da fertilidade. Sua cabeça é alongada
e pontuda e os olhos se assemelham ao grão de cereal. No único exemplar
descoberto até agora, ela está sentada, segurando os seios, destacando-se seus
quadris exageradamente grandes. Se efetivamente a interpretação de que essa
estatueta feminina representa a deusa da fertilidade, um fato importante está
sendo evidenciado. Isso quer dizer já o período Neolítico antecipa uma realidade
que o povo de Israel vai experimentar em toda a sua história: o confronto com
a idolatria.

4.3 Período Calcolítico


A palavra “calcolítico” vem do grego chalkos, “cobre” e lithos, “pedra”, e marca
o surgimento do cobre como o primeiro instrumento de metal usado pelo
homem. Isso não significa que instrumentos de pedra deixassem de existir. Nesse
período – estamos falando de cerca de 3500 a.C. – em temos globais, começa o
surgimento de grandes impérios como a Suméria e o Egito.
Na região da Palestina, os assentamentos calcolíticos são conhecidos somente
por poucos sítios. As vilas eram construídas sem fortificações e as unidades
habitacionais eram estabelecidas ao longo das ruas e becos sem saída. As únicas
construções públicas conhecidas nesses sítios são templos encontrados em
Teleit Ghassul, localizada na costa oriental do mar Morto, com 200 mil metros
quadrados de área. Sua cultura representa a principal do período Calcolítico e,
por isso, é chamada de cultura ghassuliana.
A cerâmica é encontrada em grande quantidade e, em comparação à do
período Neolítico, é mais bem trabalhada. A maioria dos vasos é feita à mão,
sendo que alguns dos menores foram produzidos em uma forma simples de roda
de olaria. A variedade também é maior que no período anterior. São típicos os
grandes jarros de armazenamento em que eram preservados produtos agrícolas
Os períodos arqueológicos da Palestina 39

e líquidos. Os grandes vasos, chamados pithoi, do período Calcolítico, estão


entre os maiores já feitos na Palestina.
Cemitérios fora de assentamentos aparecem pela primeira vez durante o
período Calcolítico. Nas proximidades de Teleilat Ghassul, uma necrópole
consistia de três tipos de tumbas: dolmens (tumbas em forma de mesa,
construídas com três grandes pedras chatas), tumuli (montes circulares de
pedras) e sepulturas simples de urnas cavadas no solo, onde o enterramento
era secundário.
Ao norte, próximo a Hazor, os ossos eram colocados em ossuários de
cerâmica,21 que eram colocados em cavernas. Alguns ossuários têm forma
de construções, às vezes com telhados de duas águas. É comum as fachadas
desses ossuários serem decoradas com um nariz humano e olhos e também
ferramentas de trabalho. As decorações nos ossuários indicam a crença na vida
após a morte.

Épica de Gilgamesh
encontrada em Ebla.
Escrita em caracteres
cuneiformes, inclui
narrativas sobre
criação e dilúvio na
visão babilônica.

|| 21 Caixa, urna ou outro recipiente para os ossos de uma pessoa morta depois da decomposição.
40 Os períodos arqueológicos da Palestina

Em 1974, em escavações feitas em Ebla (Tell Mardikh), norte da Síria, foram


desenterrados cerca de 17.000 tabletes de argila com inscrições em dialeto
semítico do noroeste datados de cerca de 2300 a.C. – o tempo do rei babilônico
Naran-Sin (identificado por alguns como sendo Nimrode de Gênesis 10.9), que
fazia campanhas na região. O texto trazia partes da Épica de Gilgamesh, que inclui
a narrativa babilônica do dilúvio, a épica da criação e outros textos literários e
administrativos. Os textos mencionam Chipre, Mesopotâmia e Canaã, assim
como Hazor, Laquis, Gezer, Megido e possivelmente Urusalém (Jerusalém).
Vários séculos antes dos patriarcas, os tabletes de Ebla trazem também
nomes de pessoas bem parecidos com nomes bíblicos tais como o rei de Ebla,
Ebrum (cf. Gênesis 10.21), Abarama (cf. Abraão), Ismael e outros. Estes nomes
indicam que os patriarcas bíblicos não precisam ser considerados epônimos, ou
seja, figuras lendárias. A descoberta de Ebla assume importância também pela
comparação que se faz do texto eblaico (língua de Ebla) com a língua hebraica
e saber da cultura e tradições de um povo que pode ter influenciado civilizações
subsequentes, incluindo o Israel do Antigo Testamento.22 De qualquer forma,
Ebla escreveu um novo capítulo na história do Antigo Oriente Próximo no
período Calcolítico, a saber, durante o terceiro milênio a.C. Ainda em relação à
Bíblia, as descobertas em Ebla ao menos incomodam a prevalente tendência de
alguns estudiosos de minimizar a confiabilidade da narrativa patriarcal.

|| 22 Para um estudo específico e comparativo com a Bíblia, cf. PETTINATO, Giovani. The archives of Ebla: an empire
inscribed in Clay. New York: Doubleday and Company, 1981.
Os períodos arqueológicos da Palestina 41

Atividade
Entre no site, observe atentamente a foto da torre de Jericó mencionada no
texto e procure responder:
1. Por que uma construção tão elevada num tempo tão antigo?
2. Por que uma abertura tão estreita como a que aparece na imagem?
Consulte em: http://www.mucheroni.hpg.com.br/religiao/96/fotos/torre.
jpg
5

Período do Bronze
5.1 Bronze Anterior (BA) (3300-2300 a.C.)
Há diferenças importantes entre o período Calcolítico e o do Bronze Anterior
no que diz respeito a padrões de assentamento, densidade demográfica, métodos
agrícolas e relações comerciais. A pergunta é: essas diferenças refletem apenas
um desenvolvimento local ou implicam a imigração de outros povos e culturas
na Palestina?
A maioria dos estudiosos acredita que a cultura da Palestina passou por
influências de outras culturas advindas da Síria, Anatólia e Mesopotâmia. A
Síria setentrional, na região do Eufrates, estava sob influência sumeriana o
tempo todo. As escavações ao longo do Eufrates mostraram uma sofisticada
urbanização já existente no final do quarto milênio a.C. nessa região. Durante a
segunda metade do terceiro milênio a.C., Ebla, como vimos, foi o centro de uma
próspera civilização letrada. Muito embora o sistema de escrita e outros aspectos
dessa civilização fossem baseados em protótipos sumerianos, os habitantes de
Ebla tinham a sua própria língua – a mais antiga língua semítica ocidental que
se conhece. Ebla, sem dúvida, serviu de ponte entre a Mesopotâmia e a Palestina,
mas até que ponto influenciou as regiões mais ao sul é difícil de mensurar.
Construções. No início, as cidades eram desprovidas de muro, assim como
Megido, Bete-Sã e Arade; mais tarde, porém, elas são cercadas com muros de
tijolos de argila reforçados com pedras cuja largura chega a 4 metros. Nota-se,
portanto, uma marcante continuidade entre vilas abertas para uma grande cidade
44 Período do Bronze

murada. Aqui surgem as assim denominadas cidades-Estado. A construção de


muros pode vir da influência da Suméria ou da rivalidade entre as próprias
cidades-Estado. Na parte final do período, as fortificações foram ainda mais
reforçadas, dobrando-se a largura para cerca de 7 metros. Torres retangulares
alongadas, entre 15 e 20 metros de comprimento e de 6 a 8 metros de largura
defendiam os pontos mais fracos nas fortificações das cidades. Em Tell el-Hesi,
por exemplo, uma torre de tijolos de barro desse tipo, com 9,5 metros de largura
e 27 metros de comprimento, era parte de uma fortificação que circundava
uma área de quase 100 mil metros quadrados. Os muros das cidades do Bronze
Anterior eram às vezes escorados por grandes aterros, ou seja, encostas artificiais,
sólidas e íngremes, feitas de camadas de terra ou calcário triturado, técnica
chamada pelos arqueólogos como glacis. O glacis visava fortalecer a fundação
externa do muro contra a erosão e prevenir o fácil acesso ao muro da cidade
por inimigos portando equipamentos bélicos.
Na maior parte do período, as construções domésticas eram bastante amplas,
mas sem pátio. As casas eram, em geral, retangulares e algumas com pilares para
sustentar o telhado. Tais construções não são inovações. Semelhantes a elas já
existiam há mais tempo no sul da Babilônia, em Ereque (Warka), Nipur, Ur,
Lagas, Eridu, boa parte delas mencionadas em Gênesis 5 e 10.
Cerâmica. A cerâmica ainda era basicamente trabalhada à mão, embora
algumas partes de certos vasos fossem feitas na roda de oleiro. Muitas
características prevaleceram por todo o Bronze Antigo, como bases chatas,
pescoços alargados em vasos fechados, alças abauladas e panelas de boca larga.
Em Arade, por exemplo, foram encontrados diversos tipos de cântaros e crateras
fundas, algumas com bico abaixo da borda, provavelmente com uma função
específica relacionada ao consumo de cerveja.

5.2 Bronze Médio I (BMI) (2100-1600 a.C.) –


Período dos Patriarcas
O período do Bronze Médio I é um período misterioso. A transição para
o Bronze Médio é marcada por uma violenta destruição de cidades. Não há
cidades muradas e poucos povoamentos foram descobertos. Kenyon e outros
associam esta situação com a incursão de tribos semitas seminômades vindas
Período do Bronze 45

de várias partes do Crescente Fértil, estabelecendo-se especialmente no norte da


Síria e da Mesopotâmia. Eles são mencionados em documentos mesopotâmicos
como “Amurru”, ou seja, “orientais” e que no Antigo Testamento são chamados
de “amorreus”. A própria Babilônia se tornou um estado amorreu, sendo mais
tarde governada pelo grande rei amorreu Hamurabi. Alguns entendem que estes
“amorreus” (ou Amoritas) sejam os responsáveis pela grande destruição das
cidades do Bronze Anterior, ao passo que outros defendem que esses nômades
simplesmente entraram no vazio aberto pelos acontecimentos.
Cidades amoritas também surgem nesse período na região de Padã-Harã,
tais como Mari, Harã, Naor, Ugarit. O termo “Amorreu” provavelmente cobre
uma série de outros grupos relacionados, um dos quais pode ser o grupo dos
antigos arameus.
Outro grupo que surge em Mari por esse tempo é chamado de Hapiru.
Os integrantes desse grupo são mencionados em documentos antigos como:
assaltantes, soldados mercenários, cativos, funcionários públicos, rebeldes e
escravos. Em tempos de paz trabalhavam em várias frentes como contratados.
Em tempos de instabilidade política podiam assaltar áreas urbanas ou se tornar
mercenários do exército que melhor pagava.
No passado, Hapiru (ou Apiru como era pronunciado entre os cananeus)
foi identificado com “hebreu”. Estudos mais recentes mostram que Hapiru
não são os Hebreus apenas, mas que podem estar relacionados a esse grupo
mais amplo. Abraão é chamado de “o hebreu” (Gênesis 14.13) e a maioria das
referências aos “hebreus” no Antigo Testamento ocorrem no período patriarcal
e na peregrinação ao Egito. O uso do termo sugere que, assim como Hapiru,
“Hebreu” não se refere originalmente a um grupo racial particular, mas antes
ao status de um estrangeiro. William F. Albright foi o primeiro a identificar esse
período como a época dos patriarcas do Antigo Testamento.23
Uma característica peculiar desse período é a ocupação de regiões desérticas,
especialmente no Neguebe, ao sul, e no Sinai. São áreas próprias para o

|| 23 Em tempos mais recentes, entretanto, quando um vento não muito ameno sopra na academia, este
posicionamento tem sido questionado especialmente por arqueólogos israelitas como Mazar, Aharoni e outros,
em parte em razão de sua interpretação da evidência arqueológica que data a história patriarcal no período
do Bronze Posterior como tempo do principal assentamento de Israel. Vozes mais radicais ainda fazem coro
com as antigas posições liberais de que as histórias patriarcais são produto da era exílica ou pós-exílica que
visavam estabelecer “direito divino” às reivindicações judaicas da terra naquele tempo. Uma posição mais
ou menos condenada por Ezequiel 33.23 ss.
46 Período do Bronze

nomadismo pastoril. Muitos dos sítios do Neguebe consistiam somente de


poucas choupanas e currais, mas havia também outras habitações. Dentre estas, o
exemplo mais típico é uma estrutura arredondada com um único cômodo, entre
2 a 4 metros de diâmetro, numa área de piso média de 10 metros quadrados.
Um pilar de pedra no centro da estrutura suportava um telhado feito de grandes
pedras chatas. Essas casas simples estavam reunidas em grupos e em forma de
pequenas cadeias.
Hábitos funerários. Enormes cemitérios são fonte de estudo fundamental
no estudo do período do Bronze Médio I. Três tipos de sepultamento são
conhecidos: tumbas em cavernas; dolmens megalíticos; e tumuli. O destaque se
dá para as tumbas em cavernas. Estas são cavernas verticais cortadas na rocha,
que conduzem a câmaras mortuárias subterrâneas. Em alguns casos foram
cortadas com precisão e descem a profundidades de até 6 metros. As aberturas
levam a uma ou duas câmaras mortuárias, que são seladas por lajes de pedra.
Os dolmens megalíticos são encontrados especialmente na região da Galileia.
Compõem-se de dois ou mais blocos verticais de basalto cobertos por grandes
lajes de pedra. Eram secundários. Similares a esses foram encontrados também
na Europa no período do Bronze, mas a relação é desconhecida. Nas terras
montanhosas do Neguebe, os mortos eram sepultados em estruturas de pedra
conhecidas como tumuli, a saber, montes circulares de pedras com uma cela
central interior onde o corpo era colocado com algumas oferendas.
A história de que Abraão compra uma caverna do hitita Efrom em Manre
para sepultar sua esposa Sara (Gênesis 23) foi estudada à luz das leis hititas. O
código de leis dos hititas, encontrado na Turquia em 1912, impunha obrigações
feudais a quem comprasse terras deles, como prover soldados em tempos de
guerra. A compra de uma pequena porção de terra desobrigava o comprador
dessa coação legal. É fácil deduzir porque Efrom estava ansioso para vender a
Abraão não apenas a caverna como o campo todo.
Cerâmica. Na cerâmica a atenção vai para as lâmpadas com quatro bicos.
A cerâmica era feita à mão, sendo que a roda do oleiro era usada apenas para
alguns pequenos vasos e para fabricar pescoços de jarros específicos. Inúmeras
“chaleiras” e taças foram encontradas no norte, especialmente em Megido.
Período do Bronze 47

Exemplos de lâmpadas do BMI,


de quatro bicos. É possível que
os patriarcas, como Abraão,
tenham feito uso desse utensílio
em suas tendas. O recipiente
recebia azeite de oliva e um até
quatro pavios eram empregados
para iluminar o ambiente.

As “chaleiras” eram feitas na roda e eram de louça preta, pintadas com linhas
brancas horizontais.
Patriarcas. Uma das cidades florescentes nesse período foi Nuzi, na
Mesopotâmia, não longe das margens do rio Tigre. Nuzi tem revelado
comportamentos que têm nos ajudado a entender o relato bíblico sobre os
patriarcas. O incidente como o de Raquel roubando os deuses ou estatuetas de
argila (teraphim, em hebraico) é hoje reconhecido como incidente histórico
autêntico, porque os documentos de Nuzi mostram que a posse de tais deuses
de argila equivalia a uma escritura de terreno. Quem estivesse de posse dos
teraphim estaria, legalmente, de posse da propriedade do clã.24 Antes de roubar
os teraphim, Raquel se une a Lia e pergunta: “Há ainda para nós parte ou herança
na casa do nosso pai?” (Gênesis 31.14). Seu pai Labão os havia tratado de maneira
desprezível e assim ela tomou a lei em suas próprias mãos, entrou na tenda na
ausência dele e tomou os teraphim – a escritura das propriedades.
A venda da primogenitura por parte de Esaú por um prato de lentilhas
deixa muitos perplexos, mas também faz sentido a partir de tabletes de Nuzi.
Nestes documentos conta-se o episódio de um homem que vendeu sua parte
na herança por três ovelhas.

|| 24 THOMPSON, A. The Bible and Archaeology. Grand Rapids: Eerdmans, 1975, p. 25-36.
48 Período do Bronze

