Você está na página 1de 29

APOSTILA IDECAN 2015 QUESTÕES DE PORTUGUÊS

SUMÁRIO

MUNICÍPIO DE ARAPONGA PROVA

01

MUNICÍPIO DE ARAPONGA GABARITO

03

MUNICÍPIO DE ALTOFLFO DUTRA PROVA

04

MUNICÍPIO DE ALTOFLFO DUTRA GABARITO

06

MUNICÍPIO DE BAEPENDI PROVA

07

MUNICÍPIO DE BAEPENDI PROVA

08

HC-UFPE PROVA

09

HC-UFPE GABARITO

11

INMETRO PROVA

12

INMETRO GABARITO

14

MUNICÍPIO DE LIBERDADE PROVA

15

MUNICÍPIO DE LIBERDADE GABARITO

16

MUNICÍPIO DE PALMA PROVA

17

MUNICÍPIO DE PALMA GABARITO

18

MUNICÍPIO DE RIO POMBA PROVA

19

MUNICÍPIO DE RIO POMBA GABARITO

20

MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL PROVA

21

MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL GABARITO

22

MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO GLÓRIA PROVA

23

MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO GLÓRIA GABARITO

25

MUNICÍPIO DE UBATUBA PROVA

26

1

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG

1 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG C C A A R R G G O
1 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG C C A A R R G G O

CCAARRGGOO:: FFAARRMMAACCÊÊUUTTIICCOO

Coisas antigas

Já tive muitas capas e infinitos guarda chuvas, mas acabei me cansando de tê los e perdêlos; há anos vivo sem nenhum desses abrigos, e também, como toda gente, sem chapéu. Tenho apanhado muita chuva, dado muita corrida, me plantado debaixo de muita marquise, mas resistido. Como geralmente chove à tarde, mais de uma vez me coloquei sob a proteção espiritual dos irmãos Marinho, e fiz de O Globo meu paraguas de emergência. Ontem, porém, choveu demais, e eu precisava ir a três pontos diferentes de meu bairro. Quando o moço de recados veio apanhar a crônica para o jornal, pedi lhe que me comprasse um chapéu dechuva que não fosse vagabundo demais, mas também não muito caro. Ele me comprou um de pouco mais de trezentos cruzeiros, objeto que me parece bem digno da pequena classe média, a que pertenço, (uma vez tive um delírio de grandeza em Roma e adquiri a mais fina e soberba umbrella da Via Condotti; abandonou me no primeiro bar em que entramos; não era coisa para mim.). Depois de cumprir meus afazeres voltei para casa, pendurei o guarda chuva a um canto e me pus a contemplá lo. Senti então uma certa simpatia por ele; meu velho rancor contra guarda chuvas cedeu lugar a um estranho carinho, e eu mesmo fiquei curioso de saber qual era a origem desse carinho. Pensando bem, ele talvez derive do fato, creio que já notado por outras pessoas, de ser o guarda chuva o objeto do mundo moderno mais infenso a mudanças. Sou apenas um quarentão, e praticamente nenhum objeto de minha infância existe mais em sua forma primitiva. De máquinas como telefone, automóvel etc., nem é bom falar. Mil pequenos objetos de uso mudaram de forma, de cor, de material; em alguns casos, é verdade, para melhor; mas mudaram. O guarda chuva tem resistido. Suas irmãs, as sombrinhas, já se entregaram aos piores desregramentos futuristas e tanto abusaram que até caíram de moda. Ele permaneceu austero, negro, com seu cabo e suas invariáveis varetas. De junco fino ou pinho vulgar, de algodão ou de seda animal, pobre ou rico, ele se tem mantido digno. Reparem que é um dos engenhos mais curiosos que o homem já inventou; tem ao mesmo tempo algo de ridículo e algo de fúnebre, essa pequena barraca ambulante. Já na minha infância era um objeto de ares antiquados, que parecia vindo de épocas remotas, e uma de suas características era ser muito usado em enterros. Por outro lado, esse grande acompanhador de defuntos sempre teve, apesar de seu feitio grave, o costume leviano de se perder, de sumir, de mudar de dono. Ele na verdade só é fiel a seus amigos cem por cento, que com ele saem todo dia, faça chuva ou faça sol, apesar dos motejos alheios; a estes, respeita. O freguês vulgar e ocasional, este o irrita, e ele se aproveita da primeira distração para fugir. Nada disso, entretanto, lhe tira o ar honrado. Ali está ele, meio aberto, ainda molhado, choroso; descansa com uma espécie de humildade ou paciência humana; se tivesse liberdade de movimentos não duvido que iria para cima do telhado quentar sol, como fazem os urubus. Entrou calmamente pela era atômica, e olha com ironia a arquitetura e os móveis chamados funcionais: ele já era funcional muito antes de se usar esse adjetivo; e tanto que a fantasia, a inquietação e a ânsia de variedade do homem não conseguiram modificá lo em coisa alguma. Não sei há quantos anos existe a Casa Loubet, na Rua Sete de Setembro. Também não sei se seus guarda chuvas são melhores ou piores que os outros; são bons; meu pai os comprava lá, sempre que vinha ao Rio, herdei esse hábito. Há um certo conforto íntimo em seguir um hábito paterno; uma certa segurança e uma certa doçura. Estou pensando agora se quando ficar um pouco mais velho não comprarei uma cadeira de balanço austríaca. É outra coisa antiga que tem resistido, embora muito discretamente. Os mobiliadores e decoradores modernos a ignoram; já se inventaram dela mil versões modificadas, mas ela ainda existe na sua graça e leveza original. É respeitável como um guarda chuva me convém para resguardo da cabeça encanecida, e talvez o embalo de uma cadeira de balanço dê uma cadência mais sossegada aos meus pensamentos, e uma velha doçura familiar aos sonhos de senhor só.

(BRAGA, Rubem. 19131990. 200 crônicas escolhidas – 31ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2010.)

01

Assinale a alternativa que contém uma figura de linguagem denominada metonímia.

A) “Já na minha infância era um objeto de ares antiquados, que parecia vindo de épocas remotas, (7º§)

B) “Entrou calmamente pela era atômica, e olha com ironia a arquitetura e os móveis chamados funcionais:…” (9º§)

C) “Sou apenas um quarentão, e praticamente nenhum objeto de minha infância existe mais em sua forma primitiva.”

(4º§)

D) “Como geralmente chove à tarde, mais de uma vez me coloquei sob a proteção espiritual dos irmãos Marinho, e fiz de O Globo meu paraguas de emergência.” (1º§)

e fiz de O Globo meu paraguas de emergência.” (1º§) Cargo: Farmacêutico (04 ‐ M) Prova
e fiz de O Globo meu paraguas de emergência.” (1º§) Cargo: Farmacêutico (04 ‐ M) Prova

Cargo: Farmacêutico (04 M)

Prova aplicada em 09/08/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 10/08/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

2

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG

2 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG 02 Em todas as alternativas a seguir, as palavras
2 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG 02 Em todas as alternativas a seguir, as palavras

02

Em todas as alternativas a seguir, as palavras sublinhadas têm o seu significado corretamente indicado, EXCETO em:

A) “… apesar dos motejos alheios;…” (7º§) – aplausos.

B) “ para resguardo da cabeça encanecida, (11º§) – branca.

C) “… o objeto do mundo moderno mais infenso a mudanças.” (4º§) – contrário.

D) “ e olha com ironia a arquitetura e os móveis achamos funcionais: (9º§) – sarcasmo.

03

Segundo o autor, o rancor contra guarda chuvas cedeu espaço a um estranho carinho porque

A) herdou de seu pai o hábito de usar guarda chuva e de dar a eles um destaque nobre.

B) concluiu que esse objeto é adverso a mudanças e resiste intensamente à modernização.

C) herdou do pai comprá los sempre no mesmo lugar e isso lhe traz um certo conforto íntimo.

D) concluiu que esse objeto é austero e se presta a várias funções no cotidiano atribulado das grandes cidades.

04

Há erro na indicação da passagem do texto a que se refere o pronome destacado em:

A) “Senti então uma certa simpatia por ele;…” (3º§) – guarda chuva.

B) “Pensando bem, ele talvez derive do fato, (4º§) – guarda chuva.

C) “ mas ela ainda existe na sua graça e leveza original.” (11º§) – cadeira de balanço.

D) “Ele me comprou um de pouco mais de trezentos cruzeiros,…” (2º§) – o moço de recados.

05

Na frase “Suas irmãs as sombrinhas, já se entregaram aos piores desregramentos futuristas e tanto abusaram que até caíram de moda .” (5º§), a oração sublinhada traz uma ideia de

A) causa.

B) conclusão.

C) explicação.

D) consequência.

06

O segmento a seguir que apresenta adjetivo sem variação de grau é A) “Ele permaneceu austero, negro, com seu cabo e suas invariáveis varetas.” (5º§). B)

“Reparem que é um dos engenhos mais curiosos que o homem já inventou; (6º§).

C) “ (uma vez tive um delírio de grandeza em Roma e adquiri a mais fina e soberba umbrella da Via Condotti;…).” (2º§).

D) “ e talvez o embalo de uma cadeira de balanço dê uma cadência mais sossegada aos meus pensamentos, (11º§).

07

Esse texto deve ser incluído, por suas marcas predominantes, entre o seguinte modo de organização discursiva:

A) Indutivo.

B) Narrativo.

C) Descritivo. D) Dissertativoargumentativo.

08

Levando em consideração as regras de concordância nominal, escreva (1) para as frases corretas e (2) para as incorretas.

(

) Era meio dia e meia e a chuva não parava.

 

(

) Ele comprou bastantes guarda chuvas para presentear os amigos.

 

(

) A moça da loja ficou meia nervosa com o acontecido.

 

(

) Anexo a este documento envio lhe a fatura da compra das sombrinhas.

 

A

sequência está correta em

A)

1, 1, 2, 1.

B) 1, 1, 2, 2.

C) 1, 2, 1, 2.

D) 2, 2, 1, 1.

09

Assinale a alternativa que contém um exemplo de linguagem conotativa.

A) “Já tive muitas capas e infinitos guarda chuvas, mas acabei me cansando de têlos e perdê los;…” (1º§)

B) “Tenho apanhado muita chuva, dado muita corrida, me plantado debaixo de muita marquise, mas resistido.” (1º§)

C) “Depois de cumprir meus afazeres voltei para casa, pendurei o guarda chuva a um canto e me pus a contemplá lo.”

(3º§)

D) “Estou pensando agora se quando ficar um pouco mais velho não comprarei uma cadeira de balanço austríaca.”

(11º§)

comprarei uma cadeira de balanço austríaca.” (11º§) Cargo: Farmacêutico (04 ‐ M) Prova aplicada em
comprarei uma cadeira de balanço austríaca.” (11º§) Cargo: Farmacêutico (04 ‐ M) Prova aplicada em

Cargo: Farmacêutico (04 M)

Prova aplicada em 09/08/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 10/08/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

3

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG

3 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG 10 Nas frases a seguir, o acento indicativo de
3 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ARAPONGA/MG 10 Nas frases a seguir, o acento indicativo de

10

Nas frases a seguir, o acento indicativo de crase é facultativo em

A) Iremos às compras antes que chova.

B) “Como geralmente chove à tarde,…” (1º§)

C) O rapaz entregou a sombrinha à minha amiga. D) Meu pai sempre ia à cidade comprar guarda chuva.

SAÚDE PÚBLICA

11

GABARITO

01 - D

“Todo cidadão é igual perante o Sistema Único de Saúde (SUS) e será atendido de acordo com suas necessidades.”

