Você está na página 1de 3

Metodologia da Pesquisa Cientí ca

Tipos e classificação de estudos tipo de estudo, não existem informações em termos

em ciência individuais, mas do grupo populacional.

Estudos de caso, ou relato de caso, são


caracterizados por o objeto em estudo ser uma
Estudos quantitativos unidade, que se analisa profundamente. Costumam
ser a primeira abordagem de um tema e utilizados
para assuntos ainda não bem conhecidos. São
Estudos descritivos estudos bem detalhados em um indivíduo (estudo de
caso ou relato de caso) ou um pequeno grupo (série
Estudos descritivos têm por objetivo determinar
de casos).
a distribuição e as características dos indivíduos.
Consistem na análise e na descrição de características
ou propriedades, ou ainda das relações entre essas
Estudos analíticos
características. Devem responder principalmente a
três perguntas: quem? quando? onde? Os estudos Estudos analíticos são estudos comparativos
descritivos podem classi cados como: a) ecológicos realizados com o objetivo de identi car e quanti car
ou de correlação, b) estudos/relatos de caso e c) associações, testar hipóteses e identi car fatores
série de casos. de risco. Os principais delineamentos de estudos
analíticos são: a) intervenção: experimental e quase
Nos estudos ecológicos ou de correlação, tanto
experimental; b) observacional: transversal, caso-
a exposição quanto a ocorrência da doença são
controle (retrospectivo) e coorte (prospectivo).
determinadas para grupos de indivíduos. Compara-
se ocorrência de condições de interesse entre Os estudos de intervenção recebem interferência do
agregados de indivíduos (populações de países, pesquisador, que tem por objetivo veri car os efeitos
regiões ou municípios, por exemplo) para veri car a de uma intervenção. Os estudos observacionais são
possível existência de associação entre elas. Nesse caracterizados por não haver in uência ou interferência
na ocorrência do fenômeno em estudo (quadro 2).

Quadro 2: Comparação entre estudos observacionais e de intervenção.


Estudos observacionais Estudos de intervenção
Descreve o fenômeno e suas associações. Descreve os efeitos das intervenções.
Identi ca relações entre variáveis. Identi ca os mecanismos e as associações ou interações.
Não ocorre interferência do pesquisador. Ocorre interferência do pesquisador.

Estudo experimental: caracteriza-se pela de interesse. Neste caso, não ocorre aleatoriedade
manipulação da variável de exposição/intervenção (sorteio) entre os grupos.
com aleatoriedade (sorteio). Determinam-se os
grupos expostos e não expostos a certo fator, e então Vantagens: os estudos de intervenção
os grupos são acompanhados para avaliar o efeito de (experimentais e quase experimentais) possuem as
interesse. seguintes vantagens: alta credibilidade; sequência
temporal bem determinada; “padrão-ouro” para
Estudo quase experimental: determinam-se avaliar o risco de uma exposição sobre um efeito;
os grupos expostos e não expostos ao fator e então extenso controle do processo de pesquisa permitido
os grupos são acompanhados para avaliar o efeito ao investigador; controle de variáveis estranhas ou