5.3 Bronze Médio II (BMII) – (1900-1600 a.C.)


O período do BMII se distingue quase que radicalmente do BMI em todos
os aspectos da cultura, seja no padrão de assentamento, urbanismo, cerâmica
e hábitos funerários. A questão é: quem sãos os povos responsáveis pelo
surgimento dessa grande expansão cultural?
A maioria dos sítios desse período foi fundada em solo virgem ou em locais
que não tinham sido ocupados há muito tempo, como é o caso de Afeque. Dentre
os principais sítios se destacam Megido, Siquém, Tel Beit-Mirsim, Tanaque,
Gezer, Hazor. Fundada por volta de 1800 a.C., Hazor é um exemplo de cidade
bem planejada. Compreendia quase 800 mil metros quadrados e quase não teve
rival na história da Palestina. Continuou a ser a maior cidade cananítica até o
século XIII a.C. O status especial de Hazor se reflete nas palavras bíblicas sobe
a cidade: “Era a capital de todos esses reinos” (Josué 11.10).
Diferente do BMI, especialmente mais para o final do BMII, as casas eram
mais amplas e de vários compartimentos, construídos ao redor de um pátio
central. A maioria delas possuía dois andares, reservando-se o andar superior
para moradia.
Fortificações. Grandes esforços foram feitos pelas comunidades urbanas para
defender suas cidades para que a estratégia de guerra usada em tempos de sítio,
como aríetes, escadas, escavação de túneis, não se tornassem eficazes. Foram
adotados dois tipos de fortificações: o glacis e o baluarte de terra. O glacis, como
já vimos anteriormente, é aquela rampa artificial externa criada por meio de
acúmulo de terra compactada sobre uma colina existente. A novidade agora é
o baluarte de terra. Os enormes baluartes de terra eram erguidos despejando-se
grandes quantidades de terra, em geral de ambos os lados de um núcleo vertical
central, que servia de fundação para uma muralha independente. Em Hazor, por
exemplo, o muro central tinha entre 8 e 10 metros de largura e cerca de 10 metros
de altura. Por vezes os baluartes eram construídos em formas geométricas, como
é o caso, de novo, de Hazor, que tinha uma aparência retangular. Essa técnica
não era própria de Canaã. Ela foi importada da região da Síria, onde cidades
como Carquemis, no Eufrates, Qatna, no vale do Orontes, e Ebla (Tell Mardikh)
já serviam como grandes protótipos.
Tais fortificações requeriam também que os portões da cidade tivessem
outra configuração. Os portões de cidades como Hazor, Megido, Gezer, Siquém
Período do Bronze 49

e Bete-Semes apresentavam uma grande casa de guarda, retangular e simétrica,


composta de duas torres maciças flanqueando uma passagem alongada. A
passagem era dividida em três pares de pilastras em duas câmaras de guarda.
Olhando-se de cima, o conjunto era parecido com dois garfos de cozinha
colocados um defronte ao outro, com um espaço entre ambos. As torres tinham
salas de guarda e escadarias internas que levavam ao segundo piso.
Hicsos. O avanço nestas fortificações é atribuído pela maioria dos arqueólogos
como resultado da presença dos hicsos na Palestina. Os hicsos eram asiáticos
que invadiram o Egito ao redor de 1750 a.C., e governaram, além do Egito, a
Palestina e até o sul da Síria, por mais ou menos 200 anos. Avaris, a capital dos
hicsos no Delta do Nilo, foi provavelmente fundada em 1720 a.C. Algumas das
fortificações dos hicsos foram escavadas e, mais importante, também uma stela,
ou um monumento erigido por um oficial de Ramsés II para comemorar os 400
anos de fundação da cidade por um governante hicso. Visto que a data da stela
é entre 1320-1300 a.C., a cidade deve ter sido fundada entre 1720 e 1700 a.C. O
Antigo Testamento diz que Hebron foi fundada sete anos antes que Zoã (Tanis)
no Egito (Números 13.22); logo, conclui-se que havia hebreus no Egito quando
Avaris foi fundada, ou seja, no período dos hicsos. De Avaris, havia controle
dos hicsos sobre Canaã. Escaravelhos com nomes de faraós e altos dignitários
da 15ª Dinastia, a dinastia dos hicsos, foram encontrados em diversos sítios na
Palestina. Associado à invasão dos hicsos está o uso dos carros leves de guerra,
uma técnica logo adotada pelos egípcios. Este foi um período importante e o
povo de Israel mais tarde ficaria fascinado diante das defesas maciças (Números
13.28), com o tipo feudal de monarquia em Canaã (1 Samuel 27.6) ao ponto de
desejar para si mesmo sistema parecido (1 Samuel 8.11-18).
Hábitos funerários. O uso de cavernas para sepultamentos múltiplos voltou a
tornar-se comum depois de um longo intervalo. Similar à sociedade moderna,
as famílias desejavam enterrar seus mortos num mesmo espaço por várias
gerações. Sepultamentos mais antigos eram deslocados com respeito para o lado
a fim de abrir espaço para os novos. Dezenas de esqueletos foram encontrados
na mesma caverna, juntamente com uma coleção de oferendas mortuárias e
vasos de cerâmica, armas, ferramentas, joias, selos. Crianças eram sepultadas
em jarros de cerâmica colocados debaixo de pisos ou pátios. Acompanhavam
jarrinhas de unguento e joias. A prática, peculiar no BMII, não teve continuidade
50 Período do Bronze

no período do Bronze Posterior. Ela pode indicar alto índice de mortalidade


infantil no período do Bronze Médio II.
Cerâmica. A cerâmica revela o uso da roda de velocidade rápida. A estética
se torna mais agradável. Vasos de espessura fina podem ter tido protótipos
metálicos. As panelas têm base arredondada. Os vasos são zoomórficos, na
forma de pássaros, peixes e até mesmo de rosto humano.
Deuses de metal. A manufatura de estatuetas de divindades masculinas e
femininas em metal se torna popular no Levante no período do BM. Em Biblos
foram encontradas mais de mil dessas estatuetas. Mas havia também estatuetas
em argila. O curioso é que tais estatuetas, que representavam as divindades
cananitas Baal e Astarte, foram encontradas também fora dos recintos sagrados.
Como diz Wiseman, estas estatuetas poderiam estar sendo usadas como
amuletos, figas, feitiços ou objetos votivos similares às muitas placas e figuras
de mulher desnuda, talvez também da deusa Astarte, espalhadas por todo o
Levante.25
Escrita. Os poucos documentos em tabletes de argila encontrados em Canaã
são textos cuneiformes acádicos. O acádico se tornara a língua franca em todo
o AOP. Em Hazor, por exemplo, foram achadas quatro inscrições em acádico:
um documento jurídico, fragmento com lista de pesos e medidas, nome de um
semita oriental e um modelo de fígado em argila usado por sacerdotes, algo
como descrito em Ezequiel 21.21.
Apesar de serem avançados na estratégia da guerra, os hicsos não deixaram
vestígios da sua própria língua original, de origem asiática. Visto que não
formavam uma unidade étnica, o que ocorreu é que imitaram os hieróglifos
e “adotaram a língua daquele país [Egito]”.26 Em determinado momento,
no segundo milênio a.C., desenvolveu-se em Canaã um sistema alfabético
conhecido como “protocananeu”, no qual o alfabeto hebraico provavelmente
tem suas raízes.
José no Egito. A história de José no Egito (Gênesis 37-50) se enquadra bem no
período dos hicsos (13ª Dinastia). O papiro Wilbur (ca. de 1740 a.C.) traz uma
lista de cem escravos em que mais do que a metade é “asiática”, ou seja, semitas

|| 25 WISEMAN, Donald J. e YAMAUCHI, Edwin. Archaeology and the Bible. Grand Rapids, Michigan, 1979, p. 26-27.
|| 26 LAMBDIN, T. O. Hycsos. In: The Interpreter’s Dictionary of the Bible. V. 2. George Arthur Buttrick, ed. Nashville:
Abingdon Press, 1962, p. 667.
Período do Bronze 51

da Palestina, e entre eles ‘š-ra (Aser) e šp-ra (Sífera, cf. Êxodo 1.15). Alguns destes
assumiram posições elevadas; outros se tornaram empregados domésticos.
Não nos deve surpreender o fato de que os egípcios não relatem nada sobre
os hebreus. Hoje é quase consenso entre os historiadores que, quando José foi
empossado como o principal governante no Egito, estrangeiros estavam no
controle. Quando estes estrangeiros (os hicsos) foram expulsos do Egito, todo
esforço foi feito para apagar qualquer referência a esse período. Os hicsos eram
semitas, do mesmo tronco étnico dos hebreus.27 É possível que os hicsos tenham
mantido em certas posições oficiais egípcios locais. Isso talvez explique por que
nos primeiros cinco versículos de Gênesis 39 Potifar é por três vezes chamado de
um “egípcio”. Se egípcios locais estivessem ainda no comando, não faria sentido
referir-se a um oficial como “o egípcio.”
A primeira referência a cavalos na Bíblia está em Gênesis 47.17, quando os
egípcios venderam seus cavalos para comprar cereais. Nisso há consonância
com o contexto, pois foram os governantes hicsos que utilizaram cavalos em
larga escala para conquistar o Egito.

5.4 Bronze Posterior (BP)


(1500-1300 a.C.) – O Êxodo
A expulsão dos hicsos e a reunificação do Egito por Amósis culminam num
Egito forte militar e economicamente, ao redor de 1550 a.C. O interesse do Egito
pela Palestina aumentou ao ponto de os hicsos, que haviam buscado refúgio na
Palestina, serem perseguidos e expulsos também dali.
Cerca de oitenta anos mais tarde, a consolidação da supremacia egípcia
sobre a Palestina veio com Tutmés III. A situação na Palestina é conhecida com
detalhes por volta do século XIV a.C. em razão de documentos encontrados no
palácio de Amenófis IV, chamado Aquenaton, em Tell El-Amarna, no Egito. O
arquivo, composto de mais de 360 documentos escritos em acadiano, faz parte
de correspondência diplomática de Aquenaton e seu pai, Amenófis III. As cartas
denominadas Cartas de Amarna são, em sua maioria, correspondências de
governantes de cidades cananeias endereçadas a Aquenaton, em Amarna. Esses

|| 27 THOMPSON, A. The Bible and Archaeology. Grand Rapids: Eerdmans, 1975, p. 40.
52 Período do Bronze

reis eram vassalos de Aquenaton que solicitavam intervenção e ajuda militar


do monarca por estarem sendo ameaçados por grupos estrangeiros, chamados
Hapiru. Mas a reação de Aquenaton aos apelos de seus governantes vassalos
parece ter sido muito pequena ou inexistente, visto que Aquenaton estava mais
voltado ao culto ao deus Sol, Aton.
O período do Bronze Posterior se caracteriza por um grande desenvolvimento
no comércio internacional em todo o AOP. A cultura se torna florescente na
Palestina. A ocupação se torna maior que no BM, mas a tecnologia acontece em
grau menos elevado do que no BM. Os muros das cidades estão reconstruídos
sobre as fundações remanescentes dos muros do BM. A maior cidade no norte,
Hazor, foi destruída em cerca de 1200 a.C. A grande pergunta é: teria sido pelos
israelitas, como relatado no livro de Josué?
Fortificações. Característica que surpreende o período do Bronze Posterior é
a ausência quase total de fortificações. Nos outrora grandes sítios como Hazor,
Megido, Gezer, Laquis nenhuma foi encontrada. Onde havia fortificações, estas
não passavam de remanescentes do período do Bronze Médio. Como explicar a
ausência de fortificações em cidades que no período anterior eram fortemente
protegidas? A resposta para essa situação provavelmente se encontre no fato de
que o Egito, que controlava a Palestina, tivesse como política de domínio proibir
a construção de fortificações pelos governantes cananeus.
Arquitetura doméstica. Há exemplos de grandes casas patrícias, talvez
pertencentes a senhores de terras. Eram construções retangulares, salões amplos
com colunas, com depósitos para armazenamento de cereais e escadas que
davam acesso a um compartimento superior. Boa parte das casas cananeias tem
pátio central cercado com salas, mas sem planejamento definido. Por vezes as
casas consistiam de duas fileiras de pilares de madeira com bases de pedra que
suportavam o piso superior. Tais fileiras de pilares se tornariam mais comuns
no período do Ferro.
Cerâmica. A cerâmica possui estilo variado, o que indica uma importante
evolução da cultura cananeia e do comércio internacional nesse período. Essa
evolução, em termos de cerâmica, não é muito distinta do período do BM ao
BP. Nota-se uma variação maior na ornamentação, com a aplicação das cores
vermelha e preta. O design é mais geométrico: círculos concêntricos, faixas
horizontais, linhas cruzadas. Nos contornos zoomórficos aparecem figuras de
Período do Bronze 53

peixes, aves marinhas, antílopes. Tais particularidades na forma e nos desenhos


demonstram uma característica típica da influência da arte cipriota.
Esta cerâmica pode ter sido tanto importada diretamente de Chipre para a
Palestina como pode ter sido manufaturada localmente por imigrantes. Da região
de Micenas, na Grécia, surge também na Palestina a cerâmica ainda mais bem
desenvolvida na sua manufatura e decoração. Os vasos micênicos ou miceneanos
eram feitos sobre uma roda veloz e uma argila fina. A ornamentação era bicolor
e consistia em faixas horizontais, círculos concêntricos e diversos motivos
estilizados específicos. Estatuetas de argila, manufaturadas pressionando-se a
argila em moldes, eram utilizadas em larga escala entre os cananeus. Em geral,
representavam, como desde o início, a deusa nua da fertilidade, Astarte. A deusa
estava em pé e segurava serpentes ou flores de lótus. Na maioria das vezes, o
cabelo é penteado usando os tipicamente egípcios “cachos de Hator”, o que mostra
a influência egípcia, quem sabe no próprio culto pagão de Canaã.
Hábitos funerários. O sepultamento em esquifes antropoides de argila pode
ser relacionado com a presença egípcia no país no século XIII a.C. As tampas
desses esquifes eram moldadas em forma de uma cabeça, e a parte superior na
forma de um ombro humano, com as mãos, em geral, cruzadas sobre o peito.
Nota-se aqui uma inspiração egípcia sugerida pela peruca e pela barba de Osíris
moldadas em muitos desses esquifes.

Atividade
A atitude de Raquel ao esconder os teraphim (Gênesis 31) foi esclarecida
pela arqueologia. Qual era a intenção de Raquel?
6

Período do Ferro (1.200 a.C.-722) –


Período Israelita: a Conquista
6.1 Ferro I (1200 a.C.-900) –
Conquista da Terra Prometida
O período do Ferro é um período denso de história e de achados arqueológicos
na Palestina. Sua composição étnica e cultural passou por transformações
importantes quando as cidades-Estado, que marcaram época até então, no
período do Ferro, vão aos poucos dando lugar a uma nova configuração em
razão da presença de inúmeros povos de diferentes procedências.

6.1.1 Jericó
O período do Ferro I coincide com a chegada de Israel na Terra Prometida.
Vigilante no caminho de qualquer invasor vindo das montanhas do sul do vale
do Jordão está a fortaleza de Jericó. A narrativa bíblica diz que Deus fez com que
as muralhas de Jericó caíssem depois que Israel a rodeara por sete dias (Josué
6). O interesse nas escavações foi naturalmente focado nas possibilidades de se
trazer mais luz à narrativa bíblica.
Os primeiros escavadores em Jericó foram os alemães Sellin e Watzinger
(1908-1910). A expedição britânica, sob a liderança de John Garstang (1930-
1936) fez importantes descobertas. Como já observamos, descobriu-se que Jericó
56 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

foi fundada no período Neolítico pré-cerâmico, o que a torna a mais antiga cidade
escavada na Palestina até o momento. Garstang fez descobertas também sobre
as fortificações da cidade em diferentes períodos; em particular, duas muralhas
de tijolos, datadas por ele no século XV a.C., foram violentamente destruídas e
a cidade incendiada. A partir da cerâmica encontrada, Garstang concluiu que
a cidade fora destruída numa data não posterior a 1385 a.C.
Uma expedição conjunta britânico-americana liderada por Kathleen Kenyon
(1952-1958) obteve grandes resultados na reconstrução da história de Jericó
do período da Pedra. Kenyon, por sua vez, concluiu que as duas muralhas que
Garstang datara do século XV a.C. não são contemporâneas e que a destruição
delas aconteceu cerca de 150 anos antes do que Garstang havia pensado. Para
entornar o caldo, recentemente Bryant Wood questionou Kenyon afirmando que
ela baseara suas conclusões em cerâmica cipriota, ou seja, cerâmica importada,
que ela não encontrou em Jericó. Wood, especialista no setor, examinou a
cerâmica cananita local escavada por várias expedições em Jericó. Segundo ele,
Jericó teria sido destruída por volta de 1400 a.C., e não em 1550, como declarado
por Kenyon. Se Wood estiver certo, este é um momento em que a arqueologia
se acha em harmonia com a narrativa bíblica.
Para fundamentar suas conclusões, Wood afirma que escaravelhos egípcios
foram encontrados em sepulcros do período; a estratigrafia do nível IV, escavado por
Garstang e Kenyon, apresentou vinte diferentes fases arquitetônicas que perduraram
por longos períodos e sofreram ao menos doze destruições, o que, segundo
Wood, demandaria espaço de tempo bem maior do que 1550 a.C. Uma amostra
de radiocarbono (C14) tirada de um pedaço de carvão encontrado na camada da
destruição final indica a data de 1410 a.C.28 Na verdade, em vista do processo de
erosão, pouco resta do último período de ocupação entre 1500 e 1200 a.C. Assim
sendo, Jericó não fornece evidências quer seja para detalhar a maneira como foi
destruída como para se precisar a data da sua queda diante do povo de Israel.
A primeira referência a Israel fora da Bíblia foi feita pelo faraó Merneptá,
em cerca de 1220 a.C., numa estela, uma pedra de granito de cerca de 1,50m
onde narra suas vitórias. “Israel” é um dos grupos assinalados como residindo
na Palestina, embora não seja ainda reconhecida como nação.29

|| 28 WOOD, Bryant. Did the Israelites Conquest Jericho? A New Look at the Archaeological Evidence. Biblical
Archaeology Review 16 (March-April, 1990): 44-49.
|| 29 “Canaã foi pilhada da forma mais cruel, Ascalom foi levada cativa, Gezer foi capturada, Jenoã foi destruída.
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 57

A primeira referência a Israel fora


da Bíblia encontra-se nessa estela
escrita pelo faraó Merneptá, ao redor
de 1220 a.C. Nela, Israel é retratado
como um povo e não ainda como
nação. Esta laje de pedra pode ajudar
a datar o êxodo de Israel do Egito.
Se os israelitas eram um grupo social
reconhecido em meados de 1220 a.C.,
então o êxodo deve ter ocorrido num
momento bem anterior ao de Israel
ter entrado e se estabelecido na terra
de Canaã. Na foto, em destaque,
aparece o nome “Israel” em hieróglifo,
extraído da penúltima linha, um pouco
à esquerda do centro do documento.