02 - A

Essa é uma afirmativa muito abordada nas legislações sobre o SUS e refere se à

A) equidade.

03 - B

04 - B

B) resolubilidade.

05 - D

06 - A

07 - B

08 - B

C) hierarquização.

12

D) descentralização.

“Tratase de um nível de atenção à saúde prestado por grandes hospitais geralmente especializados, os quais utilizam

09 - B

de tecnologia mais complexa.” Esse nível de atenção é definido como:

A) Primário.

10 - C

B) Terciário.

C) Secundário.

D) Quaternário.

Leia o trecho a seguir para responder às questões 13 e 14.

“Em uma área com 200 mil habitantes, houve uma epidemia de dengue com a notificação de 850 casos no 1º semestre de 2015, sendo que desse montante, 42 pessoas evoluíram a óbito por consequências hemorrágicas da dengue.”

13

“De acordo com o trecho anterior, o coeficiente de

mil habitantes.” Assinale a alternativa que completa correta e sequencialmente a afirmativa anterior.

A) incidência / 4,2

da dengue foi de

casos para cada 10

B) incidência / 42,5

C) mortalidade / 21

D) prevalência / 42,5

14

Em relação ao número de óbito por dengue hemorrágica, calcula se:

A) A taxa de mortalidade geral.

B) O indicador global de mortalidade.

C) O coeficiente de morbidade da dengue. D) A taxa de letalidade da dengue hemorrágica.

15

“Em uma área, havia em tratamento cerca de 100 pessoas em relação à hipertensão, até o momento foram

notificados mais 20 casos, cinco óbitos e cinco curas.” De acordo com esses dados, assinale a alternativa correta.

A) A incidência no momento seria de 110 casos.

B) A prevalência no momento seria de 110 casos.

C) A taxa de mortalidade seria de 2,5 para cada 100 mil habitantes.

D) É impossível calcular a prevalência apenas com os dados do texto.

16

Acerca dos alvos de controle e regras perante os serviços de vigilâncias sanitárias em âmbito municipal, estadual e federal, analise as alternativas a seguir.

I. Medicamentos.

II. Alimentos.

III. Produtos domissanitários.

IV. Cosméticos.

Está(ão) correta(s) a(s) alternativa(s)

A) I, II, III e IV.

B) II, apenas.

C) I e II, apenas.

D) I e IV, apenas.

17

Muitas doenças metaxênicas necessitam de controle epidemiológico, já que são consideradas epidemias de grande

relevância para a saúde pública. Entre as doenças a seguir, assinale as que se enquadram na situação de metaxênica.

A) Dengue e tuberculose.

B) Malária e leishmaniose.

C) Toxoplasmose e giardíase. D) Febre amarela e hanseníase.

Toxoplasmose e giardíase. D) Febre amarela e hanseníase. Cargo: Farmacêutico (04 ‐ M) Prova aplicada em
Toxoplasmose e giardíase. D) Febre amarela e hanseníase. Cargo: Farmacêutico (04 ‐ M) Prova aplicada em

Cargo: Farmacêutico (04 M)

Prova aplicada em 09/08/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 10/08/2015.

4

www.pciconcursos.com.br

4

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG

4 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG C C A A R R G G
4 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG C C A A R R G G

CCAARRGGOO:: AASSSSIISSTTEENNTTEE SSOOCCIIAALL

Texto I para responder às questões de 01 a 05.

Outro você

E dizem que rola um texto na internet com minha assinatura baixando o pau no “ Big Brother Brasil”. Não fui eu que escrevi.

Não poderia escrever nada sobre o “Big Brother Brasil”, a favor ou contra, porque sou um dos três ou quatro brasileiros que nunca o acompanharam.

O pouco que vi do programa, de passagem, zapeando entre canais, só me deixou perplexo: o que, afinal, atraía

tanto as pessoas — além do voyeurismo natural da espécie — numa jaula de gente em exibição? Falha minha, sem dúvida. Se prestasse mais atenção talvez descobrisse o valor sociológico que, como já ouvi dizerem, redime o programa e explica seu fascínio. Pode ser. Os “ Big Brothers” e similares fazem sucesso no mundo todo. Provavelmente eu e os outros três ou quatro resistentes apenas não pegamos o espírito da coisa. Também me dizem que, além de textos meus que nunca escrevi (como textos igualmente apócrifos do Jabor, da Martha Medeiros e até do Jorge Luís Borges), agora frequento a internet com um Twitter . Aviso: não tenho tuiter, não recebo tuiter, não sei o que é tuiter.

E desautorizo qualquer frase de tuiter atribuída a mim a não ser que ela seja absolutamente genial. Brincadeira,

mas já fui obrigado a aceitar a autoria de mais de um texto apócrifo (e agradecer o elogio) para não causar desgosto, ou

até revolta. Como a daquela senhora que reagiu com indignação quando eu inventei de dizer que um texto que ela lera não era meu:

— É sim.

— Não, eu acho que

— É sim senhor!

Concordei que era, para não apanhar. O curioso, e o assustador, é que, em textos de outros com sua assinatura e em tuiters falsos, você passa a ter uma vida paralela dentro das fronteiras infinitas da internet.

É outro você, um fantasma eletrônico com opiniões próprias, muitas vezes antagônicas, sobre o qual você não tem nenhum controle.

— Olha, adorei o que você escreveu sobre o “ Big Brother ”. É isso aí!

— Não fui eu que

— Foi sim!

(Luiz Fernando Veríssimo. Disponível em: http://noblat.oglobo.globo.com/cronicas/noticia/2010/04/outrovoce 280562.html.)

01

Considerando que a intencionalidade textual é a intenção do locutor de produzir uma manifestação linguística coesiva e coerente; é correto afirmar, em relação ao emprego de expressões de uso coloquial no texto não adequadas à linguagem formal, que

A) tal estratégia escolhida pelo autor torna o texto relevante na situação apresentada.

B) seu emprego demonstra o posicionamento do autor em relação ao conteúdo apresentado.

C) o critério de adequação textual está presente de acordo com a situação social em que o texto ocorre.

D) o emprego de tais expressões é de fundamental importância para compreensão do conteúdo apresentado.

02

Considerando a frase “Não fui eu que escrevi.” (2º§) é possível notar a aplicação de uma regra que a torna adequada de acordo com o emprego da norma padrão da língua. Outra possibilidade que preserva tal adequação para a expressão do mesmo conteúdo apresentado está indicada em:

A) Não foi eu que escrevi.

B) Não fui eu que escreveu.

C) Não fui eu quem escrevi. D) Não foi eu quem escreveu.

03

Ainda em relação à frase “Não fui eu que escrevi.” (2º§) é correto afirmar em relação à estruturação que tal período é constituído, na ordem em que aparecem as orações, de

A) oração adjetiva seguida de oração principal.

B) oração principal seguida de oração adjetiva.

C) uma oração principal seguida de duas adverbiais.

D) uma oração adverbial seguida de uma oração adjetiva.

D) uma oração adverbial seguida de uma oração adjetiva. Cargo: Assistente Social (03 ‐ T) Prova
D) uma oração adverbial seguida de uma oração adjetiva. Cargo: Assistente Social (03 ‐ T) Prova

Cargo: Assistente Social (03 T)

Prova aplicada em 20/09/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 21/09/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

5

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG

5 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG 04 O autor do texto tem por objetivo
5 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG 04 O autor do texto tem por objetivo

04

O autor do texto tem por objetivo esclarecer que certo texto, a ele atribuído, acerca de determinado programa de

televisão, não é de sua autoria. O tal texto teria por objetivo criticar o referido programa. Diante do conteúdo do texto “Outro você”, é possível afirmar que o autor

A) tem uma posição contrária a tal tipo de programação.

B) possui posição neutra já que afirma não assistir a tal programação.

C) sente se insatisfeito por não ter alcançado o propósito de tal tipo de exibição.

D) gostaria, na verdade, de realmente ter sido o autor do texto da internet, pois, coaduna com seus pensamentos.

05

Acerca da função sintática dos termos destacados, apenas uma das alternativas apresenta elemento que difere dos demais. Assinaleo.

A) “O pouco que vi do programa, [

B) “[ que ela seja absolutamente genial.” (8º§)

C) “Como a daquela senhora que reagiu com indignação [

D) “Os ‘Big Brothers’ e similares fazem sucesso no mundo todo.” (5º§)

]” (4º§)

]

]” (8º§)

Texto II para responder às questões de 06 a 10.

Agora todo mundo tem opinião

Meu amigo Adamastor, o gigante, me apareceu hoje de manhã, muito cedo, aqui na biblioteca, e disse que vinha a fim de um cafezinho. Mentira, eu sei. Quando ele vem tomar um cafezinho é porque está com alguma ideia borbulhando em sua mente.

E estava. Depois do primeiro gole e antes do segundo, café muito quente, ele afirmou que concorda plenamente

com a democratização da informação. Agora, com o advento da internet, qualquer pessoa, democraticamente, pode externar aquilo que pensa. Balancei a cabeça, na demonstração de uma quase divergência, e seu espanto também me espantou. Como assim, ele perguntou, está renegando a democracia? Pedi com modos a meu amigo que não embaralhasse as coisas. Democracia não é um termo divinatório, que se aplique sempre, em qualquer situação. Ele tomou o segundo gole com certa avidez e queimou a língua. Bem, voltando ao assunto, nada contra a democratização dos meios para que se divulguem as opiniões, as mais diversas, mais esdrúxulas, mais inovadoras, e tudo o mais. É um direito que toda pessoa tem: emitir opinião.

O que o Adamastor não sabia é que uns dias atrás andei consultando uns filósofos, alguns antigos, outros

modernos, desses que tratam de um palavrão que sobrevive até os dias atuais: gnoseologia. Isso aí, para dizer teoria do conhecimento.

Sim, e daí?, ele insistiu.

O mal que vejo, continuei, não está na enxurrada de opiniões as mais isso ou aquilo na internet, e principalmente

com a chegada do Facebook . Isso sem contar a imensa quantidade de textos apócrifos, muitas vezes até opostos ao pensamento do presumido autor, falsamente presumido. A graça está no fato de que todos, agora, têm opinião sobre tudo.

Mas isso não é bom?

O

gigante, depois da maldição de Netuno, tornouse um ser impaciente.

O

fato, em si, não tem importância alguma. O problema é que muita gente lê a enxurrada de bobagens que

aparecem na internet não como opinião, mas como conhecimento. O Platão, por exemplo, afirmava que opinião (doxa)

era o falso conhecimento. O conhecimento verdadeiro (episteme) depende de estudo profundo, comprovação metódica, teste de validade. Essas coisas de que se vale em geral a ciência.

O mal que há nessa “democratização” dos veículos é que se formam crenças sem fundamento, mudamse as

opiniões das pessoas, afirmamse absurdos em que muita pessoa ingênua acaba acreditando. Sim, porque estudar,

comprovar metodicamente, testar a validade, tudo isso dá muito trabalho.

O Adamastor não estava muito convencido da justeza dos meus argumentos, mas o café tinha terminado e ele se

despediu.

(Menalton Braff, publicado em 03/04/2015. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/cultura/agoratodo mundo temopiniao7377.html.)

‐ todo ‐ mundo ‐ tem ‐ opiniao ‐ 7377.html.) Cargo: Assistente Social (03 ‐ T)
‐ todo ‐ mundo ‐ tem ‐ opiniao ‐ 7377.html.) Cargo: Assistente Social (03 ‐ T)

Cargo: Assistente Social (03 T)

Prova aplicada em 20/09/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 21/09/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

6

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG

6 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG 06 “De acordo com a tipologia textual apresentada,
6 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE ASTOLFO DUTRA/MG 06 “De acordo com a tipologia textual apresentada,

06

“De acordo com a tipologia textual apresentada, é correto afirmar que o texto apresentado é, principalmente, uma

” Assinale a alternativa que completa

que tem com o centro

correta e sequencialmente a afirmativa anterior.