4
Metodologia da Pesquisa Cientí ca

de confundimento. Esta última ocorre em virtude se com outro que não a possui. As unidades (ou
da distribuição aleatória (sorteio) dos indivíduos nos indivíduos) são selecionadas a partir do fato de
dois grupos, pois há maior con abilidade em não apresentarem a condição (casos) ou não (controles),
haver grandes diferenças signi cativas entre eles e esses grupos são comparados com fatores
com relação às variáveis de confundimento. passados que se julgam relevantes para a etiologia
da condição/característica de interesse (abordagem
Desvantagens: em geral, são caros e prolongados; retrospectiva).
podem estudar apenas intervenções (exposições)
controladas pelo pesquisador; podem ter problemas Vantagens: curta duração e baixo custo; e ciente
com mudanças de intervenção ou abandono; podem para condições (ou doenças) de baixa incidência;
ser limitados na generalização (grupo representativo) tamanho amostral geralmente menor comparado
e apresentar problemas éticos. ao estudo de coorte, podendo empregar exames e
testes mais caros; possibilidade de investigar muitos
Estudo de coorte: também conhecido por fatores de risco simultaneamente.
estudos longitudinais ou prospectivos (ou, ainda,
dados de painel), inicia-se com um grupo de Desvantagens: informações sobre exposição
pessoas (empresas, estados, municípios etc.) sem dependem da memória do entrevistado ou do
o fenômeno/condição de interesse em estudo, que prontuário; di culdade na seleção dos controles;
serão classi cados segundo exposição ou não ao pouco e ciente para avaliar exposições raras; a
fator de exposição. Os grupos são acompanhados incidência da condição (ou doença) em expostos e
no tempo, e compara-se a ocorrência da condição não expostos não pode ser determinada diretamente;
entre grupos expostos e não expostos ao fator. Nesse a temporalidade pode ser difícil de estabelecer.
estudo, veri ca-se a incidência (ou os casos novos)
do fenômeno de interesse. Estudo transversal: é também conhecido por
estudo de prevalência ou seccional. Caracteriza-
Vantagens: preserva a sequência de tempo; se pela observação de um indivíduo em um único
permite cálculo do risco relativo de forma direta, ponto no tempo, considerando exposição e efeito.
pois informa a incidência; pode evidenciar a relação A prevalência (casos existentes) da condição ou do
do fator de risco com outras condições que possam fator de interesse nos expostos é comparada com
aparecer no decorrer do estudo; e menos sujeito a aquela nos não expostos. Os estudos transversais
vícios de seleção quando comparado ao estudo de têm por objetivo veri car a prevalência do objeto em
caso-controle. estudo e também veri car os fatores associados a
este.
Desvantagem: longa duração e custo elevado;
inadequado para condições (ou doenças) raras, em Vantagens: curta duração; relativamente
virtude de contar os casos novos da ocorrência/ econômico; permite conhecer a prevalência associada
condição; pode haver perdas de seguimento em aos agentes suspeitos; permite a descrição da
virtude da longa duração do acompanhamento; pode população e o conhecimento de suas necessidades;
haver modi cações na composição dos grupos. permite avaliação preliminar de uma hipótese.

Estudo caso-controle: conhecido também por Desvantagens: não quanti ca o risco de


estudo retrospectivo. Seleciona-se um grupo que desenvolver a condição/fenômeno de interesse; a
possui uma característica de interesse e compara- sequência temporal do fenômeno em estudo não

5
Metodologia da Pesquisa Cientí ca

aparece; limitado epidemiologicamente, por não poder estabelecer associações causa-efeito; pode induzir
facilmente a associações ou interpretações falsas ou fortuitas; quando a prevalência da condição na população
é baixa, necessita-se de mais pessoas na amostra.

Diagrama 1: Tipos de estudos quantitativos em ciência.

Estudos qualitativos História oral

Os estudos qualitativos não têm as hipóteses A história oral é uma metodologia de estudo
preconcebidas. O racionício indutivo procura qualitativa bastante usada em pesquisas históricas e
desenvolver as hipóteses a partir de observações. sociológicas. Trata-se de uma metodologia de pes-
O foco está na essência dos fenômenos, sendo quisa que consiste em realizar entrevistas gravadas
que o pesquisador deve apresentar sensibilidade com pessoas que podem testemunhar sobre acon-
e percepção ao coletar e analisar os dados. É tecimentos, conjunturas, instituições, modos de vida
importante o acesso aos dados no ambiente de ou outros aspectos da história contemporânea. Co-
campo e o estabelecimento da con ança dos sujeitos meçou a ser utilizada na década de 1950, após a
da pesquisa. Os métodos de coleta mais comuns são invenção do gravador, nos Estados Unidos, na Europa
as observações e as entrevistas, e os dados devem e no México, e desde então se difundiu bastante.
ser analisados durante e após a coleta. A análise dos
dados envolve interpretar, organizar, resumir, integrar A história oral surgiu como forma de valorização
e sintetizar, sendo que a narrativa analítica refere- das memórias e recordações de indivíduos. É um
se ao fundamento essencial dos estudos qualitativos. metódo de recolhimento de informações por meio de
No relatório escrito, o pesquisador qualitativo deve entrevistas com pessoas que vivenciaram algum fato
atingir equilíbrio entre descrição detalhada do sujeito ocorrido. Os principais pro ssionais que a utilizam
de pesquisa e análise e interpretação. Os estudos são historiadores, antropólogos, cientistas políticos,
qualitativos mais utilizados são: história oral, grupos sociólogos, pedagogos, teóricos da literatura, jorna-
focais e sociodrama. listas, psicólogos, entre outros (MEIHY; HOLANDA,
2007).