A Palestina, nesse tempo, era


nominalmente uma província do Egito
organizada em cidades-Estado. Cada
cidade era governada por um rei vassalo
do Egito, que não era incomodado desde que pagasse seus tributos e angariasse
força de trabalho aos projetos de Faraó. A estela de Merneptá pode também
ajudar a datar o êxodo de Israel do Egito. Se os israelitas eram um grupo social
reconhecido em meados de 1220 a.C., então o êxodo deve ter ocorrido num
momento bem anterior ao de Israel ter entrado e se estabelecido na terra de
Canaã, provavelmente na primeira metade do século XIII a.C. O sistema de escrita
egípcio emprega hieróglifos extras chamados determinativos ao final de certas
palavras para indicar a categoria de tal palavra. Por exemplo, o determinativo
para “cidade-Estado” aparece depois de “Gezer” e “Ascalom”. O determinativo
colocado após a palavra “Israel” é normalmente aplicado a um grupo nomádico
ou a um grupo que não habita numa cidade-Estado. Este fato pode sugerir um
período mais anterior para o assentamento de Israel em Canaã.

Israel está devastado, dele não resta semente, a Síria está viúva por causa do Egito. Todas as terras estão
unidas em paz, todos os que erravam, ele os subjugou, o rei do Egito [...] Merneptá”. Estas palavras se
encontram no final da inscrição egípcia sobre uma estela, ou seja, uma laje de pedra. O monumento foi
encontrado em 1896, em Tebas, onde se erguia no templo em honra ao faraó Merneptá. Em razão da presença
da palavra “Israel”, a pedra é chamada de “Estela de Israel”.
58 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

6.1.2 Povos do mar


A fonte mais importante com relação à chegada dos “povos do mar” no
Levante se acha registrada no templo de Ramsés III, em Medinet Habu, ou
seja, Tebas, no Egito. As inscrições de Medinet Habu mencionam cinco povos,
e dentre estes os mais conhecidos são os filisteus, que recebem também grande
destaque no relato bíblico.30
Os “povos do mar” vêm da região dos hititas, da Cilícia, da Anatólia e de
Chipre e se estabelecem no Líbano, na costa do Mediterrâneo. As inscrições de
Ramsés III relatam o confronto dos seus exércitos com tais grupos estrangeiros
tanto em batalha terrestre quanto naval, culminando com a vitória egípcia.
Na batalha naval, navios dos “povos do mar” aparecem com proa e popa
ornamentadas com cabeças de aves. As velas são quadradas e estão recolhidas
como se seus navios estivessem ancorados durante a batalha. Em algumas cenas
de embarcações os guerreiros aparecem usando elmos ornamentados com penas;
em outra cena tais guerreiros, que usam tais elmos, são identificados como
sendo filisteus. Guerreiros em outros dois barcos usam elmos com chifres. Na
cena da batalha terrestre os “povos do mar” aparecem com carros de guerra com
rodas de seis raios. Cada carro é puxado por uma parelha de cavalos e conduz
três guerreiros, sendo que dois deles empunham lanças. A infantaria empunha
espadas compridas e escudos redondos. Mulheres e crianças são retratadas sendo
conduzidas em carros de boi com rodas de madeira maciça. É possível que os
“povos do mar” não sejam simplesmente invasores, mas também migrantes.
A Escritura Sagrada é a única fonte escrita de outros detalhes a respeito dos
filisteus. Suas cinco cidades estão lá mencionadas: Gaza, Ascalom, Asdode,
Gate e Ascarom. No relato bíblico, os filisteus em geral são descritos de forma
negativa e como um povo incircunciso. Na verdade, eles eram os únicos da
região que não praticavam a circuncisão; mas a Escritura, ao mencionar esse
fato, tinha em mente um sentido mais amplo que o físico: eles eram incircuncisos
de coração.
A maior parte dos conflitos entre os israelitas e os filisteus se acha descrita
nos livros de Juízes e Samuel. A pressão econômica que os filisteus impuseram

|| 30 Para um excelente estudo artigo em português sobre a história e arqueologia sobre Ascalom, confira GORE,
Rick. Ascalon: a Antiga Cidade do Mar. National Geographic: Brasil (Janeiro 2001): 52-76.
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 59

sobre o povo de Israel no tempo de Saul é ilustrada pela descrição em 1 Samuel


13.19-22:

Ora, em toda a terra de Israel nem um ferreiro se achava, porque


os filisteus tinham dito: Para que os hebreus não façam espada,
nem lança. Pelo que todo o Israel tinha de descer aos filisteus para
amolar a relha do seu arado, e a sua enxada, e o seu machado, e
a sua foice. Os filisteus cobravam dos israelitas dois terços de um
siclo para amolar os fios das relhas e das enxadas e um terço de um
siclo para amolar machados e aguilhadas. Sucedeu que, no dia da
peleja, não se achou nem espada, nem lança nas mãos de nenhum
do povo que estava com Saul e com Jônatas...

O significado do versículo 21 era um tanto obscuro, especialmente porque


o termo pim, em hebraico, era desconhecido. Entretanto, medidas de peso com
esta palavra inscrita nelas apareceram em escavações e o sentido geral do termo
se tornou mais claro, embora alguns nomes para os implementos agrícolas
sejam ainda incertos. Aqui nos é dito que os filisteus mantinham tamanho
controle sobre os israelitas a ponto de não permitirem a presença de ferreiros
na cordilheira montanhosa para que Israel não estocasse armamentos de guerra.
Os agricultores eram forçados a descer até a Filístia para afiar suas ferramentas,
pagando por isso preços exorbitantes.
Cerâmica: A cerâmica dos filisteus é típica cerâmica miceneana, que evidencia
protótipos do mar Egeu – origem dos “povos do mar”. A cerâmica é bicolor
(vermelho e preto), com objetos geométricos e zoomorfos. Em Tel Qasile,
por exemplo, os vasos filisteus decorados perfazem vinte por cento de todo o
conjunto. No século X, tigelas com círculos em espiral são bastante comuns. Fora
do contexto dos filisteus, especialmente nas regiões montanhosas, a diversidade
e a riqueza da cerâmica são mais restritas. Grandes jarros de armazenamento,
chamados pithoi, chamam a atenção pela quantidade, visto que superam qualquer
outra representação em cerâmica. Os pithoi têm uma forma alongada, borda
grossa, e o pescoço tem um formato de colarinho. Sua altura chega a 1,20 metro
e possivelmente eram utilizados para armazenamento de água.
60 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

Fortificações: As principais cidades dos filisteus eram fortemente construídas.


As mais representativas são Tel Qasile, Asdode e Ascalom. Há edifícios públicos
filisteus em Tel Qasile e Ascalom. Em Asdode e Ecrom muralhas bem fortificadas
foram encontradas. De certa forma, o planejamento urbano das cidades filisteias
era melhor e mais avançado que o planejamento das cidades israelitas. Em Israel,
propriamente, não há cidades que se destacam pela sua imponência nesse período
do Ferro I. Em vez de grandes cidades, havia vilas menores. As casas eram, em
geral, de quatro cômodos, ou seja, uma residência retangular com três longos
compartimentos paralelos e um mais amplo nos fundos. Contudo, não havia
fortificações nem muros ao redor das vilas.
Edificações cúlticas: Um templo em Tel Qasile é o único templo filisteu
significativo até agora escavado. Possui uma estrutura básica diferente dos
templos cananeus e do templo de Salomão mais tarde. Duas colunas centrais
eram os únicos suportes do teto, um estilo de arquitetura que pode trazer luz
ao episódio de Sansão ao pôr abaixo a casa onde os príncipes dos filisteus se
reuniram para louvar o seu deus Dagom (Juízes 16.29-30).
O contraste entre as bem-fundadas habitações filisteias e cananitas e as
rudimentares habitações dos israelitas no tempo dos Juízes é evidente. Enquanto
aqueles construíram sobre fundações já existentes, o povo de Israel constrói
sobre superfícies planas.
Recentemente, Adam Zertal afirma ter descoberto no monte Ebal, ao norte
de Siquém, o altar que Josué teria construído (Josué 8.30-32). No sítio de 4 mil
metros quadrados cercado por uma muralha de pedra, Zertal escavou uma
instalação circular de dois metros de largura, construído no pico do monte.
Ossos de animais encontrados junto à instalação indicam a finalidade cúltica
do local.31 Mas a interpretação do achado identificando-o com o altar de Josué
é motivo de controvérsia.32
Casa de quatro cômodos. Ao entrar em Canaã, Israel deixa de ser povo
seminômade para se tornar uma nação sedentária. A estrutura habitacional
muda no novo contexto. A arqueologia descobriu em Izbet Sarta, Berseba e
outros locais uma casa israelita que aparentemente se tornou padrão em Israel.

|| 31 ZERTAL, Adam. Has Joshua’s Altar Been Found on Mt. Ebal?. Biblical Archaeology Review 11 (January/February
1985): 26-35.
|| 32 KEMPINSKI, Aharon. Different Interpretations: Joshua’s Altar – An Iron Age I Watchtower. Biblical Archaeology
Review 12 (January/February 1986): 44-49.
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 61

Trata-se de uma casa retangular de quatro cômodos. Além de um pátio, onde


estava a única porta de entrada do recinto, acontecia a preparação de alimentos e
cuidado com os animais. No segundo andar a família dormia, fazia suas refeições
e nos intervalos outras atividades domésticas aconteciam.
Uma simples casa de quatro cômodos era suficiente para abrigar uma família
nuclear de pais e filhos, mas com frequência várias casas se acham conjugadas,
possibilitando que a família fosse ampliada. Talvez esse tenha sido o caso de
Mica nas montanhas de Efraim (Juízes 18.22). Bem adaptadas às necessidades de
famílias rurais, a casa de quatro cômodos continuou a ser a forma de arquitetura
doméstica popular entre os israelitas por todo o período do Ferro.

6.2 Ferro II (922-722 a.C.) –


Período da Monarquia
Para a maioria dos estudiosos da Bíblia, a era de maior progresso e desenvolvimento
em todos os aspectos em Israel ocorre um pouco antes e depois do ano 1000 a.C.33
São estes os anos de reinado de Saul, Davi e Salomão, que, num curto espaço de
tempo, conseguiram dar feições de povo forte a Israel, colocando-o num pedestal
de respeito junto às nações da época. É grande a evidência arqueológica a indicar
um novo tempo para o agricultor e prosperidade para todos.
Após a queda de Siló em cerca de 1050 a.C., a situação de Israel chegou a um
ponto bastante crítico, com a guarnição dos filisteus se estabelecendo na região
montanhosa (p. ex., 1 Samuel 10.5; 13.3) e os hebreus servindo no exército dos
filisteus (1 Samuel 14.21). Saul presta um grande serviço ao afugentar os filisteus
do domínio israelita, restando a Davi reduzir o poder e o território dos filisteus
a ponto de estes nunca mais se tornarem sérios inimigos.

6.2.1 Davi
Assim como Saul e os Juízes antes, Davi foi escolhido como líder não porque
tinha algum direito hereditário ao trono, mas porque demonstrava na sua pessoa

|| 33 Posicionamento contrário a este é mantido por arqueólogos contemporâneos como, por exemplo, FINKELSTEIN,
Israel e SILBERMAN, Neil Asher. The Unearthed Bible: Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the
origin of Its Sacred Texts. New York: Touchstone Book, 2002, p. 141-145.
62 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

que havia recebido dons especiais, charismata, diretamente de Deus. Ele é, pois,
o último dos grandes heróis carismáticos em Israel. Depois do seu reinado, o
trono em Jerusalém se torna hereditário. Quando eleito rei sobre todo o povo
(Israel no norte, e Judá no sul), Davi se defrontou com o problema de estabelecer
para si uma capital neutra. Decidiu capturar Jerusalém, uma cidade nos limites
entre o norte e o sul, que ainda estava nas mãos de um grupo cananeu conhecido
como jebuseus. Ao conquistá-la com suas próprias tropas, Davi lhe deu o nome
de “Cidade de Davi” (2 Samuel 5.9).
Davi aprimorou as fortificações da cidade e com o auxílio de artesãos fenícios
construiu nela um palácio para si, reconstruiu o Tabernáculo e fez o traslado da
Arca da Aliança para Jerusalém de forma que, a partir de então, a “Cidade de
Davi” se torna o centro do seu reino, tanto político quanto religioso.
Desde 1867, inúmeras escavações têm sido feitas em Jerusalém, e uma grande
quantidade de artefatos da antiga cidade, ao menos nesses inícios de escavações,
tem sido recuperada. Sabemos que o local foi ocupado desde 3000 a.C. e que o
nome atual “Jerusalém” aparece em textos egípcios ao redor de 1900 a.C.
O curioso com Jerusalém é que não há vestígio de formação de um “tell”, ou
seja, a sobreposição de remanescentes de uma cidade sobre a outra. A explicação
é de que os remanescentes antigos foram aplainados dentro da cidade e o que
sobrou foi despejado pelas escarpas em algum momento por volta do segundo e
primeiro séculos antes de Cristo. O historiador judeu Flavio Josefo nos informa
que uma fortaleza síria construída ali no começo do segundo século foi nivelada
até o chão pelo judeu Simão em cerca de 140 a.C. e que a própria colina onde
estava a fortaleza foi removida – um empreendimento que levou três anos.
Não temos evidência arqueológica significativa do tempo do reinado de Davi.
Jerusalém, que ele conquistou, se localizava num contraforte estreito demarcado
a leste pelo ribeiro de Cedrom e a oeste pelo vale de Tiropeon. Escavações na
encosta leste dessa colina, acima da fonte de Giom, revelaram uma construção
imponente, conhecida como a “Estrutura de Pedra em Degraus”, que se atribui
seja do século X a.C. A estrutura é um enorme muro de arrimo, preservado
até uma altura de 16,50 metros, que aparentemente suportava uma construção
portentosa. Assemelha-se a uma enorme queda de água de pedra. Já Kathleen M.
Kenyon, em suas escavações em Jerusalém em 1960, identificava essa estrutura
com o “Millo”, que, segundo ela, era uma simples transliteração do termo hebraico
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 63

(2 Samuel 5.9; 1 Crônicas 11.8; 2 crônicas 32.5) e que deveria ser traduzido por
“enchimento”.34 Escavações recentes no local parecem indicar que este arrimo
dava suporte, de alguma forma, ao palácio de Davi.35
Grande parte da história de Jerusalém está conectada ao estudo do seu
suprimento de água, especialmente a que verte da fonte de Giom, no vale de
Cedrom. Sem esta fonte, Jerusalém jamais poderia subsistir como cidade. Protegê-
la foi preocupação constante dos seus governantes. Um bem trabalhado sistema
de túneis nas proximidades é testemunha eloquente dessa preocupação.
Numa tentativa inicial de se trazer água para mais perto dos habitantes da
cidade murada, um longo aqueduto foi aberto na rocha ao longo da encosta da
montanha. O aqueduto iniciava no Giom e serpenteava até a extremidade sul
da cidade, onde despejava num açude, chamado “açude velho” (Isaías 22.11),
aparentemente junto ao vale Tiropeon, para dentro das muralhas da cidade.
Foi provavelmente neste local que Salomão foi ungido rei de Israel (1 Reis 1.33-
46) e onde o profeta Isaías encontrou-se com o rei Acaz (Isaías 7.3). Em outra
passagem (8.6), Isaías refere-se às águas neste aqueduto como “as águas de Siloé
que correm brandamente” e as emprega em sentido metafórico para descrever
a atitude de Deus para com Israel.
Este conduto é em parte natural e em parte escavado. Por conseguinte, não
havia proteção nem segurança para o suprimento de água em tempos de sítio.
Por essa razão, o rei Ezequias, diante da iminente ameaça de invasão por parte
da Assíria, modificou esse traçado das águas antes de 701 a.C. e construiu o
seu próprio túnel, conhecido como túnel de Ezequias. O empreendimento é
reconhecido como uma grande obra de engenharia. Cavando secretamente,
Ezequias fez um túnel de 533 metros por baixo da cidade de Jerusalém. O relato
bíblico menciona esta façanha (2 Reis 20.20), mas não da maneira como ela foi
feita. Em 1880, meninos que nadavam no túnel descobriram uma inscrição a
seis metros da saída, contemporânea à escavação do túnel. Hoje conhecida como
“Inscrição de Siloé”, narra a história da construção do túnel num hebraico cujo
estilo corresponde ao do tempo do rei Ezequias.
O relato informa que um grupo começou a escavar numa extremidade e
o outro na extremidade oposta. Como eles se encontraram, permanece um

|| 34 KENYON, Katheleen. Digging Up Jerusalem. New York: Praeger, 1974, p. 100.


|| 35 MAZAR, Eilat. Excavate King’s David Palace. Biblical Archaeology Review 23 (January-February 1997): 50-57, 74.
64 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

mistério.36 A inscrição narra apenas os momentos dramáticos finais de quando


estavam para se encontrar. Na inscrição do túnel não se menciona o nome do rei
Ezequias. Mas recentemente, Rony Reich e Eli Shukron encontraram um pequeno
pedaço de pedra calcária de 13,5cm x 9,5cm, que acrescenta uma pequena peça
no quebra-cabeça de Jerusalém no século VIII a.C. A pedra está quebrada em
todos os lados e traz uma inscrição de apenas seis letras em paleo-hebraico – o
tipo de caractere em uso antes da queda de Jerusalém pela Babilônia em 586
a.C. Infelizmente, a pedra foi encontrada num grande entulho em vez de num
contexto estratificado. Mas os fragmentos de cerâmica no entulho datam todos
do século VIII a.C., tornando-se a primeira dica para a datação da inscrição na
pedra. As letras da primeira linha são qyh. É suficiente para dizer aos escavadores
que provavelmente faz parte de um nome de pessoa que termina em –yahu, um
assim chamado nome teofórico que se refere ao nome do Deus de Israel, Yahweh.
O problema é que vários nomes no século VIII a.C. terminavam dessa forma.
Mais: vários deles incorporavam esta sequência triliteral. Embora os escavadores
da pedra não admitam, há alguns que garantem que o nome seja:
[Hiz]qyh[w] = Hizqiyahu, ou “Ezequias”, em português.
A primeira palavra na segunda linha inclui as duas letras kh. De novo, há
várias alternativas, mas os arqueólogos mencionados acima não se arriscam.
Outros se apressam em afirmar que sabem com certeza:
[br]kh = beracha, ou “tanque”, em português.
Certamente, havia um tanque, um açude no final do túnel de Ezequias no
período do Templo de Salomão, como havia no período do Templo de Herodes e
ali está até hoje. “Este pequeno fragmento de pedra”, como diz Hershel Shanks, “é
a última evidência de uma vicejante metrópole em Jerusalém durante o período
do Primeiro Templo.”37

|| 36 A inscrição encontrada na parede do túnel diz o seguinte: “... relato do encontro. E este foi o relato do
encontro. Enquanto os operários ainda estavam trabalhando com suas picaretas, cada grupo em direção ao
outro, e quando ainda faltavam três côvados para serem escavados, a voz de cada grupo era ouvida pelo
outro, porque havia um zdh [termo hebraico incerto, talvez “rachadura”, “sobreposição”, “fissura”] na rocha
no sentido sul-norte. E no momento em que os dois grupos se encontraram, os operários abriram caminho
um grupo em direção ao outro, golpe contra golpe, picareta contra picareta. Então a água fluiu da fonte para
o tanque por 1.200 côvados. E a altura da pedra acima das cabeças dos operários era de 100 côvados.”
|| 37 S[SHANKS], H[ershel]. A Tiny Piece of the Puzzle: Six-Letter Inscription Suggests Monumental Building of
Hezekiah. Biblical Archaeology Review 35 (March/April, 2009): 55.
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 65