A) descrição / o objeto

B) narração / a ação, o fato

C) dissertação / as ideias, o pensamento D) argumentação / a consistência do raciocínio

07

O texto é construído a partir de um diálogo em que

A)

são apresentados argumentos contrários à utilização da internet.

B)

são utilizados recursos argumentativos em favor do posicionamento apresentado pelo autor.

C)

há uma divergência de conceitos entre os interlocutores que se desfaz após a argumentação feita.

D)

a

opinião do interlocutor mostra se forte o suficiente para refutar e anular os argumentos apresentados.

08

Em relação ao segmento “O mal que vejo, continuei, não está na enxurrada de opiniões as mais isso ou aquilo na

internet, [ ]”

(8º§) assinale o comentário verdadeiro.

A)

O

pronome “cuja” não apenas poderia substituir “as” como também eliminaria a ambiguidade presente no período.

B)

Na substituição da expressão “na enxurrada de opiniões” por “nas opiniões”, o “as” receberia o acento grave indicador de crase.

C)

Caso a expressão “enxurrada de opiniões” seja substituída por “opinião”, o pronome “as” obrigatoriamente seria substituído por “a”.

D)

O pronome “as” pode ser substituído pelo pronome “que” devido à função por ele exercida na oração sem que haja

prejuízo semântico ou gramatical.

09

“Isso sem contar a imensa quantidade de textos apócrifos, muitas vezes até opostos ao pensamento do presumido autor, falsamente presumido.” (8º§). Os vocábulos em destaque têm seu significado de forma correta indicado, respectivamente, em:

A) aprazíveis / celebrado

B) ilegítimos / conjecturado

C) desequilibrados / possível D) inclassificáveis / hipotético

10

No trecho “O gigante, depois da maldição de Netuno, tornou se um ser impaciente.” (10º§) é possível reconhecer que, através da referência feita, o autor tem por principal objetivo

A) retomar e caracterizar seu amigo Adamastor.

B) conferir grandiosidade aos fatos mencionados.

C) reforçar os argumentos acerca das ideias apresentadas.

D) demonstrar grande conhecimento acerca da literatura com a citação dos personagens clássicos, o gigante Adamastor

e Netuno.

GABARITO

RACIOCÍNIO LÓGICO
01

- C

02 - C

03 - B

04 - A

11

Trabalhando de quarta a sextafeira, seis jardineiros gastam cinco semanas para construir um jardim em uma

05 - A

residência luxuosa. Para realizar esse mesmo serviço, o número de semanas que cinco jardineiros gastariam

06 - B

trabalhando de segunda a sábado, mantendose a mesma produtividade, será:

A) 3.

07 - B

08 - C

B) 4.

C) 5.

09 - B

10 - A

D) 6.

12

Eduardo desenha e vende caricaturas em três diferentes tamanhos, 30 cm, 50 cm e 80 cm e cobra, respectivamente, o preço unitário de R$ 4,00, R$ 6,00 e R$ 8,00. Certo dia, vendeu 30 caricaturas e obteve, no total, R$ 170,00. Considerando que o número de caricaturas de 50 cm vendidos é o triplo do número de caricaturas de 80 cm vendidos, então, o número de caricaturas de 30 cm vendidos foi:

A) 5.

B) 8.

C) 12.

D) 15.

caricaturas de 30 cm vendidos foi: A) 5. B) 8. C) 12. D) 15. Cargo: Assistente
caricaturas de 30 cm vendidos foi: A) 5. B) 8. C) 12. D) 15. Cargo: Assistente

Cargo: Assistente Social (03 T)

Prova aplicada em 20/09/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 21/09/2015.

4

www.pciconcursos.com.br

7

CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE BAEPENDI/MG

7 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE BAEPENDI/MG C C A A R R G G
7 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE BAEPENDI/MG C C A A R R G G

CCAARRGGOO:: AASSSSIISSTTEENNTTEE SSOOCCIIAALL

O que devemos aos jovens

Fiquei surpresa quando uma entrevistadora disse que em meus textos falo dos jovens como arrogantes e maleducados. Sinto muito: essa, mais uma vez, não sou eu. Lido com palavras a vida toda, foram uma de minhas primeiras paixões e ainda me seduzem pelo misto de comunicação e confusão que causam, como nesse caso, e por sua beleza, riqueza e ambiguidade. Escrevo repetidamente sobre juventude e infância, família e educação, cuidado e negligência. Sobre nossa falha quanto à autoridade amorosa, interesse e atenção. Tenho refletido muito sobre quanto deve ser difícil para a juventude esta época em que nós, adultos e velhos, damos aos jovens tantos maus exemplos, correndo desvairadamente atrás de mitos bobos, desperdiçando nosso tempo com coisas desimportantes, negligenciando a família, exagerando nos compromissos, sempre caindo de cansados e sem vontade ou paciência de escutar ou de falar.

Tenho muita empatia com a juventude, exposta a tanto descalabro, cuidada muitas vezes por pais sem

informação, força nem vontade de exercer a mais básica autoridade, sem a qual a família se desintegra e os jovens são abandonados à própria sorte num mundo nem sempre bondoso e acolhedor. Quem são, quem podem ser, os ídolos desses jovens, e que possibilidades lhes oferecemos? Então, refugiamse na tribo, com atitudes tribais: o piercing, a

tatuagem, a dança ao som de música tribal, na qual se sobrepõe a batida dos tantãs. Negativa? Censurável? Necessária para muitos, a tribo é onde se sentem acolhidos, abrigados, aceitos. Escola e família ou se declaram incapazes, ou estão assustadas, ou não se interessam mais como deveriam.

Autoridades, homens públicos, supostos líderes, muitos deles a gente nem receberia em casa. O que resta? A solidão, a coragem, a audácia, o fervor, tirados do próprio desejo de sobrevivência e do otimismo que sobrar. Quero deixar claro que nem todos estão paralisados, pois muitas famílias saudáveis criam em casa um ambiente de confiança e afeto, de alegria. Muitas escolas conseguem impor a disciplina essencial para que qualquer organização ou procedimento funcione, e nem todos os políticos e governantes são corruptos. Mas quero também declarar que aqueles que o são já bastam para tirar o fervor e matar o otimismo de qualquer um. Assim, não acho que todos os jovens sejam arrogantes, todas as crianças maleducadas, todas as famílias disfuncionais.

Tenho sete netos e netas. A idade deles vai de 6 a 21 anos. Todos são motivo de alegria e esperança, todos

compensam, com seu jeito particular de ser, qualquer dedicação, esforço, parceria e amor da família. Não tenho nenhuma visão negativa da juventude, muito menos da infância. Acho, sim, que nós, os adultos, somos seus grandes devedores, pelo mundo que lhes estamos legando. Então, quando falo em dificuldades ou mazelas da juventude, é de

nós que estou, melancolicamente, falando.

(LUFT, Lya. Veja, São Paulo, 16 dez. 2009. Fragmento.)

] [

] [

01

A argumentação desenvolvida pela articulista apresenta como elemento motivador

A) uma informação infundada acerca de um discurso já proferido.

B) as questões éticas e morais que envolvem escola, família e estado.

C) as ações inconsequentes praticadas pela juventude de uma forma geral.

D) a preocupação acerca do legado que, provavelmente, será deixado aos jovens.

02

A tese em torno da qual gravitam os argumentos apresentados está corretamente indicada em:

A) É preciso que haja uma conscientização em relação às necessidades da juventude.

B) O jovem precisa de identificação com determinado grupo social, do qual passará a ser participante ativo.

C) O jornalismo irresponsável deve ser punido e repreendido, principalmente, quando prejudica a juventude.

D) Há uma grande lacuna na sociedade no que se refere ao papel de adultos e instituições tais como escola e família em relação aos jovens.

03

O trecho “Sinto muito: essa, mais uma vez, não sou eu.” (1º§) foi reescrito evitando ambiguidades e/ou um novo

sentido em:

A) Essa não sou eu: mais uma vez sinto muito.

B) Mais uma vez sinto muito, essa não sou eu.

C) Mais uma vez, essa não sou eu, sinto muito. D) Essa, mais uma vez, sinto muito. Não sou eu.

muito. D) Essa, mais uma vez, sinto muito. Não sou eu. Cargo: Assistente Social (02 ‐
muito. D) Essa, mais uma vez, sinto muito. Não sou eu. Cargo: Assistente Social (02 ‐

Cargo: Assistente Social (02 M)

Prova aplicada em 10/05/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 11/05/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

8

CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE BAEPENDI/MG

8 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE BAEPENDI/MG 04 Quanto à linguagem utilizada no desenvolvimento do
8 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE BAEPENDI/MG 04 Quanto à linguagem utilizada no desenvolvimento do

04

Quanto à linguagem utilizada no desenvolvimento do texto é correto afirmar que se apresenta

A) técnica e formal.

B) objetiva e formal.

C) caracterizada por certo subjetivismo. D) inadequada quanto ao nível de formalismo.

05

O texto também se constitui de argumentações implícitas, ou seja, pressupostos e subentendidos. Acerca do trecho

destacado do texto, assinale o pressuposto corretamente identificado do que está implícito nos elementos linguísticos empregados. “Lido com palavras a vida toda, foram uma de minhas primeiras paixões e ainda me

seduzem pelo misto de comunicação e confusão que causam, como nesse caso, e por sua beleza, riqueza e ambiguidade.” (1º§)

A) O termo “seduzem” indica um ponto de vista da autora de que as palavras lhe trazem conflito.

B) “Foram” indica que, apesar de continuar a lidar com as palavras, a paixão não é mais a mesma.

C) Ao dizer que as palavras “ainda” seduzemna, pressupõese que o mesmo não ocorre com as demais paixões citadas anteriormente.

D) A partir da expressão “uma de minhas primeiras” pode se supor que as paixões vividas pela escritora aconteceram na sua infância e adolescência.

06

“[

correto afirmar que caso o sujeito de “damos” fosse “adultos e velhos” , a forma usada seria

A) dão.

]

nós, adultos e velhos, damos aos jovens tantos maus exemplos, [

B) deis.

C) demos.

]”

(2º§). Acerca do trecho destacado, é

D) désseis.

07

O significado da palavra em destaque está corretamente indicado em

A) “… todas as famílias disfuncionais.” (5º§) / despreparadas.

B) “… pelo mundo que lhes estamos legando.” (6º§) / compartilhando.

C) “… correndo desvairadamente atrás de mitos bobos,…” (2º§) / loucamente.

D) “Tenho muita empatia com a juventude, exposta a tanto descalabro,…” (3º§) / inconveniência.

08

De acordo com o sentido atribuído às expressões em destaque, classifique como um exemplo de denotação (D) ou conotação (C).

(

(

) “Todos são motivo de alegria e esperança, (6º§)

) “ sempre caindo de cansados e sem vontade (2º§)

,

(

) “ muitos deles a gente nem receberia em casa ” (4º§)

) “ correndo desvairadamente atrás de mitos bobos, (2º§)

(

A

sequência está correta em

A)

D, D, C, C.

B) C, D, C, D.

C) C, C, D, C.

D) D, C, D, C.

09

Por algumas vezes a autora utiliza como recurso na construção da estrutura textual, a inserção de questionamentos os quais, na maioria das vezes, são por ela mesma respondidos. Tal recurso tem por objetivo

A) construir a argumentação com base em questionamentos.

