Você está na página 1de 3
PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE C. H. Global Código Nome Período FIL0986 Seminário

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE

C. H.

Global

Código

Nome

Período

FIL0986

Seminário de Ética e Filosofia Política II:

Estética e política no romantismo

30

2017.2

Prof. Filipe Campello - filipe.campello@ufpe.br

EMENTA

O romantismo, nas palavras de Isaiah Berlin, provocou “a maior mudança já ocorrida na consciência do

Ocidente”. Ao tempo em que as repercussões desse movimento intelectual foram decisivas para grande parte

do pensamento do fim do século XVIII e ao longo do século XIX, permanece controverso o seu significado e

potencial no contexto do debate contemporâneo. O seminário tem como objetivo discutir em que medida o romantismo pode oferecer uma alternativa teórica plausível no atual âmbito da filosofia política, tendo em

vista temas como indivíduo, liberdade, paixões e racionalidade. Num primeiro momento, serão apresentadas algumas das principais ideias encontradas em Rousseau e Schiller, sendo também problematizadas distinções do que se passou a entender como Frühromantik e Spätromantik. Um segundo bloco do seminário será dedicado à reconstrução das raízes do romantismo e de seus desdobramentos, tendo como eixo duas interpretações distintas: por um lado, a interpretação de Isaiah Berlin em torno da distinção entre modelos de liberdade, e por outro, seguindo a proposta de Michael Löwy e Robert Sayre, o romantismo enquanto modelo

de resistência à modernidade e a sua relevância na contemporaneidade.

METODOLOGIA

Aulas expositivas; Discussão e debate sobre o tema; Seminários e interpretações textuais.

AVALIAÇÃO

Apresentação dos textos e entrega de resenhas/fichamentos (a combinar)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO / BIBLIOGRAFIA BÁSICA

Aula 01. Introdução

Aula 02. Preâmbulo: Reconhecimento e amor-próprio em Rousseau Neuhouher, Frederick. Rousseau e a pulsão humana por reconhecimento. Perspectiva Filosófica. Vol. 43, n. 2, 2016.

Honneth, Axel. Abismos do reconhecimento. O legado sociofilosófico de Jean-Jacques Rousseau. Civitas, vol. 13, n. 3, 2013.

Aula 03. Sobre a educação estética

Schiller, Friedrich. A educação estética do homem numa série de cartas. São Paulo: Iluminuras,

2002.

Spivak, Gayatri Chakravorty. An Aesthetic Education in the Era of Globalization. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 2012.

Aula 04. Raízes do romantismo Berlin, Isaiah. Raízes do romantismo. São Paulo: Três estrelas, 2015, cap 1 e 2.

Aula 05. Correntes do romantismo Berlin, Isaiah. Raízes do romantismo, cap. 3 e 4.

Aula 06 Efeitos do romantismo Berlin, Isaiah. Raízes do romantismo, cap, 5 e 6.

Aula 07. O problema da liberdade Berlin, Isaiah. Dois conceitos de liberdade: O romântico e o liberal. In: Berlin, Isaiah. Ideias políticas na era romântica. Ascenção e influência no pensamento moderno. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Berlin, Isaiah. A ideia de liberdade. In: Berlin, Isaiah. Ideias políticas na era romântica.

Aula 08 – Gênese do romantismo Löwy, Michael; Sayre, Robert. Revolta e melancolia, O Romantismo na contracorrente da modernidade. São Paulo: Boitempo editorial, 2015. Cap 1.

Aula 09 - Diversidade política e social do romantismo Löwy; Sayre, Revolta e melancolia, cap. 2.

Aula 10 -A atualidade do romantismo Löwy; Sayre, Revolta e melancolia, cap. 7. Discussão final

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

Habermas, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Hegel, G.W.F. Lições sobre a estética. São Paulo: Edusp, 1999.

Larmore, Charles. The morals of Modernity. Cambridge / New York: Cambridge University Press, 1996.

Löwith, Karl. De Hegel a Nietzsche. São Paulo: Editora da Unesp, 2014.

Nietzsche, Friedrich. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Pinkard, Terry. German Philosophy 1760–1860. The Legacy of Idealism. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

Safranki, Rüdiger. Romantismo. São Paulo: Estação liberdade, 2012.

Schnädelbach, Herbert. Filosofía en Alemania, 1831-1933. Madrid: Cátedra. 1991.