Em termos de evidências arqueológicas, o reinado de Davi não apresenta


significativos achados. Mesmo porque os grandes empreendimentos
arquitetônicos aconteceram com o seu sucessor ao trono, o rei Salomão. Salomão
continuou e expandiu a obra de seu pai e, mais, construiu o que passou a ser
a menina dos olhos do reino de Israel, o templo de Jerusalém. Como afirma
eminente arqueólogo: “Foi Davi quem estabeleceu o reino na sua extensão e
poder, mas foi Salomão quem lhe acrescentou o glamour!”.38

6.2.2 Salomão
A Bíblia fala, em parte, das atividades arquitetônicas e comerciais de Salomão,
e várias delas são atestadas pelas escavações arqueológicas. Salomão fortificou
Jerusalém, construiu ali o seu palácio, o seu centro administrativo e o Templo.
Além disso, construiu “cidades-armazém” como também “as cidades para os
seus carros de guerra e cidades para seus cavaleiros” em todo o seu território
(1 Reis 9.19).
Em parceria nos negócios com Hirão, rei da Fenícia, Salomão possuía uma
frota de navios que viajava com a frota de Hirão, que, a cada três anos, voltava
trazendo riquezas minerais e animais exóticos (1 Reis 10.22). Em terra, Salomão
possuía “mil e quatrocentos carros e doze mil cavalarianos” (1 Reis 10.26). Seu
tino comercial está retratado no texto bíblico: “Os cavalos de Salomão vinham
do Egito e da Cilícia; e comerciantes do rei os recebiam da Cilícia por certo
preço. Importava-se, do Egito, um carro por seiscentos siclos de prata e um
cavalo por cento e cinquenta; nas mesmas condições, as caravanas os traziam
e os exportavam para todos os reis dos heteus e para os reis da Síria” (1 Reis
10.28-29).

6.2.3 Construções salomônicas em Jerusalém


A segunda fase do período do Ferro indica um avanço no uso do ferro e
aprimoramento da técnica de construção. A descoberta de um palácio, um
edifício administrativo e um portão de cidade monumental, composto de seis
compartimentos associado a muralhas com casamatas em Hazor nesse período,

|| 38 WRIGHT, Ernest G. Biblical Archaeology. Philadelphia: The Westminster Press, 1960, p. 75.
66 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

é marcante. Por uma análise cuidadosa de estrutura similar tanto em Megido


quanto em Gezer, Yadin provou que esta configuração foi resultado da obra
de Salomão (1 Reis 9.15). Especialmente o portão de seis compartimentos
em forma da letra “E” espelhada, com um braço a mais, é uma característica
salomônica.
Neste mesmo período, as fortalezas, defesas e complexos administrativos
em Megido foram ampliados, empregando-se a técnica de alvenaria, talvez sob
influência fenícia. Ali foram encontradas o que inicialmente se pensou serem
as “estrebarias” de Salomão, mas que posteriormente foram identificadas como
sendo do reino de Omri ou Acabe.39 Davies, por exemplo, acredita na possibilidade
de que abaixo das estrebarias do século IX a.C. estejam os remanescentes das
estrebarias de Salomão do século X. Diz ele: “...a evidência mostra num alto grau
de probabilidade que Salomão realmente possuía estrebarias em Megido. Elas
eram em escalas bem menores do que as estrebarias construídas ali um século
mais tarde pelos reis do norte de Israel. Apenas duas ou possivelmente três
unidades, fornecendo acomodação para 48 ou 72 cavalos, foram identificadas
quando comparadas com as 17 unidades do período posterior da cidade. Por
certo, a necessidade de um maior contingente de carros deve ter sido o fator
principal para a reorganização da cidade [de Megido] no século IX”.40
Templo de Jerusalém. Não há remanescentes arqueológicos significativos
do templo de Salomão, em Jerusalém. A maioria dos estudiosos acredita que
ele se localizava no sítio da plataforma que hoje abriga a mesquita El-Aqsa e a
Cúpula da Rocha.
O relato bíblico apresenta uma relativamente extensa descrição das dimensões
e dos objetivos do templo (1 Reis 6 e 2 Crônicas 3-4). Por estar no centro político
e cúltico desde os tempos davídicos, o Templo sempre despertou interesse,
curiosidade e ganância. A experiência humana tem mostrado que o que é
precioso para muitos se torna objeto de cobiça para outros tantos. Para alguns
manter segredo e mistério é mais importante do que revelar aspectos da história
que eventualmente possam comprometer o presente. Em razão disso, Jerusalém,
nas últimas décadas, tem sido intolerante com as tentativas de arqueólogos de

|| 39 DAVIES, Graham I. King Solomon’s Stables still at Megiddo? Biblical Archaeology Review 20 (January/February
1994): 45-49.
|| 40 DAVIES, Graham I. King Solomon’s Stables still at Megiddo? Biblical Archaeology Review 20 (January/February
1994), p. 49.
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 67

buscar vestígios de sua história e arquitetura. Se por todo o território de Israel


as escavações arqueológicas são frequentemente ameaçadas, imagine-se esse
quadro em Jerusalém. De um lado estão os judeus ortodoxos, que procuram
impedir o trabalho das expedições argumentando que as escavações podem
estar profanando velhos cemitérios judeus ou antigos restos mortais de seus
antepassados. Por isso, qualquer tipo de escavação no próprio monte do Templo
é expressamente proibido por muçulmanos e judeus ortodoxos. As leis islâmicas
permitem que apenas muçulmanos possam adorar no monte e considera toda
invasão do local para qualquer finalidade arqueológica como tentativa velada
do governo israelense de eliminar a presença islâmica e reassumir o controle
do local, reivindicado por judeus, muçulmanos e cristãos.
Sabemos, pelo texto bíblico, que Davi, após ter erigido um altar na eira de
Araúna, designou o lugar como “Casa do SENHOR” e o altar como “o altar dos
holocaustos para Israel” (1 Crônicas 22.1; 2 Samuel 24.18-25). É provavelmente
neste lugar preparado por Davi que Salomão constrói o templo (2 Crônicas
3.1). Alguns arqueólogos, como Roland DeVaux, por exemplo, têm certeza da
sua localização. Diz ele que “não há nenhuma dúvida sobre a sua [do templo]
localização geral: é o topo rochoso que dominava ao norte a colina de Ofel,
onde se estendia a cidade antiga, é o mesmo lugar onde foram construídos
mais tarde o Templo de Zorobabel e depois o de Herodes, e o cinto de muralhas
herodiano é atualmente representado pela esplanada da mesquita de Omar, o
Haram esh-Sherif ”.41
O templo de Salomão era uma estrutura retangular, que media cerca de 25m
x 50m. Era maior do que qualquer outro templo fenício ou cananeu até agora
conhecido. A altura também chamava a atenção, pois media cerca de 15 metros.
É dito das paredes que tinham 12 cúbitos de espessura. O templo possuía uma
divisão tripartite: o átrio (ulam), o Santo Lugar (heychal) e Santo dos Santos
(debir). A entrada para cada uma das partes ficava no eixo central, lembrando
uma catedral de nossos dias.
Mesmo após décadas de intensas e complexas iniciativas de escavações em
Jerusalém, infelizmente muito pouco foi encontrado. A não ser um punhado
de cacos de cerâmica, nada mais pode ser atribuído ao tempo de Salomão.

|| 41 DeVAUX, Roland. Instituições de Israel no Antigo Testamento. Daniel de Oliveira, trad. São Paulo: Editora
Teológica, 2003, p. 356.
68 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

Estruturalmente, uma possível exceção sejam as ruínas de uma casamata


encontrada por Kathleen Kenyon, com direção norte num conjunto de muralhas
pré-davídicas em Jerusalém.42
O único artefato descoberto que se sabe ter relação com o Templo de Salomão
é uma pequena romã de marfim que outrora estava presa à ponta de um cetro.
Datado do século VIII a.C., sua relação com o templo é indicada por uma
inscrição em hebraico ao redor da romã de marfim, e que diz:
“Objeto santo aos sacerdotes, pertencente ao templo de [Yahwe]h.”
Por décadas o frágil objeto esteve bem guardado no Museu de Israel. A romã
foi vista pela primeira vez numa loja de antiquários em Jerusalém por André
Lemaire, arqueólogo e epígrafo, que declarou como autêntica a inscrição.43
Além do Templo de Salomão em Jerusalém, o único outro templo israelita
do período do Ferro encontrado em Judá foi desenterrado em Arade, por
Yohanan Aharoni.44 Arade era uma fortaleza real que deve ter servido como
importante reduto administrativo no sul de Judá, que vigiava a estrada que ia
das colinas de Judá para Moabe e Edom. A fortaleza era uma estrutura quadrada
com cerca de 50m x 50m, situada numa colina elevada. No início era cercada
por um muro com casamata, uma característica do período salomônico. O
templo compreendia um grande pátio, uma sala ampla e um Santo dos Santos
na forma de um nicho elevado na extremidade ocidental da estrutura. Um altar
de sacrifícios no pátio havia sido construído de pedras rústicas e media 2,5m x
2,5m, conformando-se, tanto na técnica de construção como em dimensões, com
a orientação bíblica (Êxodo 20.24-25). Localizadas dentro do nicho, encostadas
na parede traseira, estavam duas pedras eretas; uma, pintada de vermelho, era
maior que a outra. Na entrada do Santo dos Santos havia dois altares monolíticos
de pedra de dimensões diferentes, cada qual colocado do lado oposto à pedra
ereta de tamanho diferente. Conforme os escavadores, o templo de Arade foi
fundado no século X a.C., e continuou em uso, passando por várias renovações
até a época de Josias e Ezequias.45

|| 42 KENYON, Kathleen M. Digging up Jerusalem. London and Tombridge: Ernest Benn, 1974, p. 114-115.
|| 43 SHANKS, Hershel. Is this Inscription Fake? You Decide. Biblical Archaeology Review 33 (September/October,
2007): 67-69.
|| 44 AHARONI, Yohanan. The Archaeology of the Land of Israel. Anson F. Rainey, trad. do hebraico. Miriam Aharoni,
ed. Philadelphia: Westminster Press, 1982, p. 60, passim.
|| 45 HERZOG, Ze`ev, AHARONI, Miriam e RAINEY, Anson. Arad: an Ancient Israelite Fortress with a Temple to
Yahweh. Biblical Archaeology Review 13 (March/April, 1987), p. 16-35.
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 69

Templo e teologia. No mundo politeísta antigo, reino e templo eram as duas


instituições que uniam os mundos divino e humano. No Egito, o rei era o filho
encarnado de Rá, o deus Sol. Na Mesopotâmia, ele era o representante seletivo
dos deuses para governar a sociedade humana, e podia ser considerado como o
filho adotivo dos deuses. Em Israel, esse conceito de relação privilegiada entre o
rei e Deus está fora de cogitação. Talvez seja por isso que a expressão “filho de
Deus” não seja empregada em relação ao rei. O Templo de Jerusalém, portanto,
diz respeito apenas ao Deus de Israel, não ao rei. O Templo era simplesmente a
“Casa de Yahweh” ou “Templo do SENHOR” cuja presença era tida como visível,
entronada entre os querubins do Santo dos Santos. O Templo é onde está o Nome
de Deus, a casa de oração, o centro do perdão, o consolo do povo de Deus – quer
seja nativo ou estrangeiro (1 Reis 8.27-30, 33-34, 41-42).46

6.2.4 Construções de Salomão fora de Jerusalém


O livro de 1 Reis 9.17-19 apresenta uma longa lista de cidades construídas
ou fortificadas por Salomão. As mais representativas são: Hazor, Megido, Gezer,
Baalate e Talmira – esta no deserto da Síria. O texto menciona também que
ele construiu “cidades-armazém”, “cidades de carros” e “cidades de cavalos”. As
escavações feitas em Megido, Hazor e Gezer revelaram um arquitetura urbana
salomônica.

a) Megido
Megido se localizava numa área geográfica estratégica. Por ela passavam
duas estradas importantes, uma comercial e outra militar. Uma subia de
Jerusalém e ligava a Palestina com a costa mediterrânea; a outra, a Via Maris,
iniciava no Egito e seguia até o outro extremo do Crescente Fértil. Megido foi
habitada por mais de 3000 anos e possuía mais de 22 níveis de ocupação. Por
estar localizada numa área de convergência, Megido foi uma cidade rica em sua
história, revelando, no período cananeu, grande movimento de importação de
ouro e marfim trabalhado.

|| 46 Para uma análise mais ampla e profunda sobre a teologia do Templo, cf. HUMMEL, Horace D. The Word
Becoming Flesh: An Introduction to the Origin, Purpose, and Meaning of the Old Testament. St. Louis:
Concordia Publishing House, 1979, p. 135-139.
70 Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista

No período salomônico, Megido era um centro administrativo e servia


como um celeiro de grãos para o reino. Ali as escavações estão entre os maiores
projetos arqueológicos de um sítio do período do Ferro em Israel. Mas as
interpretações dos achados ainda continua a ser motivo de polêmica entre os
estudiosos. Uma destas construções polêmicas são as chamadas “estrebarias ou
estábulos de Salomão”, escavados por Yadin. Seriam elas estrebarias? Teriam
sido construídas pelo rei de Israel? Parece que, tecnicamente, essa identificação
seria muito improvável.
O edifício era comprido e retangular, com duas fileiras de pilares dividindo-os
em três passagens estreitas. Na parte interna da construção foram encontradas
o que se pensou serem gamelas de pedra e tanques de água. Para retirar, por
exemplo, um cavalo dum compartimento no fundo do edifício, era preciso
que se retirassem todos os cavalos que estivessem mais próximos da entrada.
Ademais, não foram encontrados locais adequados para se guardar os carros de
guerra. A opinião dos arqueólogos hoje é de que tal edifício tenha sido utilizado
como armazém.
Um portão de três câmaras foi encontrado em Megido. Fundamentado no
texto bíblico de 1 Reis 9, Ygael Yadin considera os portões de Megido, Hazor e
Gezer como ilustração evidente de uma operação de construção digna de um
rei e que ele atribui a Salomão. Os três portões monumentais eram estruturas
retangulares que compreendiam seis câmaras de guarda e quatro portais. As
fachadas dos portões dessas três cidades incluíam torres salientes, com uma
passagem central de 4,20 metros de largura. O portão de Megido era construído
de alvenaria de cantaria de alta qualidade. É o único desses portões que foi
inteiramente construído em pedra de cantaria, como os palácios de Megido.

b) Hazor
As ruínas de Hazor ficam ao norte de Israel. Por ser a cidade mais setentrional,
vigiava lugares estratégicos, entre os quais o vale do lago Hulê. A cidade estava
dividida em duas partes. A colina propriamente, ou cidade alta, e a planície ou
cidade baixa. Grandes muros de terra protegiam a cidade baixa. A colina possuía
muralhas grandes e bem fortificadas, tornando Hazor uma cidade importante
Período do Ferro (1.200 a.C.-722) – Período Israelita: a Conquista 71

no contexto do Antigo Oriente Próximo. Por ter prestígio, a cidade era alvo de
constantes ataques.
Hazor é mencionada com frequência na Bíblia e fora dela. Quando os
israelitas liderados por Josué conquistaram Canaã, o rei de Hazor fez uma
coalizão com outros reis para se defrontar com o exército de Israel. O texto
bíblico diz que, depois de derrotar várias cidades, Josué capturou Hazor e a
queimou (Josué 11.1-13). Hazor é mencionada também nos arquivos de Mari.
Estes arquivos narram a história de caravanas que viajavam entre Hazor e a
Babilônia. Escritos cuneiformes encontrados no Egito dão conta de que havia
correspondência amistosa entre o faraó e o rei de Hazor.
A cidade de Hazor do tempo de Salomão só ocupava metade do cômoro
superior, uma área de 32 mil metros quadrados. A cidade era rodeada por
um muro de casamata e a entrada era feita por um portão também de seis
câmaras, similar ao de Megido, embora construído de pedras de campo bastante
rústicas.

c) Gezer
Já em Gezer, o portão de seis câmaras foi construído com grandes pedras do
campo, sendo usadas pedras de cantaria47 somente para as paredes de fachada. Um
muro de casamata, similar ao de Hazor, flanqueava o portão, mas provavelmente
não rodeava toda a cidade. O acesso à cidade era feito por um portão externo
oblíquo um pouco mais baixo que o portão principal construído de pedras de
cantaria e conectado a uma sólida muralha externa com suas torres de cantaria.
Como o ponto defensivamente mais frágil, o portão principal necessitava desse
reforço extra. Esse monumental sistema de fortificações persistiu até a conquista
de Israel pelos assírios.

|| 47 Pedra de cantaria é pedra de corte retangular uniforme em tamanho e forma, e assentada em fileiras
horizontais. Em geral postadas junto ao portão principal da cidade, eram colocadas regularmente ou como
a própria parede ou como revestimento de uma parede em alvenaria.
Atividade
Em geral, os filisteus são descritos na Bíblia como povo hostil ao povo de
Israel. A arqueologia apresenta um aspecto importante em que os filisteus se
destacaram. Indique que aspecto é esse e caracterize-o brevemente.
7

Período Persa (587 a.C.)