B) encontrar soluções adequadas à problemática apresentada.

C) tornar o leitor participativo da discussão proposta através de reflexões.

D) investigar situações contrárias ao posicionamento assumido pela autora.

GABARITO

01 - A

07 - C

02 - D

08 - D

03 - C

09 - D

04 - C

10 - C

05 - C

06 - A

10

Dentre os trechos em destaque, assinale o que NÃO pode ser considerado um exemplo que indica determinado ponto de vista da autora sobre o fato expresso.

A) “Necessária para muitos, a tribo é onde se sentem acolhidos, abrigados, aceitos.” (3º§)

B) “Tenho refletido muito sobre quanto deve ser difícil para a juventude esta época (2º§)

C) “Escrevo repetidamente sobre juventude e infância, família e educação, cuidado e negligência.” (2º§)

D) “Então, quando falo em dificuldades ou mazelas da juventude, é de nós que estou, melancolicamente, falando.” (6º§)

é de nós que estou, melancolicamente, falando.” (6º§) Cargo: Assistente Social (02 ‐ M) Prova aplicada
é de nós que estou, melancolicamente, falando.” (6º§) Cargo: Assistente Social (02 ‐ M) Prova aplicada

Cargo: Assistente Social (02 M)

Prova aplicada em 10/05/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 11/05/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

9

CONCURSO PÚBLICO – HC UFPE – HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA

EESSPPEECCIIAALLIIDDAADDEE:: EENNGGEENNHHEEIIRROO DDEE SSEEGGUURRAANNÇÇAA DDOO TTRRAABBAALLHHOO

CONHECIMENTOS BÁSICOS

O T T R R A A B B A A L L H H O
O T T R R A A B B A A L L H H O
O T T R R A A B B A A L L H H O

Os trovões de antigamente

Estou dormindo no antigo quarto de meus pais; as duas janelas dão para o terreiro onde fica o imenso pé de fruta pão, a cuja sombra cresci. O desenho de suas folhas recorta se contra o céu; essa imagem das folhas do fruta pão recortadas contra o céu é das mais antigas da minha infância, do tempo em que eu ainda dormia em uma pequena cama cercada de palhinha junto à janela da esquerda. A tarde está quente. Deito me um pouco para ler, mas deixo o livro, fico a olhar pela janela. Lá fora, uma galinha cacareja, como antigamente. E essa trovoada de verão é tão Cachoeiro, é tão minha casa em Cachoeiro! Não, não é verdade que em toda parte do mundo os trovões sejam iguais. Aqui os morros lhe dão um eco especial, que prolonga seu rumor. A altura e a posição das nuvens, do vento e dos morros que ladeiam as curvas do rio criam essa ressonância em que me reconheço menino, assustado e fascinado pela visão dos relâmpagos, esperando a chegada dos trovões e depois a chuva batendo grossa lá fora, na terra quente, invadindo a casa com seu cheiro. Diziam que São Pedro estava arrastando móveis, lavando a casa; e eu via o padroeiro de nossa terra, com suas barbas, empurrando móveis imensos, mas iguais aos de nossa casa, no assoalho do céu – certamente também feito assim, de tábuas largas. Parece que eu não acreditava na história, sabia que era apenas uma maneira de dizer, uma brincadeira, mas a imagem de São Pedro de camisolão empurrando um grande armário preto me ficou na memória. Nossa casa era bem bonita, com varanda, caramanchão e o jardim grande ladeando a rua. Lembro me confusamente de alguns canteiros, algumas flores e folhagens desse jardim que não existe mais; especialmente de uma grande touceira de espadas de são jorge que a gente chamava apenas de “talas”; e, lá no fundo, o precioso pé de saboneteira que nos fornecia bolas pretas para o jogo de gude. Era uma grande riqueza, uma árvore tão sagrada como a fruta pão e o cajueiro do alto do morro, árvores de nossa família, mas conhecidas por muita gente na cidade; nós também não conhecíamos os pés de carambola das Martins ou as mangueiras do Dr. Mesquita? Sim, nossa casa era muito bonita, verde, com uma tamareira junto à varanda, mas eu invejava os que moravam do outro lado da rua, onde as casas dão fundo para o rio. Como a casa dos Martins, como a casa dos Leão, que depois foi dos Medeiros, depois de nossa tia, casa com varanda fresquinha dando para o rio. Quando começavam as chuvas a gente ia toda manhã lá no quintal deles ver até onde chegara a enchente. As águas barrentas subiam primeiro até a altura da cerca dos fundos, depois às bananeiras, vinham subindo o quintal, entravam pelo porão. Mais de uma vez, no meio da noite, o volume do rio cresceu tanto que a família defronte teve medo. Então vinham todos dormir em nossa casa. Isso para nós era uma festa, aquela faina de arrumar camas nas salas, aquela intimidade improvisada e alegre. Parecia que as pessoas ficavam todas contentes, riam muito, como se fazia café e se tomava café tarde da noite! E às vezes o rio atravessava a rua, entrava pelo nosso portão, e me lembro que nós, os meninos, torcíamos para ele subir mais e mais. Sim, éramos a favor da enchente, ficávamos tristes de manhãzinha quando, mal saltando da cama, íamos correndo para ver que o rio baixara um palmo – aquilo era uma traição, uma fraqueza do Itapemirim. Às vezes chegava alguém a cavalo, dizia que lá para cima, pelo Castelo, tinha caído chuva muita, anunciava água nas cabeceiras, então dormíamos sonhando que a enchente ia outra vez crescer, queríamos sempre que aquela fosse a maior de todas as enchentes. E naquelas tardes as trovoadas tinham esse mesmo ronco prolongado entre morros, diante das duas janelas do quarto de meus pais; eles trovejavam sobre nosso telhado e nosso pé de fruta pão, os grandes, grossos trovões familiares de antigamente, os bons trovões do velho São Pedro.

(BRAGA, Rubem – 200 crônicas escolhidas. 31ª ed. – Rio de Janeiro: Record, 2010.)

01

“ aquilo era uma traição, uma fraqueza do Itapemirim”. (6º§) O excerto anterior constitui uma figura de linguagem denominada

A) anáfora.

B) catacrese.

C) anacoluto.

D) pleonasmo.

E) prosopopeia.

02

O uso do pronome demonstrativo “isso” na frase: “Isso para nós era uma festa, (6º§) se justifica por

A) referirse a algo já citado.

B) enfatizar o sentido da frase.

C) referirse a um tempo futuro.

D) comprovar a noção de espaço. E) referir se a algo próximo do falante.

de espaço. E) referir ‐ se a algo próximo do falante. Especialidade: Engenheiro de Segurança do
de espaço. E) referir ‐ se a algo próximo do falante. Especialidade: Engenheiro de Segurança do

Especialidade: Engenheiro de Segurança do Trabalho

Prova aplicada em 08/03/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 09/03/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

10

CONCURSO PÚBLICO – HC UFPE – HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA 03 Em todas as frases relacionadas à palavra sublinhada
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA 03 Em todas as frases relacionadas à palavra sublinhada

03

Em todas as frases relacionadas à palavra sublinhada pertence à mesma classe gramatical, EXCETO em:

A) “ desse jardim que não existe mais; (3º§)

B) “ pé de saboneteira que nos fornecia bolas pretas (3º§)

C) “… do vento e dos morros que ladeiam as curvas do rio…” (2º§)

D) “Aqui os morros lhe dão um eco especial, que prolonga seu rumor.” (2º§)

E) “ queríamos sempre que aquela fosse a maior de todas as enchentes.” (6º§)

04

Assinale a alternativa que, hoje, é classificada como politicamente incorreta.

A) “Aqui os morros lhe dão um eco especial, que prolonga seu rumor.” (2º§)

B) “Sim, nossa casa era muito bonita, verde, com uma tamareira junto à varanda,…” (4º§)

C) “Era uma grande riqueza, uma árvore tão sagrada como a fruta pão e o cajueiro no alto do morro, (3º§)

D) “Parecia que as pessoas ficavam todas contentes, riam muito, como se fazia café e se tomava café tarde da noite!”

(6º§)

“Sim, éramos a favor da enchente, ficávamos tristes de manhãzinha quando, mal saltando da cama, íamos ”

correndo (6º§)

E)

05

“Então vinham todos dormir em nossa casa. Isso para nós era festa, aquela faina de arrumar camas nas salas, aquela intimidade improvisada e alegre.” (6º§) O vocábulo anteriormente destacado pode ser substituído, sem perda semântica, por

A) ânsia.

B) apatia.

C) agonia.

D) azáfama.

E) azinhaga.

06

As recordações das vivências antigas feitas pelo narrador são desencadeadas

A) pelo calor da tarde em Cachoeiro.

B) pela audição do prenúncio da chuva.

C) pelas montanhas recortadas contra o céu.

D) pelo sonho profundo a que ele se entrega. E) pela visão que ele vislumbra da casa antiga.

07

“E às vezes o rio atravessava a rua, (6º§) Assinale a alternativa em que a ocorrência de crase NÃO se justifica pelo mesmo critério da empregada na frase anterior.

A) As chuvas caíam à tarde.

B) A enchente chegava à beira de nossa casa.

C) Os meninos riam à beça com toda aquela confusão.

D) À noite os adultos riam e conversavam tomando muito café.

E) Ela sempre se referia à chuva que caía abundantemente no verão.

08

O segmento do texto cujo elemento tem seu valor semântico INCORRETAMENTE indicado é:

A) “Deito me um pouco para ler,…” (2º§) – fim

B) “ recortadas contra o céu (1º§) – oposição

C) “ feito assim, de tábuas largas.” (2º§) – matéria

D) “ eles trovejavam sobre nosso telhado (7º§) – lugar

E) “… assustado e fascinado pela visão dos relâmpagos,…” (2º§) – tempo

09

Relacione adequadamente os termos em destaque com suas respectivas funções sintáticas.

1. Objeto direto.

2. Sujeito.

(

(

) “Nossa casa era bem bonita, (3º§)

) “ mas deixo o livro,

(2º§)

3. Predicativo.

(

) “E naquelas tardes as trovoadas (7º§)

4. Adjunto adverbial.

(

) “Então vinham todos dormir em nossa casa.” (6º§)

A sequência está correta em

A) 3, 1, 4, 2.

B) 3, 2, 1, 4.

C) 2, 1, 3, 4.

D) 1, 2, 3, 4.

E) 4, 1, 2, 3.

B) 3, 2, 1, 4. C) 2, 1, 3, 4. D) 1, 2, 3, 4. E)
B) 3, 2, 1, 4. C) 2, 1, 3, 4. D) 1, 2, 3, 4. E)

Especialidade: Engenheiro de Segurança do Trabalho

Prova aplicada em 08/03/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 09/03/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

11

CONCURSO PÚBLICO – HC UFPE – HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA 10 “Mais de uma vez, no meio da noite,
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – ÁREA ADMINISTRATIVA 10 “Mais de uma vez, no meio da noite,

10

“Mais de uma vez, no meio da noite, o volume do rio cresceu tanto que a família defronte teve medo”. (5º§) Nessa frase, a oração sublinhada traz uma ideia de

A) causa.

B) condição.

C) concessão.

D) comparação.

GABARITO

01 - E

02

03

11

- A

- E

Considere as seguintes afirmações:

04

- E

Todo gato gosta de passear à noite; e,

05 - D

06 - B

Existem gatos brancos.

07 - E

Dessa forma, é correto afirmar que

08 - E

RACIOCÍNIO LÓGICOMATEMÁTICO

A) todo gato branco não gosta de passear à noite.

09 - A

B) algum gato branco não gosta de passear à noite.

C) todo gato que gosta de passear à noite é branco.

D) todo gato que não é branco gosta de passear à noite.

E) algum gato que não é branco não gosta de passear à noite.

10 - E

E) consequência.

12

Em um experimento utilizandose 41 ratos de laboratório constatou se que, após a aplicação de uma substância química, 23 ratos foram curados de Alzheimer ao passo que 17 foram curados do Mal de Parkinson . Entretanto, nove ratos não foram curados de Alzheimer nem do Mal de Parkinson e cinco foram curados apenas do Mal de Huntington . Assim, o número de ratos que foram curados tanto de Alzheimer quanto do Mal de Parkinson é

A) 7.

B) 8.

C) 9.

D) 11.

E) 12.

13

Em uma repartição pública, um processo administrativo foi instruído e aberto no dia 07/11/2014. Da data de abertura à decisão final do processo, correram exatamente 13 semanas e 2 dias. Dessa forma, a decisão final ocorreu, no ano de 2015, em

A) 30/01.

B) 08/02.

C) 17/02.

D) 01/03.

E) 09/03.

14

Uma caixa contém 60 bolas coloridas sendo 20 verdes; 20 vermelhas; e, as demais, laranjas. De forma aleatória e com reposição, duas bolas serão retiradas da caixa. Dessa forma, considerando que a probabilidade de se retirar uma bola verde seja o dobro da probabilidade de se retirar qualquer outra bola, então a probabilidade de que sejam retiradas da caixa uma bola verde e outra vermelha é

A) 3/8.

B) 2/5.

C) 1/4.

D) 2/9.

E) 1/8.

15

Em uma lanchonete, é vendida uma marca de sucos com sete sabores distintos. Além disso, um cliente pode optar pela versão normal ou light, com menos calorias, e escolher uma dentre três embalagens possíveis: 500 ml, 1 L ou 1,5 L. Dessa forma, o número de possibilidades para que um cliente escolha um suco dessa marca é

A) 42.

B) 56.

C) 84.

D) 120.

E) 294.

LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

16

Considerando o que dispõe o Decreto nº 7.661/2011, assinale a alternativa correta quanto à natureza jurídica da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares.

A) Empresa pública dotada de personalidade jurídica de direito público e patrimônio próprio.

B) Empresa pública dotada de personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio.

C) Autarquia federal dotada de personalidade jurídica de direito público e patrimônio da União.

D) Sociedade de economia mista dotada de personalidade jurídica de direito privado e patrimônio da União.

E) Sociedade de economia mista dotada de personalidade jurídica de direito público, com forma empresarial de S.A. (Sociedade Anônima).

com forma empresarial de S.A. (Sociedade Anônima). Especialidade: Engenheiro de Segurança do Trabalho Prova
com forma empresarial de S.A. (Sociedade Anônima). Especialidade: Engenheiro de Segurança do Trabalho Prova

Especialidade: Engenheiro de Segurança do Trabalho

Prova aplicada em 08/03/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 09/03/2015.

4

www.pciconcursos.com.br

12

CONCURSO PÚBLICO – INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO)

ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE – ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA A partir da década de 70, tendo como
ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA A partir da década de 70, tendo como
ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA A partir da década de 70, tendo como

LÍNGUA PORTUGUESA

A partir da década de 70, tendo como marco histórico a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e

diante dos problemas oriundos da degradação ambiental, iniciou se no mundo uma crescente consciência de que seria

necessária uma forma diferenciada do ser humano se relacionar com a natureza, e de gerar e distribuir riquezas. Por outro lado, em paralelo a este movimento chamado “verde”, a desigualdade social foi nas últimas décadas expandindo numa velocidade vertiginosa e com ela crescendo a exclusão social e a violência. Em decorrência destes dois fatores deparamo nos, na década de 90, com um novo fenômeno social, qual seja a proliferação do 3º setor: a esfera pública não estatal. Somado a isto, ganharam força os movimentos da qualidade empresarial e dos consumidores. De agente passivo de consumo, o consumidor passa a ser agente de transformação social, por meio do exercício do seu poder de compra, uso e descarte de produtos, de sua capacidade de poder privilegiar empresas que tinham valores outros que não somente o lucro na sua visão de negócios. Assim, sociedade

civil e empresas passam a estabelecer parcerias na busca de soluções, diante da convicção de que o Estado sozinho não

é

capaz de solucionar a todos os problemas e a responder a tantas demandas.

É

diante desta conjuntura que nasce o movimento da responsabilidade social. Movimento este que vem crescendo

e

ganhando apoio em todo o mundo, e que propõe uma aliança estratégica entre 1º, 2º e 3º setores na busca da

inclusão social, da promoção da cidadania, da preservação ambiental e da sustentabilidade planetária, na qual todos os setores têm responsabilidades compartilhadas e cada um é convidado a exercer aquilo que lhe é mais peculiar, mais característico. E, para que essa aliança seja possível, a ética e a transparência são princípios fundamentais no modo de

fazer negócios e de relacionarse com todas as partes interessadas. À sociedade civil organizada cabe papel fundamental pelo seu poder ideológico – valores, conhecimento, inventividade e capacidades de mobilização e transformação.

A responsabilidade social conclama todos os setores da sociedade a assumirem a responsabilidade pelos impactos

que suas decisões geram na sociedade e meio ambiente. Nesse sentido, os setores produtivos e empresariais ganham um papel particularmente importante, pelo impacto que geram na sociedade e seu poder econômico e sua capacidade de formular estratégias e concretizar ações. Essa nova postura, de compartilhamento de responsabilidades, não implica, entretanto, em menor responsabilidade dos governos, ao contrário, fortalece o papel inerente ao governo de grande formulador de políticas públicas de grande alcance, visando o bem comum e a equidade social, aumentando sua responsabilidade em bem gerenciar a sua máquina, os recursos públicos e naturais na sua prestação de contas à sociedade. Além disso, pode e deve ser o grande fomentador, articulador e facilitador desse novo modelo que se configura de fazer negócios.

(Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/qualidade/responsabilidade_social/contextualizacao.asp. Acesso em dezembro de 2014.)

01

De acordo com o texto apresentado, é correto afirmar que

I. O crescimento da desigualdade social é um movimento que ultrapassa os limites da exclusão social e da violência.

II. O consumidor possui um papel determinante no processo de transformação em que a sociedade, do ponto de vista econômico, está inserida.

III. As transformações operadas na sociedade, a partir da década de 90, demonstram a busca por soluções cuja característica é o envolvimento de setores distintos tendo em vista os mesmos propósitos.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s)

A) I, II e III.

B) I, apenas.

C) I e II, apenas.

D) I e III, apenas.

E) II e III, apenas.

02

O 3º§ iniciase fazendo referência a fatores expostos anteriormente que são vistos como fundamentais para o processo mencionado a seguir. Sobre tais fatores, é correto afirmar que

A) dispõem de elementos comuns com objetivos variados.

B) compõem uma analogia em que se aproximam através de determinadas características.

C) acumulam aspectos que se distanciam quanto aos benefícios produzidos a partir dos mesmos.

D) possuem características que indicam aspectos prejudiciais ao crescimento econômico da sociedade.

E) constituem metodologias relacionadas à necessária conscientização global quanto ao meio ambiente.

conscientização global quanto ao meio ambiente. ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE –
conscientização global quanto ao meio ambiente. ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE –

ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE – ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Prova aplicada em 01/02/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 02/02/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

13

CONCURSO PÚBLICO – INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO)

NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO) 03 Em “Somado a isto, ganharam força os movimentos
NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO) 03 Em “Somado a isto, ganharam força os movimentos

03

Em “Somado a isto, ganharam força os movimentos da qualidade empresarial e dos consumidores.” (3º§), o termo em destaque é utilizado como um pronome anafórico. Tal emprego pode ser comprovado em sua relação estabelecida com o(s)

A) crescimento de um segmento social e público.

B) fenômenos sociais de característica governamental.

C) movimentos liderados por consumidores conscientes.

D) desenvolvimento dos dois fatores apontados anteriormente.

E) fatores econômicos relacionados no texto a partir da década de 70.

04

De acordo com o texto, a sociedade civil possui um papel fundamental diante de seu “poder ideológico” ; a partir do efeito de sentido produzido pelo termo em destaque, é correto afirmar que a sociedade

A) age de forma excludente.

B) sustenta convicções e interesses do grupo.

C) sobrepõe os ideais a considerações práticas.

D) legitima o poder econômico da classe dominante.

E) expressa interesses revolucionários da classe dominada.

05

No 4º§ do texto, a oração “[ para que essa aliança seja possível [ ” denota, no período em que está inserida, o(a)

A) meio pelo pelo qual tal aliança se faz possível.

B) finalidade da aliança mencionada entre os vários setores.

C) entendimento de que a aliança entre os vários setores mencionados é possível.

D) razão por que a ética e a transparência são considerados princípios fundamentais.

E) objetivo da existência de elementos como ética e transparência nas relações citadas.

]

]

06

Considerando o emprego do pronome demonstrativo “este” em “Em decorrência destes dois fatores [

indique as frases a seguir que apresentam a mesma justificativa para sua utilização (considere suas variações).

I. Neste século, a ciência multiplicou se.

II. Isto que está aqui tem um grande peso.

III. Um dia destes ele decide seu destino e tudo se resolve.

IV. Consultada a juíza, esta se manifestou favoravelmente a nossa causa.

Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s)

A) I.

]” (3º§),

B) IV.

C) I e II.

D) II e III.

E) II e IV.

07

Acerca dos elementos constitutivos do período “A responsabilidade social conclama todos os setores da sociedade a assumirem a responsabilidade pelos impactos que suas decisões geram na sociedade e meio ambiente.” (6º§) é correto afirmar que

A) não há dúvidas quanto à fonte de geração dos impactos mencionados.

B) a forma verbal “conclama” indica valor de ação acabada recentemente.

C) a responsabilidade social deve ser atribuída a todos os setores da sociedade.

D) ao substituir o agente de “conclama” por “sociedade” , é atribuída maior credibilidade ao conteúdo da informação apresentada.

E) a atribuição de determinada responsabilidade aos setores da sociedade mostra que os impactos ambientais podem ser revertidos.

08

Em “[ iniciou se no mundo uma crescente consciência de que seria necessária uma forma diferenciada do ser

humano se relacionar com a natureza [ (1º§) preservando se a correção semântica e a adequação linguística, o

trecho em destaque poderia ser substituído por

A) sendo necessária.

B) de que tenha sido.

C) de que fosse necessária.

]

]”

D) de que haveria necessidade de. E) de que houvesse necessidade de.

haveria necessidade de. E) de que houvesse necessidade de. ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE –
haveria necessidade de. E) de que houvesse necessidade de. ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE –

ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE – ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Prova aplicada em 01/02/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 02/02/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

14

CONCURSO PÚBLICO – INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO)

NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO) 09 A expressão “crescente consciência” é formada
NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO) 09 A expressão “crescente consciência” é formada

09

A expressão “crescente consciência” é formada por vocábulos grafados corretamente com “sc” . Indique, a seguir, o vocábulo que também deveria ser grafado com “sc” .

A) Abcesso.

B) Excursão.

C) Obsessão.

D) Sucessivo.

E) Concessão.

10

De acordo a predominância de certos elementos textuais, pode se afirmar que o texto apresentado é um exemplo de

A) injunção.

B) narração.

C) descrição.

D) dissertação.

E) conversação.

GABARITO

01 - E

02 - C

Read the text to answer 11 to 15.