7.1 Divisão e queda do reino
O tempo dourado dos grandes reis não sobreviveu ao século X a.C.. Depois
da morte de Salomão, o reino se fragiliza e se fragmenta. O reino do norte
mantém o nome “Israel” e escolhe por rei a Jeroboão, que fora oficial de Salomão
no comando dos trabalhos forçados na região norte. O reino do sul, chamado
“Judá”, retém a dinastia davídica, escolhendo Roboão por rei. A fronteira entre
ambos era o limite norte da antiga tribo de Benjamim, a uns 16km ao norte
de Jerusalém. O vasto território antes conquistado por Davi foi gradualmente
minguando. Apesar da política instável no norte e as constantes escaramuças
entre o norte e o sul, quando fatores externos permitiam, parece que havia um
clima de otimismo e prosperidade entre o povo da terra.
Em algumas áreas escavadas, há indicação de um aumento gradativo na
população e uma elevação no padrão de vida. A cultura na Palestina nesse
período se torna bastante uniforme e os remanescentes das culturas cananitas
e filisteias nas planícies praticamente desaparecem. No período que segue, por
cerca de 300 anos, os costumes do povo se tornam tão estáveis que é difícil para
os arqueólogos determinar períodos culturais definidos. A cerâmica do século
IX ao século VII a.C. não apresentam diferenças que sejam marcantes. Esta
homogeneidade na cultura reflete certa estabilidade de vida e pensamento, não
obstante as frequentes turbulências políticas.
74 Período Persa (587 a.C.)

A referência bíblica de 1 Reis 12.25 nos informa que Jeroboão “construiu”


Siquém. Visto que Siquém se mantivera como a cidade principal na região por
cerca de mil anos, talvez a frase “fortificou Siquém” seja a mais adequada. Ao
menos uma parte dessa fortificação foi escavada já em 1956.

7.2 Faraó Sisaque na Palestina


A campanha do faraó Sisaque na Palestina em 923 a, C. trouxe consequências
sérias e devastadoras tanto para Judá, no sul, quanto para Israel, no norte. O
registro dessa campanha está relatado no livro de 1 Reis 14.25-39, bem como
nas inscrições do templo de Karnak, no Egito. Sisaque cruzou a região do Sefelá
pelo vale de Aijalom e subiu até Gibeão, ameaçando Jerusalém pelas bandas do
nordeste. O rei de Judá Roboão evitou que sua capital sofresse um sítio, pagando
aos egípcios um pesado tributo. O relato do livro de Reis diz: “No quinto ano do
rei Roboão, Sisaque, rei do Egito, subiu contra Jerusalém e tomou os tesouros
da Casa do SENHOR e os tesouros da casa do rei; tomou tudo. Também levou
todos os escudos de ouro que Salomão tinha feito”. O livro de Crônicas traz
mais detalhes quando diz que Sisaque subiu contra Jerusalém “com 1.200 carros
e sessenta mil cavaleiros; era inumerável a gente que vinha com ele do Egito,
líbios, suquitas e etíopes” (2 Crônicas 12.3). Roboão e a cidade de Jerusalém só
foram poupados por causa da interferência do profeta Semaías e sua intercessão
ao SENHOR.
O relato bíblico menciona apenas que o reino de Judá foi afetado, mas
aparentemente toda a Palestina foi envolvida. Pelo vale do Jordão, Sisaque chega
até o vale de Jezreel, ao norte de Megido. Graças, talvez, a seus portões de seis
câmaras, Megido foi poupada de consequências maiores. Fragmento de uma
estela de Sisaque foi encontrada em Megido. No seu retorno, seguindo a linha
da Via Maris, fez uma varredura na região costeira do mar Mediterrâneio, de
Megido a Gaza.
Nas paredes do templo de Karnak, no alto Egito, Sisaque pediu a seus artistas
e escultores que deixassem registrado para a história o seu interesse na extensa
campanha. O enorme painel apresenta a figura do próprio Sisaque golpeando
povos asiáticos na presença do deus Amom, que com uma deusa submete a ele
dez fileiras de povos cativos. Cada um desses cativos simboliza uma cidade ou
local cujo nome é mencionado embaixo. A lista inclui cidades da Transjordânia,
Período Persa (587 a.C.) 75

Esdrelom, Edom e a região montanhosa de Israel. A partir desses nomes se pode


dimensionar a extensão da campanha de Sisaque. A conquista, entretanto, não
pôde ser desfrutada por muito tempo. Logo após a consolidação da campanha,
Sisaque morreu. O livro de Crônicas mostra que seus sucessores não tiveram a
mesma ousadia e desempenho (2 Crônicas 14.9ss).

7.3 O governo de Onri


A história do reinado de Onri está registrada em 1 Reis 16.15-27. Sua dinastia
foi uma das mais notórias em Israel, e uma das razões para isso foi o casamento
do seu filho Acabe com Jesabel, filha de Etbaal, um sacerdote da deusa Astarte
em Tiro. Sete versículos apenas nos fornecem informações sobre a pessoa de
Onri, mas, se combinarmos estes versículos com informações arqueológicas,
podemos concluir que ele era rei de considerável habilidade.
As informações mais precisas vêm das escavações em Samaria. Siquém, a
capital natural do Reino do Norte, não era um local muito seguro em termos de
ataque inimigo. Por isso os antecessores imediatos de Onri transferiram a capital
do reino para Tirza. Onri, em combinação com os fenícios, escolheu para si uma
nova capital, na colina que comprara de Semer, e por isso lhe deu o nome de
Samaria. Samaria se localizava a noroeste de Siquém, estrategicamente localizada
junto à estrada que levava à planície de Sarom na costa do Mediterrâneo, e de
outra estrada que levava ao norte através do vale de Jezreel até a Fenícia. A
colina onde se localiza Samaria era íngreme e oferecia uma visão ampla e bela
da planície que a circundava.
Não tem sido fácil o processo de escavação em Samaria. Desde sua fundação
o sítio vem sendo intensamente ocupado até o tempo de Jesus. Os construtores
do período Helenista e Romano erigiram enormes estruturas fundadas na rocha
de maneira que os estratos israelitas ficaram comprometidos e em algumas
áreas removidos completamente. As escavações se concentraram na acrópole da
cidade, onde se desvendou uma arquitetura exuberante talvez só comparada à
do período salomônico. A acrópole era um enorme recinto retangular nivelado,
cobrindo uma área de 16 mil metros quadrados.
A parte principal da acrópole foi pavimentada com um espesso piso de
calcário e cercada por um belo muro de cantaria com 1,60m de espessura. A
76 Período Persa (587 a.C.)

construção do muro, nas proximidades do portão da cidade, seguia o padrão de


bloco espelhado seguido de dois em forma de cunha. Já ao tempo de Salomão
esse design fora empregado, mas agora o corte uniforme e a precisão da alvernaria
são superiores aos protótipos anteriores.
Uma estrutura menor na acrópole continha um depósito de marfins
entalhados. Esse achado pode trazer alguma luz sobre a expressão bíblica “casas
de marfim” empregada pelo profeta Amós para descrever as casas das pessoas
abastadas (Amós 3.15). Conforme 1 Reis 22.39, o próprio Acabe construiu uma
“casa de marfim”, ou seja, uma construção decorada internamente com marfim.
No contexto da acrópole, um edifício administrativo forneceu nada menos
que 63 óstracos (inscrições breves em cacos de cerâmica). As listas registram o
ano, aparentemente o ano do reinado de um dos reis de Israel, local de origem,
nome da pessoa que recebe a mercadoria e o tipo de mercadoria. O que chama a
atenção nos óstracos é o sufixo que aparece nos nomes de pessoas mencionadas.
O sufixo comum aos nomes pessoais era –yw ou –baal, em contraste com –yahu,
sufixo dominante em Judá.

7.4 Judá e Senaqueribe


Nos tempos da monarquia em Judá, Laquis era a segunda cidade mais
importante do reino. Era um cômoro com uma área de 80 mil metros
quadrados, situada na região do Sefelá e próxima à planície costeira do mar
Mediterrâneo.
No início do governo de Senaqueribe o rei de Judá Ezequias achou que era
hora de se rebelar contra a Assíria e não hesitou em fazê-lo. Mas Senaqueribe
iniciou uma grande campanha militar para punir esta e outras rebeldias. O relato
desta campanha está largamente descrito no texto bíblico (2 Reis 18 e Isaías 37-
38) e nos anais assírios. O objetivo de Senaqueribe era conquistar Jerusalém,
mas para isso, ele, na sua estratégia, conquistava as cidades ao redor para aos
poucos ir sitiando a capital de Judá.
Laquis era uma cidade muito bem fortificada. Seus baluartes consistiam de
duas muralhas. Uma muralha externa, no meio do cômoro, e outra interna, no
topo. A muralha interna possuía seis metros de espessura e foi construída com
tijolos de barro assentado sobre uma fundação de pedra. Os portões de Laquis
Período Persa (587 a.C.) 77

chamavam a atenção pela sua peculiaridade arquitetônica. Eles incluíam uma


rampa de acesso que acompanhava a encosta do cômoro e um portão externo
e outro interno. Uma espécie de praça dentro do portão externo conduzia ao
portão interno de seis câmaras, que lembrava muito os portões de Megido,
Hazor e Gezer.
Internamente, a parte de construções públicas era separada das demais por
um espesso muro. A principal estrutura pública era um grande e fortificado
palácio construído sobre uma plataforma.
Além do texto bíblico, o sítio de Laquis e sua conquista pelo rei assírio
Senaqueribe em 701 a.C. estão muito bem documentados pela arqueologia.
No palácio de Senaqueribe em Nínive há um grande relevo mural que fornece
detalhes sobre o sítio e tomada de Laquis. Os detalhes são tais que parecem
indicar que quem fez esse trabalho artístico foi testemunha ocular dos
acontecimentos. O relevo mostra não apenas as muralhas e os portões da cidade
como detalhes sobre os instrumentos bélicos empregados na ocasião. Nele se
vê os aríetes assírios que investem contra as muralhas sendo contra-atacados
por tochas pelos judaítas ao mesmo tempo em que os assírios se defendiam
despejando água e retornando o fogo com fundas e flechas.
As tropas assírias construíram uma rampa para ter acesso às muralhas
da cidade. Foi construída com enormes quantidades de pedras empilhadas
perpendicularmente às muralhas até chegar às bases dessas muralhas. Os
engenheiros assírios aplicaram argamassa sobre as pedras da camada superior
para tornar a superfície mais compacta de maneira que pudesse suportar as
pesadas máquinas de sítio. Evidências do confronto real foram encontradas no
ponto de junção entre a rampa e a muralha na forma de centenas de pontas de
flecha de ferro, pedras de funda, restos de madeira queimada, pedras pesadas
que foram lançadas de cima das muralhas sobre os inimigos.
A descoberta mais surpreendente nessa área foi uma maciça contrarrampa
construída pelos judaítas do lado de dentro da cidade, em oposição à rampa
78 Período Persa (587 a.C.)

assíria de sítio. Ela tinha como objetivo proteger a muralha contra os aríetes e
prover uma defesa alternativa caso a muralha fosse rompida pelo inimigo. Os
esforços hercúleos para proteger Laquis falharam. Laquis foi tomada e queimada
e seus habitantes foram executados ou levados cativos.
Uma vez capturada Laquis, Senaqueribe concentrou seus esforços na
perseguição a Ezequias, rei de Judá, que estava em Jerusalém. O profeta
Isaías, conselheiro de Ezequias, assegurou ao rei que, não obstante o aparente
e invencível poderio militar de Senaqueribe, ele “não entrará nesta cidade,
nem lançará nela flecha alguma, não virá perante ela com escudo, nem há de
levantar tranqueiras contra ela” (2 Reis 19 32). Esta foi a palavra do SENHOR
por intermédio de Isaías, e assim aconteceu. Senaqueribe impôs pressão militar
na forma de sítio sobre Jerusalém, forçando Ezequias a se render e reconhecer
Judá como vassalo e a se submeter a pesados tributos. Mas Jerusalém não foi
atacada.
Daqui por diante, o relevo mural assírio fica em silêncio. As ameaças e o sítio
que Senaqueribe impõe sobre Jerusalém não obtiveram êxito. Senaqueribe, no
seu prisma deixado para a história, claramente reconhece que não conseguiu
conquistar Jerusalém.48 Por sua vez, o texto bíblico relata que o Anjo do SENHOR
dizimou grande parte do exército assírio e que Senaqueribe, ao retornar para
sua casa, foi morto pelos seus próprios filhos (2 Reis 19.35-37; 2 Crônicas 32.21;
Isaías 37.36-38). As palavras do profeta Isaías se cumpriram.
Passado pouco mais de um século, outro profeta judaíta, Jeremias, alerta de
que Yahweh, por causa da maldade dos habitantes de Jerusalém, permitiu que
os babilônios erguessem rampas contra a cidade e enchessem o seu interior
com cadáveres de homens (Jeremias 33.4-5). Este acontecimento ocorre em
587 a.C., quando Jerusalém é sitiada, tomada e incendiada e o povo de Deus é
levado cativo para a Babilônia.

|| 48 PRITCHARD, James, ed. Ancient Near Eastern Related to the Old Testament. Princeton, NJ: Princeton University
Press, 1969, p. 288 apresenta a versão de Senaqueribe: “Quanto a Ezequias... cerquei-o e conquistei 46 das
suas cidades fortemente muradas, além de incontáveis pequenas povoações em torno delas, por meio de
rampas de terra e máquinas de sítio, além de ataque de infantaria, escavações, invasões e escaladas. Levei
deles, contando como despojo, 200.150 pessoas de todas as posições, homens e mulheres, além de cavalos,
mulas, jumentos, camelos, gado e ovelhas. O próprio rei, confinei-o em Jerusalém, a capital do reino, como
passarinho na gaiola...”
Período Persa (587 a.C.) 79

7.5 O tempo do exílio


O esplendor da capital babilônica pôde ser reconstruído em parte, graças
aos resultados de escavações promovidas por arqueólogos alemães. A cidadela
ao norte incorporava um museu e a parte sul era dominada pela grandeza do
portão Ishtar, um dos oito portões nominados da cidade. Junto ao portão havia
um palácio real com uma ampla sala com trono que bem poderia ser a usada
por Belsazar e um depósito onde foram encontrados tabletes com o nome de
Jeoaquim, rei de Judá. Uma procissão iniciava no portão Ishtar e se deslocava
por cerca de um quilômetro e meio até Esagila, o templo de Marduque e seu
zigurate. Esta rua larga chamada “O Inimigo Não Prevalecerá” atravessava sobre
o rio Eufrates para dar acesso a outra parte da cidade. Textos listam mais de 50
templos nesta cidade da qual Nabucodonosor muito se orgulhava (Daniel 4.30).
Quinze destes templos foram construídos pelo próprio rei e a população ficava
enlouquecida em ver tantas estátuas (Jeremias 50.38). Além disso, havia 150
santuários ao ar livre dedicados à deusa Ishtar apenas. As maciças muralhas de
defesa bem como a engenharia contra enchentes pareciam inúteis.
Ciro capturou a cidade sem batalha alguma. O exército persa entrou na capital
Babilônia desviando o leito do rio na altura de Opis e marchando pelo leito
do rio seco por debaixo das muralhas. As Crônicas Babilônicas registram esta
estratégia para a queda de Babilônia, que ocorreu em 539 a.C. Fala também do
desaparecimento do rei da Babilônia Nabonido, cujo filho Belsazar, mencionado
em inscrições reais como corregente, reinou por dez anos enquanto seu pai havia
se retirado para a Arábia central.
A presença dos persas na Babilônia resultou em algumas mudanças. O retorno
do povo de Judá pôde ser observado de maneira esparsa em cidades como Gezer,
Laquis e Betel. Foi um processo lento e o país não conseguiu se reerguer a não
ser por volta do século III a.C. O que se pode notar é que as casas demonstram
um estilo de construção similar ao do período do Ferro.