LÍNGUA INGLESA

03 - A

04 - B

05 - E

06 - B

The Office of Weights and Measures

The Office of Weights and Measures promotes uniformity in U.S. weights and measures laws, regulations, and

07 - A

standards to achieve equity between buyers and sellers in the marketplace. This enhances consumer confidence,

08 - D

enables U.S. businesses to compete fairly at home and abroad, and strengthens the U.S. economy.

09 - A

OWM partners with the National Conference on Weights and Measures (NCWM), an organization of State and local

weights and measures officials and representatives of business, industry, consumer groups, and Federal agencies, to develop U.S. standards in the form of uniform laws, regulations, and methods of practice. OWM serves as the U.S. representative to the International Organization of Legal Metrology (OIML) to bring efficiency and cost savings to U.S. manufacturers and other stakeholders doing business overseas, through the promotion of harmonized international standards and regulatory practices. OWM ensures traceability of state weights and measures standards to the International System of Units (SI); develops procedures for legal metrology tests and inspections, and conducts training for laboratory metrologists and weights and measures officials. OWM provides guidance on the model weights and measures laws and regulations adopted by the NCWM and coordinates the development and publication of key NCWM publications. It is estimated that sales of products or services impacted by weights and measures laws in the United States represent approximately 50 percent of the U.S. Gross Domestic Product. Industry sectors potentially affected by the decisions of the NCWM include retail food sales, other retail sales, petroleum products, transportation, and chemicals. The NIST Office of Weights and Measures analyzes weights and measures training needs, obtains input from the weights and measures community, designs and delivers training for laboratory metrologists and weights and measures officials, measures the impact and effectiveness of training to ensure ongoing continual improvement, and consults with the weights and measures community to ensure ongoing professional development.

(Available in: http://www.nist.gov/pml/wmd.)

11

One of the OWM’ duties is to

A) conduct inspections throughout the USA.

B) shape standards and regulatory conducts.

C) cater to international sales’ achievement.

10 - D

D) represent fifteen percent of the US GDP. E) compete for insurance at home and abroad.

12

All of the itens fit into the same category EXCEPT:

A) Laws.

B) Sales.

C) Enables.

13

One of the outcomes of the OWM action is:

A) Equality among weather systems.

B) Reaching increased retail food sales.

C) Cutting on government expenditure.

D) Chemicals.

E) Businesses.

D) Consumer confidence improvement. E) Regulate budget and the nation’s GDP.

14

“Weights and Measures laws in the US represent approximately 50 percent…” APPROXIMATELY is closest in meaning to

A) hardly.

B) clearly.

C) almost.

D) seldom.

E) accurately.

A) hardly. B) clearly. C) almost. D) seldom. E) accurately. ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE
A) hardly. B) clearly. C) almost. D) seldom. E) accurately. ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE

ANALISTA EXECUTIVO EM METROLOGIA E QUALIDADE – ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Prova aplicada em 01/02/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 02/02/2015.

4

www.pciconcursos.com.br

15

CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE LIBERDADE/MG

15 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE LIBERDADE/MG C C A A R R G G
15 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE LIBERDADE/MG C C A A R R G G

CCAARRGGOO:: AASSSSIISSTTEENNTTEE SSOOCCIIAALL

As estações perplexas

Naturalmente, por culpa desses engenhos clandestinos que gregos e troianos estão atirando ao espaço, as estações se equivocaram e o Inverno, de barbas brancas, insiste com a Primavera em que o seu tempo ainda não passou, enquanto a Primavera, com suas coroas desmanchadas, vê avançar o Verão, de roupas de fogo, e não sabe o que fazer de flores e pássaros. As estações perplexas, mas bemeducadas, apresentam suas razões com bons modos, não por desejarem estar no cartaz, mas pela disciplina do próprio ofício. Elas, antigamente, executavam suas danças com grande acerto e, enquanto uma andava no primeiro plano, com seus véus e outros acessórios, as outras, com muita elegância, evoluíam em planos sucessivos, esperando o momento de se apresentarem, com todo o seu brilho e poder. Mas com os tais engenhos que perfuram o espaço, embora tão miseráveis, em relação ao universo como um espinho no pé de um elefante, creio que sempre há distúrbios: e só assim me parece explicável que neste mês de novembro possamos ainda trazer roupas de lã. Pelo jardim há numerosos estragos. As plantas andam meio loucas: gardênias, que costumam desabrochar em dezembro, abriram repentinamente em outubro e agora estão secas e caem melancolicamente, querendo ainda conservar o perfume e o aveludado nas pétalas queimadas. Qualquer flor que aparece, por saber que estamos na primavera, vem o vento e a desfolha, vem o frio e a faz murchar, vem a chuva e arrasta a para o chão. Que aconteceu? Pensam as flores. (Sim, porque as flores pensam.) E logo desaparecem, tristes. (Porque as flores também entristecem).

Quanto aos passarinhos, nesta região de sabiás e pardais, pintassilgos e cambaxirras, nesta região onde, o dia inteiro, o ar está cheio de pios, de cantos, de lamentos, de beijinhos d’água e risadinhas verdes e azuis, os passarinhos não sabem mais onde fazer seus ninhos e, por acharem tão fria esta primavera, abandonam as árvores de ar condicionado e metemse pelo vão das telhas e pelos canos dos aquecedores. Quanto aos pobres humanos, uns andam com gripes invernais muito prolongadas, outros não sabem o que fazer do seu belo guarda roupa de verão. Todas as manhãs, olha se para o céu: onde estamos? Na Holanda? Em Paris? Na Suíça? Vem o vento ríspido misturar os nossos papéis, sacudir as trepadeiras, estremecer as portas e distribuir lumbagos e

E a

torcicolos. A lama respinga por toda a parte. Nunca se sabe se o pé vai entrar numa poça ou num bueiro

Primavera, Primadona, espera no seu camarim, um pouco rouca, enquanto gregos e troianos jogam para o alto seus engenhos, que valem palácios, museus, hospitais, universidades, teatros, pacíficas habitações terrenas que seriam felizes com um pouco de graça e amor.

(MEIRELES, Cecília: crônicas para jovens; seleção, prefácio e notas biobibliográficas Antonieta Cunha – São Paulo: Global, 2012.)

01

Sobre a existência de uma relação de sinonímia entre a palavra destacada e o vocábulo entre parênteses, marque V para as alternativas verdadeiras e F para as falsas.

(

(

(

(

A sequência está correta em

A) V, F, F, F.

) “ engenhos clandestinos (1º§) – legais.

) “As estações perplexas, (2º§) – estupefatas.

) “ sempre há distúrbios: (3º§) – confusão.

) “ o vento ríspido misturar (6º§) – agreste.

B) V, F, V, F.

C) F, V, V, F.

D) F, V, V, V.

02

não passou (1º§). O excerto anterior constitui o exemplo de figura de linguagem denominada

A) antítese.

as estações se equivocaram e o Inverno, de barbas brancas, insiste com a Primavera em que o seu tempo ainda ”

B) paráfrase.

C) metonímia.

D) personificação.

03

Assinale a alternativa em que há um exemplo de estrutura que estabelece uma correlação de ideias.

A)

B) “…e só assim me parece explicável que neste mês de novembro possamos ainda trazer roupas de lã .” (3º§)

C) “ enquanto uma nadava no primeiro plano, com seus véus e outros acessórios, as outras, com muita elegância, ”

“A lama respinga por toda a parte. Nunca se sabe se o pé vai entrar numa poça ou num bueiro (6º§)

evoluíam em planos sucessivos, (2º§)

D) “As estações perplexas, mas bem educadas, apresentam suas razões com bons modos, não por desejarem estar no

cartaz, mas pela disciplina do próprio ofício .” (2º§)

mas pela disciplina do próprio ofício .” (2º§) Cargo: Assistente Social (02 ‐ T) Prova aplicada
mas pela disciplina do próprio ofício .” (2º§) Cargo: Assistente Social (02 ‐ T) Prova aplicada

Cargo: Assistente Social (02 T)

Prova aplicada em 12/07/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 13/07/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

16

CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE LIBERDADE/MG

16 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE LIBERDADE/MG 04 Em todas as frases a seguir a
16 CONCURSO PÚBLICO – PREFEITURA MUNICIPAL DE LIBERDADE/MG 04 Em todas as frases a seguir a

04

Em todas as frases a seguir a concordância verbal está correta, EXCETO:

A) 40% das pessoas sofrem com a indefinição das estações.

B) Já fazem alguns anos que a natureza vem sendo agredida pelos seres humanos.

C) A maioria das pessoas estranha a mudança que vem ocorrendo com as estações do ano.

D) Grande parte dos passarinhos escolhe as árvores mais frondosas para fazer seus ninhos.

05

“Pelo jardim há numerosos estragos. As plantas andam meio loucas: gardênias, que costumam desabrochar em dezembro, abriram repentinamente em outubro e agora estão secas e caem melancolicamente, querendo ainda conservar o perfume e o aveludado nas pétalas queimadas.” (4º§) O segmento anterior possui linguagem

A) pejorativa.

B) conotativa.

C) denotativa.

D) argumentativa.

06

“Quanto aos pobres humanos, uns andam com gripes invernais muito prolongadas, frase, possui o sentido oposto de “prolongadas” é

A) adiadas.

B) delongadas.

C) encurtadas.

(6º§) A palavra que, nessa

D) expandidas.

07

Segundo o texto as estações

A) sofreram mutações porque o clima tem ciclos e mudanças eficazes.

B) ficaram bem definidas e se alternam de acordo com a mãe natureza.

C) estão “perplexas” porque provocam uma condição climática equilibrada no planeta Terra.

D) estão “perplexas” porque a interferência humana na natureza tem trazido transtornos ao meio ambiente.

08

“Mas com os tais engenhos que perfuram o espaço, embora tão miseráveis, em relação ao universo como um espinho no pé de um elefante, creio que sempre há distúrbios: (3º§) A figura de linguagem presente no período anterior é

A) catacrese.

B) sinédoque.

C) comparação.

D) antonomásia .

09

Em todas as alternativas a concordância nominal fez se corretamente, EXCETO em:

A) Naquele jardim há bastantes flores coloridas.

B) O vento da primavera trouxe menas lama para as calçadas.

C) As pessoas ficaram meio estranhas depois daquela chuvarada.

D) É necessário muita saúde para enfrentar as mudanças climáticas.

10

“Que aconteceu? Pensam as flores. (Sim, porque as flores pensam.) E logo desaparecem, tristes. (Porque as flores também entristecem).” (4º§) Nesse segmento, a autora faz uma interrupção da narrativa. Essa interrupção se destina a

A) indicar uma ação em flashback .

B) indicar uma pausa maior de pensamento.

GABARITO

01 - C

- D

02

11

Seja a sequência

- C

04 - B

05 - B

03

O 10º termo dessa sequência é

A) D.

06 - C

07 - D

08 - C

09 - B

10 - C

12

B) O.

C) estabelecer intimidade com o interlocutor. D) fazer uma reflexão do que está sendo exposto.

RACIOCÍNIO LÓGICO

J ; 28 ; M ; 30 ; M ; 30 ; J ; 31 ;

C) 30.

D) 31.

O

produto entre o quarto e o quinto termo de uma progressão aritmética de razão 17 é igual a 38. Considerando que

o

primeiro termo é ímpar, então o menor termo positivo dessa sequência é

 

A)

11.

B) 13.

C) 15.

D) 19.