7.6 Período Helenista (330 a.C.)


Quando Alexandre Magno se apoderou do império persa em 333 a.C., a
helenização se espraiou por toda parte. Mas a morte de Alexandre em 323 a.C.
acabou com seu sonho de unir leste e oeste numa grande irmandade, dominada
80 Período Persa (587 a.C.)

pela cultura grega. O império foi dividido entre seus generais e a Palestina se
tornou o país-fronteira entre a dinastia selêucida da Síria e a ptolomaica do
Egito. Até o ano de 198 a.C., a Palestina foi controlada pelo Egito. Foi então que
os selêucidas assumiram o controle da Palestina e tentaram uni-la com a Síria
com uma cultura helenista, sob uma religião mista entre grega e síria, a língua
grega, literatura, esporte e modo próprio de vestir. O movimento atingiu sua
culminância com Antíoco IV, Epifanes, que tentou destruir o agora sim Judaísmo
e converter o templo de Jerusalém num templo pagão.
Historicamente, Epifanes é o primeiro monarca na história a empreender uma
perseguição religiosa. Seus decretos determinavam um fim às observâncias dos
festivais dos judeus como o sábado e a páscoa; proibia a circuncisão e ordenava
a queima de pergaminhos da Torá. Sob ameaça de pena de morte, proibiu
também sacrifícios no templo de Jerusalém. O pior: colocou uma estátua do
deus olímpico Zeus e ordenou o sacrifício de um porco no altar do templo. Este
processo desencadeou a revolta dos macabeus, fazendo com que o século II a.C.
se tornasse um tempo bastante trágico e sangrento.
O período dos selêucidas deixou mausoléus em estilo helenista com capitéis
coríntios. Em Samaria as antigas muralhas foram reconstruídas com uma série
de torres helenistas arredondadas. Uma fortaleza com muro de mais de quatro
metros de espessura fazia parte da defesa na guerra dos selêucidas contra os
macabeus. Gezer foi fortificada pelos macabeus e, ao redor de 140 a.C., uma
inscrição em pedra fora da cidade determinava a distância em que se podia
caminhar num sábado.
As mudanças que ocorreram desde a destruição de Jerusalém foram tantas
de maneira que eram poucas as reminiscências do tempo em que Israel era
dono do seu próprio campo. O que antes era comum, como lâmpadas, utensílios
e joias, agora mudou radicalmente. A arquitetura se helenizou e o país se
abasteceu de estrangeiros, alguns dos quais se tornaram famosos como filósofos
e historiadores. No ano de 37 a.C., a dinastia herodiana substituiu a macabeia e,
com Herodes, o Grande, a arquitetura e a cultura helenistas floresceram.
Alguns grupos procuraram manter certas tradições, costumes, cultura e
religião, distanciando-se do apego mais direto com a nova realidade. Redutos
distantes e quase inacessíveis foram criados. Do ponto de vista militar, o reduto
mais grandioso foi o construído em Massada ao sudoeste do mar Morto.
Período Persa (587 a.C.) 81

Massada é um monte escarpado com vista para o mar. Ali Herodes construiu
uma enorme fortaleza cercada com muros de 6 metros de altura, 3, 50 metros
de largura e 38 torres, cada uma com pelo menos 21 metros de altura. Na
extremidade norte, a única parte do local que fica à sombra durante a maior
parte do dia, Herodes mandou construir um palácio de três andares, suspenso
sobre um desfiladeiro.
O reduto mais representativo na relação com o texto bíblico se estabeleceu
nas cavernas de Qumran (Cumrã), a noroeste do mar Morto. As dependências
espartanas nesse retiro no deserto foram construídas, em parte, como uma
reação aos grandiosos projetos arquitetônicos de Herodes em Jerusalém. Aqui,
os essênios – devotos judeus separatistas – reconstruíram, ao redor de 4 a.C.,
um assentamento que seus predecessores haviam estabelecido em 31 a.C. Em
Qumran foram encontrados 227 textos hebraicos do Antigo Testamento. Estes
textos são conhecidos como manuscritos do mar Morto e são datados de 250
a.C., até a destruição de Qumran pelos romanos em 68 d.C. A maioria dos
textos do Antigo Testamento é fragmentária, mas há um pergaminho completo
do profeta Isaías com 7,30 metros de comprimento, que hoje se encontra no
museu de Jerusalém.

Atividade
A descrição abaixo é extraída do Prisma de Senaqueribe ao sitiar Jerusalém.
Na sua opinião, ele conquistou ou não Jerusalém? Aponte evidências no texto.

“Quanto a Ezequias... cerquei-o e conquistei 46 das suas cidades


fortemente muradas, além de incontáveis pequenas povoações em
torno delas, por meio de rampas de terra e máquinas de sítio, além
de ataque de infantaria, escavações, invasões e escaladas. Levei
deles, contando como despojo, 200150 pessoas de todas as posições,
homens e mulheres, além de cavalos, mulas, jumentos, camelos, gado
e ovelhas. O próprio rei, confinei-o em Jerusalém, a capital do reino,
como passarinho na gaiola...”
8

Período Romano (63 a.C.)


A conquista de Jerusalém por Pompeu em 63 a.C. estendeu a hegemonia
romana à fronteira oriental do império. Com a ascensão de Herodes, o Grande,
em 40 a.C., a realeza asmoneana foi varrida do pedaço. Herodes deixou a sua
marca na terra com os seus majestosos projetos de construção. Para mencionar
os principais: seus palácios em Jericó, Massada e o Herodium (ao sul de Belém);
o porto marítimo em Cesareia, um templo para o seu patrono César Augusto
em Sebaste (Samaria) e outro próximo a Cesareia de Filipe. Além desses, não
se pode deixar de mencionar a restauração, quase total, do Segundo Templo
em Jerusalém, que se transforma no maior e mais grandioso santuário da
Antiguidade.
O projeto arquitetônico de Herodes, que se adequava à topografia, seguia as
orientações de Roma. O planejamento urbano romano era ortogonal, ou seja,
as construções tinham como base o ângulo reto. As cidades eram cercadas por
muralhas e a entrada se dava por um portão de proporções quase descomunais.
A rua principal, norte-sul, era o cardo – uma rua margeada por colunatas. Uma
rua leste-oeste se chamava decumanus. No centro da cidade havia um mercado
público ou fórum normalmente cercado por colunatas. Templos, teatros e casas
de banho marcavam a área pública urbana. Cesareia Marítima foi construída
seguindo este plano arquitetônico.
Herodes foi o maior construtor em Israel desde os dias de Salomão. Os belos
prédios que adornavam Jerusalém nos dias de Jesus foram erigidos por ele.
84 Arqueologia e o Novo Testamento

8.1 Jerusalém
A maior façanha de Herodes foi, sem dúvida, a reconstrução do segundo
templo, o de Zorobabel. Cerca de 20 mil homens, incluindo mil sacerdotes,
envolveram-se com a obra. A construção começou no décimo oitavo ano do
reinado de Herodes, e as estruturas principais, incluindo a plataforma, foram
concluídas ao redor do ano 9 a.C. Mas obras adicionais foram feitas e o complexo
todo ficou pronto no ano de 64 d.C., apenas 6 anos antes de os romanos arrasarem
o templo. Quando Jesus foi desafiado pelos fariseus: “Em 46 anos foi edificado
este santuário, e tu, em três dias, o levantarás?” (João 2.20). A data do episódio
deve ter sido em 27/28 d.C.
As escavações feitas por Benjamin Mazar na década dos anos 1970 trouxeram
à luz fileira de enormes pedras trabalhadas na parte sudoeste da plataforma
herodiana. Estas pedras deixaram extasiados até os próprios discípulos de Jesus:
“Mestre! Que pedras, que construções!” (Marcos 13.1).
A área da plataforma foi dividida num pátio para os gentios e numa área
menor ao redor do templo propriamente. Numa pedra nesta parte interior,
advertências em grego e latim estavam postadas. Em 1871, uma cópia em
grego foi encontrada com a inscrição onde se alertava a que gentios não se
aproximassem da parte interna do templo sob pena de serem condenados à
morte.
Quando o apóstolo Paulo retornou a Jerusalém pela última vez, causou
alvoroço porque os judeus achavam que ele havia conduzido um gentio para
a área interna do templo, profanando o recinto (Atos 21.27-30). Sem dúvida,
o apóstolo estava se referindo a esta barreira quando mencionou a parede de
separação entre judeus e gentios – a parede que foi derrubada pela obra de Jesus
Cristo (Efésios 2.14).
Separação entre homens e mulheres não havia no culto do Antigo Testamento.
Este costume, ou, mais propriamente, esta cultura, impregnou-se no Judaísmo
ao tempo do Novo Testamento, e ele foi materializado no templo de Herodes.
O portão que separava o átrio das mulheres do átrio de Israel era decorado,
doado por Nicanor, um homem rico de Alexandria. No início do século passado,
Arqueologia e o Novo Testamento 85

um ossuário foi descoberto no monte Escopus, trazendo o nome de Nicanor,


o alexandrino.
Num trecho da antiga rua herodiana que acompanhava o lado externo do
muro ocidental do monte do Templo foram descobertos, em escavações dirigidas
por Rony Reich em 1995-96, montões de pedregulhos lançados da área do templo
acima. Alguns perguntam de que forma a profecia de Jesus sobre o destino
dessas pedras se cumpriu (Marcos 13.2) visto que nem tudo veio abaixo quando
os romanos tomaram o templo de assalto e o queimaram no ano 70 d.C. Leen
Ritmeyer, que por décadas escavou o monte do Templo, assim responde a essa
questão: “Se você ler o texto em Mateus com atenção, notará que o lugar que
os discípulos mostraram foi a estrutura do Templo. Leia o texto com exatidão:
‘a estrutura do Templo’. As únicas estruturas que sei que pertenciam ao Templo
foram construídas em volta dele e dos pórticos. E de todas essas estruturas que
havia no monte do Templo, realmente não ficou pedra sobre pedra”.
A arqueologia confirma que não existe nenhum traço dessas estruturas do
Templo, embora algumas de suas pedras possam ter sido colocadas em uso
secundário nos muros e casas da cidade velha de Jerusalém. Não obstante, nada
permanece em seu lugar original. Depois da destruição do Segundo Templo,
os romanos araram o monte do Templo e ergueram estruturas pagãs, que mais
tarde foram também destruídas. Durante o período Bizantino, nos séculos IV
a VII d.C., todo o local permaneceu deliberadamente improdutivo devido à
crença de que a profecia de Jesus era uma maldição contra o local, proibindo-se
qualquer reconstrução futura.

8.2 Cesareia
Cesareia situa-se na costa do mar Mediterrâneo, a meio caminho entre Jope
e o monte Carmelo. Herodes levou doze anos para edificá-la, ou seja, de 25 a 13
a.C, aplicando ali o padrão romano de construção ortogonal e dedicando-a ao
imperador César Augusto. O historiador Flavio Josefo conta que Herodes quis
celebrar a inauguração de Cesareia com grande pompa, e para isso mandou vir
86 Arqueologia e o Novo Testamento

de todas as partes pessoas famosas em diferentes áreas como músicos, lutadores,


atletas, gladiadores, além de animais ferozes, cavalos de corrida e o que mais
fosse do agrado dos espectadores das arenas romanas.49
Cidade portuária, Cesareia cresceu com o comércio internacional, tornando-
se uma cidade cosmopolita. O porto artificial da cidade era comparado ao de
Atenas, o maior da época. Em forma de lua crescente, o porto era cercado por
quebra-mares que mediam 600 metros ao sul e 250 metros ao norte.
Um muro semicircular foi construído para abrigar a parte principal da
cidade que incluía seus grandes prédios públicos. Dentre estes se destacavam
o templo dedicado a César – adornado com uma colossal estátua dele –, um
anfiteatro, teatro, estádio, mercado e um hipódromo que acomodava cerca de
38.000 espectadores.50
A cidade era abastecida com água por dois aquedutos. O aqueduto de
superfície era sustentado por arcos e trazia água do monte Carmelo, a 9km de
distância. Já o subterrâneo trazia água do rio Zerca a 5km ao norte. O aqueduto
de superfície foi construído por Herodes. Várias inscrições em latim feitas por
soldados de legiões romanas dão conta que reparos foram feitos no reino de
Adriano. Pensa-se que um dos soldados mencionados numa inscrição tenha
sido um filho do historiador Josefo.51
Escavações no teatro mostram que tinha capacidade para 4.500 pessoas
sentadas. Esse teatro pode ter sido o cenário para a morte súbita de Herodes
Agripa (Atos 12.21-23).
Cesareia Marítima teve um destino no mínimo estranho. Fora construída por
Herodes como cidade pagã pala celebrar o culto a César. Mas meio século mais
tarde ali se encontra Filipe, o evangelista (Atos 8.40), e sobretudo Pedro, que,
através do centurião Cornélio, abriu oficialmente as portas da comunidade cristã
ao mundo justamente em Cesareia (Atos 10.1-48). Como porta da Judeia para o
mundo exterior, a cidade acolheu Paulo por várias vezes (Atos 18.22; 21.8); ele
ali permaneceu como prisioneiro (Atos 24-25) e dali embarcou para Roma.

|| 49 JOSEFO, Flavio. História dos Hebreus. V. 5. Vicente Pedroso, trad. São Paulo: Editora das Américas, 1956, p. 97.
|| 50 BULL, Robert J. Caesarea Maritima: The Search for Herod’s City. Biblical Archaeology Review (May/June 1982):
24-40.
|| 51 LEVINE, L. I. Caesarea under Roman Rule. Leiden: Brill, 1975, p. 37.
Arqueologia e o Novo Testamento 87

8.3 Massada
Nas proximidades do mar Morto, num planalto em forma de diamante
nas montanhas da Judeia, há uma arquitetura que desafia a imaginação de
arqueólogos, peregrinos e turistas. Dois palácios foram construídos por Herodes,
o Grande, nessa fortaleza natural no final do século I d.C. Herodes andava em
busca de um lugar tranquilo no deserto não para purificação ou meditação, mas
para fugir das intrigas e ameaças dos seus subalternos, que com justa razão o
odiavam.
O palácio do setor norte consistia de apartamentos em três níveis ornamentado
com colunatas. Atrás do palácio, no alto do morro, havia uma casa de banho
no estilo romano com câmaras quentes, mornas e frias. Havia uma sinagoga e
também armazéns, alguns dos quais foram escavados e outros deixados como
ilustrações para a história.
Durante a primeira revolta dos judeus contra os romanos em 66-70 d.C., a
fortaleza de Massada foi tomada pelos judeus zelotes. Ali resistiram aos romanos
até três anos após a queda de Jerusalém. A fortaleza foi tomada, mas apenas
depois de um longo sítio. As dificuldades para se escalar Massada eram enormes,
porque o acesso só era possível por meio de uma vereda estreita e íngreme
chamada “Caminho da Serpente”. O general romano Silva conseguiu romper as
muralhas na parte superior do planalto depois de construir uma enorme rampa
de terra no lado oeste da fortaleza. Só então os romanos conseguiram lançar
tochas de fogo para dentro do reduto zelote. Em vez de se render, os zelotes
cometeram suicídio coletivo deixando como despojo aos romanos apenas um
local sem vida e deserto. Duas mulheres, que haviam se escondido, viveram para
contar a façanha narrada pelo historiador Flávio Josefo.
Recentemente, os arqueólogos Ehud Netzer e Guy Stiebel, do Instituto de
Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, retomaram as escavações
em Massada, que foram dirigidas por Yagel Yadin na década de 1960. Numa das
últimas empreitadas arqueológicas ali, Netzer e Stiebel desenterraram a primeira
inscrição já encontrada com o título completo de Herodes. Sua descoberta dá
substância à realidade histórica deste rei e de sua dinastia, que figuram na vida
88 Arqueologia e o Novo Testamento

de Jesus. Entre alguns cacos de ânforas encontrados próximo à sinagoga foram


encontrados diversos óstracos com inscrições em grego e latim. Um dos óstracos
em latim, procedente de uma ânfora que continha vinho, trazia a inscrição hoje
famosa. Netzer explica: “A inscrição tem três linhas, forma padrão encontrada em
tais inscrições. A primeira linha é uma data e indica o ano em que este [vinho]
foi produzido. A segunda linha dá o lugar e o tipo do vinho, e na última linha
temos o nome: ‘Herodes, Rei da Judeia’”.52

8.4 Séforis
Surpreendentemente, a Galileia ficou imune a essa desvairada tendência
romanizante de Herodes. Depois da morte dele, seu filho Antipas iniciou a
romanização da Galileia com um projeto de reconstrução em Séforis, a capital
da Galileia.
Em 363 A.D, um terremoto destruiu a cidade romana de Séforis. Embora
desastroso para os habitantes da Galileia, ele foi crucial para a preservação de
um assoalho de mosaico numa das vilas da cidade. Removendo os entulhos
dezesseis séculos mais tarde, os arqueólogos descobriram essa mansão romana
com um triclinium, ou seja, uma sala de jantar, com o mosaico que retratava ritos
dionisianos. Um teatro escavado na rocha a nordeste do sítio é uma das grandes
belezas de Séforis e que acomodava 4.500 espectadores sentados. O setor leste
da cidade é ortogonal, com um cardo margeado por colunatas. No lado norte há
uma exuberante estrutura com cerca de 40m x 60m que provavelmente servia
como mercado. Suas fundações eram herodianas.
Embora o evangelista Mateus atribua significado teológico ao retorno de Jesus
e seus pais a Nazaré após a morte de Herodes (Mateus 2.13), as oportunidades
econômicas na área possibilitadas por tão ousados projetos arquitetônicos
podem ter empolgado um construtor como José. Mas evidências textuais ou
arqueológicas de que José trabalhou em Séforis e que Jesus o tenha ajudado não
foram encontradas.
Não obstante, arqueólogos como James F. Strange e Richard A. Batey, que
escavaram Séforis, admitem que Jesus tenha frequentado o teatro assistindo a

|| 52 NETZER, Ehud. In the Name of the King. Eretz 48 (September/October, 1996): 66.
Arqueologia e o Novo Testamento 89

dramas clássicos e comédias. Para eles o termo “hipócrita”, por exemplo, que
originalmente significa um “ator”,53 seria empregado por Jesus para caracterizar
aqueles que usam a religião como um pretexto. Jesus faz uso do termo nada
menos que 17 vezes, enquanto o apóstolo Paulo não o emprega nenhuma vez. O
uso do termo por Jesus indicaria, para estes arqueólogos, uma familiaridade com
o teatro em Séforis.54 Afinal, a cidade ficava a apenas uma hora de caminhada de
Nazaré, onde Jesus passou a sua infância. Séforis, entretanto, não é mencionada
nos evangelhos.
Em sua conclusão, Batley afirma que “as contínuas escavações em Séforis têm
levantado a cortina para um ato seguinte no progressivo drama de Jesus que faz
dele o protagonista. O palco onde representou seu ministério é cosmopolitano
e sofisticado e sua compreensão da vida urbana foi mais relevante do que se
imaginava. O fato de que Jesus cresceu à sombra de Séforis, uma avançada
capital romana, lança nova luz sobre o homem e sua mensagem – luz que muda
a percepção de Jesus como simplesmente um homem rústico das remotas colinas
da Galileia. As pessoas a quem Jesus proclamou sua mensagem de esperança e
salvação – sejam judeus, gregos, romanos ou outros gentios – estavam lutando
por um significado na vida numa cultura onde tradições judaicas e valores
greco-romanos colidiam. Os ensinos de Jesus refletem uma consciência de vida
de cidade com sua audiência cosmopolita e ele aborda questões humanas que
são, curiosamente, contemporâneas”.55

Atividade
Explique por que Séforis, segundo a arqueologia, teria importância no
ministério de Jesus.

|| 53 No teatro grego, por não haver telão à disposição, os atores usavam máscaras para serem mais bem identificados
pelo público.
|| 54 BATEY, Richard A. Sepphoris: An Urban Portrait of Jesus. Biblical Archaeology Review 18 (May/June 1992):
50-62.
|| 55 Idem, p. 62.
9

Arqueologia e o Novo Testamento


9.1 Arqueologia e o moderno criticismo
Arqueologia e o moderno criticismo da Bíblia não se bicam: são como água
e óleo. O criticismo radical de F. C. Bauer e a sua escola crítica de Tubingen,
por exemplo, foram temperados pelos desdobramentos da arqueologia do Novo
Testamento no fim do século XIX e início do século XX.
William F. Albright, um dos gênios da arqueologia, como vimos, deixou o
seu veredicto sobre criticismo radical do Novo Testamento. Diz ele que “a escola
da crítica da forma, fundada por Dibelius e R. Bultmann, uma geração antes
da descoberta dos manuscritos do mar Morto, continua sem prestar a mínima
consideração a tais manuscritos. Ou seja, todas as escolas do criticismo radical
do Novo Testamento que existiram no passado ou que hoje existem são pré-
arqueológicas e, por isso, porque são construídas in der Luft [no ar], são hoje
bastante antiquadas”.56
Dentre os críticos, o primeiro a se dar conta que os dados arqueológicos não
se encaixavam com a teoria dos críticos, antes confirmavam as narrativas do
Novo Testamento, em especial o evangelho segundo Lucas, foi William Ramsey.
Ramsey foi um arqueólogo que fez extensas pesquisas na Ásia Menor. Quando
iniciou suas pesquisas no final do século XIX, Ramsey seguia os preceitos da
escola de Tubingen que propunha uma data posterior ao livro de Atos dos

|| 56 ALBRIGHT, W. F. The Teacher’s Yoke. E. J. Vardaman, ed. Waco: Baylor University Press, 1964, p. 29.
92 Arqueologia e o Novo Testamento

Apóstolos e não confiabilidade às suas narrativas. Os resultados das suas próprias


pesquisas arqueológicas o levaram a confiar nos escritos do Novo Testamento.57
Seus escritos e conclusões influenciaram outros estudiosos de renome como T.
Zahan, A. Harnack, o historiador A. N. Sherwin-White e o estudioso do Novo
Testamento F. F. Bruce.

9.2 Grandes monumentos


A arqueologia do Novo Testamento é diferente da do Antigo Testamento. A
própria geografia é mais abrangente. No Novo Testamento as áreas abrangidas
envolvem, além da Palestina, Jordânia e Síria, também a Anatólia (Turquia), a
Grécia e a Itália.
Nestas áreas muitos monumentos têm sempre permanecido visíveis, como
a plataforma de Jerusalém, o Partenon de Atenas e o Coliseu de Roma. Mesmo
assim, uma vastidão de monumentos, inscrições e materiais têm sido recuperados
pelas escavações.
Arqueólogos têm descoberto remanescentes de edifícios, ruas, vestígios
de sítios a cidades, mosaicos, utensílios, túmulos, cerâmicas. Em vários casos,
tais descobertas podem ser correlacionadas ao Novo Testamento ou a Josefo, o
historiador judeu do final do século I d.C.
Textos, especialmente em hebraico, aramaico, grego e latim são muito
importantes, especialmente para nossa melhor compreensão do Novo Testamento.
A mais fascinante descoberta neste sentido são os famosos manuscritos do mar
Morto, encontrados em Cumrã (Qumran).
Com vistas à datação, de enorme valor são as moedas, que na sua maioria
são em bronze e umas poucas em prata. As moedas dos governantes herodianos
e pretores romanos são historicamente relevantes. As moedas de Herodes, o
Grande, eram em sua maioria anicônicas (sem imagem), mas no período final
ele cunhou moedas com a águia, símbolo do poder romano. Herodes Felipe,
que governou numa região predominantemente pagã, decorava suas moedas
com a imagem do imperador e do deus Pan. As cidades de Panias e Cesareia

|| 57 RAMSEY, W. M. The Bearing of Recent Discovery on the Trustworthiness of the New Testament. Grand Rapids:
Baker, 1953.
Arqueologia e o Novo Testamento 93

de Felipe, fundadas por ele, são exemplos dessa visão. Os zelotes sobrepunham
as suas inscrições nas moedas romanas com palavras de ordem ou lemas que
instigavam o povo à independência.
No Novo Testamento, a moeda mencionada com mais frequência é o denário,
que equivale ao pagamento de um dia de trabalho. A moeda com a imagem de
César apresentada a Jesus (Mateus 22.19-21) trazia provavelmente a efígie ou
de Tibério ou de Augusto.

Atividade
Leia Mateus 22.19-21. Veja a imagem abaixo. Ele apresenta uma moeda
romana do tempo de Jesus. Analise-a e diga se uma moeda com tais características
poderia ser a que apresentaram a Jesus naquela ocasião.

A imagem também pode ser visualizada no site: http://www.calina.com.


br/pr/objetos/PicsHQ/Destrui%C3%A7%C3%A3o%20do%20Segundo%20
Templo%20-%20Moeda%20de%20Ouro%20Judaea%20Capta.jpg
10

Arqueologia e Jesus
O cristianismo é uma religião histórica. Fundamenta-se em fatos, pessoas
reais e eventos que fazem parte de um passado real. Há mais de vinte séculos
Deus é tangível, visível no mundo na pessoa e obra de Jesus Cristo. Ao contrário
de outros personagens religiosos, Jesus não é um mito, mas uma personalidade
histórica como César Augusto, em cujo reino ele nasceu.

10.1 Jesus e a cronologia


Até o ano 500 d.C., o calendário era datado A.U.C., ou seja, ab urbe condita
– “desde a fundação da cidade”, a saber, Roma. Muitas vezes o calendário estava
ancorado na coroação de um imperador, especialmente a de Diocleciano (284-
305), que foi um dos mais ferrenhos perseguidores dos cristãos. Foi então que
o papa João I encarregou Dionísio, o Exíguo, a sacralizar o calendário. Mas
Dionísio datou o nascimento de Jesus em 753 A.U.C., sendo que Herodes
havia morrido em 749 após o evento. Mesmo assim, o calendário passou a ser
estabelecido tendo como referência o nascimento de Jesus.
Quando Jesus nasceu em Belém, o rei da Judeia era Herodes, o Grande (37-4
a.C.). Jesus nasceu ao redor de 2 a.C. Uma das mais controvertidas questões
relacionadas ao nascimento de Jesus diz respeito ao censo mencionado pelo
96 Arqueologia e Jesus

evangelista Lucas (Lucas 2.2). Houve realmente um censo? Paul Maier chama a
atenção que quando César Augusto morreu, ele foi enterrado no seu mausoléu,
junto ao rio Tiber, onde mandou colocar um par de placas de bronze em frente
a este mausoléu listando de 30 a 35 coisas pelas quais queria ser lembrado na
posteridade. O item de número 8 diz assim: “Realizei um censo do império por
três vezes”.58
No Egito foram encontrados papiros com registro de censos. Um destes, que
se acha na Universidade de Michigan, fala de um homem que está registrando a
sua família mais ou menos nestes termos: “Para Ptolomeu, secretário municipal,
de Horos, o filho de Horos... Sua mãe é Horius, me registro a mim mesmo e
os de minha família, para o censo de casa em casa do segundo ano passado de
Hadriano César, nosso imperador... Sou Horos, mencionado anteriormente,
lavrador de terras estatais, de 48 anos de idade, com uma cicatriz na minha
sobrancelha esquerda”.59 O imperador Hadriano César governou de 117 a 138.
Como se vê, censos não eram coisa nova. Lucas, um detalhista, não está relatando
algo que seja extraordinário, mas conhecido.

10.2 Belém
Ao examinar acontecimentos relacionados à vida de Jesus, muitas vezes
dependemos de relatos ou tradições posteriores. No ano 70 d.C., Jerusalém
foi destruída por Tito e depois mais uma vez por Hadriano em 135, que fez da
cidade a Aelia Capitolina – proibida para judeus e cristãos de origem judaica.
Mas uma comunidade cristã gentílica havia se estabelecido em Jerusalém nesse
período.
A tradição de que Jesus havia nascido numa gruta em Belém remonta ao
tempo de Justino, o Mártir, que nascera em Samaria ao redor do ano 100.
Jerônimo, que traduziu a Vulgata, morou numa gruta adjacente a Belém em 385.
Ele nos informa que Hadriano dessacralizou a gruta da Natividade consagrando
uma alameda a Tamuz-Adônis e que Helena, mãe de Constantino, construíra
uma igreja no local em 326. A Igreja da Natividade que hoje ali se encontra é

|| 58 MAIER, Paul L. Jesus: verdade ou mito? Paulo R. Warth, trad. São Paulo: Cristo para Todas as Nações, 2007,
p. 43-44.
|| 59 Idem, p. 44-45.
Arqueologia e Jesus 97

uma basílica construída por Justiniano, no século VI. Investigações feitas nas
décadas de 1930 e 1940 trouxeram à luz um piso de mosaicos abaixo do piso
atual, que remonta à igreja do tempo de Constantino.

10.3 Nazaré
Nazaré é a cidade onde Jesus passou a sua infância. Nazaré não é mencionada
no Antigo Testamento, no Talmude e nem em Josefo. Curiosamente, uma
igreja construída no local bem como a expansão urbana comprometem os
remanescentes arquitetônicos de Nazaré. A vila fica próxima a uma fonte, mas
o que permanece são algumas cisternas, silos, lagares esculpidos na rocha e
pequenas cavernas. Uma torre e terraços na colina foram encontrados. Cacos de
cerâmica, pedras de moinho, artigos domésticos e fragmentos de utensílios de
pedra foram recuperados. Não há evidência de cerâmica importada, mármore
ou edifícios públicos.
Túmulos romanos e bizantinos limitam o tamanho da vila a 4 hectares e a
população não deve ter ultrapassado a 400 pessoas.60

10.4 Cafarnaum
Escavações têm sido realizadas recentemente na região da Galileia e de
Golã. Cafarnaum é uma das cidades mais importantes e arqueologicamente
representativas da área. A cidade é bastante conhecida pela descoberta da
sinagoga branca do século V d.C. e a basílica octogonal do período Bizantino,
que cerca a suposta casa de Pedro. A vila como tal parece que se estendia por
cerca de 400 a 500 metros na orla do mar da Galileia e por 250 metros na
direção do continente. O tamanho da vila era cerca de 10 a 12 hectares, embora
os limites exatos não se possam dimensionar, visto que a cidade não possuía
muralhas externas.
A construção doméstica valia-se de pedras basálticas. As casas possuíam
pátios cercados por pequenos cômodos, como demonstra a reconstrução da
casa de Pedro. Nos pátios havia fogões; escadas davam acesso ao teto das casas

|| 60 STRANGE, James. “Nazareth”. In Anchor Bible Dictionary. V. 4. David Noel Freedman, ed. New York; Doubleday,
1992, p. 1050-51.
98 Arqueologia e Jesus

ou a um segundo andar que servia de dormitório. A presença de um punhado


de telhas nas ruínas pode indicar que as casas eram cobertas com palha e barro.
Em geral, havia apenas uma saída do complexo doméstico. Famílias maiores
ocupavam tais acomodações.
As escavações em Cafarnaum iniciaram com Edward Robinson (em 1838) e
seguiram-se com H. H. Kitchner (1881). Em 1894, os franciscanos adquiriram
a propriedade, com vistas à exploração arqueológica. A partir de 1968, Virgilio
Corbo e Stanislau Loffeda, franciscanos, dedicaram-se a escavar o local.
A sinagoga branca em Cafarnaum está construída sobre uma fundação
basáltica anterior. Debaixo da sinagoga se encontra um piso basáltico datado
do século I d.C. junto com remanescentes de outros complexos residenciais.
Uma construção pública pode ter ocupado o local no século I d.C. Tanto Corbo
quanto Loffreda entendem ser esta a sinagoga onde Jesus pregou (Mateus 4.23;
Marcos 1.21).
A subsistência dos habitantes de Cafarnaum vinha do mar da Galileia.
Vários objetos relacionados à pesca foram encontrados na vila como âncoras
e “chumbadas” de pedra para afundar redes. Pequenos ancoradouros foram
encontrados. As âncoras, pesando de 20 a 45 quilos, eram pedras de basalto
com um pequeno orifício.
Devido a uma forte estiagem, em 1986, o nível do mar da Galileia baixou
consideravelmente. Cerca de um quilômetro e meio ao norte da costa da antiga
cidade de Migdal, os restos de um barco de madeira de cedro e carvalho podiam
ser vistos emergindo do lodo. O barco mede 8,20 metros por 2,30 metros. Testes
de C14 e moedas encontradas no local nos permitem datar o barco ao tempo
de Jesus. É possível que num barco semelhante a este Jesus tenha entrado para
seus costumeiros ensinamentos às multidões à beira da praia ou em companhia
de seus discípulos em alto-mar.

10.5 Arqueologia e a obra de Jesus


Tanques em Jerusalém. Em Jerusalém há dois tanques ou piscinas e com
certeza estão relacionados ao ministério de Jesus. O primeiro é o tanque de
Siloé, onde Jesus faz o milagre da cura de um homem cego (João 9.1-17). Por
séculos se pensou ser a piscina e a igreja que foram construídas pela imperatriz
Arqueologia e Jesus 99

bizantina Eudócia (ca. de 400-460 d.C.) para celebrar este milagre narrado no
Novo Testamento. Entretanto, o local exato do tanque como existiu no tempo
de Jesus permanecia um mistério até junho de 2004.
A prefeitura de Jerusalém precisou consertar tubos de canalização de água
ao sul do monte do Templo próximo à Cidade de Davi, quando duas grandes
pedras chamaram a atenção dos engenheiros. Os arqueólogos Rony Reich e Eli
Shukron foram chamados. A continuidade das obras atestou que as pedras faziam
parte de uma monumental piscina datada do período do Templo de Herodes, o
período em que Jesus andava em Jerusalém. As pedras tinham forma trapezoide
com a parte mais larga direcionada para o vale do Tiropeon. Há três conjuntos
de degraus em forma de cascata, cada um consistindo de quatro degraus.

A Piscina de Siloé: encontrada


em 2004. Ela é uma das mais
recentes descobertas da
arqueologia em Jerusalém.
Provavelmente aqui acontece
a cura do homem cego feita
por Jesus, como relatado em
João 9.1-11.

O tanque está próximo à área conhecida como Jardim do Rei e um pouco


ao sul do que restou do tanque e da igreja do século V que originalmente se
pensava fosse o lugar sagrado.

A Piscina de Siloé:
como deve ter sido na
concepção de um artista,
fundamentado em recentes
pesquisas arqueológicas
em Jerusalém.
100 Arqueologia e Jesus

A função específica da piscina no tempo de Jesus ainda continua um mistério.