é   A) 11. B) 13. C) 15. D) 19. Cargo: Assistente Social (02 ‐ T)
é   A) 11. B) 13. C) 15. D) 19. Cargo: Assistente Social (02 ‐ T)

Cargo: Assistente Social (02 T)

Prova aplicada em 12/07/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 13/07/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

17

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE PALMA/MG

17 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE PALMA/MG C C A A R R G G O
17 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE PALMA/MG C C A A R R G G O

CCAARRGGOO:: AADDVVOOGGAADDOO

Tempo incerto

Os homens têm complicado tanto o mecanismo da vida que já ninguém tem certeza de nada: para se fazer alguma coisa é preciso aliar a um impulso de aventura grandes sombras de dúvida. Não se acredita mais nem na existência de gente honesta; e os bons têm medo de exercitarem sua bondade, para não serem tratados de hipócritas ou de ingênuos. Chegamos a um ponto em que a virtude é ridícula e os mais vis sentimentos se mascaram de grandiosidade, simpatia, benevolência. A observação do presente leva nos até a descer dos exemplos do passado: os varões ilustres de outras eras terão sido realmente ilustres? Ou a História nos está contando as coisas ao contrário, pagando com dinheiros dos testamentos a opinião dos escribas? Se prestarmos atenção ao que nos dizem sobre as coisas que nós mesmos presenciamos – ou temos que aceitar a mentira como a arte mais desenvolvida do nosso tempo, ou desconfiaremos do nosso próprio testemunho, e acabamos no hospício! Pois assim é, meus senhores! Prestai atenção às coisas que vos contam, em família, na rua, nos cafés, em várias letras de forma, e dizei me se não estão incertos os tempos e se não devemos todos andar de pulga atrás da orelha! A minha esperança estava no fim do mundo, com anjos descendo do céu; anjos suaves e anjos terríveis; os suaves para conduzirem os que se sentarão à direita de Deus, e os terríveis para os que se dirigem ao lado oposto. Mas até o fim do mundo falhou; até os profetas se enganam, a menos que as rezas dos justos tenham podido adiar a catástrofe que, afinal, seria também uma apoteose. E assim continuaremos a quebrar a cabeça com estes enigmas cotidianos. [ ]

Os pedestres pensam que devem andar no meio da rua. Os motoristas pensam que devem por os veículos nas

calçadas. Até os bondes, que mereciam a minha confiança, deram para sair dos trilhos. Os analfabetos, que deviam aprender, ensinam! Os revólveres, que eram consideradas armas perigosas, e para os quais se olhava a distância, como

quem contempla a Revolução Francesa ou a Guerra do Paraguai – pois os revólveres andam agora em todos os bolsos, como troco miúdo. E a vocação das pessoas, hoje em dia, não é nem para o diálogo com ou sem palavras, mas para balas de diversos calibres. Perto disso a carestia da vida é um ramo de flores. O que anda mesmo caro é a alma. E o Demônio passeia pelo mundo, glorioso e impune.

(Meireles, Cecília. 19011964. Escolha o seu sonho. Crônicas – 26ª ed.– Rio de Janeiro: Record, 2005Adaptado.)

] [

01

A alternativa em que a palavra sublinhada tem seu significado corretamente indicado é

A) “ seria também uma apoteose .” (5º§) – fato

B) “… e os mais vis sentimentos…” (2º§) – infames

C) “… é preciso aliar a um impulso…” (1º§) – separar

D) “ a opinião dos escribas?” (2º§) – escrevinhador

02

Segundo o texto

A) há uma necessidade de que os conceitos hoje vigentes sejam perpetuados para o bem da humanidade.

B) há um inconformismo da sociedade a respeito das relações humanas e as consequências que elas suscitam.

C) existe uma descrença da autora no comportamento contemporâneo da sociedade, pois há uma inversão de valores.

D) existe uma necessidade de se falar sobre tudo e todos e, a partir daí, realizar se uma construção justa da sociedade.

03

Assinale a alternativa em que o termo destacado NÃO pertence à classe gramatical dos demais.

A) “varões ilustres” (2º§)

B) “gente honesta” (1º§)

C) “diversos calibres” (6º§) D) “enigmas cotidianos” (5º§)

04

Assinale a alternativa que contém um exemplo de linguagem conotativa.

A) “Os pedestres pensam que devem andar no meio da rua.” (6º§)

B) “… e se não devemos todos andar de pulga atrás da orelha!” (4º§)

C) “Não se acredita mais nem na existência de gente honesta; (1º§)

D) “A minha esperança estava no fim do mundo, com anjos descendo do céu;…” (5º§)

no fim do mundo, com anjos descendo do céu;…” (5º§) Cargo: Advogado (01 ‐ T) Prova
no fim do mundo, com anjos descendo do céu;…” (5º§) Cargo: Advogado (01 ‐ T) Prova

Cargo: Advogado (01 T)

Prova aplicada em 04/10/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 05/10/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

18

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE PALMA/MG

18 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE PALMA/MG 05 “Até os bondes, que mereciam a minha confiança,
18 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE PALMA/MG 05 “Até os bondes, que mereciam a minha confiança,

05

“Até os bondes, que mereciam a minha confiança, deram para sair dos trilhos.” (6º§) A expressão sublinhada, de acordo com o sentido do texto,

A) tem como significado literal deslizar em linha reta.

B) é um exemplo de linguagem pejorativa empregada pela autora.

C) constitui uma linguagem padrão, enfatizando a formalidade linguística.

D) tem valor semântico de se desviar da retidão dos comportamentos habituais.

06

As palavras sublinhadas nas frases a seguir têm o mesmo valor semântico, EXCETO:

A) “… para se fazer alguma coisa…” ( 1º§)

B) “… se mascaram de grandiosidade,…” ( 2º§)

C) “ e se não devemos todos

D) “ os profetas se enganam, (5º§)

(4º§)

07

“Prestai atenção às coisas

fossem reescritas no singular ficariam

A) presta – dize.

,

dizei me se

B) presta – diga.

(4º§). As formas verbais assinaladas estão flexionadas no plural. Se

C) preste – dize.

D) preste – diga.

08

A autora depositava no fim do mundo suas esperanças porque acreditava ser uma forma de

A) se iniciar um novo julgamento.

B) punir os maus e recompensar os bons.

C) julgar as atitudes humanas e dar a elas uma redenção.

D) reflexão das pessoas em relação ao mundo em que vivem.

09

“ os que se sentarão à direita de Deus, mesma razão da frase anterior.

A) “… atenção às coisas…” (4º§)

B) Os homens foram à cidade.

(5º§). Assinale a alternativa em que o acento da crase foi utilizado pela

C) Às vezes eles saíam sozinhos. D) Os motoristas se dirigiram à praça.

10

“E a vocação das pessoas, hoje em dia, não é nem para o diálogo com ou sem palavras, mas para balas de diversos calibres.” (6º§) Infere se do excerto anterior que as pessoas

A) não resolvem conflitos de forma pacífica, a violência é a mediadora.

B) pouco se importam com o próximo, querem sempre o melhor para si.

C) não procuram, em suas relações, atenuantes para resolver os conflitos.

D) não sabem mais dialogar, precisam de gestos rápidos e olhares precisos.

11

RACIOCÍNIO LÓGICO

GABARITO

01 - B

02 - C

Um compositor escreveu num período de cinco anos um total de 50 canções. Considere que essas canções foram

escritas de acordo com a tabela a seguir.

03

04 - B

- C

   

06 05 Número de canções escritas

- D

- C

 

Ano

2010

07 - A

2011

08 09 3 canções a menos que 2010.

- B

- C

2012

10 8 canções a mais que 2011.

- A

2013

Um terço das canções escritas em 2012.

2014

Metade das canções escritas em 2013.

Quantas canções esse compositor escreveu nos dois primeiros anos considerados?

A) 21.

B) 22.

C) 23.

D) 24.

primeiros anos considerados? A) 21. B) 22. C) 23. D) 24. Cargo: Advogado (01 ‐ T)
primeiros anos considerados? A) 21. B) 22. C) 23. D) 24. Cargo: Advogado (01 ‐ T)

Cargo: Advogado (01 T)

Prova aplicada em 04/10/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 05/10/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

19

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG

19 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG CARGO: ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Texto Uni, duni, tê Nunca
19 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG CARGO: ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Texto Uni, duni, tê Nunca

CARGO: ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

Texto

Uni, duni, tê

Nunca me dei bem com os números. Primeiro, apanhei nas aulas de matemática durante toda a vida escolar. Agora, sofro para decorar telefones, senhas, datas e, principalmente, apartamentos. Batata: chego diante de um prédio, sei que é ali o endereço em que devo ir, mas não decoro o bendito número do apartamento. Quando há porteiros, o problema pode ser sanado com uma pequena dose de constrangimento. Digo o nome do morador, confesso que esqueci o apartamento dele, recebo um pouco de boa vontade e consigo ser anunciado. Pior é quando fico diante daquele painel de botões, todos com os mesmos números: 101, 102, 103 etc. Na base da sorte, lembro o andar. Também parto para deduções: é nos fundos e, por convenção, os primeiros números contemplam os apartamentos de frente. Logo, é 505, 506, 507 ou 508. Uni, duni, tê… A violência urbana entra como fator complicador. Quando escolho o apartamento na base do palpite, e erro, quem está ao interfone fica muito desconfiado. Menos quando é uma idosa, que abre a porta sem medo. Mas aí corro outro risco: estou dentro do prédio, mas ainda não sei qual é o apartamento. Em edifícios antigos tudo é mais fácil – as portas já estão repletas de diferenças. Ou tem uma samambaia, ou um vaso com Espada de São Jorge, ou o modelo da grade é diferente, ou tem aquele capacho peculiar… Pior são os edifícios novos e seu padrão rígido de design , tão mais harmônico quanto impessoal. Aí é torcer para que o amigo seja judeu e tenha à direita de sua porta o Mezuzá. Minha redenção chegou em forma de tecnologia: telefone celular. Em sua agenda, posso colocar nome, números e endereço. Ou basta ligar para o morador e avisar que estou ali na rua, já defronte ao prédio. O celular ainda conta com uma vantagem adicional, que é a de não precisar mais decorar o número do sujeito. Digito o nome e ele já sabe (agora mesmo que desaprendi os telefones dos amigos). Se eu perder o aparelho ou o chip, estou frito. Em tudo sou diferente dos profissionais de portaria. Para eles, decorar os números é questão de qualidade. Os apartamentos passam a ser uma espécie de sobrenome dos moradores. Se o jardineiro perguntar quem entrou agora mesmo, o porteiro responderá que foi o seu João do 403. Quem? O esposo da dona Maria Rita do 403. Ah, o pai do Julinho do 403! Nem Cunha, nem Santos, nem da Silva. A família (incluindo o cachorro) passa a ser os do 403. E não apenas para consumo interno: se um prestador de serviços perguntar quem é o síndico, dirão o nome do seu Ivo do 607. Saudade do tempo em que a maioria das pessoas com quem eu me relacionava habitava casas localizadas em bairros. Bastava ir uma única vez e já estaria decorado. E, se fosse o caso de referir, dizia: o Roberto, da casa verde, de esquina. Ou aquela do telhado alto, com janelas brancas, muro marrom. Nada de números, apenas imagens. Muito mais humano! Afinal, quando estou diante do porteiro especulando um apartamento e o morador está em dúvida de quem seja eu, ele não informa o RG. Sempre escuto: é um rapaz magrinho, branquinho, assim meio calvo…

(Rubem Penz. Disponível em: http://rubem.wordpress.com/2014/10/17/uni duni te rubem penz/. Adaptado.)

01

De acordo com o texto, é correto afirmar que, para o autor,

A) os números substituem sobrenomes.

B) os números facilitam a vida das pessoas, mas as imagens são mais fáceis de serem lembradas.

C) é fácil memorizar senhas pessoais, mas difícil saber o número do apartamento que se pretende ir.