A vertente contínua e natural das águas que provêm da fonte de Giom, localizada
no vale de Cedron, pode indicar que tenha sido usada como um mikveh, para
banhos rituais. Pode também ter sido uma fonte de água fria e cristalina para os
habitantes deste lado da cidade. Mas há também a sugestão de que tenha sido uma
piscina olímpica no estilo romano. Independente do seu uso original, a piscina
de Siloé permanece um local de grande significado para muitos cristãos.61
O outro tanque é o de Betesda, um tanque com cinco pavilhões (João 5.1-4).
Em 1888, quando remanescentes das ruínas da igreja Santa Ana ao norte do
monte do Templo foram removidos, um afresco62 representando a história de
João 5 foi descoberto. Embaixo dele, degraus levavam a dois tanques circundados
por um pórtico.
O governador que condenou Jesus à crucificação foi Pôncio Pilatos (26-36
d.C.). Pilatos mandou açoitar Jesus (João 19.1) com um chicote tendo nas pontas
pedaços de ossos ou fragmentos de chumbo. Arqueólogos encontraram parte
de chicote desse tipo em Hesbam, na Jordânia.
Antigas fontes literárias relatam que dezenas de milhares de pessoas foram
crucificadas no Império Romano. Só na Palestina esse número chega a milhares.
Contudo, até 1968, nenhuma vítima deste horrendo método de execução havia
sido arqueologicamente identificada. A primeira evidência de crucificação foi
encontrada num ossuário de Givat em ha-Mivtar, ao nordeste de Jerusalém.
Segundo o arqueólogo e escavador Vassilios Tzaferis, que encontrou o ossuário
e que o datou entre 6 e 66 d.C., este continha os ossos de um dos tornozelos
de um rapaz chamado Yehohanan ainda transfixado por um prego de ferro de
cerca de 12cm. Uma dobra no osso radial mostrava que a vítima tinha sido
pregada pelos seus antebraços e não pelas palmas, como usualmente se nota nas
pinturas da crucificação de Jesus (cheir em João 20.27 pode significar “braço”).
Os ossos das pernas de Yehohanan haviam sido esmagados para apressar sua
morte, como se fez com os dois malfeitores que foram crucificados ao lado de
Jesus (João 19.31-32).63

|| 61 SHANKS, Hershel. The Siloam Pool. Biblical Archaeology Review (September/October 2005): 16-23.
|| 62 Afresco é uma pintura decorativa feita com pigmentos aplicados em camada recente de gesso de cal, ainda
úmido.
|| 63 TZAFERIS, Vassilios. Crucifixion – The Archaeological Evidence. Biblical Archaeology Review 11 (January/
February 1985): 44-53.
Arqueologia e Jesus 101

O túmulo de Jesus. O local tradicional do Calvário e do túmulo de Jesus


foi dessacralizado por Adriano no ano 135 d.C. No século IV, Helena, mãe de
Constantino, visitou o local onde ela, então, construiu a Igreja do Santo Sepulcro.
Escavações na Igreja e ao redor dela têm indicado que foi construída fora dos
muros do tempo de Jesus. Pesquisas demonstram que outrora o local era usado
como pedreira e, portanto, ficava fora do muro, conclusão também a que chegou
Kathleen Kenyon nas suas escavações em Jerusalém. Aparentemente, não há
razão para se duvidar da autenticidade do local.
Por ocasião de reformas que ocorreram desde 1954, remanescentes da
estrutura constantina têm sido colocados à mostra na Igreja do Santo Sepulcro.
Em 1975, M. Broshi encontrou perto da capela Santa Helena, na Igreja, um
pintura em vermelho e preto de um barco romano e uma inscrição em latim com
a frase Domine ivimus, “Senhor, viemos” (cf. Salmo 122.1). Estas palavras bem
como a pintura foram ali colocadas por um peregrino por volta de 330 d.C.64
Com relação ao sepulcro de Jesus propriamente, operações feitas na pedreira
podem ter comprometido sua visualização e identificação. Um banco arcosolium
(superfície plana sob um arco reconditado) pode ter sido usado para ali depositar
o corpo de Jesus. Mas os peregrinos cristãos podem ter se enganado.
Em 1842, uma pequena colina a uns 150m ao norte do muro atual de
Jerusalém atraiu a atenção de Otto Thenius, um pastor alemão, devido a duas
cavidades que lhe davam a aparência de uma caveira. A colina se popularizou
entre os protestantes como local alternativo para o Calvário identificado por
Gordon em 1883. No entanto, um desenho da colina, datado do século XVII,
mostra que as cavidades, nessa época, não apareciam.
Em 1883, Charles G. Gordon, general britânico, esboçou um desenho onde
jurava que o local do sepulcro de Jesus era o próprio Calvário. Mas o “Sepulcro
do Jardim”, assim denominado por Gordon, também não tem as credenciais
para ser o autêntico local do sepulcro de Jesus.65
Sepulcros lacrados com pedra em forma de disco e rolada lateralmente em
canal podem ser vistos em jazigos da família Herodiana, em Jerusalém, próximo

|| 64 BROSHI, Magen. Evidence of Earliest Christian Pilgrimage to the Holy Land Comes to Light in Holy Sepulcher
Church. Biblical Archaeology Review 3 (December 1977): 42-44.
|| 65 BARCLAY, Gabriel. The Garden Tomb: Was Jesus Buried Here? Biblical Archaeology Review 12 (March/April
1986): 40-53, 56-57.
102 Arqueologia e Jesus

ao Hotel King David, e no assim chamado Sepulcro dos Reis. Recentemente,


sepulcros nesse estilo foram descobertos em Hesbam, na Jordânia.
Uma longa inscrição em aramaico descoberta em Givat ha-Mivtar descreve
como um homem de nome Abba enterrou num sepulcro outro homem
chamado Matatias, fazendo-nos lembrar da nobre iniciativa de José de Arimateia
de sepultar Jesus em seu próprio túmulo (Mateus 27.57-60). Em 1930, foi
publicada uma inscrição grega, supostamente de Nazaré, na qual um imperador,
provavelmente Claudio, severamente adverte contra a violação de túmulos,
exumação de cadáveres e traslado de cadáveres de uma sepultura para outra (cf.
Mateus 28.12-13). F. F. Bruce sugere a possibilidade de que Claudio, “antiquário
que era”, pode ter ouvido rumores sobre o sepulcro vazio de Jesus e concluiu
que isso era resultado de violação de túmulo.66
Inscrições em ossuários. Antes da destruição de Jerusalém no ano 70 d.C.,
era costume ressepultar os ossos dos cadáveres em ossuários. A arqueologia
descobriu mais de 250 inscrições em ossuários, tanto em hebraico como em
aramaico e grego.
A descoberta de um ossuário em 1931com o nome em aramaico “Jesus,
filho de José”, criou sensação, mas logo foi descartada a relação desse nome
com o Jesus de Nazaré. Até o momento pelo menos seis ossuários com o nome
de Jesus são conhecidos. Josefo menciona nada menos que vinte pessoas com
o nome Jesus.
Em 1874, C. Clermont-Ganneau relatou a descoberta de sepulturas que
traziam o nome de Maria, Marta e Eleazar (Lázaro). Entre 1953 e 1955, B.
Bagatti dirigiu escavações nas redondezas da igreja Dominus Flevit (“O Senhor
Chorou”), no monte das Oliveiras. Recuperou 43 inscrições, muitas com nomes
que aparecem no texto do Novo Testamento. Vários destes nomes, entretanto,
são bastante comuns: Simão ocorre 32 vezes, José, 21 vezes, Maria, 18 vezes,
Martam, 11 vezes.
Embora vários ossuários tragam a marca de uma cruz, isso nem sempre
significa que as sepulturas sejam de pessoas cristãs, visto que ossuários
claramente judaicos, como por exemplo de Nicanor, também trazem esta
marca. A cruz em ossuários judaicos pode representar a consoante tau – que,

|| 66 BRUCE, F. F. New Testament History. Garden City, NY: Doubleday, 1972, p. 300-303.
Arqueologia e Jesus 103

no paleo-hebraico tinha forma de uma cruz – como marca dos que eram fiéis
ao SENHOR (cf. Ezequiel 9.4).
Entretanto, em ao menos um caso da Dominus Flevit a inscrição parece ser
o símbolo Chi-Rho, correspondente ao português com um “P” maiúsculo e um
“X” maiúsculo sobreposto a ele, comum hoje na liturgia cristã. O símbolo indica
“Cristo” ou “Cristão”. Num outro ossuário há a inscrição de um monograma das
letras gregas Iota, Chi e Beta, uma abreviação, quem sabe, para a frase “Iesous
Christos Boethia” ou seja, “Jesus Cristo, Ajuda!”.67
Recentemente, o filólogo francês André Lemaire anunciou a descoberta de
um ossuário datado do século I d.C. A peça estava em poder de um colecionador
de antiguidades, em Jerusalém. Trabalhado em pedra, o ossuário mede 50cm de
comprimento, 25cm de largura e 30cm de altura. Mas o que chama a atenção
dos arqueólogos é a inscrição em aramaico que se encontra no lado externo
da urna funerária: “Yakov, bar Yosef, Akhui di Yeshua” (“Tiago, filho de José,
irmão de Jesus”).68 O achado tem provocado muita polêmica com respeito à sua
autenticidade, mas há fortes indícios de que o Jesus mencionado seja o mesmo
dos evangelhos.
Há um outro grupo de ossuários menos famoso do que o de “Tiago,filho de
José, irmão de Jesus”, mas que pode estar relacionado a Jesus e seu sofrimento.
Segundo Tom Powers, tais ossuários pertencem à família de Simão, o Cirineu.
– o homem que ajudou Jesus a carregar a cruz a caminho do Calvário (Mateus
27.32; Marcos 15.21; Lucas 23.26). “Alexandros Simon” – “Alexandre, (filho) de
Simão” lê-se na inscrição. Interessante que o evangelho de Marcos relata que
Simão de Cirene tinha um filho de nome Alexandre: “E obrigaram a Simão
Cireneu, que passava, vindo do campo, pai de Alexandre e de Rufo, a carregar-
lhe a cruz” (Marcos 15.21).
Na urna a inscrição está em grego e hebraico; em hebraico se lê: “Alexander
QRNYT”. O significado de qrnyt não é claro, mas é possível, segundo Powers,
que quem gravou o nome cometeu um pequeno erro e sua intenção era escrever
qrnyh – termo hebraico para “Cireneu”.69

|| 67 FINEGAN, J. The Archaeology of the New Testament. Princeton: Princeton University press, 1969, p. 248-49.
|| 68 LEMAIRE, Andre. Burial Box of James the Brother of Jesus. Biblical Archaeology Review 28 (November/December
2002): 24-28.
|| 69 POWERS, Tom. Treasures in the Storeroom: Family Tomb of Simon of Cyrene; Carried Jesus’ Cross. Biblical
Archaeology Review 29 (July/August 2003): 50.
104 Arqueologia e Jesus

Tratando-se de ossuários, pessoalmente acho que há um mais importante e


significativo dos que foram até agora mencionados. Mesmo porque em nenhum
dos ossuários anteriores havia conteúdo, ou seja, restos mortais, a não ser o
nome na parte externa da urna. Entretanto, uma entre várias encontradas numa
caverna funerária em 1990 se destaca por nela haver ossos de várias pessoas e
dentre elas provavelmente os de um personagem que foi contemporâneo dos
sofrimentos de Jesus. O ossuário, artisticamente bem elaborado com folhas de
palmeira e rosetas, obviamente pertencera a uma pessoa rica ou de alta posição
social. No seu exterior apresenta a inscrição em aramaico: Qafa e Yosef bar
Qeypa`, ou seja, “Caifás” e “José, filho de Caifás”. O Novo Testamento refere-se
a ele apenas como Caifás, mas o historiador Josefo o apresenta com o nome
completo: “José, que era chamado Caifás do sumo sacerdócio”.70 Dentro do
ossuário havia os ossos de seis pessoas diferentes, inclusive de um homem de
60 anos, provavelmente Caifás.71 Rony Reich entende que os ossos do adulto
ali encontrados são “com toda probabilidade do sumo sacerdote que presidiu o
julgamento de Jesus – ou então de um membro da sua família”.72 Sendo assim,
este achado arqueológico talvez seja o mais significativo, porque evidencia com
visibilidade os remanescentes de alguém que, à sua maneira, teve contato direto
com o Salvador Jesus.
Jesus e Flávio Josefo. O historiador Flávio Josefo referiu-se a Jesus duas vezes
em seus escritos. Falando a respeito da administração de Pilatos, Josefo tem um
parágrafo sobre Jesus. Diz ele: “Naquele tempo havia um homem sábio chamado
Jesus, de boa conduta e conhecido por ser virtuoso. Muitos dentre os judeus e de
outras nações tornaram-se seus discípulos. Pilatos condenou-o à crucificação e à
morte. Mas os que se tornaram seus discípulos não abandonaram seu discipulado.
Relataram que ele lhes aparecera três dias depois da sua crucificação e de que
estava vivo. Por conseguinte, ele talvez fosse o messias, a respeito de quem os
profetas haviam falado maravilhas. E a tribo dos cristãos – assim chamados por
causa dele – não desapareceu até o dia de hoje”.73

|| 70 JOSEFO, Flavio. Antiguidades Judaicas, 18.95.


|| 71 GREENHUT, Zvi. Burial Cave of the Caiaphas Family. Biblical Archaeology Review 18 (September/October 1992):
28-36.
|| 72 REICH, Ronny. Caiaphas Name Inscribed on Bone Boxes. Biblical Archaeology Review 18 (September/October
1992): 38-44.
|| 73 JOSEFO, Flávio. Antiguidades Judaicas, 20. 200.
Arqueologia e Jesus 105

Conclusão
A arqueologia não fornece nem ousa fornecer dados que informem quem
foi Abraão, Moisés ou Jesus nem o que eles disseram. Entretanto, o que ela faz é
desafiar o intérprete bíblico a contextualizar a Escritura, a ouvi-los pelas vielas
das cidades e vilas, entre o cheiro da vida doméstica agrária, junto às águas
frescas dos lagos e rios e até mesmo entre o luxo da alvenaria romana. A vida e
obra dos patriarcas, profetas e de Jesus estão entrelaçadas com este mundo real e
não com uma fantasia espiritual. É nesse contexto histórico e geográfico que em
Jesus Deus se faz homem com a finalidade única de realizar a obra da salvação
em benefício da humanidade. Para expandir esta mensagem, de repente até as
pedras começam a clamar...

Atividade
Considerando as descobertas arqueológicas em torno da vida e atividade
de Jesus, como:
a) O ossuário de “Tiago, filho de José, irmão de Jesus”.
b) Os ossuários pertencentes à família de Simão, o Cirineu.
c) O ossuário de “Caifás” e “José, filho de Caifás”.
Qual desses, na sua opinião, deveria ser considerado o mais importante e
por qual motivo?
Referências
AHARONI, Yohanan. The Archaeology of the Land of Israel. Anson F. Rainey,
trad. do hebraico. Miriam Aharoni, ed. Philadelphia: Westminster Press,
1982.
ALBRIGHT, W. F. The Teacher’s Yoke. E. J. Vardaman, ed. Waco: Baylor
University Press, 1964.
________. The Archaeology of Palestine. Harmondsworth: Penguin Books,
1960.
AVI-YONAH, Michael. Archaeology. Jerusalem: Keter, 1974.
BRUCE, F. F. New Testament History. Garden City, NY: Doubleday, 1972.
BUTTRICK, George Arthur, ed. The Interpreter’s Dictionary of the Bible. V. 2.
Nashville: Abingdon Press, 1962.
CHARLES-PICARD, Gilbert. Encyclopedia of Archaeology. New York:
Larousse and Co., Inc., 1984.
COOK, Randall. Jerusalém nos tempos de Jesus. São Paulo: Vida Nova,
1992.
CURRID, John. Arqueologia nas terras bíblicas: um manual destinado a
despertar o interesse e a paixão pelo tópico. Trad.: Meire Portes Santos. São
Paulo: Cultura Cristã, 2003.
DANIEL-ROPS, Henri. A vida diária nos tempos de Jesus. São Paulo: Vida
Nova, 1990.
108 Referências

DeVAUX, Roland. Instituições de Israel no Antigo Testamento. Daniel de


Oliveira, trad. São Paulo: Editora Teológica, 2003.
FEILER, Bruce. Pelos caminhos da Bíblia: uma viagem através do Antigo
Testamento. Maria Luiza Newlands Silveira e Fernanda Rangel de Paiva
Abreu, trad. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.
FINKELSTEIN, Israel e SILBERMAN, Neil Asher. The Bible Unearthed:
Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts.
New York: Touchstone, 2002.
FINNEGAN, Jack. Archaeology of the New Testament. Philadelphia:
Westminster Press, 1992.
FREEDMAN, David Noel, ed. Anchor Bible Dictionary. V. 4. New York;
Doubleday, 1992.
HORSLEY, Richard A. Arqueologia, história e sociedade na Galileia: o
contexto social de Jesus e dos Rabis. Trad.: Euclides Luiz Calloni. São Paulo:
Paulus, 2000.
HUMMEL, Horace D. The Word Becoming Flesh: An Introduction to the
Origin, Purpose, and Meaning of the Old Testament. St. Louis: Concordia
Publishing House, 1979.
JOSEFO, Flavio. História dos hebreus. V. 5. Vicente Pedroso, trad. São Paulo:
Editora das Américas, 1956.
KENYON, K. M. Archaeology in the Holy Land. London: Ernest Benn,
1960.
KNIGHT, Douglas A. and TUCKER, Gene M., org. The Hebrew Bible and its
modern interpreters. Philadelphia: Fortress Press, 1985.
LANCE, H. Darrel. The Old Testament and the Archaeologist. Philadelphia:
Fortress Press, 1981.
LEVINE, L. I. Caesarea under Roman Rule. Leiden: Brill, 1975.
MAIER, Paul L. Jesus: verdade ou mito? Trad. Paulo R. Warth. São Paulo:
CPTN, 2007.
MAZAR, Amihai. Arqueologia na terra da Bíblia: 10.000-586 a.C. Trad.:
Ricardo Gouveia. São Paulo: Paulinas, 2003.
MILLARD, Alan. Descobertas dos tempos bíblicos. São Paulo: Vida, 1998.
Referências 109

PETTINATO, Giovani. The archives of Ebla: an empire inscribed in Clay.


New York: Doubleday and Company, 1981.
PRICE, Randall. Pedras que clamam. 2. ed. Trad. Sérgio Viúla e Luís Aron de
Machado. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.
PRITCHARD, James, ed. Ancient Near Eastern Related to the Old Testament.
Princeton, NJ: Princeton University Press, 1969.
RAMSEY, W. M. The Bearing of Recent Discovery on the Trustworthiness of
the New Testament. Grand Rapids: Baker, 1953.
SOTELO, Daniel. Arqueologia bíblica. São Paulo: Novo Século, 2003.
THOMPSON, J. A. The Bible and Archaeology. 3. ed. Grand Rapids, MI:
Eerdmans Publishing Company, 1987.
VARDAMAN, Jerry. La Arqueologia y La Palabra Viva. 2. ed. F. Benlliure,
trad. S. L.: Casa Bautista de Publicaciones, 1977.
WISEMANN, Donald e Edwin Yamauchi. Archaeology and the Bible. Grand
Rapids, MI: Zondervan Publishing House, 1979.
WRIGHT, Ernest G. Arqueologia bíblica. Trad. J. Valliente Malla. Madrid:
Cristiandad, 1975.

Periódicos
Biblical Archaeologist (American Society of Oriental Research)
Biblical Archaeology Review
Bibliotheca Orientalis
Journal of Near Eastern Studies
Near Eastern Archaeology
National Geographic: Brasil
110 Referências

Dicionários bíblicos e arqueológicos


Anchor Bible Dictionary
Diccionário Arqueológico
Dicionário Bíblico, de John Davis

Sites interessantes
http://www.bible-history.com/empires/megiddo_seal.html (amostra de
escavação em sítio específico)
http://www.bridgesforpeace.com/bfpfood.htm (traz os mais recentes relatos
arqueológicos em Israel)
http://www.christiananswers.net/abr/abrhome.html (relatos de escavações
realizadas pela Associates for Biblical Research)
http://www.britishmuseum.org (pesquisa, material e fotos de arqueologia
no AOP)
http://www.bible.ca