D) é primordial saber, de cor, o telefone dos amigos, embora a agenda do celular facilite essa memorização.

02

Com base no trecho “Quando escolho o apartamento na base do palpite, e erro, quem está ao interfone fica muito desconfiado.” (3º§), e de acordo com o disposto no texto, a desconfiança ocorre

A) por ser uma característica intrínseca do ser humano.

B) porque a pessoa que atende ao interfone não está esperando visitas.

C) pelo fato de ser inadmissível uma pessoa errar o número do apartamento de um amigo.

D) pelo desconhecimento da pessoa com quem se fala, visto que pode se tratar de pessoa com má intenção.

03

De acordo com o disposto no texto, os termos destacados podem ser substituídos pelos vocábulos relacionados, sem que haja alteração de sentido, EXCETO:

A) “Minha redenção chegou em forma de tecnologia: telefone celular.” (4º§) – salvação

B) “Afinal, quando estou diante do porteiro especulando um apartamento [

C) “Agora, sofro para decorar telefones, senhas, datas e, principalmente, apartamentos.” (1º§) – padeço

D) “Quando há porteiros, o problema pode ser sanado com uma pequena dose de constrangimento.” (2º§) – remediado

]”

(6º§) – bisbilhotando

(2º§) – remediado ]” (6º§) – bisbilhotando Cargo: Assistente Administrativo (01 ‐ M) Prova aplicada
(2º§) – remediado ]” (6º§) – bisbilhotando Cargo: Assistente Administrativo (01 ‐ M) Prova aplicada

Cargo: Assistente Administrativo (01 M)

Prova aplicada em 11/01/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 12/01/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

20

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG

20 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG 04 Analise a classificação das orações destacadas nas
20 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO POMBA/MG 04 Analise a classificação das orações destacadas nas

04

Analise a classificação das orações destacadas nas seguintes alternativas.

I. “Digo o nome do morador, confesso que esqueci o apartamento dele, recebo um pouco de boa vontade e consigo ser anunciado.” (2º§) – Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta

II. “Se eu perder o aparelho ou o chip, estou frito.” (4º§) – Oração Subordinada Adverbial Condicional

III. “Afinal, quando estou diante do porteiro especulando um apartamento e o morador está em dúvida de quem seja eu, ele não informa o RG.” (6º§) – Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta

Estão corretas as alternativas

A) I, II e III.

B) I e II, apenas.

C) I e III, apenas.

D) II e III, apenas.

05

Assinale a alternativa cuja função sintática do vocábulo “que” DIFERE das demais.

A) “[ o porteiro responderá que foi o seu João do 403.” (5º§)

]

B) “Menos quando é uma idosa, que abre a porta sem medo.” (3º§)

C) “[ chego diante de um prédio, sei que é ali o endereço [

D) “Ou basta ligar para o morador e avisar que estou ali na rua [

]

]” (1º§)

]” (4º§)

06

Assinale a alternativa em que as palavras apresentam o mesmo processo de formação.

A) complicador – referir

B) decorar – desconfiado

C) portaria – apartamento D) morador – constrangimento

07

Analise as seguintes orações.

I. “Em tudo sou diferente dos profissionais de portaria.” (5º§)

II. “Bastava ir uma única vez e já estaria decorado.” (6º§)

III. “Pior são os edifícios novos e seu padrão rígido de design, tão mais harmônico quanto impessoal.” (3º§)

Acerca das orações anteriores é correto afirmar que

A) todas são formadas por orações absolutas.

B) todas possuem orações coordenadas assindéticas.

C) uma delas apresenta oração coordenada sindética. D) uma delas apresenta oração subordinada adverbial.

08

Em relação aos termos da oração, analise os vocábulos destacados e a classificação atribuída a cada um deles. Em seguida, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas.

(

) “[ o problema pode ser sanado com uma pequena dose de constrangimento.” (2º§) – conjunção

]

(

) “Nunca me dei bem com os números.” (1º§) – advérbio

( ) Minha redenção chegou em forma de tecnologia: telefone celular.” (4º§) – aposto A sequência está correta em

A) F, V, V.

B) V, F, V.

C) V, V, F.

D) V, V, V.

09

Assinale a alternativa em que o verbo em destaque encontrase conjugado no Pretérito Imperfeito do Indicativo.

A) “Aí é torcer para que o amigo seja judeu [

B) “Bastava ir uma única vez e já estaria decorado.” (6º§)

C) “Os apartamentos passam a ser uma espécie de sobrenome [

D) “Primeiro, apanhei nas aulas de matemática durante toda a vida escolar.” (1º§)

]” (3º§)

GABARITO

01 - A

06 - D

02 - D

07 - C

03 - B

08 - A

04 - B

09 - B

05 - B

10 - D

]” (5º§)

10

Assinale a alternativa em que a justificativa para o emprego da(s) vírgula(s) encontrase INCORRETA.

A) “Ou aquela do telhado alto, com janelas brancas, muro marrom.” (6º§) – separar termos enumerativos

B) “O celular ainda conta com uma vantagem adicional, que é a de não precisar mais decorar o número do sujeito.” (4º§) – separar oração adjetiva explicativa

C) “Quando há porteiros, o problema pode ser sanado com uma pequena dose de constrangimento.” (2º§) – separar oração subordinada adverbial anteposta à oração principal

D) “Digo o nome do morador, confesso que esqueci o apartamento dele, recebo um pouco de boa vontade e consigo ser anunciado.” (2º§) – separar orações coordenadas sindéticas

(2º§) – separar orações coordenadas sindéticas Cargo: Assistente Administrativo (01 ‐ M) Prova aplicada
(2º§) – separar orações coordenadas sindéticas Cargo: Assistente Administrativo (01 ‐ M) Prova aplicada

Cargo: Assistente Administrativo (01 M)

Prova aplicada em 11/01/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 12/01/2015.

3

www.pciconcursos.com.br

21

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL/ES

21 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL/ES C C A A R R
21 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL/ES C C A A R R

CCAARRGGOO:: AAGGEENNTTEE FFIISSCCAALL AAMMBBIIEENNTTAALL

Como cuidar de seu dinheiro em 2015

Gustavo Cerbasi. Em 2015, cuidarei bem do meu dinheiro. Organizarei bem os números e as verbas. Esses números mudarão bastante ao longo do ano. Um monstro chamado inflação ronda o país. Só que, agora, ele usa um manto da invisibilidade, que ganhou de seu criador, o governo. Quando morder meu bolso, eu nem saberei de onde terá vindo o ataque, não terei tempo de me defender. Por isso, deixarei boas gorduras no orçamento para atirar a ele, quando aparecer. Essas gorduras serão chamadas de verba para lazer e reservas de emergência. Em 2015, não farei apostas. Já há gente demais apostando em imóveis, ações e outros investimentos especulativos. Farei escolhas certeiras. Deixarei a maior parte de meu investimento na renda fixa. Ela está com uma generosidade única no mundo. Enquanto isso, estudo o desespero de especuladores que aguardarão a improvável recuperação dos imóveis, da Petrobras, da credibilidade dos mercados. Quando esses especuladores jogarem a toalha, usarei parte de minhas reservas para fazer investimentos bons e baratos. Mas não na Petrobras. Muita gente fala que, com a inflação e a recessão, pode perder o emprego ou os clientes. Faltará renda, faltarão consumidores. O ano de 2015 será, mais uma vez, ruim para quem vende. Será um ano bom para quem pensa em comprar. Estarei atento aos bons negócios para quem tem dinheiro na mão. Se a renda fixa paga bem, a compra à vista tende a me dar descontos maiores. É por esse mesmo motivo que, em 2015, evitarei as dívidas. Os juros estão altos e isso me convida a poupar, e não a alugar dinheiro dos bancos. Dívidas de longo prazo são corrigidas pela inflação, também em alta. Por isso, aproveitarei os ganhos extras de fim de ano para liquidar dívidas e me policiar para não contrair novas. No ano que começa, também não quero fazer papel de otário e deixar nas mãos do governo mais impostos do que preciso. Não sonegarei. Mas aproveitarei o fim do ano para organizar meus papéis e comprovantes, planejar a declaração de Imposto de Renda de março e tentar a maior restituição que puder, ou o mínimo pagamento necessário. Listarei meus gastos com dependentes, educação e saúde, doarei para instituições que fazem o bem, aplicarei num PGBL o que for necessário para o máximo benefício. Entregarei minha declaração quanto antes, no início de março. Quero ver minha restituição na conta mais cedo, já que 2015 será um ano bom para quem tiver dinheiro na mão. Para quem lamenta, recomendo cuidado com o monstro e com o governo. Para quem está atento às oportunidades, desejo boas compras.

(Disponível em: http://epoca.globo.com/colunase blogs/gustavo cerbasi/noticia/2015/01/comocuidar de bseu dinheirob em 2015.html Acesso em: 06/02/2015.)

01

De acordo com a tipologia textual, o objetivo principal do autor é

A) narrar.

B) instruir.

C) descrever.

D) argumentar.

02

Considerando as informações expressas no texto, assinale a alternativa que refere se ao seu assunto principal.

A) A alta da inflação.

B) O ano de 2015 será um ano de recessão.

C) A necessidade de um planejamento financeiro para 2015.

D) É necessário planejarse para a declaração do Imposto de Renda em 2015.

03

De acordo com as informações apresentadas no texto, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas.

(

) Em 2015, investir nas ações da Petrobras é garantia certa de lucratividade.

(

) As vendas cairão em 2015, por isso, será um bom ano para quem for comprar à vista.

(

) No ano de 2015, os juros cairão, portanto, é indicado que se compre parcelado.

( ) Com o aumento da inflação, as dívidas a longo prazo também são corrigidas. A sequência está correta em

A) F, V, F, V.

B) V, V, F, F.

C) F, F, F, V.

D) V, V, V, V.

04

No trecho “Quando esses especuladores jogarem a toalha, usarei parte de minhas reservas para fazer investimentos bons e baratos. Mas não na Petrobras.” (2º§), o termo em destaque expressa uma relação de

A) ligação.

B) contraste.

C) conclusão.

D) explicação.

A) ligação. B) contraste. C) conclusão. D) explicação. Cargo: Agente Fiscal Ambiental (02 ‐ M) Prova
A) ligação. B) contraste. C) conclusão. D) explicação. Cargo: Agente Fiscal Ambiental (02 ‐ M) Prova

Cargo: Agente Fiscal Ambiental (02 M)

Prova aplicada em 01/03/2015 – Disponível no endereço eletrônico www.idecan.org.br a partir do dia 02/03/2015.

2

www.pciconcursos.com.br

2

2

CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL/ES

2 2 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL/ES 05 Nos trechos a seguir
2 2 CONCURSO PÚBLICO – MUNICÍPIO DE RIO NOVO DO SUL/ES 05 Nos trechos a seguir

05

Nos trechos a seguir todos os verbos destacados estão flexionados no mesmo tempo, EXCETO:

A) “Faltará renda, faltarão consumidores.” (3º§)

B) “Em 2015, cuidarei bem do meu dinheiro.” (1º§)

C) “É por esse mesmo motivo que, em 2015, evitarei as dívidas.” (3º§)

D) “Os juros estão altos e isso me convida a poupar, e não a alugar dinheiro dos bancos.” (3º§)

06

Nos fragmentos a seguir, os trechos sublinhados exercem a mesma função, EXCETO:

A) “O ano de 2015 será, mais uma vez, ruim para quem vende.” (3º§)

B) “Dívidas de longo prazo são corrigidas pela inflação, também em alta.” (3º§)

C) “Muita gente fala que, com a inflação e a recessão, pode perder o emprego ou os clientes.”